SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 35
Baixar para ler offline
CINEMA DE
PORTUGAL
INTRODUÇÃO

   Cinema de Portugal, ou cinema português,
    refere-se essencialmente a filmes realizados por
    autores portugueses. São em princípio
    considerados também portugueses alguns filmes
    de autores estrangeiros com participação
    financeira nacional.

    O início do cinema português tem lugar com a
    exibição das primeiras curtas-metragens
    amadoras de um empresário da cidade do Porto,
    Aurélio Paz dos Reis
   A ficção cinematográfica portuguesa nasce em
    1907, uns bons onze anos depois das primeiras
    obras do género terem sido criadas por Georges
    Méliès, em França. É uma curta-metragem
    filmada pelo fotógrafo lisboeta João Freire
    Correia e realizada por Lino Ferreira, O Rapto de
    uma Actriz. Com este filme, tem início o primeiro
    Ciclo de Lisboa.
OS ANOS ‘70

   Diretores começou a fazer filmes no estilo do
    cinema direto e aborda questões que não
    puderam ser rastreados, até então, a câmera.
   Manoel de Oliveira torna-se famoso com filmes de
    pura ficção, por exemplo, O Passado e O
    Presente, em 1971, o primeiro filme com o Centro
    Português de Cinema. Antonio de Macedo é o
    seguiente cineasta que traz renome internacional
    com seu filme A Promessa, 1972, sendo o terceiro
    filme português na competição seleccionada no
    Festival de Cannes.
   Manoel de Oliveira de nome completo Manoel
    Cândido Pinto de Oliveira é um cineasta
    português e, actualmente, o mais velho do mundo
    em actividade.
   Em 1963, O Acto da Primavera (segunda
    docuficção portuguesa) marcou uma nova fase do
    seu percurso. Com este filme, praticamente ao
    mesmo tempo que António Campos, iniciou
    Oliveira em Portugal a prática da antropologia
    visual no cinema.
   Manoel de Oliveira insiste em dizer que só cria
    filmes pelo gozo de os fazer, independente da
    reacção dos críticos. Apesar dos múltiplos
    condecorações em alguns dos festivais mais
    prestigiados do mundo, tais como o Festival de
    Cannes, Festival de Veneza ou o Festival de
    Montreal, leva uma vida retirada e longe das
    luzes da ribalta.
JOÃO CÉSAR MONTEIRO

   João César Monteiro Santos (Figueira da Foz,
    2 de Fevereiro de 1939 — Lisboa, 3 de Fevereiro
    de 2003) foi um cineasta português. Integrou o
    grupo de jovens realizadores que se lançaram no
    movimento do Novo Cinema.
   É dos poucos cineastas associados ao movimento
    do novo cinema que não prossegue estudos
    universitários. A propósito, o seu alter-ego, no
    filme Fragmentos de um Filme Esmola (1973),
    explica-se assim: «A escola é a retrete cultural do
    opressor».
Século XXI
Anos 2000/10
Traços gerais
 A primeira década do século é caracterizada por uma
  primeira fase (2000 a 2005) em que predominam filmes de
  autor, se acentuam tendências experimentais, se aposta em
  motivos ousados, em que se desvela injustiças sociais,
  filmes que revelam alguma inquietação pelo evoluir da
  situação que afecta o país e as mentalidades.
 A situação altera-se radicalmente com o aparecimento, a
  partir de 2005, de filmes comerciais cujo público-alvo são as
  audiências habituais das telenovelas, quem se habituou a
  gostar de histórias cor-de-rosa, a seguir intrigas escabrosas
  ou fait divers mediáticos, a assistir ao folhetim diário da
  vida de figuras públicas que os jornais ou televisões. Em
  suma: a televisão invade o cinema.
Prevalência dos autores: 2000 a 2005
a entrada no século
   O século tem entrada animada. O início é marcado
    por uma derradeira irreverência do João César
    Monteiro, mal parado nos seus devaneios
    autobiográficos, e pouco tempo depois pelo seu
    desaparecimento (Fevereiro de 2003). A Branca de
    Neve, que ele deixou sem imagem, ficaria a negro.
    Pelos caminhos de um negro imaginário, mas com
    imagem bem ao vivo, prosseguirá o cinema português
    – sempre muito fechado em casa, agora um bocadinho
    mais visto por fora – na tradição realista e no retrato
    social. Retrato, no caso de José Álvaro Morais, de um
    país «que agarra as pessoas com tanta força ao mesmo
    tempo que lhes dá vontade de fugir» (Quaresma
    (filme) - Festival de Cannes, Quinzena dos
    Realizadores, 2003).
JOÃO CÉSAR MONTEIRO
   João Pedro Rodrigues, cineasta radical,
    cruel no que exibe (O Fantasma - 2000),
    provoca à sua maneira ao abordar a
    obsessão e o fetiche na homossexualidade
    masculina e o seu filme, em certos dos
    nossos meios e nalgumas salas lá de fora,
    torna-se objecto de culto. Influenciada por
    Pedro Costa, a jovem Cláudia Tomaz,
    explorando também o tema da
    marginalidade e da toxicodependência,
    obtém com a sua primeira longa-metragem
    Noites (2000), «um filme só pele e osso», o
    Prémio Melhor Filme da Semana da
    Crítica no Festival de Veneza. O começo do
    século é visto em film noir.
   Na passagem de 2001 para 2002, a obra de Manoel de
    Oliveira é tema para uma retrospectiva no Centro Georges
    Pompidou, em Paris, com a presença do realizador, de
    ilustres personalidades portuguesas, com particular pompa
    e circunstância, só quebradas pelo sempre juvenil
    atrevimento do velho Jean Rouch, cujos amores errantes
    lhe deixaram na alma imagens fortes de Portugal. Nessa
    errância, por amor também, dois anos volvidos, soltará ele
    de vez a sua alma em África, terra de cinema, que O
    Gotejar da Luz (Fernando Vendrell - 2001) levaria ao
    Festival de Berlim (2002). No mesmo festival mas ano
    seguinte, também Joaquim Sapinho marcaria a sua
    presença com a sua aguardada segunda longa-metragem
    Mulher Polícia (2003). Em 2003, Ricardo Costa, arriscando
    por paragens menos urbanas, marca presença com uma
    docuficção nos Novos Territórios do Festival de Veneza
    (Brumas - 2003).
   O grande público é agora mais escasso para o cinema
    português, não é o mesmo de há vinte anos. O sonho
    de distribuir filmes no Brasil esvai-se mal se percebe
    que por lá não seriam melhor as coisas. A Selva
    (2002) de Leonel Vieira não responde às expectativas.
    O Delfim de Fernando Lopes fica abaixo do esperado.
    Afoita-se outra vez Leonel Vieira e dá Um Tiro no
    Escuro (2005). O Fascínio (2003) de José Fonseca e
    Costa fica aquém do previsto. O mesmo sucederá em
    idênticas tentativas. Tipificando pelo lado do teatro
    como faz Oliveira, João Botelho tenta a comédia em
    estilo de revista. Rodeada de personagens típicas da
    nação, A Mulher que Acreditava ser Presidente dos
    Estados Unidos – 2003) também lá não chega.
a encruzilhada

   Misturam-se géneros e linguagens, o vídeo e a
    televisão entram em força no reino do cinema. A
    meio de uma década com o país em crise vê-se o
    cinema português numa encruzilhada. Cria-se
    novos modelos de financiamento para o salvar, a
    par dos que são atribuídos pelo Ministério da
    Cultura a fundo perdido e surge o controverso
    FICA (Fundo de Investimento para o Cinema e
    Audiovisual), em que são aplicados capitais geridos
    por uma entidade bancária, com retorno em prazo
    alargado.
Prevalência do comércio: 2005 a 2010
sinais de mudança
   Na segunda fase da década, – no mesmo ano em que,
    com Stanley Donen, Manoel de Oliveira, em
    consagração coincidente com a proximidade do seu
    centenário (2008), é homenageado com um "Leão de
    Ouro" (o segundo) pela sua carreira, também no
    Festival de Veneza (2004), onde no ano anterior fora
    exibido Um Filme Falado – por cá, mas noutro
    registo, dá que falar O Crime do Padre Amaro, de
    Carlos Coelho da Silva, que se apresenta em estilo de
    telenovela bem temperada, versão cinematográfica de
    uma série da SIC.
   Sucede algo de parecido com o Filme da Treta (2006), de
    José Sacramento, no humor rasteiro de Luís de Carvalho e
    Castro, montagem de sketches de uma série de televisão
    adaptada a cinema. Ambos os filmes atingem recordes de
    bilheteira, o primeiro quase alcança os quatrocentos mil
    espectadores e o segundo fica perto dos trezentos mil.
    Estamos perante os primeiros sinais de séria mudança.
    Esta transbordante maré acabará por submergir vários dos
    filmes de autor (e não só) que então se estreiam. Certos
    escapam, graças aos temas que abordam : uma filha
    perdida na cidade de Lisboa, (Alice - 2005), de Marco
    Martins, primeira obra levada ao Festival de Cannes, a
    morte dramática na mesma conturbada cidade de um
    jovem de sexualidade ambígua e a falsa gravidez de uma
    namorada traída (Odete, novo filme de João Pedro
    Rodrigues, também com presença em Cannes).
   Dez anos depois de ter
    sido filmado, estreia o
    documentário Diários da
    Bósnia de Joaquim
    Sapinho, filme que
    ilustra um grave conflito
    internacional da época.
    Propenso ao folhetim e
    sempre teatral na
    paródia, ilustrando bem
    a seu modo a força do
    destino, João Botelho
    volta às luzes da ribalta
    no Festival de Veneza: O
    Fatalista.
Filmes de 2012
   TABU
   “Tabu”, a terceira e premiada longa-metragem do
    realizador Miguel Gomes, é uma co-produção entre
    Portugal, França, Alemanha e Brasil, uma saga a preto
    e branco, sobre um amor passado em África, e conta no
    elenco com Ana Moreira, Laura Soveral, Teresa
    Madruga e Carlotto Cota, entre outros.
   O filme foi distinguido em fevreiro, no festival de cinema
    de Berlim, com o prémio Alfred Bauer para a
    Inovação e com o prémio especial da crítica. Em
    março, conquistou o prémio Lady Harimaguada de
    Prata no Festival de Las Palmas, em Espanha.
   Em «Tabu», Miguel Gomes trabalhou a ideia da
    memória, «a memória de coisas extintas, a memória de
    alguém que morre e de uma sociedade que também já se
    extinguiu», (contou Miguel Gomes à Agência Lusa)
   O filme conta a história de Aurora, em duas partes
    marcadas por fortes contrastes (velhice/juventude,
    monotonia/aventura, cidade/selva).
    A primeira parte do filme, intitulada «Paraíso Perdido»,
    é passada em Lisboa, relata uma vida banal de três
    personagens - a idosa Aurora (Laura Soveral), a sua
    empregada africana, Santa (Isabel Cardoso), e Pilar
    (Teresa Madruga), uma vizinha empenhada em causas
    sociais -, e termina com a morte de Aurora.
   Na segunda parte, que dá pelo nome de «Paraíso»,
    vemos então a jovem Aurora (Ana Moreira), filha de um
    colono português em África, dona de uma fazenda,
    mulher casada que trai o marido com o baterista de uma
    banda, cometer um assassínio, no auge da tragédia
    amorosa.
DURANTE ESTA SEGUNDA PARTE, OS ATORES NÃO FALAM, OUVINDO-SE
APENAS O NARRADOR E A BANDA SONORA, EM JEITO DE HOMENAGEM DE
MIGUEL GOMES AO CINEMA MUDO, PRINCIPALMENTE A UM DOS SEUS
GRANDES MESTRES, O ALEMÃO FRIEDRICH WILHELM MURNAU.
   RAFA
A curta-metragem “Rafa”, de João Salaviza venceu o Urso de Ouro,
no festival de Berlim. O realizador português também já conquistou
a Palma de Ouro, no festival de Cannes, com a curta-metragem
“Arena“.
 A nova curta-metragem do jovem realizador
  português, de 27 anos, conta a história de um
  adolescente que se aventura do interior da sua
  casa do subúrbio para visitar a mãe numa prisão
  de Lisboa.
 João Salaviza considera Rafa como o terceiro
  capítulo de uma espécie de trilogia iniciada com
  “Arena”, em 2009, e continuada com “Cerro
  Negro”, no ano passado.
O ator John Malkovich interpreta em Portugal, o
último filme de cineasta Raul Ruiz




   O que têm em comum os realizadores Raul Ruiz e
    Manoel de Oliveira? O sentido de humor, uma visão
    singular do mundo como John Malkovich, que esteve
    hoje em Lisboa para falar do trabalho com os dois
    cineastas.
O actor John Malkovich e o produtor Paulo Branco ontem, na Fnac do
Chiado, em Lisboa
Raul Ruiz
   Após o desaparecimento de franco- chileno
    diretor no verão passado em Paris, Português
    produtor de filme Paulo Branco anunciou planos
    para realizar este filme sobre a invasão
    napoleônica a Portugal. O projeto foi retomado no
    ano passado, a viúva do cineasta, Valeria
    Sarmiento.
"É difícil, mas deve fazer o filme
para ele", disse Valeria Sarmiento.
O ator não gosta de comparar a técnica de Ruiz com a
de Valeria Sarmiento, que assumiu a realização de "As Linhas de
Torres Vedras", mas encontrou em ambos a mesma "tranqulidade e
sentido de humor".
   "Eu era capaz de trabalhar com ele [Raul Ruiz]
    vezes e vezes sem conta. Os atores adoravam-no
    porque ela gostava de atores. Porque há
    realizadores que não gostam de atores. Ele tinha
    muito bom gosto na representação", disse John
    Malkovich, que recordou ter conhecido Raul Ruiz
    em Paris, através de Paulo Branco.
   Para Malkovich, Raul Ruiz foi "o pensador mais
    independente" que conheceu no cinema e partilhava
    com Manoel de Oliveira uma "visão única e singular"
    sobre o mundo.
   Também com o produtor Paulo Branco, John
    Malkovich rodou alguns filmes com Manoel de
    Oliveira, nomeadamente "O Convento" (1995) e "Um
    Filme Falado" (2003).
   "Se eu vivesse até aos 104 anos não ficaria
    surpreendido que ele estivesse a filmar, porque há
    qualquer coisa de estranho", brincou Malkovich, a
    propósito da boa forma física e longevidade de Manoel
    de Oliveira, recordando alguns episódios de rodagens.
O ator disse que o cinema ainda faz sentido:
 "Realizadores como Oliveira e Ruiz ajudam-nos a
 fingir que a vida é bela"



                     John Malkovich
 Buțu Andreea
 Chiuță Adina

 Iancu Cristina

 Lia Emilia
 Maxem Evelyne

 Mîinea Andreea
 Mocanu Raluca

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A historia da televisão
A historia da televisãoA historia da televisão
A historia da televisãoJacket25
 
Introdução à linguagem audiovisual
Introdução à linguagem audiovisualIntrodução à linguagem audiovisual
Introdução à linguagem audiovisualThiago Assumpção
 
A vida é bela
A vida é belaA vida é bela
A vida é belaIva Leão
 
Trabalho sobre Cabo Verde
Trabalho sobre Cabo VerdeTrabalho sobre Cabo Verde
Trabalho sobre Cabo VerdeKaren Elen
 
Estruturas externa-e-interna de "Frei Luís de Sousa"
Estruturas externa-e-interna de "Frei Luís de Sousa"Estruturas externa-e-interna de "Frei Luís de Sousa"
Estruturas externa-e-interna de "Frei Luís de Sousa"Maria Góis
 
INTRODUÇÃO À PRODUÇÃO DE ROTEIRO
INTRODUÇÃO À PRODUÇÃO DE ROTEIROINTRODUÇÃO À PRODUÇÃO DE ROTEIRO
INTRODUÇÃO À PRODUÇÃO DE ROTEIROFausto Coimbra
 
Unidade A3 - Breve história do cinema BRASILEIRO.pdf
Unidade A3 - Breve história do cinema BRASILEIRO.pdfUnidade A3 - Breve história do cinema BRASILEIRO.pdf
Unidade A3 - Breve história do cinema BRASILEIRO.pdfThiago Assumpção
 
História do Cinema
História do CinemaHistória do Cinema
História do CinemaFilipe Leal
 

Mais procurados (20)

A historia da televisão
A historia da televisãoA historia da televisão
A historia da televisão
 
Escrita guiao
Escrita guiaoEscrita guiao
Escrita guiao
 
Historia do cinema
Historia do cinema Historia do cinema
Historia do cinema
 
Evolução da televisão
Evolução da televisãoEvolução da televisão
Evolução da televisão
 
01. O cinema como arte
01. O cinema como arte01. O cinema como arte
01. O cinema como arte
 
Introdução à linguagem audiovisual
Introdução à linguagem audiovisualIntrodução à linguagem audiovisual
Introdução à linguagem audiovisual
 
A vida é bela
A vida é belaA vida é bela
A vida é bela
 
Cubismo
CubismoCubismo
Cubismo
 
Portugal
PortugalPortugal
Portugal
 
Trabalho sobre Cabo Verde
Trabalho sobre Cabo VerdeTrabalho sobre Cabo Verde
Trabalho sobre Cabo Verde
 
Estruturas externa-e-interna de "Frei Luís de Sousa"
Estruturas externa-e-interna de "Frei Luís de Sousa"Estruturas externa-e-interna de "Frei Luís de Sousa"
Estruturas externa-e-interna de "Frei Luís de Sousa"
 
Leitura de imagem
Leitura de imagemLeitura de imagem
Leitura de imagem
 
Amália Rodrigues
Amália RodriguesAmália Rodrigues
Amália Rodrigues
 
INTRODUÇÃO À PRODUÇÃO DE ROTEIRO
INTRODUÇÃO À PRODUÇÃO DE ROTEIROINTRODUÇÃO À PRODUÇÃO DE ROTEIRO
INTRODUÇÃO À PRODUÇÃO DE ROTEIRO
 
Tabela "Vanguardas Europeias"
Tabela "Vanguardas Europeias"Tabela "Vanguardas Europeias"
Tabela "Vanguardas Europeias"
 
Origem cinema
Origem cinemaOrigem cinema
Origem cinema
 
Som de cinema
Som de cinemaSom de cinema
Som de cinema
 
Unidade A3 - Breve história do cinema BRASILEIRO.pdf
Unidade A3 - Breve história do cinema BRASILEIRO.pdfUnidade A3 - Breve história do cinema BRASILEIRO.pdf
Unidade A3 - Breve história do cinema BRASILEIRO.pdf
 
História do Cinema
História do CinemaHistória do Cinema
História do Cinema
 
Surrealismo
SurrealismoSurrealismo
Surrealismo
 

Destaque (20)

História do cinema portugues
História do cinema portuguesHistória do cinema portugues
História do cinema portugues
 
Cinemaportuguês
CinemaportuguêsCinemaportuguês
Cinemaportuguês
 
[HAVC] Cinema: Manoel de Oliveira
[HAVC] Cinema: Manoel de Oliveira[HAVC] Cinema: Manoel de Oliveira
[HAVC] Cinema: Manoel de Oliveira
 
História do cinema
História do cinemaHistória do cinema
História do cinema
 
Historia do cinema
Historia do cinemaHistoria do cinema
Historia do cinema
 
CINEMA - Parte 1 (O início da história)
CINEMA - Parte 1 (O início da história)CINEMA - Parte 1 (O início da história)
CINEMA - Parte 1 (O início da história)
 
Cinema em portugal
Cinema em portugalCinema em portugal
Cinema em portugal
 
Cinema em portugal
Cinema em portugalCinema em portugal
Cinema em portugal
 
Interpretacao no cinema
Interpretacao no cinemaInterpretacao no cinema
Interpretacao no cinema
 
Evolução do cinema Aluna Andressa Roberta
Evolução do cinema Aluna Andressa RobertaEvolução do cinema Aluna Andressa Roberta
Evolução do cinema Aluna Andressa Roberta
 
Manoel Oliveira
Manoel OliveiraManoel Oliveira
Manoel Oliveira
 
Alain Resnais
Alain ResnaisAlain Resnais
Alain Resnais
 
Nouvelle Vague Ppt
Nouvelle Vague PptNouvelle Vague Ppt
Nouvelle Vague Ppt
 
Jean luc godard
Jean luc godardJean luc godard
Jean luc godard
 
Jean-Luc Godard
Jean-Luc GodardJean-Luc Godard
Jean-Luc Godard
 
Cinema novo
Cinema novoCinema novo
Cinema novo
 
A história do cinema
A história do cinemaA história do cinema
A história do cinema
 
Cinema
CinemaCinema
Cinema
 
Historia do cinema
Historia do cinema Historia do cinema
Historia do cinema
 
O Que é Um GuiãO
O Que é Um GuiãOO Que é Um GuiãO
O Que é Um GuiãO
 

Semelhante a Cinema Português: Uma Breve História

Manoel de Oliveira - Pesquisa de Autor
Manoel de Oliveira - Pesquisa de AutorManoel de Oliveira - Pesquisa de Autor
Manoel de Oliveira - Pesquisa de AutorASL93
 
História do Cinema - Cine+ curso de exibidores (1).pdf
História do Cinema - Cine+ curso de exibidores (1).pdfHistória do Cinema - Cine+ curso de exibidores (1).pdf
História do Cinema - Cine+ curso de exibidores (1).pdfPriscilaPaixo13
 
Quinzaine du cinéma portugais - 2
Quinzaine du cinéma portugais - 2Quinzaine du cinéma portugais - 2
Quinzaine du cinéma portugais - 2Sylvain Amiotte
 
Joao cesar
Joao cesarJoao cesar
Joao cesaralexis46
 
ANÁLISE DO FILME OS INCOMPREENDIDOS DE FRANÇOIS TRUFFAUT PARA O VESTIBULAR UE...
ANÁLISE DO FILME OS INCOMPREENDIDOS DE FRANÇOIS TRUFFAUT PARA O VESTIBULAR UE...ANÁLISE DO FILME OS INCOMPREENDIDOS DE FRANÇOIS TRUFFAUT PARA O VESTIBULAR UE...
ANÁLISE DO FILME OS INCOMPREENDIDOS DE FRANÇOIS TRUFFAUT PARA O VESTIBULAR UE...João Marcos Professor Literatura
 
Joao cesar
Joao cesarJoao cesar
Joao cesaralexis46
 
Joao cesar
Joao cesarJoao cesar
Joao cesaralexis46
 
História do cinema brasileiro - apostila
História do cinema brasileiro -  apostilaHistória do cinema brasileiro -  apostila
História do cinema brasileiro - apostilaCarlos Zaranza
 
António pedro vasconcelos
António pedro vasconcelosAntónio pedro vasconcelos
António pedro vasconcelosMarisa Ferreira
 
António pedro vasconcelos
António pedro vasconcelosAntónio pedro vasconcelos
António pedro vasconcelosMarisa Ferreira
 
A obra do cineasta mais velho do mundo em actividade (net)
A obra do cineasta mais velho do mundo em actividade (net)A obra do cineasta mais velho do mundo em actividade (net)
A obra do cineasta mais velho do mundo em actividade (net)eb23_Vale de Cambra
 
Claquete Alternativa 2015
Claquete Alternativa 2015Claquete Alternativa 2015
Claquete Alternativa 2015Felipe Henrique
 
Iv queima de arquivo evento do cinema - 08 de junho 2011
Iv queima de arquivo   evento do cinema - 08 de junho 2011Iv queima de arquivo   evento do cinema - 08 de junho 2011
Iv queima de arquivo evento do cinema - 08 de junho 2011Queimadarquivo
 

Semelhante a Cinema Português: Uma Breve História (20)

Manoel de Oliveira - Pesquisa de Autor
Manoel de Oliveira - Pesquisa de AutorManoel de Oliveira - Pesquisa de Autor
Manoel de Oliveira - Pesquisa de Autor
 
Manoel de oliveira
Manoel de oliveiraManoel de oliveira
Manoel de oliveira
 
Krzysztof kieslowski
Krzysztof kieslowskiKrzysztof kieslowski
Krzysztof kieslowski
 
História do Cinema - Cine+ curso de exibidores (1).pdf
História do Cinema - Cine+ curso de exibidores (1).pdfHistória do Cinema - Cine+ curso de exibidores (1).pdf
História do Cinema - Cine+ curso de exibidores (1).pdf
 
Quinzaine du cinéma portugais - 2
Quinzaine du cinéma portugais - 2Quinzaine du cinéma portugais - 2
Quinzaine du cinéma portugais - 2
 
Joao cesar
Joao cesarJoao cesar
Joao cesar
 
Joao botelho
Joao botelhoJoao botelho
Joao botelho
 
Brasil
BrasilBrasil
Brasil
 
ANÁLISE DO FILME OS INCOMPREENDIDOS DE FRANÇOIS TRUFFAUT PARA O VESTIBULAR UE...
ANÁLISE DO FILME OS INCOMPREENDIDOS DE FRANÇOIS TRUFFAUT PARA O VESTIBULAR UE...ANÁLISE DO FILME OS INCOMPREENDIDOS DE FRANÇOIS TRUFFAUT PARA O VESTIBULAR UE...
ANÁLISE DO FILME OS INCOMPREENDIDOS DE FRANÇOIS TRUFFAUT PARA O VESTIBULAR UE...
 
Joao cesar
Joao cesarJoao cesar
Joao cesar
 
Joao cesar
Joao cesarJoao cesar
Joao cesar
 
História do cinema brasileiro - apostila
História do cinema brasileiro -  apostilaHistória do cinema brasileiro -  apostila
História do cinema brasileiro - apostila
 
António pedro vasconcelos
António pedro vasconcelosAntónio pedro vasconcelos
António pedro vasconcelos
 
António pedro vasconcelos
António pedro vasconcelosAntónio pedro vasconcelos
António pedro vasconcelos
 
Manoel de oliveira
Manoel de oliveiraManoel de oliveira
Manoel de oliveira
 
Manoel de oliveira
Manoel de oliveiraManoel de oliveira
Manoel de oliveira
 
A obra do cineasta mais velho do mundo em actividade (net)
A obra do cineasta mais velho do mundo em actividade (net)A obra do cineasta mais velho do mundo em actividade (net)
A obra do cineasta mais velho do mundo em actividade (net)
 
Claquete Alternativa 2015
Claquete Alternativa 2015Claquete Alternativa 2015
Claquete Alternativa 2015
 
Iv queima de arquivo evento do cinema - 08 de junho 2011
Iv queima de arquivo   evento do cinema - 08 de junho 2011Iv queima de arquivo   evento do cinema - 08 de junho 2011
Iv queima de arquivo evento do cinema - 08 de junho 2011
 
2- cinema brasileiro.pptx
2- cinema brasileiro.pptx2- cinema brasileiro.pptx
2- cinema brasileiro.pptx
 

Mais de Sinziana Socol

Ferramentas web 2.0 para Português Língua Estrangeira
Ferramentas web 2.0 para Português Língua EstrangeiraFerramentas web 2.0 para Português Língua Estrangeira
Ferramentas web 2.0 para Português Língua EstrangeiraSinziana Socol
 
LIMBI STRAINE pentru copii - CURSURI ACT
LIMBI STRAINE pentru copii - CURSURI ACTLIMBI STRAINE pentru copii - CURSURI ACT
LIMBI STRAINE pentru copii - CURSURI ACTSinziana Socol
 
Literatura em portugal
Literatura em portugalLiteratura em portugal
Literatura em portugalSinziana Socol
 
Gastronomia de portugal prezentare
Gastronomia de portugal prezentareGastronomia de portugal prezentare
Gastronomia de portugal prezentareSinziana Socol
 

Mais de Sinziana Socol (9)

Ferramentas web 2.0 para Português Língua Estrangeira
Ferramentas web 2.0 para Português Língua EstrangeiraFerramentas web 2.0 para Português Língua Estrangeira
Ferramentas web 2.0 para Português Língua Estrangeira
 
LIMBI STRAINE pentru copii - CURSURI ACT
LIMBI STRAINE pentru copii - CURSURI ACTLIMBI STRAINE pentru copii - CURSURI ACT
LIMBI STRAINE pentru copii - CURSURI ACT
 
Sanatatea in dans
Sanatatea in dansSanatatea in dans
Sanatatea in dans
 
Literatura em portugal
Literatura em portugalLiteratura em portugal
Literatura em portugal
 
Gastronomia de portugal prezentare
Gastronomia de portugal prezentareGastronomia de portugal prezentare
Gastronomia de portugal prezentare
 
Literatura
LiteraturaLiteratura
Literatura
 
Historia de portugal
Historia de portugalHistoria de portugal
Historia de portugal
 
Turismo de portugal
Turismo de portugalTurismo de portugal
Turismo de portugal
 
Música Portuguesa
Música PortuguesaMúsica Portuguesa
Música Portuguesa
 

Cinema Português: Uma Breve História

  • 2. INTRODUÇÃO  Cinema de Portugal, ou cinema português, refere-se essencialmente a filmes realizados por autores portugueses. São em princípio considerados também portugueses alguns filmes de autores estrangeiros com participação financeira nacional.   O início do cinema português tem lugar com a exibição das primeiras curtas-metragens amadoras de um empresário da cidade do Porto, Aurélio Paz dos Reis
  • 3. A ficção cinematográfica portuguesa nasce em 1907, uns bons onze anos depois das primeiras obras do género terem sido criadas por Georges Méliès, em França. É uma curta-metragem filmada pelo fotógrafo lisboeta João Freire Correia e realizada por Lino Ferreira, O Rapto de uma Actriz. Com este filme, tem início o primeiro Ciclo de Lisboa.
  • 4. OS ANOS ‘70  Diretores começou a fazer filmes no estilo do cinema direto e aborda questões que não puderam ser rastreados, até então, a câmera.  Manoel de Oliveira torna-se famoso com filmes de pura ficção, por exemplo, O Passado e O Presente, em 1971, o primeiro filme com o Centro Português de Cinema. Antonio de Macedo é o seguiente cineasta que traz renome internacional com seu filme A Promessa, 1972, sendo o terceiro filme português na competição seleccionada no Festival de Cannes.
  • 5. Manoel de Oliveira de nome completo Manoel Cândido Pinto de Oliveira é um cineasta português e, actualmente, o mais velho do mundo em actividade.  Em 1963, O Acto da Primavera (segunda docuficção portuguesa) marcou uma nova fase do seu percurso. Com este filme, praticamente ao mesmo tempo que António Campos, iniciou Oliveira em Portugal a prática da antropologia visual no cinema.
  • 6. Manoel de Oliveira insiste em dizer que só cria filmes pelo gozo de os fazer, independente da reacção dos críticos. Apesar dos múltiplos condecorações em alguns dos festivais mais prestigiados do mundo, tais como o Festival de Cannes, Festival de Veneza ou o Festival de Montreal, leva uma vida retirada e longe das luzes da ribalta.
  • 7.
  • 8. JOÃO CÉSAR MONTEIRO  João César Monteiro Santos (Figueira da Foz, 2 de Fevereiro de 1939 — Lisboa, 3 de Fevereiro de 2003) foi um cineasta português. Integrou o grupo de jovens realizadores que se lançaram no movimento do Novo Cinema.  É dos poucos cineastas associados ao movimento do novo cinema que não prossegue estudos universitários. A propósito, o seu alter-ego, no filme Fragmentos de um Filme Esmola (1973), explica-se assim: «A escola é a retrete cultural do opressor».
  • 9. Século XXI Anos 2000/10 Traços gerais  A primeira década do século é caracterizada por uma primeira fase (2000 a 2005) em que predominam filmes de autor, se acentuam tendências experimentais, se aposta em motivos ousados, em que se desvela injustiças sociais, filmes que revelam alguma inquietação pelo evoluir da situação que afecta o país e as mentalidades.  A situação altera-se radicalmente com o aparecimento, a partir de 2005, de filmes comerciais cujo público-alvo são as audiências habituais das telenovelas, quem se habituou a gostar de histórias cor-de-rosa, a seguir intrigas escabrosas ou fait divers mediáticos, a assistir ao folhetim diário da vida de figuras públicas que os jornais ou televisões. Em suma: a televisão invade o cinema.
  • 10. Prevalência dos autores: 2000 a 2005 a entrada no século  O século tem entrada animada. O início é marcado por uma derradeira irreverência do João César Monteiro, mal parado nos seus devaneios autobiográficos, e pouco tempo depois pelo seu desaparecimento (Fevereiro de 2003). A Branca de Neve, que ele deixou sem imagem, ficaria a negro. Pelos caminhos de um negro imaginário, mas com imagem bem ao vivo, prosseguirá o cinema português – sempre muito fechado em casa, agora um bocadinho mais visto por fora – na tradição realista e no retrato social. Retrato, no caso de José Álvaro Morais, de um país «que agarra as pessoas com tanta força ao mesmo tempo que lhes dá vontade de fugir» (Quaresma (filme) - Festival de Cannes, Quinzena dos Realizadores, 2003).
  • 12. João Pedro Rodrigues, cineasta radical, cruel no que exibe (O Fantasma - 2000), provoca à sua maneira ao abordar a obsessão e o fetiche na homossexualidade masculina e o seu filme, em certos dos nossos meios e nalgumas salas lá de fora, torna-se objecto de culto. Influenciada por Pedro Costa, a jovem Cláudia Tomaz, explorando também o tema da marginalidade e da toxicodependência, obtém com a sua primeira longa-metragem Noites (2000), «um filme só pele e osso», o Prémio Melhor Filme da Semana da Crítica no Festival de Veneza. O começo do século é visto em film noir.
  • 13. Na passagem de 2001 para 2002, a obra de Manoel de Oliveira é tema para uma retrospectiva no Centro Georges Pompidou, em Paris, com a presença do realizador, de ilustres personalidades portuguesas, com particular pompa e circunstância, só quebradas pelo sempre juvenil atrevimento do velho Jean Rouch, cujos amores errantes lhe deixaram na alma imagens fortes de Portugal. Nessa errância, por amor também, dois anos volvidos, soltará ele de vez a sua alma em África, terra de cinema, que O Gotejar da Luz (Fernando Vendrell - 2001) levaria ao Festival de Berlim (2002). No mesmo festival mas ano seguinte, também Joaquim Sapinho marcaria a sua presença com a sua aguardada segunda longa-metragem Mulher Polícia (2003). Em 2003, Ricardo Costa, arriscando por paragens menos urbanas, marca presença com uma docuficção nos Novos Territórios do Festival de Veneza (Brumas - 2003).
  • 14. O grande público é agora mais escasso para o cinema português, não é o mesmo de há vinte anos. O sonho de distribuir filmes no Brasil esvai-se mal se percebe que por lá não seriam melhor as coisas. A Selva (2002) de Leonel Vieira não responde às expectativas. O Delfim de Fernando Lopes fica abaixo do esperado. Afoita-se outra vez Leonel Vieira e dá Um Tiro no Escuro (2005). O Fascínio (2003) de José Fonseca e Costa fica aquém do previsto. O mesmo sucederá em idênticas tentativas. Tipificando pelo lado do teatro como faz Oliveira, João Botelho tenta a comédia em estilo de revista. Rodeada de personagens típicas da nação, A Mulher que Acreditava ser Presidente dos Estados Unidos – 2003) também lá não chega.
  • 15. a encruzilhada  Misturam-se géneros e linguagens, o vídeo e a televisão entram em força no reino do cinema. A meio de uma década com o país em crise vê-se o cinema português numa encruzilhada. Cria-se novos modelos de financiamento para o salvar, a par dos que são atribuídos pelo Ministério da Cultura a fundo perdido e surge o controverso FICA (Fundo de Investimento para o Cinema e Audiovisual), em que são aplicados capitais geridos por uma entidade bancária, com retorno em prazo alargado.
  • 16. Prevalência do comércio: 2005 a 2010 sinais de mudança  Na segunda fase da década, – no mesmo ano em que, com Stanley Donen, Manoel de Oliveira, em consagração coincidente com a proximidade do seu centenário (2008), é homenageado com um "Leão de Ouro" (o segundo) pela sua carreira, também no Festival de Veneza (2004), onde no ano anterior fora exibido Um Filme Falado – por cá, mas noutro registo, dá que falar O Crime do Padre Amaro, de Carlos Coelho da Silva, que se apresenta em estilo de telenovela bem temperada, versão cinematográfica de uma série da SIC.
  • 17. Sucede algo de parecido com o Filme da Treta (2006), de José Sacramento, no humor rasteiro de Luís de Carvalho e Castro, montagem de sketches de uma série de televisão adaptada a cinema. Ambos os filmes atingem recordes de bilheteira, o primeiro quase alcança os quatrocentos mil espectadores e o segundo fica perto dos trezentos mil. Estamos perante os primeiros sinais de séria mudança. Esta transbordante maré acabará por submergir vários dos filmes de autor (e não só) que então se estreiam. Certos escapam, graças aos temas que abordam : uma filha perdida na cidade de Lisboa, (Alice - 2005), de Marco Martins, primeira obra levada ao Festival de Cannes, a morte dramática na mesma conturbada cidade de um jovem de sexualidade ambígua e a falsa gravidez de uma namorada traída (Odete, novo filme de João Pedro Rodrigues, também com presença em Cannes).
  • 18. Dez anos depois de ter sido filmado, estreia o documentário Diários da Bósnia de Joaquim Sapinho, filme que ilustra um grave conflito internacional da época. Propenso ao folhetim e sempre teatral na paródia, ilustrando bem a seu modo a força do destino, João Botelho volta às luzes da ribalta no Festival de Veneza: O Fatalista.
  • 20. “Tabu”, a terceira e premiada longa-metragem do realizador Miguel Gomes, é uma co-produção entre Portugal, França, Alemanha e Brasil, uma saga a preto e branco, sobre um amor passado em África, e conta no elenco com Ana Moreira, Laura Soveral, Teresa Madruga e Carlotto Cota, entre outros.  O filme foi distinguido em fevreiro, no festival de cinema de Berlim, com o prémio Alfred Bauer para a Inovação e com o prémio especial da crítica. Em março, conquistou o prémio Lady Harimaguada de Prata no Festival de Las Palmas, em Espanha.  Em «Tabu», Miguel Gomes trabalhou a ideia da memória, «a memória de coisas extintas, a memória de alguém que morre e de uma sociedade que também já se extinguiu», (contou Miguel Gomes à Agência Lusa)
  • 21. O filme conta a história de Aurora, em duas partes marcadas por fortes contrastes (velhice/juventude, monotonia/aventura, cidade/selva). A primeira parte do filme, intitulada «Paraíso Perdido», é passada em Lisboa, relata uma vida banal de três personagens - a idosa Aurora (Laura Soveral), a sua empregada africana, Santa (Isabel Cardoso), e Pilar (Teresa Madruga), uma vizinha empenhada em causas sociais -, e termina com a morte de Aurora.  Na segunda parte, que dá pelo nome de «Paraíso», vemos então a jovem Aurora (Ana Moreira), filha de um colono português em África, dona de uma fazenda, mulher casada que trai o marido com o baterista de uma banda, cometer um assassínio, no auge da tragédia amorosa.
  • 22. DURANTE ESTA SEGUNDA PARTE, OS ATORES NÃO FALAM, OUVINDO-SE APENAS O NARRADOR E A BANDA SONORA, EM JEITO DE HOMENAGEM DE MIGUEL GOMES AO CINEMA MUDO, PRINCIPALMENTE A UM DOS SEUS GRANDES MESTRES, O ALEMÃO FRIEDRICH WILHELM MURNAU.
  • 23. RAFA
  • 24. A curta-metragem “Rafa”, de João Salaviza venceu o Urso de Ouro, no festival de Berlim. O realizador português também já conquistou a Palma de Ouro, no festival de Cannes, com a curta-metragem “Arena“.
  • 25.  A nova curta-metragem do jovem realizador português, de 27 anos, conta a história de um adolescente que se aventura do interior da sua casa do subúrbio para visitar a mãe numa prisão de Lisboa.  João Salaviza considera Rafa como o terceiro capítulo de uma espécie de trilogia iniciada com “Arena”, em 2009, e continuada com “Cerro Negro”, no ano passado.
  • 26. O ator John Malkovich interpreta em Portugal, o último filme de cineasta Raul Ruiz  O que têm em comum os realizadores Raul Ruiz e Manoel de Oliveira? O sentido de humor, uma visão singular do mundo como John Malkovich, que esteve hoje em Lisboa para falar do trabalho com os dois cineastas.
  • 27. O actor John Malkovich e o produtor Paulo Branco ontem, na Fnac do Chiado, em Lisboa
  • 29. Após o desaparecimento de franco- chileno diretor no verão passado em Paris, Português produtor de filme Paulo Branco anunciou planos para realizar este filme sobre a invasão napoleônica a Portugal. O projeto foi retomado no ano passado, a viúva do cineasta, Valeria Sarmiento.
  • 30. "É difícil, mas deve fazer o filme para ele", disse Valeria Sarmiento.
  • 31. O ator não gosta de comparar a técnica de Ruiz com a de Valeria Sarmiento, que assumiu a realização de "As Linhas de Torres Vedras", mas encontrou em ambos a mesma "tranqulidade e sentido de humor".
  • 32. "Eu era capaz de trabalhar com ele [Raul Ruiz] vezes e vezes sem conta. Os atores adoravam-no porque ela gostava de atores. Porque há realizadores que não gostam de atores. Ele tinha muito bom gosto na representação", disse John Malkovich, que recordou ter conhecido Raul Ruiz em Paris, através de Paulo Branco.
  • 33. Para Malkovich, Raul Ruiz foi "o pensador mais independente" que conheceu no cinema e partilhava com Manoel de Oliveira uma "visão única e singular" sobre o mundo.  Também com o produtor Paulo Branco, John Malkovich rodou alguns filmes com Manoel de Oliveira, nomeadamente "O Convento" (1995) e "Um Filme Falado" (2003).  "Se eu vivesse até aos 104 anos não ficaria surpreendido que ele estivesse a filmar, porque há qualquer coisa de estranho", brincou Malkovich, a propósito da boa forma física e longevidade de Manoel de Oliveira, recordando alguns episódios de rodagens.
  • 34. O ator disse que o cinema ainda faz sentido: "Realizadores como Oliveira e Ruiz ajudam-nos a fingir que a vida é bela" John Malkovich
  • 35.  Buțu Andreea  Chiuță Adina  Iancu Cristina  Lia Emilia  Maxem Evelyne  Mîinea Andreea  Mocanu Raluca