SlideShare uma empresa Scribd logo
PROVA DA CIDADE PORTUGUÊS 6ª SÉRIES


Leia o texto a seguir para responder a questão 1.

Conheça a balada sustentável

Se acabar na pista, virou questão de ecologia
por Anna Balloussier.

Ficar dançando até 5 da manhã pode esgotar a sua energia. Mas pode ajudar
a iluminar o mundo – ou pelo menos um pedacinho dele. Acaba de ser
inaugurada
em Londres uma casa noturna em que a eletricidade não vem da tomada: vem
da
animação da galera.
Tudo graças a uma pista de dança piezoelétrica, que consegue transformar o
movimento das pessoas em eletricidade. Conforme elas dançam, pressionam a
pista
com os pés. Aí o chão, que é feito com uma cerâmica especial, sofre uma
pequena
deformação (imperceptível para quem está dançando). E isso gera energia
elétrica
para alimentar o som e a luz da boate.
Segundo seus criadores, a pista high tech consegue gerar até 60% de toda a
eletricidade consumida pelo clube, que se chama Surya (“Deus-Sol”, em
sânscrito).
As paredes do Surya são sensíveis ao calor e mudam de cor quando a casa
está cheia e, literalmente, “fervendo” – a ideia é fazer uma referência ao
aquecimento global.
No banheiro, as descargas e torneiras utilizam água de chuva. E como não
poderia deixar de ser, todos os vidros, metais, plásticos e papéis são reciclados.
Já o bar causa certo estranhamento. Só serve bebidas orgânicas, feitas sem
nenhum tipo de agrotóxico ou produto químico.
Fonte: Balloussier, Anna. Se acabar na pista, virou questão de ecologia. Super Interessante. São
Paulo: Ed. Abril, Edição 256, set./2008. [Com cortes.]

    1. A finalidade do texto é:

    Leia o texto a seguir para responder questão 2.
Fonte: Texto recolhido em comércio, em São Paulo, em 23 fev. 2010.

2. Os itens foram listados dessa maneira porque o texto é:


Leia o texto a seguir para responder a questão 3.

Chega de bafo!

Aquele cheirinho forte da boca de seu cãozinho não deve ser ignorado. O
mau hálito é sinal de que há algo errado com a boca ou com o aparelho
digestivo do
animal.
Uma das causas do mau hálito pode ser a placa bacteriana que se acumula
sobre os dentes. A placa é composta por proteínas, células mortas e de
descamação, saliva, restos de alimentos e, principalmente, bactérias que, por
meio
do processo de fermentação, produzem substâncias que são responsáveis pelo
terrível mau cheiro.
Por terem os dentes mais juntos, os cães de pequeno porte têm mais chances
de serem afetados pelo problema.
Não ache normal seu cão ter bafo. Infecções sérias, que podem comprometer
toda a saúde do animal, podem ter início numa boca mal tratada. Faça a higiene
diária em seu bichinho e leve seu cão periodicamente ao veterinário.
Fonte: Família Pet. Disponível em:
http://familiapet.uol.com.br/caes/artigos/artigos_chega_de_bafo.htm Acesso em: 30 mar.2010.
[Com
cortes.]

   2. De acordo com o texto, uma das causas do mau hálito na boca de um
       cãozinho é:
Leia a tira a seguir para responder a questão 4.

ADÃO
Fonte: Adão. Folha de S. Paulo. Folhinha, sábado, 27/2/2010.

4. A partir das falas da personagem, é possível dizer que ela é uma adolescente
porque:

Leia o texto e observe a imagem para responder a questão 5.

No Dia do Meio Ambiente, alunos de uma escola reuniram-se para observar
uma
imagem. Em seguida, resolveram que a colocariam no mural da turma. Assim,
escreveram uma legenda, a partir das ações das personagens presentes na
cena.




Fonte: Imagem retirada do site Terra. Disponível em:
http://blog.allegraescola.com.br.2008/0605dia-5-
de-junho-dia-do-meio-ambiente. Acesso em: 30 mar. 2010.

5. A legenda mais apropriada é:

Leia o texto a seguir para responder a questão 6.

Circuito fechado (I)

Chinelo, vaso, descarga. Pia, sabonete. Água. Escova, creme dental, água,
espuma,
creme de barbear, pincel, espuma, gilete, água, cortina, sabonete, água fria,
água
quente, toalha. Creme para cabelo, pente. Cueca, camisa, abotoaduras, calça,
meias, sapato, gravata, paletó. Carteira, níqueis, documentos, caneta, chaves...
Fonte: Ramos, Ricardo. Contos brasileiros contemporâneos. São Paulo: Moderna, 1994. Com
cortes.

6. As ações narradas ocorrem na seguinte sequência:

Leia um trecho do rap de MV Bill para responder a questão 7.

Uma Declaração de Guerra

Hei mãe, o terror vai começar
Coloca a janta, talvez a última, o bicho vai pegar
Se eu não voltar sorria
Guerra é em busca da alegria
Eu luto pela salvação
É tudo em nome da razão
Avisei que a guerra era inevitável
Pra quem vive em condição desfavorável
Subestimaram, pagaram pra ver, tão vendo
Ignoraram a nossa coragem, tão morrendo
A violência não fui eu que inventei
Chega de ouvir esse discurso social
Fonte: BILL, M.V. Uma Declaração de Guerra. Disponível em: http://vagalume.uol.com.br/mvbill/
uma-declaracao-de-guerra.html. Acesso em: 12 abr. 2010. Com cortes. Adapt.



7. Em “Avisei que a guerra era inevitável pra quem vive em condição
desfavorável”,justifica-se o uso do prefixo “des-“ porque reforça a ideia de que:

Leia o texto a seguir para responder a questão 8 e observe os recursos sonoros
usados para mostrar como foi o começo da viagem de avião da personagem
Creuza.

“E logo o avião começou a se mover bem devagarinho. Vira daqui, embica
dali, chacoalha daqui, treme de lá, xii, parou de novo. E agora?

AI, QUE MEDO.
De repente, Creuza entendeu: era que nem o touro quando toma distância
para pegar velocidade e...

                                          Ai!!!!!!
Corre corre corre corre

Corre corre corre corre corre

Ai ai ai ai ai ai
aaaaaaaai

Corre corre corre corre corre e ai, ai, puf!

Puf?
Como “puf”? O que foi aquilo?
Sobe sobe sobe sobe sobe sobe sobe sobe
                                          ?
                                       A...i
                                    Ai
                                 Ai
                              Ai
                           Ai
                        Ai
Não é que subiu?”
Fonte: TAVANO, Silvana. Creuza em crise – Quatro histórias de uma bruxa atrapalhada. São Paulo:
Companhia
das Letras, 2004. Com cortes. Adapt.

8. Pode-se dizer que o recurso sonoro que indica a aflição de Creuza é

Leia a folha de rosto retirada de um livro para responder a questão 9.




Fonte: NANETTI, A. Meu avô era uma cerejeira. São Paulo: Martins Fontes, 2007. Com cortes.

9. Pode-se dizer que a pessoa responsável pela revisão da tradução do livro é:


Leia o texto a seguir para responder as questões 10 e 11.

As estrelas do Dr. Otto
(Sérgio Capperelli)

A primeira vez em que vi o Dr. Otto foi no início de maio. Os primeiros ventos
varriam as folhas das bananeiras e de manhã a gente corria à janela, com medo
de
que o granizo tivesse estragado a plantação de lavanda. A temperatura mudava
constantemente. Numa dessas mudanças, minha irmã mais nova caiu de cama.
- Chama o Dr. Otto – aconselhou Seu Hans, que tem casa na frente da nossa.
- Ela está bem, Hans, não se preocupe.
- Olha, compadre, criança é delicada. Precisa de muito cuidado.
Meu pai era um homem sisudo, de mãos calosas, enormes. Deslizou os
dedos pelos fios da barba e estalou os lábios.
- Que nada, passa logo.
Passou nada. A febre foi a 40 e Gisele começou a vomitar.
- Onde é que mora o Dr. Otto? – quis saber meu pai.
Seu Hans deu o troco.
- Eu não disse? No fim, a menina piorou. O Dr. Otto é um mágico... Vai
resolver isso!
- Não quero saber de mágicos nem de mané-mágicos. Só o endereço dele.
Ficou ofendido, o seu Hans:
- Que é isso? Eu, hein! Só quis ajudar...
Fonte: CAPPARELLI, Sérgio. Uma colcha muito curta. Porto Alegre – RS: L&PM, 2007. Adapt.

10. Seu Hans é:

11. No texto, a narração é realizada:

Leia um fragmento de “Os três Mosqueteiros”, adaptado para o teatro para
responder a questão 12.

ARAMIS – Ontem, à noite, fui consultar um sábio que costumo frequentar...
Quando eu estava saindo de sua casa, vi sua sobrinha...

PORTOS – Claro, uma sobrinha, eu tinha certeza...

ARAMIS – Na hora em que eu saía de lá, ela também saia. Resolvi acompanhá-
la
até sua carruagem.

ATOS – Vamos, o caso é sério!

ARAMIS – Bom, de repente, no escuro da noite, surgiu um homem alto,
moreno...
Vinha acompanhado de uns seis homens, aproximou-se, e disse para mim e
para a
dama que me acompanhava: “Senhor duque, e vós, senhora, dignai-vos subir
para
essa carruagem sem opor qualquer resistência.”

D’ARTAGNAN – Achou que você era o duque e ela, a rainha! Claro!

PORTOS – É verdade que você é da mesma altura que o duque, e tem o
mesmo
porte... Mas o uniforme de mosqueteiro...

ARAMIS – Eu estava enrolado numa capa enorme.

PORTOS – E o rosto?

ARAMIS – Eu estava usando um chapéu de aba enorme, caído sobre o rosto...

PORTOS – Em pleno no verão? Deus do céu! Nunca pensei que a gente
precisasse
tomar tantas precauções para visitar um sábio...
ATOS – Portos, deixe Aramis em paz. E aí, quando viram que você não era o
duque
eles sumiram?

ARAMIS – Exatamente...
Fonte: DUMAS, Alexandre. Os três mosqueteiros. Adapt. Ana Maria Machado. 3. ed. Rio de
Janeiro:
Nova Fronteira, 2007.
12. O mosqueteiro Aramis foi confundido com um determinado Duque porque



Leia o poema a seguir para responder a questão 13.

Profundamente

Quando ontem adormeci
Na noite de São João
Havia alegria e rumor
Estrondos de bombas luzes de Bengala
Vozes cantigas e risos
Ao pé das fogueiras acesas.
No meio da noite despertei
Não ouvi mais vozes nem risos
Apenas balões
Passavam errantes silenciosamente
Apenas de vez em quando
O ruído de um bonde
Cortava o silêncio
Como um túnel.
Onde estavam os que há pouco
Dançavam
Cantavam
E riam
Ao pé das fogueiras acesas?
Fonte: Bandeira, Manuel. Libertinagem & Estrela da manhã. Rio de Janeiro: Nova Fronteira:
1995.p. 55. Com cortes.

13. O verso que traz marcas do tempo dos acontecimentos no poema é:

Leia o texto a seguir para responder as questões 14 e 15.

São Paulo, domingo, 11 de abril de 2010

Pulseirinha do barulho

Enfeites associados a jogos sexuais foram proibidos em algumas cidades
após crimes envolvendo adolescentes que usavam o adereço.

LETICIA DE CASTRO
DA REPORTAGEM LOCAL
Elas apareceram no Brasil há cerca de dois anos e ficaram conhecidas como as
inocentes pulseiras da amizade. Usadas para selar o afeto entre colegas, os
acessórios coloridos de silicone viraram febre entre crianças e adolescentes.
Até que os boatos sobre jogos sexuais começaram a circular na internet. De
acordo
com esses relatos, cada cor teria um significado. Ao ter uma pulseira rompida, o
dono deveria "pagar uma prenda" para aquele que a arrancou. A roxa, por
exemplo,
vale um beijo de língua; a preta, sexo.
"Eu achava bonito e distribuía para as minhas melhores amigas, como uma
prova de
amizade. Mas não sabia do significado das cores", diz a estudante Micaela
Sanches,
11, que parou de usar o enfeite.
No mês passado, a escola em que a garota estuda, em Sorocaba (interior de
São
Paulo), enviou um e-mail pedindo que os pais impedissem os filhos de usar o
acessório.
Os casos recentes de violência contra mulheres que usavam o acessório - duas
foram mortas em Manaus e uma, estuprada em Londrina - ajudaram a enterrar
de
vez a modinha, que teve seu auge em São Paulo no fim do ano passado.
Fonte: Folha de S. Paulo. São Paulo, Cotidiano, 11/04/2010. Disponível em:
http://www1.folha.uol.com.br/fsp/cotidian/ff1104201007.htm. Acesso em: 11 abr.2010.

14. A notícia apresenta informações acerca do problema em usar as pulseiras
coloridas. A solução encontrada pela menina Micaela Sanches foi:

15. É possível dizer que esse texto faz parte de:

Leia o texto a seguir para responder a questão 16.

Suspiros
(Luís Fernando Veríssimo)

Um homem foi procurar uma vidente. A senhora leu a sua mão, em silêncio.
Depois ela espalhou as cartas na sua frente e as examinou longamente.
Finalmente
olhou a bola de cristal. E concluiu:
- Você vai morrer num lugar com água.
- Uma banheira?
- Não. Um lugar maior.
- Uma piscina...
- Vejo uma cidade. Água por todos os lados. Em vez de ruas, tem água...
- Veneza!
- Isso.
- Eu vou morrer em Veneza?
- Vai.
- Como?
- Hmmm. Vejo barcos... Gôndolas... Espere! Uma mulher...
O homem, é claro, jamais chegou perto de Veneza depois disso.
Fonte: VERÍSSIMO, Luís Fernando. Festa de criança. São Paulo: Ática, 2006. Com cortes.
Adapt.

16. No primeiro parágrafo do texto, a expressão “uma vidente" foi substituída
pelas,palavras “senhora” e “ela” porque o autor:


Leia o texto a seguir para responder as questões 17 e 18.

Blogue do Rex

Grêmio Recreativo Escola de Samba Turma do Rex
apresenta... A história do carnaval!

Meninos e meninas, o carnaval chegou! Nós decidimos pesquisar para cair na
folia bem informados e descobrimos muitas curiosidades!
Você sabia, por exemplo, que, no início do século 19, o carnaval do Rio de
Janeiro era bem diferente do atual? Nas ruas, músicas de todos os ritmos
tocavam
sem parar e as pessoas se divertiam jogando água, tinta, farinha uma nas
outras.
Esse jeito de brincar tinha um nome meio esquisito: entrudo. Mas ricos e pobres
se
divertiam assim, apesar de a festa parecer meio de mau gosto para alguns
europeus
que aportavam na cidade.
Em 1808, porém, a forma de pular o carnaval no Rio de Janeiro começou a
mudar com a chegada da família real portuguesa à cidade. As pessoas que
tinham
melhores condições financeiras começaram a copiar o carnaval francês, com
bailes
de máscaras, desfiles de carros, coisas tidas como muito chiques. Só que os
pobres
não podiam entrar nessa festa. E o entrudo foi proibido.
Mas quem disse que o povo ficou sem pular carnaval? Mesmo tendo que
enfrentar a polícia, os que não tinham direito de participar do carnaval à
francesa
faziam sua própria festa nas ruas. Batucavam e vestiam fantasias. Eram os
chamados cordões, em que entrava qualquer um e todos os tipos de música
eram
cantados. Uma farra!
Nessa época, também apareceram os ranchos. Ao contrário dos cordões, eles
eram grupos fechados e organizados: escolhiam um tema para desfilar e
criavam
fantasias e músicas ligadas a esse tema. Isso parece com o que as escolas de
samba fazem hoje? Pois é por aí mesmo! Os ranchos estão na origem das
escolas
de samba, assim como os cordões são os avós dos blocos de carnaval atuais.
Dá
para acreditar?

Publicado por Rex - 12/02/2010 11:30
Fonte: Blogue do Rex. In: Revista Ciência Hoje das Crianças. Disponível em:
http://chc.cienciahoje.uol.com.br/blogue-do-rex/blog-do-rex/blog_view?b_start:int=6&-C=. Acesso
em:
12 abr. 2010. Com cortes.

17. A partir da história do Carnaval contada por Rex, pode-se dizer que:

18. No trecho “... escolhiam um tema para desfilar e criavam fantasias...”, a
palavra,em destaque indica que existe uma relação de:

Leia a história em quadrinhos a seguir para responder a questão 19.
SOUSA, Maurício. A turma da Mônica. In: O Estado de S. Paulo. Estadinho, 27/03/2010, p.20

19. Cebolinha demorou para apresentar o novo bichinho de estimação para a
turma porque:

Leia a notícia a seguir para responder as questões 20 e 21.

São Paulo, sábado, 10 de abril de 2010

Folhinha explica

Por que chove tanto

EDUARDO GERAQUE
DA REPORTAGEM LOCAL

Se você mora em São Paulo ou no Rio de Janeiro, deve ter abusado do
guardachuva
nos últimos dias. Por que anda chovendo tanto?
O mês de abril é naturalmente bastante chuvoso no Rio. Mas, neste ano, a
situação está fora do normal.
As chuvas trágicas que caíram no Rio, em Niterói e na Baixada Fluminense são
resultado de dois fenômenos conhecidos pelas pessoas que estudam o tempo.
Ainda não é inverno, por isso o ar ainda está quente e bastante úmido. Mas
também não é mais verão. No outono, costuma chegar o vento frio que se forma
lá
na Antártida, onde vive boa parte dos pinguins.
O que ocorreu no litoral brasileiro foi o encontro de um vento frio que vem lá do
Sul
com o ar quente, que estava estacionado por aqui.
Esse vento frio, quando começa a chegar, muda o ar que está quente.
Assim, o vapor de água que está nas nuvens vira líquido - daí a chuva. É
parecido
com o que ocorre na tampa da panela no fogão.
Fonte: Folha de S. Paulo. São Paulo, Folhinha, 10/4/2010. Disponível
em:http://www1.folha.uol.com.br/folhinha/dicas/di10041011.htm. Acesso em: abr. 2010. Com
cortes. Adapt.

20. A chuva que tem aparecido entre o verão e o inverno ocorreu porque:

21. Observando as informações nas frases a seguir, pode-se dizer que a ideia
de oposição entre fatos ocorre em:

Leia o texto a seguir para responder as questões 22 e 23.

Charada
(Stella Carr)

... Eu estava calmamente sentado em meu escritório, quando um
desconhecido entrou, carregando uma caixa grande. Parecia pesada. Pensei
que
ele tivesse se enganado de porta. Então notei que o homem tremia.
O estranho parou no meio da sala e falou, assustado:
- Por favor, me ajude! Eles estão atrás de mim.
... E antes que eu perguntasse qualquer coisa, o homem largou a caixa em
cima da mesa e avisou com voz rápida e ofegante:
- Esconde isso, não deixe que eles peguem! Seria uma tragédia para o
mundo todo; seria o fim da paz...
O desconhecido não chegou a terminar o que dizia. Escutou vozes no
corredor e saiu rápido pela porta do lado oposto, antes que eu pudesse acordar
do
meu espanto.
As vozes do corredor foram se afastando, e tudo ficou em silêncio.
Passados alguns momentos de imobilidade, criei coragem e me aproximei da
mesa. A caixa continuava lá. Então fechei a porta e resolvi abrir aquilo. Peguei
uma
tesoura na gaveta da escrivaninha, cortei e removi a fita isolante.
Foi quando levantei a tampa que a coisa aconteceu. Não me senti mal, nem
desmaiei. Foi como seu eu tivesse... apagado!
... E de repente eu estava aqui – nesta rua desconhecida – fugindo
apavorado, dessa maneira inexplicável. Isso não faz sentido!
Fonte: CARR, Stella. Assombrassustos. São Paulo: Moderna, 1995, pp.27-8. Com cortes.

22. De acordo com os acontecimentos apresentados no texto, o sentido da
palavra grifada no trecho “Foi como seu eu tivesse... apagado!” é:

23. Em “resolvi abrir aquilo”, o pronome destacado está substituindo a palavra:

Leia um trecho de uma entrevista com Felipe Massa para responder as questões 24 e
25.

BATE-PAPO
FELIPE MASSA

Conte uma história marcante que tenha acontecido na sua infância.
No dia em que meu pai comprou o meu primeiro kart, ele colocou-o na
camionete
que tinha. Eu estava tão excitado com o "brinquedo" novo que viajei para
Botucatu, a
230 quilômetros de São Paulo, sentado no kart.

Sempre quis seguir carreira no automobilismo?
Sempre soube que seria ou pelo menos tentaria ser piloto profissional. Minha
família
ainda tem um vídeo em que respondo aquela pergunta que sempre fazem às
crianças: O que você vai ser quando crescer? Piloto de Fórmula 1, respondo.

Poderia dar dicas que considera importantes para quem está começando?
Automobilismo não é um esporte individual, ao contrário do que acredita a
maioria
das pessoas. É um trabalho de equipe. O talento continua sendo fundamental,
mas
ninguém vence sem uma boa retaguarda: um bom carro, mecânicos e técnicos
capazes. É assim no kart, é assim na Fórmula 1.
Fonte: Folha de S. Paulo. São Paulo, Folhinha, 10/10/2009. Com cortes

24. Os tempos verbais mais usados nas respostas dadas pelo piloto são:

25. Em “... ele colocou-o na camionete...” o pronome o se refere a:
Leia o poema a seguir para responder as questões 26 e 27.




Fonte: BELINKY, Tatiana. Um Caldeirão de Poemas 2. São Paulo: Cia das Letrinhas, 2007,
p.14. Com cortes


26. O trecho que apresenta rima é:

27. O texto escrito por Tatiana Belinky é um poema porque:


Um aluno da 6ª série recebeu o texto a seguir por e-mail sem letra maiúscula
inicial,sem sinais de pontuação.

um teclado na mão vale mais do que mil canetas no estojo simone janovich 17
acha que sim ela leva seu laptop para a escola todos os dias prefiro escrever no
computador tenho facilidade para digitar e fica mais organizado diz ela que acha
mais fácil estudar fazendo tudo no laptop (...)
Fonte: YURI, Débora. Escrevendo torto por linhas certas. In: Folhateen. Folha de S. Paulo. São
Paulo, 23/3/2009. Disponível em: http://www1.folha.uol.com.br/fsp/folhatee/fm2303200907.htm.
Com
cortes.

28. Depois de um tempo, o aluno reescreveu o texto, pois precisava discuti-lo
com seus colegas de classe. Um trecho do texto ficou assim:




Leia a dica de leitura que a menina Clarinha ofereceu no Blog dela (diário
eletrônico) para responder a questão 29.

BLOG VERDE DA CLARINHA
Dica de leitura!

Sexta-feira , 16 de Abril de 2010

Olá, olá, pessoal! Tudo bem?

Hoje vou contar pra vocês um pouquinho sobre o livro que separei pra trocá
essa sexta, mas só um pouco para vocês ainda ficarem curiosos pra ler e saber
o final!

“A última gota”, um livro da Editora Scipione, eu já li várias vezes. Já vou
adiantando que ele é emocionante! É verdade. Fala sobre a Kiki, uma menina
como a gente, que chegou da escola chateada e toda preocupada com a falta
de água no mundo...

Aí o Mestre Li sugere que ela leia a história da Chuvisca, que é a última gotinha
doPlaneta! Imaginam isso? Então, Kiki conhece a história especial dessa
gotinha, que vê muitas cenas de desperdício, mas está sempre cheia de
esperança de melhorar a situação da água no Planeta! É muito bom o livro,
pessoal! Vocês precisam ler!

Espero que gostem das minhas dicas!

Bom fim de semana para todos! E ótima leitura!

Clarinha
Fonte: Blog Verde da Clarinha. Disponível em: http://blogverdedaclarinha.blog.uol.com.br/.
Acesso em: 20 abr. 2010.

29. Ao se dirigir ao leitor, Clarinha usa expressões como “a gente”, “Imaginam
isso?”, “É muito bom o livro, pessoal!” porque:

Leia o texto a seguir para responder a questão 30.
Fernandinho gostava muito de olhar o mapa-múndi, que estava em cima da
mesa.
Certo dia, papai lhe mostrou o globo e disse:
- Meu filho, o mundo é assim redondo.
- Então o mundo é uma bola? – perguntou Fernando.
- Sim, senhor.
- Então, a gente podia brincar de jogar bola com o mundo?
Papai desatou a rir.
- Não diga bobagens, menino!
- Papai – pediu Fernando – me mostra onde fica a China.
Papai apontou com o dedo.
- Fica aqui.
- E a Índia?
Papai mostrou um lugar encarnado.
- E o Brasil?
O dedo do papai parou em cima duma grande mancha amarela.
- Se aqui é o Brasil, papai, onde é que nós estamos?
Papai apontou para um pontinho preto, pequenino, onde estava escrito o
nome de uma cidade.
- Estamos aqui.
Fernandinho espichou os olhos e disse
- Não vejo nada. Não vejo o senhor. Não vejo a nossa casa, o nosso gato...
- Tu és muito bobinho!!!
Fonte: VERISSIMO, Érico. As aventuras do avião vermelho. São Paulo: Companhia das
Letrinhas, 2003. Com cortes.

30. A frase “- Então o mundo é uma bola? – perguntou Fernando.”,
transformada em discurso indireto é:

Leia a carta do leitor a seguir para responder as questões 31 e 32.

PAINEL DO LEITOR

Orca

"Terrível a morte da treinadora do parque de Orlando, que teve o 'rabo de
cavalo' abocanhado por uma orca ('Orca agarrou treinadora pelo cabelo, diz
funcionário do SeaWorld', 'Folha Online', 25/2).
Os 'especialistas' apressam-se em culpar a orca, mas eu a defendo: é
corriqueiro nesses parques vermos treinadores premiando os animais com
peixes
após as exibições. Eles abanam um peixe à beira do tanque e o animal salta e o
abocanha. Ora, qual a diferença para a orca entre um tentador filé de peixe e o
'rabo
de cavalo' da treinadora, abanando à sua frente? Que outra reação se poderia
esperar do animal?
Espero que a Sociedade Protetora dos Animais defenda a orca, com a
autoridade que eu não tenho, e que as treinadoras percebam a temeridade de
abanar seus cabelos à frente do animal, depois que o acostumaram a
abocanhar
peixes sendo abanados à beira do tanque. Uma providencial touca de natação
teria
evitado a tragédia."
HELMIR ZIGOTO (Brasília, DF)
Fonte: Folha de S. Paulo, São Paulo, Painel do Leitor, 26/02/2010.

31. O autor da carta usou uma linguagem mais formal para:

32. Segundo o autor do texto, PRODUÇÃO DE TEXTO

Leia os textos a seguir para selecionar ideias que o(a) ajudarão na produção
escrita.

Texto 1 – Anúncio de vaga para “treinador(a) de dragões”, retirado de um jornal
de histórias inventadas.

Procura-se Treinador ou Treinadora de dragões: pré-adolescente que
goste de desafios e que seja responsável. Experiências com outros animais
como cachorros, gatos, passarinhos podem ser mencionadas na carta e
contar na seleção. Interessados deverão enviar suas cartas para “Escola
Dragões Vermelhos”, do Sr. Soluço, dizendo o motivo pelo qual podem ser
bons treinadores.

Texto 2 – Texto e figura de dragão com suas características principais. os
treinadores:




Uma fera de quatro patas




Fonte: CARAMICO, Thaís. De carona no dragão. Estadinho. O Estado de S. Paulo. São Paulo,
27/3/2010, p.5.

Proposta de Produção de Texto

Imagine que, após ler o anúncio do Sr. Soluço, a vaga interessou a você. Assim,
responda ao anúncio por meio de uma carta, dizendo por que é qualificado para
a vaga e que tipo de experiências possui com animais. Lembre-se de que é uma
carta para uma pessoa com a qual você não tem tanta intimidade. Portanto,
pense em que tipo de linguagem usar para conversar com ela.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

SARESP Prova por-8 ef-manha
SARESP Prova por-8 ef-manhaSARESP Prova por-8 ef-manha
SARESP Prova por-8 ef-manha
Dzheronyimo Fereyira
 
Simul.port.5ºano(descirtor gabarito)
Simul.port.5ºano(descirtor gabarito)Simul.port.5ºano(descirtor gabarito)
Simul.port.5ºano(descirtor gabarito)
Maurício Marques
 
AVALIAÇÃO DE LÍNGUA PORTUGUESA: 5º ANO DO 2º CICLO - 4º BIMESTRE
AVALIAÇÃO DE LÍNGUA PORTUGUESA: 5º ANO DO 2º CICLO - 4º BIMESTREAVALIAÇÃO DE LÍNGUA PORTUGUESA: 5º ANO DO 2º CICLO - 4º BIMESTRE
AVALIAÇÃO DE LÍNGUA PORTUGUESA: 5º ANO DO 2º CICLO - 4º BIMESTRE
Secretaria de Estado de Educação e Qualidade do Ensino
 
Apostila de Português completa versão final.
Apostila de Português completa versão final.Apostila de Português completa versão final.
Apostila de Português completa versão final.
PacatubaLei
 
SIMULADO DE LÍNGUA PORTUGUESA: 5º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL I - II CICLO
SIMULADO DE LÍNGUA PORTUGUESA: 5º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL I - II CICLOSIMULADO DE LÍNGUA PORTUGUESA: 5º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL I - II CICLO
SIMULADO DE LÍNGUA PORTUGUESA: 5º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL I - II CICLO
Secretaria de Estado de Educação e Qualidade do Ensino
 
Avaliacao diagnostica lp 8 ef
Avaliacao diagnostica lp 8 efAvaliacao diagnostica lp 8 ef
Avaliacao diagnostica lp 8 ef
Marcia Oliveira
 
Prova diagnostica 7 ano
Prova diagnostica 7 anoProva diagnostica 7 ano
Prova diagnostica 7 ano
Monica Cardoso
 
AVALIAÇÃO DE LÍNGUA PORTUGUESA - 1º BIMESTRE - 5º ANO
AVALIAÇÃO DE LÍNGUA PORTUGUESA - 1º BIMESTRE - 5º ANOAVALIAÇÃO DE LÍNGUA PORTUGUESA - 1º BIMESTRE - 5º ANO
AVALIAÇÃO DE LÍNGUA PORTUGUESA - 1º BIMESTRE - 5º ANO
Secretaria de Estado de Educação e Qualidade do Ensino
 
Simulado com descritores PROEB português 5º ano
Simulado com descritores PROEB português 5º anoSimulado com descritores PROEB português 5º ano
Simulado com descritores PROEB português 5º ano
Silvânia Silveira
 
Prova da Cidade Português - 7ª Serie
Prova da Cidade Português - 7ª SerieProva da Cidade Português - 7ª Serie
Prova da Cidade Português - 7ª Serie
Claudia Valério
 
Avaliação proeb língua portuguesa 5º ano
Avaliação proeb língua portuguesa 5º anoAvaliação proeb língua portuguesa 5º ano
Avaliação proeb língua portuguesa 5º ano
Atividades Diversas Cláudia
 
Língua Portuguesa 4 ano
Língua Portuguesa  4 anoLíngua Portuguesa  4 ano
Língua Portuguesa 4 ano
Paulo Sérgio
 
Matematica e Língua Portuguesa - 7º ano
Matematica e Língua Portuguesa - 7º anoMatematica e Língua Portuguesa - 7º ano
Matematica e Língua Portuguesa - 7º ano
Paulo Sérgio
 
Provas 5 ano 2012 portugues
Provas 5 ano 2012  portuguesProvas 5 ano 2012  portugues
Provas 5 ano 2012 portugues
Silmara Robles
 
Interpretaçao retrato portugues
Interpretaçao retrato portuguesInterpretaçao retrato portugues
Interpretaçao retrato portugues
Atividades Diversas Cláudia
 
Avaliacao diagnostica lp 7 ef
Avaliacao diagnostica lp 7 efAvaliacao diagnostica lp 7 ef
Avaliacao diagnostica lp 7 ef
Marcia Oliveira
 
7º ano portugues
7º ano portugues7º ano portugues
7º ano portugues
Luciene de souza Borges
 
Avaliação bimestral de lingua portuguesa 4º bimestre eliete 2012
Avaliação bimestral  de  lingua portuguesa  4º bimestre eliete 2012Avaliação bimestral  de  lingua portuguesa  4º bimestre eliete 2012
Avaliação bimestral de lingua portuguesa 4º bimestre eliete 2012
Eliete Soares E Soares
 
SIMULADO 4º ANO FUNDAMENTAL
SIMULADO 4º ANO FUNDAMENTALSIMULADO 4º ANO FUNDAMENTAL
SIMULADO 4º ANO FUNDAMENTAL
Cristina Brandão
 
5ano site lp
5ano site lp5ano site lp
5ano site lp
Cida Carvalho
 

Mais procurados (20)

SARESP Prova por-8 ef-manha
SARESP Prova por-8 ef-manhaSARESP Prova por-8 ef-manha
SARESP Prova por-8 ef-manha
 
Simul.port.5ºano(descirtor gabarito)
Simul.port.5ºano(descirtor gabarito)Simul.port.5ºano(descirtor gabarito)
Simul.port.5ºano(descirtor gabarito)
 
AVALIAÇÃO DE LÍNGUA PORTUGUESA: 5º ANO DO 2º CICLO - 4º BIMESTRE
AVALIAÇÃO DE LÍNGUA PORTUGUESA: 5º ANO DO 2º CICLO - 4º BIMESTREAVALIAÇÃO DE LÍNGUA PORTUGUESA: 5º ANO DO 2º CICLO - 4º BIMESTRE
AVALIAÇÃO DE LÍNGUA PORTUGUESA: 5º ANO DO 2º CICLO - 4º BIMESTRE
 
Apostila de Português completa versão final.
Apostila de Português completa versão final.Apostila de Português completa versão final.
Apostila de Português completa versão final.
 
SIMULADO DE LÍNGUA PORTUGUESA: 5º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL I - II CICLO
SIMULADO DE LÍNGUA PORTUGUESA: 5º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL I - II CICLOSIMULADO DE LÍNGUA PORTUGUESA: 5º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL I - II CICLO
SIMULADO DE LÍNGUA PORTUGUESA: 5º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL I - II CICLO
 
Avaliacao diagnostica lp 8 ef
Avaliacao diagnostica lp 8 efAvaliacao diagnostica lp 8 ef
Avaliacao diagnostica lp 8 ef
 
Prova diagnostica 7 ano
Prova diagnostica 7 anoProva diagnostica 7 ano
Prova diagnostica 7 ano
 
AVALIAÇÃO DE LÍNGUA PORTUGUESA - 1º BIMESTRE - 5º ANO
AVALIAÇÃO DE LÍNGUA PORTUGUESA - 1º BIMESTRE - 5º ANOAVALIAÇÃO DE LÍNGUA PORTUGUESA - 1º BIMESTRE - 5º ANO
AVALIAÇÃO DE LÍNGUA PORTUGUESA - 1º BIMESTRE - 5º ANO
 
Simulado com descritores PROEB português 5º ano
Simulado com descritores PROEB português 5º anoSimulado com descritores PROEB português 5º ano
Simulado com descritores PROEB português 5º ano
 
Prova da Cidade Português - 7ª Serie
Prova da Cidade Português - 7ª SerieProva da Cidade Português - 7ª Serie
Prova da Cidade Português - 7ª Serie
 
Avaliação proeb língua portuguesa 5º ano
Avaliação proeb língua portuguesa 5º anoAvaliação proeb língua portuguesa 5º ano
Avaliação proeb língua portuguesa 5º ano
 
Língua Portuguesa 4 ano
Língua Portuguesa  4 anoLíngua Portuguesa  4 ano
Língua Portuguesa 4 ano
 
Matematica e Língua Portuguesa - 7º ano
Matematica e Língua Portuguesa - 7º anoMatematica e Língua Portuguesa - 7º ano
Matematica e Língua Portuguesa - 7º ano
 
Provas 5 ano 2012 portugues
Provas 5 ano 2012  portuguesProvas 5 ano 2012  portugues
Provas 5 ano 2012 portugues
 
Interpretaçao retrato portugues
Interpretaçao retrato portuguesInterpretaçao retrato portugues
Interpretaçao retrato portugues
 
Avaliacao diagnostica lp 7 ef
Avaliacao diagnostica lp 7 efAvaliacao diagnostica lp 7 ef
Avaliacao diagnostica lp 7 ef
 
7º ano portugues
7º ano portugues7º ano portugues
7º ano portugues
 
Avaliação bimestral de lingua portuguesa 4º bimestre eliete 2012
Avaliação bimestral  de  lingua portuguesa  4º bimestre eliete 2012Avaliação bimestral  de  lingua portuguesa  4º bimestre eliete 2012
Avaliação bimestral de lingua portuguesa 4º bimestre eliete 2012
 
SIMULADO 4º ANO FUNDAMENTAL
SIMULADO 4º ANO FUNDAMENTALSIMULADO 4º ANO FUNDAMENTAL
SIMULADO 4º ANO FUNDAMENTAL
 
5ano site lp
5ano site lp5ano site lp
5ano site lp
 

Semelhante a Prova da cidade de português 6ª series

Simulado 02 - Português.pdf
Simulado 02 - Português.pdfSimulado 02 - Português.pdf
Simulado 02 - Português.pdf
BiancaFeltrin1
 
Fichas de reeducao em dislexia
Fichas de reeducao em dislexiaFichas de reeducao em dislexia
Fichas de reeducao em dislexia
Sandra Costa
 
Fichas de reeducação em dislexia
Fichas de reeducação em dislexiaFichas de reeducação em dislexia
Fichas de reeducação em dislexia
Fatima Rodrigues
 
portugues.doc
portugues.docportugues.doc
portugues.doc
Tuca Digdinilis
 
Avaliação língua portuguesa 9º ano
Avaliação língua portuguesa 9º anoAvaliação língua portuguesa 9º ano
Avaliação língua portuguesa 9º ano
Atividades Diversas Cláudia
 
Simulado de português 5º ano spaece 2014
Simulado de português 5º ano  spaece 2014Simulado de português 5º ano  spaece 2014
Simulado de português 5º ano spaece 2014
CASA-FACEBOOK-INSTAGRAM
 
Simulado spaece 1º ano
Simulado spaece 1º anoSimulado spaece 1º ano
Simulado spaece 1º ano
profronaldopompeu
 
simulado port. saresp.doc
simulado port. saresp.docsimulado port. saresp.doc
simulado port. saresp.doc
PROFaLUMENDES
 
Simulado 01 (port. 5º ano
Simulado 01 (port. 5º anoSimulado 01 (port. 5º ano
Simulado 01 (port. 5º ano
Cidinha Paulo
 
Ativ. férias 1º ano
Ativ. férias 1º anoAtiv. férias 1º ano
Ativ. férias 1º ano
Hermes Teixeira
 
Caderno p0302
Caderno p0302Caderno p0302
Caderno p0302
Uratinai Ketlis
 
Saresp 2010
Saresp 2010Saresp 2010
Saresp 2010
Vanessa Meira
 
Fichas gramaticais
Fichas gramaticaisFichas gramaticais
Fichas gramaticais
Lina Rodrigues
 
Simulado spaece 2012 portugues
Simulado spaece   2012  portuguesSimulado spaece   2012  portugues
Simulado spaece 2012 portugues
JELIANNE carlosjeliane
 
Simulado 1 língua portuguesa
Simulado 1   língua portuguesaSimulado 1   língua portuguesa
Simulado 1 língua portuguesa
Etevaldo Lima
 
D 11.pptx
D 11.pptxD 11.pptx
D 11.pptx
MilenaDoCarmo3
 
Simulado 1 (port. 5º ano blog do prof. warles)
Simulado 1 (port. 5º ano   blog do prof. warles)Simulado 1 (port. 5º ano   blog do prof. warles)
Simulado 1 (port. 5º ano blog do prof. warles)
DANIELDESOUZA67
 
Simulado 1 (port. 5º ano blog do prof. Warles)
Simulado 1 (port. 5º ano   blog do prof. Warles)Simulado 1 (port. 5º ano   blog do prof. Warles)
Simulado 1 (port. 5º ano blog do prof. Warles)
Secretaria de Estado de Educação e Qualidade do Ensino
 
Prova da Cidade Português - 8ª Séries
Prova da Cidade Português - 8ª SériesProva da Cidade Português - 8ª Séries
Prova da Cidade Português - 8ª Séries
Claudia Valério
 
Gêneros textuais fábula, tira, História em Quadrinhos (HQ), textos expositivo...
Gêneros textuais fábula, tira, História em Quadrinhos (HQ), textos expositivo...Gêneros textuais fábula, tira, História em Quadrinhos (HQ), textos expositivo...
Gêneros textuais fábula, tira, História em Quadrinhos (HQ), textos expositivo...
Colgiopice
 

Semelhante a Prova da cidade de português 6ª series (20)

Simulado 02 - Português.pdf
Simulado 02 - Português.pdfSimulado 02 - Português.pdf
Simulado 02 - Português.pdf
 
Fichas de reeducao em dislexia
Fichas de reeducao em dislexiaFichas de reeducao em dislexia
Fichas de reeducao em dislexia
 
Fichas de reeducação em dislexia
Fichas de reeducação em dislexiaFichas de reeducação em dislexia
Fichas de reeducação em dislexia
 
portugues.doc
portugues.docportugues.doc
portugues.doc
 
Avaliação língua portuguesa 9º ano
Avaliação língua portuguesa 9º anoAvaliação língua portuguesa 9º ano
Avaliação língua portuguesa 9º ano
 
Simulado de português 5º ano spaece 2014
Simulado de português 5º ano  spaece 2014Simulado de português 5º ano  spaece 2014
Simulado de português 5º ano spaece 2014
 
Simulado spaece 1º ano
Simulado spaece 1º anoSimulado spaece 1º ano
Simulado spaece 1º ano
 
simulado port. saresp.doc
simulado port. saresp.docsimulado port. saresp.doc
simulado port. saresp.doc
 
Simulado 01 (port. 5º ano
Simulado 01 (port. 5º anoSimulado 01 (port. 5º ano
Simulado 01 (port. 5º ano
 
Ativ. férias 1º ano
Ativ. férias 1º anoAtiv. férias 1º ano
Ativ. férias 1º ano
 
Caderno p0302
Caderno p0302Caderno p0302
Caderno p0302
 
Saresp 2010
Saresp 2010Saresp 2010
Saresp 2010
 
Fichas gramaticais
Fichas gramaticaisFichas gramaticais
Fichas gramaticais
 
Simulado spaece 2012 portugues
Simulado spaece   2012  portuguesSimulado spaece   2012  portugues
Simulado spaece 2012 portugues
 
Simulado 1 língua portuguesa
Simulado 1   língua portuguesaSimulado 1   língua portuguesa
Simulado 1 língua portuguesa
 
D 11.pptx
D 11.pptxD 11.pptx
D 11.pptx
 
Simulado 1 (port. 5º ano blog do prof. warles)
Simulado 1 (port. 5º ano   blog do prof. warles)Simulado 1 (port. 5º ano   blog do prof. warles)
Simulado 1 (port. 5º ano blog do prof. warles)
 
Simulado 1 (port. 5º ano blog do prof. Warles)
Simulado 1 (port. 5º ano   blog do prof. Warles)Simulado 1 (port. 5º ano   blog do prof. Warles)
Simulado 1 (port. 5º ano blog do prof. Warles)
 
Prova da Cidade Português - 8ª Séries
Prova da Cidade Português - 8ª SériesProva da Cidade Português - 8ª Séries
Prova da Cidade Português - 8ª Séries
 
Gêneros textuais fábula, tira, História em Quadrinhos (HQ), textos expositivo...
Gêneros textuais fábula, tira, História em Quadrinhos (HQ), textos expositivo...Gêneros textuais fábula, tira, História em Quadrinhos (HQ), textos expositivo...
Gêneros textuais fábula, tira, História em Quadrinhos (HQ), textos expositivo...
 

Mais de Claudia Valério

Cledson minhas ferias
Cledson minhas feriasCledson minhas ferias
Cledson minhas ferias
Claudia Valério
 
Artes Egípcias
Artes EgípciasArtes Egípcias
Artes Egípcias
Claudia Valério
 
Navegar com segurança
Navegar com segurançaNavegar com segurança
Navegar com segurança
Claudia Valério
 
Mortes sobrenaturais (aluna monitora stefanny b tolesano)
Mortes sobrenaturais (aluna monitora stefanny b tolesano)Mortes sobrenaturais (aluna monitora stefanny b tolesano)
Mortes sobrenaturais (aluna monitora stefanny b tolesano)
Claudia Valério
 
O mistério da fábrica de livros
O mistério da fábrica de livrosO mistério da fábrica de livros
O mistério da fábrica de livros
Claudia Valério
 
Pécda
PécdaPécda
Cabelos e inteligencia
Cabelos e inteligenciaCabelos e inteligencia
Cabelos e inteligencia
Claudia Valério
 
Cabelos e inteligencia
Cabelos e inteligenciaCabelos e inteligencia
Cabelos e inteligencia
Claudia Valério
 
Propostas 3b
Propostas 3bPropostas 3b
Propostas 3b
Claudia Valério
 
‬Jeif tarde de 04 de agosto a 11 de agosto
‬Jeif tarde de 04 de agosto a 11 de agosto‬Jeif tarde de 04 de agosto a 11 de agosto
‬Jeif tarde de 04 de agosto a 11 de agosto
Claudia Valério
 
Jeif tarde de 21 de julho a 29 de julho
Jeif tarde de  21 de julho a 29 de julhoJeif tarde de  21 de julho a 29 de julho
Jeif tarde de 21 de julho a 29 de julho
Claudia Valério
 
Jeif manha julho
Jeif manha julhoJeif manha julho
Jeif manha julho
Claudia Valério
 
Prova da cidade matemática 6ª série
Prova da cidade matemática  6ª sérieProva da cidade matemática  6ª série
Prova da cidade matemática 6ª série
Claudia Valério
 
Prova da cidade matemática 5ª série
Prova da cidade matemática 5ª sérieProva da cidade matemática 5ª série
Prova da cidade matemática 5ª série
Claudia Valério
 
Prova da Cidade Portugues 5ª serie
Prova da Cidade Portugues 5ª serieProva da Cidade Portugues 5ª serie
Prova da Cidade Portugues 5ª serie
Claudia Valério
 
Prova da Cidade de Matemática - 8ª series
Prova da Cidade de Matemática - 8ª seriesProva da Cidade de Matemática - 8ª series
Prova da Cidade de Matemática - 8ª series
Claudia Valério
 
Prova da Cidade - Matemática - 7ª série
Prova da Cidade - Matemática - 7ª sérieProva da Cidade - Matemática - 7ª série
Prova da Cidade - Matemática - 7ª série
Claudia Valério
 
Acontece no Franklin
Acontece no FranklinAcontece no Franklin
Acontece no Franklin
Claudia Valério
 
Aluno monitor em ação 2010 1
Aluno monitor em ação 2010 1Aluno monitor em ação 2010 1
Aluno monitor em ação 2010 1
Claudia Valério
 
Aluno monitor em ação 2010 2
Aluno monitor em ação 2010 2Aluno monitor em ação 2010 2
Aluno monitor em ação 2010 2
Claudia Valério
 

Mais de Claudia Valério (20)

Cledson minhas ferias
Cledson minhas feriasCledson minhas ferias
Cledson minhas ferias
 
Artes Egípcias
Artes EgípciasArtes Egípcias
Artes Egípcias
 
Navegar com segurança
Navegar com segurançaNavegar com segurança
Navegar com segurança
 
Mortes sobrenaturais (aluna monitora stefanny b tolesano)
Mortes sobrenaturais (aluna monitora stefanny b tolesano)Mortes sobrenaturais (aluna monitora stefanny b tolesano)
Mortes sobrenaturais (aluna monitora stefanny b tolesano)
 
O mistério da fábrica de livros
O mistério da fábrica de livrosO mistério da fábrica de livros
O mistério da fábrica de livros
 
Pécda
PécdaPécda
Pécda
 
Cabelos e inteligencia
Cabelos e inteligenciaCabelos e inteligencia
Cabelos e inteligencia
 
Cabelos e inteligencia
Cabelos e inteligenciaCabelos e inteligencia
Cabelos e inteligencia
 
Propostas 3b
Propostas 3bPropostas 3b
Propostas 3b
 
‬Jeif tarde de 04 de agosto a 11 de agosto
‬Jeif tarde de 04 de agosto a 11 de agosto‬Jeif tarde de 04 de agosto a 11 de agosto
‬Jeif tarde de 04 de agosto a 11 de agosto
 
Jeif tarde de 21 de julho a 29 de julho
Jeif tarde de  21 de julho a 29 de julhoJeif tarde de  21 de julho a 29 de julho
Jeif tarde de 21 de julho a 29 de julho
 
Jeif manha julho
Jeif manha julhoJeif manha julho
Jeif manha julho
 
Prova da cidade matemática 6ª série
Prova da cidade matemática  6ª sérieProva da cidade matemática  6ª série
Prova da cidade matemática 6ª série
 
Prova da cidade matemática 5ª série
Prova da cidade matemática 5ª sérieProva da cidade matemática 5ª série
Prova da cidade matemática 5ª série
 
Prova da Cidade Portugues 5ª serie
Prova da Cidade Portugues 5ª serieProva da Cidade Portugues 5ª serie
Prova da Cidade Portugues 5ª serie
 
Prova da Cidade de Matemática - 8ª series
Prova da Cidade de Matemática - 8ª seriesProva da Cidade de Matemática - 8ª series
Prova da Cidade de Matemática - 8ª series
 
Prova da Cidade - Matemática - 7ª série
Prova da Cidade - Matemática - 7ª sérieProva da Cidade - Matemática - 7ª série
Prova da Cidade - Matemática - 7ª série
 
Acontece no Franklin
Acontece no FranklinAcontece no Franklin
Acontece no Franklin
 
Aluno monitor em ação 2010 1
Aluno monitor em ação 2010 1Aluno monitor em ação 2010 1
Aluno monitor em ação 2010 1
 
Aluno monitor em ação 2010 2
Aluno monitor em ação 2010 2Aluno monitor em ação 2010 2
Aluno monitor em ação 2010 2
 

Último

Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdfAula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
vitorreissouzasilva
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
pamellaaraujo10
 
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
Gênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9ºGênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9º
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
sjcelsorocha
 
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
AdrianoMontagna1
 
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTALPlanejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
katbrochier1
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
Manuais Formação
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
AntonioAngeloNeves
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
fagnerlopes11
 
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptxO século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
geiseortiz1
 
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdfUFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
Manuais Formação
 
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
MatheusSousa716350
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
silvamelosilva300
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
ANDRÉA FERREIRA
 
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
SidneySilva523387
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Mauricio Alexandre Silva
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de GeografiaAula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
WELTONROBERTOFREITAS
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
AlineOliveira625820
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
CarlosJean21
 

Último (20)

Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdfAula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
 
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
Gênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9ºGênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9º
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
 
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
 
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTALPlanejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
 
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptxO século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
 
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdfUFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
 
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
 
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
 
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de GeografiaAula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
 

Prova da cidade de português 6ª series

  • 1. PROVA DA CIDADE PORTUGUÊS 6ª SÉRIES Leia o texto a seguir para responder a questão 1. Conheça a balada sustentável Se acabar na pista, virou questão de ecologia por Anna Balloussier. Ficar dançando até 5 da manhã pode esgotar a sua energia. Mas pode ajudar a iluminar o mundo – ou pelo menos um pedacinho dele. Acaba de ser inaugurada em Londres uma casa noturna em que a eletricidade não vem da tomada: vem da animação da galera. Tudo graças a uma pista de dança piezoelétrica, que consegue transformar o movimento das pessoas em eletricidade. Conforme elas dançam, pressionam a pista com os pés. Aí o chão, que é feito com uma cerâmica especial, sofre uma pequena deformação (imperceptível para quem está dançando). E isso gera energia elétrica para alimentar o som e a luz da boate. Segundo seus criadores, a pista high tech consegue gerar até 60% de toda a eletricidade consumida pelo clube, que se chama Surya (“Deus-Sol”, em sânscrito). As paredes do Surya são sensíveis ao calor e mudam de cor quando a casa está cheia e, literalmente, “fervendo” – a ideia é fazer uma referência ao aquecimento global. No banheiro, as descargas e torneiras utilizam água de chuva. E como não poderia deixar de ser, todos os vidros, metais, plásticos e papéis são reciclados. Já o bar causa certo estranhamento. Só serve bebidas orgânicas, feitas sem nenhum tipo de agrotóxico ou produto químico. Fonte: Balloussier, Anna. Se acabar na pista, virou questão de ecologia. Super Interessante. São Paulo: Ed. Abril, Edição 256, set./2008. [Com cortes.] 1. A finalidade do texto é: Leia o texto a seguir para responder questão 2.
  • 2. Fonte: Texto recolhido em comércio, em São Paulo, em 23 fev. 2010. 2. Os itens foram listados dessa maneira porque o texto é: Leia o texto a seguir para responder a questão 3. Chega de bafo! Aquele cheirinho forte da boca de seu cãozinho não deve ser ignorado. O mau hálito é sinal de que há algo errado com a boca ou com o aparelho digestivo do animal. Uma das causas do mau hálito pode ser a placa bacteriana que se acumula sobre os dentes. A placa é composta por proteínas, células mortas e de descamação, saliva, restos de alimentos e, principalmente, bactérias que, por meio do processo de fermentação, produzem substâncias que são responsáveis pelo terrível mau cheiro. Por terem os dentes mais juntos, os cães de pequeno porte têm mais chances de serem afetados pelo problema. Não ache normal seu cão ter bafo. Infecções sérias, que podem comprometer toda a saúde do animal, podem ter início numa boca mal tratada. Faça a higiene diária em seu bichinho e leve seu cão periodicamente ao veterinário. Fonte: Família Pet. Disponível em: http://familiapet.uol.com.br/caes/artigos/artigos_chega_de_bafo.htm Acesso em: 30 mar.2010. [Com cortes.] 2. De acordo com o texto, uma das causas do mau hálito na boca de um cãozinho é: Leia a tira a seguir para responder a questão 4. ADÃO
  • 3. Fonte: Adão. Folha de S. Paulo. Folhinha, sábado, 27/2/2010. 4. A partir das falas da personagem, é possível dizer que ela é uma adolescente porque: Leia o texto e observe a imagem para responder a questão 5. No Dia do Meio Ambiente, alunos de uma escola reuniram-se para observar uma imagem. Em seguida, resolveram que a colocariam no mural da turma. Assim, escreveram uma legenda, a partir das ações das personagens presentes na cena. Fonte: Imagem retirada do site Terra. Disponível em: http://blog.allegraescola.com.br.2008/0605dia-5- de-junho-dia-do-meio-ambiente. Acesso em: 30 mar. 2010. 5. A legenda mais apropriada é: Leia o texto a seguir para responder a questão 6. Circuito fechado (I) Chinelo, vaso, descarga. Pia, sabonete. Água. Escova, creme dental, água, espuma, creme de barbear, pincel, espuma, gilete, água, cortina, sabonete, água fria, água
  • 4. quente, toalha. Creme para cabelo, pente. Cueca, camisa, abotoaduras, calça, meias, sapato, gravata, paletó. Carteira, níqueis, documentos, caneta, chaves... Fonte: Ramos, Ricardo. Contos brasileiros contemporâneos. São Paulo: Moderna, 1994. Com cortes. 6. As ações narradas ocorrem na seguinte sequência: Leia um trecho do rap de MV Bill para responder a questão 7. Uma Declaração de Guerra Hei mãe, o terror vai começar Coloca a janta, talvez a última, o bicho vai pegar Se eu não voltar sorria Guerra é em busca da alegria Eu luto pela salvação É tudo em nome da razão Avisei que a guerra era inevitável Pra quem vive em condição desfavorável Subestimaram, pagaram pra ver, tão vendo Ignoraram a nossa coragem, tão morrendo A violência não fui eu que inventei Chega de ouvir esse discurso social Fonte: BILL, M.V. Uma Declaração de Guerra. Disponível em: http://vagalume.uol.com.br/mvbill/ uma-declaracao-de-guerra.html. Acesso em: 12 abr. 2010. Com cortes. Adapt. 7. Em “Avisei que a guerra era inevitável pra quem vive em condição desfavorável”,justifica-se o uso do prefixo “des-“ porque reforça a ideia de que: Leia o texto a seguir para responder a questão 8 e observe os recursos sonoros usados para mostrar como foi o começo da viagem de avião da personagem Creuza. “E logo o avião começou a se mover bem devagarinho. Vira daqui, embica dali, chacoalha daqui, treme de lá, xii, parou de novo. E agora? AI, QUE MEDO. De repente, Creuza entendeu: era que nem o touro quando toma distância para pegar velocidade e... Ai!!!!!! Corre corre corre corre Corre corre corre corre corre Ai ai ai ai ai ai aaaaaaaai Corre corre corre corre corre e ai, ai, puf! Puf? Como “puf”? O que foi aquilo? Sobe sobe sobe sobe sobe sobe sobe sobe ? A...i Ai Ai Ai Ai Ai
  • 5. Não é que subiu?” Fonte: TAVANO, Silvana. Creuza em crise – Quatro histórias de uma bruxa atrapalhada. São Paulo: Companhia das Letras, 2004. Com cortes. Adapt. 8. Pode-se dizer que o recurso sonoro que indica a aflição de Creuza é Leia a folha de rosto retirada de um livro para responder a questão 9. Fonte: NANETTI, A. Meu avô era uma cerejeira. São Paulo: Martins Fontes, 2007. Com cortes. 9. Pode-se dizer que a pessoa responsável pela revisão da tradução do livro é: Leia o texto a seguir para responder as questões 10 e 11. As estrelas do Dr. Otto (Sérgio Capperelli) A primeira vez em que vi o Dr. Otto foi no início de maio. Os primeiros ventos varriam as folhas das bananeiras e de manhã a gente corria à janela, com medo de que o granizo tivesse estragado a plantação de lavanda. A temperatura mudava
  • 6. constantemente. Numa dessas mudanças, minha irmã mais nova caiu de cama. - Chama o Dr. Otto – aconselhou Seu Hans, que tem casa na frente da nossa. - Ela está bem, Hans, não se preocupe. - Olha, compadre, criança é delicada. Precisa de muito cuidado. Meu pai era um homem sisudo, de mãos calosas, enormes. Deslizou os dedos pelos fios da barba e estalou os lábios. - Que nada, passa logo. Passou nada. A febre foi a 40 e Gisele começou a vomitar. - Onde é que mora o Dr. Otto? – quis saber meu pai. Seu Hans deu o troco. - Eu não disse? No fim, a menina piorou. O Dr. Otto é um mágico... Vai resolver isso! - Não quero saber de mágicos nem de mané-mágicos. Só o endereço dele. Ficou ofendido, o seu Hans: - Que é isso? Eu, hein! Só quis ajudar... Fonte: CAPPARELLI, Sérgio. Uma colcha muito curta. Porto Alegre – RS: L&PM, 2007. Adapt. 10. Seu Hans é: 11. No texto, a narração é realizada: Leia um fragmento de “Os três Mosqueteiros”, adaptado para o teatro para responder a questão 12. ARAMIS – Ontem, à noite, fui consultar um sábio que costumo frequentar... Quando eu estava saindo de sua casa, vi sua sobrinha... PORTOS – Claro, uma sobrinha, eu tinha certeza... ARAMIS – Na hora em que eu saía de lá, ela também saia. Resolvi acompanhá- la até sua carruagem. ATOS – Vamos, o caso é sério! ARAMIS – Bom, de repente, no escuro da noite, surgiu um homem alto, moreno... Vinha acompanhado de uns seis homens, aproximou-se, e disse para mim e para a dama que me acompanhava: “Senhor duque, e vós, senhora, dignai-vos subir para essa carruagem sem opor qualquer resistência.” D’ARTAGNAN – Achou que você era o duque e ela, a rainha! Claro! PORTOS – É verdade que você é da mesma altura que o duque, e tem o mesmo porte... Mas o uniforme de mosqueteiro... ARAMIS – Eu estava enrolado numa capa enorme. PORTOS – E o rosto? ARAMIS – Eu estava usando um chapéu de aba enorme, caído sobre o rosto... PORTOS – Em pleno no verão? Deus do céu! Nunca pensei que a gente precisasse tomar tantas precauções para visitar um sábio...
  • 7. ATOS – Portos, deixe Aramis em paz. E aí, quando viram que você não era o duque eles sumiram? ARAMIS – Exatamente... Fonte: DUMAS, Alexandre. Os três mosqueteiros. Adapt. Ana Maria Machado. 3. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2007. 12. O mosqueteiro Aramis foi confundido com um determinado Duque porque Leia o poema a seguir para responder a questão 13. Profundamente Quando ontem adormeci Na noite de São João Havia alegria e rumor Estrondos de bombas luzes de Bengala Vozes cantigas e risos Ao pé das fogueiras acesas. No meio da noite despertei Não ouvi mais vozes nem risos Apenas balões Passavam errantes silenciosamente Apenas de vez em quando O ruído de um bonde Cortava o silêncio Como um túnel. Onde estavam os que há pouco Dançavam Cantavam E riam Ao pé das fogueiras acesas? Fonte: Bandeira, Manuel. Libertinagem & Estrela da manhã. Rio de Janeiro: Nova Fronteira: 1995.p. 55. Com cortes. 13. O verso que traz marcas do tempo dos acontecimentos no poema é: Leia o texto a seguir para responder as questões 14 e 15. São Paulo, domingo, 11 de abril de 2010 Pulseirinha do barulho Enfeites associados a jogos sexuais foram proibidos em algumas cidades após crimes envolvendo adolescentes que usavam o adereço. LETICIA DE CASTRO DA REPORTAGEM LOCAL Elas apareceram no Brasil há cerca de dois anos e ficaram conhecidas como as inocentes pulseiras da amizade. Usadas para selar o afeto entre colegas, os acessórios coloridos de silicone viraram febre entre crianças e adolescentes. Até que os boatos sobre jogos sexuais começaram a circular na internet. De acordo com esses relatos, cada cor teria um significado. Ao ter uma pulseira rompida, o dono deveria "pagar uma prenda" para aquele que a arrancou. A roxa, por exemplo, vale um beijo de língua; a preta, sexo.
  • 8. "Eu achava bonito e distribuía para as minhas melhores amigas, como uma prova de amizade. Mas não sabia do significado das cores", diz a estudante Micaela Sanches, 11, que parou de usar o enfeite. No mês passado, a escola em que a garota estuda, em Sorocaba (interior de São Paulo), enviou um e-mail pedindo que os pais impedissem os filhos de usar o acessório. Os casos recentes de violência contra mulheres que usavam o acessório - duas foram mortas em Manaus e uma, estuprada em Londrina - ajudaram a enterrar de vez a modinha, que teve seu auge em São Paulo no fim do ano passado. Fonte: Folha de S. Paulo. São Paulo, Cotidiano, 11/04/2010. Disponível em: http://www1.folha.uol.com.br/fsp/cotidian/ff1104201007.htm. Acesso em: 11 abr.2010. 14. A notícia apresenta informações acerca do problema em usar as pulseiras coloridas. A solução encontrada pela menina Micaela Sanches foi: 15. É possível dizer que esse texto faz parte de: Leia o texto a seguir para responder a questão 16. Suspiros (Luís Fernando Veríssimo) Um homem foi procurar uma vidente. A senhora leu a sua mão, em silêncio. Depois ela espalhou as cartas na sua frente e as examinou longamente. Finalmente olhou a bola de cristal. E concluiu: - Você vai morrer num lugar com água. - Uma banheira? - Não. Um lugar maior. - Uma piscina... - Vejo uma cidade. Água por todos os lados. Em vez de ruas, tem água... - Veneza! - Isso. - Eu vou morrer em Veneza? - Vai. - Como? - Hmmm. Vejo barcos... Gôndolas... Espere! Uma mulher... O homem, é claro, jamais chegou perto de Veneza depois disso. Fonte: VERÍSSIMO, Luís Fernando. Festa de criança. São Paulo: Ática, 2006. Com cortes. Adapt. 16. No primeiro parágrafo do texto, a expressão “uma vidente" foi substituída pelas,palavras “senhora” e “ela” porque o autor: Leia o texto a seguir para responder as questões 17 e 18. Blogue do Rex Grêmio Recreativo Escola de Samba Turma do Rex apresenta... A história do carnaval! Meninos e meninas, o carnaval chegou! Nós decidimos pesquisar para cair na folia bem informados e descobrimos muitas curiosidades! Você sabia, por exemplo, que, no início do século 19, o carnaval do Rio de
  • 9. Janeiro era bem diferente do atual? Nas ruas, músicas de todos os ritmos tocavam sem parar e as pessoas se divertiam jogando água, tinta, farinha uma nas outras. Esse jeito de brincar tinha um nome meio esquisito: entrudo. Mas ricos e pobres se divertiam assim, apesar de a festa parecer meio de mau gosto para alguns europeus que aportavam na cidade. Em 1808, porém, a forma de pular o carnaval no Rio de Janeiro começou a mudar com a chegada da família real portuguesa à cidade. As pessoas que tinham melhores condições financeiras começaram a copiar o carnaval francês, com bailes de máscaras, desfiles de carros, coisas tidas como muito chiques. Só que os pobres não podiam entrar nessa festa. E o entrudo foi proibido. Mas quem disse que o povo ficou sem pular carnaval? Mesmo tendo que enfrentar a polícia, os que não tinham direito de participar do carnaval à francesa faziam sua própria festa nas ruas. Batucavam e vestiam fantasias. Eram os chamados cordões, em que entrava qualquer um e todos os tipos de música eram cantados. Uma farra! Nessa época, também apareceram os ranchos. Ao contrário dos cordões, eles eram grupos fechados e organizados: escolhiam um tema para desfilar e criavam fantasias e músicas ligadas a esse tema. Isso parece com o que as escolas de samba fazem hoje? Pois é por aí mesmo! Os ranchos estão na origem das escolas de samba, assim como os cordões são os avós dos blocos de carnaval atuais. Dá para acreditar? Publicado por Rex - 12/02/2010 11:30 Fonte: Blogue do Rex. In: Revista Ciência Hoje das Crianças. Disponível em: http://chc.cienciahoje.uol.com.br/blogue-do-rex/blog-do-rex/blog_view?b_start:int=6&-C=. Acesso em: 12 abr. 2010. Com cortes. 17. A partir da história do Carnaval contada por Rex, pode-se dizer que: 18. No trecho “... escolhiam um tema para desfilar e criavam fantasias...”, a palavra,em destaque indica que existe uma relação de: Leia a história em quadrinhos a seguir para responder a questão 19.
  • 10. SOUSA, Maurício. A turma da Mônica. In: O Estado de S. Paulo. Estadinho, 27/03/2010, p.20 19. Cebolinha demorou para apresentar o novo bichinho de estimação para a turma porque: Leia a notícia a seguir para responder as questões 20 e 21. São Paulo, sábado, 10 de abril de 2010 Folhinha explica Por que chove tanto EDUARDO GERAQUE DA REPORTAGEM LOCAL Se você mora em São Paulo ou no Rio de Janeiro, deve ter abusado do guardachuva nos últimos dias. Por que anda chovendo tanto? O mês de abril é naturalmente bastante chuvoso no Rio. Mas, neste ano, a situação está fora do normal. As chuvas trágicas que caíram no Rio, em Niterói e na Baixada Fluminense são resultado de dois fenômenos conhecidos pelas pessoas que estudam o tempo. Ainda não é inverno, por isso o ar ainda está quente e bastante úmido. Mas também não é mais verão. No outono, costuma chegar o vento frio que se forma lá na Antártida, onde vive boa parte dos pinguins. O que ocorreu no litoral brasileiro foi o encontro de um vento frio que vem lá do Sul com o ar quente, que estava estacionado por aqui. Esse vento frio, quando começa a chegar, muda o ar que está quente. Assim, o vapor de água que está nas nuvens vira líquido - daí a chuva. É parecido com o que ocorre na tampa da panela no fogão. Fonte: Folha de S. Paulo. São Paulo, Folhinha, 10/4/2010. Disponível em:http://www1.folha.uol.com.br/folhinha/dicas/di10041011.htm. Acesso em: abr. 2010. Com cortes. Adapt. 20. A chuva que tem aparecido entre o verão e o inverno ocorreu porque: 21. Observando as informações nas frases a seguir, pode-se dizer que a ideia de oposição entre fatos ocorre em: Leia o texto a seguir para responder as questões 22 e 23. Charada (Stella Carr) ... Eu estava calmamente sentado em meu escritório, quando um
  • 11. desconhecido entrou, carregando uma caixa grande. Parecia pesada. Pensei que ele tivesse se enganado de porta. Então notei que o homem tremia. O estranho parou no meio da sala e falou, assustado: - Por favor, me ajude! Eles estão atrás de mim. ... E antes que eu perguntasse qualquer coisa, o homem largou a caixa em cima da mesa e avisou com voz rápida e ofegante: - Esconde isso, não deixe que eles peguem! Seria uma tragédia para o mundo todo; seria o fim da paz... O desconhecido não chegou a terminar o que dizia. Escutou vozes no corredor e saiu rápido pela porta do lado oposto, antes que eu pudesse acordar do meu espanto. As vozes do corredor foram se afastando, e tudo ficou em silêncio. Passados alguns momentos de imobilidade, criei coragem e me aproximei da mesa. A caixa continuava lá. Então fechei a porta e resolvi abrir aquilo. Peguei uma tesoura na gaveta da escrivaninha, cortei e removi a fita isolante. Foi quando levantei a tampa que a coisa aconteceu. Não me senti mal, nem desmaiei. Foi como seu eu tivesse... apagado! ... E de repente eu estava aqui – nesta rua desconhecida – fugindo apavorado, dessa maneira inexplicável. Isso não faz sentido! Fonte: CARR, Stella. Assombrassustos. São Paulo: Moderna, 1995, pp.27-8. Com cortes. 22. De acordo com os acontecimentos apresentados no texto, o sentido da palavra grifada no trecho “Foi como seu eu tivesse... apagado!” é: 23. Em “resolvi abrir aquilo”, o pronome destacado está substituindo a palavra: Leia um trecho de uma entrevista com Felipe Massa para responder as questões 24 e 25. BATE-PAPO FELIPE MASSA Conte uma história marcante que tenha acontecido na sua infância. No dia em que meu pai comprou o meu primeiro kart, ele colocou-o na camionete que tinha. Eu estava tão excitado com o "brinquedo" novo que viajei para Botucatu, a 230 quilômetros de São Paulo, sentado no kart. Sempre quis seguir carreira no automobilismo? Sempre soube que seria ou pelo menos tentaria ser piloto profissional. Minha família ainda tem um vídeo em que respondo aquela pergunta que sempre fazem às crianças: O que você vai ser quando crescer? Piloto de Fórmula 1, respondo. Poderia dar dicas que considera importantes para quem está começando? Automobilismo não é um esporte individual, ao contrário do que acredita a maioria das pessoas. É um trabalho de equipe. O talento continua sendo fundamental, mas ninguém vence sem uma boa retaguarda: um bom carro, mecânicos e técnicos capazes. É assim no kart, é assim na Fórmula 1. Fonte: Folha de S. Paulo. São Paulo, Folhinha, 10/10/2009. Com cortes 24. Os tempos verbais mais usados nas respostas dadas pelo piloto são: 25. Em “... ele colocou-o na camionete...” o pronome o se refere a:
  • 12. Leia o poema a seguir para responder as questões 26 e 27. Fonte: BELINKY, Tatiana. Um Caldeirão de Poemas 2. São Paulo: Cia das Letrinhas, 2007, p.14. Com cortes 26. O trecho que apresenta rima é: 27. O texto escrito por Tatiana Belinky é um poema porque: Um aluno da 6ª série recebeu o texto a seguir por e-mail sem letra maiúscula inicial,sem sinais de pontuação. um teclado na mão vale mais do que mil canetas no estojo simone janovich 17 acha que sim ela leva seu laptop para a escola todos os dias prefiro escrever no computador tenho facilidade para digitar e fica mais organizado diz ela que acha mais fácil estudar fazendo tudo no laptop (...)
  • 13. Fonte: YURI, Débora. Escrevendo torto por linhas certas. In: Folhateen. Folha de S. Paulo. São Paulo, 23/3/2009. Disponível em: http://www1.folha.uol.com.br/fsp/folhatee/fm2303200907.htm. Com cortes. 28. Depois de um tempo, o aluno reescreveu o texto, pois precisava discuti-lo com seus colegas de classe. Um trecho do texto ficou assim: Leia a dica de leitura que a menina Clarinha ofereceu no Blog dela (diário eletrônico) para responder a questão 29. BLOG VERDE DA CLARINHA Dica de leitura! Sexta-feira , 16 de Abril de 2010 Olá, olá, pessoal! Tudo bem? Hoje vou contar pra vocês um pouquinho sobre o livro que separei pra trocá essa sexta, mas só um pouco para vocês ainda ficarem curiosos pra ler e saber o final! “A última gota”, um livro da Editora Scipione, eu já li várias vezes. Já vou adiantando que ele é emocionante! É verdade. Fala sobre a Kiki, uma menina como a gente, que chegou da escola chateada e toda preocupada com a falta de água no mundo... Aí o Mestre Li sugere que ela leia a história da Chuvisca, que é a última gotinha doPlaneta! Imaginam isso? Então, Kiki conhece a história especial dessa gotinha, que vê muitas cenas de desperdício, mas está sempre cheia de esperança de melhorar a situação da água no Planeta! É muito bom o livro, pessoal! Vocês precisam ler! Espero que gostem das minhas dicas! Bom fim de semana para todos! E ótima leitura! Clarinha Fonte: Blog Verde da Clarinha. Disponível em: http://blogverdedaclarinha.blog.uol.com.br/. Acesso em: 20 abr. 2010. 29. Ao se dirigir ao leitor, Clarinha usa expressões como “a gente”, “Imaginam isso?”, “É muito bom o livro, pessoal!” porque: Leia o texto a seguir para responder a questão 30. Fernandinho gostava muito de olhar o mapa-múndi, que estava em cima da mesa. Certo dia, papai lhe mostrou o globo e disse: - Meu filho, o mundo é assim redondo. - Então o mundo é uma bola? – perguntou Fernando. - Sim, senhor. - Então, a gente podia brincar de jogar bola com o mundo? Papai desatou a rir. - Não diga bobagens, menino! - Papai – pediu Fernando – me mostra onde fica a China. Papai apontou com o dedo.
  • 14. - Fica aqui. - E a Índia? Papai mostrou um lugar encarnado. - E o Brasil? O dedo do papai parou em cima duma grande mancha amarela. - Se aqui é o Brasil, papai, onde é que nós estamos? Papai apontou para um pontinho preto, pequenino, onde estava escrito o nome de uma cidade. - Estamos aqui. Fernandinho espichou os olhos e disse - Não vejo nada. Não vejo o senhor. Não vejo a nossa casa, o nosso gato... - Tu és muito bobinho!!! Fonte: VERISSIMO, Érico. As aventuras do avião vermelho. São Paulo: Companhia das Letrinhas, 2003. Com cortes. 30. A frase “- Então o mundo é uma bola? – perguntou Fernando.”, transformada em discurso indireto é: Leia a carta do leitor a seguir para responder as questões 31 e 32. PAINEL DO LEITOR Orca "Terrível a morte da treinadora do parque de Orlando, que teve o 'rabo de cavalo' abocanhado por uma orca ('Orca agarrou treinadora pelo cabelo, diz funcionário do SeaWorld', 'Folha Online', 25/2). Os 'especialistas' apressam-se em culpar a orca, mas eu a defendo: é corriqueiro nesses parques vermos treinadores premiando os animais com peixes após as exibições. Eles abanam um peixe à beira do tanque e o animal salta e o abocanha. Ora, qual a diferença para a orca entre um tentador filé de peixe e o 'rabo de cavalo' da treinadora, abanando à sua frente? Que outra reação se poderia esperar do animal? Espero que a Sociedade Protetora dos Animais defenda a orca, com a autoridade que eu não tenho, e que as treinadoras percebam a temeridade de abanar seus cabelos à frente do animal, depois que o acostumaram a abocanhar peixes sendo abanados à beira do tanque. Uma providencial touca de natação teria evitado a tragédia." HELMIR ZIGOTO (Brasília, DF) Fonte: Folha de S. Paulo, São Paulo, Painel do Leitor, 26/02/2010. 31. O autor da carta usou uma linguagem mais formal para: 32. Segundo o autor do texto, PRODUÇÃO DE TEXTO Leia os textos a seguir para selecionar ideias que o(a) ajudarão na produção escrita. Texto 1 – Anúncio de vaga para “treinador(a) de dragões”, retirado de um jornal de histórias inventadas. Procura-se Treinador ou Treinadora de dragões: pré-adolescente que goste de desafios e que seja responsável. Experiências com outros animais como cachorros, gatos, passarinhos podem ser mencionadas na carta e contar na seleção. Interessados deverão enviar suas cartas para “Escola Dragões Vermelhos”, do Sr. Soluço, dizendo o motivo pelo qual podem ser
  • 15. bons treinadores. Texto 2 – Texto e figura de dragão com suas características principais. os treinadores: Uma fera de quatro patas Fonte: CARAMICO, Thaís. De carona no dragão. Estadinho. O Estado de S. Paulo. São Paulo, 27/3/2010, p.5. Proposta de Produção de Texto Imagine que, após ler o anúncio do Sr. Soluço, a vaga interessou a você. Assim, responda ao anúncio por meio de uma carta, dizendo por que é qualificado para a vaga e que tipo de experiências possui com animais. Lembre-se de que é uma carta para uma pessoa com a qual você não tem tanta intimidade. Portanto, pense em que tipo de linguagem usar para conversar com ela.