Jintana Kommanee, Somboon Tanasupawat, Pattaraporn  Yukphan, Duangtip Moonmangmee, Nuttha Thongchul,                      ...
Identification and Oxidation Products of Gluconobacter StrainsIsolated from Fruits and Flowers in              Thailand  I...
INTRODUÇÃO    Bactérias Promotoras de Crescimento em Plantas (BPCPs): Pseudomonas, Bacillus,    Burkholderia, Streptomyces...
BACTÉRIAS ACÉTICAS Família Acetobacteriaceae são catalase +, oxidase –  Produtoras de ácido a partir de glicose Colônias...
ACETOBACTER X GLUCONOBACTER ACETOBACTER Superoxidantes Álcool Cetona e Ácidos CO2 e H2O Não produz pigmentos GLUCONOBAC...
O Gênero Gluconobacter    5 espécies: G.japonicus, G.oxydans, G.frateurii, G.albidus e G.thailandicus•   Gram negativas•  ...
INTERESSE BIOTECNOLÓGICOBIO-AROMÁTICO 2- FENIL-ALDEÍDOÁCIDO ACÉTICO                               Concentrações de subst...
DIIDROXIACETONAA PARTIR DO GLICEROLAÇÚCAR SIMPLES DE 3 CARBONOSCONHECIDO COMO GLICERONAREAÇÃO DE MAILLARD ENTRE O GRUP...
METOTREXATOANTIFOLATODR. SIDNEY FARBER PEDIU AO DR. Y. SUBBAROW SINTETIZAR O METATREXATO PARA USAR NO TRATAMENTO DE LEUC...
L -SORBOSEHexo-CETOSEA PARTIR DO D-SORBITOLOXIDAÇÃO REGIOSELETIVA D-GLUCOSE—HIDROGENAÇÃO QUÍMICA—D-SORBITOL— G.OXYDANS-...
ISOLAMENTO DE        BACTÉRIAS ACÉTICAS22 AMOSTRAS DE FRUTAS NATIVAS DA TAILÂNDIA2 AMOSTRAS DE FLORES (PETÚNIAS)3-5 DIAS E...
CARACTERIZAÇÃO FENOTÍPICA                  2 DIAS EM MEIO ÁGAR GYPG                    (glicose/peptona/glicerol)         ...
CARACTERIZAÇÃO GENOTÍPICAAMPLIFICAÇÃO DO GENE ITS16S-23S rRNA POR PCRPRIMERS: (1522F-16S)(posição 1522-1540 no 16S rRNAE.c...
RESULTADO SEQUENCIAMENTO
PRODUÇÃO DA L-SORBOSE A PARTIR       DO D-SORBITOL                                                    pH 6.3-4.7       24 ...
PRODUÇÃO DE L-SORBOSE POR G. frateurii  Notícia boa:   100% do D-sorbitol biotransformado em L-sorbose em   24 horas, das...
PRODUÇÃO DE DHA A PARTIR DO                          GLICEROL         5% glicerol e    ANÁLISE QUANTITATIVA         1% ext...
PRODUÇÃO DE DHA POR G.oxydans –PHD27  Concentração g/L DHA                   44,1g/L                                      ...
CONCLUSÃODos isolados selvagens de Gluco no bacte r obtidos em frutas e petúnias da  Tailândia para produção de L-sorbose ...
RENDIMENTO BIOLÓGICO INDUSTRIAL
RENDIMENTO QUÍMICO     INDUSTRIAL
Este trabalho foi escolhido porapresentar pesquisa de novosmicrorganismos        selvagensvoltados    à    produção    dec...
Identificação de produtos de oxidação de cepas de Gluconobacter
Identificação de produtos de oxidação de cepas de Gluconobacter
Identificação de produtos de oxidação de cepas de Gluconobacter
Identificação de produtos de oxidação de cepas de Gluconobacter
Identificação de produtos de oxidação de cepas de Gluconobacter
Identificação de produtos de oxidação de cepas de Gluconobacter
Identificação de produtos de oxidação de cepas de Gluconobacter
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Identificação de produtos de oxidação de cepas de Gluconobacter

955 visualizações

Publicada em

Obs. Conclusão sobre o pH alcalino está equivocado.

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
955
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
7
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Identificação de produtos de oxidação de cepas de Gluconobacter

  1. 1. Jintana Kommanee, Somboon Tanasupawat, Pattaraporn Yukphan, Duangtip Moonmangmee, Nuttha Thongchul, Yuzo Yamada Apresentação: Mauren Silveira
  2. 2. Identification and Oxidation Products of Gluconobacter StrainsIsolated from Fruits and Flowers in Thailand International Journal of Biology Vol. 4, No. 1; January 2012 Published by Canadian Center of Science and EducationReceived: October 20, 2011 Accepted: November 4, 2011 Published: January 1, 2012 www.ccsenet.org/ijb
  3. 3. INTRODUÇÃO Bactérias Promotoras de Crescimento em Plantas (BPCPs): Pseudomonas, Bacillus, Burkholderia, Streptomyces, Rhizobium, Bradyrhizobium, Acetobacter e Herbaspirilum, Agrobacterium radiobacter e Enterobacter cloacae Bacillus sp. –melancia-promoção do crescimento Produção de auxina, citocinina e etileno por Gluconobacter Paenibacillus macerans e Bacillus pumilus biocontrole sobre Xanthomonas vesicatoria e Alternaria solani no tomate Antimicrobiano de Bacillus sobre M. luteus e A. niger (antagonismo)
  4. 4. BACTÉRIAS ACÉTICAS Família Acetobacteriaceae são catalase +, oxidase – Produtoras de ácido a partir de glicose Colônias opacas de crescimentos 25-30°C e pH 5.5 Glicólise ausente devido à ausência de fosfofrutoquinase As desidrogenases ligadas à membrana funcionam melhor para oxidação do substrato entre pH 3.0 – 6.0  O pH ótimo para desidrogenases citosólicas está entre pH 8.0-11.00  São insuperáveis na OXIDAÇÃO incompleta de vários hidratos de carbono
  5. 5. ACETOBACTER X GLUCONOBACTER ACETOBACTER Superoxidantes Álcool Cetona e Ácidos CO2 e H2O Não produz pigmentos GLUCONOBACTER Sub-oxidante Álcool Cetona e Ácidos Produz pigmento marrom
  6. 6. O Gênero Gluconobacter 5 espécies: G.japonicus, G.oxydans, G.frateurii, G.albidus e G.thailandicus• Gram negativas• Sozinhas ou pares• Não formam esporos• Móveis ou não• Aeróbias• Colônias pálidas• 25-30ºC• pH 3,6..5,5-6,5• Catalase +• Oxidase –• Não há liquefação• Não produz Indol a partir de triptofano• Oxida etanol em ác. Acético e não reoxida o ácido por faltar succinato desidrogenase• Não oxida acetato em lactato pra H2O e CO2 (falta enzima Ciclo ác. Tricarboxílico)• O ácido é formado a partir da D-glicose e da D- xilose pela via fosfato-pentose• Prefere açúcar ao álcool• Fontes de carbono: D-manitol>Sorbol>Glicerol>D-frutose>D-Glicose• Meio padrão de isolamento: Etanol de Frateur• Precisam de vitaminas do complexo B (tiamina, ácido pantotênico e nicotínico)
  7. 7. INTERESSE BIOTECNOLÓGICOBIO-AROMÁTICO 2- FENIL-ALDEÍDOÁCIDO ACÉTICO Concentrações de substratoDIIDROXIACETONA alta poderia provavelmenteL-SORBOSE ser tolerados devido aoL-RIBOSE (droga anti-viral) desenvolvimento deMIGLITOL mecanismos de adaptação celular durante a faseDEXTRAN- exponencial lag e mais cedo DEXTRINASED-TAGATOSEALDEÍDOS QUIRAIS
  8. 8. DIIDROXIACETONAA PARTIR DO GLICEROLAÇÚCAR SIMPLES DE 3 CARBONOSCONHECIDO COMO GLICERONAREAÇÃO DE MAILLARD ENTRE O GRUPO AMINO DA QUERATINA E O GRUPO HIDROXILA DA DHA
  9. 9. METOTREXATOANTIFOLATODR. SIDNEY FARBER PEDIU AO DR. Y. SUBBAROW SINTETIZAR O METATREXATO PARA USAR NO TRATAMENTO DE LEUCEMIA INFANTIL (1940) ÁCIDO PENTANEDIÓICO
  10. 10. L -SORBOSEHexo-CETOSEA PARTIR DO D-SORBITOLOXIDAÇÃO REGIOSELETIVA D-GLUCOSE—HIDROGENAÇÃO QUÍMICA—D-SORBITOL— G.OXYDANS-- L-SORBOSE + ACETONA--DIACETONA L- SORBOSE—OXIDAÇÃO-- ÁCIDO 2-CETO-L GULÔNICO ÁCIDO ASCÓRBICO TEM VÁRIOS ISÔMEROS (CARBONOS C4 E C5 ASSIMÉTRICOS) APENAS O ISÔMERO L É ATIVO.
  11. 11. ISOLAMENTO DE BACTÉRIAS ACÉTICAS22 AMOSTRAS DE FRUTAS NATIVAS DA TAILÂNDIA2 AMOSTRAS DE FLORES (PETÚNIAS)3-5 DIAS EM MEIO GEY LÍQUIDO(GLICOSE/ETANOL/ EXTRATO DE LEVEDURA) pH 4.0 MEIO GEY ÁGAR + 0,3% CaCO AAB PRODUZEM HALO
  12. 12. CARACTERIZAÇÃO FENOTÍPICA 2 DIAS EM MEIO ÁGAR GYPG (glicose/peptona/glicerol) pH 6.8 30°C GRAM NEGATIVOSCARACTERIZAÇÃO FISIOLÓGICA E BIOQUÍMICACARACTERIZAÇÃO QUIMIOTAXONÔMICA
  13. 13. CARACTERIZAÇÃO GENOTÍPICAAMPLIFICAÇÃO DO GENE ITS16S-23S rRNA POR PCRPRIMERS: (1522F-16S)(posição 1522-1540 no 16S rRNAE.coli) (38R-23S) (posição 38-22 no 23S rRNAE.coli) (715 Bp)ENDONUCLEASES DE RESTRIÇÃO: BstNI, MboII e MboI SEQUENCIAMENTO: PRIMERS: 1522F, 38R, Talaf, Talar
  14. 14. RESULTADO SEQUENCIAMENTO
  15. 15. PRODUÇÃO DA L-SORBOSE A PARTIR DO D-SORBITOL pH 6.3-4.7 24 h-200rpm 30°C 39,68 g/L 30°C-48H Meio Batata líq ANÁLISE QUANTITATIVA DE PRODUÇÃO DE L-SORBOSE FEITA PELA REAÇÃO DO RESORCINOLREAÇÃO SIMPLES OBSERVADA PELA PRESENÇA DE CETOSE IDENTIFICADAPELO DESENVOLVIMENTO DA COLORAÇÃO VERMELHO-CEREJA NO MEIO
  16. 16. PRODUÇÃO DE L-SORBOSE POR G. frateurii Notícia boa: 100% do D-sorbitol biotransformado em L-sorbose em 24 horas, das 48 horas padrão, em 30°C chegando a produzir 39.68 g/L de L-sorbose Notícia má: Em estudo anterior (2000) da mesma equipe, outra cepa de G. frateurii (CHM 54) produziu em 48 horas 50 g/L de L-sorbose
  17. 17. PRODUÇÃO DE DHA A PARTIR DO GLICEROL 5% glicerol e ANÁLISE QUANTITATIVA 1% extrato de DE PRODUÇÃO DE DHA: levedura pH5.0 REAÇÃO DA DIFENILAMINA 1 ML 30°C /4 dias Melhor:42,52 g/LBatata 10ML/Shaker pH ideal favorece ativação BATATA 30°C de enzimas e impede que 24HR 24hr outras degradem o produto formado 50G/L GLICEROLDESENVOLVIMENTO ANÁLISE QUANTITATIVA DE PRODUÇÃO DE DHA: 200 mL DA COR AZUL NO REAÇÃO DA MEIO DIFENILAMINA
  18. 18. PRODUÇÃO DE DHA POR G.oxydans –PHD27 Concentração g/L DHA 44,1g/L OD 600(nm) Hora de bioconversão Crescimento celular DHA
  19. 19. CONCLUSÃODos isolados selvagens de Gluco no bacte r obtidos em frutas e petúnias da Tailândia para produção de L-sorbose e Diidroxiacetona (DHA), os mais produtivos foram G. frate urii para L-Sorbose e G. o xydans para DHA, ambos isolados da fruta Longan. Apesar da produção em bancada do L- sorbose se mostrar pouco rentável, a produção de DHA se mostrou satisfatória, indicando nível máximo durante a fase estacionária de crescimento da cultura.Na produção do L-Sorbose houve uma alteração grande de pH do meio e como a enzima D-Sorbitol desidrogenase ligada a membrana, que funciona melhor em pH alcalino, é crucial para a biotransformação, talvez tenha sido um dos fatores que limitou a concentração do produto. Apesar do rendimento ter sido de 100%, há na literatura dados que comprovam que o aumento da L-Sorbose no meio impede o consumo de O2 pelas células de Gluco no bacte r.Na produção de DHA o valor de 44,1 g/L na capacidade da cepa PHD27 em transformar o glicerol sob condições ótimas de crescimento na escala laboratorial pode indicar uma cepa selvagem candidata à produção eficiente e competitiva comparada às atualmente utilizadas em escala industrial.
  20. 20. RENDIMENTO BIOLÓGICO INDUSTRIAL
  21. 21. RENDIMENTO QUÍMICO INDUSTRIAL
  22. 22. Este trabalho foi escolhido porapresentar pesquisa de novosmicrorganismos selvagensvoltados à produção decompostos com valor agregadono mercado e substratosbaratos. OBRIGADA

×