SlideShare uma empresa Scribd logo
PRÁTICAS DE LETRAMENTO
DIGITAL NO SKOOB
Sérgio Araújo de Mendonça
Filho[IFPB]

5º Simpósio Hipertexto e Tecnologias na Educação e 1º Colóquio Internacional de Educação com Tecnologias
Aprendizagem móvel dentro e fora da escola

UFPE.Recife/PE
Novembro/2013
APRESENTAÇÃO
Trabalhar literatura no ensino médio e promover a leitura literária de
maneira integral, tem exigido do professor de língua portuguesa uma
mudança de atitude a fim de promover o letramento necessário aos
jovens nesse nível de ensino. Desse modo, com o auxílio das
ferramentas digitais bastante conhecidas pelos estudantes,
resolvemos promover o letramento literário (COSSON, 2012) e
ressignificar o letramento digital (COSCARELLI e RIBEIRO, 2011;
RIBEIRO e NOVAIS, 2012; RIBEIRO, 2012) em práticas sociais de
leitura e escrita na rede social de leitores Skoob, a partir da leitura
do romance Senhora, de José de Alencar, culminando na produção
do gênero textual resenha.

5º Simpósio Hipertexto e Tecnologias na Educação e 1º Colóquio Internacional de Educação com Tecnologias
Aprendizagem móvel dentro e fora da escola

UFPE.Recife/PE
Novembro/2013
OBJETIVOS GERAIS
•Estimular a leitura literária de clássicos da literatura brasileira;
•Ressignificar o letramento digital.
OBJETIVOS ESPECÍFICOS
•Possibilitar a apreensão dos vários conhecimentos obtidos pela
leitura literária;
•Reconhecer na prática de leitura as funções da literatura;
•Interagir nas redes sociais de forma significativa;
•Produzir gêneros textuais como forma de apropriar-se dos
mecanismos linguísticos da língua em sua modalidade escrita culta.
5º Simpósio Hipertexto e Tecnologias na Educação e 1º Colóquio Internacional de Educação com Tecnologias
Aprendizagem móvel dentro e fora da escola

UFPE.Recife/PE
Novembro/2013
LEITURA LITERÁRIA E FERRAMENTAS DIGITAIS

Para Ivanda Martins “O ensino de literatura precisa estar atrelado ao
contexto dinâmico das novas ferramentas tecnológicas. No contexto
atual, marcado pela cibercultura, [...] a literatura busca caminhos para
se adaptar à era [...] da hipermídia...(In BUNZEN e MENDONÇA,
2006, p.97) ”.

5º Simpósio Hipertexto e Tecnologias na Educação e 1º Colóquio Internacional de Educação com Tecnologias
Aprendizagem móvel dentro e fora da escola

UFPE.Recife/PE
Novembro/2013
FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA

Pautamo-nos em Lévy (1999) para compreensão do ciberespaço e do
que o autor chama de “comunidade atual”; em Xavier (2009) quando
discorre sobre os suportes de leitura; de Marcuschi (2008, p.217) a ideia
de gênero como forma de “consumo”; de Magda Soares o conceito de
letramento; de Cosson (2012) e Ribeiro & Novais (2012), os de
letramento literário e letramento digital respectivamente.

5º Simpósio Hipertexto e Tecnologias na Educação e 1º Colóquio Internacional de Educação com Tecnologias
Aprendizagem móvel dentro e fora da escola

UFPE.Recife/PE
Novembro/2013
LETRAMENTO

Para Magda Soares (2012, p.20) “[...]não basta apenas ler e escrever,
é preciso também saber fazer uso do ler e do escrever, saber fazer
uso das exigências de leitura e de escrita que a sociedade faz
continuamente”.

5º Simpósio Hipertexto e Tecnologias na Educação e 1º Colóquio Internacional de Educação com Tecnologias
Aprendizagem móvel dentro e fora da escola

UFPE.Recife/PE
Novembro/2013
LETRAMENTO LITERÁRIO
“[...] o letramento literário é uma prática social e, como tal,
responsabilidade da escola. A questão a ser enfrentada não é se a
escola deve ou não escolarizar a literatura [...], mas sim como fazer
essa escolarização sem descaracterizá-la, sem transformá-la em um
simulacro de si mesma que mais nega do que confirma seu poder de
humanização.” (COSSON, 2012, p. 23)

5º Simpósio Hipertexto e Tecnologias na Educação e 1º Colóquio Internacional de Educação com Tecnologias
Aprendizagem móvel dentro e fora da escola

UFPE.Recife/PE
Novembro/2013
LETRAMENTO DIGITAL
Segundo Ana Elisa Ribeiro (RIBEIRO, In RIBEIRO e NOVAIS, 2012. p.15)
o “interessante é envolver tecnologias digitais nas propostas
escolares, sem perder o sentido dos conteúdos e das habilidades a
serem desenvolvidas, isto é, aquelas que são curriculares e
importantes para a educação escolar”

5º Simpósio Hipertexto e Tecnologias na Educação e 1º Colóquio Internacional de Educação com Tecnologias
Aprendizagem móvel dentro e fora da escola

UFPE.Recife/PE
Novembro/2013
SKOOB: REDE SOCIAL DE LEITORES
Figura 1: Interface do Skoob

Fonte http://www.skoob.com.br/

5º Simpósio Hipertexto e Tecnologias na Educação e 1º Colóquio Internacional de Educação com Tecnologias
Aprendizagem móvel dentro e fora da escola

UFPE.Recife/PE
Novembro/2013
Figura 2: Página de um perfil no Skoob

5º Simpósio Hipertexto e Tecnologias na Educação e 1º Colóquio Internacional de Educação com Tecnologias
Aprendizagem móvel dentro e fora da escola

UFPE.Recife/PE
Novembro/2013
Figura 3: gráfico multimodal de leitura

5º Simpósio Hipertexto e Tecnologias na Educação e 1º Colóquio Internacional de Educação com Tecnologias
Aprendizagem móvel dentro e fora da escola

UFPE.Recife/PE
Novembro/2013
COMUNIDADE ATUAL
o Skoob se insere perfeitamente no que Lévy (1999, p. 132) prefere
chamar de “comunidade atual”, porque “ realizam de fato uma
verdadeira atualização (no sentido da criação de um contato efetivo)
de grupos humanos que eram apenas potenciais antes do surgimento
do ciberespaço. A expressão “comunidade atual” seria, no fundo,
muito mais adequada para descrever os fenômenos de comunicação
coletiva no ciberespaço do que “comunidade virtual”.

5º Simpósio Hipertexto e Tecnologias na Educação e 1º Colóquio Internacional de Educação com Tecnologias
Aprendizagem móvel dentro e fora da escola

UFPE.Recife/PE
Novembro/2013
METODOLOGIA
Para a aplicação do projeto utilizamo-nos da sequência básica de
leitura literária proposta por Cosson (2012):
•Motivação;
•Introdução;
•Leitura;
•Interpretação.

5º Simpósio Hipertexto e Tecnologias na Educação e 1º Colóquio Internacional de Educação com Tecnologias
Aprendizagem móvel dentro e fora da escola

UFPE.Recife/PE
Novembro/2013
MOTIVAÇÃO
A motivação partiu da leitura em sala do conto Um divórcio nos
Alpes, de Robert Barr, que estabelece uma relação de
intertextualidade com o romance Senhora, pois narra um episódio na
vida de um casal em crise conjugal, perpassando também pela
temática da vingança feminina e do casamento de aparência, tal qual
na obra alencarina.

5º Simpósio Hipertexto e Tecnologias na Educação e 1º Colóquio Internacional de Educação com Tecnologias
Aprendizagem móvel dentro e fora da escola

UFPE.Recife/PE
Novembro/2013
INTRODUÇÃO
A introdução é a apresentação do autor e da obra. Apresentamos
José de Alencar aos alunos destacando a importância do projeto de
uma literatura eminentemente brasileira construída pelo escritor em
seus mais variados romances, que visam retratar, a maneira do
romantismo, as faces de nossa nação por meio dos romances
indianistas, históricos, regionalistas e urbanos. Depois apresentamos
o romance a ser lido através da leitura de uma resenha que não
revelasse maiores detalhes da história, mas apenas introduzisse a
turma no universo da leitura que eles mesmos teriam de percorrer.

5º Simpósio Hipertexto e Tecnologias na Educação e 1º Colóquio Internacional de Educação com Tecnologias
Aprendizagem móvel dentro e fora da escola

UFPE.Recife/PE
Novembro/2013
LEITURA
A terceira etapa da sequência é a leitura. Nela o essencial é o
acompanhamento da leitura dos alunos pelo professor. A forma que
encontramos para unir letramento literário e letramento digital pode
ser observada nessa etapa do processo que consiste na produção de
resumos periódicos da obra lida com o auxílio de uma ferramenta do
Skoob chamada “Histórico do progresso da minha leitura”. Por ela
acompanhamos a leitura dos alunos, suas compreensões e impressões
pessoais sobre a história.

5º Simpósio Hipertexto e Tecnologias na Educação e 1º Colóquio Internacional de Educação com Tecnologias
Aprendizagem móvel dentro e fora da escola

UFPE.Recife/PE
Novembro/2013
Figura 4: Histórico de leitura

5º Simpósio Hipertexto e Tecnologias na Educação e 1º Colóquio Internacional de Educação com Tecnologias
Aprendizagem móvel dentro e fora da escola

UFPE.Recife/PE
Novembro/2013
INTERVALOS

Os intervalos são na sequência de Cosson (2012) atividades
específicas que mantêm o ritmo e o interesse pela leitura da obra
proposta. Em nosso projeto, além do acompanhamento já
comentado, trabalhamos conforme propõe o autor, realizando em
sala leituras que focalizem e permitam tecer aproximações com o
tema da obra principal.
Para isso, criamos no Skoob um grupo de debate destinado à turma,
intitulado “Skoobers do IFPB campus João Pessoa” (Disponível em
http://www.skoob.com.br/grupo/24-skoobers-do-ifpb-campus-joao-pessoa
). Nele, interagíamos a distância a partir de um ponto específico
sobre a leitura.

5º Simpósio Hipertexto e Tecnologias na Educação e 1º Colóquio Internacional de Educação com Tecnologias
Aprendizagem móvel dentro e fora da escola

UFPE.Recife/PE
Novembro/2013
SKOOBERS DO IFPB
Figura 5: Página do grupo

5º Simpósio Hipertexto e Tecnologias na Educação e 1º Colóquio Internacional de Educação com Tecnologias
Aprendizagem móvel dentro e fora da escola

UFPE.Recife/PE
Novembro/2013
INTERVALO 1
Nossa primeira atividade do intervalo girou em torno da personagem
principal que inspirou o título do romance: a Senhora Aurélia
Camargo. Em sala, trabalhamos um trecho de outra história de
Alencar, A viuvinha. O objetivo foi comparar a personagem Carolina
a Aurélia para que os alunos pudessem conhecer os perfis femininos
na literatura alencarina, identificando pela linguagem as
características dessas personagens. No grupo do Skoob, lançamos um
debate sobre a protagonista de Senhora cujo tópico é seu nome:
“Aurélia Camargo”. Nesse tópico os alunos puderam escrever as
primeiras impressões que tiveram da personagem.

5º Simpósio Hipertexto e Tecnologias na Educação e 1º Colóquio Internacional de Educação com Tecnologias
Aprendizagem móvel dentro e fora da escola

UFPE.Recife/PE
Novembro/2013
Figura 6: Fórum sobre Aurélia

5º Simpósio Hipertexto e Tecnologias na Educação e 1º Colóquio Internacional de Educação com Tecnologias
Aprendizagem móvel dentro e fora da escola

UFPE.Recife/PE
Novembro/2013
INTERVALO 2

A segunda atividade do intervalo foi sobre o par romântico de
Aurélia, Fernando Seixas. Em sala debatemos os motivos pelos quais
Fernando preocupa-se tanto com o status. Os que não opinaram
oralmente puderam na rede fazê-lo pela escrita em tópico intitulado
“Fernando Seixas”.

5º Simpósio Hipertexto e Tecnologias na Educação e 1º Colóquio Internacional de Educação com Tecnologias
Aprendizagem móvel dentro e fora da escola

UFPE.Recife/PE
Novembro/2013
Figura 7: Fórum sobre Fernando Seixas

5º Simpósio Hipertexto e Tecnologias na Educação e 1º Colóquio Internacional de Educação com Tecnologias
Aprendizagem móvel dentro e fora da escola

UFPE.Recife/PE
Novembro/2013
INTERVALO 3
Para a terceira atividade lemos o conto Um e outro, de Lima Barreto,
sobre uma mulher que se interessa por um rapaz que possui um carro
de luxo. Em sala estabelecemos as devidas comparações com
Senhora, identificando não apenas a aproximação temática, mas
também as diferenças de linguagem entre um autor filiado ao
romantismo e outro pertencente ao que tradicionalmente a
historiografia literária chama de pré-modernismo, além de
debatermos a respeito das pessoas que se aproximam das outras
interessadas em seus bens materiais. No grupo, sob o tópico
“interesse” indagamos inicialmente “O que o tema do casamento por
interesse e, por extensão, do relacionamento por interesse revelam
sobre os valores da sociedade em uma época?”.
5º Simpósio Hipertexto e Tecnologias na Educação e 1º Colóquio Internacional de Educação com Tecnologias
Aprendizagem móvel dentro e fora da escola

UFPE.Recife/PE
Novembro/2013
Figura 8: Fórum sobre a temática do interesse

5º Simpósio Hipertexto e Tecnologias na Educação e 1º Colóquio Internacional de Educação com Tecnologias
Aprendizagem móvel dentro e fora da escola

UFPE.Recife/PE
Novembro/2013
INTERVALO 4
Já com o romance finalizado pela maioria da turma, levamos para
leitura em sala o mito de Cupido e Psique, seguido de algumas
questões relativas a força que o sentimento do amor promove nas
pessoas e sobre a purificação que esse sentimento gerou no casal
protagonista. Assim, concluímos nossas atividades no grupo com o
tópico “purificação”, cuja pergunta indagava “De que modo o amor
purifica o que passaram Aurélia e Seixas até se declararem
sinceramente um ao outro?”

5º Simpósio Hipertexto e Tecnologias na Educação e 1º Colóquio Internacional de Educação com Tecnologias
Aprendizagem móvel dentro e fora da escola

UFPE.Recife/PE
Novembro/2013
Figura 9: Fórum sobre a purificação do amor

5º Simpósio Hipertexto e Tecnologias na Educação e 1º Colóquio Internacional de Educação com Tecnologias
Aprendizagem móvel dentro e fora da escola

UFPE.Recife/PE
Novembro/2013
INTEPRETAÇÃO
Finalmente, para a interpretação, que consiste na “externalização
da leitura, isto é, seu registro” (COSSON, 2012. p. 66), propomos a
produção de uma resenha sobre o romance lido e exaustivamente
debatido (em sala e no ciberespaço). As resenhas produzidas podem
ser lidas em http://www.skoob.com.br/livro/resenhas/534.
Para a apropriação e produção da resenha trabalhamos com a
Sequência didática de ensino dos gêneros de schneuwly e Dolz (2011),
entendendo o gênero como forma histórica que circula “na sociedade
para consumo dos falantes e leitores em geral” (MARCUSCHI, 2008,
p.217)
5º Simpósio Hipertexto e Tecnologias na Educação e 1º Colóquio Internacional de Educação com Tecnologias
Aprendizagem móvel dentro e fora da escola

UFPE.Recife/PE
Novembro/2013
Figura 10: produção e publicação da resenha

5º Simpósio Hipertexto e Tecnologias na Educação e 1º Colóquio Internacional de Educação com Tecnologias
Aprendizagem móvel dentro e fora da escola

UFPE.Recife/PE
Novembro/2013
CONSIDERAÇÕES FINAIS
Cientes de que o processo de ensino-aprendizagem das práticas de
letramento deve ser constante e contínuo, sabemos que a proposta
cujos resultados aqui expomos não deve se esgotar na execução de
um único projeto, mas sim prosseguir numa prática ininterrupta para
a promoção do letramento a ser proporcionado pelo professor,
formando cidadãos altamente letrados e, portanto capazes de
dominarem as práticas sociais de leitura e escrita a fim de melhor
interagirem socialmente.

5º Simpósio Hipertexto e Tecnologias na Educação e 1º Colóquio Internacional de Educação com Tecnologias
Aprendizagem móvel dentro e fora da escola

UFPE.Recife/PE
Novembro/2013
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
ALENCAR, José de. Senhora. 2º ed. São Paulo: Scipione, 2004. 194
p.
BARR, Robert. Um divórcio nos Alpes. Conhecimento prático
literatura, São Paulo, n.29, p.11-14, 2010.
BARRETO, Lima. Os melhores contos. São Paulo: Martin Claret,
2002. 168 p.
BULFINCH, Thomas. O livro de ouro da mitologia: histórias de
deuses e heróis. [tradução de David Jardim]. 26º ed. Rio de Janeiro:
Ediouro, 2002. 416 p.
BUNZEN, Clécio; MENDONÇA, Márcia. (Orgs.). Português no
Ensino Médio e Formação do Professor. São Paulo: Parábola
Editorial, 2006. 256 p.

5º Simpósio Hipertexto e Tecnologias na Educação e 1º Colóquio Internacional de Educação com Tecnologias
Aprendizagem móvel dentro e fora da escola

UFPE.Recife/PE
Novembro/2013
COSCARELLI, Carla Viana & RIBEIRO, Ana Elisa. (Orgs.) Letramento
digital: aspectos sociais e possibilidades pedagógicas. 3º edição,
Belo Horizonte: Ceale, Autêntica, 2011. 248 p.
COSSON, Rildo. Letramento literário. 2º ed., São Paulo: Contexto,
2012. 144 p.
DALVI, Maria Amélia; REZENDE, Neide Luzia; JOVER-FALEIROS,
Rita (Orgs.) Leitura de literatura na escola. São Paulo: Parábola,
2013. 168 p.
LÉVY, Pierre. Cibercultura. [tradução de Carlos Irineu da Costa]. São
Paulo: Editora 34, 1999. 272 p.
MARCUSCHI, Luiz Antônio. Produção textual, análise de gêneros e
compreensão. São Paulo: Parábola, 2008. 296 p.

5º Simpósio Hipertexto e Tecnologias na Educação e 1º Colóquio Internacional de Educação com Tecnologias
Aprendizagem móvel dentro e fora da escola

UFPE.Recife/PE
Novembro/2013
______________________. Novas tecnologias para ler e escrever –
algumas ideias sobre ambientes e ferramentas digitais na sala de aula.
Belo Horizonte: RHJ, 2012. 136 p.
SOARES, Magda. Letramento: um tema em três gêneros. 3º ed., Belo
Horizonte: Autêntica Editora, 2012. 128 p.
XAVIER, Antonio Carlos. A era do hipertexto: linguagem e tecnologia.
Recife: Ed. Universitária da UFPE, 2009. 228 p.

5º Simpósio Hipertexto e Tecnologias na Educação e 1º Colóquio Internacional de Educação com Tecnologias
Aprendizagem móvel dentro e fora da escola

UFPE.Recife/PE
Novembro/2013
Obrigado!
Sérgio Filho
sergio.mendonca@ifpb.edu.br

5º Simpósio Hipertexto e Tecnologias na Educação e 1º Colóquio Internacional de Educação com Tecnologias
Aprendizagem móvel dentro e fora da escola

UFPE.Recife/PE
Novembro/2013

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

O ENSINO DE LÍNGUA ESPANHOLA MEDIADO PELAS NOVAS TECNOLOGIAS: DA SALA DE AULA...
O ENSINO DE LÍNGUA ESPANHOLA MEDIADO PELAS NOVAS TECNOLOGIAS: DA SALA DE AULA...O ENSINO DE LÍNGUA ESPANHOLA MEDIADO PELAS NOVAS TECNOLOGIAS: DA SALA DE AULA...
O ENSINO DE LÍNGUA ESPANHOLA MEDIADO PELAS NOVAS TECNOLOGIAS: DA SALA DE AULA...
Elaine Teixeira
 
Fundamentos da educacao a distancia midias e ambientes virtuais
Fundamentos da educacao a distancia midias e  ambientes virtuaisFundamentos da educacao a distancia midias e  ambientes virtuais
Fundamentos da educacao a distancia midias e ambientes virtuais
Marcelo Henderson Salles
 
Material Didatico Ead
Material Didatico EadMaterial Didatico Ead
Material Didatico Ead
joao jose saraiva da fonseca
 
Literacia da informação - parte 4
Literacia da informação - parte 4Literacia da informação - parte 4
Literacia da informação - parte 4
Manuela Silva
 
Thiago torbes prates
Thiago torbes pratesThiago torbes prates
Thiago torbes prates
equipetics
 
ALFABETIZAÇÃO E INCLUSÃO DIGITAL NA EJA
ALFABETIZAÇÃO E INCLUSÃO DIGITAL NA EJAALFABETIZAÇÃO E INCLUSÃO DIGITAL NA EJA
ALFABETIZAÇÃO E INCLUSÃO DIGITAL NA EJA
Jacqueline Carvalho Professora
 
A rede social My English Club como um recurso tecnológico nos ambientes prese...
A rede social My English Club como um recurso tecnológico nos ambientes prese...A rede social My English Club como um recurso tecnológico nos ambientes prese...
A rede social My English Club como um recurso tecnológico nos ambientes prese...
Joyce Fettermann
 
O ensino e a aprendizagem de língua espanhola por meio de redes sociais
O ensino e a aprendizagem de língua espanhola por meio de redes sociaisO ensino e a aprendizagem de língua espanhola por meio de redes sociais
O ensino e a aprendizagem de língua espanhola por meio de redes sociais
Carolina Viviana Alayo Hidalgo Schulz
 
Mídias e materiais didáticos na ead
Mídias e materiais didáticos na eadMídias e materiais didáticos na ead
Mídias e materiais didáticos na ead
vinivs
 
Eja e internet conedu
Eja e internet coneduEja e internet conedu
Eja e internet conedu
Jacqueline Carvalho Professora
 
Educação e cibercultura
Educação e ciberculturaEducação e cibercultura
Educação e cibercultura
Selma1962
 
NOVAS TECNOLOGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: QUEM USA A FAVOR DE QUEM ...
NOVAS TECNOLOGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: QUEM  USA A FAVOR DE QUEM ...NOVAS TECNOLOGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: QUEM  USA A FAVOR DE QUEM ...
NOVAS TECNOLOGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: QUEM USA A FAVOR DE QUEM ...
Bianca Santana
 
Educação e Cibercultura
Educação e CiberculturaEducação e Cibercultura
Educação e Cibercultura
Lisandre Orti
 
Eja E Novas Tecnologias - Alexandra Ribeiro
Eja E Novas Tecnologias - Alexandra RibeiroEja E Novas Tecnologias - Alexandra Ribeiro
Eja E Novas Tecnologias - Alexandra Ribeiro
marcusbrandao1
 
Conflitos de gerações tecnologias
Conflitos de gerações tecnologiasConflitos de gerações tecnologias
Conflitos de gerações tecnologias
Robério Barreto
 
A tessitura do conhecimento via mídias e redes sociais da internet: Notas de ...
A tessitura do conhecimento via mídias e redes sociais da internet: Notas de ...A tessitura do conhecimento via mídias e redes sociais da internet: Notas de ...
A tessitura do conhecimento via mídias e redes sociais da internet: Notas de ...
Rosemary Santos
 
A utilização de blogs no processo de letramento digital
A utilização de blogs no processo de letramento digitalA utilização de blogs no processo de letramento digital
A utilização de blogs no processo de letramento digital
Lívia Dutra
 
FORMAÇÃO DE GRADUANDOS EM LETRAS NA ERA DAS TECNOLOGIAS DIGITAIS: RELATO DE E...
FORMAÇÃO DE GRADUANDOS EM LETRAS NA ERA DAS TECNOLOGIAS DIGITAIS: RELATO DE E...FORMAÇÃO DE GRADUANDOS EM LETRAS NA ERA DAS TECNOLOGIAS DIGITAIS: RELATO DE E...
FORMAÇÃO DE GRADUANDOS EM LETRAS NA ERA DAS TECNOLOGIAS DIGITAIS: RELATO DE E...
Elaine Teixeira
 
O uso das TIC's na Educação - Proinfo
O uso das TIC's na Educação - ProinfoO uso das TIC's na Educação - Proinfo
O uso das TIC's na Educação - Proinfo
Lívia Miranda
 
Literacia digital
Literacia digitalLiteracia digital
Literacia digital
Biblioteca Avelar Brotero
 

Mais procurados (20)

O ENSINO DE LÍNGUA ESPANHOLA MEDIADO PELAS NOVAS TECNOLOGIAS: DA SALA DE AULA...
O ENSINO DE LÍNGUA ESPANHOLA MEDIADO PELAS NOVAS TECNOLOGIAS: DA SALA DE AULA...O ENSINO DE LÍNGUA ESPANHOLA MEDIADO PELAS NOVAS TECNOLOGIAS: DA SALA DE AULA...
O ENSINO DE LÍNGUA ESPANHOLA MEDIADO PELAS NOVAS TECNOLOGIAS: DA SALA DE AULA...
 
Fundamentos da educacao a distancia midias e ambientes virtuais
Fundamentos da educacao a distancia midias e  ambientes virtuaisFundamentos da educacao a distancia midias e  ambientes virtuais
Fundamentos da educacao a distancia midias e ambientes virtuais
 
Material Didatico Ead
Material Didatico EadMaterial Didatico Ead
Material Didatico Ead
 
Literacia da informação - parte 4
Literacia da informação - parte 4Literacia da informação - parte 4
Literacia da informação - parte 4
 
Thiago torbes prates
Thiago torbes pratesThiago torbes prates
Thiago torbes prates
 
ALFABETIZAÇÃO E INCLUSÃO DIGITAL NA EJA
ALFABETIZAÇÃO E INCLUSÃO DIGITAL NA EJAALFABETIZAÇÃO E INCLUSÃO DIGITAL NA EJA
ALFABETIZAÇÃO E INCLUSÃO DIGITAL NA EJA
 
A rede social My English Club como um recurso tecnológico nos ambientes prese...
A rede social My English Club como um recurso tecnológico nos ambientes prese...A rede social My English Club como um recurso tecnológico nos ambientes prese...
A rede social My English Club como um recurso tecnológico nos ambientes prese...
 
O ensino e a aprendizagem de língua espanhola por meio de redes sociais
O ensino e a aprendizagem de língua espanhola por meio de redes sociaisO ensino e a aprendizagem de língua espanhola por meio de redes sociais
O ensino e a aprendizagem de língua espanhola por meio de redes sociais
 
Mídias e materiais didáticos na ead
Mídias e materiais didáticos na eadMídias e materiais didáticos na ead
Mídias e materiais didáticos na ead
 
Eja e internet conedu
Eja e internet coneduEja e internet conedu
Eja e internet conedu
 
Educação e cibercultura
Educação e ciberculturaEducação e cibercultura
Educação e cibercultura
 
NOVAS TECNOLOGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: QUEM USA A FAVOR DE QUEM ...
NOVAS TECNOLOGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: QUEM  USA A FAVOR DE QUEM ...NOVAS TECNOLOGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: QUEM  USA A FAVOR DE QUEM ...
NOVAS TECNOLOGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: QUEM USA A FAVOR DE QUEM ...
 
Educação e Cibercultura
Educação e CiberculturaEducação e Cibercultura
Educação e Cibercultura
 
Eja E Novas Tecnologias - Alexandra Ribeiro
Eja E Novas Tecnologias - Alexandra RibeiroEja E Novas Tecnologias - Alexandra Ribeiro
Eja E Novas Tecnologias - Alexandra Ribeiro
 
Conflitos de gerações tecnologias
Conflitos de gerações tecnologiasConflitos de gerações tecnologias
Conflitos de gerações tecnologias
 
A tessitura do conhecimento via mídias e redes sociais da internet: Notas de ...
A tessitura do conhecimento via mídias e redes sociais da internet: Notas de ...A tessitura do conhecimento via mídias e redes sociais da internet: Notas de ...
A tessitura do conhecimento via mídias e redes sociais da internet: Notas de ...
 
A utilização de blogs no processo de letramento digital
A utilização de blogs no processo de letramento digitalA utilização de blogs no processo de letramento digital
A utilização de blogs no processo de letramento digital
 
FORMAÇÃO DE GRADUANDOS EM LETRAS NA ERA DAS TECNOLOGIAS DIGITAIS: RELATO DE E...
FORMAÇÃO DE GRADUANDOS EM LETRAS NA ERA DAS TECNOLOGIAS DIGITAIS: RELATO DE E...FORMAÇÃO DE GRADUANDOS EM LETRAS NA ERA DAS TECNOLOGIAS DIGITAIS: RELATO DE E...
FORMAÇÃO DE GRADUANDOS EM LETRAS NA ERA DAS TECNOLOGIAS DIGITAIS: RELATO DE E...
 
O uso das TIC's na Educação - Proinfo
O uso das TIC's na Educação - ProinfoO uso das TIC's na Educação - Proinfo
O uso das TIC's na Educação - Proinfo
 
Literacia digital
Literacia digitalLiteracia digital
Literacia digital
 

Destaque

Letramento Digital_Tecnologias e aprendizagem para o desenvolvimento humano
Letramento Digital_Tecnologias e aprendizagem para o desenvolvimento humanoLetramento Digital_Tecnologias e aprendizagem para o desenvolvimento humano
Letramento Digital_Tecnologias e aprendizagem para o desenvolvimento humano
Mila Gonçalves
 
Novas tecnologias na área da educação - Apresentação 1
Novas tecnologias na área da educação - Apresentação 1Novas tecnologias na área da educação - Apresentação 1
Novas tecnologias na área da educação - Apresentação 1
rodrigopinto77
 
FACEBOOK COMO SUPORTE TECNOLÓGICO PARA AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM: A EX...
FACEBOOK COMO SUPORTE TECNOLÓGICO PARA AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM: A EX...FACEBOOK COMO SUPORTE TECNOLÓGICO PARA AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM: A EX...
FACEBOOK COMO SUPORTE TECNOLÓGICO PARA AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM: A EX...
José Erigleidson da Silva
 
LETRAMENTO DIGITAL: A PRÁTICA DE LEITURA E DE ESCRITA MEDIADA PELO BLOG
LETRAMENTO DIGITAL: A PRÁTICA DE LEITURA E DE ESCRITA MEDIADA PELO BLOGLETRAMENTO DIGITAL: A PRÁTICA DE LEITURA E DE ESCRITA MEDIADA PELO BLOG
LETRAMENTO DIGITAL: A PRÁTICA DE LEITURA E DE ESCRITA MEDIADA PELO BLOG
Flávia Sirino de Oliveira
 
Englishteachers2010
Englishteachers2010Englishteachers2010
Englishteachers2010
FALE - UFMG
 
Recursos tecnologicos
Recursos tecnologicosRecursos tecnologicos
Recursos tecnologicos
Kateriine Pasco
 
A utilização do Recursos Tecnólgicos na Prática Educativa
A utilização do Recursos Tecnólgicos na Prática EducativaA utilização do Recursos Tecnólgicos na Prática Educativa
A utilização do Recursos Tecnólgicos na Prática Educativa
Elisangela
 
Letramento digital
Letramento digitalLetramento digital
Letramento digital
Naiara Rios
 
Eventos de Letramento
Eventos de LetramentoEventos de Letramento
Eventos de Letramento
Licaraujo
 
O uso de recursos tecnológicos como ferramentas motivacionais no ensino de lí...
O uso de recursos tecnológicos como ferramentas motivacionais no ensino de lí...O uso de recursos tecnológicos como ferramentas motivacionais no ensino de lí...
O uso de recursos tecnológicos como ferramentas motivacionais no ensino de lí...
Joyce Fettermann
 
Internet of Things and Future Internet
Internet of Things and Future InternetInternet of Things and Future Internet
Internet of Things and Future Internet
Torsten Braun, Universität Bern
 
Uso de recursos tecnológicos na educação
Uso de recursos tecnológicos na educaçãoUso de recursos tecnológicos na educação
Uso de recursos tecnológicos na educação
Patty Santana
 
Pensamento Computacional aula 01
Pensamento Computacional aula 01Pensamento Computacional aula 01
Pensamento Computacional aula 01
pensamentocomputacional
 
“To study need assessment of industrial water purifiers”
“To study need assessment of industrial water purifiers”“To study need assessment of industrial water purifiers”
“To study need assessment of industrial water purifiers”
Rishi Patel
 
Desafio profissional
Desafio profissionalDesafio profissional
Desafio profissional
Camila Possari
 
Desafio profissional 2014
Desafio profissional 2014Desafio profissional 2014
Desafio profissional 2014
Fernando santos
 
IoT architecture
IoT architectureIoT architecture
IoT architecture
Sumit Sharma
 

Destaque (17)

Letramento Digital_Tecnologias e aprendizagem para o desenvolvimento humano
Letramento Digital_Tecnologias e aprendizagem para o desenvolvimento humanoLetramento Digital_Tecnologias e aprendizagem para o desenvolvimento humano
Letramento Digital_Tecnologias e aprendizagem para o desenvolvimento humano
 
Novas tecnologias na área da educação - Apresentação 1
Novas tecnologias na área da educação - Apresentação 1Novas tecnologias na área da educação - Apresentação 1
Novas tecnologias na área da educação - Apresentação 1
 
FACEBOOK COMO SUPORTE TECNOLÓGICO PARA AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM: A EX...
FACEBOOK COMO SUPORTE TECNOLÓGICO PARA AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM: A EX...FACEBOOK COMO SUPORTE TECNOLÓGICO PARA AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM: A EX...
FACEBOOK COMO SUPORTE TECNOLÓGICO PARA AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM: A EX...
 
LETRAMENTO DIGITAL: A PRÁTICA DE LEITURA E DE ESCRITA MEDIADA PELO BLOG
LETRAMENTO DIGITAL: A PRÁTICA DE LEITURA E DE ESCRITA MEDIADA PELO BLOGLETRAMENTO DIGITAL: A PRÁTICA DE LEITURA E DE ESCRITA MEDIADA PELO BLOG
LETRAMENTO DIGITAL: A PRÁTICA DE LEITURA E DE ESCRITA MEDIADA PELO BLOG
 
Englishteachers2010
Englishteachers2010Englishteachers2010
Englishteachers2010
 
Recursos tecnologicos
Recursos tecnologicosRecursos tecnologicos
Recursos tecnologicos
 
A utilização do Recursos Tecnólgicos na Prática Educativa
A utilização do Recursos Tecnólgicos na Prática EducativaA utilização do Recursos Tecnólgicos na Prática Educativa
A utilização do Recursos Tecnólgicos na Prática Educativa
 
Letramento digital
Letramento digitalLetramento digital
Letramento digital
 
Eventos de Letramento
Eventos de LetramentoEventos de Letramento
Eventos de Letramento
 
O uso de recursos tecnológicos como ferramentas motivacionais no ensino de lí...
O uso de recursos tecnológicos como ferramentas motivacionais no ensino de lí...O uso de recursos tecnológicos como ferramentas motivacionais no ensino de lí...
O uso de recursos tecnológicos como ferramentas motivacionais no ensino de lí...
 
Internet of Things and Future Internet
Internet of Things and Future InternetInternet of Things and Future Internet
Internet of Things and Future Internet
 
Uso de recursos tecnológicos na educação
Uso de recursos tecnológicos na educaçãoUso de recursos tecnológicos na educação
Uso de recursos tecnológicos na educação
 
Pensamento Computacional aula 01
Pensamento Computacional aula 01Pensamento Computacional aula 01
Pensamento Computacional aula 01
 
“To study need assessment of industrial water purifiers”
“To study need assessment of industrial water purifiers”“To study need assessment of industrial water purifiers”
“To study need assessment of industrial water purifiers”
 
Desafio profissional
Desafio profissionalDesafio profissional
Desafio profissional
 
Desafio profissional 2014
Desafio profissional 2014Desafio profissional 2014
Desafio profissional 2014
 
IoT architecture
IoT architectureIoT architecture
IoT architecture
 

Semelhante a Práticas de letramento digital no skoob

Apresentação Simpósio Hipertexto 2013 Erivan Jr
Apresentação Simpósio Hipertexto 2013 Erivan JrApresentação Simpósio Hipertexto 2013 Erivan Jr
Apresentação Simpósio Hipertexto 2013 Erivan Jr
Erivan Júnior
 
Projeto Literatour
Projeto LiteratourProjeto Literatour
Projeto Literatour
GiorgiaMelo
 
O facebook como nova face de leitura e de escrita que tem a escola a ver com ...
O facebook como nova face de leitura e de escrita que tem a escola a ver com ...O facebook como nova face de leitura e de escrita que tem a escola a ver com ...
O facebook como nova face de leitura e de escrita que tem a escola a ver com ...
maar santanna
 
O facebook como nova face de leitura e de escrita que tem a escola a ver com ...
O facebook como nova face de leitura e de escrita que tem a escola a ver com ...O facebook como nova face de leitura e de escrita que tem a escola a ver com ...
O facebook como nova face de leitura e de escrita que tem a escola a ver com ...
maar santanna
 
O USO DE APLICATIVOS EDUCACIONAIS DENTRO E FORA DA SALA DE AULA
O USO DE APLICATIVOS EDUCACIONAIS DENTRO E FORA DA SALA DE AULAO USO DE APLICATIVOS EDUCACIONAIS DENTRO E FORA DA SALA DE AULA
O USO DE APLICATIVOS EDUCACIONAIS DENTRO E FORA DA SALA DE AULA
Sylvana Karla
 
Blog "Ideias e ideais" - Simpósio Hipertexto - Cristina van Opstal
Blog "Ideias e ideais" - Simpósio Hipertexto - Cristina van Opstal Blog "Ideias e ideais" - Simpósio Hipertexto - Cristina van Opstal
Blog "Ideias e ideais" - Simpósio Hipertexto - Cristina van Opstal
Cristina Van Opstal
 
Experiência exitosa com Literatura EREM Dr. Jaime Monteiro
Experiência exitosa com Literatura EREM Dr. Jaime MonteiroExperiência exitosa com Literatura EREM Dr. Jaime Monteiro
Experiência exitosa com Literatura EREM Dr. Jaime Monteiro
Marcia Oliveira
 
Webfolio 2ºsem escola_abel_mat_doracildasopran
Webfolio 2ºsem escola_abel_mat_doracildasopranWebfolio 2ºsem escola_abel_mat_doracildasopran
Webfolio 2ºsem escola_abel_mat_doracildasopran
dorakieza
 
Webfólio 2ºsem escola_abel_mat_doracildasopran
Webfólio 2ºsem escola_abel_mat_doracildasopranWebfólio 2ºsem escola_abel_mat_doracildasopran
Webfólio 2ºsem escola_abel_mat_doracildasopran
dorakieza
 
Roteiro proposta do projeto
Roteiro proposta do projetoRoteiro proposta do projeto
Roteiro proposta do projeto
sheylabfborges
 
Celular: uma tecnologia em favor do ensino da Arte Contemporânea
Celular: uma tecnologia em favor do ensino da Arte ContemporâneaCelular: uma tecnologia em favor do ensino da Arte Contemporânea
Celular: uma tecnologia em favor do ensino da Arte Contemporânea
Vanessa Carvalho
 
Celular: uma tecnologia em favor do ensino da Arte Contemporânea
Celular: uma tecnologia em favor do ensino da Arte ContemporâneaCelular: uma tecnologia em favor do ensino da Arte Contemporânea
Celular: uma tecnologia em favor do ensino da Arte Contemporânea
Vanessa Carvalho
 
Apresentaçãosimposio2013
Apresentaçãosimposio2013Apresentaçãosimposio2013
Apresentaçãosimposio2013
Socorro Braga
 
Mídia Educação Novos desafios da informação na aprendizagem
Mídia Educação Novos desafios da informação na aprendizagemMídia Educação Novos desafios da informação na aprendizagem
Mídia Educação Novos desafios da informação na aprendizagem
Simpósio Hipertexto
 
Artigo literatura e hipermídias
Artigo literatura e hipermídiasArtigo literatura e hipermídias
Artigo literatura e hipermídias
Jairo Carvalhais
 
Biblioteca escolar e projeto pedagógico: uma proposta de integração em escola...
Biblioteca escolar e projeto pedagógico: uma proposta de integração em escola...Biblioteca escolar e projeto pedagógico: uma proposta de integração em escola...
Biblioteca escolar e projeto pedagógico: uma proposta de integração em escola...
Gisele Lima
 
Recursos educacionais abertos para licenciaturas: ambiente realptl
Recursos educacionais abertos para licenciaturas: ambiente realptlRecursos educacionais abertos para licenciaturas: ambiente realptl
Recursos educacionais abertos para licenciaturas: ambiente realptl
Elaine Teixeira
 
Voando Mais Alto 2023 - 1ª ESTAÇÃO.pptx
Voando Mais Alto 2023 - 1ª ESTAÇÃO.pptxVoando Mais Alto 2023 - 1ª ESTAÇÃO.pptx
Voando Mais Alto 2023 - 1ª ESTAÇÃO.pptx
Antônia marta Silvestre da Silva
 
Linguagem educação e virtualidade
Linguagem educação e virtualidadeLinguagem educação e virtualidade
Linguagem educação e virtualidade
Carla Melo
 
12ª mssfi stands
12ª mssfi stands12ª mssfi stands
12ª mssfi stands
SEMECDIEDETEF
 

Semelhante a Práticas de letramento digital no skoob (20)

Apresentação Simpósio Hipertexto 2013 Erivan Jr
Apresentação Simpósio Hipertexto 2013 Erivan JrApresentação Simpósio Hipertexto 2013 Erivan Jr
Apresentação Simpósio Hipertexto 2013 Erivan Jr
 
Projeto Literatour
Projeto LiteratourProjeto Literatour
Projeto Literatour
 
O facebook como nova face de leitura e de escrita que tem a escola a ver com ...
O facebook como nova face de leitura e de escrita que tem a escola a ver com ...O facebook como nova face de leitura e de escrita que tem a escola a ver com ...
O facebook como nova face de leitura e de escrita que tem a escola a ver com ...
 
O facebook como nova face de leitura e de escrita que tem a escola a ver com ...
O facebook como nova face de leitura e de escrita que tem a escola a ver com ...O facebook como nova face de leitura e de escrita que tem a escola a ver com ...
O facebook como nova face de leitura e de escrita que tem a escola a ver com ...
 
O USO DE APLICATIVOS EDUCACIONAIS DENTRO E FORA DA SALA DE AULA
O USO DE APLICATIVOS EDUCACIONAIS DENTRO E FORA DA SALA DE AULAO USO DE APLICATIVOS EDUCACIONAIS DENTRO E FORA DA SALA DE AULA
O USO DE APLICATIVOS EDUCACIONAIS DENTRO E FORA DA SALA DE AULA
 
Blog "Ideias e ideais" - Simpósio Hipertexto - Cristina van Opstal
Blog "Ideias e ideais" - Simpósio Hipertexto - Cristina van Opstal Blog "Ideias e ideais" - Simpósio Hipertexto - Cristina van Opstal
Blog "Ideias e ideais" - Simpósio Hipertexto - Cristina van Opstal
 
Experiência exitosa com Literatura EREM Dr. Jaime Monteiro
Experiência exitosa com Literatura EREM Dr. Jaime MonteiroExperiência exitosa com Literatura EREM Dr. Jaime Monteiro
Experiência exitosa com Literatura EREM Dr. Jaime Monteiro
 
Webfolio 2ºsem escola_abel_mat_doracildasopran
Webfolio 2ºsem escola_abel_mat_doracildasopranWebfolio 2ºsem escola_abel_mat_doracildasopran
Webfolio 2ºsem escola_abel_mat_doracildasopran
 
Webfólio 2ºsem escola_abel_mat_doracildasopran
Webfólio 2ºsem escola_abel_mat_doracildasopranWebfólio 2ºsem escola_abel_mat_doracildasopran
Webfólio 2ºsem escola_abel_mat_doracildasopran
 
Roteiro proposta do projeto
Roteiro proposta do projetoRoteiro proposta do projeto
Roteiro proposta do projeto
 
Celular: uma tecnologia em favor do ensino da Arte Contemporânea
Celular: uma tecnologia em favor do ensino da Arte ContemporâneaCelular: uma tecnologia em favor do ensino da Arte Contemporânea
Celular: uma tecnologia em favor do ensino da Arte Contemporânea
 
Celular: uma tecnologia em favor do ensino da Arte Contemporânea
Celular: uma tecnologia em favor do ensino da Arte ContemporâneaCelular: uma tecnologia em favor do ensino da Arte Contemporânea
Celular: uma tecnologia em favor do ensino da Arte Contemporânea
 
Apresentaçãosimposio2013
Apresentaçãosimposio2013Apresentaçãosimposio2013
Apresentaçãosimposio2013
 
Mídia Educação Novos desafios da informação na aprendizagem
Mídia Educação Novos desafios da informação na aprendizagemMídia Educação Novos desafios da informação na aprendizagem
Mídia Educação Novos desafios da informação na aprendizagem
 
Artigo literatura e hipermídias
Artigo literatura e hipermídiasArtigo literatura e hipermídias
Artigo literatura e hipermídias
 
Biblioteca escolar e projeto pedagógico: uma proposta de integração em escola...
Biblioteca escolar e projeto pedagógico: uma proposta de integração em escola...Biblioteca escolar e projeto pedagógico: uma proposta de integração em escola...
Biblioteca escolar e projeto pedagógico: uma proposta de integração em escola...
 
Recursos educacionais abertos para licenciaturas: ambiente realptl
Recursos educacionais abertos para licenciaturas: ambiente realptlRecursos educacionais abertos para licenciaturas: ambiente realptl
Recursos educacionais abertos para licenciaturas: ambiente realptl
 
Voando Mais Alto 2023 - 1ª ESTAÇÃO.pptx
Voando Mais Alto 2023 - 1ª ESTAÇÃO.pptxVoando Mais Alto 2023 - 1ª ESTAÇÃO.pptx
Voando Mais Alto 2023 - 1ª ESTAÇÃO.pptx
 
Linguagem educação e virtualidade
Linguagem educação e virtualidadeLinguagem educação e virtualidade
Linguagem educação e virtualidade
 
12ª mssfi stands
12ª mssfi stands12ª mssfi stands
12ª mssfi stands
 

Práticas de letramento digital no skoob

  • 1. PRÁTICAS DE LETRAMENTO DIGITAL NO SKOOB Sérgio Araújo de Mendonça Filho[IFPB] 5º Simpósio Hipertexto e Tecnologias na Educação e 1º Colóquio Internacional de Educação com Tecnologias Aprendizagem móvel dentro e fora da escola UFPE.Recife/PE Novembro/2013
  • 2. APRESENTAÇÃO Trabalhar literatura no ensino médio e promover a leitura literária de maneira integral, tem exigido do professor de língua portuguesa uma mudança de atitude a fim de promover o letramento necessário aos jovens nesse nível de ensino. Desse modo, com o auxílio das ferramentas digitais bastante conhecidas pelos estudantes, resolvemos promover o letramento literário (COSSON, 2012) e ressignificar o letramento digital (COSCARELLI e RIBEIRO, 2011; RIBEIRO e NOVAIS, 2012; RIBEIRO, 2012) em práticas sociais de leitura e escrita na rede social de leitores Skoob, a partir da leitura do romance Senhora, de José de Alencar, culminando na produção do gênero textual resenha. 5º Simpósio Hipertexto e Tecnologias na Educação e 1º Colóquio Internacional de Educação com Tecnologias Aprendizagem móvel dentro e fora da escola UFPE.Recife/PE Novembro/2013
  • 3. OBJETIVOS GERAIS •Estimular a leitura literária de clássicos da literatura brasileira; •Ressignificar o letramento digital. OBJETIVOS ESPECÍFICOS •Possibilitar a apreensão dos vários conhecimentos obtidos pela leitura literária; •Reconhecer na prática de leitura as funções da literatura; •Interagir nas redes sociais de forma significativa; •Produzir gêneros textuais como forma de apropriar-se dos mecanismos linguísticos da língua em sua modalidade escrita culta. 5º Simpósio Hipertexto e Tecnologias na Educação e 1º Colóquio Internacional de Educação com Tecnologias Aprendizagem móvel dentro e fora da escola UFPE.Recife/PE Novembro/2013
  • 4. LEITURA LITERÁRIA E FERRAMENTAS DIGITAIS Para Ivanda Martins “O ensino de literatura precisa estar atrelado ao contexto dinâmico das novas ferramentas tecnológicas. No contexto atual, marcado pela cibercultura, [...] a literatura busca caminhos para se adaptar à era [...] da hipermídia...(In BUNZEN e MENDONÇA, 2006, p.97) ”. 5º Simpósio Hipertexto e Tecnologias na Educação e 1º Colóquio Internacional de Educação com Tecnologias Aprendizagem móvel dentro e fora da escola UFPE.Recife/PE Novembro/2013
  • 5. FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA Pautamo-nos em Lévy (1999) para compreensão do ciberespaço e do que o autor chama de “comunidade atual”; em Xavier (2009) quando discorre sobre os suportes de leitura; de Marcuschi (2008, p.217) a ideia de gênero como forma de “consumo”; de Magda Soares o conceito de letramento; de Cosson (2012) e Ribeiro & Novais (2012), os de letramento literário e letramento digital respectivamente. 5º Simpósio Hipertexto e Tecnologias na Educação e 1º Colóquio Internacional de Educação com Tecnologias Aprendizagem móvel dentro e fora da escola UFPE.Recife/PE Novembro/2013
  • 6. LETRAMENTO Para Magda Soares (2012, p.20) “[...]não basta apenas ler e escrever, é preciso também saber fazer uso do ler e do escrever, saber fazer uso das exigências de leitura e de escrita que a sociedade faz continuamente”. 5º Simpósio Hipertexto e Tecnologias na Educação e 1º Colóquio Internacional de Educação com Tecnologias Aprendizagem móvel dentro e fora da escola UFPE.Recife/PE Novembro/2013
  • 7. LETRAMENTO LITERÁRIO “[...] o letramento literário é uma prática social e, como tal, responsabilidade da escola. A questão a ser enfrentada não é se a escola deve ou não escolarizar a literatura [...], mas sim como fazer essa escolarização sem descaracterizá-la, sem transformá-la em um simulacro de si mesma que mais nega do que confirma seu poder de humanização.” (COSSON, 2012, p. 23) 5º Simpósio Hipertexto e Tecnologias na Educação e 1º Colóquio Internacional de Educação com Tecnologias Aprendizagem móvel dentro e fora da escola UFPE.Recife/PE Novembro/2013
  • 8. LETRAMENTO DIGITAL Segundo Ana Elisa Ribeiro (RIBEIRO, In RIBEIRO e NOVAIS, 2012. p.15) o “interessante é envolver tecnologias digitais nas propostas escolares, sem perder o sentido dos conteúdos e das habilidades a serem desenvolvidas, isto é, aquelas que são curriculares e importantes para a educação escolar” 5º Simpósio Hipertexto e Tecnologias na Educação e 1º Colóquio Internacional de Educação com Tecnologias Aprendizagem móvel dentro e fora da escola UFPE.Recife/PE Novembro/2013
  • 9. SKOOB: REDE SOCIAL DE LEITORES Figura 1: Interface do Skoob Fonte http://www.skoob.com.br/ 5º Simpósio Hipertexto e Tecnologias na Educação e 1º Colóquio Internacional de Educação com Tecnologias Aprendizagem móvel dentro e fora da escola UFPE.Recife/PE Novembro/2013
  • 10. Figura 2: Página de um perfil no Skoob 5º Simpósio Hipertexto e Tecnologias na Educação e 1º Colóquio Internacional de Educação com Tecnologias Aprendizagem móvel dentro e fora da escola UFPE.Recife/PE Novembro/2013
  • 11. Figura 3: gráfico multimodal de leitura 5º Simpósio Hipertexto e Tecnologias na Educação e 1º Colóquio Internacional de Educação com Tecnologias Aprendizagem móvel dentro e fora da escola UFPE.Recife/PE Novembro/2013
  • 12. COMUNIDADE ATUAL o Skoob se insere perfeitamente no que Lévy (1999, p. 132) prefere chamar de “comunidade atual”, porque “ realizam de fato uma verdadeira atualização (no sentido da criação de um contato efetivo) de grupos humanos que eram apenas potenciais antes do surgimento do ciberespaço. A expressão “comunidade atual” seria, no fundo, muito mais adequada para descrever os fenômenos de comunicação coletiva no ciberespaço do que “comunidade virtual”. 5º Simpósio Hipertexto e Tecnologias na Educação e 1º Colóquio Internacional de Educação com Tecnologias Aprendizagem móvel dentro e fora da escola UFPE.Recife/PE Novembro/2013
  • 13. METODOLOGIA Para a aplicação do projeto utilizamo-nos da sequência básica de leitura literária proposta por Cosson (2012): •Motivação; •Introdução; •Leitura; •Interpretação. 5º Simpósio Hipertexto e Tecnologias na Educação e 1º Colóquio Internacional de Educação com Tecnologias Aprendizagem móvel dentro e fora da escola UFPE.Recife/PE Novembro/2013
  • 14. MOTIVAÇÃO A motivação partiu da leitura em sala do conto Um divórcio nos Alpes, de Robert Barr, que estabelece uma relação de intertextualidade com o romance Senhora, pois narra um episódio na vida de um casal em crise conjugal, perpassando também pela temática da vingança feminina e do casamento de aparência, tal qual na obra alencarina. 5º Simpósio Hipertexto e Tecnologias na Educação e 1º Colóquio Internacional de Educação com Tecnologias Aprendizagem móvel dentro e fora da escola UFPE.Recife/PE Novembro/2013
  • 15. INTRODUÇÃO A introdução é a apresentação do autor e da obra. Apresentamos José de Alencar aos alunos destacando a importância do projeto de uma literatura eminentemente brasileira construída pelo escritor em seus mais variados romances, que visam retratar, a maneira do romantismo, as faces de nossa nação por meio dos romances indianistas, históricos, regionalistas e urbanos. Depois apresentamos o romance a ser lido através da leitura de uma resenha que não revelasse maiores detalhes da história, mas apenas introduzisse a turma no universo da leitura que eles mesmos teriam de percorrer. 5º Simpósio Hipertexto e Tecnologias na Educação e 1º Colóquio Internacional de Educação com Tecnologias Aprendizagem móvel dentro e fora da escola UFPE.Recife/PE Novembro/2013
  • 16. LEITURA A terceira etapa da sequência é a leitura. Nela o essencial é o acompanhamento da leitura dos alunos pelo professor. A forma que encontramos para unir letramento literário e letramento digital pode ser observada nessa etapa do processo que consiste na produção de resumos periódicos da obra lida com o auxílio de uma ferramenta do Skoob chamada “Histórico do progresso da minha leitura”. Por ela acompanhamos a leitura dos alunos, suas compreensões e impressões pessoais sobre a história. 5º Simpósio Hipertexto e Tecnologias na Educação e 1º Colóquio Internacional de Educação com Tecnologias Aprendizagem móvel dentro e fora da escola UFPE.Recife/PE Novembro/2013
  • 17. Figura 4: Histórico de leitura 5º Simpósio Hipertexto e Tecnologias na Educação e 1º Colóquio Internacional de Educação com Tecnologias Aprendizagem móvel dentro e fora da escola UFPE.Recife/PE Novembro/2013
  • 18. INTERVALOS Os intervalos são na sequência de Cosson (2012) atividades específicas que mantêm o ritmo e o interesse pela leitura da obra proposta. Em nosso projeto, além do acompanhamento já comentado, trabalhamos conforme propõe o autor, realizando em sala leituras que focalizem e permitam tecer aproximações com o tema da obra principal. Para isso, criamos no Skoob um grupo de debate destinado à turma, intitulado “Skoobers do IFPB campus João Pessoa” (Disponível em http://www.skoob.com.br/grupo/24-skoobers-do-ifpb-campus-joao-pessoa ). Nele, interagíamos a distância a partir de um ponto específico sobre a leitura. 5º Simpósio Hipertexto e Tecnologias na Educação e 1º Colóquio Internacional de Educação com Tecnologias Aprendizagem móvel dentro e fora da escola UFPE.Recife/PE Novembro/2013
  • 19. SKOOBERS DO IFPB Figura 5: Página do grupo 5º Simpósio Hipertexto e Tecnologias na Educação e 1º Colóquio Internacional de Educação com Tecnologias Aprendizagem móvel dentro e fora da escola UFPE.Recife/PE Novembro/2013
  • 20. INTERVALO 1 Nossa primeira atividade do intervalo girou em torno da personagem principal que inspirou o título do romance: a Senhora Aurélia Camargo. Em sala, trabalhamos um trecho de outra história de Alencar, A viuvinha. O objetivo foi comparar a personagem Carolina a Aurélia para que os alunos pudessem conhecer os perfis femininos na literatura alencarina, identificando pela linguagem as características dessas personagens. No grupo do Skoob, lançamos um debate sobre a protagonista de Senhora cujo tópico é seu nome: “Aurélia Camargo”. Nesse tópico os alunos puderam escrever as primeiras impressões que tiveram da personagem. 5º Simpósio Hipertexto e Tecnologias na Educação e 1º Colóquio Internacional de Educação com Tecnologias Aprendizagem móvel dentro e fora da escola UFPE.Recife/PE Novembro/2013
  • 21. Figura 6: Fórum sobre Aurélia 5º Simpósio Hipertexto e Tecnologias na Educação e 1º Colóquio Internacional de Educação com Tecnologias Aprendizagem móvel dentro e fora da escola UFPE.Recife/PE Novembro/2013
  • 22. INTERVALO 2 A segunda atividade do intervalo foi sobre o par romântico de Aurélia, Fernando Seixas. Em sala debatemos os motivos pelos quais Fernando preocupa-se tanto com o status. Os que não opinaram oralmente puderam na rede fazê-lo pela escrita em tópico intitulado “Fernando Seixas”. 5º Simpósio Hipertexto e Tecnologias na Educação e 1º Colóquio Internacional de Educação com Tecnologias Aprendizagem móvel dentro e fora da escola UFPE.Recife/PE Novembro/2013
  • 23. Figura 7: Fórum sobre Fernando Seixas 5º Simpósio Hipertexto e Tecnologias na Educação e 1º Colóquio Internacional de Educação com Tecnologias Aprendizagem móvel dentro e fora da escola UFPE.Recife/PE Novembro/2013
  • 24. INTERVALO 3 Para a terceira atividade lemos o conto Um e outro, de Lima Barreto, sobre uma mulher que se interessa por um rapaz que possui um carro de luxo. Em sala estabelecemos as devidas comparações com Senhora, identificando não apenas a aproximação temática, mas também as diferenças de linguagem entre um autor filiado ao romantismo e outro pertencente ao que tradicionalmente a historiografia literária chama de pré-modernismo, além de debatermos a respeito das pessoas que se aproximam das outras interessadas em seus bens materiais. No grupo, sob o tópico “interesse” indagamos inicialmente “O que o tema do casamento por interesse e, por extensão, do relacionamento por interesse revelam sobre os valores da sociedade em uma época?”. 5º Simpósio Hipertexto e Tecnologias na Educação e 1º Colóquio Internacional de Educação com Tecnologias Aprendizagem móvel dentro e fora da escola UFPE.Recife/PE Novembro/2013
  • 25. Figura 8: Fórum sobre a temática do interesse 5º Simpósio Hipertexto e Tecnologias na Educação e 1º Colóquio Internacional de Educação com Tecnologias Aprendizagem móvel dentro e fora da escola UFPE.Recife/PE Novembro/2013
  • 26. INTERVALO 4 Já com o romance finalizado pela maioria da turma, levamos para leitura em sala o mito de Cupido e Psique, seguido de algumas questões relativas a força que o sentimento do amor promove nas pessoas e sobre a purificação que esse sentimento gerou no casal protagonista. Assim, concluímos nossas atividades no grupo com o tópico “purificação”, cuja pergunta indagava “De que modo o amor purifica o que passaram Aurélia e Seixas até se declararem sinceramente um ao outro?” 5º Simpósio Hipertexto e Tecnologias na Educação e 1º Colóquio Internacional de Educação com Tecnologias Aprendizagem móvel dentro e fora da escola UFPE.Recife/PE Novembro/2013
  • 27. Figura 9: Fórum sobre a purificação do amor 5º Simpósio Hipertexto e Tecnologias na Educação e 1º Colóquio Internacional de Educação com Tecnologias Aprendizagem móvel dentro e fora da escola UFPE.Recife/PE Novembro/2013
  • 28. INTEPRETAÇÃO Finalmente, para a interpretação, que consiste na “externalização da leitura, isto é, seu registro” (COSSON, 2012. p. 66), propomos a produção de uma resenha sobre o romance lido e exaustivamente debatido (em sala e no ciberespaço). As resenhas produzidas podem ser lidas em http://www.skoob.com.br/livro/resenhas/534. Para a apropriação e produção da resenha trabalhamos com a Sequência didática de ensino dos gêneros de schneuwly e Dolz (2011), entendendo o gênero como forma histórica que circula “na sociedade para consumo dos falantes e leitores em geral” (MARCUSCHI, 2008, p.217) 5º Simpósio Hipertexto e Tecnologias na Educação e 1º Colóquio Internacional de Educação com Tecnologias Aprendizagem móvel dentro e fora da escola UFPE.Recife/PE Novembro/2013
  • 29. Figura 10: produção e publicação da resenha 5º Simpósio Hipertexto e Tecnologias na Educação e 1º Colóquio Internacional de Educação com Tecnologias Aprendizagem móvel dentro e fora da escola UFPE.Recife/PE Novembro/2013
  • 30. CONSIDERAÇÕES FINAIS Cientes de que o processo de ensino-aprendizagem das práticas de letramento deve ser constante e contínuo, sabemos que a proposta cujos resultados aqui expomos não deve se esgotar na execução de um único projeto, mas sim prosseguir numa prática ininterrupta para a promoção do letramento a ser proporcionado pelo professor, formando cidadãos altamente letrados e, portanto capazes de dominarem as práticas sociais de leitura e escrita a fim de melhor interagirem socialmente. 5º Simpósio Hipertexto e Tecnologias na Educação e 1º Colóquio Internacional de Educação com Tecnologias Aprendizagem móvel dentro e fora da escola UFPE.Recife/PE Novembro/2013
  • 31. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ALENCAR, José de. Senhora. 2º ed. São Paulo: Scipione, 2004. 194 p. BARR, Robert. Um divórcio nos Alpes. Conhecimento prático literatura, São Paulo, n.29, p.11-14, 2010. BARRETO, Lima. Os melhores contos. São Paulo: Martin Claret, 2002. 168 p. BULFINCH, Thomas. O livro de ouro da mitologia: histórias de deuses e heróis. [tradução de David Jardim]. 26º ed. Rio de Janeiro: Ediouro, 2002. 416 p. BUNZEN, Clécio; MENDONÇA, Márcia. (Orgs.). Português no Ensino Médio e Formação do Professor. São Paulo: Parábola Editorial, 2006. 256 p. 5º Simpósio Hipertexto e Tecnologias na Educação e 1º Colóquio Internacional de Educação com Tecnologias Aprendizagem móvel dentro e fora da escola UFPE.Recife/PE Novembro/2013
  • 32. COSCARELLI, Carla Viana & RIBEIRO, Ana Elisa. (Orgs.) Letramento digital: aspectos sociais e possibilidades pedagógicas. 3º edição, Belo Horizonte: Ceale, Autêntica, 2011. 248 p. COSSON, Rildo. Letramento literário. 2º ed., São Paulo: Contexto, 2012. 144 p. DALVI, Maria Amélia; REZENDE, Neide Luzia; JOVER-FALEIROS, Rita (Orgs.) Leitura de literatura na escola. São Paulo: Parábola, 2013. 168 p. LÉVY, Pierre. Cibercultura. [tradução de Carlos Irineu da Costa]. São Paulo: Editora 34, 1999. 272 p. MARCUSCHI, Luiz Antônio. Produção textual, análise de gêneros e compreensão. São Paulo: Parábola, 2008. 296 p. 5º Simpósio Hipertexto e Tecnologias na Educação e 1º Colóquio Internacional de Educação com Tecnologias Aprendizagem móvel dentro e fora da escola UFPE.Recife/PE Novembro/2013
  • 33. ______________________. Novas tecnologias para ler e escrever – algumas ideias sobre ambientes e ferramentas digitais na sala de aula. Belo Horizonte: RHJ, 2012. 136 p. SOARES, Magda. Letramento: um tema em três gêneros. 3º ed., Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2012. 128 p. XAVIER, Antonio Carlos. A era do hipertexto: linguagem e tecnologia. Recife: Ed. Universitária da UFPE, 2009. 228 p. 5º Simpósio Hipertexto e Tecnologias na Educação e 1º Colóquio Internacional de Educação com Tecnologias Aprendizagem móvel dentro e fora da escola UFPE.Recife/PE Novembro/2013
  • 34. Obrigado! Sérgio Filho sergio.mendonca@ifpb.edu.br 5º Simpósio Hipertexto e Tecnologias na Educação e 1º Colóquio Internacional de Educação com Tecnologias Aprendizagem móvel dentro e fora da escola UFPE.Recife/PE Novembro/2013