Discutindo diagnósticos de escrita (SLIDES 3ª Formação NUALFA)

7.131 visualizações

Publicada em

0 comentários
8 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
7.131
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
19
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
308
Comentários
0
Gostaram
8
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Discutindo diagnósticos de escrita (SLIDES 3ª Formação NUALFA)

  1. 1. DISCUTINDO DIAGNÓSTICOS DE ESCRITA: PENSANDO INTERVENÇÕES E ENCAMINHAMENTOS DOCENTES Por: Edeil Reis do Espírito Santo & Vandeci Costa de Carvalho
  2. 2. Quando a psicogênese entrou na sala de aula, ocorreu um processo de construção de uma didática da alfabetização. (Telma Weisz, Revista Nova Escola, abril de 2012)
  3. 3. Pauta Terceiro Encontro Formativo do Núcleo de Alfabetização SEMED  Leitura Compartilhada: Texto “A batalha dos métodos” (15 min.);  Atividade de Esquema Corporal: Desengonçada (Bia Bedran) (15 min.);  Apresentação dos objetivos do Encontro (10 min.);  Análise de autoditados de alguns alunos (Hipóteses de Escrita) (40 min.);  Produção de Atividades por Hipótese de Escrita (Tarefa em 8 grupos) (1 hora);  Apresentação das atividades por grupo (40 min – 5 min. Para cada grupo).
  4. 4. OBJETIVOS DO ENCONTRO  Conhecer as características de cada hipótese de escrita, para saber como a criança pensa a escrita em cada fase;  Analisar as hipóteses de escrita de algumas crianças;  Instrumentalizar os/as docentes para compreenderem as hipóteses de escrita de seus/as alunos/as;  Identificar conflitos vividos pelas crianças em cada nível de escrita;  Elaborar atividades interventivas para cada nível de escrita;
  5. 5. Analisando Hipóteses de Escrita
  6. 6. Analisando Hipóteses de Escrita
  7. 7. Analisando Hipóteses de Escrita
  8. 8. Analisando Hipóteses de Escrita
  9. 9. Analisando Hipóteses de Escrita
  10. 10. Analisando Hipóteses de Escrita
  11. 11. Analisando Hipóteses de Escrita
  12. 12. Analisando Hipóteses de Escrita
  13. 13. Que hipótese de escrita é essa?
  14. 14. Que hipótese de escrita é essa?
  15. 15. Que hipótese de escrita é essa?
  16. 16. Que hipótese de escrita é essa?
  17. 17. Que hipótese de escrita é essa?
  18. 18. Que hipótese de escrita é essa?
  19. 19. Que hipótese de escrita é essa?
  20. 20. INTERVENÇÕES POR NÍVEL  Nível Pré-silábico ATIVIDADES FAVORÁVEIS: - Manusear o Alfabeto Móvel - Desenhar e escrever o que desenhou; - Usar o nome em situações significativas: marcar atividades, objetos, utilizá-Io em jogos, bilhetes, etc; - Ouvir leituras feitas diariamente pela professora e poder recontá-las; - Ter contato com diferentes portadores de textos; - Frequentar a biblioteca, banca de jornais, etc; - Reconhecer e ler o próprio nome em situações significativas: chamadas, jogos, etc; - Conversar sobre a função da escrita; - Utilizar letras móveis para pesquisar nomes, reproduzir o próprio nome ou dos amigos; - Bingo de letras; - Produção oral de histórias; - Escrita espontânea;
  21. 21. INTERVENÇÕES POR NÍVEL  Nível Pré-silábico ATIVIDADES FAVORÁVEIS: - Textos coletivos tendo o professor como escriba; - Aumentar o repertório de letras; - leitura dos nomes das crianças da classe, quando isto for significativo. -Comparar e relacionar palavras; - Produzir textos de forma não convencional; - Pintar intervalos entre as palavras; - Contar o número de letras de uma palavra; - Contar as palavras de uma frase; - Circular ou marcar letra inicial e final do seu nome do nome dos colegas;
  22. 22. INTERVENÇÕES POR NÍVEL  Nível 2 - Intermediário (Transição do Pré-Silábico para o Silábico) ATIVIDADES FAVORÁVEIS:  Todas as atividades do nível anterior. - Comparar e relacionar escritas de palavras diversas. - Escrever pequenos textos memorizados (parlendas, poemas, músicas, trava-línguas...). - Relacionar personagens a partir do nome escrito. - Relacionar figura às palavras, através do reconhecimento da letra inicial. -Ter contato com a escrita convencional em atividades significativas: -Reconhecer letras em um pequeno texto conhecido. - Leitura de textos conhecidos. - Relacionar textos memorizados com sua grafia.
  23. 23. INTERVENÇÕES POR NÍVEL  Nível Silábico ATIVIDADES FAVORÁVEIS: -Cruzadinhas (Com e sem banco de palavras) - Caça-palavras. (Com e sem banco de palavras) - Completar lacunas em textos e palavras. - Construir um dicionário ilustrado, desde que o tema seja significativo. - Evidenciar rimas entre as palavras; - Usar o alfabeto móvel para escritas significativas; - Jogos variados para associar o desenho e seu nome; - Colocar letras em ordem alfabética; - Contar a quantidade de palavras de uma frase; - Dividir palavras em sílabas orais.
  24. 24. INTERVENÇÕES POR NÍVEL  Nível Silábico-Alfabético ATIVIDADES FAVORÁVEIS: - As mesmas do nível anterior; - Separar as palavras de um texto memorizado; - Generalizar os conhecimentos para escrever palavras que não conhece: associar o "G” do nome da "GABRIELI” para escrever “GAROTA’, “GAVETA”“; - Ditado de palavras do mesmo campo semântico, conhecidas ou não. - Produzir pequenos textos; individuais e coletivos; - Reescrever histórias individualmente ou coletivamente; - Formar palavras a partir de sílabas do texto; - Ordenar frases de um texto trabalhado; - Completar sílabas e letras de palavras.
  25. 25. INTERVENÇÕES POR NÍVEL  Nível Alfabético ATIVIDADES FAVORÁVEIS: - Todas as anteriores; - Leituras diversas; - Escrita de listas de palavras que apresentem as mesmas regularidades ortográficas em momentos em que isto seja significativo; - Atividades a partir de um texto: leitura, localização de palavras ou frases; ordenar o texto; - Jogos diversos como bingo de letras e palavras; forca...
  26. 26. CONCLUSÃO  É imprescindível que o/a professor/a estude os conflitos que a crianças vive em cada nível ou hipótese de escrita para saber com essa criança pensa e compreende essa escrita. Só conhecendo bem esses níveis e planejando as intervenções a partir do que as crianças vão sinalizando que estão construindo que o/a professor/a pode provocar avanços significativos e levar seus alunos a se apropriarem da lectoescrita. Planejar com consciência de como esses sujeitos aprendem é indispensável!

×