A importância da pesquisa na universidade

404 visualizações

Publicada em

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
404
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

A importância da pesquisa na universidade

  1. 1. A importância da Pesquisana UniversidadeItapeva, 3 de outubro de 2006
  2. 2. Prof. Dr. José Antonio Dermengi RiosConsultor de EmpresasAtuação ProfissionalAssessorCoordenador de Cursos de MBAem Gestão de Processos IndustriaisAtuou como Office Boy, Assessor de Marketing, Gerente de P&D, Gerente Industrial,Atendimento de Agência de Publicidade e Engenheiro de Vendas.Centro de Tecnologia e Apoio ProfissionalDINÂMICA DO SABERTrabalhoVoluntário HospitalhaçosDocteur Ingénieur en Energétique (Doutorado em Energia)Diplôme D’Etudes Aprofondies em Física EnergéticaEngenheiro Mecânico Pós-Graduação em Administração de EmpresasFormação AcadêmicaProfessor e Pesquisador, Assessor da FAEP – Fundo de Apoio à Pesquisa e ExtensãoChefe do LADEPI - Laboratório de Desenvolvimento de Processos Industriais,Pós-doutorado no Laboratoire dInformatique pour la Mécanique et les Sciences de lIngénieurunidade de pesquisa do CNRS (UPR3251) associada às Universidades Paris-6 e Paris-11.
  3. 3. Fato importante:Um bebê foi encontrado na porta da empresa.Logo a diretoria emitiu o seguinte Comunicado:DE: DiretoriaPARA: Gerência de RHAcusamos o recebimento de um recém-nascidode origem desconhecida.Forme-se uma comissão para esclarecer:(a) Se o achado é produto da casa;(b) Se algum funcionário da casa está envolvido
  4. 4. Após um mês...A Comissão do RH enviou à Diretoria o seguinte:DE: Comissão de InvestigaçãoPARA: DiretoriaApós um mês de investigação, concluímos que obebê não pode ser produto desta empresa,pelos motivos que se seguem:1) Nesta empresa nunca foi feito nada comprazer ou com amor;2) Nesta empresa jamais duas pessoascolaboraram tão intimamente entre si;3) Aqui nunca foi feito nada que tivesse pé nemcabeça;4) Nesta empresa jamais alguma coisa ficoupronta em apenas nove meses.
  5. 5. A vidae suas interpretações...Minha, a do outro e a certa..........Textual, Gramatical, Literária. Gênero...BiológicaEconômicaSociológicaPsicológicaReligiosaFilosófica“Prática” X TeóricaSuposição não é teoria
  6. 6. Qual as diferenças entreUm profissionale um office boyda mesma profissão?com todo respeito!
  7. 7. A informaçãoé um dado exterior ao sujeito,Pode serarmazenada, estocada,inclusive em um banco dedados;está sob a primazia daobjetividade.
  8. 8. O conhecimentoResultado de experiência pessoalqualidades afetivo-cognitivas;é instransmissível, como tal,primazia da subjetividade;é uma informaçãoapropriada pelo sujeito.
  9. 9. O ConhecimentoDescrições, hipóteses, conceitos,teorias, princípios e procedimentosúteis ou verdadeiros.não é informação,embora ambos se constituamde declarações verdadeirasConhecimento é uma informaçãocom um propósito ou uma utilidade.O estudo do conhecimento é a epistemologia.
  10. 10. O saberProduzido pelo sujeito confrontado a outrossujeitos eé constituído em quadros metodológicos.Pode entrar na ordem do objeto etornar-se, então, um produto comunicável,uma informação disponível para outrem.A idéia de saber implica a de sujeito,de atividade do sujeito,de relação do sujeito com ele mesmo(deve desfazer-se do dogmatismo subjetivo),de relação desse sujeito com os outros(que co-constroem, controlam, validam,partilham esse saber).
  11. 11. Só há Saberquando há certa relaçãocom o mundo,que vem a ser uma relação com o Saber,ao mesmo tempo e por isso mesmo.Essa é também uma relação consigomesmo e relação com os outros.Implica uma forma de atividade e umarelação com a Linguagem e o Tempo.CHARLOT, Bernard. Da relação com o saber: elementos parauma teoria. Trad. B. Magne. Porto Alegre: Artmed, 2000.
  12. 12. A Dinâmica do Saber....LinguagemTempoMundo
  13. 13. Homem controla o Universo.Mural de Diego Rivera, 1934,no Palacio de Bellas Artes,Cidade do México.
  14. 14. Frida Kahlo1907-1954
  15. 15. Os Seres Humanos (NÓS)Sobrevivemos na competição pela vidaporque temos algumas características:•Onívoros: comemos de tudo. (ou quase)•Ritos de passagem......•Sociais: Se desenvolveram em bandos, grupose pra melhor trabalhar em equipe.Depois criaram civilizações ou eras......•Curiosos: todos param para ver o queaconteceu e tentar imaginar um futuro:OS SABERES do índio, do negro, do branco.....PESQUISA CIENTÍFICA é uma SOLUÇÃO
  16. 16. PesquisaÉ um processo de construçãodo conhecimento.Metas:gerar novos conhecimentose/ou corroborar ou refutar algumconhecimento pré-existente.É um processo de aprendizagemtanto do indivíduo que a realizaquanto da sociedadena qual esta se desenvolve.
  17. 17. Filosofia - Φιλοσοφίαphilia - amor, amizade + sophia - sabedoriaMãe de todas as ciênciasEmbasamento de todo o conhecimento.Investigação, análise, discussão, formação e reflexão deidéias em uma situação geral, abstrata, fundamental.Origem na curiosidade humana paracompreender e questionar os valorese as interpretaçõesaceitas sobre a sua própria realidadeAs interpretações foram adquiridas,enriquecidas e repassadasde geração em geração
  18. 18. Filosofia - ΦιλοσοφίαDa observação dos fenômenos naturaisAté a formação da sociedadeos padrões de comportamentoséticos ou morais aceitáveisem determinada épocapor uma determinado grupoou determinada relação humana.
  19. 19. CiênciaInvestigação racional ou estudo da natureza,direcionado à descoberta da verdade.Segue o método científico: processo de avaliar oconhecimento empírico;O corpo organizado de conhecimento adquiridopela pesquisa.A Ciência é o conhecimento ou um sistema deconhecimentos que abarca verdades gerais ou aoperação de leis gerais especialmente obtidas etestadas através do método científico.O conhecimento científico depende muito da lógica.
  20. 20. Áreas da CiênciaPura (desenvolvimento de teorias)versusAplicada (aplicação de teorias àsnecessidades humanas); ouNatural (o estudo do mundo natural)versusSocial (o estudo do comportamento humano eda sociedade).Geralmente abrange qualquer camposistemático de estudo ou o conhecimentoobtido pelo método científico.
  21. 21. A ciência é praticada emUniversidadesInstitutos CientíficosNo Campo; empresas.....É uma vocação sólida na academia,mas é também praticada por amadores,que tipicamente engajam-sena parte de observação da ciência
  22. 22. NÃO é Objetivo da CiênciaResponder todas as questõesA ciência não pode e não produz umaverdade absoluta e inquestionávelA ciência testa hipótesesA ciência produz:Modelos Úteis da REALIDADE,que depende de cada ERA....
  23. 23. O Futuro de Uma Ilusão de Freud: “Todo o indivíduo évirtualmente inimigo da civilização, emborase suponha que esta constitui um objeto de interesse humano universal.” E seguedizendo que, por pouco capazque seja o homem de existir isoladamente,vê como um pesado fardo tudo o que dele exige a civilização. É verdade. Muito exigede nós acivilização, e a alguns pouco dá. Ele define civilização como: “Tudo aquilo em que avida humana se eleva acima da sua condição animal, e difere da vida dosanimais...”.Para Freud a civilização apresenta dois aspectos fundamentais: o primeiro envolveriatodo o conhecimento desenvolvido pelo homem afim de controlar a natureza edela extrair riquezas para a satisfação de suas necessidades.Aqui já caberia uma indagação sobre o que são nossas reais necessidades. Quenecessidades temos realmente para nos mantermos saudáveis e termos uma vidaagradável?O 2º aspecto é o mais complicado, ou é o grande problema através dos tempos
  24. 24. Algumas Eras que já eram1. Faraós.2. Civilização Greco/Romana3. Ciência islâmica4. Medieval.5. Iluminismo.6. Era da Mecânica.7. Era da Eletrônica.8. Era dos Sistemas e da Biologia.Dondi nóis veio
  25. 25. A era do que será...8.Era do Conhecimento.espero....Prondi nóis vai
  26. 26. Dondinóisveio?
  27. 27. 1. Era dos Faraóso Faraó era Deuse sua vontade era executada,ou era vc o executado!Grandes Obras, MonumentosMas a que custo!Para quem?Passou por toda a existência dahumanidade e existiu até o fimda segunda guerra no Japão.Resultado:Os médicosAlguns pensam que são DeusesA maioria tem certeza que é.....
  28. 28. 2. Era Greco/Romana: filósofosFilosofia: reflexão sobre os valoresfundamentais.Valor é uma crença pela qual tudo se dá.Cultura: conjunto de valores
  29. 29. Platão de Atenas AristóclesPlatão Πλάτος (plátos)= amplitude,dimensão,apelido pela sua ampla capacidadeintelectual de tratar de diferentes temasentre eles ética, política, metafísica eteoria do conhecimentoFilósofo grego de 428/27 a.C.a 347 a.C..Discípulo de Sócrates, fundador daAcademia e mestre de Aristóteles.cuja filosofia é de grande importância einfluência
  30. 30. Teoria das Idéias ouTeoria das Formas.Dois tipos de realidadeInteligíveis e Sensíveis.Inteligíveis: realidades mais concretas,permanentes, imutáveis, iguais a si mesmasSensíveis. todas as coisas que nosafetam os sentidos, são realidades}dependentes, mutáveis e sãoimagens das realidades inteligíveis.Maneira de garantir a possibilidade doconhecimento e fornecer uma inteligibilidaderelativa aos fenômenos.
  31. 31. O mundo concretopercebido pelos sentidosé uma pálida reproduçãodo mundo das Idéias.Cada objeto concreto que existe participa, junto com todos osoutros objetos de sua categoria, de uma Idéia perfeita.Uma determinada caneta, terá determinados atributos (cor,formato, tamanho, etc).Outra caneta terá outros atributos, sendo ela também umacaneta, tanto quanto a outra.Aquilo que faz com que as duas sejam canetasé a Idéia de Caneta, perfeita,que esgota todas as possibilidades de ser caneta.ALGO É na medida em que participa da Idéiadesse objeto.O foco é o ser humano, o bem ou a justiça
  32. 32. Aristóteles deEstagiraFilósofo grego 384 a.C. a 322 a.C,Um dos maiores pensadoresde todos os tempos econsiderado o criador dopensamento lógico.Suas reflexões filosóficas —por um lado originais e poroutro reformuladoras datradição grega —acabaram por configurarum modo de pensar que seestenderia por séculos.
  33. 33. Aristóteles deEstagiraPrestou inigualáveiscontribuições para opensamento humano:ética, política,física, metafísica, lógica,psicologia, poesia, retórica,zoologia, biologia,história natural e outras.Filósofo que mais influenciouo pensamento ocidental.Ultrapassou Platão, seu mestreConhecido também como o Filósofo
  34. 34. 3. Ciência islâmica 749 a 1258Em 751 os árabes conheceram dos chineses astécnicas de fabricar o papel substituto depeles de animais e papiro na escrita.Traduziram vários manuscritos gregos e deoutras partes para o árabe.Os escritos de Platão e Aristóteles já tinhamsido assimilados pelo civilização islâmica noséculo IX.Inauguração da Casa da Sabedoria (Bayt al-Hikmah) em Bagdá 1004, centro de traduçãode manuscritos e de reflexão científica.
  35. 35. 3. Ciência islâmica 749 a 1258Inovadores na álgebra (al-jabr): numeraçãoárabe e do zero, combinatória etrigonometria.A matemática foi usada pelos sábiosislâmicos com objetivos religiosos, comoa elaboração do calendário e o cálculo dagibla (orientação da cidade sagrada deMeca.
  36. 36. 3. Era Medieval: século VII a 1340A partir da desintegração da civilização romanaA Europa ocidental se desorganiza, empobrece eperde contato com muito do conhecimentocientífico que havia sido desenvolvido pelosgregos.Consolidação da igreja católica e separação da fé eda ciênciaDoutores da igreja:Santo Alberto Magno,São Tomás de Aquino:Santo Agostinho
  37. 37. Renascimento séc XIIConjunto de transformaçõesculturais, políticas, sociais, eeconômicas ocorridas nospovos da Europa ocidental.Renovação da vida urbana,após um longo período devida rural, girando em tornodos castelos e mosteiros;As Cruzadas,a restauração do comércio,Novo grupo social (osburgueses)Renascimento cultural científico-filosófico,caminho para o renascimento literário e artístico italiano
  38. 38. Universidades MedievaisTextos gregos, ordens mendicantes Dominicanos eFranciscanos e as universidades agiram nessenovo mundo que se alimentava do turbilhão dascidades em crescimento.Em 1200: traduções latinas dos principais autores:Aristóteles, Platão, Euclides, Ptolomeu,Arquimedes e Galeno.A filosofia natural (ciência) desses textos começoua ser trabalhada e desenvolvida por intelectuaisnotáveis do escolasticismo.Foram geradas novas tendências, uma abordagemmais concreta e empírica da natureza,representando o início do pensamento moderno.
  39. 39. Universidades Medievais Bolonha (1088),Paris (1150) e Oxford (1167) + setenta em 1500Studium Generale: considerados os locais de ensinomais prestigiados da Europa.Locais de pesquisa e produção do saber e focos dedebates e polêmicas: não apenas ensino.FILOSOFIA NATURAL das Faculdades de Arte:estudo objetivo da natureza e do universo físicode maneira independente e separado daTEOLOGIA estudo essencial em si mesma e fundamentopara a obtenção de outros saberes.As ordens mendicantes proporcionavam a infra-estrutura para a existência de comunidades científicase gerou muitos frutos para o estudo da natureza,escola Franciscana de Oxford.
  40. 40. Mapa das universidades medievais
  41. 41. EscolásticaLinha cristã da filosofia medieval.Surgiu da necessidade de responder àsexigências da fé, ensinada pela Igreja,considerada então como a guardiã dos valoresespirituais e morais de toda a Cristandade.Responsável pela unidade de toda a Europa,que comungava da mesma fé.Harmonização de duas esferas: a fé e a razão
  42. 42. Santo Alberto Magno(Albertus Magnus)OP (1193-1280),Maior filósofo e teólogo alemão daIdade Média."Doutor UniversalFamoso por seu vasto conhecimento e pela defesa dacoexistência pacífica da ciência e da religião.Primeiro intelectual medieval a aplicar a filosofia deAristóteles no pensamento cristão.Dominava as ciências naturais, Filosofia e a Teologia(matérias nas quais Tomás de Aquino foi discípulo)Foi físico e químico, estudou astronomia, meteorologia,mineralogia, zoologia, botânica, escreveu livros sobretecelagem, navegação, agricultura.
  43. 43. São Tomás de Aquino,OP 1227 - 1274frade dominicano e teólogo italianosanto pela Igreja CatólicaDoutor AngélicoInteresses além da religião e filosofia e incluíam a alquimia,O seu mérito transcendente consistiu em introduzir aristotelismona escolástica anterior.A partir de São Tomás a Igreja tem uma teologia (fundada narevelação) e uma filosofia (baseada no exercício da razãohumana) que se fundem numa síntese definitiva: fé e razão.É considerado um dos maiores mestres da Igreja pois conseguiualcançar um profundo entendimento da espiritualidade
  44. 44. Aurélio Agostinho(Aurelius Augustinus),Agostinho de Hiponaou Santo AgostinhoSeu pensamento orientou a visão do homem medieval sobre a relaçãoentre a fé cristã e o estudo da natureza.Deus existe fora do tempo e no "presente eterno"; o tempo só existe dentrodo universo criado.Reconhecia a importância do conhecimento, mas entendia mais importantea fé em Cristo que vinha a restaurar a condição decaída da razãohumana.Afirmava que a interpretação das escrituras deveria ser feita de acordo comos conhecimentos disponíveis, em cada época, sobre o mundo natural.Como exemplo a interpretação do gênesis como "texto alegórico", que vaiinfluenciar fortemente a Igreja medieval, que terá uma visão maisinterpretativa e menos literal dos textos sagrados.bispo e santo católico,teólogo e filósofo de 354 a 430,doutor da doutrina da Igreja.
  45. 45. Livre-arbítrio (ou livre-alvedrio)Crença ou doutrina filosófica que defende que os homens têm opoder de escolher suas ações.Importante para o julgamento moral por diversas autoridadesreligiosas.Duas 2 conotações:1.Objetivistas: a realização de uma ação não é completamentecondicionada por fatores antecedentes.2.Subjetivistas: a percepção que o agente tem que sua açãooriginou-se na sua vontade, chamada algumas vezes de"experiência da liberdade".Sua existência tem sido uma questão central na história da filosofia ena história da ciência.O conceito de livre-arbítrio tem implicações religiosas, morais,psicológicas e científicas.No domínio religioso pode implicar que uma divindade onipotentenão impõe seu poder sobre a vontade e as escolhas individuais.Em ética, pode implicar que os indivíduos podem ser consideradosmoralmente responsáveis pelas suas ações.Em psicologia, implica que a mente controla certas ações do corpo.
  46. 46. O Renascimento do século XIIA Revolução Industrial da Idade Média pelo aumento radical deinvenções, tecnologias e inovações nos meios de produção.Setor agrícola: redescoberta de ferramentas como a charrua, opeitoral, o uso de ferraduras e moinhos dágua.Arquitetura: Estilo gótico, possibilitado por diversos avanços nastécnicas e aplicadas à construção das catedrais.Óculos no século XIII e prensa móvel no século XV,Aperfeiçoamento da pólvora, descoberta na China.Invenção dos relógios mecânicos, que transformaram a noçãode tempo daquelas sociedades.Invenção das caravelas + mudanças na confecção de mapas +instrumentos: bússola e o astrolábio,Tornaram possível a expansão marítimo-comercial Européia doinício da Idade Moderna.
  47. 47. Revolução Científica século XVIIGalileu , Kepler e outros iniciamsuas descobertas.A Ciência, separa-se da Filosofia epassa a ser um conhecimentomais estruturado e prático.
  48. 48. 4. IluminismoTomada da Bastilha 1790Retomada do caminho interrompido pela idademédiaNovas formas de pensar e agir são possíveis.Agitação cultural, artística etc.
  49. 49. 5. Era da MecânicaMáquina de WattMassificação: mercado maior que produção.“A Máquina que Mudou o Mundo”Química e Petroquímica: FármacosPOPPER:RESULTADO:Mecanização de tudo, inclusive dos pensamentose das relações.Gestão por Tarefas e Hierarquizaçãomanda quem pode obedece quem tem juízo.
  50. 50. A filosofia de Popper"Racionalismo Crítico“ querejeita o empirismoclássico e oobservacionalismo-inductivista da ciência.Mais próximo do positivismodo que da tradiçãometafísica ou dedutiva.A teoria científica serásempre conjetural eprovisória.Não é possível confirmar averacidade de uma teoriapela simples constataçãode que os resultados deuma previsão efetuadacom base naquela teoriase verificaram.
  51. 51. A filosofia de PopperO que a experiência e asobservações domundo real podem edevem tentar fazer éencontrar provas dafalsidade daquelateoria.Este processo deconfronto da teoriacom as observaçõespoderá provar afalsidade (falsify) dateoria em análise.
  52. 52. A filosofia de Popper: a verdadeÉ inalcançável mas devemos nos aproximar dela portentativas.O estado atual da ciência é sempre provisório.Ao encontrarmos uma teoria ainda não refutada pelosfatos e pelas observações, devemos nos perguntar,será que é mesmo assim?Ou será que posso demonstrar que ela é falsa?Einstein é o melhor exemplo de um cientista querompeu com as teorias da física estabelecidas.Popper debruçou-se intensamente na psicanálise, cujasteorias subjacentes não são falseáveis (refutáveis).O seu trabalho científico foi influenciado pelo seu estudoda teoria da relatividade de Albert Einstein.
  53. 53. Definição da ciênciaCientífico é apenas aquilo que se sujeita aeste confronto com os fatos.Só é científica aquela teoria que possa serfalseável (refutável).Deve-se eliminar a teoria que se provou falsa eprocurar uma outra teoria para explicar ofenômeno em análise.Uma afirmação que não possa ser confrontadacom a sua veracidade pelo confronto com arealidade não é científica, sendo consideradauma especulação metafísica.
  54. 54. Experiência científicaMontagem de uma estratégia concreta para ser organizardiversas ações observáveis direta ou indiretamente,para provar a plausibilidade ou falsidade de uma dada hipóteseou de forma a estabelecer relações de causa/efeito entrefenômenos.É uma das pedras angulares da abordagem empirista aoconhecimento humano.Ocorre por meio dos sentidos (tato, olfato, paladar, visão eaudição) e uso de instrumentos de medição na experiência.Uma experiência pressupõe um aparato experimental (material aser utilizado),um procedimento (seqüência de atitudes e medidas a seremfeitas pelo experimentador) eum relatório que descreverá detalhadamente toda aexperiência, analisará os dados obtidos por meio das medidase fará uma conclusão.
  55. 55. 6. Era da EletrônicaComputadores, micro computadores, automaçãoEliminação da mão de obra mecânicaSociedade da Informação: internet, chips.Eliminação das barreiras entre a informação e agrande massa.RESULTADO:Entropia da Informação: excesso, bagunça,stress, sapo na fervura
  56. 56. Thomas Samuel KuhnA estrutura das revoluções científicas.7.ª ed. São Paulo: Perspectiva, 2003.Criticava o positivismoPercebeu que a ciência era muito diferente daapresentada nos textos de física ou mesmo defilosofia da ciência.A polêmica em torno da noção de paradigma científicoAbriu espaço pra toda uma nova abordagem de estudoschamados Social Studies of Science(estudos sociais da ciência)que desembocou no Programa Forte da Sociologia
  57. 57. 7. Era dos SistemasVon Bertallanffy um biólogo e aTGS – Teoria Geral dos Sistemas.Gestão por processosO sistema TerraOs Ecosistemas: poluição, ausência desustentabilidade dos humanos na Terra!Teoria do Chaos:
  58. 58. Novidades.. Responda rápidoQual é a melhor do mundo?Fábrica de aviões.Fábrica de automóveis.Solução de substituição ao petróleo.Soja
  59. 59. EAE?espero....Prondinóisvai
  60. 60. 8.Era do ConhecimentoParadigmas e Tomas Khun.Pra que?Viver,TrabalharComerPoluirPrá que?Novo Iluminismo?
  61. 61. Estágio atual e mais avançado doprocesso histórico deinternacionalização da vida econômica,social, cultural e políticaetapa nova e mais avançadado progresso tecnológicoe de acumulação financeirade capitaisG L O B A L I Z A Ç Ã OCONTEXTO ECONÔMICO-SOCIAL ATUAL
  62. 62. O novo capitalismoe suas empresastrês forças convergentes que caracterizam esteinício de século1. Globalização,2. Tecnologia e3. Natureza da propriedade: o crescimento docapital institucional na propriedade das açõesgerou uma pressão por resultados de curtoprazo.O acionista tem pressa de recuperar o capitalinvestido e isso tornou-se um valor
  63. 63. Três tipos de empresasão mais visíveis:1. As operadoras de custo baixo (CB),em que a redução permanente de custos é umaprioridade; melhoraram as condições de higiene esegurança, mas continuam com o trabalhorotineiro;2. As competidoras globais (CG),que competem em capital financeiro,competências e tecnologias que possam dominar;3. As empresas de alto envolvimento (AE),com trabalhos desafiadores, alguma autonomia,baixa rotatividade e onde o empregado é vistocomo associado
  64. 64. As organizaçõessão mais complexasDecorrência da transição para organizações deserviços, onde estão 90% dos empregos nos EUA.Uma primeira tradução do efeito da complexidade:O fim das descrições de cargos estáticos;O surgimento de equipes virtuais;O relacionamento entre superior esubordinado deixa de ser obrigatoriamenteface a face, aumentando a virtualidade;Mudanças na hierarquia,
  65. 65. Fim da organização como classicamente aconhecemos.Capital humano passa a ser um diferencialModo particular de operar: offshoringTerceirização da produção de bens e serviçosBenefícios:Possibilidade de operar em regime de 24/7;Economia de escala;Melhores negócios em materiais, produtos etrabalho
  66. 66. Mentalidade EnxutaLean Production
  67. 67. Questões-chave nos três tiposde empresa 01. Criação insuficiente de novos bons trabalhos (good jobs),embora muitos trabalhos pobres (bad jobs)tenham sido transferidos para países em desenvolvimento- sendo os salários da economia de serviços mais baixos.02. Os empregados estão assumindo mais riscos transferidos pelos empregadoresnos contratos de trabalho, embora com mais opções de trabalho,.03. As empresas se distanciam cada vez mais das necessidades dos empregados,levadas por fatores financeiros e competitividade,benefício de outros stakeholders e acionistas.04. Aumenta a tensão entre vida familiar e trabalho,com a virtual disponibilidade de atender a empresa 24 horas por dia e sete dias da semana.05. O sistema educacional não está suprindo as empresas das competências de que precisam.06. A diferença entre instruídos e não-instruídos está aumentando a estratificação social.07. A natureza das carreiras está mudando, sem perspectivas de aposentadoria, com os profissionais preferindo trocar de emprego com freqüência,dividir sua carreira entre trabalho, educação e responsabilidades familiares,.08. Redução da atenção para atividades comunitáriasdevido às incertezas acerca do trabalho e emprego.09. Tensão entre empregadores e empregadosdevido aos altos custos do sistema de saúde.10. Fim da aposentadoria como hoje a conhecemos,pela geração dos baby boomers que está adiando sua retirada de cena.11. Há oportunidades perdidas para tornar o uso do capital humano mais eficiente:muitas das melhores práticas que adotamos já existiam na pesquisa anterior, de 1973.
  68. 68. O novo mundo dá trabalhoTodas essas questões podem gerarpreocupações, pois parecem ser o elo fraco damodernidade.Instituições tradicionais, como aposentadoria esistemas de saúde,estão em crise e o conflito família e trabalho ganhadimensão maior,inclusive porque as pessoas estão mais atentas à suavida familiar(o que é um dado positivo).
  69. 69. Expectativas e realidades nãoestão na mesma mão de trânsitoE muito vai mudar nos próximos 30 anos.Algumas constatações sobre o trabalho:Mais trabalho a distância, em que o carro, o quarto de hotel ou a lanchonete podemservir de escritório, a qualquer hora.Contratos de trabalho para fins específicos substituem a antiga segurança deemprego para toda a vida.Provedores de software estão vendendo serviços para call centers da Índia.Na China, engenheiros projetam e menores trabalham na linha de montagem nas zonaseconômicas para empresas americanas.Os principais executivos estão recebendo salários até 400 vezes superiores ao saláriomédio em suas empresas, contra 40 vezes em 1973.Os rendimentos da maioria da população sem curso superior estão estagnados oucaindo.Menos empregos criados em função do elevado custo de assistência médica levam ostrabalhadores a aceitar piores empregos, desde que ofereçam essa assistência.Empregados se auto-organizam em busca de bônus por desempenho.Aposentados dedicam-se à consultoria ou trabalham em tempo parcial por necessidadefinanceira.Segundo os pesquisadores, os EUA estão tentando implementar estratégiascompetitivas para o futuro, utilizando-se de idéias gerenciais do passado.
  70. 70.  O envolvimento no trabalho ganhou espaço A relação de emprego também tem novas características. o empregado tem melhor atitude quanto a desempenho,clientes e colegas e quanto à aprendizagem e à criatividade. fim do salário por senioridade, dos benefícios generosos e daestabilidade. Sue Messinger, presidente e CEO da SHRM,encontrou um ponto em comum nesses estudos todos:o trabalho satisfatório é uma necessidade humana básica,conferindo identidade individual e auto-respeito,dando ordem à vida.
  71. 71. Ao que tudo indica, depois de termos colocado por terra os padrõesanteriores,é hora de criar novos e a pesquisa da SHRMtalvez seja o primeiro marco dessareconstruçãoem direção ao maior equilíbrio entre a pessoa,a organização e a sociedade.
  72. 72. A gestãoA gestão por tarefas: atividade Básicae menor unidade;Taylor, Henry Ford, linha de produção.A gestão por processosProcesso quando há um efeito desejado ou não,que acarreta a utilização de recursos, financeiros,humanos, materiais e de tempo.Cada processo é composto por atividades e estaspor “Tarefas”
  73. 73. PerspectivasAceleração intensa e desigual da mudançatecnológica entre as economias centrais.Intensa difusão das inovações, principalmenterelativas à telemática e informáticas.Reorganização de padrões de Produção e Gestãocombinando globalização e regionalização.Processos regionais de integração comercial (UE,NAFTA, MERCOSUL, ALCA etc…)Hegemonia de grandes empresas oligopolistas(informática, eletrônica, farmacêutica, indústriaautomobilística,)
  74. 74. TRAÇOS GERAISDifusão desigual da revolução tecnológica,reiterando os desequilíbrioscomerciais e de balança de pagamentosErosão da liderança industrial americanaAscensão da indústria japonesa e chinesaTricentrismo econômico: 3 grandes blocosSignificativo aumento do número deoligopólios globais, dos fluxos de capitais-aplicações financeiras e investimentos“cruzados”Ausência de um padrão monetário mundialestável
  75. 75. GlobalizaçãoImportância da formaçãode recursos humanosem Quantidade e Qualidadesuficientes para colocar emmarchaqualquer processo econômicoem condições de competitividade
  76. 76. QUALIFICAÇÃO DOS RECURSOSHUMANOSno atual contexto econômicoREVISÃO DOS PRESSUPOSTOSDA POLÍTICA DE FORMAÇÃODE MÃO-DE-OBRAEsgotamento daformaçãoultra-especializada
  77. 77. Novas necessidadespara a formação profissional:Flexibilidade e capacidade deadaptação a novas tarefas“Aprender a aprender”Cultura interdisciplinar.Como articular:Ensino tecnológicoEducação gerencial;
  78. 78. Empregando ferramentas“Capacidade de trabalhar osrecursos mas, sobretudo,de se manterem um mercadoem constante mutação”
  79. 79. COMO SUPERAR ?Buscar a maior integraçãoentre a rede de escolas de ensinomédio,as universidades e o setorprodutivo,apoiados por órgãos e programasresponsáveispelas políticas industrial e de C & TUM NOVO MODELO!
  80. 80. SISTEMAS TRADICIONAISDE ENSINO Escola Humanista (Europa=França) Universidade espaço do pensar, dorefletir, do compreender Escola Tecnicista (USA) Universidade como preparatória para omercado de trabalho Escola do Futuro (?) Interdisciplinaridade outransdisciplinaridade Cursos não tradicionais Formação integrada
  81. 81. Necessidade de interpretar as necessidades EVOLUÇÃO PARA: Ter atitude proativa Assumir o risco conjunto Mão de obrahabilidade física Funcionárioconhecimento e habilidade mental Prestador de serviçocompetência Empreendedorcriativo e com iniciativacompetência em assumir riscos
  82. 82. DESENVOLVIMENTO DE TALENTOSE não de tá lentoTalento é a capacidade do indivíduo de:buscar seus conhecimentosdesenvolver suas habilidadesadaptar as suas atitudesConcebe soluções criativasTem auto direcionamentoé um ser livrefugindo da dorbuscando prazer...
  83. 83. CAPACIDADE DE REALIZARAumento da demanda por competências:Conjunto de conhecimentos, habilidades e atitudespara ser eficazConhecimento=conjunto de idéias, conceitos,informações, experiências e aprendizagens(Adquirido, Inato)Habilidade=capacidade de por em prática(Nato a ser desenvolvido)Atitude= comportamento pessoas frente àssituações(Nato a ser desenvolvido)
  84. 84. EMPREENDEDOR• Capaz de assumir riscos e controles• Criar• Penetrar nos mercados• Estrategista• Pode mudar o seu futuro.............................................e o de muitagente
  85. 85. Desenvolvendo asMelhores Práticas deNegócios na GlobalizaçãoUMA QUESTÃO COMPLEXA !INTERDISCIPLINARIDADEUm novo modelo Multidisciplinar e Sistêmicode extensão dos múltiplos conhecimentosao setor produtivo.Que leve em conta as necessidades Empresariais de:Planejamento (visão de médio e longo prazos)e Indicação de Desempenho (Medição de Resultados)
  86. 86. EMPRESA COMO SISTEMAVON BERTALLANFI, Teoria Geral dos Sistemas.AMBIENTESISTEMAEntradaSaídaProcessoProcessoProcesso SaídaEntradaFornecedorFornecedor ClienteClienteCliente
  87. 87. A Society for Human ResourceManagement (SHRM)apresentou no congresso de junho em Washington,os resultados de uma pesquisa, sobre o trabalho esuas condiçõesbaseada em uma outra pesquisa histórica nosEUA (Work in América),patrocinada em 1973 pelo governo americanoNo novo contrato social, os empregados sabem quesó manterão seus trabalhosdesde que tenham as competências necessáriase pelo período em que a empresa tiver recursospara pagá-los.
  88. 88. DERMENGIMoldávia (MD) Latitude: 45.880(48N) Longitude: 28.414(53E)Altitude: 25 m Population for 5Km radius: 3192Average Temperature: 64°F (16°C) Time zone: UTC +2Currency: Leu(MDL) Phone Prefix: +373 Domain Name: .md
  89. 89. Tigheci Hills
  90. 90. Mill emquase todosos paisesDegirmen
  91. 91. Inter, multi e transdiscilinaridadeFim das disciplinas Folha de São Paulo 04/10/2006A Fuvest acaba com a divisão de disciplinas na primeira fase de seuvestibular, que seleciona os candidatos que estudarão na USP eoutras instituições com 10% de questões interdisciplinares o quese torna uma espécie de currículo extra-oficial do país.É oportuno utilizar essa característica para induzir as escolas aministrar um ensino mais inteligente e integrado.A idéia é avançar na interdisciplinaridade e exigir do aluno maisreflexão e menos memorização.Existe o risco de espécie de nivelamento por baixo, mas há quemdefenda que o excesso de conteúdos especializados estejadificultando a assimilação dos conceitos que realmente importam.Essa foi a conclusão do Project 2061, grupo de especialistas ligadosà Associação Americana para o Progresso da Ciência, após 15anos analisando "curricula" de ciências nos EUA.Para o Project 2061, as escolas deveriam ensinar menos, masmelhor.
  92. 92. Ciência improdutivaRevista Época - 436 25/09/2006 por Luciana VicáriaProduzimos 1,8% de toda a ciência mundial,equivalente à participação de nosso PIB naeconomia global.Brasil é a 17a nação em artigos publicados eestá entre os 31 países que produzem 98% daciência do globo.58% da inovação na indústria nacional éfinanciada por verbas públicas"Publish or perish" (publique ou pereça)
  93. 93. O problema: a ciência Brasileira gerapouco avanço tecnológico na indústria80% das teses não sai da biblioteca e aprodução científica brasileira fica presa nauniversidade.A pesquisa brasileira tem pouco contato com asnecessidades da indústria.Cerca de 84% dos doutores brasileiros estão nasuniversidades.Em países desenvolvidos: 70% estão na indústria
  94. 94. Finalmente"não procure soluçõespara todos os problemas,mas tenha problemaspara todas as suassoluções"
  95. 95. FIMOBRIGADO A TODOS

×