SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 29
10/2012
                              A
                           11/2013




Redescobrir – Cultivar – Testemunhar
                a Fé
Um olhar sobre a realidade em que
            vivemos
-   Relativismo.
                             -   Autossuficiência humana.
 As mudanças sociais são     -   Pluralismo religioso.
                             -   Fragilidades no testemunho
  muitas, e ocorrem em
                                 da instituição.
velocidade cada vez maior.   -   Desconhecimento da doutrina
                                 por parte dos fiéis.
                             -   Linguagem comprometida no
Desconstrução de valores.        anúncio da Boa Nova.
                             -   Distanciamento do Homem
  O Sagrado e os valores         para com a Palavra de Deus.
espirituais com nova face.   -   Egoísmo na vida comunitária.
                             -   Insensibilidade à presença de
                                 Deus.
    As novas gerações.       -   Etc...
Religiões




            Católicos
            Evangélicos
            Sem Religião
            Espiritas
            Afro
            Demais
“... vivemos uma era de ruptura, e não estamos mais
dispostos a nos sacrificar em nome de grandes ideias
alheias, de utopias, mas sim em nome de nossos
pais, filhos ou amigos. Um humanismo secular; uma
espiritualidade sem fé.
„Existem dois tipos diferentes de espiritualidade. Um
age por meio de Deus e é, certamente, o conjunto das
religiões; o outro, sem Deus, é o grupo das grandes
filosofias‟, explica ele no livro.”
           Luc Ferry – Entrevista ao Estadão sobre seu livro „ O Anticonformista‟




       *
A Igreja não está alheia a esta realidade
                                                           Carta
          Sínodo da              Documento               Apostólica
           Palavra              de Aparecida
                                                         Porta Fidei




*   Esta é a nossa casa!
    Na Igreja Católica temos tudo o que é bom, tudo o que é motivo de segurança e
    de consolo! Quem aceita Cristo: Caminho, Verdade e Vida, em sua
    totalidade, tem garantida a paz e a felicidade, nesta e na outra vida...
                         Papa Bento XVI no Santuário de Aparecida 12/05/2007
INTRODUÇÃO (1-18)
              O Documento procura ajudar todos os católicos a serem Discípulos
              Missionários de Jesus Cristo, pelo fato de terem sido batizados.

              1. Desafios
              Mas hoje em dia, não é tão fácil assim, pois estamos vivendo uma época
              caracterizada por dois desafios (Doc. 10):
              - a difusão de uma Cultura hostil, contrária ao pensamento e à prática cristã
              - a difusão de variadas ofertas religiosas que tratam de responder às
              necessidades das      pessoas de forma diferente e às vezes de forma
              materialista, imediatista e distante da proposta de Jesus.



2. Quais são os valores cristãos ameaçados pela Cultura hostil?
Verificamos que os valores cristãos que estão na base da vida comunitária, justa e
fraterna, que vivenciamos nas CEBs, estão sendo ameaçados por uma cultura
hostil, isto é, contrária ao ensinamento do Evangelho.
Vejamos alguns dos nossos valores ameaçados:
-A Gratuidade que aparece quando uma pessoa se relaciona com outra sem visar o interesse e sem basear-
se nos bens materiais. É querer o bem do outro por amor.

-A Festa verdadeira, que acontece quando as pessoas são consideradas mais importantes do que os bens
materiais e nasce pela boa convivência com a vizinhança.

-A Acolhida do outro, que acontece quando colocamos bens e valores a serviço das pessoas, como hospedar
pessoas, partilhar e viver a solidariedade com o maior carinho, de forma espontânea e sincera.

-A Teimosia na luta pela vida. É a vontade de viver, superando barreiras e dificuldades, lutando
resistindo, aguentando situações quase impossíveis, sem cair no desespero.

-A Luta solidária pela justiça. É quando a gente não pensa só em si, mas junta sua dor e seus anseios às
dores e anseios dos outros, querendo justiça e liberdade para todos.

-A Compaixão e Misericórdia. É quando se tem o coração cheio de ternura e se entende quem vive em
situação igual ou pior, e mesmo nas dificuldades se tenta solucionar o caso de quem passa pior necessidade.

-A Esperança. É quando se sabe enfrentar e superar situações de desespero, sendo que a última palavra é
sempre de esperança.

- A Experiência de Deus. Por ser acolhedor e viver desapegado dos bens, sente-se a necessidade de viver
com maior intensidade a presença de Deus em sua vida. Quem se sente amado e protegido por
Deus, adquire fortes energias para enfrentar os desafios do dia-a-dia.
3. Quais são os falsos valores do mundo e desta Cultura hostil? (Doc 11)
 Infelizmente o mundo de hoje é pagão e quer nos seduzir com falsos valores, bem contrários aos valores
cristãos que acabamos de lembrar. O mundo quer nos contaminar com o individualismo, a ganância, a
ambição, a corrupção, a desonestidade, o comodismo, a concorrência desleal e cruel, a indiferença aos
clamores dos outros, o abuso da sexualidade, a desvalorização da família, o lucro a qualquer custo. Tudo
isso é contrário à ética e à moral que nós conhecemos à luz do Evangelho. É a chamada cultura hostil.

O Encontro pessoal e comunitário com Jesus Cristo (Doc. 12-13)
 A Igreja diante destes desafios, perigos e ameaças, não pode responder com agressões e brigas, mas trata-
se agora de confirmar, renovar a novidade do Evangelho, favorecendo um encontro pessoal e comunitário
com Jesus Cristo, que nos torne homens e mulheres novos, discípulos missionários de seu Reino.

A maior ameaça da Igreja hoje (Doc. 13)
É a mediocridade, é o fazer de conta, é a hipocrisia, o comodismo, é um cristianismo de
fachada, só de aparência. É a repetição de fórmulas, é reduzir a nossa fé a algumas
normas, proibições ou devoções fragmentadas, participação ocasional.

O maior desafio da Igreja hoje (Doc 14)
É não ter medo (Mt 28,5). É acreditar na vitória de Cristo ressuscitado que nos estimula à conversão e a
manter viva a esperança que não engana. É, sobretudo mostrar a capacidade para promover e formar
discípulos e missionários que respondam à vocação recebida e comuniquem por toda parte, transbordando
de gratidão e alegria, o dom do encontro com Jesus Cristo. Não temos outro tesouro a não ser este. Não
temos outra felicidade nem outra prioridade senão a de sermos instrumentos do Espírito de Deus na
Igreja, para que Cristo seja encontrado, seguido, amado, adorado, anunciado e comunicado a todos, não
obstante todas as dificuldades e resistências. Este é o melhor serviço -o seu serviço! - que a Igreja deve
oferecer às pessoas e nações".
OS DISCÍPULOS MISSIONÁRIOS
1. A Caminhada começa com um encontro (20-22)
 No Evangelho há uma multidão de pessoas que tiveram o encontro mais importante e
decisivo de sua vida preenchia de luz, força e esperança: o encontro com Jesus, sua
rocha, sua paz, sua vida.
Hoje, nesta sociedade conturbada, neste clima cultural relativista, isto é, onde parece não
haver mais verdade certa, nem rumos certos. Na Igreja amadurecemos a fé inabalável em
Cristo para permanecer no seu amor, e assim viver com a alegre esperança e imensa
gratidão, pois Ele é o Filho de Deus verdadeiro, o único Salvador da humanidade, Ele é o
Caminho, a Verdade e a Vida.
*   Carta Apostólica
                                   Porta Fidei
1. A PORTA DA FÉ (cf. Act 14, 27), que introduz na vida de comunhão com Deus e permite a entrada na sua
   Igreja, está sempre aberta para nós. É possível cruzar este limiar, quando a Palavra de Deus é
   anunciada e o coração se deixa plasmar pela graça que transforma. Atravessar aquela porta
   implica embrenhar-se num caminho que dura a vida inteira. Este caminho tem início com o Baptismo (cf.
   Rm 6, 4), pelo qual podemos dirigir-nos a Deus com o nome de Pai, e está concluído com a passagem
   através da morte para a vida eterna, fruto da ressurreição do Senhor Jesus, que, com o dom do Espírito
   Santo, quis fazer participantes da sua própria glória quantos creem n‟Ele (cf. Jo 17, 22). Professar a fé na
   Trindade – Pai, Filho e Espírito Santo – equivale a crer num só Deus que é Amor (cf. 1 Jo 4, 8): o
   Pai, que na plenitude dos tempos enviou seu Filho para a nossa salvação; Jesus Cristo, que redimiu o
   mundo no mistério da sua morte e ressurreição; o Espírito Santo, que guia a Igreja através dos séculos
   enquanto aguarda o regresso glorioso do Senhor.
2. Desde o princípio do meu ministério como Sucessor
                                       de Pedro, lembrei a necessidade de redescobrir o
                                       caminho da fé para fazer brilhar, com evidência
                                       sempre maior, a alegria e o renovado
                                       entusiasmo do encontro com Cristo. Durante a
A fé é capaz de:                       homilia da Santa Missa no início do pontificado, disse:
                                       «A Igreja no seu conjunto, e os Pastores
                                       nela, como Cristo devem pôr-se a
- Libertar                             caminho para conduzir os homens fora
- Corrigir                             do deserto, para lugares da vida, da
- Curar                                amizade com o Filho de Deus, para
                                       Aquele que dá a vida, a vida em
- Realizar o Homem em sua totalidade   plenitude» (Homilia no início do ministério petrino
- Salvar a humanidade                  do Bispo de Roma, (24 de Abril de 2005): AAS 97
                                       (2005), 710). Sucede não poucas vezes que os
- Projetar o futuro das realidades     cristãos sintam maior preocupação com as
  invisíveis                           consequências sociais, culturais e políticas da
                                       fé do que com a própria fé, considerando esta
- ...                                  como um pressuposto óbvio da sua vida diária.
                                       Ora um tal pressuposto não só deixou de
                                       existir, mas frequentemente acaba até negado
                                       (Cf. Bento XVI, Homilia da Santa Missa no Terreiro do
                                       Paço (Lisboa – 11 de Maio de 2010): L’Osservatore
                                       Romano (ed. port. de 15/V/2010), 3.). Enquanto, no
                                       passado, era possível reconhecer um tecido cultural
                                       unitário, amplamente compartilhado no seu apelo aos
                                       conteúdos da fé e aos valores por ela inspirados, hoje
                                       parece que já não é assim em grandes sectores da
                                       sociedade devido a uma profunda crise de fé que
                                       atingiu muitas pessoas.
A fé é uma posse antecipada do    -   Fato é uma verdade
    que se espera, um meio de          absoluta, real, existente, inequ
demonstrar as realidades que não       ívoca, incontestável, declarada
        se veem. Hb 11,1               .
                                   -   É o que foi criado
    A fé é o fundamento da         -   E tudo o que foi criado foi pela
  esperança, é uma certeza a           proclamação da palavra divina.
     respeito do não se vê.




            *
O ser humano, em seu estado natural, possui inteligência e
vontade com potencialidades infinitas. A beleza que surge das mãos
dos homens é um reflexo da beleza que surge das mãos do Criador.
No entanto, não quis Deus que o homem permanecesse apenas em
seu estado natural e nos deu o dom da fé.


 O dom da fé e da graça eleva o homem ao estado
 sobrenatural, somos filhos de Deus (1Jo 3,1). Neste estado podemos
 dizer com São Paulo “Já não sou eu que vivo, é Cristo que vive em
 mim” (Gal 2,20). O estado sobrenatural não está em conflito com o
 estado natural. A graça não destrói a natureza, a supõe, eleva e
 aperfeiçoa.
                                                Dom Orani Tempesta
A realização das atividades:
        Meio e Fim
    Da gestão eclesial



                               15
É essencial do administrador eclesial liderar e
coordenar pessoas de tal modo que estes, motivados e
convertidos, realizem as atividades meio e fim de suas
comunidades.




                Funcionários – Voluntários – Fieis
* “Não se começa a ser cristão       * “Essa foi a maravilhosa
 por uma decisão ética ou uma      experiência daqueles primeiros
 grande ideia, mas através do        discípulos que, encontrando
       encontro com um           Jesus, ficaram fascinados e cheios
   acontecimento, com uma               de assombro frente à
    Pessoa, que dá um novo         excepcionalidade de quem lhes
 horizonte à vida e, com isso,    falava, diante da maneira como
   uma orientação decisiva.”     os tratava,coincidindo com a fome
            Deus Caritas est,1    e sede de vida que havia em seus
                                             corações...”
                                                           DA 244
Dízimo – Ato de fé!

                                     Redescobrir:
                                          Refazer o caminho
     Realização                      bíblico do dízimo.
         De
     Realidades                      Cultivar:
      visíveis                           Gestão participativa e
                                     transparente

     E realidades                    Testemunhar:
       invisíveis                        A fé sem obras e morta e
                                     as obras sem fé são estéreis.




Malaquias 3,10 – Fazei a experiência, e vereis se não derramo as minhas
             bênçãos sobre vós muito além do necessário.
Ano da Fé
Ações concretas
Tempo para agradecer

Tempo para anunciar

Tempo para testemunhar


Este ano será uma ocasião propícia a fim de que todos os fiéis compreendam
mais profundamente que o fundamento da fé cristã é “o encontro com um
acontecimento, com uma Pessoa que dá à vida um novo horizonte
e, desta forma, o rumo decisivo”. Fundamentada no encontro com Jesus
Cristo ressuscitado, a fé poderá ser redescoberta na sua integridade e em todo o
seu esplendor. “Também nos nossos dias a fé é um dom que se deve
redescobrir, cultivar e testemunhar” para que o Senhor “conceda a cada
um de nós vivermos a beleza e a alegria de sermos cristãos”.
                             Congregação para a Doutrina da fé, 9 janeiro 2012
IV. Em nível das paróquias / comunidades / associações / movimentos

1. Em preparação para o Ano da Fé, todos os fiéis são convidados a ler e meditar atentamente a Carta
apostólica Porta fidei do Santo Padre Bento XVI.

2. O Ano da Fé “será uma ocasião propícia também para intensificar a celebração da fé na
liturgia, particularmente na Eucaristia”. Na Eucaristia, mistério da fé e fonte da nova evangelização, a fé
da Igreja é proclamada, celebrada e fortalecida. Todos os fiéis são convidados a participar dela
conscientemente, ativamente e frutuosamente, a fim de serem testemunhas autênticas do Senhor.

3. Os sacerdotes poderão dedicar maior atenção ao estudo dos Documentos do Concílio Vaticano II e do
Catecismo da Igreja Católica, tirando daí fruto para a pastoral paroquial – a catequese, a pregação, a
preparação aos sacramentos – e propondo ciclos de homilias sobre a fé ou sobre alguns dos seus aspectos
específicos, como por exemplo “o encontro com Cristo”, “os conteúdos fundamentais do Credo”, “a fé e a
Igreja”.

4. Os catequistas poderão haurir sobremaneira da riqueza doutrinal do Catecismo da Igreja Católica e
guiar, sob a responsabilidade dos respectivos párocos, grupos de fiéis à leitura e ao aprofundamento deste
precioso instrumento, a fim de criar pequenas comunidades de fé e de testemunho do Senhor Jesus.

5. Deseja-se que nas paróquias haja um empenho renovado na difusão e na distribuição do Catecismo
da Igreja Católica ou de outros subsídios adequados às famílias, que são autênticas igrejas domésticas e
primeiro lugar da transmissão da fé, como por exemplo no contexto das bênçãos das casas, dos Batismos
dos adultos, das Crismas, dos Matrimônios. Isto poderá contribuir para a confissão e aprofundamento da
doutrina católica “nas nossas casas e no meio das nossas famílias, para que cada um sinta fortemente a
exigência de conhecer melhor e de transmitir às gerações futuras a fé de sempre”.
6. Será oportuno promover missões populares e outras iniciativas nas paróquias e nos lugares de
trabalho para ajudar os fiéis a redescobrir o dom da fé batismal e a responsabilidade do seu
testemunho, na consciência de que a vocação cristã “é também, por sua própria natureza, vocação
ao apostolado”.

7. Neste tempo, os membros dos Institutos de Vida Consagrada e das Sociedades de Vida
Apostólica são solicitados a se empenhar na nova evangelização, com uma adesão renovada ao
Senhor Jesus, pela contribuição dos próprios carismas e na fidelidade ao Santo Padre e à sã
doutrina.

8. As Comunidades contemplativas durante o Ano da Fé dedicarão uma intenção de oração especial
para a renovação da fé no Povo de Deus e para um novo impulso na sua transmissão

9. As Associações e os Movimentos eclesiais são convidados a serem promotores de iniciativas
específicas, as quais, pela contribuição do próprio carisma e em colaboração com os Pastores
locais, sejam inseridas no grande evento do Ano da Fé. As novas Comunidades e os Movimentos
eclesiais, de modo criativo e generoso, saberão encontrar os modos mais adequados para oferecer o
próprio testemunho de fé ao serviço da Igreja.

10. Todos os fiéis, chamados a reavivar o dom da fé, tentarão comunicar a própria experiência de fé
e de caridade dialogando com os seus irmãos e irmãs, também com os das outras confissões
cristãs, com os seguidores de outras religiões e com aqueles que não creem ou são indiferentes.
Deste modo se deseja que todo o povo cristão comece uma espécie de missão endereçada aqueles
com os quais vive e trabalha, com consciência de ter recebido “a mensagem da salvação para
comunicá-la a todos”.
Por ocasião da conclusão deste Ano, na
Solenidade de Nosso Senhor Jesus Cristo Rei
  do Universo, acontecerá uma Eucaristia
   celebrada pelo Santo Padre, na qual se
  renovará solenemente a profissão de fé.




                     23
*   ESPAÇO SAGRADO
        *   Arte sacra – no som ambiente – nas indicações – as acomodações –
            central de informação – berçário - equipe de acolhida etc...
*   NA SECRETARIA
        *   Organização do ambiente – nos controles – na velocidade com a
            informação é transmitida – no atendimento pessoal – ao telefone –
            nos comunicados por escrito – na participação pastoral.
*   NOS AFAZERES PASTORAIS
       * Direcionamento – objetivos – metas.
       * Na formação e no treinamento de lideranças
Equipe de trabalho                 Agentes Pastorais                     Fieis em geral


*   Liderança – envolver os        *   Pastoral de conjunto          •   Acolhida
    colaboradores no processo      *   Ampliar participação do CPP   •   Personalização no
    de decisão.                        nos processos de tomada de        atendimento de
                                       decisões.                         necessidades
*   Diálogo constante.
                                                                     •   Ambiente favorável ao
    Ensinar, ensinar, ensinar...   *   Estipular metas e objetivos
                                                                         eco ( catequético )
*   Formação e treinamentos            por período;
                                                                     •   Promover o encontro
*   Realização vocacional e        *   Eventos de socialização           destes com a pessoa de
    humana                             familiar;                         Jesus. Pastorais e
*   Direitos e benefícios          *   Igreja, espaço de                 movimentos.
                                       interatividade comunitária;
                                   *   Formação permanente
* Grupo – Mães que oram
* Grupo – Viúvas e viúvos
* Grupos – Câncer e outras
    enfermidades
*   Terço dos Homens
*   Grupo de aconselhamento – apoio de
    Psicólogos etc...
*   Pastoral da acolhida
*   Pastoral da esperança
*   Novena das famílias enlutadas
*   Juventude – acampamentos e outras
    ações socais.
*   Suporte a „ongs‟ e outras entidades
    sociais, quando inexistentes na
    instituição.
*   Projetos pastorais de inclusão e
    acolhida –
         * Ex: Dízimo e as Obras de
                 Misericórdia.
Editora A Partilha
“Uma editora missionária a serviço da evangelização”
Creio em um só Deus, Pai todo-poderoso,Criador do céu e da
terra,de todas as coisas visíveis e invisíveis.
Creio em um só Senhor, Jesus Cristo,Filho Unigênito de
Deus, gerado do Pai antes de todos os séculos. Deus de Deus, Luz
da luz, verdadeiro Deus de verdadeiro Deus, gerado, não feito, da
mesma substância do Pai.
Por Ele todas as coisas foram feitas.
E, por nós, homens, e para a nossa salvação,desceu dos céus,
Se encarnou pelo Espírito Santo, no seio da Virgem Maria, e se fez
homem.Também por nós foi crucificado sob Pôncio Pilatos;
padeceu e foi sepultado. Ressuscitou dos mortos ao terceiro
dia,conforme as Escrituras; e subiu aos céus,onde está assentado
à direita de Deus Pai. Donde há de vir, em glória, para julgar os
vivos e os mortos; e o Seu reino não terá fim. Creio no Espírito
Santo,Senhor e fonte de vida,que procede do Pai;e com o Pai e o
Filhoé adorado e glorificado: Ele falou pelos profetas. Creio na
Igreja Una Santa, Católica e apostólica.Confesso um só batismo
para remissão dos pecados.Espero a ressurreição dos mortos;E a
vida do mundo vindouro. Amém.
Dízimo no Ano da Fé

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

O cristão e a cultura
O cristão e a culturaO cristão e a cultura
O cristão e a culturaAmor pela EBD
 
Escravo servo ou filho de Maria. Dialogo com Montfort
Escravo servo ou filho de Maria. Dialogo com MontfortEscravo servo ou filho de Maria. Dialogo com Montfort
Escravo servo ou filho de Maria. Dialogo com MontfortAfonso Murad (FAJE)
 
Círculos Bíblicos/Grupos de Reflexão
Círculos Bíblicos/Grupos de ReflexãoCírculos Bíblicos/Grupos de Reflexão
Círculos Bíblicos/Grupos de Reflexãoleituraorante
 
Escravo servo ou filho de maria.pptx
Escravo servo ou filho de maria.pptxEscravo servo ou filho de maria.pptx
Escravo servo ou filho de maria.pptxAfonso Murad (FAJE)
 
Aprendendo a cuidar uns dos outros 2
Aprendendo a cuidar uns dos outros 2Aprendendo a cuidar uns dos outros 2
Aprendendo a cuidar uns dos outros 2Pr. Ricardo Rodolfo
 
Folheto batismo
Folheto batismoFolheto batismo
Folheto batismotorrasko
 
Livrinho encontro de-preparacao-para-ra-o-batismo
Livrinho encontro de-preparacao-para-ra-o-batismoLivrinho encontro de-preparacao-para-ra-o-batismo
Livrinho encontro de-preparacao-para-ra-o-batismotorrasko
 
Texto Base Intereclesial do 13º Intereclesial das CEBs em 2014 - Juazeiro d...
Texto Base Intereclesial  do 13º Intereclesial das CEBs em  2014 - Juazeiro d...Texto Base Intereclesial  do 13º Intereclesial das CEBs em  2014 - Juazeiro d...
Texto Base Intereclesial do 13º Intereclesial das CEBs em 2014 - Juazeiro d...Bernadetecebs .
 
LBJ LIÇÃO 8 - A lembrança da essência da adoração
LBJ LIÇÃO 8  - A lembrança da essência da adoraçãoLBJ LIÇÃO 8  - A lembrança da essência da adoração
LBJ LIÇÃO 8 - A lembrança da essência da adoraçãoNatalino das Neves Neves
 
Paróquia comunidade de comunidades
Paróquia comunidade de comunidadesParóquia comunidade de comunidades
Paróquia comunidade de comunidadesBernadetecebs .
 
Livrinho encontros de preparação batismo
Livrinho encontros de preparação batismoLivrinho encontros de preparação batismo
Livrinho encontros de preparação batismotorrasko
 
Informativo"Lá Vem o Trem das CEBs" Nº 52 e 53 Dezembro 2009 e Janeiro de 2010
Informativo"Lá Vem o Trem  das CEBs" Nº 52 e 53 Dezembro 2009 e Janeiro de 2010Informativo"Lá Vem o Trem  das CEBs" Nº 52 e 53 Dezembro 2009 e Janeiro de 2010
Informativo"Lá Vem o Trem das CEBs" Nº 52 e 53 Dezembro 2009 e Janeiro de 2010Bernadetecebs .
 
Encontro 001 vamos caminhar juntos - primeira eucaristia
Encontro 001   vamos caminhar juntos - primeira eucaristiaEncontro 001   vamos caminhar juntos - primeira eucaristia
Encontro 001 vamos caminhar juntos - primeira eucaristiaMayconAntonySilvaDia
 
Formação animadores(as) CEBs _2015
Formação animadores(as)  CEBs _2015Formação animadores(as)  CEBs _2015
Formação animadores(as) CEBs _2015Bernadetecebs .
 
LBJ LIÇÃO 13 - A IGREJA LOUVARÁ ETERNAMENTE AO SENHOR
LBJ LIÇÃO 13 - A IGREJA LOUVARÁ ETERNAMENTE AO SENHORLBJ LIÇÃO 13 - A IGREJA LOUVARÁ ETERNAMENTE AO SENHOR
LBJ LIÇÃO 13 - A IGREJA LOUVARÁ ETERNAMENTE AO SENHORNatalino das Neves Neves
 
Pastoral da acolhida paroquia sao-pedro-apostolo
Pastoral da acolhida paroquia sao-pedro-apostoloPastoral da acolhida paroquia sao-pedro-apostolo
Pastoral da acolhida paroquia sao-pedro-apostologafasnet
 
Lausanne.org pacto de lausanne
Lausanne.org pacto de lausanneLausanne.org pacto de lausanne
Lausanne.org pacto de lausanneWalace Borges
 
O que é pastoral da acolhida
O que é pastoral da acolhidaO que é pastoral da acolhida
O que é pastoral da acolhidaSeminario Emaus
 

Mais procurados (20)

O cristão e a cultura
O cristão e a culturaO cristão e a cultura
O cristão e a cultura
 
Escravo servo ou filho de Maria. Dialogo com Montfort
Escravo servo ou filho de Maria. Dialogo com MontfortEscravo servo ou filho de Maria. Dialogo com Montfort
Escravo servo ou filho de Maria. Dialogo com Montfort
 
Círculos Bíblicos/Grupos de Reflexão
Círculos Bíblicos/Grupos de ReflexãoCírculos Bíblicos/Grupos de Reflexão
Círculos Bíblicos/Grupos de Reflexão
 
Escravo servo ou filho de maria.pptx
Escravo servo ou filho de maria.pptxEscravo servo ou filho de maria.pptx
Escravo servo ou filho de maria.pptx
 
Aprendendo a cuidar uns dos outros 2
Aprendendo a cuidar uns dos outros 2Aprendendo a cuidar uns dos outros 2
Aprendendo a cuidar uns dos outros 2
 
Folheto batismo
Folheto batismoFolheto batismo
Folheto batismo
 
Livrinho encontro de-preparacao-para-ra-o-batismo
Livrinho encontro de-preparacao-para-ra-o-batismoLivrinho encontro de-preparacao-para-ra-o-batismo
Livrinho encontro de-preparacao-para-ra-o-batismo
 
Texto Base Intereclesial do 13º Intereclesial das CEBs em 2014 - Juazeiro d...
Texto Base Intereclesial  do 13º Intereclesial das CEBs em  2014 - Juazeiro d...Texto Base Intereclesial  do 13º Intereclesial das CEBs em  2014 - Juazeiro d...
Texto Base Intereclesial do 13º Intereclesial das CEBs em 2014 - Juazeiro d...
 
LBJ LIÇÃO 8 - A lembrança da essência da adoração
LBJ LIÇÃO 8  - A lembrança da essência da adoraçãoLBJ LIÇÃO 8  - A lembrança da essência da adoração
LBJ LIÇÃO 8 - A lembrança da essência da adoração
 
Quem é Esse Jesus
Quem é Esse JesusQuem é Esse Jesus
Quem é Esse Jesus
 
Paróquia comunidade de comunidades
Paróquia comunidade de comunidadesParóquia comunidade de comunidades
Paróquia comunidade de comunidades
 
Livrinho encontros de preparação batismo
Livrinho encontros de preparação batismoLivrinho encontros de preparação batismo
Livrinho encontros de preparação batismo
 
Informativo"Lá Vem o Trem das CEBs" Nº 52 e 53 Dezembro 2009 e Janeiro de 2010
Informativo"Lá Vem o Trem  das CEBs" Nº 52 e 53 Dezembro 2009 e Janeiro de 2010Informativo"Lá Vem o Trem  das CEBs" Nº 52 e 53 Dezembro 2009 e Janeiro de 2010
Informativo"Lá Vem o Trem das CEBs" Nº 52 e 53 Dezembro 2009 e Janeiro de 2010
 
Grupo Adoração e Vida
Grupo Adoração e VidaGrupo Adoração e Vida
Grupo Adoração e Vida
 
Encontro 001 vamos caminhar juntos - primeira eucaristia
Encontro 001   vamos caminhar juntos - primeira eucaristiaEncontro 001   vamos caminhar juntos - primeira eucaristia
Encontro 001 vamos caminhar juntos - primeira eucaristia
 
Formação animadores(as) CEBs _2015
Formação animadores(as)  CEBs _2015Formação animadores(as)  CEBs _2015
Formação animadores(as) CEBs _2015
 
LBJ LIÇÃO 13 - A IGREJA LOUVARÁ ETERNAMENTE AO SENHOR
LBJ LIÇÃO 13 - A IGREJA LOUVARÁ ETERNAMENTE AO SENHORLBJ LIÇÃO 13 - A IGREJA LOUVARÁ ETERNAMENTE AO SENHOR
LBJ LIÇÃO 13 - A IGREJA LOUVARÁ ETERNAMENTE AO SENHOR
 
Pastoral da acolhida paroquia sao-pedro-apostolo
Pastoral da acolhida paroquia sao-pedro-apostoloPastoral da acolhida paroquia sao-pedro-apostolo
Pastoral da acolhida paroquia sao-pedro-apostolo
 
Lausanne.org pacto de lausanne
Lausanne.org pacto de lausanneLausanne.org pacto de lausanne
Lausanne.org pacto de lausanne
 
O que é pastoral da acolhida
O que é pastoral da acolhidaO que é pastoral da acolhida
O que é pastoral da acolhida
 

Destaque

Para o vigor da juventude
Para o vigor da juventudePara o vigor da juventude
Para o vigor da juventudeMoroni Barbosa
 
Organização e gestão na secretaria paroquial
Organização e gestão na secretaria paroquialOrganização e gestão na secretaria paroquial
Organização e gestão na secretaria paroquialConage
 
Formação de Liturgia - 03/11/2013
Formação de Liturgia - 03/11/2013Formação de Liturgia - 03/11/2013
Formação de Liturgia - 03/11/2013eusouaimaculada
 
Curso de liturgia
Curso de liturgiaCurso de liturgia
Curso de liturgiambsilva1971
 
O que voce precisa compreender para entregar o seu dízimo com alegria 2
O que voce precisa compreender para entregar o seu dízimo com alegria 2O que voce precisa compreender para entregar o seu dízimo com alegria 2
O que voce precisa compreender para entregar o seu dízimo com alegria 2miguelrmn
 
Dízimos, Ofertas e Primícias
Dízimos, Ofertas e PrimíciasDízimos, Ofertas e Primícias
Dízimos, Ofertas e PrimíciasKaryn Martins
 

Destaque (14)

Dízimos e Ofertas.pps
Dízimos e Ofertas.ppsDízimos e Ofertas.pps
Dízimos e Ofertas.pps
 
Dízimos e Ofertas
Dízimos e OfertasDízimos e Ofertas
Dízimos e Ofertas
 
Para o vigor da juventude
Para o vigor da juventudePara o vigor da juventude
Para o vigor da juventude
 
Gestao paroquial
Gestao paroquialGestao paroquial
Gestao paroquial
 
HIERARQUIA DA IGREJA CATÓLICA
HIERARQUIA DA IGREJA CATÓLICAHIERARQUIA DA IGREJA CATÓLICA
HIERARQUIA DA IGREJA CATÓLICA
 
Dimensões do Dízimo
Dimensões do DízimoDimensões do Dízimo
Dimensões do Dízimo
 
Organização e gestão na secretaria paroquial
Organização e gestão na secretaria paroquialOrganização e gestão na secretaria paroquial
Organização e gestão na secretaria paroquial
 
Orações para catquese infantil
Orações para catquese infantilOrações para catquese infantil
Orações para catquese infantil
 
Formação de Liturgia - 03/11/2013
Formação de Liturgia - 03/11/2013Formação de Liturgia - 03/11/2013
Formação de Liturgia - 03/11/2013
 
Dízimo
DízimoDízimo
Dízimo
 
Curso de liturgia
Curso de liturgiaCurso de liturgia
Curso de liturgia
 
O que voce precisa compreender para entregar o seu dízimo com alegria 2
O que voce precisa compreender para entregar o seu dízimo com alegria 2O que voce precisa compreender para entregar o seu dízimo com alegria 2
O que voce precisa compreender para entregar o seu dízimo com alegria 2
 
Dízimos, Ofertas e Primícias
Dízimos, Ofertas e PrimíciasDízimos, Ofertas e Primícias
Dízimos, Ofertas e Primícias
 
Juventude!
Juventude!Juventude!
Juventude!
 

Semelhante a Dízimo no Ano da Fé

Dimensões da pastoral
Dimensões da pastoralDimensões da pastoral
Dimensões da pastoralJoão Pereira
 
Diretrizes 2011 2015
Diretrizes  2011  2015Diretrizes  2011  2015
Diretrizes 2011 2015MNEstudio
 
Diretrizes Gerais da Ação Evangelizadora 2011-2015 (DGAE 2011-2015)
Diretrizes Gerais da Ação Evangelizadora 2011-2015 (DGAE 2011-2015) Diretrizes Gerais da Ação Evangelizadora 2011-2015 (DGAE 2011-2015)
Diretrizes Gerais da Ação Evangelizadora 2011-2015 (DGAE 2011-2015) Bernadetecebs .
 
Documento de Aparecida
Documento de AparecidaDocumento de Aparecida
Documento de AparecidaGedeão Maia
 
Definitivo missão
Definitivo   missãoDefinitivo   missão
Definitivo missãopmgv5
 
blog do irmão pedro magalhaes
blog do irmão pedro magalhaesblog do irmão pedro magalhaes
blog do irmão pedro magalhaespmgv5
 
Dgae 2011 2015 visitapastoral
Dgae 2011 2015 visitapastoralDgae 2011 2015 visitapastoral
Dgae 2011 2015 visitapastoralKleber Silva
 
DGAE 2011 2015 padrekleber
DGAE 2011 2015 padrekleberDGAE 2011 2015 padrekleber
DGAE 2011 2015 padrekleberKleber Silva
 
INICIAÇÃO CRISTÃ Nº01
INICIAÇÃO CRISTÃ Nº01INICIAÇÃO CRISTÃ Nº01
INICIAÇÃO CRISTÃ Nº01Helio Diniz
 
Identidade Da C Atequese Em Pdf
Identidade Da C Atequese Em PdfIdentidade Da C Atequese Em Pdf
Identidade Da C Atequese Em PdfAlexandre
 
sdsdsdsddsdsdsdsdssdsdsdsdsddsdsdsdsdsdsd
sdsdsdsddsdsdsdsdssdsdsdsdsddsdsdsdsdsdsdsdsdsdsddsdsdsdsdssdsdsdsdsddsdsdsdsdsdsd
sdsdsdsddsdsdsdsdssdsdsdsdsddsdsdsdsdsdsdleandroandrade607647
 
1 história do cristianismo - 1ª aula
1   história do cristianismo - 1ª aula1   história do cristianismo - 1ª aula
1 história do cristianismo - 1ª aulaPIB Penha
 
BOLETIM FERMENTO NOVEMBRO DE 2012
BOLETIM FERMENTO NOVEMBRO DE 2012BOLETIM FERMENTO NOVEMBRO DE 2012
BOLETIM FERMENTO NOVEMBRO DE 2012cnisbrasil
 
ECUMENISMO
ECUMENISMOECUMENISMO
ECUMENISMOluciano
 
Os institutos seculares bento xvi
Os institutos seculares   bento xviOs institutos seculares   bento xvi
Os institutos seculares bento xvicnisbrasil
 
As crencas fundamentais dos metodistas
As crencas fundamentais dos metodistasAs crencas fundamentais dos metodistas
As crencas fundamentais dos metodistasPaulo Dias Nogueira
 

Semelhante a Dízimo no Ano da Fé (20)

Dimensões da pastoral
Dimensões da pastoralDimensões da pastoral
Dimensões da pastoral
 
Diretrizes 2011 2015
Diretrizes  2011  2015Diretrizes  2011  2015
Diretrizes 2011 2015
 
Diretrizes Gerais da Ação Evangelizadora 2011-2015 (DGAE 2011-2015)
Diretrizes Gerais da Ação Evangelizadora 2011-2015 (DGAE 2011-2015) Diretrizes Gerais da Ação Evangelizadora 2011-2015 (DGAE 2011-2015)
Diretrizes Gerais da Ação Evangelizadora 2011-2015 (DGAE 2011-2015)
 
Diretrizes
Diretrizes Diretrizes
Diretrizes
 
Documento de Aparecida
Documento de AparecidaDocumento de Aparecida
Documento de Aparecida
 
Definitivo missão
Definitivo   missãoDefinitivo   missão
Definitivo missão
 
blog do irmão pedro magalhaes
blog do irmão pedro magalhaesblog do irmão pedro magalhaes
blog do irmão pedro magalhaes
 
Dgae 2011 2015 visitapastoral
Dgae 2011 2015 visitapastoralDgae 2011 2015 visitapastoral
Dgae 2011 2015 visitapastoral
 
DGAE 2011 2015 padrekleber
DGAE 2011 2015 padrekleberDGAE 2011 2015 padrekleber
DGAE 2011 2015 padrekleber
 
INICIAÇÃO CRISTÃ Nº01
INICIAÇÃO CRISTÃ Nº01INICIAÇÃO CRISTÃ Nº01
INICIAÇÃO CRISTÃ Nº01
 
Identidade Da C Atequese Em Pdf
Identidade Da C Atequese Em PdfIdentidade Da C Atequese Em Pdf
Identidade Da C Atequese Em Pdf
 
A Porta da Fé
A Porta da FéA Porta da Fé
A Porta da Fé
 
sdsdsdsddsdsdsdsdssdsdsdsdsddsdsdsdsdsdsd
sdsdsdsddsdsdsdsdssdsdsdsdsddsdsdsdsdsdsdsdsdsdsddsdsdsdsdssdsdsdsdsddsdsdsdsdsdsd
sdsdsdsddsdsdsdsdssdsdsdsdsddsdsdsdsdsdsd
 
Cartapastoral 2out2011
Cartapastoral 2out2011Cartapastoral 2out2011
Cartapastoral 2out2011
 
1 história do cristianismo - 1ª aula
1   história do cristianismo - 1ª aula1   história do cristianismo - 1ª aula
1 história do cristianismo - 1ª aula
 
BOLETIM FERMENTO NOVEMBRO DE 2012
BOLETIM FERMENTO NOVEMBRO DE 2012BOLETIM FERMENTO NOVEMBRO DE 2012
BOLETIM FERMENTO NOVEMBRO DE 2012
 
Catequese Renovada
Catequese RenovadaCatequese Renovada
Catequese Renovada
 
ECUMENISMO
ECUMENISMOECUMENISMO
ECUMENISMO
 
Os institutos seculares bento xvi
Os institutos seculares   bento xviOs institutos seculares   bento xvi
Os institutos seculares bento xvi
 
As crencas fundamentais dos metodistas
As crencas fundamentais dos metodistasAs crencas fundamentais dos metodistas
As crencas fundamentais dos metodistas
 

Mais de Conage

Catequese inclusiva
Catequese inclusiva Catequese inclusiva
Catequese inclusiva Conage
 
Audiovisual na Igreja
Audiovisual na IgrejaAudiovisual na Igreja
Audiovisual na IgrejaConage
 
Desafios da gestão
Desafios da gestãoDesafios da gestão
Desafios da gestãoConage
 
Gestao do patrimônio
Gestao do patrimônio Gestao do patrimônio
Gestao do patrimônio Conage
 
Gestão e Comportamento
Gestão e ComportamentoGestão e Comportamento
Gestão e ComportamentoConage
 
Igreja e profissionalização
Igreja e profissionalização Igreja e profissionalização
Igreja e profissionalização Conage
 
O empreendedorismo na Igreja
O empreendedorismo na IgrejaO empreendedorismo na Igreja
O empreendedorismo na IgrejaConage
 
Administração eclesial
Administração eclesial Administração eclesial
Administração eclesial Conage
 

Mais de Conage (8)

Catequese inclusiva
Catequese inclusiva Catequese inclusiva
Catequese inclusiva
 
Audiovisual na Igreja
Audiovisual na IgrejaAudiovisual na Igreja
Audiovisual na Igreja
 
Desafios da gestão
Desafios da gestãoDesafios da gestão
Desafios da gestão
 
Gestao do patrimônio
Gestao do patrimônio Gestao do patrimônio
Gestao do patrimônio
 
Gestão e Comportamento
Gestão e ComportamentoGestão e Comportamento
Gestão e Comportamento
 
Igreja e profissionalização
Igreja e profissionalização Igreja e profissionalização
Igreja e profissionalização
 
O empreendedorismo na Igreja
O empreendedorismo na IgrejaO empreendedorismo na Igreja
O empreendedorismo na Igreja
 
Administração eclesial
Administração eclesial Administração eclesial
Administração eclesial
 

Último

PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdfProfGleide
 
Atividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu AbrigoAtividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu AbrigoMary Alvarenga
 
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
Geometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdfGeometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdf
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdfDemetrio Ccesa Rayme
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfIedaGoethe
 
Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamental
Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino FundamentalCartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamental
Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamentalgeone480617
 
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasMesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasRicardo Diniz campos
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfHenrique Pontes
 
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasPrograma de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasCassio Meira Jr.
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAlexandreFrana33
 
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfO Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfPastor Robson Colaço
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveaulasgege
 
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasHabilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasCassio Meira Jr.
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfIedaGoethe
 
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024Jeanoliveira597523
 
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕESPRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕESpatriciasofiacunha18
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOMarcosViniciusLemesL
 
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxBiancaNogueira42
 

Último (20)

PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
 
Atividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu AbrigoAtividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu Abrigo
 
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
Geometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdfGeometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdf
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
 
Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamental
Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino FundamentalCartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamental
Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamental
 
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasMesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
 
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasPrograma de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
 
treinamento brigada incendio 2024 no.ppt
treinamento brigada incendio 2024 no.ppttreinamento brigada incendio 2024 no.ppt
treinamento brigada incendio 2024 no.ppt
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
 
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfO Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
 
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasHabilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
 
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
 
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕESPRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
 
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
 

Dízimo no Ano da Fé

  • 1. 10/2012 A 11/2013 Redescobrir – Cultivar – Testemunhar a Fé
  • 2. Um olhar sobre a realidade em que vivemos
  • 3. - Relativismo. - Autossuficiência humana. As mudanças sociais são - Pluralismo religioso. - Fragilidades no testemunho muitas, e ocorrem em da instituição. velocidade cada vez maior. - Desconhecimento da doutrina por parte dos fiéis. - Linguagem comprometida no Desconstrução de valores. anúncio da Boa Nova. - Distanciamento do Homem O Sagrado e os valores para com a Palavra de Deus. espirituais com nova face. - Egoísmo na vida comunitária. - Insensibilidade à presença de Deus. As novas gerações. - Etc...
  • 4. Religiões Católicos Evangélicos Sem Religião Espiritas Afro Demais
  • 5. “... vivemos uma era de ruptura, e não estamos mais dispostos a nos sacrificar em nome de grandes ideias alheias, de utopias, mas sim em nome de nossos pais, filhos ou amigos. Um humanismo secular; uma espiritualidade sem fé. „Existem dois tipos diferentes de espiritualidade. Um age por meio de Deus e é, certamente, o conjunto das religiões; o outro, sem Deus, é o grupo das grandes filosofias‟, explica ele no livro.” Luc Ferry – Entrevista ao Estadão sobre seu livro „ O Anticonformista‟ *
  • 6. A Igreja não está alheia a esta realidade Carta Sínodo da Documento Apostólica Palavra de Aparecida Porta Fidei * Esta é a nossa casa! Na Igreja Católica temos tudo o que é bom, tudo o que é motivo de segurança e de consolo! Quem aceita Cristo: Caminho, Verdade e Vida, em sua totalidade, tem garantida a paz e a felicidade, nesta e na outra vida... Papa Bento XVI no Santuário de Aparecida 12/05/2007
  • 7. INTRODUÇÃO (1-18) O Documento procura ajudar todos os católicos a serem Discípulos Missionários de Jesus Cristo, pelo fato de terem sido batizados. 1. Desafios Mas hoje em dia, não é tão fácil assim, pois estamos vivendo uma época caracterizada por dois desafios (Doc. 10): - a difusão de uma Cultura hostil, contrária ao pensamento e à prática cristã - a difusão de variadas ofertas religiosas que tratam de responder às necessidades das pessoas de forma diferente e às vezes de forma materialista, imediatista e distante da proposta de Jesus. 2. Quais são os valores cristãos ameaçados pela Cultura hostil? Verificamos que os valores cristãos que estão na base da vida comunitária, justa e fraterna, que vivenciamos nas CEBs, estão sendo ameaçados por uma cultura hostil, isto é, contrária ao ensinamento do Evangelho. Vejamos alguns dos nossos valores ameaçados:
  • 8. -A Gratuidade que aparece quando uma pessoa se relaciona com outra sem visar o interesse e sem basear- se nos bens materiais. É querer o bem do outro por amor. -A Festa verdadeira, que acontece quando as pessoas são consideradas mais importantes do que os bens materiais e nasce pela boa convivência com a vizinhança. -A Acolhida do outro, que acontece quando colocamos bens e valores a serviço das pessoas, como hospedar pessoas, partilhar e viver a solidariedade com o maior carinho, de forma espontânea e sincera. -A Teimosia na luta pela vida. É a vontade de viver, superando barreiras e dificuldades, lutando resistindo, aguentando situações quase impossíveis, sem cair no desespero. -A Luta solidária pela justiça. É quando a gente não pensa só em si, mas junta sua dor e seus anseios às dores e anseios dos outros, querendo justiça e liberdade para todos. -A Compaixão e Misericórdia. É quando se tem o coração cheio de ternura e se entende quem vive em situação igual ou pior, e mesmo nas dificuldades se tenta solucionar o caso de quem passa pior necessidade. -A Esperança. É quando se sabe enfrentar e superar situações de desespero, sendo que a última palavra é sempre de esperança. - A Experiência de Deus. Por ser acolhedor e viver desapegado dos bens, sente-se a necessidade de viver com maior intensidade a presença de Deus em sua vida. Quem se sente amado e protegido por Deus, adquire fortes energias para enfrentar os desafios do dia-a-dia.
  • 9. 3. Quais são os falsos valores do mundo e desta Cultura hostil? (Doc 11) Infelizmente o mundo de hoje é pagão e quer nos seduzir com falsos valores, bem contrários aos valores cristãos que acabamos de lembrar. O mundo quer nos contaminar com o individualismo, a ganância, a ambição, a corrupção, a desonestidade, o comodismo, a concorrência desleal e cruel, a indiferença aos clamores dos outros, o abuso da sexualidade, a desvalorização da família, o lucro a qualquer custo. Tudo isso é contrário à ética e à moral que nós conhecemos à luz do Evangelho. É a chamada cultura hostil. O Encontro pessoal e comunitário com Jesus Cristo (Doc. 12-13) A Igreja diante destes desafios, perigos e ameaças, não pode responder com agressões e brigas, mas trata- se agora de confirmar, renovar a novidade do Evangelho, favorecendo um encontro pessoal e comunitário com Jesus Cristo, que nos torne homens e mulheres novos, discípulos missionários de seu Reino. A maior ameaça da Igreja hoje (Doc. 13) É a mediocridade, é o fazer de conta, é a hipocrisia, o comodismo, é um cristianismo de fachada, só de aparência. É a repetição de fórmulas, é reduzir a nossa fé a algumas normas, proibições ou devoções fragmentadas, participação ocasional. O maior desafio da Igreja hoje (Doc 14) É não ter medo (Mt 28,5). É acreditar na vitória de Cristo ressuscitado que nos estimula à conversão e a manter viva a esperança que não engana. É, sobretudo mostrar a capacidade para promover e formar discípulos e missionários que respondam à vocação recebida e comuniquem por toda parte, transbordando de gratidão e alegria, o dom do encontro com Jesus Cristo. Não temos outro tesouro a não ser este. Não temos outra felicidade nem outra prioridade senão a de sermos instrumentos do Espírito de Deus na Igreja, para que Cristo seja encontrado, seguido, amado, adorado, anunciado e comunicado a todos, não obstante todas as dificuldades e resistências. Este é o melhor serviço -o seu serviço! - que a Igreja deve oferecer às pessoas e nações".
  • 10. OS DISCÍPULOS MISSIONÁRIOS 1. A Caminhada começa com um encontro (20-22) No Evangelho há uma multidão de pessoas que tiveram o encontro mais importante e decisivo de sua vida preenchia de luz, força e esperança: o encontro com Jesus, sua rocha, sua paz, sua vida. Hoje, nesta sociedade conturbada, neste clima cultural relativista, isto é, onde parece não haver mais verdade certa, nem rumos certos. Na Igreja amadurecemos a fé inabalável em Cristo para permanecer no seu amor, e assim viver com a alegre esperança e imensa gratidão, pois Ele é o Filho de Deus verdadeiro, o único Salvador da humanidade, Ele é o Caminho, a Verdade e a Vida.
  • 11. * Carta Apostólica Porta Fidei 1. A PORTA DA FÉ (cf. Act 14, 27), que introduz na vida de comunhão com Deus e permite a entrada na sua Igreja, está sempre aberta para nós. É possível cruzar este limiar, quando a Palavra de Deus é anunciada e o coração se deixa plasmar pela graça que transforma. Atravessar aquela porta implica embrenhar-se num caminho que dura a vida inteira. Este caminho tem início com o Baptismo (cf. Rm 6, 4), pelo qual podemos dirigir-nos a Deus com o nome de Pai, e está concluído com a passagem através da morte para a vida eterna, fruto da ressurreição do Senhor Jesus, que, com o dom do Espírito Santo, quis fazer participantes da sua própria glória quantos creem n‟Ele (cf. Jo 17, 22). Professar a fé na Trindade – Pai, Filho e Espírito Santo – equivale a crer num só Deus que é Amor (cf. 1 Jo 4, 8): o Pai, que na plenitude dos tempos enviou seu Filho para a nossa salvação; Jesus Cristo, que redimiu o mundo no mistério da sua morte e ressurreição; o Espírito Santo, que guia a Igreja através dos séculos enquanto aguarda o regresso glorioso do Senhor.
  • 12. 2. Desde o princípio do meu ministério como Sucessor de Pedro, lembrei a necessidade de redescobrir o caminho da fé para fazer brilhar, com evidência sempre maior, a alegria e o renovado entusiasmo do encontro com Cristo. Durante a A fé é capaz de: homilia da Santa Missa no início do pontificado, disse: «A Igreja no seu conjunto, e os Pastores nela, como Cristo devem pôr-se a - Libertar caminho para conduzir os homens fora - Corrigir do deserto, para lugares da vida, da - Curar amizade com o Filho de Deus, para Aquele que dá a vida, a vida em - Realizar o Homem em sua totalidade plenitude» (Homilia no início do ministério petrino - Salvar a humanidade do Bispo de Roma, (24 de Abril de 2005): AAS 97 (2005), 710). Sucede não poucas vezes que os - Projetar o futuro das realidades cristãos sintam maior preocupação com as invisíveis consequências sociais, culturais e políticas da fé do que com a própria fé, considerando esta - ... como um pressuposto óbvio da sua vida diária. Ora um tal pressuposto não só deixou de existir, mas frequentemente acaba até negado (Cf. Bento XVI, Homilia da Santa Missa no Terreiro do Paço (Lisboa – 11 de Maio de 2010): L’Osservatore Romano (ed. port. de 15/V/2010), 3.). Enquanto, no passado, era possível reconhecer um tecido cultural unitário, amplamente compartilhado no seu apelo aos conteúdos da fé e aos valores por ela inspirados, hoje parece que já não é assim em grandes sectores da sociedade devido a uma profunda crise de fé que atingiu muitas pessoas.
  • 13. A fé é uma posse antecipada do - Fato é uma verdade que se espera, um meio de absoluta, real, existente, inequ demonstrar as realidades que não ívoca, incontestável, declarada se veem. Hb 11,1 . - É o que foi criado A fé é o fundamento da - E tudo o que foi criado foi pela esperança, é uma certeza a proclamação da palavra divina. respeito do não se vê. *
  • 14. O ser humano, em seu estado natural, possui inteligência e vontade com potencialidades infinitas. A beleza que surge das mãos dos homens é um reflexo da beleza que surge das mãos do Criador. No entanto, não quis Deus que o homem permanecesse apenas em seu estado natural e nos deu o dom da fé. O dom da fé e da graça eleva o homem ao estado sobrenatural, somos filhos de Deus (1Jo 3,1). Neste estado podemos dizer com São Paulo “Já não sou eu que vivo, é Cristo que vive em mim” (Gal 2,20). O estado sobrenatural não está em conflito com o estado natural. A graça não destrói a natureza, a supõe, eleva e aperfeiçoa. Dom Orani Tempesta
  • 15. A realização das atividades: Meio e Fim Da gestão eclesial 15
  • 16. É essencial do administrador eclesial liderar e coordenar pessoas de tal modo que estes, motivados e convertidos, realizem as atividades meio e fim de suas comunidades. Funcionários – Voluntários – Fieis
  • 17. * “Não se começa a ser cristão * “Essa foi a maravilhosa por uma decisão ética ou uma experiência daqueles primeiros grande ideia, mas através do discípulos que, encontrando encontro com um Jesus, ficaram fascinados e cheios acontecimento, com uma de assombro frente à Pessoa, que dá um novo excepcionalidade de quem lhes horizonte à vida e, com isso, falava, diante da maneira como uma orientação decisiva.” os tratava,coincidindo com a fome Deus Caritas est,1 e sede de vida que havia em seus corações...” DA 244
  • 18. Dízimo – Ato de fé! Redescobrir: Refazer o caminho Realização bíblico do dízimo. De Realidades Cultivar: visíveis Gestão participativa e transparente E realidades Testemunhar: invisíveis A fé sem obras e morta e as obras sem fé são estéreis. Malaquias 3,10 – Fazei a experiência, e vereis se não derramo as minhas bênçãos sobre vós muito além do necessário.
  • 19. Ano da Fé Ações concretas
  • 20. Tempo para agradecer Tempo para anunciar Tempo para testemunhar Este ano será uma ocasião propícia a fim de que todos os fiéis compreendam mais profundamente que o fundamento da fé cristã é “o encontro com um acontecimento, com uma Pessoa que dá à vida um novo horizonte e, desta forma, o rumo decisivo”. Fundamentada no encontro com Jesus Cristo ressuscitado, a fé poderá ser redescoberta na sua integridade e em todo o seu esplendor. “Também nos nossos dias a fé é um dom que se deve redescobrir, cultivar e testemunhar” para que o Senhor “conceda a cada um de nós vivermos a beleza e a alegria de sermos cristãos”. Congregação para a Doutrina da fé, 9 janeiro 2012
  • 21. IV. Em nível das paróquias / comunidades / associações / movimentos 1. Em preparação para o Ano da Fé, todos os fiéis são convidados a ler e meditar atentamente a Carta apostólica Porta fidei do Santo Padre Bento XVI. 2. O Ano da Fé “será uma ocasião propícia também para intensificar a celebração da fé na liturgia, particularmente na Eucaristia”. Na Eucaristia, mistério da fé e fonte da nova evangelização, a fé da Igreja é proclamada, celebrada e fortalecida. Todos os fiéis são convidados a participar dela conscientemente, ativamente e frutuosamente, a fim de serem testemunhas autênticas do Senhor. 3. Os sacerdotes poderão dedicar maior atenção ao estudo dos Documentos do Concílio Vaticano II e do Catecismo da Igreja Católica, tirando daí fruto para a pastoral paroquial – a catequese, a pregação, a preparação aos sacramentos – e propondo ciclos de homilias sobre a fé ou sobre alguns dos seus aspectos específicos, como por exemplo “o encontro com Cristo”, “os conteúdos fundamentais do Credo”, “a fé e a Igreja”. 4. Os catequistas poderão haurir sobremaneira da riqueza doutrinal do Catecismo da Igreja Católica e guiar, sob a responsabilidade dos respectivos párocos, grupos de fiéis à leitura e ao aprofundamento deste precioso instrumento, a fim de criar pequenas comunidades de fé e de testemunho do Senhor Jesus. 5. Deseja-se que nas paróquias haja um empenho renovado na difusão e na distribuição do Catecismo da Igreja Católica ou de outros subsídios adequados às famílias, que são autênticas igrejas domésticas e primeiro lugar da transmissão da fé, como por exemplo no contexto das bênçãos das casas, dos Batismos dos adultos, das Crismas, dos Matrimônios. Isto poderá contribuir para a confissão e aprofundamento da doutrina católica “nas nossas casas e no meio das nossas famílias, para que cada um sinta fortemente a exigência de conhecer melhor e de transmitir às gerações futuras a fé de sempre”.
  • 22. 6. Será oportuno promover missões populares e outras iniciativas nas paróquias e nos lugares de trabalho para ajudar os fiéis a redescobrir o dom da fé batismal e a responsabilidade do seu testemunho, na consciência de que a vocação cristã “é também, por sua própria natureza, vocação ao apostolado”. 7. Neste tempo, os membros dos Institutos de Vida Consagrada e das Sociedades de Vida Apostólica são solicitados a se empenhar na nova evangelização, com uma adesão renovada ao Senhor Jesus, pela contribuição dos próprios carismas e na fidelidade ao Santo Padre e à sã doutrina. 8. As Comunidades contemplativas durante o Ano da Fé dedicarão uma intenção de oração especial para a renovação da fé no Povo de Deus e para um novo impulso na sua transmissão 9. As Associações e os Movimentos eclesiais são convidados a serem promotores de iniciativas específicas, as quais, pela contribuição do próprio carisma e em colaboração com os Pastores locais, sejam inseridas no grande evento do Ano da Fé. As novas Comunidades e os Movimentos eclesiais, de modo criativo e generoso, saberão encontrar os modos mais adequados para oferecer o próprio testemunho de fé ao serviço da Igreja. 10. Todos os fiéis, chamados a reavivar o dom da fé, tentarão comunicar a própria experiência de fé e de caridade dialogando com os seus irmãos e irmãs, também com os das outras confissões cristãs, com os seguidores de outras religiões e com aqueles que não creem ou são indiferentes. Deste modo se deseja que todo o povo cristão comece uma espécie de missão endereçada aqueles com os quais vive e trabalha, com consciência de ter recebido “a mensagem da salvação para comunicá-la a todos”.
  • 23. Por ocasião da conclusão deste Ano, na Solenidade de Nosso Senhor Jesus Cristo Rei do Universo, acontecerá uma Eucaristia celebrada pelo Santo Padre, na qual se renovará solenemente a profissão de fé. 23
  • 24. * ESPAÇO SAGRADO * Arte sacra – no som ambiente – nas indicações – as acomodações – central de informação – berçário - equipe de acolhida etc... * NA SECRETARIA * Organização do ambiente – nos controles – na velocidade com a informação é transmitida – no atendimento pessoal – ao telefone – nos comunicados por escrito – na participação pastoral. * NOS AFAZERES PASTORAIS * Direcionamento – objetivos – metas. * Na formação e no treinamento de lideranças
  • 25. Equipe de trabalho Agentes Pastorais Fieis em geral * Liderança – envolver os * Pastoral de conjunto • Acolhida colaboradores no processo * Ampliar participação do CPP • Personalização no de decisão. nos processos de tomada de atendimento de decisões. necessidades * Diálogo constante. • Ambiente favorável ao Ensinar, ensinar, ensinar... * Estipular metas e objetivos eco ( catequético ) * Formação e treinamentos por período; • Promover o encontro * Realização vocacional e * Eventos de socialização destes com a pessoa de humana familiar; Jesus. Pastorais e * Direitos e benefícios * Igreja, espaço de movimentos. interatividade comunitária; * Formação permanente
  • 26. * Grupo – Mães que oram * Grupo – Viúvas e viúvos * Grupos – Câncer e outras enfermidades * Terço dos Homens * Grupo de aconselhamento – apoio de Psicólogos etc... * Pastoral da acolhida * Pastoral da esperança * Novena das famílias enlutadas * Juventude – acampamentos e outras ações socais. * Suporte a „ongs‟ e outras entidades sociais, quando inexistentes na instituição. * Projetos pastorais de inclusão e acolhida – * Ex: Dízimo e as Obras de Misericórdia.
  • 27. Editora A Partilha “Uma editora missionária a serviço da evangelização”
  • 28. Creio em um só Deus, Pai todo-poderoso,Criador do céu e da terra,de todas as coisas visíveis e invisíveis. Creio em um só Senhor, Jesus Cristo,Filho Unigênito de Deus, gerado do Pai antes de todos os séculos. Deus de Deus, Luz da luz, verdadeiro Deus de verdadeiro Deus, gerado, não feito, da mesma substância do Pai. Por Ele todas as coisas foram feitas. E, por nós, homens, e para a nossa salvação,desceu dos céus, Se encarnou pelo Espírito Santo, no seio da Virgem Maria, e se fez homem.Também por nós foi crucificado sob Pôncio Pilatos; padeceu e foi sepultado. Ressuscitou dos mortos ao terceiro dia,conforme as Escrituras; e subiu aos céus,onde está assentado à direita de Deus Pai. Donde há de vir, em glória, para julgar os vivos e os mortos; e o Seu reino não terá fim. Creio no Espírito Santo,Senhor e fonte de vida,que procede do Pai;e com o Pai e o Filhoé adorado e glorificado: Ele falou pelos profetas. Creio na Igreja Una Santa, Católica e apostólica.Confesso um só batismo para remissão dos pecados.Espero a ressurreição dos mortos;E a vida do mundo vindouro. Amém.