SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 2
SÍNTESE – MITO DA CAVERNA (PLATÃO)
ALUNO: MARCELLO FLORENTINO PINTO
INSTITUIÇÃO:
CURSO: LICENSIATURA EM CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO
TURNO: NOITE
PERÍODO: 2017.1
A Alegoria da Caverna, ou mito da caverna, encontrado na obra “A República”,
escrita por Platão, trata-se de uma narrativa construída por um diálogo entre Sócrates e
Glauco. As oposições socráticas às ideias ocorrem por meio da ironia, as quais são
capazes de demonstrar a “ignorância” dos indivíduos que, se julgam conhecedores de
todos os assuntos. Tal método é usado como ferramenta primordial para a desconstrução
de ideias antes existentes e consideradas únicas, quando entradas em conflito a partir da
dialética socrática. Em meio a contraposição de pensamentos dos indivíduos, observa-se
que Sócrates incentiva os interlocutores na construção de um senso investigativo por parte
de cada um que foi questionado, tendo como resultado final a obtenção de um
“verdadeiro” entendimento que para Sócrates já existe em cada um de nós, restando a
cada um desenvolver a prática da reflexão para encontra-lo – trata-se da maiêutica.
O diálogo é expressado de modo metafórico, utilizando homens aprisionados por
meio de correntes em uma caverna escura, tendo como fonte luminosa uma fogueira atrás
deles expondo as sombras de toda ação realizada no ambiente que se encontra fora da
caverna. Incapazes de visualizarem o ambiente a sua volta, suas percepções ficam
limitadas às sombras projetadas na parede da caverna e aos seus respectivos sons, ambos
passíveis de distorções, uma vez que a fogueira e a estrutura física da caverna não são
propícias a uma reprodução fiel da atual realidade, deixando os homens distantes da
mesma.
Em determinado momento um dos homens consegue se libertar das correntes e
caminha em direção ao feixe de luz emitido pela saída da caverna. Em um primeiro
momento, ao deparar-se com o mundo real, e por não estar apto às condições do meio, o
principal personagem da narrativa encontra dificuldades para observar de forma plena o
ambiente uma vez que seus olhos não estavam adaptados à luz solar, tornando, portanto,
o ambiente da caverna (as sombras, ideias e posicionamentos já conhecidos) mais
verdadeiro. Ao passo que há tal adaptação ao meio (novas ideias e posicionamentos), o
homem percebe que a luz (ambiente externo à caverna) propõe ideias mais claras e
solucionava antigos questionamentos quando eram elucidados.
No diálogo, Sócrates propõe uma reflexão: o retorno desse homem à caverna causar-lhe-
ia a necessidade de uma nova adaptação e, antes disso, ao relatar aos outros prisioneiros
seu “novo juízo sobre as sombras”, ocasionaria motivos para risos, julgariam essa
experiência como não válida, pois o verdadeiro para os outros é a forma cômoda da rotina
ignorante na caverna.
Analisando essa alegoria, pode-se concluir que cada elemento presente carrega um
significado: a caverna representa o mundo sensível; os prisioneiros são os que
desconhecem o real, os ignorantes; as sombras são as verdades falsas, distorcidas; o
exterior da caverna é a realidade, o mundo inteligível; o sol é a verdade, o conhecimento.
Dessa forma o mito da caverna busca exemplificar como os homens podem se libertar da
escuridão (ou no caso a ignorância, os preconceitos) que os aprisiona através da luz (a
verdade).
O processo para que se alcance o conhecimento abrange dois domínios: o domínio das
coisas sensíveis e o domínio das ideias. A realidade está no mundo das ideias, mundo real
e verdadeiro, e a maioria da humanidade vive na condição da ignorância, no mundo das
coisas sensíveis, mundo mutável.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Questões de Filosofia - Ensino Médio - Discursiva - Objetiva
Questões de Filosofia - Ensino Médio - Discursiva - ObjetivaQuestões de Filosofia - Ensino Médio - Discursiva - Objetiva
Questões de Filosofia - Ensino Médio - Discursiva - ObjetivaDarlan Campos
 
Fatores abióticos - água e luz (continuação
Fatores abióticos - água e luz (continuaçãoFatores abióticos - água e luz (continuação
Fatores abióticos - água e luz (continuaçãoLuís Filipe Marinho
 
GÊNERO NA EDUCAÇÃO
GÊNERO NA EDUCAÇÃOGÊNERO NA EDUCAÇÃO
GÊNERO NA EDUCAÇÃOPrisca85
 
INDEPENDÊNCIA DO BRASIL
INDEPENDÊNCIA DO BRASILINDEPENDÊNCIA DO BRASIL
INDEPENDÊNCIA DO BRASILAndrea Lemos
 
America latina e o giro decolonial
America latina e o giro decolonialAmerica latina e o giro decolonial
America latina e o giro decolonialrfolhes
 
A ética e a moral – o problema da ação e dos valores
A ética e a moral – o problema da ação e dos valores   A ética e a moral – o problema da ação e dos valores
A ética e a moral – o problema da ação e dos valores Mary Alvarenga
 
6 ano - Esparta e Atenas
6 ano - Esparta e Atenas6 ano - Esparta e Atenas
6 ano - Esparta e AtenasJanaína Bindá
 
ATIVIDADE SUBSTUTIVA - FENICIOS SEXTO ANO.docx
ATIVIDADE SUBSTUTIVA - FENICIOS SEXTO ANO.docxATIVIDADE SUBSTUTIVA - FENICIOS SEXTO ANO.docx
ATIVIDADE SUBSTUTIVA - FENICIOS SEXTO ANO.docxMatheusMendona46
 
Aula de filosofia antiga, tema: Sofistas
Aula de filosofia antiga, tema: SofistasAula de filosofia antiga, tema: Sofistas
Aula de filosofia antiga, tema: SofistasLeandro Nazareth Souto
 

Mais procurados (20)

Questões de Filosofia - Ensino Médio - Discursiva - Objetiva
Questões de Filosofia - Ensino Médio - Discursiva - ObjetivaQuestões de Filosofia - Ensino Médio - Discursiva - Objetiva
Questões de Filosofia - Ensino Médio - Discursiva - Objetiva
 
Independência do brasil
Independência do brasilIndependência do brasil
Independência do brasil
 
Filosofia Política
Filosofia PolíticaFilosofia Política
Filosofia Política
 
Aula 18 - As ideias de Maquiavel
Aula 18 - As ideias de MaquiavelAula 18 - As ideias de Maquiavel
Aula 18 - As ideias de Maquiavel
 
Fatores abióticos - água e luz (continuação
Fatores abióticos - água e luz (continuaçãoFatores abióticos - água e luz (continuação
Fatores abióticos - água e luz (continuação
 
Filósofos Pré socráticos
Filósofos Pré socráticosFilósofos Pré socráticos
Filósofos Pré socráticos
 
GÊNERO NA EDUCAÇÃO
GÊNERO NA EDUCAÇÃOGÊNERO NA EDUCAÇÃO
GÊNERO NA EDUCAÇÃO
 
INDEPENDÊNCIA DO BRASIL
INDEPENDÊNCIA DO BRASILINDEPENDÊNCIA DO BRASIL
INDEPENDÊNCIA DO BRASIL
 
America latina e o giro decolonial
America latina e o giro decolonialAmerica latina e o giro decolonial
America latina e o giro decolonial
 
Política e poder
Política e poderPolítica e poder
Política e poder
 
A ética e a moral – o problema da ação e dos valores
A ética e a moral – o problema da ação e dos valores   A ética e a moral – o problema da ação e dos valores
A ética e a moral – o problema da ação e dos valores
 
Atividades discursivas grécia antiga
Atividades discursivas grécia antigaAtividades discursivas grécia antiga
Atividades discursivas grécia antiga
 
Sofistas
SofistasSofistas
Sofistas
 
6 ano - Esparta e Atenas
6 ano - Esparta e Atenas6 ano - Esparta e Atenas
6 ano - Esparta e Atenas
 
2º anos (Filosofia) Consciência
2º anos (Filosofia) Consciência2º anos (Filosofia) Consciência
2º anos (Filosofia) Consciência
 
ATIVIDADE SUBSTUTIVA - FENICIOS SEXTO ANO.docx
ATIVIDADE SUBSTUTIVA - FENICIOS SEXTO ANO.docxATIVIDADE SUBSTUTIVA - FENICIOS SEXTO ANO.docx
ATIVIDADE SUBSTUTIVA - FENICIOS SEXTO ANO.docx
 
ORIGEM DA FILOSOFIA
ORIGEM DA FILOSOFIA ORIGEM DA FILOSOFIA
ORIGEM DA FILOSOFIA
 
Aula de filosofia antiga, tema: Sofistas
Aula de filosofia antiga, tema: SofistasAula de filosofia antiga, tema: Sofistas
Aula de filosofia antiga, tema: Sofistas
 
Os pré-socráticos
Os pré-socráticosOs pré-socráticos
Os pré-socráticos
 
Filosofia Socrática
Filosofia SocráticaFilosofia Socrática
Filosofia Socrática
 

Semelhante a O mito da caverna de Platão

Sobre a "Alegora da Caverna", de Platão
Sobre a "Alegora da Caverna", de PlatãoSobre a "Alegora da Caverna", de Platão
Sobre a "Alegora da Caverna", de PlatãoTaitson Leal dos Santos
 
1o-ano-filosofia-aulas-13-e-14-platao.pdf
1o-ano-filosofia-aulas-13-e-14-platao.pdf1o-ano-filosofia-aulas-13-e-14-platao.pdf
1o-ano-filosofia-aulas-13-e-14-platao.pdfssuser86113f
 
A TECNOLOGIA ATUAL E A ALEGORIA DA CAVERNA
A TECNOLOGIA ATUAL E A ALEGORIA DA CAVERNAA TECNOLOGIA ATUAL E A ALEGORIA DA CAVERNA
A TECNOLOGIA ATUAL E A ALEGORIA DA CAVERNAbrigidoh
 
O MUNDO DAS IDEIAS DE PLATÃO E A ATUALIDADE
O MUNDO DAS IDEIAS DE PLATÃO E A ATUALIDADEO MUNDO DAS IDEIAS DE PLATÃO E A ATUALIDADE
O MUNDO DAS IDEIAS DE PLATÃO E A ATUALIDADEHelena Brígido
 
FILOSOFIA GREGA-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONICA, AGROPECUÁRIA CO...
FILOSOFIA GREGA-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONICA, AGROPECUÁRIA CO...FILOSOFIA GREGA-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONICA, AGROPECUÁRIA CO...
FILOSOFIA GREGA-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONICA, AGROPECUÁRIA CO...Antonio Inácio Ferraz
 
AMOR PLATÔNICO-ANTONIO INÁCIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRÔNICA, AGROPECUÁRIA E S...
AMOR PLATÔNICO-ANTONIO INÁCIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRÔNICA, AGROPECUÁRIA E S...AMOR PLATÔNICO-ANTONIO INÁCIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRÔNICA, AGROPECUÁRIA E S...
AMOR PLATÔNICO-ANTONIO INÁCIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRÔNICA, AGROPECUÁRIA E S...Antonio Inácio Ferraz
 
Aulas EspecíFicas Filosofia 2 Fase Aula 01 E 02 2007 Revisado
Aulas EspecíFicas Filosofia 2 Fase Aula 01 E 02 2007 RevisadoAulas EspecíFicas Filosofia 2 Fase Aula 01 E 02 2007 Revisado
Aulas EspecíFicas Filosofia 2 Fase Aula 01 E 02 2007 Revisadoelisamello
 
AMOR PLATONICO-FILOSOFIA JURÍDICA-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONI...
 AMOR PLATONICO-FILOSOFIA JURÍDICA-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONI... AMOR PLATONICO-FILOSOFIA JURÍDICA-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONI...
AMOR PLATONICO-FILOSOFIA JURÍDICA-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONI...ANTONIO INACIO FERRAZ
 
mito da carvena-CERTO.pdf
mito da carvena-CERTO.pdfmito da carvena-CERTO.pdf
mito da carvena-CERTO.pdfmalviana1
 
Platão e Aristótelis
Platão e AristótelisPlatão e Aristótelis
Platão e AristótelisMary Alvarenga
 
Conhecimento platônico
Conhecimento platônico Conhecimento platônico
Conhecimento platônico Camila Brito
 
O Conhecimento Apreensão e Expressão da Realidade (1).ppt
O Conhecimento Apreensão e Expressão da Realidade (1).pptO Conhecimento Apreensão e Expressão da Realidade (1).ppt
O Conhecimento Apreensão e Expressão da Realidade (1).pptGabrielSilva602316
 

Semelhante a O mito da caverna de Platão (20)

Platâo
PlatâoPlatâo
Platâo
 
Sobre a "Alegora da Caverna", de Platão
Sobre a "Alegora da Caverna", de PlatãoSobre a "Alegora da Caverna", de Platão
Sobre a "Alegora da Caverna", de Platão
 
Mito da Caverna
Mito da CavernaMito da Caverna
Mito da Caverna
 
Alegoria da caverna
Alegoria da cavernaAlegoria da caverna
Alegoria da caverna
 
1o-ano-filosofia-aulas-13-e-14-platao.pdf
1o-ano-filosofia-aulas-13-e-14-platao.pdf1o-ano-filosofia-aulas-13-e-14-platao.pdf
1o-ano-filosofia-aulas-13-e-14-platao.pdf
 
A TECNOLOGIA ATUAL E A ALEGORIA DA CAVERNA
A TECNOLOGIA ATUAL E A ALEGORIA DA CAVERNAA TECNOLOGIA ATUAL E A ALEGORIA DA CAVERNA
A TECNOLOGIA ATUAL E A ALEGORIA DA CAVERNA
 
Platão e o neoplatonismo
Platão  e o neoplatonismoPlatão  e o neoplatonismo
Platão e o neoplatonismo
 
O MUNDO DAS IDEIAS DE PLATÃO E A ATUALIDADE
O MUNDO DAS IDEIAS DE PLATÃO E A ATUALIDADEO MUNDO DAS IDEIAS DE PLATÃO E A ATUALIDADE
O MUNDO DAS IDEIAS DE PLATÃO E A ATUALIDADE
 
FILOSOFIA GREGA-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONICA, AGROPECUÁRIA CO...
FILOSOFIA GREGA-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONICA, AGROPECUÁRIA CO...FILOSOFIA GREGA-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONICA, AGROPECUÁRIA CO...
FILOSOFIA GREGA-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONICA, AGROPECUÁRIA CO...
 
AMOR PLATÔNICO-ANTONIO INÁCIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRÔNICA, AGROPECUÁRIA E S...
AMOR PLATÔNICO-ANTONIO INÁCIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRÔNICA, AGROPECUÁRIA E S...AMOR PLATÔNICO-ANTONIO INÁCIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRÔNICA, AGROPECUÁRIA E S...
AMOR PLATÔNICO-ANTONIO INÁCIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRÔNICA, AGROPECUÁRIA E S...
 
Aulas EspecíFicas Filosofia 2 Fase Aula 01 E 02 2007 Revisado
Aulas EspecíFicas Filosofia 2 Fase Aula 01 E 02 2007 RevisadoAulas EspecíFicas Filosofia 2 Fase Aula 01 E 02 2007 Revisado
Aulas EspecíFicas Filosofia 2 Fase Aula 01 E 02 2007 Revisado
 
AMOR PLATONICO-FILOSOFIA JURÍDICA-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONI...
 AMOR PLATONICO-FILOSOFIA JURÍDICA-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONI... AMOR PLATONICO-FILOSOFIA JURÍDICA-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONI...
AMOR PLATONICO-FILOSOFIA JURÍDICA-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONI...
 
,Platao ii-ANTONIO INACIO FERRAZ
,Platao ii-ANTONIO INACIO FERRAZ,Platao ii-ANTONIO INACIO FERRAZ
,Platao ii-ANTONIO INACIO FERRAZ
 
Platão
PlatãoPlatão
Platão
 
mito da carvena-CERTO.pdf
mito da carvena-CERTO.pdfmito da carvena-CERTO.pdf
mito da carvena-CERTO.pdf
 
Platão e Aristótelis
Platão e AristótelisPlatão e Aristótelis
Platão e Aristótelis
 
Resumosocio2
Resumosocio2Resumosocio2
Resumosocio2
 
Conhecimento platônico
Conhecimento platônico Conhecimento platônico
Conhecimento platônico
 
Alegoria da caverna
Alegoria da cavernaAlegoria da caverna
Alegoria da caverna
 
O Conhecimento Apreensão e Expressão da Realidade (1).ppt
O Conhecimento Apreensão e Expressão da Realidade (1).pptO Conhecimento Apreensão e Expressão da Realidade (1).ppt
O Conhecimento Apreensão e Expressão da Realidade (1).ppt
 

Mais de Matheus Alves

Estudo bíblico - Feridas na alma
Estudo bíblico - Feridas na almaEstudo bíblico - Feridas na alma
Estudo bíblico - Feridas na almaMatheus Alves
 
Inglês - Cronograma de estudos e gramática
Inglês - Cronograma de estudos e gramáticaInglês - Cronograma de estudos e gramática
Inglês - Cronograma de estudos e gramáticaMatheus Alves
 
Sustentabilidade - resumo (Pablo Pessoa)
Sustentabilidade - resumo (Pablo Pessoa)Sustentabilidade - resumo (Pablo Pessoa)
Sustentabilidade - resumo (Pablo Pessoa)Matheus Alves
 
Links úteis para estudar a bíblia
Links úteis para estudar a bíbliaLinks úteis para estudar a bíblia
Links úteis para estudar a bíbliaMatheus Alves
 
Técnicas assistivas - seminário(diabetes)
Técnicas assistivas - seminário(diabetes)Técnicas assistivas - seminário(diabetes)
Técnicas assistivas - seminário(diabetes)Matheus Alves
 
Apostila de Cálculo (UFRPE) - Volume 2
Apostila de Cálculo (UFRPE) - Volume 2Apostila de Cálculo (UFRPE) - Volume 2
Apostila de Cálculo (UFRPE) - Volume 2Matheus Alves
 
Apostila de Cálculo (UFRPE) - Volume 3
Apostila de Cálculo (UFRPE) - Volume 3Apostila de Cálculo (UFRPE) - Volume 3
Apostila de Cálculo (UFRPE) - Volume 3Matheus Alves
 
Resumo - CAP1 - As regras do método sociológico[Durkheim]
Resumo - CAP1 - As regras do método sociológico[Durkheim]Resumo - CAP1 - As regras do método sociológico[Durkheim]
Resumo - CAP1 - As regras do método sociológico[Durkheim]Matheus Alves
 
Linguagem C - Arquivos [exercícios]
Linguagem C - Arquivos [exercícios]Linguagem C - Arquivos [exercícios]
Linguagem C - Arquivos [exercícios]Matheus Alves
 
Linguagem C - Alocação Dinâmica [exercícios]
Linguagem C - Alocação Dinâmica [exercícios]Linguagem C - Alocação Dinâmica [exercícios]
Linguagem C - Alocação Dinâmica [exercícios]Matheus Alves
 
Linguagem C - Ponteiros [exercícios]
Linguagem C - Ponteiros [exercícios]Linguagem C - Ponteiros [exercícios]
Linguagem C - Ponteiros [exercícios]Matheus Alves
 
Linguagem C - Recursão [exercícios]
Linguagem C - Recursão [exercícios]Linguagem C - Recursão [exercícios]
Linguagem C - Recursão [exercícios]Matheus Alves
 
Linguagem C - Structs [exercícios]
Linguagem C - Structs [exercícios]Linguagem C - Structs [exercícios]
Linguagem C - Structs [exercícios]Matheus Alves
 
Linguagem C - Strings [exercícios]
Linguagem C - Strings [exercícios]Linguagem C - Strings [exercícios]
Linguagem C - Strings [exercícios]Matheus Alves
 
Linguagem C - Vetores e matrizes [exercícios]
Linguagem C - Vetores e matrizes [exercícios]Linguagem C - Vetores e matrizes [exercícios]
Linguagem C - Vetores e matrizes [exercícios]Matheus Alves
 
Linguagem C - Comandos condicionais [exercícios]
Linguagem C - Comandos condicionais [exercícios]Linguagem C - Comandos condicionais [exercícios]
Linguagem C - Comandos condicionais [exercícios]Matheus Alves
 
Diferença entre computadores analógicos e digitais
Diferença entre computadores analógicos e digitaisDiferença entre computadores analógicos e digitais
Diferença entre computadores analógicos e digitaisMatheus Alves
 
Silogismo e subjetividade - breve definição
Silogismo e subjetividade - breve definiçãoSilogismo e subjetividade - breve definição
Silogismo e subjetividade - breve definiçãoMatheus Alves
 
Lista de exercícios - vetores(Alguns gabaritos estão errados)
Lista de exercícios -  vetores(Alguns gabaritos estão errados)Lista de exercícios -  vetores(Alguns gabaritos estão errados)
Lista de exercícios - vetores(Alguns gabaritos estão errados)Matheus Alves
 
Matemática elementar volume 7 (Geometria Analítica)
Matemática elementar volume 7 (Geometria Analítica)Matemática elementar volume 7 (Geometria Analítica)
Matemática elementar volume 7 (Geometria Analítica)Matheus Alves
 

Mais de Matheus Alves (20)

Estudo bíblico - Feridas na alma
Estudo bíblico - Feridas na almaEstudo bíblico - Feridas na alma
Estudo bíblico - Feridas na alma
 
Inglês - Cronograma de estudos e gramática
Inglês - Cronograma de estudos e gramáticaInglês - Cronograma de estudos e gramática
Inglês - Cronograma de estudos e gramática
 
Sustentabilidade - resumo (Pablo Pessoa)
Sustentabilidade - resumo (Pablo Pessoa)Sustentabilidade - resumo (Pablo Pessoa)
Sustentabilidade - resumo (Pablo Pessoa)
 
Links úteis para estudar a bíblia
Links úteis para estudar a bíbliaLinks úteis para estudar a bíblia
Links úteis para estudar a bíblia
 
Técnicas assistivas - seminário(diabetes)
Técnicas assistivas - seminário(diabetes)Técnicas assistivas - seminário(diabetes)
Técnicas assistivas - seminário(diabetes)
 
Apostila de Cálculo (UFRPE) - Volume 2
Apostila de Cálculo (UFRPE) - Volume 2Apostila de Cálculo (UFRPE) - Volume 2
Apostila de Cálculo (UFRPE) - Volume 2
 
Apostila de Cálculo (UFRPE) - Volume 3
Apostila de Cálculo (UFRPE) - Volume 3Apostila de Cálculo (UFRPE) - Volume 3
Apostila de Cálculo (UFRPE) - Volume 3
 
Resumo - CAP1 - As regras do método sociológico[Durkheim]
Resumo - CAP1 - As regras do método sociológico[Durkheim]Resumo - CAP1 - As regras do método sociológico[Durkheim]
Resumo - CAP1 - As regras do método sociológico[Durkheim]
 
Linguagem C - Arquivos [exercícios]
Linguagem C - Arquivos [exercícios]Linguagem C - Arquivos [exercícios]
Linguagem C - Arquivos [exercícios]
 
Linguagem C - Alocação Dinâmica [exercícios]
Linguagem C - Alocação Dinâmica [exercícios]Linguagem C - Alocação Dinâmica [exercícios]
Linguagem C - Alocação Dinâmica [exercícios]
 
Linguagem C - Ponteiros [exercícios]
Linguagem C - Ponteiros [exercícios]Linguagem C - Ponteiros [exercícios]
Linguagem C - Ponteiros [exercícios]
 
Linguagem C - Recursão [exercícios]
Linguagem C - Recursão [exercícios]Linguagem C - Recursão [exercícios]
Linguagem C - Recursão [exercícios]
 
Linguagem C - Structs [exercícios]
Linguagem C - Structs [exercícios]Linguagem C - Structs [exercícios]
Linguagem C - Structs [exercícios]
 
Linguagem C - Strings [exercícios]
Linguagem C - Strings [exercícios]Linguagem C - Strings [exercícios]
Linguagem C - Strings [exercícios]
 
Linguagem C - Vetores e matrizes [exercícios]
Linguagem C - Vetores e matrizes [exercícios]Linguagem C - Vetores e matrizes [exercícios]
Linguagem C - Vetores e matrizes [exercícios]
 
Linguagem C - Comandos condicionais [exercícios]
Linguagem C - Comandos condicionais [exercícios]Linguagem C - Comandos condicionais [exercícios]
Linguagem C - Comandos condicionais [exercícios]
 
Diferença entre computadores analógicos e digitais
Diferença entre computadores analógicos e digitaisDiferença entre computadores analógicos e digitais
Diferença entre computadores analógicos e digitais
 
Silogismo e subjetividade - breve definição
Silogismo e subjetividade - breve definiçãoSilogismo e subjetividade - breve definição
Silogismo e subjetividade - breve definição
 
Lista de exercícios - vetores(Alguns gabaritos estão errados)
Lista de exercícios -  vetores(Alguns gabaritos estão errados)Lista de exercícios -  vetores(Alguns gabaritos estão errados)
Lista de exercícios - vetores(Alguns gabaritos estão errados)
 
Matemática elementar volume 7 (Geometria Analítica)
Matemática elementar volume 7 (Geometria Analítica)Matemática elementar volume 7 (Geometria Analítica)
Matemática elementar volume 7 (Geometria Analítica)
 

Último

DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfIedaGoethe
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfaulasgege
 
CRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASB
CRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASBCRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASB
CRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASBAline Santana
 
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029Centro Jacques Delors
 
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxBiancaNogueira42
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISVitor Vieira Vasconcelos
 
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptx
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptxA experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptx
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptxfabiolalopesmartins1
 
Época Realista y la obra de Madame Bovary.
Época Realista y la obra de Madame Bovary.Época Realista y la obra de Madame Bovary.
Época Realista y la obra de Madame Bovary.keislayyovera123
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfHenrique Pontes
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveaulasgege
 
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e TaniModelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e TaniCassio Meira Jr.
 
Aula - 1º Ano - Émile Durkheim - Um dos clássicos da sociologia
Aula - 1º Ano - Émile Durkheim - Um dos clássicos da sociologiaAula - 1º Ano - Émile Durkheim - Um dos clássicos da sociologia
Aula - 1º Ano - Émile Durkheim - Um dos clássicos da sociologiaaulasgege
 
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolaresALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolaresLilianPiola
 
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfO Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfPastor Robson Colaço
 
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024Jeanoliveira597523
 
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptx
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptxATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptx
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptxOsnilReis1
 
trabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduratrabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduraAdryan Luiz
 
Regência Nominal e Verbal português .pdf
Regência Nominal e Verbal português .pdfRegência Nominal e Verbal português .pdf
Regência Nominal e Verbal português .pdfmirandadudu08
 

Último (20)

DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
 
CRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASB
CRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASBCRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASB
CRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASB
 
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
 
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
 
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptx
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptxA experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptx
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptx
 
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
 
Época Realista y la obra de Madame Bovary.
Época Realista y la obra de Madame Bovary.Época Realista y la obra de Madame Bovary.
Época Realista y la obra de Madame Bovary.
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
 
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e TaniModelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
 
Aula - 1º Ano - Émile Durkheim - Um dos clássicos da sociologia
Aula - 1º Ano - Émile Durkheim - Um dos clássicos da sociologiaAula - 1º Ano - Émile Durkheim - Um dos clássicos da sociologia
Aula - 1º Ano - Émile Durkheim - Um dos clássicos da sociologia
 
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolaresALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
 
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfO Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
 
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
 
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptx
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptxATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptx
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptx
 
trabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduratrabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditadura
 
Regência Nominal e Verbal português .pdf
Regência Nominal e Verbal português .pdfRegência Nominal e Verbal português .pdf
Regência Nominal e Verbal português .pdf
 

O mito da caverna de Platão

  • 1. SÍNTESE – MITO DA CAVERNA (PLATÃO) ALUNO: MARCELLO FLORENTINO PINTO INSTITUIÇÃO: CURSO: LICENSIATURA EM CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO TURNO: NOITE PERÍODO: 2017.1 A Alegoria da Caverna, ou mito da caverna, encontrado na obra “A República”, escrita por Platão, trata-se de uma narrativa construída por um diálogo entre Sócrates e Glauco. As oposições socráticas às ideias ocorrem por meio da ironia, as quais são capazes de demonstrar a “ignorância” dos indivíduos que, se julgam conhecedores de todos os assuntos. Tal método é usado como ferramenta primordial para a desconstrução de ideias antes existentes e consideradas únicas, quando entradas em conflito a partir da dialética socrática. Em meio a contraposição de pensamentos dos indivíduos, observa-se que Sócrates incentiva os interlocutores na construção de um senso investigativo por parte de cada um que foi questionado, tendo como resultado final a obtenção de um “verdadeiro” entendimento que para Sócrates já existe em cada um de nós, restando a cada um desenvolver a prática da reflexão para encontra-lo – trata-se da maiêutica. O diálogo é expressado de modo metafórico, utilizando homens aprisionados por meio de correntes em uma caverna escura, tendo como fonte luminosa uma fogueira atrás deles expondo as sombras de toda ação realizada no ambiente que se encontra fora da caverna. Incapazes de visualizarem o ambiente a sua volta, suas percepções ficam limitadas às sombras projetadas na parede da caverna e aos seus respectivos sons, ambos passíveis de distorções, uma vez que a fogueira e a estrutura física da caverna não são propícias a uma reprodução fiel da atual realidade, deixando os homens distantes da mesma. Em determinado momento um dos homens consegue se libertar das correntes e caminha em direção ao feixe de luz emitido pela saída da caverna. Em um primeiro momento, ao deparar-se com o mundo real, e por não estar apto às condições do meio, o principal personagem da narrativa encontra dificuldades para observar de forma plena o ambiente uma vez que seus olhos não estavam adaptados à luz solar, tornando, portanto, o ambiente da caverna (as sombras, ideias e posicionamentos já conhecidos) mais verdadeiro. Ao passo que há tal adaptação ao meio (novas ideias e posicionamentos), o homem percebe que a luz (ambiente externo à caverna) propõe ideias mais claras e solucionava antigos questionamentos quando eram elucidados. No diálogo, Sócrates propõe uma reflexão: o retorno desse homem à caverna causar-lhe- ia a necessidade de uma nova adaptação e, antes disso, ao relatar aos outros prisioneiros seu “novo juízo sobre as sombras”, ocasionaria motivos para risos, julgariam essa experiência como não válida, pois o verdadeiro para os outros é a forma cômoda da rotina ignorante na caverna.
  • 2. Analisando essa alegoria, pode-se concluir que cada elemento presente carrega um significado: a caverna representa o mundo sensível; os prisioneiros são os que desconhecem o real, os ignorantes; as sombras são as verdades falsas, distorcidas; o exterior da caverna é a realidade, o mundo inteligível; o sol é a verdade, o conhecimento. Dessa forma o mito da caverna busca exemplificar como os homens podem se libertar da escuridão (ou no caso a ignorância, os preconceitos) que os aprisiona através da luz (a verdade). O processo para que se alcance o conhecimento abrange dois domínios: o domínio das coisas sensíveis e o domínio das ideias. A realidade está no mundo das ideias, mundo real e verdadeiro, e a maioria da humanidade vive na condição da ignorância, no mundo das coisas sensíveis, mundo mutável.