SlideShare uma empresa Scribd logo
TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO
O ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO NO
PROCESSO EDUCACIONAL INCLUSIVO
Andreia Machado
1. Introdução
• Tópico 1  A Educação Inclusiva é uma proposta relativamente recente, e surgiu
quando Dunn (1968, apud Hornby, 2014, p. 4) questionou a eficácia das
classes especiais para alunos os quais possuíam dificuldades de
aprendizagem. Esse trabalho deu início ao projeto de inclusão desses
alunos em classes regulares e, para que crianças com deficiência
também fossem integradas às escolas regulares – tal mudança foi
denominada Iniciativa de Educação Regular
• Tópico 2
O Atendimento Educacional Especializado (AEE) é uma iniciativa da Política Nacional de
Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva (BRASIL, 2008).
1. Introdução
• Tópico 3
 O AEE representa um trabalho pedagógico complementar, necessário ao desenvolvimento
de habilidades próprias nos diferentes níveis de ensino. Esse atendimento tem como
objetivo oferecer o que não é próprio dos currículos da base nacional comum, possuindo
outros objetivos, metas e procedimentos educacionais.
2. Objetivos
 Objetivo geral:
 O objetivo principal desse trabalho é analisar as diretrizes que devem orientar
o AEE, bem como refletir sobre a importância desse recurso no processo
educacional inclusivo.
• Objetivo Específico:
 Refletir sobre o Atendimento Educacional Especializado (AEE) enquanto um
serviço que visa à superação de limites que possam impedir o desenvolvimento
dos alunos, público-alvo da Educação Especial, que passaram a ter garantido o
direito a matrícula nas escolas regulares a partir das políticas educacionais
inclusivas.
3. Metodologia
 A metodologia utilizada no trabalho foi a de pesquisa bibliográfica,
considerando as contribuições de autores como Batista e Mantoan
(2006) e Silva e Maciel (2005). Assim, apresentamos trabalhos
produzidos que trazem contribuições sobre o tema, além de legislações
que regulamentam o processo educacional inclusivo
• Tópico 1
4. Resultados e Discussão
• Tópico 1
 Os dados levantados apontam a importância desse espaço para a eliminação de
barreiras que impedem a plena participação dos alunos, considerando suas
necessidades específicas e potencializando seu desenvolvimento.
• Tópico 2
 O AEE se mostra um importante recurso à escola inclusiva, em busca de
processos escolares em que haja equidade tanto para o acesso quanto para a
participação e aprendizagem de todos os alunos.
4. Resultados e Discussão
• Tópico 3
 Os estudos apontam a necessidade de que essa forma de
atendimento esteja articulada com a proposta pedagógica do
ensino regular em todos os momentos da vida acadêmica do
aluno.
5. Considerações Finais
• Tópico 1
O caminho em direção às escolas inclusivas implica mudanças substanciais na
maneira como percebemos a própria educação. São inúmeros os desafios
provocados pela proposta da educação inclusiva, envolvendo a superação de
padrões estabelecidos, o respeito e a aceitação das diferenças.
• Tópico 2
O Atendimento Educacional Especializado surge como um
dos elementos que buscam viabilizar esse processo, através
da garantia dos recursos e ações necessárias à evolução dos
alunos, público-alvo da Educação Especial, no acesso ao
conhecimento.
5. Considerações Finais
• Tópico 3
 A defesa da inclusão tem como objetivo o acolhimento de
todos os alunos em suas especificidades, com o propósito de
conseguir progressos significativos nas escolas comuns, por
meio da adoção de novas práticas pedagógicas as quais
contemplem as diferenças de cada um.
6. Referências Bibliográficas
BATISTA, C. A. M.; MANTOAN, M. T. E. Educação Inclusiva: Atendimento Educacional
Especializado para a deficiência mental. 2. ed. Brasília: MEC/SEESP, 2006
BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, 1988.
BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. LDB 9394, 1996.
BRASIL. Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva.
Secretaria de Educação Especial - MEC/SEESP, 2008.
FÁVERO, E. A. G.; PANTOJA, L. M. X. P.; MANTOAN, M. T. E. Atendimento Educacional
Especializado: aspectos legais e orientação pedagógica. Brasília, MEC/SEESP, p. 13-22, 2007.
HORNBY, G. Inclusive special education: evidence-based practices for children with special
needs and disabilities. New York/London: Springer, 2014.
MANTOAN, M. T. E.; SANTOS, M. T. T. Atendimento Educacional Especializado: políticas
públicas e gestão nos municípios. 1. Ed. São Paulo: Moderna, 2010.
6. Referências Bibliográficas
OLIVEIRA, R. P.; ARAÚJO, G. C. Qualidade do ensino: uma nova dimensão da luta pelo direito
à educação. Revista Brasileira de Educação, sem volume, n. 28, p. 5-23, jan./abr. 2005.
ROPOLI, E. A.; MANTOAN, M. T. E.; SANTOS, M. T. C. T.; MACHADO, R. A Educação Especial
na Perspectiva da Inclusão Escolar: a escola comum inclusiva. Brasília: Ministério da
Educação, Secretaria de Educação Especial; Fortaleza: Universidade Federal do Ceará, 2010.
SARTORETTO, R.; SARTORETTO, M. L. Atendimento Educacional Especializado e laboratórios
de aprendizagem: o que são e a quem se destinam. Disponível em: Acesso em: 10. out. 2015.
SARTORETTO, R.; SARTORETTO, M. L. Atendimento Educacional Especializado e
laboratórios de aprendizagem: o que são e a quem se destinam. Disponível em:
http://assistiva.com.br/AEE_Laboratórios.pdf Acesso em: 10. out. 2015.
“Inclusão é a nossa
capacidade de entender
e reconhecer o outro e,
assim, ter o privilégio
de conviver e
compartilhar com
pessoas diferentes de
nós.”

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a SLIDE APRESENTAÇÃO TCC :O ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO NO PROCESSO EDUCACIONAL INCLUSIVO

01. A Adequação curricular como facilitadora.pdf
01. A Adequação curricular como facilitadora.pdf01. A Adequação curricular como facilitadora.pdf
01. A Adequação curricular como facilitadora.pdf
waldilsonBarros1
 
Ee template autodesenvolvimento_educação especial
Ee template autodesenvolvimento_educação especialEe template autodesenvolvimento_educação especial
Ee template autodesenvolvimento_educação especial
mkbariotto
 
Trabalho de Conclusão de Curso em pós em Educação Especial Faved
Trabalho de Conclusão de Curso em pós em Educação Especial FavedTrabalho de Conclusão de Curso em pós em Educação Especial Faved
Trabalho de Conclusão de Curso em pós em Educação Especial Faved
sandrajunia1
 
Defesa dissertação 25 08 2011 rr
Defesa dissertação 25 08 2011 rrDefesa dissertação 25 08 2011 rr
Defesa dissertação 25 08 2011 rr
Regina Rita Silva Santos
 
Material impresso angela rosa de moraes
Material impresso angela rosa de moraesMaterial impresso angela rosa de moraes
Material impresso angela rosa de moraes
Angela Rosa de Moraes
 
Educação inclusiva pre-projeto mestrado
Educação inclusiva pre-projeto mestradoEducação inclusiva pre-projeto mestrado
Educação inclusiva pre-projeto mestrado
packarde2709
 
EDUCAÇÃO ESPECIAL: A INCLUSÃO SÓCIO – EDUCATIVA NO ENSINO REGULAR Monalisa A...
EDUCAÇÃO ESPECIAL:  A INCLUSÃO SÓCIO – EDUCATIVA NO ENSINO REGULAR Monalisa A...EDUCAÇÃO ESPECIAL:  A INCLUSÃO SÓCIO – EDUCATIVA NO ENSINO REGULAR Monalisa A...
EDUCAÇÃO ESPECIAL: A INCLUSÃO SÓCIO – EDUCATIVA NO ENSINO REGULAR Monalisa A...
christianceapcursos
 
texto didática.pdf
texto didática.pdftexto didática.pdf
texto didática.pdf
FabrcioFerreira32
 
5. a inclusão do aluno com deficiência intelectual no ensino regular maria mi...
5. a inclusão do aluno com deficiência intelectual no ensino regular maria mi...5. a inclusão do aluno com deficiência intelectual no ensino regular maria mi...
5. a inclusão do aluno com deficiência intelectual no ensino regular maria mi...
christianceapcursos
 
A INCLUSÃO DO ALUNO COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NO ENSINO REGULAR
A INCLUSÃO DO ALUNO COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NO ENSINO REGULARA INCLUSÃO DO ALUNO COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NO ENSINO REGULAR
A INCLUSÃO DO ALUNO COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NO ENSINO REGULAR
christianceapcursos
 
Educação inclusiva
Educação inclusivaEducação inclusiva
Educação inclusiva
Jocéia Nunes Mata
 
PPP 2013 Escola Classe 29 de Taguatinga
PPP 2013 Escola Classe 29 de TaguatingaPPP 2013 Escola Classe 29 de Taguatinga
PPP 2013 Escola Classe 29 de Taguatinga
Ana Silva
 
Trablho pnaic inclusão
Trablho pnaic inclusãoTrablho pnaic inclusão
Trablho pnaic inclusão
Caroll Lima
 
PERCURSOS FORMATIVOS DE ESTUDANTES PARTICIPANTES DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE...
PERCURSOS FORMATIVOS DE ESTUDANTES PARTICIPANTES DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE...PERCURSOS FORMATIVOS DE ESTUDANTES PARTICIPANTES DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE...
PERCURSOS FORMATIVOS DE ESTUDANTES PARTICIPANTES DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE...
ProfessorPrincipiante
 
Formacao de professores_no_brasil_diagnostico_agenda_de_politicas_e_estrategi...
Formacao de professores_no_brasil_diagnostico_agenda_de_politicas_e_estrategi...Formacao de professores_no_brasil_diagnostico_agenda_de_politicas_e_estrategi...
Formacao de professores_no_brasil_diagnostico_agenda_de_politicas_e_estrategi...
Renata Barbosa
 
Giselia aparecida dos_reis_bellinaso_artigo_aprovado_17-7-17
Giselia aparecida dos_reis_bellinaso_artigo_aprovado_17-7-17Giselia aparecida dos_reis_bellinaso_artigo_aprovado_17-7-17
Giselia aparecida dos_reis_bellinaso_artigo_aprovado_17-7-17
Giselia Bellinaso
 
Curriculos Alternativos
Curriculos AlternativosCurriculos Alternativos
Curriculos Alternativos
guestb20a74
 
Apresentação
ApresentaçãoApresentação
Apresentação
verasusanam
 
Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Fundamental - Ivete Mantovani
Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Fundamental - Ivete MantovaniDiretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Fundamental - Ivete Mantovani
Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Fundamental - Ivete Mantovani
IveteMantovani
 
DESAFIOS NAS AÇÕES ESCOLARES INCLUSIVA
DESAFIOS NAS AÇÕES ESCOLARES INCLUSIVADESAFIOS NAS AÇÕES ESCOLARES INCLUSIVA
DESAFIOS NAS AÇÕES ESCOLARES INCLUSIVA
Marileide Alves
 

Semelhante a SLIDE APRESENTAÇÃO TCC :O ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO NO PROCESSO EDUCACIONAL INCLUSIVO (20)

01. A Adequação curricular como facilitadora.pdf
01. A Adequação curricular como facilitadora.pdf01. A Adequação curricular como facilitadora.pdf
01. A Adequação curricular como facilitadora.pdf
 
Ee template autodesenvolvimento_educação especial
Ee template autodesenvolvimento_educação especialEe template autodesenvolvimento_educação especial
Ee template autodesenvolvimento_educação especial
 
Trabalho de Conclusão de Curso em pós em Educação Especial Faved
Trabalho de Conclusão de Curso em pós em Educação Especial FavedTrabalho de Conclusão de Curso em pós em Educação Especial Faved
Trabalho de Conclusão de Curso em pós em Educação Especial Faved
 
Defesa dissertação 25 08 2011 rr
Defesa dissertação 25 08 2011 rrDefesa dissertação 25 08 2011 rr
Defesa dissertação 25 08 2011 rr
 
Material impresso angela rosa de moraes
Material impresso angela rosa de moraesMaterial impresso angela rosa de moraes
Material impresso angela rosa de moraes
 
Educação inclusiva pre-projeto mestrado
Educação inclusiva pre-projeto mestradoEducação inclusiva pre-projeto mestrado
Educação inclusiva pre-projeto mestrado
 
EDUCAÇÃO ESPECIAL: A INCLUSÃO SÓCIO – EDUCATIVA NO ENSINO REGULAR Monalisa A...
EDUCAÇÃO ESPECIAL:  A INCLUSÃO SÓCIO – EDUCATIVA NO ENSINO REGULAR Monalisa A...EDUCAÇÃO ESPECIAL:  A INCLUSÃO SÓCIO – EDUCATIVA NO ENSINO REGULAR Monalisa A...
EDUCAÇÃO ESPECIAL: A INCLUSÃO SÓCIO – EDUCATIVA NO ENSINO REGULAR Monalisa A...
 
texto didática.pdf
texto didática.pdftexto didática.pdf
texto didática.pdf
 
5. a inclusão do aluno com deficiência intelectual no ensino regular maria mi...
5. a inclusão do aluno com deficiência intelectual no ensino regular maria mi...5. a inclusão do aluno com deficiência intelectual no ensino regular maria mi...
5. a inclusão do aluno com deficiência intelectual no ensino regular maria mi...
 
A INCLUSÃO DO ALUNO COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NO ENSINO REGULAR
A INCLUSÃO DO ALUNO COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NO ENSINO REGULARA INCLUSÃO DO ALUNO COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NO ENSINO REGULAR
A INCLUSÃO DO ALUNO COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NO ENSINO REGULAR
 
Educação inclusiva
Educação inclusivaEducação inclusiva
Educação inclusiva
 
PPP 2013 Escola Classe 29 de Taguatinga
PPP 2013 Escola Classe 29 de TaguatingaPPP 2013 Escola Classe 29 de Taguatinga
PPP 2013 Escola Classe 29 de Taguatinga
 
Trablho pnaic inclusão
Trablho pnaic inclusãoTrablho pnaic inclusão
Trablho pnaic inclusão
 
PERCURSOS FORMATIVOS DE ESTUDANTES PARTICIPANTES DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE...
PERCURSOS FORMATIVOS DE ESTUDANTES PARTICIPANTES DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE...PERCURSOS FORMATIVOS DE ESTUDANTES PARTICIPANTES DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE...
PERCURSOS FORMATIVOS DE ESTUDANTES PARTICIPANTES DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE...
 
Formacao de professores_no_brasil_diagnostico_agenda_de_politicas_e_estrategi...
Formacao de professores_no_brasil_diagnostico_agenda_de_politicas_e_estrategi...Formacao de professores_no_brasil_diagnostico_agenda_de_politicas_e_estrategi...
Formacao de professores_no_brasil_diagnostico_agenda_de_politicas_e_estrategi...
 
Giselia aparecida dos_reis_bellinaso_artigo_aprovado_17-7-17
Giselia aparecida dos_reis_bellinaso_artigo_aprovado_17-7-17Giselia aparecida dos_reis_bellinaso_artigo_aprovado_17-7-17
Giselia aparecida dos_reis_bellinaso_artigo_aprovado_17-7-17
 
Curriculos Alternativos
Curriculos AlternativosCurriculos Alternativos
Curriculos Alternativos
 
Apresentação
ApresentaçãoApresentação
Apresentação
 
Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Fundamental - Ivete Mantovani
Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Fundamental - Ivete MantovaniDiretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Fundamental - Ivete Mantovani
Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Fundamental - Ivete Mantovani
 
DESAFIOS NAS AÇÕES ESCOLARES INCLUSIVA
DESAFIOS NAS AÇÕES ESCOLARES INCLUSIVADESAFIOS NAS AÇÕES ESCOLARES INCLUSIVA
DESAFIOS NAS AÇÕES ESCOLARES INCLUSIVA
 

Mais de DouglasVasconcelosMa

BENEFÍCIOS DA NEUROPSICOPEDAGOGIA educacional
BENEFÍCIOS DA NEUROPSICOPEDAGOGIA educacionalBENEFÍCIOS DA NEUROPSICOPEDAGOGIA educacional
BENEFÍCIOS DA NEUROPSICOPEDAGOGIA educacional
DouglasVasconcelosMa
 
DEPENDENCIA AFETIVA- emocional e apego a outro
DEPENDENCIA AFETIVA-  emocional  e apego a outroDEPENDENCIA AFETIVA-  emocional  e apego a outro
DEPENDENCIA AFETIVA- emocional e apego a outro
DouglasVasconcelosMa
 
COMO ESTRUTURAR A AVALIAÇÃO psicopedagogica
COMO ESTRUTURAR A AVALIAÇÃO psicopedagogicaCOMO ESTRUTURAR A AVALIAÇÃO psicopedagogica
COMO ESTRUTURAR A AVALIAÇÃO psicopedagogica
DouglasVasconcelosMa
 
SOCIO EMOCIONAL- listagem da verificação
SOCIO EMOCIONAL- listagem da verificaçãoSOCIO EMOCIONAL- listagem da verificação
SOCIO EMOCIONAL- listagem da verificação
DouglasVasconcelosMa
 
MODELO Resumo esquemático de Relatório escolar
MODELO Resumo esquemático de Relatório escolarMODELO Resumo esquemático de Relatório escolar
MODELO Resumo esquemático de Relatório escolar
DouglasVasconcelosMa
 
INTRODUÇÃO À NEUROPSICOPEDA - escolar e clinica
INTRODUÇÃO À NEUROPSICOPEDA  - escolar e clinicaINTRODUÇÃO À NEUROPSICOPEDA  - escolar e clinica
INTRODUÇÃO À NEUROPSICOPEDA - escolar e clinica
DouglasVasconcelosMa
 
Psicopedagogia, introodução, o que é como seguir
Psicopedagogia, introodução, o que é como seguirPsicopedagogia, introodução, o que é como seguir
Psicopedagogia, introodução, o que é como seguir
DouglasVasconcelosMa
 
educação especia, tea el autismo educare.pdf
educação especia, tea el autismo educare.pdfeducação especia, tea el autismo educare.pdf
educação especia, tea el autismo educare.pdf
DouglasVasconcelosMa
 
INTRODUÇÃO À NEUROPSICOPEDAGOGIA - leitura
INTRODUÇÃO À NEUROPSICOPEDAGOGIA  - leituraINTRODUÇÃO À NEUROPSICOPEDAGOGIA  - leitura
INTRODUÇÃO À NEUROPSICOPEDAGOGIA - leitura
DouglasVasconcelosMa
 
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - materialFUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
DouglasVasconcelosMa
 
CAA-PECS - Comunicação Alternativa - baici e alto custo
CAA-PECS - Comunicação Alternativa - baici e alto custoCAA-PECS - Comunicação Alternativa - baici e alto custo
CAA-PECS - Comunicação Alternativa - baici e alto custo
DouglasVasconcelosMa
 
o modelo DIRFloortime usado no desenvolvimento de crianças com autismo (1).pptx
o modelo DIRFloortime usado no desenvolvimento de crianças com autismo (1).pptxo modelo DIRFloortime usado no desenvolvimento de crianças com autismo (1).pptx
o modelo DIRFloortime usado no desenvolvimento de crianças com autismo (1).pptx
DouglasVasconcelosMa
 
Aperfeiçoamento . Alfabetização e Letramento DI
Aperfeiçoamento . Alfabetização e Letramento DIAperfeiçoamento . Alfabetização e Letramento DI
Aperfeiçoamento . Alfabetização e Letramento DI
DouglasVasconcelosMa
 
COMUNICAÇÃO ALTERNATIVA F.ppt- pranchas
COMUNICAÇÃO ALTERNATIVA  F.ppt- pranchasCOMUNICAÇÃO ALTERNATIVA  F.ppt- pranchas
COMUNICAÇÃO ALTERNATIVA F.ppt- pranchas
DouglasVasconcelosMa
 
HTPF : PAUTA FORMATIVA: PROJETO LEITURA.
HTPF : PAUTA FORMATIVA: PROJETO LEITURA.HTPF : PAUTA FORMATIVA: PROJETO LEITURA.
HTPF : PAUTA FORMATIVA: PROJETO LEITURA.
DouglasVasconcelosMa
 
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETOProjeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
DouglasVasconcelosMa
 
Língua Portuguesa - 4º bimestre - Ficha técnica e Dígrafos.docx
Língua Portuguesa - 4º bimestre - Ficha técnica e Dígrafos.docxLíngua Portuguesa - 4º bimestre - Ficha técnica e Dígrafos.docx
Língua Portuguesa - 4º bimestre - Ficha técnica e Dígrafos.docx
DouglasVasconcelosMa
 
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURACRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
DouglasVasconcelosMa
 

Mais de DouglasVasconcelosMa (18)

BENEFÍCIOS DA NEUROPSICOPEDAGOGIA educacional
BENEFÍCIOS DA NEUROPSICOPEDAGOGIA educacionalBENEFÍCIOS DA NEUROPSICOPEDAGOGIA educacional
BENEFÍCIOS DA NEUROPSICOPEDAGOGIA educacional
 
DEPENDENCIA AFETIVA- emocional e apego a outro
DEPENDENCIA AFETIVA-  emocional  e apego a outroDEPENDENCIA AFETIVA-  emocional  e apego a outro
DEPENDENCIA AFETIVA- emocional e apego a outro
 
COMO ESTRUTURAR A AVALIAÇÃO psicopedagogica
COMO ESTRUTURAR A AVALIAÇÃO psicopedagogicaCOMO ESTRUTURAR A AVALIAÇÃO psicopedagogica
COMO ESTRUTURAR A AVALIAÇÃO psicopedagogica
 
SOCIO EMOCIONAL- listagem da verificação
SOCIO EMOCIONAL- listagem da verificaçãoSOCIO EMOCIONAL- listagem da verificação
SOCIO EMOCIONAL- listagem da verificação
 
MODELO Resumo esquemático de Relatório escolar
MODELO Resumo esquemático de Relatório escolarMODELO Resumo esquemático de Relatório escolar
MODELO Resumo esquemático de Relatório escolar
 
INTRODUÇÃO À NEUROPSICOPEDA - escolar e clinica
INTRODUÇÃO À NEUROPSICOPEDA  - escolar e clinicaINTRODUÇÃO À NEUROPSICOPEDA  - escolar e clinica
INTRODUÇÃO À NEUROPSICOPEDA - escolar e clinica
 
Psicopedagogia, introodução, o que é como seguir
Psicopedagogia, introodução, o que é como seguirPsicopedagogia, introodução, o que é como seguir
Psicopedagogia, introodução, o que é como seguir
 
educação especia, tea el autismo educare.pdf
educação especia, tea el autismo educare.pdfeducação especia, tea el autismo educare.pdf
educação especia, tea el autismo educare.pdf
 
INTRODUÇÃO À NEUROPSICOPEDAGOGIA - leitura
INTRODUÇÃO À NEUROPSICOPEDAGOGIA  - leituraINTRODUÇÃO À NEUROPSICOPEDAGOGIA  - leitura
INTRODUÇÃO À NEUROPSICOPEDAGOGIA - leitura
 
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - materialFUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
 
CAA-PECS - Comunicação Alternativa - baici e alto custo
CAA-PECS - Comunicação Alternativa - baici e alto custoCAA-PECS - Comunicação Alternativa - baici e alto custo
CAA-PECS - Comunicação Alternativa - baici e alto custo
 
o modelo DIRFloortime usado no desenvolvimento de crianças com autismo (1).pptx
o modelo DIRFloortime usado no desenvolvimento de crianças com autismo (1).pptxo modelo DIRFloortime usado no desenvolvimento de crianças com autismo (1).pptx
o modelo DIRFloortime usado no desenvolvimento de crianças com autismo (1).pptx
 
Aperfeiçoamento . Alfabetização e Letramento DI
Aperfeiçoamento . Alfabetização e Letramento DIAperfeiçoamento . Alfabetização e Letramento DI
Aperfeiçoamento . Alfabetização e Letramento DI
 
COMUNICAÇÃO ALTERNATIVA F.ppt- pranchas
COMUNICAÇÃO ALTERNATIVA  F.ppt- pranchasCOMUNICAÇÃO ALTERNATIVA  F.ppt- pranchas
COMUNICAÇÃO ALTERNATIVA F.ppt- pranchas
 
HTPF : PAUTA FORMATIVA: PROJETO LEITURA.
HTPF : PAUTA FORMATIVA: PROJETO LEITURA.HTPF : PAUTA FORMATIVA: PROJETO LEITURA.
HTPF : PAUTA FORMATIVA: PROJETO LEITURA.
 
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETOProjeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
 
Língua Portuguesa - 4º bimestre - Ficha técnica e Dígrafos.docx
Língua Portuguesa - 4º bimestre - Ficha técnica e Dígrafos.docxLíngua Portuguesa - 4º bimestre - Ficha técnica e Dígrafos.docx
Língua Portuguesa - 4º bimestre - Ficha técnica e Dígrafos.docx
 
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURACRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
 

Último

Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Centro Jacques Delors
 
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdfCADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
NatySousa3
 
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de CarvalhoO sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
analuisasesso
 
QUIZ - HISTÓRIA 9º ANO - PRIMEIRA REPÚBLICA_ERA VARGAS.pptx
QUIZ - HISTÓRIA  9º ANO - PRIMEIRA REPÚBLICA_ERA VARGAS.pptxQUIZ - HISTÓRIA  9º ANO - PRIMEIRA REPÚBLICA_ERA VARGAS.pptx
QUIZ - HISTÓRIA 9º ANO - PRIMEIRA REPÚBLICA_ERA VARGAS.pptx
AntonioVieira539017
 
Forças e leis de Newton 2024 - parte 1.pptx
Forças e leis de Newton 2024 - parte 1.pptxForças e leis de Newton 2024 - parte 1.pptx
Forças e leis de Newton 2024 - parte 1.pptx
Danielle Fernandes Amaro dos Santos
 
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmenteeducação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
DeuzinhaAzevedo
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
sthefanydesr
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
LucianaCristina58
 
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
AdrianoMontagna1
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
MateusTavares54
 
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinhaatividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
Suzy De Abreu Santana
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
ValdineyRodriguesBez1
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptxAula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
edivirgesribeiro1
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
wagnermorais28
 

Último (20)

Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
 
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdfCADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
 
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de CarvalhoO sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
 
QUIZ - HISTÓRIA 9º ANO - PRIMEIRA REPÚBLICA_ERA VARGAS.pptx
QUIZ - HISTÓRIA  9º ANO - PRIMEIRA REPÚBLICA_ERA VARGAS.pptxQUIZ - HISTÓRIA  9º ANO - PRIMEIRA REPÚBLICA_ERA VARGAS.pptx
QUIZ - HISTÓRIA 9º ANO - PRIMEIRA REPÚBLICA_ERA VARGAS.pptx
 
Forças e leis de Newton 2024 - parte 1.pptx
Forças e leis de Newton 2024 - parte 1.pptxForças e leis de Newton 2024 - parte 1.pptx
Forças e leis de Newton 2024 - parte 1.pptx
 
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmenteeducação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
 
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
 
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinhaatividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptxAula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
 

SLIDE APRESENTAÇÃO TCC :O ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO NO PROCESSO EDUCACIONAL INCLUSIVO

  • 1. TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO O ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO NO PROCESSO EDUCACIONAL INCLUSIVO Andreia Machado
  • 2. 1. Introdução • Tópico 1  A Educação Inclusiva é uma proposta relativamente recente, e surgiu quando Dunn (1968, apud Hornby, 2014, p. 4) questionou a eficácia das classes especiais para alunos os quais possuíam dificuldades de aprendizagem. Esse trabalho deu início ao projeto de inclusão desses alunos em classes regulares e, para que crianças com deficiência também fossem integradas às escolas regulares – tal mudança foi denominada Iniciativa de Educação Regular • Tópico 2 O Atendimento Educacional Especializado (AEE) é uma iniciativa da Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva (BRASIL, 2008).
  • 3. 1. Introdução • Tópico 3  O AEE representa um trabalho pedagógico complementar, necessário ao desenvolvimento de habilidades próprias nos diferentes níveis de ensino. Esse atendimento tem como objetivo oferecer o que não é próprio dos currículos da base nacional comum, possuindo outros objetivos, metas e procedimentos educacionais.
  • 4. 2. Objetivos  Objetivo geral:  O objetivo principal desse trabalho é analisar as diretrizes que devem orientar o AEE, bem como refletir sobre a importância desse recurso no processo educacional inclusivo. • Objetivo Específico:  Refletir sobre o Atendimento Educacional Especializado (AEE) enquanto um serviço que visa à superação de limites que possam impedir o desenvolvimento dos alunos, público-alvo da Educação Especial, que passaram a ter garantido o direito a matrícula nas escolas regulares a partir das políticas educacionais inclusivas.
  • 5. 3. Metodologia  A metodologia utilizada no trabalho foi a de pesquisa bibliográfica, considerando as contribuições de autores como Batista e Mantoan (2006) e Silva e Maciel (2005). Assim, apresentamos trabalhos produzidos que trazem contribuições sobre o tema, além de legislações que regulamentam o processo educacional inclusivo • Tópico 1
  • 6. 4. Resultados e Discussão • Tópico 1  Os dados levantados apontam a importância desse espaço para a eliminação de barreiras que impedem a plena participação dos alunos, considerando suas necessidades específicas e potencializando seu desenvolvimento. • Tópico 2  O AEE se mostra um importante recurso à escola inclusiva, em busca de processos escolares em que haja equidade tanto para o acesso quanto para a participação e aprendizagem de todos os alunos.
  • 7. 4. Resultados e Discussão • Tópico 3  Os estudos apontam a necessidade de que essa forma de atendimento esteja articulada com a proposta pedagógica do ensino regular em todos os momentos da vida acadêmica do aluno.
  • 8. 5. Considerações Finais • Tópico 1 O caminho em direção às escolas inclusivas implica mudanças substanciais na maneira como percebemos a própria educação. São inúmeros os desafios provocados pela proposta da educação inclusiva, envolvendo a superação de padrões estabelecidos, o respeito e a aceitação das diferenças. • Tópico 2 O Atendimento Educacional Especializado surge como um dos elementos que buscam viabilizar esse processo, através da garantia dos recursos e ações necessárias à evolução dos alunos, público-alvo da Educação Especial, no acesso ao conhecimento.
  • 9. 5. Considerações Finais • Tópico 3  A defesa da inclusão tem como objetivo o acolhimento de todos os alunos em suas especificidades, com o propósito de conseguir progressos significativos nas escolas comuns, por meio da adoção de novas práticas pedagógicas as quais contemplem as diferenças de cada um.
  • 10. 6. Referências Bibliográficas BATISTA, C. A. M.; MANTOAN, M. T. E. Educação Inclusiva: Atendimento Educacional Especializado para a deficiência mental. 2. ed. Brasília: MEC/SEESP, 2006 BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, 1988. BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. LDB 9394, 1996. BRASIL. Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva. Secretaria de Educação Especial - MEC/SEESP, 2008. FÁVERO, E. A. G.; PANTOJA, L. M. X. P.; MANTOAN, M. T. E. Atendimento Educacional Especializado: aspectos legais e orientação pedagógica. Brasília, MEC/SEESP, p. 13-22, 2007. HORNBY, G. Inclusive special education: evidence-based practices for children with special needs and disabilities. New York/London: Springer, 2014. MANTOAN, M. T. E.; SANTOS, M. T. T. Atendimento Educacional Especializado: políticas públicas e gestão nos municípios. 1. Ed. São Paulo: Moderna, 2010.
  • 11. 6. Referências Bibliográficas OLIVEIRA, R. P.; ARAÚJO, G. C. Qualidade do ensino: uma nova dimensão da luta pelo direito à educação. Revista Brasileira de Educação, sem volume, n. 28, p. 5-23, jan./abr. 2005. ROPOLI, E. A.; MANTOAN, M. T. E.; SANTOS, M. T. C. T.; MACHADO, R. A Educação Especial na Perspectiva da Inclusão Escolar: a escola comum inclusiva. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Especial; Fortaleza: Universidade Federal do Ceará, 2010. SARTORETTO, R.; SARTORETTO, M. L. Atendimento Educacional Especializado e laboratórios de aprendizagem: o que são e a quem se destinam. Disponível em: Acesso em: 10. out. 2015. SARTORETTO, R.; SARTORETTO, M. L. Atendimento Educacional Especializado e laboratórios de aprendizagem: o que são e a quem se destinam. Disponível em: http://assistiva.com.br/AEE_Laboratórios.pdf Acesso em: 10. out. 2015.
  • 12. “Inclusão é a nossa capacidade de entender e reconhecer o outro e, assim, ter o privilégio de conviver e compartilhar com pessoas diferentes de nós.”