SlideShare uma empresa Scribd logo
Astronomia
Stênio V. Medeiros
Os estudos sobre a Cosmologia iniciaram na antiguidade com
uma ligação entre símbolos rupestres e interpretação
religiosa. Os primeiros homens que viviam em cavernas já
tentavam dar sentido aos astros como Sol e Lua uma origem
que coincidia com a religião. Os egípcios acreditava que a
Terra era plana e os gregos entendiam que cada corpo
celeste tinha um movimento regido por leis naturais.
A palavra grega cosmogonia é dividida pelos
radicais cosmos (universo) e gonia (criação, palavra da qual se
origina a gênese). A mitologia grega, assim como outras
mitologias, como a egípcia, a nórdica, a africana e a hebraica,
apresentam narrativas fantasiosas que atribuem a criação do
Universo a seres sobrenaturais.
Cosmologia
O modelo cosmológico de Platão consistia em uma esfera, onde o
centro era a Terra, que também apresentava o formato esférico. Em
sua volta giravam os planetas, o Sol e a Lua, em um movimento
circular.
Cosmologia
O problema do movimento retrogrado.
Cosmologia
No modelo geocêntrico de Ptolomeu (90 d.c. - 168 d.c.), o movimento
retrógrado é explicado com o sistema de epiciclos. Abaixo temos uma
versão simplificada do movimento retrógrado devido à composição de
movimentos com epiciclos..
Cosmologia
Aristarco de Samos (310 a.C. — 230 a.C.) foi o primeiro filosofo a propor um
modelo heliocêntrico, como Sol muito maior que a Terra e o Sol estando
muita mais distante da Terra do que a Lua.
Cosmologia
A princípio a reação ao heliocentrismo não foi muito violenta,
até porque o trabalho de Copérnico, De Revolutionibus, continha
um prefácio, anónimo... e muito subtil, que apresentava o
modelo como uma mera hipótese, entre muitas outras, e que
permitia aos matemáticos efetuarem os cálculos de Copérnico,
mas sem a “obrigação” de admitir a sua cosmologia.
Um dos mais corrosivos e acérrimos defensores do
heliocentrismo é Giordano Bruno, que faz um notável trabalho
de “propaganda” do novo sistema de Copérnico. Giordano
divulga mesmo a ideia de que se a Terra é um planeta como os
outros, a divisão do Universo em cosmos e mundo
sublunar deixara de fazer qualquer sentido. Proclama, por isso,
a união entre o Céu e a Terra, a identificação entre o Sol e as
outras estrelas, e a pluralidade de “mundos” semelhantes à
nossa Terra.
Cosmologia
Cosmologia
Cosmologia
Johannes Kepler (1571-1630) foi
um astrônomo, astrólogo e matemático alemão. Considerado figura chave
da revolução científica do século XVII, é todavia célebre por ter formulado
as três leis fundamentais da mecânica celeste, denominadas Leis de
Kepler, tendo estas sido codificadas por astrônomos posteriores com base
nas suas obras Astronomia Nova, Harmonices Mundi e Epítome da
Astronomia de Copérnico. Essas obras também forneceram uma das bases
para a teoria da gravitação universal de Isaac Newton.
Durante sua carreira, Kepler foi professor de matemática em uma escola
seminarista em Graz, Áustria, um assistente do astrônomo Tycho Brahe.
Kepler viveu numa época em que não havia nenhuma distinção clara entre
astronomia e astrologia, mas havia uma forte divisão entre a astronomia
(um ramo da matemática dentro das artes liberais) e a física (um ramo
da filosofia natural).
Cosmologia
Galileo di Vincenzo Bonaulti de Galilei, mais conhecido
como Galileu Galilei (Pisa, 15 de fevereiro de 1564 —
Florença, 8 de janeiro de 1642), foi um astrônomo, físico e
engenheiro florentino, às vezes descrito como polímata.
Com frequência é referenciado como "pai da astronomia
observacional", "pai da física moderna", "pai do método
científico" e "pai da ciência moderna".
Primeiro a usar o telescópio refrator (luneta) para
observações astronômicas, em 1609.
Em 1610 publicou suas observações astronômicas
telescópicas iniciais em um breve tratado intitulado Sidereus
Nuncius (Mensageiro Estrelado).
Galileu Galiei
Supernovas
Tycho e outros observaram uma supernova de 1572. A carta de Ottavio Brenzoni, de 15 de
janeiro de 1605, a Galileu trouxe a supernova de 1572 e a nova menos brilhante de 1601
ao conhecimento de Galileu. Galileu observou e discutiu a supernova de Kepler em 1604.
Como essas novas estrelas não exibiam paralaxe diurna detectável, Galileu concluiu que
eram estrelas distantes e, portanto, refutou a crença aristotélica na imutabilidade dos
céus.
Galileu Galiei
As luas de Júpiter
Em 1610, Galileu observou com seu telescópio o que ele descreveu na época como “quatro
estrelas fixas, totalmente invisíveis por sua pequenez", todas próximas a Júpiter e em uma
linha reta através dele. Observações nas noites subsequentes mostraram que as posições
dessas "estrelas" em relação a Júpiter estavam mudando de uma maneira que seria
inexplicável se fossem realmente estrelas fixas Dentro de alguns dias, ele concluiu que elas
estavam orbitando Júpiter: ele havia descoberto as quatro maiores luas de Júpiter.
Mais tarde, os astrônomos os renomearam como satélites galileus em homenagem a seu
descobridor. Esses satélites foram descobertos independentemente por Simon Marius em
1610 e agora são chamados Io, Europa, Ganymedes e Calisto, os nomes dados por Marius
em sua obra Mundus Iovialis publicada em 1614.
Galileu Galiei
Vênus
Em 1610, Galileu observou que Vênus exibia um conjunto completo de fases
semelhantes às da Lua. O modelo heliocêntrico do Sistema Solar desenvolvido
por Nicolaus Copernicus previa que todas as fases seriam visíveis, uma vez que a
órbita de Vênus ao redor do Sol faria com que seu hemisfério iluminado ficasse de
frente para a Terra quando estava no lado oposto do Sol e se afastasse da Terra
quando estava no lado terrestre do Sol. Por outro lado, no modelo geocêntrico de
Ptolomeu, era impossível para qualquer das órbitas dos planetas cruzar a concha
esférica que carregava o Sol. Tradicionalmente, a órbita de Vênus era colocada
inteiramente no lado mais próximo do Sol, onde só podia exibir fases crescentes e
novas.
Galileu Galiei
Anéis em Saturno
Netuno (não percebeu)
Manchas solares
Montanhas na Lua
Via Láctea e estrelas
Galileu Galiei
A lei da gravitação universal afirma que, se dois corpos possuem
massa, ambos estão submetidos a uma força de atração mútua
proporcional às suas massas e inversamente proporcional ao
quadrado da distância que separa seus centros de gravidade. Essa
lei foi formulada pelo físico inglês Isaac Newton em sua obra
Philosophiae Naturalis Principia Mathematica, publicada em
1687, que descreve a lei da gravitação universal e as Leis de
Newton as três leis dos corpos em movimento que assentaram-se
como fundamento da mecânica clássica.
Isaac Newton
Isaac Newton
Isaac Newton
• https://phet.colorado.edu/sims/html/gravity-
and-orbits/latest/gravity-and-
orbits_pt_BR.html
• https://phet.colorado.edu/sims/html/gravity-
force-lab-basics/latest/gravity-force-lab-
basics_pt_BR.html
• https://www.vascak.cz/data/android/physicsa
tschool/template.php?s=gp_kosmicke_rychlos
ti&l=pt

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Astronomia.pptx

Física gravitação
Física   gravitaçãoFísica   gravitação
Física gravitação
Washington Soares Alves
 
Historia da ciência inércia 2
Historia da ciência   inércia 2Historia da ciência   inércia 2
Historia da ciência inércia 2Alexandre Abdalla
 
História da astronomia
História da astronomiaHistória da astronomia
História da astronomia
Alison Martins
 
Historia da ciência - Inércia
Historia da ciência - InérciaHistoria da ciência - Inércia
Historia da ciência - InérciaAlexandre Abdalla
 
19 fichageo1-teorias-de-organizacao-do-universo
19 fichageo1-teorias-de-organizacao-do-universo19 fichageo1-teorias-de-organizacao-do-universo
19 fichageo1-teorias-de-organizacao-do-universo
mariagrave
 
4 as revoluções da modernidade - agrícola, religiosa e científica
4   as revoluções da modernidade - agrícola, religiosa e científica4   as revoluções da modernidade - agrícola, religiosa e científica
4 as revoluções da modernidade - agrícola, religiosa e científica
Octavio Silvério de Souza Vieira Neto
 
Buraco negro
Buraco negroBuraco negro
Buraco negro
XequeMateShannon
 
A terra e o universo
A terra e o universoA terra e o universo
A terra e o universo
Kethlin Ruas
 
Gravitação site
Gravitação siteGravitação site
Gravitação sitefisicaatual
 
Daniel sistema solar
Daniel sistema solarDaniel sistema solar
Daniel sistema solar
Daniel Faleiro
 
Trabalho galileu galilei
Trabalho galileu galileiTrabalho galileu galilei
Trabalho galileu galilei
REYELTONCAMPELOSIQUE
 
Rodrigo sistema solar
Rodrigo sistema solarRodrigo sistema solar
Rodrigo sistema solarflaviopb
 
Astronomia 1 - A astronomia na Antigüidade
Astronomia 1 - A astronomia na AntigüidadeAstronomia 1 - A astronomia na Antigüidade
Astronomia 1 - A astronomia na Antigüidade
Nuricel Aguilera
 
Origem e evolução do Universo
Origem e evolução do UniversoOrigem e evolução do Universo
Origem e evolução do UniversoVirgilio Nt
 

Semelhante a Astronomia.pptx (20)

Física gravitação
Física   gravitaçãoFísica   gravitação
Física gravitação
 
Historia da ciência inércia 2
Historia da ciência   inércia 2Historia da ciência   inércia 2
Historia da ciência inércia 2
 
Astronomia aula2 janete pdf
Astronomia aula2 janete pdfAstronomia aula2 janete pdf
Astronomia aula2 janete pdf
 
História da astronomia
História da astronomiaHistória da astronomia
História da astronomia
 
Historia da ciência - Inércia
Historia da ciência - InérciaHistoria da ciência - Inércia
Historia da ciência - Inércia
 
19 fichageo1-teorias-de-organizacao-do-universo
19 fichageo1-teorias-de-organizacao-do-universo19 fichageo1-teorias-de-organizacao-do-universo
19 fichageo1-teorias-de-organizacao-do-universo
 
4 as revoluções da modernidade - agrícola, religiosa e científica
4   as revoluções da modernidade - agrícola, religiosa e científica4   as revoluções da modernidade - agrícola, religiosa e científica
4 as revoluções da modernidade - agrícola, religiosa e científica
 
Apresentação2
Apresentação2Apresentação2
Apresentação2
 
Buraco negro
Buraco negroBuraco negro
Buraco negro
 
A terra e o universo
A terra e o universoA terra e o universo
A terra e o universo
 
Modelos do universo
Modelos do universoModelos do universo
Modelos do universo
 
05 gravitação universal
05  gravitação universal05  gravitação universal
05 gravitação universal
 
Gravitação site
Gravitação siteGravitação site
Gravitação site
 
Daniel sistema solar
Daniel sistema solarDaniel sistema solar
Daniel sistema solar
 
Astronomia giu
Astronomia giuAstronomia giu
Astronomia giu
 
Trabalho galileu galilei
Trabalho galileu galileiTrabalho galileu galilei
Trabalho galileu galilei
 
Cosmologia
CosmologiaCosmologia
Cosmologia
 
Rodrigo sistema solar
Rodrigo sistema solarRodrigo sistema solar
Rodrigo sistema solar
 
Astronomia 1 - A astronomia na Antigüidade
Astronomia 1 - A astronomia na AntigüidadeAstronomia 1 - A astronomia na Antigüidade
Astronomia 1 - A astronomia na Antigüidade
 
Origem e evolução do Universo
Origem e evolução do UniversoOrigem e evolução do Universo
Origem e evolução do Universo
 

Mais de stenio medeiros

Leis de Newton - Física - Ensino médio -Stênio
Leis de Newton - Física - Ensino médio -StênioLeis de Newton - Física - Ensino médio -Stênio
Leis de Newton - Física - Ensino médio -Stênio
stenio medeiros
 
Montagem e Manutenção de Computadores.pptx
Montagem e Manutenção de Computadores.pptxMontagem e Manutenção de Computadores.pptx
Montagem e Manutenção de Computadores.pptx
stenio medeiros
 
Componentes.pptx
Componentes.pptxComponentes.pptx
Componentes.pptx
stenio medeiros
 
Memorias.pptx
Memorias.pptxMemorias.pptx
Memorias.pptx
stenio medeiros
 
Sistemas Operacionais.pptx
Sistemas Operacionais.pptxSistemas Operacionais.pptx
Sistemas Operacionais.pptx
stenio medeiros
 
Sistemas de Arquivos.pptx
Sistemas de Arquivos.pptxSistemas de Arquivos.pptx
Sistemas de Arquivos.pptx
stenio medeiros
 
Calorimetria.pptx
Calorimetria.pptxCalorimetria.pptx
Calorimetria.pptx
stenio medeiros
 

Mais de stenio medeiros (7)

Leis de Newton - Física - Ensino médio -Stênio
Leis de Newton - Física - Ensino médio -StênioLeis de Newton - Física - Ensino médio -Stênio
Leis de Newton - Física - Ensino médio -Stênio
 
Montagem e Manutenção de Computadores.pptx
Montagem e Manutenção de Computadores.pptxMontagem e Manutenção de Computadores.pptx
Montagem e Manutenção de Computadores.pptx
 
Componentes.pptx
Componentes.pptxComponentes.pptx
Componentes.pptx
 
Memorias.pptx
Memorias.pptxMemorias.pptx
Memorias.pptx
 
Sistemas Operacionais.pptx
Sistemas Operacionais.pptxSistemas Operacionais.pptx
Sistemas Operacionais.pptx
 
Sistemas de Arquivos.pptx
Sistemas de Arquivos.pptxSistemas de Arquivos.pptx
Sistemas de Arquivos.pptx
 
Calorimetria.pptx
Calorimetria.pptxCalorimetria.pptx
Calorimetria.pptx
 

Último

BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
Escola Municipal Jesus Cristo
 
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdfCaderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
enpfilosofiaufu
 
proposta curricular ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...
proposta curricular  ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...proposta curricular  ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...
proposta curricular ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...
Escola Municipal Jesus Cristo
 
Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...
Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...
Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...
Luana Neres
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Biblioteca UCS
 
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdfthe_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
CarinaSoto12
 
Acróstico - Reciclar é preciso
Acróstico   -  Reciclar é preciso Acróstico   -  Reciclar é preciso
Acróstico - Reciclar é preciso
Mary Alvarenga
 
Química orgânica e as funções organicas.pptx
Química orgânica e as funções organicas.pptxQuímica orgânica e as funções organicas.pptx
Química orgânica e as funções organicas.pptx
KeilianeOliveira3
 
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slidesSócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
jbellas2
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
LucianaCristina58
 
Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...
Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...
Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...
Luana Neres
 
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdfArundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
Ana Da Silva Ponce
 
livro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdf
livro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdflivro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdf
livro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdf
Escola Municipal Jesus Cristo
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
ReinaldoSouza57
 
Unificação da Itália e a formação da Alemanha
Unificação da Itália e a formação da AlemanhaUnificação da Itália e a formação da Alemanha
Unificação da Itália e a formação da Alemanha
Acrópole - História & Educação
 
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdfiNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
andressacastro36
 
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manualUFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
Manuais Formação
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
sthefanydesr
 

Último (20)

BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
 
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdfCaderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
 
proposta curricular ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...
proposta curricular  ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...proposta curricular  ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...
proposta curricular ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...
 
Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...
Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...
Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
 
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdfthe_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
 
Acróstico - Reciclar é preciso
Acróstico   -  Reciclar é preciso Acróstico   -  Reciclar é preciso
Acróstico - Reciclar é preciso
 
Química orgânica e as funções organicas.pptx
Química orgânica e as funções organicas.pptxQuímica orgânica e as funções organicas.pptx
Química orgânica e as funções organicas.pptx
 
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slidesSócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
 
Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...
Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...
Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...
 
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdfArundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
 
livro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdf
livro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdflivro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdf
livro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdf
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
 
Unificação da Itália e a formação da Alemanha
Unificação da Itália e a formação da AlemanhaUnificação da Itália e a formação da Alemanha
Unificação da Itália e a formação da Alemanha
 
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdfiNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
 
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manualUFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
 
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
 

Astronomia.pptx

  • 2. Os estudos sobre a Cosmologia iniciaram na antiguidade com uma ligação entre símbolos rupestres e interpretação religiosa. Os primeiros homens que viviam em cavernas já tentavam dar sentido aos astros como Sol e Lua uma origem que coincidia com a religião. Os egípcios acreditava que a Terra era plana e os gregos entendiam que cada corpo celeste tinha um movimento regido por leis naturais. A palavra grega cosmogonia é dividida pelos radicais cosmos (universo) e gonia (criação, palavra da qual se origina a gênese). A mitologia grega, assim como outras mitologias, como a egípcia, a nórdica, a africana e a hebraica, apresentam narrativas fantasiosas que atribuem a criação do Universo a seres sobrenaturais. Cosmologia
  • 3. O modelo cosmológico de Platão consistia em uma esfera, onde o centro era a Terra, que também apresentava o formato esférico. Em sua volta giravam os planetas, o Sol e a Lua, em um movimento circular. Cosmologia
  • 4. O problema do movimento retrogrado. Cosmologia
  • 5. No modelo geocêntrico de Ptolomeu (90 d.c. - 168 d.c.), o movimento retrógrado é explicado com o sistema de epiciclos. Abaixo temos uma versão simplificada do movimento retrógrado devido à composição de movimentos com epiciclos.. Cosmologia
  • 6. Aristarco de Samos (310 a.C. — 230 a.C.) foi o primeiro filosofo a propor um modelo heliocêntrico, como Sol muito maior que a Terra e o Sol estando muita mais distante da Terra do que a Lua. Cosmologia
  • 7. A princípio a reação ao heliocentrismo não foi muito violenta, até porque o trabalho de Copérnico, De Revolutionibus, continha um prefácio, anónimo... e muito subtil, que apresentava o modelo como uma mera hipótese, entre muitas outras, e que permitia aos matemáticos efetuarem os cálculos de Copérnico, mas sem a “obrigação” de admitir a sua cosmologia. Um dos mais corrosivos e acérrimos defensores do heliocentrismo é Giordano Bruno, que faz um notável trabalho de “propaganda” do novo sistema de Copérnico. Giordano divulga mesmo a ideia de que se a Terra é um planeta como os outros, a divisão do Universo em cosmos e mundo sublunar deixara de fazer qualquer sentido. Proclama, por isso, a união entre o Céu e a Terra, a identificação entre o Sol e as outras estrelas, e a pluralidade de “mundos” semelhantes à nossa Terra. Cosmologia
  • 10. Johannes Kepler (1571-1630) foi um astrônomo, astrólogo e matemático alemão. Considerado figura chave da revolução científica do século XVII, é todavia célebre por ter formulado as três leis fundamentais da mecânica celeste, denominadas Leis de Kepler, tendo estas sido codificadas por astrônomos posteriores com base nas suas obras Astronomia Nova, Harmonices Mundi e Epítome da Astronomia de Copérnico. Essas obras também forneceram uma das bases para a teoria da gravitação universal de Isaac Newton. Durante sua carreira, Kepler foi professor de matemática em uma escola seminarista em Graz, Áustria, um assistente do astrônomo Tycho Brahe. Kepler viveu numa época em que não havia nenhuma distinção clara entre astronomia e astrologia, mas havia uma forte divisão entre a astronomia (um ramo da matemática dentro das artes liberais) e a física (um ramo da filosofia natural). Cosmologia
  • 11. Galileo di Vincenzo Bonaulti de Galilei, mais conhecido como Galileu Galilei (Pisa, 15 de fevereiro de 1564 — Florença, 8 de janeiro de 1642), foi um astrônomo, físico e engenheiro florentino, às vezes descrito como polímata. Com frequência é referenciado como "pai da astronomia observacional", "pai da física moderna", "pai do método científico" e "pai da ciência moderna". Primeiro a usar o telescópio refrator (luneta) para observações astronômicas, em 1609. Em 1610 publicou suas observações astronômicas telescópicas iniciais em um breve tratado intitulado Sidereus Nuncius (Mensageiro Estrelado). Galileu Galiei
  • 12. Supernovas Tycho e outros observaram uma supernova de 1572. A carta de Ottavio Brenzoni, de 15 de janeiro de 1605, a Galileu trouxe a supernova de 1572 e a nova menos brilhante de 1601 ao conhecimento de Galileu. Galileu observou e discutiu a supernova de Kepler em 1604. Como essas novas estrelas não exibiam paralaxe diurna detectável, Galileu concluiu que eram estrelas distantes e, portanto, refutou a crença aristotélica na imutabilidade dos céus. Galileu Galiei
  • 13. As luas de Júpiter Em 1610, Galileu observou com seu telescópio o que ele descreveu na época como “quatro estrelas fixas, totalmente invisíveis por sua pequenez", todas próximas a Júpiter e em uma linha reta através dele. Observações nas noites subsequentes mostraram que as posições dessas "estrelas" em relação a Júpiter estavam mudando de uma maneira que seria inexplicável se fossem realmente estrelas fixas Dentro de alguns dias, ele concluiu que elas estavam orbitando Júpiter: ele havia descoberto as quatro maiores luas de Júpiter. Mais tarde, os astrônomos os renomearam como satélites galileus em homenagem a seu descobridor. Esses satélites foram descobertos independentemente por Simon Marius em 1610 e agora são chamados Io, Europa, Ganymedes e Calisto, os nomes dados por Marius em sua obra Mundus Iovialis publicada em 1614. Galileu Galiei
  • 14. Vênus Em 1610, Galileu observou que Vênus exibia um conjunto completo de fases semelhantes às da Lua. O modelo heliocêntrico do Sistema Solar desenvolvido por Nicolaus Copernicus previa que todas as fases seriam visíveis, uma vez que a órbita de Vênus ao redor do Sol faria com que seu hemisfério iluminado ficasse de frente para a Terra quando estava no lado oposto do Sol e se afastasse da Terra quando estava no lado terrestre do Sol. Por outro lado, no modelo geocêntrico de Ptolomeu, era impossível para qualquer das órbitas dos planetas cruzar a concha esférica que carregava o Sol. Tradicionalmente, a órbita de Vênus era colocada inteiramente no lado mais próximo do Sol, onde só podia exibir fases crescentes e novas. Galileu Galiei
  • 15. Anéis em Saturno Netuno (não percebeu) Manchas solares Montanhas na Lua Via Láctea e estrelas Galileu Galiei
  • 16. A lei da gravitação universal afirma que, se dois corpos possuem massa, ambos estão submetidos a uma força de atração mútua proporcional às suas massas e inversamente proporcional ao quadrado da distância que separa seus centros de gravidade. Essa lei foi formulada pelo físico inglês Isaac Newton em sua obra Philosophiae Naturalis Principia Mathematica, publicada em 1687, que descreve a lei da gravitação universal e as Leis de Newton as três leis dos corpos em movimento que assentaram-se como fundamento da mecânica clássica. Isaac Newton
  • 18. Isaac Newton • https://phet.colorado.edu/sims/html/gravity- and-orbits/latest/gravity-and- orbits_pt_BR.html • https://phet.colorado.edu/sims/html/gravity- force-lab-basics/latest/gravity-force-lab- basics_pt_BR.html • https://www.vascak.cz/data/android/physicsa tschool/template.php?s=gp_kosmicke_rychlos ti&l=pt