SlideShare uma empresa Scribd logo

Paradigmas de alfabetização (slides formação núcleo de alfabetização) (1)

1 de 44
Baixar para ler offline
PARADIGMAS DE ALFABETIZAÇÃO: 
CONCEPÇÕES, FAZERES E PRÁTICAS 
Por: Edeil Reis do Espírito Santo & 
Vandeci Costa de Carvalho 
E-mail: nualfasemed@gmail.com
Conceituando PARADIGMA 
• Podemos dizer que um paradigma é a 
percepção geral e comum - não 
necessariamente a melhor - de se ver 
determinada coisa, seja um objeto, seja um 
fenômeno, seja um conjunto de ideias.
Exemplos de PARADIGMAS 
• Família = união entre homem, mulher e filhos; 
• Família = qualquer modelo de união: mãe e filho; pai e filho; 
homem e homem, mulher e mulher; 
• Preparo para o mundo do trabalho = ter diploma e habilidades 
bem específicas; 
• Preparo para o mundo do trabalho = possuir formação, 
aperfeiçoar-se constantemente e possuir habilidades bastante 
diversificadas.
O que é um PARADIGMA? 
* Referência; * Diretriz; 
* Parâmetro; * Rumo; 
* Estrutura; * Ideal; 
* Crença; * Concepção.
CARACTERIZAÇÃO HISTÓRICA DOS 
PARADIGMAS DE ALFABETIZAÇÃO
Primeira metade do Século XX 
( Décadas de 50 e 60) 
A Busca incessante por um método que desse 
conta da complexidade do ensinar 
PARADIGMA DO COMO SE ENSINA 
(Fim da década de 70 e início da década de 80) 
A partir dos estudos de Ferreiro e Teberosky, 
A preocupação se desloca dos métodos de ensino 
para a compreensão do processo de como as 
crianças aprendem a leitura e a escrita enquanto 
processos conceituais. 
PARADIGMA DO COMO SE APRENDE
Anúncio

Recomendados

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Educação de jovens e adultos
Educação de jovens e adultosEducação de jovens e adultos
Educação de jovens e adultosLinda-maria12
 
Oralidade e gêneros orais: um olhar sobre as práticas orais em sala de aula
Oralidade e gêneros orais: um olhar sobre as práticas orais em sala de aulaOralidade e gêneros orais: um olhar sobre as práticas orais em sala de aula
Oralidade e gêneros orais: um olhar sobre as práticas orais em sala de aulaDenise Oliveira
 
Sequencia didatica _fabulas
Sequencia didatica _fabulasSequencia didatica _fabulas
Sequencia didatica _fabulasProfessora Cida
 
Alfabetização e letramento (slide)
Alfabetização e letramento (slide)Alfabetização e letramento (slide)
Alfabetização e letramento (slide)PamelaAschoff
 
Formação recomposição da Aprendizagem
Formação recomposição da Aprendizagem Formação recomposição da Aprendizagem
Formação recomposição da Aprendizagem carmensilva723002
 
Fundamentos teóricos e metodológicos da alfabetização e do
Fundamentos teóricos e metodológicos da alfabetização e doFundamentos teóricos e metodológicos da alfabetização e do
Fundamentos teóricos e metodológicos da alfabetização e doSolange Mendes
 
PLANO DE CURSO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 7° PERÍODO DE PEDAGOGIA DAS FIP
PLANO DE CURSO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 7° PERÍODO DE PEDAGOGIA DAS FIPPLANO DE CURSO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 7° PERÍODO DE PEDAGOGIA DAS FIP
PLANO DE CURSO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 7° PERÍODO DE PEDAGOGIA DAS FIPwww.estagiosupervisionadofip.blogspot.com
 
Educação de jovens e adultos.pptx
Educação de jovens e adultos.pptxEducação de jovens e adultos.pptx
Educação de jovens e adultos.pptxGlacemi Loch
 
CONCEPÇÕES DE ALFABETIZAÇÃO: O QUE ENSINAR NO CICLO DE ALFABETIZAÇÃO
CONCEPÇÕES DE ALFABETIZAÇÃO: O QUE ENSINAR NO CICLO DE ALFABETIZAÇÃOCONCEPÇÕES DE ALFABETIZAÇÃO: O QUE ENSINAR NO CICLO DE ALFABETIZAÇÃO
CONCEPÇÕES DE ALFABETIZAÇÃO: O QUE ENSINAR NO CICLO DE ALFABETIZAÇÃOJulhinha Camara
 
Gênero Textual: histórias em quadrinhos
Gênero Textual: histórias em quadrinhosGênero Textual: histórias em quadrinhos
Gênero Textual: histórias em quadrinhosAlice Nogueira
 
O papel da didática na formação de professores
O papel da didática na formação de professoresO papel da didática na formação de professores
O papel da didática na formação de professoresAna Paula Azevedo
 
LIBRAS AULA 12: Aspectos Linguísticos da língua de sinais – Morfologia
LIBRAS AULA 12: Aspectos Linguísticos da língua de sinais – Morfologia LIBRAS AULA 12: Aspectos Linguísticos da língua de sinais – Morfologia
LIBRAS AULA 12: Aspectos Linguísticos da língua de sinais – Morfologia profamiriamnavarro
 

Mais procurados (20)

Educação de jovens e adultos
Educação de jovens e adultosEducação de jovens e adultos
Educação de jovens e adultos
 
Oralidade e gêneros orais: um olhar sobre as práticas orais em sala de aula
Oralidade e gêneros orais: um olhar sobre as práticas orais em sala de aulaOralidade e gêneros orais: um olhar sobre as práticas orais em sala de aula
Oralidade e gêneros orais: um olhar sobre as práticas orais em sala de aula
 
Ldb Resumo
Ldb ResumoLdb Resumo
Ldb Resumo
 
Sequencia didatica _fabulas
Sequencia didatica _fabulasSequencia didatica _fabulas
Sequencia didatica _fabulas
 
EJA
EJA EJA
EJA
 
Projeto Malala
Projeto MalalaProjeto Malala
Projeto Malala
 
Conhecendo a didática
Conhecendo a didáticaConhecendo a didática
Conhecendo a didática
 
4. generos textuais aula 3
4. generos textuais   aula 34. generos textuais   aula 3
4. generos textuais aula 3
 
Alfabetização e letramento (slide)
Alfabetização e letramento (slide)Alfabetização e letramento (slide)
Alfabetização e letramento (slide)
 
Formação recomposição da Aprendizagem
Formação recomposição da Aprendizagem Formação recomposição da Aprendizagem
Formação recomposição da Aprendizagem
 
Alfabetização e letramento
Alfabetização e letramentoAlfabetização e letramento
Alfabetização e letramento
 
Fundamentos teóricos e metodológicos da alfabetização e do
Fundamentos teóricos e metodológicos da alfabetização e doFundamentos teóricos e metodológicos da alfabetização e do
Fundamentos teóricos e metodológicos da alfabetização e do
 
Metodologia do Ensino de Historia
Metodologia do Ensino de HistoriaMetodologia do Ensino de Historia
Metodologia do Ensino de Historia
 
PLANO DE CURSO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 7° PERÍODO DE PEDAGOGIA DAS FIP
PLANO DE CURSO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 7° PERÍODO DE PEDAGOGIA DAS FIPPLANO DE CURSO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 7° PERÍODO DE PEDAGOGIA DAS FIP
PLANO DE CURSO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 7° PERÍODO DE PEDAGOGIA DAS FIP
 
Educação de jovens e adultos.pptx
Educação de jovens e adultos.pptxEducação de jovens e adultos.pptx
Educação de jovens e adultos.pptx
 
Linguagem verbal e não verbal
Linguagem verbal e não verbalLinguagem verbal e não verbal
Linguagem verbal e não verbal
 
CONCEPÇÕES DE ALFABETIZAÇÃO: O QUE ENSINAR NO CICLO DE ALFABETIZAÇÃO
CONCEPÇÕES DE ALFABETIZAÇÃO: O QUE ENSINAR NO CICLO DE ALFABETIZAÇÃOCONCEPÇÕES DE ALFABETIZAÇÃO: O QUE ENSINAR NO CICLO DE ALFABETIZAÇÃO
CONCEPÇÕES DE ALFABETIZAÇÃO: O QUE ENSINAR NO CICLO DE ALFABETIZAÇÃO
 
Gênero Textual: histórias em quadrinhos
Gênero Textual: histórias em quadrinhosGênero Textual: histórias em quadrinhos
Gênero Textual: histórias em quadrinhos
 
O papel da didática na formação de professores
O papel da didática na formação de professoresO papel da didática na formação de professores
O papel da didática na formação de professores
 
LIBRAS AULA 12: Aspectos Linguísticos da língua de sinais – Morfologia
LIBRAS AULA 12: Aspectos Linguísticos da língua de sinais – Morfologia LIBRAS AULA 12: Aspectos Linguísticos da língua de sinais – Morfologia
LIBRAS AULA 12: Aspectos Linguísticos da língua de sinais – Morfologia
 

Semelhante a Paradigmas de alfabetização (slides formação núcleo de alfabetização) (1)

2º encontro da unidade 1 avaliação
2º encontro da unidade 1   avaliação2º encontro da unidade 1   avaliação
2º encontro da unidade 1 avaliaçãoBete Feliciano
 
Dialogo sobre AlfabetizAÇÃO- SLIDES.ppt
Dialogo sobre AlfabetizAÇÃO- SLIDES.pptDialogo sobre AlfabetizAÇÃO- SLIDES.ppt
Dialogo sobre AlfabetizAÇÃO- SLIDES.pptEdileneBarbosa18
 
Apresentacao defesa rg
Apresentacao defesa rgApresentacao defesa rg
Apresentacao defesa rgRachel Gamero
 
Método de Alfabetização Paulo Freire (2).ppt
Método de Alfabetização Paulo Freire (2).pptMétodo de Alfabetização Paulo Freire (2).ppt
Método de Alfabetização Paulo Freire (2).pptMarcileaMelo
 
PNAIC - Unidade III texto 1
PNAIC - Unidade III   texto 1PNAIC - Unidade III   texto 1
PNAIC - Unidade III texto 1ElieneDias
 
Fundamentos teoricos e metodologicos da alfabetização e do letramento
Fundamentos teoricos e metodologicos da alfabetização e do letramentoFundamentos teoricos e metodologicos da alfabetização e do letramento
Fundamentos teoricos e metodologicos da alfabetização e do letramentoSusanne Messias
 
1ª Apresentação Pnaic 08/ 06/2013
1ª Apresentação Pnaic 08/ 06/20131ª Apresentação Pnaic 08/ 06/2013
1ª Apresentação Pnaic 08/ 06/2013miesbella
 
Alfabetização e letramento
Alfabetização e letramentoAlfabetização e letramento
Alfabetização e letramentoMagda Marques
 
Consciência Fonológica
Consciência FonológicaConsciência Fonológica
Consciência FonológicaLígia Maria
 
Pacto nacional pela alfabetização na idade certa
Pacto nacional pela alfabetização na idade certaPacto nacional pela alfabetização na idade certa
Pacto nacional pela alfabetização na idade certaCida Nenê Leite
 
I seminário de alfabetização de mesquita pnaic (1)
I seminário de alfabetização de mesquita   pnaic (1)I seminário de alfabetização de mesquita   pnaic (1)
I seminário de alfabetização de mesquita pnaic (1)Ailtonbrasil Antunes
 
1ª apresentação pnaic 08 06
1ª apresentação pnaic 08 061ª apresentação pnaic 08 06
1ª apresentação pnaic 08 06miesbella
 
Hipóteses de Escrita: como fazer a sondagem inicial
Hipóteses de Escrita: como fazer a sondagem inicial Hipóteses de Escrita: como fazer a sondagem inicial
Hipóteses de Escrita: como fazer a sondagem inicial Alexsandro Menezes da Silva
 

Semelhante a Paradigmas de alfabetização (slides formação núcleo de alfabetização) (1) (20)

2º encontro da unidade 1 avaliação
2º encontro da unidade 1   avaliação2º encontro da unidade 1   avaliação
2º encontro da unidade 1 avaliação
 
Alfabetizao métodos
Alfabetizao   métodosAlfabetizao   métodos
Alfabetizao métodos
 
Dialogo sobre AlfabetizAÇÃO- SLIDES.ppt
Dialogo sobre AlfabetizAÇÃO- SLIDES.pptDialogo sobre AlfabetizAÇÃO- SLIDES.ppt
Dialogo sobre AlfabetizAÇÃO- SLIDES.ppt
 
Apresentacao defesa rg
Apresentacao defesa rgApresentacao defesa rg
Apresentacao defesa rg
 
2º encontro
2º encontro2º encontro
2º encontro
 
Psicog
PsicogPsicog
Psicog
 
Método de Alfabetização Paulo Freire (2).ppt
Método de Alfabetização Paulo Freire (2).pptMétodo de Alfabetização Paulo Freire (2).ppt
Método de Alfabetização Paulo Freire (2).ppt
 
PNAIC - Unidade III texto 1
PNAIC - Unidade III   texto 1PNAIC - Unidade III   texto 1
PNAIC - Unidade III texto 1
 
Alfabetiz..[1]
Alfabetiz..[1]Alfabetiz..[1]
Alfabetiz..[1]
 
Fundamentos teoricos e metodologicos da alfabetização e do letramento
Fundamentos teoricos e metodologicos da alfabetização e do letramentoFundamentos teoricos e metodologicos da alfabetização e do letramento
Fundamentos teoricos e metodologicos da alfabetização e do letramento
 
1ª Apresentação Pnaic 08/ 06/2013
1ª Apresentação Pnaic 08/ 06/20131ª Apresentação Pnaic 08/ 06/2013
1ª Apresentação Pnaic 08/ 06/2013
 
Alfabetização e letramento
Alfabetização e letramentoAlfabetização e letramento
Alfabetização e letramento
 
Consciência Fonológica
Consciência FonológicaConsciência Fonológica
Consciência Fonológica
 
un-3-e-4-ano-2 (1).ppt
un-3-e-4-ano-2 (1).pptun-3-e-4-ano-2 (1).ppt
un-3-e-4-ano-2 (1).ppt
 
un-3-e-4-ano-2 (1).ppt
un-3-e-4-ano-2 (1).pptun-3-e-4-ano-2 (1).ppt
un-3-e-4-ano-2 (1).ppt
 
Pacto nacional pela alfabetização na idade certa
Pacto nacional pela alfabetização na idade certaPacto nacional pela alfabetização na idade certa
Pacto nacional pela alfabetização na idade certa
 
I seminário de alfabetização de mesquita pnaic (1)
I seminário de alfabetização de mesquita   pnaic (1)I seminário de alfabetização de mesquita   pnaic (1)
I seminário de alfabetização de mesquita pnaic (1)
 
1ª apresentação pnaic 08 06
1ª apresentação pnaic 08 061ª apresentação pnaic 08 06
1ª apresentação pnaic 08 06
 
Ot curriculo[1]
Ot curriculo[1]Ot curriculo[1]
Ot curriculo[1]
 
Hipóteses de Escrita: como fazer a sondagem inicial
Hipóteses de Escrita: como fazer a sondagem inicial Hipóteses de Escrita: como fazer a sondagem inicial
Hipóteses de Escrita: como fazer a sondagem inicial
 

Mais de Edeil Reis do Espírito Santo

Os slogans construtivistas e os sentidos da sistematização compreensões e d...
Os slogans construtivistas e os sentidos da sistematização   compreensões e d...Os slogans construtivistas e os sentidos da sistematização   compreensões e d...
Os slogans construtivistas e os sentidos da sistematização compreensões e d...Edeil Reis do Espírito Santo
 
As atividades pré numéricas e a construção do conceito de número pel...
As  atividades  pré numéricas  e  a  construção  do  conceito  de número  pel...As  atividades  pré numéricas  e  a  construção  do  conceito  de número  pel...
As atividades pré numéricas e a construção do conceito de número pel...Edeil Reis do Espírito Santo
 
Discutindo diagnósticos de escrita (SLIDES 3ª Formação NUALFA)
Discutindo diagnósticos de escrita (SLIDES 3ª Formação NUALFA)Discutindo diagnósticos de escrita (SLIDES 3ª Formação NUALFA)
Discutindo diagnósticos de escrita (SLIDES 3ª Formação NUALFA)Edeil Reis do Espírito Santo
 
Discutindo diagnósticos de escrita (SLIDES 3ª Formação NUALFA)
Discutindo diagnósticos de escrita (SLIDES 3ª Formação NUALFA)Discutindo diagnósticos de escrita (SLIDES 3ª Formação NUALFA)
Discutindo diagnósticos de escrita (SLIDES 3ª Formação NUALFA)Edeil Reis do Espírito Santo
 

Mais de Edeil Reis do Espírito Santo (10)

Bandeira de Senhor do Bonfim 2 (Boa Resolução)
Bandeira de Senhor do Bonfim 2 (Boa Resolução)Bandeira de Senhor do Bonfim 2 (Boa Resolução)
Bandeira de Senhor do Bonfim 2 (Boa Resolução)
 
Bandeira de Senhor do Bonfim (capinha para pintura)
Bandeira de Senhor do Bonfim (capinha para pintura)Bandeira de Senhor do Bonfim (capinha para pintura)
Bandeira de Senhor do Bonfim (capinha para pintura)
 
Os slogans construtivistas e os sentidos da sistematização compreensões e d...
Os slogans construtivistas e os sentidos da sistematização   compreensões e d...Os slogans construtivistas e os sentidos da sistematização   compreensões e d...
Os slogans construtivistas e os sentidos da sistematização compreensões e d...
 
As atividades pré numéricas e a construção do conceito de número pel...
As  atividades  pré numéricas  e  a  construção  do  conceito  de número  pel...As  atividades  pré numéricas  e  a  construção  do  conceito  de número  pel...
As atividades pré numéricas e a construção do conceito de número pel...
 
Edeil (dissertação postada)
Edeil (dissertação postada)Edeil (dissertação postada)
Edeil (dissertação postada)
 
Oficina consciência fonológica (apostila)
Oficina  consciência fonológica (apostila)Oficina  consciência fonológica (apostila)
Oficina consciência fonológica (apostila)
 
Oficina consciência fonológica (apostila)
Oficina  consciência fonológica (apostila)Oficina  consciência fonológica (apostila)
Oficina consciência fonológica (apostila)
 
Discutindo diagnósticos de escrita (SLIDES 3ª Formação NUALFA)
Discutindo diagnósticos de escrita (SLIDES 3ª Formação NUALFA)Discutindo diagnósticos de escrita (SLIDES 3ª Formação NUALFA)
Discutindo diagnósticos de escrita (SLIDES 3ª Formação NUALFA)
 
Discutindo diagnósticos de escrita (SLIDES 3ª Formação NUALFA)
Discutindo diagnósticos de escrita (SLIDES 3ª Formação NUALFA)Discutindo diagnósticos de escrita (SLIDES 3ª Formação NUALFA)
Discutindo diagnósticos de escrita (SLIDES 3ª Formação NUALFA)
 
Níveis de escrita (1)pnaic
Níveis de escrita (1)pnaicNíveis de escrita (1)pnaic
Níveis de escrita (1)pnaic
 

Paradigmas de alfabetização (slides formação núcleo de alfabetização) (1)

  • 1. PARADIGMAS DE ALFABETIZAÇÃO: CONCEPÇÕES, FAZERES E PRÁTICAS Por: Edeil Reis do Espírito Santo & Vandeci Costa de Carvalho E-mail: nualfasemed@gmail.com
  • 2. Conceituando PARADIGMA • Podemos dizer que um paradigma é a percepção geral e comum - não necessariamente a melhor - de se ver determinada coisa, seja um objeto, seja um fenômeno, seja um conjunto de ideias.
  • 3. Exemplos de PARADIGMAS • Família = união entre homem, mulher e filhos; • Família = qualquer modelo de união: mãe e filho; pai e filho; homem e homem, mulher e mulher; • Preparo para o mundo do trabalho = ter diploma e habilidades bem específicas; • Preparo para o mundo do trabalho = possuir formação, aperfeiçoar-se constantemente e possuir habilidades bastante diversificadas.
  • 4. O que é um PARADIGMA? * Referência; * Diretriz; * Parâmetro; * Rumo; * Estrutura; * Ideal; * Crença; * Concepção.
  • 5. CARACTERIZAÇÃO HISTÓRICA DOS PARADIGMAS DE ALFABETIZAÇÃO
  • 6. Primeira metade do Século XX ( Décadas de 50 e 60) A Busca incessante por um método que desse conta da complexidade do ensinar PARADIGMA DO COMO SE ENSINA (Fim da década de 70 e início da década de 80) A partir dos estudos de Ferreiro e Teberosky, A preocupação se desloca dos métodos de ensino para a compreensão do processo de como as crianças aprendem a leitura e a escrita enquanto processos conceituais. PARADIGMA DO COMO SE APRENDE
  • 7. A QUERELA DOS MÉTODOS NA HISTÓRIA BRASILEIRA • 1º Momento (1876 a 1890)  Disputa entre defensores do então “novo” Método da Palavração e os dos “antigos” Métodos Sintéticos (Alfabético, Fônico, Silábico). (MORTATTI, 2008, p. 95)
  • 8. A QUERELA DOS MÉTODOS NA HISTÓRIA BRASILEIRA • 2º Momento (1890 a meados da década de 1920)  Disputa entre os defensores do então “novo” Método Analítico e os dos “antigos” Métodos Sintéticos.
  • 9. A QUERELA DOS MÉTODOS NA HISTÓRIA BRASILEIRA • 3º Momento (meados dos anos de 1920 a final da década de 1970).  Disputa entre os defensores dos “antigos” Métodos de Alfabetização (Sintéticos e Analíticos) e dos então “novos” Testes ABC para a verificação da maturidade necessária ao aprendizado da leitura e da escrita de que decorre a introdução dos “novos” Métodos Mistos.
  • 10. APÓS A BRIGA ENTRE OS MÉTODOS... NOVOS PARADIGMAS • 4º Momento (meados da década de 1980 a 1994) Disputas entre os defensores da então “nova” Perspectiva Construtivista e os dos “antigos” Testes de Maturidade e dos “antigos” Métodos de Alfabetização.
  • 11. APÓS A BRIGA ENTRE OS MÉTODOS... NOVOS PARADIGMAS • 5º Momento (final da década de 80 e início da década de 90)  As ideias do Letramento começam a influenciar as práticas dos professores, evidenciando os usos sociais da leitura e da escrita, propondo que essa seja trabalhada a partir de textos reais e de uma linguagem mais dinâmica e menos formal e escolarizada, não basta trabalhar a escrita alfabética e ortográfica, é preciso garantir aos alunos os usos e funções da língua escrita.
  • 12. APÓS A BRIGA ENTRE OS MÉTODOS... NOVOS PARADIGMAS • 5º Momento (A partir dos anos 2000)  A Proposta que visa Alfabetizar Letrando toma para si princípios do Construtivismo e do Letramento entendendo a necessidade de se trabalhar a leitura e a escrita em contextos reais, primando por suas funções socioculturais, porém sem negar a necessidade de se ensinar sistematicamente o Sistema de Escrita Alfabética (SEA).
  • 13. CONHECENDO OS MÉTODOS E DEMAIS PARADIGMAS DE ALFABETIZAÇÃO
  • 14. Afinal, o que é MÉTODO? [...] uma sequência de passos planejados e organizados para o professor ensinar e as crianças conseguirem aprender a ler e escrever (MORTATTI, 2008, p. 111).
  • 15. O que são MÉTODOS DE ALFABETIZAÇÃO? Um conjunto de princípios teórico-procedimentais que organizam o trabalho pedagógico em torno da alfabetização; Um conjunto de saberes práticos ou de princípios organizadores do processo de alfabetização.
  • 16. Métodos Mistos ou Ecléticos (das partes para o todo e do todo para as partes ao mesmo tempo) Métodos Sintéticos Métodos Analíticos (das partes para o todo) (do todo para as partes)
  • 17. MÉTODOS SINTÉTICOS (Alfabético, Silábico, Fônico) Proposta: progressão de unidades menores (letra, fonema, sílaba) a unidades mais complexas (palavra, frase, texto); Enfoque: processos de decodificação. Insistem na correspondência entre o oral e o escrito. Entre o som e a grafia; Estratégia perceptiva utilizada: audição.
  • 18. MÉTODOS SINTÉTICOS MÉTODO ALFABÉTICO OU MÉTODO DE SOLETRAÇÃO  Considerado o método mais antigo, empregado desde a Grécia continuou a ser utilizado até o século XIX, período em que a escolarização passou a ser desenvolvida no Brasil;  Tem como unidade principal a letra, sua sequência partia de uma ordem crescente de dificuldade, iniciando pela decoração oral das letras do alfabeto, seu reconhecimento posterior em pequenas sequências.
  • 19. MÉTODOS SINTÉTICOS MÉTODO FÔNICO  1º passo: vogais - nome e som das letras são iguais;  2º passo: palavras formadas apenas por vogais;  3º passo: apresentação dos fonemas regulares (d, b, f, j, m, n...) de forma isolada e processualmente os irregulares;  4º passo: junção dos fonemas regulares e, processualmente os irregulares, com as vogais, formando sílabas;  5º passo: formação de palavras;  6º passo: formação de frases;  7º passo: formação de textos.
  • 20. MÉTODOS SINTÉTICOS MÉTODO SILÁBICO • 1º passo: Apresentam-se as vogais, com ajuda de ilustrações e palavras como “o” de OVO; “e” de ELEFANTE. • 2º passo: Apresentam-se as sílabas canônicas, utilizando palavras e ilustrações e destacando a sílaba na palavra: MA de macaco, na de navio, PA de panela, e as não canônicas, de forma processual; • 3º passo: Famílias silábicas da sílaba em destaque na palavra; • 4º passo: Formação de palavras. • 5º passo: Formação de frases. • 6º passo: Formação de pequenos textos.
  • 21. MÉTODOS ANALÍTICOS (PALAVRAÇÃO, SENTENCIAÇÃO, GLOBAL [contos/textos]) Proposta: progressão de unidades de sentido mais amplas (palavra, frase, texto) a unidades menores (sílabas e sua decomposição em grafemas e fonemas); Reconhecimento global: pela silhueta da palavra, frase ou texto; Estratégia perceptiva utilizada: visão.
  • 22. MÉTODOS ANALÍTICOS MÉTODO DA PALAVRAÇÃO • 1º passo: Apresentação de palavras ilustradas que fazem parte do universo infantil; • 2º passo: Memorização (leitura e escrita da palavra) ; • 3º passo: Divisão silábica das palavras; • 4º passo: Formação de novas palavras com as sílabas estudadas ; • 5º passo: Estudo e análise de grafemas/fonemas; • 6º passo: Formação de frases; • 7º passo: Formação de textos.
  • 23. MÉTODOS ANALÍTICOS MÉTODO DA SENTENCIAÇÃO • 1º passo: Apresentação de frases que fazem parte do universo infantil; • 2º passo: Memorização (leitura e escrita da frase); • 3º passo: Observação de palavras semelhantes dentro da sentença; • 4º passo: Formação de grupo de palavras; • 5º passo: Isolamento de elementos conhecidos dentro da palavra (sílaba); • 6º passo: Estudo e análise de grafemas/fonemas.
  • 24. MÉTODOS ANALÍTICOS MÉTODO GLOBAL DE TEXTOS E CONTOS • 1º passo: apresentação de partes do texto com sentido • completo, em cartazes; • 2º passo: Memorização - leitura e escrita do texto; • 3º passo: Decomposição do texto estudado em frases; • 4º passo: Decomposição das frases em palavras; • 5º passo: Decomposição das palavras em sílabas; • 6º passo: Formação de novas palavras com as sílabas Estudadas; • 7º passo: Estudo e análise de grafemas/fonemas.
  • 25. MÉTODO MISTO OU ECLÉTICO MÉTODO ANALÍTICO-SINTÉTICO • Esse método caracteriza-se por explorar o todo significativo e as partes, simultaneamente. Dentro desse método, o professor poderá partir: a) Da palavra, passando para a frase, formando um texto, retirando novamente a palavra para decompô-la em sílabas; • b) Da frase, retirando a palavra para chegar à sílaba; • c) Da história, retirando a palavra-chave para depois destacar a sílaba.
  • 26. A CRISE DO COMO SE ENSINA... UM PERÍODO DE GRANDE DESCRENÇA NOS MÉTODOS!  A DESINVENÇÃO DA ALFABETIZAÇÃO! TEMPOS DE CONSTRUTIVISMO A pergunta agora é: Como se aprende?
  • 27. CONSTRUTIVISMO E “DESMETODIZAÇÃO” DA ALFABETIZAÇÃO • Início da década de 80: Ganha força no Brasil pensamento construtivista sobre alfabetização, resultante das pesquisas sobre a Psicogênese da Língua Escrita desenvolvidas pela pesquisadora argentina Emília Ferreiro e colaboradores
  • 28. CONSTRUTIVISMO E “DESMETODIZAÇÃO” DA ALFABETIZAÇÃO • Principal mudança:  Desloca-se o eixo das discussões dos métodos de ensino para o processo de aprendizagem da criança, o construtivismo se apresenta, não como um método novo, mas como uma “revolução conceitual”, demandando, dentre outros aspectos, abandonarem-se as teorias e práticas tradicionais, desmetodizar-se o processo de alfabetização e se questionar a necessidade das cartilhas.
  • 29. CONSTRUTIVISMO E “DESMETODIZAÇÃO” DA ALFABETIZAÇÃO • Nesse momento, inicia-se, uma disputa entre os partidários do construtivismo e os defensores dos tradicionais métodos e cartilhas; • Hoje, temos a institucionalização, em nível nacional, do construtivismo em alfabetização, verificável, nos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN); • Enfrentamos, as dificuldades decorrentes, em especial, da ausência de uma “didática Construtivista”.
  • 30. CONSTRUTIVISMO E DESMETODIZAÇÃO DA ALFABETIZAÇÃO • Principal descoberta das pesquisas de Ferreiro e seus colaboradores: • A Psicogênese da Língua Escrita – as crianças são seres ativos no processo de aquisição da lectoescrita, elas pensam sobre o que é a escrita e, por isso, elaboram hipóteses sobre o que é a escrita como objeto conceitual.
  • 31. O LETRAMENTO: USO SOCIAL DA ESCRITA E DA LEITURA • LETRAMENTO [...] condição de quem não apenas sabe ler e escrever, mas cultiva e exerce as práticas sociais que usam a escrita (SOARES, 1998, p.47).
  • 32. O LETRAMENTO E A ESCOLA • No final da década de oitenta e início dos anos 90, as ideias do LETRAMENTO surgem com força na escola questionando a aprendizagem centrada apenas no ensino da ESCRITA ALFABÉTICA; • Para os adeptos do LETRAMENTO é preciso ensinar os indivíduos a fazerem uso de textos escritos, sendo portanto necessário ensinar a ler e a escrever utilizando textos reais. Surge, então a febre do “ensino” das tipologias e dos gêneros textuais.
  • 33. O LETRAMENTO E A ESCOLA • É preciso LETRAR, mas sem esquecer de, ao mesmo tempo, ALFABETIZAR. • Como uma criança que não lê nem escreve vai fazer uso produtivo de textos e produzi-los com autonomia? • Encher a parede de textos e expor às crianças aos variados gêneros sem orientações didáticas específicas de nada adianta e não produz leitores nem escritores de texto.
  • 34. DIFICULDADES PARA UMA PRÁTICA DE LETRAMENTO NA ESCOLA • Embora no LETRAMENTO a ênfase do processo de formação e de ensino esteja na leitura e na produção de textos, é preciso que se planeje ações didático-pedagógicas, que se tenha estratégias para ensinar a ler e a escrever cada gênero textual existente. • Dificuldade para a ação docente: Falta uma didática para o LETRAR, a alfabetização precisa caminhar junto.
  • 35. ALFABETIZAR LETRANDO: ESSA É A NOVA TENDÊNCIA • Alfabetizar Letrando é instrumentalizar os sujeitos aprendizes por meio de atividades específicas que os tornem aptos a usarem com competência o Sistema de Escrita Alfabética (SEA), utilizando-se para tal aprendizagem de textos reais que façam parte das vivências desses sujeitos. • Compreender ALFABETIZAÇÃO e LETRAMENTO como processos distintos, mas indissociáveis significa alfabetizar no “lugar certo”, ou seja, através das práticas sociais, culturais, de leitura, oralidade e escrita.
  • 36. LETRAMENTO E ALFABETIZAÇÃO: TEMAS COMPLEMENTARES, MAS DISTINTOS • [...] o que mais propriamente se denomina letramento é a imersão do indivíduo na cultura escrita, participação em experiências variadas com a leitura e a escrita, conhecimento e interação com diferentes tipos de gêneros de material escrito (SOARES, 2003, p.l3).
  • 37. LETRAMENTO E ALFABETIZAÇÃO: TEMAS COMPLEMENTARES, MAS DISTINTOS • Alfabetização é a apropriação do sistema de escrita, pois para aprender a ler e escrever o aluno precisa relacionar sons com letras e vice-versa, para compreender como a escrita se processa, essa é a especificidade da alfabetização.
  • 38. LETRAMENTO E ALFABETIZAÇÃO: TEMAS COMPLEMENTARES, MAS DISTINTOS • O LETRAMENTO ocorre quando as práticas e os fazeres escolares auxiliam os sujeitos a saber ler e escrever, mas levando-os, sobretudo a usarem, praticarem e a responderem adequadamente às necessidades e demandas de leitura do contexto social ao qual pertencem.
  • 39. LETRAMENTO E ALFABETIZAÇÃO: TEMAS COMPLEMENTARES, MAS DISTINTOS • Ninguém aprende a ler e escrever sem aprender relações entre fonemas e grafemas, para codificar e decodificar. Envolve, também, aprender a segurar num lápis, aprender que se escreve de cima para baixo e da esquerda para direita; enfim envolve uma série de aspectos técnicos […] Isso é a parte específica do processo de aprender a ler e a escrever (S0ARES, 2003, p.15 e 17). APRENDIZADO DA TECNOLOGIA DA ESCRITA
  • 40. LETRAMENTO E ALFABETIZAÇÃO: TEMAS COMPLEMENTARES, MAS DISTINTOS • De nada adianta saber LER e ESCREVER, entretanto não ser capaz de usar a leitura para seguir instruções (receitas, bulas de remédio, manuais de jogos, apoiar a memória (listas e scripts), comunicar-se (bilhetes, recados, telegramas, e-mails) divertir-se e emocionar-se (conto, fábula, lenda, romance), informar-se, (notícias), orientar-se no mundo (atlas, mapa, calendário, relógio) e nas ruas (sinais de trânsito). DESENVOLVIMENTO E USO DA TECNOLOGIA DA ESCRITA
  • 41. PARA ALFABETZAR LETRANDO É PRECISO Aprender a Tecnologia da Escrita (ASPECTOS TÉCNICOS) Saber usar a Tecnologia da Escrita (ASPECTOS SOCIOCULTURAIS)
  • 42. CONCLUSÕES • Não há método perfeito ou ideal. O estudo das propostas de ensino da leitura e da escrita no contexto brasileiro nos ajuda a pensar sobre os equívocos cometidos por cada prática desenvolvida por este ou aquele método, mas, ao mesmo tempo, sobre a utilidade desses métodos para a construção de novas propostas, bem como para a visão de complementaridade entre velhos e novos modelos pedagógicos sugeridos para a Alfabetização.
  • 43. REFERÊNCIAS • SOARES, Magda. Letramento: um tema em três êneros. 2 ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2006; • MORTATTI, Maria do Rosário Longo. A “querela dos métodos” de alfabetização no Brasil: contribuições para metodizar o debate. Revista ACOALFAplp: Acolhendo a Alfabetização nos Países de Língua portuguesa, • São Paulo, ano 3, n. 5, 2008. Disponível em: • <http://www.acoalfaplp.net>. Acesso em: 10/mai/2014.
  • 44. E-mail para acesso Muito Gratos pela Atenção!!! Edeil e Vandeci. nualfasemed@gmail. Com