O slideshow foi denunciado.
Seu SlideShare está sendo baixado. ×

Relatório mais cultura I momento

Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
EMEF CENTRO COMUNITÁRIO
DIRETOR: ANDRÉ LUIS COSTA MORAES
COORDENADORA: NILVA SANTOS LIMA
ATIVIDADES DESENVOLVIDAS DENTRO D...
O resgate histórico de uma cidade, um povo e uma cultura.
O projeto “Jacundá Minha História, Minha vida” teve por incentiv...
Instituição SEMED tiveram grande contribuição para construir essa história que se busca
preservar. Esse Grupo de apoio par...
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Próximos SlideShares
Relatório ii mostra cultural
Relatório ii mostra cultural
Carregando em…3
×

Confira estes a seguir

1 de 52 Anúncio
Anúncio

Mais Conteúdo rRelacionado

Diapositivos para si (15)

Semelhante a Relatório mais cultura I momento (20)

Anúncio

Mais de André Moraes (20)

Mais recentes (20)

Anúncio

Relatório mais cultura I momento

  1. 1. EMEF CENTRO COMUNITÁRIO DIRETOR: ANDRÉ LUIS COSTA MORAES COORDENADORA: NILVA SANTOS LIMA ATIVIDADES DESENVOLVIDAS DENTRO DO PROGRAMA MAIS CULTURA NAS ESCOLAS JACUNDÁ-PA 2016
  2. 2. O resgate histórico de uma cidade, um povo e uma cultura. O projeto “Jacundá Minha História, Minha vida” teve por incentivo o resgate e valorização da memória histórica da antiga cidade de Jacundá, que foi realizado através de pesquisa na internet, visita ao local da antiga cidade e entrevistas a pessoas da comunidade e acervos da cidade. A partir da escolha de um lugar especial, de referência, de importância para a comunidade (uma escola, uma casa, visita ao local da antiga cidade e ao museu da cidade) serão desenvolvidas atividades para o levantamento da "memória local" da Velha Jacundá. A importância de preservar a memória da comunidade está no fato de ser uma das formas de construir e valorizar a história de lugares e pessoas. Para isso, foi de grande importância à contribuição de várias pessoas da comunidade, lideranças políticas e escola para que fosse necessário registrar e elaborar um material através de vídeos, imagens, textos que servirão de registro dessa memória para as futuras gerações. A EMEF Centro Comunitário e toda a sua equipe, através do Programa Mais Cultura na Escola foram essenciais para termos esse registro e é imprescindível a existência deste para que fiquem guardado os registros que também poderão ser vistos por muitas pessoas. O projeto resgatou a memória histórica da cidade valorizando e divulgando o local de referência escolhido. Com isso o projeto possibilitou pequenas homenagens e o reconhecimento da importância de algumas pessoas da antiga cidade, bem como proporcionou a toda comunidade escolar passeios educativos ou aulas passeio para que os alunos e educadores pudessem vivenciar as causas que levaram a antiga cidade ficar submersa, e saber como viviam as pessoas antes da construção da Hidrelétrica de Tucuruí, suas lendas, crenças, comidas, economia, política, educação, saúde e outros serviços servidos a antiga população. Com o projeto foi possível mediar o contato entre pessoas de idade mais avançada e os jovens, resultando em um encontro de gerações, nesse período de execução do projeto foi de grande valia, uma vez que a memória é um dos alicerces que dá sentido à vida. Preservar a memória é manter viva a cultura de um povo. Para que essa memória seja preservada, é preciso conservar fotos, documentos, objetos e organizar os registros dos fatos. Os erros e acertos do passado ajudam a entender o presente e a planejar ações futuras. O apoio de pessoas da comunidade como o Sr. Leoeze, Leopoldino, alguns moradores da Vila Santa Rosa, Vereador Luís, Servidores da escola, alunos e apoio da
  3. 3. Instituição SEMED tiveram grande contribuição para construir essa história que se busca preservar. Esse Grupo de apoio para resgatar a história da cidade e ser divulgada para comunidade e futuras gerações marcarão para sempre a história de um povo que aos poucos estavam no esquecimento. Por trás de cada aspecto, há muitos sujeitos que contribuíram com esse trabalho e várias ações foram desenvolvidas ao longo de 3 meses para chegar ao resultado final, todos nós fomos motivados a buscar esse resgate, uma vez que preservar a memória de um povo, de uma cidade não é só resgatar o passado, mas compreender os aspectos sócio políticos da época ou período. É ter, sentir, viver novamente o presente que outrora era de paz, fartura e de pessoas acolhedoras e ao fazermos esse resgate podemos fazer uma reflexão sobre a história de um povo, sua vida, é voltar às origens e perpetuar para a futura geração que histórias que marcaram o dia a dia da cidade antigamente poderão ser vivenciadas e levar a imaginação de cada leitor: Que curiosidades como, por exemplo, onde foi construída a primeira casa, os primeiros moradores, que frutas, minérios existiam naquela época, como eram os festejos, as casas. “Acreditamos que, através deste projeto, preservamos a história da cidade, permitindo aos pequenos cidadãos a disseminação da história de Jacundá, além da utilização da teoria para a vivência prática, através da criação de um livro”; isso servirá de base para estudos e pesquisas futuras. Contamos ainda com fotos expostas nesse livro dos passeios da memória, atividade feita em parceria com a Secretaria de Educação e comunidade. Acredita-se que, por meio desse resgate, podemos despertar para as futuras gerações a importância da preservação do patrimônio cultural, exercitar a consciência cidadã da comunidade desde cedo, fazendo-os enxergar que também são sujeitos históricos e assim podem contribuir para uma sociedade melhor ativamente”,.
  4. 4. Breve histórico da Antiga Cidade de Jacundá Jacundá, um pedaço da Amazônia que nasceu a margem do Rio Tocantins, terra de gente humilde e hospitaleira. Jacundá criou-se a margem direita do Rio Tocantins que na época o maior divertimento era os cânticos das aves da Amazônia. A luz de lamparinas, o luar, a água para beber, tomar banho e cozinhar era do farto Tocantins. Nessa época não tinha médicos, enfermeiros, farmácia, supermercados e nem feira. Jacundá tinha uma fartura de peixes. E o nome da cidade surgiu a partir daí. Jacundá “peixe” é da família dos marantáceos, e ainda é o nome de uma dança indígena. Primeiros Habitantes Os primeiros habitantes de Jacundá foram o Sr. João Pires, este fez sua casa bem próxima a beira do rio. Depois de um tempo chegaram os coronéis Roseno, João Pinheiro, Carlos Gomes Leitão e outros populares, que foram atraídos pela extração da Castanha do Pará e da borracha – seringueira e diamante. Economia Com a produção da borracha e castanha do Pará houve a necessidade de colocarem transporte fluvial e depois foi construída a estrada de ferro, assim como uma estrada de rodagem ligando a vila de Jacundá a outros povoados. Religiosidade A população da antiga Jacundá tem por padroeira a Nossa Senhora do PerpétuoSocorro, espaço onde ocorria casamentos, batizados e o festejo que começava na segunda sexta feira do mês de outubro.
  5. 5. Coisas misteriosas também apareciam em Jacundá. O homem vestido de branco, que segundo relatos ele acompanhava pessoas em suas canoas (histórias de pescador); A cobra grande, aparecia um olho no meio da cabeça, este olho tinha uma luz muito forte e de vez em quando mudava de cor; Matinta Pereira, segundo a lenda ela se transformava em pessoas, mas só aparecia para pessoas que bebiam, fumavam, falavam mal dos outros e que não gostava de frequentar igrejas. Ela aparecia na Velha Jacundá nas noites de quinta para sexta a partir da meia noite. Primeiro Prefeito Inácio Pinto da Silva , o primeiro prefeito eleito no município de Jacundá juntamente com seu vice José Pontes e 7 vereadores tomaram posse no dia 1 de dezembro de 1962, para cumprir um mandato de 4 anos. Inácio construiu a primeira escola Cel João Pinheiro, delegacia, posto de saúde, fórum, prédio da prefeitura e rampa ao porto da cidade. Jacundá tinha apenas uma única rua. Motivo da Mudança Em 1977 iniciou o levantamento de todas as propriedades urbanas e rurais, a Eletronorte em breve construiria a Usina Hidrelétrica de Tucuruí e varias áreas seriam inundadas, inclusive a cidade da Velha Jacundá. No ano de 1977 já tinha criado o povoado Boa Vista do Pará, as margens da PA 150 que futuramente acolheria a população da Velha Jacundá. A Nova Jacundá antes chamada de Boa Vista do Pará, depois Arraias e mais tarde recebeu o nome de cidade de Jacundá. Adaptação: Professor André Moraes Fonte: Livro – História da Antiga e Nova Jacundá, escritor: Leopoldino Martins Dias. Ed. 2013.
  6. 6. Atividades desenvolvidas pela EMEF Centro Comunitário Início do mês de Outubro de 2014 o grupo da referida escola discute como será o passo a passo do resgate histórico da cidade de Jacundá. Que objetivos, metas e ações serão realizadas para alcançar o objetivo desejado. Traçando objetivos, metas e ações para o desenvolvimento do projeto
  7. 7. Com o objetivo de proporcionar o resgate da história de Jacundá (PA), o "Projeto Jacundá - Minha História, Minha Vida", foi realizado pela Escola Centro Comunitário, em parceria com Secretaria de Educação e o Programa Mais Cultura, levando o conhecimento histórico e cultural de maneira dinâmica para os alunos dos do 1º ao 5º anos do Ensino Fundamental, tornando-os naturalmente, multiplicadores da narrativa da cidade.
  8. 8. Atividades por Ano/turma Turmas do 1º ao 3º Ano Assistir vídeos sobre a formação econômica, política, social e cultural da velha Jacundá. Turmas do 4º e 5º Ano: Palestra com Leoeze dia 31/10 pela manhã apartir das 8:30 - Cidade de Jacundá Oficina de criação(brinquedos)1º Ano A Dia 05/10 Visita ao museu cultural da Velha Jacundá dia 07/10 alunos do 5º Ano A. Passeio a Hidrelétrica de Tucuruí para conhecer o motivo da transferencia da população ribeirinha para a nova Jacundá. (Alunos do 3º ao 5º ano) Passeio a antiga cidade – Jacundá Submersa (Funcionários) Oficina de criação de vídeos e memoria – Alunos do 2º ao 5º aOficina de Vídeo A Oficina de vídeo foi realizada com os alunos no qual os mesmos tiveram oportunidade de produzir e editar vídeos e slides.Os trabalhos produzidos pelos alunos foram apresentados ao público no dia 17 de dezembro durante a exposição da feira cultural. Oficina de Memória A oficina de Memória teve como objetivo principal o resgate histórico da Velha Jacundá.Todo material produzido através de pesquisas de campo,pesquisa bibliográfica e entrevistas estão registradas por meio de fotos e textos (registrando relatos) Apresentações de palco – Culminancia do Projeto 1º momento 1º AnoA/ músicas e brincadeiras (realização de oficinas para confecção de brinquedos antigos: cavalo de pau, carrinho com lata de sardinha currupio etc.Expor no stand). 1º Ano B/Desfile com apresentação de trages típicos dos migrantes da Velha Jacundá( pesquisar roupas). 2º Ano A/Homenagem a Nossa Senhora do Perpetuo Socorro(Francisca, Naíde e Leide). 2º Ano B/ Dança indígena “Jacundá”( Nina,Elizete). 3º Ano A/Reconto e ilustração de lendas( Áurea,Cláudia Sousa) 3º Ano B/ Dramatização das lendas(Cláudia Mendonça) 4º Ano A/ Economia:coletas dos materiasis,objetos(Cleudimar) 4º Ano B/ Produção de cartazes(André). 5º Ano A/ Culinária (Cláudia Mendonça,Francisca) 5º Ano B/ Vida Política(Áurea,Cláudia Sousa) Obs: O projeto continua sendo desenvolvido na escola com expectativa de término ao fim do 1º semestre de 2016.
  9. 9. Passeio a Hidrelétrica de Tucuruí No passeio os alunos puderam fazer uma reflexão sobre relações entre histórias vividas, histórias coletivas, história local, discutindo sobre as semelhanças e diferenças entre a história da época da construção da Hidrelétrica de Tucuruí aos dias atuais. Que benéficos a população da região e da cidade de Jacundá tiveram com a construção da Hidrelétrica? Que reivindicações foram feitas pelos moradores? Será que tudo o que foi proposto pela Eletronorte aconteceu? Essas questões serviram para aprofundar ainda mais qual era o anseio da população jacundaense de antes e hoje. O projeto faz parte do material didático da escola da Rede Municipal. Os monitores do projeto explicaram aos alunos a história de cada local visitado, assim como o apoio de técnicos ou engenheiros da Eletronorte na divulgação das informações. Um terceiro momento do projeto os educadores visitaram o local da antiga cidade de Jacundá que se encontra submersa. Foi feito registro do passeio com fotos e vídeos que foram publicados nas redes sociais Facebook, Blog e YouTube para facilitar o acesso a informações inerentes ao passeio e dinamizar as aulas com o uso das tecnologias. Passeio histórico da Antiga Cidade de Jacundá Após esse passeio foi realizado um momento com toda a comunidade escolar, pais, alunos, educadores para receberem mais informações de como seria a execução do projeto a partir daquele momento. Toda a comunidade ficou entusiasmada e se comprometeram em ajudar no que fosse necessário. O resultado do magnífico trabalho está em partes aqui descrito. É gratificante fazer todo esse percurso histórico da vida de um povo. Reunião com a comunidade e entidade parceira Houve reunião com a comunidade e entidade parceira para discutir as ações que seriam realizadas no decorrer do desenvolvimento do projeto. Planejamento Pedagógico Para maior aproveitamento dos passeios, os professores consultaram e planejaram suas aulas de acordo com as orientações curriculares para cada disciplina, fazendo todo o resgate histórico de Jacundá relacionando com os conteúdos de maneira interdisciplinar, lúdica e inovadora.
  10. 10. Oficinas e Registro de Memória Foram oferecidas oficinas com os alunos da escola para criarem brinquedos da época, vídeos, postagem em blogs, rede social Facebook, criação de slides com o objetivo de ampliarem seus conhecimentos e preservarem a Memória de uma cidade, levando conhecimento histórico e cultural de maneira dinâmica a todos da comunidade escolar e extra escolar. Visita ao Museu de Jacundá Através do projeto de campo e levantamento de dados foi possível detectar em Jacundá através do trabalho do Sr. Leoeze Martins um artefato de peças, fotos e equipamentos materiais que fazem parte da história da cidade, bens que entrarão como ícones evocadores na planta turística e ampliar o espaço cultural de Memória da Cidade de Jacundá - O Museu Municipal. O Sr. Leoeze e sua equipe vem trabalhando há anos com o objetivo de manter acesa a história da cidade. Estes bens estão sendo separados catalogados para que cada visitante que ali seja atraído diretamente para o seu local de interesse possa vivenciar um pouco da história de um povo que vivia as margens do rio Tocantins, com muita fartura, riquezas e tranqüilidade. Dentro do projeto os alunos e educadores tiveram a oportunidade de visitar o local e fazer diversas perguntas e anotações necessárias que serviram de base para a construção desse livro. Nós tivemos o prazer de ouvir através do Sr. Leoeze Martins um pouco da história da antiga cidade de Jacundá. Foi um momento ímpar, gratificante. Algo que registramos de interessante foi que alunos e educadores ao sair de sua localidade original, por muitas vezes procuram curiosidades, hábitos diferenciados do que normalmente encontram no seu cotidiano, os chamados atrativos turísticos. Foi gratificante ver cada olhar brilhante, atentos as explicações, visualizando os espaços, as fotos antigas, equipamentos antigos, uma boa reflexão do ontem e hoje, quantas mudanças ocorreram em décadas, bens culturais preservados, os dados da história, personagens e lendas; musicas e danças, gastronomia típica, festas e comemorações, artesanato, e as condições do que resta de patrimônio natural, da infraestrutura e da estrutura turística existente na localidade. Aulas dinâmicas Os professores no decorrer do projeto desenvolveram aulas dinâmicas dentro da temática do projeto e por último foi realizada uma culminância para fechamento do projeto.
  11. 11. Fotos
  12. 12. Figuras: Oficina Fábrica de Brinquedos
  13. 13. Figuras:Visita ao Museu
  14. 14. Figuras:Passeio a Hidrelétrica de Tucuruí
  15. 15. Figuras:Passeio a Jacundá Submersa
  16. 16. Figuras: Oficina de Vídeo e Registro de Memória
  17. 17. Culminância do Projeto “Jacundá Minha História, Minha vida” I Momento

×