A PRÁTICA FUNDAMENTADA NATEORIATEXTO – AVESTRUZMÁRIO PRATA6º ano
AVESTRUZO filho de uma grande amiga pediu, de presente pelos seus 10 anos, um avestruz. Cismou, fazer o quê? Moram em um ...
SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM Habilidade de Leitura: Antecipação Atividade 1 - Roda de conversa Diga aos alunos que farão a ...
HABILIDADE DE LEITURA: BUSCA DE INFORMAÇÕESCOMPLEMENTARES, CONSTRUÇÃO DO SENTIDOGLOBAL DO TEXTOAtividade 2- Após a leitura...
AtividadeApós a leitura coletiva da crônica Avestruz de Mario Prata , os alunos deverãoreunir-se em duplas para preencher ...
HABILIDADES DE LEITURA:IDENTIFICAÇÃO DE PISTAS LINGUÍSTICASRESPONSÁVEIS PELA CONTINUIDADETEMÁTICA OU PELA PROGRESSÃO TEMÁT...
ATIVIDADE 4- LEITURA COLABORATIVA Após estudo da crônica “Avestruz”- Mário Prata e da construçãocoletiva do conceito de c...
LEITURA DE UMA TIRA Apresentar aos grupos a tirinha do Calvin epedir que eles ressaltem as semelhanças eas diferenças enc...
CALVIN
HABILIDADE DE ESCRITA: ADEQUAR ALINGUAGEM AO GÊNERO PROPOSTO Atividade 5 Depois de repertoriá-los com outrosgêneros, pro...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Seq. didática 2 (marcela)

495 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
495
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
132
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Seq. didática 2 (marcela)

  1. 1. A PRÁTICA FUNDAMENTADA NATEORIATEXTO – AVESTRUZMÁRIO PRATA6º ano
  2. 2. AVESTRUZO filho de uma grande amiga pediu, de presente pelos seus 10 anos, um avestruz. Cismou, fazer o quê? Moram em um apartamento emHigienópolis, São Paulo. E ela me mandou um e-mail dizendo que a culpa era minha. Sim , porque foi aqui ao lado de casa, em Floripa, que o menino conheceu os avestruzes. Tem uma plantação, digo, criação deles. Aquiloimpressionou o garoto.Culpado, fui até o local saber se eles vendiam filhotes de avestruz. E se entregavam em domicílio.E fiquei a observar a ave. Se é que podemos chamar aquilo de ave. O avestruz foi um erro da natureza, minha amiga. Na hora de criar oavestruz, Deus devia estar muito cansado e cometeu alguns erros. Deve ter criado primeiro o corpo, que se assemelha, em tamanho, a um boi.Sabe quanto pesa um avestruz? Entre 100 e 160 quilos, fui logo avisando a minha amiga. E a altura pode chegar a quase 3 metros - 2,70 paraser mais exato.Mas eu estava falando da sua criação por Deus. Colocou um pescoço que não tem absolutamente nada a ver com o corpo. Não devia mais terestoque de asas no paraíso, então colocou asas atrofiadas. Talvez até sabiamente para evitar que saíssem voando em bandos por aí,assustando as demais aves normais.Outra coisa que faltou foram dedos para os pés. Colocou apenas dois dedos em cada pé. Sacanagem, Senhor!Depois olhou para sua obra e não sabia se era uma ave ou um camelo. Tanto é que, logo depois, Adão, dando os nomes a tudo o que via pelafrente, olhou para aquele ser meio abominável e disse: Struthio camelus australis. Que é o nome oficial da coisa. Acho que o struthio deve seraquele pescoço fino em forma de salsicha.Pois um animal daquele tamanho deveria botar ovos proporcionais ao seu corpo. Outro erro. É grande, mas nem tanto. E me explicava o criadorque os avestruzes vivem até os 70 anos e se reproduzem plenamente até os 40, entrando depois na menopausa. Não têm, portanto, TPM. Umafêmea de avestruz com TPM é perigosíssima!Podem gerar de dez a 30 crias por ano, expliquei ao garoto, filho da minha amiga. Pois ele ficou mais animado ainda, imaginando aquele bandode avestruzes correndo pela sala do apartamento.Ele insiste, quer que eu leve um avestruz para ele de avião, no domingo. Não sabia mais o que fazer.Foi quando descobri que eles comem o que encontram pela frente, inclusive pedaços de ferro e madeiras. Joguinhos eletrônicos, por exemplo.Máquina digital de fotografia, times inteiros de futebol de botão e, principalmente, chuteiras. E, se descuidar, um mouse de vez em quando caibem.Parece que convenci o garoto. Me telefonou e disse que troca o avestruz por cinco gaivotas e um urubu.Pedi para a minha amiga levar o garoto a um psicólogo. Afinal, tenho mais o que fazer do que ser gigolô de avestruz.
  3. 3. SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM Habilidade de Leitura: Antecipação Atividade 1 - Roda de conversa Diga aos alunos que farão a leitura de um textoque em geral é publicado em jornais e revistase cujo título é Avestruz. Pergunte qual seria o assunto do texto. Se alguém conhece este animal Peça que façam a descrição , mesmo que nãoo conheçam, usando a imaginação (dedução)
  4. 4. HABILIDADE DE LEITURA: BUSCA DE INFORMAÇÕESCOMPLEMENTARES, CONSTRUÇÃO DO SENTIDOGLOBAL DO TEXTOAtividade 2- Após a leituraindividual,responda as questões arespeito do texto Avestruz 1- Quem é o autor do texto? 2- Como você descobriu? 3- Onde o texto foi publicado? 4- Qual a questão polêmica do texto?
  5. 5. AtividadeApós a leitura coletiva da crônica Avestruz de Mario Prata , os alunos deverãoreunir-se em duplas para preencher a tabela a seguir:Nome da crônica e doautorQuais acontecimentosbanais do cotidianoque estão organizadosnessa crônica?Escolha dois elementosda narrativa, diferentesdo enredo e anote-os .Retire palavras e frasesdo texto que despertema imaginação do leitor.
  6. 6. HABILIDADES DE LEITURA:IDENTIFICAÇÃO DE PISTAS LINGUÍSTICASRESPONSÁVEIS PELA CONTINUIDADETEMÁTICA OU PELA PROGRESSÃO TEMÁTICA Troca de informações a respeito dostextos lidos, fornecendo indicações parasustentação de sua leitura e acolhendooutras posições.
  7. 7. ATIVIDADE 4- LEITURA COLABORATIVA Após estudo da crônica “Avestruz”- Mário Prata e da construçãocoletiva do conceito de crônica, de acordo com a disponibilidade daescola, leve os alunos à sala de informática e peça que, empequenos grupos, pesquisem alguns os autores citados em VEJAe alguns outros que o professor pode sugerir (de preferência,autores locais). Esta busca pode ser feita também em livros deLiteratura, na biblioteca, ou em jornais e revistas.Depois da escolha feita, eles devem identificar as característicasgerais da crônica escolhida para apresentar aos colegas, por meiode leitura e comentários. Para não ficar muito longo, pode-se pedirque cada grupo identifique uma das características, lendo apenas otrecho referente a ela. Podem ser lidas por inteiro aquelas quedespertarem maior envolvimento da turma.Vá destacando, durante as apresentações, a importância da coesãono desenvolvimento deste tipo de narrativa breve. As ideias e osfatos devem ser muito bem "costurados" para que o texto atinja seuobjetivo.
  8. 8. LEITURA DE UMA TIRA Apresentar aos grupos a tirinha do Calvin epedir que eles ressaltem as semelhanças eas diferenças encontradas nos dois gêneros.Destacar principalmente o recurso dohumor, presente nos dois gêneros, o uso dosbalões e do discurso direto (dinâmico,aproxima-se do leitor e do cotidiano).
  9. 9. CALVIN
  10. 10. HABILIDADE DE ESCRITA: ADEQUAR ALINGUAGEM AO GÊNERO PROPOSTO Atividade 5 Depois de repertoriá-los com outrosgêneros, propor aos alunos que emgrupos escolham uma das crônicaspesquisadas para transformá-las em :HQs, Notícias, texto dramático, de acordocom o conhecimento da classe.

×