SlideShare uma empresa Scribd logo
Internet, jornais electrónicos e teletrabalho
Algumas apostas no mercado de trabalho
Rogério Santos
Um estudo recentemente publicado apon-
tava para a existência de um parque informá-
tico com 1,2 milhões de computadores em
Portugal1
. Segundo o mesmo trabalho, e
para 1998, havia 750 mil pessoas com possi-
bilidades de acesso à Internet, na escola, no
emprego e no lar. Nas residências, por exem-
plo, o número ascendia já a cerca de cem mil,
mas o contacto mais presente processava-se
na escola. A maioria dos utilizadores da In-
ternet usava-a há menos de um ano, estu-
dava, possuía um grau elevado de instrução
e provinha maioritariamente da área de Lis-
boa e Vale do Tejo.
Apesar de menos relevantes do que em
outros países da Europa, estes números são
já interessantes e merecem alguma reflexão.
Por isso, o eixo principal desta comunica-
ção assenta na aplicação dos computadores
em domínios concretos, tais como a edição
electrónica e o teletrabalho, fomentadoras de
empregabilidade no presente e no futuro. Es-
tamos a falar - convém frisar - de sectores
englobando a informática, o multimedia, as
telecomunicações e as tecnologias de infor-
mação, que caminham, elas próprias, para
a convergência, como nós próprios escreve-
1
Instituto das Comunicações de Portugal (1999).
Internet, telecomunicações e sociedade de informa-
ção, uma visão prospectiva (2000/2010) - conclusões.
Lisboa: Instituto das Comunicações de Portugal
mos em livro recente2
. Sectores que projec-
tam, entre outras actividades, o desenvolvi-
mento da videoconferência e as reuniões em
rede, a aplicação dos computadores às tare-
fas de computação e o grafismo em três di-
mensões3
.
Vejamos em primeiro lugar as empresas.
As actividades destas fazem-se acompanhar
por um jogo contínuo de criação de novas or-
ganizações e de fusões e aquisições de em-
presas. Por exemplo, em 1998, a Microsoft
comprou a Hotmail, a America Online (o
maior portal da Internet, com mais de 38 mi-
lhões de visitantes em Fevereiro último4
) ad-
quiriu a Netscape e a Compaq fez o mesmo
com a Digital. Isto tudo em empresas de in-
formática, infotainment (mistura de informa-
ção e entretenimento) e telecomunicações.
Já este ano, em Abril, a Yahoo comprou a
Broadcast.com, fornecedora de serviço no-
ticioso e de actualidade, que inclui som e
vídeo, e serviços às empresas como video-
conferência, tornando a nova empresa o se-
gundo maior portal da Internet (mais de 31
milhões de visitantes em Fevereiro último).
2
Rogério Santos (1998). Os novos media e o es-
paço público. Lisboa: Gradiva
3
Comunicações, revista da APDC (Associação
Portuguesa para o Desenvolvimento das Comunica-
ções), número de Fevereiro de 1999, p. 37
4
Público, 5 de Abril de 1999
2 Rogério Santos
Hoje, há já cerca de 300 mil redes interliga-
das no mundo, com um crescimento anual de
100%5
. Entre nós, a PT e a Microsoft assina-
ram um acordo, com esta a entrar no capital
da TV Cabo, traduzível, para já, em serviços
interactivos.
Em segundo lugar, analisemos a impor-
tância crescente do uso do computador na
nossa sociedade. A um maior poder de pro-
cessamento de informação nos computado-
res, juntam-se as funções de multimedia e da
interactividade, resultado de equipamentos
mais modernos e sofisticados e de mais li-
gações entre redes. As empresas já começa-
ram a ver este fenóm twocolumn,eno e inte-
gram a Internet na sua actividade, factor ge-
rador de postos de trabalho. Seguindo o es-
tudo do ICP citado inicialmente, sucedem-se
fases como abertura ao exterior (criação de
sítios institucionais e de promoção), interac-
ção com parceiros (intranets com acesso de
clientes e fornecedores) e integração da in-
formação no quadro económico da empresa.
Como conclusão do ponto agora descrito,
a um maior uso de computadores e da Inter-
net corresponde a criação de novas empresas
e de novos empregos, como a prestação de
serviços de design, programação, marketing
interactivo e alojamento de páginas. Do per-
fil do novo emprego, destacamos vários pon-
tos fortes. Ao trabalho independente e cria-
tivo, na busca de novas projectos e soluções,
junta-se a necessidade de constituir equipas
multidisciplinares, enriquecedoras do con-
junto de conhecimentos de cada indivíduo e
de uma grande competitividade no seu con-
junto. Metade das empresas do sector li-
gado à Internet nasceu depois de 1996 e tem
um ambiente de micro-empresas quer em nú-
5
Notícias intercom, 12 de Abril de 1999
mero de empregados quer em facturação. A
origem jovem dos seus elementos é um outro
factor a destacar.
Observemos agora, com maior detalhe, al-
gumas das apostas futuras de emprego nes-
tas áreas. Um exemplo de actividade é o
jornalismo electrónico ou on-line6
. As pro-
fissões ligadas à comunicação social estão
na moda, embora nem tudo esteja a correr
bem. No caso concreto do jornalismo elec-
trónico, este combina texto, imagem e som.
A transmissão na Web permite juntar os di-
versos géneros jornalísticos à sua volta - a
notícia, a reportagem, a entrevista, a crónica
-, com a acrescida vantagem tecnológica de
procurar à frente ou voltar atrás, através do
hipertexto7
. Por este, o utilizador navega e
descobre novos sítios e informações. Além
disso, há terreno para novos conteúdos, com
os fornecedores e os utilizadores a pesqui-
sarem ao mesmo tempo8
, e que se repercute
na função do jornalista, agora aberta a novas
actividades ou profissões. Aqui, incluem-se
os jornalistas na forma clássica de colectores
de informação e produtores de notícias, mas
também fotojornalistas, cartoonistas, arqui-
vistas, operadores de câmara e técnicos de
vídeo e áudio. Isto implica que o editor de
um jornal electrónico, por exemplo, tem de
possuir uma formação ecléctica, trabalhando
quer o áudio quer o vídeo, escrevendo, acres-
6
Começa já a traduzir-se o conceito para língua
portuguesa - jornalismo em linha
7
Mark Deuze (1998). “The webcommu-
nicators: issues in research into online jour-
nalism and journalists”. In First Monday
<http://www.firstmonday.dk/issues/issue3_12/deuze/
index.html>
8
Helder Bastos (1999). “A viragem digital do
jornalismo”, texto apresentado ao congresso da SOP-
COM (Associação Portuguesa de Ciências da Comu-
nicação), na Fundação Calouste Gulbenkian
www.bocc.ubi.pt
Internet, jornais electrónicos e teletrabalho 3
centando os hiperlinks e mantendo a necessi-
dade de fechar a edição a tempo. Em Agosto
de 1997 - e trata-se já de uma data distante
para nós -, havia 3622 jornais editados na In-
ternet, metade dos quais nascera nesse ano9
.
Muitas das estações de rádio e de televisão
ligadas à Internet só existem na Web, sem
nunca terem emitido através das ondas hert-
zianas.
De um lado, destaca-se a vertente expe-
rimental da nova ferramenta tecnológica, e
do outro, a procura comercial e de negócio.
Neste último, basta pensar no êxito da venda
electrónica de livros por parte da Amazon.
Uma razão do crescimento de jornais elec-
trónicos é a multiplicidade de propostas, que
vai dos meios informativos sobre tecnologias
até às revistas de crítica e criação literária. A
possibilidade experimental articula-se com
novas linhas estéticas nos textos, nas ima-
gens e nos grafismos que os acompanham,
dando conta de uma jovem geração de agen-
tes criativos que usam a Internet, o já cha-
mado quarto medium. Além disso, num jor-
nal electrónico, não há constrangimento de
espaço e tempo como no diário que lemos
ou no telejornal, isto é, os textos podem ter a
dimensão de acordo com o nosso interesse e
não se subordinam às páginas existentes ou à
duração do telejornal. Por outro lado, devido
ao hipertexto (links para outras áreas de inte-
resse), salta-se de um texto para outro texto
ou imagem.
Uma área mais global utilizando as desig-
nadas tecnologias de informação é o teletra-
balho. Este define-se como o resultado de
actividades e serviços que incluem a trans-
missão à distância de dados, imagens, tex-
9
Dados disponíveis em http//:www.towson.edu/
∼lieb/multimedia_syllabus.html
tos. No sentido restrito do termo, o tele-
trabalho efectua-se no domicílio ou em tele-
centros; no sentido mais geral, é todo aquele
que parte do posto de trabalho com um com-
putador ligado em rede. Engloba activida-
des como a telegestão e a televigilância, isto
é, actividades controladas remotamente por
meio de aparelhos vídeo, electrónicos e com-
putadores.
No sentido restrito atrás referido, as pes-
soas que praticam estas actividades são pro-
fissionais independentes na sua maioria, ope-
rando em programação informática, na tra-
dução e na análise e controlo de máquinas,
naquilo a que um autor americano chamou
de profissionais simbólicos-analíticos10
, re-
correndo a trabalho de investigação, de reso-
lução e identificação de problemas e de in-
termediação estratégica. As acções de co-
municação destes trabalhadores simbólicos-
analíticos fazem-se acompanhar de modos
de interligação como o correio electrónico,
rede que corre a par da Internet.
Indo mais fino ao conjunto de actividades
em torno do teletrabalho, não podemos dei-
xar de referir algumas aplicações concretas
usando a Internet. Uma delas é a telemedi-
cina, que permite a troca de dados sobre es-
tados de saúde e, até, acompanhar ou reali-
zar operações à distância. O sucesso da te-
lemedicina encontra-se na segurança em ter-
mos de transmissão e armazenamento de da-
dos, na sua fiabilidade tecnológica e na con-
fiança social que nela se deposita. Fazer
uma operação por telemedicina exige, por
um lado, uma grande habilidade por parte do
médico operador e, por outro lado, a acei-
tação pública do sucesso de tal empreendi-
10
Robert Reich (1993). O trabalho das nações.
Lisboa: Quetzal, pp. 253-257
www.bocc.ubi.pt
4 Rogério Santos
mento. Nesta plateia, não fazemos tanto a
apologia do médico perito em manipular má-
quinas à distância, mas à criação de empre-
gos em torno desta actividade. Talvez surja
daqui uma pequena fileira de profissionais,
do fornecimento de equipamentos e sua ma-
nutenção à preparação de códigos de comu-
nicação homem-máquina.
Outra das aplicações é usada pela banca,
como o homebanking, já praticadas por mui-
tos bancos. Isto quer dizer que muitas das
transacções bancárias são já efectuadas por
máquinas inteligentes. O mesmo ocorre
com o comércio electrónico, definido como
a condução de actividades comerciais en-
tre empresas e particulares por intermédio
de meios electrónicos. Áreas apontadas de
grande expansão no comércio electrónico
são os sectores de distribuição, automóvel
e electricidade. Resolvidos que forem os
problemas de confidencialidade, como os re-
ceios de roubo de códigos de acesso a cartões
visa através da Internet, o comércio electró-
nico promete revolucionar as transacções en-
volvendo dinheiro. Os sucessos do multi-
banco e da via verde são dois bons exemplos.
Nesta curta intervenção, falámos das ma-
ravilhas do mundo novo. Mas não podemos
esquecer o reverso, se quisermos ser realis-
tas. O uso da Internet e das tecnologias de in-
formação provoca um conjunto de oportuni-
dades e de ameaças, com a criação de novas
profissões e a requalificação de outras profis-
sões. O aspecto negativo será o aumento da
info-exclusão, problema que afecta as pes-
soas que não acompanham a evolução tecno-
lógica ou com medo de operar as novas má-
quinas. Por outro lado, as áreas que temos
vindo a referir são constituídas por nichos de
mercado em constante mudança. O risco de
obsoletização traduz-se em precariedade do
negócio e do emprego. Além disso, e já visto
atrás, o ambiente de micro-empresas signi-
fica a existência de poucos postos de traba-
lho por unidade produtiva. O problema do
desemprego em vasta escala não se resolve
com a criação de apenas algumas empresas,
mas com a constituição de muitas e consti-
tuindo um feixe de actividades entrecruza-
das. Mas o mercado não é elástico e o apoio
a iniciativas individuais e de pequenos gru-
pos precisa de ser multiplicado, tornando-se
necessário um grande esforço em termos de
imaginação.
www.bocc.ubi.pt

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Conceitos de Tecnologia da Informação
Conceitos de Tecnologia da InformaçãoConceitos de Tecnologia da Informação
Conceitos de Tecnologia da Informação
Robson Santos
 
Internet
InternetInternet
C.L.C. 5 - Reflexão crítica sobre o computador
C.L.C. 5 - Reflexão crítica sobre o computadorC.L.C. 5 - Reflexão crítica sobre o computador
C.L.C. 5 - Reflexão crítica sobre o computador
I.Braz Slideshares
 
Modulo 01
Modulo 01 Modulo 01
Modulo 01
Dilma Resende
 
Trabalho Escrito - Fluxos de Informação
Trabalho Escrito - Fluxos de InformaçãoTrabalho Escrito - Fluxos de Informação
Trabalho Escrito - Fluxos de Informação
Renato Oliveira
 
Revista br cgi - 2014 - ano 5 - edicao 7 - Ivan Moura Campos
Revista br cgi - 2014 - ano 5 - edicao 7 - Ivan Moura CamposRevista br cgi - 2014 - ano 5 - edicao 7 - Ivan Moura Campos
Revista br cgi - 2014 - ano 5 - edicao 7 - Ivan Moura Campos
Hekima
 
A Nova Era Digital
A Nova Era DigitalA Nova Era Digital
A Nova Era Digital
Rafael Comin
 
Whitepaperipad
WhitepaperipadWhitepaperipad
Whitepaperipad
bianchiassociates
 
Case Copa: Marketing Digital
Case Copa: Marketing DigitalCase Copa: Marketing Digital
Case Copa: Marketing Digital
bianchiassociates
 
MARKETING DIGITAL E AS REDES SOCIAIS: UM ESTUDO SOBRE AS FERRAMENTAS E ESTRAT...
MARKETING DIGITAL E AS REDES SOCIAIS: UM ESTUDO SOBRE AS FERRAMENTAS E ESTRAT...MARKETING DIGITAL E AS REDES SOCIAIS: UM ESTUDO SOBRE AS FERRAMENTAS E ESTRAT...
MARKETING DIGITAL E AS REDES SOCIAIS: UM ESTUDO SOBRE AS FERRAMENTAS E ESTRAT...
Marcus Pessoa
 
Aula 02 á 03 introdução. as tecnologias da informação e internet (2ª parte).
Aula 02 á 03 introdução. as tecnologias da informação e internet (2ª parte).Aula 02 á 03 introdução. as tecnologias da informação e internet (2ª parte).
Aula 02 á 03 introdução. as tecnologias da informação e internet (2ª parte).
AntnioGilbertoBastos
 
Trabalho de clc ng5 dr2
Trabalho de clc ng5 dr2Trabalho de clc ng5 dr2
Trabalho de clc ng5 dr2
estreitoformaefas
 
Modelos de negócios digitais
Modelos de negócios digitaisModelos de negócios digitais
Modelos de negócios digitais
Nicholas Guzman Vicentini
 
Bill Gates
Bill GatesBill Gates
Bill Gates
Licínio Rocha
 
STC5
STC5STC5
Modelos de negocios digitais
Modelos de negocios digitaisModelos de negocios digitais
Modelos de negocios digitais
guest4d2ec80
 
Apresentação modelos de negócios digitais
Apresentação modelos de negócios digitaisApresentação modelos de negócios digitais
Apresentação modelos de negócios digitais
Fabio Souza Damasceno
 
Internetmoveleapps
InternetmoveleappsInternetmoveleapps
Internetmoveleapps
bianchiassociates
 
Brasildigital2015
Brasildigital2015Brasildigital2015
Brasildigital2015
bianchiassociates
 

Mais procurados (19)

Conceitos de Tecnologia da Informação
Conceitos de Tecnologia da InformaçãoConceitos de Tecnologia da Informação
Conceitos de Tecnologia da Informação
 
Internet
InternetInternet
Internet
 
C.L.C. 5 - Reflexão crítica sobre o computador
C.L.C. 5 - Reflexão crítica sobre o computadorC.L.C. 5 - Reflexão crítica sobre o computador
C.L.C. 5 - Reflexão crítica sobre o computador
 
Modulo 01
Modulo 01 Modulo 01
Modulo 01
 
Trabalho Escrito - Fluxos de Informação
Trabalho Escrito - Fluxos de InformaçãoTrabalho Escrito - Fluxos de Informação
Trabalho Escrito - Fluxos de Informação
 
Revista br cgi - 2014 - ano 5 - edicao 7 - Ivan Moura Campos
Revista br cgi - 2014 - ano 5 - edicao 7 - Ivan Moura CamposRevista br cgi - 2014 - ano 5 - edicao 7 - Ivan Moura Campos
Revista br cgi - 2014 - ano 5 - edicao 7 - Ivan Moura Campos
 
A Nova Era Digital
A Nova Era DigitalA Nova Era Digital
A Nova Era Digital
 
Whitepaperipad
WhitepaperipadWhitepaperipad
Whitepaperipad
 
Case Copa: Marketing Digital
Case Copa: Marketing DigitalCase Copa: Marketing Digital
Case Copa: Marketing Digital
 
MARKETING DIGITAL E AS REDES SOCIAIS: UM ESTUDO SOBRE AS FERRAMENTAS E ESTRAT...
MARKETING DIGITAL E AS REDES SOCIAIS: UM ESTUDO SOBRE AS FERRAMENTAS E ESTRAT...MARKETING DIGITAL E AS REDES SOCIAIS: UM ESTUDO SOBRE AS FERRAMENTAS E ESTRAT...
MARKETING DIGITAL E AS REDES SOCIAIS: UM ESTUDO SOBRE AS FERRAMENTAS E ESTRAT...
 
Aula 02 á 03 introdução. as tecnologias da informação e internet (2ª parte).
Aula 02 á 03 introdução. as tecnologias da informação e internet (2ª parte).Aula 02 á 03 introdução. as tecnologias da informação e internet (2ª parte).
Aula 02 á 03 introdução. as tecnologias da informação e internet (2ª parte).
 
Trabalho de clc ng5 dr2
Trabalho de clc ng5 dr2Trabalho de clc ng5 dr2
Trabalho de clc ng5 dr2
 
Modelos de negócios digitais
Modelos de negócios digitaisModelos de negócios digitais
Modelos de negócios digitais
 
Bill Gates
Bill GatesBill Gates
Bill Gates
 
STC5
STC5STC5
STC5
 
Modelos de negocios digitais
Modelos de negocios digitaisModelos de negocios digitais
Modelos de negocios digitais
 
Apresentação modelos de negócios digitais
Apresentação modelos de negócios digitaisApresentação modelos de negócios digitais
Apresentação modelos de negócios digitais
 
Internetmoveleapps
InternetmoveleappsInternetmoveleapps
Internetmoveleapps
 
Brasildigital2015
Brasildigital2015Brasildigital2015
Brasildigital2015
 

Destaque

Santos rogerio-media-turismo
Santos rogerio-media-turismoSantos rogerio-media-turismo
Santos rogerio-media-turismo
Rogério Santos
 
Fim 3 programa_ii chc_evora2013
Fim 3 programa_ii chc_evora2013Fim 3 programa_ii chc_evora2013
Fim 3 programa_ii chc_evora2013
Rogério Santos
 
Redes sociais (14.5.2013)
Redes sociais (14.5.2013)Redes sociais (14.5.2013)
Redes sociais (14.5.2013)
Rogério Santos
 
Ecrea
EcreaEcrea
SIN SOSTENIBILIDAD NO HAY TURISMO
SIN SOSTENIBILIDAD NO HAY TURISMO  SIN SOSTENIBILIDAD NO HAY TURISMO
SIN SOSTENIBILIDAD NO HAY TURISMO
I Simposio Argentino Español de Turismo
 
Do Telefone A Central Digital
Do Telefone A Central DigitalDo Telefone A Central Digital
Do Telefone A Central Digital
Rogério Santos
 

Destaque (6)

Santos rogerio-media-turismo
Santos rogerio-media-turismoSantos rogerio-media-turismo
Santos rogerio-media-turismo
 
Fim 3 programa_ii chc_evora2013
Fim 3 programa_ii chc_evora2013Fim 3 programa_ii chc_evora2013
Fim 3 programa_ii chc_evora2013
 
Redes sociais (14.5.2013)
Redes sociais (14.5.2013)Redes sociais (14.5.2013)
Redes sociais (14.5.2013)
 
Ecrea
EcreaEcrea
Ecrea
 
SIN SOSTENIBILIDAD NO HAY TURISMO
SIN SOSTENIBILIDAD NO HAY TURISMO  SIN SOSTENIBILIDAD NO HAY TURISMO
SIN SOSTENIBILIDAD NO HAY TURISMO
 
Do Telefone A Central Digital
Do Telefone A Central DigitalDo Telefone A Central Digital
Do Telefone A Central Digital
 

Semelhante a Santos rogerio-teletrabalho

Fundamentos da Gestão de TI
Fundamentos da Gestão de TIFundamentos da Gestão de TI
Fundamentos da Gestão de TI
Tany Cruz D'Aniello
 
Cibernegócios. Pensou em negócios na rede, pensou ciber.
Cibernegócios. Pensou em negócios na rede, pensou ciber.Cibernegócios. Pensou em negócios na rede, pensou ciber.
Cibernegócios. Pensou em negócios na rede, pensou ciber.
Karen Reis
 
Big Data, Jornalismo Computacional e Data Journalism: estrutura, pensamento e...
Big Data, Jornalismo Computacional e Data Journalism: estrutura, pensamento e...Big Data, Jornalismo Computacional e Data Journalism: estrutura, pensamento e...
Big Data, Jornalismo Computacional e Data Journalism: estrutura, pensamento e...
Walter Junior
 
04 novas tecnologias
04 novas tecnologias04 novas tecnologias
04 novas tecnologias
danimateus
 
Tics Na EducaçãO
Tics Na EducaçãOTics Na EducaçãO
Tics Na EducaçãO
43714
 
Tics Na EducaçãO
Tics Na EducaçãOTics Na EducaçãO
Tics Na EducaçãO
43714
 
Trabalho de informarica.docx
Trabalho de informarica.docxTrabalho de informarica.docx
Trabalho de informarica.docx
ComprastudoOnline1
 
Modelos
ModelosModelos
Modelos
Mateus Cozer
 
Novas Tecnologias e as mudanças no mercado
Novas Tecnologias e as mudanças no mercadoNovas Tecnologias e as mudanças no mercado
Novas Tecnologias e as mudanças no mercado
renatofrigo
 
A internet das coisas e os paradigmas do marketing e do consumo
A internet das coisas e os paradigmas do marketing e do consumoA internet das coisas e os paradigmas do marketing e do consumo
A internet das coisas e os paradigmas do marketing e do consumo
Marcella Rodrigues
 
Tendências de mercado para tic’s o fenômeno chamado big data
Tendências de mercado para tic’s   o fenômeno chamado big dataTendências de mercado para tic’s   o fenômeno chamado big data
Tendências de mercado para tic’s o fenômeno chamado big data
cictec
 
Informatica na-educacao-ferramenta-de-apoio-ao-ensino-e-de-estruturacao-do-pr...
Informatica na-educacao-ferramenta-de-apoio-ao-ensino-e-de-estruturacao-do-pr...Informatica na-educacao-ferramenta-de-apoio-ao-ensino-e-de-estruturacao-do-pr...
Informatica na-educacao-ferramenta-de-apoio-ao-ensino-e-de-estruturacao-do-pr...
Rigo Rodrigues
 
Economia digital Telcos e OTT
Economia digital Telcos e OTTEconomia digital Telcos e OTT
Economia digital Telcos e OTT
RODRIGO ANDRES CUESTA HERNANDEZ
 
Cultura digital
Cultura digitalCultura digital
Cultura digital
Alquimídia.org
 
Módulo 1 cultura digital
Módulo 1   cultura digitalMódulo 1   cultura digital
Módulo 1 cultura digital
Thiago Skárnio
 
C409 m artigo 1 uma analise do cenario publicitario online mobile
C409 m artigo 1 uma analise do cenario publicitario online mobileC409 m artigo 1 uma analise do cenario publicitario online mobile
C409 m artigo 1 uma analise do cenario publicitario online mobile
Professor Sérgio Duarte
 
Uma analise do cenario publicitario online mobile r10 0087-1
Uma analise do cenario publicitario online mobile r10 0087-1Uma analise do cenario publicitario online mobile r10 0087-1
Uma analise do cenario publicitario online mobile r10 0087-1
Professor Sérgio Duarte
 
Preparação para a indústria inteligente
Preparação para a  indústria inteligente  Preparação para a  indústria inteligente
Preparação para a indústria inteligente
Fundação Dom Cabral - FDC
 
4 as telecomunicações
4  as telecomunicações4  as telecomunicações
4 as telecomunicações
Mayjö .
 
Hipernet at Cluster do Mar Magazine
Hipernet at Cluster do Mar MagazineHipernet at Cluster do Mar Magazine
Hipernet at Cluster do Mar Magazine
Hugo Duarte da Fonseca
 

Semelhante a Santos rogerio-teletrabalho (20)

Fundamentos da Gestão de TI
Fundamentos da Gestão de TIFundamentos da Gestão de TI
Fundamentos da Gestão de TI
 
Cibernegócios. Pensou em negócios na rede, pensou ciber.
Cibernegócios. Pensou em negócios na rede, pensou ciber.Cibernegócios. Pensou em negócios na rede, pensou ciber.
Cibernegócios. Pensou em negócios na rede, pensou ciber.
 
Big Data, Jornalismo Computacional e Data Journalism: estrutura, pensamento e...
Big Data, Jornalismo Computacional e Data Journalism: estrutura, pensamento e...Big Data, Jornalismo Computacional e Data Journalism: estrutura, pensamento e...
Big Data, Jornalismo Computacional e Data Journalism: estrutura, pensamento e...
 
04 novas tecnologias
04 novas tecnologias04 novas tecnologias
04 novas tecnologias
 
Tics Na EducaçãO
Tics Na EducaçãOTics Na EducaçãO
Tics Na EducaçãO
 
Tics Na EducaçãO
Tics Na EducaçãOTics Na EducaçãO
Tics Na EducaçãO
 
Trabalho de informarica.docx
Trabalho de informarica.docxTrabalho de informarica.docx
Trabalho de informarica.docx
 
Modelos
ModelosModelos
Modelos
 
Novas Tecnologias e as mudanças no mercado
Novas Tecnologias e as mudanças no mercadoNovas Tecnologias e as mudanças no mercado
Novas Tecnologias e as mudanças no mercado
 
A internet das coisas e os paradigmas do marketing e do consumo
A internet das coisas e os paradigmas do marketing e do consumoA internet das coisas e os paradigmas do marketing e do consumo
A internet das coisas e os paradigmas do marketing e do consumo
 
Tendências de mercado para tic’s o fenômeno chamado big data
Tendências de mercado para tic’s   o fenômeno chamado big dataTendências de mercado para tic’s   o fenômeno chamado big data
Tendências de mercado para tic’s o fenômeno chamado big data
 
Informatica na-educacao-ferramenta-de-apoio-ao-ensino-e-de-estruturacao-do-pr...
Informatica na-educacao-ferramenta-de-apoio-ao-ensino-e-de-estruturacao-do-pr...Informatica na-educacao-ferramenta-de-apoio-ao-ensino-e-de-estruturacao-do-pr...
Informatica na-educacao-ferramenta-de-apoio-ao-ensino-e-de-estruturacao-do-pr...
 
Economia digital Telcos e OTT
Economia digital Telcos e OTTEconomia digital Telcos e OTT
Economia digital Telcos e OTT
 
Cultura digital
Cultura digitalCultura digital
Cultura digital
 
Módulo 1 cultura digital
Módulo 1   cultura digitalMódulo 1   cultura digital
Módulo 1 cultura digital
 
C409 m artigo 1 uma analise do cenario publicitario online mobile
C409 m artigo 1 uma analise do cenario publicitario online mobileC409 m artigo 1 uma analise do cenario publicitario online mobile
C409 m artigo 1 uma analise do cenario publicitario online mobile
 
Uma analise do cenario publicitario online mobile r10 0087-1
Uma analise do cenario publicitario online mobile r10 0087-1Uma analise do cenario publicitario online mobile r10 0087-1
Uma analise do cenario publicitario online mobile r10 0087-1
 
Preparação para a indústria inteligente
Preparação para a  indústria inteligente  Preparação para a  indústria inteligente
Preparação para a indústria inteligente
 
4 as telecomunicações
4  as telecomunicações4  as telecomunicações
4 as telecomunicações
 
Hipernet at Cluster do Mar Magazine
Hipernet at Cluster do Mar MagazineHipernet at Cluster do Mar Magazine
Hipernet at Cluster do Mar Magazine
 

Mais de Rogério Santos

Parallel stories differentiated_histories_explorin
Parallel stories differentiated_histories_explorinParallel stories differentiated_histories_explorin
Parallel stories differentiated_histories_explorin
Rogério Santos
 
Fábrica Portuguesa Rádio Triunfo (1973)
Fábrica Portuguesa Rádio Triunfo (1973)Fábrica Portuguesa Rádio Triunfo (1973)
Fábrica Portuguesa Rádio Triunfo (1973)
Rogério Santos
 
Avaliação de Desempenho
Avaliação de DesempenhoAvaliação de Desempenho
Avaliação de Desempenho
Rogério Santos
 
Livro O Telefone
Livro O TelefoneLivro O Telefone
Livro O Telefone
Rogério Santos
 
Fanzines
FanzinesFanzines
Fanzines
Rogério Santos
 
Celestino de Anciães Felício - Plano de Radiodifusão de Angola
Celestino de Anciães Felício - Plano de Radiodifusão de AngolaCelestino de Anciães Felício - Plano de Radiodifusão de Angola
Celestino de Anciães Felício - Plano de Radiodifusão de Angola
Rogério Santos
 
João carlos callixto
João carlos callixtoJoão carlos callixto
João carlos callixto
Rogério Santos
 
Rádio em Portugal: tendências e grupos de comunicação na actualidade
Rádio em Portugal: tendências e grupos de comunicação na actualidadeRádio em Portugal: tendências e grupos de comunicação na actualidade
Rádio em Portugal: tendências e grupos de comunicação na actualidade
Rogério Santos
 
Os media nos últimos 25 anos (Forum Estudante)
Os media nos últimos 25 anos (Forum Estudante)Os media nos últimos 25 anos (Forum Estudante)
Os media nos últimos 25 anos (Forum Estudante)
Rogério Santos
 
00024935
0002493500024935
00024935
Rogério Santos
 
Livro de Carmen Monereo
Livro de Carmen MonereoLivro de Carmen Monereo
Livro de Carmen Monereo
Rogério Santos
 
Decreto lei-n-674-c75-de-2-de-dezembro
Decreto lei-n-674-c75-de-2-de-dezembroDecreto lei-n-674-c75-de-2-de-dezembro
Decreto lei-n-674-c75-de-2-de-dezembro
Rogério Santos
 
Inquérito da imprensa da AIC 2009
Inquérito da imprensa da AIC 2009Inquérito da imprensa da AIC 2009
Inquérito da imprensa da AIC 2009
Rogério Santos
 
Públicos de música relatório interpretativo (definitivo)
Públicos de música   relatório interpretativo (definitivo)Públicos de música   relatório interpretativo (definitivo)
Públicos de música relatório interpretativo (definitivo)
Rogério Santos
 
Públicos dos museus versão definitiva
Públicos dos museus    versão definitivaPúblicos dos museus    versão definitiva
Públicos dos museus versão definitiva
Rogério Santos
 
Por ao ngan wa
Por ao ngan waPor ao ngan wa
Por ao ngan wa
Rogério Santos
 
Kismif 2014 programa
Kismif 2014   programaKismif 2014   programa
Kismif 2014 programa
Rogério Santos
 
Iii chd 2014 programa provisorio-provisional program
Iii chd 2014   programa provisorio-provisional programIii chd 2014   programa provisorio-provisional program
Iii chd 2014 programa provisorio-provisional program
Rogério Santos
 
New Audiences Practices
New Audiences PracticesNew Audiences Practices
New Audiences Practices
Rogério Santos
 
Sports broadcasts
Sports broadcastsSports broadcasts
Sports broadcasts
Rogério Santos
 

Mais de Rogério Santos (20)

Parallel stories differentiated_histories_explorin
Parallel stories differentiated_histories_explorinParallel stories differentiated_histories_explorin
Parallel stories differentiated_histories_explorin
 
Fábrica Portuguesa Rádio Triunfo (1973)
Fábrica Portuguesa Rádio Triunfo (1973)Fábrica Portuguesa Rádio Triunfo (1973)
Fábrica Portuguesa Rádio Triunfo (1973)
 
Avaliação de Desempenho
Avaliação de DesempenhoAvaliação de Desempenho
Avaliação de Desempenho
 
Livro O Telefone
Livro O TelefoneLivro O Telefone
Livro O Telefone
 
Fanzines
FanzinesFanzines
Fanzines
 
Celestino de Anciães Felício - Plano de Radiodifusão de Angola
Celestino de Anciães Felício - Plano de Radiodifusão de AngolaCelestino de Anciães Felício - Plano de Radiodifusão de Angola
Celestino de Anciães Felício - Plano de Radiodifusão de Angola
 
João carlos callixto
João carlos callixtoJoão carlos callixto
João carlos callixto
 
Rádio em Portugal: tendências e grupos de comunicação na actualidade
Rádio em Portugal: tendências e grupos de comunicação na actualidadeRádio em Portugal: tendências e grupos de comunicação na actualidade
Rádio em Portugal: tendências e grupos de comunicação na actualidade
 
Os media nos últimos 25 anos (Forum Estudante)
Os media nos últimos 25 anos (Forum Estudante)Os media nos últimos 25 anos (Forum Estudante)
Os media nos últimos 25 anos (Forum Estudante)
 
00024935
0002493500024935
00024935
 
Livro de Carmen Monereo
Livro de Carmen MonereoLivro de Carmen Monereo
Livro de Carmen Monereo
 
Decreto lei-n-674-c75-de-2-de-dezembro
Decreto lei-n-674-c75-de-2-de-dezembroDecreto lei-n-674-c75-de-2-de-dezembro
Decreto lei-n-674-c75-de-2-de-dezembro
 
Inquérito da imprensa da AIC 2009
Inquérito da imprensa da AIC 2009Inquérito da imprensa da AIC 2009
Inquérito da imprensa da AIC 2009
 
Públicos de música relatório interpretativo (definitivo)
Públicos de música   relatório interpretativo (definitivo)Públicos de música   relatório interpretativo (definitivo)
Públicos de música relatório interpretativo (definitivo)
 
Públicos dos museus versão definitiva
Públicos dos museus    versão definitivaPúblicos dos museus    versão definitiva
Públicos dos museus versão definitiva
 
Por ao ngan wa
Por ao ngan waPor ao ngan wa
Por ao ngan wa
 
Kismif 2014 programa
Kismif 2014   programaKismif 2014   programa
Kismif 2014 programa
 
Iii chd 2014 programa provisorio-provisional program
Iii chd 2014   programa provisorio-provisional programIii chd 2014   programa provisorio-provisional program
Iii chd 2014 programa provisorio-provisional program
 
New Audiences Practices
New Audiences PracticesNew Audiences Practices
New Audiences Practices
 
Sports broadcasts
Sports broadcastsSports broadcasts
Sports broadcasts
 

Santos rogerio-teletrabalho

  • 1. Internet, jornais electrónicos e teletrabalho Algumas apostas no mercado de trabalho Rogério Santos Um estudo recentemente publicado apon- tava para a existência de um parque informá- tico com 1,2 milhões de computadores em Portugal1 . Segundo o mesmo trabalho, e para 1998, havia 750 mil pessoas com possi- bilidades de acesso à Internet, na escola, no emprego e no lar. Nas residências, por exem- plo, o número ascendia já a cerca de cem mil, mas o contacto mais presente processava-se na escola. A maioria dos utilizadores da In- ternet usava-a há menos de um ano, estu- dava, possuía um grau elevado de instrução e provinha maioritariamente da área de Lis- boa e Vale do Tejo. Apesar de menos relevantes do que em outros países da Europa, estes números são já interessantes e merecem alguma reflexão. Por isso, o eixo principal desta comunica- ção assenta na aplicação dos computadores em domínios concretos, tais como a edição electrónica e o teletrabalho, fomentadoras de empregabilidade no presente e no futuro. Es- tamos a falar - convém frisar - de sectores englobando a informática, o multimedia, as telecomunicações e as tecnologias de infor- mação, que caminham, elas próprias, para a convergência, como nós próprios escreve- 1 Instituto das Comunicações de Portugal (1999). Internet, telecomunicações e sociedade de informa- ção, uma visão prospectiva (2000/2010) - conclusões. Lisboa: Instituto das Comunicações de Portugal mos em livro recente2 . Sectores que projec- tam, entre outras actividades, o desenvolvi- mento da videoconferência e as reuniões em rede, a aplicação dos computadores às tare- fas de computação e o grafismo em três di- mensões3 . Vejamos em primeiro lugar as empresas. As actividades destas fazem-se acompanhar por um jogo contínuo de criação de novas or- ganizações e de fusões e aquisições de em- presas. Por exemplo, em 1998, a Microsoft comprou a Hotmail, a America Online (o maior portal da Internet, com mais de 38 mi- lhões de visitantes em Fevereiro último4 ) ad- quiriu a Netscape e a Compaq fez o mesmo com a Digital. Isto tudo em empresas de in- formática, infotainment (mistura de informa- ção e entretenimento) e telecomunicações. Já este ano, em Abril, a Yahoo comprou a Broadcast.com, fornecedora de serviço no- ticioso e de actualidade, que inclui som e vídeo, e serviços às empresas como video- conferência, tornando a nova empresa o se- gundo maior portal da Internet (mais de 31 milhões de visitantes em Fevereiro último). 2 Rogério Santos (1998). Os novos media e o es- paço público. Lisboa: Gradiva 3 Comunicações, revista da APDC (Associação Portuguesa para o Desenvolvimento das Comunica- ções), número de Fevereiro de 1999, p. 37 4 Público, 5 de Abril de 1999
  • 2. 2 Rogério Santos Hoje, há já cerca de 300 mil redes interliga- das no mundo, com um crescimento anual de 100%5 . Entre nós, a PT e a Microsoft assina- ram um acordo, com esta a entrar no capital da TV Cabo, traduzível, para já, em serviços interactivos. Em segundo lugar, analisemos a impor- tância crescente do uso do computador na nossa sociedade. A um maior poder de pro- cessamento de informação nos computado- res, juntam-se as funções de multimedia e da interactividade, resultado de equipamentos mais modernos e sofisticados e de mais li- gações entre redes. As empresas já começa- ram a ver este fenóm twocolumn,eno e inte- gram a Internet na sua actividade, factor ge- rador de postos de trabalho. Seguindo o es- tudo do ICP citado inicialmente, sucedem-se fases como abertura ao exterior (criação de sítios institucionais e de promoção), interac- ção com parceiros (intranets com acesso de clientes e fornecedores) e integração da in- formação no quadro económico da empresa. Como conclusão do ponto agora descrito, a um maior uso de computadores e da Inter- net corresponde a criação de novas empresas e de novos empregos, como a prestação de serviços de design, programação, marketing interactivo e alojamento de páginas. Do per- fil do novo emprego, destacamos vários pon- tos fortes. Ao trabalho independente e cria- tivo, na busca de novas projectos e soluções, junta-se a necessidade de constituir equipas multidisciplinares, enriquecedoras do con- junto de conhecimentos de cada indivíduo e de uma grande competitividade no seu con- junto. Metade das empresas do sector li- gado à Internet nasceu depois de 1996 e tem um ambiente de micro-empresas quer em nú- 5 Notícias intercom, 12 de Abril de 1999 mero de empregados quer em facturação. A origem jovem dos seus elementos é um outro factor a destacar. Observemos agora, com maior detalhe, al- gumas das apostas futuras de emprego nes- tas áreas. Um exemplo de actividade é o jornalismo electrónico ou on-line6 . As pro- fissões ligadas à comunicação social estão na moda, embora nem tudo esteja a correr bem. No caso concreto do jornalismo elec- trónico, este combina texto, imagem e som. A transmissão na Web permite juntar os di- versos géneros jornalísticos à sua volta - a notícia, a reportagem, a entrevista, a crónica -, com a acrescida vantagem tecnológica de procurar à frente ou voltar atrás, através do hipertexto7 . Por este, o utilizador navega e descobre novos sítios e informações. Além disso, há terreno para novos conteúdos, com os fornecedores e os utilizadores a pesqui- sarem ao mesmo tempo8 , e que se repercute na função do jornalista, agora aberta a novas actividades ou profissões. Aqui, incluem-se os jornalistas na forma clássica de colectores de informação e produtores de notícias, mas também fotojornalistas, cartoonistas, arqui- vistas, operadores de câmara e técnicos de vídeo e áudio. Isto implica que o editor de um jornal electrónico, por exemplo, tem de possuir uma formação ecléctica, trabalhando quer o áudio quer o vídeo, escrevendo, acres- 6 Começa já a traduzir-se o conceito para língua portuguesa - jornalismo em linha 7 Mark Deuze (1998). “The webcommu- nicators: issues in research into online jour- nalism and journalists”. In First Monday <http://www.firstmonday.dk/issues/issue3_12/deuze/ index.html> 8 Helder Bastos (1999). “A viragem digital do jornalismo”, texto apresentado ao congresso da SOP- COM (Associação Portuguesa de Ciências da Comu- nicação), na Fundação Calouste Gulbenkian www.bocc.ubi.pt
  • 3. Internet, jornais electrónicos e teletrabalho 3 centando os hiperlinks e mantendo a necessi- dade de fechar a edição a tempo. Em Agosto de 1997 - e trata-se já de uma data distante para nós -, havia 3622 jornais editados na In- ternet, metade dos quais nascera nesse ano9 . Muitas das estações de rádio e de televisão ligadas à Internet só existem na Web, sem nunca terem emitido através das ondas hert- zianas. De um lado, destaca-se a vertente expe- rimental da nova ferramenta tecnológica, e do outro, a procura comercial e de negócio. Neste último, basta pensar no êxito da venda electrónica de livros por parte da Amazon. Uma razão do crescimento de jornais elec- trónicos é a multiplicidade de propostas, que vai dos meios informativos sobre tecnologias até às revistas de crítica e criação literária. A possibilidade experimental articula-se com novas linhas estéticas nos textos, nas ima- gens e nos grafismos que os acompanham, dando conta de uma jovem geração de agen- tes criativos que usam a Internet, o já cha- mado quarto medium. Além disso, num jor- nal electrónico, não há constrangimento de espaço e tempo como no diário que lemos ou no telejornal, isto é, os textos podem ter a dimensão de acordo com o nosso interesse e não se subordinam às páginas existentes ou à duração do telejornal. Por outro lado, devido ao hipertexto (links para outras áreas de inte- resse), salta-se de um texto para outro texto ou imagem. Uma área mais global utilizando as desig- nadas tecnologias de informação é o teletra- balho. Este define-se como o resultado de actividades e serviços que incluem a trans- missão à distância de dados, imagens, tex- 9 Dados disponíveis em http//:www.towson.edu/ ∼lieb/multimedia_syllabus.html tos. No sentido restrito do termo, o tele- trabalho efectua-se no domicílio ou em tele- centros; no sentido mais geral, é todo aquele que parte do posto de trabalho com um com- putador ligado em rede. Engloba activida- des como a telegestão e a televigilância, isto é, actividades controladas remotamente por meio de aparelhos vídeo, electrónicos e com- putadores. No sentido restrito atrás referido, as pes- soas que praticam estas actividades são pro- fissionais independentes na sua maioria, ope- rando em programação informática, na tra- dução e na análise e controlo de máquinas, naquilo a que um autor americano chamou de profissionais simbólicos-analíticos10 , re- correndo a trabalho de investigação, de reso- lução e identificação de problemas e de in- termediação estratégica. As acções de co- municação destes trabalhadores simbólicos- analíticos fazem-se acompanhar de modos de interligação como o correio electrónico, rede que corre a par da Internet. Indo mais fino ao conjunto de actividades em torno do teletrabalho, não podemos dei- xar de referir algumas aplicações concretas usando a Internet. Uma delas é a telemedi- cina, que permite a troca de dados sobre es- tados de saúde e, até, acompanhar ou reali- zar operações à distância. O sucesso da te- lemedicina encontra-se na segurança em ter- mos de transmissão e armazenamento de da- dos, na sua fiabilidade tecnológica e na con- fiança social que nela se deposita. Fazer uma operação por telemedicina exige, por um lado, uma grande habilidade por parte do médico operador e, por outro lado, a acei- tação pública do sucesso de tal empreendi- 10 Robert Reich (1993). O trabalho das nações. Lisboa: Quetzal, pp. 253-257 www.bocc.ubi.pt
  • 4. 4 Rogério Santos mento. Nesta plateia, não fazemos tanto a apologia do médico perito em manipular má- quinas à distância, mas à criação de empre- gos em torno desta actividade. Talvez surja daqui uma pequena fileira de profissionais, do fornecimento de equipamentos e sua ma- nutenção à preparação de códigos de comu- nicação homem-máquina. Outra das aplicações é usada pela banca, como o homebanking, já praticadas por mui- tos bancos. Isto quer dizer que muitas das transacções bancárias são já efectuadas por máquinas inteligentes. O mesmo ocorre com o comércio electrónico, definido como a condução de actividades comerciais en- tre empresas e particulares por intermédio de meios electrónicos. Áreas apontadas de grande expansão no comércio electrónico são os sectores de distribuição, automóvel e electricidade. Resolvidos que forem os problemas de confidencialidade, como os re- ceios de roubo de códigos de acesso a cartões visa através da Internet, o comércio electró- nico promete revolucionar as transacções en- volvendo dinheiro. Os sucessos do multi- banco e da via verde são dois bons exemplos. Nesta curta intervenção, falámos das ma- ravilhas do mundo novo. Mas não podemos esquecer o reverso, se quisermos ser realis- tas. O uso da Internet e das tecnologias de in- formação provoca um conjunto de oportuni- dades e de ameaças, com a criação de novas profissões e a requalificação de outras profis- sões. O aspecto negativo será o aumento da info-exclusão, problema que afecta as pes- soas que não acompanham a evolução tecno- lógica ou com medo de operar as novas má- quinas. Por outro lado, as áreas que temos vindo a referir são constituídas por nichos de mercado em constante mudança. O risco de obsoletização traduz-se em precariedade do negócio e do emprego. Além disso, e já visto atrás, o ambiente de micro-empresas signi- fica a existência de poucos postos de traba- lho por unidade produtiva. O problema do desemprego em vasta escala não se resolve com a criação de apenas algumas empresas, mas com a constituição de muitas e consti- tuindo um feixe de actividades entrecruza- das. Mas o mercado não é elástico e o apoio a iniciativas individuais e de pequenos gru- pos precisa de ser multiplicado, tornando-se necessário um grande esforço em termos de imaginação. www.bocc.ubi.pt