Teoria do Conhecimento II - João Luís

956 visualizações

Publicada em

Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Teoria do Conhecimento II

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
956
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
108
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
23
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Teoria do Conhecimento II - João Luís

  1. 1. Professor João Luís 2º ano
  2. 2.  A teoria do conhecimento se dedica à investigação da natureza, fontes e validade do conhecimento;  Dentre as principais questões que ela busca responder podemos relacionar: O que é o conhecimento? 2. Como podemos alcançá-lo? 1.
  3. 3.  A teoria do conhecimento pode ser dividida em quatro partes: 1. O conhecimento como problema. 2. Origem do conhecimento. 3. Essência do conhecimento. 4. Possibilidade do conhecimento.
  4. 4.  Uma das principais preocupações da filosofia diz respeito à origem do conhecimento;  Cabe perguntar: o conhecimento existe por si só no mundo ou ele é fruto da ação humana?  O empirismo e o racionalismo, necessidade de respostas. surgiram da
  5. 5. “Pode ser definido como a asserção de que todo conhecimento é baseado na experiência” Bertrand Russell
  6. 6. “todo conhecimento analítico haure sua origem na experiência e só é válido quando verificado por fatos metodicamente observados, ou se reduz a verdades já fundadas no processo de pesquisa dos dados do real, embora, sua validade lógica possa transcender o plano dos fatos observados”.
  7. 7. 1. Empirismo Integral – reduz todos os conhecimentos à fonte empírica, aquilo que é produto de contato direto e imediato com a experiência.
  8. 8. 2. Empirismo Moderado ou Genético-psicológico – a origem temporal dos conhecimentos parte da experiência mas não se reduz a ela a validez do conhecimento.
  9. 9. 3. Empirismo Científico – admite como válido o conhecimento vindo da experiência ou verificado experimentalmente.
  10. 10.  O papel predominante da razão no processo cognitivo, pois os fatos não são fontes de todos os conhecimentos e não nos oferecem condições de “certeza’.
  11. 11.  Existe ainda uma outra linha racionalista, originada de Aristóteles, denominada intelectualismo.  Ela reconhece a existência de “verdades de razão” e, além disso, atribuí a inteligência função positiva no ato de conhecer;
  12. 12.  O criticismo é um ramo do racionalismo;  É o estudo metódico prévio do ato de conhecer e dos modos de conhecimento em função da relação “sujeito-objeto”, indagando as suas condições e pressupostos.
  13. 13.  Realismo:  Vem do latim res (coisa);  É orientação ou atitude espiritual que implica uma hegemonia do objeto, diante da razão subjetiva;
  14. 14.  O realismo é subdividido em três partes: 1. Ingênuo; 2. Tradicional; 3. Crítico.
  15. 15.  Realismo Ingênuo ou pré-filosófico:  É a atitude do homem comum, que conhece as coisas e as concebe tais e quais aparecem.
  16. 16.  Realismo tradicional:  Há uma procura em demonstrar se as teses são verdadeiras, surgindo uma atitude propriamente filosófica.
  17. 17.  Realismo científico:  Conhecer é sempre conhecer algo posto fora de nós, mas que, se há conhecimento de algo, não nos é possível verificar se o objeto corresponde ou não ao objeto tal qual é em si mesmo.
  18. 18.  Idealismo:  Surgiu na Grécia, com Platão;  Denominado de Idealismo Transcendente;  O idealismo de Platão reduz o real ao ideal, o ser a ideia, pois como ele já dizia, as ideias são o Sol que ilumina e torna visíveis as coisas.
  19. 19.  O idealismo imanentista:  Afirma que as coisas não existem por si mesmas, mas na medida e enquanto são representadas ou pensadas;
  20. 20.  A verdade das coisas está no fato de serem “percebidas” ou “pensadas”.
  21. 21.  Dogmatismo:  A palavra dogmatismo vem do grego dogmatikós e significa o conhecimento que se funda em princípios e pertence a uma doutrina;
  22. 22.  O dogma é uma verdade com um fundamento irrefutável ao qual nos agarramos;
  23. 23.  Ceticismo:  O ceticismo se distingue das outras correntes por causa de sua posição de reserva e de desconfiança em relação às coisas.

×