SlideShare uma empresa Scribd logo
E-BOOK
PSICOPEDAGOGIA
Obrigado por fazer parte do nosso propósito de levar
conhecimento com qualidade para o maior número de pessoas
possíveis, por confiar e acreditar no nosso trabalho assim
como nós acreditamos e confiamos no seu potencial.
Acreditamos que você pode chegar onde quiser sempre com
mais conhecimento.
Você já é diferente por ter acesso a esse e-book e certificado.
Você poderá ter acesso aos nossos cursos e congressos pelo
nosso site: www.cessetembro.com.br
Quer ser um Aluno Premium?
Faça parte da A Nova Classe: www.anovaclasse.com.br
Seja bem-vindo!
Vamos fazer história juntos!
@CESSETEMBRO
@ANOVACLASSE
Clique no ícone da impressora.
Escolha a folha A4 e deixe em preto e branco
Coloque para ter 2 folhas por página
Selecione a escala "Ajustar à área de impressão"
Coloque a opção frente e verso (caso sua impressora
possua essa forma de impressão)
Espere e pronto, seu ebook está em suas mãos.
Hey, você percebeu que nosso ebook possui um design
exclusivo, certo? Por isso, caso queira imprimir, fizemos esse
tutorial para te ensinar como realizar a impressão de forma
econômica.
Impressão do Ebook
A psicopedagogia é o ramo da psicologia que tem em
atenção os fenômenos de foro psicológico para chegar a
uma formulação mais adequada dos métodos didáticos e
pedagógicos. Trata dos fundamentos do sujeito e do
objeto de conhecimento e da sua inter-relação com a
linguagem e a influência sócio-histórica, dentro do
contexto dos processos cotidianos da aprendizagem.
Ao longo do Curso abordaremos alguns tópicos
importantes dentro da Psicopedagogia, tais como
psicomotricidade, plano de intervenção psicopedagógica,
psicopatologia, psicogênese. Faremos uma reflexão, pois
é por meio dos seus métodos que se estuda o problema
presente no individuo ao entrever as potencialidades
cognitivas, afetivas e sociais para um melhor
desenvolvimento nas atividades em que a pessoa
desempenha.
Nesta primeira aula será abordado o papel do
Psicopedagogo e o Plano de Intervenção
Psicopedagógica.
Por outras palavras, é a ciência que permite estudar a
pessoa e o seu meio envolvente nas várias etapas de
aprendizagem que abarca a sua vida
E para aqueles que possuem dificuldades no
aprendizado, a psicopedagogia pode servir como meio de
promoção da participação. Mas essa promoção da
participação ou delegação de poder não servirá apenas
no que diz respeito a educação no que está ligado a
alfabetização, mas também possui relação com a ordem
emocional, por exemplo. A psicopedagogia pode abordar
conhecimentos que fazem parte de áreas como
neurociência e até mesmo da antropologia.
A psicopedagogia surge como uma maneira de encontrar
respostas para o aprendizado dificultoso, ela também
busca identificar a relação que existe entre essa
dificuldade e as desigualdades sociais
O que eles faziam nesses centros eram ajudar na
reeducação de crianças que estavam apresentando
comportamentos considerados inadequados, seja na
escola ou no ambiente familiar, por exemplo. Nesses
centros também se prestava auxílio as crianças com
dificuldade de aprendizagem. No processo, eles
buscavam conhecer a criança e o ambiente na qual ela
estava inserida. A psicopedagogia se ocupa do processo
de aprendizagem e suas variações e da construção de
estratégias para a superação do não-aprender, tendo
como um de seus focos principais a autoria do
pensamento e da aprendizagem.
Ela desenvolve-se como disciplina científica a partir de
meados do século XX, com um enfoque interdisciplinar e
combinando conhecimentos da educação e da saúde
mental. Foram os psicólogos Juliette Favez-Boutonnier e
George Mauco os responsáveis por criarem os primeiros
centros de psicologia pedagógica no ano de 1946.
E o papel do Psicopedagogo é estudar os processos de
aprendizagem das crianças, adolescentes e adultos. Ele
identifica as dificuldades e os transtornos que interferem
na assimilação do conteúdo, fazendo uso de
conhecimentos da pedagogia, psicologia e da
antropologia para analisar o comportamento do aluno e
também promove intervenções em caso de fracasso ou
de evasão escolar. Por meio dos métodos da
psicopedagogia, estuda o problema presente no
individuo ao entrever as potencialidades cognitivas,
afetivas e sociais para um melhor
Desenvolvimento nas atividades que a pessoa
desempenha, assim há necessidade da realização do
Plano de Intervenção Pedagógica. Um profissional em
psicopedagogia deve dominar as bases epistemológicas
do saber psicopedagógico, com as suas noções básicas e
os eixos conceptuais. Da mesma forma, deve conhecer as
ciências auxiliares que contextualizam o seu
desempenho profissional e todas as aplicações que estas
abrangem relacionadas ao pensamento e ao
desenvolvimento na sua condição de ser humano
A intervenção psicopedagógica é um procedimento
realizado pelo psicopedagogo com o intuito de melhorar
o processo de aprendizagem e promover a autonomia e
autoestima dos educandos. A interferência no processo
de desenvolvimento acontece após o diagnóstico
psicopedagógico (anamnese). A partir dessa avaliação, o
profissional traça um plano de intervenção capaz de
auxiliar o aluno a conquistar o sucesso escolar.
Cabe aos psicopedagogos estudarem, prevenirem e
corrigirem as dificuldades que possa apresentar um
individuo no processo de aprendizagem, ainda que este
tenha um quociente de inteligência (QI) dentro dos
parâmetros considerados normais mas que apresente
dificuldades na sua aprendizagem. Assim, é ele que
estudará o fenômeno de adaptação que implica o
desenvolvimento evolutivo da mente, com o processo de
ensino-aprendizagem.
De modo geral, a intervenção psicopedagógica é
necessária quando verifica-se problemas de
aprendizagem, que criam déficits de conhecimentos nas
crianças. O psicopedagogo passa a mediar a relação do
aluno com a construção do saber. Existem diferentes
recursos, técnicas e metodologias que podem ser
adotados em uma intervenção. A escolha de cada um
dependerá do quadro analisado. Um dos principais
recursos utilizados é o jogo. A ludicidade pode ser
adaptada a diferentes situações e transformada em jogo.
Através dos jogos o psicopedagogo pode interferir no
desenvolvimento do aluno, estimular a sua criatividade,
verificar como lida com as situações, proporcionar
momentos de lazer e estabelecer contatos sociais.
De modo geral, a intervenção psicopedagógica é
necessária quando verifica-se problemas de
aprendizagem, que criam déficits de conhecimentos nas
crianças. O psicopedagogo passa a mediar a relação do
aluno com a construção do saber. Existem diferentes
recursos, técnicas e metodologias que podem ser
adotados em uma intervenção.
A escolha de cada um dependerá do quadro analisado.
Um dos principais recursos utilizados é o jogo. A
ludicidade pode ser adaptada a diferentes situações e
transformada em jogo.
Por meio dos jogos o psicopedagogo pode interferir no
desenvolvimento do aluno, estimular a sua criatividade,
verificar como lida com as situações, proporcionar
momentos de lazer e estabelecer contatos sociais. A
importância da intervenção psicopedagógica está
relacionada a própria importância do psicopedagogo na
escola. E esta atuação é fundamental para garantir o bom
desempenho escolar e a inclusão de estudantes com
problemas na aprendizagem.
É importante ressaltar que o trabalho do psicopedagogo
deve ser realizado em conjunto com a escola e a família.
Dessa forma, é possível alcançar os resultados esperados
e contribuir de forma significativa para a melhora do
desenvolvimento escolar das crianças.
Alguns passos para realizar uma intervenção
psicopedagógica:
Analisa-se com mais atenção e cautela os erros dos
alunos;
Elabora-se a reformulação e adequação das práticas
docentes, para que elas se aproximem da necessidade
dos alunos e atenda as dificuldades que o mesmo
apresenta;
Recomenda-se que o professor em conjunto com a escola
e o psicopedagogo, reflita sobre a estrutura curricular e
sua compatibilidade com a estrutura cognitiva, afetiva e
social do aluno com déficit de atenção, afinal para nós
psicopedagogos a aprendizagem baseia-se no equilíbrio
dessas estruturas.
Avalia-se o enfoque psicopedagógico da dificuldade de
aprendizagem em crianças com déficit de atenção, os
processos de desenvolvimento e os caminhos da
aprendizagem, entendendo o aluno de forma individual e
interdisciplinar, buscando apoio em diversas áreas do
conhecimento, analisando a aprendizagem no contexto
escolar, familiar e no aspecto afetivo, cognitivo e
biológico
PASSO 2: CRONOGRAMA DE ATENDIMENTO
De acordo com as dificuldades e com os combinados
com a família, determinará o número de
atendimento que a criança terá. Assim é importante
um cronograma para atendimento e ou que
trabalhará as dificuldades encontradas. Não se
esqueça de colocar o tempo para o planejamento das
atividades que desenvolverá e sempre com o foco de
uma ou duas dificuldade para cada atendimento
PASSO 1: ATENÇÃO ÀS DIFICULDADES TRABALHADAS
A intervenção começa quando você está avaliando
(anamnese) a pessoa, pois já se percebe as dificuldades; e
independente de transtornos ou deficiências a
psicopedagogia trabalha com as dificuldades de qualquer
natureza, ou seja cognitivas, afetivas e sociais. Assim,
você precisa realizar está avaliação para ter a atenção
voltada para as dificuldades que serão trabalhadas
PASSO 3: A ESCOLHA DAS ATIVIDADES
O cuidado com as escolha da atividade é
importantíssimo, pois cada atividade escolhida
precisa ter o objetivo de trabalhar uma ou duas, no
máximo, de dificuldade. Sabemos que uma única
atividade pode trabalhar diversas habilidades,
porém foque seu trabalho em apenas uma
dificuldade, até que ela esteja sanada. Assim não terá
dificuldades para registrar os avanços da criança.
PASSO 4: A ESCOLHA DO NÍVEL DE DIFICULDADE
DA ATIVIDADE
Outro passo importantíssimo, pois atividades muito
difíceis ou muito fáceis desestimulará a criança em
sua realização. Aqui entra a Teoria de Flow,
desenvolvida pelo Psicólogo Húngaro Mihaly, o
conceito descreve uma condição mental na qual o
indivíduo imerge completamente naquilo que está
fazendo, entrando em um estado de foco máximo
que o faz perder o sentido de espaço e tempo.
PASSO 5: REGISTRO E DEVOLUTIVA
Registrar – Nunca confie apenas em sua memória,
realize no tempo certo os registros dos avanços ou
retrocesso das intervenções. Como a criança lidou com a
dificuldade na atividade? Aquela atividade foi muito
fácil? Próximo atendimento será oferecido uma atividade
do mesmo nível ou já sse consolidou avanços?
Se não houve avanços, provavelmente as atividades
oferecidas estão em nível muito alto, assim reveja o
planejamento das atividades. E por fim não se esqueça de
periodicamente dar devolutivas para a família
Quanto tempo leva a intervenção? O tempo depende do
grau de dificuldade e capacidade de assimilação, bem
como o empenho da criança, pais e professores durante o
período da intervenção psicopedagógica.
Assim concluímos que para a Psicopedagogia, os papéis
de professores e alunos se alternam o tempo todo, pois
podemos afirmar que no processo ensino-aprendizagem
visto pela psicopedagogia também nos mostra sobre a
nossa forma de ensinar, na qual, os outros servem de
espelho
Para Vygotsky, todos os seres humanos são capazes de
aprender, mas é necessário que adaptemos nossa forma
de ensinar.
Para o segundo dia de Curso, veremos: Psicomotricidade.
Psicomotricidade é a ciência que tem como objeto de
estudo o homem por meio do seu corpo em movimento e
em relação ao seu mundo interno e externo. Está
relacionada ao processo de maturação, onde o corpo é a
origem das aquisições cognitivas, afetivas e orgânicas.
Ela é sustentada por três conhecimentos básicos: o
movimento, o intelecto e o afeto. Portanto, é um termo
empregado para uma concepção de movimento
organizado e integrado, em função das experiências
vividas pelo sujeito cuja ação é resultante de sua
individualidade, sua linguagem e sua socialização
COSTA (2002) diz que: “A Psicomotricidade baseia-se em
uma concepção unificada da pessoa, que inclui as
interações cognitivas, sensoriomotoras e psíquicas na
compreensão das capacidades de ser e de expressar-se, a
partir do movimento, em um contexto psicossocial. Ela
se constitui por um conjunto de conhecimentos
psicológicos, fisiológicos, antropológicos e relacionais
que permitem, utilizando o corpo como mediador,
abordar o ato motor humano com o intento de favorecer
a integração deste sujeito consigo e com o mundo dos
objetos e outros sujeitos.”
A psicomotricidade pode também ser definida como o
campo transdisciplinar que estuda e investiga as relações
e as influências recíprocas e sistémicas entre o
psiquismo e a motricidade. Ela também é uma técnica
que tem como objetivo promover o desenvolvimento
cognitivo e afetivo através da realização de movimentos
organizados e integrados, podendo ser indicada para
todas as pessoas, principalmente para crianças e
adolescentes.
Segundo JEAN-CLAUDE COSTE (1981), “Em razão de seu
próprio objeto de estudo, isto é, o indivíduo humano e
suas relações com o corpo, a Psicomotricidade é uma
ciência encruzilhada... que utiliza as aquisições de
numerosas ciências constituídas (biologia, psicologia,
psicanálise, sociologia, linguística...) Em sua prática
empenha-se em deslocar a problemática cartesiana e
reformular as relações entre alma e corpo: O homem é
seu corpo e NÃO - O homem e seu corpo”.
A psicomotricidade é uma ferramenta muito utilizada no
tratamento de paralisia cerebral, esquizofrenia,
síndrome de Rett, dificuldade de aprendizagem, atrasos
no desenvolvimento, deficiências físicas e alterações
neuronais, por exemplo.
Geralmente essa terapia dura cerca de uma hora e pode
ser realizada uma ou duas vezes por semana,
contribuindo positivamente para o desenvolvimento e
aprendizagem infantil e qualidade de vida.
A psicomotricidade tem como objetivo melhorar os
movimentos do corpo, a noção do espaço onde se está, a
coordenação motora, equilíbrio e também o ritmo. Os
objetivos são alcançados por meio de brincadeiras como
correr, brincar com bolas, bonecas e jogos. Se observa o
funcionamento emocional e motor do indivíduo e utiliza
outras brincadeiras para corrigir as alterações à nível
mental, emocional ou físico, de acordo com a
necessidade de cada um.
QUANDO É INDICADA?
Alterações na memória;
Hiperatividade;
Agressividade;
Problemas posturais;
Dispraxia, que corresponde a dificuldades motoras
Algumas situações em que a técnica de psicomotricidade
pode ser indicada são:
Dificuldade de aprendizagem, como dislexia e déficit de
atenção, por exemplo;
Dessa forma, a psicomotricidade pode ser feita com
crianças de possuem paralisia cerebral, alterações
genéticas, como a síndrome de Rett, ou mentais, como a
esquizofrenia, por exemplo, além de também poder ser
recomendada para todas as crianças que possuem
alguma alteração no seu desenvolvimento e ou
dificuldade de aprendizagem.
Dessa forma, a psicomotricidade pode ser feita com
crianças de possuem paralisia cerebral, alterações
genéticas, como a síndrome de Rett, ou mentais, como a
esquizofrenia, por exemplo, além de também poder ser
recomendada para todas as crianças que possuem
alguma alteração no seu desenvolvimento e ou
dificuldade de aprendizagem.
Na psicomotricidade existem alguns elementos que
devem ser trabalhados como tônus da postura, repouso e
sustentação, além do equilíbrio, lateralidade, imagem
corporal, coordenação motora, e estruturação no tempo
e no espaço. Alguns exemplos de atividades
psicomotoras que podem ser usadas para alcançar estes
objetivos são:
Jogo da amarelinha: é bom para treinar o equilíbrio
num pé só e a coordenação motora;
Andar sobre uma linha reta desenhada no chão: trabalha
o equilíbrio, coordenação motora e identificação
corporal;
Procurar uma bolinha de gude dentro de uma caixa de
sapato cheia de papel amassado: trabalha a lateralidade,
coordenação motora fina e global e identificação
corporal;
Empilhar copos: é bom para melhorar a coordenação
motora fina e global, e identificação corporal;
COMO É FEITA?
Desenhar a si mesmo com canetas e com tinta guache: trabalha a
coordenação motora fina e global, identificação corporal,
lateralidade, habilidades sociais.
Jogo - cabeça, ombro, joelhos e pés: é bom para trabalhar a
identificação corporal, atenção e foco;
Jogo da estátua: é muito bom para orientação espacial, esquema
corporal e equilíbrio;
Jogo da corrida do saco com ou sem obstáculos: trabalha
orientação espacial, esquema corporal e equilíbrio;
Pular corda: é ótimo para trabalhar a orientação no
tempo e no espaço, além de equilíbrio, e identificação
corporal.
Estas brincadeiras são excelentes para ajudar no
desenvolvimento e sanar dificuldades de aprendizagem.
Normalmente cada atividade deve estar relacionada com
a idade da criança, porque bebês e crianças com menos
de 2 anos não irão conseguir pular corda, por exemplo.
Certas atividades podem ser realizadas com apenas uma
criança ou em grupo, e as atividades em grupo são boas
para ajudar na interação social que também é importante
para o desenvolvimento motor e cognitivo.
As metas da psicomotricidade são:
Motivar a capacidade sensitiva através das sensações e
relações entre o corpo e o exterior (o outro e as coisas);
METAS
Certas atividades podem ser realizadas com apenas uma
criança ou em grupo, e as atividades em grupo são boas
para ajudar na interação social que também é importante
para o desenvolvimento motor e cognitivo.
As metas da psicomotricidade são:
-Motivar a capacidade sensitiva através das sensações e
relações entre o corpo e o exterior (o outro e as coisas);
Cultivar a capacidade perceptiva através do
conhecimento dos movimentos e da resposta corporal;
- Organizar a capacidade dos movimentos representados
ou expressos através de sinais, símbolos, e da utilização
de objetos reais e imaginários;
- Fazer com que as crianças possam descobrir e
expressar suas capacidades, através da ação criativa e da
expressão da emoção;
- Ampliar e valorizar a identidade própria e a auto-
estima dentro da pluralidade grupal
O desenho é uma atividade espontânea e como tal, deve-
se respeitá-la e considerá-la como a grande obra das
crianças. Se a criança tem vontade de desenhar, anime-a
sempre que o faça. O ideal seria que todas as crianças
pudessem ter, desde cedo, algum contato com o lápis e o
papel. Começarão com rabiscos e logo estarão
desenhando formas mais reconhecíveis. Quanto mais a
criança desenhar, ela se aperfeiçoará, e mais benefícios
se notará no seu desenvolvimento. O desenho facilita e
faz evoluir a criança na:
Criar segurança e expressar-se através de diversas
formas como um ser valioso, único e exclusivo;
Criar uma consciência e um respeito à presença e ao
espaço dos demais.
Considerando-se que existe uma forte correlação entre
os desenvolvimentos motores e intelectuais, e de suma
importância a estimulação do desenho infantil, que
representa seu primeiro “tesouro” expressivo, que muito
irá contribuir para o desenvolvimento e
consequentemente para a construção de sua linguagem e
aprendizagem
DESENHO
- Psicomotricidade fina;
- Aprendizagem (leitura e escrita);
- Confiança em si mesma;
- Exteriorização de suas emoções, sentimentos e
sensações;
- Comunicação com os demais e consigo mesma;
- Criatividade;
- Formação da sua personalidade;
- Maturidade psicológica.
A IMPORTÂNCIA DA PSICOMOTRICIDADE
A Psicomotricidade contribui de maneira expressiva
para a formação e estruturação do esquema corporal e
tem como objetivo principal incentivar a prática do
movimento em todas as etapas da vida de uma pessoa.
Por meio das atividades, as pessoas, além de se
divertirem, criam, interpretam e se relacionam com o
mundo em que vivem. Por isso, cada vez mais se
recomendam que os jogos e as brincadeiras ocupem um
lugar de destaque na vida desde a infância
A Psicomotricidade nada mais é que se relacionar por
meio da ação, como um meio de tomada de consciência
que une o ser corpo, o ser mente, o ser espírito, o ser
natureza e o ser sociedade. A Psicomotricidade está
associada à afetividade e à personalidade, porque o
indivíduo utiliza seu corpo para demonstrar o que sente.
VITOR DA FONSECA (1988), comenta que a
"PSICOMOTRICIDADE" é atualmente concebida como a
integração superior da motricidade, produto de uma
relação inteligível entre a pessoa e o meio.
Já na Educação Infantil, a criança busca experiências em
seu próprio corpo, formando conceitos e organizando o
esquema corporal. A abordagem da Psicomotricidade irá
permitir a compreensão da forma como a criança toma
consciência do seu corpo e das possibilidades de se
expressar por meio desse corpo, localizando-se no tempo
e no espaço. O movimento humano é construído em
função de um objetivo. A partir de uma intenção, o
movimento transforma-se em comportamento
significante. É necessário que toda criança passe por
todas as etapas para o desenvolvimento da linguagem.
Segundo Barreto (2000), “O desenvolvimento psicomotor
é de suma importância na prevenção de problemas da
aprendizagem e na reeducação do tônus, da postura, da
direcional idade, da lateralidade e do ritmo”. A educação
da criança deve evidenciar a relação por meio do
movimento de seu próprio corpo, levando em
consideração sua idade, a cultura corporal e os seus
interesses. A educação psicomotora para ser trabalhada
necessita que sejam utilizadas as funções motoras,
perceptivas, afetivas e sócio-motoras, pois assim a
criança explora o ambiente, passa por experiências
concretas, indispensáveis ao seu desenvolvimento
intelectual, e é capaz de tomar consciência de si mesma e
do mundo que a cerca.
Concluímos que na psicomotricidade existe uma relação
entre motricidade e afetividade, e que não devemos
considerar apenas que são exercícios estimuladores e
isolados, mas sim ter em mente uma ação capaz de
proporcionar estímulos para o desenvolvimento
saudável da vida intelectual e emocional das pessoas.
A importância da psicomotricidade é apresentada para
buscar maior compreensão da necessidade de se
trabalhar o corpo e a mente, de modo que a criança
domine seus movimentos e melhore sua expressão
corporal
Percebe-se então que a psicomotricidade deve ser
trabalhada desde os primórdios de nossa existência,
Fonseca (1996) coloca que:
(...) alfabetizar a linguagem do corpo e só então caminhar
para as aprendizagens triviais que mais não são que
investimentos perceptivo-motor ligados por
coordenadas espaços-temporais e correlacionados por
melodias rítmicas de integração e resposta.
Por meio da psicomotricidade a criança passa por
experiências e desenvolve sua individualidade, sua
linguagem e socialização.
Para o terceiro dia de Curso, veremos: Psicopatologia.
PSICOPATOLOGIA
A psicopatologia pode ser definida como o ramo da
psicologia que estuda os fenômenos patológicos ou
distúrbios mentais e outros fenômenos anormais. Ela
tenta, especialmente, estabelecer a diferença entre o
normal e o patológico. O objetivo da psicopatologia não
deve ser confundido com o da psiquiatria. O seu campo é
mais restrito e se limita ao estudo dos fenômenos
anormais da vida mental e tem como método a
fenomenologia
Na França, no início do século XX, Théodule Ribot (1839-
1916) criou com a psicologia científica o método
patológico, que permitiu, ao estudar o que é o patológico,
compreender a psicologia normal. Pouco tempo depois,
Karl Jaspers institui o termo psicopatologia, ao publicar
o seu livro Psicopatologia geral em 1913, na Alemanha.
A psicopatologia nasce no início do século XX em França,
no momento em que a psicologia, como disciplina
científica, se começa a separar da filosofia.
Na antiguidade greco-latina, as doenças mentais eram
vistas como corpos que sofrem e almas que geram a
desordem. Por sua vez, a idade média impõe o poder do
religioso para explicar e tratar os casos patológicos. O
século das luzes abre mais a porta aos processos de cura
do que à tentativa de descrição das doenças.
Segundo Pierre Pichot, psicólogo e psiquiatra francês, o
termo psicopatologia foi empregue pela primeira vez em
1876, na Alemanha, mas com um sentido semelhante ao
de psicologia clínica. O seu nascimento, como método e
disciplina própria, ocorre bem mais tarde.
As psicoses são doenças mentais de certa duração na
qual os indivíduos perdem frequentemente o contacto
com a realidade e não apresentam, na maioria das vezes,
consciência do seu problema.
As neuroses correspondem a perturbações psíquicas que
apresentam muitos conflitos e, em geral, enfraquecem a
personalidade.
Na medicina, Claude Bernard vai salientar o interesse do
estudo fisiopatológico, que será tomado como modelo
pela psicopatologia.
Sigmund Freud, entre outros, iniciam um longo caminho
para a elaboração de uma nosografia do psicopatológico,
ou seja, uma classificação das doenças mentais e, mais
tarde, vai surgir uma classificação que apresenta três
grandes categorias: a das psicoses, a das neuroses e a das
psicopatias.
E as psicopatias são percebidas como alterações do
comportamento que resultam de perturbação da
personalidade ou de desadaptação dos indivíduos, em
relação a si mesmos ou ao ambiente em que se integram.
A psicopatologia nasceu à sombra da psiquiatria, mas
enquanto esta tem como objetivo a cura, a profilaxia (uso
de medidas sistemáticas para evitar, prevenir uma
doença) e a reeducação, fazendo uso de modelos
medicinais e
bioquímicos para a resolução de problemas, a
psicopatologia procura observar, conhecer e
compreender através de um método clínico e
psicoterapêutico.
O desenvolvimento deste ramo da psicologia e das suas
diferentes correntes, proporciona aplicações igualmente
diferentes. Neste sentido, é de referir duas grandes
vertentes da psicopatologia: uma psicodinâmica (que
tem como base a psicanálise e como método específico o
clínico) e uma psicosistémica (que tem como base as
teorias comportamentais e como método específico o
experimental).
A psicopatologia contemporânea tenta integrar os
conhecimentos provindos de diversas ciências, visando
uma perspectiva cada vez mais biopsicossocial, isto é, de
um ponto de vista biológico, psicológico e social.
Dentro deste campo, a maior controvérsia de sempre é
entre a distinção e a definição do que é normal e do que é
patológico. Assim, muitos especialistas da psicopatologia
defendem que a saúde mental se traduz na capacidade de
interação e de mudança de um indivíduo.
Quanto maior for a sua capacidade de interação e de
mudança, melhor será a sua saúde mental. A
impossibilidade de cura é justificada pela incapacidade
do doente de "acatar" a mudança ou pela incapacidade de
resposta por parte do clínico.
Estabelecer o que é normal e o que é patológico foi
sempre algo real e problemático. Existirão sempre
dúvidas, até porque o que é normal ou o que é patológico
varia nos tempos, nas culturas e na maneira de encarar a
vida.
TRANSTORNOS MENTAIS em
Crianças e Adolescentes
Embora, às vezes, se admita que a infância e a
adolescência sejam períodos de despreocupação e
bênçãos, cerca de 20% das crianças e adolescentes
apresentam um ou mais distúrbios mentais
diagnosticáveis
A maioria destes distúrbios pode ser vista como exageros
ou distorções do comportamento. Assim como os
adultos, as crianças e os adolescentes têm temperamento
variável.
Alguns são tímidos e reticentes; outros são socialmente
exuberantes. Alguns são metódicos e cautelosos; outros
são impulsivos e descuidados. Pode-se notar se uma
criança tem o comportamento típico de uma criança ou
se tem um distúrbio pela presença de debilidades
relacionadas com os sintomas. Por exemplo, uma menina
de 12 anos pode estar receosa com a expectativa de
apresentar um trabalho escolar para sua classe. Esse
receio só pode ser visto como um transtorno de
ansiedade social de seus medos são graves o bastante
para causar aflição e evitação significativas.
O transtorno de ansiedade social é o medo persistente de
dificuldades, ridículo ou humilhação em ambientes
sociais. As crianças afetadas evitam situações que
possam provocar exposição social (como a escola). O
diagnóstico é pela história. O tratamento é feito com
terapia comportamental e os ISRS nos casos graves.
Muitos sintomas de disfunções se sobrepõem aos
comportamentos de desafios e de emoções de crianças
normais.
Transtornos de ansiedade;
Transtornos relacionados a estresse;
Transtornos do humor;
Transtorno obsessivo-compulsivo;
Os distúrbios mentais mais comuns entre as crianças
e os adolescentes são divididos nas seguintes
categorias:
Portanto, muitas estratégias úteis para tratar problemas
comportamentais em crianças também podem ser
utilizadas em crianças com transtornos mentais. Além
disso, a condução apropriada dos problemas
comportamentais da infância pode diminuir o risco de
crianças com temperamento vulnerável do
desenvolvimento destes distúrbios. Além disso, o
tratamento eficaz de alguns transtornos (p. ex.,
ansiedade) durante a infância pode reduzir o risco de
transtornos de humor mais tarde na vida
Transtornos comportamentais disruptivos (p. ex.,
transtorno de deficit de atenção/hiperatividade [TDAH],
transtorno de conduta e transtorno desafiador
opositivo);
Esquizofrenia e transtornos psicóticos relacionados são
bem menos comuns.
TRANSTORNOS DE ANSIEDADE SOCIAL - O transtorno
de ansiedade social é o medo persistente de dificuldades,
ridículo ou humilhação em ambientes sociais. As crianças
afetadas evitam situações que possam provocar
exposição social (como a escola). O diagnóstico é pela
história. O tratamento é feito com terapia
comportamental e os ISRS nos casos graves.
TRANSTORNOS RELACIONADOS A ESTRESSE - O
transtorno de estresse agudo (TEA) e o transtorno de
estresse pós-traumático (TEPT) são reações a eventos
traumáticos.
TRANSTORNOS DO HUMOR - Transtornos depressivos
são caracterizados por tristeza e irritabilidade
suficientemente graves ou persistentes para interferir na
atividade normal ou provocar um distúrbio considerável.
O diagnóstico é por história e exame. O tratamento é
com antidepressivos, terapia de suporte e cognitivo-
comportamental ou uma combinação dessas
modalidades.
As reações envolvem pensamentos ou sonhos intrusivos,
esquiva de lembranças do evento e efeitos negativos
sobre o humor, cognição, excitação e reatividade. TEA
tipicamente começa imediatamente após o trauma e
dura de 3 dias a 1 mês. TEPT pode ser uma continuação
do TEA ou pode se manifestar 6 meses após o trauma e
durar menos que 1 mês. O diagnóstico é por critérios
clínicos. O tratamento consiste em terapia
comportamental, psicoterapia, Inibidores Seletivos da
Recaptação de Serotonina (ISRS), ou antiadrenérgicos
TRANSTORNO OBSESSIVO-COMPULSIVO - Transtorno
obsessivo-compulsivo é caracterizado por obsessões,
compulsões ou ambas. Obsessões são ideias ou imagens
ou impulsos persistentes para realização de algo.
TRANSTORNO DE DEFICIT DE
ATENÇÃO/HIPERATIVIDADE (TDAH) - Transtorno de
deficit de atenção/hiperatividade (TDAH) é uma
síndrome de desatenção, hiperatividade e impulsividade.
Há 3 tipos de TDAH, os que são predominantemente
desatentos, hiperativo/impulsivos e combinados. Os
critérios clínicos dão o diagnóstico. O tratamento inclui
medicação com estimulantes, terapia comportamental e
intervenções educacionais.
Compulsões são anseios patológicos para agir
impulsivamente, os quais, se forem contidos, resultam
em grande ansiedade e angústia. Obsessões e compulsões
causam grande angústia e interferem nas atividades
acadêmicas e sociais. O diagnóstico é pela história. A
terapia é comportamental e com Inibidores Seletivos da
Recaptação de Serotonina - ISRS.
TRANSTORNO DE CONDUTA - Transtorno de conduta é
um padrão persistente ou recorrente do comportamento
que viola os direitos dos outros ou as principais normas e
regras próprias para a idade. O diagnóstico é pela
história. O tratamento de comorbidades e psicoterapia
pode ajudar; mas muitas crianças exigem supervisão
considerável.
TRANSTORNO DESAFIADOR OPOSITIVO - O transtorno
desafiador opositivo é um padrão recorrente ou
persistente de comportamento negativo, desafiador ou
mesmo hostil direcionado contra figuras de autoridades.
O diagnóstico é pela história. O tratamento é feito com
psicoterapia individual associada a psicoterapias dos
pais e responsáveis. Ocasionalmente podem ser usados
fármacos para reduzir a irritabilidade.
TRANSTORNO DE CONDUTA - Transtorno de conduta é
um padrão persistente ou recorrente do comportamento
que viola os direitos dos outros ou as principais normas e
regras próprias para a idade. O diagnóstico é pela
história. O tratamento de comorbidades e psicoterapia
pode ajudar; mas muitas crianças exigem supervisão
considerável.
ESQUIZOFRENIA - A esquizofrenia é definida como a
presença de alucinações e delírios causadores de
consideráveis disfunções psicossociais com duração
igual ou maior que 6 meses. Pesquisas recentes indicam
que há maior risco de desenvolvimento do transtorno
bipolar e a esquizofrenia em adolescentes que usam
produtos de Cannabis.
Qual a diferença entre os termos Psicopatia,
Psicopatologia e Psicose?
PSICOPATIA ou PSICOPATA – Em uma definição sucinta,
Psicopata (ou ainda Sociopata) é o termo mais comum
utilizado quando falamos de Transtorno de
Personalidade Antissocial, e define o indivíduo agressor
(que pode agredir tanto com palavras, quanto
fisicamente – com seus atos), que normalmente tem uma
aparência inofensiva e simpática, mas é manipulador,
capaz de seduzir e cativar as pessoas inicialmente e, com
o passar do tempo, a relação com um Psicopata pode se
tornar uma verdadeira prisão envolta por terror
psicológico
Esse maior risco não é explicado por fatores genéticos.
Há uma preocupação de que a recente legalização da
maconha possa dar aos adolescentes (e seus pais) uma
falsa sensação de que essa droga recreativa comum é
segura.
Qual a diferença entre os termos Psicopatia,
Psicopatologia e Psicose?
PSICOPATIA ou PSICOPATA – Em uma definição sucinta,
Psicopata (ou ainda Sociopata) é o termo mais comum
utilizado quando falamos de Transtorno de
Personalidade Antissocial, e define o indivíduo agressor
(que pode agredir tanto com palavras, quanto
fisicamente – com seus atos), que normalmente tem uma
aparência inofensiva e simpática, mas é manipulador,
capaz de seduzir e cativar as pessoas inicialmente e, com
o passar do tempo, a relação com um Psicopata pode se
tornar uma verdadeira prisão envolta por terror
psicológico.
Além de tudo, o Psicopata não sente remorso ou culpa,
ele pode ser convincente ao demonstrar
arrependimento, mas na prática suas atitudes não
mudam. Que fique claro, nem todo Psicopata é assassino,
nem toda pessoa que apresenta um comportamento
semelhante a este pode ser um Psicopata, o indivíduo
pode estar em uma fase de instabilidade emocional que,
com ajuda correta, poderá apresentar grandes mudanças
PSICOPATIA, PSICOPATOLOGIA
e PSICOSE
PSICOPATOLOGIA – A Psicopatologia pode ser definida
como o estudo da natureza das doenças (patologias)
mentais (psico). Estuda então os fenômenos patológicos
ou os distúrbios mentais e outros fenômenos
considerados “anormais”. Considera-se que o
comportamento anormal seja um distúrbio ocasionado
pelo funcionamento patológico de alguma parte do
organismo, neste caso então, o cérebro especificamente.
Relacionando então o primeiro termo (PSICOPATIA ou
TRANSTORNO DE PERSONALIDADE ANTISSOCIAL) e
este segundo (PSICOPATOLOGIA), pode-se dizer que a
Psicopatia é um tipo de Psicopatologia
Assim não estamos aptos a fazer diagnósticos por conta
própria e identificando nossos amigos e familiares como
Psicopatas. Apenas uma avaliação psicológica segura
pode dizer se uma pessoa tem ou não este tipo de
transtorno.
PSICOSE – Psicose é caracterizada pelas distorções na
percepção da vida real de um indivíduo, pode incluir
falta de confiança sobre a realidade e mesmo sobre quem
se é (que são os delírios) e mesmo ver e ouvir coisas
inexistentes (alucinações). É um estado mental
patológico (ou seja, está presente então em algumas das
Psicopatologias) e pode levar o indivíduo a ter
comportamentos agressivos e antissociais. Inclui
momentos de descontrole e agitação. Algumas causas
também podem estar associadas às Psicoses, como o uso
de álcool e outras drogas (durante seu uso e em
momentos de abstinência), cistos ou tumores cerebrais,
demências, doenças degenerativas cerebrais, infecções
que podem afetar o cérebro, algumas drogas prescritas,
como esteroides e estimulantes, entre outros.
Concluímos que a psicopatologia é uma vital área das
ciências voltadas a saúde mental, estabelece leis e
padrões que auxiliam a melhor conhecer e tratar os
diversos fenômenos psicopatológicos que podem
envolver cada ser humano, ao passo que não podemos
deixar de olhar para a individualidade ao expor essa
pessoa a esses conceitos. O que a fenomenologia nos
propõe é pensar o homem a partir dele mesmo e não do
conceito pronto e redutivo que pode ser as classificações
mentais
Uma frase de Eleanor Longden – “A questão relevante na
psicopatologia não deve ser o que há de errado com você,
mas sim o que aconteceu com você.”
PSICOPEDAGOGIA e a AFETIVIDADE
Ao contrário do que pensa o senso comum, a Afetividade
não é simplesmente o mesmo que amor, carinho, dizer
sempre SIM, ou seja, sentimento apenas positivo,
segundo Wallon, o termo Afetividade se refere à
capacidade do ser humano ficar afetado positiva ou
negativamente tanto por sensações internas como
externas. A Afetividade é um dos conjuntos funcionais da
pessoa e atua, juntamente com a cognição e o ato motor,
no processo de desenvolvimento e construção do
conhecimento.
PIAGET, VYGOTSKY E WALLON
Sabemos que Piaget e Vygotsky, em seus estudos, deram
importância ao papel da Afetividade no processo de
aprendizagem, porém foi Wallon que trabalhou mais
profundamente esta questão, colocando que a vida
psíquica evolui a partir de três dimensões: motora,
afetiva e psíquica, que coexistem, atuam e se
desenvolvem de forma integrada e, mesmo que em
determinado momento uma dimensão pareça dominar,
essa dominância se alterna e as conquistas ocorridas em
uma são incorporadas às outras.
Diretamente ligada à emoção, a afetividade consegue
determinar o modo com que as pessoas visualizam o
mundo e também a forma com que se manifesta dentro
dele. Todos os fatos e acontecimentos que houve na vida
de uma pessoa traz recordações e experiências por toda a
sua história. Dessa forma, a presença ou ausência do
afeto determina a forma com que um indivíduo se
desenvolverá. Também determina a autoestima das
pessoas a partir da infância, pois quando uma criança
recebe afeto dos outros consegue crescer e desenvolver
com segurança e determinação
Portanto, a afetividade é um estado psicológico do ser
humano que pode ou não ser modificado a partir das
situações. Segundo Piaget, tal estado psicológico é de
grande influência no comportamento e no aprendizado
das pessoas juntamente com o desenvolvimento
cognitivo. Faz-se presente em sentimentos, desejos,
interesses, tendências, valores e emoções, ou seja, em
todos os campos da vida.
Para Wallon, “a dimensão afetiva ocupa lugar central,
tanto do ponto de vista da construção da pessoa quanto
do conhecimento”.
Para ele, a emoção, uma das dimensões da Afetividade, é
instrumento de sobrevivência inerente ao homem, é
“fundamentalmente social” e “constitui também uma
conduta com profundas raízes na vida orgânica”. Ele
afirma ainda que: o desenvolvimento humano acontece
em cinco estágios, nos quais são expressas as
características de cada espécie e revelam todos os
elementos que constituem a pessoa:
impulsivo-emocional (de 0 a 1 ano): onde o sujeito revela
sua afetividade por meio de movimentos, do toque,
numa comunicação não-verbal;
sensório-motor e projetivo (1 a 3 anos): a criança já fala e
anda, tendo o seu interesse voltado para os objetos, para
o exterior, para a exploração do meio;
- personalismo (3 a 6 anos): fase da diferenciação, da
formação do “eu”, da descoberta de ser diferente do
“outro”;
categorial (6 a 10 anos): organização do mundo em
categorias leva a um melhor entendimento das
diferenças entre o “eu” e o “outro”;
indispensável a esse processo, para a formação desse
indivíduo como ser social, cultural e inserido, de fato, no
meio em que vive.
Wallon destaca em seus estudos, que a Afetividade se
expressa de três maneiras: 1. Emoção: exteriorização da
afetividade, aparece desde o início da vida do ser
humano e é expressa com movimentos de espasmos e
contrações, liberando sensações de mal-estar ou bem-
estar. Nessa teoria, a emoção é vista como indispensável
à sobrevivência do ser, e, pela sua contagiosidade ela
fornece o primeiro e mais forte vínculo entre os
indivíduos
puberdade, adolescência (11 anos em diante): acontece
uma nova crise de oposição, ou seja, o conflito eu-outro
retorna, desta vez como busca de uma identidade
autônoma, o que possibilita maior clareza de limites, de
autonomia e de dependência. É nessa fase que o
indivíduo se reconhece como Ser único, com
personalidade, com valores, com sentimentos.
Em todos os estágios do desenvolvimento humano,
segundo a teoria de Wallon, a Afetividade está presente
em maior ou menor grau, haja vista a interação
A afetividade, portanto, assim como o ato motor e a
cognição, está presente durante toda a vida do sujeito
devendo, pois, ser levada em conta em todo estudo sobre
o desenvolvimento do ser humano, tanto no plano
individual, como no social, cultural, cognitivo. Nesse
contexto precisa que se valorizar a mediação social que,
está na base do desenvolvimento: ela é a característica de
um ser “geneticamente social” radicalmente dependente
dos outros seres para subsistir e se construir enquanto
ser da mesma espécie.
2. Sentimento: expressa a afetividade sem
arrebatamento, com controle, pela mímica e também
pela linguagem, o que o diferencia da emoção. Tem
caráter cognitivo.
3. Paixão: está presente a partir da fase do personalismo
e se caracteriza pelo autocontrole no domínio de uma
situação, exteriorizando-se através de ciúmes e
exigência de exclusividade, entre outros.
PSICOPEDAGOGIA e a AFETIVIDADE
Chegamos a um ponto importante, precisamos refletir
sobre: Qual é a importância do psicopedagogo e a
contribuição que este profissional pode oferecer em
relação a afetividade? As dificuldades de aprendizagem
precisam ser vistas como elos quebrados que bloqueiam
a aprendizagem e interrompendo o processo das
prazerosas novas descobertas, as causas podem ser as
mais diversas, fatores internos ou externos, nas áreas
orgânicas, intelectuais ou emocionais. Afeta tão
negativamente a criança que rouba dela o desejo de
aprender.
Sabemos que o número de crianças que apresentam
comprometimento na aprendizagem tem se tornado
cada vez maior, o que evidencia a necessidade de
intervenções psicopedagógicas no ambiente escolar de
maneira preventiva (institucional) ou terapêutica
(clinica). O sujeito é um ser integral e não pode ser visto
de maneira dividida, o foco não é a disciplina não
aprendida, mas as razões que causaram a dificuldade, o
psicopedagogo precisa ter um olhar diferenciado que o
capacite a restabelecer a comunicação recondicionando o
sujeito a percepção de sua capacidade de apreender.
É notório a relevância da psicopedagogia e da
afetividade, visto que o espaço escolar representa um
ambiente de socialização para trocas afetivas e
cognitivas importantes para a formação da criança. Esse
processo contribui para que pais, psicopedagogos, escola
e sociedade, quando trabalharem em parcerias, possam
promover efeitos muito positivos para a minimização
das dificuldades que emergem no contexto escolar. Já
que o espaço escolar é um ambiente de socialização para
trocas afetivas e cognitivas
Nadia Bossa afirma que: a psicopedagogia enquanto
produção de um conhecimento científico nasceu da
necessidade de uma melhor compreensão do processo de
aprendizagem, não basta como aplicação da psicologia à
pedagogia. Assim, a psicopedagogia não se limita tão
somente a psicologia aplicada à pedagogia, constitui-se
como campo de atuação em saúde e educação,
englobando vários campos de conhecimento que em
busca da solução dos problemas de aprendizagem,
atuando em parceria com outros profissionais tais como:
neurologistas, fonoaudiólogos, ortopedistas, pediatras e
outros quando necessário
Concluímos que a afetividade e sua vivência na família e
na escola pode influenciar na aprendizagem e no
desenvolvimento cognitivo do sujeito. E também que a
afetividade é uma sensação de extrema importância para
a saúde mental de todos os seres humanos por
influenciar o desenvolvimento geral, o comportamento e
o desenvolvimento cognitivo. E que a psicopedagogia
tem uma imensa dedicação com a concretização da
afetividade e da aprendizagem, de modo que haja um
combate no fracasso escolar, propondo maneiras
diversificadas e preventivas para diminuir os déficits de
aprendizagem e melhorar as práticas
pedagógicas nas escolas.
É notório a relevância da psicopedagogia e da
afetividade, visto que o espaço escolar representa um
ambiente de socialização para trocas afetivas e
cognitivas importantes para a formação da criança. Esse
processo contribui para que pais, psicopedagogos, escola
e sociedade, quando trabalharem em parcerias, possam
promover efeitos muito positivos para a minimização
das dificuldades que emergem no contexto escolar.
A psicopedagogia é a ciência voltada para estudar o
desenvolvimento do psiquismo e suas relações com o
aprendizado e também para compreender e mediar
conflitos advindos desse movimento. Como ciência vem
constituindo conhecimentos favoráveis à prática
mediadora e articuladora entre diversos campos de
estudo de modo a analisar a rede de relações entre os
atores envolvidos na aprendizagem, redesenhado um
modelo sistêmico, onde cabe a interlocução entre
inteligência/ desejo, social/individual,
objetividade/subjetividade.
“A afetividade não se acha excluída da cognoscibilidade,
mas é preciso tomar cuidado tanto com a falta de afeto
como com afetos desordenados que podem descontrolar
os verdadeiros sentimentos.” - Paulo Freire
Para o quinto dia de Curso, veremos: Mediação de
Conflitos – Família X Escola X Sociedade
MEDIAÇÃO DE CONFLITOS Família X
Escola X Sociedade
Entre as ações do psicopedagogo a reflexão e
questionamentos sobre os processos didáticos, projetos
pedagógicos e mesmo a dinâmica da instituição são parte
do rol de atividades desse profissional. Portanto, pode
mediar conflitos e propor que transforme o problema em
oportunidade de crescimento, para o estudante, para a
instituição e mesmo para a sociedade. A mediação de
conflitos se destaca como o método adequado para
resolução de conflitos continuados e uma ferramenta
essencial ao processo de aprendizagem, pois se vale da
técnica de negociação que é imprescindível
De acordo com o artigo Primeiro do Código de Ética dos
Psicopedagogos, “a Psicopedagogia é um campo de
atuação em Saúde e Educação que lida com o processo de
aprendizagem humana; seus padrões normais e
patológicos, considerando a influência do meio - família,
escola e sociedade - no seu desenvolvimento, utilizando
procedimentos próprios da psicopedagogia”. Para muitas
pessoas a convivência escolar é prazerosa, mas para
muitos é dolorosa, pois encontram dificuldade para
aprender e se relacionar com o outro.
interesses e objetivos que há entre eles, o que acaba
sendo mais um desafio enfrentado pela escola, pois não é
fácil conduzir tanta divergência. Muito se tem falado em
violência, indisciplina, desinteresse em estudar, falta de
estrutura familiar e diversas outras causas que buscam
justificar tais conflitos, contudo, as intervenções
sugeridas não dão conta de subsidiá-los. Esses fatores
interferem na harmonia das relações interpessoais e no
processo de ensino e aprendizagem, o que acaba gerando
insatisfação por parte da comunidade escolar, pois
reflete no desempenho escolar dos estudantes.
É importante entendermos que o conflito faz parte da
vida das pessoas, pois está presente nos diversos
relacionamentos interpessoais, independente do
ambiente em que se está presente. Chrispino e Chrispino
(2002), afirma que todos já vivenciaram alguma situação
de conflito na vida, seja na infância, na adolescência,
conflito intrapessoal e conflito interpessoal. E como os
conflitos são próprios do comportamento do ser
humano, quando nos referimos à escola, tais situações
são muito mais evidentes devido a diversidade de
sujeitos, e consequentemente a variedade de opiniões, ...
Segundo Sáez de Heredia (2005): “Os conflitos nas
escolas brotam como as bolhas da ebulição devido às
tensões "ferventes" tanto entre os adultos como entre as
crianças, bem como entre os adultos e as crianças. Com
frequência, alguns problemas subjacentes, tais como a
comunicação defeituosa ou as políticas ineficientes da
escola, constituem a fonte de calor responsável pelas
tensões.”. Logo, como instituição educativa, ela deve
corresponder a esse desafio e buscar meios para
contribuir no enfrentamento dos problemas, propondo
medidas para mediar tais conflitos
Mas ao buscar entender os conflitos, é necessário
primeiramente investigar a origem deles, ou seja, o que
levou a chegar em determinada situação e seu
desenvolvimento, para tentar intervir positivamente, de
maneira pacífica, respeitando o ser humano em sua
totalidade. Por exemplo, o clima escolar pode contribuir
para o conflito, pois a falta de comunicação entre seus
pares, diferente do discurso democrático pelo qual a
escola se propõe, torna mais evidente os
comportamentos pautados na violência, como forma, até
mesmo de responder a essa estrutura autoritária que a
escola tem.
A partir desse esforço da busca pela contextualização da
realidade são desencadeados as ajudas necessárias:
complementação da ajuda da escola; assistência social e
serviços de saúde.
É importante ao fazer o registro no livro de ocorrências
atente para:
- Descrição detalhada do conflito;
- Aspectos envolvidos dos contextos em que o estudante
está envolvido.
Pois em muitos casos essas anotações são decisivas para
entender o porquê o estudante está agindo...
Assim, é importante que a mediação tenha um caráter
pedagógico e que priorize a reeducação dos envolvidos a
partir do ato realizado, logo gestores, professores e
psicopedagogo ao chamar a família na escola para uma
mediação, precisa escutar à todos e registrar os fatos.
Deve ter em mente que o estudante NÃO é o que
praticou. Dessa forma ele não é; e sim, está nessa
condição, ou seja, seus atos é que têm essa natureza. A
ênfase sobre o conflito deve ir na direção de analisar o
contexto onde o estudante se insere; procurando mapear
qual é sua história de vida até aquele momento.
Após a realização desse diálogo, registram-se as
informações, colhem as assinaturas de todos os
presentes. Isso oficializa as intenções propostas e faz
com que todos se comprometam em fazer sua parte; para
que os motivos que geraram o conflitos se resolvam e
não venham se repetir.
Dessa forma a escola acaba atuando junto às famílias
para a formação de estudantes que se tornem e
desenvolvendo sua inteligência emocional
daquela maneira. Por exemplo: Estudantes cujo o
ambiente familiar é violento tendem a reproduzir a
violência de forma natural para ele, na escola. Esse
comportamento acaba chocando os demais estudantes.
Assim nesse caso a família deve se responsabilizar e se
comprometer com a mudança de estilo de vida para
apoiar seu filho.
A principal ferramenta de mediação de conflito na escola
é o DIÁLOGO. Todos precisam manifestar suas opiniões e
versões para que se chegue a um consenso.
Concluímos que quando se estabelecem, na escola,
ações que potencializem as capacidades positivas do
aluno, quando são desenvolvidas ações que visam à
prevenção de conflitos, e quando o foco para resolver
as questões conflituosas deixar de ser na pessoa e
passar a ser nas causas e origens do problema,
certamente haverá melhora no clima escolar, e os
próprios estudantes terão autonomia e habilidade
para resolver seus conflitos.
E que a psicopedagogia assume função mediadora ao
investigar os diversos obstáculos que surgem na complexa
rede da aprendizagem e participa da dinâmica das
relações da comunidade educativa, com o fim de favorecer
os processos de inclusão, pois somente com a capacitação
de todos os envolvidos nessa área poderemos avançar.
EXERCÍCIOS:
(A) as escolas devem promover uma parceria real com as
famílias, na qual os registros sirvam também para uma
participação em nível de coautoria da gestão.
(B) ao modificarem-se os modelos pelos quais a escola
vem se estruturando ao longo das últimas décadas, é
possível agravar as situações e registros de indisciplina.
(C) em relação à distribuição de tarefas e relações de
poder existentes na escola, mesmo nos registros da
gestão democrática, fica claro que são os gestores que
mandam.
Organizar o trabalho na escola, abrindo espaços para a
participação das famílias, não é apenas uma
reestruturação da forma de trabalho, mas uma mudança
de paradigma na vigência da escola, das relações de poder
e distribuição de tarefas, trata-se realmente de reinventar
a escola, numa perspectiva de corresponsabilidade, de
participação efetiva, não apenas no fazer, mas no processo
de refletir e decidir o que e como fazer.” (SANTOS, 2007.
p.37)
A partir dessa citação, pode-se afirmar que:
(D) os espaços de participação e contribuição das
famílias e elaboração de seus devidos registros, por si
sós, já dão conta de corresponsabilizar e
comprometer a todos.
(E) o que e como fazer as coisas são aspectos
inerentes à equipe gestora da escola, que deve
informar aos pais em reunião e, para isso, registrar
em ata específica.
Uma relação democrática na escola é construída com
base nas interações entre os diversos atores da
comunidade escolar, destacando-se os estudantes e seus
responsáveis. Nessas trocas realizadas no cotidiano da
escola, é produzida uma série de registros com as mais
diversas finalidades. Sobre os registros escolares
realizados entre a escola e as famílias, analise as
seguintes asserções e a relação proposta entre elas:
(A) A asserção I é uma proposição falsa e a asserção II é
uma proposição verdadeira.
(B) A asserção I é uma proposição verdadeira e a asserção
II é uma proposição falsa.
(C) A asserção I é uma proposição falsa e a asserção II é
uma proposição verdadeira.
(D) As asserções I e II são verdadeiras, e a asserção II é
uma justificativa correta da asserção I.
(E) As asserções I e II são proposições falsas e sem
complementação.
I. Os registros realizados entre a escola e a família
cumprem com a importante finalidade de promover a
gestão democrática da escola pública ao mesmo tempo em
que focalizam no desenvolvimento dos estudantes.
PORQUE
II. Sempre que um registro é efetuado, no entendimento
de uma relação de parceria entre a escola e a família, o
principal ator envolvido e que deve ser considerado é o
estudante e seu contexto.
A) as escolas devem promover uma parceria real com as
famílias, na qual os registros sirvam também para uma
participação em nível de coautoria da gestão.
(B) ao modificarem-se os modelos pelos quais a escola vem
se estruturando ao longo das últimas décadas, é possível
agravar as situações e registros de indisciplina.
(C) em relação à distribuição de tarefas e relações de poder
existentes na escola, mesmo nos registros da gestão
democrática, fica claro que são os gestores que mandam.
(D) os espaços de participação e contribuição das famílias
e elaboração de seus devidos registros, por si sós, já dão
conta de corresponsabilizar e comprometer a todos.
(E) o que e como fazer as coisas são aspectos inerentes à
equipe gestora da escola, que deve informar aos pais em
reunião e, para isso, registrar em ata específica.
Uma relação democrática na escola é construída com base
nas interações entre os diversos atores da comunidade
escolar, destacando-se os estudantes e seus responsáveis.
Nessas trocas realizadas no cotidiano da escola, é
produzida uma série de registros com as mais diversas
finalidades. Sobre os registros escolares realizados entre a
escola e as famílias, analise as seguintes asserções e a
relação proposta entre elas:
I. Os registros realizados entre a escola e a família
cumprem com a importante finalidade de promover a
gestão democrática da escola pública ao mesmo tempo em
que focalizam no desenvolvimento dos estudantes.
PORQUE
II. Sempre que um registro é efetuado, no entendimento
de uma relação de parceria entre a escola e a família, o
principal ator envolvido e que deve ser considerado é o
estudante e seu contexto
Existem muitos temas que fazem com que se produzam
registros entre a escola e a família, como: questões
pedagógicas, indisciplina, reconhecimento, questões
administrativas, violência ou bullying.
Sobre esses temas, analise as alternativas a seguir e
marque aquela que apresenta uma descrição correta
(A) A asserção I é uma proposição falsa e a asserção II é
uma proposição verdadeira.
(B) A asserção I é uma proposição verdadeira e a asserção
II é uma proposição falsa.
(C) A asserção I é uma proposição falsa e a asserção II é
uma proposição verdadeira.
(D) As asserções I e II são verdadeiras, e a asserção II é
uma justificativa correta da asserção I.
(E) As asserções I e II são proposições falsas e sem
complementação.
(A) Fazem parte dos registros de indisciplina os bilhetes e
avisos da escola para retirar materiais como livros e
uniformes.
(B) Toda vez que, em sala de aula, ocorre alguma
manifestação de desobediência do estudante, gera-se o
registro desse bullying.
(C) Os registros de reconhecimentos servem para mediar
situações de conflitos em que existam agressão verbal ou
física entre os alunos.
(D) As questões pedagógicas que envolvem os registros
normalmente se referem a aspectos do rendimento
escolar deste aluno em questão.
(E) Na existência de violência entre os estudantes, faz-se
um registro de indisciplina no caderno do aluno e pede-se
a assinatura dos pais.
Os registros formais da presença dos pais na escola
normalmente compõem os registros realizados em atas
próprias, o que ocorre nas reuniões ordinárias da escola e
dos órgãos colegiados que a compõem. Sobre a
escrituração das atas na escola, analise as seguintes
asserções:
( ) Os livros de ata possuem termos de abertura e de
encerramento e folhas numeradas tipograficamente.
( ) Ao realizar a escrita da ata, podem ser deixados espaços
em branco para complementação de ideias
posteriormente.
( ) Assinam a ata, após sua leitura ao grupo que se
encontra reunido, todos os presentes na assembleia.
( ) Na escrituração de uma ata não podem existir rasuras;
neste caso, ao errar, utiliza-se a expressão “digo” e a
reescrita.
( ) Quando se percebe que a ata não registrou algum fato
pertinente, em seu final se escreve “Em tempo” e faz-se a
complementação
Assinale a alternativa que indica corretamente quais são
verdadeiras (V) e quais são falsas (F).
(A) F, V, F, V, F.
(B) V, V, F, F, V.
(C) V, F, V, V, V.
(D) F, V, V, F, F.
(E) F, V, F, F, V.
1 - (A)
2 - (D)
3 - (D)
4 - (C)
GABARITO
OBRIGADA
E-book oferecido pelo
Centro Educacional Sete de Setembro
em parceria com o Professora Sueli Julioti para o
curso de "Psicopedagogia".

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Vamos cuidar dos dentinhos, por Letícia Pires
Vamos cuidar dos dentinhos, por Letícia PiresVamos cuidar dos dentinhos, por Letícia Pires
Vamos cuidar dos dentinhos, por Letícia Pires
Cantora Leticia Pires
 
Livro aprendizagem de a a z deficiencias intelectuais
Livro aprendizagem de a a z  deficiencias intelectuaisLivro aprendizagem de a a z  deficiencias intelectuais
Livro aprendizagem de a a z deficiencias intelectuais
Andréa Luciana
 
Seminário TDAH UnB 2013/1
Seminário TDAH UnB 2013/1Seminário TDAH UnB 2013/1
Seminário TDAH UnB 2013/1
Tiago Pádua
 
Transtorno opositor desafiante
Transtorno opositor desafianteTranstorno opositor desafiante
Transtorno opositor desafiante
isismaat
 
Aula educação inclusiva na psicopedagogia
Aula educação inclusiva na psicopedagogiaAula educação inclusiva na psicopedagogia
Aula educação inclusiva na psicopedagogia
therezasophia
 
Releitura: Emilia descobre o segredo do popeye
Releitura: Emilia descobre o segredo do popeyeReleitura: Emilia descobre o segredo do popeye
Releitura: Emilia descobre o segredo do popeye
Jalda Maria Pinheiro Cavalcante
 
Factores que afectam o desenvolvimento da criança
Factores que afectam o desenvolvimento da criançaFactores que afectam o desenvolvimento da criança
Factores que afectam o desenvolvimento da criança
Inês Mendes
 
Higiene bucal
Higiene bucalHigiene bucal
Higiene bucal
Instituto Santa Teresa
 
Livro de Receitas Alternativas e Saudáveis
Livro de Receitas Alternativas e SaudáveisLivro de Receitas Alternativas e Saudáveis
Livro de Receitas Alternativas e Saudáveis
Danielle Souza
 
Sindrome de burnout
Sindrome de burnoutSindrome de burnout
Sindrome de burnout
identidadesdegenero
 
piratas do caribe - partitura ( arquivo world )
piratas do caribe - partitura ( arquivo world )piratas do caribe - partitura ( arquivo world )
piratas do caribe - partitura ( arquivo world )Douglassp
 
O camelo, o burro e a água - Sergio Merli
O camelo, o burro e a água - Sergio MerliO camelo, o burro e a água - Sergio Merli
O camelo, o burro e a água - Sergio Merli
Ana Silva
 
Prenveção da saúde bucal, por Letícia Pires
Prenveção da saúde bucal, por Letícia PiresPrenveção da saúde bucal, por Letícia Pires
Prenveção da saúde bucal, por Letícia Pires
Cantora Leticia Pires
 
SAÚDE MENTAL - EU TENHO.pdf
SAÚDE MENTAL - EU TENHO.pdfSAÚDE MENTAL - EU TENHO.pdf
SAÚDE MENTAL - EU TENHO.pdf
RoseniraDantas1
 
digital marketing-rəqəmsal marketinq.pdf
digital marketing-rəqəmsal marketinq.pdfdigital marketing-rəqəmsal marketinq.pdf
digital marketing-rəqəmsal marketinq.pdf
KhataiAsgarov
 
O Que é Uma Boa Higiene Bucal
O Que é Uma Boa Higiene BucalO Que é Uma Boa Higiene Bucal
O Que é Uma Boa Higiene Bucal
josé Augusto Dias
 
Cuidar
Cuidar Cuidar
FORMAÇÃO CONTINUAD É TOD DESOBEDIÊNCIA OU FALTA DE LIMITES 2022A10.pdf
FORMAÇÃO CONTINUAD É TOD DESOBEDIÊNCIA OU FALTA DE LIMITES 2022A10.pdfFORMAÇÃO CONTINUAD É TOD DESOBEDIÊNCIA OU FALTA DE LIMITES 2022A10.pdf
FORMAÇÃO CONTINUAD É TOD DESOBEDIÊNCIA OU FALTA DE LIMITES 2022A10.pdf
SimoneHelenDrumond
 
Dias da semana lgp
Dias da semana lgpDias da semana lgp
Dias da semana lgpanabelag920
 
Promoção para a saúde oral oral
Promoção para a saúde oral oralPromoção para a saúde oral oral
Promoção para a saúde oral oral
Ana Carlão
 

Mais procurados (20)

Vamos cuidar dos dentinhos, por Letícia Pires
Vamos cuidar dos dentinhos, por Letícia PiresVamos cuidar dos dentinhos, por Letícia Pires
Vamos cuidar dos dentinhos, por Letícia Pires
 
Livro aprendizagem de a a z deficiencias intelectuais
Livro aprendizagem de a a z  deficiencias intelectuaisLivro aprendizagem de a a z  deficiencias intelectuais
Livro aprendizagem de a a z deficiencias intelectuais
 
Seminário TDAH UnB 2013/1
Seminário TDAH UnB 2013/1Seminário TDAH UnB 2013/1
Seminário TDAH UnB 2013/1
 
Transtorno opositor desafiante
Transtorno opositor desafianteTranstorno opositor desafiante
Transtorno opositor desafiante
 
Aula educação inclusiva na psicopedagogia
Aula educação inclusiva na psicopedagogiaAula educação inclusiva na psicopedagogia
Aula educação inclusiva na psicopedagogia
 
Releitura: Emilia descobre o segredo do popeye
Releitura: Emilia descobre o segredo do popeyeReleitura: Emilia descobre o segredo do popeye
Releitura: Emilia descobre o segredo do popeye
 
Factores que afectam o desenvolvimento da criança
Factores que afectam o desenvolvimento da criançaFactores que afectam o desenvolvimento da criança
Factores que afectam o desenvolvimento da criança
 
Higiene bucal
Higiene bucalHigiene bucal
Higiene bucal
 
Livro de Receitas Alternativas e Saudáveis
Livro de Receitas Alternativas e SaudáveisLivro de Receitas Alternativas e Saudáveis
Livro de Receitas Alternativas e Saudáveis
 
Sindrome de burnout
Sindrome de burnoutSindrome de burnout
Sindrome de burnout
 
piratas do caribe - partitura ( arquivo world )
piratas do caribe - partitura ( arquivo world )piratas do caribe - partitura ( arquivo world )
piratas do caribe - partitura ( arquivo world )
 
O camelo, o burro e a água - Sergio Merli
O camelo, o burro e a água - Sergio MerliO camelo, o burro e a água - Sergio Merli
O camelo, o burro e a água - Sergio Merli
 
Prenveção da saúde bucal, por Letícia Pires
Prenveção da saúde bucal, por Letícia PiresPrenveção da saúde bucal, por Letícia Pires
Prenveção da saúde bucal, por Letícia Pires
 
SAÚDE MENTAL - EU TENHO.pdf
SAÚDE MENTAL - EU TENHO.pdfSAÚDE MENTAL - EU TENHO.pdf
SAÚDE MENTAL - EU TENHO.pdf
 
digital marketing-rəqəmsal marketinq.pdf
digital marketing-rəqəmsal marketinq.pdfdigital marketing-rəqəmsal marketinq.pdf
digital marketing-rəqəmsal marketinq.pdf
 
O Que é Uma Boa Higiene Bucal
O Que é Uma Boa Higiene BucalO Que é Uma Boa Higiene Bucal
O Que é Uma Boa Higiene Bucal
 
Cuidar
Cuidar Cuidar
Cuidar
 
FORMAÇÃO CONTINUAD É TOD DESOBEDIÊNCIA OU FALTA DE LIMITES 2022A10.pdf
FORMAÇÃO CONTINUAD É TOD DESOBEDIÊNCIA OU FALTA DE LIMITES 2022A10.pdfFORMAÇÃO CONTINUAD É TOD DESOBEDIÊNCIA OU FALTA DE LIMITES 2022A10.pdf
FORMAÇÃO CONTINUAD É TOD DESOBEDIÊNCIA OU FALTA DE LIMITES 2022A10.pdf
 
Dias da semana lgp
Dias da semana lgpDias da semana lgp
Dias da semana lgp
 
Promoção para a saúde oral oral
Promoção para a saúde oral oralPromoção para a saúde oral oral
Promoção para a saúde oral oral
 

Semelhante a Psicopedagogia

Histório e contextualização da Psicopedagogia
Histório e contextualização da PsicopedagogiaHistório e contextualização da Psicopedagogia
Histório e contextualização da Psicopedagogia
janpsicoped
 
02.psicologia escolar e educacional
02.psicologia escolar e educacional02.psicologia escolar e educacional
02.psicologia escolar e educacional
Rosenira Dantas II
 
Artigo carolinakopschina
Artigo carolinakopschinaArtigo carolinakopschina
Artigo carolinakopschina
Ana Justino DE Faria
 
Estudo de intervençao
Estudo de intervençaoEstudo de intervençao
Estudo de intervençao
Antonio Jose Chalegre
 
ebook.pdf
ebook.pdfebook.pdf
ebook.pdf
Ana Roberta Lima
 
Artigo edinalva aimportância do psicopedagogo nos anos iniciais do ensino fun...
Artigo edinalva aimportância do psicopedagogo nos anos iniciais do ensino fun...Artigo edinalva aimportância do psicopedagogo nos anos iniciais do ensino fun...
Artigo edinalva aimportância do psicopedagogo nos anos iniciais do ensino fun...
Bene1979
 
Fundamentos epistemológicos da psicopedagogia
Fundamentos epistemológicos da psicopedagogiaFundamentos epistemológicos da psicopedagogia
Fundamentos epistemológicos da psicopedagogia
Vanessa Casaro
 
Cdocumentsandsettingssungamesmeusdocumentosminhasmsicas2275psicopedagogiaclin...
Cdocumentsandsettingssungamesmeusdocumentosminhasmsicas2275psicopedagogiaclin...Cdocumentsandsettingssungamesmeusdocumentosminhasmsicas2275psicopedagogiaclin...
Cdocumentsandsettingssungamesmeusdocumentosminhasmsicas2275psicopedagogiaclin...
regianeaparecida
 
Psicologia escolar e educacional
Psicologia escolar e educacionalPsicologia escolar e educacional
Psicologia escolar e educacional
Thiago de Almeida
 
PSICOLOGIA ESCOLAR
PSICOLOGIA ESCOLARPSICOLOGIA ESCOLAR
PSICOLOGIA ESCOLAR
Cassia Dias
 
Psicologia escolar
Psicologia escolarPsicologia escolar
Psicologia escolar
Felix Jose
 
Introdução à psicologia capa
Introdução à psicologia capaIntrodução à psicologia capa
Introdução à psicologia capa
Francisco Martins
 
ARTIGO CIENTIFICO FRANCISCO.docx
ARTIGO CIENTIFICO FRANCISCO.docxARTIGO CIENTIFICO FRANCISCO.docx
ARTIGO CIENTIFICO FRANCISCO.docx
MarceloCleyton3
 
A trajetória da psicopedagogia
A trajetória da psicopedagogiaA trajetória da psicopedagogia
A trajetória da psicopedagogia
Jamille Araújo
 
Memorial_reflexivo_de_estagio_.docx
Memorial_reflexivo_de_estagio_.docxMemorial_reflexivo_de_estagio_.docx
Memorial_reflexivo_de_estagio_.docx
Rafael408221
 
Fundamentos da psicopedagogia
Fundamentos da psicopedagogiaFundamentos da psicopedagogia
Fundamentos da psicopedagogia
UNICEP
 
Psi capítulo 4 slide
Psi capítulo 4 slidePsi capítulo 4 slide
Psi capítulo 4 slide
Israel serique
 
A IMPORTÂNCIA DO PSICOPEDAGOGO INSTITUCIONAL NA INTERFACE ENTRE A FAMÍLIA E A...
A IMPORTÂNCIA DO PSICOPEDAGOGO INSTITUCIONAL NA INTERFACE ENTRE A FAMÍLIA E A...A IMPORTÂNCIA DO PSICOPEDAGOGO INSTITUCIONAL NA INTERFACE ENTRE A FAMÍLIA E A...
A IMPORTÂNCIA DO PSICOPEDAGOGO INSTITUCIONAL NA INTERFACE ENTRE A FAMÍLIA E A...
Amanda Peixoto de Oliveira
 
Psicopedagogia, introodução, o que é como seguir
Psicopedagogia, introodução, o que é como seguirPsicopedagogia, introodução, o que é como seguir
Psicopedagogia, introodução, o que é como seguir
DouglasVasconcelosMa
 
Trabalho de psicologia escolar ifrn
Trabalho de psicologia escolar ifrnTrabalho de psicologia escolar ifrn
Trabalho de psicologia escolar ifrn
halinedias
 

Semelhante a Psicopedagogia (20)

Histório e contextualização da Psicopedagogia
Histório e contextualização da PsicopedagogiaHistório e contextualização da Psicopedagogia
Histório e contextualização da Psicopedagogia
 
02.psicologia escolar e educacional
02.psicologia escolar e educacional02.psicologia escolar e educacional
02.psicologia escolar e educacional
 
Artigo carolinakopschina
Artigo carolinakopschinaArtigo carolinakopschina
Artigo carolinakopschina
 
Estudo de intervençao
Estudo de intervençaoEstudo de intervençao
Estudo de intervençao
 
ebook.pdf
ebook.pdfebook.pdf
ebook.pdf
 
Artigo edinalva aimportância do psicopedagogo nos anos iniciais do ensino fun...
Artigo edinalva aimportância do psicopedagogo nos anos iniciais do ensino fun...Artigo edinalva aimportância do psicopedagogo nos anos iniciais do ensino fun...
Artigo edinalva aimportância do psicopedagogo nos anos iniciais do ensino fun...
 
Fundamentos epistemológicos da psicopedagogia
Fundamentos epistemológicos da psicopedagogiaFundamentos epistemológicos da psicopedagogia
Fundamentos epistemológicos da psicopedagogia
 
Cdocumentsandsettingssungamesmeusdocumentosminhasmsicas2275psicopedagogiaclin...
Cdocumentsandsettingssungamesmeusdocumentosminhasmsicas2275psicopedagogiaclin...Cdocumentsandsettingssungamesmeusdocumentosminhasmsicas2275psicopedagogiaclin...
Cdocumentsandsettingssungamesmeusdocumentosminhasmsicas2275psicopedagogiaclin...
 
Psicologia escolar e educacional
Psicologia escolar e educacionalPsicologia escolar e educacional
Psicologia escolar e educacional
 
PSICOLOGIA ESCOLAR
PSICOLOGIA ESCOLARPSICOLOGIA ESCOLAR
PSICOLOGIA ESCOLAR
 
Psicologia escolar
Psicologia escolarPsicologia escolar
Psicologia escolar
 
Introdução à psicologia capa
Introdução à psicologia capaIntrodução à psicologia capa
Introdução à psicologia capa
 
ARTIGO CIENTIFICO FRANCISCO.docx
ARTIGO CIENTIFICO FRANCISCO.docxARTIGO CIENTIFICO FRANCISCO.docx
ARTIGO CIENTIFICO FRANCISCO.docx
 
A trajetória da psicopedagogia
A trajetória da psicopedagogiaA trajetória da psicopedagogia
A trajetória da psicopedagogia
 
Memorial_reflexivo_de_estagio_.docx
Memorial_reflexivo_de_estagio_.docxMemorial_reflexivo_de_estagio_.docx
Memorial_reflexivo_de_estagio_.docx
 
Fundamentos da psicopedagogia
Fundamentos da psicopedagogiaFundamentos da psicopedagogia
Fundamentos da psicopedagogia
 
Psi capítulo 4 slide
Psi capítulo 4 slidePsi capítulo 4 slide
Psi capítulo 4 slide
 
A IMPORTÂNCIA DO PSICOPEDAGOGO INSTITUCIONAL NA INTERFACE ENTRE A FAMÍLIA E A...
A IMPORTÂNCIA DO PSICOPEDAGOGO INSTITUCIONAL NA INTERFACE ENTRE A FAMÍLIA E A...A IMPORTÂNCIA DO PSICOPEDAGOGO INSTITUCIONAL NA INTERFACE ENTRE A FAMÍLIA E A...
A IMPORTÂNCIA DO PSICOPEDAGOGO INSTITUCIONAL NA INTERFACE ENTRE A FAMÍLIA E A...
 
Psicopedagogia, introodução, o que é como seguir
Psicopedagogia, introodução, o que é como seguirPsicopedagogia, introodução, o que é como seguir
Psicopedagogia, introodução, o que é como seguir
 
Trabalho de psicologia escolar ifrn
Trabalho de psicologia escolar ifrnTrabalho de psicologia escolar ifrn
Trabalho de psicologia escolar ifrn
 

Mais de Monique Vieira Botelho Machado

Leilão de jardim texto para interpretação de texto
Leilão de jardim texto para interpretação de textoLeilão de jardim texto para interpretação de texto
Leilão de jardim texto para interpretação de texto
Monique Vieira Botelho Machado
 
CARTAZES.doc
CARTAZES.docCARTAZES.doc
PRODU__O_LACUNADA_SUPERMERCADO.pdf
PRODU__O_LACUNADA_SUPERMERCADO.pdfPRODU__O_LACUNADA_SUPERMERCADO.pdf
PRODU__O_LACUNADA_SUPERMERCADO.pdf
Monique Vieira Botelho Machado
 
Historia-Maluca-Bolacha-Pedagogica (1).pdf
Historia-Maluca-Bolacha-Pedagogica (1).pdfHistoria-Maluca-Bolacha-Pedagogica (1).pdf
Historia-Maluca-Bolacha-Pedagogica (1).pdf
Monique Vieira Botelho Machado
 
bilhete leitura e interpretação.pdf
bilhete leitura e interpretação.pdfbilhete leitura e interpretação.pdf
bilhete leitura e interpretação.pdf
Monique Vieira Botelho Machado
 
Apostila - Cosméticos Artesanais (1) (1).pdf
Apostila - Cosméticos Artesanais (1) (1).pdfApostila - Cosméticos Artesanais (1) (1).pdf
Apostila - Cosméticos Artesanais (1) (1).pdf
Monique Vieira Botelho Machado
 
Denotação.docx
Denotação.docxDenotação.docx
Caça letra A.pdf
Caça letra A.pdfCaça letra A.pdf
CHAPÉU E VOLTA ÁS AULAS.pdf
CHAPÉU E VOLTA ÁS AULAS.pdfCHAPÉU E VOLTA ÁS AULAS.pdf
CHAPÉU E VOLTA ÁS AULAS.pdf
Monique Vieira Botelho Machado
 
FICHAS DE LEITURA - LETRA BASTÃO.pdf
FICHAS DE LEITURA - LETRA BASTÃO.pdfFICHAS DE LEITURA - LETRA BASTÃO.pdf
FICHAS DE LEITURA - LETRA BASTÃO.pdf
Monique Vieira Botelho Machado
 
Potinhos B e P, F e V, T e D.pdf
 Potinhos B e P, F e V, T e D.pdf Potinhos B e P, F e V, T e D.pdf
Potinhos B e P, F e V, T e D.pdf
Monique Vieira Botelho Machado
 
Aplicativo de olho na água.pdf
Aplicativo de olho na água.pdfAplicativo de olho na água.pdf
Aplicativo de olho na água.pdf
Monique Vieira Botelho Machado
 
ATIVIDADE FUNÇÕES DA AGUA.pdf
ATIVIDADE FUNÇÕES DA AGUA.pdfATIVIDADE FUNÇÕES DA AGUA.pdf
ATIVIDADE FUNÇÕES DA AGUA.pdf
Monique Vieira Botelho Machado
 
vasinho de cacto das sílabas da letra V.pdf
vasinho de cacto das sílabas da letra V.pdfvasinho de cacto das sílabas da letra V.pdf
vasinho de cacto das sílabas da letra V.pdf
Monique Vieira Botelho Machado
 
DECORAÇÃO PORTA.pdf
DECORAÇÃO PORTA.pdfDECORAÇÃO PORTA.pdf
DECORAÇÃO PORTA.pdf
Monique Vieira Botelho Machado
 
HISTÓRIA O RATO DO CAMPO E O RATO DA CIDADE.pdf
HISTÓRIA O RATO DO CAMPO E O RATO DA CIDADE.pdfHISTÓRIA O RATO DO CAMPO E O RATO DA CIDADE.pdf
HISTÓRIA O RATO DO CAMPO E O RATO DA CIDADE.pdf
Monique Vieira Botelho Machado
 
Papinhas
PapinhasPapinhas
Desmontando a caixa
Desmontando a caixa Desmontando a caixa
Desmontando a caixa
Monique Vieira Botelho Machado
 

Mais de Monique Vieira Botelho Machado (20)

Leilão de jardim texto para interpretação de texto
Leilão de jardim texto para interpretação de textoLeilão de jardim texto para interpretação de texto
Leilão de jardim texto para interpretação de texto
 
CARTAZES.doc
CARTAZES.docCARTAZES.doc
CARTAZES.doc
 
Cardapio.doc
Cardapio.docCardapio.doc
Cardapio.doc
 
PRODU__O_LACUNADA_SUPERMERCADO.pdf
PRODU__O_LACUNADA_SUPERMERCADO.pdfPRODU__O_LACUNADA_SUPERMERCADO.pdf
PRODU__O_LACUNADA_SUPERMERCADO.pdf
 
Historia-Maluca-Bolacha-Pedagogica (1).pdf
Historia-Maluca-Bolacha-Pedagogica (1).pdfHistoria-Maluca-Bolacha-Pedagogica (1).pdf
Historia-Maluca-Bolacha-Pedagogica (1).pdf
 
bilhete leitura e interpretação.pdf
bilhete leitura e interpretação.pdfbilhete leitura e interpretação.pdf
bilhete leitura e interpretação.pdf
 
Apostila - Cosméticos Artesanais (1) (1).pdf
Apostila - Cosméticos Artesanais (1) (1).pdfApostila - Cosméticos Artesanais (1) (1).pdf
Apostila - Cosméticos Artesanais (1) (1).pdf
 
Denotação.docx
Denotação.docxDenotação.docx
Denotação.docx
 
Caça letra A.pdf
Caça letra A.pdfCaça letra A.pdf
Caça letra A.pdf
 
JOGO QUANTIDADE HORIZONTAL (1).pdf
JOGO QUANTIDADE HORIZONTAL (1).pdfJOGO QUANTIDADE HORIZONTAL (1).pdf
JOGO QUANTIDADE HORIZONTAL (1).pdf
 
CHAPÉU E VOLTA ÁS AULAS.pdf
CHAPÉU E VOLTA ÁS AULAS.pdfCHAPÉU E VOLTA ÁS AULAS.pdf
CHAPÉU E VOLTA ÁS AULAS.pdf
 
FICHAS DE LEITURA - LETRA BASTÃO.pdf
FICHAS DE LEITURA - LETRA BASTÃO.pdfFICHAS DE LEITURA - LETRA BASTÃO.pdf
FICHAS DE LEITURA - LETRA BASTÃO.pdf
 
Potinhos B e P, F e V, T e D.pdf
 Potinhos B e P, F e V, T e D.pdf Potinhos B e P, F e V, T e D.pdf
Potinhos B e P, F e V, T e D.pdf
 
Aplicativo de olho na água.pdf
Aplicativo de olho na água.pdfAplicativo de olho na água.pdf
Aplicativo de olho na água.pdf
 
ATIVIDADE FUNÇÕES DA AGUA.pdf
ATIVIDADE FUNÇÕES DA AGUA.pdfATIVIDADE FUNÇÕES DA AGUA.pdf
ATIVIDADE FUNÇÕES DA AGUA.pdf
 
vasinho de cacto das sílabas da letra V.pdf
vasinho de cacto das sílabas da letra V.pdfvasinho de cacto das sílabas da letra V.pdf
vasinho de cacto das sílabas da letra V.pdf
 
DECORAÇÃO PORTA.pdf
DECORAÇÃO PORTA.pdfDECORAÇÃO PORTA.pdf
DECORAÇÃO PORTA.pdf
 
HISTÓRIA O RATO DO CAMPO E O RATO DA CIDADE.pdf
HISTÓRIA O RATO DO CAMPO E O RATO DA CIDADE.pdfHISTÓRIA O RATO DO CAMPO E O RATO DA CIDADE.pdf
HISTÓRIA O RATO DO CAMPO E O RATO DA CIDADE.pdf
 
Papinhas
PapinhasPapinhas
Papinhas
 
Desmontando a caixa
Desmontando a caixa Desmontando a caixa
Desmontando a caixa
 

Último

PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
ARIADNEMARTINSDACRUZ
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
Manuais Formação
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
vinibolado86
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
beatrizsilva525654
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
rloureiro1
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
joaresmonte3
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
CarlosJean21
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
ProfessoraTatianaT
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
silvamelosilva300
 
Atividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docxAtividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docx
MARCELARUBIAGAVA
 
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....pptA Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
WilianeBarbosa2
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
TiagoLouro8
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
HisrelBlog
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptxTudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
IACEMCASA
 

Último (20)

PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
 
Atividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docxAtividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docx
 
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....pptA Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptxTudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
 

Psicopedagogia

  • 2. Obrigado por fazer parte do nosso propósito de levar conhecimento com qualidade para o maior número de pessoas possíveis, por confiar e acreditar no nosso trabalho assim como nós acreditamos e confiamos no seu potencial. Acreditamos que você pode chegar onde quiser sempre com mais conhecimento. Você já é diferente por ter acesso a esse e-book e certificado. Você poderá ter acesso aos nossos cursos e congressos pelo nosso site: www.cessetembro.com.br Quer ser um Aluno Premium? Faça parte da A Nova Classe: www.anovaclasse.com.br Seja bem-vindo! Vamos fazer história juntos! @CESSETEMBRO @ANOVACLASSE
  • 3. Clique no ícone da impressora. Escolha a folha A4 e deixe em preto e branco Coloque para ter 2 folhas por página Selecione a escala "Ajustar à área de impressão" Coloque a opção frente e verso (caso sua impressora possua essa forma de impressão) Espere e pronto, seu ebook está em suas mãos. Hey, você percebeu que nosso ebook possui um design exclusivo, certo? Por isso, caso queira imprimir, fizemos esse tutorial para te ensinar como realizar a impressão de forma econômica. Impressão do Ebook
  • 4. A psicopedagogia é o ramo da psicologia que tem em atenção os fenômenos de foro psicológico para chegar a uma formulação mais adequada dos métodos didáticos e pedagógicos. Trata dos fundamentos do sujeito e do objeto de conhecimento e da sua inter-relação com a linguagem e a influência sócio-histórica, dentro do contexto dos processos cotidianos da aprendizagem. Ao longo do Curso abordaremos alguns tópicos importantes dentro da Psicopedagogia, tais como psicomotricidade, plano de intervenção psicopedagógica, psicopatologia, psicogênese. Faremos uma reflexão, pois é por meio dos seus métodos que se estuda o problema presente no individuo ao entrever as potencialidades cognitivas, afetivas e sociais para um melhor desenvolvimento nas atividades em que a pessoa desempenha. Nesta primeira aula será abordado o papel do Psicopedagogo e o Plano de Intervenção Psicopedagógica.
  • 5. Por outras palavras, é a ciência que permite estudar a pessoa e o seu meio envolvente nas várias etapas de aprendizagem que abarca a sua vida E para aqueles que possuem dificuldades no aprendizado, a psicopedagogia pode servir como meio de promoção da participação. Mas essa promoção da participação ou delegação de poder não servirá apenas no que diz respeito a educação no que está ligado a alfabetização, mas também possui relação com a ordem emocional, por exemplo. A psicopedagogia pode abordar conhecimentos que fazem parte de áreas como neurociência e até mesmo da antropologia. A psicopedagogia surge como uma maneira de encontrar respostas para o aprendizado dificultoso, ela também busca identificar a relação que existe entre essa dificuldade e as desigualdades sociais
  • 6. O que eles faziam nesses centros eram ajudar na reeducação de crianças que estavam apresentando comportamentos considerados inadequados, seja na escola ou no ambiente familiar, por exemplo. Nesses centros também se prestava auxílio as crianças com dificuldade de aprendizagem. No processo, eles buscavam conhecer a criança e o ambiente na qual ela estava inserida. A psicopedagogia se ocupa do processo de aprendizagem e suas variações e da construção de estratégias para a superação do não-aprender, tendo como um de seus focos principais a autoria do pensamento e da aprendizagem. Ela desenvolve-se como disciplina científica a partir de meados do século XX, com um enfoque interdisciplinar e combinando conhecimentos da educação e da saúde mental. Foram os psicólogos Juliette Favez-Boutonnier e George Mauco os responsáveis por criarem os primeiros centros de psicologia pedagógica no ano de 1946.
  • 7. E o papel do Psicopedagogo é estudar os processos de aprendizagem das crianças, adolescentes e adultos. Ele identifica as dificuldades e os transtornos que interferem na assimilação do conteúdo, fazendo uso de conhecimentos da pedagogia, psicologia e da antropologia para analisar o comportamento do aluno e também promove intervenções em caso de fracasso ou de evasão escolar. Por meio dos métodos da psicopedagogia, estuda o problema presente no individuo ao entrever as potencialidades cognitivas, afetivas e sociais para um melhor Desenvolvimento nas atividades que a pessoa desempenha, assim há necessidade da realização do Plano de Intervenção Pedagógica. Um profissional em psicopedagogia deve dominar as bases epistemológicas do saber psicopedagógico, com as suas noções básicas e os eixos conceptuais. Da mesma forma, deve conhecer as ciências auxiliares que contextualizam o seu desempenho profissional e todas as aplicações que estas abrangem relacionadas ao pensamento e ao desenvolvimento na sua condição de ser humano
  • 8. A intervenção psicopedagógica é um procedimento realizado pelo psicopedagogo com o intuito de melhorar o processo de aprendizagem e promover a autonomia e autoestima dos educandos. A interferência no processo de desenvolvimento acontece após o diagnóstico psicopedagógico (anamnese). A partir dessa avaliação, o profissional traça um plano de intervenção capaz de auxiliar o aluno a conquistar o sucesso escolar. Cabe aos psicopedagogos estudarem, prevenirem e corrigirem as dificuldades que possa apresentar um individuo no processo de aprendizagem, ainda que este tenha um quociente de inteligência (QI) dentro dos parâmetros considerados normais mas que apresente dificuldades na sua aprendizagem. Assim, é ele que estudará o fenômeno de adaptação que implica o desenvolvimento evolutivo da mente, com o processo de ensino-aprendizagem.
  • 9. De modo geral, a intervenção psicopedagógica é necessária quando verifica-se problemas de aprendizagem, que criam déficits de conhecimentos nas crianças. O psicopedagogo passa a mediar a relação do aluno com a construção do saber. Existem diferentes recursos, técnicas e metodologias que podem ser adotados em uma intervenção. A escolha de cada um dependerá do quadro analisado. Um dos principais recursos utilizados é o jogo. A ludicidade pode ser adaptada a diferentes situações e transformada em jogo. Através dos jogos o psicopedagogo pode interferir no desenvolvimento do aluno, estimular a sua criatividade, verificar como lida com as situações, proporcionar momentos de lazer e estabelecer contatos sociais. De modo geral, a intervenção psicopedagógica é necessária quando verifica-se problemas de aprendizagem, que criam déficits de conhecimentos nas crianças. O psicopedagogo passa a mediar a relação do aluno com a construção do saber. Existem diferentes recursos, técnicas e metodologias que podem ser adotados em uma intervenção.
  • 10. A escolha de cada um dependerá do quadro analisado. Um dos principais recursos utilizados é o jogo. A ludicidade pode ser adaptada a diferentes situações e transformada em jogo. Por meio dos jogos o psicopedagogo pode interferir no desenvolvimento do aluno, estimular a sua criatividade, verificar como lida com as situações, proporcionar momentos de lazer e estabelecer contatos sociais. A importância da intervenção psicopedagógica está relacionada a própria importância do psicopedagogo na escola. E esta atuação é fundamental para garantir o bom desempenho escolar e a inclusão de estudantes com problemas na aprendizagem. É importante ressaltar que o trabalho do psicopedagogo deve ser realizado em conjunto com a escola e a família. Dessa forma, é possível alcançar os resultados esperados e contribuir de forma significativa para a melhora do desenvolvimento escolar das crianças. Alguns passos para realizar uma intervenção psicopedagógica: Analisa-se com mais atenção e cautela os erros dos alunos;
  • 11. Elabora-se a reformulação e adequação das práticas docentes, para que elas se aproximem da necessidade dos alunos e atenda as dificuldades que o mesmo apresenta; Recomenda-se que o professor em conjunto com a escola e o psicopedagogo, reflita sobre a estrutura curricular e sua compatibilidade com a estrutura cognitiva, afetiva e social do aluno com déficit de atenção, afinal para nós psicopedagogos a aprendizagem baseia-se no equilíbrio dessas estruturas. Avalia-se o enfoque psicopedagógico da dificuldade de aprendizagem em crianças com déficit de atenção, os processos de desenvolvimento e os caminhos da aprendizagem, entendendo o aluno de forma individual e interdisciplinar, buscando apoio em diversas áreas do conhecimento, analisando a aprendizagem no contexto escolar, familiar e no aspecto afetivo, cognitivo e biológico
  • 12. PASSO 2: CRONOGRAMA DE ATENDIMENTO De acordo com as dificuldades e com os combinados com a família, determinará o número de atendimento que a criança terá. Assim é importante um cronograma para atendimento e ou que trabalhará as dificuldades encontradas. Não se esqueça de colocar o tempo para o planejamento das atividades que desenvolverá e sempre com o foco de uma ou duas dificuldade para cada atendimento PASSO 1: ATENÇÃO ÀS DIFICULDADES TRABALHADAS A intervenção começa quando você está avaliando (anamnese) a pessoa, pois já se percebe as dificuldades; e independente de transtornos ou deficiências a psicopedagogia trabalha com as dificuldades de qualquer natureza, ou seja cognitivas, afetivas e sociais. Assim, você precisa realizar está avaliação para ter a atenção voltada para as dificuldades que serão trabalhadas
  • 13. PASSO 3: A ESCOLHA DAS ATIVIDADES O cuidado com as escolha da atividade é importantíssimo, pois cada atividade escolhida precisa ter o objetivo de trabalhar uma ou duas, no máximo, de dificuldade. Sabemos que uma única atividade pode trabalhar diversas habilidades, porém foque seu trabalho em apenas uma dificuldade, até que ela esteja sanada. Assim não terá dificuldades para registrar os avanços da criança. PASSO 4: A ESCOLHA DO NÍVEL DE DIFICULDADE DA ATIVIDADE Outro passo importantíssimo, pois atividades muito difíceis ou muito fáceis desestimulará a criança em sua realização. Aqui entra a Teoria de Flow, desenvolvida pelo Psicólogo Húngaro Mihaly, o conceito descreve uma condição mental na qual o indivíduo imerge completamente naquilo que está fazendo, entrando em um estado de foco máximo que o faz perder o sentido de espaço e tempo.
  • 14. PASSO 5: REGISTRO E DEVOLUTIVA Registrar – Nunca confie apenas em sua memória, realize no tempo certo os registros dos avanços ou retrocesso das intervenções. Como a criança lidou com a dificuldade na atividade? Aquela atividade foi muito fácil? Próximo atendimento será oferecido uma atividade do mesmo nível ou já sse consolidou avanços? Se não houve avanços, provavelmente as atividades oferecidas estão em nível muito alto, assim reveja o planejamento das atividades. E por fim não se esqueça de periodicamente dar devolutivas para a família Quanto tempo leva a intervenção? O tempo depende do grau de dificuldade e capacidade de assimilação, bem como o empenho da criança, pais e professores durante o período da intervenção psicopedagógica. Assim concluímos que para a Psicopedagogia, os papéis de professores e alunos se alternam o tempo todo, pois podemos afirmar que no processo ensino-aprendizagem visto pela psicopedagogia também nos mostra sobre a nossa forma de ensinar, na qual, os outros servem de espelho
  • 15. Para Vygotsky, todos os seres humanos são capazes de aprender, mas é necessário que adaptemos nossa forma de ensinar. Para o segundo dia de Curso, veremos: Psicomotricidade. Psicomotricidade é a ciência que tem como objeto de estudo o homem por meio do seu corpo em movimento e em relação ao seu mundo interno e externo. Está relacionada ao processo de maturação, onde o corpo é a origem das aquisições cognitivas, afetivas e orgânicas. Ela é sustentada por três conhecimentos básicos: o movimento, o intelecto e o afeto. Portanto, é um termo empregado para uma concepção de movimento organizado e integrado, em função das experiências vividas pelo sujeito cuja ação é resultante de sua individualidade, sua linguagem e sua socialização COSTA (2002) diz que: “A Psicomotricidade baseia-se em uma concepção unificada da pessoa, que inclui as interações cognitivas, sensoriomotoras e psíquicas na compreensão das capacidades de ser e de expressar-se, a partir do movimento, em um contexto psicossocial. Ela se constitui por um conjunto de conhecimentos psicológicos, fisiológicos, antropológicos e relacionais que permitem, utilizando o corpo como mediador, abordar o ato motor humano com o intento de favorecer a integração deste sujeito consigo e com o mundo dos objetos e outros sujeitos.”
  • 16. A psicomotricidade pode também ser definida como o campo transdisciplinar que estuda e investiga as relações e as influências recíprocas e sistémicas entre o psiquismo e a motricidade. Ela também é uma técnica que tem como objetivo promover o desenvolvimento cognitivo e afetivo através da realização de movimentos organizados e integrados, podendo ser indicada para todas as pessoas, principalmente para crianças e adolescentes. Segundo JEAN-CLAUDE COSTE (1981), “Em razão de seu próprio objeto de estudo, isto é, o indivíduo humano e suas relações com o corpo, a Psicomotricidade é uma ciência encruzilhada... que utiliza as aquisições de numerosas ciências constituídas (biologia, psicologia, psicanálise, sociologia, linguística...) Em sua prática empenha-se em deslocar a problemática cartesiana e reformular as relações entre alma e corpo: O homem é seu corpo e NÃO - O homem e seu corpo”. A psicomotricidade é uma ferramenta muito utilizada no tratamento de paralisia cerebral, esquizofrenia, síndrome de Rett, dificuldade de aprendizagem, atrasos no desenvolvimento, deficiências físicas e alterações neuronais, por exemplo.
  • 17. Geralmente essa terapia dura cerca de uma hora e pode ser realizada uma ou duas vezes por semana, contribuindo positivamente para o desenvolvimento e aprendizagem infantil e qualidade de vida. A psicomotricidade tem como objetivo melhorar os movimentos do corpo, a noção do espaço onde se está, a coordenação motora, equilíbrio e também o ritmo. Os objetivos são alcançados por meio de brincadeiras como correr, brincar com bolas, bonecas e jogos. Se observa o funcionamento emocional e motor do indivíduo e utiliza outras brincadeiras para corrigir as alterações à nível mental, emocional ou físico, de acordo com a necessidade de cada um. QUANDO É INDICADA? Alterações na memória; Hiperatividade; Agressividade; Problemas posturais; Dispraxia, que corresponde a dificuldades motoras Algumas situações em que a técnica de psicomotricidade pode ser indicada são: Dificuldade de aprendizagem, como dislexia e déficit de atenção, por exemplo;
  • 18. Dessa forma, a psicomotricidade pode ser feita com crianças de possuem paralisia cerebral, alterações genéticas, como a síndrome de Rett, ou mentais, como a esquizofrenia, por exemplo, além de também poder ser recomendada para todas as crianças que possuem alguma alteração no seu desenvolvimento e ou dificuldade de aprendizagem. Dessa forma, a psicomotricidade pode ser feita com crianças de possuem paralisia cerebral, alterações genéticas, como a síndrome de Rett, ou mentais, como a esquizofrenia, por exemplo, além de também poder ser recomendada para todas as crianças que possuem alguma alteração no seu desenvolvimento e ou dificuldade de aprendizagem. Na psicomotricidade existem alguns elementos que devem ser trabalhados como tônus da postura, repouso e sustentação, além do equilíbrio, lateralidade, imagem corporal, coordenação motora, e estruturação no tempo e no espaço. Alguns exemplos de atividades psicomotoras que podem ser usadas para alcançar estes objetivos são:
  • 19. Jogo da amarelinha: é bom para treinar o equilíbrio num pé só e a coordenação motora; Andar sobre uma linha reta desenhada no chão: trabalha o equilíbrio, coordenação motora e identificação corporal; Procurar uma bolinha de gude dentro de uma caixa de sapato cheia de papel amassado: trabalha a lateralidade, coordenação motora fina e global e identificação corporal; Empilhar copos: é bom para melhorar a coordenação motora fina e global, e identificação corporal; COMO É FEITA? Desenhar a si mesmo com canetas e com tinta guache: trabalha a coordenação motora fina e global, identificação corporal, lateralidade, habilidades sociais. Jogo - cabeça, ombro, joelhos e pés: é bom para trabalhar a identificação corporal, atenção e foco; Jogo da estátua: é muito bom para orientação espacial, esquema corporal e equilíbrio;
  • 20. Jogo da corrida do saco com ou sem obstáculos: trabalha orientação espacial, esquema corporal e equilíbrio; Pular corda: é ótimo para trabalhar a orientação no tempo e no espaço, além de equilíbrio, e identificação corporal. Estas brincadeiras são excelentes para ajudar no desenvolvimento e sanar dificuldades de aprendizagem. Normalmente cada atividade deve estar relacionada com a idade da criança, porque bebês e crianças com menos de 2 anos não irão conseguir pular corda, por exemplo. Certas atividades podem ser realizadas com apenas uma criança ou em grupo, e as atividades em grupo são boas para ajudar na interação social que também é importante para o desenvolvimento motor e cognitivo. As metas da psicomotricidade são: Motivar a capacidade sensitiva através das sensações e relações entre o corpo e o exterior (o outro e as coisas);
  • 21. METAS Certas atividades podem ser realizadas com apenas uma criança ou em grupo, e as atividades em grupo são boas para ajudar na interação social que também é importante para o desenvolvimento motor e cognitivo. As metas da psicomotricidade são: -Motivar a capacidade sensitiva através das sensações e relações entre o corpo e o exterior (o outro e as coisas); Cultivar a capacidade perceptiva através do conhecimento dos movimentos e da resposta corporal; - Organizar a capacidade dos movimentos representados ou expressos através de sinais, símbolos, e da utilização de objetos reais e imaginários; - Fazer com que as crianças possam descobrir e expressar suas capacidades, através da ação criativa e da expressão da emoção; - Ampliar e valorizar a identidade própria e a auto- estima dentro da pluralidade grupal
  • 22. O desenho é uma atividade espontânea e como tal, deve- se respeitá-la e considerá-la como a grande obra das crianças. Se a criança tem vontade de desenhar, anime-a sempre que o faça. O ideal seria que todas as crianças pudessem ter, desde cedo, algum contato com o lápis e o papel. Começarão com rabiscos e logo estarão desenhando formas mais reconhecíveis. Quanto mais a criança desenhar, ela se aperfeiçoará, e mais benefícios se notará no seu desenvolvimento. O desenho facilita e faz evoluir a criança na: Criar segurança e expressar-se através de diversas formas como um ser valioso, único e exclusivo; Criar uma consciência e um respeito à presença e ao espaço dos demais. Considerando-se que existe uma forte correlação entre os desenvolvimentos motores e intelectuais, e de suma importância a estimulação do desenho infantil, que representa seu primeiro “tesouro” expressivo, que muito irá contribuir para o desenvolvimento e consequentemente para a construção de sua linguagem e aprendizagem
  • 23. DESENHO - Psicomotricidade fina; - Aprendizagem (leitura e escrita); - Confiança em si mesma; - Exteriorização de suas emoções, sentimentos e sensações; - Comunicação com os demais e consigo mesma; - Criatividade; - Formação da sua personalidade; - Maturidade psicológica. A IMPORTÂNCIA DA PSICOMOTRICIDADE A Psicomotricidade contribui de maneira expressiva para a formação e estruturação do esquema corporal e tem como objetivo principal incentivar a prática do movimento em todas as etapas da vida de uma pessoa. Por meio das atividades, as pessoas, além de se divertirem, criam, interpretam e se relacionam com o mundo em que vivem. Por isso, cada vez mais se recomendam que os jogos e as brincadeiras ocupem um lugar de destaque na vida desde a infância
  • 24. A Psicomotricidade nada mais é que se relacionar por meio da ação, como um meio de tomada de consciência que une o ser corpo, o ser mente, o ser espírito, o ser natureza e o ser sociedade. A Psicomotricidade está associada à afetividade e à personalidade, porque o indivíduo utiliza seu corpo para demonstrar o que sente. VITOR DA FONSECA (1988), comenta que a "PSICOMOTRICIDADE" é atualmente concebida como a integração superior da motricidade, produto de uma relação inteligível entre a pessoa e o meio. Já na Educação Infantil, a criança busca experiências em seu próprio corpo, formando conceitos e organizando o esquema corporal. A abordagem da Psicomotricidade irá permitir a compreensão da forma como a criança toma consciência do seu corpo e das possibilidades de se expressar por meio desse corpo, localizando-se no tempo e no espaço. O movimento humano é construído em função de um objetivo. A partir de uma intenção, o movimento transforma-se em comportamento significante. É necessário que toda criança passe por todas as etapas para o desenvolvimento da linguagem.
  • 25. Segundo Barreto (2000), “O desenvolvimento psicomotor é de suma importância na prevenção de problemas da aprendizagem e na reeducação do tônus, da postura, da direcional idade, da lateralidade e do ritmo”. A educação da criança deve evidenciar a relação por meio do movimento de seu próprio corpo, levando em consideração sua idade, a cultura corporal e os seus interesses. A educação psicomotora para ser trabalhada necessita que sejam utilizadas as funções motoras, perceptivas, afetivas e sócio-motoras, pois assim a criança explora o ambiente, passa por experiências concretas, indispensáveis ao seu desenvolvimento intelectual, e é capaz de tomar consciência de si mesma e do mundo que a cerca. Concluímos que na psicomotricidade existe uma relação entre motricidade e afetividade, e que não devemos considerar apenas que são exercícios estimuladores e isolados, mas sim ter em mente uma ação capaz de proporcionar estímulos para o desenvolvimento saudável da vida intelectual e emocional das pessoas. A importância da psicomotricidade é apresentada para buscar maior compreensão da necessidade de se trabalhar o corpo e a mente, de modo que a criança domine seus movimentos e melhore sua expressão corporal
  • 26. Percebe-se então que a psicomotricidade deve ser trabalhada desde os primórdios de nossa existência, Fonseca (1996) coloca que: (...) alfabetizar a linguagem do corpo e só então caminhar para as aprendizagens triviais que mais não são que investimentos perceptivo-motor ligados por coordenadas espaços-temporais e correlacionados por melodias rítmicas de integração e resposta. Por meio da psicomotricidade a criança passa por experiências e desenvolve sua individualidade, sua linguagem e socialização. Para o terceiro dia de Curso, veremos: Psicopatologia. PSICOPATOLOGIA A psicopatologia pode ser definida como o ramo da psicologia que estuda os fenômenos patológicos ou distúrbios mentais e outros fenômenos anormais. Ela tenta, especialmente, estabelecer a diferença entre o normal e o patológico. O objetivo da psicopatologia não deve ser confundido com o da psiquiatria. O seu campo é mais restrito e se limita ao estudo dos fenômenos anormais da vida mental e tem como método a fenomenologia
  • 27. Na França, no início do século XX, Théodule Ribot (1839- 1916) criou com a psicologia científica o método patológico, que permitiu, ao estudar o que é o patológico, compreender a psicologia normal. Pouco tempo depois, Karl Jaspers institui o termo psicopatologia, ao publicar o seu livro Psicopatologia geral em 1913, na Alemanha. A psicopatologia nasce no início do século XX em França, no momento em que a psicologia, como disciplina científica, se começa a separar da filosofia. Na antiguidade greco-latina, as doenças mentais eram vistas como corpos que sofrem e almas que geram a desordem. Por sua vez, a idade média impõe o poder do religioso para explicar e tratar os casos patológicos. O século das luzes abre mais a porta aos processos de cura do que à tentativa de descrição das doenças. Segundo Pierre Pichot, psicólogo e psiquiatra francês, o termo psicopatologia foi empregue pela primeira vez em 1876, na Alemanha, mas com um sentido semelhante ao de psicologia clínica. O seu nascimento, como método e disciplina própria, ocorre bem mais tarde.
  • 28. As psicoses são doenças mentais de certa duração na qual os indivíduos perdem frequentemente o contacto com a realidade e não apresentam, na maioria das vezes, consciência do seu problema. As neuroses correspondem a perturbações psíquicas que apresentam muitos conflitos e, em geral, enfraquecem a personalidade. Na medicina, Claude Bernard vai salientar o interesse do estudo fisiopatológico, que será tomado como modelo pela psicopatologia. Sigmund Freud, entre outros, iniciam um longo caminho para a elaboração de uma nosografia do psicopatológico, ou seja, uma classificação das doenças mentais e, mais tarde, vai surgir uma classificação que apresenta três grandes categorias: a das psicoses, a das neuroses e a das psicopatias. E as psicopatias são percebidas como alterações do comportamento que resultam de perturbação da personalidade ou de desadaptação dos indivíduos, em relação a si mesmos ou ao ambiente em que se integram.
  • 29. A psicopatologia nasceu à sombra da psiquiatria, mas enquanto esta tem como objetivo a cura, a profilaxia (uso de medidas sistemáticas para evitar, prevenir uma doença) e a reeducação, fazendo uso de modelos medicinais e bioquímicos para a resolução de problemas, a psicopatologia procura observar, conhecer e compreender através de um método clínico e psicoterapêutico. O desenvolvimento deste ramo da psicologia e das suas diferentes correntes, proporciona aplicações igualmente diferentes. Neste sentido, é de referir duas grandes vertentes da psicopatologia: uma psicodinâmica (que tem como base a psicanálise e como método específico o clínico) e uma psicosistémica (que tem como base as teorias comportamentais e como método específico o experimental). A psicopatologia contemporânea tenta integrar os conhecimentos provindos de diversas ciências, visando uma perspectiva cada vez mais biopsicossocial, isto é, de um ponto de vista biológico, psicológico e social.
  • 30. Dentro deste campo, a maior controvérsia de sempre é entre a distinção e a definição do que é normal e do que é patológico. Assim, muitos especialistas da psicopatologia defendem que a saúde mental se traduz na capacidade de interação e de mudança de um indivíduo. Quanto maior for a sua capacidade de interação e de mudança, melhor será a sua saúde mental. A impossibilidade de cura é justificada pela incapacidade do doente de "acatar" a mudança ou pela incapacidade de resposta por parte do clínico. Estabelecer o que é normal e o que é patológico foi sempre algo real e problemático. Existirão sempre dúvidas, até porque o que é normal ou o que é patológico varia nos tempos, nas culturas e na maneira de encarar a vida. TRANSTORNOS MENTAIS em Crianças e Adolescentes Embora, às vezes, se admita que a infância e a adolescência sejam períodos de despreocupação e bênçãos, cerca de 20% das crianças e adolescentes apresentam um ou mais distúrbios mentais diagnosticáveis
  • 31. A maioria destes distúrbios pode ser vista como exageros ou distorções do comportamento. Assim como os adultos, as crianças e os adolescentes têm temperamento variável. Alguns são tímidos e reticentes; outros são socialmente exuberantes. Alguns são metódicos e cautelosos; outros são impulsivos e descuidados. Pode-se notar se uma criança tem o comportamento típico de uma criança ou se tem um distúrbio pela presença de debilidades relacionadas com os sintomas. Por exemplo, uma menina de 12 anos pode estar receosa com a expectativa de apresentar um trabalho escolar para sua classe. Esse receio só pode ser visto como um transtorno de ansiedade social de seus medos são graves o bastante para causar aflição e evitação significativas. O transtorno de ansiedade social é o medo persistente de dificuldades, ridículo ou humilhação em ambientes sociais. As crianças afetadas evitam situações que possam provocar exposição social (como a escola). O diagnóstico é pela história. O tratamento é feito com terapia comportamental e os ISRS nos casos graves. Muitos sintomas de disfunções se sobrepõem aos comportamentos de desafios e de emoções de crianças normais.
  • 32. Transtornos de ansiedade; Transtornos relacionados a estresse; Transtornos do humor; Transtorno obsessivo-compulsivo; Os distúrbios mentais mais comuns entre as crianças e os adolescentes são divididos nas seguintes categorias: Portanto, muitas estratégias úteis para tratar problemas comportamentais em crianças também podem ser utilizadas em crianças com transtornos mentais. Além disso, a condução apropriada dos problemas comportamentais da infância pode diminuir o risco de crianças com temperamento vulnerável do desenvolvimento destes distúrbios. Além disso, o tratamento eficaz de alguns transtornos (p. ex., ansiedade) durante a infância pode reduzir o risco de transtornos de humor mais tarde na vida
  • 33. Transtornos comportamentais disruptivos (p. ex., transtorno de deficit de atenção/hiperatividade [TDAH], transtorno de conduta e transtorno desafiador opositivo); Esquizofrenia e transtornos psicóticos relacionados são bem menos comuns. TRANSTORNOS DE ANSIEDADE SOCIAL - O transtorno de ansiedade social é o medo persistente de dificuldades, ridículo ou humilhação em ambientes sociais. As crianças afetadas evitam situações que possam provocar exposição social (como a escola). O diagnóstico é pela história. O tratamento é feito com terapia comportamental e os ISRS nos casos graves. TRANSTORNOS RELACIONADOS A ESTRESSE - O transtorno de estresse agudo (TEA) e o transtorno de estresse pós-traumático (TEPT) são reações a eventos traumáticos.
  • 34. TRANSTORNOS DO HUMOR - Transtornos depressivos são caracterizados por tristeza e irritabilidade suficientemente graves ou persistentes para interferir na atividade normal ou provocar um distúrbio considerável. O diagnóstico é por história e exame. O tratamento é com antidepressivos, terapia de suporte e cognitivo- comportamental ou uma combinação dessas modalidades. As reações envolvem pensamentos ou sonhos intrusivos, esquiva de lembranças do evento e efeitos negativos sobre o humor, cognição, excitação e reatividade. TEA tipicamente começa imediatamente após o trauma e dura de 3 dias a 1 mês. TEPT pode ser uma continuação do TEA ou pode se manifestar 6 meses após o trauma e durar menos que 1 mês. O diagnóstico é por critérios clínicos. O tratamento consiste em terapia comportamental, psicoterapia, Inibidores Seletivos da Recaptação de Serotonina (ISRS), ou antiadrenérgicos TRANSTORNO OBSESSIVO-COMPULSIVO - Transtorno obsessivo-compulsivo é caracterizado por obsessões, compulsões ou ambas. Obsessões são ideias ou imagens ou impulsos persistentes para realização de algo.
  • 35. TRANSTORNO DE DEFICIT DE ATENÇÃO/HIPERATIVIDADE (TDAH) - Transtorno de deficit de atenção/hiperatividade (TDAH) é uma síndrome de desatenção, hiperatividade e impulsividade. Há 3 tipos de TDAH, os que são predominantemente desatentos, hiperativo/impulsivos e combinados. Os critérios clínicos dão o diagnóstico. O tratamento inclui medicação com estimulantes, terapia comportamental e intervenções educacionais. Compulsões são anseios patológicos para agir impulsivamente, os quais, se forem contidos, resultam em grande ansiedade e angústia. Obsessões e compulsões causam grande angústia e interferem nas atividades acadêmicas e sociais. O diagnóstico é pela história. A terapia é comportamental e com Inibidores Seletivos da Recaptação de Serotonina - ISRS. TRANSTORNO DE CONDUTA - Transtorno de conduta é um padrão persistente ou recorrente do comportamento que viola os direitos dos outros ou as principais normas e regras próprias para a idade. O diagnóstico é pela história. O tratamento de comorbidades e psicoterapia pode ajudar; mas muitas crianças exigem supervisão considerável.
  • 36. TRANSTORNO DESAFIADOR OPOSITIVO - O transtorno desafiador opositivo é um padrão recorrente ou persistente de comportamento negativo, desafiador ou mesmo hostil direcionado contra figuras de autoridades. O diagnóstico é pela história. O tratamento é feito com psicoterapia individual associada a psicoterapias dos pais e responsáveis. Ocasionalmente podem ser usados fármacos para reduzir a irritabilidade. TRANSTORNO DE CONDUTA - Transtorno de conduta é um padrão persistente ou recorrente do comportamento que viola os direitos dos outros ou as principais normas e regras próprias para a idade. O diagnóstico é pela história. O tratamento de comorbidades e psicoterapia pode ajudar; mas muitas crianças exigem supervisão considerável. ESQUIZOFRENIA - A esquizofrenia é definida como a presença de alucinações e delírios causadores de consideráveis disfunções psicossociais com duração igual ou maior que 6 meses. Pesquisas recentes indicam que há maior risco de desenvolvimento do transtorno bipolar e a esquizofrenia em adolescentes que usam produtos de Cannabis.
  • 37. Qual a diferença entre os termos Psicopatia, Psicopatologia e Psicose? PSICOPATIA ou PSICOPATA – Em uma definição sucinta, Psicopata (ou ainda Sociopata) é o termo mais comum utilizado quando falamos de Transtorno de Personalidade Antissocial, e define o indivíduo agressor (que pode agredir tanto com palavras, quanto fisicamente – com seus atos), que normalmente tem uma aparência inofensiva e simpática, mas é manipulador, capaz de seduzir e cativar as pessoas inicialmente e, com o passar do tempo, a relação com um Psicopata pode se tornar uma verdadeira prisão envolta por terror psicológico Esse maior risco não é explicado por fatores genéticos. Há uma preocupação de que a recente legalização da maconha possa dar aos adolescentes (e seus pais) uma falsa sensação de que essa droga recreativa comum é segura.
  • 38. Qual a diferença entre os termos Psicopatia, Psicopatologia e Psicose? PSICOPATIA ou PSICOPATA – Em uma definição sucinta, Psicopata (ou ainda Sociopata) é o termo mais comum utilizado quando falamos de Transtorno de Personalidade Antissocial, e define o indivíduo agressor (que pode agredir tanto com palavras, quanto fisicamente – com seus atos), que normalmente tem uma aparência inofensiva e simpática, mas é manipulador, capaz de seduzir e cativar as pessoas inicialmente e, com o passar do tempo, a relação com um Psicopata pode se tornar uma verdadeira prisão envolta por terror psicológico. Além de tudo, o Psicopata não sente remorso ou culpa, ele pode ser convincente ao demonstrar arrependimento, mas na prática suas atitudes não mudam. Que fique claro, nem todo Psicopata é assassino, nem toda pessoa que apresenta um comportamento semelhante a este pode ser um Psicopata, o indivíduo pode estar em uma fase de instabilidade emocional que, com ajuda correta, poderá apresentar grandes mudanças
  • 39. PSICOPATIA, PSICOPATOLOGIA e PSICOSE PSICOPATOLOGIA – A Psicopatologia pode ser definida como o estudo da natureza das doenças (patologias) mentais (psico). Estuda então os fenômenos patológicos ou os distúrbios mentais e outros fenômenos considerados “anormais”. Considera-se que o comportamento anormal seja um distúrbio ocasionado pelo funcionamento patológico de alguma parte do organismo, neste caso então, o cérebro especificamente. Relacionando então o primeiro termo (PSICOPATIA ou TRANSTORNO DE PERSONALIDADE ANTISSOCIAL) e este segundo (PSICOPATOLOGIA), pode-se dizer que a Psicopatia é um tipo de Psicopatologia Assim não estamos aptos a fazer diagnósticos por conta própria e identificando nossos amigos e familiares como Psicopatas. Apenas uma avaliação psicológica segura pode dizer se uma pessoa tem ou não este tipo de transtorno.
  • 40. PSICOSE – Psicose é caracterizada pelas distorções na percepção da vida real de um indivíduo, pode incluir falta de confiança sobre a realidade e mesmo sobre quem se é (que são os delírios) e mesmo ver e ouvir coisas inexistentes (alucinações). É um estado mental patológico (ou seja, está presente então em algumas das Psicopatologias) e pode levar o indivíduo a ter comportamentos agressivos e antissociais. Inclui momentos de descontrole e agitação. Algumas causas também podem estar associadas às Psicoses, como o uso de álcool e outras drogas (durante seu uso e em momentos de abstinência), cistos ou tumores cerebrais, demências, doenças degenerativas cerebrais, infecções que podem afetar o cérebro, algumas drogas prescritas, como esteroides e estimulantes, entre outros. Concluímos que a psicopatologia é uma vital área das ciências voltadas a saúde mental, estabelece leis e padrões que auxiliam a melhor conhecer e tratar os diversos fenômenos psicopatológicos que podem envolver cada ser humano, ao passo que não podemos deixar de olhar para a individualidade ao expor essa pessoa a esses conceitos. O que a fenomenologia nos propõe é pensar o homem a partir dele mesmo e não do conceito pronto e redutivo que pode ser as classificações mentais
  • 41. Uma frase de Eleanor Longden – “A questão relevante na psicopatologia não deve ser o que há de errado com você, mas sim o que aconteceu com você.” PSICOPEDAGOGIA e a AFETIVIDADE Ao contrário do que pensa o senso comum, a Afetividade não é simplesmente o mesmo que amor, carinho, dizer sempre SIM, ou seja, sentimento apenas positivo, segundo Wallon, o termo Afetividade se refere à capacidade do ser humano ficar afetado positiva ou negativamente tanto por sensações internas como externas. A Afetividade é um dos conjuntos funcionais da pessoa e atua, juntamente com a cognição e o ato motor, no processo de desenvolvimento e construção do conhecimento. PIAGET, VYGOTSKY E WALLON Sabemos que Piaget e Vygotsky, em seus estudos, deram importância ao papel da Afetividade no processo de aprendizagem, porém foi Wallon que trabalhou mais profundamente esta questão, colocando que a vida psíquica evolui a partir de três dimensões: motora, afetiva e psíquica, que coexistem, atuam e se desenvolvem de forma integrada e, mesmo que em determinado momento uma dimensão pareça dominar, essa dominância se alterna e as conquistas ocorridas em uma são incorporadas às outras.
  • 42. Diretamente ligada à emoção, a afetividade consegue determinar o modo com que as pessoas visualizam o mundo e também a forma com que se manifesta dentro dele. Todos os fatos e acontecimentos que houve na vida de uma pessoa traz recordações e experiências por toda a sua história. Dessa forma, a presença ou ausência do afeto determina a forma com que um indivíduo se desenvolverá. Também determina a autoestima das pessoas a partir da infância, pois quando uma criança recebe afeto dos outros consegue crescer e desenvolver com segurança e determinação Portanto, a afetividade é um estado psicológico do ser humano que pode ou não ser modificado a partir das situações. Segundo Piaget, tal estado psicológico é de grande influência no comportamento e no aprendizado das pessoas juntamente com o desenvolvimento cognitivo. Faz-se presente em sentimentos, desejos, interesses, tendências, valores e emoções, ou seja, em todos os campos da vida. Para Wallon, “a dimensão afetiva ocupa lugar central, tanto do ponto de vista da construção da pessoa quanto do conhecimento”.
  • 43. Para ele, a emoção, uma das dimensões da Afetividade, é instrumento de sobrevivência inerente ao homem, é “fundamentalmente social” e “constitui também uma conduta com profundas raízes na vida orgânica”. Ele afirma ainda que: o desenvolvimento humano acontece em cinco estágios, nos quais são expressas as características de cada espécie e revelam todos os elementos que constituem a pessoa: impulsivo-emocional (de 0 a 1 ano): onde o sujeito revela sua afetividade por meio de movimentos, do toque, numa comunicação não-verbal; sensório-motor e projetivo (1 a 3 anos): a criança já fala e anda, tendo o seu interesse voltado para os objetos, para o exterior, para a exploração do meio; - personalismo (3 a 6 anos): fase da diferenciação, da formação do “eu”, da descoberta de ser diferente do “outro”; categorial (6 a 10 anos): organização do mundo em categorias leva a um melhor entendimento das diferenças entre o “eu” e o “outro”;
  • 44. indispensável a esse processo, para a formação desse indivíduo como ser social, cultural e inserido, de fato, no meio em que vive. Wallon destaca em seus estudos, que a Afetividade se expressa de três maneiras: 1. Emoção: exteriorização da afetividade, aparece desde o início da vida do ser humano e é expressa com movimentos de espasmos e contrações, liberando sensações de mal-estar ou bem- estar. Nessa teoria, a emoção é vista como indispensável à sobrevivência do ser, e, pela sua contagiosidade ela fornece o primeiro e mais forte vínculo entre os indivíduos puberdade, adolescência (11 anos em diante): acontece uma nova crise de oposição, ou seja, o conflito eu-outro retorna, desta vez como busca de uma identidade autônoma, o que possibilita maior clareza de limites, de autonomia e de dependência. É nessa fase que o indivíduo se reconhece como Ser único, com personalidade, com valores, com sentimentos. Em todos os estágios do desenvolvimento humano, segundo a teoria de Wallon, a Afetividade está presente em maior ou menor grau, haja vista a interação
  • 45. A afetividade, portanto, assim como o ato motor e a cognição, está presente durante toda a vida do sujeito devendo, pois, ser levada em conta em todo estudo sobre o desenvolvimento do ser humano, tanto no plano individual, como no social, cultural, cognitivo. Nesse contexto precisa que se valorizar a mediação social que, está na base do desenvolvimento: ela é a característica de um ser “geneticamente social” radicalmente dependente dos outros seres para subsistir e se construir enquanto ser da mesma espécie. 2. Sentimento: expressa a afetividade sem arrebatamento, com controle, pela mímica e também pela linguagem, o que o diferencia da emoção. Tem caráter cognitivo. 3. Paixão: está presente a partir da fase do personalismo e se caracteriza pelo autocontrole no domínio de uma situação, exteriorizando-se através de ciúmes e exigência de exclusividade, entre outros.
  • 46. PSICOPEDAGOGIA e a AFETIVIDADE Chegamos a um ponto importante, precisamos refletir sobre: Qual é a importância do psicopedagogo e a contribuição que este profissional pode oferecer em relação a afetividade? As dificuldades de aprendizagem precisam ser vistas como elos quebrados que bloqueiam a aprendizagem e interrompendo o processo das prazerosas novas descobertas, as causas podem ser as mais diversas, fatores internos ou externos, nas áreas orgânicas, intelectuais ou emocionais. Afeta tão negativamente a criança que rouba dela o desejo de aprender. Sabemos que o número de crianças que apresentam comprometimento na aprendizagem tem se tornado cada vez maior, o que evidencia a necessidade de intervenções psicopedagógicas no ambiente escolar de maneira preventiva (institucional) ou terapêutica (clinica). O sujeito é um ser integral e não pode ser visto de maneira dividida, o foco não é a disciplina não aprendida, mas as razões que causaram a dificuldade, o psicopedagogo precisa ter um olhar diferenciado que o capacite a restabelecer a comunicação recondicionando o sujeito a percepção de sua capacidade de apreender.
  • 47. É notório a relevância da psicopedagogia e da afetividade, visto que o espaço escolar representa um ambiente de socialização para trocas afetivas e cognitivas importantes para a formação da criança. Esse processo contribui para que pais, psicopedagogos, escola e sociedade, quando trabalharem em parcerias, possam promover efeitos muito positivos para a minimização das dificuldades que emergem no contexto escolar. Já que o espaço escolar é um ambiente de socialização para trocas afetivas e cognitivas Nadia Bossa afirma que: a psicopedagogia enquanto produção de um conhecimento científico nasceu da necessidade de uma melhor compreensão do processo de aprendizagem, não basta como aplicação da psicologia à pedagogia. Assim, a psicopedagogia não se limita tão somente a psicologia aplicada à pedagogia, constitui-se como campo de atuação em saúde e educação, englobando vários campos de conhecimento que em busca da solução dos problemas de aprendizagem, atuando em parceria com outros profissionais tais como: neurologistas, fonoaudiólogos, ortopedistas, pediatras e outros quando necessário
  • 48. Concluímos que a afetividade e sua vivência na família e na escola pode influenciar na aprendizagem e no desenvolvimento cognitivo do sujeito. E também que a afetividade é uma sensação de extrema importância para a saúde mental de todos os seres humanos por influenciar o desenvolvimento geral, o comportamento e o desenvolvimento cognitivo. E que a psicopedagogia tem uma imensa dedicação com a concretização da afetividade e da aprendizagem, de modo que haja um combate no fracasso escolar, propondo maneiras diversificadas e preventivas para diminuir os déficits de aprendizagem e melhorar as práticas pedagógicas nas escolas. É notório a relevância da psicopedagogia e da afetividade, visto que o espaço escolar representa um ambiente de socialização para trocas afetivas e cognitivas importantes para a formação da criança. Esse processo contribui para que pais, psicopedagogos, escola e sociedade, quando trabalharem em parcerias, possam promover efeitos muito positivos para a minimização das dificuldades que emergem no contexto escolar.
  • 49. A psicopedagogia é a ciência voltada para estudar o desenvolvimento do psiquismo e suas relações com o aprendizado e também para compreender e mediar conflitos advindos desse movimento. Como ciência vem constituindo conhecimentos favoráveis à prática mediadora e articuladora entre diversos campos de estudo de modo a analisar a rede de relações entre os atores envolvidos na aprendizagem, redesenhado um modelo sistêmico, onde cabe a interlocução entre inteligência/ desejo, social/individual, objetividade/subjetividade. “A afetividade não se acha excluída da cognoscibilidade, mas é preciso tomar cuidado tanto com a falta de afeto como com afetos desordenados que podem descontrolar os verdadeiros sentimentos.” - Paulo Freire Para o quinto dia de Curso, veremos: Mediação de Conflitos – Família X Escola X Sociedade MEDIAÇÃO DE CONFLITOS Família X Escola X Sociedade
  • 50. Entre as ações do psicopedagogo a reflexão e questionamentos sobre os processos didáticos, projetos pedagógicos e mesmo a dinâmica da instituição são parte do rol de atividades desse profissional. Portanto, pode mediar conflitos e propor que transforme o problema em oportunidade de crescimento, para o estudante, para a instituição e mesmo para a sociedade. A mediação de conflitos se destaca como o método adequado para resolução de conflitos continuados e uma ferramenta essencial ao processo de aprendizagem, pois se vale da técnica de negociação que é imprescindível De acordo com o artigo Primeiro do Código de Ética dos Psicopedagogos, “a Psicopedagogia é um campo de atuação em Saúde e Educação que lida com o processo de aprendizagem humana; seus padrões normais e patológicos, considerando a influência do meio - família, escola e sociedade - no seu desenvolvimento, utilizando procedimentos próprios da psicopedagogia”. Para muitas pessoas a convivência escolar é prazerosa, mas para muitos é dolorosa, pois encontram dificuldade para aprender e se relacionar com o outro.
  • 51. interesses e objetivos que há entre eles, o que acaba sendo mais um desafio enfrentado pela escola, pois não é fácil conduzir tanta divergência. Muito se tem falado em violência, indisciplina, desinteresse em estudar, falta de estrutura familiar e diversas outras causas que buscam justificar tais conflitos, contudo, as intervenções sugeridas não dão conta de subsidiá-los. Esses fatores interferem na harmonia das relações interpessoais e no processo de ensino e aprendizagem, o que acaba gerando insatisfação por parte da comunidade escolar, pois reflete no desempenho escolar dos estudantes. É importante entendermos que o conflito faz parte da vida das pessoas, pois está presente nos diversos relacionamentos interpessoais, independente do ambiente em que se está presente. Chrispino e Chrispino (2002), afirma que todos já vivenciaram alguma situação de conflito na vida, seja na infância, na adolescência, conflito intrapessoal e conflito interpessoal. E como os conflitos são próprios do comportamento do ser humano, quando nos referimos à escola, tais situações são muito mais evidentes devido a diversidade de sujeitos, e consequentemente a variedade de opiniões, ...
  • 52. Segundo Sáez de Heredia (2005): “Os conflitos nas escolas brotam como as bolhas da ebulição devido às tensões "ferventes" tanto entre os adultos como entre as crianças, bem como entre os adultos e as crianças. Com frequência, alguns problemas subjacentes, tais como a comunicação defeituosa ou as políticas ineficientes da escola, constituem a fonte de calor responsável pelas tensões.”. Logo, como instituição educativa, ela deve corresponder a esse desafio e buscar meios para contribuir no enfrentamento dos problemas, propondo medidas para mediar tais conflitos Mas ao buscar entender os conflitos, é necessário primeiramente investigar a origem deles, ou seja, o que levou a chegar em determinada situação e seu desenvolvimento, para tentar intervir positivamente, de maneira pacífica, respeitando o ser humano em sua totalidade. Por exemplo, o clima escolar pode contribuir para o conflito, pois a falta de comunicação entre seus pares, diferente do discurso democrático pelo qual a escola se propõe, torna mais evidente os comportamentos pautados na violência, como forma, até mesmo de responder a essa estrutura autoritária que a escola tem.
  • 53. A partir desse esforço da busca pela contextualização da realidade são desencadeados as ajudas necessárias: complementação da ajuda da escola; assistência social e serviços de saúde. É importante ao fazer o registro no livro de ocorrências atente para: - Descrição detalhada do conflito; - Aspectos envolvidos dos contextos em que o estudante está envolvido. Pois em muitos casos essas anotações são decisivas para entender o porquê o estudante está agindo... Assim, é importante que a mediação tenha um caráter pedagógico e que priorize a reeducação dos envolvidos a partir do ato realizado, logo gestores, professores e psicopedagogo ao chamar a família na escola para uma mediação, precisa escutar à todos e registrar os fatos. Deve ter em mente que o estudante NÃO é o que praticou. Dessa forma ele não é; e sim, está nessa condição, ou seja, seus atos é que têm essa natureza. A ênfase sobre o conflito deve ir na direção de analisar o contexto onde o estudante se insere; procurando mapear qual é sua história de vida até aquele momento.
  • 54. Após a realização desse diálogo, registram-se as informações, colhem as assinaturas de todos os presentes. Isso oficializa as intenções propostas e faz com que todos se comprometam em fazer sua parte; para que os motivos que geraram o conflitos se resolvam e não venham se repetir. Dessa forma a escola acaba atuando junto às famílias para a formação de estudantes que se tornem e desenvolvendo sua inteligência emocional daquela maneira. Por exemplo: Estudantes cujo o ambiente familiar é violento tendem a reproduzir a violência de forma natural para ele, na escola. Esse comportamento acaba chocando os demais estudantes. Assim nesse caso a família deve se responsabilizar e se comprometer com a mudança de estilo de vida para apoiar seu filho. A principal ferramenta de mediação de conflito na escola é o DIÁLOGO. Todos precisam manifestar suas opiniões e versões para que se chegue a um consenso.
  • 55. Concluímos que quando se estabelecem, na escola, ações que potencializem as capacidades positivas do aluno, quando são desenvolvidas ações que visam à prevenção de conflitos, e quando o foco para resolver as questões conflituosas deixar de ser na pessoa e passar a ser nas causas e origens do problema, certamente haverá melhora no clima escolar, e os próprios estudantes terão autonomia e habilidade para resolver seus conflitos. E que a psicopedagogia assume função mediadora ao investigar os diversos obstáculos que surgem na complexa rede da aprendizagem e participa da dinâmica das relações da comunidade educativa, com o fim de favorecer os processos de inclusão, pois somente com a capacitação de todos os envolvidos nessa área poderemos avançar. EXERCÍCIOS:
  • 56. (A) as escolas devem promover uma parceria real com as famílias, na qual os registros sirvam também para uma participação em nível de coautoria da gestão. (B) ao modificarem-se os modelos pelos quais a escola vem se estruturando ao longo das últimas décadas, é possível agravar as situações e registros de indisciplina. (C) em relação à distribuição de tarefas e relações de poder existentes na escola, mesmo nos registros da gestão democrática, fica claro que são os gestores que mandam. Organizar o trabalho na escola, abrindo espaços para a participação das famílias, não é apenas uma reestruturação da forma de trabalho, mas uma mudança de paradigma na vigência da escola, das relações de poder e distribuição de tarefas, trata-se realmente de reinventar a escola, numa perspectiva de corresponsabilidade, de participação efetiva, não apenas no fazer, mas no processo de refletir e decidir o que e como fazer.” (SANTOS, 2007. p.37) A partir dessa citação, pode-se afirmar que:
  • 57. (D) os espaços de participação e contribuição das famílias e elaboração de seus devidos registros, por si sós, já dão conta de corresponsabilizar e comprometer a todos. (E) o que e como fazer as coisas são aspectos inerentes à equipe gestora da escola, que deve informar aos pais em reunião e, para isso, registrar em ata específica. Uma relação democrática na escola é construída com base nas interações entre os diversos atores da comunidade escolar, destacando-se os estudantes e seus responsáveis. Nessas trocas realizadas no cotidiano da escola, é produzida uma série de registros com as mais diversas finalidades. Sobre os registros escolares realizados entre a escola e as famílias, analise as seguintes asserções e a relação proposta entre elas:
  • 58. (A) A asserção I é uma proposição falsa e a asserção II é uma proposição verdadeira. (B) A asserção I é uma proposição verdadeira e a asserção II é uma proposição falsa. (C) A asserção I é uma proposição falsa e a asserção II é uma proposição verdadeira. (D) As asserções I e II são verdadeiras, e a asserção II é uma justificativa correta da asserção I. (E) As asserções I e II são proposições falsas e sem complementação. I. Os registros realizados entre a escola e a família cumprem com a importante finalidade de promover a gestão democrática da escola pública ao mesmo tempo em que focalizam no desenvolvimento dos estudantes. PORQUE II. Sempre que um registro é efetuado, no entendimento de uma relação de parceria entre a escola e a família, o principal ator envolvido e que deve ser considerado é o estudante e seu contexto.
  • 59. A) as escolas devem promover uma parceria real com as famílias, na qual os registros sirvam também para uma participação em nível de coautoria da gestão. (B) ao modificarem-se os modelos pelos quais a escola vem se estruturando ao longo das últimas décadas, é possível agravar as situações e registros de indisciplina. (C) em relação à distribuição de tarefas e relações de poder existentes na escola, mesmo nos registros da gestão democrática, fica claro que são os gestores que mandam. (D) os espaços de participação e contribuição das famílias e elaboração de seus devidos registros, por si sós, já dão conta de corresponsabilizar e comprometer a todos. (E) o que e como fazer as coisas são aspectos inerentes à equipe gestora da escola, que deve informar aos pais em reunião e, para isso, registrar em ata específica.
  • 60. Uma relação democrática na escola é construída com base nas interações entre os diversos atores da comunidade escolar, destacando-se os estudantes e seus responsáveis. Nessas trocas realizadas no cotidiano da escola, é produzida uma série de registros com as mais diversas finalidades. Sobre os registros escolares realizados entre a escola e as famílias, analise as seguintes asserções e a relação proposta entre elas: I. Os registros realizados entre a escola e a família cumprem com a importante finalidade de promover a gestão democrática da escola pública ao mesmo tempo em que focalizam no desenvolvimento dos estudantes. PORQUE II. Sempre que um registro é efetuado, no entendimento de uma relação de parceria entre a escola e a família, o principal ator envolvido e que deve ser considerado é o estudante e seu contexto
  • 61. Existem muitos temas que fazem com que se produzam registros entre a escola e a família, como: questões pedagógicas, indisciplina, reconhecimento, questões administrativas, violência ou bullying. Sobre esses temas, analise as alternativas a seguir e marque aquela que apresenta uma descrição correta (A) A asserção I é uma proposição falsa e a asserção II é uma proposição verdadeira. (B) A asserção I é uma proposição verdadeira e a asserção II é uma proposição falsa. (C) A asserção I é uma proposição falsa e a asserção II é uma proposição verdadeira. (D) As asserções I e II são verdadeiras, e a asserção II é uma justificativa correta da asserção I. (E) As asserções I e II são proposições falsas e sem complementação.
  • 62. (A) Fazem parte dos registros de indisciplina os bilhetes e avisos da escola para retirar materiais como livros e uniformes. (B) Toda vez que, em sala de aula, ocorre alguma manifestação de desobediência do estudante, gera-se o registro desse bullying. (C) Os registros de reconhecimentos servem para mediar situações de conflitos em que existam agressão verbal ou física entre os alunos. (D) As questões pedagógicas que envolvem os registros normalmente se referem a aspectos do rendimento escolar deste aluno em questão. (E) Na existência de violência entre os estudantes, faz-se um registro de indisciplina no caderno do aluno e pede-se a assinatura dos pais.
  • 63. Os registros formais da presença dos pais na escola normalmente compõem os registros realizados em atas próprias, o que ocorre nas reuniões ordinárias da escola e dos órgãos colegiados que a compõem. Sobre a escrituração das atas na escola, analise as seguintes asserções: ( ) Os livros de ata possuem termos de abertura e de encerramento e folhas numeradas tipograficamente. ( ) Ao realizar a escrita da ata, podem ser deixados espaços em branco para complementação de ideias posteriormente. ( ) Assinam a ata, após sua leitura ao grupo que se encontra reunido, todos os presentes na assembleia. ( ) Na escrituração de uma ata não podem existir rasuras; neste caso, ao errar, utiliza-se a expressão “digo” e a reescrita. ( ) Quando se percebe que a ata não registrou algum fato pertinente, em seu final se escreve “Em tempo” e faz-se a complementação
  • 64. Assinale a alternativa que indica corretamente quais são verdadeiras (V) e quais são falsas (F). (A) F, V, F, V, F. (B) V, V, F, F, V. (C) V, F, V, V, V. (D) F, V, V, F, F. (E) F, V, F, F, V. 1 - (A) 2 - (D) 3 - (D) 4 - (C) GABARITO OBRIGADA
  • 65. E-book oferecido pelo Centro Educacional Sete de Setembro em parceria com o Professora Sueli Julioti para o curso de "Psicopedagogia".