SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 7
Baixar para ler offline
2011/2012
TEMA: INTERACÇÕES SERES VIVOS – AMBIENTE
Estrutura e funcionamento dos ecossistemas
• Espécie: conjunto de indivíduos com as mesmas características que se podem reproduzir entre si,
originando descendentes férteis.
• População: conjunto de todos os seres vivos da mesma espécie que habitam determinada área,
num determinado momento.
• Comunidade Biótica ou Biocenose: conjunto de todas as populações que habitam determinada
área, num determinado momento.
• Biótopo: conjunto de factores abióticos onde vive uma comunidade.
• Habitat: local onde pode viver uma espécie.
Ecossistema: conjunto formado pela comunidade biótica (biocenose) e pelo ambiente (biótopo),
englobando as relações que se estabelecem entre eles.
Biodiversidade – é a enorme quantidade e variabilidade de espécies existentes no nosso planeta.
A Terra no seu todo pode ser entendida como um grande sistema, subdividido em vários
subsistemas:
• Biosfera - constitui o conjunto dos seres vivos que povoam o planeta.
• Hidrosfera - é constituída pelos reservatórios de água que existem na Terra.
• Geosfera ou Litosfera – é a parte sólida do planeta.
• Atmosfera - é formada pela camada gasosa que envolve a Terra, estabelecendo intercâmbio de
matéria e energia com os restantes subsistemas.
Qual é a influência dos factores abióticos nos seres vivos?
• Influenciam a distribuição e a quantidade dos organismos num ecossistema e actuam em interacção
uns com os outros. Quando um factor é impeditivo ao desenvolvimento de uma espécie considera-
se factor limitante.
1 Prof. Helena Casanova CN
Resumo Ciências Naturais – 8o Ano
201 112012
Ecossistema
Resumo Ciências Naturais – 8o Ano
2011/2012
1. Factor abiótico Luz
Plantas Animais
Fotoperíodo Influencia o crescimento e desenvolvimento
das plantas; é a fonte de energia utilizada pelas plantas para produzir o seu próprio alimento –
Fotossíntese; as plantas possuem folhas grandes, com grande superfície de exposição, logo, maior
adaptação à captação de luz;
2 Prof. Helena Casanova CN
os comportamentos dos animais variam com o fotoperíodo e, desta forma podem apresentar-se: - diurnos
(activos apenas durante o dia) - nocturnos (activos apenas à noite) Existem outros tipos de resposta ao
fotoperíodo como a: - migração, o caso da andorinha-do-mar que se encontra no ártico durante o verão e
passa o inverno na antártica, época com luz 24h por dia; - estivação, uma resposta semelhante à
hibernação, o caso do jacaré, que durante o verão baixa o seu metabolismo, permanecendo em estado de
dormência; - hibernação – o fotoperíodo indica o momento de acumular reservas; Os ciclos de reprodução
variam (as trutas desovam em Novembro, altura do ano em que os dias são mais curtos e as noites mais
longas); as épocas de acasalamento ou de nascimento são sazonais; A Luz influencia igualmente a
produção de melanina (pigmento da epiderme que escurece a pele. Influência a mudança de cor de
pelagem dos mamíferos e da penugem das aves. No mar a quantidade de luz diminui com o aumento de
profundidade até se atingir a escuridão total (fundos marinhos)
Fototropismo Há plantas que efectuam “movimentos” em direcção a uma fonte de luz e outros em sentido
contrário Nos Ecossistemas florestais, a captação de luz determina nas plantas uma distribuição por
estratos;
- Lucífulos - Há seres vivos atraídos pela luz (borboleta)- fototaxia positiva; - Lucífugos – não suportam a luz
(bicho de conta)- fototaxia negativa;
-estrato arbóreo
-estrato arbustivo
-estrato herbáceo
Inverno -menos luz -animais produzem menos melanina -cor mais clara
Verão -mais luz -animais produzem mais melanina -cor mais escura
2. Temperatura
Na biosfera podemos observar variações de temperatura desde -50oc nas regiões polares até 80oc nas
nascentes termais nos Açores; Cada ser vivo possui adaptações próprias para resistir às variações
específicas do seu habitat; No ambiente terrestre os seres vivos são sujeitos a regimes de temperaturas
variáveis. Tendo por critério a fonte de calor que determina a temperatura corporal os animais podem ser
classificados em:
Diminui a quantidade de luz
201 112012
2011/2012
Animais de temperatura variável; refugiam-se do calor ou do frio excessivos para sobreviver; Dependem de
uma fonte de calor externa (normalmente a radiação solar) para manter a sua temperatura corporal abaixo
da temperatura ambiental;
3 Prof. Helena Casanova CN
Estado de dormência em que o animal reduz ao mínimo a sua actividade, durante a estação fria. (ex:
esquilo, morcego, ourico-cacheiro, anfíbio, répteis dos climas frios);
estivação
Estado de dormência em que o animal reduz ao mínimo a sua actividade em períodos quentes e
Animais
secos (ex.: caraccois, jacarés...)
poiquilotérmicos
migração
Movimento sazonal regular dos animais de um local para o outro procurando conseguir, assim, maior
abundância de alimento que garante a sua sobrevivência e o êxito da reprodução;
Animais Homeotérmicos
- regulam a sua temperatura corporal através da produção de calor metabólico ou por mecanismos que
permitem a retenção ou perda de calor; - aves e mamíferos possuem adaptações que lhes permitem
manter a sua temperatura corporal, independentemente da variação da temperatura ambiental; - Reduzem
as perdas de calor corporal para o ambiente; aumentam o revestimento de pêlos ou penas; alguns reduzem
a superfície corporal (ex: orelhas e focinhos curtos).
A influência da temperatura nas plantas
Folha As persistente
folhas duram mais do que 1 ano, têm geralmente a forma cónica para que a neve possa escorregar sem
partir os ramos (as árvores e os arbustos existe em regiões em que neva)
Folha caduca
(árvores e arbustos) as folhas caem nas estações mais frias; estas espécies mantêm-se em estado de vida
latente durante o inverno e, quando a temperatura sobe desabrocham em folhas e flores; Há plantas que
resistem às baixas temperaturas ficando reduzidas aos órgãos subterrâneos rizomas, tubérculos ou bolbos
– ou a sementes; Nas zonas quentes não há grandes diversidades de plantas (catos com folhas sob a
forma de picos)
Relativamente à tolerância à temperatura, os seres vivos classificam-se de:
• Espécies estenotérmicas - espécies que sobrevivem entre estreitos limites de temperatura.
• Espécies euritérmicas – espécies que sobrevivem a grandes variações de temperatura.
hibernação
Resumo Ciências Naturais – 8o Ano
I 201 H2012
Min.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

cn_8_factores_abioticos.pdf
cn_8_factores_abioticos.pdfcn_8_factores_abioticos.pdf
cn_8_factores_abioticos.pdfSónia Cardador
 
Factores Abióticos - Luz
Factores Abióticos - LuzFactores Abióticos - Luz
Factores Abióticos - LuzCatir
 
Factores abióticos
Factores abióticosFactores abióticos
Factores abióticosTânia Reis
 
Factores AbióTicos
Factores AbióTicosFactores AbióTicos
Factores AbióTicoscatiacsantos
 
Dinâmica dos ecossistemas factores abióticos parte1-cn8ano
Dinâmica dos ecossistemas   factores abióticos parte1-cn8anoDinâmica dos ecossistemas   factores abióticos parte1-cn8ano
Dinâmica dos ecossistemas factores abióticos parte1-cn8anoLeonardo Alves
 
Estrutura Ecossistema
Estrutura EcossistemaEstrutura Ecossistema
Estrutura Ecossistemamarco :)
 
Factores Abióticos
Factores AbióticosFactores Abióticos
Factores AbióticosSérgio Luiz
 
04.fatores abióticos
04.fatores abióticos04.fatores abióticos
04.fatores abióticosruiricardobg
 
A influência da temperatura nos seres vivos (2) (v)
A influência da temperatura nos seres vivos (2) (v)A influência da temperatura nos seres vivos (2) (v)
A influência da temperatura nos seres vivos (2) (v)sepb
 
Influência dos Factores Abióticos
Influência dos Factores AbióticosInfluência dos Factores Abióticos
Influência dos Factores AbióticosClara Abegão
 
Interacções seres vivos-ambientes
Interacções seres vivos-ambientes Interacções seres vivos-ambientes
Interacções seres vivos-ambientes Sara Catarina
 
1193145948 luz
1193145948 luz1193145948 luz
1193145948 luzPelo Siro
 
Influencia do fotoperiodo nos animais e plantas
Influencia do fotoperiodo nos animais e plantasInfluencia do fotoperiodo nos animais e plantas
Influencia do fotoperiodo nos animais e plantasJoseOliveiraPT
 
Factores Abióticos Temperatura
Factores Abióticos TemperaturaFactores Abióticos Temperatura
Factores Abióticos TemperaturaTeresa Monteiro
 

Mais procurados (20)

Relacoes abioticas
Relacoes abioticasRelacoes abioticas
Relacoes abioticas
 
cn_8_factores_abioticos.pdf
cn_8_factores_abioticos.pdfcn_8_factores_abioticos.pdf
cn_8_factores_abioticos.pdf
 
Factores Abióticos - Luz
Factores Abióticos - LuzFactores Abióticos - Luz
Factores Abióticos - Luz
 
Factores abióticos
Factores abióticosFactores abióticos
Factores abióticos
 
Fatores abioticos
Fatores abioticosFatores abioticos
Fatores abioticos
 
Factores AbióTicos Luz
Factores AbióTicos LuzFactores AbióTicos Luz
Factores AbióTicos Luz
 
Resumos 8 ano
Resumos 8 anoResumos 8 ano
Resumos 8 ano
 
Factores AbióTicos
Factores AbióTicosFactores AbióTicos
Factores AbióTicos
 
Dinâmica dos ecossistemas factores abióticos parte1-cn8ano
Dinâmica dos ecossistemas   factores abióticos parte1-cn8anoDinâmica dos ecossistemas   factores abióticos parte1-cn8ano
Dinâmica dos ecossistemas factores abióticos parte1-cn8ano
 
Estrutura Ecossistema
Estrutura EcossistemaEstrutura Ecossistema
Estrutura Ecossistema
 
Factores Abióticos
Factores AbióticosFactores Abióticos
Factores Abióticos
 
Fatores abióticos
Fatores abióticosFatores abióticos
Fatores abióticos
 
Fatores abióticos
Fatores abióticosFatores abióticos
Fatores abióticos
 
04.fatores abióticos
04.fatores abióticos04.fatores abióticos
04.fatores abióticos
 
A influência da temperatura nos seres vivos (2) (v)
A influência da temperatura nos seres vivos (2) (v)A influência da temperatura nos seres vivos (2) (v)
A influência da temperatura nos seres vivos (2) (v)
 
Influência dos Factores Abióticos
Influência dos Factores AbióticosInfluência dos Factores Abióticos
Influência dos Factores Abióticos
 
Interacções seres vivos-ambientes
Interacções seres vivos-ambientes Interacções seres vivos-ambientes
Interacções seres vivos-ambientes
 
1193145948 luz
1193145948 luz1193145948 luz
1193145948 luz
 
Influencia do fotoperiodo nos animais e plantas
Influencia do fotoperiodo nos animais e plantasInfluencia do fotoperiodo nos animais e plantas
Influencia do fotoperiodo nos animais e plantas
 
Factores Abióticos Temperatura
Factores Abióticos TemperaturaFactores Abióticos Temperatura
Factores Abióticos Temperatura
 

Semelhante a Resumo ecossistemas fatores bioticos abio

Resumos - power point - Interacao entre os seres vivos.pptx
Resumos - power point  - Interacao entre os seres vivos.pptxResumos - power point  - Interacao entre os seres vivos.pptx
Resumos - power point - Interacao entre os seres vivos.pptxCarlaSilva639671
 
Biosfera e factores abióticos
Biosfera e factores abióticosBiosfera e factores abióticos
Biosfera e factores abióticosCristina Vitória
 
Apostila ecologia-pronta.194.239
Apostila ecologia-pronta.194.239Apostila ecologia-pronta.194.239
Apostila ecologia-pronta.194.239Rigo Rodrigues
 
8º ano PPT 3 Interações seres vivos - ambiente Fatores abióticos.pptx
8º ano PPT 3 Interações seres vivos - ambiente Fatores abióticos.pptx8º ano PPT 3 Interações seres vivos - ambiente Fatores abióticos.pptx
8º ano PPT 3 Interações seres vivos - ambiente Fatores abióticos.pptxIsabel Guedes
 
Dinâmica dos ecossistemas
Dinâmica dos ecossistemasDinâmica dos ecossistemas
Dinâmica dos ecossistemasLeonardo Alves
 
Dinâmica dos ecossistemas factores abióticos parte2-cn8ano
Dinâmica dos ecossistemas   factores abióticos parte2-cn8anoDinâmica dos ecossistemas   factores abióticos parte2-cn8ano
Dinâmica dos ecossistemas factores abióticos parte2-cn8anoJean Dos Santos Souza
 
Fatores abioticos teoria
Fatores abioticos teoriaFatores abioticos teoria
Fatores abioticos teoriaJoão Rodrigues
 
7 ano relações ecológicas seres vivos e o sol
7 ano relações ecológicas seres vivos e o sol7 ano relações ecológicas seres vivos e o sol
7 ano relações ecológicas seres vivos e o solcrisbassanimedeiros
 
Ficha factores-abioticos
Ficha factores-abioticosFicha factores-abioticos
Ficha factores-abioticosMINEDU
 
Factores abioticos
Factores abioticosFactores abioticos
Factores abioticosRita Pereira
 
Ficha factores-abioticos
Ficha factores-abioticosFicha factores-abioticos
Ficha factores-abioticosJoana Faria
 
391929950-7-fatores-abioticos.pptx
391929950-7-fatores-abioticos.pptx391929950-7-fatores-abioticos.pptx
391929950-7-fatores-abioticos.pptxmariagrave
 
06 ecossistemas e fatores abioticos
06 ecossistemas e fatores abioticos06 ecossistemas e fatores abioticos
06 ecossistemas e fatores abioticosruiricardobg
 
1.1 interacções seres vivos factores abióticos
1.1   interacções seres vivos factores abióticos1.1   interacções seres vivos factores abióticos
1.1 interacções seres vivos factores abióticosMINEDU
 

Semelhante a Resumo ecossistemas fatores bioticos abio (20)

ecossistemas2.ppt
ecossistemas2.pptecossistemas2.ppt
ecossistemas2.ppt
 
Resumos - power point - Interacao entre os seres vivos.pptx
Resumos - power point  - Interacao entre os seres vivos.pptxResumos - power point  - Interacao entre os seres vivos.pptx
Resumos - power point - Interacao entre os seres vivos.pptx
 
Ecologia - conceitos básicos
Ecologia - conceitos básicosEcologia - conceitos básicos
Ecologia - conceitos básicos
 
Biosfera e factores abióticos
Biosfera e factores abióticosBiosfera e factores abióticos
Biosfera e factores abióticos
 
Apostila ecologia-pronta.194.239
Apostila ecologia-pronta.194.239Apostila ecologia-pronta.194.239
Apostila ecologia-pronta.194.239
 
8º ano PPT 3 Interações seres vivos - ambiente Fatores abióticos.pptx
8º ano PPT 3 Interações seres vivos - ambiente Fatores abióticos.pptx8º ano PPT 3 Interações seres vivos - ambiente Fatores abióticos.pptx
8º ano PPT 3 Interações seres vivos - ambiente Fatores abióticos.pptx
 
Dinâmica dos ecossistemas
Dinâmica dos ecossistemasDinâmica dos ecossistemas
Dinâmica dos ecossistemas
 
Factores abióticos
Factores abióticosFactores abióticos
Factores abióticos
 
Dinâmica dos ecossistemas factores abióticos parte2-cn8ano
Dinâmica dos ecossistemas   factores abióticos parte2-cn8anoDinâmica dos ecossistemas   factores abióticos parte2-cn8ano
Dinâmica dos ecossistemas factores abióticos parte2-cn8ano
 
Fatores_abioticos.pptx
Fatores_abioticos.pptxFatores_abioticos.pptx
Fatores_abioticos.pptx
 
Ecologiaintroducao
EcologiaintroducaoEcologiaintroducao
Ecologiaintroducao
 
Fatores abioticos teoria
Fatores abioticos teoriaFatores abioticos teoria
Fatores abioticos teoria
 
7 ano relações ecológicas seres vivos e o sol
7 ano relações ecológicas seres vivos e o sol7 ano relações ecológicas seres vivos e o sol
7 ano relações ecológicas seres vivos e o sol
 
Ficha factores-abioticos
Ficha factores-abioticosFicha factores-abioticos
Ficha factores-abioticos
 
Factores abioticos
Factores abioticosFactores abioticos
Factores abioticos
 
Ficha factores-abioticos
Ficha factores-abioticosFicha factores-abioticos
Ficha factores-abioticos
 
391929950-7-fatores-abioticos.pptx
391929950-7-fatores-abioticos.pptx391929950-7-fatores-abioticos.pptx
391929950-7-fatores-abioticos.pptx
 
Ecossistemas
EcossistemasEcossistemas
Ecossistemas
 
06 ecossistemas e fatores abioticos
06 ecossistemas e fatores abioticos06 ecossistemas e fatores abioticos
06 ecossistemas e fatores abioticos
 
1.1 interacções seres vivos factores abióticos
1.1   interacções seres vivos factores abióticos1.1   interacções seres vivos factores abióticos
1.1 interacções seres vivos factores abióticos
 

Último

Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoIlda Bicacro
 
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAHISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAElianeAlves383563
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfcarloseduardogonalve36
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosFernanda Ledesma
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.HandersonFabio
 
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdfHistoria-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdfandreaLisboa7
 
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfssuser06ee57
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptxlucioalmeida2702
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfPastor Robson Colaço
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisIlda Bicacro
 
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio ead.pptx
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio  ead.pptxCONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio  ead.pptx
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio ead.pptxLuana240603
 
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfMarcianaClaudioClaud
 
Geometria para 6 ano retas angulos .docx
Geometria para 6 ano retas angulos .docxGeometria para 6 ano retas angulos .docx
Geometria para 6 ano retas angulos .docxlucivaniaholanda
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaHenrique Santos
 
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaO que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaCludiaRodrigues693635
 
Abuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescenteAbuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescenteIpdaWellington
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....LuizHenriquedeAlmeid6
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalcarlamgalves5
 

Último (20)

Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
 
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAHISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativos
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
 
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdfHistoria-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
 
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
 
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio ead.pptx
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio  ead.pptxCONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio  ead.pptx
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio ead.pptx
 
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
 
Geometria para 6 ano retas angulos .docx
Geometria para 6 ano retas angulos .docxGeometria para 6 ano retas angulos .docx
Geometria para 6 ano retas angulos .docx
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaO que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
 
Abuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescenteAbuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescente
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animal
 

Resumo ecossistemas fatores bioticos abio

  • 1.
  • 2. 2011/2012 TEMA: INTERACÇÕES SERES VIVOS – AMBIENTE Estrutura e funcionamento dos ecossistemas • Espécie: conjunto de indivíduos com as mesmas características que se podem reproduzir entre si, originando descendentes férteis. • População: conjunto de todos os seres vivos da mesma espécie que habitam determinada área, num determinado momento. • Comunidade Biótica ou Biocenose: conjunto de todas as populações que habitam determinada área, num determinado momento. • Biótopo: conjunto de factores abióticos onde vive uma comunidade. • Habitat: local onde pode viver uma espécie. Ecossistema: conjunto formado pela comunidade biótica (biocenose) e pelo ambiente (biótopo), englobando as relações que se estabelecem entre eles. Biodiversidade – é a enorme quantidade e variabilidade de espécies existentes no nosso planeta. A Terra no seu todo pode ser entendida como um grande sistema, subdividido em vários subsistemas: • Biosfera - constitui o conjunto dos seres vivos que povoam o planeta. • Hidrosfera - é constituída pelos reservatórios de água que existem na Terra. • Geosfera ou Litosfera – é a parte sólida do planeta. • Atmosfera - é formada pela camada gasosa que envolve a Terra, estabelecendo intercâmbio de matéria e energia com os restantes subsistemas. Qual é a influência dos factores abióticos nos seres vivos? • Influenciam a distribuição e a quantidade dos organismos num ecossistema e actuam em interacção uns com os outros. Quando um factor é impeditivo ao desenvolvimento de uma espécie considera- se factor limitante. 1 Prof. Helena Casanova CN Resumo Ciências Naturais – 8o Ano 201 112012 Ecossistema
  • 3.
  • 4. Resumo Ciências Naturais – 8o Ano 2011/2012 1. Factor abiótico Luz Plantas Animais Fotoperíodo Influencia o crescimento e desenvolvimento das plantas; é a fonte de energia utilizada pelas plantas para produzir o seu próprio alimento – Fotossíntese; as plantas possuem folhas grandes, com grande superfície de exposição, logo, maior adaptação à captação de luz; 2 Prof. Helena Casanova CN os comportamentos dos animais variam com o fotoperíodo e, desta forma podem apresentar-se: - diurnos (activos apenas durante o dia) - nocturnos (activos apenas à noite) Existem outros tipos de resposta ao fotoperíodo como a: - migração, o caso da andorinha-do-mar que se encontra no ártico durante o verão e passa o inverno na antártica, época com luz 24h por dia; - estivação, uma resposta semelhante à hibernação, o caso do jacaré, que durante o verão baixa o seu metabolismo, permanecendo em estado de dormência; - hibernação – o fotoperíodo indica o momento de acumular reservas; Os ciclos de reprodução variam (as trutas desovam em Novembro, altura do ano em que os dias são mais curtos e as noites mais longas); as épocas de acasalamento ou de nascimento são sazonais; A Luz influencia igualmente a produção de melanina (pigmento da epiderme que escurece a pele. Influência a mudança de cor de pelagem dos mamíferos e da penugem das aves. No mar a quantidade de luz diminui com o aumento de profundidade até se atingir a escuridão total (fundos marinhos) Fototropismo Há plantas que efectuam “movimentos” em direcção a uma fonte de luz e outros em sentido contrário Nos Ecossistemas florestais, a captação de luz determina nas plantas uma distribuição por estratos; - Lucífulos - Há seres vivos atraídos pela luz (borboleta)- fototaxia positiva; - Lucífugos – não suportam a luz (bicho de conta)- fototaxia negativa; -estrato arbóreo -estrato arbustivo -estrato herbáceo Inverno -menos luz -animais produzem menos melanina -cor mais clara Verão -mais luz -animais produzem mais melanina -cor mais escura 2. Temperatura Na biosfera podemos observar variações de temperatura desde -50oc nas regiões polares até 80oc nas nascentes termais nos Açores; Cada ser vivo possui adaptações próprias para resistir às variações específicas do seu habitat; No ambiente terrestre os seres vivos são sujeitos a regimes de temperaturas variáveis. Tendo por critério a fonte de calor que determina a temperatura corporal os animais podem ser classificados em: Diminui a quantidade de luz 201 112012
  • 5.
  • 6.
  • 7. 2011/2012 Animais de temperatura variável; refugiam-se do calor ou do frio excessivos para sobreviver; Dependem de uma fonte de calor externa (normalmente a radiação solar) para manter a sua temperatura corporal abaixo da temperatura ambiental; 3 Prof. Helena Casanova CN Estado de dormência em que o animal reduz ao mínimo a sua actividade, durante a estação fria. (ex: esquilo, morcego, ourico-cacheiro, anfíbio, répteis dos climas frios); estivação Estado de dormência em que o animal reduz ao mínimo a sua actividade em períodos quentes e Animais secos (ex.: caraccois, jacarés...) poiquilotérmicos migração Movimento sazonal regular dos animais de um local para o outro procurando conseguir, assim, maior abundância de alimento que garante a sua sobrevivência e o êxito da reprodução; Animais Homeotérmicos - regulam a sua temperatura corporal através da produção de calor metabólico ou por mecanismos que permitem a retenção ou perda de calor; - aves e mamíferos possuem adaptações que lhes permitem manter a sua temperatura corporal, independentemente da variação da temperatura ambiental; - Reduzem as perdas de calor corporal para o ambiente; aumentam o revestimento de pêlos ou penas; alguns reduzem a superfície corporal (ex: orelhas e focinhos curtos). A influência da temperatura nas plantas Folha As persistente folhas duram mais do que 1 ano, têm geralmente a forma cónica para que a neve possa escorregar sem partir os ramos (as árvores e os arbustos existe em regiões em que neva) Folha caduca (árvores e arbustos) as folhas caem nas estações mais frias; estas espécies mantêm-se em estado de vida latente durante o inverno e, quando a temperatura sobe desabrocham em folhas e flores; Há plantas que resistem às baixas temperaturas ficando reduzidas aos órgãos subterrâneos rizomas, tubérculos ou bolbos – ou a sementes; Nas zonas quentes não há grandes diversidades de plantas (catos com folhas sob a forma de picos) Relativamente à tolerância à temperatura, os seres vivos classificam-se de: • Espécies estenotérmicas - espécies que sobrevivem entre estreitos limites de temperatura. • Espécies euritérmicas – espécies que sobrevivem a grandes variações de temperatura. hibernação Resumo Ciências Naturais – 8o Ano I 201 H2012 Min.