SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 42
Instituto Federal do Pará Sistema Excretor Carlos Carmona – 2008229025 Paulo Sena – 2008229027 Géssica Castro – 2008229077 Tatiara Pinheiro - 2008229011
Anatomia e Fisiologia dos Rins
Informações gerais Localização:  Na parede Posterior do abdome, fora da cavidade peritonial. Massa e Tamanho: Tem massa de aproximadamente 150 g e tamanho aproximado de uma mão fechada.
Informações gerais 2 Divide-se em: Córtex renal ; Medula Renal. A medula é dividida em múltiplas massas teciduais com o formato de cones denominados pirâmides reinais. A base de cada pirâmide  origina-se o limite entre as regiões cortical e medular e termina na papila, que se projeta para o espaço na pelve renal, que é uma estrutura em formato de funil que continua com a extremidade superior do ureter.
Informações gerais 3 A borda externa da pelve  é dividida em estruturas de fundo-cego chamadas de cálices maiores. Os cálices maiores se dividem em cálices menores, os quais coletam a urina dos túbulos de cada papila.
Rins  São constituídos por unidades chamadas néfrons ou nefros; Os nefróns é o local o qual o sangue é filtrado pelos glomérulos renais formando a urina; Tem como principal função:  A filtragem do sangue para a retirada de água e sais minerais
Néfrons Estão localizados na parte do córtex renal; Cada rim contém cerca de 1 milhão de néfrons, cada um deles capaz de formar a urina; Cada néfron contem um grupo de capilares glomerulares chamado de glomérulo renal, pelo qual quantidades de liquido são filtrados do sangue e um longo túbulo no qual o líquido filtrado é convertido em urina no trajeto para a pelve renal;
Néfrons Os capilares glomerulares são cobertos por células epiteliais, e todo o glomérulo está envolvido pela cápsula de Bowmann ou renal;
Néfrons
No Túbulo Urinífero  Cápsula de Bowman: Zona inicial em fundo de saco e em forma de taça, que se localiza na região cortical do rim. Aqui ocorre a filtração, através do endotélio do capilar do glomérulo e da parede da cápsula, que impedem a passagem de células e macromoléculas. O resultado é o filtrado glomerular, uma mistura de água, sais minerais, uréia, glicose, AA, vitaminas, etc., tudo em concentrações iguais às que tinham no plasma.
No túbulo Urinífero: Tubo contornado proximal – Imediatamente depois da cápsula de Bowman, é uma porção do tubo bastante enrolada e ainda localizada no córtex renal. As suas paredes realizam transporte ativo de sais e nutrientes (glicose, AA, Na+, Cl -, etc.) para o meio interno, o que causa a reabsorção de água por osmose, pois a pressão osmótica no tubo baixa.
No túbulo Urinífero: Alça de Henle – Porção do tubo em forma de U, subdividida em zona descendente e ascendente, que mergulha na medula do rim. A porção descendente da alça é permeável à água (que passa para os capilares peritubulares), mas pouco permeável aos sais e à uréia, pelo que há uma concentração da urina. O inverso ocorre na porção ascendente, onde o tubo é impermeável à água, mas permeável aos sais, que saem por difusão e transporte ativo, aumentando a pressão osmótica dos fluidos intersticiais da medula renal.
No túbulo urinífero: Tubo contornado distal – Zona terminal do tubo urinífero, novamente bastante enrolada e de volta ao córtex renal. Aqui ocorrem importantes fenômenos de secreção, com transporte ativo sobretudo de K+ e H+, o que mantém o pH sanguíneo adequado. Outras substâncias, como venenos e drogas, podem ser secretadas para a urina a este nível.
No túbulo Urinífero Tubo coletor – Embora não fazendo parte do tubo urinífero, está aqui considerado devido ainda ser um importante interveniente na formação da urina. Este tubo é muito permeável à água, impermeável aos íons; atravessa a medula (zona muito hipertônica do rim) dando-se a reabsorção de grandes quantidades de água ainda presente na urina, tornando-a muito concentrada.
Hormônios ADH ou Vasopressina Adolsterona
Ureter
Ureter O ureter é um tubo que faz parte das viasurinárias e que liga a pelve do rim à bexiga. A sua função é propelir a urina do rim até à bexiga. Anatomia Histologia Fisiologia
Ureter Anatomia 	Os ureteres têm, cada um, 25 a 30 cm de comprimento e três milimetros de diâmetro. Eles se originam da confluência dos vários cálicesrenais, reunindo-se enquanto pelve renal. Os ureteres descem então do abdómen superior (onde estão os rins) até à pelve por detras dos órgãos do tracto gastrointestinal, retroperitonealmente. A sua passagem junto de outras estruturas condiciona estruturas onde é mais frequente um cálculo renal(pedra dos rins) ficar retido gerando obstrução: estas estruturas incluem , a artéria ilíaca, o rebordo ósseo da Pelve e aquando da entrada na Bexiga. Os ureteres entram na Bexiga posteriormente, e fazem-ne de forma obliqua, envolvida pelas diversas camadas musculares da bexiga, de modo a prevenir o refluxo da urina.
Ureter Histologia Os ureteres têm três camadas, tal como outros órgãos tubulares: a mais externa é tecido conjuntivo, recoberta parcialmente de serosa nas regiões onde o ureter está em contacto com o peritônio; a média é uma camada de tecido muscular liso de três tipos, circular, longitudinal e obliquo, e a interna é composta de mucosa e submucosa. A camada da mucosa é composta por um epitélio de transição, enquanto a submucosa é conjuntiva.
Ureter Fisiologia A função dos ureteres é a propulsão da urina. O método é a contracção por peristalse (em ondas) da sua camada de musculo liso. Esta contracção é completamente inconsciente.
Bexiga Urinária
O que é a Bexiga? É uma bolsa muscular; É na bexiga que a urina é armazenada nos intervalos das micções; Situada na parte inferior do abdomên;
Anatomia da Bexiga
Bexiga Feminina
Bexiga Masculina
URETRA
O que é excreção? A excreção é o processo de eliminação de produtos do metabolismo que devem ser eliminados do organismo afim de atingir um estado de homeostase.
Uretra é a denominação dada ao canal condutor da urina, que parte da bexiga e termina na superfície exterior do corpo, no pênis ou vulva.
    Ela é revestida por três camadas, uma muscular, uma submucosa e uma mucosa. A uretra se abre para o meio exterior através do óstio externo da uretra.
Uretra Masculina uretra masculina estende-se do óstio interno da uretra, localizado na bexiga, ao óstio externo da uretra, localizado no pênis. No estado comum de relaxamento do pênis, ela apresenta dupla curvatura. É dividida em três porções:
a) Uretra prostática: perfura a próstata, possui cerca de 3cm de comprimento e recebe ductos ejaculatórios. Enquanto a uretra está conduzindo os espermatozoides, a musculatura em torno dela se contrai e impede a passagem da urina vinda da uretra. b) Uretra membranosa: perfura o diafragma pélvico, possui cerca de 1,5cm de comprimento. c) Uretra esponjosa: perfura o corpo esponjoso do pênis, possui cerca de 15 cm de comprimento (este valor é relativo ao tamanho médio do pênis, podendo variar para mais ou para menos).
Uretra Feminina A uretra feminina possui cerca de 4 cm de comprimento. Ela faz parte exclusivamente do sistema urinário. Seu óstio externo localiza-se anteriormente à vagina e entre os pequenos lábios. O óstio externo possui, quando não está dilatado, um diâmetro aproximado de 6mm.
A existência do esfíncter externo voluntário da uretra permite que entre os mamíferos o ato da micção passe a ser voluntário, para marcar territórios, ou para evitar descuidos anti-sociais, por exemplo. e seu parceiro é o ureter.
Patologia: A inflamação da uretra é denominada de uretrite. Ela é freqüentemente causada por infecções (Infecções do tracto urinário ou ITUs) por microorganismos fecais do próprio intestino do doente como Escherichia coli, Proteus mirabillis e Enterococcus faecalis.
Estas infecções são mais frequentes em mulheres devido à sua curta uretra e proximidade do orifício uretral externo ao ânus. Nos homens tornam-se frequentes apenas com a idade avançada e o aparecimento de obstrução causada por hipertrofia benigna da próstata ou após cateterização. Carcinoma da uretra: raro, mais prevalente em mulheres idosas.
FIM

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (20)

Sistema excretor - Animais invertebrados e vertebrados
Sistema excretor - Animais invertebrados e vertebradosSistema excretor - Animais invertebrados e vertebrados
Sistema excretor - Animais invertebrados e vertebrados
 
Sistema excretor
Sistema excretorSistema excretor
Sistema excretor
 
Sistema excretor novo
Sistema excretor   novoSistema excretor   novo
Sistema excretor novo
 
Sistema urinario
Sistema urinarioSistema urinario
Sistema urinario
 
6ª aula sistema urinário
6ª aula sistema urinário6ª aula sistema urinário
6ª aula sistema urinário
 
Sistema excretor
Sistema excretorSistema excretor
Sistema excretor
 
Morfologia do sistema excretor
Morfologia do sistema excretorMorfologia do sistema excretor
Morfologia do sistema excretor
 
Sistema excretor i
Sistema excretor iSistema excretor i
Sistema excretor i
 
Sistema excretor (1)
Sistema excretor (1)Sistema excretor (1)
Sistema excretor (1)
 
Sistema excretor
Sistema excretorSistema excretor
Sistema excretor
 
3EM #09 Sistema excretor
3EM #09 Sistema excretor3EM #09 Sistema excretor
3EM #09 Sistema excretor
 
Sistema Excretor 8º ano
Sistema Excretor 8º anoSistema Excretor 8º ano
Sistema Excretor 8º ano
 
Unidade 7 sistema-excretor-
Unidade 7   sistema-excretor-Unidade 7   sistema-excretor-
Unidade 7 sistema-excretor-
 
Sistema Excretor e Urinário
Sistema Excretor e UrinárioSistema Excretor e Urinário
Sistema Excretor e Urinário
 
Sistema excretor
Sistema excretorSistema excretor
Sistema excretor
 
Sistema excretor
Sistema excretorSistema excretor
Sistema excretor
 
Sistema Excretor
Sistema ExcretorSistema Excretor
Sistema Excretor
 
Sistema Excretor
Sistema Excretor Sistema Excretor
Sistema Excretor
 
Sistema urinario
Sistema urinarioSistema urinario
Sistema urinario
 
Excrecao
ExcrecaoExcrecao
Excrecao
 

Destaque

Destaque (20)

Sistema excretor
Sistema excretorSistema excretor
Sistema excretor
 
Ba.13 digestão e nutrição
Ba.13   digestão e nutriçãoBa.13   digestão e nutrição
Ba.13 digestão e nutrição
 
Sistema nervoso
Sistema nervosoSistema nervoso
Sistema nervoso
 
Sistema nervoso ii
Sistema  nervoso iiSistema  nervoso ii
Sistema nervoso ii
 
Sistema circulatório e sistema respiratório
Sistema circulatório e sistema respiratórioSistema circulatório e sistema respiratório
Sistema circulatório e sistema respiratório
 
Sistema Circulatório
Sistema CirculatórioSistema Circulatório
Sistema Circulatório
 
Sistema Digestivo
Sistema DigestivoSistema Digestivo
Sistema Digestivo
 
Sistema circulatório
Sistema circulatórioSistema circulatório
Sistema circulatório
 
Sistema circulatório
Sistema circulatórioSistema circulatório
Sistema circulatório
 
III - SISTEMA RESPIRATÓRIO
III - SISTEMA RESPIRATÓRIOIII - SISTEMA RESPIRATÓRIO
III - SISTEMA RESPIRATÓRIO
 
II - SISTEMA CIRCULATÓRIO
II - SISTEMA CIRCULATÓRIOII - SISTEMA CIRCULATÓRIO
II - SISTEMA CIRCULATÓRIO
 
Sistema excretor
Sistema excretorSistema excretor
Sistema excretor
 
Aula sistema digestivo e nutrição
Aula sistema digestivo e nutriçãoAula sistema digestivo e nutrição
Aula sistema digestivo e nutrição
 
Introdução à Fisiologia Humana
Introdução à Fisiologia HumanaIntrodução à Fisiologia Humana
Introdução à Fisiologia Humana
 
Sistema circulatorio 9º
Sistema circulatorio 9ºSistema circulatorio 9º
Sistema circulatorio 9º
 
Sistema Digestivo ExercíCios
Sistema Digestivo ExercíCiosSistema Digestivo ExercíCios
Sistema Digestivo ExercíCios
 
Sistema Urinário e a Pele
Sistema Urinário e a PeleSistema Urinário e a Pele
Sistema Urinário e a Pele
 
Sistema digestivo
Sistema digestivoSistema digestivo
Sistema digestivo
 
Sistema Excretor
Sistema ExcretorSistema Excretor
Sistema Excretor
 
Sistema circulatorio powerpoint
Sistema circulatorio powerpointSistema circulatorio powerpoint
Sistema circulatorio powerpoint
 

Semelhante a Sistema excretor slideshare

Slide com aula do Sistema Urinário / anatomia
Slide com aula do Sistema Urinário / anatomiaSlide com aula do Sistema Urinário / anatomia
Slide com aula do Sistema Urinário / anatomiaTanielLopesdaSilva1
 
Trabalho sistema excretor (1)
Trabalho sistema excretor (1)Trabalho sistema excretor (1)
Trabalho sistema excretor (1)Eliani Alves
 
Fisiologia renal detalhada
Fisiologia renal detalhadaFisiologia renal detalhada
Fisiologia renal detalhadaThalyan Oliveira
 
SISTEMA URINARIO (1) 3.pptx
SISTEMA URINARIO (1) 3.pptxSISTEMA URINARIO (1) 3.pptx
SISTEMA URINARIO (1) 3.pptxFABIANOVALE5
 
Sistema digestório endocrino e renal
Sistema digestório endocrino e renalSistema digestório endocrino e renal
Sistema digestório endocrino e renalENFERMAGEMUNIS
 
TRABALHO.APARELHO.URINARIO.Resumido.pptx
TRABALHO.APARELHO.URINARIO.Resumido.pptxTRABALHO.APARELHO.URINARIO.Resumido.pptx
TRABALHO.APARELHO.URINARIO.Resumido.pptxAlberto205764
 
Sistema Urinário
Sistema  UrinárioSistema  Urinário
Sistema Urináriovictorpre
 
AULA 06-PARTE 2-O Sistema Urinário (1).pdf
AULA 06-PARTE 2-O Sistema Urinário (1).pdfAULA 06-PARTE 2-O Sistema Urinário (1).pdf
AULA 06-PARTE 2-O Sistema Urinário (1).pdfLIANEDEMUNER1
 
Trabalho sistema urinário
Trabalho sistema urinário Trabalho sistema urinário
Trabalho sistema urinário Rayanne Leão
 
Sistema urinário_Lidiane
Sistema urinário_LidianeSistema urinário_Lidiane
Sistema urinário_LidianeMarcia Regina
 
Sistema excretor
Sistema excretorSistema excretor
Sistema excretorMaria Neves
 
Sistema excretor
Sistema excretorSistema excretor
Sistema excretorMaria Neves
 
Aparelho UrináRio Aula2
Aparelho UrináRio Aula2Aparelho UrináRio Aula2
Aparelho UrináRio Aula2kazumialexandre
 
sistema urinario, partes e funcionalidades
sistema urinario, partes e funcionalidadessistema urinario, partes e funcionalidades
sistema urinario, partes e funcionalidadesAlexSouza865771
 
Sistema Urogenital Humano - Equipe Aprendizes do Saber
Sistema Urogenital Humano - Equipe Aprendizes do SaberSistema Urogenital Humano - Equipe Aprendizes do Saber
Sistema Urogenital Humano - Equipe Aprendizes do SaberCarlos Eduardo
 

Semelhante a Sistema excretor slideshare (20)

sistema urinario
sistema urinariosistema urinario
sistema urinario
 
Slide com aula do Sistema Urinário / anatomia
Slide com aula do Sistema Urinário / anatomiaSlide com aula do Sistema Urinário / anatomia
Slide com aula do Sistema Urinário / anatomia
 
Trabalho sistema excretor (1)
Trabalho sistema excretor (1)Trabalho sistema excretor (1)
Trabalho sistema excretor (1)
 
Fisiologia renal detalhada
Fisiologia renal detalhadaFisiologia renal detalhada
Fisiologia renal detalhada
 
SISTEMA URINARIO (1) 3.pptx
SISTEMA URINARIO (1) 3.pptxSISTEMA URINARIO (1) 3.pptx
SISTEMA URINARIO (1) 3.pptx
 
Sistema digestório endocrino e renal
Sistema digestório endocrino e renalSistema digestório endocrino e renal
Sistema digestório endocrino e renal
 
TRABALHO.APARELHO.URINARIO.Resumido.pptx
TRABALHO.APARELHO.URINARIO.Resumido.pptxTRABALHO.APARELHO.URINARIO.Resumido.pptx
TRABALHO.APARELHO.URINARIO.Resumido.pptx
 
Sistema Urinário
Sistema  UrinárioSistema  Urinário
Sistema Urinário
 
AULA 06-PARTE 2-O Sistema Urinário (1).pdf
AULA 06-PARTE 2-O Sistema Urinário (1).pdfAULA 06-PARTE 2-O Sistema Urinário (1).pdf
AULA 06-PARTE 2-O Sistema Urinário (1).pdf
 
Trabalho sistema urinário
Trabalho sistema urinário Trabalho sistema urinário
Trabalho sistema urinário
 
Trablho de anatomia
Trablho de anatomiaTrablho de anatomia
Trablho de anatomia
 
Trablho de anatomia
Trablho de anatomiaTrablho de anatomia
Trablho de anatomia
 
Sistema urinário_Lidiane
Sistema urinário_LidianeSistema urinário_Lidiane
Sistema urinário_Lidiane
 
Sistema urinário
Sistema urinárioSistema urinário
Sistema urinário
 
Sistema excretor
Sistema excretorSistema excretor
Sistema excretor
 
Sistema excretor
Sistema excretorSistema excretor
Sistema excretor
 
Sistema excretor
Sistema excretorSistema excretor
Sistema excretor
 
Aparelho UrináRio Aula2
Aparelho UrináRio Aula2Aparelho UrináRio Aula2
Aparelho UrináRio Aula2
 
sistema urinario, partes e funcionalidades
sistema urinario, partes e funcionalidadessistema urinario, partes e funcionalidades
sistema urinario, partes e funcionalidades
 
Sistema Urogenital Humano - Equipe Aprendizes do Saber
Sistema Urogenital Humano - Equipe Aprendizes do SaberSistema Urogenital Humano - Equipe Aprendizes do Saber
Sistema Urogenital Humano - Equipe Aprendizes do Saber
 

Último

Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxBiancaNogueira42
 
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfGuia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfEyshilaKelly1
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveaulasgege
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...Martin M Flynn
 
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕESPRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕESpatriciasofiacunha18
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfIedaGoethe
 
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdfPPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdfAnaGonalves804156
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdfSlides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdfpaulafernandes540558
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAlexandreFrana33
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosAntnyoAllysson
 
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 anoAdelmaTorres2
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxconcelhovdragons
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxIsabellaGomes58
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfHenrique Pontes
 
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasMesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasRicardo Diniz campos
 
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdfProfGleide
 
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfErasmo Portavoz
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbyasminlarissa371
 

Último (20)

Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
 
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfGuia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
 
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕESPRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
 
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdfPPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdfSlides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
 
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
 
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasMesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
 
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
 
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
 

Sistema excretor slideshare

  • 1. Instituto Federal do Pará Sistema Excretor Carlos Carmona – 2008229025 Paulo Sena – 2008229027 Géssica Castro – 2008229077 Tatiara Pinheiro - 2008229011
  • 3. Informações gerais Localização: Na parede Posterior do abdome, fora da cavidade peritonial. Massa e Tamanho: Tem massa de aproximadamente 150 g e tamanho aproximado de uma mão fechada.
  • 4. Informações gerais 2 Divide-se em: Córtex renal ; Medula Renal. A medula é dividida em múltiplas massas teciduais com o formato de cones denominados pirâmides reinais. A base de cada pirâmide origina-se o limite entre as regiões cortical e medular e termina na papila, que se projeta para o espaço na pelve renal, que é uma estrutura em formato de funil que continua com a extremidade superior do ureter.
  • 5. Informações gerais 3 A borda externa da pelve é dividida em estruturas de fundo-cego chamadas de cálices maiores. Os cálices maiores se dividem em cálices menores, os quais coletam a urina dos túbulos de cada papila.
  • 6.
  • 7. Rins São constituídos por unidades chamadas néfrons ou nefros; Os nefróns é o local o qual o sangue é filtrado pelos glomérulos renais formando a urina; Tem como principal função: A filtragem do sangue para a retirada de água e sais minerais
  • 8. Néfrons Estão localizados na parte do córtex renal; Cada rim contém cerca de 1 milhão de néfrons, cada um deles capaz de formar a urina; Cada néfron contem um grupo de capilares glomerulares chamado de glomérulo renal, pelo qual quantidades de liquido são filtrados do sangue e um longo túbulo no qual o líquido filtrado é convertido em urina no trajeto para a pelve renal;
  • 9.
  • 10. Néfrons Os capilares glomerulares são cobertos por células epiteliais, e todo o glomérulo está envolvido pela cápsula de Bowmann ou renal;
  • 12. No Túbulo Urinífero Cápsula de Bowman: Zona inicial em fundo de saco e em forma de taça, que se localiza na região cortical do rim. Aqui ocorre a filtração, através do endotélio do capilar do glomérulo e da parede da cápsula, que impedem a passagem de células e macromoléculas. O resultado é o filtrado glomerular, uma mistura de água, sais minerais, uréia, glicose, AA, vitaminas, etc., tudo em concentrações iguais às que tinham no plasma.
  • 13. No túbulo Urinífero: Tubo contornado proximal – Imediatamente depois da cápsula de Bowman, é uma porção do tubo bastante enrolada e ainda localizada no córtex renal. As suas paredes realizam transporte ativo de sais e nutrientes (glicose, AA, Na+, Cl -, etc.) para o meio interno, o que causa a reabsorção de água por osmose, pois a pressão osmótica no tubo baixa.
  • 14. No túbulo Urinífero: Alça de Henle – Porção do tubo em forma de U, subdividida em zona descendente e ascendente, que mergulha na medula do rim. A porção descendente da alça é permeável à água (que passa para os capilares peritubulares), mas pouco permeável aos sais e à uréia, pelo que há uma concentração da urina. O inverso ocorre na porção ascendente, onde o tubo é impermeável à água, mas permeável aos sais, que saem por difusão e transporte ativo, aumentando a pressão osmótica dos fluidos intersticiais da medula renal.
  • 15. No túbulo urinífero: Tubo contornado distal – Zona terminal do tubo urinífero, novamente bastante enrolada e de volta ao córtex renal. Aqui ocorrem importantes fenômenos de secreção, com transporte ativo sobretudo de K+ e H+, o que mantém o pH sanguíneo adequado. Outras substâncias, como venenos e drogas, podem ser secretadas para a urina a este nível.
  • 16. No túbulo Urinífero Tubo coletor – Embora não fazendo parte do tubo urinífero, está aqui considerado devido ainda ser um importante interveniente na formação da urina. Este tubo é muito permeável à água, impermeável aos íons; atravessa a medula (zona muito hipertônica do rim) dando-se a reabsorção de grandes quantidades de água ainda presente na urina, tornando-a muito concentrada.
  • 17.
  • 18. Hormônios ADH ou Vasopressina Adolsterona
  • 20. Ureter O ureter é um tubo que faz parte das viasurinárias e que liga a pelve do rim à bexiga. A sua função é propelir a urina do rim até à bexiga. Anatomia Histologia Fisiologia
  • 21.
  • 22. Ureter Anatomia Os ureteres têm, cada um, 25 a 30 cm de comprimento e três milimetros de diâmetro. Eles se originam da confluência dos vários cálicesrenais, reunindo-se enquanto pelve renal. Os ureteres descem então do abdómen superior (onde estão os rins) até à pelve por detras dos órgãos do tracto gastrointestinal, retroperitonealmente. A sua passagem junto de outras estruturas condiciona estruturas onde é mais frequente um cálculo renal(pedra dos rins) ficar retido gerando obstrução: estas estruturas incluem , a artéria ilíaca, o rebordo ósseo da Pelve e aquando da entrada na Bexiga. Os ureteres entram na Bexiga posteriormente, e fazem-ne de forma obliqua, envolvida pelas diversas camadas musculares da bexiga, de modo a prevenir o refluxo da urina.
  • 23. Ureter Histologia Os ureteres têm três camadas, tal como outros órgãos tubulares: a mais externa é tecido conjuntivo, recoberta parcialmente de serosa nas regiões onde o ureter está em contacto com o peritônio; a média é uma camada de tecido muscular liso de três tipos, circular, longitudinal e obliquo, e a interna é composta de mucosa e submucosa. A camada da mucosa é composta por um epitélio de transição, enquanto a submucosa é conjuntiva.
  • 24. Ureter Fisiologia A função dos ureteres é a propulsão da urina. O método é a contracção por peristalse (em ondas) da sua camada de musculo liso. Esta contracção é completamente inconsciente.
  • 26. O que é a Bexiga? É uma bolsa muscular; É na bexiga que a urina é armazenada nos intervalos das micções; Situada na parte inferior do abdomên;
  • 31. O que é excreção? A excreção é o processo de eliminação de produtos do metabolismo que devem ser eliminados do organismo afim de atingir um estado de homeostase.
  • 32. Uretra é a denominação dada ao canal condutor da urina, que parte da bexiga e termina na superfície exterior do corpo, no pênis ou vulva.
  • 33. Ela é revestida por três camadas, uma muscular, uma submucosa e uma mucosa. A uretra se abre para o meio exterior através do óstio externo da uretra.
  • 34. Uretra Masculina uretra masculina estende-se do óstio interno da uretra, localizado na bexiga, ao óstio externo da uretra, localizado no pênis. No estado comum de relaxamento do pênis, ela apresenta dupla curvatura. É dividida em três porções:
  • 35. a) Uretra prostática: perfura a próstata, possui cerca de 3cm de comprimento e recebe ductos ejaculatórios. Enquanto a uretra está conduzindo os espermatozoides, a musculatura em torno dela se contrai e impede a passagem da urina vinda da uretra. b) Uretra membranosa: perfura o diafragma pélvico, possui cerca de 1,5cm de comprimento. c) Uretra esponjosa: perfura o corpo esponjoso do pênis, possui cerca de 15 cm de comprimento (este valor é relativo ao tamanho médio do pênis, podendo variar para mais ou para menos).
  • 36.
  • 37. Uretra Feminina A uretra feminina possui cerca de 4 cm de comprimento. Ela faz parte exclusivamente do sistema urinário. Seu óstio externo localiza-se anteriormente à vagina e entre os pequenos lábios. O óstio externo possui, quando não está dilatado, um diâmetro aproximado de 6mm.
  • 38.
  • 39. A existência do esfíncter externo voluntário da uretra permite que entre os mamíferos o ato da micção passe a ser voluntário, para marcar territórios, ou para evitar descuidos anti-sociais, por exemplo. e seu parceiro é o ureter.
  • 40. Patologia: A inflamação da uretra é denominada de uretrite. Ela é freqüentemente causada por infecções (Infecções do tracto urinário ou ITUs) por microorganismos fecais do próprio intestino do doente como Escherichia coli, Proteus mirabillis e Enterococcus faecalis.
  • 41. Estas infecções são mais frequentes em mulheres devido à sua curta uretra e proximidade do orifício uretral externo ao ânus. Nos homens tornam-se frequentes apenas com a idade avançada e o aparecimento de obstrução causada por hipertrofia benigna da próstata ou após cateterização. Carcinoma da uretra: raro, mais prevalente em mulheres idosas.
  • 42. FIM