Cultura, Memória, Identidade e Desenvolvimento

356 visualizações

Publicada em

Aula ministrada para o curso de Educação Patrimonial do IFSC - Campus Garopaba (2015).
Professor: Viegas Fernandes da Costa

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
356
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
12
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Cultura, Memória, Identidade e Desenvolvimento

  1. 1. O CONCEITO ANTROPOLÓGICO DE CULTURA (Cultura, Memória, Identidade e Desenvolvimento) Profº Viegas Fernandes da Costa
  2. 2. O QUE É CULTURA?
  3. 3. Segundo Marcel Mauss (1872-1950), podemos admitir com certeza que se uma criança senta-se à mesa com os cotovelos junto ao corpo e permanece com as mãos nos joelhos, quando não esta comendo, ela é inglesa. Um jovem francês não sabe mais se dominar: ele abre os cotovelos em leque e apoia-os sobre a mesa. Todos os Homens são dotados do mesmo equipamento anatômico, mas a utilização do mesmo, ao invés de ser determinada geneticamente depende de um aprendizado e este consiste na copia de padrões que fazem parte da herança cultural do grupo.
  4. 4.  Todo comportamento aprendido, tudo aquilo que independe de uma transmissão genética. (Edward Tylor).  A cultura é um processo acumulativo, resultante de toda experiência histórica das gerações anteriores. O ser humano resulta do meio cultural em que é criado. (Alfred Kroeber). Conjunto de mecanismos de controle, planos, receitas, regras, instruções que governam o comportamento. (Clifford Geertz).  O ser humano cria normas, o que permite a organização social. (Lévi- Strauss).  O ser humano cria símbolos, o que permite interpretar o meio e perpetuar a cultura. (Leslie White).
  5. 5. “A cultura é como uma lente através da qual o homem vê o mundo. Homens de culturas diferentes usam lentes diversas e, portanto, têm visões desencontradas das coisas” (Ruth Benedict)
  6. 6.  Os Indivíduos participam diferentemente de sua cultura.  A participação do indivíduo em sua cultura é sempre limitada, nenhuma pessoa é capaz de participar de todos os elementos de sua cultura. Todos necessitam saber como agir em determinadas situações e, também, como prever o comportamento dos outros. Em nenhuma sociedade todas as condições são previsíveis e controladas.  Embora nenhum indivíduo conheça totalmente o seu sistema cultural, é necessário ter um conhecimento mínimo para operar dentro do mesmo.  As culturas são dinâmicas.
  7. 7. O EUROCENTRISMO
  8. 8. Carta de “achamento”, escrita por Pero Vaz de Caminha ao rei de Portugal: “ali andavam entre eles três ou quatro moças, muito novas e gentis, com cabelos muito pretos e compridos, caídos pelas espáduas, e suas vergonhas tão altas e tão cerradinhas e tão limpas das cabeleiras que, de as muito bem olharmos, não tínhamos nenhuma vergonha.” “Os pelos do corpo são um signo de virilidade para os europeus. Ao se depararem com os índios imberbes, alguns filósofos acharam que isso era mais uma demonstração da suposta inferioridade dos habitantes da América. Homens sem pelos, segundo esses pensadores europeus, seriam incapazes de dominar a natureza e de construir cidades modernas e prósperas como as europeias” (Kury, Lorelai, Hargreaves, Lourdes & Valença, Máslova. Ritos do corpo, 2000)
  9. 9. HANS-STADEN, séc. XVI
  10. 10. Terra Brasilis, Lopo Homem, 1519.
  11. 11. Mapa da América do Sul, Pierre Descelliers, 1550.
  12. 12. IDENTIDADE  Stuart Hall: é sempre uma representação sobre si mesmo, é a posição que assumimos na sociedade e para nós mesmos a partir da relação que estabelecemos com o “outro”.  Édouard Glissant: “(...) é disso que se trata: de uma concepção sublime e mortal que os povos da Europa e as culturas ocidentais veicularam no mundo; ou seja, toda identidade é uma identidade de raiz única e exclui o outro. Essa visão da identidade se opõe à noção hoje ‘real’, nas culturas compósitas, da identidade como fator e como resultado de uma crioulização, ou seja, da identidade como rizoma, da identidade não mais como raiz única mas como raiz indo ao encontro de outras raízes.”  Jane Tulkian: “(...) o impacto global reflete sobre a tradição, relegando-a a um outro plano diante da quantidade de informação, do dinamismo, da alteridade, obrigando a uma espécie de identidade relacional, onde o ‘mesmo’ define a própria historicidade e o ‘outro’ representa o código de diferenciação.”
  13. 13. O EUROCENTRISMO E O RECONHECIMENTO DO PATRIMÔNIO NACIONAL  Etnocentrismo: perspectiva da catequização, da “transferência de civilização”, de território “vazio”.  Povos nativos tradicionalmente considerados como inimigos ferozes que atrapalhavam o progresso.  “A gente comum sente-se alienada tanto em relação ao patrimônio erudito quanto aos “humildes” vestígios arqueológicos, já que são ensinados a desprezar índios, negros, mestiços, pobres, em outras palavras, a si próprios e a seus antepassados.” (FUNARI, FERREIRA, 2015)  Valorização do patrimônio luso-brasileiro enquanto representativo da identidade nacional.  Influência do Positivismo na construção da República brasileira contribuiu para a rejeição do antigo em benefício do novo (modernidade).  1937: criação do Serviço do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Mário de Andrade). Destruição do Sambaqui de Congonhas, em Tubarão (SC) para exploração econômica. (Foto: Castro Faria em 23/11/1964).
  14. 14.  Estado Novo (Ditadura Vargas): Monumentos e cidades coloniais portugueses são transformados em patrimônio cultural nacional.  Meados do século XX: Paulo Duarte e Darcy Ribeiro defendem a inclusão do patrimônio pré-colonial e as culturas indígenas como patrimônio cultural brasileiro.  Ditadura Militar: investimento turístico nas cidades coloniais. Política desenvolvimentista, priorizando grandes obras de infraestrutura (perspectiva ideológica autoritária e homogenizadora), que se refletiu na centralização do próprio IPHAN e na atuação dos profissionais técnicos (arqueólogos, historiadores, arquitetos etc), também autoritária . (FUNARI, MANZATO, ALFONSO, 2013, p. 44)
  15. 15. “Em Garopaba a destruição foi feita pela prefeitura em 1975, que mandou quebrar a marretadas os amoladores do Costão da Casqueira, para aproveitar as pedrinhas negras no calçamento da praça central.” Keler Lucas, 1996, p. 109 “Na Praia do Santinho, em Florianópolis, até o ano de 1946 os pescadores locais faziam oferendas e rezavam, pedindo proteção e boa pescaria, em frente a uma arte rupestre com o formato de um pequeno santo, que era a figura de um antropomorfo com a cabeça constituída por um círculo concêntrico. Tal “Santinho”, que deu nome à praia, foi arrancado do lugar pelos padres que achavam que aquilo era um sacrilégio e nunca mais foi encontrado. É um caso raro em que um símbolo sagrado pré-histórico continuo sendo sagrado até os dias de hoje.” (Keler Lucas, 1996, p.16)
  16. 16. COMO VALORAR O PATRIMÔNIO? Fragmento de cerâmica encontrado nas Dunas da Ribanceira, Imbituba (09/2015) – Foto: Rossano Lopes Bastos. Extração de areia nas Dunas da Ribanceira. Boa parte da areia utilizada na construção da ponte Anita Garibaldi (Laguna) foi extraída desta localidade. (Foto: Polícia Federal, 2011).
  17. 17. O QUE COMPREENDEMOS POR DESENVOLVIMENTO ?
  18. 18. Desenvolvimento enquanto uma invenção da modernidade. Teleológico, que indica um sentido, uma evolução. Discurso do progresso.  Confusão entre desenvolvimento e crescimento.
  19. 19. Meados do Século XX Emergência do conceito de desenvolvimento sustentável. Guerra Fria, crises ambientais. Marcos Conferência das Nações Unidas em Estocolmo (1972). Relatório Brundtland (1987). Cúpula da Terra no Rio de Janeiro (1992).
  20. 20.  Dentre os princípios da sustentabilidade do Relatório Brundtland está a proteção da herança cultural humana.  O que é, entretanto, esta herança cultural humana?  Como definir a própria cultura humana?  Como determinar aquilo que se constitui como patrimônio cultural de uma comunidade?
  21. 21. Segundo Ignacy Sachs, os discursos ancorados no crescimento econômico não promoveram, durante a década de 1980, equidade social, pelo contrário, aprofundaram índices de pobreza e perpetuaram a dicotomia Norte – Sul. Assim, insistiu na necessidade da dimensão ecológica como garantia para a sobrevivência humana. Alertou para os riscos de se superestimar o desenvolvimento tecnológico. Para Sachs, o ecodesenvolvimento possui cinco dimensões: sustentabilidade social sustentabilidade econômica sustentabilidade ecológica sustentabilidade espacial (equilíbrio rural – urbano) sustentabilidade cultural.
  22. 22. Como forma de ação, Sachs defendeu que uma estratégia de desenvolvimento só tem sucesso se contar com a participação dos grupos e comunidades locais.
  23. 23. E O PATRIMÔNIO CULTURAL?  Patrimônio enquanto lugar de memória.  Memória enquanto campo de disputas políticas e simbólicas.  Memória e sua relação com o território, o lugar, a paisagem. Mudanças na paisagem promovem alterações na memória.  Patrimônio enquanto discurso identitário.

×