SlideShare uma empresa Scribd logo
CRIAÇÃO
FORMAÇÃO DOS MUNDOS Entende-se por Universo os astros e os mundos visíveis ou não, que se movem no espaço e tudo o que eles contém: seres animados e inanimados, assim como os espaços e os fluidos que os cercam.  Conceber-se que o Universo tenha sido obra do acaso, é o mesmo que aceitar o relógio sem o relojoeiro. Obviamente o Universo não pode ter gerado a si mesmo. Se assim fosse, confundir-se-ia com o próprio Deus. Por outro lado, se existisse por toda a eternidade sem ter sido criado, não poderia ser obra de Deus e também confundir-se-ia com Ele. Não resta outra opção de bom senso, senão a de que o Universo é obra de Deus.
Ninho gerador de toda massa incomensurável, o Fluido Universal era energia a princípio difusa, que após concentrar-se, foi-se fragmentando aos poucos em miríades de núcleos menores a agigantar-se e expandir-se em nuvens de partículas, que através dos milênios foram se transformando progressivamente em matéria, processo esse que se mantém até nossos dias a revelar a grandeza de Deus.  A condensação dessa matéria espalhada no espaço infinito é que pontilhou-o de sóis, mundos, estrelas, astros, asteróides e cometas, com infinita variedade de massas, luminosidade e propriedades.  As forças de atração entre os corpos celestes mantém o equilíbrio de modo à posição de cada um deles permanecer estável em relação aos demais.
Os cometas em suas órbitas aparentemente conflitantes com a clássica disciplina cósmica, são um começo de condensação da matéria, mundos em via de formação.  Cada corpo celeste tem a sua parte de influência, mas ela é restrita a certos aspectos físicos de equilíbrio de forças, como a Lua, por exemplo, que funciona como âncora da Terra.  Mundos já completamente formados desaparecem, desintegram-se e sua matéria espalha-se novamente no espaço: Deus renova os mundos como renova os seres vivos ( LE, perg.41)
FORMAÇÃO DOS SERES VIVOS No começo tudo era o caos; temperatura elevadíssima mantinha fundidos os elementos de sua constituição.  As substâncias que hoje são líquidas eram gasosas enquanto que os sólidos eram líquidos.  Só pouco a pouco tudo foi se acomodando até organizar-se o clima adequado ao aparecimento dos seres vivos. Os germens responsáveis pela formação dos seres vivos estavam contidos na Terra em estado latente, aguardando o momento favorável para seu desenvolvimento
Os elementos orgânicos, antes da formação da Terra, estavam no espaço em estado fluídico, entre os Espíritos ou em outros planetas, aguardando a maturação do novo mundo para iniciarem uma nova existência em um novo mundo.  Nos momentos propícios à eclosão, foram surgindo sucessivamente cada uma das espécies. Os seres de cada linhagem, por sua vez, foram se reunindo pela lei de afinidade e se multiplicaram. Os homens já não se enquadram mais entre as espécies que se formaram espontaneamente como na sua origem, mas pode-se dizer que uma vez dispersos sobre a Terra, absorveram em si mesmos os elementos necessários à sua formação, para transmiti-los segundo as leis da reprodução.  O mesmo aconteceu com as demais espécies de seres vivos ( LE, perg,49)
POVOAMENTO DA TERRA - ADÃO O Espiritismo nos ensina que a espécie humana não começou por um único homem e que aquele a quem chamamos Adão não foi o primeiro nem o único a povoar a Terra.  Kardec indagou aos Espíritos Superiores:  “ Em que época viveu Adão?”  Eles responderam:  “ Mais ou menos na que lhe assinais: cerca de 4.000 anos antes do Cristo.  ” (L.E., item 51).  ”
De fato, a narrativa contida no cap. 4 do  Gênesis  nos leva ao mesmo entendimento, porque somente no período neolítico – entre os anos 5.000 a.C. e 2.500 a.C. – é que surgiu na Terra o pastoreio, seguido do cultivo da terra, e o homem passou de caçador a pastor.  Ora, Caim cultivava o solo e seu irmão Abel era pastor, o que prova que a data indicada pelos Espíritos a respeito da época em que viveu Adão é perfeitamente compatível com os registros históricos.  Como o povoamento da Terra se iniciou em épocas bem mais recuadas, é evidente que não descendemos dos pais de Abel e Caim, mas de outros ancestrais que teriam vivido muito antes. 
Mais adiantada do que as que a tinham precedido neste planeta, a raça adâmica foi, com efeito, a mais inteligente e a que impeliu ao progresso todas as outras.  O  Gênesis  no-la mostra, desde os seus primórdios, industriosa, apta às artes e às ciências, o que mostra que ela não passou na Terra pela infância espiritual, diferentemente do que ocorreu com os demais povos que habitavam, então, o planeta.  Emmanuel, em seu livro  A Caminho da Luz , nos dá informações valiosas a respeito da chamada raça adâmica, assunto que foi tratado igualmente por Kardec em  A Gênese .
No livro a Genese, o Codificador, depois de aludir à questão das emigrações e imigrações coletivas de Espíritos de um mundo para outro, faz clara referência à raça adâmica no cap. XI, item 38:  “ De acordo com o ensino dos Espíritos, foi uma dessas grandes imigrações, ou se quiserem, uma dessas  Colônias de Espíritos , vinda de outra esfera, que deu origem à raça simbolizada na pessoa de Adão e, por essa razão mesma, chamada  raça adâmica . Quando ela aqui chegou, a Terra já estava povoada desde tempos imemoriais, como a América, quando aí chegaram os europeus”.  
DIVERSIDADE DAS RAÇAS HUMANAS "As diferenças físicas e morais que distinguem as raças humanas na Terra provem: do clima, da vida e dos costumes. Dá-se ai o que se da' com dois filhos de uma mesma mãe que educados longe um do outro e de modos diferentes, em nada se assemelharão, quanto 'a moral.“ "O homem surgiu em muitos pontos do globo e em épocas varias, que também constitui uma das causas da diversidade das raças. Depois, raças humanas dispersando-se os homens por climas diversos e aliando-se os de uma aos de outras raças, novos tipos formaram.“ "Pelo fato de não proceder de um só individuo a espécie humana, os homens não podem deixar de se considerarem irmãos, porque todos são irmãos em Deus, porque são animados pelo Espírito e tendem para o mesmo fim.“
PLURIDADE DOS MUNDOS HABITADOS Há na Terra homens que ainda imaginam que somente este pequenino planeta tem o privilégio de ser habitado por seres racionais.  Muitos até pensam que os astros brilham no céu para alegrar seus olhos. Não se pode pôr em dúvida a sabedoria de Deus, que não concebe inutilidades e, certamente criou - e povoou com seres vivos - uma pluralidade de mundos com uma destinação bem mais séria do que a recreação dos homens. Para se ter uma idéia da imensidão e infinitude do Universo, basta dizer que entre tantos bilhões de galáxias, a mais próxima da nossa, considerada irmã gêmea, a galáxia de Andrômeda, dista cerca de 2,2 milhões de anos-luz.
Seria então absurdo supor-se que, entre tantos bilhões de galáxias, cada uma delas contendo bilhões de estrelas, em torno das quais hão de girar outros tantos planetas, somente a Terra gozasse o privilégio da vida. O Livro dos Espíritos, questões 55 a 58, resume bem as características dos diversos mundos: a) eles absolutamente não se assemelham; variam não só entre os diferentes tipos de corpos celestes, como também variam a sua constituição física. Entre os próprios planetas do Sistema Solar existem diferenças: uns são mais densos ( Mercúrio, Vênus, Terra) e outros menos densos e até mesmo fluídicos (Júpiter, Saturno, Urano e Netuno);
b) não sendo uma só para todos a constituição física dos Mundos, segue-se terem organizações diferentes os seres que os habitam, apropriadas ao meio onde vivem, do mesmo modo que os peixes são feitos para viver na água e os pássaros, no ar. c) os mundos mais distantes do Sol possuem fontes de luz diferentes de luz e calor.   Os Espíritos afirmam e a razão endossa a idéia de que os diferentes mundos que circulam no espaço endossa a idéia de que os diferentes mundos que circulam no espaço são habitados, a exemplo do que ocorre na Terra.
As condições de existência dos seres nos diferentes mundos devem ser apropriados ao meio em que têm de viver.  Se nunca tivéssemos visto peixes, não compreenderíamos como alguns seres pudessem viver na água.  O mesmo acontece com outros mundos, que sem dúvida contém elementos para nós desconhecidos. (...)  Esses mundos podem conter em si mesmos as fontes de luz e calor necessários aos seus habitantes (LE, perg.58).
HÁ MUITAS MORADAS NA CASA DO PAI “ Credes em Deus, crede também em mim. Há muitas moradas na Casa de meu Pai; se assim não fora, eu vo-lo teria dito” (João 14:1-2). Na obra de Deus reina a perfeição. Nela tudo é útil e harmonioso.  O Universo infinito é algo sublimado e transcendental, que jamais poderá ser descrito pela linguagem humana.  Já se eclipsou na voragem do tempo, a época em que se supunha se a Terra o centro do Universo.
A teoria geocêntrica foi suplantada pela heliocêntrica e, após Galileu, as teologias terrenas tiveram que rever seus dogmas e seus conceitos. Jesus Cristo definiu esses mundos como sendo outras tantas moradas para o Espírito em sua escalada evolutiva rumo à perfeição.  A casa do Pai é o Universo todo, e as diferentes moradas são os mundos que circulam no espaço infinito, oferecendo aos Espíritos estações apropriadas ao cumprimento de um prolongado processo evolutivo. Os diversos mundos possuem condições muito diferentes uns dos outros, no tocante ao grau de adiantamento ou de inferioridade dos seus habitantes, pois nem todos desfrutam do mesmo grau de progresso.
Existem mundo inferiores à Terra, tanto física como moralmente, outros estão no mesmo nível e outros lhe são mais, ou menos, superiores em todos os aspectos.  Os Espíritos, ao longo do seu processo evolutivo, habitam as diferentes moradas da Casa do Pai, tendo como ponto inicial o estado de simplicidade e ignorância; caminham através de uma escala bastante prolongada, possuindo como meta a angelitude.  Nos mundos que já atingiram um grau superior de evolução, as condições da vida moral são muito diferentes daquelas que se verificam na Terra.
O corpo nada tem da materialidade terrena e não está, por isso mesmo, sujeito às necessidades, às enfermidades e às deteriorações oriundas da prevalência da matéria.  A menor densidade específica torna mais fácil a locomoção.  A Doutrina Espírita propicia aos homens uma visão bem mais clara e ampla do Universo, fazendo com que eles descortinem novos horizontes, animando-os da certeza da imortalidade da alma e do futuro radiante e grandioso que os aguarda.  Embora seja tarefa sumamente difícil fazer uma classificação absoluta dos mundos, os Espíritos estabeleceram uma escala com cinco categorias distintas:
1 - Mundo primitivo: onde se verificam as primeiras encarnações da alma humana. 2 - Mundo de expiação e prova: onde o mal predomina. 3 - Mundo de regeneração: onde as almas que ainda têm algo a expiar adquirem novas forças, repousando das fadigas da luta. 4 - Mundos felizes: onde o bem predomina sobre o mal. 5 - Mundos divinos ou celestes: onde moram os Espíritos purificados e o bem reina plenamente.
A Terra está situada na faixa dos mundos de expiações e de provas, nela ainda predominam o mal; entretanto, afirmam os Espíritos Benfeitores que, futuramente, ela ascenderá à categoria de mundo de regeneração. Espíritos que habitam os mundos mais adiantados podem reencarnar na Terra para o desempenho de determinadas missões.  Os apóstolos de Jesus, sem sombra de dúvida, eram Espíritos de elevada hierarquia, que aqui vieram com a missão grandiosa de acompanhar o Mestre no seu sublime messiado.  Espíritos elevados que eram, encarnaram num mundo denso, onde predominava a maldade; eles sentiram-se deslocados e por isso, Jesus lhes disse:
“ Não se turbe o vosso coração, credes em Deus, crede também em mim” acrescentando logo a seguir:  “ Há muitas moradas na Casa de meu Pai, se assim não fosse eu vos teria dito” (João, 14: 1-2)
Como que pressentindo que aqueles homens se sentiriam desprotegidos e desamparados após a sua partida para as regiões celestiais, o Mestre lhes acenou com a afirmativa de que: Ele iria na frente para lhes preparar o lugar. Isso, naturalmente, para lhes mostrar que, dada a elevação de seus Espíritos, eles não eram deste mundo e a eles estavam reservadas moradas nas regiões mais sublimes.  Este ensinamento de Jesus não era exclusivamente destinado aos apóstolos, mas extensível a todas as criaturas humanas.
BIBLIOGRAFIA Livro dos Espíritos Evangelho Segundo Espiritismo. Gênese.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

2.1.1 origem e natureza dos espiritos
2.1.1   origem e natureza dos espiritos2.1.1   origem e natureza dos espiritos
2.1.1 origem e natureza dos espiritos
Marta Gomes
 
Fluido Cósmico Universal
Fluido Cósmico UniversalFluido Cósmico Universal
Fluido Cósmico Universal
Marcos Bueno Sander
 
Espírito E Matéria
Espírito E MatériaEspírito E Matéria
Espírito E Matéria
Grupo Espírita Cristão
 
D 7 Pluralidade dos Mundos Habitados
D 7 Pluralidade dos Mundos HabitadosD 7 Pluralidade dos Mundos Habitados
D 7 Pluralidade dos Mundos Habitados
JPS Junior
 
Provas da existência deus
Provas da existência deusProvas da existência deus
Provas da existência deus
Denise Aguiar
 
Estranha moral ESE Cap XXIII
Estranha moral ESE Cap XXIIIEstranha moral ESE Cap XXIII
Estranha moral ESE Cap XXIII
grupodepaisceb
 
Fase2 aula 13 slides
Fase2 aula 13 slidesFase2 aula 13 slides
Fase2 aula 13 slides
Iara Paiva
 
Pluralidade Dos Mundos Habitados
Pluralidade Dos Mundos HabitadosPluralidade Dos Mundos Habitados
Pluralidade Dos Mundos Habitados
Fórum Espírita
 
Escândalos
EscândalosEscândalos
Escândalos
igmateus
 
Elementos gerais do universo
Elementos gerais do universoElementos gerais do universo
Elementos gerais do universo
KATIA MARIA FARAH V DA SILVA
 
Roteiro 4 os reinos da natureza
Roteiro 4   os reinos da naturezaRoteiro 4   os reinos da natureza
Roteiro 4 os reinos da natureza
Bruno Cechinel Filho
 
Espiritismo E CiêNcia
Espiritismo E CiêNciaEspiritismo E CiêNcia
Espiritismo E CiêNcia
Bruna Dalmagro
 
Da encarnação dos espíritos
Da encarnação dos espíritosDa encarnação dos espíritos
Da encarnação dos espíritos
Marcos Antônio Alves
 
Muitas Moradas
Muitas MoradasMuitas Moradas
Mundos Inferiores
Mundos InferioresMundos Inferiores
Mundos Inferiores
Antonino Silva
 
Rot 2 mod 4 fund 1
Rot 2 mod 4 fund 1Rot 2 mod 4 fund 1
Rot 2 mod 4 fund 1
Shantappa Jewur
 
Elementos Gerais do Universo
Elementos Gerais do UniversoElementos Gerais do Universo
Elementos Gerais do Universo
Ceile Maria Bernardo
 
O Corpo Fluídico de Jesus
O Corpo Fluídico de JesusO Corpo Fluídico de Jesus
O Corpo Fluídico de Jesus
hamletcrs
 
Roteiro 2 elementos gerais do universo - matéria e espírito
Roteiro 2   elementos gerais do universo - matéria e espíritoRoteiro 2   elementos gerais do universo - matéria e espírito
Roteiro 2 elementos gerais do universo - matéria e espírito
Bruno Cechinel Filho
 
INFLUENCIA DOS ESPIRITOS EM NOSSAS VIDAS
INFLUENCIA DOS ESPIRITOS EM NOSSAS VIDASINFLUENCIA DOS ESPIRITOS EM NOSSAS VIDAS
INFLUENCIA DOS ESPIRITOS EM NOSSAS VIDAS
Rodrigo Leite
 

Mais procurados (20)

2.1.1 origem e natureza dos espiritos
2.1.1   origem e natureza dos espiritos2.1.1   origem e natureza dos espiritos
2.1.1 origem e natureza dos espiritos
 
Fluido Cósmico Universal
Fluido Cósmico UniversalFluido Cósmico Universal
Fluido Cósmico Universal
 
Espírito E Matéria
Espírito E MatériaEspírito E Matéria
Espírito E Matéria
 
D 7 Pluralidade dos Mundos Habitados
D 7 Pluralidade dos Mundos HabitadosD 7 Pluralidade dos Mundos Habitados
D 7 Pluralidade dos Mundos Habitados
 
Provas da existência deus
Provas da existência deusProvas da existência deus
Provas da existência deus
 
Estranha moral ESE Cap XXIII
Estranha moral ESE Cap XXIIIEstranha moral ESE Cap XXIII
Estranha moral ESE Cap XXIII
 
Fase2 aula 13 slides
Fase2 aula 13 slidesFase2 aula 13 slides
Fase2 aula 13 slides
 
Pluralidade Dos Mundos Habitados
Pluralidade Dos Mundos HabitadosPluralidade Dos Mundos Habitados
Pluralidade Dos Mundos Habitados
 
Escândalos
EscândalosEscândalos
Escândalos
 
Elementos gerais do universo
Elementos gerais do universoElementos gerais do universo
Elementos gerais do universo
 
Roteiro 4 os reinos da natureza
Roteiro 4   os reinos da naturezaRoteiro 4   os reinos da natureza
Roteiro 4 os reinos da natureza
 
Espiritismo E CiêNcia
Espiritismo E CiêNciaEspiritismo E CiêNcia
Espiritismo E CiêNcia
 
Da encarnação dos espíritos
Da encarnação dos espíritosDa encarnação dos espíritos
Da encarnação dos espíritos
 
Muitas Moradas
Muitas MoradasMuitas Moradas
Muitas Moradas
 
Mundos Inferiores
Mundos InferioresMundos Inferiores
Mundos Inferiores
 
Rot 2 mod 4 fund 1
Rot 2 mod 4 fund 1Rot 2 mod 4 fund 1
Rot 2 mod 4 fund 1
 
Elementos Gerais do Universo
Elementos Gerais do UniversoElementos Gerais do Universo
Elementos Gerais do Universo
 
O Corpo Fluídico de Jesus
O Corpo Fluídico de JesusO Corpo Fluídico de Jesus
O Corpo Fluídico de Jesus
 
Roteiro 2 elementos gerais do universo - matéria e espírito
Roteiro 2   elementos gerais do universo - matéria e espíritoRoteiro 2   elementos gerais do universo - matéria e espírito
Roteiro 2 elementos gerais do universo - matéria e espírito
 
INFLUENCIA DOS ESPIRITOS EM NOSSAS VIDAS
INFLUENCIA DOS ESPIRITOS EM NOSSAS VIDASINFLUENCIA DOS ESPIRITOS EM NOSSAS VIDAS
INFLUENCIA DOS ESPIRITOS EM NOSSAS VIDAS
 

Destaque

Bilbia infantil a criação
Bilbia infantil   a criaçãoBilbia infantil   a criação
Bilbia infantil a criação
Silvana Campos
 
Origem do universo e a evolução humana
Origem do universo e a evolução humanaOrigem do universo e a evolução humana
Origem do universo e a evolução humana
Douglas Barraqui
 
Apresentação criação do mundo
Apresentação criação do mundoApresentação criação do mundo
Apresentação criação do mundo
Luciana Monteiro Dos Santos
 
Criação e evolução a luz do espiritismo!
Criação e evolução a luz do espiritismo!Criação e evolução a luz do espiritismo!
Criação e evolução a luz do espiritismo!
Leonardo Pereira
 
Formacao dos seres_vivos
Formacao dos seres_vivosFormacao dos seres_vivos
Formacao dos seres_vivos
Ana Cristina Freitas
 
A criação do universo e origem da vida no planeta terra
A criação do universo e origem da vida no planeta terraA criação do universo e origem da vida no planeta terra
A criação do universo e origem da vida no planeta terra
KATIA MARIA FARAH V DA SILVA
 
Vp baloes decorações
Vp baloes decoraçõesVp baloes decorações
Vp baloes decorações
Vanderli Pantolfi
 
O universo segundo a visão espírita
O universo segundo a visão espíritaO universo segundo a visão espírita
O universo segundo a visão espírita
Danilo Galvão
 
evolução e reencarnação
evolução e reencarnaçãoevolução e reencarnação
evolução e reencarnação
Associação Espirita Lagos
 

Destaque (10)

Bilbia infantil a criação
Bilbia infantil   a criaçãoBilbia infantil   a criação
Bilbia infantil a criação
 
Origem do universo e a evolução humana
Origem do universo e a evolução humanaOrigem do universo e a evolução humana
Origem do universo e a evolução humana
 
Apresentação criação do mundo
Apresentação criação do mundoApresentação criação do mundo
Apresentação criação do mundo
 
Criação e evolução a luz do espiritismo!
Criação e evolução a luz do espiritismo!Criação e evolução a luz do espiritismo!
Criação e evolução a luz do espiritismo!
 
Formacao dos seres_vivos
Formacao dos seres_vivosFormacao dos seres_vivos
Formacao dos seres_vivos
 
A criação do universo e origem da vida no planeta terra
A criação do universo e origem da vida no planeta terraA criação do universo e origem da vida no planeta terra
A criação do universo e origem da vida no planeta terra
 
Vp baloes decorações
Vp baloes decoraçõesVp baloes decorações
Vp baloes decorações
 
10 A CriaçãO
10 A CriaçãO10 A CriaçãO
10 A CriaçãO
 
O universo segundo a visão espírita
O universo segundo a visão espíritaO universo segundo a visão espírita
O universo segundo a visão espírita
 
evolução e reencarnação
evolução e reencarnaçãoevolução e reencarnação
evolução e reencarnação
 

Semelhante a Primeiro Módulo - Aula 4 - Criação

1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
Marta Gomes
 
Genese cap 11 parte 3 de 3 2018 Imig e Emig Anjos decaidos
Genese cap 11 parte 3 de 3   2018 Imig e Emig Anjos decaidosGenese cap 11 parte 3 de 3   2018 Imig e Emig Anjos decaidos
Genese cap 11 parte 3 de 3 2018 Imig e Emig Anjos decaidos
Fernando Pinto
 
Transição planetária
Transição planetáriaTransição planetária
Transição planetária
feetins
 
Ha muitas moradas na casa de meu pai
Ha muitas moradas na casa de meu paiHa muitas moradas na casa de meu pai
Ha muitas moradas na casa de meu pai
Henrique Vieira
 
Há muitas moradas na casa de meu pai moc. casimiro cunha - 27-06-15
Há muitas moradas na casa de meu pai   moc. casimiro cunha - 27-06-15Há muitas moradas na casa de meu pai   moc. casimiro cunha - 27-06-15
Há muitas moradas na casa de meu pai moc. casimiro cunha - 27-06-15
Vilmar Vilaça
 
Esboço do livro A Gênese - curso básico espiritismo - Escola Aprendizes do Ev...
Esboço do livro A Gênese - curso básico espiritismo - Escola Aprendizes do Ev...Esboço do livro A Gênese - curso básico espiritismo - Escola Aprendizes do Ev...
Esboço do livro A Gênese - curso básico espiritismo - Escola Aprendizes do Ev...
Denise Tofoli
 
Transição planetaria apresentação
Transição planetaria apresentaçãoTransição planetaria apresentação
Transição planetaria apresentação
carlos freire
 
AULA 6_Material complementar_ Escola de Mistérios.pdf
AULA 6_Material complementar_ Escola de Mistérios.pdfAULA 6_Material complementar_ Escola de Mistérios.pdf
AULA 6_Material complementar_ Escola de Mistérios.pdf
GarantiaCorujonda
 
Fund1Mod07Rot3e5-[2012]guto
Fund1Mod07Rot3e5-[2012]gutoFund1Mod07Rot3e5-[2012]guto
Fund1Mod07Rot3e5-[2012]guto
Guto Ovsky
 
EEI - Aula 4 as diversas raças e os diversos mundos
EEI - Aula 4   as diversas raças e os diversos mundosEEI - Aula 4   as diversas raças e os diversos mundos
EEI - Aula 4 as diversas raças e os diversos mundos
Fatoze
 
EAE 2 a criação
EAE 2 a criaçãoEAE 2 a criação
EAE 2 a criação
Roseli Lemes
 
A genese cap. xi
A genese cap. xiA genese cap. xi
A genese cap. xi
Dalila Melo
 
Pluralidade de mundos habitados
Pluralidade de mundos habitadosPluralidade de mundos habitados
Pluralidade de mundos habitados
Ponte de Luz ASEC
 
ha-muitas-moradas-na-casa-do-pai.ppt
ha-muitas-moradas-na-casa-do-pai.pptha-muitas-moradas-na-casa-do-pai.ppt
ha-muitas-moradas-na-casa-do-pai.ppt
msdbiasi
 
Livro dos Espiritos questao 188 Evangelho XIII - 14
Livro dos Espiritos questao 188 Evangelho XIII - 14Livro dos Espiritos questao 188 Evangelho XIII - 14
Livro dos Espiritos questao 188 Evangelho XIII - 14
Patricia Farias
 
Cosmovisão
CosmovisãoCosmovisão
Cosmovisão
Falec
 
Consciência Cósmica
Consciência CósmicaConsciência Cósmica
Consciência Cósmica
Targon Darshan
 
Cosmovisao Espírita
Cosmovisao EspíritaCosmovisao Espírita
Cosmovisao Espírita
Falec
 
Há Muitas Moradas Na Casa Do Pai
Há Muitas Moradas Na Casa Do PaiHá Muitas Moradas Na Casa Do Pai
Há Muitas Moradas Na Casa Do Pai
Sergio Menezes
 
Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade
Leonardo Pereira
 

Semelhante a Primeiro Módulo - Aula 4 - Criação (20)

1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
 
Genese cap 11 parte 3 de 3 2018 Imig e Emig Anjos decaidos
Genese cap 11 parte 3 de 3   2018 Imig e Emig Anjos decaidosGenese cap 11 parte 3 de 3   2018 Imig e Emig Anjos decaidos
Genese cap 11 parte 3 de 3 2018 Imig e Emig Anjos decaidos
 
Transição planetária
Transição planetáriaTransição planetária
Transição planetária
 
Ha muitas moradas na casa de meu pai
Ha muitas moradas na casa de meu paiHa muitas moradas na casa de meu pai
Ha muitas moradas na casa de meu pai
 
Há muitas moradas na casa de meu pai moc. casimiro cunha - 27-06-15
Há muitas moradas na casa de meu pai   moc. casimiro cunha - 27-06-15Há muitas moradas na casa de meu pai   moc. casimiro cunha - 27-06-15
Há muitas moradas na casa de meu pai moc. casimiro cunha - 27-06-15
 
Esboço do livro A Gênese - curso básico espiritismo - Escola Aprendizes do Ev...
Esboço do livro A Gênese - curso básico espiritismo - Escola Aprendizes do Ev...Esboço do livro A Gênese - curso básico espiritismo - Escola Aprendizes do Ev...
Esboço do livro A Gênese - curso básico espiritismo - Escola Aprendizes do Ev...
 
Transição planetaria apresentação
Transição planetaria apresentaçãoTransição planetaria apresentação
Transição planetaria apresentação
 
AULA 6_Material complementar_ Escola de Mistérios.pdf
AULA 6_Material complementar_ Escola de Mistérios.pdfAULA 6_Material complementar_ Escola de Mistérios.pdf
AULA 6_Material complementar_ Escola de Mistérios.pdf
 
Fund1Mod07Rot3e5-[2012]guto
Fund1Mod07Rot3e5-[2012]gutoFund1Mod07Rot3e5-[2012]guto
Fund1Mod07Rot3e5-[2012]guto
 
EEI - Aula 4 as diversas raças e os diversos mundos
EEI - Aula 4   as diversas raças e os diversos mundosEEI - Aula 4   as diversas raças e os diversos mundos
EEI - Aula 4 as diversas raças e os diversos mundos
 
EAE 2 a criação
EAE 2 a criaçãoEAE 2 a criação
EAE 2 a criação
 
A genese cap. xi
A genese cap. xiA genese cap. xi
A genese cap. xi
 
Pluralidade de mundos habitados
Pluralidade de mundos habitadosPluralidade de mundos habitados
Pluralidade de mundos habitados
 
ha-muitas-moradas-na-casa-do-pai.ppt
ha-muitas-moradas-na-casa-do-pai.pptha-muitas-moradas-na-casa-do-pai.ppt
ha-muitas-moradas-na-casa-do-pai.ppt
 
Livro dos Espiritos questao 188 Evangelho XIII - 14
Livro dos Espiritos questao 188 Evangelho XIII - 14Livro dos Espiritos questao 188 Evangelho XIII - 14
Livro dos Espiritos questao 188 Evangelho XIII - 14
 
Cosmovisão
CosmovisãoCosmovisão
Cosmovisão
 
Consciência Cósmica
Consciência CósmicaConsciência Cósmica
Consciência Cósmica
 
Cosmovisao Espírita
Cosmovisao EspíritaCosmovisao Espírita
Cosmovisao Espírita
 
Há Muitas Moradas Na Casa Do Pai
Há Muitas Moradas Na Casa Do PaiHá Muitas Moradas Na Casa Do Pai
Há Muitas Moradas Na Casa Do Pai
 
Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade
 

Mais de CeiClarencio

Primeiro Módulo - Aula 1 - Espiritismo - antecedentes da codificação
Primeiro Módulo - Aula 1 - Espiritismo - antecedentes da codificaçãoPrimeiro Módulo - Aula 1 - Espiritismo - antecedentes da codificação
Primeiro Módulo - Aula 1 - Espiritismo - antecedentes da codificação
CeiClarencio
 
Primeiro Módulo - Aula 2 - Deus e o infinito
Primeiro Módulo - Aula 2 - Deus e o infinitoPrimeiro Módulo - Aula 2 - Deus e o infinito
Primeiro Módulo - Aula 2 - Deus e o infinito
CeiClarencio
 
Primeiro Módulo - Aula 3 - Elementos gerais do universo - Deus
Primeiro Módulo - Aula 3 - Elementos gerais do universo - DeusPrimeiro Módulo - Aula 3 - Elementos gerais do universo - Deus
Primeiro Módulo - Aula 3 - Elementos gerais do universo - Deus
CeiClarencio
 
Primeiro Módulo - Aula 5 - Principio vital
Primeiro Módulo - Aula 5 - Principio vitalPrimeiro Módulo - Aula 5 - Principio vital
Primeiro Módulo - Aula 5 - Principio vital
CeiClarencio
 
Primeiro Módulo - Aula 6 - Espirítos
Primeiro Módulo - Aula 6 - EspirítosPrimeiro Módulo - Aula 6 - Espirítos
Primeiro Módulo - Aula 6 - Espirítos
CeiClarencio
 
Primeiro Módulo - Aulas 7 e 8 - Perispirito e centros de força
Primeiro Módulo - Aulas 7 e 8 - Perispirito e centros de forçaPrimeiro Módulo - Aulas 7 e 8 - Perispirito e centros de força
Primeiro Módulo - Aulas 7 e 8 - Perispirito e centros de força
CeiClarencio
 
Primeiro Módulo - Aula 9 - Encarnação dos espiritos
Primeiro Módulo - Aula 9 - Encarnação dos espiritosPrimeiro Módulo - Aula 9 - Encarnação dos espiritos
Primeiro Módulo - Aula 9 - Encarnação dos espiritos
CeiClarencio
 
Primeiro Módulo - Aulas 10 e 11 - Retorno da vida corporal e pluralidade das ...
Primeiro Módulo - Aulas 10 e 11 - Retorno da vida corporal e pluralidade das ...Primeiro Módulo - Aulas 10 e 11 - Retorno da vida corporal e pluralidade das ...
Primeiro Módulo - Aulas 10 e 11 - Retorno da vida corporal e pluralidade das ...
CeiClarencio
 
Primeiro Módulo - Aula 12 - Pluralidade das existencias
Primeiro Módulo - Aula 12 - Pluralidade das existenciasPrimeiro Módulo - Aula 12 - Pluralidade das existencias
Primeiro Módulo - Aula 12 - Pluralidade das existencias
CeiClarencio
 
Primeiro Módulo - Aula 13 - Resusurreição e reencarnação
Primeiro Módulo - Aula 13 - Resusurreição e reencarnaçãoPrimeiro Módulo - Aula 13 - Resusurreição e reencarnação
Primeiro Módulo - Aula 13 - Resusurreição e reencarnação
CeiClarencio
 
Primeiro Módulo - Aula 14 - Vida espiritual
Primeiro Módulo - Aula 14 - Vida espiritualPrimeiro Módulo - Aula 14 - Vida espiritual
Primeiro Módulo - Aula 14 - Vida espiritual
CeiClarencio
 
Primeiro Módulo - Aula 15 - Emancipação da alma
Primeiro Módulo - Aula 15 - Emancipação da almaPrimeiro Módulo - Aula 15 - Emancipação da alma
Primeiro Módulo - Aula 15 - Emancipação da alma
CeiClarencio
 
Primeiro Módulo - Aula 16 - Intervenção dos espiritos no mundo corporal
Primeiro Módulo - Aula 16 - Intervenção dos espiritos no mundo corporalPrimeiro Módulo - Aula 16 - Intervenção dos espiritos no mundo corporal
Primeiro Módulo - Aula 16 - Intervenção dos espiritos no mundo corporal
CeiClarencio
 
Segundo Módulo - Aula 1 e 2 - Leis divinas e naturais
Segundo Módulo - Aula 1 e 2 - Leis divinas e naturaisSegundo Módulo - Aula 1 e 2 - Leis divinas e naturais
Segundo Módulo - Aula 1 e 2 - Leis divinas e naturais
CeiClarencio
 
Segundo Módulo - Aula 03 - Lei do trabalho
Segundo Módulo - Aula 03 - Lei do trabalhoSegundo Módulo - Aula 03 - Lei do trabalho
Segundo Módulo - Aula 03 - Lei do trabalho
CeiClarencio
 
Segundo Módulo - Aula 04 - Lei da reprodução
Segundo Módulo - Aula 04 - Lei da reproduçãoSegundo Módulo - Aula 04 - Lei da reprodução
Segundo Módulo - Aula 04 - Lei da reprodução
CeiClarencio
 
Segundo Módulo - Aula 05 - Lei de conservação
Segundo Módulo - Aula 05 - Lei de conservaçãoSegundo Módulo - Aula 05 - Lei de conservação
Segundo Módulo - Aula 05 - Lei de conservação
CeiClarencio
 
Segundo Módulo - Aula 06 - Lei da destruição
Segundo Módulo - Aula 06 - Lei da destruiçãoSegundo Módulo - Aula 06 - Lei da destruição
Segundo Módulo - Aula 06 - Lei da destruição
CeiClarencio
 
Segundo Módulo - Aula 07 - Lei de sociedade
Segundo Módulo - Aula 07 - Lei de sociedadeSegundo Módulo - Aula 07 - Lei de sociedade
Segundo Módulo - Aula 07 - Lei de sociedade
CeiClarencio
 
Segundo Módulo - Aula 08 - Lei do progresso I
Segundo Módulo - Aula 08 - Lei do progresso ISegundo Módulo - Aula 08 - Lei do progresso I
Segundo Módulo - Aula 08 - Lei do progresso I
CeiClarencio
 

Mais de CeiClarencio (20)

Primeiro Módulo - Aula 1 - Espiritismo - antecedentes da codificação
Primeiro Módulo - Aula 1 - Espiritismo - antecedentes da codificaçãoPrimeiro Módulo - Aula 1 - Espiritismo - antecedentes da codificação
Primeiro Módulo - Aula 1 - Espiritismo - antecedentes da codificação
 
Primeiro Módulo - Aula 2 - Deus e o infinito
Primeiro Módulo - Aula 2 - Deus e o infinitoPrimeiro Módulo - Aula 2 - Deus e o infinito
Primeiro Módulo - Aula 2 - Deus e o infinito
 
Primeiro Módulo - Aula 3 - Elementos gerais do universo - Deus
Primeiro Módulo - Aula 3 - Elementos gerais do universo - DeusPrimeiro Módulo - Aula 3 - Elementos gerais do universo - Deus
Primeiro Módulo - Aula 3 - Elementos gerais do universo - Deus
 
Primeiro Módulo - Aula 5 - Principio vital
Primeiro Módulo - Aula 5 - Principio vitalPrimeiro Módulo - Aula 5 - Principio vital
Primeiro Módulo - Aula 5 - Principio vital
 
Primeiro Módulo - Aula 6 - Espirítos
Primeiro Módulo - Aula 6 - EspirítosPrimeiro Módulo - Aula 6 - Espirítos
Primeiro Módulo - Aula 6 - Espirítos
 
Primeiro Módulo - Aulas 7 e 8 - Perispirito e centros de força
Primeiro Módulo - Aulas 7 e 8 - Perispirito e centros de forçaPrimeiro Módulo - Aulas 7 e 8 - Perispirito e centros de força
Primeiro Módulo - Aulas 7 e 8 - Perispirito e centros de força
 
Primeiro Módulo - Aula 9 - Encarnação dos espiritos
Primeiro Módulo - Aula 9 - Encarnação dos espiritosPrimeiro Módulo - Aula 9 - Encarnação dos espiritos
Primeiro Módulo - Aula 9 - Encarnação dos espiritos
 
Primeiro Módulo - Aulas 10 e 11 - Retorno da vida corporal e pluralidade das ...
Primeiro Módulo - Aulas 10 e 11 - Retorno da vida corporal e pluralidade das ...Primeiro Módulo - Aulas 10 e 11 - Retorno da vida corporal e pluralidade das ...
Primeiro Módulo - Aulas 10 e 11 - Retorno da vida corporal e pluralidade das ...
 
Primeiro Módulo - Aula 12 - Pluralidade das existencias
Primeiro Módulo - Aula 12 - Pluralidade das existenciasPrimeiro Módulo - Aula 12 - Pluralidade das existencias
Primeiro Módulo - Aula 12 - Pluralidade das existencias
 
Primeiro Módulo - Aula 13 - Resusurreição e reencarnação
Primeiro Módulo - Aula 13 - Resusurreição e reencarnaçãoPrimeiro Módulo - Aula 13 - Resusurreição e reencarnação
Primeiro Módulo - Aula 13 - Resusurreição e reencarnação
 
Primeiro Módulo - Aula 14 - Vida espiritual
Primeiro Módulo - Aula 14 - Vida espiritualPrimeiro Módulo - Aula 14 - Vida espiritual
Primeiro Módulo - Aula 14 - Vida espiritual
 
Primeiro Módulo - Aula 15 - Emancipação da alma
Primeiro Módulo - Aula 15 - Emancipação da almaPrimeiro Módulo - Aula 15 - Emancipação da alma
Primeiro Módulo - Aula 15 - Emancipação da alma
 
Primeiro Módulo - Aula 16 - Intervenção dos espiritos no mundo corporal
Primeiro Módulo - Aula 16 - Intervenção dos espiritos no mundo corporalPrimeiro Módulo - Aula 16 - Intervenção dos espiritos no mundo corporal
Primeiro Módulo - Aula 16 - Intervenção dos espiritos no mundo corporal
 
Segundo Módulo - Aula 1 e 2 - Leis divinas e naturais
Segundo Módulo - Aula 1 e 2 - Leis divinas e naturaisSegundo Módulo - Aula 1 e 2 - Leis divinas e naturais
Segundo Módulo - Aula 1 e 2 - Leis divinas e naturais
 
Segundo Módulo - Aula 03 - Lei do trabalho
Segundo Módulo - Aula 03 - Lei do trabalhoSegundo Módulo - Aula 03 - Lei do trabalho
Segundo Módulo - Aula 03 - Lei do trabalho
 
Segundo Módulo - Aula 04 - Lei da reprodução
Segundo Módulo - Aula 04 - Lei da reproduçãoSegundo Módulo - Aula 04 - Lei da reprodução
Segundo Módulo - Aula 04 - Lei da reprodução
 
Segundo Módulo - Aula 05 - Lei de conservação
Segundo Módulo - Aula 05 - Lei de conservaçãoSegundo Módulo - Aula 05 - Lei de conservação
Segundo Módulo - Aula 05 - Lei de conservação
 
Segundo Módulo - Aula 06 - Lei da destruição
Segundo Módulo - Aula 06 - Lei da destruiçãoSegundo Módulo - Aula 06 - Lei da destruição
Segundo Módulo - Aula 06 - Lei da destruição
 
Segundo Módulo - Aula 07 - Lei de sociedade
Segundo Módulo - Aula 07 - Lei de sociedadeSegundo Módulo - Aula 07 - Lei de sociedade
Segundo Módulo - Aula 07 - Lei de sociedade
 
Segundo Módulo - Aula 08 - Lei do progresso I
Segundo Módulo - Aula 08 - Lei do progresso ISegundo Módulo - Aula 08 - Lei do progresso I
Segundo Módulo - Aula 08 - Lei do progresso I
 

Primeiro Módulo - Aula 4 - Criação

  • 2. FORMAÇÃO DOS MUNDOS Entende-se por Universo os astros e os mundos visíveis ou não, que se movem no espaço e tudo o que eles contém: seres animados e inanimados, assim como os espaços e os fluidos que os cercam. Conceber-se que o Universo tenha sido obra do acaso, é o mesmo que aceitar o relógio sem o relojoeiro. Obviamente o Universo não pode ter gerado a si mesmo. Se assim fosse, confundir-se-ia com o próprio Deus. Por outro lado, se existisse por toda a eternidade sem ter sido criado, não poderia ser obra de Deus e também confundir-se-ia com Ele. Não resta outra opção de bom senso, senão a de que o Universo é obra de Deus.
  • 3. Ninho gerador de toda massa incomensurável, o Fluido Universal era energia a princípio difusa, que após concentrar-se, foi-se fragmentando aos poucos em miríades de núcleos menores a agigantar-se e expandir-se em nuvens de partículas, que através dos milênios foram se transformando progressivamente em matéria, processo esse que se mantém até nossos dias a revelar a grandeza de Deus. A condensação dessa matéria espalhada no espaço infinito é que pontilhou-o de sóis, mundos, estrelas, astros, asteróides e cometas, com infinita variedade de massas, luminosidade e propriedades. As forças de atração entre os corpos celestes mantém o equilíbrio de modo à posição de cada um deles permanecer estável em relação aos demais.
  • 4. Os cometas em suas órbitas aparentemente conflitantes com a clássica disciplina cósmica, são um começo de condensação da matéria, mundos em via de formação. Cada corpo celeste tem a sua parte de influência, mas ela é restrita a certos aspectos físicos de equilíbrio de forças, como a Lua, por exemplo, que funciona como âncora da Terra. Mundos já completamente formados desaparecem, desintegram-se e sua matéria espalha-se novamente no espaço: Deus renova os mundos como renova os seres vivos ( LE, perg.41)
  • 5. FORMAÇÃO DOS SERES VIVOS No começo tudo era o caos; temperatura elevadíssima mantinha fundidos os elementos de sua constituição. As substâncias que hoje são líquidas eram gasosas enquanto que os sólidos eram líquidos. Só pouco a pouco tudo foi se acomodando até organizar-se o clima adequado ao aparecimento dos seres vivos. Os germens responsáveis pela formação dos seres vivos estavam contidos na Terra em estado latente, aguardando o momento favorável para seu desenvolvimento
  • 6. Os elementos orgânicos, antes da formação da Terra, estavam no espaço em estado fluídico, entre os Espíritos ou em outros planetas, aguardando a maturação do novo mundo para iniciarem uma nova existência em um novo mundo. Nos momentos propícios à eclosão, foram surgindo sucessivamente cada uma das espécies. Os seres de cada linhagem, por sua vez, foram se reunindo pela lei de afinidade e se multiplicaram. Os homens já não se enquadram mais entre as espécies que se formaram espontaneamente como na sua origem, mas pode-se dizer que uma vez dispersos sobre a Terra, absorveram em si mesmos os elementos necessários à sua formação, para transmiti-los segundo as leis da reprodução. O mesmo aconteceu com as demais espécies de seres vivos ( LE, perg,49)
  • 7. POVOAMENTO DA TERRA - ADÃO O Espiritismo nos ensina que a espécie humana não começou por um único homem e que aquele a quem chamamos Adão não foi o primeiro nem o único a povoar a Terra. Kardec indagou aos Espíritos Superiores: “ Em que época viveu Adão?” Eles responderam: “ Mais ou menos na que lhe assinais: cerca de 4.000 anos antes do Cristo. ” (L.E., item 51). ”
  • 8. De fato, a narrativa contida no cap. 4 do Gênesis nos leva ao mesmo entendimento, porque somente no período neolítico – entre os anos 5.000 a.C. e 2.500 a.C. – é que surgiu na Terra o pastoreio, seguido do cultivo da terra, e o homem passou de caçador a pastor. Ora, Caim cultivava o solo e seu irmão Abel era pastor, o que prova que a data indicada pelos Espíritos a respeito da época em que viveu Adão é perfeitamente compatível com os registros históricos. Como o povoamento da Terra se iniciou em épocas bem mais recuadas, é evidente que não descendemos dos pais de Abel e Caim, mas de outros ancestrais que teriam vivido muito antes. 
  • 9. Mais adiantada do que as que a tinham precedido neste planeta, a raça adâmica foi, com efeito, a mais inteligente e a que impeliu ao progresso todas as outras. O Gênesis no-la mostra, desde os seus primórdios, industriosa, apta às artes e às ciências, o que mostra que ela não passou na Terra pela infância espiritual, diferentemente do que ocorreu com os demais povos que habitavam, então, o planeta.  Emmanuel, em seu livro A Caminho da Luz , nos dá informações valiosas a respeito da chamada raça adâmica, assunto que foi tratado igualmente por Kardec em A Gênese .
  • 10. No livro a Genese, o Codificador, depois de aludir à questão das emigrações e imigrações coletivas de Espíritos de um mundo para outro, faz clara referência à raça adâmica no cap. XI, item 38: “ De acordo com o ensino dos Espíritos, foi uma dessas grandes imigrações, ou se quiserem, uma dessas Colônias de Espíritos , vinda de outra esfera, que deu origem à raça simbolizada na pessoa de Adão e, por essa razão mesma, chamada raça adâmica . Quando ela aqui chegou, a Terra já estava povoada desde tempos imemoriais, como a América, quando aí chegaram os europeus”.  
  • 11. DIVERSIDADE DAS RAÇAS HUMANAS "As diferenças físicas e morais que distinguem as raças humanas na Terra provem: do clima, da vida e dos costumes. Dá-se ai o que se da' com dois filhos de uma mesma mãe que educados longe um do outro e de modos diferentes, em nada se assemelharão, quanto 'a moral.“ "O homem surgiu em muitos pontos do globo e em épocas varias, que também constitui uma das causas da diversidade das raças. Depois, raças humanas dispersando-se os homens por climas diversos e aliando-se os de uma aos de outras raças, novos tipos formaram.“ "Pelo fato de não proceder de um só individuo a espécie humana, os homens não podem deixar de se considerarem irmãos, porque todos são irmãos em Deus, porque são animados pelo Espírito e tendem para o mesmo fim.“
  • 12. PLURIDADE DOS MUNDOS HABITADOS Há na Terra homens que ainda imaginam que somente este pequenino planeta tem o privilégio de ser habitado por seres racionais. Muitos até pensam que os astros brilham no céu para alegrar seus olhos. Não se pode pôr em dúvida a sabedoria de Deus, que não concebe inutilidades e, certamente criou - e povoou com seres vivos - uma pluralidade de mundos com uma destinação bem mais séria do que a recreação dos homens. Para se ter uma idéia da imensidão e infinitude do Universo, basta dizer que entre tantos bilhões de galáxias, a mais próxima da nossa, considerada irmã gêmea, a galáxia de Andrômeda, dista cerca de 2,2 milhões de anos-luz.
  • 13. Seria então absurdo supor-se que, entre tantos bilhões de galáxias, cada uma delas contendo bilhões de estrelas, em torno das quais hão de girar outros tantos planetas, somente a Terra gozasse o privilégio da vida. O Livro dos Espíritos, questões 55 a 58, resume bem as características dos diversos mundos: a) eles absolutamente não se assemelham; variam não só entre os diferentes tipos de corpos celestes, como também variam a sua constituição física. Entre os próprios planetas do Sistema Solar existem diferenças: uns são mais densos ( Mercúrio, Vênus, Terra) e outros menos densos e até mesmo fluídicos (Júpiter, Saturno, Urano e Netuno);
  • 14. b) não sendo uma só para todos a constituição física dos Mundos, segue-se terem organizações diferentes os seres que os habitam, apropriadas ao meio onde vivem, do mesmo modo que os peixes são feitos para viver na água e os pássaros, no ar. c) os mundos mais distantes do Sol possuem fontes de luz diferentes de luz e calor. Os Espíritos afirmam e a razão endossa a idéia de que os diferentes mundos que circulam no espaço endossa a idéia de que os diferentes mundos que circulam no espaço são habitados, a exemplo do que ocorre na Terra.
  • 15. As condições de existência dos seres nos diferentes mundos devem ser apropriados ao meio em que têm de viver. Se nunca tivéssemos visto peixes, não compreenderíamos como alguns seres pudessem viver na água. O mesmo acontece com outros mundos, que sem dúvida contém elementos para nós desconhecidos. (...) Esses mundos podem conter em si mesmos as fontes de luz e calor necessários aos seus habitantes (LE, perg.58).
  • 16. HÁ MUITAS MORADAS NA CASA DO PAI “ Credes em Deus, crede também em mim. Há muitas moradas na Casa de meu Pai; se assim não fora, eu vo-lo teria dito” (João 14:1-2). Na obra de Deus reina a perfeição. Nela tudo é útil e harmonioso. O Universo infinito é algo sublimado e transcendental, que jamais poderá ser descrito pela linguagem humana. Já se eclipsou na voragem do tempo, a época em que se supunha se a Terra o centro do Universo.
  • 17. A teoria geocêntrica foi suplantada pela heliocêntrica e, após Galileu, as teologias terrenas tiveram que rever seus dogmas e seus conceitos. Jesus Cristo definiu esses mundos como sendo outras tantas moradas para o Espírito em sua escalada evolutiva rumo à perfeição. A casa do Pai é o Universo todo, e as diferentes moradas são os mundos que circulam no espaço infinito, oferecendo aos Espíritos estações apropriadas ao cumprimento de um prolongado processo evolutivo. Os diversos mundos possuem condições muito diferentes uns dos outros, no tocante ao grau de adiantamento ou de inferioridade dos seus habitantes, pois nem todos desfrutam do mesmo grau de progresso.
  • 18. Existem mundo inferiores à Terra, tanto física como moralmente, outros estão no mesmo nível e outros lhe são mais, ou menos, superiores em todos os aspectos. Os Espíritos, ao longo do seu processo evolutivo, habitam as diferentes moradas da Casa do Pai, tendo como ponto inicial o estado de simplicidade e ignorância; caminham através de uma escala bastante prolongada, possuindo como meta a angelitude. Nos mundos que já atingiram um grau superior de evolução, as condições da vida moral são muito diferentes daquelas que se verificam na Terra.
  • 19. O corpo nada tem da materialidade terrena e não está, por isso mesmo, sujeito às necessidades, às enfermidades e às deteriorações oriundas da prevalência da matéria. A menor densidade específica torna mais fácil a locomoção. A Doutrina Espírita propicia aos homens uma visão bem mais clara e ampla do Universo, fazendo com que eles descortinem novos horizontes, animando-os da certeza da imortalidade da alma e do futuro radiante e grandioso que os aguarda. Embora seja tarefa sumamente difícil fazer uma classificação absoluta dos mundos, os Espíritos estabeleceram uma escala com cinco categorias distintas:
  • 20. 1 - Mundo primitivo: onde se verificam as primeiras encarnações da alma humana. 2 - Mundo de expiação e prova: onde o mal predomina. 3 - Mundo de regeneração: onde as almas que ainda têm algo a expiar adquirem novas forças, repousando das fadigas da luta. 4 - Mundos felizes: onde o bem predomina sobre o mal. 5 - Mundos divinos ou celestes: onde moram os Espíritos purificados e o bem reina plenamente.
  • 21. A Terra está situada na faixa dos mundos de expiações e de provas, nela ainda predominam o mal; entretanto, afirmam os Espíritos Benfeitores que, futuramente, ela ascenderá à categoria de mundo de regeneração. Espíritos que habitam os mundos mais adiantados podem reencarnar na Terra para o desempenho de determinadas missões. Os apóstolos de Jesus, sem sombra de dúvida, eram Espíritos de elevada hierarquia, que aqui vieram com a missão grandiosa de acompanhar o Mestre no seu sublime messiado. Espíritos elevados que eram, encarnaram num mundo denso, onde predominava a maldade; eles sentiram-se deslocados e por isso, Jesus lhes disse:
  • 22. “ Não se turbe o vosso coração, credes em Deus, crede também em mim” acrescentando logo a seguir: “ Há muitas moradas na Casa de meu Pai, se assim não fosse eu vos teria dito” (João, 14: 1-2)
  • 23. Como que pressentindo que aqueles homens se sentiriam desprotegidos e desamparados após a sua partida para as regiões celestiais, o Mestre lhes acenou com a afirmativa de que: Ele iria na frente para lhes preparar o lugar. Isso, naturalmente, para lhes mostrar que, dada a elevação de seus Espíritos, eles não eram deste mundo e a eles estavam reservadas moradas nas regiões mais sublimes. Este ensinamento de Jesus não era exclusivamente destinado aos apóstolos, mas extensível a todas as criaturas humanas.
  • 24. BIBLIOGRAFIA Livro dos Espíritos Evangelho Segundo Espiritismo. Gênese.