SlideShare uma empresa Scribd logo
ToxoplasmoseFco. Wendell e Neto Lins
IMUNOL GIA CLINICA´O
HISTORICO, BIOLOGIA E
EPIDEMIOLOGIA
2
Protozoário intracelular obrigatório.
Instituto Biológico de São Paulo, por Splendore (1908) em
coelhos.
Instituto Pasteur de Tunis, por Nicolle & Manceux (1908)
em roedores do norte da África, Ctenodactylus gondii, aos
quais se deve o nome da espécie.
TOXOPLASMOSE
TOXOPLASMA
GONDII
3
Taquizoíto
Cisto
Oocisto
Fase aguda
Forma resistente
Forma infectante
TOXOPLASMOSE
MECANISMO
DE TRANSMISSÃO
4
Ingestão de oocistos ou cistos por hospedeiros
intermediários.
Forma congênita ou transplacentária.
Transfusão sangüínea.
Transplante de órgãos e transmissão acidental por auto-
inoculação.
TOXOPLASMOSE
DIAGNÓSTICO DA TOXOPLAMOSE
5
DIAGNÓSTICO CLÍNICO
A manifestação clínica mais comum na criança e/ou adulto
imunocompetente é um quadro semelhante à mononucleose
infecciosa.
Adenopatias.
Febre baixa, desâmino e anorexia.
Resolução espontânea no final de duas a quatro semanas.
TOXOPLASMOSE
DIAGNÓSTICO DA TOXOPLAMOSE
6
DIAGNÓSTICO LABORATORIAL
A resposta imune pode ser natural ou adquirida. Duas
semanas após a infecção, IgG, IgM, IgA e IgE podem ser
detectados no soro. A produção de anticorpos IgA parece
proteger o hospedeiro de uma reinfecção.
A passagem da IgG específica pela placenta dificulta o
diagnóstico da infecção congênita, pois sua presença no
sangue do lactente pode refletir a imunoglobulina materna que
foi transferida pela via transplacentária durante a gestação
como forma de proteção.
TOXOPLASMOSE
DIAGNÓSTICO DA TOXOPLAMOSE
7
DIAGNÓSTICO PARASITOLÓGICO / INOCULAÇÃO EM CAMUNDONGO
A positividade é indicada pela soroconversão do animal e
confirmada pelo achado de taquizoítos no líquido peritoneal
ou, mais freqüentemente, de cistos no cérebro e outros
órgãos, evidenciados em cortes histológicos, corados pela
Hematoxilina-Eosina/HE, e/ou Imuno-histoquímica/ IH
TOXOPLASMOSE
DIAGNÓSTICO DA TOXOPLAMOSE
8
ISOLAMENTO EM CULTURA DE CÉLULAS
O desenvolvimento de T. gondii no interior das células pode
ser evidenciado com facilidade por imunofluorescência no
tecido em prazos curtos de até uma semana.
TOXOPLASMOSE
DIAGNÓSTICO DA TOXOPLAMOSE
9
IMUNOHISTOQUÍMICA
O parasito ou seus antígenos podem ser evidenciados em
cortes de tecidos por imunohistoquímica, utilizando-se
anticorpos específicos e coloração imunofluorescente ou
imunoenzimática.
TOXOPLASMOSE
TOXOPLASMOSE
D AGNÓSTICO DA TOXOPLAMOSE
10
REAÇÃO EM CADEIA DA POLIMERASE (PCR)
Amostras de sangue testadas para se investigar
parasitemia por ensaios de PCR, amplifica-se segmentos
dos genes B1 e P30 de T. gondii.
A técnica de PCR revolucionou o diagnóstico pré-natal da
toxoplasmose congênita, uma vez que limita o uso de
métodos invasivos no feto.
TOXOPLASMOSE
D AGNÓSTICO DA TOXOPLAMOSE
11
DIAGNÓSTICO DA TOXOPLAMOSE
12
DIAGNÓSTICO SOROLÓGICO
A sorologia continua a ser a principal abordagem para
estabelecer um diagnóstico de toxoplasmose.
Baseia-se na pesquisa de anticorpos de diferentes classes
de imunoglobulinas (IgG, IgM, IgA e IgE) anti-T. gondii.
TOXOPLASMOSE
DIAGNÓSTICO DA TOXOPLAM SE
13
IMUNOFLUORESCÊNCIA INDIRETA (IFI)
A reação de Imunofluorescência Indireta (IFI) é considerada
de boa especificidade e sensibilidade.
Tem sido empregada para amplificar o sinal de fluorescência
e aumentar a sensibilidade. Essa reação tem a vantagem de
utilizar parasitos preservados, fixados em lâminas de
microscopia.
TOXOPLASMOSE
DIAGNÓSTICO DA TOXOPLAM SE
14TOXOPLASMOSE
DIAGNÓSTICO DA TOXOPLAMOSE
15
ENSAIO IMUNOENZIMÁTICO (ELISA)
A introdução do ELISA trouxe um grande avanço para o
diagnóstico da doença, porém, há possibilidade de resultados
falso-positivos para IgM em pacientes portadores do fator
reumatóide.
ELISA duplo sanduíche (DS - ELISA IgM) ou teste de captura
de IgM. Consege detectar a presença de IgM específica para
T. gondii em 92% de indivíduos com toxoplasmose
recentemente adquirida.
TOXOPLASMOSE
DIAGNÓSTICO DA TOXOPLAMOSE
16
ENSAIO IMUNOENZIMÁTICO (ELISA)
TOXOPLASMOSE
DIAGNÓSTICO DA TOXOPLAMOSE
17
ELISA IgG para avidez
Este método avalia a avidez de ligação ao antígeno dos
anticorpos IgG contra o T. gondii, separando os anticorpos
de baixa avidez produzidos numa fase inicial da infecção,
dos anticorpos de elevada avidez, indicativos de infecção
crônica.
TOXOPLASMOSE
DIAGNÓSTICO DA TOXOPLAMOSE
18TOXOPLASMOSE
RESULTADO:
VALORES DE REFERÊNCIA:
- BAIXA AVIDEZ: INFERIOR A 50,0% - SUGERE INFECÇÃO OCORRIDA NOS ÚLTIMOS 04 MESES.
- MODERADA : DE 50,0 A 59,9% - NÃO PERMITE DEFINIR O PERÍODO DA INFECÇÃO.
- ALTA AVIDEZ : IGUAL OU SUPERIOR A 60,0% - SUGERE QUE A INFECÇÃO TENHA OCORRIDO HÁ MAIS
DE 04 MESES.
TOXOPLASMOSE
DIAGNÓSTICO DA TOXOPLAMOSE
19
WESTERN BLOT
A reação de Western blot tem mostrado que o soro materno e
o da criança reconhecem diferentes antígenos do T. gondii
quando a criança está infectada.
Comparando-se a técnica de Western blot com a
imunocaptura ELISA, demonstra-se que a primeira tem
vantagens sobre a segunda especialmente no diagnóstico da
toxoplasmose cerebral dos pacientes com AIDS.
TOXOPLASMOSE
DIAGNÓSTICO DA TOXOPLAMOSE
20
PREVENÇÃO
21TOXOPLASMOSE
E TRATAMENTO
A prevenção da toxoplasmose congênita pode ser dividida em
três categorias:
Primária
Secundária
Terciária
Programas de educação e saúde pública
Evitar a transmissão transplacentária
Diagnóstico precoce
PREVENÇÃO
21TOXOPLASMOSE
E tratamento
Primária
Secundária
Terciária
Programas de educação e saúde pública
Evitar a transmissão transplacentária
Diagnóstico precoce
Uma nova droga promissora no tratamento da toxoplasmose é
o Atovaquone. Estudos experimentais sugerem que essa
droga tem um efeito parcial contra cistos teciduais, assim
como a azitromicina.
PERSPECTIVAS
22TOXOPLASMOSE
VACINA
O parasito vivo atenuado e antígenos são considerados
agentes potenciais para a vacinação.
O parasito vivo atenuado da cepa S48 é usado na vacinação
de ovelhas na Europa e Nova Zelândia, mas é inapropriado
para humanos.
O uso de antígenos expressos por bradizoítos e oocistos
também tem sido estudado.
Referências
Bibliográficas
SEMINÁRIO DE IMUNOLOGIA CLÍNICA
APRESENTADO EM 10 DE OUTUBRO DE 2018
UNICHRISTUS – CENTRO UNIVERSITÁRIO CHRISTUS
EQUIPE: FCO.WENDELL E NETO LINS

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Toxoplasmose
ToxoplasmoseToxoplasmose
Toxoplasmose
Maria Eliane Santos
 
Criptococose patogenicidade
Criptococose   patogenicidadeCriptococose   patogenicidade
Criptococose patogenicidade
UFPI - Universidade Federal do Piauí
 
Questões infecções do sistema nervoso central
Questões infecções do sistema nervoso centralQuestões infecções do sistema nervoso central
Questões infecções do sistema nervoso central
Professor Robson
 
Diagnóstico diferencial hepatoesplenomegalias febris
Diagnóstico diferencial hepatoesplenomegalias febrisDiagnóstico diferencial hepatoesplenomegalias febris
Diagnóstico diferencial hepatoesplenomegalias febris
Professor Robson
 
Questões Coqueluche professor robson
Questões Coqueluche   professor robsonQuestões Coqueluche   professor robson
Questões Coqueluche professor robson
Professor Robson
 
Toxoplasmose congênita
Toxoplasmose congênitaToxoplasmose congênita
Toxoplasmose congênita
Igor Thé Braga
 
Neurotoxoplasmose
NeurotoxoplasmoseNeurotoxoplasmose
Toxoplasmose
Toxoplasmose Toxoplasmose
Toxoplasmose
Silézia Carla
 
Toxoplasmose e a gravidez
Toxoplasmose e a gravidezToxoplasmose e a gravidez
Toxoplasmose e a gravidez
Rita Silva
 
Toxoplasmose!
Toxoplasmose!Toxoplasmose!
Toxoplasmose!
Maiara Lima
 
Toxoplasmose Congenita
Toxoplasmose CongenitaToxoplasmose Congenita
Toxoplasmose Congenita
Patricia Nunes
 
Espiroquetas orais e Treponema Pallidum
Espiroquetas orais e Treponema PallidumEspiroquetas orais e Treponema Pallidum
Espiroquetas orais e Treponema Pallidum
Thaline Eveli Martins
 
Artigo de Revisão de Histoplasmose
Artigo de Revisão de HistoplasmoseArtigo de Revisão de Histoplasmose
Artigo de Revisão de Histoplasmose
Flávia Salame
 
Toxoplasmose
ToxoplasmoseToxoplasmose
Streptococcus pneumoniae - BIOLOGIA (pneumococo)
Streptococcus pneumoniae - BIOLOGIA (pneumococo)Streptococcus pneumoniae - BIOLOGIA (pneumococo)
Streptococcus pneumoniae - BIOLOGIA (pneumococo)
Danillo Rodrigues
 
Toxoplasmose
ToxoplasmoseToxoplasmose
Toxoplasmose
3a2011
 
Doenças: Toxoplasmose e Tuberculose
Doenças: Toxoplasmose e TuberculoseDoenças: Toxoplasmose e Tuberculose
Doenças: Toxoplasmose e Tuberculose
Fêe Oliveira
 
Histoplasmose (1)
Histoplasmose (1)Histoplasmose (1)
Histoplasmose (1)
Renato Santos
 
Meningites purulentas na infância
Meningites purulentas na infânciaMeningites purulentas na infância
Meningites purulentas na infância
Professor Robson
 
Toxoplasmose
ToxoplasmoseToxoplasmose
Toxoplasmose
Priscyla Karla
 

Mais procurados (20)

Toxoplasmose
ToxoplasmoseToxoplasmose
Toxoplasmose
 
Criptococose patogenicidade
Criptococose   patogenicidadeCriptococose   patogenicidade
Criptococose patogenicidade
 
Questões infecções do sistema nervoso central
Questões infecções do sistema nervoso centralQuestões infecções do sistema nervoso central
Questões infecções do sistema nervoso central
 
Diagnóstico diferencial hepatoesplenomegalias febris
Diagnóstico diferencial hepatoesplenomegalias febrisDiagnóstico diferencial hepatoesplenomegalias febris
Diagnóstico diferencial hepatoesplenomegalias febris
 
Questões Coqueluche professor robson
Questões Coqueluche   professor robsonQuestões Coqueluche   professor robson
Questões Coqueluche professor robson
 
Toxoplasmose congênita
Toxoplasmose congênitaToxoplasmose congênita
Toxoplasmose congênita
 
Neurotoxoplasmose
NeurotoxoplasmoseNeurotoxoplasmose
Neurotoxoplasmose
 
Toxoplasmose
Toxoplasmose Toxoplasmose
Toxoplasmose
 
Toxoplasmose e a gravidez
Toxoplasmose e a gravidezToxoplasmose e a gravidez
Toxoplasmose e a gravidez
 
Toxoplasmose!
Toxoplasmose!Toxoplasmose!
Toxoplasmose!
 
Toxoplasmose Congenita
Toxoplasmose CongenitaToxoplasmose Congenita
Toxoplasmose Congenita
 
Espiroquetas orais e Treponema Pallidum
Espiroquetas orais e Treponema PallidumEspiroquetas orais e Treponema Pallidum
Espiroquetas orais e Treponema Pallidum
 
Artigo de Revisão de Histoplasmose
Artigo de Revisão de HistoplasmoseArtigo de Revisão de Histoplasmose
Artigo de Revisão de Histoplasmose
 
Toxoplasmose
ToxoplasmoseToxoplasmose
Toxoplasmose
 
Streptococcus pneumoniae - BIOLOGIA (pneumococo)
Streptococcus pneumoniae - BIOLOGIA (pneumococo)Streptococcus pneumoniae - BIOLOGIA (pneumococo)
Streptococcus pneumoniae - BIOLOGIA (pneumococo)
 
Toxoplasmose
ToxoplasmoseToxoplasmose
Toxoplasmose
 
Doenças: Toxoplasmose e Tuberculose
Doenças: Toxoplasmose e TuberculoseDoenças: Toxoplasmose e Tuberculose
Doenças: Toxoplasmose e Tuberculose
 
Histoplasmose (1)
Histoplasmose (1)Histoplasmose (1)
Histoplasmose (1)
 
Meningites purulentas na infância
Meningites purulentas na infânciaMeningites purulentas na infância
Meningites purulentas na infância
 
Toxoplasmose
ToxoplasmoseToxoplasmose
Toxoplasmose
 

Semelhante a TOXOPLAMOSE

apresentação toxoplasmose.pptx
apresentação toxoplasmose.pptxapresentação toxoplasmose.pptx
apresentação toxoplasmose.pptx
ViniciusBarrosOlivei
 
Pneumonias
PneumoniasPneumonias
Pneumonias
Lorena de Assis
 
Toxoplasmose congênita
Toxoplasmose congênita Toxoplasmose congênita
Toxoplasmose congênita
Amanda Thomé
 
Módulo de micoses pulmonares paracoccidioidomicoses
Módulo de micoses pulmonares paracoccidioidomicosesMódulo de micoses pulmonares paracoccidioidomicoses
Módulo de micoses pulmonares paracoccidioidomicoses
Flávia Salame
 
Toxoplasmose na Gestação
Toxoplasmose na GestaçãoToxoplasmose na Gestação
Diagnóstico laboratorial-da-toxoplasmose-congênita1
Diagnóstico laboratorial-da-toxoplasmose-congênita1Diagnóstico laboratorial-da-toxoplasmose-congênita1
Diagnóstico laboratorial-da-toxoplasmose-congênita1
Isadora Melo Franco
 
Adenopatia
Adenopatia Adenopatia
Adenopatia
osorio de moura
 
Pneumonias na Infância - Liga de Pediatria UNICID
Pneumonias na Infância - Liga de Pediatria UNICIDPneumonias na Infância - Liga de Pediatria UNICID
Pneumonias na Infância - Liga de Pediatria UNICID
Liga De Pediatria Med Unicid
 
Diretrizes+brasileiras+em+pneumonia+adquirida+na+comunidade+em
Diretrizes+brasileiras+em+pneumonia+adquirida+na+comunidade+emDiretrizes+brasileiras+em+pneumonia+adquirida+na+comunidade+em
Diretrizes+brasileiras+em+pneumonia+adquirida+na+comunidade+em
Arquivo-FClinico
 
Histoplasmose
HistoplasmoseHistoplasmose
Histoplasmose
Flávia Salame
 
sindromes-de-mononucleose INFECTOLOGIA MEDICA
sindromes-de-mononucleose INFECTOLOGIA MEDICAsindromes-de-mononucleose INFECTOLOGIA MEDICA
sindromes-de-mononucleose INFECTOLOGIA MEDICA
Belinha Donatti
 
pneumonia-7c2b0.ppt
pneumonia-7c2b0.pptpneumonia-7c2b0.ppt
pneumonia-7c2b0.ppt
carlasuzane2
 
8MetodosdediagnosticoparaadoencadeChagasumaatualizacao-1.pdf
8MetodosdediagnosticoparaadoencadeChagasumaatualizacao-1.pdf8MetodosdediagnosticoparaadoencadeChagasumaatualizacao-1.pdf
8MetodosdediagnosticoparaadoencadeChagasumaatualizacao-1.pdf
nicoleblanco100
 
Imunopatologia da Esquistossomose (slide final)
Imunopatologia da Esquistossomose (slide final)Imunopatologia da Esquistossomose (slide final)
Imunopatologia da Esquistossomose (slide final)
Hemilly Rayanne
 
Imunopatologia da esquistossomose
Imunopatologia da esquistossomose Imunopatologia da esquistossomose
Imunopatologia da esquistossomose
Hemilly Rayanne
 
Pneumonias (e Fibrose Cística)
Pneumonias (e Fibrose Cística) Pneumonias (e Fibrose Cística)
Pneumonias (e Fibrose Cística)
Mônica Firmida
 
Sarampo
SarampoSarampo
Detecção sorológica de anti hpv 16 e 18 e o papanicolaou em jovens e adolesce...
Detecção sorológica de anti hpv 16 e 18 e o papanicolaou em jovens e adolesce...Detecção sorológica de anti hpv 16 e 18 e o papanicolaou em jovens e adolesce...
Detecção sorológica de anti hpv 16 e 18 e o papanicolaou em jovens e adolesce...
Thaís Braga
 
Tuberculose
TuberculoseTuberculose
Tuberculose
Aline Cristina
 
Caso Clínico de Leishmaniose
Caso Clínico de LeishmanioseCaso Clínico de Leishmaniose
Caso Clínico de Leishmaniose
Karina Pereira
 

Semelhante a TOXOPLAMOSE (20)

apresentação toxoplasmose.pptx
apresentação toxoplasmose.pptxapresentação toxoplasmose.pptx
apresentação toxoplasmose.pptx
 
Pneumonias
PneumoniasPneumonias
Pneumonias
 
Toxoplasmose congênita
Toxoplasmose congênita Toxoplasmose congênita
Toxoplasmose congênita
 
Módulo de micoses pulmonares paracoccidioidomicoses
Módulo de micoses pulmonares paracoccidioidomicosesMódulo de micoses pulmonares paracoccidioidomicoses
Módulo de micoses pulmonares paracoccidioidomicoses
 
Toxoplasmose na Gestação
Toxoplasmose na GestaçãoToxoplasmose na Gestação
Toxoplasmose na Gestação
 
Diagnóstico laboratorial-da-toxoplasmose-congênita1
Diagnóstico laboratorial-da-toxoplasmose-congênita1Diagnóstico laboratorial-da-toxoplasmose-congênita1
Diagnóstico laboratorial-da-toxoplasmose-congênita1
 
Adenopatia
Adenopatia Adenopatia
Adenopatia
 
Pneumonias na Infância - Liga de Pediatria UNICID
Pneumonias na Infância - Liga de Pediatria UNICIDPneumonias na Infância - Liga de Pediatria UNICID
Pneumonias na Infância - Liga de Pediatria UNICID
 
Diretrizes+brasileiras+em+pneumonia+adquirida+na+comunidade+em
Diretrizes+brasileiras+em+pneumonia+adquirida+na+comunidade+emDiretrizes+brasileiras+em+pneumonia+adquirida+na+comunidade+em
Diretrizes+brasileiras+em+pneumonia+adquirida+na+comunidade+em
 
Histoplasmose
HistoplasmoseHistoplasmose
Histoplasmose
 
sindromes-de-mononucleose INFECTOLOGIA MEDICA
sindromes-de-mononucleose INFECTOLOGIA MEDICAsindromes-de-mononucleose INFECTOLOGIA MEDICA
sindromes-de-mononucleose INFECTOLOGIA MEDICA
 
pneumonia-7c2b0.ppt
pneumonia-7c2b0.pptpneumonia-7c2b0.ppt
pneumonia-7c2b0.ppt
 
8MetodosdediagnosticoparaadoencadeChagasumaatualizacao-1.pdf
8MetodosdediagnosticoparaadoencadeChagasumaatualizacao-1.pdf8MetodosdediagnosticoparaadoencadeChagasumaatualizacao-1.pdf
8MetodosdediagnosticoparaadoencadeChagasumaatualizacao-1.pdf
 
Imunopatologia da Esquistossomose (slide final)
Imunopatologia da Esquistossomose (slide final)Imunopatologia da Esquistossomose (slide final)
Imunopatologia da Esquistossomose (slide final)
 
Imunopatologia da esquistossomose
Imunopatologia da esquistossomose Imunopatologia da esquistossomose
Imunopatologia da esquistossomose
 
Pneumonias (e Fibrose Cística)
Pneumonias (e Fibrose Cística) Pneumonias (e Fibrose Cística)
Pneumonias (e Fibrose Cística)
 
Sarampo
SarampoSarampo
Sarampo
 
Detecção sorológica de anti hpv 16 e 18 e o papanicolaou em jovens e adolesce...
Detecção sorológica de anti hpv 16 e 18 e o papanicolaou em jovens e adolesce...Detecção sorológica de anti hpv 16 e 18 e o papanicolaou em jovens e adolesce...
Detecção sorológica de anti hpv 16 e 18 e o papanicolaou em jovens e adolesce...
 
Tuberculose
TuberculoseTuberculose
Tuberculose
 
Caso Clínico de Leishmaniose
Caso Clínico de LeishmanioseCaso Clínico de Leishmaniose
Caso Clínico de Leishmaniose
 

TOXOPLAMOSE

  • 1. ToxoplasmoseFco. Wendell e Neto Lins IMUNOL GIA CLINICA´O
  • 2. HISTORICO, BIOLOGIA E EPIDEMIOLOGIA 2 Protozoário intracelular obrigatório. Instituto Biológico de São Paulo, por Splendore (1908) em coelhos. Instituto Pasteur de Tunis, por Nicolle & Manceux (1908) em roedores do norte da África, Ctenodactylus gondii, aos quais se deve o nome da espécie. TOXOPLASMOSE
  • 4. MECANISMO DE TRANSMISSÃO 4 Ingestão de oocistos ou cistos por hospedeiros intermediários. Forma congênita ou transplacentária. Transfusão sangüínea. Transplante de órgãos e transmissão acidental por auto- inoculação. TOXOPLASMOSE
  • 5. DIAGNÓSTICO DA TOXOPLAMOSE 5 DIAGNÓSTICO CLÍNICO A manifestação clínica mais comum na criança e/ou adulto imunocompetente é um quadro semelhante à mononucleose infecciosa. Adenopatias. Febre baixa, desâmino e anorexia. Resolução espontânea no final de duas a quatro semanas. TOXOPLASMOSE
  • 6. DIAGNÓSTICO DA TOXOPLAMOSE 6 DIAGNÓSTICO LABORATORIAL A resposta imune pode ser natural ou adquirida. Duas semanas após a infecção, IgG, IgM, IgA e IgE podem ser detectados no soro. A produção de anticorpos IgA parece proteger o hospedeiro de uma reinfecção. A passagem da IgG específica pela placenta dificulta o diagnóstico da infecção congênita, pois sua presença no sangue do lactente pode refletir a imunoglobulina materna que foi transferida pela via transplacentária durante a gestação como forma de proteção. TOXOPLASMOSE
  • 7. DIAGNÓSTICO DA TOXOPLAMOSE 7 DIAGNÓSTICO PARASITOLÓGICO / INOCULAÇÃO EM CAMUNDONGO A positividade é indicada pela soroconversão do animal e confirmada pelo achado de taquizoítos no líquido peritoneal ou, mais freqüentemente, de cistos no cérebro e outros órgãos, evidenciados em cortes histológicos, corados pela Hematoxilina-Eosina/HE, e/ou Imuno-histoquímica/ IH TOXOPLASMOSE
  • 8. DIAGNÓSTICO DA TOXOPLAMOSE 8 ISOLAMENTO EM CULTURA DE CÉLULAS O desenvolvimento de T. gondii no interior das células pode ser evidenciado com facilidade por imunofluorescência no tecido em prazos curtos de até uma semana. TOXOPLASMOSE
  • 9. DIAGNÓSTICO DA TOXOPLAMOSE 9 IMUNOHISTOQUÍMICA O parasito ou seus antígenos podem ser evidenciados em cortes de tecidos por imunohistoquímica, utilizando-se anticorpos específicos e coloração imunofluorescente ou imunoenzimática. TOXOPLASMOSE
  • 10. TOXOPLASMOSE D AGNÓSTICO DA TOXOPLAMOSE 10 REAÇÃO EM CADEIA DA POLIMERASE (PCR) Amostras de sangue testadas para se investigar parasitemia por ensaios de PCR, amplifica-se segmentos dos genes B1 e P30 de T. gondii. A técnica de PCR revolucionou o diagnóstico pré-natal da toxoplasmose congênita, uma vez que limita o uso de métodos invasivos no feto.
  • 12. DIAGNÓSTICO DA TOXOPLAMOSE 12 DIAGNÓSTICO SOROLÓGICO A sorologia continua a ser a principal abordagem para estabelecer um diagnóstico de toxoplasmose. Baseia-se na pesquisa de anticorpos de diferentes classes de imunoglobulinas (IgG, IgM, IgA e IgE) anti-T. gondii. TOXOPLASMOSE
  • 13. DIAGNÓSTICO DA TOXOPLAM SE 13 IMUNOFLUORESCÊNCIA INDIRETA (IFI) A reação de Imunofluorescência Indireta (IFI) é considerada de boa especificidade e sensibilidade. Tem sido empregada para amplificar o sinal de fluorescência e aumentar a sensibilidade. Essa reação tem a vantagem de utilizar parasitos preservados, fixados em lâminas de microscopia. TOXOPLASMOSE
  • 14. DIAGNÓSTICO DA TOXOPLAM SE 14TOXOPLASMOSE
  • 15. DIAGNÓSTICO DA TOXOPLAMOSE 15 ENSAIO IMUNOENZIMÁTICO (ELISA) A introdução do ELISA trouxe um grande avanço para o diagnóstico da doença, porém, há possibilidade de resultados falso-positivos para IgM em pacientes portadores do fator reumatóide. ELISA duplo sanduíche (DS - ELISA IgM) ou teste de captura de IgM. Consege detectar a presença de IgM específica para T. gondii em 92% de indivíduos com toxoplasmose recentemente adquirida. TOXOPLASMOSE
  • 16. DIAGNÓSTICO DA TOXOPLAMOSE 16 ENSAIO IMUNOENZIMÁTICO (ELISA) TOXOPLASMOSE
  • 17. DIAGNÓSTICO DA TOXOPLAMOSE 17 ELISA IgG para avidez Este método avalia a avidez de ligação ao antígeno dos anticorpos IgG contra o T. gondii, separando os anticorpos de baixa avidez produzidos numa fase inicial da infecção, dos anticorpos de elevada avidez, indicativos de infecção crônica. TOXOPLASMOSE
  • 18. DIAGNÓSTICO DA TOXOPLAMOSE 18TOXOPLASMOSE RESULTADO: VALORES DE REFERÊNCIA: - BAIXA AVIDEZ: INFERIOR A 50,0% - SUGERE INFECÇÃO OCORRIDA NOS ÚLTIMOS 04 MESES. - MODERADA : DE 50,0 A 59,9% - NÃO PERMITE DEFINIR O PERÍODO DA INFECÇÃO. - ALTA AVIDEZ : IGUAL OU SUPERIOR A 60,0% - SUGERE QUE A INFECÇÃO TENHA OCORRIDO HÁ MAIS DE 04 MESES.
  • 19. TOXOPLASMOSE DIAGNÓSTICO DA TOXOPLAMOSE 19 WESTERN BLOT A reação de Western blot tem mostrado que o soro materno e o da criança reconhecem diferentes antígenos do T. gondii quando a criança está infectada. Comparando-se a técnica de Western blot com a imunocaptura ELISA, demonstra-se que a primeira tem vantagens sobre a segunda especialmente no diagnóstico da toxoplasmose cerebral dos pacientes com AIDS.
  • 21. PREVENÇÃO 21TOXOPLASMOSE E TRATAMENTO A prevenção da toxoplasmose congênita pode ser dividida em três categorias: Primária Secundária Terciária Programas de educação e saúde pública Evitar a transmissão transplacentária Diagnóstico precoce
  • 22. PREVENÇÃO 21TOXOPLASMOSE E tratamento Primária Secundária Terciária Programas de educação e saúde pública Evitar a transmissão transplacentária Diagnóstico precoce Uma nova droga promissora no tratamento da toxoplasmose é o Atovaquone. Estudos experimentais sugerem que essa droga tem um efeito parcial contra cistos teciduais, assim como a azitromicina.
  • 23. PERSPECTIVAS 22TOXOPLASMOSE VACINA O parasito vivo atenuado e antígenos são considerados agentes potenciais para a vacinação. O parasito vivo atenuado da cepa S48 é usado na vacinação de ovelhas na Europa e Nova Zelândia, mas é inapropriado para humanos. O uso de antígenos expressos por bradizoítos e oocistos também tem sido estudado.
  • 24. Referências Bibliográficas SEMINÁRIO DE IMUNOLOGIA CLÍNICA APRESENTADO EM 10 DE OUTUBRO DE 2018 UNICHRISTUS – CENTRO UNIVERSITÁRIO CHRISTUS EQUIPE: FCO.WENDELL E NETO LINS