Sinodo dos bispos 3ª assembléia extraordinária - doc. preparatório

743 visualizações

Publicada em

Apresentação do documento preparatório da III Assembléia Extraordinária do Sínodo dos Bispos feita por Pe. Alberto Almeida, pároco da Paróquia S. Rafael Arcanjo, no dia 3/12/2013 aos agentes de pastoral.

Publicada em: Espiritual
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
743
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
36
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Sinodo dos bispos 3ª assembléia extraordinária - doc. preparatório

  1. 1. Jorge Luiz Pereira 1
  2. 2. O que é um Sínodo? Criação: Papa P l VI em 15/9/65, por meio d C t A Ci ã P Paulo 15/9/65 i do Carta Apostólica tóli Apostolica Sollicitudo. Objetivo: manter vivo o espírito de colegialidade nascido no Concílio Vaticano II. Sínodo < syn (“juntos”) + hodos (“caminho”) = “caminhar juntos” Definição: Assembleia de bispos que representa todo o episcopado católico Tarefa principal: ajudar o Papa no governo da Igreja Universal dando-lhe seu conselho. Jorge Luiz Pereira 2
  3. 3. O que é um Sínodo? Resumo: 12 assembleias ordinárias; 2 extraordinárias e t di á i 11 especiais 48 anos! Datas e temas Jorge Luiz Pereira 3
  4. 4. Documento preparatório do Sínodo dos Bispos I – O Sínodo: família e evangelização II – A Igreja e o Evangelho sobre a família O projeto de Deus Criador e Redentor O ensinamento da Igreja sobre a família III – Questionário Jorge Luiz Pereira 4
  5. 5. I – O Sínodo: família e evangelização Motivação: crise social e espiritual que i t M ti ã i i l i it l interpelam a missão l i ã evangelizadora da Igreja para a família. Metodologia proposta (duas etapas): 1ª etapa: Assembleia Geral Extraordinária - 5 a 19/10/2014. Objetivo: 1. especificar o status quaestionis (situação do problema). 2 recolher t t lh testemunhos e propostas d Bi h t dos Bispos. 2. 2 2ª etapa: Assembleia Geral Ordinária de 2015 Objetivo: procurar linhas de ação para a pastoral da pessoa humana e da família. Jorge Luiz Pereira 5
  6. 6. I – O Sínodo: família e evangelização Problemáticas atuais: P bl áti t i Difusão de casais de fato que não se casam e excluem esta ideia. União de pessoas do mesmo sexo e adoção de filhos por elas. Novas situações (desafios) que exigem atenção e o compromisso pastoral da Igreja: Matrimonios mistos ou inter-religiosos; g Familia monoparental; Poligamia; Matrimônios combinados e a problemática do dote; Sistema de castas; Cultura do não comprometimento e da presumível instabilidade do vínculo; Jorge Luiz Pereira 6
  7. 7. I – O Sínodo: família e evangelização Novas situações (d N it õ (desafios) que exigem atenção e o compromisso fi ) i t ã i pastoral da Igreja (continuação): Formas de feminismo hostis à Igreja; Fenômenos migratórios e reformulação da própria ideia de família; Pluralismo relativista na noção de Matrimônio; Influência dos meios de comunicação sobre a cultura popular na compreensão do Matrimônio e da vida familiar; Tendências de pensamentos subjacentes a propostas legislativas que desvalorizam a a permanência e fidelidade do pacto matrimonial; A difusão do fenômeno das mães de substituição (“mães de aluguel”); Novas interpretações dos direitos humanos. Jorge Luiz Pereira 7
  8. 8. II – A Igreja e o Evangelho sobre a família Doutrina da D t i d fé sobre o matrimônio: b ti ô i Como deve ser apresentada? modo comunicativo e eficaz, Objetivo: alcançar os corações e os transformar. O projeto de Deus Criador e Redentor A beleza da mensagem bíblica sobre a família tem a sua raiz na criação do homem e da mulher, ambos imagem e semelhança de Deus (cf. Gn g ç ( 1, 24-31; 2, 4b-25). Procriação: Procriação o homem e a m lher reali am na fé a vocação de ser mulher realizam ocação colaboradores de Deus na preservação da criação e no desenvolvimento da família humana. Jorge Luiz Pereira 8
  9. 9. II – A Igreja e o Evangelho sobre a família O projeto d D j t de Deus C i d e R d t ( Criador Redentor (continuação): ti ã ) Deus inscreve na humanidade do homem e da mulher a vocação e, assim, a capacidade e a responsabilidade do amor e da comunhão (cf. Gaudium et spes, 12) . O amor é, portanto, a fundamental e originária vocação de cada ser humano (FC 11) humano. 11). Pecado original deturpou o projeto de Deus Criador. O Filho de Deus: => viveu e cresceu na f í família => participou das Bodas de Caná => aceitou o acolhimento familiar de seus primeiros discípulos e => consolou o luto de uma família (seus amigos em Betânia) Jorge Luiz Pereira 9
  10. 10. II – A Igreja e o Evangelho sobre a família O projeto d D j t de Deus C i d e R d t ( Criador Redentor (continuação): ti ã ) Jesus Cristo restabeleceu a beleza do Matrimônio. Como? Propondo o projeto unitário de Deus. O ensinamento da Igreja sobre a família: Na comunidade cristã primitiva: Família = igreja doméstica Carta aos Efésios (EF 5,31s) destaca: amor nupcial sinal como sinal do amor de Cristo e a Igreja Igreja. g j ç p p Igreja lança intenso apelo: espiritualidade cristocentrica. Jorge Luiz Pereira 10
  11. 11. II – A Igreja e o Evangelho sobre a família O ensinamento da Igreja sobre a família (continuação) i t d I j b f íli ( ti ã ) Os papas enriqueceram a doutrina sobre o Matrimônio e a família: Paulo VI => Humanae vitae – ensinamentos específicos a níveis de princípio e de prática prática. João Paulo II => Exortação Familiaris consortio – insisti na t d d í i divino d d i i á i do proposta do desígnio di i acerca d verdade originária d da amor esponsal e familiar. Catecismo: doutrina exposta refere-se aos princípios teológicos e comportamentos morais, abordados sob dois títulos distintos: O sacramento do matrimonio (nn 1601 1658) (nn. 1601-1658) o sexto mandamento (nn. 2331-2391). Jorge Luiz Pereira 11
  12. 12. III – Questionário 1. Sobre dif ã d S E 1 S b a difusão da S. Escritura e do Magistério da Igreja a it d M i té i d I j propósito da família a) Qual é o conhecimento real dos ensinamentos da Bíblia, da “Gaudium et spes”, da “Familiaris consortio” e de outros documentos do Magistério pós-conciliar sobre o valor da família segundo a Igreja católica? Como os nossos fiéis são formados para a vida familiar em conformidade com o ensinamento da Igreja? familiar, b) Onde é conhecido, o ensinamento da Igreja é aceite integralmente. Verificam-se dificuldades na hora de o pôr em prática? Se sim, quais? c) Como o ensinamento da Igreja é difundido no contexto dos programas pastorais nos planos nacional, diocesano e paroquial? Que tipo de catequese sobre a família é promovida? d) Em que medida – e em particular sob que aspectos – este ensinamento é realmente conhecido, aceite, conhecido aceite rejeitado e/ou criticado nos ambientes extra-eclesiais? Quais são os fatores culturais que impedem a plena aceitação do ensinamento da Igreja sobre a família? Jorge Luiz Pereira 12
  13. 13. III – Questionário 2 - S b o matrimonio segundo a lei natural Sobre ti i d l i t l a) Que lugar ocupa o conceito de lei natural na cultura civil, quer nos planos institucional, educativo e acadêmico quer a nível popular? Que visões da antropologia estão acadêmico, subjacentes a este debate sobre o fundamento natural da família? b) O conceito de lei natural em relação à união entre o homem e a mulher é geralmente aceite, enquanto tal, por parte dos batizados? c) Como é contestada, na prática e na teoria, a lei natural sobre a união entre o homem ) , p , e a mulher, em vista da formação de uma família? Como é proposta e aprofundada nos organismos civis e eclesiais? d) Quando a celebração do matrimonio é pedida por batizados não praticantes, ou que se declaram não-crentes, como enfrentar os desafios pastorais que disto derivam? Jorge Luiz Pereira 13
  14. 14. III – Questionário 3 - A pastoral d família no contexto da evangelização t l da f íli t t d li ã a) Quais foram as experiências que surgiram nas últimas décadas em ordem à preparação para o matrimonio? Como se procurou estimular a tarefa de evangelização dos esposos e da família? De que modo promover a consciência da família como “Igreja doméstica”? b) Conseguiu-se propor estilos de oração em família, capazes de resistir à complexidade da vida e da cultural contemporânea? c) Na atual situação de crise entre as gerações como as famílias cristãs souberam gerações, realizar a própria vocação de transmissão da fé? Jorge Luiz Pereira 14
  15. 15. III – Questionário 3 - A pastoral da família no contexto da evangelização (continuação) p g ç ( ç ) d) De que modo as Igrejas locais e os movimentos de espiritualidade familiar souberam criar percursos exemplares? i l ? e) Qual é a contribuição específica que casais e famílias conseguiram oferecer, em ordem à difusão de uma visão integral do casal e da família cristã hoje credível? cristã, f) Que atenção pastoral a Igreja mostrou para sustentar o caminho dos casais em formação e dos casais em crise? Jorge Luiz Pereira 15
  16. 16. III – Questionário 4 – Sobre a pastoral para enfrentar algumas situações matrimoniais difíceis a) A convivência ad experimentum é uma realidade pastoral relevante na I j ) i ê i d i t lid d t l l t Igreja particular? Em que percentagem se poderia calculá-la numericamente? b) Existem uniões livres de fato sem o reconhecimento religioso nem civil? Dispõem se fato, Dispõem-se de dados estatísticos confiáveis? c) Os separados e os divorciados recasados constituem uma realidade pastoral relevante na Igreja particular? Em que percentagem se poderia calculá-los numericamente? Como se enfrenta esta realidade, através de programas pastorais adequados? Jorge Luiz Pereira 16
  17. 17. III – Questionário 4 – Sobre a pastoral para enfrentar algumas situações matrimoniais difíceis (continuação) d) Em todos estes casos: como vivem os batizados a sua irregularidade? Estão conscientes da mesma? Simplesmente manifestam indiferença? Sentem-se marginalizados e vivem com sofrimento a impossibilidade de receber os sacramentos? e) Quais são os pedidos que as pessoas separadas e divorciadas dirigem à Igreja, a propósito dos sacramentos da Eucaristia e da Reconciliação? Entre as pessoas que se encontram em tais situações, quantas pedem estes sacramentos? f) A simplificação da praxe canônica em ordem ao reconhecimento da declaração de nulidade do vínculo matrimonial poderia oferecer uma contribuição positiva real para a solução das problemáticas das pessoas interessadas? Se sim, de que forma? g) Existe uma pastoral para ir ao encontro destes casos? Como se realiza esta atividade pastoral? Existem programas a este propósito, nos planos nacional e diocesano? Como a misericórdia de Deus é anunciada a separados e divorciados recasados e como se põe em prática a ajuda da Igreja para o seu caminho de fé? Jorge Luiz Pereira 17
  18. 18. III – Questionário 5 - Sobre as uniões de pessoas do mesmo sexo a) Existe no vosso país uma lei civil de reconhecimento das uniões de pessoas do mesmo sexo, equiparadas d alguma f i d de l forma ao matrimonio? ti i ? b) Qual é a atitude das Igrejas particulares e locais, quer diante do Estado civil promotor de uniões civis entre pessoas do mesmo sexo quer perante as pessoas sexo, envolvidas neste tipo de união? c) Que atenção pastoral é possível prestar às pessoas que escolheram viver em conformidade com este tipo de união? d) No caso de uniões de pessoas do mesmo sexo que adotaram crianças como é crianças, necessário comportar-se pastoralmente, em vista da transmissão da fé? Jorge Luiz Pereira 18
  19. 19. III – Questionário 6 - Sobre a educação dos filhos no contexto das situações de matrimônios irregulares a) Qual é nestes casos a proporção aproximativa de crianças e adolescentes, em relação às crianças nascidas e educadas em famílias regularmente constituídas? b) Com que atitude os pais se dirigem à Igreja? O que pedem? Somente os sacramentos, ou inclusive a catequese e o ensinamento da religião em geral? c) C ) Como as I Igrejas particulares vão ao encontro d necessidade d j ti l ã t da id d dos pais d t i destas crianças, de oferecer uma educação cristã aos próprios filhos? d) Como se realiza a prática sacramental em tais casos: a preparação a administração preparação, do sacramento e o acompanhamento? Jorge Luiz Pereira 19
  20. 20. III – Questionário 7 - Sobre a abertura dos esposos à vida a) Qual é o conhecimento real que os cristãos têm da doutrina da Humanae vitae a respeito da paternidade responsável? Que consciência têm da avaliação moral dos p p p ç diferentes métodos de regulação dos nascimentos? Que aprofundamentos poderiam ser sugeridos a respeito desta matéria, sob o ponto de vista pastoral? b) Esta doutrina moral é aceite? Quais são os aspectos mais problemáticos que tornam difícil a sua aceitação para a grande maioria dos casais? c) Que métodos naturais são promovidos por parte das Igrejas particulares, para ajudar os cônjuges a pôr em prática a doutrina da Humanae vitae? Jorge Luiz Pereira 20
  21. 21. III – Questionário 7 - Sobre a abertura dos esposos à vida (continuação) d) Qual é a experiência relativa a este tema na prática do sacramento da penitência e na p participação na Eucaristia? p ç e) Quais são, a este propósito, os contrastes que se salientam entre a doutrina da Igreja e a educação civil? f) Como promover uma mentalidade mais aberta à natalidade? Como favorecer o aumento dos nascimentos? Jorge Luiz Pereira 21
  22. 22. III – Questionário 8 - Sobre a relação entre a família e a pessoa a) Jesus Cristo revela o mistério e a vocação do homem: a família é um lugar privilegiado ) ç g p g para que isto aconteça? b) Que situações críticas da família no mundo contemporâneo podem tornar-se um ) obstáculo para o encontro da pessoa com Cristo? c) Em que medida as crises de fé, pelas quais as pessoas podem atravessar, incidem sobre a vida familiar? Jorge Luiz Pereira 22
  23. 23. III – Questionário 9 - Outros desafios e propostas Existem outros desafios e propostas a respeito dos temas abordados neste questionário, p p p q , sentidos como urgentes ou úteis por parte dos destinatários? Jorge Luiz Pereira 23
  24. 24. Resumo das Assembleias Sinodais (48 anos) I Assembleia Geral Ordinária – 29/9 a 29/10/67 Tema: A preservação e o fortalecimento da fé católica, sua integridade, sua força, seu desenvolvimento, sua coerência doutrinal e histórica. I Assembleia Geral Extraordinária – 11 a 28/10/69 Tema: A cooperação entre a Santa Sé e as Conferências Episcopais. II Assembleia Geral Ordinária – 30/9 a 6/11/71 (a mais longa até hoje) Tema: O sacerdócio ministerial e a j ti no mundo. T dó i i i t i l justiça d III Assembleia Geral Ordinária – 27/9 a 26/10/74 Tema: A evangelização no mundo moderno. IV Assembleia Geral Ordinária – 30/9 a 29/10/77 Tema: O catecismo em nosso tempo. Jorge Luiz Pereira 24
  25. 25. Resumo das Assembleias Sinodais (48 anos) Assembleia Especial para os Países Baixos – 14 a 31/1/80 Tema: A situação pastoral dos Países Baixos V Assembleia Geral Ordinária – 26/9 a 25/10/80 Tema: A familia cristã. VI Assembleia Geral Ordinária – 29/9 a 29/10/83 Tema: A penitência e o perdão na missão da Igreja. II Assembleia Geral Extraordinária – 24/11 a 8/12/85 Tema: Vigésimo aniversario da conclusão do Concílio Vaticano II g VII Assembleia Geral Ordinária – 1 a 30/10/87 Tema: A vocação e a missão dos leigos na Igreja e no mundo. Jorge Luiz Pereira 25
  26. 26. Resumo das Assembleias Sinodais (48 anos) VIII Assembleia Geral Ordinária – 30/9 a 28/10/90 Tema: A formação dos sacerdotes nas circunstâncias atuais. I Assembleia Especial para Europa – 28/11 a 14/12/91 Tema: Para que sejamos testemunhas de Cristo que nos libertou. Assembleia Especial para África – 10/4 a 8/5/94 Tema: A Igreja na África e sua missão evangelizadora até o ano 2000: “Sereis i h testemunhas’ (At 1 8) “S i minhas t t h ’ 1,8). IX Assembleia Geral Ordinária - 2 a 29/10/94 Tema: A vida consagrada e sua missão na Igreja e no mundo. Assembleia Especial para o Líbano – 2611 a14/12/95 Tema: Cristo é nossa esperança: renovados em seu espírito, solidários Jorge Luiz Pereira 26 somos testemunhas de seu amor.
  27. 27. Resumo das Assembleias Sinodais (48 anos) Assembleia Especial para América – 16/11 a 12/12/97 Tema: Encontro com Jesus Cristo vivo: caminho para a conversão, a comunhão e a solidariedade na América. Assembleia Especial para Asia – 19/4 a 14/5/98 Tema: Jesus Cristo Salvador e sua missão de amor e serviço na Ásia: Cristo, ‘…para que tenham vida e a tenham em abundância’ (Jo 10,10). Assembleia E A bl i Especial para Oceanía – 22/11 a 12/12/98 i l O í Tema: Jesus Cristo e os povos da Oceânia: seguindo seu caminho, p proclamando sua verdade e vivendo sua vida. II Assembleia Especial para Europa – 1 a 23/10/99 Tema: Jesus Cristo vivo na sua Igreja fonte de esperança para a Igreja, Europa Jorge Luiz Pereira 27
  28. 28. Resumo das Assembleias Sinodais (48 anos) X Assembleia Geral Ordinária – 30/9 a 27/10/01 Tema: O bispo: servidor do Evangelho de Jesus Cristo para a esperança d mundo. do d XI Assembleia Geral Ordinária - 2 a 29/10/05 Tema: A Eucaristia: fonte e ápice da vida e da missão da Igreja. XII Assembléia Geral Ordinária – 5 a 26/10/08 Tema: Palavra de Deus na Vida e na missão da Igreja. Jorge Luiz Pereira 28
  29. 29. Resumo das Assembleias Sinodais (48 anos) II A Assembleia E bl i Especial para a Áf i – 4 a 25/10/09 i l África Tema: A Igreja na África ao serviço da reconciliação, da justiça e da paz. Assembleia Especial para o Oriente Medio – 10 a 24/10/10 Tema: A Igreja Católica no Médio Oriente: comunhão e testemunho testemunho. XIII Assembleia Geral Ordinária – 7 a 28/10/12 Tema: A Nova Evangelização para a transmissão da Fé Cristã. Jorge Luiz Pereira 29
  30. 30. Obrigado Jorge Luiz Pereira 30

×