Uma nova Paróquia
 O Documento de Aparecida
e o texto de estudo da CNBB,
“Comunidade de Comunidades:
Uma nova Paróquia,”
enfrenta os desafi...
 1,2 bilhão de seguidores em todo o mundo.
 586 milhões vivem no continente americano,
 incluindo 483 milhões (41,3%) n...
 Uma Igreja a serviço do Reino de Deus,
com o anúncio da Palavra da libertação,
com uma opção clara pelos pobres,
com uma...
 “Toda a renovação da Igreja consiste
essencialmente numa maior fidelidade à própria
vocação [...] A Igreja peregrina é c...
 A sociedade moderna é uma sociedade que se sabe
histórica, que não põe no centro a ideia do ser imutável,
mas a ideia de...
 50 anos depois do Concilio Vaticano II assistimos
a passagem de uma eclesiologia universalística,
centrada na ideia e na...
 Cresceu a consciência de que a Igreja está
perdendo influência e visibilidade na nova
sociedade.
 A juventude afasta-se...
 A consciência e a inquietação aumentaram os cursos
para formação mas, passar do curso para a prática é
muito difícil!
 ...
 Não podemos relativizar o problema do
pentecostalismo.
 Nos últimos anos apareceram movimentos que
adotaram os métodos ...
 PROVOCAR UMA COMOÇÃO na Igreja que seja
capaz de realizar a mudança - Conversão ou
transformação da Igreja através de um...
 “Assumimos o compromisso de uma grande missão
em todo o Continente, que nos exigirá aprofundar e
enriquecer todas as raz...
 “A conversão pastoral de nossas comunidades exige
que se vá além de uma pastoral de mera
conservação para uma pastoral d...
 “Comprometemo-nos a trabalhar para que a
nossa Igreja Latino-americana e Caribenha
continue sendo, com maior afinco, com...
 “Esta firme decisão missionária deve impregnar
todas as estruturas eclesiais e todos os planos
pastorais de dioceses, pa...
 A transformação da Igreja e da paróquia quem
vai fazer? Se forem os mesmo que estão dentro
do atual quadro que terão ago...
 Como imaginar que o clero, preparado para
administrar paróquias vai agora dedicar-se a
atividades missionárias? Ou renov...
 Já São Tomás de Aquino na
idade media, tinha dito: na
cidade, a paróquia não
evangeliza, nem o clero
paroquial.
 Depois...
 “Não entendo as comunidades
cristãs que estão fechadas, na
paróquia. Quero dizer-lhes
algo.
 No Evangelho é bonita a
pa...
 Esta é uma grande responsabilidade
e devemos pedir ao Senhor a graça
da generosidade e o valor e a
paciência para sair, ...
 A população é mais urbanizada que há 10 anos:
em 2000, 81% dos brasileiros viviam em áreas
urbanas, agora são 84%.
 Em ...
Dados de 2010 (Censo do IBGE):
 - Igreja Católica Apostólica Romana: 64,6%
 - Igrejas Evangélicas: 22,2%
 - Espírita: 2...
 Em dez anos, o candomblé foi a religião que,
estatisticamente, mais cresceu na Paraíba.
 Em 2000, apenas 417 paraibanos...
“A Igreja de Deus na América latina é casa dos pobres de Deus.”
(DAp 524)
 “A opção pelos pobres
está implícita
na fé cristológica
naquele Deus
que se fez pobre por
nós, para nos
enriquecer
com s...
 A opção pelos pobres deve ser vivida de acordo
com o contexto e as exigências de cada lugar e
de cada momento histórico....
 “Nossa opção pelos pobres corre o risco de ficar
em um plano teórico ou meramente emotivo,
sem verdadeira incidência em ...
 “A globalização faz emergir em nossos povos, novos
rostos pobres, novos excluídos: Os migrantes, as
vítimas da violência...
 “Não podemos nos esquecer que a maior
pobreza é a de não reconhecer a presença do
mistério de Deus e de seu amor na vida...
 Fazer a opção preferencial pelos pobres
significa ajudar nossas paróquias a mudar a
perspectiva de vida pastoral: a não ...
 Os pobres lutam para sobreviver com muita coragem.
 Eles não dispõem de meios para entrar e participar da
sociedade dom...
 Os pobres têm sua vida cultural, feita do que há de
pior na cultura dominante, e às vezes de alguns
restos da antiga cul...
 Uma primeira opção é a inculturação.
 Já que os pobres estão numa subcultura própria,
não devemos tirá-los da sua cultu...
 Essa opção pode ser defendida com dois
argumentos:
 Primeiro, há o respeito pela cultura dos pobres.
Não se lhes pede p...
 A outra opção consistiria em ajudar os excluídos
a forças a entrada no mundo global, na
sociedade dominante para serem i...
 Um padre visitando uma favela na periferia encontrou uma
menina que o conduziu a seu barraco e ficou curioso ao ver um
l...
 O projeto respondia às aspirações dos cristãos do
mundo moderno, sobretudo os de mentalidade urbana.
Deviam ser pequenos...
 “Na experiência eclesial de algumas igrejas, as CEBs tem
sido escolas que tem ajudado a formar cristãos
comprometidos co...
 “As CEBs, no seguimento missionário de Jesus, têm a
Palavra de Deus como fonte de sua espiritualidade e a
orientação de ...
 Junto com as comunidades eclesiais de base, existem
outras formas válidas de pequenas comunidades, e
inclusive redes de ...
02 12-2013.103713 material33-assdiocpastoral_comunidade de comunidades_pe. assis
02 12-2013.103713 material33-assdiocpastoral_comunidade de comunidades_pe. assis
02 12-2013.103713 material33-assdiocpastoral_comunidade de comunidades_pe. assis
02 12-2013.103713 material33-assdiocpastoral_comunidade de comunidades_pe. assis
02 12-2013.103713 material33-assdiocpastoral_comunidade de comunidades_pe. assis
02 12-2013.103713 material33-assdiocpastoral_comunidade de comunidades_pe. assis
02 12-2013.103713 material33-assdiocpastoral_comunidade de comunidades_pe. assis
02 12-2013.103713 material33-assdiocpastoral_comunidade de comunidades_pe. assis
02 12-2013.103713 material33-assdiocpastoral_comunidade de comunidades_pe. assis
02 12-2013.103713 material33-assdiocpastoral_comunidade de comunidades_pe. assis
02 12-2013.103713 material33-assdiocpastoral_comunidade de comunidades_pe. assis
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

02 12-2013.103713 material33-assdiocpastoral_comunidade de comunidades_pe. assis

238 visualizações

Publicada em

Material similar que encontrei via net. Muito bom tambéwm

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
238
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
6
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

02 12-2013.103713 material33-assdiocpastoral_comunidade de comunidades_pe. assis

  1. 1. Uma nova Paróquia
  2. 2.  O Documento de Aparecida e o texto de estudo da CNBB, “Comunidade de Comunidades: Uma nova Paróquia,” enfrenta os desafios que derivam da recepção e da herança do Concílio Vaticano II num contexto sociocultural e religioso profundamente mudado, “UMA MUDANÇA DE ÉPOCA”.
  3. 3.  1,2 bilhão de seguidores em todo o mundo.  586 milhões vivem no continente americano,  incluindo 483 milhões (41,3%) na América Latina.  O Brasil, com 123 milhões de fiéis, de acordo com dados do último censo, é o país com o maior número de católicos do mundo.  Em seguida aparece o México, com quase 93 milhões, também de acordo com o censo local.  O Anuário de Estatística da Igreja revela que o número de fiéis cresceu em todos os continentes, em relação ao ano anterior.  Houve um incremento de mais de 15 milhões de católicos.
  4. 4.  Uma Igreja a serviço do Reino de Deus, com o anúncio da Palavra da libertação, com uma opção clara pelos pobres, com uma vida litúrgica e sacramental que é seu sinal antecipador e realizador, com uma vida de comunidade pensada e vivida como sinal na história das lógicas do Reino da justiça, comunhão, reconciliação. Sinal legível e compreensível para a sociedade atual, sinal não contraditório em relação à mensagem transmitida. É neste horizonte que conduz a uma transformação necessária e urgente do rosto da Igreja que faremos o estudo deste documento.
  5. 5.  “Toda a renovação da Igreja consiste essencialmente numa maior fidelidade à própria vocação [...] A Igreja peregrina é chamada por Cristo a essa reforma perene. Como instituição humana e terrena, a Igreja necessita perpetuamente desta reforma. Assim, se em vista das circunstâncias das coisas e dos tempos houve deficiências, quer na moral, quer na disciplina eclesiástica, quer também no modo de enunciar a doutrina – modo que deve cuidadosamente distinguir-se do próprio depósito da fé –, tudo seja reta e devidamente restaurado no momento oportuno.” (Lumen Gentium 8 e Unitatis Redintegratio 2)
  6. 6.  A sociedade moderna é uma sociedade que se sabe histórica, que não põe no centro a ideia do ser imutável, mas a ideia de um ser-no-devir e a ideia da história; é uma cultura que pensa a identidade não como um permanecer num elemento adquirido uma vez por todas, mas como construção progressiva de uma identidade jamais concluída, o “espírito da eterna revisão”. Também a Igreja é inspirada nesse pensamento: a identidade eclesial é uma identidade sempre em mudança; a Igreja não é uma instituição sempre igual a si mesma, mas é uma realidade que se estende no tempo, uma comunidade que vive na história. Como toda outra instituição humana, ela vive do tempo, teve uma origem, um processo de institucionalização progressivo e uma trajetória histórica, uma evolução.
  7. 7.  50 anos depois do Concilio Vaticano II assistimos a passagem de uma eclesiologia universalística, centrada na ideia e na forma de uma Igreja (societas) e fundada no princípio de autoridade, fortemente centralizada, que tende a exaltar uma concepção de unidade pensada e atuada a partir de uma procurada uniformidade disciplinar e litúrgica, a uma nova ideia de Igreja, que considera de novo os indivíduos (o povo de Deus, a relação leigos-ministros ordenados), a essência e as dinâmicas constitutivas da Igreja (comunhão pelo anúncio), o fim (servir ao Reino de Deus na história humana).
  8. 8.  Cresceu a consciência de que a Igreja está perdendo influência e visibilidade na nova sociedade.  A juventude afasta-se dela, cresceram as igrejas pentecostais no mundo popular.  Houve várias experiências missionárias, muitas nem sairam do papel e outras tiveram pouca repercussão, sobretudo no mundo urbano popular.  O clero não estava preparado, não apoiou a iniciativa. “A Igreja caminha com os pés dos presbíteros. Quando eles param, a Igreja tem dificuldade de avançar; quando eles se movem, a Igreja se move... Na verdade, exercem um ministério estratégico e essencial para a vida concreta e quotidiana da Igreja.” (D. Claudio Hummes)
  9. 9.  A consciência e a inquietação aumentaram os cursos para formação mas, passar do curso para a prática é muito difícil!  Durante uma geração a Igreja de João Paulo II, entregou a tarefa missionária aos chamados “movimentos”. Os movimentos passam a ocupar uma posição dominante: Principais protagonistas da evangelização.  Os movimentos não conseguiram penetrar no mundo popular. Gastaram muita energia para defender os direitos da Igreja e sua doutrina moral, sem conseguir influir na sociedade e com relação às implicações da doutrina social ficaram mudos. Com isso a Igreja perdeu relevância na sociedade. A intenção era o contrário.  Houve também a experiência das CEBs. O projeto respondia às aspirações dos cristãos do mundo moderno, sobretudo os de mentalidade urbana
  10. 10.  Não podemos relativizar o problema do pentecostalismo.  Nos últimos anos apareceram movimentos que adotaram os métodos neo-pentecostais: o show substitui a liturgia e a emoção ficou confundida com a fé, além de um forte investimento no retorno à prática devocional.  Depois vieram as novas comunidades e ainda os movimentos ultra-conservadores, revelando certa oposição ao Vaticano II.  Neste século XXI a missão será a prioridade e deixará em segundo plano a administração da pequena minoria que frequenta nossas paróquias.  Como passar de uma Igreja conservadora do passado a uma Igreja toda missionária?
  11. 11.  PROVOCAR UMA COMOÇÃO na Igreja que seja capaz de realizar a mudança - Conversão ou transformação da Igreja através de uma comoção – sair da instalação da comunidade, da indiferença.  Ir além de uma pastoral de mera conservação para uma PASTORAL MISSIONÁRIA  Ratificar – potencializar a OPÇÃO PREFERENCIAL PELOS POBRES  ABANDONAR AS ULTRAPASSADAS ESTRUTURAS que já não favoreçam a transmissão da fé
  12. 12.  “Assumimos o compromisso de uma grande missão em todo o Continente, que nos exigirá aprofundar e enriquecer todas as razões e motivações que permitam converter a cada cristão em um discípulo missionário. A Igreja necessita de uma forte comoção que a impeça de se instalar na comodidade, no estancamento e na indiferença, à margem do sofrimento dos pobres do Continente. Necessitamos que cada comunidade cristã se transforme num poderoso centro de irradiação da vida em Cristo. Esperamos um novo Pentecostes que nos livre do cansaço, da desilusão, da acomodação ao ambiente; esperamos uma vinda do Espírito que renove nossa alegria e nossa esperança”. (DAp 362)
  13. 13.  “A conversão pastoral de nossas comunidades exige que se vá além de uma pastoral de mera conservação para uma pastoral decididamente missionária. Assim, será possível que “o único programa do Evangelho siga introduzindo-se na história de cada comunidade eclesial” com novo ardor missionário, fazendo com que a Igreja se manifeste como uma mãe que nos sai ao encontro, uma casa acolhedora, uma escola permanente de comunhão missionária.” (DAp 370)
  14. 14.  “Comprometemo-nos a trabalhar para que a nossa Igreja Latino-americana e Caribenha continue sendo, com maior afinco, companheira de caminho de nossos irmãos mais pobres, inclusive até o martírio. Hoje queremos ratificar e potencializar a opção preferencial pelos pobres feita nas Conferências anteriores. Que sendo preferencial implique que deva atravessar todas nossas estruturas e prioridades pastorais. A Igreja Latino-americana é chamada a ser sacramento de amor, de solidariedade e de justiça entre nossos povos.” (DAp 396)
  15. 15.  “Esta firme decisão missionária deve impregnar todas as estruturas eclesiais e todos os planos pastorais de dioceses, paróquias, comunidades religiosas, movimentos e de qualquer instituição da Igreja. Nenhuma comunidade deve se isentar de entrar decididamente, com todas suas forças, nos processos constantes de renovação missionária e de abandonar as ultrapassadas estruturas que já não favoreçam a transmissão da fé.” (DAp 365)
  16. 16.  A transformação da Igreja e da paróquia quem vai fazer? Se forem os mesmo que estão dentro do atual quadro que terão agora que entrar no dinamismo de uma Igreja missionária, por que não o fizeram até agora?  Podemos esperar que as mesmas pessoas vão mudar e realizar essa transformação?  Os que estão dentro da Igreja não querem conversão pastoral, continuarão nas mesmas atividades de sempre. Vai ser necessário apelar para os católicos que não frequentam unidos aos pequenos grupos de convertidos.
  17. 17.  Como imaginar que o clero, preparado para administrar paróquias vai agora dedicar-se a atividades missionárias? Ou renovar as paróquias?
  18. 18.  Já São Tomás de Aquino na idade media, tinha dito: na cidade, a paróquia não evangeliza, nem o clero paroquial.  Depois de 800 anos foi aqui na America que se iniciou uma mudança desejada por São Tomás, ele pensava que os mendicantes dominicanos e franciscanos, poderiam suprir, mas já não são suficientes, precisa-se de uma mudança radical.
  19. 19.  “Não entendo as comunidades cristãs que estão fechadas, na paróquia. Quero dizer-lhes algo.  No Evangelho é bonita a passagem que nos fala do pastor que, quando volta ao curral, se dá conta de que falta uma ovelha: deixa as 99 e vai buscá-la, vai buscar uma ovelha. Mas, irmãos e irmãs, nós temos uma ovelha; faltam as 99! Devemos sair, devemos ir até as outras! Nesta cultura —digamos a verdade— temos só uma, somos minoria! E sentimos o fervor, o zelo apostólico de ir e sair a buscar as outras 99?
  20. 20.  Esta é uma grande responsabilidade e devemos pedir ao Senhor a graça da generosidade e o valor e a paciência para sair, para sair anunciando o Evangelho. Ah isto é difícil! É mais fácil ficar em casa, com essa única ovelha. É mais fácil com essa ovelha balançá-la, acariciá-la... mas, nossos sacerdotes, também vocês cristãos, todos: o Senhor nos quer pastores, não balançadores de ovelhas; pastores! E quando uma comunidade está fechada, sempre com as mesmas pessoas que falam, esta comunidade não é uma comunidade que dá vida. É uma comunidade estéril, não é fecunda. A fecundidade do Evangelho vem pela graça de Jesus Cristo, mas através de nós, de nossa pregação, de nossa valentia, de nossa paciência.” ◦ (S.S. Francisco, 17 de junho de 2013)
  21. 21.  A população é mais urbanizada que há 10 anos: em 2000, 81% dos brasileiros viviam em áreas urbanas, agora são 84%.  Em 2010, apenas 15,65% da população (29.852.986 pessoas) viviam em situação rural, contra 84,35% em situação urbana (160.879.708 pessoas).  No BRIC, o Brasil é o que possui maior grau de urbanização, pois a Rússia tem 73%, a China, 47% e a Índia, apenas 30%. Os EUA possui grau de urbanização pouco menor do que o do Brasil: 82%. Censo 2010
  22. 22. Dados de 2010 (Censo do IBGE):  - Igreja Católica Apostólica Romana: 64,6%  - Igrejas Evangélicas: 22,2%  - Espírita: 2%  - Umbanda e Candomblé: 0,3%  - Sem religião 8%  - Outras religiosidades: 2,7%  - Não sabe / não declarou: 0,1%
  23. 23.  Em dez anos, o candomblé foi a religião que, estatisticamente, mais cresceu na Paraíba.  Em 2000, apenas 417 paraibanos se autodeclararam praticantes da doutrina. Uma década depois, esse número subiu para 1.311, representando um aumento de 214%.  Em segundo lugar no ranking de expansão, apareceram os evangélicos, que aumentaram 88,3%. Em 2000, a Paraíba possuía 303.151 praticantes dessa religião. Mas a quantidade saltou para 571.015, uma década depois.  Houve crescimento também entre os espíritas, que eram 12.499, em 2000; e somaram 23.175, em 2010. A variação foi de 85,4%.  A população católica diminuiu em 0,9%, no mesmo período. O somatório dos religiosos saiu dos 2.924.154 em 2000 para 2.898.656, em 2010. Em números absolutos, a redução foi de 25.498 pessoas.  Aumentou a quantidade de pessoas que não seguem a nenhuma religião. Em 2000, os chamados “sem religião” eram 177.303 na Paraíba. Em 2010, a quantidade chegou a 213.214.
  24. 24. “A Igreja de Deus na América latina é casa dos pobres de Deus.” (DAp 524)
  25. 25.  “A opção pelos pobres está implícita na fé cristológica naquele Deus que se fez pobre por nós, para nos enriquecer com sua pobreza.” (Bento XVI em Aparecida)
  26. 26.  A opção pelos pobres deve ser vivida de acordo com o contexto e as exigências de cada lugar e de cada momento histórico.  Aparecida chama a atenção para o fato de que a globalização faz emergir novos rostos de pobres e faz um grande elenco de rostos concretos dos novos excluídos, a quem a pastoral da Igreja deve dar particular atenção.  Os aspectos da pobreza e os rostos dos pobres podem variar de acordo com os tempos e os lugares, mas a opção pelos pobres está implícita na fé cristológica, portanto não é uma opção estratégica, mas cristológica. Constitui uma característica peculiar da Igreja Latino- americana.
  27. 27.  “Nossa opção pelos pobres corre o risco de ficar em um plano teórico ou meramente emotivo, sem verdadeira incidência em nossos comportamentos e em nossas decisões. É necessária uma atitude permanente que se manifeste em opções e gestos concretos, e evite toda atitude paternalista. É solicitado que dediquemos tempo aos pobres, prestar a eles uma amável atenção, escutá-los com interesse, acompanhá-los nos momentos difíceis, escolhê- los...” (DAp 397)
  28. 28.  “A globalização faz emergir em nossos povos, novos rostos pobres, novos excluídos: Os migrantes, as vítimas da violência, os deslocados e refugiados, as vítimas do tráfico de pessoas e sequestros, os desaparecidos, os enfermos de HIV e de enfermidades endêmicas, os toxico-dependentes, idosos, meninos e meninas vítimas da prostituição, pornografia e violência ou do trabalho infantil, mulheres maltratadas, vítimas da violência, da exclusão e do tráfico para a exploração sexual, pessoas com capacidades diferentes, grandes grupos de desempregados (as), os excluídos pelo analfabetismo tecnológico, as pessoas que vivem na rua das grandes cidades, os indígenas e afro- americanos, agricultores sem terra e os mineiros. A Igreja, com sua Pastoral Social, deve dar acolhida e acompanhar esta pessoas excluídas nas esferas a que correspondam.”  (DAp 402)
  29. 29.  “Não podemos nos esquecer que a maior pobreza é a de não reconhecer a presença do mistério de Deus e de seu amor na vida do homem e seu amor, que é o único que verdadeiramente salva e liberta. Na verdade, “quem exclui a Deus de seu horizonte falsifica o conceito de realidade e, consequentemente, só pode terminar em caminhos equivocados e com receitas destrutivas. A verdade desta afirmação parece evidente diante do fracasso de todos os sistemas que colocam Deus entre parêntesis.” (DAp 405)
  30. 30.  Fazer a opção preferencial pelos pobres significa ajudar nossas paróquias a mudar a perspectiva de vida pastoral: a não limitar-se a fazer algo pelos outros, mas a mudar de rota, a começar a pensar e a projetar as ações pastorais junto com os últimos e a partir de suas exigências e visões de vida. Superando a perspectiva da Igreja do assistencialismo, ou seja, aquela que, mantendo o status quo, inclusive as alianças e os privilégios, faz algo a mais pelos outros; chegando finalmente a uma Igreja companheira de viagem, sobretudo de quem mal consegue viver porque é continuamente marginalizado e excluído.
  31. 31.  Os pobres lutam para sobreviver com muita coragem.  Eles não dispõem de meios para entrar e participar da sociedade dominante, formalmente organizada.  A democracia não lhes fornece nenhuma possibilidade de ação, e o acesso a nova economia não lhes é permitido.  O que fazem os pobres? Procuram recolher as migalhas para arrumar e melhorar o mundo paralelo em que vivem, como excluídos e refugiados.  As periferias das cidades transformam-se em campos de refugiados. Esses trabalham muito para poder ajeitar as suas precárias moradias e para conseguir alimento. Mas sabem que nunca, nem eles nem os seus filhos, poderão transferir-se para outro mundo (da sociedade dominante). Eles constroem para si uma sociedade e um mundo paralelo, usando que os ricos lhes deixam para melhorar o seu modo de viver.
  32. 32.  Os pobres têm sua vida cultural, feita do que há de pior na cultura dominante, e às vezes de alguns restos da antiga cultura popular.  Adotam as drogas, organizam as festas – que são muitas vezes dirigidas pelas cervejarias em conjunto com as prefeituras. Acolhem os benefícios, as esmolas, as doações feitas pelas autoridades ou pelas ONGs. Procuram “projetos”, todos parciais, espécies de miniaturas que trazem algum alivio.  Aprendem a arte de mendigar junto ás entidades de beneficência. É uma práxis que não vai longe, e tende a separá-los mais ainda do mundo privilegiado, tornando-os cada vez menos aptos a sair da situação em que se encontram. Mas essa é a forma de praticar um amor heroico de fraternidade – sobretudo as mulheres que se encarregam da sobrevivência quando todos os horizontes estão fechados e quando os homens cederam aos vícios.
  33. 33.  Uma primeira opção é a inculturação.  Já que os pobres estão numa subcultura própria, não devemos tirá-los da sua cultura, mas ajudá- los a melhorar a vida na sua cultura.  Há diversas maneiras de ajudar para que, permanecendo na mesma cultura, os pobres possam melhorar as suas condições de vida.  Por exemplo, todas as formas de economia paralela, artesanatos, serviços de saúde e educação alternativas, recuperação de drogados, ex-presidiários, deficientes, alcoólatras, alfabetização de adultos etc. Tudo isso permanece no âmbito da cultura popular e ajuda a viver melhor.
  34. 34.  Essa opção pode ser defendida com dois argumentos:  Primeiro, há o respeito pela cultura dos pobres. Não se lhes pede para sair da sua cultura. Não se exige deles o imenso esforço para cortar as raízes e para entrar em outra sociedade pouco acolhedora, e na qual seriam como estrangeiros. Seriam emigrantes cortados das suas raízes.  Em segundo lugar, pode-se invocar o argumento de que não há alternativa porque não se pode mudar a estrutura social atual que a sociedade dominante quer manter. A única saída consiste em melhorar esse mundo paralelo em que vivem.
  35. 35.  A outra opção consistiria em ajudar os excluídos a forças a entrada no mundo global, na sociedade dominante para serem incluídos.  Isso não é impossível há alguns exemplos históricos: As lutas das mulheres que conseguiram entrar no mundo dos homens... Para os pobres, esse caminho significaria abandonar a sua subcultura – que também traz os seus benefícios, todos sabemos que há mais felicidade entre os excluídos do que entre os ricos. Se se escolhe a conquista da sociedade dominante, será preciso concentrar todos os esforços nos jovens. A chave seria a educação.
  36. 36.  Um padre visitando uma favela na periferia encontrou uma menina que o conduziu a seu barraco e ficou curioso ao ver um livro aberto sobre a mesa. Era o Evangelho, ao lado de uma pilha de pratos e talheres. “Tive um sobressalto de comoção. Parecia que tinha entrado na casa de meus parentes e experimentei dizer à mulher: “Muito me alegra saber que vocês leem o Evangelho”. Foi então que ela, até então calada, abriu a boca e murmurou com um fio de voz que me emocionou e nunca mais esqueci: “Única esperança para nossa pobreza”. A única esperança para a nossa pobreza! Portanto, aquele barraco não era um refúgio de desesperados! Ali, no centro daquele barraco, junto à chama do fogão, crepitava um fogo ainda mais forte: a esperança dos pobres. Portanto, naquele miserável lugar não morava a resignação. Ali, nas fibras da mais dura pobreza, vibravam as esperas de um mundo novo, liberto das injustiças. Assim, naquela espelunca de gente sem nome não se procurava apenas sobreviver. Ali, na fadiga das tribulações cotidianas, tomavam corpo e ardorosas utopias da revolução cristã e se alimentavam os sonhos dos céus novos e terra nova.
  37. 37.  O projeto respondia às aspirações dos cristãos do mundo moderno, sobretudo os de mentalidade urbana. Deviam ser pequenos grupos de cristãos com a finalidade determinada e intensa vida comunitária.  As CEBs foram combatidas sem cessar porque elas colocavam em as paróquias e, com as paróquias,a monopolização do poder religioso nas mãos do clero. Eram um perigo ao clericalismo e, por isso, não podiam continuar. Com apoios locais, as CEBs sobrevivem.  As criticas radicais que se fizeram e ainda são feitas as CEBs para justificar o ostracismo de que são vitimas são justamente as razões positivas que exigem a sua existência. As CEBs valem justamente pelas razoes com quye são combatidas. Não há duvida de que as CEBs têm a fórmula adaptada à cidade e à cultura dos pobres quando viabilizadas de modo autêntico.
  38. 38.  “Na experiência eclesial de algumas igrejas, as CEBs tem sido escolas que tem ajudado a formar cristãos comprometidos com sua fé, discípulos e missionários do Senhor, como testemunhas de uma entrega generosa, até mesmo com o derramar do sangue de muitos de seus membros. Elas abraçam a experiência das primeiras comunidades, como estão descritas nos Atos dos Apóstolos (At 2,42-47). Medellín reconheceu nelas uma célula inicial de estruturação eclesial e foco de fé e evangelização. Puebla constatou que as pequenas comunidades, sobretudo as CEBs, permitiram ao povo chegar a um conhecimento maior da Palavra de Deus, ao compromisso social em nome do Evangelho, ao surgimento de novos serviços leigos e à educação da fé dos adultos, no entanto, também constatou “que não tem faltado membros de comunidade ou comunidades inteiras que, atraídas por instituições puramente leigas ou radicalizadas ideologicamente, foram perdendo o sentido eclesial”.
  39. 39.  “As CEBs, no seguimento missionário de Jesus, têm a Palavra de Deus como fonte de sua espiritualidade e a orientação de seus pastores como guia que assegura a comunhão eclesial. Demonstram seu compromisso evangelizador e missionário entre os mais simples e afastados e são expressão visível da opção preferencial pelos pobres. São fonte e semente de vários serviços e ministérios a favor da vida na sociedade e na Igreja. Mantendo-se em comunhão com seu Bispo e inserindo-se no projeto pastoral diocesano, as CEBs se convertem em um sinal de vitalidade na Igreja particular. Atuando, dessa forma, juntamente com os grupos paroquiais, associações e movimentos eclesiais, podem contribuir para revitalizar as paróquias fazendo das mesmas uma comunidade de comunidades. Em seu esforço de corresponder aos desafios dos tempos atuais, as comunidades eclesiais de base terão cuidado para não alterar o tesouro precioso da Tradição e do Magistério da Igreja.” (DAp 178, 179, 180)
  40. 40.  Junto com as comunidades eclesiais de base, existem outras formas válidas de pequenas comunidades, e inclusive redes de comunidades, de movimentos, grupos de vida, de oração e de reflexão da palavra de Deus. Todas as comunidades e grupos eclesiais darão fruto na medida em que a Eucaristia seja o centro de sua vida e a Palavra de Deus seja o farol de seu caminho e sua atuação na única Igreja de Cristo.” (DAp 178, 179, 180)

×