SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 23
Sistema Excretor
Importância:
• O sistema excretor tem papel fundamental
na manutenção da estabilidade dos
fluídos corporais, pois elimina certas
substâncias indesejadas ( amônia, uréia
ácido úrico) ao organismo e retém
aquelas que ainda possam ser
aproveitadas (água, sais).
• O sistema excretor também é responsável
pela osmorregulação, manutenção da
concentração salina no sangue e outros
fluídos corporais.
Pressão osmótica:
• Osmose é a passagem de solventes de
um meio menos concentrado ou
hipotônico, para um meio mais
concentrado ou hipertônico. Com esse
deslocamento de líquidos tente a ocorrer
um equilíbrio entre as concentrações.
Mecanismos excretores:
• Vacúolo contrátil: ocorre em organismos
unicelulares para eliminação do excesso
de água que entra na célula.
• Difusão simples: organismos
pluricelulares primitivos excretam água e
substâncias residuais (transporte ativo)
através de toda a superfície do corpo. Ex:
celenterados e esponjas.
• Células-flama: conjunto de células
especiais ligadas a uma série de tubos
ramificados, que se abrem para o exterior
por meio de poros. Possuem flagelos.
Principal função é remover o excesso de
água. Ex: planárias, vermes de água
doce.
• Nefrídios: sistema excretor especial,
consiste em um par de túbulos
(metanefrídios) em cada segmento do
corpo. Na extremidade mais interna, cada
nefrídio se abre diretamente na cavidade
do corpo por meio de um funil ciliado, o
nefróstoma. Na extremidade externa, o
nefrídio termina num nefridióporo. Cada
nefrídio é envolvido por uma rede de
capilar, que absorve parte do líquido
recolhido pelo nefróstoma.
• Túbulos de Malpighi: túbulos mergulhados
na cavidade do corpo e se abrem na parte
final do tubo digestivo. Retiram do líquido
circulante na cavidade do corpo, os
produtos de excreção que são eliminados
através do intestino.
Excreção nos vertebrados:
• Dá-se através de um sistema excretor
formado pelos rins, o qual contém um
duto coletor (ureter), que nos anfíbios,
aves e répteis desemboca na cloaca. Na
maioria dos mamíferos os ureteres
desembocam diretamente à bexiga, do
qual parte a uretra, tubo que se abre para
o exterior.
Funcionamento dos rins nos
mamíferos:
• Cada rim contém cerca de um milhão de
unidades filtradoras, chamadas néfrons.
Esses são constituídos de um fino túbulo
excretor que se origina numa estrutura
chamada de cápsula de Bowman que
envolve um novelo capilar chamado
glomérulo. Cada túbulo termina em ductos
coletores que desembocam numa
cavidade do rim, daí para o ureter.
• Cada rim recebe sangue da aorta pela
artéria renal que se ramifica em milhares
de arteríolas, que vão formar os
glomérulos e os capilares que envolvem
os túbulos dos néfrons. Os capilares se
reúnem em vênulas, que se juntam na
veia renal, e saem do rim.
• O sangue que entra no glomérulo está
sob alta pressão, que força a água e
pequenas moléculas do plasma
sangüíneo para dentro da cápsula de
Browman. Nesse filtrado glomerular não
passam as células do sangue.
• O processo de reabsorção inicia-se no túbulo
proximal onde 70% da água é reabsorvida
(passiva) e praticamente toda glicose (ativa –
possuem mitocôndrias).
• Alça de Henle: 20% da água é reabsorvida, de
forma ativa reabsorve-se Na+
, Cl-
, k+
, Mg2+
, Ca2+
e HCO3-
.
• Túbulo distal: reabsorve NaCl e 7% da água. A
permeabilidade desse túbulo está associado à
concentração de ADH, hormônio (produzido
no hipotálamo) que atua sobre os túbulos
distais e sobre os túbulos coletores,
aumentando a permeabilidade à água quando
aumenta a concentração do plasma.
• Dutos coletores: onde termina o
processamento da urina. Essa vai para os
ureteres que a levam até a bexiga, um
órgão de parede elástica e musculatura
lisa que acumula a urina produzida nos
rins. Daí a urina vai para a uretra , de
onde é eliminada do corpo. Entre a bexiga
e a uretra há um anel muscular
denominado esfíncter uretral. Para que se
possa urinar é necessário contrair a
bexiga e relaxar o esfíncter.
• A concentração osmótica dos fluídos
corporais dos peixes ósseos marinhos é
bem inferior àquela do ambiente. Esses
animais são, portanto, reguladores
hiposmóticos. Quais problemas osmóticos
e iônicos que esses animais enfrentam?
Como eles resolvem esses problemas?
•
05. (UNICAMP) O controle do volume de líquido
circulante em mamíferos é feito através dos rins,
que ou eliminam o excesso de água ou reduzem
a quantidade de urina produzida quando há
deficiência de água. Além disso, os rins são
responsáveis também pela excreção de vários
metabólitos e íons.
a) Qual é o hormônio responsável pelo controle
do volume hídrico do organismo? Onde ele é
produzido?
b) Qual o mecanismo de ação desse hormônio?
c) Qual é o principal metabólito excretado pelos
rins? De que substâncias esse metabólito se
origina?

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (20)

Sistema Excretor
Sistema ExcretorSistema Excretor
Sistema Excretor
 
Sistema urinario
Sistema urinarioSistema urinario
Sistema urinario
 
Sistema excretor (1)
Sistema excretor (1)Sistema excretor (1)
Sistema excretor (1)
 
Sistema excretor
Sistema excretorSistema excretor
Sistema excretor
 
Excreção
ExcreçãoExcreção
Excreção
 
Sistema excretor novo
Sistema excretor   novoSistema excretor   novo
Sistema excretor novo
 
Sistema Excretor
Sistema ExcretorSistema Excretor
Sistema Excretor
 
Sistema Excretor
Sistema ExcretorSistema Excretor
Sistema Excretor
 
Sistema excretor
Sistema excretorSistema excretor
Sistema excretor
 
Sistema excretor e osmorregulador
Sistema excretor e osmorreguladorSistema excretor e osmorregulador
Sistema excretor e osmorregulador
 
Unidade 7 sistema-excretor-
Unidade 7   sistema-excretor-Unidade 7   sistema-excretor-
Unidade 7 sistema-excretor-
 
Sistema Excretor 8º ano
Sistema Excretor 8º anoSistema Excretor 8º ano
Sistema Excretor 8º ano
 
Sistema excretor e osmorregulador
Sistema excretor e osmorreguladorSistema excretor e osmorregulador
Sistema excretor e osmorregulador
 
Sistema Excretor
Sistema ExcretorSistema Excretor
Sistema Excretor
 
Morfologia do sistema excretor
Morfologia do sistema excretorMorfologia do sistema excretor
Morfologia do sistema excretor
 
Sistema Excretor
Sistema ExcretorSistema Excretor
Sistema Excretor
 
Sistema Excretor (Urinário) Humano
Sistema Excretor (Urinário) HumanoSistema Excretor (Urinário) Humano
Sistema Excretor (Urinário) Humano
 
Sistema excretor
Sistema excretorSistema excretor
Sistema excretor
 
Sistema Excretor e Urinário
Sistema Excretor e UrinárioSistema Excretor e Urinário
Sistema Excretor e Urinário
 
Sistema urinário - Anatomia humana
Sistema urinário - Anatomia humanaSistema urinário - Anatomia humana
Sistema urinário - Anatomia humana
 

Semelhante a Sistema excretor e os rins

Anatomia e fisiologia do sistema urinario
Anatomia e fisiologia do sistema urinarioAnatomia e fisiologia do sistema urinario
Anatomia e fisiologia do sistema urinario120120120120120120
 
Sistema urinário_Lidiane
Sistema urinário_LidianeSistema urinário_Lidiane
Sistema urinário_LidianeMarcia Regina
 
O sistema urinário
O sistema urinárioO sistema urinário
O sistema urinárioLena Almeida
 
Aula 13 sistema urinário - anatomia e fisiologia
Aula 13   sistema urinário - anatomia e fisiologiaAula 13   sistema urinário - anatomia e fisiologia
Aula 13 sistema urinário - anatomia e fisiologiaHamilton Nobrega
 
TRABALHO.APARELHO.URINARIO.Resumido.pptx
TRABALHO.APARELHO.URINARIO.Resumido.pptxTRABALHO.APARELHO.URINARIO.Resumido.pptx
TRABALHO.APARELHO.URINARIO.Resumido.pptxAlberto205764
 
6ª aula sistema urinário
6ª aula sistema urinário6ª aula sistema urinário
6ª aula sistema urinárioSimone Alvarenga
 
Fisiologia renal detalhada
Fisiologia renal detalhadaFisiologia renal detalhada
Fisiologia renal detalhadaThalyan Oliveira
 
Slide com aula do Sistema Urinário / anatomia
Slide com aula do Sistema Urinário / anatomiaSlide com aula do Sistema Urinário / anatomia
Slide com aula do Sistema Urinário / anatomiaTanielLopesdaSilva1
 
Anatomia_SU_SI_ Anatomia-Anatomia_SU_SI_ Anatomia
Anatomia_SU_SI_ Anatomia-Anatomia_SU_SI_ AnatomiaAnatomia_SU_SI_ Anatomia-Anatomia_SU_SI_ Anatomia
Anatomia_SU_SI_ Anatomia-Anatomia_SU_SI_ AnatomiaFranciscaalineBrito
 
Anatomia_SU_SI_Priscilla.pdf
Anatomia_SU_SI_Priscilla.pdfAnatomia_SU_SI_Priscilla.pdf
Anatomia_SU_SI_Priscilla.pdfniltonlialunga
 
SISTEMA URINÁRIO.pptx anatomia e fisiologia
SISTEMA URINÁRIO.pptx anatomia e fisiologiaSISTEMA URINÁRIO.pptx anatomia e fisiologia
SISTEMA URINÁRIO.pptx anatomia e fisiologiaADELANEROCHA3
 
Aula 18 sistema excretor
Aula 18   sistema excretorAula 18   sistema excretor
Aula 18 sistema excretorJonatas Carlos
 
8ano_sistema_excretor_humano.pdf
8ano_sistema_excretor_humano.pdf8ano_sistema_excretor_humano.pdf
8ano_sistema_excretor_humano.pdfreginalima840842
 
SISTEMA URINARIO (1) 3.pptx
SISTEMA URINARIO (1) 3.pptxSISTEMA URINARIO (1) 3.pptx
SISTEMA URINARIO (1) 3.pptxFABIANOVALE5
 

Semelhante a Sistema excretor e os rins (20)

2016 Frente 2 módulo 10 excreção humana
2016 Frente 2 módulo 10 excreção humana2016 Frente 2 módulo 10 excreção humana
2016 Frente 2 módulo 10 excreção humana
 
Anatomia e fisiologia do sistema urinario
Anatomia e fisiologia do sistema urinarioAnatomia e fisiologia do sistema urinario
Anatomia e fisiologia do sistema urinario
 
O sistema urinário
O sistema urinárioO sistema urinário
O sistema urinário
 
Sistema urinário_Lidiane
Sistema urinário_LidianeSistema urinário_Lidiane
Sistema urinário_Lidiane
 
O sistema urinário
O sistema urinárioO sistema urinário
O sistema urinário
 
Aula 13 sistema urinário - anatomia e fisiologia
Aula 13   sistema urinário - anatomia e fisiologiaAula 13   sistema urinário - anatomia e fisiologia
Aula 13 sistema urinário - anatomia e fisiologia
 
TRABALHO.APARELHO.URINARIO.Resumido.pptx
TRABALHO.APARELHO.URINARIO.Resumido.pptxTRABALHO.APARELHO.URINARIO.Resumido.pptx
TRABALHO.APARELHO.URINARIO.Resumido.pptx
 
Sistema Urinário
Sistema UrinárioSistema Urinário
Sistema Urinário
 
Sistema urinário
Sistema urinárioSistema urinário
Sistema urinário
 
6ª aula sistema urinário
6ª aula sistema urinário6ª aula sistema urinário
6ª aula sistema urinário
 
Fisiologia renal detalhada
Fisiologia renal detalhadaFisiologia renal detalhada
Fisiologia renal detalhada
 
Slide com aula do Sistema Urinário / anatomia
Slide com aula do Sistema Urinário / anatomiaSlide com aula do Sistema Urinário / anatomia
Slide com aula do Sistema Urinário / anatomia
 
Anatomia_SU_SI_ Anatomia-Anatomia_SU_SI_ Anatomia
Anatomia_SU_SI_ Anatomia-Anatomia_SU_SI_ AnatomiaAnatomia_SU_SI_ Anatomia-Anatomia_SU_SI_ Anatomia
Anatomia_SU_SI_ Anatomia-Anatomia_SU_SI_ Anatomia
 
Anatomia_SU_SI_Priscilla.pdf
Anatomia_SU_SI_Priscilla.pdfAnatomia_SU_SI_Priscilla.pdf
Anatomia_SU_SI_Priscilla.pdf
 
SISTEMA URINÁRIO.pptx anatomia e fisiologia
SISTEMA URINÁRIO.pptx anatomia e fisiologiaSISTEMA URINÁRIO.pptx anatomia e fisiologia
SISTEMA URINÁRIO.pptx anatomia e fisiologia
 
SISTEMA URINÁRIO.pptx
SISTEMA URINÁRIO.pptxSISTEMA URINÁRIO.pptx
SISTEMA URINÁRIO.pptx
 
Aula 18 sistema excretor
Aula 18   sistema excretorAula 18   sistema excretor
Aula 18 sistema excretor
 
SISTEMA URINÁRIO.ppt
SISTEMA URINÁRIO.pptSISTEMA URINÁRIO.ppt
SISTEMA URINÁRIO.ppt
 
8ano_sistema_excretor_humano.pdf
8ano_sistema_excretor_humano.pdf8ano_sistema_excretor_humano.pdf
8ano_sistema_excretor_humano.pdf
 
SISTEMA URINARIO (1) 3.pptx
SISTEMA URINARIO (1) 3.pptxSISTEMA URINARIO (1) 3.pptx
SISTEMA URINARIO (1) 3.pptx
 

Último

O mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdf
O mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdfO mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdf
O mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdfNelmo Pinto
 
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdfSistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdfGustavoWallaceAlvesd
 
Primeiros Socorros - Sinais vitais e Anatomia
Primeiros Socorros - Sinais vitais e AnatomiaPrimeiros Socorros - Sinais vitais e Anatomia
Primeiros Socorros - Sinais vitais e AnatomiaCristianodaRosa5
 
AULA DE ERROS radiologia odontologia.ppsx
AULA DE ERROS radiologia odontologia.ppsxAULA DE ERROS radiologia odontologia.ppsx
AULA DE ERROS radiologia odontologia.ppsxLeonardoSauro1
 
INTRODUÇÃO A DTM/DOF-DRLucasValente.pptx
INTRODUÇÃO A DTM/DOF-DRLucasValente.pptxINTRODUÇÃO A DTM/DOF-DRLucasValente.pptx
INTRODUÇÃO A DTM/DOF-DRLucasValente.pptxssuser4ba5b7
 
Enhanced recovery after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery  after surgery in neurosurgeryEnhanced recovery  after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery after surgery in neurosurgeryCarlos D A Bersot
 
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICASAULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICASArtthurPereira2
 
Prurigo. Dermatologia. Patologia UEM17B2.pdf
Prurigo. Dermatologia. Patologia UEM17B2.pdfPrurigo. Dermatologia. Patologia UEM17B2.pdf
Prurigo. Dermatologia. Patologia UEM17B2.pdfAlberto205764
 

Último (9)

O mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdf
O mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdfO mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdf
O mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdf
 
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdfSistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdf
 
Primeiros Socorros - Sinais vitais e Anatomia
Primeiros Socorros - Sinais vitais e AnatomiaPrimeiros Socorros - Sinais vitais e Anatomia
Primeiros Socorros - Sinais vitais e Anatomia
 
AULA DE ERROS radiologia odontologia.ppsx
AULA DE ERROS radiologia odontologia.ppsxAULA DE ERROS radiologia odontologia.ppsx
AULA DE ERROS radiologia odontologia.ppsx
 
INTRODUÇÃO A DTM/DOF-DRLucasValente.pptx
INTRODUÇÃO A DTM/DOF-DRLucasValente.pptxINTRODUÇÃO A DTM/DOF-DRLucasValente.pptx
INTRODUÇÃO A DTM/DOF-DRLucasValente.pptx
 
Aplicativo aleitamento: apoio na palma das mãos
Aplicativo aleitamento: apoio na palma das mãosAplicativo aleitamento: apoio na palma das mãos
Aplicativo aleitamento: apoio na palma das mãos
 
Enhanced recovery after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery  after surgery in neurosurgeryEnhanced recovery  after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery after surgery in neurosurgery
 
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICASAULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
 
Prurigo. Dermatologia. Patologia UEM17B2.pdf
Prurigo. Dermatologia. Patologia UEM17B2.pdfPrurigo. Dermatologia. Patologia UEM17B2.pdf
Prurigo. Dermatologia. Patologia UEM17B2.pdf
 

Sistema excretor e os rins

  • 2. Importância: • O sistema excretor tem papel fundamental na manutenção da estabilidade dos fluídos corporais, pois elimina certas substâncias indesejadas ( amônia, uréia ácido úrico) ao organismo e retém aquelas que ainda possam ser aproveitadas (água, sais). • O sistema excretor também é responsável pela osmorregulação, manutenção da concentração salina no sangue e outros fluídos corporais.
  • 3.
  • 4. Pressão osmótica: • Osmose é a passagem de solventes de um meio menos concentrado ou hipotônico, para um meio mais concentrado ou hipertônico. Com esse deslocamento de líquidos tente a ocorrer um equilíbrio entre as concentrações.
  • 5.
  • 6.
  • 7.
  • 8. Mecanismos excretores: • Vacúolo contrátil: ocorre em organismos unicelulares para eliminação do excesso de água que entra na célula.
  • 9. • Difusão simples: organismos pluricelulares primitivos excretam água e substâncias residuais (transporte ativo) através de toda a superfície do corpo. Ex: celenterados e esponjas. • Células-flama: conjunto de células especiais ligadas a uma série de tubos ramificados, que se abrem para o exterior por meio de poros. Possuem flagelos. Principal função é remover o excesso de água. Ex: planárias, vermes de água doce.
  • 10.
  • 11. • Nefrídios: sistema excretor especial, consiste em um par de túbulos (metanefrídios) em cada segmento do corpo. Na extremidade mais interna, cada nefrídio se abre diretamente na cavidade do corpo por meio de um funil ciliado, o nefróstoma. Na extremidade externa, o nefrídio termina num nefridióporo. Cada nefrídio é envolvido por uma rede de capilar, que absorve parte do líquido recolhido pelo nefróstoma.
  • 12.
  • 13. • Túbulos de Malpighi: túbulos mergulhados na cavidade do corpo e se abrem na parte final do tubo digestivo. Retiram do líquido circulante na cavidade do corpo, os produtos de excreção que são eliminados através do intestino.
  • 14.
  • 15. Excreção nos vertebrados: • Dá-se através de um sistema excretor formado pelos rins, o qual contém um duto coletor (ureter), que nos anfíbios, aves e répteis desemboca na cloaca. Na maioria dos mamíferos os ureteres desembocam diretamente à bexiga, do qual parte a uretra, tubo que se abre para o exterior.
  • 16.
  • 17. Funcionamento dos rins nos mamíferos: • Cada rim contém cerca de um milhão de unidades filtradoras, chamadas néfrons. Esses são constituídos de um fino túbulo excretor que se origina numa estrutura chamada de cápsula de Bowman que envolve um novelo capilar chamado glomérulo. Cada túbulo termina em ductos coletores que desembocam numa cavidade do rim, daí para o ureter.
  • 18. • Cada rim recebe sangue da aorta pela artéria renal que se ramifica em milhares de arteríolas, que vão formar os glomérulos e os capilares que envolvem os túbulos dos néfrons. Os capilares se reúnem em vênulas, que se juntam na veia renal, e saem do rim. • O sangue que entra no glomérulo está sob alta pressão, que força a água e pequenas moléculas do plasma sangüíneo para dentro da cápsula de Browman. Nesse filtrado glomerular não passam as células do sangue.
  • 19.
  • 20. • O processo de reabsorção inicia-se no túbulo proximal onde 70% da água é reabsorvida (passiva) e praticamente toda glicose (ativa – possuem mitocôndrias). • Alça de Henle: 20% da água é reabsorvida, de forma ativa reabsorve-se Na+ , Cl- , k+ , Mg2+ , Ca2+ e HCO3- . • Túbulo distal: reabsorve NaCl e 7% da água. A permeabilidade desse túbulo está associado à concentração de ADH, hormônio (produzido no hipotálamo) que atua sobre os túbulos distais e sobre os túbulos coletores, aumentando a permeabilidade à água quando aumenta a concentração do plasma.
  • 21. • Dutos coletores: onde termina o processamento da urina. Essa vai para os ureteres que a levam até a bexiga, um órgão de parede elástica e musculatura lisa que acumula a urina produzida nos rins. Daí a urina vai para a uretra , de onde é eliminada do corpo. Entre a bexiga e a uretra há um anel muscular denominado esfíncter uretral. Para que se possa urinar é necessário contrair a bexiga e relaxar o esfíncter.
  • 22. • A concentração osmótica dos fluídos corporais dos peixes ósseos marinhos é bem inferior àquela do ambiente. Esses animais são, portanto, reguladores hiposmóticos. Quais problemas osmóticos e iônicos que esses animais enfrentam? Como eles resolvem esses problemas?
  • 23. • 05. (UNICAMP) O controle do volume de líquido circulante em mamíferos é feito através dos rins, que ou eliminam o excesso de água ou reduzem a quantidade de urina produzida quando há deficiência de água. Além disso, os rins são responsáveis também pela excreção de vários metabólitos e íons. a) Qual é o hormônio responsável pelo controle do volume hídrico do organismo? Onde ele é produzido? b) Qual o mecanismo de ação desse hormônio? c) Qual é o principal metabólito excretado pelos rins? De que substâncias esse metabólito se origina?