SlideShare uma empresa Scribd logo
111
1
1111
A ELETRICIDADE FOI INVENTADA PELO
HOMEM?
NÃO
A ELETRICIDADE É UM
FENÔMENO NATURAL
O HOMEM APENAS DESCOBRIU E
DESENVOLVEU FORMAS DE USÁ-LA.
A ELETRICIDADE É ÚTIL OU PERIGOSA?
QUANDO FOGE AO CONTROLE
TANTO É ÚTIL QUANTO PERIGOSA
ÚTIL QUANDO BEM UTILIZADA
PERIGOSA
HOJE, AONDE USAMOS A ELETRICIDADE?
EM QUASE TODOS OS LUGARES
HOJE, EM DIA JÁ NÃO VIVEMOS SEM ELA
VAMOS VER ALGUNS EXEMPLOS DE SUA
UTILIZAÇÃO:
Riscos elétricos
Riscos elétricos
Riscos elétricos
Riscos elétricos
Riscos elétricos
Riscos elétricos
AAAAAAUUUUU!!!
A ELETRICIDADE TAMBEM É
PERIGOSA!
O QUE É ELETRICIDADE ESTÁTICA?
Pode ser interpretado como um efeito resultante
da transferência de elétrons, de uma superfície para
outra.
A eletrificação estática ocorre tanto nos materiais
eletricamente condutores como materiais não
condutores.
Um número significativos de incêndios e explosões
ocorrem devido a esta energia estática.
QUEM PODE DAR EXEMPLO DE ENERGIA ESTÁTICA?
A seguir vamos ver um vídeo
VÍDEO
O estudo das questões relativas á eletricidade pode
ser empreendido em quatro categorias distintas:
geração, transmissão, distribuição e consumo de
energia elétrica.
QUAIS SÃO AS CATEGORIAS QUE
TRABALHAM COM ELETRICIDADE?
O QUE É SEP?
O Sistema Elétrico de Potência abrange as
atividades pertinentes as categorias de geração,
transmissão e distribuição
QUAIS SÃO AS PRINCIPAIS MODALIDADES DE
GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL
E NO MUNDO
HIDRELÉTRICA
TERMELÉTRICA
NUCLEAR
EÓLICA
ENERGIA FOTOVOLTAICA (SOLAR)
ENERGIA DAS MARÉS (MAREOTRIZ)
A mais usada aqui no Brasil é a Hidrelétrica.
Mas, para construir
grandes represas
muda-se o leito natural
dos rios, com isso,
inundando terras
férteis, limitando o
ecossistema de
animais e vegetais
desta região.
Por isso, as novas hidrelétricas têm sido construídas
com o acompanhamento de ecologistas e cientistas
do meio ambiente, para que se altere o mínimo
possível a natureza.
No Brasil, existem muitas usinas hidrelétricas.
A maior e mais conhecida é a Usina Hidrelétrica de
Itaipu, localizada em Foz do Iguaçu/PR.
Todas as formas de
produção de energia
elétrica causam danos
ao meio ambiente.
É um sistema de transporte envolvendo condutores e
equipamentos e diferentes distâncias, formas e
níveis de tensão. Devido às diferentes localizações
geográficas das usinas geradoras e dos centros de
carga, esse sistema faz a interligação entre as
usinas e os consumidores para que a energia elétrica
produzida possa ser utilizada.
O QUE É SISTEMA DE TRANSMISSÃO?
A energia elétrica é transportada das usinas através
das linhas de transmissão existentes em todo o
território nacional chegando aos consumidores por
redes de distribuição, que são o conjunto de postes,
cabos e transformadores que levam a eletricidade
até as residências, indústrias, hospitais, escolas,
etc.
COMO A ENERGIA ELÉTRICA CHEGA AOS
CONSUMIDORES?
Depois de gerada, a energia
elétrica é conduzida por
meio de fios a todos os
lugares até chegar aos
postes de iluminação.
Nos postes existem os
transformadores. Estes servem
para diminuir a tensão que
vem dos fios.
Mas, todo esse trabalho custa muito dinheiro.
Por isso, nos prédios e nas casas existem
medidores de eletricidade.
Este aparelho serve
para medir o consumo
diário de energia
elétrica, assim a conta
de luz vem de acordo
com o gasto mensal,
sempre calculada pela
empresa responsável
pelo abastecimento.
QUAL A DIFERENÇA DE:
ELETRICISTA X ELETRICITÁRIO
ELETRICISTA
ELETRICITÁRIO
CONSUMO
SEP
O QUE É HORÁRIO DE VERÃO?
MEDIDA IMPLANTADA COM O OBJETIVO DE
REDUZIR O CONSUMO DE ENERGIA E
DIMINUIR A DEMANDA NO HORÁRIO DE PICO.
Riscos elétricos
CLASSIFICAÇÃO DAS TENSÕES
COM A LINHA ENERGIZADA
(linha viva)
COM A LINHA DESERNEGIZADA
(linha morta)
COMO SÃO OS TRABALHOS EM
ELETRICIDADE?
MÉTODO AO CONTATO
MÉTODO AO POTENCIAL
MÉTODO À DISTÂNCIA
EXISTEM 3 MÉTODOS PARA TRABALHAR EM
LINHAS ENERGIZADAS:
MÉTODO AO CONTATO
O trabalhador tem contato com a rede
energizada, mas não fica no mesmo
potencial. Mantém-se devidamente isolado,
utilizando equipamentos de proteção
individual e coletiva adequados à tensão da
rede.
Riscos elétricos
Riscos elétricos
MÉTODO AO POTENCIAL
O trabalhador fica em contato direto com a
tensão da rede, no mesmo potencial. É
necessário o emprego de medidas de
segurança que garantam o mesmo potencial
elétrico no corpo inteiro do trabalhador. Deve
ser utilizada uma vestimenta condutiva
(roupa, capuz, luvas e botas) ligada à rede
através de cabo condutor elétrico.
Riscos elétricos
Riscos elétricos
MÉTODO À DISTÂNCIA
O trabalhador interage com a parte
energizada a uma distância segura, através
do emprego de procedimentos, estruturas,
equipamentos, ferramentas e dispositivos
isolantes apropriados.
Riscos elétricos
PORQUE QUE O PÁSSARO NÃO LEVA
CHOQUE ELÉTRICO QUANDO POUSA EM UM
FIO DE ALTA TENSÃO?
PORQUE NÃO EXISTE A
DIFERENÇA DE POTENCIAL
Riscos elétricos
Riscos elétricos
VOCÊ CONHECE O TUIUIÚ?
É O PÁSSARO SÍMBOLO DO PANTANAL
MATOGROSSENSE
Riscos elétricos
ULTIMAMENTE QUAL A PRINCIPAL CAUSA
MORTIS DO TUIUIÚ?
TEM SIDO OS CABOS NÚS DE UMA LINHA
AÉREA DE 69kV DE TENSÃO, QUE FOI
CONSTRUÍDA POR DENTRO DO HABITAT DA
ESPÉCIE
Riscos elétricos
QUAL A SOLUÇÃO ENCONTRADA?
A EMPRESA DE ENERGIA ELÉTRICA DO
MATOGROSSO CONTRUIU A REDE TUIUIÚ
QUE CONSISTE NO CABO CENTRAL SER
ISOLADO E AS DISTÂNCIAS ENTRE OS
CABOS SEREM SUPERIORES A 1 METRO
Riscos elétricos
OS ACIDENTES COM
ELETRICIDADE SÃO FREQUENTES
OU RAROS?
VÍDEOS
BAIXA TENSÃO ALTA TENSÃO
É uma perturbação
acidental que se
manifesta no organismo
humano, quando
percorrido por uma
corrente elétrica.
CHOQUE
ELÉTRICO
d.d.p
corrente
elétrica
A condição básica para se
levar um choque de
origem elétrica é estar
submetido a uma
diferença de potencial
(d.d.p) suficiente para
fazer circular uma
corrente que provoque
efeitos no organismo.
QUAL A CONDIÇÃO BÁSICA DE SE LEVAR UM
CHOQUE ELÉTRICO?
O corpo humano, não só pela natureza de seus
tecidos como pela grande quantidade de água que
contém, tem comportamento semelhante a um
condutor elétrico, ou seja, conduz corrente elétrica.
CORPO HUMANO X CONDUTOR ELÉTRICO
OS EFEITOS DO CHOQUE ELÉTRICO VARIAM
CONFORME AS CIRCUNSTÂNCIA.
Condições
organicas e
psiquicas da
pessoa
nível de
frequência
natureza
cc - ca
Duração
do choque
Percurso
da corrente
no corpo
Resistência
do corpo
Intensidade
da corrente
Isolamento
do corpo
Tipo de
contato
1
2
3
4
5
6
7
8
NATUREZA DA CORRENTE
O corpo humano é mais sensível à corrente alternada
de freqüência industrial (50/60 Hz) do que à corrente
contínua.
O limiar de sensação da corrente contínua é da
ordem de 5 miliampères, enquanto que na corrente
alternada é de 1 miliampère.
A corrente elétrica passa a ser perigosa para o
homem a partir de 9 miliampères, em se tratando de
corrente alternada, e, 45 miliampères para corrente
contínua.
TENSÃO DE PASSOTENSÃO DE TOQUE
INTENSIDADE DA CORRENTE
ALTERNADA QUE PERCORRE
O CORPO
PERTURBAÇÕES
POSSÍVEIS DURANTE
O CHOQUE
ESTADO
POSSÍVEL SALVAMENTO
RESULTADO
FINAL
NENHUMA NORMAL ________ NORMAL
SENSAÇÃO CADA VEZ MAIS
DESAGRADÁVEL QUANDO A
INTENSIDADE AUMENTA.
CONTRAÇÃO MUSCULARES
NORMAL DESNECESSÁRIO NORMAL
SENSAÇÃO DOLOROSA
CONTRAÇÕES VIOLENTAS
ASFIXIA,
ANOXEMIA
FRIBILAÇÃO VENTRICULAR
MORTE
APARENTE
RESPIRAÇÃO
ARTIFICIAL RESTABELECIMENTO
SENSAÇÃO INSUPORTÁVEL
CONTRAÇÕES VIOLENTAS
ASFIXIA,
ANOXEMIA
FRIBILAÇÃO VENTRICULAR
MORTE
APARENTE
RESPIRAÇÃO
ARTIFICIAL
MUITAS VEZES NÃO HÁ
TEMPO DE SALVAR E A
MORTE OCORRE EM
POUCOS MINUTOS
ASFIXIA IMEDIATA
FRIBRILAÇÃO VENTRICULAR
ALTERAÇÕES MUSCULARES
QUEIMADURAS
MORTE
POSTERIOR
OU IMEDIATA
MUITO DIFÍCIL MORTE
ASFIXIA IMEDIATA
QUEIMADURAS GRAVES
MORTE
POSTERIOR
OU IMEDIATA
PRATICAMENTE
IMPOSSÍVEL
MORTE
1
miliampère
1 A 9
miliampères
9 a 20
miliampères
20 a 100
miliampères
ACIMA DE 100
miliampères
VÁRIOS
miliampères
A corrente que passa por uma lampada
incandescente de 60 W em 120 V é 500 mA.
Ri3100Ri2200Ri1200
Rit500
INTERNA
RESISTÊNCIA DO CORPO HUMANO
EXTERNA
pele úmida pele seca
 0   de 1000 a 2000 
 500 
Calculemos a quantidade de corrente que pode
transitar pelo corpo humano:
E
R I
I =
E
R
R = Resistência ()
E = Tensão (V)
I = Intensidade de corrente (A)
 = ohm.
V = Volt.
A = Ampére.
COM A PELE SECA COM A PELE ÚMIDA
Rt = Re + Ri = 2000 + 500 = 2500 
Rt = Ri + Re = 0 + 500 = 500 
I = = 0,044 A ou 44 mAE = 110
R 2500
I = = 0,22 A ou 220 mAE = 110
R 500
A resistência elétrica depende também da trajetória
da corrente elétrica pelo corpo humano:
mão/mão
mão/pé tórax/pé
pé/pé
TRAJETÓRIA DA CORRENTE ELÉTRICA PELO
CORPO HUMANO
Os perigos do choque elétrico podem ser mais
danosos ainda, desde que a corrente passe a
transitar com maior intensidade pelo coração.
F N
F
F
Fase
Neutro
Isolado
Neste tipo de percurso,
denominado pequeno percurso,
não há risco de vida; poderá no
entanto, sofrer queimaduras ou
perda dos dedos.
PERCURSO 1
Ligação de dois pontos com
diferença de potencial elétrico
por intermédio de dois dedos
de uma mesma mão.
Neutro
Fase
Material Isolante
Terra
PERCURSO 2
A corrente entra por uma
das mãos e sai pela outra.
Neste caso a corrente
percorre o tórax, e atinge a
região dos centros nervosos
que controlam a respiração,
os músculos do tórax e o
coração. É um dos percursos
mais perigosos.
Dependendo do valor da
corrente produzirá asfixia e
fibrilação ventricular,
ocasionando uma parada
cardíaca.
Probabilidade de recuperação da vítima de choque elétrico
após a parada respiratória
0
Chance de recuperação da vítima (%)
20 40 60 80 100
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
0%
5%
10%
15%
25%
60%
75%
90%
95%
100%
Tempoemminutos
CONDIÇÕES ORGÂNICAS DO ORGANISMO
Os efeitos do choque elétrico variam
de pessoa para pessoa, e dependem
principalmente das condições
orgânicas da vítima. Pessoas com
problemas cardíacos, respiratórios,
mentais, deficiência alimentar, etc.,
estão mais propensas a sofrer com
maior intensidade os efeitos do
choque elétrico. Os idosos submetidos
a uma intensidade de choque elétrico
relativamente fraca, podem sofrer
sérias conseqüências.
QUAIS SÃO OS MEIOS QUE CRIAM
CONDIÇÕES PARA QUE UMA PESSOA VENHA
SOFRER UM CHOQUE ELÉTRICO?
CONTATO COM UM CONDUTOR NÚ ENERGIZADO
FALHA NA ISOLAÇÃO ELÉTRICA
QUAIS SÃO OS EFEITOS FISIOLÓGICOS
QUE O CHOQUE ELETRICO PRODUZ NO
SER HUMANO?
TETANIZAÇÃO
PARADA RESPIRATÓRIA
QUEIMADURAS
FIBRILAÇÃO VENTRICULADA
É a paralisia muscular provocada pela circulação de
corrente através dos nervos que controlam os
músculos. A corrente supera os impulsos elétricos
que são enviados pela mente e os anula, podendo
bloquear um membro ou o corpo inteiro, e de nada
vale neste caso a consciência do indivíduo e a sua
vontade de interromper o contato.
TETANIZAÇÃO
Quando estão envolvidos na tetanização os
músculos dos pulmões, isto é, os músculos
peitorais são bloqueados e pára a função
vital da respiração. Isto se trata de uma
grave emergência, pois todos nós sabemos
que o humano não agüenta muito mais que 2
minutos sem respirar.
PARADA RESPIRATÓRIA
A corrente atingindo o coração, poderá perturbar o
seu funcionamento, os impulsos periódicos que em
condições normais regulam as contrações e as
expansões são alterados e o coração vibra
desordenadamente. A fibrilação é um fenômeno que
se mantém mesmo depois do descontato do indivíduo
com a corrente, só podendo ser anulada mediante o
emprego de um equipamento conhecido
desfibrilador.
FIBRILAÇÃO VENTRICULADA
VÍDEOS
Desfibrilador portátil
DESFIBRILADOR
A corrente elétrica circulando pelo corpo humano é
acompanhada pelo desenvolvimento de calor
produzido pelo Efeito Joule, podendo produzir
queimaduras em todos os graus. As queimaduras
produzidas pela corrente são profundas e de cura
mais difícil, podendo causar a morte por
insuficiência renal.
QUEIMADURAS
QUEIMADURA POR CONTATO
A energia liberada pelo arco elétrico pode:
–Provocar Incêndios e destruir Equipamentos;
–Queimar roupas (por ignição do tecido);
–Projetar pessoas e materiais;
–Emitir raios ultravioleta/infravermelho; e
–Irradiar temperaturas (de 6.000°C até
30.000°C) que excedem o limite da pele
humana (1,2 cal/cm2).
QUEIMADURA POR ARCO ELÉTRICO
Riscos elétricos
QUEIMADURA POR ARCO ELÉTRICO
QUEIMADURA POR ARCO ELÉTRICO
QUEIMADURA POR ARCO ELÉTRICO
QUEIMADURA POR ARCO ELÉTRICO
QUEIMADURA POR ARCO ELÉTRICO
QUEIMADURA POR ARCO ELÉTRICO
QUEIMADURA POR ARCO ELÉTRICO
QUEIMADURA POR ARCO ELÉTRICO
QUEIMADURA POR ARCO ELÉTRICO
QUEIMADURA POR ARCO ELÉTRICO
As quedas constituem uma das principais causas de
acidentes no setor elétrico, ocorrem em
conseqüência de choques elétricos, de utilização
inadequada de equipamentos de elevação (escadas,
cestas, andaimes), falta ou uso inadequado de
Equipamento de Proteção Individual (EPI), falta de
treinamento dos trabalhadores, falta de delimitação
e de sinalização do canteiro do serviço e ataque de
insetos.
QUEDAS
87
ATERRAMENTO
O QUE É ATERRAMENTO?
“Conjunto de eletrodos, conectores,
condutores e processos de medição e
tratamento do solo, destinado à criar uma
impedância muito baixa, permitindo a
passagens de correntes elétricas”
Aterramento pode ser definido como :
O ATERRAMENTO PODE SER DE 3 TIPOS.
QUAIS SÃO ELES?
ATERRAMENTO FUNCIONAL
ATERRAMENTO DE PROTEÇÃO
É a ligação à terra das massas (paredes metálicas de
equipamentos ou instalações que não fazem parte do
circuito elétrico) e dos elementos condutores
estranhos à instalação, visando a proteção contra
choques elétricos por contato indireto.
É a ligação à terra de um dos condutores do sistema,
geralmente o neutro.
O ATERRAMENTO PODE SER DE 3 TIPOS.
QUAIS SÃO ELES?
ATERRAMENTO TEMPORÁRIO
É a ligação elétrica efetiva, confiável e
adequada intencional à terra, destinada a
garantir a equipotencialidade e mantida
continuamente durante a intervenção na
instalação elétrica.
QUAL A SUA FINALIDADE?
• Eliminar fontes de distúrbios e interferências
elétricas
• Proteger os usuários
• Proteger os equipamentos
• Escoar correntes, cargas estáticas e descargas
atmosféricas
• Fazer com que os sistemas de proteção elétrica
funcionem adequadamente
QUAL A É A SUA IMPORTÂNCIA ?
•Equipamentos elétricos com referencial de
terra
Dependem dele:
•Equipamentos digitais
•Equipamentos de transmissão
SISTEMAS DE ATERRAMENTO
• Fios ou cabos enterrados, em diversas
configurações
Os principais tipos são :
• Linha
• Triângulo
• Quadrado
• Círculo
• Placa
FATORES CHAVES
Os fatores chaves de um bom aterramento
são :
• Medições
•Tipos de Solos e Tratamentos
•Sistema de Aterramento
• Tipos de Hastes
MEDIÇÕES
•Determinarmos o melhor tipo de Haste
Efetuamos medições do terreno para:
•Obtermos o mapa de resistência do solo
•Determinarmos o melhor tipo de tratamento
HASTES DE ATERRAMENTO
• Ter alta resistência mecânica
Especificações :
• Ser um bom condutor
• Material resistente aos ácidos e sais
encontrados no solo
• Ser resistente à corrosão galvânica
PRINCIPAIS HASTES DE
ATERRAMENTO:
Cantoneira - é de ferro galvanizado, usado com
restrições
Os principais tipos são :
Cooperweld - o cobre é fundido na haste de aço
Encamisado por Extrusão - à haste é revestida de
cobre da extrusão
Cadweld - o cobre é depositado por processo
eletrolítico
98
TIPOS DE SOLOS E SUAS
RESISTIVIDADES
Tipo do Solo Resistividade ( Ω / m )
Lama 5 à 100
Terra de Jardim c/ 50 % de umidade 140
Terra de Jardim c/ 20 % de umidade 480
Argila Seca 1500 à 5000
Argila c/ 40 % de umidade 80
Argila c/ 20 % de umidade 330
Areia molhada 1300
Areia Seca 3000 à 8000
Calcário compacto 1000 à 5000
Granito 1500 à 10000
99
TRATAMENTOS
•Gel
Os principais tipos são :
• Bentonita - mais comum
• Earthron
100
BENTONITA
•Protege o material contra a corrosão do solo
Principais características :
• Absorve facilmente a água
• Retém a umidade
• Boa condutora de eletricidade
• Baixa resistividade
• Não é corrosiva ( pH alcalino )
101
EARTHRON
• Efeito de longa duração
Principais características :
• Não é solúvel em água
• Não é corrosiva,
• Retém a umidade
• Fácil aplicação
• Quimicamente estável
GEL
• Não é atacado pelos ácidos naturais do solo
Principais características :
• Não é solúvel em água
• Não é corrosiva
• Efeito de longa duração
• Higroscópico
Riscos elétricos
NR – 10
SEGURANÇA EM INSTALAÇÕES E
SERVIÇOS EM ELETRICIDADE
COMPOSIÇÃO DA NORMA
14 ITENS
99 SUBITENS
03 ANEXOS
01 GLOSSÁRIO
ITEM 01
OBJETIVOS
E
CAMPO DE APLICAÇÃO
QUAL O OBJETIVO DA NR 10?
Seu objetivo é
implementar medidas de
controle e sistemas
preventivos estabelecendo
os requisitos e condições
mínimas para garantir a
segurança e a saúde dos
trabalhadores que, direta
ou indiretamente, interajam
em instalações elétricas e
serviços com eletricidade.
COM RELAÇÃO AO SISTEMA ELÉTRICO QUAL
O CAMPO DE APLICAÇÃO DA NR 10?
Quais são as fases do
Sistema Elétrico (SE),
que a NR-10 se aplica?
GERAÇÃO
TRANSMISSÃO
DISTRIBUIÇÃO
CONSUMO
Como podemos resumir a
definição de Sistema
Elétrico?
TODO O
SISTEMA ELÉTRICO
Geração
Transmissão
Distribuição
Consumidor
Barragem
COM RELAÇÃO AS ETAPAS DAS
INSTALAÇÕES ELÉTRICAS.
QUAL O CAMPO DE APLICAÇÃO DA NR 10?
PROJETO CONSTRUÇÃO MONTAGEM
MANUTENÇÃOOPERAÇÃO
Para respondermos esta pergunta é necessário
entendermos primeiro o que significa trabalhos em
proximidade?
DEFINIÇÃO DO GLOSSÁRIO
Trabalho durante o qual o trabalhador pode entrar na
zona controlada, ainda que seja uma parte do seu
corpo ou com extensões condutoras, representadas
por materiais ferramentas ou equipamentos que
manipule.
A ABRANGÊNCIA DA NR10 TAMBÉM
ENGLOBA SERVIÇOS REALIZADOS NAS
PROXIMIDADES DAS INSTALAÇÕES
ELÉTRICAS?
Riscos elétricos
Riscos elétricos
Riscos elétricos
Portanto trabalho em proximidade, atinge, inclusive,
os trabalhadores em ambientes circunvizinhos
sujeitos às influências das instalações ou execução
de serviços elétricos que lhes são próximos.
Trabalhadores nas instalações telefônicas, TV a
cabo e iluminação pública instaladas em estruturas
de distribuição e transmissão de energia elétrica, ou
trabalhadores em geral (construção, manutenção,
operação não elétrica), mas que realizam seus
serviços na zona controlada definida no Anexo II.
EXEMPLOS DE TRABALHOS
NAS PROXIMIDADES DAS
INSTALAÇÕES ELÉTRICAS
ILUMINAÇÃO PÚBLICAPODA DE ÁRVORESSERVIÇOS TELEFÔNICOSMANUTENÇÃO LINHA DE TRANSMISSÃOSERVIÇOS EM ELETRICIDADE
A NR-10 abrange também, quaisquer trabalhos
realizados nas proximidades das instalações
elétricas, observando-se as normas técnicas oficiais
estabelecidas pelos órgãos competentes e, na
ausência ou omissão destas, as normas
internacionais cabíveis.
A ABRANGÊNCIA DA NR10 TAMBÉM
ENGLOBA SERVIÇOS REALIZADOS NAS
PROXIMIDADES DAS INSTALAÇÕES
ELÉTRICAS?
ITEM 02
MEDIDAS
DE CONTROLE
QUE MEDIDAS PREVENTIVAS DEVEM SER
ADOTADAS EM TODAS AS INTERVENÇÕES EM
INSTALAÇÕES ELÉTRICAS?
Em todas as intervenções em instalações
elétricas devem ser adotadas medidas
preventivas de controle do risco elétrico e de
outros riscos adicionais, mediante técnicas
de análise de risco, de forma a garantir a
segurança e a saúde no trabalho.
TÉCNICAS DE ANÁLISES DE RISCOS
MAIS USADAS
•Análise preliminar de perigos e riscos(APP/APR);
•Técnicas de incidentes críticos;
•Análise de modos de falhas e efeitos(AMFE/FMEA);
•Estudos de perigo e operabilidade (HAZOP);
•Análise de árvore de Falhas(AAF/FTA).
As medidas de controle adotadas devem
integrar-se às demais iniciativas da empresa,
no âmbito da preservação da segurança, da
saúde e do meio ambiente do trabalho.
COMO DEVEM SE RELACIONAR AS MEDIDAS DE
CONTROLE ADOTADAS PELA NR-10 E AS DEMAIS
MEDIDAS DE SEGURANÇA, SAÚDE E MEIO AMBIENTE
DAS EMPRESAS?
AS EMPRESAS ESTÃO OBRIGADAS A
MANTER ESQUEMAS UNIFILARES
ATUALIZADOS DAS INSTALAÇÕES
ELÉTRICAS DE SEUS ESTABELECIMENTOS
COM AS ESPECIFICAÇÕES DO SISTEMA DE
ATERRAMENTO E DEMAIS EQUIPAMENTOS E
DISPOSITIVOS DE PROTEÇÃO.
AFINAL, O QUE É DIAGRAMA UNIFILAR?
DIAGRAMA UNIFILAR
DIAGRAMA UNIFILAR
O PIE (Prontuário das Instalações
Elétricas) é um sistema
organizado de informações
pertinentes às instalações
elétricas e aos trabalhadores que
sintetizará o conjunto de
procedimentos, ações,
documentações e programas que
a empresa mantém ou planeja
executar para proteger o
trabalhador dos riscos elétricos.
O QUE É O PIE?
 Empresas acima de 75 (setenta e cinco) kW
de carga instalada
 Empresas do SEP (Sistema Elétrico de
Potência)
Empresas de proximidades
QUAIS SÃO AS EMPRESAS OBRIGADAS A
MANTER O PIE?
São os grandes consumidores. São estabelecimentos
que recebem a energia em alta ou baixa tensão e
necessitam de uma subestação para transformar
essa energia recebida em baixa (na maioria das
vezes).
O que devemos entender como empresas
com carga instalada acima de 75 kW de
carga instalada?
Aqueles em que se verifica um "conjunto de circuitos
elétricos inter-relacionados, que compreende a
instalação para geração, transmissão e distribuição
de energia elétrica até a medição inclusive",
conforme definição técnica adotada pela ABNT.
O que devemos entender como
empresas pertencentes ao SEP?
Empresa que realize qualquer trabalho nas
proximidades das fases de geração, transmissão,
distribuição e consumo, incluindo as etapas de
projeto, construção, montagem, operação,
manutenção das instalações elétricas.
O que devemos entender como empresas que
trabalham nas proximidades das instalações
elétricas?
Riscos elétricos
Documentos Necessários
Empresas
acima de
75 kW de
carga instalada
Empresas
do SEP
Empresas de
proximidades
Esquemas unifilares atualizados das instalações
elétricas
X X X
Conjunto de procedimentos e instruções técnicas e
administrativas de segurança e saúde, implantadas
X X X
Documentação das inspeções e medições do sistema
de proteção contra descargas atmosféricas e
aterramentos elétricos
X X
Especificação dos equipamentos de proteção coletiva
e individual e o ferramental
X X X
Documentação comprobatória da qualificação,
habilitação, capacitação, autorização dos
trabalhadores e dos treinamentos realizados
X X X
Resultados dos testes de isolação elétrica realizados
em equipamentos de proteção individual e coletiva
X X X
Certificações dos equipamentos e materiais elétricos
em áreas classificadas X X
Relatório técnico das inspeções atualizadas com
recomendações e cronogramas de adequações X X
Descrição dos procedimentos para emergências
X X
Certificações dos equipamentos de proteção coletiva e
individual X X
O PIE deve ser organizado e mantido atualizado pelo
empregador ou pessoa formalmente designada pela
empresa, devendo permanecer à disposição dos
trabalhadores envolvidos nas instalações e serviços
em eletricidade.
Os documentos técnicos previstos no Prontuário de
Instalações Elétricas devem ser elaborados por
profissional legalmente habilitado.
Quem são os responsáveis por organizar e
manter o PIE?
Quem é o responsável em elaborar os
documentos técnicos previstos no PIE?
Riscos elétricos
QUAIS MEDIDAS DEVEM SER PREVISTAS E
ADOTADAS EM TODOS OS SERVIÇOS DE
INSTALAÇÕES ELÉTRICAS?
Devem ser previstas e adotadas, prioritariamente,
MEDIDAS DE PROTEÇÃO COLETIVA aplicáveis,
mediante procedimentos, às atividades a serem
desenvolvidas, de forma a garantir a segurança e a
saúde dos trabalhadores.
As medidas de proteção coletiva
compreendem, prioritariamente, a
DESENERGIZAÇÃO elétrica conforme
estabelece esta NR-10 e, na sua
impossibilidade, o emprego de TENSÃO DE
SEGURANÇA.
O QUE É PRIORITÁRIO COM RELAÇÃO AS
MEDIDAS DE PROTEÇÃO COLETIVA?
Tensão de Segurança é a medida de proteção
coletiva que emprega a EXTRA BAIXA
TENSÃO, com a tensão máxima estabelecida
segundo a natureza da corrente
elétrica(contínua ou alternada).
O QUE É TENSÃO DE SEGURANÇA?
Isolação das partes vivas, obstáculos, barreiras,
sinalização, sistema de seccionamento automático
de alimentação, bloqueio do religamento automático.
QUAIS MEDIDAS DEVEM SER UTILIZADAS NA
IMPOSSIBILIDADE DE DESENERGIZAR AS
INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DO
ESTABELECIMENTO?
O aterramento das instalações elétricas deve ser
executado conforme regulamentação estabelecida
pelos órgãos competentes e, na ausência desta,
deve atender às Normas Internacionais vigentes.
O QUE SÃO BARREIRAS?
Dispositivo que impede qualquer contato com partes
energizadas da instalação elétrica
O QUE SÃO INVÓLUCROS?
Envoltório das partes enegizadas, destinado a
impedir qualquer contato com as partes internas.
O QUE SÃO OBSTÁCULOS?
Os obstáculos são destinados a impedir o
contato involuntário com partes vivas (por
exemplo, correntes, fitas, cordões, cones,
etc.), mas não o contato que pode resultar de
uma ação deliberada de ignorar ou contornar
o obstáculo.
Riscos elétricos
O QUE SÃO ANTEPAROS?
Os anteparos são elementos que servem para
proteger ou resguardar alguém ou alguma coisa.
INVÓLUCROANTEPAROS
PROTEÇÃO COLETIVA: PROCEDIMENTOS
DESENERGIZAÇÃO E USO DA
TENSÃO DE SEGURANÇA É
PRIORIDADE
NO CASO DE NÃO SER POSSÍVEL
DESERGENIZAR:
• ISOLAÇÃO
• SINALIZAÇÃO
• OBSTÁCULOS
• BLOQUEIO DE RELIGAMENTO
• SECCIONAMENTO AUTOMÁTICO
• ATERRAMENTO
RESUMO
O QUE DEVE SER FEITO NOS TRABALHOS EM
INSTALAÇÕES ELÉTRICAS, QUANDO AS MEDIDAS DE
PROTEÇÃO COLETIVA FOREM TECNICAMENTE
INVIÁVEIS OU INSUFICIENTES PARA CONTROLAR OS
RISCOS?
Devem ser adotados equipamentos de
proteção individual específicos e adequados
às atividades desenvolvidas, em atendimento
ao disposto na NR 6.
É vedado o uso de adornos pessoais nos
trabalhos com instalações elétricas ou em
suas proximidades
Riscos elétricos
EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL
EPI
Para proteção dos pés contra agentes agressivos e
choques elétricos. Não deverá possuir componentes
metálicos. Deve resistir a 14 kV.
BOTINA DE COURO, SOLADO ISOLANTE
Obs.: As luvas isolantes não devem ser utilizadas
isoladamente, isto é, sem as luvas de cobertura
LUVAS ISOLANTES PARA ELETRICISTA
Para o uso em serviços com risco de choque elétrico
em equipamentos energizados e passíveis de
energização.
Utilizadas para proteção das luvas isolantes.
LUVAS DE COBERTURA EM VAQUETAS
UTILIZAÇÃO CORRETA DAS LUVAS:
Para que a luva isolante de borracha possa ser usada, deve ser
realizado o teste de inflamento da luva para uma inspeção
visual rigorosa em busca de rasgos, furos, ressecamentos, etc.
O inflador de luvas é um instrumento de teste robusto, de fácil
manuseio, que pode ser operado alternativamente, de forma
manual, através de uma bomba pneumática, ou conectado a
uma fonte de ar comprimido. Sua utilização é indispensável na
inspeção visual das luvas isolantes de borracha.
TESTE VISUAL DAS LUVAS ISOLADAS
CLASSIFICAÇÃO DAS LUVAS ISOLADAS
Destina-se à proteção dos olhos contra
impactos mecânicos e efeitos decorrentes da
irradiação solar ou do arco elétrico.
ÓCULOS DE SEGURANÇA
Destina-se a proteger a cabeça contra impactos,
quedas de objetos, contato acidental com circuitos
elétricos energizados. Constituído de material
isolante.
CAPACETE ISOLANTE
Cinto de segurança do tipo subabdominal é
destinado a equilibrar/sustentar o trabalhador em
postes/torres para prevenir quedas por altura.
CINTO DE SEGURANÇA
As vestimentas em atendimento a nova NR-10 são
confeccionadas com o tecido de algodão tratado
retardante as chamas, cujo tratamento permanece
por toda a vida útil da vestimenta e de fibras de alta
tenacidade para melhorar sua performance e evitar o
break-open em caso de ocorrencia do arco elétrico
VESTIMENTAS DE PROTEÇÃO
A viseira é a parte mais importante da proteção
facial, uma vez que a energia liberada em caso de
ocorrência de um arco elétrico é potente o suficiente
para provocar queimaduras de terceiro grau, e sem
uma proteção adequada, a face e os olhos podem
sofrer prejuízos irreparáveis.
VISEIRA
ALÉM DO EPI, DEVEMOS USAR EM SERVIÇOS
COM ELETRICIDADE ...
FERRRAMENTAL ADEQUADO
É importante lembrar que acidentes com eletricidade, choques
elétricos, podem ser causados por falhas no isolamento dessas
ferramentas.
FERRAMENTAS MANUAIS COM
ISOLAMENTO ELÉTRICO
As ferramentas manuais destinadas a trabalhos em adjacências
de peças sob tensões até 1000V em corrente alternada (valor
efetivo) ou 1500V em corrente contínua devem ter isolamento
para proteção dos trabalhadores contra choques elétricos.
Definimos ferramentas isoladas como sendo aquelas que
podem ser isoladas totalmente ou parcialmente, sendo que
devemos dar preferência pela utilização, sempre que possível,
de ferramentas com isolamento completo.
Exemplo: Somente a ponta
da chave de fenda está sem
isolamento
O QUE SÃO FERRAMENTAS
COMPLETAMENTE ISOLADAS?
São aquelas fabricadas com:
1 – Material isolante;
2 – material condutor com
revestimento de material
isolante nas quais só as
partes atuantes (parte da
ferramenta que age sobre a
peça) podem estar sem
isolamento.
Exemplo: cabeça do alicate
O QUE SÃO FERRAMENTAS PARCIALMENTE
ISOLADAS?
As ferramentas parcialmente isoladas são aquelas fabricadas
com material condutor e que têm um revestimento de
material isolante, com exceção da cabeça atuante (parte da
ferramenta que transmite a força aplicada no cabo ao local de
trabalho) ou parte da mesma.
Esse exame é feito visualmente.
QUE CONDIÇÕES DEVEM SATISFAZER AS
FERRAMENTAS E OS EQUIPAMENTOS DE
PROTEÇÃO INDIVIDUAL COM ISOLAMENTO
ELÉTRICO?
As ferramentas com isolamento elétrico devem satisfazer as
condições às quais foram fabricadas, não podendo ter defeitos
de isolamento, ser impróprias para o serviço a ser executado,
nem estar em mau estado de conservação, devendo ser
empregadas de acordo com sua finalidade e não constituir risco
aos trabalhadores que a utilizarão e à instalação.
Ferramentas com isolamento elétrico devem ser sempre
inspecionadas de modo a não apresentarem defeitos de
isolação, como trincas, bolhas, má aderência.
Riscos elétricos
Riscos elétricos
ITEM 03
SEGURANÇA EM PROJETOS
O QUE É OBRIGATÓRIO NOS PROJETOS DE
INSTALAÇÃO ELÉTRICA SEGUNDO A NR10?
É obrigatório que os projetos de instalações
elétricas especifiquem dispositivos de
desligamento de circuitos, que possuam
recursos para impedimento de reenergização,
para sinalização de advertência com
indicação da condição operativa.
COMO DEVEM SER INSTALADOS OS
CIRCUITOS COM FINALIDADES DIFERENTES?
Os circuitos elétricos com finalidades
diferentes, tais como: comunicação,
sinalização, controle e tração elétrica devem
ser identificados e instalados
separadamente, salvo quando o
desenvolvimento tecnológico permitir
compartilhamento, respeitadas as definições
de projetos.
Todo projeto deve prever condições para a adoção de
O QUE O PROJETO DEVE PREVER EM
RELAÇÃO AO ATERRAMENTO?
O projeto deve definir a configuração do esquema de
aterramento, a obrigatoriedade ou não da
interligação entre o condutor neutro e o de proteção
e a conexão à terra das partes condutoras não
destinadas à condução da eletricidade.
Sempre que for tecnicamente viável e necessário,
devem ser projetados dispositivos de seccionamento
que incorporem recursos fixos de
equipotencialização e aterramento do circuito
seccionado.
O projeto das instalações elétricas deve ficar
à disposição dos trabalhadores autorizados,
das autoridades competentes e de outras
pessoas autorizadas pela empresa e deve ser
mantido atualizado.
QUEM DEVE TER ACESSO AO PROJETO DAS
INSTALAÇÕES ELÉTRICAS?
QUAIS ITENS DE SEGURANÇA, O MEMORIAL
DESCRITIVO DEVE CONTER NO MÍNIMO?
a)especificação das características relativas à
proteção contra choques elétricos, queimaduras e
outros riscos adicionais;
b) indicação de posição dos dispositivos de manobra
dos circuitos elétricos: (Verde – “D”, desligado e
Vermelho - “L”, ligado);
c) descrição do sistema de identificação de circuitos
elétricos e equipamentos, incluindo dispositivos de
manobra, de controle, de proteção, de inter
travamento, dos condutores e os próprios
equipamentos e estruturas, definindo como tais
indicações devem ser aplicadas fisicamente nos
componentes das instalações;
g) descrição da compatibilidade dos dispositivos de
proteção com a instalação elétrica.
d) Recomendações de restrições e advertências
quanto ao acesso de pessoas aos componentes
das instalações;
e) precauções aplicáveis em face das influências
externas;
f) o princípio funcional dos dispositivos de proteção,
constantes do projeto, destinados à segurança das
pessoas;
Riscos elétricos
ITEM 04
SEGURANÇA NA CONSTRUÇÃO,
MONTAGEM, OPERAÇÃO E
MANUTENÇÃO
COMO DEVEM SER CONSTRUÍDAS, MONTADAS,
OPERADAS, REFORMADAS, AMPLIADAS, REPARADAS
E INSPECIONADAS AS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS,
SEGUNDO A NR-10?
As instalações elétricas devem ser construídas,
montadas, operadas, reformadas, ampliadas,
reparadas e inspecionadas de forma a garantir a
segurança e a saúde dos trabalhadores e dos
usuários, e serem supervisionadas por profissional
autorizado, conforme dispõe esta NR.
Em relação a NR-10, nas atividades referidas,
quais riscos adicionais precisam de medidas
preventivas?
Nos trabalhos e nas atividades referidas devem ser
adotadas medidas preventivas destinadas ao
controle dos riscos adicionais, especialmente quanto
a altura, confinamento, campos elétricos e
magnéticos, explosividade, umidade, poeira, fauna e
flora e outros agravantes, adotando-se a sinalização
de segurança.
Os equipamentos, dispositivos e ferramentas que
possuam isolamento Elétrico devem estar adequados
às tensões envolvidas, e serem inspecionados e
testados de acordo com as regulamentações
existentes ou recomendações dos fabricantes.
COMO DEVEM SER OS EQUIPAMENTOS,
DISPOSITIVOS E FERRAMENTAS UTILIZADOS EM
INSTALAÇÕES ELÉTRICAS?
Nos locais de trabalho só podem ser utilizados
equipamentos, dispositivos e ferramentas elétricas
compatíveis com a instalação elétrica existente,
preservando-se as características de proteção,
respeitadas as recomendações do fabricante e as
influências externas.
ITEM 05
SEGURANÇA EM INSTALAÇÕES
ELÉTRICAS DESENERGIZADAS
Os serviços a serem executados em instalações elétricas
desligadas, mas com possibilidade de energização, por
qualquer meio ou razão, devem atender ao que estabelece o
disposto no item 10.6 da NR-10, que diz respeito à segurança
em instalações elétricas energizadas.
DESENERGIZAÇÃO
A desenergização é um conjunto de ações coordenadas entre
si, seqüenciadas e controladas, destinadas a garantir a efetiva
ausência de tensão no circuito, trecho ou ponto de trabalho,
durante todo o tempo de intervenção e sob controle dos
trabalhadores envolvidos. Deve ser sempre programada e
amplamente divulgada para que a interrupção da energia
elétrica reduza os transtornos e a possibilidade de acidentes. A
reenergização deverá ser autorizada mediante a divulgação a
todos os envolvidos.
Somente serão consideradas desenergizadas as
instalações elétricas liberadas para trabalho,
mediante os procedimentos apropriados, obedecida
a seqüência abaixo: (NR-10, 10.5.1)
A) SECCIONAMENTO;
B) IMPEDIMENTO DE REENERGIZAÇÃO;
C) CONSTATAÇÃO DA AUSÊNCIA DE TENSÃO;
D) INSTALAÇÃO DE ATERRAMENTO TEMPORÁRIO;
E) PROTEÇÃO DOS ELEMENTOS ENERGIZADOS
EXISTENTES NA ZONA CONTROLADA.
F) SINALIZAÇÃO DO IMPEDIMENTO DE
REENERGIZAÇÃO
É o ato de promover a descontinuidade elétrica total,
com afastamento adequado de acordo com o nível de
tensão em questão, entre um e outro circuito ou
dispositivo, obtida mediante o acionamento de
dispositivo apropriado (chave seccionadora,
interruptor, disjuntor), acionado por meios manuais
ou automáticos, ou ainda através de ferramental
apropriado e segundo procedimentos específicos.
SECCIONAMENTO
Riscos elétricos
Riscos elétricos
VÍDEO
Riscos elétricos
Riscos elétricos
Riscos elétricos
Riscos elétricos
Riscos elétricos
Riscos elétricos
É o estabelecimento de condições que impeçam, de modo
reconhecidamente garantido, a reenergização do circuito ou
equipamento desenergizado, assegurando ao trabalhador o
controle do seccionamento. Na prática, trata-se da aplicação
de travamentos mecânicos, por meio de fechaduras, cadeados
e dispositivos auxiliares de travamento ou da utilização de
sistemas informatizados equivalentes.
Deve-se utilizar um sistema de travamento do dispositivo de
seccionamento, para o quadro, painel ou caixa de energia
elétrica de modo a garantir o efetivo impedimento de
reenergização involuntária ou acidental do circuito ou
equipamento durante a execução da atividade que originou o
seccionamento.
IMPEDIMENTO DE REENERGIZAÇÃO
Riscos elétricos
Riscos elétricos
Riscos elétricos
Riscos elétricos
Riscos elétricos
Riscos elétricos
Probabilidade de recuperação da vítima de choque elétrico
após a parada respiratória
0
Chance de recuperação da vítima (%)
20 40 60 80 100
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
0%
5%
10%
15%
25%
60%
75%
90%
95%
100%
Tempoemminutos
É a verificação da efetiva ausência de
qualquer tensão nos condutores do circuito.
Deve ser feita com detectores testados,
podendo ser realizada por contato ou por
aproximação e de acordo com procedimentos
específicos.
CONSTATAÇÃO DE AUSÊNCIA DA
TENSÃO
CONSTATAÇÃO DE AUSÊNCIA DA TENSÃO
CONSTATAÇÃO DE AUSÊNCIA DA TENSÃO
Constatada a inexistência de tensão, um condutor do conjunto de
aterramento temporário deverá ser ligado à terra e ao neutro do
sistema, quando houver, e às demais partes condutoras estruturais
acessíveis.
Na seqüência, deverão ser conectadas as garras de aterramento aos
condutores-fase, previamente desligados, obtendo-se assim uma
equalização de potencial entre todas as partes condutoras no ponto de
trabalho. Como este procedimento é realizado em uma instalação
apenas desligada, pressupõe os cuidados relativos à possibilidade de
ocorrência de arcos.
É importante controlar a quantidade de aterramentos temporários
implantados de forma a garantir a retirada de todas as unidades antes
da reenergização.
INSTALAÇÃO DE ATERRAMENTO
TEMPORÁRIO COM EQUIPOTENCIALIZAÇÃO
DOS CONDUTORES DOS CIRCUITOS
QUAL A FUNÇÃO DO ATERRAMENTO
TEMPORÁRIO
O aterramento elétrico temporário de uma instalação
tem por função evitar acidentes gerados pela
energização acidental da rede, propiciando rápida
atuação do sistema automático de seccionamento ou
proteção. Também tem o objetivo de promover
proteção aos trabalhadores contra descargas
atmosféricas que possam interagir ao longo do
circuito em intervenção.
EM QUE POSIÇÃO DO CIRCUITO DEVEREMOS
ADOTAR O PROCEDIMENTO DE INSTALAÇÃO
DO ATERRAMENTO TEMPORÁRIO?
Esse procedimento deverá ser adotado a
montante (antes) e a jusante (depois) do
ponto de intervenção do circuito e derivações
se houver, salvo quando a intervenção
ocorrer no final do trecho. Deve ser retirado
ao final dos serviços.
Riscos elétricos
Riscos elétricos
Nas subestações, por ocasião da manutenção
dos componentes, se conecta os
componentes do aterramento temporário à
malha de aterramento fixa, já existente.
E NO CASO DAS SUBESTAÇÕES COMO
DEVEM SER OS ATERRAMENTOS
TEMPORÁRIOS?
Riscos elétricos
Riscos elétricos
ATERRAMENTO TEMPORÁRIO É FEITO
PARA EVITAR A ENERGIZAÇÃO
ACIDENTAL DE UMA INSTALAÇÃO QUE
ESTEJA SOFRENDO UMA
INTERVENÇÃO
COMO PODERÁ OCORRER A ENERGIZAÇÃO
ACIDENTAL DA INSTALAÇÃO?
• Erros na manobra;
• Fechamento de chave seccionadora;
• Contato acidental com outros circuitos energizados, situados
ao longo do circuito;
• Tensões induzidas por linhas adjacentes ou que cruzam a
rede;
• Fontes de alimentação de terceiros (geradores);
• Linhas de distribuição para operações de manutenção e
instalação e colocação de transformador;
• Torres e cabos de transmissão nas operações de construção
de linhas de transmissão;
• Linhas de transmissão nas operações de substituição de
torres ou manutenção de componentes da linha; e
• Descargas atmosféricas.
Para cada classe de tensão existe um tipo de
aterramento temporário. O mais usado em trabalhos
de manutenção ou instalação nas linhas de
distribuição é um conjunto ou “Kit” padrão composto
pelos seguintes elementos:
• VARA OU BASTÃO DE MANOBRA;
•GRAMPOS CONDUTORES;
•TRAPÉZIO DE SUSPENSÃO;
•CABOS DE ATERRAMENTO;
•TRADO OU HASTE DE ATERRAMENTO.
VARA OU BASTÃO DE MANOBRA
GRAMPOS CONDUTORES
Para conexão do conjunto de aterramento com os
condutores e a terra. Contato rápido por efeito de
mola e conexão através de parafuso olhal.
A maior eficiência e rapidez para se executar um
aterramento depende dos procedimentos adotados
para se conectar os grampos aos condutores.
Os trapézios de suspensão permitem a elevação
simultânea dos grampos e uma sequência segura de
operações.
TRAPÉZIO DE SUSPENSÃO
CABOS DE ATERRAMENTO DE COBRE
EXECUÇÃO DE ATERRAMENTO TEMPORÁRIO
Todos os elementos energizados, situados na zona
controlada, para que não possam ser acidentalmente
tocados, deverão receber isolação conveniente
(mantas, calhas, capuz de material isolante, etc.)
A zona controlada é a área em torno da parte
condutora energizada, não segregada, acessível, de
dimensões estabelecidas de acordo com o nível de
tensão, cuja aproximação só é permitida a
profissionais autorizados, como disposto no Anexo II
da NR-10.
PROTEÇÃO DOS ELEMENTOS ENERGIZADOS
EXISTENTES NA ZONA CONTROLADA
A figura do próximo slides mostra a zona controlada,
zona de risco e zona livre para situações distintas. A
segregação e confinamento do perigo dentro da zona
controlada, assegurando uma zona livre a partir do
exterior da sua superfície, pode ser feita com a
instalação de invólucros (quadros, painéis e caixas
com acesso restrito) e barreiras (portas, paredes,
telas, etc.).
PROTEÇÃO DOS ELEMENTOS ENERGIZADOS
EXISTENTES NA ZONA CONTROLADA
Riscos elétricos
Deverá ser adotada sinalização adequada de
segurança, destinada à advertência e à identificação
da razão de desenergização e informações do
responsável.
Os cartões, avisos, placas ou etiquetas de
sinalização do travamento ou bloqueio devem ser
claros e adequadamente fixados. No caso de método
alternativo, procedimentos específicos deverão
assegurar a comunicação da condição impeditiva de
energização a todos os possíveis usuários do
sistema.
INSTALAÇÃO DA SINALIZAÇÃO DE
IMPEDIMENTO DE REERNEGIZAÇÃO
Riscos elétricos
Riscos elétricos
O estado de instalação desenergizada deve ser
mantido até a autorização para reenergização,
devendo ser reenergizada respeitando a seqüência
de procedimentos abaixo: (NR-10, 10.5.2)
a) Retirada das ferramentas, utensílios e
equipamentos;
b) Retirada da zona controlada de todos os
trabalhadores não envolvidos no processo de
reenergização;
c) Remoção do aterramento temporário, da
equipotencialização e das proteções adicionais;
d) Remoção da sinalização de impedimento de
reenergização; e
e) Destravamento, se houver, e religação dos
dispositivos de seccionamento.
ITEM 06
SEGURANÇA EM INSTALAÇÕES
ELÉTRICAS ERNEGIZADAS
As intervenções em instalações elétricas com
tensão igual ou Superior a 50 Volts em corrente
alternada ou superior a 120 Volts em corrente
contínua somente podem ser realizadas por
trabalhadores que atendam ao que estabelece o
item 10.8 desta Norma.
SEGURANÇA EM INSTALAÇÕES ELÉTRICAS
ENERGIZADAS
Os trabalhadores de que trata o item anterior devem
receber treinamento de segurança para trabalhos
com instalações elétricas energizadas, com currículo
mínimo, carga horária e demais determinações
estabelecidas no Anexo II desta NR.
As operações elementares como ligar e desligar
circuitos elétricos, realizadas em baixa tensão, com
materiais e equipamentos elétricos em perfeito
estado de conservação, adequados para operação,
podem ser realizadas por qualquer pessoa não
advertida.
Os trabalhos que exigem o ingresso na zona
controlada devem ser realizados mediante
procedimentos específicos respeitando as distâncias
previstas no Anexo I.
Os serviços em instalações energizadas, ou em suas
proximidades devem ser suspensos de imediato na
iminência de ocorrência que possa colocar os
trabalhadores em perigo.
O responsável pela execução do serviço deve
suspender as atividades quando verificar situação ou
condição de risco não prevista, cuja eliminação ou
neutralização imediata não seja possível.
Sempre que inovações tecnológicas forem
implementadas ou para a entrada em operações de
novas instalações ou equipamentos elétricos devem
ser previamente elaboradas análises de risco,
desenvolvidas com circuitos desenergizados, e
respectivos procedimentos de trabalho.
ITEM 07
TRABALHOS ENVOLVENDO
ALTA TENSÃO(AT)
Os serviços em instalações elétricas energizadas em AT, bem
como aqueles executados no Sistema Elétrico de Potência –
SEP, não podem ser realizados individualmente.
TRABALHOS ENVOLVENDO ALTA TENSÃO
(AT)
Os trabalhadores que intervenham em instalações elétricas
energizadas com alta tensão, que exerçam suas atividades
dentro dos limites estabelecidos como zonas controladas e de
risco, conforme Anexo I, devem atender ao disposto no item
10.8 desta NR.
Os trabalhadores de que trata o item 10.7.1 devem receber
treinamento de segurança, específico em segurança no
Sistema Elétrico de Potência (SEP) e em suas proximidades,
com currículo mínimo, carga horária e demais Determinações
estabelecidas no Anexo II desta NR.
Os serviços em instalações elétricas energizadas em AT
somente podem ser realizados quando houver procedimentos
específicos, detalhados e assinados por profissional autorizado.
Todo trabalho em instalações elétricas energizadas em AT, bem
como aquelas que interajam com o SEP, somente pode ser
realizado mediante ordem de serviço específica para data e
local, assinada por superior responsável pela área.
Antes de iniciar trabalhos em circuitos energizados em AT, o
superior imediato e a equipe, responsáveis pela execução do
serviço, devem realizar uma avaliação prévia, estudar e
planejar as atividades e ações a serem desenvolvidas de forma
a atender os princípios técnicos básicos e as melhores técnicas
de segurança em eletricidade aplicáveis ao serviço.
A intervenção em instalações elétricas energizadas em AT
dentro dos limites estabelecidos como zona de risco, conforme
Anexo I desta NR, somente pode ser realizada mediante a
desativação, também conhecida como bloqueio, dos conjuntos
e dispositivos de religamento automático do circuito, sistema
ou equipamento.
Os equipamentos e dispositivos desativados devem ser
sinalizados com identificação da condição de desativação,
conforme procedimento de trabalho específico padronizado.
Todo trabalhador em instalações elétricas energizadas em AT,
bem como aqueles envolvidos em atividades no SEP devem
dispor de equipamento que permita a comunicação permanente
com os demais membros da equipe ou com o centro de
operação durante a realização do serviço.
Os equipamentos, ferramentas e dispositivos isolantes ou
equipados com materiais isolantes, destinados ao trabalho em
alta tensão, devem ser submetidos a testes elétricos ou
ensaios de laboratório periódicos, obedecendo-se as
especificações do fabricante, os procedimentos da
vídeos
ITEM 08
HABILITAÇÃO, QUALIFICAÇÃO,
CAPACITAÇÃO E AUTORIZAÇÃO
DOS TRABALHADORES
SEGUNDO A NR-10 QUAL A CLASSIFICAÇÃO DOS
PROFISSIONAIS QUE TRABALHAM COM AS
INSTALAÇÕES ELÉTRICAS?
QUALIFICADO
HABILITADO
CAPACITADO
AUTORIZADO
c) modificações significativas nas instalações
elétricas ou troca de métodos, processos e
organização do trabalho.
TREINAMENTO DE RECICLAGEM BIENAL
Deve ser realizado um treinamento de reciclagem
bienal e sempre que ocorrer alguma das situações a
seguir:
a) troca de função ou mudança de empresa;
b) retorno de afastamento ao trabalho ou inatividade,
por período superior a três meses;
ITEM 09
PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIO
E EXPLOSÃO
NAS ÁREAS ONDE HOUVER INSTALAÇÕES OU
EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS, COMO DEVEM SER A
PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIOS?
As áreas onde houver instalações ou equipamentos
elétricos devem ser dotadas de proteção contra
incêndio e explosão, conforme dispõe a NR 23 –
Proteção Contra Incêndios.
Os materiais, peças, dispositivos, equipamentos e
sistemas destinados à aplicação em instalações
elétricas de ambientes com atmosferas
potencialmente explosivas devem ser avaliados
quanto à sua conformidade, no âmbito do Sistema
Brasileiro de Certificação.
NAS ÁREAS ONDE HOUVER INSTALAÇÕES OU
EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS, COMO DEVEM SER A
PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIOS?
Os processos ou equipamentos susceptíveis de gerar
ou acumular eletricidade estática devem dispor de
proteção específica e dispositivos de descarga
elétrica.
Os serviços em instalações elétricas nas áreas
classificadas somente poderão ser realizados
mediante permissão para o trabalho com liberação
formalizada ou supressão do agente de risco que
determina a classificação da área.
Nas instalações elétricas de áreas classificadas ou
sujeitas a risco acentuado de incêndio ou explosões,
devem ser adotados dispositivos de proteção,como
alarme e seccionamento automático para prevenir
sobre tensões, sobre correntes, falhas de
isolamento, aquecimentos ou outras condições
anormais de operação.
NAS ÁREAS ONDE HOUVER INSTALAÇÕES OU
EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS, COMO DEVEM SER A
PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIOS?
ITEM 10
SINALIZAÇÃO DE SEGURANÇA
QUE SINALIZAÇÃO DEVE SER ADOTADA NAS
INSTALAÇÕES E SEVIÇOS EM ELETRICIDADE?
Nas instalações e serviços em eletricidade deve ser
adotada sinalização adequada de segurança,
destinada à advertência e à identificação, de forma a
atender, dentre outras, as situações a seguir:
a) identificação de circuitos elétricos;
b) travamentos e bloqueios de dispositivos e
sistemas de manobra e comandos;
c) restrições e impedimentos de acesso;
QUE SINALIZAÇÃO DEVE SER ADOTADA NAS
INSTALAÇÕES E SEVIÇOS EM ELETRICIDADE?
d) delimitações de áreas;
e) sinalização de áreas de circulação, de vias
públicas, de veículos e de movimentação de cargas;
f) sinalização de impedimento de energização;
g) identificação de equipamento ou circuito
impedido.
ITEM 11
PROCEDIMENTOS DE
TRABALHO
COMO DEVEM SER OS PROCEDIMENTOS DE
TRABALHO DE ACORDO COM A NR10?
Os serviços em instalações elétricas devem ser
planejados e realizados em conformidade com
procedimentos de trabalho específicos,
padronizados, com descrição detalhada de cada
tarefa, passo a passo, assinados por profissional que
atenda ao que estabelece o item 10.8 desta NR.
Os serviços em instalações elétricas devem ser
precedidos de ordens de serviço especificas,
aprovadas por trabalhador autorizado, contendo, no
mínimo, o tipo, a data, o local e as referências aos
procedimentos de trabalho a serem adotados.
COMO DEVEM SER OS PROCEDIMENTOS DE
TRABALHO DE ACORDO COM A NR10?
Os procedimentos de trabalho devem conter, no
mínimo, objetivo, campo de aplicação, base técnica,
competências e responsabilidades, disposições
gerais, medidas de controle e orientações finais.
Os procedimentos de trabalho, o treinamento de
segurança e saúde e a autorização de que trata o
item 10.8 devem ter a participação em todo processo
de desenvolvimento do Serviço Especializado de
Engenharia de Segurança e Medicina do Trabalho -
SESMT, quando houver.
A autorização referida no item 10.8 deve estar em
conformidade com o treinamento ministrado,
previsto no Anexo II desta NR.
Toda equipe deverá ter um de seus trabalhadores
indicado e em condições de exercer a supervisão e
condução dos trabalhos.
Antes de iniciar trabalhos em equipe os seus
membros, em conjunto com o responsável pela
execução do serviço, devem realizar uma avaliação
prévia, estudar e planejar as atividades e ações a
serem desenvolvidas no local, de forma a atender os
princípios técnicos básicos e as melhores técnicas
de segurança aplicáveis ao serviço.
A alternância de atividades deve considerar a análise
de riscos das tarefas e a competência dos
trabalhadores envolvidos, de forma a garantir a
segurança e a saúde no trabalho.
ITEM 12
SITUAÇÃO DE EMERGÊNCIA
• As ações de emergência que envolvam as
instalações ou serviços com eletricidade devem
constar do plano de emergência da empresa.
• Os trabalhadores autorizados devem estar aptos a
executar o resgate e prestar primeiros socorros a
acidentados, especialmente por meio de
reanimação cardio-respiratória.
• A empresa deve possuir métodos de resgate
padronizados e adequados às suas atividades,
disponibilizando os meios para a sua aplicação.
• Os trabalhadores autorizados devem estar aptos a
manusear e operar equipamentos de prevenção e
combate a incêndio existentes nas instalações
elétricas.
DE ACORDO COM A NR-10 COMO DEVE SE
PROCEDER EM CASO DE EMERGÊNCIA?
ITEM 13
RESPONSABILIDADES
COMO SE DÁ AS RESPONSABILIDADES QUANTO AO
CUMPRIMENTO DA NR10?
As responsabilidades quanto ao cumprimento desta
NR são solidárias aos contratantes e contratados
envolvidos.
O QUE CABE AOS CONTRATANTES?
É de responsabilidade dos contratantes manter os
trabalhadores informados sobre os riscos a que
estão expostos, instruindo-os quanto aos
procedimentos e medidas de controle contra os
riscos elétricos a serem adotados.
O QUE CABE A EMPRESA?
Cabe à empresa, na ocorrência de acidentes de
trabalho envolvendo instalações e serviços em
eletricidade, propor e adotar medidas preventivas e
corretivas.
O QUE CABE AOS TRABALHADORES?
a) zelar pela sua segurança e saúde e a de outras
pessoas que possam ser afetadas por suas ações ou
omissões no trabalho;
b) responsabilizar-se junto com a empresa pelo
cumprimento das disposições legais e
regulamentares, inclusive quanto aos procedimentos
internos de segurança e saúde; e
c) comunicar, de imediato, ao responsável pela
execução do serviço as situações que considerar de
risco para sua segurança e saúde e a de outras
pessoas.
ITEM 14
DISPOSIÇÕES FINAIS
O QUE É O DIREITO DE RECUSA SEGUNDO A NR10 ?
Os trabalhadores devem interromper suas tarefas exercendo o
direito de recusa, sempre que constatarem evidências de riscos
graves e iminentes para sua segurança e saúde ou a de outras
pessoas, comunicando imediatamente o fato a seu superior
hierárquico, que diligenciará as medidas cabíveis.
COM AS EMPRESAS DEVEM CONTROLAR RISCOS
ORIGINADOS POR TERCEIROS?
As empresas devem promover ações de controle de riscos
originados por outrem em suas instalações elétricas e oferecer,
de imediato, quando cabível, denúncia aos órgãos competentes.
O QUE ACONTECERÁ COM A EMPRESA QUE
DESRESPEITAR A NR10?
Na ocorrência do não cumprimento das normas
constantes nesta NR, o MTE adotará as providências
estabelecidas na NR 3.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Apresentação nr10 senac
Apresentação   nr10   senacApresentação   nr10   senac
Apresentação nr10 senac
Fernando Mendes
 
SegurançA Em InstalaçõEs E ServiçOs Com Eletricidade Mod I
SegurançA Em InstalaçõEs E ServiçOs Com Eletricidade     Mod ISegurançA Em InstalaçõEs E ServiçOs Com Eletricidade     Mod I
SegurançA Em InstalaçõEs E ServiçOs Com Eletricidade Mod I
Santos de Castro
 
Vestimentas conforme nr10 basico
Vestimentas conforme nr10 basicoVestimentas conforme nr10 basico
Vestimentas conforme nr10 basico
Neto Afonso
 
Nr 10 segurança do trabalho
Nr 10   segurança do trabalhoNr 10   segurança do trabalho
Nr 10 segurança do trabalho
tatytf
 
Nr10 _ Apresentação Senai.pdf
Nr10 _ Apresentação Senai.pdfNr10 _ Apresentação Senai.pdf
Nr10 _ Apresentação Senai.pdf
NeyPires2
 
Trabalho nr10 segurança do trabalho
Trabalho nr10 segurança do trabalhoTrabalho nr10 segurança do trabalho
Trabalho nr10 segurança do trabalho
UTFPR
 
(1º)nr 10 – segurança em instalações e
(1º)nr  10 – segurança em instalações e(1º)nr  10 – segurança em instalações e
(1º)nr 10 – segurança em instalações e
Marcelo Moraes
 
Epi epc
Epi epcEpi epc
Epi epc
André Souza
 
Nr 10
Nr 10Nr 10
Perguntas nr10
Perguntas nr10Perguntas nr10
Perguntas nr10
Carlos Melo
 
Nr 10
Nr 10Nr 10
Curso de segurança com eletricidade pela NR 10
Curso de segurança com eletricidade pela NR 10Curso de segurança com eletricidade pela NR 10
Curso de segurança com eletricidade pela NR 10
Edgar Arana
 
Trabalho de segurança em eletricidade nr 10
Trabalho de segurança em eletricidade nr 10Trabalho de segurança em eletricidade nr 10
Trabalho de segurança em eletricidade nr 10
Markkinhos
 
Nr 10 sep
Nr 10 sepNr 10 sep
1. introdução à segurança com eletricidade.eps
1. introdução à segurança com eletricidade.eps1. introdução à segurança com eletricidade.eps
1. introdução à segurança com eletricidade.eps
MA Consultoria e Treinamentos LTDA
 
NR 35
NR 35NR 35
NR 35
Gil Mendes
 
GERENCIAMENTO EPI CONSCIENTIZAÇÃO E USO – NR 6
GERENCIAMENTO EPI CONSCIENTIZAÇÃO E USO – NR 6GERENCIAMENTO EPI CONSCIENTIZAÇÃO E USO – NR 6
GERENCIAMENTO EPI CONSCIENTIZAÇÃO E USO – NR 6
GAC CURSOS ONLINE
 
Nr 10
Nr 10Nr 10
Palestra: Prevenção de Acidentes de Trabalho
Palestra: Prevenção de Acidentes de TrabalhoPalestra: Prevenção de Acidentes de Trabalho
Palestra: Prevenção de Acidentes de Trabalho
HP Safety Engenharia
 
Os de pedreiro
Os de pedreiroOs de pedreiro
Os de pedreiro
Sandro Da Silva Santos
 

Mais procurados (20)

Apresentação nr10 senac
Apresentação   nr10   senacApresentação   nr10   senac
Apresentação nr10 senac
 
SegurançA Em InstalaçõEs E ServiçOs Com Eletricidade Mod I
SegurançA Em InstalaçõEs E ServiçOs Com Eletricidade     Mod ISegurançA Em InstalaçõEs E ServiçOs Com Eletricidade     Mod I
SegurançA Em InstalaçõEs E ServiçOs Com Eletricidade Mod I
 
Vestimentas conforme nr10 basico
Vestimentas conforme nr10 basicoVestimentas conforme nr10 basico
Vestimentas conforme nr10 basico
 
Nr 10 segurança do trabalho
Nr 10   segurança do trabalhoNr 10   segurança do trabalho
Nr 10 segurança do trabalho
 
Nr10 _ Apresentação Senai.pdf
Nr10 _ Apresentação Senai.pdfNr10 _ Apresentação Senai.pdf
Nr10 _ Apresentação Senai.pdf
 
Trabalho nr10 segurança do trabalho
Trabalho nr10 segurança do trabalhoTrabalho nr10 segurança do trabalho
Trabalho nr10 segurança do trabalho
 
(1º)nr 10 – segurança em instalações e
(1º)nr  10 – segurança em instalações e(1º)nr  10 – segurança em instalações e
(1º)nr 10 – segurança em instalações e
 
Epi epc
Epi epcEpi epc
Epi epc
 
Nr 10
Nr 10Nr 10
Nr 10
 
Perguntas nr10
Perguntas nr10Perguntas nr10
Perguntas nr10
 
Nr 10
Nr 10Nr 10
Nr 10
 
Curso de segurança com eletricidade pela NR 10
Curso de segurança com eletricidade pela NR 10Curso de segurança com eletricidade pela NR 10
Curso de segurança com eletricidade pela NR 10
 
Trabalho de segurança em eletricidade nr 10
Trabalho de segurança em eletricidade nr 10Trabalho de segurança em eletricidade nr 10
Trabalho de segurança em eletricidade nr 10
 
Nr 10 sep
Nr 10 sepNr 10 sep
Nr 10 sep
 
1. introdução à segurança com eletricidade.eps
1. introdução à segurança com eletricidade.eps1. introdução à segurança com eletricidade.eps
1. introdução à segurança com eletricidade.eps
 
NR 35
NR 35NR 35
NR 35
 
GERENCIAMENTO EPI CONSCIENTIZAÇÃO E USO – NR 6
GERENCIAMENTO EPI CONSCIENTIZAÇÃO E USO – NR 6GERENCIAMENTO EPI CONSCIENTIZAÇÃO E USO – NR 6
GERENCIAMENTO EPI CONSCIENTIZAÇÃO E USO – NR 6
 
Nr 10
Nr 10Nr 10
Nr 10
 
Palestra: Prevenção de Acidentes de Trabalho
Palestra: Prevenção de Acidentes de TrabalhoPalestra: Prevenção de Acidentes de Trabalho
Palestra: Prevenção de Acidentes de Trabalho
 
Os de pedreiro
Os de pedreiroOs de pedreiro
Os de pedreiro
 

Destaque

Operações com vetores
Operações com vetoresOperações com vetores
Operações com vetores
experimentun
 
Lei de gauss, halliday, cap. 23
Lei de gauss, halliday, cap. 23Lei de gauss, halliday, cap. 23
Lei de gauss, halliday, cap. 23
Warlle Almeida
 
Corrente elétrica, halliday, cap. 26
Corrente elétrica, halliday, cap. 26Corrente elétrica, halliday, cap. 26
Corrente elétrica, halliday, cap. 26
Warlle Almeida
 
Potêncial elétrico, halliday, cap. 24
Potêncial elétrico, halliday, cap. 24Potêncial elétrico, halliday, cap. 24
Potêncial elétrico, halliday, cap. 24
Warlle Almeida
 
Nr10
Nr10Nr10
Geometria vectorial 10 º exercícios
Geometria vectorial 10 º exercíciosGeometria vectorial 10 º exercícios
Geometria vectorial 10 º exercícios
Ana Tapadinhas
 
Apostila nr-10
Apostila nr-10Apostila nr-10
Apostila nr-10
Ricardo Carvalho
 
Nr10 desenvolvimento volnei feliciano
Nr10 desenvolvimento volnei felicianoNr10 desenvolvimento volnei feliciano
Nr10 desenvolvimento volnei feliciano
Volnei Feliciano Michele Volpini
 
Campo elétrico 2016
Campo elétrico 2016Campo elétrico 2016
Campo elétrico 2016
experimentun
 
132formulasdefisicarc 140501111333-phpapp02
132formulasdefisicarc 140501111333-phpapp02132formulasdefisicarc 140501111333-phpapp02
132formulasdefisicarc 140501111333-phpapp02
Carlos Henrique
 
Aterramento
AterramentoAterramento
Aterramento
FRANCESCO GALGANO
 
Riscos eletricos
Riscos eletricosRiscos eletricos
Riscos eletricos
weslley26
 
norma - nr-10
norma - nr-10norma - nr-10
norma - nr-10
Tharley Alcantara
 
Vetores
VetoresVetores
Vetores
Miky Mine
 
Potencial elétrico
Potencial elétricoPotencial elétrico
Potencial elétrico
Betine Rost
 
Modelo de carta formal e informal com exemplos
Modelo de carta formal e informal com exemplosModelo de carta formal e informal com exemplos
Modelo de carta formal e informal com exemplos
DicasFree
 
Sistema de Aterramento e SPDA
Sistema de Aterramento e SPDASistema de Aterramento e SPDA
Sistema de Aterramento e SPDA
Rodrigo Campos
 

Destaque (17)

Operações com vetores
Operações com vetoresOperações com vetores
Operações com vetores
 
Lei de gauss, halliday, cap. 23
Lei de gauss, halliday, cap. 23Lei de gauss, halliday, cap. 23
Lei de gauss, halliday, cap. 23
 
Corrente elétrica, halliday, cap. 26
Corrente elétrica, halliday, cap. 26Corrente elétrica, halliday, cap. 26
Corrente elétrica, halliday, cap. 26
 
Potêncial elétrico, halliday, cap. 24
Potêncial elétrico, halliday, cap. 24Potêncial elétrico, halliday, cap. 24
Potêncial elétrico, halliday, cap. 24
 
Nr10
Nr10Nr10
Nr10
 
Geometria vectorial 10 º exercícios
Geometria vectorial 10 º exercíciosGeometria vectorial 10 º exercícios
Geometria vectorial 10 º exercícios
 
Apostila nr-10
Apostila nr-10Apostila nr-10
Apostila nr-10
 
Nr10 desenvolvimento volnei feliciano
Nr10 desenvolvimento volnei felicianoNr10 desenvolvimento volnei feliciano
Nr10 desenvolvimento volnei feliciano
 
Campo elétrico 2016
Campo elétrico 2016Campo elétrico 2016
Campo elétrico 2016
 
132formulasdefisicarc 140501111333-phpapp02
132formulasdefisicarc 140501111333-phpapp02132formulasdefisicarc 140501111333-phpapp02
132formulasdefisicarc 140501111333-phpapp02
 
Aterramento
AterramentoAterramento
Aterramento
 
Riscos eletricos
Riscos eletricosRiscos eletricos
Riscos eletricos
 
norma - nr-10
norma - nr-10norma - nr-10
norma - nr-10
 
Vetores
VetoresVetores
Vetores
 
Potencial elétrico
Potencial elétricoPotencial elétrico
Potencial elétrico
 
Modelo de carta formal e informal com exemplos
Modelo de carta formal e informal com exemplosModelo de carta formal e informal com exemplos
Modelo de carta formal e informal com exemplos
 
Sistema de Aterramento e SPDA
Sistema de Aterramento e SPDASistema de Aterramento e SPDA
Sistema de Aterramento e SPDA
 

Semelhante a Riscos elétricos

Circuitos elétricos
Circuitos elétricosCircuitos elétricos
Circuitos elétricos
fisicaatual
 
Apostila de eletricidade completa
Apostila de eletricidade completaApostila de eletricidade completa
Apostila de eletricidade completa
Joyce Domingues
 
Electricidade2
Electricidade2Electricidade2
Electricidade2
João Pedro
 
Apostila nr10
Apostila nr10Apostila nr10
Circuitos elétricos
Circuitos elétricosCircuitos elétricos
Circuitos elétricos
fisicaatual
 
Monografia ieee tle(versão final)
Monografia ieee tle(versão final)Monografia ieee tle(versão final)
Monografia ieee tle(versão final)
TLEAVEIRO
 
NR 10 - Riscos eletricos
NR 10 - Riscos eletricosNR 10 - Riscos eletricos
NR 10 - Riscos eletricos
Eduardo Mendes
 
NR 10
NR 10NR 10
Apresentação CTDA NR 10 .pdf
Apresentação CTDA NR 10 .pdfApresentação CTDA NR 10 .pdf
Apresentação CTDA NR 10 .pdf
PedroOliveira837372
 
Segurança No Trabalho - NR 10.pptx
Segurança No Trabalho - NR 10.pptxSegurança No Trabalho - NR 10.pptx
Segurança No Trabalho - NR 10.pptx
GeoesteAssistente
 
Segurança_em_serviços_com_eletricidade.ppt
Segurança_em_serviços_com_eletricidade.pptSegurança_em_serviços_com_eletricidade.ppt
Segurança_em_serviços_com_eletricidade.ppt
RodrigoFurlan14
 
Capítulo 1 noções gerais de eletricidade
Capítulo 1   noções gerais de eletricidadeCapítulo 1   noções gerais de eletricidade
Capítulo 1 noções gerais de eletricidade
Jorge Alex Rodrigues
 
Choque Eletrico
Choque EletricoChoque Eletrico
Choque Eletrico
Santos de Castro
 
Materiais
MateriaisMateriais
Eletricidade 2.ppt
Eletricidade 2.pptEletricidade 2.ppt
Eletricidade 2.ppt
MarcioCarrera1
 
Lesões elétricas.doc
Lesões elétricas.docLesões elétricas.doc
Lesões elétricas.doc
Brunno Rosique
 
Apostila nr 10
Apostila nr 10Apostila nr 10
Apostila nr 10
Cicero Rodrigo De Luca
 
Eletrecidade
EletrecidadeEletrecidade
Eletrecidade
Mariana Saraiva
 
Choque elétrico
Choque elétricoChoque elétrico
Choque elétrico
MarceloMariano24
 
Aula 2 eletroeletrônica
Aula 2   eletroeletrônicaAula 2   eletroeletrônica
Aula 2 eletroeletrônica
GIGLLIARA SEGANTINI DE MENEZES
 

Semelhante a Riscos elétricos (20)

Circuitos elétricos
Circuitos elétricosCircuitos elétricos
Circuitos elétricos
 
Apostila de eletricidade completa
Apostila de eletricidade completaApostila de eletricidade completa
Apostila de eletricidade completa
 
Electricidade2
Electricidade2Electricidade2
Electricidade2
 
Apostila nr10
Apostila nr10Apostila nr10
Apostila nr10
 
Circuitos elétricos
Circuitos elétricosCircuitos elétricos
Circuitos elétricos
 
Monografia ieee tle(versão final)
Monografia ieee tle(versão final)Monografia ieee tle(versão final)
Monografia ieee tle(versão final)
 
NR 10 - Riscos eletricos
NR 10 - Riscos eletricosNR 10 - Riscos eletricos
NR 10 - Riscos eletricos
 
NR 10
NR 10NR 10
NR 10
 
Apresentação CTDA NR 10 .pdf
Apresentação CTDA NR 10 .pdfApresentação CTDA NR 10 .pdf
Apresentação CTDA NR 10 .pdf
 
Segurança No Trabalho - NR 10.pptx
Segurança No Trabalho - NR 10.pptxSegurança No Trabalho - NR 10.pptx
Segurança No Trabalho - NR 10.pptx
 
Segurança_em_serviços_com_eletricidade.ppt
Segurança_em_serviços_com_eletricidade.pptSegurança_em_serviços_com_eletricidade.ppt
Segurança_em_serviços_com_eletricidade.ppt
 
Capítulo 1 noções gerais de eletricidade
Capítulo 1   noções gerais de eletricidadeCapítulo 1   noções gerais de eletricidade
Capítulo 1 noções gerais de eletricidade
 
Choque Eletrico
Choque EletricoChoque Eletrico
Choque Eletrico
 
Materiais
MateriaisMateriais
Materiais
 
Eletricidade 2.ppt
Eletricidade 2.pptEletricidade 2.ppt
Eletricidade 2.ppt
 
Lesões elétricas.doc
Lesões elétricas.docLesões elétricas.doc
Lesões elétricas.doc
 
Apostila nr 10
Apostila nr 10Apostila nr 10
Apostila nr 10
 
Eletrecidade
EletrecidadeEletrecidade
Eletrecidade
 
Choque elétrico
Choque elétricoChoque elétrico
Choque elétrico
 
Aula 2 eletroeletrônica
Aula 2   eletroeletrônicaAula 2   eletroeletrônica
Aula 2 eletroeletrônica
 

Riscos elétricos

  • 2. A ELETRICIDADE FOI INVENTADA PELO HOMEM? NÃO A ELETRICIDADE É UM FENÔMENO NATURAL O HOMEM APENAS DESCOBRIU E DESENVOLVEU FORMAS DE USÁ-LA.
  • 3. A ELETRICIDADE É ÚTIL OU PERIGOSA? QUANDO FOGE AO CONTROLE TANTO É ÚTIL QUANTO PERIGOSA ÚTIL QUANDO BEM UTILIZADA PERIGOSA
  • 4. HOJE, AONDE USAMOS A ELETRICIDADE? EM QUASE TODOS OS LUGARES HOJE, EM DIA JÁ NÃO VIVEMOS SEM ELA VAMOS VER ALGUNS EXEMPLOS DE SUA UTILIZAÇÃO:
  • 12. O QUE É ELETRICIDADE ESTÁTICA? Pode ser interpretado como um efeito resultante da transferência de elétrons, de uma superfície para outra. A eletrificação estática ocorre tanto nos materiais eletricamente condutores como materiais não condutores. Um número significativos de incêndios e explosões ocorrem devido a esta energia estática. QUEM PODE DAR EXEMPLO DE ENERGIA ESTÁTICA? A seguir vamos ver um vídeo
  • 14. O estudo das questões relativas á eletricidade pode ser empreendido em quatro categorias distintas: geração, transmissão, distribuição e consumo de energia elétrica. QUAIS SÃO AS CATEGORIAS QUE TRABALHAM COM ELETRICIDADE? O QUE É SEP? O Sistema Elétrico de Potência abrange as atividades pertinentes as categorias de geração, transmissão e distribuição
  • 15. QUAIS SÃO AS PRINCIPAIS MODALIDADES DE GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL E NO MUNDO HIDRELÉTRICA TERMELÉTRICA NUCLEAR EÓLICA ENERGIA FOTOVOLTAICA (SOLAR) ENERGIA DAS MARÉS (MAREOTRIZ)
  • 16. A mais usada aqui no Brasil é a Hidrelétrica. Mas, para construir grandes represas muda-se o leito natural dos rios, com isso, inundando terras férteis, limitando o ecossistema de animais e vegetais desta região.
  • 17. Por isso, as novas hidrelétricas têm sido construídas com o acompanhamento de ecologistas e cientistas do meio ambiente, para que se altere o mínimo possível a natureza.
  • 18. No Brasil, existem muitas usinas hidrelétricas. A maior e mais conhecida é a Usina Hidrelétrica de Itaipu, localizada em Foz do Iguaçu/PR.
  • 19. Todas as formas de produção de energia elétrica causam danos ao meio ambiente.
  • 20. É um sistema de transporte envolvendo condutores e equipamentos e diferentes distâncias, formas e níveis de tensão. Devido às diferentes localizações geográficas das usinas geradoras e dos centros de carga, esse sistema faz a interligação entre as usinas e os consumidores para que a energia elétrica produzida possa ser utilizada. O QUE É SISTEMA DE TRANSMISSÃO?
  • 21. A energia elétrica é transportada das usinas através das linhas de transmissão existentes em todo o território nacional chegando aos consumidores por redes de distribuição, que são o conjunto de postes, cabos e transformadores que levam a eletricidade até as residências, indústrias, hospitais, escolas, etc. COMO A ENERGIA ELÉTRICA CHEGA AOS CONSUMIDORES?
  • 22. Depois de gerada, a energia elétrica é conduzida por meio de fios a todos os lugares até chegar aos postes de iluminação. Nos postes existem os transformadores. Estes servem para diminuir a tensão que vem dos fios.
  • 23. Mas, todo esse trabalho custa muito dinheiro. Por isso, nos prédios e nas casas existem medidores de eletricidade. Este aparelho serve para medir o consumo diário de energia elétrica, assim a conta de luz vem de acordo com o gasto mensal, sempre calculada pela empresa responsável pelo abastecimento.
  • 24. QUAL A DIFERENÇA DE: ELETRICISTA X ELETRICITÁRIO ELETRICISTA ELETRICITÁRIO CONSUMO SEP
  • 25. O QUE É HORÁRIO DE VERÃO? MEDIDA IMPLANTADA COM O OBJETIVO DE REDUZIR O CONSUMO DE ENERGIA E DIMINUIR A DEMANDA NO HORÁRIO DE PICO.
  • 28. COM A LINHA ENERGIZADA (linha viva) COM A LINHA DESERNEGIZADA (linha morta) COMO SÃO OS TRABALHOS EM ELETRICIDADE?
  • 29. MÉTODO AO CONTATO MÉTODO AO POTENCIAL MÉTODO À DISTÂNCIA EXISTEM 3 MÉTODOS PARA TRABALHAR EM LINHAS ENERGIZADAS:
  • 30. MÉTODO AO CONTATO O trabalhador tem contato com a rede energizada, mas não fica no mesmo potencial. Mantém-se devidamente isolado, utilizando equipamentos de proteção individual e coletiva adequados à tensão da rede.
  • 33. MÉTODO AO POTENCIAL O trabalhador fica em contato direto com a tensão da rede, no mesmo potencial. É necessário o emprego de medidas de segurança que garantam o mesmo potencial elétrico no corpo inteiro do trabalhador. Deve ser utilizada uma vestimenta condutiva (roupa, capuz, luvas e botas) ligada à rede através de cabo condutor elétrico.
  • 36. MÉTODO À DISTÂNCIA O trabalhador interage com a parte energizada a uma distância segura, através do emprego de procedimentos, estruturas, equipamentos, ferramentas e dispositivos isolantes apropriados.
  • 38. PORQUE QUE O PÁSSARO NÃO LEVA CHOQUE ELÉTRICO QUANDO POUSA EM UM FIO DE ALTA TENSÃO? PORQUE NÃO EXISTE A DIFERENÇA DE POTENCIAL
  • 41. VOCÊ CONHECE O TUIUIÚ? É O PÁSSARO SÍMBOLO DO PANTANAL MATOGROSSENSE
  • 43. ULTIMAMENTE QUAL A PRINCIPAL CAUSA MORTIS DO TUIUIÚ? TEM SIDO OS CABOS NÚS DE UMA LINHA AÉREA DE 69kV DE TENSÃO, QUE FOI CONSTRUÍDA POR DENTRO DO HABITAT DA ESPÉCIE
  • 45. QUAL A SOLUÇÃO ENCONTRADA? A EMPRESA DE ENERGIA ELÉTRICA DO MATOGROSSO CONTRUIU A REDE TUIUIÚ QUE CONSISTE NO CABO CENTRAL SER ISOLADO E AS DISTÂNCIAS ENTRE OS CABOS SEREM SUPERIORES A 1 METRO
  • 47. OS ACIDENTES COM ELETRICIDADE SÃO FREQUENTES OU RAROS?
  • 49. É uma perturbação acidental que se manifesta no organismo humano, quando percorrido por uma corrente elétrica. CHOQUE ELÉTRICO
  • 50. d.d.p corrente elétrica A condição básica para se levar um choque de origem elétrica é estar submetido a uma diferença de potencial (d.d.p) suficiente para fazer circular uma corrente que provoque efeitos no organismo. QUAL A CONDIÇÃO BÁSICA DE SE LEVAR UM CHOQUE ELÉTRICO?
  • 51. O corpo humano, não só pela natureza de seus tecidos como pela grande quantidade de água que contém, tem comportamento semelhante a um condutor elétrico, ou seja, conduz corrente elétrica. CORPO HUMANO X CONDUTOR ELÉTRICO
  • 52. OS EFEITOS DO CHOQUE ELÉTRICO VARIAM CONFORME AS CIRCUNSTÂNCIA. Condições organicas e psiquicas da pessoa nível de frequência natureza cc - ca Duração do choque Percurso da corrente no corpo Resistência do corpo Intensidade da corrente Isolamento do corpo Tipo de contato 1 2 3 4 5 6 7 8
  • 53. NATUREZA DA CORRENTE O corpo humano é mais sensível à corrente alternada de freqüência industrial (50/60 Hz) do que à corrente contínua. O limiar de sensação da corrente contínua é da ordem de 5 miliampères, enquanto que na corrente alternada é de 1 miliampère. A corrente elétrica passa a ser perigosa para o homem a partir de 9 miliampères, em se tratando de corrente alternada, e, 45 miliampères para corrente contínua.
  • 55. INTENSIDADE DA CORRENTE ALTERNADA QUE PERCORRE O CORPO PERTURBAÇÕES POSSÍVEIS DURANTE O CHOQUE ESTADO POSSÍVEL SALVAMENTO RESULTADO FINAL NENHUMA NORMAL ________ NORMAL SENSAÇÃO CADA VEZ MAIS DESAGRADÁVEL QUANDO A INTENSIDADE AUMENTA. CONTRAÇÃO MUSCULARES NORMAL DESNECESSÁRIO NORMAL SENSAÇÃO DOLOROSA CONTRAÇÕES VIOLENTAS ASFIXIA, ANOXEMIA FRIBILAÇÃO VENTRICULAR MORTE APARENTE RESPIRAÇÃO ARTIFICIAL RESTABELECIMENTO SENSAÇÃO INSUPORTÁVEL CONTRAÇÕES VIOLENTAS ASFIXIA, ANOXEMIA FRIBILAÇÃO VENTRICULAR MORTE APARENTE RESPIRAÇÃO ARTIFICIAL MUITAS VEZES NÃO HÁ TEMPO DE SALVAR E A MORTE OCORRE EM POUCOS MINUTOS ASFIXIA IMEDIATA FRIBRILAÇÃO VENTRICULAR ALTERAÇÕES MUSCULARES QUEIMADURAS MORTE POSTERIOR OU IMEDIATA MUITO DIFÍCIL MORTE ASFIXIA IMEDIATA QUEIMADURAS GRAVES MORTE POSTERIOR OU IMEDIATA PRATICAMENTE IMPOSSÍVEL MORTE 1 miliampère 1 A 9 miliampères 9 a 20 miliampères 20 a 100 miliampères ACIMA DE 100 miliampères VÁRIOS miliampères
  • 56. A corrente que passa por uma lampada incandescente de 60 W em 120 V é 500 mA.
  • 57. Ri3100Ri2200Ri1200 Rit500 INTERNA RESISTÊNCIA DO CORPO HUMANO EXTERNA pele úmida pele seca  0   de 1000 a 2000   500 
  • 58. Calculemos a quantidade de corrente que pode transitar pelo corpo humano: E R I I = E R R = Resistência () E = Tensão (V) I = Intensidade de corrente (A)  = ohm. V = Volt. A = Ampére. COM A PELE SECA COM A PELE ÚMIDA Rt = Re + Ri = 2000 + 500 = 2500  Rt = Ri + Re = 0 + 500 = 500  I = = 0,044 A ou 44 mAE = 110 R 2500 I = = 0,22 A ou 220 mAE = 110 R 500
  • 59. A resistência elétrica depende também da trajetória da corrente elétrica pelo corpo humano: mão/mão mão/pé tórax/pé pé/pé TRAJETÓRIA DA CORRENTE ELÉTRICA PELO CORPO HUMANO
  • 60. Os perigos do choque elétrico podem ser mais danosos ainda, desde que a corrente passe a transitar com maior intensidade pelo coração. F N F F
  • 61. Fase Neutro Isolado Neste tipo de percurso, denominado pequeno percurso, não há risco de vida; poderá no entanto, sofrer queimaduras ou perda dos dedos. PERCURSO 1 Ligação de dois pontos com diferença de potencial elétrico por intermédio de dois dedos de uma mesma mão.
  • 62. Neutro Fase Material Isolante Terra PERCURSO 2 A corrente entra por uma das mãos e sai pela outra. Neste caso a corrente percorre o tórax, e atinge a região dos centros nervosos que controlam a respiração, os músculos do tórax e o coração. É um dos percursos mais perigosos. Dependendo do valor da corrente produzirá asfixia e fibrilação ventricular, ocasionando uma parada cardíaca.
  • 63. Probabilidade de recuperação da vítima de choque elétrico após a parada respiratória 0 Chance de recuperação da vítima (%) 20 40 60 80 100 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 0% 5% 10% 15% 25% 60% 75% 90% 95% 100% Tempoemminutos
  • 64. CONDIÇÕES ORGÂNICAS DO ORGANISMO Os efeitos do choque elétrico variam de pessoa para pessoa, e dependem principalmente das condições orgânicas da vítima. Pessoas com problemas cardíacos, respiratórios, mentais, deficiência alimentar, etc., estão mais propensas a sofrer com maior intensidade os efeitos do choque elétrico. Os idosos submetidos a uma intensidade de choque elétrico relativamente fraca, podem sofrer sérias conseqüências.
  • 65. QUAIS SÃO OS MEIOS QUE CRIAM CONDIÇÕES PARA QUE UMA PESSOA VENHA SOFRER UM CHOQUE ELÉTRICO? CONTATO COM UM CONDUTOR NÚ ENERGIZADO FALHA NA ISOLAÇÃO ELÉTRICA
  • 66. QUAIS SÃO OS EFEITOS FISIOLÓGICOS QUE O CHOQUE ELETRICO PRODUZ NO SER HUMANO? TETANIZAÇÃO PARADA RESPIRATÓRIA QUEIMADURAS FIBRILAÇÃO VENTRICULADA
  • 67. É a paralisia muscular provocada pela circulação de corrente através dos nervos que controlam os músculos. A corrente supera os impulsos elétricos que são enviados pela mente e os anula, podendo bloquear um membro ou o corpo inteiro, e de nada vale neste caso a consciência do indivíduo e a sua vontade de interromper o contato. TETANIZAÇÃO
  • 68. Quando estão envolvidos na tetanização os músculos dos pulmões, isto é, os músculos peitorais são bloqueados e pára a função vital da respiração. Isto se trata de uma grave emergência, pois todos nós sabemos que o humano não agüenta muito mais que 2 minutos sem respirar. PARADA RESPIRATÓRIA
  • 69. A corrente atingindo o coração, poderá perturbar o seu funcionamento, os impulsos periódicos que em condições normais regulam as contrações e as expansões são alterados e o coração vibra desordenadamente. A fibrilação é um fenômeno que se mantém mesmo depois do descontato do indivíduo com a corrente, só podendo ser anulada mediante o emprego de um equipamento conhecido desfibrilador. FIBRILAÇÃO VENTRICULADA
  • 72. A corrente elétrica circulando pelo corpo humano é acompanhada pelo desenvolvimento de calor produzido pelo Efeito Joule, podendo produzir queimaduras em todos os graus. As queimaduras produzidas pela corrente são profundas e de cura mais difícil, podendo causar a morte por insuficiência renal. QUEIMADURAS
  • 74. A energia liberada pelo arco elétrico pode: –Provocar Incêndios e destruir Equipamentos; –Queimar roupas (por ignição do tecido); –Projetar pessoas e materiais; –Emitir raios ultravioleta/infravermelho; e –Irradiar temperaturas (de 6.000°C até 30.000°C) que excedem o limite da pele humana (1,2 cal/cm2). QUEIMADURA POR ARCO ELÉTRICO
  • 76. QUEIMADURA POR ARCO ELÉTRICO
  • 77. QUEIMADURA POR ARCO ELÉTRICO
  • 78. QUEIMADURA POR ARCO ELÉTRICO
  • 79. QUEIMADURA POR ARCO ELÉTRICO
  • 80. QUEIMADURA POR ARCO ELÉTRICO
  • 81. QUEIMADURA POR ARCO ELÉTRICO
  • 82. QUEIMADURA POR ARCO ELÉTRICO
  • 83. QUEIMADURA POR ARCO ELÉTRICO
  • 84. QUEIMADURA POR ARCO ELÉTRICO
  • 85. QUEIMADURA POR ARCO ELÉTRICO
  • 86. As quedas constituem uma das principais causas de acidentes no setor elétrico, ocorrem em conseqüência de choques elétricos, de utilização inadequada de equipamentos de elevação (escadas, cestas, andaimes), falta ou uso inadequado de Equipamento de Proteção Individual (EPI), falta de treinamento dos trabalhadores, falta de delimitação e de sinalização do canteiro do serviço e ataque de insetos. QUEDAS
  • 88. O QUE É ATERRAMENTO? “Conjunto de eletrodos, conectores, condutores e processos de medição e tratamento do solo, destinado à criar uma impedância muito baixa, permitindo a passagens de correntes elétricas” Aterramento pode ser definido como :
  • 89. O ATERRAMENTO PODE SER DE 3 TIPOS. QUAIS SÃO ELES? ATERRAMENTO FUNCIONAL ATERRAMENTO DE PROTEÇÃO É a ligação à terra das massas (paredes metálicas de equipamentos ou instalações que não fazem parte do circuito elétrico) e dos elementos condutores estranhos à instalação, visando a proteção contra choques elétricos por contato indireto. É a ligação à terra de um dos condutores do sistema, geralmente o neutro.
  • 90. O ATERRAMENTO PODE SER DE 3 TIPOS. QUAIS SÃO ELES? ATERRAMENTO TEMPORÁRIO É a ligação elétrica efetiva, confiável e adequada intencional à terra, destinada a garantir a equipotencialidade e mantida continuamente durante a intervenção na instalação elétrica.
  • 91. QUAL A SUA FINALIDADE? • Eliminar fontes de distúrbios e interferências elétricas • Proteger os usuários • Proteger os equipamentos • Escoar correntes, cargas estáticas e descargas atmosféricas • Fazer com que os sistemas de proteção elétrica funcionem adequadamente
  • 92. QUAL A É A SUA IMPORTÂNCIA ? •Equipamentos elétricos com referencial de terra Dependem dele: •Equipamentos digitais •Equipamentos de transmissão
  • 93. SISTEMAS DE ATERRAMENTO • Fios ou cabos enterrados, em diversas configurações Os principais tipos são : • Linha • Triângulo • Quadrado • Círculo • Placa
  • 94. FATORES CHAVES Os fatores chaves de um bom aterramento são : • Medições •Tipos de Solos e Tratamentos •Sistema de Aterramento • Tipos de Hastes
  • 95. MEDIÇÕES •Determinarmos o melhor tipo de Haste Efetuamos medições do terreno para: •Obtermos o mapa de resistência do solo •Determinarmos o melhor tipo de tratamento
  • 96. HASTES DE ATERRAMENTO • Ter alta resistência mecânica Especificações : • Ser um bom condutor • Material resistente aos ácidos e sais encontrados no solo • Ser resistente à corrosão galvânica
  • 97. PRINCIPAIS HASTES DE ATERRAMENTO: Cantoneira - é de ferro galvanizado, usado com restrições Os principais tipos são : Cooperweld - o cobre é fundido na haste de aço Encamisado por Extrusão - à haste é revestida de cobre da extrusão Cadweld - o cobre é depositado por processo eletrolítico
  • 98. 98 TIPOS DE SOLOS E SUAS RESISTIVIDADES Tipo do Solo Resistividade ( Ω / m ) Lama 5 à 100 Terra de Jardim c/ 50 % de umidade 140 Terra de Jardim c/ 20 % de umidade 480 Argila Seca 1500 à 5000 Argila c/ 40 % de umidade 80 Argila c/ 20 % de umidade 330 Areia molhada 1300 Areia Seca 3000 à 8000 Calcário compacto 1000 à 5000 Granito 1500 à 10000
  • 99. 99 TRATAMENTOS •Gel Os principais tipos são : • Bentonita - mais comum • Earthron
  • 100. 100 BENTONITA •Protege o material contra a corrosão do solo Principais características : • Absorve facilmente a água • Retém a umidade • Boa condutora de eletricidade • Baixa resistividade • Não é corrosiva ( pH alcalino )
  • 101. 101 EARTHRON • Efeito de longa duração Principais características : • Não é solúvel em água • Não é corrosiva, • Retém a umidade • Fácil aplicação • Quimicamente estável
  • 102. GEL • Não é atacado pelos ácidos naturais do solo Principais características : • Não é solúvel em água • Não é corrosiva • Efeito de longa duração • Higroscópico
  • 104. NR – 10 SEGURANÇA EM INSTALAÇÕES E SERVIÇOS EM ELETRICIDADE COMPOSIÇÃO DA NORMA 14 ITENS 99 SUBITENS 03 ANEXOS 01 GLOSSÁRIO
  • 106. QUAL O OBJETIVO DA NR 10? Seu objetivo é implementar medidas de controle e sistemas preventivos estabelecendo os requisitos e condições mínimas para garantir a segurança e a saúde dos trabalhadores que, direta ou indiretamente, interajam em instalações elétricas e serviços com eletricidade.
  • 107. COM RELAÇÃO AO SISTEMA ELÉTRICO QUAL O CAMPO DE APLICAÇÃO DA NR 10? Quais são as fases do Sistema Elétrico (SE), que a NR-10 se aplica? GERAÇÃO TRANSMISSÃO DISTRIBUIÇÃO CONSUMO Como podemos resumir a definição de Sistema Elétrico? TODO O SISTEMA ELÉTRICO Geração Transmissão Distribuição Consumidor Barragem
  • 108. COM RELAÇÃO AS ETAPAS DAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS. QUAL O CAMPO DE APLICAÇÃO DA NR 10? PROJETO CONSTRUÇÃO MONTAGEM MANUTENÇÃOOPERAÇÃO
  • 109. Para respondermos esta pergunta é necessário entendermos primeiro o que significa trabalhos em proximidade? DEFINIÇÃO DO GLOSSÁRIO Trabalho durante o qual o trabalhador pode entrar na zona controlada, ainda que seja uma parte do seu corpo ou com extensões condutoras, representadas por materiais ferramentas ou equipamentos que manipule. A ABRANGÊNCIA DA NR10 TAMBÉM ENGLOBA SERVIÇOS REALIZADOS NAS PROXIMIDADES DAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS?
  • 113. Portanto trabalho em proximidade, atinge, inclusive, os trabalhadores em ambientes circunvizinhos sujeitos às influências das instalações ou execução de serviços elétricos que lhes são próximos. Trabalhadores nas instalações telefônicas, TV a cabo e iluminação pública instaladas em estruturas de distribuição e transmissão de energia elétrica, ou trabalhadores em geral (construção, manutenção, operação não elétrica), mas que realizam seus serviços na zona controlada definida no Anexo II.
  • 114. EXEMPLOS DE TRABALHOS NAS PROXIMIDADES DAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS ILUMINAÇÃO PÚBLICAPODA DE ÁRVORESSERVIÇOS TELEFÔNICOSMANUTENÇÃO LINHA DE TRANSMISSÃOSERVIÇOS EM ELETRICIDADE
  • 115. A NR-10 abrange também, quaisquer trabalhos realizados nas proximidades das instalações elétricas, observando-se as normas técnicas oficiais estabelecidas pelos órgãos competentes e, na ausência ou omissão destas, as normas internacionais cabíveis. A ABRANGÊNCIA DA NR10 TAMBÉM ENGLOBA SERVIÇOS REALIZADOS NAS PROXIMIDADES DAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS?
  • 117. QUE MEDIDAS PREVENTIVAS DEVEM SER ADOTADAS EM TODAS AS INTERVENÇÕES EM INSTALAÇÕES ELÉTRICAS? Em todas as intervenções em instalações elétricas devem ser adotadas medidas preventivas de controle do risco elétrico e de outros riscos adicionais, mediante técnicas de análise de risco, de forma a garantir a segurança e a saúde no trabalho.
  • 118. TÉCNICAS DE ANÁLISES DE RISCOS MAIS USADAS •Análise preliminar de perigos e riscos(APP/APR); •Técnicas de incidentes críticos; •Análise de modos de falhas e efeitos(AMFE/FMEA); •Estudos de perigo e operabilidade (HAZOP); •Análise de árvore de Falhas(AAF/FTA).
  • 119. As medidas de controle adotadas devem integrar-se às demais iniciativas da empresa, no âmbito da preservação da segurança, da saúde e do meio ambiente do trabalho. COMO DEVEM SE RELACIONAR AS MEDIDAS DE CONTROLE ADOTADAS PELA NR-10 E AS DEMAIS MEDIDAS DE SEGURANÇA, SAÚDE E MEIO AMBIENTE DAS EMPRESAS?
  • 120. AS EMPRESAS ESTÃO OBRIGADAS A MANTER ESQUEMAS UNIFILARES ATUALIZADOS DAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE SEUS ESTABELECIMENTOS COM AS ESPECIFICAÇÕES DO SISTEMA DE ATERRAMENTO E DEMAIS EQUIPAMENTOS E DISPOSITIVOS DE PROTEÇÃO. AFINAL, O QUE É DIAGRAMA UNIFILAR?
  • 123. O PIE (Prontuário das Instalações Elétricas) é um sistema organizado de informações pertinentes às instalações elétricas e aos trabalhadores que sintetizará o conjunto de procedimentos, ações, documentações e programas que a empresa mantém ou planeja executar para proteger o trabalhador dos riscos elétricos. O QUE É O PIE?
  • 124.  Empresas acima de 75 (setenta e cinco) kW de carga instalada  Empresas do SEP (Sistema Elétrico de Potência) Empresas de proximidades QUAIS SÃO AS EMPRESAS OBRIGADAS A MANTER O PIE?
  • 125. São os grandes consumidores. São estabelecimentos que recebem a energia em alta ou baixa tensão e necessitam de uma subestação para transformar essa energia recebida em baixa (na maioria das vezes). O que devemos entender como empresas com carga instalada acima de 75 kW de carga instalada?
  • 126. Aqueles em que se verifica um "conjunto de circuitos elétricos inter-relacionados, que compreende a instalação para geração, transmissão e distribuição de energia elétrica até a medição inclusive", conforme definição técnica adotada pela ABNT. O que devemos entender como empresas pertencentes ao SEP?
  • 127. Empresa que realize qualquer trabalho nas proximidades das fases de geração, transmissão, distribuição e consumo, incluindo as etapas de projeto, construção, montagem, operação, manutenção das instalações elétricas. O que devemos entender como empresas que trabalham nas proximidades das instalações elétricas?
  • 129. Documentos Necessários Empresas acima de 75 kW de carga instalada Empresas do SEP Empresas de proximidades Esquemas unifilares atualizados das instalações elétricas X X X Conjunto de procedimentos e instruções técnicas e administrativas de segurança e saúde, implantadas X X X Documentação das inspeções e medições do sistema de proteção contra descargas atmosféricas e aterramentos elétricos X X Especificação dos equipamentos de proteção coletiva e individual e o ferramental X X X Documentação comprobatória da qualificação, habilitação, capacitação, autorização dos trabalhadores e dos treinamentos realizados X X X Resultados dos testes de isolação elétrica realizados em equipamentos de proteção individual e coletiva X X X Certificações dos equipamentos e materiais elétricos em áreas classificadas X X Relatório técnico das inspeções atualizadas com recomendações e cronogramas de adequações X X Descrição dos procedimentos para emergências X X Certificações dos equipamentos de proteção coletiva e individual X X
  • 130. O PIE deve ser organizado e mantido atualizado pelo empregador ou pessoa formalmente designada pela empresa, devendo permanecer à disposição dos trabalhadores envolvidos nas instalações e serviços em eletricidade. Os documentos técnicos previstos no Prontuário de Instalações Elétricas devem ser elaborados por profissional legalmente habilitado. Quem são os responsáveis por organizar e manter o PIE? Quem é o responsável em elaborar os documentos técnicos previstos no PIE?
  • 132. QUAIS MEDIDAS DEVEM SER PREVISTAS E ADOTADAS EM TODOS OS SERVIÇOS DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS? Devem ser previstas e adotadas, prioritariamente, MEDIDAS DE PROTEÇÃO COLETIVA aplicáveis, mediante procedimentos, às atividades a serem desenvolvidas, de forma a garantir a segurança e a saúde dos trabalhadores.
  • 133. As medidas de proteção coletiva compreendem, prioritariamente, a DESENERGIZAÇÃO elétrica conforme estabelece esta NR-10 e, na sua impossibilidade, o emprego de TENSÃO DE SEGURANÇA. O QUE É PRIORITÁRIO COM RELAÇÃO AS MEDIDAS DE PROTEÇÃO COLETIVA?
  • 134. Tensão de Segurança é a medida de proteção coletiva que emprega a EXTRA BAIXA TENSÃO, com a tensão máxima estabelecida segundo a natureza da corrente elétrica(contínua ou alternada). O QUE É TENSÃO DE SEGURANÇA?
  • 135. Isolação das partes vivas, obstáculos, barreiras, sinalização, sistema de seccionamento automático de alimentação, bloqueio do religamento automático. QUAIS MEDIDAS DEVEM SER UTILIZADAS NA IMPOSSIBILIDADE DE DESENERGIZAR AS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DO ESTABELECIMENTO? O aterramento das instalações elétricas deve ser executado conforme regulamentação estabelecida pelos órgãos competentes e, na ausência desta, deve atender às Normas Internacionais vigentes.
  • 136. O QUE SÃO BARREIRAS? Dispositivo que impede qualquer contato com partes energizadas da instalação elétrica
  • 137. O QUE SÃO INVÓLUCROS? Envoltório das partes enegizadas, destinado a impedir qualquer contato com as partes internas.
  • 138. O QUE SÃO OBSTÁCULOS? Os obstáculos são destinados a impedir o contato involuntário com partes vivas (por exemplo, correntes, fitas, cordões, cones, etc.), mas não o contato que pode resultar de uma ação deliberada de ignorar ou contornar o obstáculo.
  • 140. O QUE SÃO ANTEPAROS? Os anteparos são elementos que servem para proteger ou resguardar alguém ou alguma coisa. INVÓLUCROANTEPAROS
  • 141. PROTEÇÃO COLETIVA: PROCEDIMENTOS DESENERGIZAÇÃO E USO DA TENSÃO DE SEGURANÇA É PRIORIDADE NO CASO DE NÃO SER POSSÍVEL DESERGENIZAR: • ISOLAÇÃO • SINALIZAÇÃO • OBSTÁCULOS • BLOQUEIO DE RELIGAMENTO • SECCIONAMENTO AUTOMÁTICO • ATERRAMENTO RESUMO
  • 142. O QUE DEVE SER FEITO NOS TRABALHOS EM INSTALAÇÕES ELÉTRICAS, QUANDO AS MEDIDAS DE PROTEÇÃO COLETIVA FOREM TECNICAMENTE INVIÁVEIS OU INSUFICIENTES PARA CONTROLAR OS RISCOS? Devem ser adotados equipamentos de proteção individual específicos e adequados às atividades desenvolvidas, em atendimento ao disposto na NR 6. É vedado o uso de adornos pessoais nos trabalhos com instalações elétricas ou em suas proximidades
  • 144. EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL EPI
  • 145. Para proteção dos pés contra agentes agressivos e choques elétricos. Não deverá possuir componentes metálicos. Deve resistir a 14 kV. BOTINA DE COURO, SOLADO ISOLANTE
  • 146. Obs.: As luvas isolantes não devem ser utilizadas isoladamente, isto é, sem as luvas de cobertura LUVAS ISOLANTES PARA ELETRICISTA Para o uso em serviços com risco de choque elétrico em equipamentos energizados e passíveis de energização.
  • 147. Utilizadas para proteção das luvas isolantes. LUVAS DE COBERTURA EM VAQUETAS
  • 149. Para que a luva isolante de borracha possa ser usada, deve ser realizado o teste de inflamento da luva para uma inspeção visual rigorosa em busca de rasgos, furos, ressecamentos, etc. O inflador de luvas é um instrumento de teste robusto, de fácil manuseio, que pode ser operado alternativamente, de forma manual, através de uma bomba pneumática, ou conectado a uma fonte de ar comprimido. Sua utilização é indispensável na inspeção visual das luvas isolantes de borracha. TESTE VISUAL DAS LUVAS ISOLADAS
  • 151. Destina-se à proteção dos olhos contra impactos mecânicos e efeitos decorrentes da irradiação solar ou do arco elétrico. ÓCULOS DE SEGURANÇA
  • 152. Destina-se a proteger a cabeça contra impactos, quedas de objetos, contato acidental com circuitos elétricos energizados. Constituído de material isolante. CAPACETE ISOLANTE
  • 153. Cinto de segurança do tipo subabdominal é destinado a equilibrar/sustentar o trabalhador em postes/torres para prevenir quedas por altura. CINTO DE SEGURANÇA
  • 154. As vestimentas em atendimento a nova NR-10 são confeccionadas com o tecido de algodão tratado retardante as chamas, cujo tratamento permanece por toda a vida útil da vestimenta e de fibras de alta tenacidade para melhorar sua performance e evitar o break-open em caso de ocorrencia do arco elétrico VESTIMENTAS DE PROTEÇÃO
  • 155. A viseira é a parte mais importante da proteção facial, uma vez que a energia liberada em caso de ocorrência de um arco elétrico é potente o suficiente para provocar queimaduras de terceiro grau, e sem uma proteção adequada, a face e os olhos podem sofrer prejuízos irreparáveis. VISEIRA
  • 156. ALÉM DO EPI, DEVEMOS USAR EM SERVIÇOS COM ELETRICIDADE ... FERRRAMENTAL ADEQUADO
  • 157. É importante lembrar que acidentes com eletricidade, choques elétricos, podem ser causados por falhas no isolamento dessas ferramentas. FERRAMENTAS MANUAIS COM ISOLAMENTO ELÉTRICO As ferramentas manuais destinadas a trabalhos em adjacências de peças sob tensões até 1000V em corrente alternada (valor efetivo) ou 1500V em corrente contínua devem ter isolamento para proteção dos trabalhadores contra choques elétricos. Definimos ferramentas isoladas como sendo aquelas que podem ser isoladas totalmente ou parcialmente, sendo que devemos dar preferência pela utilização, sempre que possível, de ferramentas com isolamento completo.
  • 158. Exemplo: Somente a ponta da chave de fenda está sem isolamento O QUE SÃO FERRAMENTAS COMPLETAMENTE ISOLADAS? São aquelas fabricadas com: 1 – Material isolante; 2 – material condutor com revestimento de material isolante nas quais só as partes atuantes (parte da ferramenta que age sobre a peça) podem estar sem isolamento.
  • 159. Exemplo: cabeça do alicate O QUE SÃO FERRAMENTAS PARCIALMENTE ISOLADAS? As ferramentas parcialmente isoladas são aquelas fabricadas com material condutor e que têm um revestimento de material isolante, com exceção da cabeça atuante (parte da ferramenta que transmite a força aplicada no cabo ao local de trabalho) ou parte da mesma.
  • 160. Esse exame é feito visualmente. QUE CONDIÇÕES DEVEM SATISFAZER AS FERRAMENTAS E OS EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL COM ISOLAMENTO ELÉTRICO? As ferramentas com isolamento elétrico devem satisfazer as condições às quais foram fabricadas, não podendo ter defeitos de isolamento, ser impróprias para o serviço a ser executado, nem estar em mau estado de conservação, devendo ser empregadas de acordo com sua finalidade e não constituir risco aos trabalhadores que a utilizarão e à instalação. Ferramentas com isolamento elétrico devem ser sempre inspecionadas de modo a não apresentarem defeitos de isolação, como trincas, bolhas, má aderência.
  • 164. O QUE É OBRIGATÓRIO NOS PROJETOS DE INSTALAÇÃO ELÉTRICA SEGUNDO A NR10? É obrigatório que os projetos de instalações elétricas especifiquem dispositivos de desligamento de circuitos, que possuam recursos para impedimento de reenergização, para sinalização de advertência com indicação da condição operativa.
  • 165. COMO DEVEM SER INSTALADOS OS CIRCUITOS COM FINALIDADES DIFERENTES? Os circuitos elétricos com finalidades diferentes, tais como: comunicação, sinalização, controle e tração elétrica devem ser identificados e instalados separadamente, salvo quando o desenvolvimento tecnológico permitir compartilhamento, respeitadas as definições de projetos.
  • 166. Todo projeto deve prever condições para a adoção de O QUE O PROJETO DEVE PREVER EM RELAÇÃO AO ATERRAMENTO? O projeto deve definir a configuração do esquema de aterramento, a obrigatoriedade ou não da interligação entre o condutor neutro e o de proteção e a conexão à terra das partes condutoras não destinadas à condução da eletricidade. Sempre que for tecnicamente viável e necessário, devem ser projetados dispositivos de seccionamento que incorporem recursos fixos de equipotencialização e aterramento do circuito seccionado.
  • 167. O projeto das instalações elétricas deve ficar à disposição dos trabalhadores autorizados, das autoridades competentes e de outras pessoas autorizadas pela empresa e deve ser mantido atualizado. QUEM DEVE TER ACESSO AO PROJETO DAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS?
  • 168. QUAIS ITENS DE SEGURANÇA, O MEMORIAL DESCRITIVO DEVE CONTER NO MÍNIMO? a)especificação das características relativas à proteção contra choques elétricos, queimaduras e outros riscos adicionais; b) indicação de posição dos dispositivos de manobra dos circuitos elétricos: (Verde – “D”, desligado e Vermelho - “L”, ligado); c) descrição do sistema de identificação de circuitos elétricos e equipamentos, incluindo dispositivos de manobra, de controle, de proteção, de inter travamento, dos condutores e os próprios equipamentos e estruturas, definindo como tais indicações devem ser aplicadas fisicamente nos componentes das instalações;
  • 169. g) descrição da compatibilidade dos dispositivos de proteção com a instalação elétrica. d) Recomendações de restrições e advertências quanto ao acesso de pessoas aos componentes das instalações; e) precauções aplicáveis em face das influências externas; f) o princípio funcional dos dispositivos de proteção, constantes do projeto, destinados à segurança das pessoas;
  • 171. ITEM 04 SEGURANÇA NA CONSTRUÇÃO, MONTAGEM, OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO
  • 172. COMO DEVEM SER CONSTRUÍDAS, MONTADAS, OPERADAS, REFORMADAS, AMPLIADAS, REPARADAS E INSPECIONADAS AS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS, SEGUNDO A NR-10? As instalações elétricas devem ser construídas, montadas, operadas, reformadas, ampliadas, reparadas e inspecionadas de forma a garantir a segurança e a saúde dos trabalhadores e dos usuários, e serem supervisionadas por profissional autorizado, conforme dispõe esta NR.
  • 173. Em relação a NR-10, nas atividades referidas, quais riscos adicionais precisam de medidas preventivas? Nos trabalhos e nas atividades referidas devem ser adotadas medidas preventivas destinadas ao controle dos riscos adicionais, especialmente quanto a altura, confinamento, campos elétricos e magnéticos, explosividade, umidade, poeira, fauna e flora e outros agravantes, adotando-se a sinalização de segurança.
  • 174. Os equipamentos, dispositivos e ferramentas que possuam isolamento Elétrico devem estar adequados às tensões envolvidas, e serem inspecionados e testados de acordo com as regulamentações existentes ou recomendações dos fabricantes. COMO DEVEM SER OS EQUIPAMENTOS, DISPOSITIVOS E FERRAMENTAS UTILIZADOS EM INSTALAÇÕES ELÉTRICAS? Nos locais de trabalho só podem ser utilizados equipamentos, dispositivos e ferramentas elétricas compatíveis com a instalação elétrica existente, preservando-se as características de proteção, respeitadas as recomendações do fabricante e as influências externas.
  • 175. ITEM 05 SEGURANÇA EM INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DESENERGIZADAS
  • 176. Os serviços a serem executados em instalações elétricas desligadas, mas com possibilidade de energização, por qualquer meio ou razão, devem atender ao que estabelece o disposto no item 10.6 da NR-10, que diz respeito à segurança em instalações elétricas energizadas. DESENERGIZAÇÃO A desenergização é um conjunto de ações coordenadas entre si, seqüenciadas e controladas, destinadas a garantir a efetiva ausência de tensão no circuito, trecho ou ponto de trabalho, durante todo o tempo de intervenção e sob controle dos trabalhadores envolvidos. Deve ser sempre programada e amplamente divulgada para que a interrupção da energia elétrica reduza os transtornos e a possibilidade de acidentes. A reenergização deverá ser autorizada mediante a divulgação a todos os envolvidos.
  • 177. Somente serão consideradas desenergizadas as instalações elétricas liberadas para trabalho, mediante os procedimentos apropriados, obedecida a seqüência abaixo: (NR-10, 10.5.1) A) SECCIONAMENTO; B) IMPEDIMENTO DE REENERGIZAÇÃO; C) CONSTATAÇÃO DA AUSÊNCIA DE TENSÃO; D) INSTALAÇÃO DE ATERRAMENTO TEMPORÁRIO; E) PROTEÇÃO DOS ELEMENTOS ENERGIZADOS EXISTENTES NA ZONA CONTROLADA. F) SINALIZAÇÃO DO IMPEDIMENTO DE REENERGIZAÇÃO
  • 178. É o ato de promover a descontinuidade elétrica total, com afastamento adequado de acordo com o nível de tensão em questão, entre um e outro circuito ou dispositivo, obtida mediante o acionamento de dispositivo apropriado (chave seccionadora, interruptor, disjuntor), acionado por meios manuais ou automáticos, ou ainda através de ferramental apropriado e segundo procedimentos específicos. SECCIONAMENTO
  • 181. VÍDEO
  • 188. É o estabelecimento de condições que impeçam, de modo reconhecidamente garantido, a reenergização do circuito ou equipamento desenergizado, assegurando ao trabalhador o controle do seccionamento. Na prática, trata-se da aplicação de travamentos mecânicos, por meio de fechaduras, cadeados e dispositivos auxiliares de travamento ou da utilização de sistemas informatizados equivalentes. Deve-se utilizar um sistema de travamento do dispositivo de seccionamento, para o quadro, painel ou caixa de energia elétrica de modo a garantir o efetivo impedimento de reenergização involuntária ou acidental do circuito ou equipamento durante a execução da atividade que originou o seccionamento. IMPEDIMENTO DE REENERGIZAÇÃO
  • 195. Probabilidade de recuperação da vítima de choque elétrico após a parada respiratória 0 Chance de recuperação da vítima (%) 20 40 60 80 100 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 0% 5% 10% 15% 25% 60% 75% 90% 95% 100% Tempoemminutos
  • 196. É a verificação da efetiva ausência de qualquer tensão nos condutores do circuito. Deve ser feita com detectores testados, podendo ser realizada por contato ou por aproximação e de acordo com procedimentos específicos. CONSTATAÇÃO DE AUSÊNCIA DA TENSÃO
  • 199. Constatada a inexistência de tensão, um condutor do conjunto de aterramento temporário deverá ser ligado à terra e ao neutro do sistema, quando houver, e às demais partes condutoras estruturais acessíveis. Na seqüência, deverão ser conectadas as garras de aterramento aos condutores-fase, previamente desligados, obtendo-se assim uma equalização de potencial entre todas as partes condutoras no ponto de trabalho. Como este procedimento é realizado em uma instalação apenas desligada, pressupõe os cuidados relativos à possibilidade de ocorrência de arcos. É importante controlar a quantidade de aterramentos temporários implantados de forma a garantir a retirada de todas as unidades antes da reenergização. INSTALAÇÃO DE ATERRAMENTO TEMPORÁRIO COM EQUIPOTENCIALIZAÇÃO DOS CONDUTORES DOS CIRCUITOS
  • 200. QUAL A FUNÇÃO DO ATERRAMENTO TEMPORÁRIO O aterramento elétrico temporário de uma instalação tem por função evitar acidentes gerados pela energização acidental da rede, propiciando rápida atuação do sistema automático de seccionamento ou proteção. Também tem o objetivo de promover proteção aos trabalhadores contra descargas atmosféricas que possam interagir ao longo do circuito em intervenção.
  • 201. EM QUE POSIÇÃO DO CIRCUITO DEVEREMOS ADOTAR O PROCEDIMENTO DE INSTALAÇÃO DO ATERRAMENTO TEMPORÁRIO? Esse procedimento deverá ser adotado a montante (antes) e a jusante (depois) do ponto de intervenção do circuito e derivações se houver, salvo quando a intervenção ocorrer no final do trecho. Deve ser retirado ao final dos serviços.
  • 204. Nas subestações, por ocasião da manutenção dos componentes, se conecta os componentes do aterramento temporário à malha de aterramento fixa, já existente. E NO CASO DAS SUBESTAÇÕES COMO DEVEM SER OS ATERRAMENTOS TEMPORÁRIOS?
  • 207. ATERRAMENTO TEMPORÁRIO É FEITO PARA EVITAR A ENERGIZAÇÃO ACIDENTAL DE UMA INSTALAÇÃO QUE ESTEJA SOFRENDO UMA INTERVENÇÃO
  • 208. COMO PODERÁ OCORRER A ENERGIZAÇÃO ACIDENTAL DA INSTALAÇÃO? • Erros na manobra; • Fechamento de chave seccionadora; • Contato acidental com outros circuitos energizados, situados ao longo do circuito; • Tensões induzidas por linhas adjacentes ou que cruzam a rede; • Fontes de alimentação de terceiros (geradores); • Linhas de distribuição para operações de manutenção e instalação e colocação de transformador; • Torres e cabos de transmissão nas operações de construção de linhas de transmissão; • Linhas de transmissão nas operações de substituição de torres ou manutenção de componentes da linha; e • Descargas atmosféricas.
  • 209. Para cada classe de tensão existe um tipo de aterramento temporário. O mais usado em trabalhos de manutenção ou instalação nas linhas de distribuição é um conjunto ou “Kit” padrão composto pelos seguintes elementos: • VARA OU BASTÃO DE MANOBRA; •GRAMPOS CONDUTORES; •TRAPÉZIO DE SUSPENSÃO; •CABOS DE ATERRAMENTO; •TRADO OU HASTE DE ATERRAMENTO.
  • 210. VARA OU BASTÃO DE MANOBRA
  • 211. GRAMPOS CONDUTORES Para conexão do conjunto de aterramento com os condutores e a terra. Contato rápido por efeito de mola e conexão através de parafuso olhal.
  • 212. A maior eficiência e rapidez para se executar um aterramento depende dos procedimentos adotados para se conectar os grampos aos condutores. Os trapézios de suspensão permitem a elevação simultânea dos grampos e uma sequência segura de operações. TRAPÉZIO DE SUSPENSÃO
  • 213. CABOS DE ATERRAMENTO DE COBRE
  • 215. Todos os elementos energizados, situados na zona controlada, para que não possam ser acidentalmente tocados, deverão receber isolação conveniente (mantas, calhas, capuz de material isolante, etc.) A zona controlada é a área em torno da parte condutora energizada, não segregada, acessível, de dimensões estabelecidas de acordo com o nível de tensão, cuja aproximação só é permitida a profissionais autorizados, como disposto no Anexo II da NR-10. PROTEÇÃO DOS ELEMENTOS ENERGIZADOS EXISTENTES NA ZONA CONTROLADA
  • 216. A figura do próximo slides mostra a zona controlada, zona de risco e zona livre para situações distintas. A segregação e confinamento do perigo dentro da zona controlada, assegurando uma zona livre a partir do exterior da sua superfície, pode ser feita com a instalação de invólucros (quadros, painéis e caixas com acesso restrito) e barreiras (portas, paredes, telas, etc.). PROTEÇÃO DOS ELEMENTOS ENERGIZADOS EXISTENTES NA ZONA CONTROLADA
  • 218. Deverá ser adotada sinalização adequada de segurança, destinada à advertência e à identificação da razão de desenergização e informações do responsável. Os cartões, avisos, placas ou etiquetas de sinalização do travamento ou bloqueio devem ser claros e adequadamente fixados. No caso de método alternativo, procedimentos específicos deverão assegurar a comunicação da condição impeditiva de energização a todos os possíveis usuários do sistema. INSTALAÇÃO DA SINALIZAÇÃO DE IMPEDIMENTO DE REERNEGIZAÇÃO
  • 221. O estado de instalação desenergizada deve ser mantido até a autorização para reenergização, devendo ser reenergizada respeitando a seqüência de procedimentos abaixo: (NR-10, 10.5.2) a) Retirada das ferramentas, utensílios e equipamentos; b) Retirada da zona controlada de todos os trabalhadores não envolvidos no processo de reenergização; c) Remoção do aterramento temporário, da equipotencialização e das proteções adicionais; d) Remoção da sinalização de impedimento de reenergização; e e) Destravamento, se houver, e religação dos dispositivos de seccionamento.
  • 222. ITEM 06 SEGURANÇA EM INSTALAÇÕES ELÉTRICAS ERNEGIZADAS
  • 223. As intervenções em instalações elétricas com tensão igual ou Superior a 50 Volts em corrente alternada ou superior a 120 Volts em corrente contínua somente podem ser realizadas por trabalhadores que atendam ao que estabelece o item 10.8 desta Norma. SEGURANÇA EM INSTALAÇÕES ELÉTRICAS ENERGIZADAS Os trabalhadores de que trata o item anterior devem receber treinamento de segurança para trabalhos com instalações elétricas energizadas, com currículo mínimo, carga horária e demais determinações estabelecidas no Anexo II desta NR.
  • 224. As operações elementares como ligar e desligar circuitos elétricos, realizadas em baixa tensão, com materiais e equipamentos elétricos em perfeito estado de conservação, adequados para operação, podem ser realizadas por qualquer pessoa não advertida. Os trabalhos que exigem o ingresso na zona controlada devem ser realizados mediante procedimentos específicos respeitando as distâncias previstas no Anexo I. Os serviços em instalações energizadas, ou em suas proximidades devem ser suspensos de imediato na iminência de ocorrência que possa colocar os trabalhadores em perigo.
  • 225. O responsável pela execução do serviço deve suspender as atividades quando verificar situação ou condição de risco não prevista, cuja eliminação ou neutralização imediata não seja possível. Sempre que inovações tecnológicas forem implementadas ou para a entrada em operações de novas instalações ou equipamentos elétricos devem ser previamente elaboradas análises de risco, desenvolvidas com circuitos desenergizados, e respectivos procedimentos de trabalho.
  • 227. Os serviços em instalações elétricas energizadas em AT, bem como aqueles executados no Sistema Elétrico de Potência – SEP, não podem ser realizados individualmente. TRABALHOS ENVOLVENDO ALTA TENSÃO (AT) Os trabalhadores que intervenham em instalações elétricas energizadas com alta tensão, que exerçam suas atividades dentro dos limites estabelecidos como zonas controladas e de risco, conforme Anexo I, devem atender ao disposto no item 10.8 desta NR. Os trabalhadores de que trata o item 10.7.1 devem receber treinamento de segurança, específico em segurança no Sistema Elétrico de Potência (SEP) e em suas proximidades, com currículo mínimo, carga horária e demais Determinações estabelecidas no Anexo II desta NR.
  • 228. Os serviços em instalações elétricas energizadas em AT somente podem ser realizados quando houver procedimentos específicos, detalhados e assinados por profissional autorizado. Todo trabalho em instalações elétricas energizadas em AT, bem como aquelas que interajam com o SEP, somente pode ser realizado mediante ordem de serviço específica para data e local, assinada por superior responsável pela área. Antes de iniciar trabalhos em circuitos energizados em AT, o superior imediato e a equipe, responsáveis pela execução do serviço, devem realizar uma avaliação prévia, estudar e planejar as atividades e ações a serem desenvolvidas de forma a atender os princípios técnicos básicos e as melhores técnicas de segurança em eletricidade aplicáveis ao serviço.
  • 229. A intervenção em instalações elétricas energizadas em AT dentro dos limites estabelecidos como zona de risco, conforme Anexo I desta NR, somente pode ser realizada mediante a desativação, também conhecida como bloqueio, dos conjuntos e dispositivos de religamento automático do circuito, sistema ou equipamento. Os equipamentos e dispositivos desativados devem ser sinalizados com identificação da condição de desativação, conforme procedimento de trabalho específico padronizado.
  • 230. Todo trabalhador em instalações elétricas energizadas em AT, bem como aqueles envolvidos em atividades no SEP devem dispor de equipamento que permita a comunicação permanente com os demais membros da equipe ou com o centro de operação durante a realização do serviço. Os equipamentos, ferramentas e dispositivos isolantes ou equipados com materiais isolantes, destinados ao trabalho em alta tensão, devem ser submetidos a testes elétricos ou ensaios de laboratório periódicos, obedecendo-se as especificações do fabricante, os procedimentos da
  • 232. ITEM 08 HABILITAÇÃO, QUALIFICAÇÃO, CAPACITAÇÃO E AUTORIZAÇÃO DOS TRABALHADORES
  • 233. SEGUNDO A NR-10 QUAL A CLASSIFICAÇÃO DOS PROFISSIONAIS QUE TRABALHAM COM AS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS? QUALIFICADO HABILITADO CAPACITADO AUTORIZADO
  • 234. c) modificações significativas nas instalações elétricas ou troca de métodos, processos e organização do trabalho. TREINAMENTO DE RECICLAGEM BIENAL Deve ser realizado um treinamento de reciclagem bienal e sempre que ocorrer alguma das situações a seguir: a) troca de função ou mudança de empresa; b) retorno de afastamento ao trabalho ou inatividade, por período superior a três meses;
  • 235. ITEM 09 PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIO E EXPLOSÃO
  • 236. NAS ÁREAS ONDE HOUVER INSTALAÇÕES OU EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS, COMO DEVEM SER A PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIOS? As áreas onde houver instalações ou equipamentos elétricos devem ser dotadas de proteção contra incêndio e explosão, conforme dispõe a NR 23 – Proteção Contra Incêndios. Os materiais, peças, dispositivos, equipamentos e sistemas destinados à aplicação em instalações elétricas de ambientes com atmosferas potencialmente explosivas devem ser avaliados quanto à sua conformidade, no âmbito do Sistema Brasileiro de Certificação.
  • 237. NAS ÁREAS ONDE HOUVER INSTALAÇÕES OU EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS, COMO DEVEM SER A PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIOS? Os processos ou equipamentos susceptíveis de gerar ou acumular eletricidade estática devem dispor de proteção específica e dispositivos de descarga elétrica. Os serviços em instalações elétricas nas áreas classificadas somente poderão ser realizados mediante permissão para o trabalho com liberação formalizada ou supressão do agente de risco que determina a classificação da área.
  • 238. Nas instalações elétricas de áreas classificadas ou sujeitas a risco acentuado de incêndio ou explosões, devem ser adotados dispositivos de proteção,como alarme e seccionamento automático para prevenir sobre tensões, sobre correntes, falhas de isolamento, aquecimentos ou outras condições anormais de operação. NAS ÁREAS ONDE HOUVER INSTALAÇÕES OU EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS, COMO DEVEM SER A PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIOS?
  • 240. QUE SINALIZAÇÃO DEVE SER ADOTADA NAS INSTALAÇÕES E SEVIÇOS EM ELETRICIDADE? Nas instalações e serviços em eletricidade deve ser adotada sinalização adequada de segurança, destinada à advertência e à identificação, de forma a atender, dentre outras, as situações a seguir: a) identificação de circuitos elétricos; b) travamentos e bloqueios de dispositivos e sistemas de manobra e comandos; c) restrições e impedimentos de acesso;
  • 241. QUE SINALIZAÇÃO DEVE SER ADOTADA NAS INSTALAÇÕES E SEVIÇOS EM ELETRICIDADE? d) delimitações de áreas; e) sinalização de áreas de circulação, de vias públicas, de veículos e de movimentação de cargas; f) sinalização de impedimento de energização; g) identificação de equipamento ou circuito impedido.
  • 243. COMO DEVEM SER OS PROCEDIMENTOS DE TRABALHO DE ACORDO COM A NR10? Os serviços em instalações elétricas devem ser planejados e realizados em conformidade com procedimentos de trabalho específicos, padronizados, com descrição detalhada de cada tarefa, passo a passo, assinados por profissional que atenda ao que estabelece o item 10.8 desta NR. Os serviços em instalações elétricas devem ser precedidos de ordens de serviço especificas, aprovadas por trabalhador autorizado, contendo, no mínimo, o tipo, a data, o local e as referências aos procedimentos de trabalho a serem adotados.
  • 244. COMO DEVEM SER OS PROCEDIMENTOS DE TRABALHO DE ACORDO COM A NR10? Os procedimentos de trabalho devem conter, no mínimo, objetivo, campo de aplicação, base técnica, competências e responsabilidades, disposições gerais, medidas de controle e orientações finais. Os procedimentos de trabalho, o treinamento de segurança e saúde e a autorização de que trata o item 10.8 devem ter a participação em todo processo de desenvolvimento do Serviço Especializado de Engenharia de Segurança e Medicina do Trabalho - SESMT, quando houver.
  • 245. A autorização referida no item 10.8 deve estar em conformidade com o treinamento ministrado, previsto no Anexo II desta NR. Toda equipe deverá ter um de seus trabalhadores indicado e em condições de exercer a supervisão e condução dos trabalhos. Antes de iniciar trabalhos em equipe os seus membros, em conjunto com o responsável pela execução do serviço, devem realizar uma avaliação prévia, estudar e planejar as atividades e ações a serem desenvolvidas no local, de forma a atender os princípios técnicos básicos e as melhores técnicas de segurança aplicáveis ao serviço. A alternância de atividades deve considerar a análise de riscos das tarefas e a competência dos trabalhadores envolvidos, de forma a garantir a segurança e a saúde no trabalho.
  • 246. ITEM 12 SITUAÇÃO DE EMERGÊNCIA
  • 247. • As ações de emergência que envolvam as instalações ou serviços com eletricidade devem constar do plano de emergência da empresa. • Os trabalhadores autorizados devem estar aptos a executar o resgate e prestar primeiros socorros a acidentados, especialmente por meio de reanimação cardio-respiratória. • A empresa deve possuir métodos de resgate padronizados e adequados às suas atividades, disponibilizando os meios para a sua aplicação. • Os trabalhadores autorizados devem estar aptos a manusear e operar equipamentos de prevenção e combate a incêndio existentes nas instalações elétricas. DE ACORDO COM A NR-10 COMO DEVE SE PROCEDER EM CASO DE EMERGÊNCIA?
  • 249. COMO SE DÁ AS RESPONSABILIDADES QUANTO AO CUMPRIMENTO DA NR10? As responsabilidades quanto ao cumprimento desta NR são solidárias aos contratantes e contratados envolvidos. O QUE CABE AOS CONTRATANTES? É de responsabilidade dos contratantes manter os trabalhadores informados sobre os riscos a que estão expostos, instruindo-os quanto aos procedimentos e medidas de controle contra os riscos elétricos a serem adotados. O QUE CABE A EMPRESA? Cabe à empresa, na ocorrência de acidentes de trabalho envolvendo instalações e serviços em eletricidade, propor e adotar medidas preventivas e corretivas.
  • 250. O QUE CABE AOS TRABALHADORES? a) zelar pela sua segurança e saúde e a de outras pessoas que possam ser afetadas por suas ações ou omissões no trabalho; b) responsabilizar-se junto com a empresa pelo cumprimento das disposições legais e regulamentares, inclusive quanto aos procedimentos internos de segurança e saúde; e c) comunicar, de imediato, ao responsável pela execução do serviço as situações que considerar de risco para sua segurança e saúde e a de outras pessoas.
  • 252. O QUE É O DIREITO DE RECUSA SEGUNDO A NR10 ? Os trabalhadores devem interromper suas tarefas exercendo o direito de recusa, sempre que constatarem evidências de riscos graves e iminentes para sua segurança e saúde ou a de outras pessoas, comunicando imediatamente o fato a seu superior hierárquico, que diligenciará as medidas cabíveis. COM AS EMPRESAS DEVEM CONTROLAR RISCOS ORIGINADOS POR TERCEIROS? As empresas devem promover ações de controle de riscos originados por outrem em suas instalações elétricas e oferecer, de imediato, quando cabível, denúncia aos órgãos competentes. O QUE ACONTECERÁ COM A EMPRESA QUE DESRESPEITAR A NR10? Na ocorrência do não cumprimento das normas constantes nesta NR, o MTE adotará as providências estabelecidas na NR 3.