SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 13
Baixar para ler offline
UFAL- Universidade Federal de Alagoas 
Instituto de Física 
CIRCUITO RC EM SÉRIE 
Alunos: Ana Beatriz Araújo Nobre Dias 
Bruno Inácio Silva de Carvalho 
José Roberto Tenório Filho 
Leonardo Barros Dantas Brandão 
Magdiel Acaz de Oliveira Teixeira 
Nathália Pontes Amorim 
Disciplina: Laboratório de Física 2 
Professora: Maria Tereza de Araujo 
Maceió, 01 de fevereiro de 2013
UFAL- Universidade Federal de Alagoas 
Instituto de Física 
CIRCUITO RC EM SÉRIE 
Relatório de atividade apresentado a 
professora Maria Tereza como pré-requisito 
para a obtenção de nota na 
disciplina Laboratório de Física 2 no 
semestre 2012.2. 
Maceió, 01 de fevereiro de 2013
SUMÁRIO 
INTRODUÇÃO ........................................................................................................................ 4 
OBJETIVOS ............................................................................................................................. 7 
MATERIAS UTILIZADOS .................................................................................................... 7 
PROCEDIMENTOS ................................................................................................................ 8 
RESULTADOS E DISCUSSÕES ........................................................................................... 9 
QUESTIONÁRIO .................................................................................................................. 11 
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ................................................................................. 12
INTRODUÇÃO 
O conjunto de componentes interligados de forma apropriada, que permite a passagem 
de corrente, é o circuito elétrico. Ele possui, ao menos, um gerador elétrico, o qual fornece 
energia, e os aparelhos são ligados a este gerador nos polos. Um circuito do tipo RC é 
formado por um capacitor de capacitância C, uma fonte ideal de força eletromotriz ε e uma 
resistência R, onde o capacitor e o resistor estão ligados em série. A figura 1 esquematiza esse 
tipo de circuito 
Figura 1: Circuito RC 
Os elementos básicos de um capacitor são dois condutores que estão isolados entre si. 
A figura 2 mostra um capacitor de placas paralelas ligado a uma fonte de energia. As placas 
possuem a mesma área A e uma distância d entre elas. 
Figura 2: Capacitor ligado à fonte 
Quando um capacitor está carregado, as placas possuem cargas de mesmo valor em 
módulo, sendo uma positiva e outra negativa, +q e –q, respectivamente. A carga de um
capacitor está relacionada ao valor absoluto da carga de apenas uma das placas, no caso q, 
não sendo a carga total do capacitor, que é sempre zero. 
Entre as duas placas existe uma diferença de potencial, representada por V. Pode-se 
determinar a seguinte relação: 
푞 = 퐶푉 
ou 
퐶 = 
푞 
푉 
Onde C é a capacitância do capacitor, que tem o Farad, F, como unidade de medida. A tensão 
V e a carga q têm como unidades o Volt e o Coulomb, respectivamente. Todos no Sistema 
Internacional, S.I., de unidades. 
Um capacitor tem como função armazenar carga elétrica, em pequenas quantidades, e 
consequentemente energia eletrostática. Eles são utilizados amplamente em circuitos 
eletrônicos, um exemplo é a máquina fotográfica, onde o capacitor armazena carga para o 
flash. 
As figuras 3a e 3b mostram respectivamente um circuito com a chave aberta e um com 
a chave fechada. No primeiro caso, a chave aberta impede a passagem de corrente, o que não 
acontece no segundo, já que a chave foi fechada (em a). 
Figura 3a: Circuito com a chave aberta Figura 3b: Circuito com a chave fechada 
(capacitor carregando) 
O fechamento da chave permite o movimento das cargas pelo circuito, que se 
acumulam no capacitor e geram uma diferença de potencial entre suas placas. A corrente 
circula até o momento em que essa diferença de potencial se iguala à tensão entre os 
terminais da fonte, carregando o capacitor. Logo: 
(i) 휀 − 푅푖 − 
푞 
퐶 
= 0
Sabe-se que i, intensidade de corrente, é a quantidade de carga que passa em um 
intervalo de tempo. Então, a equação (i) pode ser reescrita como: 
(ii) 휀 = 푅 
푑푞 
푑푡 
+ 
푞 
퐶 
(Equação do Carregamento) 
Sendo 푖 = 휀 
푅 
푡 
푅퐶, obtém-se: 
푒− 
(iii) 푞 = 퐶휀(1 − 푒− 
푡 
푅퐶 ) 
(Carregamento de um capacitor) 
O tempo carregamento de um capacitor depende diretamente do produto RC, que é 
chamado de constante de tempo capacitiva (τ). Define-se: 
τ = RC 
Sendo τ em segundos, R em ohms e C em Farads. 
Quando t=RC, a carga no capacitor chega a 63% de seu valor final de equilíbrio. 
A figura 3c mostra uma configuração para o descarregamento de um capacitor que 
estava totalmente carregado (V = ε). A chave é movida da posição a para a b de forma que o 
capacitor não receba mais carga da fonte e passe a ser descarregado através da resistência R. 
Figura 3c: Circuito com capacitor descarregando 
Como a fonte não participa mais do circuito, a equação (ii) pode ser reescrita da 
seguinte forma: 
(iv) 푅 
푑푞 
푑푡 
+ 
푞 
퐶 
= 0 
(Equação da descarga)
E a (v) passa a ser: 
(v) 푞 = 퐶휀(푒− 
푡 
푅퐶 ) 
(Descarga de um capacitor) 
Quando t=RC, a carga no capacitor é reduzida a 37% da carga inicial. 
Sabendo que o potencial pode ser calculado como a carga dividida pela capacitância é 
possível definir as Equações (vi e vii). 
푡 
푅퐶 ) 
(vi) 푉푐 = 휀(1 − 푒− 
푡 
푅퐶 ) 
(vii) 푉푐 = 휀(푒− 
OBJETIVOS 
Obter as curvas de carga e descarga de um Capacitor. 
MATERIAS UTILIZADOS 
Para o desenvolvimento da prática foram utilizados os seguintes instrumentos: 
- Capacitor de 2200 F 
- Resistor de 4,7 kΩ 
- Chave conectora 
- Fontes de alimentação (0-12V) 
- Multímetro 
- Cronômetro 
- Cabos para conexões
PROCEDIMENTOS 
Para realização da prática foi montado o circuito ilustrado na figura 4 abaixo: 
Figura 4. Circuito RC em série (C = 2200 -F, R = 4,7 k). O capacitor é carregado quando a chave S está fechada em a. 
Quando a chave S é fechada em b, o capacitor é descarregado. 
Inicialmente, fez-se necessário descobrir o valor da tensão máxima oferecida pela 
fonte, para tanto, ligou-se a chave e, com o capacitor completamente descarregado, esperou-se 
até que o voltímetro apresentasse uma leitura constante de voltagem, a tensão indicada foi 
considerada a máxima. Em seguida, com o capacitor descarregado, ligamos a chave e 
simultaneamente cronometramos o tempo de carga do capacitor segundo uma variação de 
voltagem que aumentava 0,5V a cada nova medição até que fosse alcançado o valor máximo 
da tensão. 
De posse desses dados, foi possível montar um gráfico de tensão(V) versus tempo(t), a 
fim de descrever seu comportamento e compará-lo com o que estava previsto teoricamente. O 
mesmo procedimento foi utilizado para o capacitor num processo de descarga. 
Depois de montados os gráficos de tensão versus tempo para os circuitos com o 
capacitor em processo de carregamento e descarregamento, foi interpolado nos dois gráficos o 
instante onde t = RC com o intuito de obter os correspondentes valores de V nos processos de 
carga e descarga. Em seguida, compararam-se os resultados obtidos com o que era previsto 
teoricamente.
RESULTADOS E DISCUSSÕES 
Nesta seção estão descritos os resultados das aferições e observações realizadas 
durante os processos de carga e descarga do capacitor utilizado. 
Inicialmente verificou-se a voltagem do circuito quando o capacitor atingiu a carga 
máxima. Essa verificação deveria ter sido feita diretamente na fonte. Por um equívoco durante 
a realização da prática a voltagem obtida no momento de carga total foi de 7,86V e não 8V 
como indicado no roteiro do experimento. 
PROCESSO DE CARGA 
Tabela 1: Resultados das aferições durante o processo de 
carga do capacitor. 
VOLTAGEM (V) TEMPO (s) 
0 0 
1 2,3 
1,5 3,3 
2,0 4,2 
2,5 5,1 
3,0 6,7 
3,5 8,1 
4,0 9,8 
4,5 11,9 
5,0 14,1 
5,5 17,2 
6,0 20,5 
6,5 24,8 
7,0 31,5 
7,5 47,3 
7,86 102,39 
PROCESSO DE DESCARGA 
Tabela 2: Resultados das aferições durante o processo de 
descarga do capacitor. 
VOLTAGEM (V) TEMPO (s) 
7,86 0 
7,0 1,93 
6,5 3,0 
6,0 3,95 
5,5 5,36 
5,0 6,32 
4,5 8,16 
4,0 9,68 
3,5 12,04 
3,0 13,84 
2,5 16,35 
2,0 20,34 
1,5 24,74 
1,0 31,20 
0,5 42,31 
0 112,55
9 
Figura 1: Gráfico Tensão vs Tempo para o processo de carga do capacitor. 
Figura 2: Gráfico Tensão vs Tempo para o processo de descarga do capacitor. 
9 
8 
7 
6 
5 
4 
3 
2 
1 
0 
0 20 40 60 80 100 120 
Tensão (V) 
Tempo (s) 
Processo de carga 
9 
8 
7 
6 
5 
4 
3 
2 
1 
0 
0 20 40 60 80 100 120 
Tensão (V) 
Tempo (s) 
Processo de descarga
10 
Figura 3: Gráfico comparativo (Tensão vs Tempo) dos processos de carga e descarga. 
Com os gráficos é possível perceber que, de fato, ambos os processos (carga e 
descarga) apresentam um padrão de comportamento exponencial, como era previsto de acordo 
com as equações estão seguindo um padrão exponencial, fato comprovado teoricamente pelas 
Equações (iii) e (v). Percebe-se também a elevada quantidade de tempo para atingir o final do 
processo de descarga, ou seja, para descarregar o capacitor completamente, o tempo requerido 
é mais elevado. 
Fazendo τ=RC obtém-se: τ = 4700*0,0022 = 10,34s. De posse deste valor, 
encontraram-se os correspondentes valores de V nos processos de carga e descarga. Para tanto 
foi utilizado o método de interpolação polinomial de Lagrange com os valores obtidos para 
ambos os processos (carga e descarga). Os polinômios interpoladores e uma breve explanação 
sobre o método de Lagrande encontram-se no Apêncide A deste relatório. 
Utilizando as Equações (vi) e (vii) foram encontrados os valores teóricos dos 
potenciais correspondentes. Os valores teóricos e experimentais da tensão em ambos os 
processos encontram-se na tabela 3 abaixo: 
Tabela 3: Análise de valores de tensão. 
A análise da Tabela 3 permite observar a proximidade entre os valores teóricos e 
9 
8 
7 
6 
5 
4 
3 
2 
1 
0 
0 20 40 60 80 100 120 
Tensão (V) 
Tempo (s) 
Processo de carga 
Processo de descarga 
τ 
Voltagem teórica (V) Voltagem experimental (V) Diferença percentual (%) 
Carga Descarga Carga Descarga Carga Descarga 
10,34 4,96 2,89 4,08 3,7 21,56 28,02
experimentais, uma vez que a diferença entre ambos foi de apenas 21,56% para o processo de 
carga e 28,02% para o processo de descarga. 
Pode-se atribuir as diferenças encontradas na voltagem teórica e experimental à 
própria execução do experimento, pois o capacitor descarregava e carregava muito 
rapidamente assim que a chave era aberta ou fechada, exigindo uma sincronia entre o 
marcador do tempo e o leitor da voltagem. 
Utilizando as equações (iii) e (v) e adotando uma carga final igual a 0,01% da carga 
inicial, foram determinados os tempos teóricos para carga e descarga do capacitor. Estes 
valores juntamente com os valores experimentais encontram-se na tabela 4 abaixo. 
11 
Tabela 4: Análise de valores de tensão. 
Tempo teórico (s) Tempo experimental (s) Diferença percentual (%) 
Carga Descarga Carga Descarga Carga Descarga 
95,23 95,23 102,39 112,55 7,51 18,18 
Assim como na determinação anterior, pode-se atribuir as diferenças encontradas no 
tempo teórico e experimental à própria execução do experimento, pois o capacitor 
descarregava e carregava muito rapidamente assim que a chave era aberta ou fechada, 
exigindo uma alta sincronia entre o marcador do tempo e o leitor da voltagem. 
QUESTIONÁRIO 
1) Obtenha as relações dadas para o comportamento de carga e descarga do capacitor. 
2) Qual o tempo total de carga e descarga previstos nos dois circuitos? Compare os resultados 
experimentais para estes tempos com o previsto teoricamente. 
As respostas ao questionário exposto foram explicitadas ao longo da discussão e análise dos 
resultados, na seção anteior.
12 
CONCLUSÕES 
O experimento nos possibilitou examinar/verificar, através de dados coletados e, por 
conseguinte de cálculos realizados, que a teoria quanto ao Circuito RC em Série está correta 
ao se referir ao tipo da função da tensão em função do tempo, mostrando-nos ser realmente 
exponencial. 
Devido aos experimentos realizados no laboratório foi possível obter conhecimentos 
sobre como ocorre a carga e a descarga dos capacitores e vimos que os valores experimentais 
são muito semelhantes aos analíticos e consequentemente observamos graficamente essas 
evidências, haja vista que as curvas de tensão em função do tempo obtidas empiricamente são 
bastante idênticas às curvas de diferença de potencial em função do tempo obtidas 
teoricamente, tanto no processo de carregamento quanto na descarga de um capacitor. 
Compreendemos também que a carga de um capacitor aumenta, exponencialmente, 
assim como também a descarga reduz exponencialmente. Analisando os dados teóricos e 
experimentais e os respectivos gráficos, podemos concluir que a experiência foi bem-sucedida. 
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 
1. TIPLER, P. A.; MOSCA, G. Física: Para Cientistas e Engenheiros vol. 2. 6 ed. Rio 
de Janeiro: LTC, 2009. 
2. WALKER, J. Halliday/Resnick: Fundamentos de Física vol. 3. 8 ed. Rio de Janeiro: 
LTC, 2009. 
3. Capacitores. Disponível em: <http://www.brasilescola.com/fisica/capacitores.htm> 
Acesso em 30/01/13

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Relatório pêndulo simples turma t5
Relatório pêndulo simples   turma t5Relatório pêndulo simples   turma t5
Relatório pêndulo simples turma t5Roberto Leao
 
Relatório pilhas e eletrólise
Relatório pilhas e eletrólise Relatório pilhas e eletrólise
Relatório pilhas e eletrólise Railane Freitas
 
Aula 14: O poço de potencial infinito
Aula 14: O poço de potencial infinitoAula 14: O poço de potencial infinito
Aula 14: O poço de potencial infinitoAdriano Silva
 
Fisica 3 young e freedman 12ª edição (resolução)
Fisica 3   young e freedman 12ª edição (resolução)Fisica 3   young e freedman 12ª edição (resolução)
Fisica 3 young e freedman 12ª edição (resolução)Lowrrayny Franchesca
 
Entropia E 2a Lei Da TermodinâMica
Entropia E 2a  Lei Da TermodinâMicaEntropia E 2a  Lei Da TermodinâMica
Entropia E 2a Lei Da TermodinâMicadalgo
 
Aula 5 (capacitância).ppt
Aula 5 (capacitância).pptAula 5 (capacitância).ppt
Aula 5 (capacitância).pptMichael Esclapes
 
Física Aplicada - Eletromagnetismo
Física Aplicada - EletromagnetismoFísica Aplicada - Eletromagnetismo
Física Aplicada - EletromagnetismoThuan Saraiva
 
Tabela de dimensões e unidades
Tabela de dimensões e unidadesTabela de dimensões e unidades
Tabela de dimensões e unidadesDaniellycc
 
lei gauss - questões resolvidas
lei gauss - questões resolvidaslei gauss - questões resolvidas
lei gauss - questões resolvidasNíkolas Marques
 
Mecanica exercicios resolvidos
Mecanica exercicios resolvidosMecanica exercicios resolvidos
Mecanica exercicios resolvidoswedson Oliveira
 
Fisica 02 - A teoria cinética dos gases
Fisica 02 - A teoria cinética dos gasesFisica 02 - A teoria cinética dos gases
Fisica 02 - A teoria cinética dos gasesWalmor Godoi
 
Exercicios resolvidos de resmat mecsol
Exercicios resolvidos de resmat mecsolExercicios resolvidos de resmat mecsol
Exercicios resolvidos de resmat mecsolDanieli Franco Mota
 
Fluidos problemas resolvidos e propostos
Fluidos problemas resolvidos e propostosFluidos problemas resolvidos e propostos
Fluidos problemas resolvidos e propostosValdineilao Lao
 
Potêncial elétrico, halliday, cap. 24
Potêncial elétrico, halliday, cap. 24Potêncial elétrico, halliday, cap. 24
Potêncial elétrico, halliday, cap. 24Warlle Almeida
 
Relatorio sobre calorimetria (3)
Relatorio sobre calorimetria (3)Relatorio sobre calorimetria (3)
Relatorio sobre calorimetria (3)Tuane Paixão
 

Mais procurados (20)

Lista1
Lista1Lista1
Lista1
 
Gabarito v2
Gabarito v2Gabarito v2
Gabarito v2
 
Relatório pêndulo simples turma t5
Relatório pêndulo simples   turma t5Relatório pêndulo simples   turma t5
Relatório pêndulo simples turma t5
 
Relatório pilhas e eletrólise
Relatório pilhas e eletrólise Relatório pilhas e eletrólise
Relatório pilhas e eletrólise
 
Força magnética
Força magnéticaForça magnética
Força magnética
 
Aula 14: O poço de potencial infinito
Aula 14: O poço de potencial infinitoAula 14: O poço de potencial infinito
Aula 14: O poço de potencial infinito
 
Fisica 3 young e freedman 12ª edição (resolução)
Fisica 3   young e freedman 12ª edição (resolução)Fisica 3   young e freedman 12ª edição (resolução)
Fisica 3 young e freedman 12ª edição (resolução)
 
Entropia E 2a Lei Da TermodinâMica
Entropia E 2a  Lei Da TermodinâMicaEntropia E 2a  Lei Da TermodinâMica
Entropia E 2a Lei Da TermodinâMica
 
Aula 5 (capacitância).ppt
Aula 5 (capacitância).pptAula 5 (capacitância).ppt
Aula 5 (capacitância).ppt
 
Física Aplicada - Eletromagnetismo
Física Aplicada - EletromagnetismoFísica Aplicada - Eletromagnetismo
Física Aplicada - Eletromagnetismo
 
Tabela de dimensões e unidades
Tabela de dimensões e unidadesTabela de dimensões e unidades
Tabela de dimensões e unidades
 
Corrente elétrica
Corrente elétricaCorrente elétrica
Corrente elétrica
 
lei gauss - questões resolvidas
lei gauss - questões resolvidaslei gauss - questões resolvidas
lei gauss - questões resolvidas
 
Mecanica exercicios resolvidos
Mecanica exercicios resolvidosMecanica exercicios resolvidos
Mecanica exercicios resolvidos
 
Fisica 02 - A teoria cinética dos gases
Fisica 02 - A teoria cinética dos gasesFisica 02 - A teoria cinética dos gases
Fisica 02 - A teoria cinética dos gases
 
Exercicios resolvidos de resmat mecsol
Exercicios resolvidos de resmat mecsolExercicios resolvidos de resmat mecsol
Exercicios resolvidos de resmat mecsol
 
Fluidos problemas resolvidos e propostos
Fluidos problemas resolvidos e propostosFluidos problemas resolvidos e propostos
Fluidos problemas resolvidos e propostos
 
Campo elétrico
Campo elétricoCampo elétrico
Campo elétrico
 
Potêncial elétrico, halliday, cap. 24
Potêncial elétrico, halliday, cap. 24Potêncial elétrico, halliday, cap. 24
Potêncial elétrico, halliday, cap. 24
 
Relatorio sobre calorimetria (3)
Relatorio sobre calorimetria (3)Relatorio sobre calorimetria (3)
Relatorio sobre calorimetria (3)
 

Semelhante a Circuito RC em série: curvas de carga e descarga

6ª prática de lab ckt eleótimo!!
6ª prática de lab  ckt eleótimo!!6ª prática de lab  ckt eleótimo!!
6ª prática de lab ckt eleótimo!!Jota Frauches
 
Capacitancia e dieletricos
Capacitancia e dieletricosCapacitancia e dieletricos
Capacitancia e dieletricosTomás Ribeiro
 
Capacitancia e capacitores
Capacitancia e capacitoresCapacitancia e capacitores
Capacitancia e capacitoresNicanor1996
 
Capacitores indutores
Capacitores indutoresCapacitores indutores
Capacitores indutoreselias santos
 
Aps eletricidade e calor
Aps   eletricidade e calorAps   eletricidade e calor
Aps eletricidade e calorAILTON OLIVEIRA
 
Apresentação circuito rc (atualizado)
Apresentação circuito rc (atualizado)Apresentação circuito rc (atualizado)
Apresentação circuito rc (atualizado)thiago oda
 
teorema-de-thevenin-e-norton (1)
teorema-de-thevenin-e-norton (1)teorema-de-thevenin-e-norton (1)
teorema-de-thevenin-e-norton (1)FIPA
 
Teorema de thévenin e norton
Teorema de thévenin e nortonTeorema de thévenin e norton
Teorema de thévenin e nortonClaudio Arkan
 
Exercícios de thevénin
Exercícios de thevéninExercícios de thevénin
Exercícios de thevéninGabriel Dutra
 
Apostila eletricidade
Apostila eletricidadeApostila eletricidade
Apostila eletricidadeMarcelo Leite
 
Apostila eletricidade
Apostila eletricidadeApostila eletricidade
Apostila eletricidadeMarcelo Leite
 
Aula 1 Circuitos Resistivos & leis de kirchoff.pdf
Aula 1 Circuitos Resistivos & leis de kirchoff.pdfAula 1 Circuitos Resistivos & leis de kirchoff.pdf
Aula 1 Circuitos Resistivos & leis de kirchoff.pdfluizsergiomarques
 

Semelhante a Circuito RC em série: curvas de carga e descarga (20)

Exemplo relatório
Exemplo relatórioExemplo relatório
Exemplo relatório
 
6ª prática de lab ckt eleótimo!!
6ª prática de lab  ckt eleótimo!!6ª prática de lab  ckt eleótimo!!
6ª prática de lab ckt eleótimo!!
 
practica 9 nova.pdf
practica 9 nova.pdfpractica 9 nova.pdf
practica 9 nova.pdf
 
Capacitancia e dieletricos
Capacitancia e dieletricosCapacitancia e dieletricos
Capacitancia e dieletricos
 
07 capacitores
07 capacitores07 capacitores
07 capacitores
 
Capacitancia e capacitores
Capacitancia e capacitoresCapacitancia e capacitores
Capacitancia e capacitores
 
Capacitores indutores
Capacitores indutoresCapacitores indutores
Capacitores indutores
 
Aps eletricidade e calor
Aps   eletricidade e calorAps   eletricidade e calor
Aps eletricidade e calor
 
Experimental7relatorio
Experimental7relatorioExperimental7relatorio
Experimental7relatorio
 
Apresentação circuito rc (atualizado)
Apresentação circuito rc (atualizado)Apresentação circuito rc (atualizado)
Apresentação circuito rc (atualizado)
 
teorema-de-thevenin-e-norton (1)
teorema-de-thevenin-e-norton (1)teorema-de-thevenin-e-norton (1)
teorema-de-thevenin-e-norton (1)
 
Capacitores 1
Capacitores 1Capacitores 1
Capacitores 1
 
Teorema de thévenin e norton
Teorema de thévenin e nortonTeorema de thévenin e norton
Teorema de thévenin e norton
 
Capacitores
CapacitoresCapacitores
Capacitores
 
Exercícios de thevénin
Exercícios de thevéninExercícios de thevénin
Exercícios de thevénin
 
Apostila eletricidade
Apostila eletricidadeApostila eletricidade
Apostila eletricidade
 
Apostila eletricidade
Apostila eletricidadeApostila eletricidade
Apostila eletricidade
 
Labdisp2
Labdisp2Labdisp2
Labdisp2
 
Aula 1 Circuitos Resistivos & leis de kirchoff.pdf
Aula 1 Circuitos Resistivos & leis de kirchoff.pdfAula 1 Circuitos Resistivos & leis de kirchoff.pdf
Aula 1 Circuitos Resistivos & leis de kirchoff.pdf
 
Capacitância
CapacitânciaCapacitância
Capacitância
 

Último

Condutos forçados disciplina de hidráulica.pdf
Condutos forçados disciplina de hidráulica.pdfCondutos forçados disciplina de hidráulica.pdf
Condutos forçados disciplina de hidráulica.pdfAroldoMenezes1
 
Para iniciarmos nossa atividade, imagine a seguinte situação: Uma jovem chama...
Para iniciarmos nossa atividade, imagine a seguinte situação: Uma jovem chama...Para iniciarmos nossa atividade, imagine a seguinte situação: Uma jovem chama...
Para iniciarmos nossa atividade, imagine a seguinte situação: Uma jovem chama...DL assessoria 31
 
Patrimonio Edificado da Ilha de Moçambique.pptx
Patrimonio Edificado da Ilha de Moçambique.pptxPatrimonio Edificado da Ilha de Moçambique.pptx
Patrimonio Edificado da Ilha de Moçambique.pptxAssimoIovahale
 
AE03 - VIBRACOES MECANICAS E ACUSTICAS.docx
AE03 - VIBRACOES MECANICAS E ACUSTICAS.docxAE03 - VIBRACOES MECANICAS E ACUSTICAS.docx
AE03 - VIBRACOES MECANICAS E ACUSTICAS.docxConsultoria Acadêmica
 
MAPA – DESENHO TÉCNICO – 51 / 2024
MAPA   –   DESENHO TÉCNICO  –  51 / 2024MAPA   –   DESENHO TÉCNICO  –  51 / 2024
MAPA – DESENHO TÉCNICO – 51 / 2024excellenceeducaciona
 
Gestão de obras e projetos - Associação Nacional de Hospitais Privados
Gestão de obras e projetos - Associação Nacional de Hospitais PrivadosGestão de obras e projetos - Associação Nacional de Hospitais Privados
Gestão de obras e projetos - Associação Nacional de Hospitais PrivadosGuilhermeLucio9
 
cipa_assedio (2).pdf_comissão_inetrna de
cipa_assedio (2).pdf_comissão_inetrna decipa_assedio (2).pdf_comissão_inetrna de
cipa_assedio (2).pdf_comissão_inetrna deGleuciane Rocha
 
AE03 - TEORIAS DA ADMINISTRACAO UNICESUMAR 51/2024
AE03 - TEORIAS DA ADMINISTRACAO UNICESUMAR 51/2024AE03 - TEORIAS DA ADMINISTRACAO UNICESUMAR 51/2024
AE03 - TEORIAS DA ADMINISTRACAO UNICESUMAR 51/2024Consultoria Acadêmica
 

Último (8)

Condutos forçados disciplina de hidráulica.pdf
Condutos forçados disciplina de hidráulica.pdfCondutos forçados disciplina de hidráulica.pdf
Condutos forçados disciplina de hidráulica.pdf
 
Para iniciarmos nossa atividade, imagine a seguinte situação: Uma jovem chama...
Para iniciarmos nossa atividade, imagine a seguinte situação: Uma jovem chama...Para iniciarmos nossa atividade, imagine a seguinte situação: Uma jovem chama...
Para iniciarmos nossa atividade, imagine a seguinte situação: Uma jovem chama...
 
Patrimonio Edificado da Ilha de Moçambique.pptx
Patrimonio Edificado da Ilha de Moçambique.pptxPatrimonio Edificado da Ilha de Moçambique.pptx
Patrimonio Edificado da Ilha de Moçambique.pptx
 
AE03 - VIBRACOES MECANICAS E ACUSTICAS.docx
AE03 - VIBRACOES MECANICAS E ACUSTICAS.docxAE03 - VIBRACOES MECANICAS E ACUSTICAS.docx
AE03 - VIBRACOES MECANICAS E ACUSTICAS.docx
 
MAPA – DESENHO TÉCNICO – 51 / 2024
MAPA   –   DESENHO TÉCNICO  –  51 / 2024MAPA   –   DESENHO TÉCNICO  –  51 / 2024
MAPA – DESENHO TÉCNICO – 51 / 2024
 
Gestão de obras e projetos - Associação Nacional de Hospitais Privados
Gestão de obras e projetos - Associação Nacional de Hospitais PrivadosGestão de obras e projetos - Associação Nacional de Hospitais Privados
Gestão de obras e projetos - Associação Nacional de Hospitais Privados
 
cipa_assedio (2).pdf_comissão_inetrna de
cipa_assedio (2).pdf_comissão_inetrna decipa_assedio (2).pdf_comissão_inetrna de
cipa_assedio (2).pdf_comissão_inetrna de
 
AE03 - TEORIAS DA ADMINISTRACAO UNICESUMAR 51/2024
AE03 - TEORIAS DA ADMINISTRACAO UNICESUMAR 51/2024AE03 - TEORIAS DA ADMINISTRACAO UNICESUMAR 51/2024
AE03 - TEORIAS DA ADMINISTRACAO UNICESUMAR 51/2024
 

Circuito RC em série: curvas de carga e descarga

  • 1. UFAL- Universidade Federal de Alagoas Instituto de Física CIRCUITO RC EM SÉRIE Alunos: Ana Beatriz Araújo Nobre Dias Bruno Inácio Silva de Carvalho José Roberto Tenório Filho Leonardo Barros Dantas Brandão Magdiel Acaz de Oliveira Teixeira Nathália Pontes Amorim Disciplina: Laboratório de Física 2 Professora: Maria Tereza de Araujo Maceió, 01 de fevereiro de 2013
  • 2. UFAL- Universidade Federal de Alagoas Instituto de Física CIRCUITO RC EM SÉRIE Relatório de atividade apresentado a professora Maria Tereza como pré-requisito para a obtenção de nota na disciplina Laboratório de Física 2 no semestre 2012.2. Maceió, 01 de fevereiro de 2013
  • 3. SUMÁRIO INTRODUÇÃO ........................................................................................................................ 4 OBJETIVOS ............................................................................................................................. 7 MATERIAS UTILIZADOS .................................................................................................... 7 PROCEDIMENTOS ................................................................................................................ 8 RESULTADOS E DISCUSSÕES ........................................................................................... 9 QUESTIONÁRIO .................................................................................................................. 11 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ................................................................................. 12
  • 4. INTRODUÇÃO O conjunto de componentes interligados de forma apropriada, que permite a passagem de corrente, é o circuito elétrico. Ele possui, ao menos, um gerador elétrico, o qual fornece energia, e os aparelhos são ligados a este gerador nos polos. Um circuito do tipo RC é formado por um capacitor de capacitância C, uma fonte ideal de força eletromotriz ε e uma resistência R, onde o capacitor e o resistor estão ligados em série. A figura 1 esquematiza esse tipo de circuito Figura 1: Circuito RC Os elementos básicos de um capacitor são dois condutores que estão isolados entre si. A figura 2 mostra um capacitor de placas paralelas ligado a uma fonte de energia. As placas possuem a mesma área A e uma distância d entre elas. Figura 2: Capacitor ligado à fonte Quando um capacitor está carregado, as placas possuem cargas de mesmo valor em módulo, sendo uma positiva e outra negativa, +q e –q, respectivamente. A carga de um
  • 5. capacitor está relacionada ao valor absoluto da carga de apenas uma das placas, no caso q, não sendo a carga total do capacitor, que é sempre zero. Entre as duas placas existe uma diferença de potencial, representada por V. Pode-se determinar a seguinte relação: 푞 = 퐶푉 ou 퐶 = 푞 푉 Onde C é a capacitância do capacitor, que tem o Farad, F, como unidade de medida. A tensão V e a carga q têm como unidades o Volt e o Coulomb, respectivamente. Todos no Sistema Internacional, S.I., de unidades. Um capacitor tem como função armazenar carga elétrica, em pequenas quantidades, e consequentemente energia eletrostática. Eles são utilizados amplamente em circuitos eletrônicos, um exemplo é a máquina fotográfica, onde o capacitor armazena carga para o flash. As figuras 3a e 3b mostram respectivamente um circuito com a chave aberta e um com a chave fechada. No primeiro caso, a chave aberta impede a passagem de corrente, o que não acontece no segundo, já que a chave foi fechada (em a). Figura 3a: Circuito com a chave aberta Figura 3b: Circuito com a chave fechada (capacitor carregando) O fechamento da chave permite o movimento das cargas pelo circuito, que se acumulam no capacitor e geram uma diferença de potencial entre suas placas. A corrente circula até o momento em que essa diferença de potencial se iguala à tensão entre os terminais da fonte, carregando o capacitor. Logo: (i) 휀 − 푅푖 − 푞 퐶 = 0
  • 6. Sabe-se que i, intensidade de corrente, é a quantidade de carga que passa em um intervalo de tempo. Então, a equação (i) pode ser reescrita como: (ii) 휀 = 푅 푑푞 푑푡 + 푞 퐶 (Equação do Carregamento) Sendo 푖 = 휀 푅 푡 푅퐶, obtém-se: 푒− (iii) 푞 = 퐶휀(1 − 푒− 푡 푅퐶 ) (Carregamento de um capacitor) O tempo carregamento de um capacitor depende diretamente do produto RC, que é chamado de constante de tempo capacitiva (τ). Define-se: τ = RC Sendo τ em segundos, R em ohms e C em Farads. Quando t=RC, a carga no capacitor chega a 63% de seu valor final de equilíbrio. A figura 3c mostra uma configuração para o descarregamento de um capacitor que estava totalmente carregado (V = ε). A chave é movida da posição a para a b de forma que o capacitor não receba mais carga da fonte e passe a ser descarregado através da resistência R. Figura 3c: Circuito com capacitor descarregando Como a fonte não participa mais do circuito, a equação (ii) pode ser reescrita da seguinte forma: (iv) 푅 푑푞 푑푡 + 푞 퐶 = 0 (Equação da descarga)
  • 7. E a (v) passa a ser: (v) 푞 = 퐶휀(푒− 푡 푅퐶 ) (Descarga de um capacitor) Quando t=RC, a carga no capacitor é reduzida a 37% da carga inicial. Sabendo que o potencial pode ser calculado como a carga dividida pela capacitância é possível definir as Equações (vi e vii). 푡 푅퐶 ) (vi) 푉푐 = 휀(1 − 푒− 푡 푅퐶 ) (vii) 푉푐 = 휀(푒− OBJETIVOS Obter as curvas de carga e descarga de um Capacitor. MATERIAS UTILIZADOS Para o desenvolvimento da prática foram utilizados os seguintes instrumentos: - Capacitor de 2200 F - Resistor de 4,7 kΩ - Chave conectora - Fontes de alimentação (0-12V) - Multímetro - Cronômetro - Cabos para conexões
  • 8. PROCEDIMENTOS Para realização da prática foi montado o circuito ilustrado na figura 4 abaixo: Figura 4. Circuito RC em série (C = 2200 -F, R = 4,7 k). O capacitor é carregado quando a chave S está fechada em a. Quando a chave S é fechada em b, o capacitor é descarregado. Inicialmente, fez-se necessário descobrir o valor da tensão máxima oferecida pela fonte, para tanto, ligou-se a chave e, com o capacitor completamente descarregado, esperou-se até que o voltímetro apresentasse uma leitura constante de voltagem, a tensão indicada foi considerada a máxima. Em seguida, com o capacitor descarregado, ligamos a chave e simultaneamente cronometramos o tempo de carga do capacitor segundo uma variação de voltagem que aumentava 0,5V a cada nova medição até que fosse alcançado o valor máximo da tensão. De posse desses dados, foi possível montar um gráfico de tensão(V) versus tempo(t), a fim de descrever seu comportamento e compará-lo com o que estava previsto teoricamente. O mesmo procedimento foi utilizado para o capacitor num processo de descarga. Depois de montados os gráficos de tensão versus tempo para os circuitos com o capacitor em processo de carregamento e descarregamento, foi interpolado nos dois gráficos o instante onde t = RC com o intuito de obter os correspondentes valores de V nos processos de carga e descarga. Em seguida, compararam-se os resultados obtidos com o que era previsto teoricamente.
  • 9. RESULTADOS E DISCUSSÕES Nesta seção estão descritos os resultados das aferições e observações realizadas durante os processos de carga e descarga do capacitor utilizado. Inicialmente verificou-se a voltagem do circuito quando o capacitor atingiu a carga máxima. Essa verificação deveria ter sido feita diretamente na fonte. Por um equívoco durante a realização da prática a voltagem obtida no momento de carga total foi de 7,86V e não 8V como indicado no roteiro do experimento. PROCESSO DE CARGA Tabela 1: Resultados das aferições durante o processo de carga do capacitor. VOLTAGEM (V) TEMPO (s) 0 0 1 2,3 1,5 3,3 2,0 4,2 2,5 5,1 3,0 6,7 3,5 8,1 4,0 9,8 4,5 11,9 5,0 14,1 5,5 17,2 6,0 20,5 6,5 24,8 7,0 31,5 7,5 47,3 7,86 102,39 PROCESSO DE DESCARGA Tabela 2: Resultados das aferições durante o processo de descarga do capacitor. VOLTAGEM (V) TEMPO (s) 7,86 0 7,0 1,93 6,5 3,0 6,0 3,95 5,5 5,36 5,0 6,32 4,5 8,16 4,0 9,68 3,5 12,04 3,0 13,84 2,5 16,35 2,0 20,34 1,5 24,74 1,0 31,20 0,5 42,31 0 112,55
  • 10. 9 Figura 1: Gráfico Tensão vs Tempo para o processo de carga do capacitor. Figura 2: Gráfico Tensão vs Tempo para o processo de descarga do capacitor. 9 8 7 6 5 4 3 2 1 0 0 20 40 60 80 100 120 Tensão (V) Tempo (s) Processo de carga 9 8 7 6 5 4 3 2 1 0 0 20 40 60 80 100 120 Tensão (V) Tempo (s) Processo de descarga
  • 11. 10 Figura 3: Gráfico comparativo (Tensão vs Tempo) dos processos de carga e descarga. Com os gráficos é possível perceber que, de fato, ambos os processos (carga e descarga) apresentam um padrão de comportamento exponencial, como era previsto de acordo com as equações estão seguindo um padrão exponencial, fato comprovado teoricamente pelas Equações (iii) e (v). Percebe-se também a elevada quantidade de tempo para atingir o final do processo de descarga, ou seja, para descarregar o capacitor completamente, o tempo requerido é mais elevado. Fazendo τ=RC obtém-se: τ = 4700*0,0022 = 10,34s. De posse deste valor, encontraram-se os correspondentes valores de V nos processos de carga e descarga. Para tanto foi utilizado o método de interpolação polinomial de Lagrange com os valores obtidos para ambos os processos (carga e descarga). Os polinômios interpoladores e uma breve explanação sobre o método de Lagrande encontram-se no Apêncide A deste relatório. Utilizando as Equações (vi) e (vii) foram encontrados os valores teóricos dos potenciais correspondentes. Os valores teóricos e experimentais da tensão em ambos os processos encontram-se na tabela 3 abaixo: Tabela 3: Análise de valores de tensão. A análise da Tabela 3 permite observar a proximidade entre os valores teóricos e 9 8 7 6 5 4 3 2 1 0 0 20 40 60 80 100 120 Tensão (V) Tempo (s) Processo de carga Processo de descarga τ Voltagem teórica (V) Voltagem experimental (V) Diferença percentual (%) Carga Descarga Carga Descarga Carga Descarga 10,34 4,96 2,89 4,08 3,7 21,56 28,02
  • 12. experimentais, uma vez que a diferença entre ambos foi de apenas 21,56% para o processo de carga e 28,02% para o processo de descarga. Pode-se atribuir as diferenças encontradas na voltagem teórica e experimental à própria execução do experimento, pois o capacitor descarregava e carregava muito rapidamente assim que a chave era aberta ou fechada, exigindo uma sincronia entre o marcador do tempo e o leitor da voltagem. Utilizando as equações (iii) e (v) e adotando uma carga final igual a 0,01% da carga inicial, foram determinados os tempos teóricos para carga e descarga do capacitor. Estes valores juntamente com os valores experimentais encontram-se na tabela 4 abaixo. 11 Tabela 4: Análise de valores de tensão. Tempo teórico (s) Tempo experimental (s) Diferença percentual (%) Carga Descarga Carga Descarga Carga Descarga 95,23 95,23 102,39 112,55 7,51 18,18 Assim como na determinação anterior, pode-se atribuir as diferenças encontradas no tempo teórico e experimental à própria execução do experimento, pois o capacitor descarregava e carregava muito rapidamente assim que a chave era aberta ou fechada, exigindo uma alta sincronia entre o marcador do tempo e o leitor da voltagem. QUESTIONÁRIO 1) Obtenha as relações dadas para o comportamento de carga e descarga do capacitor. 2) Qual o tempo total de carga e descarga previstos nos dois circuitos? Compare os resultados experimentais para estes tempos com o previsto teoricamente. As respostas ao questionário exposto foram explicitadas ao longo da discussão e análise dos resultados, na seção anteior.
  • 13. 12 CONCLUSÕES O experimento nos possibilitou examinar/verificar, através de dados coletados e, por conseguinte de cálculos realizados, que a teoria quanto ao Circuito RC em Série está correta ao se referir ao tipo da função da tensão em função do tempo, mostrando-nos ser realmente exponencial. Devido aos experimentos realizados no laboratório foi possível obter conhecimentos sobre como ocorre a carga e a descarga dos capacitores e vimos que os valores experimentais são muito semelhantes aos analíticos e consequentemente observamos graficamente essas evidências, haja vista que as curvas de tensão em função do tempo obtidas empiricamente são bastante idênticas às curvas de diferença de potencial em função do tempo obtidas teoricamente, tanto no processo de carregamento quanto na descarga de um capacitor. Compreendemos também que a carga de um capacitor aumenta, exponencialmente, assim como também a descarga reduz exponencialmente. Analisando os dados teóricos e experimentais e os respectivos gráficos, podemos concluir que a experiência foi bem-sucedida. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 1. TIPLER, P. A.; MOSCA, G. Física: Para Cientistas e Engenheiros vol. 2. 6 ed. Rio de Janeiro: LTC, 2009. 2. WALKER, J. Halliday/Resnick: Fundamentos de Física vol. 3. 8 ed. Rio de Janeiro: LTC, 2009. 3. Capacitores. Disponível em: <http://www.brasilescola.com/fisica/capacitores.htm> Acesso em 30/01/13