SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 17
Baixar para ler offline
Ser Voluntário
As diferenças: Infelizmente não consegui fazer o trabalho com o titulo As Diferenças ,pois tinha planeado uma apresentação que não foi possível fazer pois demorava algum tempo…* Então pensei num trabalho mais rápido  mais fácil de fazer. Cheguei á conclusão que iria tentar fazer o trabalho com o tema O Voluntário. Formação cívica
O voluntariado é o conjunto de acções de interesse social e comunitário em que toda a actividade desempenhada reverte a favor do serviço e do trabalho. É feito sem recebimento de qualquer remuneração ou lucro. É uma profissão de prestígio pois o voluntário ajuda quem precisa contribuindo para um mundo mais justo e mais solidário.   É graças a esse tipo de trabalho que muitas acções da sociedade organizada têm suprido o fraco investimento ou a falta de investimento governamental em educação, saúde, lazer etc. Ser Voluntário é…
Estatuto do voluntário O estatuto do voluntário é uma síntese de princípios, direitos e deveres devidamente inscritos nos diplomas legais que regem a sua actividade e disponíveis nesta página (Lei n.º 71/98, de 3 de Novembro e Decreto-Lei n.º 389/99, de 30 de Setembro).
Quais os princípios do voluntariado? A Lei n.º 71/98 de 3 de Novembro afirma que "O Estado reconhece o valor social do voluntariado como expressão do exercício livre de uma cidadania activa e solidária e promove e garante a sua autonomia e pluralismo." (Cf. Artigo 5.º). O Artigo 6.º da Lei a.m. refere como "Princípios enquadradores do voluntariado" os seguintes (síntese): Solidariedade Responsabilidade de todos os cidadãos na realização dos fins do voluntariado. Participação Intervenção de voluntários e de entidades promotoras em áreas de interesse social. Cooperação Concertação de esforços e de projectos de entidades promotoras de voluntariado.
Gratuitidade O Voluntário não é remunerado pelo exercício do seu voluntariado. Responsabilidade O Voluntário é responsável pelo exercício da actividade que se comprometeu realizar, dadas as expectativas criadas aos destinatários desse trabalho voluntário. Convergência Harmonização da actuação do voluntário com a cultura e objectivos da entidade promotora. Complementaridade O Voluntário não deve substituir os recursos humanos das entidades promotoras.
Quais os direitos do voluntário? Nos termos dos diplomas legais supra referidos, e em particular no âmbito da Lei de Bases do enquadramento jurídico do voluntariado (a Lei n.º 71/98 de 3 de Novembro), são enumerados claramente os direitos e os deveres associados à figura do Voluntário, a saber:A. Ter acesso a programas de formação inicial e contínua, tendo em vista o aperfeiçoamento do seu trabalho voluntário;B. Dispor de um cartão de identificação de Voluntário; C. Enquadrar-se no regime do seguro social voluntário, caso não esteja abrangido por um regime obrigatório de segurança social; D. Exercer o trabalho voluntário em condições de higiene e segurança; E. Faltar justificadamente, se empregado, quando convocado pela entidade promotora, em caso de missões urgentes, situações de emergência, calamidade pública ou equiparadas; F. Receber as indemnizações, subsídios e pensões, bem como outras regalias previstas na lei, em caso de acidente ou doença contraída no exercício do trabalho voluntário;
G. Estabelecer com a entidade promotora um programa de voluntariado que regule as suas relações mútuas e o conteúdo, natureza e duração do trabalho voluntário que vai realizar; H. Ser ouvido na preparação das decisões da entidade promotora que afectem o desenvolvimento do seu trabalho voluntário; I. Beneficiar de um regime especial de utilização de transportes públicos; J. Ser reembolsado das importâncias despendidas no exercício de uma actividade programada pela entidade promotora, desde que inadiáveis e devidamente justificadas, dentro dos limites estabelecidos; K. As faltas justificadas previstas na alínea E) contam como tempo de serviço efectivo e não podem implicar perda de direitos e regalias; L. A qualidade de Voluntário é compatível com a de associado, de membro dos corpos sociais e de beneficiário da entidade promotora onde exerce voluntariado.
Quais os deveres dos voluntários? A. Respeitar os princípios deontológicos por que se rege a actividade que realiza; B. Observar as normas que regulam o funcionamento da entidade promotora e dos respectivos programas ou projectos; C. Actuar de forma diligente, isenta e solidária; D. Participar nos programas de formação destinados aos voluntários; E. Zelar pela boa utilização dos recursos e dos bens, equipamentos e utensílios postos ao seu dispor; F. Colaborar com os profissionais da entidade promotora, respeitando as suas opções e seguindo as suas orientações técnicas;
G. Não assumir o papel de representante da entidade promotora sem o conhecimento e prévia autorização desta;  H. Garantir a regularidade do exercício do trabalho voluntário de acordo com o programa acordado com a entidade promotora; I. Utilizar devidamente a identificação como Voluntário no exercício da sua actividade de voluntariado.
Ano Europeu do Voluntariado 2011A UE designou 2011 como "Ano Europeu do Voluntariado".       Na União Europeia, quase 100 milhões de cidadãos de todas as idades vão investir o seu tempo, talento e dinheiro para fazer uma contribuição positiva para a sua comunidade através do voluntariado nas organizações da sociedade civil, clubes de jovens, hospitais, escolas, clubes desportivos, etc. Para a Comissão , o voluntariado é uma expressão da participação cívica activa que reforça os valores europeus comuns como a solidariedade e a coesão social. Voluntariado também oferece importantes oportunidades de aprendizagem, pois o envolvimento em actividades de voluntariado pode proporcionar às pessoas novas habilidades e competências que podem até mesmo melhorar a sua empregabilidade. Isto é especialmente importante neste momento de crise económica. O voluntariado desempenha um papel importante em sectores tão variados e diversos como a educação, juventude, cultura, desporto, meio ambiente, saúde, assistência social, defesa do consumidor, ajuda humanitária, a política de desenvolvimento, a investigação, a igualdade de oportunidades e relações externas.
Objectivos  O Conselho da União Europeia instituiu o ano de 2011 como o Ano Europeu das Actividades de Voluntariado Que Promovam Uma Cidadania Activa, abreviadamente Ano Europeu do Voluntariado (AEV 2011).   O Ano Europeu do Voluntariado 2011, sob o lema «Sê voluntário! Faz a diferença!», tem quatro objectivos principais: reduzir os obstáculos ao voluntariado na UE dar meios às organizações de voluntários e melhorar a qualidade do voluntariado recompensar e reconhecer o trabalho voluntário sensibilizar as pessoas para o valor e a importância do voluntariado http://www.youtube.com/watch?v=MdjZeWjneJs
     Actualmente existem diversas organizações que se utilizam do trabalho voluntário de milhares de pessoas, não só no Brasil como em todo o mundo. Bons exemplos de organizações internacionais são: a Cruz Vermelha"e o Serviço Voluntário Internacional do Brasil que tem ramificações em vários países.  Algumas organizações portuguesas: Abraço AMI Os nós e os laços … Organizações Mundiais
Abraço Voluntariado em Portugal A  Abraço é uma Instituição Particular de Solidariedade Social. Organização não governamental sem fins lucrativos de prestação de serviços na área da SIDA. A estrutura da Abraço tem um número de assalariados relativamente reduzido, o que faz com que  dependa do trabalho dos voluntários por forma a  assegura o cumprimento da sua missão.
AMI - Fundação de Assistência Médica Internacional Voluntariado Internacional e em Portugal A  AMI é uma Organização Não Governamental que promove voluntariado na área da prestação de cuidados de saúde.
Os Nós e os Laços Voluntariado pontual em Lares de Terceira Idade Bolsa de estudantes universitários, coordenação do Centro Nacional de Cultura com o apoio do Montepio Geral.O programa de voluntariado "Os Nós e os Laços" está aberto a todas as pessoas que queiram utilizar o seu tempo livre em acções de voluntariado pontuais nos Lares de Terceira Idade da Santa Casa da Misericórdia.     A Cultura Solidária está ao alcance de todos e é um veiculo para o desenvolvimento de laços humanos que só nos enriquecem.
Ser VoluntárioO voluntariado é o exercício de uma cidadania activa e solidária

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Filosofia 10º Ano - O Problema do Livre-Arbítrio
Filosofia 10º Ano - O Problema do Livre-Arbítrio Filosofia 10º Ano - O Problema do Livre-Arbítrio
Filosofia 10º Ano - O Problema do Livre-Arbítrio InesTeixeiraDuarte
 
Fernando Pessoa Prece
Fernando Pessoa PreceFernando Pessoa Prece
Fernando Pessoa PreceSamuel Neves
 
As novas oportunidades para as áreas rurais
As novas oportunidades para as áreas ruraisAs novas oportunidades para as áreas rurais
As novas oportunidades para as áreas ruraisIlda Bicacro
 
Relações económicas com resto do mundo.
Relações económicas com resto do mundo.Relações económicas com resto do mundo.
Relações económicas com resto do mundo.Susana Santos
 
Na mão de Deus poema - Antero de Quental
Na mão de Deus poema - Antero de QuentalNa mão de Deus poema - Antero de Quental
Na mão de Deus poema - Antero de QuentalPatrícia Faria
 
Atividade piscatória
Atividade piscatóriaAtividade piscatória
Atividade piscatóriaIlda Bicacro
 
Filosofia 10º Ano - Os Valores
Filosofia 10º Ano - Os ValoresFilosofia 10º Ano - Os Valores
Filosofia 10º Ano - Os ValoresInesTeixeiraDuarte
 
Organizações não governamentais
Organizações não governamentaisOrganizações não governamentais
Organizações não governamentaisDaniela Costa
 
A posição de Portugal na Europa e no Mundo
A posição de Portugal na Europa e no MundoA posição de Portugal na Europa e no Mundo
A posição de Portugal na Europa e no MundoVictor Veiga
 
Organizações Governamentais e Não Governamentais
Organizações Governamentais e Não GovernamentaisOrganizações Governamentais e Não Governamentais
Organizações Governamentais e Não Governamentaiskyzinha
 
"Mar Português" - Mensagem
"Mar Português" - Mensagem"Mar Português" - Mensagem
"Mar Português" - MensagemIga Almeida
 
Cérebro - psicologia 12ºano AR
Cérebro - psicologia 12ºano ARCérebro - psicologia 12ºano AR
Cérebro - psicologia 12ºano ARAntónia Rocha
 
Trabalho sobre a poluição
Trabalho sobre a poluiçãoTrabalho sobre a poluição
Trabalho sobre a poluiçãoBe Carrazeda
 
Evolução da população portuguesa
Evolução da população portuguesaEvolução da população portuguesa
Evolução da população portuguesaIlda Bicacro
 
A Politica AgríCola Comum
A Politica AgríCola ComumA Politica AgríCola Comum
A Politica AgríCola ComumMaria Adelaide
 
As características da rede urbana
As características da rede urbanaAs características da rede urbana
As características da rede urbanaIlda Bicacro
 

Mais procurados (20)

Filosofia 10º Ano - O Problema do Livre-Arbítrio
Filosofia 10º Ano - O Problema do Livre-Arbítrio Filosofia 10º Ano - O Problema do Livre-Arbítrio
Filosofia 10º Ano - O Problema do Livre-Arbítrio
 
Fernando Pessoa Prece
Fernando Pessoa PreceFernando Pessoa Prece
Fernando Pessoa Prece
 
As novas oportunidades para as áreas rurais
As novas oportunidades para as áreas ruraisAs novas oportunidades para as áreas rurais
As novas oportunidades para as áreas rurais
 
A Eutanásia
A EutanásiaA Eutanásia
A Eutanásia
 
Relações económicas com resto do mundo.
Relações económicas com resto do mundo.Relações económicas com resto do mundo.
Relações económicas com resto do mundo.
 
Geografia11ºano
Geografia11ºanoGeografia11ºano
Geografia11ºano
 
Na mão de Deus poema - Antero de Quental
Na mão de Deus poema - Antero de QuentalNa mão de Deus poema - Antero de Quental
Na mão de Deus poema - Antero de Quental
 
Atividade piscatória
Atividade piscatóriaAtividade piscatória
Atividade piscatória
 
AMI
AMIAMI
AMI
 
A teoria ética utilitarista de mill
A teoria ética utilitarista de millA teoria ética utilitarista de mill
A teoria ética utilitarista de mill
 
Filosofia 10º Ano - Os Valores
Filosofia 10º Ano - Os ValoresFilosofia 10º Ano - Os Valores
Filosofia 10º Ano - Os Valores
 
Organizações não governamentais
Organizações não governamentaisOrganizações não governamentais
Organizações não governamentais
 
A posição de Portugal na Europa e no Mundo
A posição de Portugal na Europa e no MundoA posição de Portugal na Europa e no Mundo
A posição de Portugal na Europa e no Mundo
 
Organizações Governamentais e Não Governamentais
Organizações Governamentais e Não GovernamentaisOrganizações Governamentais e Não Governamentais
Organizações Governamentais e Não Governamentais
 
"Mar Português" - Mensagem
"Mar Português" - Mensagem"Mar Português" - Mensagem
"Mar Português" - Mensagem
 
Cérebro - psicologia 12ºano AR
Cérebro - psicologia 12ºano ARCérebro - psicologia 12ºano AR
Cérebro - psicologia 12ºano AR
 
Trabalho sobre a poluição
Trabalho sobre a poluiçãoTrabalho sobre a poluição
Trabalho sobre a poluição
 
Evolução da população portuguesa
Evolução da população portuguesaEvolução da população portuguesa
Evolução da população portuguesa
 
A Politica AgríCola Comum
A Politica AgríCola ComumA Politica AgríCola Comum
A Politica AgríCola Comum
 
As características da rede urbana
As características da rede urbanaAs características da rede urbana
As características da rede urbana
 

Destaque

Trabalho voluntario
Trabalho voluntarioTrabalho voluntario
Trabalho voluntarioAntonia Braz
 
Ajuda humanitária na atualidade
Ajuda humanitária na atualidadeAjuda humanitária na atualidade
Ajuda humanitária na atualidadefranciscaf
 
Contabilidade geral exerc 9
Contabilidade geral exerc 9Contabilidade geral exerc 9
Contabilidade geral exerc 9J M
 
Ativo biológico e Produtos Agrícolas - Notas Explicativas
Ativo biológico e Produtos Agrícolas - Notas Explicativas Ativo biológico e Produtos Agrícolas - Notas Explicativas
Ativo biológico e Produtos Agrícolas - Notas Explicativas Victor Claudio
 
ASPECTOS CONTEMPORÂNEOS DA CONTABILIZAÇÃO DE ATIVOS BIOLÓGICOS E PRODUTOS AGR...
ASPECTOS CONTEMPORÂNEOS DA CONTABILIZAÇÃO DE ATIVOS BIOLÓGICOS E PRODUTOS AGR...ASPECTOS CONTEMPORÂNEOS DA CONTABILIZAÇÃO DE ATIVOS BIOLÓGICOS E PRODUTOS AGR...
ASPECTOS CONTEMPORÂNEOS DA CONTABILIZAÇÃO DE ATIVOS BIOLÓGICOS E PRODUTOS AGR...Felipe Pontes
 
Motivacao voluntarios
Motivacao voluntariosMotivacao voluntarios
Motivacao voluntariosEducadora
 
Atividade de ensino religioso relacoes interpessoasi
Atividade de ensino religioso relacoes interpessoasiAtividade de ensino religioso relacoes interpessoasi
Atividade de ensino religioso relacoes interpessoasiAtividades Diversas Cláudia
 
Apostila do 1° ano 5° ano 2011
Apostila do 1° ano 5° ano 2011Apostila do 1° ano 5° ano 2011
Apostila do 1° ano 5° ano 2011Adriana Mello
 

Destaque (11)

Ser Voluntário
Ser VoluntárioSer Voluntário
Ser Voluntário
 
Módulo 1 - O Trabalho Voluntário
Módulo 1 - O Trabalho Voluntário Módulo 1 - O Trabalho Voluntário
Módulo 1 - O Trabalho Voluntário
 
Trabalho voluntario
Trabalho voluntarioTrabalho voluntario
Trabalho voluntario
 
Ajuda humanitária na atualidade
Ajuda humanitária na atualidadeAjuda humanitária na atualidade
Ajuda humanitária na atualidade
 
Contabilidade geral exerc 9
Contabilidade geral exerc 9Contabilidade geral exerc 9
Contabilidade geral exerc 9
 
Ativo biológico e Produtos Agrícolas - Notas Explicativas
Ativo biológico e Produtos Agrícolas - Notas Explicativas Ativo biológico e Produtos Agrícolas - Notas Explicativas
Ativo biológico e Produtos Agrícolas - Notas Explicativas
 
ASPECTOS CONTEMPORÂNEOS DA CONTABILIZAÇÃO DE ATIVOS BIOLÓGICOS E PRODUTOS AGR...
ASPECTOS CONTEMPORÂNEOS DA CONTABILIZAÇÃO DE ATIVOS BIOLÓGICOS E PRODUTOS AGR...ASPECTOS CONTEMPORÂNEOS DA CONTABILIZAÇÃO DE ATIVOS BIOLÓGICOS E PRODUTOS AGR...
ASPECTOS CONTEMPORÂNEOS DA CONTABILIZAÇÃO DE ATIVOS BIOLÓGICOS E PRODUTOS AGR...
 
Motivacao voluntarios
Motivacao voluntariosMotivacao voluntarios
Motivacao voluntarios
 
Módulo 1 - O Trabalho Voluntário
Módulo 1 - O Trabalho VoluntárioMódulo 1 - O Trabalho Voluntário
Módulo 1 - O Trabalho Voluntário
 
Atividade de ensino religioso relacoes interpessoasi
Atividade de ensino religioso relacoes interpessoasiAtividade de ensino religioso relacoes interpessoasi
Atividade de ensino religioso relacoes interpessoasi
 
Apostila do 1° ano 5° ano 2011
Apostila do 1° ano 5° ano 2011Apostila do 1° ano 5° ano 2011
Apostila do 1° ano 5° ano 2011
 

Semelhante a Voluntário

Ética empresarial voluntariado
Ética empresarial   voluntariadoÉtica empresarial   voluntariado
Ética empresarial voluntariadoSergio Pinto
 
Manual para Capacitação Inicial do Voluntário - Fundação Telefônica
Manual para Capacitação Inicial do Voluntário - Fundação TelefônicaManual para Capacitação Inicial do Voluntário - Fundação Telefônica
Manual para Capacitação Inicial do Voluntário - Fundação TelefônicaPortal Voluntários Online
 
Manual para Capacitação Inicial do Voluntário
Manual para Capacitação Inicial do VoluntárioManual para Capacitação Inicial do Voluntário
Manual para Capacitação Inicial do VoluntárioPortal Voluntários Online
 
Aula Do Dia 240708
Aula Do Dia 240708Aula Do Dia 240708
Aula Do Dia 240708elianinha
 
Aula 2 cidadania
Aula 2   cidadaniaAula 2   cidadania
Aula 2 cidadaniaRASC EAD
 
Manual completo elaborao de projetos
Manual completo elaborao de projetosManual completo elaborao de projetos
Manual completo elaborao de projetosFabiano Fersant
 
Manualcompleto elaboraodeprojetos-110815081629-phpapp01
Manualcompleto elaboraodeprojetos-110815081629-phpapp01Manualcompleto elaboraodeprojetos-110815081629-phpapp01
Manualcompleto elaboraodeprojetos-110815081629-phpapp01Iracema Cema
 
Cvsp e debate fife 2014
Cvsp    e debate fife 2014 Cvsp    e debate fife 2014
Cvsp e debate fife 2014 FIFE2014
 

Semelhante a Voluntário (20)

Ética empresarial voluntariado
Ética empresarial   voluntariadoÉtica empresarial   voluntariado
Ética empresarial voluntariado
 
A cidadania europeia
A cidadania europeiaA cidadania europeia
A cidadania europeia
 
Manual para Capacitação Inicial do Voluntário - Fundação Telefônica
Manual para Capacitação Inicial do Voluntário - Fundação TelefônicaManual para Capacitação Inicial do Voluntário - Fundação Telefônica
Manual para Capacitação Inicial do Voluntário - Fundação Telefônica
 
Manual para Capacitação Inicial do Voluntário
Manual para Capacitação Inicial do VoluntárioManual para Capacitação Inicial do Voluntário
Manual para Capacitação Inicial do Voluntário
 
Aspectos Jurídicos do Voluntariado
Aspectos Jurídicos do VoluntariadoAspectos Jurídicos do Voluntariado
Aspectos Jurídicos do Voluntariado
 
Manual do Voluntário
Manual do VoluntárioManual do Voluntário
Manual do Voluntário
 
Fc 1
Fc 1Fc 1
Fc 1
 
Aula Do Dia 240708
Aula Do Dia 240708Aula Do Dia 240708
Aula Do Dia 240708
 
Infografia
InfografiaInfografia
Infografia
 
Aula 2 cidadania
Aula 2   cidadaniaAula 2   cidadania
Aula 2 cidadania
 
Manual Gestão de Projetos Sociais 2012
Manual Gestão de Projetos Sociais 2012Manual Gestão de Projetos Sociais 2012
Manual Gestão de Projetos Sociais 2012
 
Manual do voluntário
Manual do voluntário Manual do voluntário
Manual do voluntário
 
Manual completo elaborao de projetos
Manual completo elaborao de projetosManual completo elaborao de projetos
Manual completo elaborao de projetos
 
Apostila Completa - Elaboração de Projetos
Apostila Completa - Elaboração de ProjetosApostila Completa - Elaboração de Projetos
Apostila Completa - Elaboração de Projetos
 
Manualcompleto elaboraodeprojetos-110815081629-phpapp01
Manualcompleto elaboraodeprojetos-110815081629-phpapp01Manualcompleto elaboraodeprojetos-110815081629-phpapp01
Manualcompleto elaboraodeprojetos-110815081629-phpapp01
 
Cvsp e debate fife 2014
Cvsp    e debate fife 2014 Cvsp    e debate fife 2014
Cvsp e debate fife 2014
 
Apresentacao Amigos da Escola
Apresentacao Amigos da EscolaApresentacao Amigos da Escola
Apresentacao Amigos da Escola
 
Voluntariado educativo
Voluntariado educativoVoluntariado educativo
Voluntariado educativo
 
Apresentação Amigos da Escola
Apresentação Amigos da EscolaApresentação Amigos da Escola
Apresentação Amigos da Escola
 
Apresentação Amigos da Escola
Apresentação Amigos da EscolaApresentação Amigos da Escola
Apresentação Amigos da Escola
 

Voluntário

  • 2. As diferenças: Infelizmente não consegui fazer o trabalho com o titulo As Diferenças ,pois tinha planeado uma apresentação que não foi possível fazer pois demorava algum tempo…* Então pensei num trabalho mais rápido mais fácil de fazer. Cheguei á conclusão que iria tentar fazer o trabalho com o tema O Voluntário. Formação cívica
  • 3. O voluntariado é o conjunto de acções de interesse social e comunitário em que toda a actividade desempenhada reverte a favor do serviço e do trabalho. É feito sem recebimento de qualquer remuneração ou lucro. É uma profissão de prestígio pois o voluntário ajuda quem precisa contribuindo para um mundo mais justo e mais solidário. É graças a esse tipo de trabalho que muitas acções da sociedade organizada têm suprido o fraco investimento ou a falta de investimento governamental em educação, saúde, lazer etc. Ser Voluntário é…
  • 4. Estatuto do voluntário O estatuto do voluntário é uma síntese de princípios, direitos e deveres devidamente inscritos nos diplomas legais que regem a sua actividade e disponíveis nesta página (Lei n.º 71/98, de 3 de Novembro e Decreto-Lei n.º 389/99, de 30 de Setembro).
  • 5. Quais os princípios do voluntariado? A Lei n.º 71/98 de 3 de Novembro afirma que "O Estado reconhece o valor social do voluntariado como expressão do exercício livre de uma cidadania activa e solidária e promove e garante a sua autonomia e pluralismo." (Cf. Artigo 5.º). O Artigo 6.º da Lei a.m. refere como "Princípios enquadradores do voluntariado" os seguintes (síntese): Solidariedade Responsabilidade de todos os cidadãos na realização dos fins do voluntariado. Participação Intervenção de voluntários e de entidades promotoras em áreas de interesse social. Cooperação Concertação de esforços e de projectos de entidades promotoras de voluntariado.
  • 6. Gratuitidade O Voluntário não é remunerado pelo exercício do seu voluntariado. Responsabilidade O Voluntário é responsável pelo exercício da actividade que se comprometeu realizar, dadas as expectativas criadas aos destinatários desse trabalho voluntário. Convergência Harmonização da actuação do voluntário com a cultura e objectivos da entidade promotora. Complementaridade O Voluntário não deve substituir os recursos humanos das entidades promotoras.
  • 7. Quais os direitos do voluntário? Nos termos dos diplomas legais supra referidos, e em particular no âmbito da Lei de Bases do enquadramento jurídico do voluntariado (a Lei n.º 71/98 de 3 de Novembro), são enumerados claramente os direitos e os deveres associados à figura do Voluntário, a saber:A. Ter acesso a programas de formação inicial e contínua, tendo em vista o aperfeiçoamento do seu trabalho voluntário;B. Dispor de um cartão de identificação de Voluntário; C. Enquadrar-se no regime do seguro social voluntário, caso não esteja abrangido por um regime obrigatório de segurança social; D. Exercer o trabalho voluntário em condições de higiene e segurança; E. Faltar justificadamente, se empregado, quando convocado pela entidade promotora, em caso de missões urgentes, situações de emergência, calamidade pública ou equiparadas; F. Receber as indemnizações, subsídios e pensões, bem como outras regalias previstas na lei, em caso de acidente ou doença contraída no exercício do trabalho voluntário;
  • 8. G. Estabelecer com a entidade promotora um programa de voluntariado que regule as suas relações mútuas e o conteúdo, natureza e duração do trabalho voluntário que vai realizar; H. Ser ouvido na preparação das decisões da entidade promotora que afectem o desenvolvimento do seu trabalho voluntário; I. Beneficiar de um regime especial de utilização de transportes públicos; J. Ser reembolsado das importâncias despendidas no exercício de uma actividade programada pela entidade promotora, desde que inadiáveis e devidamente justificadas, dentro dos limites estabelecidos; K. As faltas justificadas previstas na alínea E) contam como tempo de serviço efectivo e não podem implicar perda de direitos e regalias; L. A qualidade de Voluntário é compatível com a de associado, de membro dos corpos sociais e de beneficiário da entidade promotora onde exerce voluntariado.
  • 9. Quais os deveres dos voluntários? A. Respeitar os princípios deontológicos por que se rege a actividade que realiza; B. Observar as normas que regulam o funcionamento da entidade promotora e dos respectivos programas ou projectos; C. Actuar de forma diligente, isenta e solidária; D. Participar nos programas de formação destinados aos voluntários; E. Zelar pela boa utilização dos recursos e dos bens, equipamentos e utensílios postos ao seu dispor; F. Colaborar com os profissionais da entidade promotora, respeitando as suas opções e seguindo as suas orientações técnicas;
  • 10. G. Não assumir o papel de representante da entidade promotora sem o conhecimento e prévia autorização desta;  H. Garantir a regularidade do exercício do trabalho voluntário de acordo com o programa acordado com a entidade promotora; I. Utilizar devidamente a identificação como Voluntário no exercício da sua actividade de voluntariado.
  • 11. Ano Europeu do Voluntariado 2011A UE designou 2011 como "Ano Europeu do Voluntariado". Na União Europeia, quase 100 milhões de cidadãos de todas as idades vão investir o seu tempo, talento e dinheiro para fazer uma contribuição positiva para a sua comunidade através do voluntariado nas organizações da sociedade civil, clubes de jovens, hospitais, escolas, clubes desportivos, etc. Para a Comissão , o voluntariado é uma expressão da participação cívica activa que reforça os valores europeus comuns como a solidariedade e a coesão social. Voluntariado também oferece importantes oportunidades de aprendizagem, pois o envolvimento em actividades de voluntariado pode proporcionar às pessoas novas habilidades e competências que podem até mesmo melhorar a sua empregabilidade. Isto é especialmente importante neste momento de crise económica. O voluntariado desempenha um papel importante em sectores tão variados e diversos como a educação, juventude, cultura, desporto, meio ambiente, saúde, assistência social, defesa do consumidor, ajuda humanitária, a política de desenvolvimento, a investigação, a igualdade de oportunidades e relações externas.
  • 12. Objectivos  O Conselho da União Europeia instituiu o ano de 2011 como o Ano Europeu das Actividades de Voluntariado Que Promovam Uma Cidadania Activa, abreviadamente Ano Europeu do Voluntariado (AEV 2011).   O Ano Europeu do Voluntariado 2011, sob o lema «Sê voluntário! Faz a diferença!», tem quatro objectivos principais: reduzir os obstáculos ao voluntariado na UE dar meios às organizações de voluntários e melhorar a qualidade do voluntariado recompensar e reconhecer o trabalho voluntário sensibilizar as pessoas para o valor e a importância do voluntariado http://www.youtube.com/watch?v=MdjZeWjneJs
  • 13. Actualmente existem diversas organizações que se utilizam do trabalho voluntário de milhares de pessoas, não só no Brasil como em todo o mundo. Bons exemplos de organizações internacionais são: a Cruz Vermelha"e o Serviço Voluntário Internacional do Brasil que tem ramificações em vários países. Algumas organizações portuguesas: Abraço AMI Os nós e os laços … Organizações Mundiais
  • 14. Abraço Voluntariado em Portugal A Abraço é uma Instituição Particular de Solidariedade Social. Organização não governamental sem fins lucrativos de prestação de serviços na área da SIDA. A estrutura da Abraço tem um número de assalariados relativamente reduzido, o que faz com que  dependa do trabalho dos voluntários por forma a  assegura o cumprimento da sua missão.
  • 15. AMI - Fundação de Assistência Médica Internacional Voluntariado Internacional e em Portugal A AMI é uma Organização Não Governamental que promove voluntariado na área da prestação de cuidados de saúde.
  • 16. Os Nós e os Laços Voluntariado pontual em Lares de Terceira Idade Bolsa de estudantes universitários, coordenação do Centro Nacional de Cultura com o apoio do Montepio Geral.O programa de voluntariado "Os Nós e os Laços" está aberto a todas as pessoas que queiram utilizar o seu tempo livre em acções de voluntariado pontuais nos Lares de Terceira Idade da Santa Casa da Misericórdia.   A Cultura Solidária está ao alcance de todos e é um veiculo para o desenvolvimento de laços humanos que só nos enriquecem.
  • 17. Ser VoluntárioO voluntariado é o exercício de uma cidadania activa e solidária