SlideShare uma empresa Scribd logo
SITUAÇÃO
DE
APRENDIZAGEM
TEXTO “AVESTRUZ”, DE
M
ÁRIO
PRATA
Tempo previsto: 12 aulas
Conteúdos e temas: Características do agrupamento tipológico narrar, Estudo
dos gêneros textuais crônica narrativa
Competências e habilidades: Reconhecer as características do agrupamento
tipológico “narrar” nos gênero textual “crônica”, Situar o gênero “crônica”,
reconhecendo sua função social de acordo com o contexto de comunicação.
Estratégias: Leitura e análise de textos verbais e não verbais, atividades de
sistematização
Recursos utilizados: sala de leitura, sala de informática, dicionário, jornal,
imagem
Avaliação: Posicionamento do aluno nas discussões orais, análise dos textos e
desenrolar das pesquisas.
SONDAGEM
O professor levará os alunos à sala de Leitura e iniciará uma conversa
questionando-os a respeito de textos e livros que mais gostam ou
gostaram.
Em seguida propõe que escolham algum livro para que o professor
realize a leitura oral.
Nesta discussão o professor aproveita para fazer um levantamento da
classe a respeito dos gêneros já conhecidos.
O professor pode retomar as características da tipologia narrativa.
O termo “narrar” vem do latim “narratio” e quer dizer o ato de narrar acontecimentos reais ou fictícios. Na Antiguidade
Clássica, os padrões literários reconhecidos eram apenas o épico, o lírico e o dramático. Com o passar dos anos surgiu dentro
do gênero épico a variante: gênero narrativo, a qual apresentou concepções de prosa com características diferentes, o que fez
com que surgissem divisões de outros gêneros literários dentro do estilo narrativo: o romance, a novela, o conto, a crônica, a
fábula. Porém, praticamente todas as obras narrativas possuem elementos estruturais e estilísticos em comum e devem
responder a questionamentos, como: quem?, que? quando? onde? por quê? Vejamos a seguir:
• Narrador: é o que narra a história, pode ser onisciente (terceira pessoa, observador, tem conhecimento da história e das
personagens, observa e conta o que está acontecendo ou aconteceu) ou personagem (em primeira pessoa; narra e participa da
história e, contudo, narra os fatos à medida em que acontecem, não pode prever o que acontecerá com as demais
personagens).
• Tempo: é um determinado momento em que as personagens vivenciam as suas experiências e ações. Pode ser cronológico
(um dia, um mês, dois anos) ou psicológico (memória de quem narra, flash-back feito pelo narrador).
• Espaço: lugar onde as ações acontecem e se desenvolvem.
• Enredo: é a trama, o que está envolvido na trama que precisa ser resolvido, e a sua resolução, ou seja, todo enredo tem
início, desenvolvimento, clímax e desfecho.
• Personagens: através das personagens, seres fictícios da trama, encadeiam-se os fatos que geram os conflitos e ações. À
personagem principal dá-se o nome de protagonista e pode ser uma pessoa, animal ou objeto inanimado, como nas fábulas.
O professor leva para a sala de aula livros, jornais e revistas e
deixa-os explorar o material.
Em seguida, o professor busca conhecimentos que têm sobre a
finalidade dos suportes em questão: Revista, jornal e livro. Pode travar
questões como: Quem leria um jornal? Para qual finalidade? Quem
costuma ler livros? E revistas?
DISCUSSÃO ORAL
A partir daí, estabeleça um diálogo sobre diferentes narrativas
e retoma os elementos da narrativa fazendo uso de crônicas,
fragmentos de romances entre outros.
LEITURA E ANÁLISE DE TEXTO
Antes de ler o texto mostre o título e questione os alunos
Vocês sabem o que é avestruz?
 Vocês já viram um avestruz?
Como é essa ave? Na região onde moramos existem avestruzes?
O que vocês acham de um texto com este título?
Após as discussões, realizar a leitura do texto.
TEXTO: AVESTRUZ
O filho de uma grande amiga pediu, de presente pelos seus dez anos,
uma avestruz. Cismou, fazer o quê? Moram em um apartamento em
Higienópolis, São Paulo. E ela me mandou um e-mail dizendo que a culpa era
minha. Sim, porque foi aqui ao lado de casa, em Floripa, que o menino
conheceu as avestruzes. Tem uma plantação, digo, criação deles. Aquilo
impressionou o garoto.
Culpado, fui até o local saber se eles vendiam filhotes de avestruzes.
E se entregavam em domicílio.
E fiquei a observar a ave. Se é que podemos chamar aquilo de ave. A
avestruz foi um erro da natureza, minha amiga. Na hora de criar a avestruz,
Deus devia estar muito cansado e cometeu alguns erros. Deve ter criado
primeiro o corpo, que se assemelha, em tamanho, a um boi. Sabe quanto pesa
uma avestruz? Entre 100 e 160 quilos, fui logo avisando a minha amiga. E a
altura pode chegar a quase três metros. 2,7 para ser mais exato.
PERGUNTA-SE
Vocês acham que o menino vai ganhar a avestruz?
É possível criar avestruz em um apartamento?
Vocês acham que avestruz pode se tornar um animal de estimação?
Mas eu estava falando da sua criação por Deus. Colocou um pescoço
que não tem absolutamente nada a ver com o corpo. Não devia mais ter
estoque de asas no paraíso, então colocou asas atrofiadas. Talvez até
sabiamente para evitar que saíssem voando em bandos por aí assustando as
demais aves normais.
Outra coisa que faltou foram dedos para os pés. Colocou apenas dois
dedos em cada pé.
Sacanagem, Senhor!
Depois olhou para sua obra e não sabia se era uma ave ou um
camelo. Tanto é que, logo depois, Adão, dando os nomes a tudo que via pela
frente, olhou para aquele ser meio abominável e disse: Struthio Camelus
Australis. Que é o nome oficial da coisa. Acho que o struthio deve ser aquele
pescoço fino em forma de salsicha.
Pois um animal daquele tamanho deveria botar ovos proporcionais ao
seu corpo. Outro erro. É grande, mas nem tanto. E me explicava o criador que
elas vivem até os setenta anos e se reproduzem plenamente até os quarenta,
entrando depois na menopausa, não têm, portanto, TPM. Uma avestruz com
TPM é perigosíssima!
Podem gerar de dez a trinta crias por ano, expliquei ao garoto, filho
da minha amiga. Pois ele ficou mais animado ainda, imaginando aquele bando
de avestruzes correndo pela sala do apartamento.
Ele insiste, quer que eu leve uma avestruz para ele de avião, no
domingo. Não sabia mais o que fazer.
PERGUNTA-SE
E agora? O que fazer?
O texto está transcorrendo como vocês imaginavam?
O texto já terminou?
Como acreditam que vai terminar?
Foi quando descobri que elas comem o que encontram pela frente,
inclusive pedaços de ferro e madeiras. Joguinhos eletrônicos, por exemplo.
Máquina digital de fotografia, times inteiros de futebol de botão e,
principalmente, chuteiras. E, se descuidar, um mouse de vez em quando cai
bem.
Parece que convenci o garoto. Me telefonou e disse que troca o
avestruz por cinco gaivotas e um urubu.
Pedi para a minha amiga levar o garoto num psicólogo. Afinal, tenho
mais o que fazer do que ser gigolô de avestruz.
PRATA, Mário. Avestruz. Disponível em:
<www.marioprataonline.com.br>. Acesso em: 14
fev. de 2008.
RESPONDA NO CADERNO
Os alunos serão orientados a pesquisar no dicionário o significado das
palavras desconhecidas.
O professor pode utilizar perguntas como:
Alguma palavra dificultou a compreensão do texto?
Em caso afirmativo, como vocês sanaram as dificuldades?
O professor ainda pergunta:
Quem é o autor do texto?
Quem são os personagens?
O texto está em 1ª ou 3ª pessoa?
Retire do texto uma palavra típica da linguagem informal?
Onde acontece a história?
Qual é o nome científico do avestruz?
Que estratégia o autor usou para convencer o menino a desistir do
animal?
O que o menino quis no lugar do avestruz?
ESTUDO DA LÍNGUA
O professor solicita que os alunos circulem no texto:
Verbos no pretérito perfeito do indicativo
Verbos no pretérito imperfeito do indicativo;
Em seguida, pede que façam uma tabela e copiem no caderno separando-os;
A partir daí, propõe que escolham 6 verbos e façam frases.
LIÇÃO DE CASA
O professor seleciona atividades do livro didático sobre verbo.
PESQUISA INDIVIDUAL
O professor leva-os à sala de informática e propõe uma pesquisa sobre as
características do gênero crônica narrativa.
PESQUISA EM GRUPO
Os alunos pesquisam em jornais outras crônicas.
Antes do término da aula podem ser incentivados a buscar, na sala de
leitura, livros de crônicas para ler em casa.
LEITURA E ANÁLISE DE TEXTO
O professor projetará a imagem de um avestruz e farão a comparação
das características do animal com a descrição do texto.
APRENDENDO A APRENDER
Traçar a diferença entre características físicas e psicológicas.
As impressões do autor em relação ao animal descrito.
AUTOAVALIAÇÃO
Os alunos são levados a refletir sobre os textos lidos, as características
da crônica narrativa, contexto de produção do texto explorado e o uso
dos verbos.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Situação de aprendizagem desenvolvida a partir da crônica avestruz
Situação de aprendizagem desenvolvida a partir da crônica avestruzSituação de aprendizagem desenvolvida a partir da crônica avestruz
Situação de aprendizagem desenvolvida a partir da crônica avestruz
washingtonac
 
Sequência didática mário
Sequência didática márioSequência didática mário
Sequência didática mário
tcpthais
 
Seq. didática 2 (marcela)
Seq. didática 2 (marcela)Seq. didática 2 (marcela)
Seq. didática 2 (marcela)
Mar_Siq_Lim
 
Sequência didática com base no texto de mário
Sequência didática com base no texto de márioSequência didática com base no texto de mário
Sequência didática com base no texto de mário
Mocinha05
 
Sequãšncia didãtica curso n line 2013
Sequãšncia didãtica   curso n line 2013Sequãšncia didãtica   curso n line 2013
Sequãšncia didãtica curso n line 2013
gis22
 
Sequência didática curso n line 2013
Sequência didática   curso n line 2013Sequência didática   curso n line 2013
Sequência didática curso n line 2013
Cintia Sitta
 
Situação de aprendizagem avestruz
Situação de aprendizagem avestruzSituação de aprendizagem avestruz
Situação de aprendizagem avestruz
Francini Carvalho
 
O avestruz seq didática
O avestruz   seq didáticaO avestruz   seq didática
O avestruz seq didática
vidaemeta
 
Apreciação e réplica de crônica narrativa situação
Apreciação e réplica de crônica narrativa  situaçãoApreciação e réplica de crônica narrativa  situação
Apreciação e réplica de crônica narrativa situação
Dalvaserafim
 
Situação de aprendizagem texto avestruz
Situação de aprendizagem texto avestruzSituação de aprendizagem texto avestruz
Situação de aprendizagem texto avestruz
mariaprui
 
Sequência didática da crônica "Avestruz" - Mário Prata
Sequência didática da crônica "Avestruz" - Mário PrataSequência didática da crônica "Avestruz" - Mário Prata
Sequência didática da crônica "Avestruz" - Mário Prata
Janete Nascimento
 
Turma 2 avestruz 1
Turma 2   avestruz 1Turma 2   avestruz 1
Turma 2 avestruz 1
viajandonasentrelinhas
 
O avestruz
O avestruzO avestruz
O avestruz
czuzek
 
Sa avestruz
Sa avestruzSa avestruz
Sa avestruz
Simone Machado
 
Situação de aprendizadem_grupo 8
Situação  de  aprendizadem_grupo 8Situação  de  aprendizadem_grupo 8
Situação de aprendizadem_grupo 8
monicasli
 

Mais procurados (15)

Situação de aprendizagem desenvolvida a partir da crônica avestruz
Situação de aprendizagem desenvolvida a partir da crônica avestruzSituação de aprendizagem desenvolvida a partir da crônica avestruz
Situação de aprendizagem desenvolvida a partir da crônica avestruz
 
Sequência didática mário
Sequência didática márioSequência didática mário
Sequência didática mário
 
Seq. didática 2 (marcela)
Seq. didática 2 (marcela)Seq. didática 2 (marcela)
Seq. didática 2 (marcela)
 
Sequência didática com base no texto de mário
Sequência didática com base no texto de márioSequência didática com base no texto de mário
Sequência didática com base no texto de mário
 
Sequãšncia didãtica curso n line 2013
Sequãšncia didãtica   curso n line 2013Sequãšncia didãtica   curso n line 2013
Sequãšncia didãtica curso n line 2013
 
Sequência didática curso n line 2013
Sequência didática   curso n line 2013Sequência didática   curso n line 2013
Sequência didática curso n line 2013
 
Situação de aprendizagem avestruz
Situação de aprendizagem avestruzSituação de aprendizagem avestruz
Situação de aprendizagem avestruz
 
O avestruz seq didática
O avestruz   seq didáticaO avestruz   seq didática
O avestruz seq didática
 
Apreciação e réplica de crônica narrativa situação
Apreciação e réplica de crônica narrativa  situaçãoApreciação e réplica de crônica narrativa  situação
Apreciação e réplica de crônica narrativa situação
 
Situação de aprendizagem texto avestruz
Situação de aprendizagem texto avestruzSituação de aprendizagem texto avestruz
Situação de aprendizagem texto avestruz
 
Sequência didática da crônica "Avestruz" - Mário Prata
Sequência didática da crônica "Avestruz" - Mário PrataSequência didática da crônica "Avestruz" - Mário Prata
Sequência didática da crônica "Avestruz" - Mário Prata
 
Turma 2 avestruz 1
Turma 2   avestruz 1Turma 2   avestruz 1
Turma 2 avestruz 1
 
O avestruz
O avestruzO avestruz
O avestruz
 
Sa avestruz
Sa avestruzSa avestruz
Sa avestruz
 
Situação de aprendizadem_grupo 8
Situação  de  aprendizadem_grupo 8Situação  de  aprendizadem_grupo 8
Situação de aprendizadem_grupo 8
 

Destaque

Avestruz
AvestruzAvestruz
Texto informativo - O avestruz
Texto informativo - O avestruzTexto informativo - O avestruz
Texto informativo - O avestruz
Escola Estadual Joaquim Abarca -
 
Sequência didática crônica pausa
Sequência didática   crônica pausaSequência didática   crônica pausa
Sequência didática crônica pausa
Maria Angelica botoni de souza
 
Potential Relief from Stress and Depression with Reiki
Potential Relief from Stress and Depression with ReikiPotential Relief from Stress and Depression with Reiki
Potential Relief from Stress and Depression with Reiki
Rosanne Bostonian, Ph.D., RMT
 
Timeline of childhood
Timeline of childhoodTimeline of childhood
Timeline of childhood
Chelsea Griffin
 
Recordemos
RecordemosRecordemos
Recordemos
Draco703
 
Roschen recall petition denied
Roschen recall petition deniedRoschen recall petition denied
Roschen recall petition denied
Post-Bulletin Co.
 
Word press plugins slide share
Word press plugins slide shareWord press plugins slide share
Word press plugins slide share
Pravya Pravin
 
La comunicazione politica 2.0: da Berlusconi ai sindaci che "cinguettano"
La comunicazione politica 2.0: da Berlusconi ai sindaci che "cinguettano"La comunicazione politica 2.0: da Berlusconi ai sindaci che "cinguettano"
La comunicazione politica 2.0: da Berlusconi ai sindaci che "cinguettano"
Mario Grasso
 
Proyecto vivienda domótica
Proyecto vivienda domóticaProyecto vivienda domótica
Proyecto vivienda domótica
collau5
 
TEDxEdges 2010
TEDxEdges 2010TEDxEdges 2010
TEDxEdges 2010
Andre Marquet
 
Consentimiento de setencia
Consentimiento de setenciaConsentimiento de setencia
Consentimiento de setencia
dataly pala
 
Yale Tulane Special Report - Typhoon Haiyan (Yolanda) - The Philippines- 10 ...
Yale Tulane Special Report - Typhoon Haiyan (Yolanda) - The Philippines-  10 ...Yale Tulane Special Report - Typhoon Haiyan (Yolanda) - The Philippines-  10 ...
Yale Tulane Special Report - Typhoon Haiyan (Yolanda) - The Philippines- 10 ...
Yale -Tulane ESF-8 Planning and Response Network
 
(취합) 초안 책 20131113_v24
(취합) 초안 책 20131113_v24(취합) 초안 책 20131113_v24
(취합) 초안 책 20131113_v24zyro park
 
Brain-Machine Interfaces OUT OF THE LAB: user issues and design considerations
Brain-Machine Interfaces OUT OF THE LAB: user issues and design considerationsBrain-Machine Interfaces OUT OF THE LAB: user issues and design considerations
Brain-Machine Interfaces OUT OF THE LAB: user issues and design considerations
nicolas nova
 
Crisis Communications Landscape has Forever Changed
Crisis Communications Landscape has Forever ChangedCrisis Communications Landscape has Forever Changed
Crisis Communications Landscape has Forever Changed
Jeffrey J. Leifel, CEM, MEP
 
Corso per content curator
Corso per content curatorCorso per content curator
Corso per content curator
The Next Agency
 
김사현의 Europeana
김사현의 Europeana김사현의 Europeana
김사현의 Europeana
Baro Kim
 
여행 TIP과 여행 "앱"
여행 TIP과  여행 "앱"여행 TIP과  여행 "앱"
여행 TIP과 여행 "앱"
Jaewan Koh
 

Destaque (20)

Avestruz
AvestruzAvestruz
Avestruz
 
Texto informativo - O avestruz
Texto informativo - O avestruzTexto informativo - O avestruz
Texto informativo - O avestruz
 
Sequência didática crônica pausa
Sequência didática   crônica pausaSequência didática   crônica pausa
Sequência didática crônica pausa
 
Potential Relief from Stress and Depression with Reiki
Potential Relief from Stress and Depression with ReikiPotential Relief from Stress and Depression with Reiki
Potential Relief from Stress and Depression with Reiki
 
Timeline of childhood
Timeline of childhoodTimeline of childhood
Timeline of childhood
 
Recordemos
RecordemosRecordemos
Recordemos
 
11 December 2015 - AgilePM Foundation
11 December 2015 - AgilePM Foundation11 December 2015 - AgilePM Foundation
11 December 2015 - AgilePM Foundation
 
Roschen recall petition denied
Roschen recall petition deniedRoschen recall petition denied
Roschen recall petition denied
 
Word press plugins slide share
Word press plugins slide shareWord press plugins slide share
Word press plugins slide share
 
La comunicazione politica 2.0: da Berlusconi ai sindaci che "cinguettano"
La comunicazione politica 2.0: da Berlusconi ai sindaci che "cinguettano"La comunicazione politica 2.0: da Berlusconi ai sindaci che "cinguettano"
La comunicazione politica 2.0: da Berlusconi ai sindaci che "cinguettano"
 
Proyecto vivienda domótica
Proyecto vivienda domóticaProyecto vivienda domótica
Proyecto vivienda domótica
 
TEDxEdges 2010
TEDxEdges 2010TEDxEdges 2010
TEDxEdges 2010
 
Consentimiento de setencia
Consentimiento de setenciaConsentimiento de setencia
Consentimiento de setencia
 
Yale Tulane Special Report - Typhoon Haiyan (Yolanda) - The Philippines- 10 ...
Yale Tulane Special Report - Typhoon Haiyan (Yolanda) - The Philippines-  10 ...Yale Tulane Special Report - Typhoon Haiyan (Yolanda) - The Philippines-  10 ...
Yale Tulane Special Report - Typhoon Haiyan (Yolanda) - The Philippines- 10 ...
 
(취합) 초안 책 20131113_v24
(취합) 초안 책 20131113_v24(취합) 초안 책 20131113_v24
(취합) 초안 책 20131113_v24
 
Brain-Machine Interfaces OUT OF THE LAB: user issues and design considerations
Brain-Machine Interfaces OUT OF THE LAB: user issues and design considerationsBrain-Machine Interfaces OUT OF THE LAB: user issues and design considerations
Brain-Machine Interfaces OUT OF THE LAB: user issues and design considerations
 
Crisis Communications Landscape has Forever Changed
Crisis Communications Landscape has Forever ChangedCrisis Communications Landscape has Forever Changed
Crisis Communications Landscape has Forever Changed
 
Corso per content curator
Corso per content curatorCorso per content curator
Corso per content curator
 
김사현의 Europeana
김사현의 Europeana김사현의 Europeana
김사현의 Europeana
 
여행 TIP과 여행 "앱"
여행 TIP과  여행 "앱"여행 TIP과  여행 "앱"
여행 TIP과 여행 "앱"
 

Semelhante a Texto Avestruz - Mário Prata

Avestruz mgme
Avestruz   mgmeAvestruz   mgme
Avestruz mgme
Caroline Canales
 
Situação de aprendizagem avestruz - cópia
Situação de aprendizagem avestruz - cópiaSituação de aprendizagem avestruz - cópia
Situação de aprendizagem avestruz - cópia
luassuani
 
Apostila_sugestoes_para a _aula_letramento_literario.pdf
Apostila_sugestoes_para a _aula_letramento_literario.pdfApostila_sugestoes_para a _aula_letramento_literario.pdf
Apostila_sugestoes_para a _aula_letramento_literario.pdf
LilianPiola
 
Sequência didática curso n line 2013
Sequência didática   curso n line 2013Sequência didática   curso n line 2013
Sequência didática curso n line 2013
Cintia Sitta
 
Situação de aprendizagem avestruz - curso mgme - cópia2
Situação de aprendizagem avestruz - curso mgme - cópia2Situação de aprendizagem avestruz - curso mgme - cópia2
Situação de aprendizagem avestruz - curso mgme - cópia2
Roberta Marcon
 
Situaã§ã£o de aprendizagem-avestruz_-_curso_mgme_-_cã³pia2_(2)
Situaã§ã£o de aprendizagem-avestruz_-_curso_mgme_-_cã³pia2_(2)Situaã§ã£o de aprendizagem-avestruz_-_curso_mgme_-_cã³pia2_(2)
Situaã§ã£o de aprendizagem-avestruz_-_curso_mgme_-_cã³pia2_(2)
marisacamargoorru
 
Sequência didática com base no texto de mário
Sequência didática com base no texto de márioSequência didática com base no texto de mário
Sequência didática com base no texto de mário
Mocinha05
 
Sequência didática com base no texto de mário
Sequência didática com base no texto de márioSequência didática com base no texto de mário
Sequência didática com base no texto de mário
Mocinha05
 
Avestruz
AvestruzAvestruz
Avestruz
042129
 
Avestruz
AvestruzAvestruz
Avestruz
042129
 
Sequência didática: O Leão e o Ratinho
Sequência didática: O Leão e o RatinhoSequência didática: O Leão e o Ratinho
Sequência didática: O Leão e o Ratinho
Shirley Lauria
 
Sequencia didática o leao e o ratinho 130929155459-phpapp01
Sequencia didática o leao e o ratinho 130929155459-phpapp01Sequencia didática o leao e o ratinho 130929155459-phpapp01
Sequencia didática o leao e o ratinho 130929155459-phpapp01
Vanderlita Gomes B Marquetti
 
Estratégias de leitura - Avestruz - MGME
Estratégias de leitura - Avestruz - MGMEEstratégias de leitura - Avestruz - MGME
Estratégias de leitura - Avestruz - MGME
profcarla
 
Sequência didática: O Leão e o Ratinho
Sequência didática: O Leão e o RatinhoSequência didática: O Leão e o Ratinho
Sequência didática: O Leão e o Ratinho
Shirley Lauria
 
Apresentação vovo coruja
Apresentação vovo coruja Apresentação vovo coruja
Apresentação vovo coruja
Naysa Taboada
 
Curso animais aula 3
Curso animais aula 3Curso animais aula 3
Curso animais aula 3
Tatiana Schiavon
 
Situaã§ã£o de aprendizagem
Situaã§ã£o de aprendizagemSituaã§ã£o de aprendizagem
Situaã§ã£o de aprendizagem
RBrunelli
 
Situação de aprendizagem 3
Situação de aprendizagem 3Situação de aprendizagem 3
Situação de aprendizagem 3
celiseromeiro
 
Ler, compreender e interpretar final2
Ler, compreender e interpretar final2Ler, compreender e interpretar final2
Ler, compreender e interpretar final2
Daniela Uehara
 
Sequência Didática
Sequência  DidáticaSequência  Didática
Sequência Didática
Professora Francisca Martins
 

Semelhante a Texto Avestruz - Mário Prata (20)

Avestruz mgme
Avestruz   mgmeAvestruz   mgme
Avestruz mgme
 
Situação de aprendizagem avestruz - cópia
Situação de aprendizagem avestruz - cópiaSituação de aprendizagem avestruz - cópia
Situação de aprendizagem avestruz - cópia
 
Apostila_sugestoes_para a _aula_letramento_literario.pdf
Apostila_sugestoes_para a _aula_letramento_literario.pdfApostila_sugestoes_para a _aula_letramento_literario.pdf
Apostila_sugestoes_para a _aula_letramento_literario.pdf
 
Sequência didática curso n line 2013
Sequência didática   curso n line 2013Sequência didática   curso n line 2013
Sequência didática curso n line 2013
 
Situação de aprendizagem avestruz - curso mgme - cópia2
Situação de aprendizagem avestruz - curso mgme - cópia2Situação de aprendizagem avestruz - curso mgme - cópia2
Situação de aprendizagem avestruz - curso mgme - cópia2
 
Situaã§ã£o de aprendizagem-avestruz_-_curso_mgme_-_cã³pia2_(2)
Situaã§ã£o de aprendizagem-avestruz_-_curso_mgme_-_cã³pia2_(2)Situaã§ã£o de aprendizagem-avestruz_-_curso_mgme_-_cã³pia2_(2)
Situaã§ã£o de aprendizagem-avestruz_-_curso_mgme_-_cã³pia2_(2)
 
Sequência didática com base no texto de mário
Sequência didática com base no texto de márioSequência didática com base no texto de mário
Sequência didática com base no texto de mário
 
Sequência didática com base no texto de mário
Sequência didática com base no texto de márioSequência didática com base no texto de mário
Sequência didática com base no texto de mário
 
Avestruz
AvestruzAvestruz
Avestruz
 
Avestruz
AvestruzAvestruz
Avestruz
 
Sequência didática: O Leão e o Ratinho
Sequência didática: O Leão e o RatinhoSequência didática: O Leão e o Ratinho
Sequência didática: O Leão e o Ratinho
 
Sequencia didática o leao e o ratinho 130929155459-phpapp01
Sequencia didática o leao e o ratinho 130929155459-phpapp01Sequencia didática o leao e o ratinho 130929155459-phpapp01
Sequencia didática o leao e o ratinho 130929155459-phpapp01
 
Estratégias de leitura - Avestruz - MGME
Estratégias de leitura - Avestruz - MGMEEstratégias de leitura - Avestruz - MGME
Estratégias de leitura - Avestruz - MGME
 
Sequência didática: O Leão e o Ratinho
Sequência didática: O Leão e o RatinhoSequência didática: O Leão e o Ratinho
Sequência didática: O Leão e o Ratinho
 
Apresentação vovo coruja
Apresentação vovo coruja Apresentação vovo coruja
Apresentação vovo coruja
 
Curso animais aula 3
Curso animais aula 3Curso animais aula 3
Curso animais aula 3
 
Situaã§ã£o de aprendizagem
Situaã§ã£o de aprendizagemSituaã§ã£o de aprendizagem
Situaã§ã£o de aprendizagem
 
Situação de aprendizagem 3
Situação de aprendizagem 3Situação de aprendizagem 3
Situação de aprendizagem 3
 
Ler, compreender e interpretar final2
Ler, compreender e interpretar final2Ler, compreender e interpretar final2
Ler, compreender e interpretar final2
 
Sequência Didática
Sequência  DidáticaSequência  Didática
Sequência Didática
 

Texto Avestruz - Mário Prata

  • 2. Tempo previsto: 12 aulas Conteúdos e temas: Características do agrupamento tipológico narrar, Estudo dos gêneros textuais crônica narrativa Competências e habilidades: Reconhecer as características do agrupamento tipológico “narrar” nos gênero textual “crônica”, Situar o gênero “crônica”, reconhecendo sua função social de acordo com o contexto de comunicação. Estratégias: Leitura e análise de textos verbais e não verbais, atividades de sistematização Recursos utilizados: sala de leitura, sala de informática, dicionário, jornal, imagem Avaliação: Posicionamento do aluno nas discussões orais, análise dos textos e desenrolar das pesquisas.
  • 3. SONDAGEM O professor levará os alunos à sala de Leitura e iniciará uma conversa questionando-os a respeito de textos e livros que mais gostam ou gostaram. Em seguida propõe que escolham algum livro para que o professor realize a leitura oral. Nesta discussão o professor aproveita para fazer um levantamento da classe a respeito dos gêneros já conhecidos.
  • 4. O professor pode retomar as características da tipologia narrativa. O termo “narrar” vem do latim “narratio” e quer dizer o ato de narrar acontecimentos reais ou fictícios. Na Antiguidade Clássica, os padrões literários reconhecidos eram apenas o épico, o lírico e o dramático. Com o passar dos anos surgiu dentro do gênero épico a variante: gênero narrativo, a qual apresentou concepções de prosa com características diferentes, o que fez com que surgissem divisões de outros gêneros literários dentro do estilo narrativo: o romance, a novela, o conto, a crônica, a fábula. Porém, praticamente todas as obras narrativas possuem elementos estruturais e estilísticos em comum e devem responder a questionamentos, como: quem?, que? quando? onde? por quê? Vejamos a seguir: • Narrador: é o que narra a história, pode ser onisciente (terceira pessoa, observador, tem conhecimento da história e das personagens, observa e conta o que está acontecendo ou aconteceu) ou personagem (em primeira pessoa; narra e participa da história e, contudo, narra os fatos à medida em que acontecem, não pode prever o que acontecerá com as demais personagens). • Tempo: é um determinado momento em que as personagens vivenciam as suas experiências e ações. Pode ser cronológico (um dia, um mês, dois anos) ou psicológico (memória de quem narra, flash-back feito pelo narrador). • Espaço: lugar onde as ações acontecem e se desenvolvem. • Enredo: é a trama, o que está envolvido na trama que precisa ser resolvido, e a sua resolução, ou seja, todo enredo tem início, desenvolvimento, clímax e desfecho. • Personagens: através das personagens, seres fictícios da trama, encadeiam-se os fatos que geram os conflitos e ações. À personagem principal dá-se o nome de protagonista e pode ser uma pessoa, animal ou objeto inanimado, como nas fábulas.
  • 5. O professor leva para a sala de aula livros, jornais e revistas e deixa-os explorar o material. Em seguida, o professor busca conhecimentos que têm sobre a finalidade dos suportes em questão: Revista, jornal e livro. Pode travar questões como: Quem leria um jornal? Para qual finalidade? Quem costuma ler livros? E revistas? DISCUSSÃO ORAL
  • 6. A partir daí, estabeleça um diálogo sobre diferentes narrativas e retoma os elementos da narrativa fazendo uso de crônicas, fragmentos de romances entre outros.
  • 7. LEITURA E ANÁLISE DE TEXTO Antes de ler o texto mostre o título e questione os alunos Vocês sabem o que é avestruz?  Vocês já viram um avestruz? Como é essa ave? Na região onde moramos existem avestruzes? O que vocês acham de um texto com este título? Após as discussões, realizar a leitura do texto.
  • 8. TEXTO: AVESTRUZ O filho de uma grande amiga pediu, de presente pelos seus dez anos, uma avestruz. Cismou, fazer o quê? Moram em um apartamento em Higienópolis, São Paulo. E ela me mandou um e-mail dizendo que a culpa era minha. Sim, porque foi aqui ao lado de casa, em Floripa, que o menino conheceu as avestruzes. Tem uma plantação, digo, criação deles. Aquilo impressionou o garoto. Culpado, fui até o local saber se eles vendiam filhotes de avestruzes. E se entregavam em domicílio. E fiquei a observar a ave. Se é que podemos chamar aquilo de ave. A avestruz foi um erro da natureza, minha amiga. Na hora de criar a avestruz, Deus devia estar muito cansado e cometeu alguns erros. Deve ter criado primeiro o corpo, que se assemelha, em tamanho, a um boi. Sabe quanto pesa uma avestruz? Entre 100 e 160 quilos, fui logo avisando a minha amiga. E a altura pode chegar a quase três metros. 2,7 para ser mais exato.
  • 9. PERGUNTA-SE Vocês acham que o menino vai ganhar a avestruz? É possível criar avestruz em um apartamento? Vocês acham que avestruz pode se tornar um animal de estimação?
  • 10. Mas eu estava falando da sua criação por Deus. Colocou um pescoço que não tem absolutamente nada a ver com o corpo. Não devia mais ter estoque de asas no paraíso, então colocou asas atrofiadas. Talvez até sabiamente para evitar que saíssem voando em bandos por aí assustando as demais aves normais. Outra coisa que faltou foram dedos para os pés. Colocou apenas dois dedos em cada pé. Sacanagem, Senhor! Depois olhou para sua obra e não sabia se era uma ave ou um camelo. Tanto é que, logo depois, Adão, dando os nomes a tudo que via pela frente, olhou para aquele ser meio abominável e disse: Struthio Camelus Australis. Que é o nome oficial da coisa. Acho que o struthio deve ser aquele pescoço fino em forma de salsicha.
  • 11. Pois um animal daquele tamanho deveria botar ovos proporcionais ao seu corpo. Outro erro. É grande, mas nem tanto. E me explicava o criador que elas vivem até os setenta anos e se reproduzem plenamente até os quarenta, entrando depois na menopausa, não têm, portanto, TPM. Uma avestruz com TPM é perigosíssima! Podem gerar de dez a trinta crias por ano, expliquei ao garoto, filho da minha amiga. Pois ele ficou mais animado ainda, imaginando aquele bando de avestruzes correndo pela sala do apartamento. Ele insiste, quer que eu leve uma avestruz para ele de avião, no domingo. Não sabia mais o que fazer.
  • 12. PERGUNTA-SE E agora? O que fazer? O texto está transcorrendo como vocês imaginavam? O texto já terminou? Como acreditam que vai terminar?
  • 13. Foi quando descobri que elas comem o que encontram pela frente, inclusive pedaços de ferro e madeiras. Joguinhos eletrônicos, por exemplo. Máquina digital de fotografia, times inteiros de futebol de botão e, principalmente, chuteiras. E, se descuidar, um mouse de vez em quando cai bem. Parece que convenci o garoto. Me telefonou e disse que troca o avestruz por cinco gaivotas e um urubu. Pedi para a minha amiga levar o garoto num psicólogo. Afinal, tenho mais o que fazer do que ser gigolô de avestruz. PRATA, Mário. Avestruz. Disponível em: <www.marioprataonline.com.br>. Acesso em: 14 fev. de 2008.
  • 14. RESPONDA NO CADERNO Os alunos serão orientados a pesquisar no dicionário o significado das palavras desconhecidas. O professor pode utilizar perguntas como: Alguma palavra dificultou a compreensão do texto? Em caso afirmativo, como vocês sanaram as dificuldades?
  • 15. O professor ainda pergunta: Quem é o autor do texto? Quem são os personagens? O texto está em 1ª ou 3ª pessoa? Retire do texto uma palavra típica da linguagem informal? Onde acontece a história? Qual é o nome científico do avestruz?
  • 16. Que estratégia o autor usou para convencer o menino a desistir do animal? O que o menino quis no lugar do avestruz?
  • 17. ESTUDO DA LÍNGUA O professor solicita que os alunos circulem no texto: Verbos no pretérito perfeito do indicativo Verbos no pretérito imperfeito do indicativo; Em seguida, pede que façam uma tabela e copiem no caderno separando-os; A partir daí, propõe que escolham 6 verbos e façam frases.
  • 18. LIÇÃO DE CASA O professor seleciona atividades do livro didático sobre verbo.
  • 19. PESQUISA INDIVIDUAL O professor leva-os à sala de informática e propõe uma pesquisa sobre as características do gênero crônica narrativa.
  • 20. PESQUISA EM GRUPO Os alunos pesquisam em jornais outras crônicas. Antes do término da aula podem ser incentivados a buscar, na sala de leitura, livros de crônicas para ler em casa.
  • 21. LEITURA E ANÁLISE DE TEXTO O professor projetará a imagem de um avestruz e farão a comparação das características do animal com a descrição do texto.
  • 22. APRENDENDO A APRENDER Traçar a diferença entre características físicas e psicológicas. As impressões do autor em relação ao animal descrito.
  • 23. AUTOAVALIAÇÃO Os alunos são levados a refletir sobre os textos lidos, as características da crônica narrativa, contexto de produção do texto explorado e o uso dos verbos.