O slideshow foi denunciado.
Utilizamos seu perfil e dados de atividades no LinkedIn para personalizar e exibir anúncios mais relevantes. Altere suas preferências de anúncios quando desejar.
COTIDIANO
O que o aluno poderá aprender com esta aula:-Comparar a retratação do cotidiano em crônicas efotografias.-Identificar e an...
Duração das atividades6 a 8 aulas de 50 minutos.Público Alvo: 7º ANO
Todo dia ela faz tudo sempre igualMe sacode às seis horas da manhãMe sorri um sorriso pontualE me beija com a boca de hort...
Diz que está me esperando pro jantarE me beija com a boca de caféTodo dia eu só penso em poder pararMeio dia eu só penso e...
Diz que está muito louca pra beijarE me beija com a boca de paixãoToda noite ela diz pra eu não me afastarMeia-noite ela j...
Por que o compositor escolheu o título da música“Cotidiano”? Você acha que o tema abordado namúsica tem relação com sua vi...
•Na música, Chico Buarque repete várias vezes aexpressão “ Todo dia”. Explique o motivo paratal colocação.E você, o que fa...
“Crônica é um termo usado para definir um gênero narrativoou reflexivo breve, episódico e comunicativo. A crônica secaract...
Crônica: “Pausa”, de Moacyr ScliarÀs sete horas o despertador tocou. Samuelsaltou da cama, correu para o banheiro. Fez a b...
Fez que sim com a cabeça. Embora jovem, tinha afronte calva; mas as sobrancelhas eram espessas, abarba, embora recém-feita...
—Temos muito trabalho no escritório – disse omarido, secamente.Ela olhou os sanduíches:—Por que não vens almoçar?—Já te di...
As ruas ainda estavam úmidas de cerração. Samueltirou o carro da garagem. Guiava vagarosamente, aolongo do cais, olhando o...
Bateu com as chaves do carro no balcão, acordandoum homenzinho que dormia sentado numa poltronarasgada. Era o gerente. Esf...
Samuel subiu quatro lanços de uma escada vacilante.Ao chegar ao último andar, duas mulheres gordas, dechambre floreado, ol...
Ofegante, Samuel entrou no quarto e fechou a porta àchave. Era um aposento pequeno: uma cama de casal,um guarda-roupa de p...
Dormir.Em pouco, dormia. Lá embaixo, a cidade começava amover-se: os automóveis buzinando, os jornaleirosgritando, os sons...
Nu, corria por uma planície imensa, perseguido por umíndio montado o cavalo. No quarto abafado ressoava ogalope.No planalt...
Às sete horas o despertador tocou. Samuel saltou dacama, correu para a bacia, levou-se. Vestiu-serapidamente e saiu.Sentad...
—Não sei se virei – respondeu Samuel, olhando pelaporta;a noite caia.—O senhor diz isto, mas volta sempre – observou ohome...
Para casa.
1. A que horas o despertador tocou no início dahistória? E no final?2. O texto começa com quais ações de Samuel?3. Como pa...
5. Samuel saiu de casa falando para a mulher que iapara o escritório, mas, na realidade, ele foi paraoutro lugar. Como era...
Após a discussão sobre o tema e a leitura do texto, oaluno faria a ilustração do lugar onde ele gostaria deir para “fugir”...
1. As avaliações ocorrerão de forma processual, ao longo detodas as atividades ministradas, de textos não verbais eescrita...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Sequência didática crônica pausa

5.661 visualizações

Publicada em

  • Seja o primeiro a comentar

Sequência didática crônica pausa

  1. 1. COTIDIANO
  2. 2. O que o aluno poderá aprender com esta aula:-Comparar a retratação do cotidiano em crônicas efotografias.-Identificar e analisar elementos que caracterizam o ofício docronista.-Selecionar uma fotografia para complementar o sentido deuma crônica produzida por algum escritor pertencente aojornalismo e/ ou à literatura brasileira.-Produzir uma narrativa informativa, a partir de umafotografia.SEQUÊNCIA DIDÁTICA
  3. 3. Duração das atividades6 a 8 aulas de 50 minutos.Público Alvo: 7º ANO
  4. 4. Todo dia ela faz tudo sempre igualMe sacode às seis horas da manhãMe sorri um sorriso pontualE me beija com a boca de hortelãTodo dia ela diz que é pra eu me cuidarE essas coisas que diz toda mulherCotidianoChico Buarque
  5. 5. Diz que está me esperando pro jantarE me beija com a boca de caféTodo dia eu só penso em poder pararMeio dia eu só penso em dizer nãoDepois penso na vida pra levarE me calo com a boca de feijãoSeis da tarde como era de se esperarEla pega e me espera no portão
  6. 6. Diz que está muito louca pra beijarE me beija com a boca de paixãoToda noite ela diz pra eu não me afastarMeia-noite ela jura eterno amorE me aperta pra eu quase sufocarE me morde com a boca de pavorTodo dia ela faz tudo sempre igualMe sacode às seis horas da manhãMe sorri um sorriso pontualE me beija com a boca de hortelã
  7. 7. Por que o compositor escolheu o título da música“Cotidiano”? Você acha que o tema abordado namúsica tem relação com sua vida? De que modo?Qual é o tema principal da música?Que relação podemos fazer entre as imagens derelógios e a marcação do tempo musical?REFLEXÃO
  8. 8. •Na música, Chico Buarque repete várias vezes aexpressão “ Todo dia”. Explique o motivo paratal colocação.E você, o que faz todo dia? São as mesmas coisascolocadas na música? Explique.* Faça uma pesquisa em grupos, sobre ChicoBuarque de Holanda, e sua intencionalidadediante do cotidiano. Que momento foi esse?Exemplifique.
  9. 9. “Crônica é um termo usado para definir um gênero narrativoou reflexivo breve, episódico e comunicativo. A crônica secaracteriza por registrar, acima de tudo, um flagrante docotidiano, em seus aspectos pitorescos e inusitados, com certadose de humor e de reflexão existencial.”Partindo do título Pausa, da crônica de Moacyr Scliar podemosquestionar os alunos: o que tal título sugere. O que se esperade um texto com esse início?Após essa conversa, alguns questionamentos poderiam serfeitos para nortear o raciocínio dos estudantes: o que nos fazfugir da nossa realidade? Dos problemas? Da rotina? Dasobrigações?ORALIDADE
  10. 10. Crônica: “Pausa”, de Moacyr ScliarÀs sete horas o despertador tocou. Samuelsaltou da cama, correu para o banheiro. Fez a barba elavou-se. Vestiu-se rapidamente e sem ruído. Estava nacozinha, preparando sanduíches, quando a mulherapareceu, bocejando:—Vais sair de novo, Samuel?TEXTO PARA LEITURA, REFLEXÃO,COMPREENSÃO E INTERPRETAÇÃO
  11. 11. Fez que sim com a cabeça. Embora jovem, tinha afronte calva; mas as sobrancelhas eram espessas, abarba, embora recém-feita, deixava ainda no rostouma sombra azulada. O conjunto era uma máscaraescura.—Todos os domingos tu sais cedo – observou amulher com azedume na voz.Onde vocês acham que Samuel vai todos osdomingos?
  12. 12. —Temos muito trabalho no escritório – disse omarido, secamente.Ela olhou os sanduíches:—Por que não vens almoçar?—Já te disse: muito trabalho. Não há tempo. Levoum lanche.A mulher coçava a axila esquerda. Antes que voltassea carga, Samuel pegou o chapéu:—Volto de noite.
  13. 13. As ruas ainda estavam úmidas de cerração. Samueltirou o carro da garagem. Guiava vagarosamente, aolongo do cais, olhando os guindastes, as barcaçasatracadas.Que caminho era esse por onde Samuel passava?Vocês sabem o que significa: cais, guindastes ebarcaças?Estacionou o carro numa travessa quieta. Com opacote de sanduíches debaixo do braço, caminhouapressadamente duas quadras. Deteve-se ao chegar aum hotel pequeno e sujo. Olhou para os lados eentrou furtivamente.
  14. 14. Bateu com as chaves do carro no balcão, acordandoum homenzinho que dormia sentado numa poltronarasgada. Era o gerente. Esfregando os olhos, pôs-sede pé:—Ah! Seu Isidoro! Chegou mais cedo hoje. Friozinhobom este, não é? A gente...Por que o gerente do hotel chamou-o de Isidoro?Você acha que ele foi lá pela primeira vez? Retido dotexto, um trecho que comprove sua afirmação.—Estou com pressa, seu Raul – atalhou Samuel.— Está bem, não vou atrapalhar. O de sempre -Estendeu a chave.
  15. 15. Samuel subiu quatro lanços de uma escada vacilante.Ao chegar ao último andar, duas mulheres gordas, dechambre floreado, olharam-no com curiosidade.—Aqui, meu bem! – uma gritou, e riu: um cacarejocurto.Você poderia me dizer quem seriam essas mulheres? Ecomo Samuel reagiu ao pedido de uma delas?
  16. 16. Ofegante, Samuel entrou no quarto e fechou a porta àchave. Era um aposento pequeno: uma cama de casal,um guarda-roupa de pinho: a um canto, uma bacia cheiad’água, sobre um tripé. Samuel correu as cortinasesfarrapadas, tirou do bolso um despertador deviagem, deu corda e colocou-o na mesinha decabeceira.Puxou a colcha e examinou os lençóis com o cenhofranzido; com um suspiro, tirou o casaco e os sapatos,afrouxou a gravata. Sentado na cama, comeuvorazmente quatro sanduíches. Limpou os dedos nopapel de embrulho, deitou-se fechou os olhos.
  17. 17. Dormir.Em pouco, dormia. Lá embaixo, a cidade começava amover-se: os automóveis buzinando, os jornaleirosgritando, os sons longínquos.Um raio de sol filtrou-se pela cortina, estampou umcírculo luminoso no chão carcomido.Samuel dormia; sonhava.Com o que você acha que Samuel sonhava?
  18. 18. Nu, corria por uma planície imensa, perseguido por umíndio montado o cavalo. No quarto abafado ressoava ogalope.No planalto da testa, nas colinas do ventre, no valeentre as pernas, corriam. Samuel mexia-se eresmungava. Às duas e meia da tarde sentiu uma dorlancinante nas costas. Sentou-se na cama, os olhosesbugalhados: o índio acabava de trespassá-lo com alança. Esvaindo-se em sangue, molhando de suor,Samuel tombou lentamente; ouviu o apito soturno deum vapor. Depois, silêncio.Que vapor era esse que Samuel ouvira?
  19. 19. Às sete horas o despertador tocou. Samuel saltou dacama, correu para a bacia, levou-se. Vestiu-serapidamente e saiu.Sentado numa poltrona, o gerente lia uma revista.— Já vai, seu Isidoro?—Já – disse Samuel, entregando a chave. Pagou,conferiu o troco em silêncio.—Até domingo que vem, seu Isidoro – disse o gerente.Por que você acha que Samuel ia lá todos os domingos?
  20. 20. —Não sei se virei – respondeu Samuel, olhando pelaporta;a noite caia.—O senhor diz isto, mas volta sempre – observou ohomem, rindo.Samuel saiu.Ao longo dos cais, guiava lentamente. Parou uminstante, ficou olhando os guindastes recortadoscontra o céu avermelhado. Depois, seguiu.Onde você acha que Samuel foi?
  21. 21. Para casa.
  22. 22. 1. A que horas o despertador tocou no início dahistória? E no final?2. O texto começa com quais ações de Samuel?3. Como parece ser a mulher de Samuel? Com quaispartes do texto podemos provar isso?4. Há palavras que revelam que a cidade onde vive apersonagem Samuel é litorânea. Quais são elas?A leitura silenciosa e compartilhada é uma boa opçãopara o aluno construir sua primeira impressão sobre acrônica. Depois desse momento, inicia-se a discussãosobre a história, porém com a orientação do professor.
  23. 23. 5. Samuel saiu de casa falando para a mulher que iapara o escritório, mas, na realidade, ele foi paraoutro lugar. Como era esse lugar?6. Quem Samuel encontrou nesse lugar?7. O que Samuel fez no hotel?8. Por que a personagem principal usou outro nomepara se identificar?9. Quando Samuel sai do hotel, ele está com pressapara chegar em casa?
  24. 24. Após a discussão sobre o tema e a leitura do texto, oaluno faria a ilustração do lugar onde ele gostaria deir para “fugir” de algum possível problema.Para finalizar a sequência, uma produção textual coma tipologia narrar para que o aluno pudesse criar aprópria história.PRODUÇÃO TEXTUAL
  25. 25. 1. As avaliações ocorrerão de forma processual, ao longo detodas as atividades ministradas, de textos não verbais eescrita literária/ informativa.2. - Avaliar a participação, interesse e disposição dos alunospara executarem as atividades individualmente e emgrupos.3. -Observar e avaliar a leitura comparativa dos textos feitapelos alunos e identificação/ aplicação das propriedadesespecíficas do gênero crônica.4. -Analisar a produção escrita e, após a correção, reescrevê-la observando as correções.AVALIAÇÃO

×