SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 25
Baixar para ler offline
PROF. BRENO LEÃO SOUTO
SAÚDE DIGITAL
A saúde digital consiste em uma nova forma de atuação da medicina, aplicando
abordagens e ferramentas digitais em seus processos. As inovações já estão
presentes em clínicas, consultórios e hospitais.
A verdade é que ainda existe um longo caminho para se percorrer. No entanto,
instituições de saúde de todo o mundo já aproveitam os benefícios da saúde
digital, melhorando toda a jornada do paciente.
SAÚDE DIGITAL
SAÚDE DIGITAL
O QUE É SAÚDE DIGITAL:
A saúde digital, também conhecida como e-saúde, consiste em uma mudança da
atuação de processos ligados à medicina, utilizando tecnologias para melhorar a
vida de profissionais e pacientes.
“Saúde Digital compreende o uso de recursos de Tecnologia de Informação e Comunicação (TIC) para produzir e
disponibilizar informações confiáveis, sobre o estado de saúde para quem precisa, no momento que precisa. O termo
Saúde Digital é mais abrangente do que e-saúde e incorpora os recentes avanços na tecnologia como novos conceitos,
aplicações de redes sociais, Internet das Coisas (IoT), Inteligência Artificial (IA), entre outros.”
[ DEFINIÇÃO DO MINISTÉRIO DA SAÚDE]
SAÚDE DIGITAL
SAÚDE DIGITAL E TELESSAÚDE: QUAIS AS DIFERENÇAS?
Comumente confundidos, os conceitos de “saúde digital” e “telessaúde” são diferentes
entre si — porém têm certa relação.
A telessaúde é um dos componentes da saúde digital. De acordo com o art. 12
da Portaria 2.546/11, do Ministério da Saúde, o conceito é:
“O estabelecimento autônomo que utiliza as tecnologias de informação e comunicação para realizar
assistência e educação em saúde através de distâncias geográficas e temporais.“
Já a saúde digital é um novo universo para a modernização da área da medicina com a
introdução de tecnologias digitais e inovadoras para evoluir e criar soluções médicas e
para gestão da saúde.
SAÚDE DIGITAL
QUAL A DIFERENÇA ENTRE SAÚDE DIGITAL E DIGITALIZAÇÃO?
Digitalização na saúde trata-se da transformação dos processos e documentos em
formato digital. Em vez de armazenar fichas de pacientes em pastas em um arquivo
físico, a instituição digitalizada o faz virtualmente — em arquivos de texto e imagem,
por exemplo.
Já a saúde digital é o que vem após a digitalização — e que vai muito além dela.
A gestão da saúde em caráter digital, com auxílio de soluções digitalmente nativas para
auxiliar, transformar e encaminhar a medicina e toda gestão hospitalar para uma nova
realidade. Estamos falando da automação de processos, de novos métodos de
diagnóstico e tratamento, bem como de monitoramento dos pacientes.
SAÚDE DIGITAL
PANORAMA NO BRASIL:
O Brasil já possui uma estratégia de saúde digital ativa e em funcionamento. A
iniciativa foi aprovada pela Resolução CIT nº 19, de 2017, da Comissão
Intergestores Tripartite (CIT).
Intitulado de “Estratégia e-Saúde para o Brasil“, o documento define uma visão
estratégica para a saúde digital brasileira, alinhando-se às diretrizes e princípios
do SUS, bem como à política brasileira de governo eletrônico.
SAÚDE DIGITAL
ESTRATÉGIAS PARAAVANÇAR A IMPLANTAÇÃO :
•Reduzir a fragmentação das iniciativas de estratégia da saúde digital no SUS e
aprimorar a governança da estratégia;
•Fortalecer a intersetorialidade de governança de estratégia da saúde digital;
•Elaborar o marco legal de estratégia da saúde digital no país;
•Definir e implantar uma arquitetura para a estratégia da saúde digital;
•Definir e implantar os sistemas e serviços de estratégia da saúde digital;
•Disponibilizar serviços de infraestrutura computacional;
•Criar arquitetura de referência para sustentação dos serviços de infraestrutura;
•Criar a certificação em estratégia da saúde digital para trabalhadores do SUS;
•Promover a facilitação do acesso à informação em saúde para a população.
SAÚDE DIGITAL
OS 03 EIXOS DA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DIGITAL
Eixo 1 – Ações do MS para o SUS – Este eixo reconhece e valoriza o Programa
Conecte SUS e suas iniciativas como ações essenciais para que a visão de saúde
digital seja alcançada.
Eixo 2 – Definição de Diretrizes para Colaboração e Inovação em Saúde
Digital – Este eixo reconhece e valoriza a necessidade de expansão e
consolidação da governança e dos recursos organizacionais que sustentarão a
Estratégia de Saúde Digital.
Eixo 3 – Estabelecer e Catalisar a Colaboração – Este eixo visa à implantação
do Espaço de Colaboração da Estratégia de Saúde Digital, como um espaço
conceitual, virtual, distribuído, lógico e físico que viabilize a colaboração entre
todos os atores em saúde digital, com claras definições de expectativas, papéis e
responsabilidades.
SAÚDE DIGITAL
PRIORIDADES DO MINISTÉRIO DA SAÚDE PARA SAÚDE DIGITAL
1. Governança e Liderança para a ESD;
2. Informatização dos 3 Níveis de Atenção;
3. Suporte à Melhoria da Atenção à Saúde;
4. O Usuário como Protagonista;
5. Formação e Capacitação de Recursos Humanos;
6. Ambiente e Interconectividade;
7. Ecossistema de Inovação.
SAÚDE DIGITAL
VANTAGENS DA SAÚDE DIGITAL
• Diagnóstico fácil e preciso
A inovação na saúde, ao implementar softwares e ferramentas como o big data e
a inteligência artificial, concentra um alto volume de informações nos bancos de
dados, o que possibilita um acompanhamento mais preciso e traz maior
segurança ao definir diagnósticos.
Com o conhecimento do histórico de um paciente, cirurgias prévias, medicações
tomadas e casos de doenças na família, o médico pode obter clareza ao tratar um
indivíduo. Ao lidar com vidas de terceiros, esse ponto é fundamental.
SAÚDE DIGITAL
VANTAGENS DA SAÚDE DIGITAL
• Consultas, prevenção e tratamento
Consultas que teriam de ser agendadas para um ou dois meses podem ser
realizadas à distância, tirando dúvidas e evitando a evolução de casos que
poderiam ser perigosos.
Da mesma maneira, por meio de aplicativos e os chamados wearables, o paciente
pode ser sinalizado dos horários de sua medicação, agendamentos e métodos de
cuidados e prevenção de doenças, reunindo também dados como frequência
cardíaca, calorias consumidas e gastas etc.
SAÚDE DIGITAL
VANTAGENS DA SAÚDE DIGITAL
• Automatização de processos
Seja em consultórios, clínicas ou hospitais, erros básicos, como preenchimentos
de informações, agendamento de cirurgias, consultas, prontuários e receitas não
correm o risco de se perderem ou serem feitos erroneamente.
Isso acontece pois os sistemas de gestão executam todas essas tarefas de forma
automatizada, liberando colaboradores para lidarem com situações que exigem
mais, como o próprio atendimento e a assistência aos pacientes.
SAÚDE DIGITAL
VANTAGENS DA SAÚDE DIGITAL
• Os pacientes podem gerir sua própria saúde
Com o uso de tecnologias inovadoras, como os wearables e dispositivos IoT, é
totalmente possível que os próprios pacientes façam a gestão de sua saúde.
Agora, os próprios smartwatches oferecem um meio seguro do paciente acompanhar
dados sobre sua circulação sanguínea, nível de oxigenação e atividade cardíaca.
Os pacientes podem gerenciar sua própria saúde, tendo acesso às instruções exatas de
seus médicos com apenas alguns toques em uma tela.
É uma forma de não apenas proporcionar maior autonomia e autoconhecimento das suas
condições de saúde, mas de antecipar problemas e mitigar consequências.
SAÚDE DIGITAL
VANTAGENS DA SAÚDE DIGITAL
• Hospitais e centros de saúde operando com mais eficiência
Com a tecnologia na saúde 4.0, os hospitais e centros de saúde possuem melhores
recursos para operar todas as etapas da jornada do paciente com mais eficiência.
A tecnologia e os algoritmos inteligentes vão ajudar mesmo nas tarefas mais cotidianas
no hospital e centros clínicos, como na gestão de leitos.
Essa, que é uma das dores de instituições em épocas de lotação, pode ser uma situação
contornada com uso mais eficiente dos espaços, recursos e tempo dos profissionais
disponíveis.
Essa evolução também pode auxiliar na melhoria da relação entre instituições de saúde e
operadoras de planos, reduzindo a ocorrência das glosas hospitalares.
SAÚDE DIGITAL
DESAFIOS DO PROCESSO DE IMPLEMENTAÇÃO
• Formação acadêmica direcionada aos avanços tecnológicos
• Atualização dos profissionais ativos no mercado
• Aceitação da população e dos profissionais
• Protocolos de segurança
• Fragilidade dos dados [* LGPD]
• Conectividade das unidades de saúde x pacientes
• Concorrência de outros setores
• Conhecimento duvidoso
SAÚDE DIGITAL
REGULAMENTAÇÃO DA SAÚDE DIGITAL
O apoio aos processos de e-health vem da própria Organização Mundial da
Saúde (OMS), em nível mundial. No Brasil, o Ministério da Saúde regula a
saúde digital no Brasil por meio da Resolução CIT nº 19, que citamos
anteriormente.
A legislação brasileira, regulando projetos como o digiSUS, tem o objetivo de,
pelos meios digitais, ampliar os serviços de saúde pública por todo o país,
garantindo acesso aos serviços de forma facilitada e ágil.
SAÚDE DIGITAL
APLICAÇÃO DA TECNOLOGIA NA SAÚDE DIGITAL
• Prontuário eletrônico
Muito além de anotações sobre seu histórico, o PEP contém exames, imagens,
prescrições e todo tipo de documento acerca da saúde do paciente.
É uma das tecnologias que mais exemplificam o potencial da saúde digital, já que além
de digital, pode ser acessado por qualquer dispositivo facilmente pelos responsáveis
pelo tratamento.
Trata-se de uma ferramenta essencial para uma gestão hospitalar eficiente e cada vez
mais tecnológica.
SAÚDE DIGITAL
APLICAÇÃO DA TECNOLOGIA NA SAÚDE DIGITAL
• Aplicativos de saúde
Eles podem ser utilizados somente em nível pessoal, para monitoramento individual de
atividades físicas ou índices corpóreos, como também em conjunto com tratamentos
médicos.
Hoje, existem tantas opções no mercado que seria difícil mencionar todas.
Uma delas é o Conecte SUS, aplicativo de saúde digital do Sistema Único de Saúde
(SUS), que registra toda jornada do cidadão brasileiro pelo sistema de saúde público.
Nele, é possível acessar dados e informações sobre atendimentos realizados, prescrição
de medicamentos e exames feitos pelo SUS, bem como agendar consultas.
SAÚDE DIGITAL
APLICAÇÃO DA TECNOLOGIA NA SAÚDE DIGITAL
• Inteligência Artificial
Pode ajudar os profissionais de saúde a tomarem decisões concretas e melhor
informadas, de modo a oferecerem melhores tratamentos.
Além disso, a tecnologia pode ser utilizada em sistemas de saúde digital, de modo a
automatizar tarefas por meio do aprendizado de máquina (Machine Learning).
Uma dessas aplicações tem relação com o faturamento hospitalar, uma das atividades
mais críticas da operação de saúde — e que normalmente leva tempo e necessita de
muita atenção.
Agora, na prática, a inteligência artificial pode ajudar as instituições a analisarem
grandes volumes de dados, unindo insights dados pelos próprios pacientes que ajudem
na construção de uma análise preditiva de suas condições — tudo de maneira rápida.
SAÚDE DIGITAL
APLICAÇÃO DA TECNOLOGIA NA SAÚDE DIGITAL
• Impressões 3D e 4D
• Tecnologias vestíveis
• Realidade virtual / aumentada
• Internet of things
• Big data
• Chatbots
• Gameficação
SAÚDE DIGITAL
APLICAÇÃO DA TECNOLOGIA NA SAÚDE DIGITAL
• Tele medicina *
• Tele enfermagem*
• Tele odontologia*
• Tele fisioterapia*
• Monitorização à distância*
SAÚDE DIGITAL
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
saude digital.pdf

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Programa de Atenção Farmacêutica
Programa de Atenção FarmacêuticaPrograma de Atenção Farmacêutica
Programa de Atenção Farmacêuticagislaynev
 
Relatório de estágio
Relatório de estágioRelatório de estágio
Relatório de estágioRosane Garcia
 
Diagnósticos de enfermagem
Diagnósticos de enfermagemDiagnósticos de enfermagem
Diagnósticos de enfermagemresenfe2013
 
Humanização, acolhimento e classificação de risco em urgência e emergência
Humanização, acolhimento e classificação de risco em urgência e emergênciaHumanização, acolhimento e classificação de risco em urgência e emergência
Humanização, acolhimento e classificação de risco em urgência e emergênciaAroldo Gavioli
 
Classificação de risco
Classificação de riscoClassificação de risco
Classificação de riscoCristiane Dias
 
Diagnósticos de Enfermagem: Uso das Taxonomias (NANDA, NIC, NOC e CIPE)
Diagnósticos de Enfermagem: Uso das Taxonomias (NANDA, NIC, NOC e CIPE)Diagnósticos de Enfermagem: Uso das Taxonomias (NANDA, NIC, NOC e CIPE)
Diagnósticos de Enfermagem: Uso das Taxonomias (NANDA, NIC, NOC e CIPE)resenfe2013
 
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)Will Nunes
 
Medicamentos potencialmente perigosos: contaminação de superfícies, risco amb...
Medicamentos potencialmente perigosos: contaminação de superfícies, risco amb...Medicamentos potencialmente perigosos: contaminação de superfícies, risco amb...
Medicamentos potencialmente perigosos: contaminação de superfícies, risco amb...angelitamelo
 
Tcc a atuação do enfermeiro na prevenção do câncer de mama na atenção primária
Tcc   a atuação do enfermeiro na prevenção do câncer de mama na atenção primáriaTcc   a atuação do enfermeiro na prevenção do câncer de mama na atenção primária
Tcc a atuação do enfermeiro na prevenção do câncer de mama na atenção primáriaFernanda Silva
 
Diagnóstico de Enfermagem: uso das taxonomias
Diagnóstico de Enfermagem: uso das taxonomiasDiagnóstico de Enfermagem: uso das taxonomias
Diagnóstico de Enfermagem: uso das taxonomiasresenfe2013
 

Mais procurados (20)

A GESTÃO DO SUS
A GESTÃO DO SUSA GESTÃO DO SUS
A GESTÃO DO SUS
 
Programa de Atenção Farmacêutica
Programa de Atenção FarmacêuticaPrograma de Atenção Farmacêutica
Programa de Atenção Farmacêutica
 
Relatório de estágio
Relatório de estágioRelatório de estágio
Relatório de estágio
 
Diagnósticos de enfermagem
Diagnósticos de enfermagemDiagnósticos de enfermagem
Diagnósticos de enfermagem
 
Humanização, acolhimento e classificação de risco em urgência e emergência
Humanização, acolhimento e classificação de risco em urgência e emergênciaHumanização, acolhimento e classificação de risco em urgência e emergência
Humanização, acolhimento e classificação de risco em urgência e emergência
 
Classificação de risco
Classificação de riscoClassificação de risco
Classificação de risco
 
Diagnósticos de Enfermagem: Uso das Taxonomias (NANDA, NIC, NOC e CIPE)
Diagnósticos de Enfermagem: Uso das Taxonomias (NANDA, NIC, NOC e CIPE)Diagnósticos de Enfermagem: Uso das Taxonomias (NANDA, NIC, NOC e CIPE)
Diagnósticos de Enfermagem: Uso das Taxonomias (NANDA, NIC, NOC e CIPE)
 
Folder Campanha Outubro Rosa - 2019
Folder Campanha Outubro Rosa - 2019Folder Campanha Outubro Rosa - 2019
Folder Campanha Outubro Rosa - 2019
 
Situação de saúde em idosos acometidos pelo avc
Situação de saúde em idosos acometidos pelo avcSituação de saúde em idosos acometidos pelo avc
Situação de saúde em idosos acometidos pelo avc
 
Sae
SaeSae
Sae
 
Qualidade Em SaúDe
Qualidade Em SaúDeQualidade Em SaúDe
Qualidade Em SaúDe
 
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
 
Planejamento dos cuidados de enfermagem
Planejamento dos cuidados de enfermagemPlanejamento dos cuidados de enfermagem
Planejamento dos cuidados de enfermagem
 
Relatorio 1
Relatorio 1Relatorio 1
Relatorio 1
 
Medicamentos potencialmente perigosos: contaminação de superfícies, risco amb...
Medicamentos potencialmente perigosos: contaminação de superfícies, risco amb...Medicamentos potencialmente perigosos: contaminação de superfícies, risco amb...
Medicamentos potencialmente perigosos: contaminação de superfícies, risco amb...
 
Tcc a atuação do enfermeiro na prevenção do câncer de mama na atenção primária
Tcc   a atuação do enfermeiro na prevenção do câncer de mama na atenção primáriaTcc   a atuação do enfermeiro na prevenção do câncer de mama na atenção primária
Tcc a atuação do enfermeiro na prevenção do câncer de mama na atenção primária
 
Hipertensão
Hipertensão Hipertensão
Hipertensão
 
Diagnóstico de Enfermagem: uso das taxonomias
Diagnóstico de Enfermagem: uso das taxonomiasDiagnóstico de Enfermagem: uso das taxonomias
Diagnóstico de Enfermagem: uso das taxonomias
 
Slides sus
Slides susSlides sus
Slides sus
 
Câncer infantil
Câncer infantilCâncer infantil
Câncer infantil
 

Semelhante a saude digital.pdf

Inteligência Artificial na Saúde - A Próxima Fronteira.pdf
Inteligência Artificial na Saúde - A Próxima Fronteira.pdfInteligência Artificial na Saúde - A Próxima Fronteira.pdf
Inteligência Artificial na Saúde - A Próxima Fronteira.pdfMedTechBiz
 
SAÚDE 4^LLLLLLLLJ Inteligência artificial e saúde digital.docx
SAÚDE 4^LLLLLLLLJ Inteligência artificial e saúde digital.docxSAÚDE 4^LLLLLLLLJ Inteligência artificial e saúde digital.docx
SAÚDE 4^LLLLLLLLJ Inteligência artificial e saúde digital.docxProf. Lobo
 
Rio Info 2015 – Palestra introdutória As TICs e o seu impacto nos cuidados bá...
Rio Info 2015 – Palestra introdutória As TICs e o seu impacto nos cuidados bá...Rio Info 2015 – Palestra introdutória As TICs e o seu impacto nos cuidados bá...
Rio Info 2015 – Palestra introdutória As TICs e o seu impacto nos cuidados bá...Rio Info
 
Trabalho impacto das tecnologias digitais
Trabalho   impacto das tecnologias digitais Trabalho   impacto das tecnologias digitais
Trabalho impacto das tecnologias digitais Luana de Souza Fernandes
 
A tradução do discurso global sobre a saúde digital
A tradução do discurso global sobre a saúde digitalA tradução do discurso global sobre a saúde digital
A tradução do discurso global sobre a saúde digitalJosé Pinto da Costa
 
INFORMÁTICA APLICADA A ENFERMAGEM.pptx
INFORMÁTICA APLICADA A ENFERMAGEM.pptxINFORMÁTICA APLICADA A ENFERMAGEM.pptx
INFORMÁTICA APLICADA A ENFERMAGEM.pptxJosDivino5
 
Minicurso inovacao tecnologia da informacao e saude final
Minicurso inovacao tecnologia da informacao e saude finalMinicurso inovacao tecnologia da informacao e saude final
Minicurso inovacao tecnologia da informacao e saude finalFilipe Cavalcante
 
A implementação da saúde digital em Portugal.pptx
A implementação da saúde digital em Portugal.pptxA implementação da saúde digital em Portugal.pptx
A implementação da saúde digital em Portugal.pptxJosé Pinto da Costa
 
As tecnologias de Informação e Comunicação na Saúde
As tecnologias de Informação e Comunicação na SaúdeAs tecnologias de Informação e Comunicação na Saúde
As tecnologias de Informação e Comunicação na Saúdemissmiracema
 
Pocket Content - Tendências de Inovação 2019 - Mercado de Saúde
Pocket Content - Tendências de Inovação 2019 - Mercado de SaúdePocket Content - Tendências de Inovação 2019 - Mercado de Saúde
Pocket Content - Tendências de Inovação 2019 - Mercado de SaúdeMJV Technology & Innovation Brasil
 
GovernanadaESD28_09.11.2021.pdf
GovernanadaESD28_09.11.2021.pdfGovernanadaESD28_09.11.2021.pdf
GovernanadaESD28_09.11.2021.pdfrodolfo42876
 

Semelhante a saude digital.pdf (20)

Inteligência Artificial na Saúde - A Próxima Fronteira.pdf
Inteligência Artificial na Saúde - A Próxima Fronteira.pdfInteligência Artificial na Saúde - A Próxima Fronteira.pdf
Inteligência Artificial na Saúde - A Próxima Fronteira.pdf
 
tic
tictic
tic
 
SAÚDE 4^LLLLLLLLJ Inteligência artificial e saúde digital.docx
SAÚDE 4^LLLLLLLLJ Inteligência artificial e saúde digital.docxSAÚDE 4^LLLLLLLLJ Inteligência artificial e saúde digital.docx
SAÚDE 4^LLLLLLLLJ Inteligência artificial e saúde digital.docx
 
Rio Info 2015 – Palestra introdutória As TICs e o seu impacto nos cuidados bá...
Rio Info 2015 – Palestra introdutória As TICs e o seu impacto nos cuidados bá...Rio Info 2015 – Palestra introdutória As TICs e o seu impacto nos cuidados bá...
Rio Info 2015 – Palestra introdutória As TICs e o seu impacto nos cuidados bá...
 
MedPlus Web
MedPlus WebMedPlus Web
MedPlus Web
 
Trabalho impacto das tecnologias digitais
Trabalho   impacto das tecnologias digitais Trabalho   impacto das tecnologias digitais
Trabalho impacto das tecnologias digitais
 
A tradução do discurso global sobre a saúde digital
A tradução do discurso global sobre a saúde digitalA tradução do discurso global sobre a saúde digital
A tradução do discurso global sobre a saúde digital
 
INFORMÁTICA APLICADA A ENFERMAGEM.pptx
INFORMÁTICA APLICADA A ENFERMAGEM.pptxINFORMÁTICA APLICADA A ENFERMAGEM.pptx
INFORMÁTICA APLICADA A ENFERMAGEM.pptx
 
Minicurso inovacao tecnologia da informacao e saude final
Minicurso inovacao tecnologia da informacao e saude finalMinicurso inovacao tecnologia da informacao e saude final
Minicurso inovacao tecnologia da informacao e saude final
 
O futuro da saúde
O futuro da saúdeO futuro da saúde
O futuro da saúde
 
O futuro da saúde
O futuro da saúdeO futuro da saúde
O futuro da saúde
 
A implementação da saúde digital em Portugal.pptx
A implementação da saúde digital em Portugal.pptxA implementação da saúde digital em Portugal.pptx
A implementação da saúde digital em Portugal.pptx
 
As tecnologias de Informação e Comunicação na Saúde
As tecnologias de Informação e Comunicação na SaúdeAs tecnologias de Informação e Comunicação na Saúde
As tecnologias de Informação e Comunicação na Saúde
 
Pocket Content - Tendências de Inovação 2019 - Mercado de Saúde
Pocket Content - Tendências de Inovação 2019 - Mercado de SaúdePocket Content - Tendências de Inovação 2019 - Mercado de Saúde
Pocket Content - Tendências de Inovação 2019 - Mercado de Saúde
 
GovernanadaESD28_09.11.2021.pdf
GovernanadaESD28_09.11.2021.pdfGovernanadaESD28_09.11.2021.pdf
GovernanadaESD28_09.11.2021.pdf
 
tic saude
tic saudetic saude
tic saude
 
TIC
TICTIC
TIC
 
TIC
TICTIC
TIC
 
GRS - Laguna - Saúde 2.0
GRS - Laguna - Saúde 2.0GRS - Laguna - Saúde 2.0
GRS - Laguna - Saúde 2.0
 
Digital health LIFEdata.AI
Digital health LIFEdata.AIDigital health LIFEdata.AI
Digital health LIFEdata.AI
 

Mais de BrenoSouto2

glomerulopatias aula sobre as alteracoes dos glomerulos
glomerulopatias aula sobre as alteracoes dos glomerulosglomerulopatias aula sobre as alteracoes dos glomerulos
glomerulopatias aula sobre as alteracoes dos glomerulosBrenoSouto2
 
glomerulopatias.pdf
glomerulopatias.pdfglomerulopatias.pdf
glomerulopatias.pdfBrenoSouto2
 
HEPATITES VIRAIS.pdf
HEPATITES VIRAIS.pdfHEPATITES VIRAIS.pdf
HEPATITES VIRAIS.pdfBrenoSouto2
 
derrame pleural + neoplasias.pdf
derrame pleural + neoplasias.pdfderrame pleural + neoplasias.pdf
derrame pleural + neoplasias.pdfBrenoSouto2
 
AULA SIFILIS.pdf
AULA SIFILIS.pdfAULA SIFILIS.pdf
AULA SIFILIS.pdfBrenoSouto2
 
aula reumato .pdf
aula reumato .pdfaula reumato .pdf
aula reumato .pdfBrenoSouto2
 

Mais de BrenoSouto2 (7)

glomerulopatias aula sobre as alteracoes dos glomerulos
glomerulopatias aula sobre as alteracoes dos glomerulosglomerulopatias aula sobre as alteracoes dos glomerulos
glomerulopatias aula sobre as alteracoes dos glomerulos
 
glomerulopatias.pdf
glomerulopatias.pdfglomerulopatias.pdf
glomerulopatias.pdf
 
LGPD.pdf
LGPD.pdfLGPD.pdf
LGPD.pdf
 
HEPATITES VIRAIS.pdf
HEPATITES VIRAIS.pdfHEPATITES VIRAIS.pdf
HEPATITES VIRAIS.pdf
 
derrame pleural + neoplasias.pdf
derrame pleural + neoplasias.pdfderrame pleural + neoplasias.pdf
derrame pleural + neoplasias.pdf
 
AULA SIFILIS.pdf
AULA SIFILIS.pdfAULA SIFILIS.pdf
AULA SIFILIS.pdf
 
aula reumato .pdf
aula reumato .pdfaula reumato .pdf
aula reumato .pdf
 

Último

TEORIA DE ENFERMAGEM DE IMOGENE M. KING.pptx
TEORIA DE ENFERMAGEM DE IMOGENE M. KING.pptxTEORIA DE ENFERMAGEM DE IMOGENE M. KING.pptx
TEORIA DE ENFERMAGEM DE IMOGENE M. KING.pptxjhordana1
 
Tecido_Nervoso.pptxsistema nervoso neuronios
Tecido_Nervoso.pptxsistema nervoso neuroniosTecido_Nervoso.pptxsistema nervoso neuronios
Tecido_Nervoso.pptxsistema nervoso neuroniosIANAHAAS
 
Anatomia do Sistema Respiratorio função e movimentos musculares.
Anatomia do Sistema Respiratorio função e movimentos musculares.Anatomia do Sistema Respiratorio função e movimentos musculares.
Anatomia do Sistema Respiratorio função e movimentos musculares.FabioCorreia46
 
fratura e imobilização de membros superior e inferior
fratura e imobilização de membros superior e inferiorfratura e imobilização de membros superior e inferior
fratura e imobilização de membros superior e inferiorIvaneSales
 
Atividade sistema muscular.pdfatividfades
Atividade sistema muscular.pdfatividfadesAtividade sistema muscular.pdfatividfades
Atividade sistema muscular.pdfatividfadesIANAHAAS
 
Puerpério normal e patológico em obstetrícia
Puerpério normal e patológico em obstetríciaPuerpério normal e patológico em obstetrícia
Puerpério normal e patológico em obstetríciaJoyceDamasio2
 
Apresentação Saúde Mental para Adolescentes
Apresentação Saúde Mental para AdolescentesApresentação Saúde Mental para Adolescentes
Apresentação Saúde Mental para AdolescentesVanessaXLncolis
 
SISTEMA ARTICULAR.pptxarticulações sistemas
SISTEMA ARTICULAR.pptxarticulações sistemasSISTEMA ARTICULAR.pptxarticulações sistemas
SISTEMA ARTICULAR.pptxarticulações sistemasIANAHAAS
 
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdfIANAHAAS
 

Último (9)

TEORIA DE ENFERMAGEM DE IMOGENE M. KING.pptx
TEORIA DE ENFERMAGEM DE IMOGENE M. KING.pptxTEORIA DE ENFERMAGEM DE IMOGENE M. KING.pptx
TEORIA DE ENFERMAGEM DE IMOGENE M. KING.pptx
 
Tecido_Nervoso.pptxsistema nervoso neuronios
Tecido_Nervoso.pptxsistema nervoso neuroniosTecido_Nervoso.pptxsistema nervoso neuronios
Tecido_Nervoso.pptxsistema nervoso neuronios
 
Anatomia do Sistema Respiratorio função e movimentos musculares.
Anatomia do Sistema Respiratorio função e movimentos musculares.Anatomia do Sistema Respiratorio função e movimentos musculares.
Anatomia do Sistema Respiratorio função e movimentos musculares.
 
fratura e imobilização de membros superior e inferior
fratura e imobilização de membros superior e inferiorfratura e imobilização de membros superior e inferior
fratura e imobilização de membros superior e inferior
 
Atividade sistema muscular.pdfatividfades
Atividade sistema muscular.pdfatividfadesAtividade sistema muscular.pdfatividfades
Atividade sistema muscular.pdfatividfades
 
Puerpério normal e patológico em obstetrícia
Puerpério normal e patológico em obstetríciaPuerpério normal e patológico em obstetrícia
Puerpério normal e patológico em obstetrícia
 
Apresentação Saúde Mental para Adolescentes
Apresentação Saúde Mental para AdolescentesApresentação Saúde Mental para Adolescentes
Apresentação Saúde Mental para Adolescentes
 
SISTEMA ARTICULAR.pptxarticulações sistemas
SISTEMA ARTICULAR.pptxarticulações sistemasSISTEMA ARTICULAR.pptxarticulações sistemas
SISTEMA ARTICULAR.pptxarticulações sistemas
 
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
 

saude digital.pdf

  • 2. SAÚDE DIGITAL A saúde digital consiste em uma nova forma de atuação da medicina, aplicando abordagens e ferramentas digitais em seus processos. As inovações já estão presentes em clínicas, consultórios e hospitais. A verdade é que ainda existe um longo caminho para se percorrer. No entanto, instituições de saúde de todo o mundo já aproveitam os benefícios da saúde digital, melhorando toda a jornada do paciente.
  • 4. SAÚDE DIGITAL O QUE É SAÚDE DIGITAL: A saúde digital, também conhecida como e-saúde, consiste em uma mudança da atuação de processos ligados à medicina, utilizando tecnologias para melhorar a vida de profissionais e pacientes. “Saúde Digital compreende o uso de recursos de Tecnologia de Informação e Comunicação (TIC) para produzir e disponibilizar informações confiáveis, sobre o estado de saúde para quem precisa, no momento que precisa. O termo Saúde Digital é mais abrangente do que e-saúde e incorpora os recentes avanços na tecnologia como novos conceitos, aplicações de redes sociais, Internet das Coisas (IoT), Inteligência Artificial (IA), entre outros.” [ DEFINIÇÃO DO MINISTÉRIO DA SAÚDE]
  • 5. SAÚDE DIGITAL SAÚDE DIGITAL E TELESSAÚDE: QUAIS AS DIFERENÇAS? Comumente confundidos, os conceitos de “saúde digital” e “telessaúde” são diferentes entre si — porém têm certa relação. A telessaúde é um dos componentes da saúde digital. De acordo com o art. 12 da Portaria 2.546/11, do Ministério da Saúde, o conceito é: “O estabelecimento autônomo que utiliza as tecnologias de informação e comunicação para realizar assistência e educação em saúde através de distâncias geográficas e temporais.“ Já a saúde digital é um novo universo para a modernização da área da medicina com a introdução de tecnologias digitais e inovadoras para evoluir e criar soluções médicas e para gestão da saúde.
  • 6. SAÚDE DIGITAL QUAL A DIFERENÇA ENTRE SAÚDE DIGITAL E DIGITALIZAÇÃO? Digitalização na saúde trata-se da transformação dos processos e documentos em formato digital. Em vez de armazenar fichas de pacientes em pastas em um arquivo físico, a instituição digitalizada o faz virtualmente — em arquivos de texto e imagem, por exemplo. Já a saúde digital é o que vem após a digitalização — e que vai muito além dela. A gestão da saúde em caráter digital, com auxílio de soluções digitalmente nativas para auxiliar, transformar e encaminhar a medicina e toda gestão hospitalar para uma nova realidade. Estamos falando da automação de processos, de novos métodos de diagnóstico e tratamento, bem como de monitoramento dos pacientes.
  • 7. SAÚDE DIGITAL PANORAMA NO BRASIL: O Brasil já possui uma estratégia de saúde digital ativa e em funcionamento. A iniciativa foi aprovada pela Resolução CIT nº 19, de 2017, da Comissão Intergestores Tripartite (CIT). Intitulado de “Estratégia e-Saúde para o Brasil“, o documento define uma visão estratégica para a saúde digital brasileira, alinhando-se às diretrizes e princípios do SUS, bem como à política brasileira de governo eletrônico.
  • 8. SAÚDE DIGITAL ESTRATÉGIAS PARAAVANÇAR A IMPLANTAÇÃO : •Reduzir a fragmentação das iniciativas de estratégia da saúde digital no SUS e aprimorar a governança da estratégia; •Fortalecer a intersetorialidade de governança de estratégia da saúde digital; •Elaborar o marco legal de estratégia da saúde digital no país; •Definir e implantar uma arquitetura para a estratégia da saúde digital; •Definir e implantar os sistemas e serviços de estratégia da saúde digital; •Disponibilizar serviços de infraestrutura computacional; •Criar arquitetura de referência para sustentação dos serviços de infraestrutura; •Criar a certificação em estratégia da saúde digital para trabalhadores do SUS; •Promover a facilitação do acesso à informação em saúde para a população.
  • 9. SAÚDE DIGITAL OS 03 EIXOS DA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DIGITAL Eixo 1 – Ações do MS para o SUS – Este eixo reconhece e valoriza o Programa Conecte SUS e suas iniciativas como ações essenciais para que a visão de saúde digital seja alcançada. Eixo 2 – Definição de Diretrizes para Colaboração e Inovação em Saúde Digital – Este eixo reconhece e valoriza a necessidade de expansão e consolidação da governança e dos recursos organizacionais que sustentarão a Estratégia de Saúde Digital. Eixo 3 – Estabelecer e Catalisar a Colaboração – Este eixo visa à implantação do Espaço de Colaboração da Estratégia de Saúde Digital, como um espaço conceitual, virtual, distribuído, lógico e físico que viabilize a colaboração entre todos os atores em saúde digital, com claras definições de expectativas, papéis e responsabilidades.
  • 10. SAÚDE DIGITAL PRIORIDADES DO MINISTÉRIO DA SAÚDE PARA SAÚDE DIGITAL 1. Governança e Liderança para a ESD; 2. Informatização dos 3 Níveis de Atenção; 3. Suporte à Melhoria da Atenção à Saúde; 4. O Usuário como Protagonista; 5. Formação e Capacitação de Recursos Humanos; 6. Ambiente e Interconectividade; 7. Ecossistema de Inovação.
  • 11. SAÚDE DIGITAL VANTAGENS DA SAÚDE DIGITAL • Diagnóstico fácil e preciso A inovação na saúde, ao implementar softwares e ferramentas como o big data e a inteligência artificial, concentra um alto volume de informações nos bancos de dados, o que possibilita um acompanhamento mais preciso e traz maior segurança ao definir diagnósticos. Com o conhecimento do histórico de um paciente, cirurgias prévias, medicações tomadas e casos de doenças na família, o médico pode obter clareza ao tratar um indivíduo. Ao lidar com vidas de terceiros, esse ponto é fundamental.
  • 12. SAÚDE DIGITAL VANTAGENS DA SAÚDE DIGITAL • Consultas, prevenção e tratamento Consultas que teriam de ser agendadas para um ou dois meses podem ser realizadas à distância, tirando dúvidas e evitando a evolução de casos que poderiam ser perigosos. Da mesma maneira, por meio de aplicativos e os chamados wearables, o paciente pode ser sinalizado dos horários de sua medicação, agendamentos e métodos de cuidados e prevenção de doenças, reunindo também dados como frequência cardíaca, calorias consumidas e gastas etc.
  • 13. SAÚDE DIGITAL VANTAGENS DA SAÚDE DIGITAL • Automatização de processos Seja em consultórios, clínicas ou hospitais, erros básicos, como preenchimentos de informações, agendamento de cirurgias, consultas, prontuários e receitas não correm o risco de se perderem ou serem feitos erroneamente. Isso acontece pois os sistemas de gestão executam todas essas tarefas de forma automatizada, liberando colaboradores para lidarem com situações que exigem mais, como o próprio atendimento e a assistência aos pacientes.
  • 14. SAÚDE DIGITAL VANTAGENS DA SAÚDE DIGITAL • Os pacientes podem gerir sua própria saúde Com o uso de tecnologias inovadoras, como os wearables e dispositivos IoT, é totalmente possível que os próprios pacientes façam a gestão de sua saúde. Agora, os próprios smartwatches oferecem um meio seguro do paciente acompanhar dados sobre sua circulação sanguínea, nível de oxigenação e atividade cardíaca. Os pacientes podem gerenciar sua própria saúde, tendo acesso às instruções exatas de seus médicos com apenas alguns toques em uma tela. É uma forma de não apenas proporcionar maior autonomia e autoconhecimento das suas condições de saúde, mas de antecipar problemas e mitigar consequências.
  • 15. SAÚDE DIGITAL VANTAGENS DA SAÚDE DIGITAL • Hospitais e centros de saúde operando com mais eficiência Com a tecnologia na saúde 4.0, os hospitais e centros de saúde possuem melhores recursos para operar todas as etapas da jornada do paciente com mais eficiência. A tecnologia e os algoritmos inteligentes vão ajudar mesmo nas tarefas mais cotidianas no hospital e centros clínicos, como na gestão de leitos. Essa, que é uma das dores de instituições em épocas de lotação, pode ser uma situação contornada com uso mais eficiente dos espaços, recursos e tempo dos profissionais disponíveis. Essa evolução também pode auxiliar na melhoria da relação entre instituições de saúde e operadoras de planos, reduzindo a ocorrência das glosas hospitalares.
  • 16. SAÚDE DIGITAL DESAFIOS DO PROCESSO DE IMPLEMENTAÇÃO • Formação acadêmica direcionada aos avanços tecnológicos • Atualização dos profissionais ativos no mercado • Aceitação da população e dos profissionais • Protocolos de segurança • Fragilidade dos dados [* LGPD] • Conectividade das unidades de saúde x pacientes • Concorrência de outros setores • Conhecimento duvidoso
  • 17. SAÚDE DIGITAL REGULAMENTAÇÃO DA SAÚDE DIGITAL O apoio aos processos de e-health vem da própria Organização Mundial da Saúde (OMS), em nível mundial. No Brasil, o Ministério da Saúde regula a saúde digital no Brasil por meio da Resolução CIT nº 19, que citamos anteriormente. A legislação brasileira, regulando projetos como o digiSUS, tem o objetivo de, pelos meios digitais, ampliar os serviços de saúde pública por todo o país, garantindo acesso aos serviços de forma facilitada e ágil.
  • 18.
  • 19. SAÚDE DIGITAL APLICAÇÃO DA TECNOLOGIA NA SAÚDE DIGITAL • Prontuário eletrônico Muito além de anotações sobre seu histórico, o PEP contém exames, imagens, prescrições e todo tipo de documento acerca da saúde do paciente. É uma das tecnologias que mais exemplificam o potencial da saúde digital, já que além de digital, pode ser acessado por qualquer dispositivo facilmente pelos responsáveis pelo tratamento. Trata-se de uma ferramenta essencial para uma gestão hospitalar eficiente e cada vez mais tecnológica.
  • 20. SAÚDE DIGITAL APLICAÇÃO DA TECNOLOGIA NA SAÚDE DIGITAL • Aplicativos de saúde Eles podem ser utilizados somente em nível pessoal, para monitoramento individual de atividades físicas ou índices corpóreos, como também em conjunto com tratamentos médicos. Hoje, existem tantas opções no mercado que seria difícil mencionar todas. Uma delas é o Conecte SUS, aplicativo de saúde digital do Sistema Único de Saúde (SUS), que registra toda jornada do cidadão brasileiro pelo sistema de saúde público. Nele, é possível acessar dados e informações sobre atendimentos realizados, prescrição de medicamentos e exames feitos pelo SUS, bem como agendar consultas.
  • 21. SAÚDE DIGITAL APLICAÇÃO DA TECNOLOGIA NA SAÚDE DIGITAL • Inteligência Artificial Pode ajudar os profissionais de saúde a tomarem decisões concretas e melhor informadas, de modo a oferecerem melhores tratamentos. Além disso, a tecnologia pode ser utilizada em sistemas de saúde digital, de modo a automatizar tarefas por meio do aprendizado de máquina (Machine Learning). Uma dessas aplicações tem relação com o faturamento hospitalar, uma das atividades mais críticas da operação de saúde — e que normalmente leva tempo e necessita de muita atenção. Agora, na prática, a inteligência artificial pode ajudar as instituições a analisarem grandes volumes de dados, unindo insights dados pelos próprios pacientes que ajudem na construção de uma análise preditiva de suas condições — tudo de maneira rápida.
  • 22. SAÚDE DIGITAL APLICAÇÃO DA TECNOLOGIA NA SAÚDE DIGITAL • Impressões 3D e 4D • Tecnologias vestíveis • Realidade virtual / aumentada • Internet of things • Big data • Chatbots • Gameficação
  • 23. SAÚDE DIGITAL APLICAÇÃO DA TECNOLOGIA NA SAÚDE DIGITAL • Tele medicina * • Tele enfermagem* • Tele odontologia* • Tele fisioterapia* • Monitorização à distância*