SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 73
TRABALHO
E
ENERGIA
Disciplina: Projetos Integradores 4
Professora: Ana Paula Praxedes – Tutora: Thaíla Figueiredo Assunção
Alunos: Vlamir Rocha, José Maria, Joselito Quirino, Marcos Jonas, Wallyn Vieira, Tiago Alves e Jaqueline
INTRODUÇÃO

No cotidiano a palavra trabalho é usada para designar uma tarefa.
Segurar uma mala em um ponto de ônibus esperando uma
condução, é realização de trabalho, no entanto na física só existe
trabalho se houver movimento.
TRABALHO
DEFINIÇÃO

Trabalho é uma medida da energia transferida ou transformada
através de uma força que realiza um deslocamento.
d

F

F
Trabalho de uma força é uma grandeza escalar encontrada pelo
produto da força pelo deslocamento:

 Para utilizar essa expressão, a força deve ser constante.
 A força que se deve utilizar no cálculo do trabalho é a
componente de F na direção do movimento.
 O trabalho é uma grandeza escalar.
Decomposição de Vetores

F.d

Fx .d

F. cos .d

Unidade: Newton . metro = N . m = joule (J)

1 J = 107 erg
EXERCÍCIO
É ZÉ CIÇO
1. No esquema da figura, uma mesma caixa é arrastada três vezes ao
longo do plano horizontal, deslocando-se do ponto A até o ponto B:
Na primeira vez, é puxada pela força F1 , que realiza um trabalho τ1;
na segunda, é puxada pela força F2 , que realiza um trabalho τ2; e na
terceira é puxada por uma força F3 , que realiza um trabalho τ3.
Supondo os comprimentos dos vetores da figura proporcionais às
intensidades de F1 , F2 e F3 , aponte a alternativa correta.

a) τ1 > τ2 > τ3
b) τ1 < τ2 < τ3
c) τ1 = τ2 = τ3
d) τ1 = τ2 = 0
e) τ1 = τ2 < τ3
Resolução:
As três forças realizam trabalhos iguais, já que a projeção das
três na direção do deslocamento é a mesma.
2. (UCG-GO) Uma força constante F , horizontal, de intensidade
20 N, atua durante 8 s sobre um corpo de massa 4 kg que estava
em repouso apoiado em uma superfície horizontal perfeitamente
sem atrito. Não se considera o efeito do ar. Qual o trabalho
realizado pela força F no citado intervalo de tempo?
3. (FAM-SP) Uma carroça trafega com velocidade de 3
m/s, puxada por um homem que exerce sobre ela uma força de
intensidade 90 N, inclinada de 30 em relação à horizontal. O
trabalho realizado pela força aplicada pelo homem durante 5
min é:

a) 146 000 J
b) 80 000 J
c) 120 000 J
d) 40 500 J
e) 67 500 J
CLASSIFICAÇÃO
a) MOTOR - A força favorece o deslocamento , corpo recebe
energia . ( 0)
b) RESISTENTE - A força no corpo se opõe ao deslocamento
, logo perde energia 0)
(

F. cos .d
fat

F fat . cos180 .d
fat

F fat .d
c) NULO - A força aplicada sobre o corpo é perpendicular ao
deslocamento . ( 0)
EXERCÍCIO
4. (UFSM-RS) Um homem empurra um caixote de 10 kg com
velocidade constante de 2 m/s, durante 6 s. Considerando 10
m/s² a aceleração da gravidade e 0,1 o coeficiente de atrito entre
a caixa e o assoalho, o trabalho realizado pelo homem, em
joules, é de:

a) 2120
b) 22
c) zero
d) 2
e) 120
Resolução:
Como o homem empurra o caixote com velocidade constante, a
força resultante sobre o mesmo é zero. Assim, o trabalho
realizado pelo homem deve compensar o trabalho da força de
atrito entre a caixa e o assoalho, produzindo um trabalho total
nulo.
TRABALHO DE UMA FORÇA VARIAVEL
Se a forca F for constante ou variável, o trabalho pode ser calculado
pelo gráfico da forca F em função do deslocamento d do corpo que
será numericamente igual a área do gráfico

Área

Total

1

2
EXERCÍCIO
5. (UERJ) Na brincadeira conhecida como cabo de guerra, dois
grupos de palhaços utilizam uma corda ideal que apresenta um nó
no seu ponto mediano. O gráfico mostra a variação da intensidade
da resultante F das forças aplicadas sobre o nó, em função da sua
posição x.

Considere que a força resultante e o deslocamento sejam paralelos.
Determine o trabalho realizado por F no deslocamento entre 2 e 9 m.
TRABALHO DA FORÇA PESO
B

A
EXERCÍCIO

6. (Uniderp-MS) Um guindaste levanta uma caixa de 500 kg a
uma altura de 5 m velocidade constante. Considerando-se a ação
da gravidade local g =10 m/s², pode-se afirmar que o trabalho que
do guindaste realiza em J é de:
a) 2600
b) 2500
c) 2400
d) 3000
e) 2000
TRABALHO DA FORÇA ELÁSTICA
Usando a Lei de Hooke e sabendo que trabalho de uma força é
numericamente igual a área sob o gráfico então temos :

FElástica

K .x (Lei de Hooke)
Constante Elástica

No gráfico temos um triangulo

Área

Elástica

K .x.x
2
K .x 2
2
EXERCÍCIO
7. Uma mola, submetida à ação de uma força de intensidade 10
N, está deformada de 2 cm. O módulo do trabalho realizado pela
força elástica na deformação de 0 a 2 cm foi, em joules, de

a) 0,1
b) 0,2
c) 0,5
d) 1,0
e) 2,0
Resolução:
Felástica

x

10 N

2cm 0,02m

?
felastica

felastica

felastica

felastica

Felástica

10

K

K .x

K .0,02

500N / m

k .x 2
2
500 .( 0,02 ) 2
2

500.0,0004
2
0,2
2

felastica

0,1J
TRABALHO DE UM SISTEMA DE FORÇAS

EXEMPLO : Descida de um Tobogã

0
EXERCÍCIO
8. (UFSC) Um helicóptero suspenso no ar, em repouso em
relação ao solo, ergue por meio de um cabo de aço, mantido
vertical, uma caixa de massa igual a 200 kg que se desloca com
velocidade constante ao longo de um percurso de 10 m. No
local, g = 10 m/s2. Sabendo que no deslocamento citado as
forças de resistência do ar realizam sobre a caixa um trabalho de
–1 400 J, calcule o trabalho da força aplicada pelo cabo de aço
sobre a caixa.
POTÊNCIA
É rapidez com que o trabalho é realizado.
Potência

tempo
Pouco de Humor

Pô , Walker Dead!

Muita Potência nem sempre significa
chegar são e salvo
Nem sempre ter Potência significa
realizar trabalho
EXERCÍCIO
9. (Fuvest-SP) Dispõe-se de um motor com potência útil de 200 W
para erguer um fardo de massa de 20 kg à altura de 100 m em um
local onde g = 10 m/s². Supondo que o fardo parte do repouso e
volta ao repouso, calcule:

a) o trabalho desenvolvido pela força aplicada pelo motor;
b) o intervalo de tempo gasto nessa operação.
RENDIMENTO ( )
Em nosso dia a dia e muito comum falarmos em rendimento, seja
na escola, no trabalho ou ate mesmo quando queremos saber
quantos quilômetros um auto móvel faz com um litro de
combustível. No estudo de Física, a noção de rendimento esta
ligada a energia e potencia.

P
ÚTIL
P
TOTAL
EXERCÍCIO
10. Na situação da figura a seguir, o motor elétrico faz com que o
bloco de massa 30 kg suba com velocidade constante de 1,0 m/s.
O cabo que sustenta o bloco é ideal, a resistência do ar é
desprezível e adota-se |g| = 10 m/s². Considerando que nessa
operação o motor apresenta rendimento de 60%, calcule a
potência por ele dissipada.
Energia
FONTES DE ENERGIA
Energia Hidráulica – É a mais utilizada no Brasil em função da
grande quantidade de rios. A água possui um grande potencial
energético. Numa usina hidrelétrica esse potencial é usado atravéz
da gravidade onde a água move a turbina que faz funcionar um
gerador elétrico, produzindo energia.
Energia Fóssil – Formada a milhões de anos a partir do acúmulo
de materiais orgânicos no subsolo. A energia destas fontes
costuma provocar poluição, o que contribui com o efeito estufa e
o aquecimento global. Isto ocorre principalmente com dos
derivados de petróleo (diesel e gasolina) e do carvão mineral. Já
no caso do gás natural, o nível de poluentes é bem menor.
Energia Solar – ainda
pouco explorada no
mundo, em função do
custo
elevado
de
implantação, é uma
fonte limpa, ou seja, não
gera
poluição
nem
impactos ambientais. A
radiação solar é captada
e transformada para
gerar
calor
ou
eletricidade
Energia de Biomassa – é a
energia gerada a partir da
decomposição,
em
curto
prazo, de materiais orgânicos
(esterco,
restos
de
alimentos, resíduos agrícolas).
O gás metano produzido é
usado para gerar energia.
Energia Eólica – É a energia captada a partir do vento atravéz
de grandes hélices instaladas em áreas abertas. o movimentos
dessas hélices movimentam um gerador que produz a energia
elétrica. É uma fonte limpa e inesgotável, porém, pouco utilizada
no Brasil.
Energia Nuclear – Proveniente do urânio é obtida quando o
núcleo é desintegrado, o que gera uma enorme quantidade de
energia liberada. As usinas nucleares aproveitam esta energia para
gerar eletricidade.
Energia Geotérmica – Obtida atravéz do calor produzido nas
camadas profundas da crosta terrestre. Em algumas regiões, a
temperatura pode superar 5.000 C, as usinas utilizam este calor
para acionar turbinas elétricas e gerar energia.
Energia das Marés, também conhecida como energia
maremotriz, é gerada a partir do movimento das águas oceânicas
nas marés. Especialistas em energia afirmam que, no futuro, esta
será uma das principais fontes de energia do planeta.
CLASSIFICAÇÃO

Energia Cinética é a energia do sistema que põe o corpo em
movimento. É o tipo de energia que os corpo tem, devido ao
movimento que apresentam.
TEOREMA DO TRABALHO - ENERGIA

ECinética
EC

1
.m.V 2
2

O trabalho realizado pela
resultante de forças é igual à
variação da energia cinética do
corpo.

ECinética
EXERCÍCIO
11. O trabalho total realizado sobre uma partícula de massa 8 kg
foi de 256 J. Sabendo que a velocidade inicial da partícula era de
6 m/s, calcule a velocidade final.
EXERCÍCIO
12. Uma partícula sujeita a uma força resultante de intensidade 2
N move-se sobre uma reta. Sabendo que entre dois pontos P e Q
dessa reta a variação de sua energia cinética é de 3 J, calcule a
distância entre P e Q.
ENERGIA POTENCIAL GRAVITACIONAL
Quando um martelo é elevado no ar, existe um potencial para um
trabalho sobre ele ser realizado pela força da gravidade, porém isso
só ocorre quando o martelo é liberado.
• Energia = Propriedade de um sistema que lhe permite realizar trabalho ...
• Potencial = Virtual, possível.
EXERCÍCIO

13. (Unifor-CE) Um menino de massa 20 kg desce por um
escorregador de 3 m de altura em relação à areia de um tanque, na
base do escorregador. Adotando g 10 m/s², o trabalho realizado
pela força do menino vale, em joules:
a) 600
b) 400
c) 300
d) 200
e) 60
ENERGIA POTENCIAL ELÁSTICA
Ao esticarmos ou comprimirmos uma mola ou um elástico,a
energia sabemos que fica armazenada é chamada de energia
potencial elástica.

Quanto maior for a constante elástica (dureza) da
mola, mais difícil será deformá-la.
EXERCÍCIO
14. Na situação representada nas figuras 1 e 2, a mola tem massa
desprezível e está fixa no solo com o seu eixo na vertical. Um
corpo de pequenas dimensões e massa igual a 2,0 kg é abandonado
da posição A e, depois de colidir com o aparador da mola na
posição B, aderindo a ele, desce e para instantaneamente na
posição C.
VÍDEOS IMPORTANTES

Discovery Na Escola: Elementos da Física, Energia e Trabalho.
www.youtube.com/watch?v=wVLUmyXVSMk

Rap da energia
www.youtube.com/watch?v=oGEcG8Kfga0

Skatista Bob Burniquist realizando um salto de base Jump de 500 metros de altura
www.youtube.com/watch?v=1iot3I5Sy1c
CONSERVAÇÃO
DE ENERGIA
A energia pode ser
transformada de uma forma
em outra, mas não pode ser
criada nem destruída. A
energia total do universo é
constante.

A manga presa a uma árvore armazena energia potencial gravitacional. Ao cair
no chão, pode-se ter a impressão de que a energia potencial armazenada foi
destruída, no entanto sabe-se que essa energia foi transformada em outras
formas de energia, como por exemplo, energia sonora (som emiti do ao tocar no
chão) e energia térmica (calor produzido ao tocar no chão).
EXERCÍCIO

Qual o erro na tirinha?
15. (UFFRJ-RJ) O salto com vara é um dos esportes mais exigentes do
atletismo. Em um único salto, o atleta executa cerca de 23 movimentos em menos
de 2 segundos. Na Olimpíada de Atenas uma atleta russa bateu o
recorde, saltando 4,88 m. A figura a seguir representa um atleta durante um salto
com vara, em três instantes distintos. Assinale a opção que melhor identifica os
tipos de energia envolvidos em cada uma das situações I, II, e
III, respectivamente.
a) - cinética - cinética e gravitacional - cinética e gravitacional
b) - cinética e elástica - cinética, gravitacional e elástica - cinética e gravitacional
c) - cinética - cinética, gravitacional e elástica - cinética e gravitacional
d) - cinética e elástica - cinética e elástica – gravitacional
e) - cinética e elástica - cinética e gravitacional – gravitacional
16. Observe a tira de humor abaixo:

a) Por que ao saltar da montanha o Viking ganha velocidade?
b) O fato de ele carregar passageiros influenciaria na sua
velocidade?
17. A tira de humor a seguir ilustra um brinquedo muito comum
em parques e jardins – o escorrega. Provavelmente, em algum
dia da sua vida, você teve a oportunidade de brincar em um
escorrega e perceber que a velocidade no final da descida é
maior do que no início.

Apresente uma explicação para este fato.
CONSERVAÇÃO DE ENERGIA MECÂNICA
Toda energia associada ao movimento ou à possibilidade de haver
movimento é denominada de energia mecânica.
E Mecânica = E Cinética + E Potencial

Eminicial

Em final Conservativa

Em A

Em B

EmC
0

(De A para B)

Ec A

Ep A

Ec A

Ec B

Ep A

Ep B

Ec B
SISTEMA CONSERVATIVO
• A energia mecânica se conserva
• Ausência de atrito.
• Cinética aumenta e potencial diminui e vice-versa, na mesma
quantidade.
BATE ESTACA

Gravitacional e Cinética

Elástica, Gravitacional e Cinética
EXERCÍCIO

18. Numa montanha-russa, um carrinho de 300 kg de massa é
abandonado do repouso de um ponto A, que está a 5 m de altura.
Supondo-se que o atrito seja desprezível, pergunta-se:
a) o valor da velocidade do carrinho no ponto B;
b) a energia cinética do carrinho no ponto C, que está a 4 m de
altura.
a) Em
A

Em B

E = m.g.h = 300.10.5 = 15000 J

Como não há atrito a toda energia potencial vira cinética logo
mv²/2 = 15000
v² = 100
v = 10 m/s

B) Em
B

Emc

Em C há tanto energia cinética quanto energia potencial.
Como não há dissipação de energia:
Ec + Ep = 15000
Ec + 300.10.4 = 15000
Ec = 3000
SISTEMA NÃO-CONSERVATIVO
• A energia

mecânica não se conserva
• Presença de atrito (resistência do ar).
• Cinética aumenta e depois fica constante e a potencial diminui.
EXERCÍCIO
19. Na figura, a mola tem massa desprezível, constante elástica igual
a 10² N/m e está inicialmente travada na posição indicada, contraída
de 50 cm. O bloco, cuja massa é 1 kg, está em repouso no ponto
A, encostado na mola. O trecho AB do plano horizontal é
perfeitamente polido e o trecho BC áspero. Em determinado
instante, a mola é destravada e o bloco impulsionado, atingindo o
ponto B com velocidade de intensidade VB. No local, a influência do
ar é desprezível e adota-se g = 10 m/s². Sabendo que o bloco pára ao
atingir o ponto C, calcule:

a) o valor de VB;
b) o coeficiente de atrito cinético entre o bloco e o plano de apoio no
trecho BC.
Conclusão
• Podemos concluir que não existe trabalho se
não houver o emprego de energia, ou
seja, podemos dizer que o trabalho é uma
medida da energia transformada através de
uma força.
TRABALHO E ENERGIA

Turma de Física Licenciatura – UFAL/EaD
Disciplina Projeto Integradores 4
Profª.: Ana Paula Perdigão Praxedes
Tutora: Thaíla Figueiredo Assunção
Alunos: Vlamir Gama Rocha
José Maria Lima Jr.
Joselito Quirino
Marcos Jonas
Wallyn Vieira
Tiago Alves
Jaqueline

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (20)

Energia Cinética e Potencial
Energia Cinética e PotencialEnergia Cinética e Potencial
Energia Cinética e Potencial
 
Cicuito elétrico
Cicuito elétricoCicuito elétrico
Cicuito elétrico
 
Eletrodinâmica
EletrodinâmicaEletrodinâmica
Eletrodinâmica
 
Energia mecânica
Energia mecânicaEnergia mecânica
Energia mecânica
 
Slides eletrostatica
Slides eletrostaticaSlides eletrostatica
Slides eletrostatica
 
9 ano cinemática_aula
9 ano cinemática_aula9 ano cinemática_aula
9 ano cinemática_aula
 
Física (calorimetria)
Física (calorimetria)Física (calorimetria)
Física (calorimetria)
 
3.1 dinâmica forças peso,normal, tração, elástica e atrito
3.1 dinâmica forças peso,normal, tração, elástica e atrito3.1 dinâmica forças peso,normal, tração, elástica e atrito
3.1 dinâmica forças peso,normal, tração, elástica e atrito
 
Corrente elétrica
Corrente elétricaCorrente elétrica
Corrente elétrica
 
Força de atrito
Força de atritoForça de atrito
Força de atrito
 
Princípios da Óptica Geométrica
Princípios da Óptica GeométricaPrincípios da Óptica Geométrica
Princípios da Óptica Geométrica
 
Trabalho e Energia Mecânica
Trabalho e Energia MecânicaTrabalho e Energia Mecânica
Trabalho e Energia Mecânica
 
Leis de Newton
Leis de NewtonLeis de Newton
Leis de Newton
 
Dilatação térmica
Dilatação térmicaDilatação térmica
Dilatação térmica
 
Impulso e Quantidade de Movimento
Impulso e Quantidade de MovimentoImpulso e Quantidade de Movimento
Impulso e Quantidade de Movimento
 
Tipos de Energia
Tipos de EnergiaTipos de Energia
Tipos de Energia
 
Aula 008 energia cinetica
Aula 008 energia cineticaAula 008 energia cinetica
Aula 008 energia cinetica
 
Leis newton
Leis newtonLeis newton
Leis newton
 
Eletrização
EletrizaçãoEletrização
Eletrização
 
Leis de ohm
Leis de ohmLeis de ohm
Leis de ohm
 

Semelhante a Trabalho e Energia Slide

Lista exerc.ciclo3 cad.6
Lista exerc.ciclo3 cad.6Lista exerc.ciclo3 cad.6
Lista exerc.ciclo3 cad.6fisicadu
 
Apostila fã sica 2 - ceesvo
Apostila  fã sica 2 - ceesvoApostila  fã sica 2 - ceesvo
Apostila fã sica 2 - ceesvoGraciele Costa
 
Fisica cn2 parte5 trabalho de uma força
Fisica cn2 parte5 trabalho de uma forçaFisica cn2 parte5 trabalho de uma força
Fisica cn2 parte5 trabalho de uma forçacavip
 
08 Trabalho e Potência
08 Trabalho e Potência08 Trabalho e Potência
08 Trabalho e PotênciaEletrons
 
Aula 08 mecância - trabalho e potência
Aula 08   mecância - trabalho e potênciaAula 08   mecância - trabalho e potência
Aula 08 mecância - trabalho e potênciaJonatas Carlos
 
10052021141712Lista de Exercicios - Revisao Energia e Potência.pdf
10052021141712Lista de Exercicios - Revisao Energia e Potência.pdf10052021141712Lista de Exercicios - Revisao Energia e Potência.pdf
10052021141712Lista de Exercicios - Revisao Energia e Potência.pdfEfraim Nobre Soares
 
09 Mecânica Energia
09 Mecânica Energia09 Mecânica Energia
09 Mecânica EnergiaEletrons
 
Aula 5 - Trabalho, Potência e Energia.pptx
Aula 5 - Trabalho, Potência e Energia.pptxAula 5 - Trabalho, Potência e Energia.pptx
Aula 5 - Trabalho, Potência e Energia.pptxglalberRocha
 
9 Anos - Trabalho, Potência e Energia Mecânica..pptx
9 Anos - Trabalho, Potência e Energia Mecânica..pptx9 Anos - Trabalho, Potência e Energia Mecânica..pptx
9 Anos - Trabalho, Potência e Energia Mecânica..pptxbelinharieper
 
E. MÉDIO 2 MANHÃ FÍSICA 05 09 2023 FONTES ALTERNATIVAS E RENOVÁVEIS DE ENERGI...
E. MÉDIO 2 MANHÃ FÍSICA 05 09 2023 FONTES ALTERNATIVAS E RENOVÁVEIS DE ENERGI...E. MÉDIO 2 MANHÃ FÍSICA 05 09 2023 FONTES ALTERNATIVAS E RENOVÁVEIS DE ENERGI...
E. MÉDIO 2 MANHÃ FÍSICA 05 09 2023 FONTES ALTERNATIVAS E RENOVÁVEIS DE ENERGI...CharleneCotrim1
 
Aula 09 mecância - energia
Aula 09   mecância - energiaAula 09   mecância - energia
Aula 09 mecância - energiaJonatas Carlos
 
Trabalho, energia, fluidos
Trabalho, energia, fluidosTrabalho, energia, fluidos
Trabalho, energia, fluidoscristina resende
 
94225931 2º-bim-3º-em-exercicios(1)
94225931 2º-bim-3º-em-exercicios(1)94225931 2º-bim-3º-em-exercicios(1)
94225931 2º-bim-3º-em-exercicios(1)Emerson Assis
 
Lista 8 trabalho e energia
Lista 8 trabalho e energiaLista 8 trabalho e energia
Lista 8 trabalho e energiarodrigoateneu
 
Fisica cn2 parte6 maquinas simples
Fisica cn2 parte6 maquinas simplesFisica cn2 parte6 maquinas simples
Fisica cn2 parte6 maquinas simplescavip
 
Faculdade anhanguera de jaragua do sul
Faculdade anhanguera de jaragua do sulFaculdade anhanguera de jaragua do sul
Faculdade anhanguera de jaragua do sulRogerio Silva
 

Semelhante a Trabalho e Energia Slide (20)

Lista exerc.ciclo3 cad.6
Lista exerc.ciclo3 cad.6Lista exerc.ciclo3 cad.6
Lista exerc.ciclo3 cad.6
 
Trabalho e potência
Trabalho e potênciaTrabalho e potência
Trabalho e potência
 
Apostila fã sica 2 - ceesvo
Apostila  fã sica 2 - ceesvoApostila  fã sica 2 - ceesvo
Apostila fã sica 2 - ceesvo
 
Fisica cn2 parte5 trabalho de uma força
Fisica cn2 parte5 trabalho de uma forçaFisica cn2 parte5 trabalho de uma força
Fisica cn2 parte5 trabalho de uma força
 
08 Trabalho e Potência
08 Trabalho e Potência08 Trabalho e Potência
08 Trabalho e Potência
 
Aula 08 mecância - trabalho e potência
Aula 08   mecância - trabalho e potênciaAula 08   mecância - trabalho e potência
Aula 08 mecância - trabalho e potência
 
Energia
EnergiaEnergia
Energia
 
10052021141712Lista de Exercicios - Revisao Energia e Potência.pdf
10052021141712Lista de Exercicios - Revisao Energia e Potência.pdf10052021141712Lista de Exercicios - Revisao Energia e Potência.pdf
10052021141712Lista de Exercicios - Revisao Energia e Potência.pdf
 
Energia fisica 10 ano
Energia fisica 10 anoEnergia fisica 10 ano
Energia fisica 10 ano
 
09 Mecânica Energia
09 Mecânica Energia09 Mecânica Energia
09 Mecânica Energia
 
Aula 5 - Trabalho, Potência e Energia.pptx
Aula 5 - Trabalho, Potência e Energia.pptxAula 5 - Trabalho, Potência e Energia.pptx
Aula 5 - Trabalho, Potência e Energia.pptx
 
9 Anos - Trabalho, Potência e Energia Mecânica..pptx
9 Anos - Trabalho, Potência e Energia Mecânica..pptx9 Anos - Trabalho, Potência e Energia Mecânica..pptx
9 Anos - Trabalho, Potência e Energia Mecânica..pptx
 
E. MÉDIO 2 MANHÃ FÍSICA 05 09 2023 FONTES ALTERNATIVAS E RENOVÁVEIS DE ENERGI...
E. MÉDIO 2 MANHÃ FÍSICA 05 09 2023 FONTES ALTERNATIVAS E RENOVÁVEIS DE ENERGI...E. MÉDIO 2 MANHÃ FÍSICA 05 09 2023 FONTES ALTERNATIVAS E RENOVÁVEIS DE ENERGI...
E. MÉDIO 2 MANHÃ FÍSICA 05 09 2023 FONTES ALTERNATIVAS E RENOVÁVEIS DE ENERGI...
 
Aula 09 mecância - energia
Aula 09   mecância - energiaAula 09   mecância - energia
Aula 09 mecância - energia
 
Trabalho, energia, fluidos
Trabalho, energia, fluidosTrabalho, energia, fluidos
Trabalho, energia, fluidos
 
94225931 2º-bim-3º-em-exercicios(1)
94225931 2º-bim-3º-em-exercicios(1)94225931 2º-bim-3º-em-exercicios(1)
94225931 2º-bim-3º-em-exercicios(1)
 
Lista 8 trabalho e energia
Lista 8 trabalho e energiaLista 8 trabalho e energia
Lista 8 trabalho e energia
 
Trabalho e Energia
Trabalho e EnergiaTrabalho e Energia
Trabalho e Energia
 
Fisica cn2 parte6 maquinas simples
Fisica cn2 parte6 maquinas simplesFisica cn2 parte6 maquinas simples
Fisica cn2 parte6 maquinas simples
 
Faculdade anhanguera de jaragua do sul
Faculdade anhanguera de jaragua do sulFaculdade anhanguera de jaragua do sul
Faculdade anhanguera de jaragua do sul
 

Último

Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdfRespostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdfssuser06ee57
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaHenrique Santos
 
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio ead.pptx
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio  ead.pptxCONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio  ead.pptx
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio ead.pptxLuana240603
 
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAHISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAElianeAlves383563
 
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxRaquelMartins389880
 
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdfanálise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdfMaiteFerreira4
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxIlda Bicacro
 
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.pptAula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.pptParticular
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Rosana Andrea Miranda
 
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfo-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfCarolineNunes80
 
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfssuserbb4ac2
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"Ilda Bicacro
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfmaria794949
 
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaO que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaCludiaRodrigues693635
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroBrenda Fritz
 
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasMonizeEvellin2
 
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdfARIANAMENDES11
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfPastor Robson Colaço
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisIlda Bicacro
 

Último (20)

Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdfRespostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio ead.pptx
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio  ead.pptxCONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio  ead.pptx
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio ead.pptx
 
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAHISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
 
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
 
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdfanálise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
 
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.pptAula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
 
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfo-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
 
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
 
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaO que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
 
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
 
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
 

Trabalho e Energia Slide

  • 1. TRABALHO E ENERGIA Disciplina: Projetos Integradores 4 Professora: Ana Paula Praxedes – Tutora: Thaíla Figueiredo Assunção Alunos: Vlamir Rocha, José Maria, Joselito Quirino, Marcos Jonas, Wallyn Vieira, Tiago Alves e Jaqueline
  • 2. INTRODUÇÃO No cotidiano a palavra trabalho é usada para designar uma tarefa. Segurar uma mala em um ponto de ônibus esperando uma condução, é realização de trabalho, no entanto na física só existe trabalho se houver movimento.
  • 4. DEFINIÇÃO Trabalho é uma medida da energia transferida ou transformada através de uma força que realiza um deslocamento. d F F
  • 5. Trabalho de uma força é uma grandeza escalar encontrada pelo produto da força pelo deslocamento:  Para utilizar essa expressão, a força deve ser constante.  A força que se deve utilizar no cálculo do trabalho é a componente de F na direção do movimento.  O trabalho é uma grandeza escalar.
  • 6. Decomposição de Vetores F.d Fx .d F. cos .d Unidade: Newton . metro = N . m = joule (J) 1 J = 107 erg
  • 7. EXERCÍCIO É ZÉ CIÇO 1. No esquema da figura, uma mesma caixa é arrastada três vezes ao longo do plano horizontal, deslocando-se do ponto A até o ponto B: Na primeira vez, é puxada pela força F1 , que realiza um trabalho τ1; na segunda, é puxada pela força F2 , que realiza um trabalho τ2; e na terceira é puxada por uma força F3 , que realiza um trabalho τ3. Supondo os comprimentos dos vetores da figura proporcionais às intensidades de F1 , F2 e F3 , aponte a alternativa correta. a) τ1 > τ2 > τ3 b) τ1 < τ2 < τ3 c) τ1 = τ2 = τ3 d) τ1 = τ2 = 0 e) τ1 = τ2 < τ3
  • 8. Resolução: As três forças realizam trabalhos iguais, já que a projeção das três na direção do deslocamento é a mesma.
  • 9. 2. (UCG-GO) Uma força constante F , horizontal, de intensidade 20 N, atua durante 8 s sobre um corpo de massa 4 kg que estava em repouso apoiado em uma superfície horizontal perfeitamente sem atrito. Não se considera o efeito do ar. Qual o trabalho realizado pela força F no citado intervalo de tempo?
  • 10.
  • 11. 3. (FAM-SP) Uma carroça trafega com velocidade de 3 m/s, puxada por um homem que exerce sobre ela uma força de intensidade 90 N, inclinada de 30 em relação à horizontal. O trabalho realizado pela força aplicada pelo homem durante 5 min é: a) 146 000 J b) 80 000 J c) 120 000 J d) 40 500 J e) 67 500 J
  • 12.
  • 13. CLASSIFICAÇÃO a) MOTOR - A força favorece o deslocamento , corpo recebe energia . ( 0)
  • 14. b) RESISTENTE - A força no corpo se opõe ao deslocamento , logo perde energia 0) ( F. cos .d fat F fat . cos180 .d fat F fat .d
  • 15. c) NULO - A força aplicada sobre o corpo é perpendicular ao deslocamento . ( 0)
  • 16. EXERCÍCIO 4. (UFSM-RS) Um homem empurra um caixote de 10 kg com velocidade constante de 2 m/s, durante 6 s. Considerando 10 m/s² a aceleração da gravidade e 0,1 o coeficiente de atrito entre a caixa e o assoalho, o trabalho realizado pelo homem, em joules, é de: a) 2120 b) 22 c) zero d) 2 e) 120
  • 17. Resolução: Como o homem empurra o caixote com velocidade constante, a força resultante sobre o mesmo é zero. Assim, o trabalho realizado pelo homem deve compensar o trabalho da força de atrito entre a caixa e o assoalho, produzindo um trabalho total nulo.
  • 18. TRABALHO DE UMA FORÇA VARIAVEL Se a forca F for constante ou variável, o trabalho pode ser calculado pelo gráfico da forca F em função do deslocamento d do corpo que será numericamente igual a área do gráfico Área Total 1 2
  • 19. EXERCÍCIO 5. (UERJ) Na brincadeira conhecida como cabo de guerra, dois grupos de palhaços utilizam uma corda ideal que apresenta um nó no seu ponto mediano. O gráfico mostra a variação da intensidade da resultante F das forças aplicadas sobre o nó, em função da sua posição x. Considere que a força resultante e o deslocamento sejam paralelos. Determine o trabalho realizado por F no deslocamento entre 2 e 9 m.
  • 20.
  • 21. TRABALHO DA FORÇA PESO B A
  • 22. EXERCÍCIO 6. (Uniderp-MS) Um guindaste levanta uma caixa de 500 kg a uma altura de 5 m velocidade constante. Considerando-se a ação da gravidade local g =10 m/s², pode-se afirmar que o trabalho que do guindaste realiza em J é de: a) 2600 b) 2500 c) 2400 d) 3000 e) 2000
  • 23.
  • 24. TRABALHO DA FORÇA ELÁSTICA Usando a Lei de Hooke e sabendo que trabalho de uma força é numericamente igual a área sob o gráfico então temos : FElástica K .x (Lei de Hooke) Constante Elástica No gráfico temos um triangulo Área Elástica K .x.x 2 K .x 2 2
  • 25. EXERCÍCIO 7. Uma mola, submetida à ação de uma força de intensidade 10 N, está deformada de 2 cm. O módulo do trabalho realizado pela força elástica na deformação de 0 a 2 cm foi, em joules, de a) 0,1 b) 0,2 c) 0,5 d) 1,0 e) 2,0
  • 26. Resolução: Felástica x 10 N 2cm 0,02m ? felastica felastica felastica felastica Felástica 10 K K .x K .0,02 500N / m k .x 2 2 500 .( 0,02 ) 2 2 500.0,0004 2 0,2 2 felastica 0,1J
  • 27. TRABALHO DE UM SISTEMA DE FORÇAS EXEMPLO : Descida de um Tobogã 0
  • 28. EXERCÍCIO 8. (UFSC) Um helicóptero suspenso no ar, em repouso em relação ao solo, ergue por meio de um cabo de aço, mantido vertical, uma caixa de massa igual a 200 kg que se desloca com velocidade constante ao longo de um percurso de 10 m. No local, g = 10 m/s2. Sabendo que no deslocamento citado as forças de resistência do ar realizam sobre a caixa um trabalho de –1 400 J, calcule o trabalho da força aplicada pelo cabo de aço sobre a caixa.
  • 29.
  • 30. POTÊNCIA É rapidez com que o trabalho é realizado. Potência tempo
  • 31. Pouco de Humor Pô , Walker Dead! Muita Potência nem sempre significa chegar são e salvo Nem sempre ter Potência significa realizar trabalho
  • 32. EXERCÍCIO 9. (Fuvest-SP) Dispõe-se de um motor com potência útil de 200 W para erguer um fardo de massa de 20 kg à altura de 100 m em um local onde g = 10 m/s². Supondo que o fardo parte do repouso e volta ao repouso, calcule: a) o trabalho desenvolvido pela força aplicada pelo motor; b) o intervalo de tempo gasto nessa operação.
  • 33.
  • 34. RENDIMENTO ( ) Em nosso dia a dia e muito comum falarmos em rendimento, seja na escola, no trabalho ou ate mesmo quando queremos saber quantos quilômetros um auto móvel faz com um litro de combustível. No estudo de Física, a noção de rendimento esta ligada a energia e potencia. P ÚTIL P TOTAL
  • 35. EXERCÍCIO 10. Na situação da figura a seguir, o motor elétrico faz com que o bloco de massa 30 kg suba com velocidade constante de 1,0 m/s. O cabo que sustenta o bloco é ideal, a resistência do ar é desprezível e adota-se |g| = 10 m/s². Considerando que nessa operação o motor apresenta rendimento de 60%, calcule a potência por ele dissipada.
  • 36.
  • 38.
  • 39. FONTES DE ENERGIA Energia Hidráulica – É a mais utilizada no Brasil em função da grande quantidade de rios. A água possui um grande potencial energético. Numa usina hidrelétrica esse potencial é usado atravéz da gravidade onde a água move a turbina que faz funcionar um gerador elétrico, produzindo energia.
  • 40. Energia Fóssil – Formada a milhões de anos a partir do acúmulo de materiais orgânicos no subsolo. A energia destas fontes costuma provocar poluição, o que contribui com o efeito estufa e o aquecimento global. Isto ocorre principalmente com dos derivados de petróleo (diesel e gasolina) e do carvão mineral. Já no caso do gás natural, o nível de poluentes é bem menor.
  • 41. Energia Solar – ainda pouco explorada no mundo, em função do custo elevado de implantação, é uma fonte limpa, ou seja, não gera poluição nem impactos ambientais. A radiação solar é captada e transformada para gerar calor ou eletricidade
  • 42. Energia de Biomassa – é a energia gerada a partir da decomposição, em curto prazo, de materiais orgânicos (esterco, restos de alimentos, resíduos agrícolas). O gás metano produzido é usado para gerar energia.
  • 43. Energia Eólica – É a energia captada a partir do vento atravéz de grandes hélices instaladas em áreas abertas. o movimentos dessas hélices movimentam um gerador que produz a energia elétrica. É uma fonte limpa e inesgotável, porém, pouco utilizada no Brasil.
  • 44. Energia Nuclear – Proveniente do urânio é obtida quando o núcleo é desintegrado, o que gera uma enorme quantidade de energia liberada. As usinas nucleares aproveitam esta energia para gerar eletricidade.
  • 45. Energia Geotérmica – Obtida atravéz do calor produzido nas camadas profundas da crosta terrestre. Em algumas regiões, a temperatura pode superar 5.000 C, as usinas utilizam este calor para acionar turbinas elétricas e gerar energia.
  • 46. Energia das Marés, também conhecida como energia maremotriz, é gerada a partir do movimento das águas oceânicas nas marés. Especialistas em energia afirmam que, no futuro, esta será uma das principais fontes de energia do planeta.
  • 47. CLASSIFICAÇÃO Energia Cinética é a energia do sistema que põe o corpo em movimento. É o tipo de energia que os corpo tem, devido ao movimento que apresentam.
  • 48. TEOREMA DO TRABALHO - ENERGIA ECinética EC 1 .m.V 2 2 O trabalho realizado pela resultante de forças é igual à variação da energia cinética do corpo. ECinética
  • 49. EXERCÍCIO 11. O trabalho total realizado sobre uma partícula de massa 8 kg foi de 256 J. Sabendo que a velocidade inicial da partícula era de 6 m/s, calcule a velocidade final.
  • 50.
  • 51. EXERCÍCIO 12. Uma partícula sujeita a uma força resultante de intensidade 2 N move-se sobre uma reta. Sabendo que entre dois pontos P e Q dessa reta a variação de sua energia cinética é de 3 J, calcule a distância entre P e Q.
  • 52.
  • 53. ENERGIA POTENCIAL GRAVITACIONAL Quando um martelo é elevado no ar, existe um potencial para um trabalho sobre ele ser realizado pela força da gravidade, porém isso só ocorre quando o martelo é liberado. • Energia = Propriedade de um sistema que lhe permite realizar trabalho ... • Potencial = Virtual, possível.
  • 54. EXERCÍCIO 13. (Unifor-CE) Um menino de massa 20 kg desce por um escorregador de 3 m de altura em relação à areia de um tanque, na base do escorregador. Adotando g 10 m/s², o trabalho realizado pela força do menino vale, em joules: a) 600 b) 400 c) 300 d) 200 e) 60
  • 55.
  • 56. ENERGIA POTENCIAL ELÁSTICA Ao esticarmos ou comprimirmos uma mola ou um elástico,a energia sabemos que fica armazenada é chamada de energia potencial elástica. Quanto maior for a constante elástica (dureza) da mola, mais difícil será deformá-la.
  • 57. EXERCÍCIO 14. Na situação representada nas figuras 1 e 2, a mola tem massa desprezível e está fixa no solo com o seu eixo na vertical. Um corpo de pequenas dimensões e massa igual a 2,0 kg é abandonado da posição A e, depois de colidir com o aparador da mola na posição B, aderindo a ele, desce e para instantaneamente na posição C.
  • 58.
  • 59. VÍDEOS IMPORTANTES Discovery Na Escola: Elementos da Física, Energia e Trabalho. www.youtube.com/watch?v=wVLUmyXVSMk Rap da energia www.youtube.com/watch?v=oGEcG8Kfga0 Skatista Bob Burniquist realizando um salto de base Jump de 500 metros de altura www.youtube.com/watch?v=1iot3I5Sy1c
  • 60. CONSERVAÇÃO DE ENERGIA A energia pode ser transformada de uma forma em outra, mas não pode ser criada nem destruída. A energia total do universo é constante. A manga presa a uma árvore armazena energia potencial gravitacional. Ao cair no chão, pode-se ter a impressão de que a energia potencial armazenada foi destruída, no entanto sabe-se que essa energia foi transformada em outras formas de energia, como por exemplo, energia sonora (som emiti do ao tocar no chão) e energia térmica (calor produzido ao tocar no chão).
  • 61. EXERCÍCIO Qual o erro na tirinha?
  • 62. 15. (UFFRJ-RJ) O salto com vara é um dos esportes mais exigentes do atletismo. Em um único salto, o atleta executa cerca de 23 movimentos em menos de 2 segundos. Na Olimpíada de Atenas uma atleta russa bateu o recorde, saltando 4,88 m. A figura a seguir representa um atleta durante um salto com vara, em três instantes distintos. Assinale a opção que melhor identifica os tipos de energia envolvidos em cada uma das situações I, II, e III, respectivamente. a) - cinética - cinética e gravitacional - cinética e gravitacional b) - cinética e elástica - cinética, gravitacional e elástica - cinética e gravitacional c) - cinética - cinética, gravitacional e elástica - cinética e gravitacional d) - cinética e elástica - cinética e elástica – gravitacional e) - cinética e elástica - cinética e gravitacional – gravitacional
  • 63. 16. Observe a tira de humor abaixo: a) Por que ao saltar da montanha o Viking ganha velocidade? b) O fato de ele carregar passageiros influenciaria na sua velocidade?
  • 64. 17. A tira de humor a seguir ilustra um brinquedo muito comum em parques e jardins – o escorrega. Provavelmente, em algum dia da sua vida, você teve a oportunidade de brincar em um escorrega e perceber que a velocidade no final da descida é maior do que no início. Apresente uma explicação para este fato.
  • 65. CONSERVAÇÃO DE ENERGIA MECÂNICA Toda energia associada ao movimento ou à possibilidade de haver movimento é denominada de energia mecânica. E Mecânica = E Cinética + E Potencial Eminicial Em final Conservativa Em A Em B EmC 0 (De A para B) Ec A Ep A Ec A Ec B Ep A Ep B Ec B
  • 66. SISTEMA CONSERVATIVO • A energia mecânica se conserva • Ausência de atrito. • Cinética aumenta e potencial diminui e vice-versa, na mesma quantidade. BATE ESTACA Gravitacional e Cinética Elástica, Gravitacional e Cinética
  • 67. EXERCÍCIO 18. Numa montanha-russa, um carrinho de 300 kg de massa é abandonado do repouso de um ponto A, que está a 5 m de altura. Supondo-se que o atrito seja desprezível, pergunta-se: a) o valor da velocidade do carrinho no ponto B; b) a energia cinética do carrinho no ponto C, que está a 4 m de altura.
  • 68. a) Em A Em B E = m.g.h = 300.10.5 = 15000 J Como não há atrito a toda energia potencial vira cinética logo mv²/2 = 15000 v² = 100 v = 10 m/s B) Em B Emc Em C há tanto energia cinética quanto energia potencial. Como não há dissipação de energia: Ec + Ep = 15000 Ec + 300.10.4 = 15000 Ec = 3000
  • 69. SISTEMA NÃO-CONSERVATIVO • A energia mecânica não se conserva • Presença de atrito (resistência do ar). • Cinética aumenta e depois fica constante e a potencial diminui.
  • 70. EXERCÍCIO 19. Na figura, a mola tem massa desprezível, constante elástica igual a 10² N/m e está inicialmente travada na posição indicada, contraída de 50 cm. O bloco, cuja massa é 1 kg, está em repouso no ponto A, encostado na mola. O trecho AB do plano horizontal é perfeitamente polido e o trecho BC áspero. Em determinado instante, a mola é destravada e o bloco impulsionado, atingindo o ponto B com velocidade de intensidade VB. No local, a influência do ar é desprezível e adota-se g = 10 m/s². Sabendo que o bloco pára ao atingir o ponto C, calcule: a) o valor de VB; b) o coeficiente de atrito cinético entre o bloco e o plano de apoio no trecho BC.
  • 71.
  • 72. Conclusão • Podemos concluir que não existe trabalho se não houver o emprego de energia, ou seja, podemos dizer que o trabalho é uma medida da energia transformada através de uma força.
  • 73. TRABALHO E ENERGIA Turma de Física Licenciatura – UFAL/EaD Disciplina Projeto Integradores 4 Profª.: Ana Paula Perdigão Praxedes Tutora: Thaíla Figueiredo Assunção Alunos: Vlamir Gama Rocha José Maria Lima Jr. Joselito Quirino Marcos Jonas Wallyn Vieira Tiago Alves Jaqueline