SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 35
Baixar para ler offline
Pele e Anexos
Junqueira e Carneiro (cap. 18) e Kierszenbaum (cap. 11)




           Marco Guimarães
Pele - Características
Pele - Funções
• Proteção contra dessecação, atritos, raios ultravioleta e
  penetração de microrganismos;
• Comunicação com o ambiente;
• Termorregulação;
• Excreção;
• Formação de vitamina D3;
• Reação imunológica;
• Sensorial.
Epiderme
Epiderme - Queratinócitos
Epiderme - Melanócitos
Junqueira e Carneiro, 2008.
Epiderme - Células de Langerhans


                       Células     dendríticas
                       derivadas            de
                       precursores da medula
                       óssea, que atuam como
                       células apresentadoras
                       de           antígenos,
                       interagindo com as
                       células T.
Epiderme - Células de Merkel

Se localizam na parte profunda da epiderme em contato com a lâmina
basal, presas aos queratinócitos por desmossomos.


São encontradas em maior quantidade na pele espessa. Apresentam
pequenos grânulos citoplasmáticos elétron-densos.



As células de Merkel são mecanorreceptores (sensibiildade tátil).
Epiderme - Estratos
Os queratinócitos estão organizados em 5 camadas ou estratos de
acordo com o seu grau de diferenciação:



 • Estrato basal;
 • Estrato espinhoso;
 • Estrato granuloso;
 • Estrato lúcido;
 • Estrato córneo.
Junqueira e Carneiro, 2008.
• Formada por células cubóides, de núcleo central, citoplasma com
curtas expansões que contêm filamentos de queratina
(tonofilamentos);
• As expansões citoplasmáticas se mantêm unidas com as células
vizinhas por meio de desmossomos (aspecto espinhoso);
• Na camada espinhosa também existem células tronco, ainda ocorre
mitose.
• Constituída por uma delgada camada de células achatadas,
eosinofíicas e translúcidas;

• Os núcleos e organelas foram digeridos por enzimas;

• Citoplasma apresenta numerosos filamentos de queratina, e os
desmossomos podem ser visíveis entre as células;

• Mais evidente na pele espessa.
Córnea
• Constituída por células achatadas mortas e sem núcleo;

• Apresenta citoplasma repleto de queratina;

• Os tonofilamentos se aglutinam e são transformados em
placas sem vida, descamando-se facilmente.
Derme
Apresenta espessura variável (máx. 3 mm); Sua superfície externa é
irregular, observando-se saliências, as papilas dérmicas.

É formada por duas camadas sem limite distintos: (1) a camada papilar
e (2) a camada reticular.

(1) A camada papilar é delgada, constituída de tecido conjuntivo
frouxo. Possui fibrilas especiais de colágeno e, pequenos vasos
sanguíneos que são responsáveis pela nutrição da epiderme.

(2) A camada reticular é mais espessa, constituída de tecido conjuntivo
denso. Nesta camada, são encontrados vasos sanguíneos e linfáticos,
nervos, além de estruturas derivadas da epiderme como os folículos
pilosos, gl. sebáceas e sudoríparas.
Hipoderme
Formada pelo tec. conj. frouxo. Responsável pelo deslizamento da pele
sobre as estruturas nas quais se apóia.


Dependendo da região, a hipoderme pode ter uma camada de tecido
adiposo associada, constituindo o panículo adiposo.
Suprimento sanguíneo e linfático
O suprimento vascular cutâneo tem uma função 1ª, a termorregulação. A função 2ª é
a nutrição da pele e dos anexos cutâneos.

Três redes interconectadas são encontradas na pele:
(1)o plexo subpapilar (correndo ao longo da camada papilar);
(2)o plexo cutâneo (observado no limite das camadas papilar e reticular;
(3)o plexo hipodérmico ou subcutâneo (presente na hipoderme).


Os vasos arteriais formam 2 plexos, o cutâneo e o subcutâneo. Cada papila tem uma
única alça vascular, com rama arterial ascendente e um venoso descendente.

Existem 3 plexos venosos na pele, descritos anteriormente.

O sistema de vasos linfáticos inicia-se nas papilas dérmicas como capilares de fundo
cego, que convergem para um plexo entre as camadas papilar e reticular, e deste
para outro plexo na hipoderme.
Receptores sensoriais
A pele é dotada de receptores sensoriais de diversos tipos, que são
terminais periféricos de nervos sensoriais. Além de ser bem suprida de
terminações nervosas motoras para os vasos, músculos eretores dos
pêlos e glândulas sudoríparas.

As terminações nervosas livres são os receptores neuronais mais
numerosos na epiderme. Essas terminações servem a múltiplas
modalidades, incluindo o tato, calor e frio, ...

Outras terminações nervosas na pele estão envolvidas por uma
cápsula de tecido conjuntivo. As terminações nervosas encapsuladas
incluem os corpúsculos de: Ruffini, Vater-Pacini, Meissner e Krause
Pêlos
Unhas

As unhas são placas de células queratinizadas localizadas na superfície
dorsal das falanges terminais dos dedos.


A porção proximal da unha é chamada de raiz da unha. Na raiz da unha
ocorre a proliferação e diferenciação das células epiteliais, que se
queratinizam, formando uma placa córnea.


A unha é constituída essencialmente por escamas córneas compactas.
Glândulas da pele – Glândulas sebáceas
É uma glândula alveolar simples holócrina, que se distribui por toda a
pele, exceto na palma das mãos e planta dos pés.

A porção secretora da glândula se encontra na derme e o ducto
excretor se abre no colo do folículo piloso.

Essas glândulas podem ser independentes dos folículos e se abrirem
diretamente na superfície dos lábios, nos cantos da boca, na glande,
nos lábios menores e nos mamilos.

As glândulas sebáceas são acinosas. Os ácinos apresentam-se
formados por uma camada externa de células epiteliais achatadas que
repousam sobre uma camada basal.
Glândulas da pele – Glândulas sudoríparas
Existem 2 tipos de glândulas sudoríparas: (1) Glândulas sudoríparas
écrinas ou merócrinas e (2) Glândulas sudoríparas apócrinas.

(1) A gl. sudorípara écrina são muito numerosa e encontram-se em
toda pele (exceto a glande) é tubulosa enovelada simples com função
no controle da temperatura corporal. A porção secretora é composta
por 3 tipos celulares: (a) células claras, (b) células escuras e (c) células
mioepiteliais.


(a) As céls. Claras são separadas por canalículos intercelulares,
apresentam domínio basal com invaginações e muitas mitocôndrias,
secretam a maior parte da água e dos eletrólitos (Na+ e Cl-) do suor.
(b) As células escuras estão apoiadas sobre as células claras e secretam
glicoproteínas e, (b) as células mioepiteliais são encontradas entre a
lâmina basal e as células claras.

                                            Os ductos excretores são
                                            revertidos por células epiteliais
                                            que contêm o CTFR (Cl-).
(2) As gl. sudoríparas apócrinas são enoveladas e ocorrem nas axilas,
no púbis, região perianal e na aréola mamária, são de maior tamanho
do que a anterior e a porção secretora é encontrada na derme e
hipoderme .

O ducto secretor se abre no folículo piloso (ao contrário das écrinas, que se
abrem na epiderme). Se tornam funcionais após a puberdade, e são
invervadas por fibras nervosas adrenérgicas.


Dois exemplos de gl. sudoríparas apócrinas são as gl. ceruminosas
(meato acústico externo) e as gl. de Moll (na margem das pálpebras).
Pele e anexos

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Relatório Histologia
Relatório HistologiaRelatório Histologia
Relatório HistologiaIlana Moura
 
Aula limpeza de pele
Aula limpeza de peleAula limpeza de pele
Aula limpeza de peleDry Rodrigues
 
A Pele (2010)
A Pele (2010)A Pele (2010)
A Pele (2010)markpt
 
Aula 02.1 fisiologia da nutrição - sistema tegumentar - pele e anexos
Aula 02.1   fisiologia da nutrição - sistema tegumentar - pele e anexosAula 02.1   fisiologia da nutrição - sistema tegumentar - pele e anexos
Aula 02.1 fisiologia da nutrição - sistema tegumentar - pele e anexosHamilton Nobrega
 
Histologia humana epitelial e conjuntivo
Histologia humana   epitelial e conjuntivoHistologia humana   epitelial e conjuntivo
Histologia humana epitelial e conjuntivoCésar Milani
 
Aula 1.1 noções básicas de histologia
Aula 1.1 noções básicas de histologiaAula 1.1 noções básicas de histologia
Aula 1.1 noções básicas de histologiaCintia Colotoni
 
Tecido cartilaginoso - Anatomia humana
Tecido cartilaginoso -  Anatomia humanaTecido cartilaginoso -  Anatomia humana
Tecido cartilaginoso - Anatomia humanaMarília Gomes
 
Aula 7 Sistema Nervoso
Aula 7 Sistema NervosoAula 7 Sistema Nervoso
Aula 7 Sistema NervosoMarco Antonio
 
Pele e anexos alides
Pele e anexos alidesPele e anexos alides
Pele e anexos alidesOlavo Duarte
 

Mais procurados (20)

Pele e anexos
Pele e anexosPele e anexos
Pele e anexos
 
A pele e seus anexos
A pele e seus anexosA pele e seus anexos
A pele e seus anexos
 
Sistema Tegumentar
Sistema TegumentarSistema Tegumentar
Sistema Tegumentar
 
Relatório Histologia
Relatório HistologiaRelatório Histologia
Relatório Histologia
 
Aula: Pele, Glândulas, Pelos e Unhas
Aula: Pele, Glândulas, Pelos e UnhasAula: Pele, Glândulas, Pelos e Unhas
Aula: Pele, Glândulas, Pelos e Unhas
 
Sistema óSseo
Sistema óSseoSistema óSseo
Sistema óSseo
 
Aula limpeza de pele
Aula limpeza de peleAula limpeza de pele
Aula limpeza de pele
 
Sistema Tegumentar
Sistema TegumentarSistema Tegumentar
Sistema Tegumentar
 
A Pele (2010)
A Pele (2010)A Pele (2010)
A Pele (2010)
 
Sistema tegumentar
Sistema tegumentarSistema tegumentar
Sistema tegumentar
 
Aula 02.1 fisiologia da nutrição - sistema tegumentar - pele e anexos
Aula 02.1   fisiologia da nutrição - sistema tegumentar - pele e anexosAula 02.1   fisiologia da nutrição - sistema tegumentar - pele e anexos
Aula 02.1 fisiologia da nutrição - sistema tegumentar - pele e anexos
 
Anatomia - sistema tegumentar
Anatomia -  sistema tegumentarAnatomia -  sistema tegumentar
Anatomia - sistema tegumentar
 
Sistema Muscular
Sistema MuscularSistema Muscular
Sistema Muscular
 
Histologia humana epitelial e conjuntivo
Histologia humana   epitelial e conjuntivoHistologia humana   epitelial e conjuntivo
Histologia humana epitelial e conjuntivo
 
Aula 1.1 noções básicas de histologia
Aula 1.1 noções básicas de histologiaAula 1.1 noções básicas de histologia
Aula 1.1 noções básicas de histologia
 
Tecido cartilaginoso - Anatomia humana
Tecido cartilaginoso -  Anatomia humanaTecido cartilaginoso -  Anatomia humana
Tecido cartilaginoso - Anatomia humana
 
Tecido epitelial
Tecido epitelialTecido epitelial
Tecido epitelial
 
Aula 7 Sistema Nervoso
Aula 7 Sistema NervosoAula 7 Sistema Nervoso
Aula 7 Sistema Nervoso
 
Doenças de pele
Doenças de peleDoenças de pele
Doenças de pele
 
Pele e anexos alides
Pele e anexos alidesPele e anexos alides
Pele e anexos alides
 

Semelhante a Pele e anexos

Sistema tegumentar
Sistema tegumentarSistema tegumentar
Sistema tegumentarMalu Correia
 
Anatomia e fisiologia do sistema tegumentar - Estácio.ppt
Anatomia e fisiologia do sistema tegumentar - Estácio.pptAnatomia e fisiologia do sistema tegumentar - Estácio.ppt
Anatomia e fisiologia do sistema tegumentar - Estácio.pptFranciscoAudisio2
 
Apostila curso limpeza de pele e tratamento de acne - edduc
Apostila curso limpeza de pele e tratamento de acne - edducApostila curso limpeza de pele e tratamento de acne - edduc
Apostila curso limpeza de pele e tratamento de acne - edducedduc
 
Pele - Dermatologia Geral -Lesões-Estética
Pele - Dermatologia Geral -Lesões-EstéticaPele - Dermatologia Geral -Lesões-Estética
Pele - Dermatologia Geral -Lesões-EstéticaBrunno Rosique
 
Curso avancado _no_tratamento_de_feridas
Curso avancado _no_tratamento_de_feridasCurso avancado _no_tratamento_de_feridas
Curso avancado _no_tratamento_de_feridasRoberto Firpo
 
UFCD-pele e a sua integridade - ensino profissional.pdf
UFCD-pele e a sua integridade -  ensino profissional.pdfUFCD-pele e a sua integridade -  ensino profissional.pdf
UFCD-pele e a sua integridade - ensino profissional.pdfIsaura Mourão
 
AULA 1.1 e 1.2_Sistema tegumentar.pdf
AULA 1.1 e 1.2_Sistema tegumentar.pdfAULA 1.1 e 1.2_Sistema tegumentar.pdf
AULA 1.1 e 1.2_Sistema tegumentar.pdffernanda881672
 
Apostila Peeling de Verão - Edduc
Apostila Peeling de Verão - EdducApostila Peeling de Verão - Edduc
Apostila Peeling de Verão - Edducedduc
 
Sistema tegumentar 2015
Sistema tegumentar 2015Sistema tegumentar 2015
Sistema tegumentar 2015ReginaReiniger
 
Associações para o tratamento da gordura localizada - Edduc
Associações para o tratamento da gordura localizada - EdducAssociações para o tratamento da gordura localizada - Edduc
Associações para o tratamento da gordura localizada - Edducedduc
 
1. Anatomia e Fisiologia da Pele.pdf
1. Anatomia e Fisiologia da Pele.pdf1. Anatomia e Fisiologia da Pele.pdf
1. Anatomia e Fisiologia da Pele.pdfAndressaLeite22
 
Lista de Histologia Animal
Lista de Histologia AnimalLista de Histologia Animal
Lista de Histologia Animalemanuel
 
Apostila tricologia
Apostila tricologiaApostila tricologia
Apostila tricologiaNorocha
 
estruturas e funcoes pele.Para Dermatologia ppt
estruturas e funcoes pele.Para Dermatologia pptestruturas e funcoes pele.Para Dermatologia ppt
estruturas e funcoes pele.Para Dermatologia pptAlberto205764
 
estruturas e funcoes Completo.123.pele.ppt
estruturas e funcoes Completo.123.pele.pptestruturas e funcoes Completo.123.pele.ppt
estruturas e funcoes Completo.123.pele.pptAlberto205764
 

Semelhante a Pele e anexos (20)

Sistema tegumentar
Sistema tegumentarSistema tegumentar
Sistema tegumentar
 
Anatomia e fisiologia do sistema tegumentar - Estácio.ppt
Anatomia e fisiologia do sistema tegumentar - Estácio.pptAnatomia e fisiologia do sistema tegumentar - Estácio.ppt
Anatomia e fisiologia do sistema tegumentar - Estácio.ppt
 
Aula 1 - Pele e Anexos.pdf
Aula 1 - Pele e Anexos.pdfAula 1 - Pele e Anexos.pdf
Aula 1 - Pele e Anexos.pdf
 
Apostila curso limpeza de pele e tratamento de acne - edduc
Apostila curso limpeza de pele e tratamento de acne - edducApostila curso limpeza de pele e tratamento de acne - edduc
Apostila curso limpeza de pele e tratamento de acne - edduc
 
Pele - Dermatologia Geral -Lesões-Estética
Pele - Dermatologia Geral -Lesões-EstéticaPele - Dermatologia Geral -Lesões-Estética
Pele - Dermatologia Geral -Lesões-Estética
 
Siste teg
Siste tegSiste teg
Siste teg
 
Curso avancado _no_tratamento_de_feridas
Curso avancado _no_tratamento_de_feridasCurso avancado _no_tratamento_de_feridas
Curso avancado _no_tratamento_de_feridas
 
UFCD-pele e a sua integridade - ensino profissional.pdf
UFCD-pele e a sua integridade -  ensino profissional.pdfUFCD-pele e a sua integridade -  ensino profissional.pdf
UFCD-pele e a sua integridade - ensino profissional.pdf
 
AULA 1.1 e 1.2_Sistema tegumentar.pdf
AULA 1.1 e 1.2_Sistema tegumentar.pdfAULA 1.1 e 1.2_Sistema tegumentar.pdf
AULA 1.1 e 1.2_Sistema tegumentar.pdf
 
Dermatologia - 2020.pdf
Dermatologia - 2020.pdfDermatologia - 2020.pdf
Dermatologia - 2020.pdf
 
Dermatologia completa
Dermatologia   completaDermatologia   completa
Dermatologia completa
 
Apostila Peeling de Verão - Edduc
Apostila Peeling de Verão - EdducApostila Peeling de Verão - Edduc
Apostila Peeling de Verão - Edduc
 
Sistema tegumentar 2015
Sistema tegumentar 2015Sistema tegumentar 2015
Sistema tegumentar 2015
 
Associações para o tratamento da gordura localizada - Edduc
Associações para o tratamento da gordura localizada - EdducAssociações para o tratamento da gordura localizada - Edduc
Associações para o tratamento da gordura localizada - Edduc
 
1. Anatomia e Fisiologia da Pele.pdf
1. Anatomia e Fisiologia da Pele.pdf1. Anatomia e Fisiologia da Pele.pdf
1. Anatomia e Fisiologia da Pele.pdf
 
Lista de Histologia Animal
Lista de Histologia AnimalLista de Histologia Animal
Lista de Histologia Animal
 
Sistema Tegumentar
Sistema TegumentarSistema Tegumentar
Sistema Tegumentar
 
Apostila tricologia
Apostila tricologiaApostila tricologia
Apostila tricologia
 
estruturas e funcoes pele.Para Dermatologia ppt
estruturas e funcoes pele.Para Dermatologia pptestruturas e funcoes pele.Para Dermatologia ppt
estruturas e funcoes pele.Para Dermatologia ppt
 
estruturas e funcoes Completo.123.pele.ppt
estruturas e funcoes Completo.123.pele.pptestruturas e funcoes Completo.123.pele.ppt
estruturas e funcoes Completo.123.pele.ppt
 

Pele e anexos

  • 1. Pele e Anexos Junqueira e Carneiro (cap. 18) e Kierszenbaum (cap. 11) Marco Guimarães
  • 3. Pele - Funções • Proteção contra dessecação, atritos, raios ultravioleta e penetração de microrganismos; • Comunicação com o ambiente; • Termorregulação; • Excreção; • Formação de vitamina D3; • Reação imunológica; • Sensorial.
  • 5.
  • 8.
  • 10. Epiderme - Células de Langerhans Células dendríticas derivadas de precursores da medula óssea, que atuam como células apresentadoras de antígenos, interagindo com as células T.
  • 11. Epiderme - Células de Merkel Se localizam na parte profunda da epiderme em contato com a lâmina basal, presas aos queratinócitos por desmossomos. São encontradas em maior quantidade na pele espessa. Apresentam pequenos grânulos citoplasmáticos elétron-densos. As células de Merkel são mecanorreceptores (sensibiildade tátil).
  • 12. Epiderme - Estratos Os queratinócitos estão organizados em 5 camadas ou estratos de acordo com o seu grau de diferenciação: • Estrato basal; • Estrato espinhoso; • Estrato granuloso; • Estrato lúcido; • Estrato córneo.
  • 13.
  • 15. • Formada por células cubóides, de núcleo central, citoplasma com curtas expansões que contêm filamentos de queratina (tonofilamentos); • As expansões citoplasmáticas se mantêm unidas com as células vizinhas por meio de desmossomos (aspecto espinhoso); • Na camada espinhosa também existem células tronco, ainda ocorre mitose.
  • 16. • Constituída por uma delgada camada de células achatadas, eosinofíicas e translúcidas; • Os núcleos e organelas foram digeridos por enzimas; • Citoplasma apresenta numerosos filamentos de queratina, e os desmossomos podem ser visíveis entre as células; • Mais evidente na pele espessa.
  • 17. Córnea • Constituída por células achatadas mortas e sem núcleo; • Apresenta citoplasma repleto de queratina; • Os tonofilamentos se aglutinam e são transformados em placas sem vida, descamando-se facilmente.
  • 18. Derme Apresenta espessura variável (máx. 3 mm); Sua superfície externa é irregular, observando-se saliências, as papilas dérmicas. É formada por duas camadas sem limite distintos: (1) a camada papilar e (2) a camada reticular. (1) A camada papilar é delgada, constituída de tecido conjuntivo frouxo. Possui fibrilas especiais de colágeno e, pequenos vasos sanguíneos que são responsáveis pela nutrição da epiderme. (2) A camada reticular é mais espessa, constituída de tecido conjuntivo denso. Nesta camada, são encontrados vasos sanguíneos e linfáticos, nervos, além de estruturas derivadas da epiderme como os folículos pilosos, gl. sebáceas e sudoríparas.
  • 19. Hipoderme Formada pelo tec. conj. frouxo. Responsável pelo deslizamento da pele sobre as estruturas nas quais se apóia. Dependendo da região, a hipoderme pode ter uma camada de tecido adiposo associada, constituindo o panículo adiposo.
  • 20. Suprimento sanguíneo e linfático O suprimento vascular cutâneo tem uma função 1ª, a termorregulação. A função 2ª é a nutrição da pele e dos anexos cutâneos. Três redes interconectadas são encontradas na pele: (1)o plexo subpapilar (correndo ao longo da camada papilar); (2)o plexo cutâneo (observado no limite das camadas papilar e reticular; (3)o plexo hipodérmico ou subcutâneo (presente na hipoderme). Os vasos arteriais formam 2 plexos, o cutâneo e o subcutâneo. Cada papila tem uma única alça vascular, com rama arterial ascendente e um venoso descendente. Existem 3 plexos venosos na pele, descritos anteriormente. O sistema de vasos linfáticos inicia-se nas papilas dérmicas como capilares de fundo cego, que convergem para um plexo entre as camadas papilar e reticular, e deste para outro plexo na hipoderme.
  • 21.
  • 22. Receptores sensoriais A pele é dotada de receptores sensoriais de diversos tipos, que são terminais periféricos de nervos sensoriais. Além de ser bem suprida de terminações nervosas motoras para os vasos, músculos eretores dos pêlos e glândulas sudoríparas. As terminações nervosas livres são os receptores neuronais mais numerosos na epiderme. Essas terminações servem a múltiplas modalidades, incluindo o tato, calor e frio, ... Outras terminações nervosas na pele estão envolvidas por uma cápsula de tecido conjuntivo. As terminações nervosas encapsuladas incluem os corpúsculos de: Ruffini, Vater-Pacini, Meissner e Krause
  • 23.
  • 24.
  • 26.
  • 27.
  • 28. Unhas As unhas são placas de células queratinizadas localizadas na superfície dorsal das falanges terminais dos dedos. A porção proximal da unha é chamada de raiz da unha. Na raiz da unha ocorre a proliferação e diferenciação das células epiteliais, que se queratinizam, formando uma placa córnea. A unha é constituída essencialmente por escamas córneas compactas.
  • 29. Glândulas da pele – Glândulas sebáceas É uma glândula alveolar simples holócrina, que se distribui por toda a pele, exceto na palma das mãos e planta dos pés. A porção secretora da glândula se encontra na derme e o ducto excretor se abre no colo do folículo piloso. Essas glândulas podem ser independentes dos folículos e se abrirem diretamente na superfície dos lábios, nos cantos da boca, na glande, nos lábios menores e nos mamilos. As glândulas sebáceas são acinosas. Os ácinos apresentam-se formados por uma camada externa de células epiteliais achatadas que repousam sobre uma camada basal.
  • 30.
  • 31.
  • 32. Glândulas da pele – Glândulas sudoríparas Existem 2 tipos de glândulas sudoríparas: (1) Glândulas sudoríparas écrinas ou merócrinas e (2) Glândulas sudoríparas apócrinas. (1) A gl. sudorípara écrina são muito numerosa e encontram-se em toda pele (exceto a glande) é tubulosa enovelada simples com função no controle da temperatura corporal. A porção secretora é composta por 3 tipos celulares: (a) células claras, (b) células escuras e (c) células mioepiteliais. (a) As céls. Claras são separadas por canalículos intercelulares, apresentam domínio basal com invaginações e muitas mitocôndrias, secretam a maior parte da água e dos eletrólitos (Na+ e Cl-) do suor.
  • 33. (b) As células escuras estão apoiadas sobre as células claras e secretam glicoproteínas e, (b) as células mioepiteliais são encontradas entre a lâmina basal e as células claras. Os ductos excretores são revertidos por células epiteliais que contêm o CTFR (Cl-).
  • 34. (2) As gl. sudoríparas apócrinas são enoveladas e ocorrem nas axilas, no púbis, região perianal e na aréola mamária, são de maior tamanho do que a anterior e a porção secretora é encontrada na derme e hipoderme . O ducto secretor se abre no folículo piloso (ao contrário das écrinas, que se abrem na epiderme). Se tornam funcionais após a puberdade, e são invervadas por fibras nervosas adrenérgicas. Dois exemplos de gl. sudoríparas apócrinas são as gl. ceruminosas (meato acústico externo) e as gl. de Moll (na margem das pálpebras).