SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 19
Educação Digital de Olho nas Novas Tecnologias




       “A principal meta da educação é criar homens que sejam
    capazes de fazer coisas novas, não simplesmente repetir o que
       outras gerações já fizeram. Homens que sejam criadores,
     inovadores, descobridores. A segunda metade da educação é
    formar mentes que estejam em condições de criticar, verificar e
          não aceitar tudo que a elas se propõe.” Jean Piaget
Informática Aplicada à Educativa
Laboratórios de Informática Educativa

 S U M Á R I O
 •   Plano de Informática Educativa
 •   O que é Informática Educativa
 •   Laboratório de Informática Educativa - LIE
 •   Funções do LIE/LEI
 •   Atribuições do professor de LIE
 •   Pontos Positivos e Negativos
 •   Desafios e perspectivas
PLANO DE INFORMÁTICA EDUCATIVA

O Plano de Informática Educativa nas escolas da rede pública foi
implantado no ano de 2000 e está vinculado ao PROINFO INTEGRADO,
cujo objetivo é:

Promover o uso pedagógico das tecnologias de informação e comunicação
nas escolas das Redes Municipal e Estadual de Ensino de Fortaleza

AS AÇÕES SE DÃO NA PERSPECTIVA DE:

Equipar as Escolas com Laboratórios e conexão com Internet;

Formar professores para o uso das TIC no contexto escolar;

Organizar um sistema manutenção e suporte;

Organizar um sistema de gestão e acompanhamento pedagógico.
O uso do
 com pu tad or na
  esc ola com o
     rec urs o
   pe da góg ico

“No ssa men te é a mel hor
 tecn olog ia, infin itam ente
supe rior em com plex idad e
  ao mel hor com puta dor,
 porq ue pen sa, rela cion a,
    sent e, intu i e pod e
        surp reen der. ”
        (Mo ran, 1997)
O QUE É INFORMÁTICA EDUCATIVA?

Se caracteriza pelo uso da informática como suporte ao professor,
como um instrumento a mais à sua disposição.
Computador como uma ferramenta auxiliar no processo de
construção do conhecimento.
Computador como meio e nunca como fim.
Utilização do Computador considerando os componentes
curriculares.
A uti liza ção do s
   Re cur sos de
    Tec no log ia
 Ed uca cio na l em
 no ssa s esc ola s
de ve aco nte cer na
açã o pe da gó gic a,
     de for ma
 con tex tua liza da
          no
 de sen vol vim en to
    de Pro jet os
LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA EDUCATIVA

 “O Laboratório de Informática Educativa, se constitui em um
      lugar de encontro do docente e seus alunos com a
                         tecnologia.”
É um espaço pedagógico, que deve ser chamado de Sala de Aula. O
que difere o LIE das outras salas de aula é o fato de possuir os recursos
tecnológicos, como computadores, DVD, impressora, TV e outros.

O LIE só é útil para Escola se estiver vinculado ao seu Projeto
Pedagógico. Se todos que fazem a Escola tiverem clareza de sua
finalidade;

O horário de funcionamento será o mesmo da escola, sempre com um
professor responsável pelo ambiente.

O LIE deve estar disponível para toda comunidade escolar, com
prioridade para alunos e professores.
LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA EDUCATIVA

As atividades realizadas deverão ser planejadas com antecedência,
sempre relacionadas com os conteúdos curriculares.

O atendimento em Laboratório de Informática Educativa depende de
prévio agendamento.

O LIE poderá atender à comunidade, em horário extra-escolar, devendo
ser disponibilizado um professor, agente administrativo, secretário ou
gestor para acompanhar o projeto, tornando-se co-responsável.

Proporcionar aos professores e alunos infra-estrutura e suporte de
recursos computacionais;
Servir como suporte pedagógico facilitador da aprendizagem;
LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA EDUCATIVA

Inclusão digital de alunos e professores;

Inserção das Tecnologias da Informação e Comunicação no contexto da
escola;
Todas as atividades dos LIEs são extensivas aos anexos e creches
correspondentes, nas mesmas dondições das escolas patrimoniais.



 “Os computadores encontram-se auxiliando e influenciando o
     dia-a-dia de cada um, sendo assim as escolas devem
 acompanhar e inserir as tecnologias dentro do seu programa
     educacional, ou senão corre o risco de cair no atraso
                 funcional do ensino obsoleto.”
FUNÇÕES DO LIE/LEI

Agendamento das aulas

Contínuo,   estabelecido no planejamento;

Não   há um cronograma fixo por turma ou professor;

O   agendamento é criado necessariamente pelo professor regente;

É   passível de negociação.

   “Não basta introduzir os recursos na escola, mas faz-se
necessário discutir e orientar sobre os métodos e técnicas de
       sua utilização, do ponto de vista pedagógico.”
ATRIBUIÇÕES DO PROFESSOR DO LIE

Elaborar o Projeto Pedagógico para o LIE;
Definir junto à comunidade escolar o funcionamento do LIE,
considerando as diretrizes e orientações (SME/ NTE/SEFOR);
Planejar, juntamente com o professor regente da disciplina as
atividades pedagógicas a serem desenvolvidas no LIE;
Registrar e arquivar todas as atividades planejadas e executadas nas
aulas;
Assessorar o professor-regente em suas aulas realizadas no LIE;

Contribuir com a formação de todos os professores na área de
Informática Educativa;
Realizar mensalmente relatórios sobre os trabalhos desenvolvidos no
LIE e encaminhá-los ao SME/NTE/SEFOR.
O uso da internet na
  educação: pontos
positivos e negativos.


  O Lab ora tóri o de
      Info rmá tica
     Edu cat iva , se
  con stit ui em um
lug ar de enc ont ro do
    doc ent e e seu s
     alu nos com a
       tec nol ogi a.
PONTOS POSITIVOS

Acessibilidade a fontes inesgotáveis de assuntos para pesquisas;

Páginas educacionais específicas para a pesquisa escolar;

Páginas para busca de software;

Comunicação e interação com outras escolas;

Estímulo para pesquisar a partir de temas previamente definidos ou a
partir da curiosidade dos próprios alunos;

Desenvolvimento de uma nova forma de comunicação e socialização;
PONTOS POSITIVOS

 Estímulo à escrita e à leitura;

 Estímulo à curiosidade;

Estímulo ao raciocínio lógico;

Desenvolvimento da autonomia;

Possibilidade do aprendizado individualizado;

Troca de experiências entre professores/professores, aluno/aluno e
professor/aluno.
PONTOS NEGATIVOS

Muitas informações sem fidedignidade.
Lentidão de acesso quando o serviço da empresa que possibilita a
conexão à rede é de baixa qualidade.
Facilidade de dispersão. Muitos alunos perdem-se no emaranhado de
possibilidades de navegação e não procuram o que deveriam.
Confusão entre informação e conhecimento. O conhecimento não se
passa, mas cria-se e constrói-se
Resistência às mudanças. Alguns alunos e professores não aceitam
facilmente a mudança na forma de ensinar e aprender.
Facilidade no acesso a inadequados para o público infanto-juvenil.
As nos sas cria nça s
     des de mu ito
 peq uen as, sab em
usa r a inf orm áti ca,
 e ess e ace ler ado
cre sci me nto che gou
até nos sas esc ola s.




                            Trata-se de um
                          maravilhoso recurso
                           didático para as
                                 aulas.
Cab e a nós ,
  Pro fiss ion ais da
Edu caç ão con hec er
 nos sa fer ram ent a
  de tra bal ho e ter
 con tro le sob re ela ,
     não só par a
     enr iqu ece r o
  apr end iza do, ma s
tam bém par a evi tar
  que a inf orm áti ca
sej a usa da de for ma
      neg ati va ou
       crim ino sa.
A escola precisa exercer seu papel de
educar o jovem para a responsabilidade e
critério no uso dos recursos tecnológicos.
EEFM Michelson Nobre da Silva

Proposta Pedagógica para o
Laboratório de Informática Educativa
Profª Jocilaine Moreira
Educação Digital

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

1ª reunião com os coordenadores
1ª reunião com os coordenadores1ª reunião com os coordenadores
1ª reunião com os coordenadoresRosemary Batista
 
Projeto de Leitura: Minha Escola Lê
Projeto de Leitura: Minha Escola LêProjeto de Leitura: Minha Escola Lê
Projeto de Leitura: Minha Escola LêCirlei Santos
 
Projeto de intervenção pedagógica - Como estão sendo utilizadas as tecnologia...
Projeto de intervenção pedagógica - Como estão sendo utilizadas as tecnologia...Projeto de intervenção pedagógica - Como estão sendo utilizadas as tecnologia...
Projeto de intervenção pedagógica - Como estão sendo utilizadas as tecnologia...Professsor Marcos Marcos
 
Plano de Ação - Laboratório de Informática - Ensino Fundamental II
Plano de Ação - Laboratório de Informática - Ensino Fundamental IIPlano de Ação - Laboratório de Informática - Ensino Fundamental II
Plano de Ação - Laboratório de Informática - Ensino Fundamental IIMoisés Ferreira Barreto
 
Planejamento na escola
Planejamento na escolaPlanejamento na escola
Planejamento na escolagindri
 
Pauta planejamento 2012 1º
Pauta planejamento 2012     1ºPauta planejamento 2012     1º
Pauta planejamento 2012 1ºNethy Marques
 
Plano de Ação Pedagogo
Plano de Ação PedagogoPlano de Ação Pedagogo
Plano de Ação PedagogoCÉSAR TAVARES
 
Artigo relatório de estágio na educação infantil.
Artigo relatório de estágio na educação infantil.Artigo relatório de estágio na educação infantil.
Artigo relatório de estágio na educação infantil.renatalguterres
 
Plano intervenção
Plano intervençãoPlano intervenção
Plano intervençãojosihy
 
Plano De AçãO LaboratóRio
Plano De AçãO   LaboratóRioPlano De AçãO   LaboratóRio
Plano De AçãO LaboratóRioAna Claudia
 
A importância da tecnologia para educação
A importância da tecnologia para educaçãoA importância da tecnologia para educação
A importância da tecnologia para educaçãoFernanda Damasio
 
Unidade 3 ano 2 A compreensão do Sistema de Escrita Alfabética e a consolidaç...
Unidade 3 ano 2 A compreensão do Sistema de Escrita Alfabética e a consolidaç...Unidade 3 ano 2 A compreensão do Sistema de Escrita Alfabética e a consolidaç...
Unidade 3 ano 2 A compreensão do Sistema de Escrita Alfabética e a consolidaç...Bete Feliciano
 
Uso de recursos tecnológicos na educação
Uso de recursos tecnológicos na educaçãoUso de recursos tecnológicos na educação
Uso de recursos tecnológicos na educaçãoPatty Santana
 

Mais procurados (20)

1ª reunião com os coordenadores
1ª reunião com os coordenadores1ª reunião com os coordenadores
1ª reunião com os coordenadores
 
Projeto Libras
Projeto LibrasProjeto Libras
Projeto Libras
 
Projeto de Leitura: Minha Escola Lê
Projeto de Leitura: Minha Escola LêProjeto de Leitura: Minha Escola Lê
Projeto de Leitura: Minha Escola Lê
 
Regulamento 2008[1]
Regulamento 2008[1]Regulamento 2008[1]
Regulamento 2008[1]
 
Projeto de intervenção pedagógica - Como estão sendo utilizadas as tecnologia...
Projeto de intervenção pedagógica - Como estão sendo utilizadas as tecnologia...Projeto de intervenção pedagógica - Como estão sendo utilizadas as tecnologia...
Projeto de intervenção pedagógica - Como estão sendo utilizadas as tecnologia...
 
Práticas pedagógicas inovadoras- Plano de Aula
Práticas pedagógicas inovadoras- Plano de AulaPráticas pedagógicas inovadoras- Plano de Aula
Práticas pedagógicas inovadoras- Plano de Aula
 
Plano de Ação - Laboratório de Informática - Ensino Fundamental II
Plano de Ação - Laboratório de Informática - Ensino Fundamental IIPlano de Ação - Laboratório de Informática - Ensino Fundamental II
Plano de Ação - Laboratório de Informática - Ensino Fundamental II
 
Planejamento na escola
Planejamento na escolaPlanejamento na escola
Planejamento na escola
 
Pauta planejamento 2012 1º
Pauta planejamento 2012     1ºPauta planejamento 2012     1º
Pauta planejamento 2012 1º
 
Plano de Ação Pedagogo
Plano de Ação PedagogoPlano de Ação Pedagogo
Plano de Ação Pedagogo
 
Fluencia leitora
Fluencia leitoraFluencia leitora
Fluencia leitora
 
A escola
A escolaA escola
A escola
 
Artigo relatório de estágio na educação infantil.
Artigo relatório de estágio na educação infantil.Artigo relatório de estágio na educação infantil.
Artigo relatório de estágio na educação infantil.
 
Plano intervenção
Plano intervençãoPlano intervenção
Plano intervenção
 
Plano De AçãO LaboratóRio
Plano De AçãO   LaboratóRioPlano De AçãO   LaboratóRio
Plano De AçãO LaboratóRio
 
A importância da tecnologia para educação
A importância da tecnologia para educaçãoA importância da tecnologia para educação
A importância da tecnologia para educação
 
Unidade 3 ano 2 A compreensão do Sistema de Escrita Alfabética e a consolidaç...
Unidade 3 ano 2 A compreensão do Sistema de Escrita Alfabética e a consolidaç...Unidade 3 ano 2 A compreensão do Sistema de Escrita Alfabética e a consolidaç...
Unidade 3 ano 2 A compreensão do Sistema de Escrita Alfabética e a consolidaç...
 
Diário de bordo
Diário de bordoDiário de bordo
Diário de bordo
 
A história da internet
A história da internetA história da internet
A história da internet
 
Uso de recursos tecnológicos na educação
Uso de recursos tecnológicos na educaçãoUso de recursos tecnológicos na educação
Uso de recursos tecnológicos na educação
 

Semelhante a Proposta Pedagógica para o Laboratório de informática educativa

Satiane moreira goulart
Satiane moreira goulartSatiane moreira goulart
Satiane moreira goulartequipetics
 
Restinga Sêca - Ieda Romana Altermann Prodorutti
Restinga Sêca - Ieda Romana Altermann ProdoruttiRestinga Sêca - Ieda Romana Altermann Prodorutti
Restinga Sêca - Ieda Romana Altermann ProdoruttiCursoTICs
 
Santana do Livramento - Sabrina Luciana Sonego Farias
Santana do Livramento - Sabrina Luciana Sonego FariasSantana do Livramento - Sabrina Luciana Sonego Farias
Santana do Livramento - Sabrina Luciana Sonego FariasCursoTICs
 
PROJETO "CLICAR PARA INCLUIR"
PROJETO "CLICAR PARA INCLUIR"PROJETO "CLICAR PARA INCLUIR"
PROJETO "CLICAR PARA INCLUIR"josemilia17
 
Laboratório de Informática Educativa
Laboratório de Informática EducativaLaboratório de Informática Educativa
Laboratório de Informática EducativaVuldembergue Farias
 
Trabalho inf educativa daniel
Trabalho inf educativa danielTrabalho inf educativa daniel
Trabalho inf educativa danielDanielcastiajo
 
Es1 5 pre-projeto_intervenção_cláudia
Es1 5 pre-projeto_intervenção_cláudiaEs1 5 pre-projeto_intervenção_cláudia
Es1 5 pre-projeto_intervenção_cláudiaCláudia Sousa Silva
 
As inovações tecnológicas e os sistemas educacionais: os impactos, limites, d...
As inovações tecnológicas e os sistemas educacionais: os impactos, limites, d...As inovações tecnológicas e os sistemas educacionais: os impactos, limites, d...
As inovações tecnológicas e os sistemas educacionais: os impactos, limites, d...Mauricio Maulaz
 
8 º encontro do Proinfo Tics. Junco do Seridó
8 º encontro do Proinfo  Tics. Junco do Seridó8 º encontro do Proinfo  Tics. Junco do Seridó
8 º encontro do Proinfo Tics. Junco do SeridóMônica Cristina Souza
 
Andreia mainardi
Andreia mainardiAndreia mainardi
Andreia mainardiequipetics
 
LaboratóRio De InformáTica Educacional Resumo
LaboratóRio De InformáTica Educacional   ResumoLaboratóRio De InformáTica Educacional   Resumo
LaboratóRio De InformáTica Educacional Resumonorbertoschwantes
 
Sobradinho - Clair Batista da Silva
Sobradinho - Clair Batista da SilvaSobradinho - Clair Batista da Silva
Sobradinho - Clair Batista da SilvaCursoTICs
 
Santana do Livramento - Maria Francisca Ilha Hardem Neves
Santana do Livramento - Maria Francisca Ilha Hardem NevesSantana do Livramento - Maria Francisca Ilha Hardem Neves
Santana do Livramento - Maria Francisca Ilha Hardem NevesCursoTICs
 
Tecnologia digital e tecnologia não digital pdf
Tecnologia digital e tecnologia não digital pdfTecnologia digital e tecnologia não digital pdf
Tecnologia digital e tecnologia não digital pdfMari Carvalho
 

Semelhante a Proposta Pedagógica para o Laboratório de informática educativa (20)

Grupo 7 formação de professores
Grupo 7   formação de professoresGrupo 7   formação de professores
Grupo 7 formação de professores
 
Satiane moreira goulart
Satiane moreira goulartSatiane moreira goulart
Satiane moreira goulart
 
Restinga Sêca - Ieda Romana Altermann Prodorutti
Restinga Sêca - Ieda Romana Altermann ProdoruttiRestinga Sêca - Ieda Romana Altermann Prodorutti
Restinga Sêca - Ieda Romana Altermann Prodorutti
 
Trabalho 4
Trabalho 4Trabalho 4
Trabalho 4
 
Trabalho 4
Trabalho 4Trabalho 4
Trabalho 4
 
letrameto digitaç.pdf
letrameto digitaç.pdfletrameto digitaç.pdf
letrameto digitaç.pdf
 
Guia de orientação nte
Guia de orientação nteGuia de orientação nte
Guia de orientação nte
 
Santana do Livramento - Sabrina Luciana Sonego Farias
Santana do Livramento - Sabrina Luciana Sonego FariasSantana do Livramento - Sabrina Luciana Sonego Farias
Santana do Livramento - Sabrina Luciana Sonego Farias
 
PROJETO "CLICAR PARA INCLUIR"
PROJETO "CLICAR PARA INCLUIR"PROJETO "CLICAR PARA INCLUIR"
PROJETO "CLICAR PARA INCLUIR"
 
Laboratório de Informática Educativa
Laboratório de Informática EducativaLaboratório de Informática Educativa
Laboratório de Informática Educativa
 
Projeto lei 2014
Projeto lei   2014Projeto lei   2014
Projeto lei 2014
 
Trabalho inf educativa daniel
Trabalho inf educativa danielTrabalho inf educativa daniel
Trabalho inf educativa daniel
 
Es1 5 pre-projeto_intervenção_cláudia
Es1 5 pre-projeto_intervenção_cláudiaEs1 5 pre-projeto_intervenção_cláudia
Es1 5 pre-projeto_intervenção_cláudia
 
As inovações tecnológicas e os sistemas educacionais: os impactos, limites, d...
As inovações tecnológicas e os sistemas educacionais: os impactos, limites, d...As inovações tecnológicas e os sistemas educacionais: os impactos, limites, d...
As inovações tecnológicas e os sistemas educacionais: os impactos, limites, d...
 
8 º encontro do Proinfo Tics. Junco do Seridó
8 º encontro do Proinfo  Tics. Junco do Seridó8 º encontro do Proinfo  Tics. Junco do Seridó
8 º encontro do Proinfo Tics. Junco do Seridó
 
Andreia mainardi
Andreia mainardiAndreia mainardi
Andreia mainardi
 
LaboratóRio De InformáTica Educacional Resumo
LaboratóRio De InformáTica Educacional   ResumoLaboratóRio De InformáTica Educacional   Resumo
LaboratóRio De InformáTica Educacional Resumo
 
Sobradinho - Clair Batista da Silva
Sobradinho - Clair Batista da SilvaSobradinho - Clair Batista da Silva
Sobradinho - Clair Batista da Silva
 
Santana do Livramento - Maria Francisca Ilha Hardem Neves
Santana do Livramento - Maria Francisca Ilha Hardem NevesSantana do Livramento - Maria Francisca Ilha Hardem Neves
Santana do Livramento - Maria Francisca Ilha Hardem Neves
 
Tecnologia digital e tecnologia não digital pdf
Tecnologia digital e tecnologia não digital pdfTecnologia digital e tecnologia não digital pdf
Tecnologia digital e tecnologia não digital pdf
 

Mais de Jocilaine Moreira

Pensando com o Guido: quando o belo se define no amor
Pensando com o Guido: quando o belo se define no amorPensando com o Guido: quando o belo se define no amor
Pensando com o Guido: quando o belo se define no amorJocilaine Moreira
 
Projeto de dissertação de mestrado em filosofia jocilaine.doc
Projeto de dissertação de mestrado em filosofia jocilaine.docProjeto de dissertação de mestrado em filosofia jocilaine.doc
Projeto de dissertação de mestrado em filosofia jocilaine.docJocilaine Moreira
 
Projeto de Dissertação de Mestrado em Filosofia
Projeto de Dissertação de Mestrado em Filosofia Projeto de Dissertação de Mestrado em Filosofia
Projeto de Dissertação de Mestrado em Filosofia Jocilaine Moreira
 
Retrospectiva 2016 Escola Crispiana de Albuquerque
Retrospectiva 2016 Escola Crispiana de AlbuquerqueRetrospectiva 2016 Escola Crispiana de Albuquerque
Retrospectiva 2016 Escola Crispiana de AlbuquerqueJocilaine Moreira
 
Funesdocuidadoremercadodetrabalho 130820160047-phpapp02
Funesdocuidadoremercadodetrabalho 130820160047-phpapp02Funesdocuidadoremercadodetrabalho 130820160047-phpapp02
Funesdocuidadoremercadodetrabalho 130820160047-phpapp02Jocilaine Moreira
 
ÉTICA PARA O CUIDADOR DE IDOSOS
ÉTICA PARA O CUIDADOR DE IDOSOSÉTICA PARA O CUIDADOR DE IDOSOS
ÉTICA PARA O CUIDADOR DE IDOSOSJocilaine Moreira
 
GESTÃO DEMOCRÁTICA: RESGATANDO OS VALORES HUMANOS DO ENSINO RELIGIOSO NAS ESC...
GESTÃO DEMOCRÁTICA: RESGATANDO OS VALORES HUMANOS DO ENSINO RELIGIOSO NAS ESC...GESTÃO DEMOCRÁTICA: RESGATANDO OS VALORES HUMANOS DO ENSINO RELIGIOSO NAS ESC...
GESTÃO DEMOCRÁTICA: RESGATANDO OS VALORES HUMANOS DO ENSINO RELIGIOSO NAS ESC...Jocilaine Moreira
 
GESTÃO DEMOCRÁTICA: RESGATANDO OS VALORES HUMANOS DO ENSINO RELIGIOSO NAS ESC...
GESTÃO DEMOCRÁTICA: RESGATANDO OS VALORES HUMANOS DO ENSINO RELIGIOSO NAS ESC...GESTÃO DEMOCRÁTICA: RESGATANDO OS VALORES HUMANOS DO ENSINO RELIGIOSO NAS ESC...
GESTÃO DEMOCRÁTICA: RESGATANDO OS VALORES HUMANOS DO ENSINO RELIGIOSO NAS ESC...Jocilaine Moreira
 
PANORAMA HISTÓRICO DA TRAJETÓRIA DE JESUS NA TERRA: O AUTOR DE UMA NOVA ÉTICA
PANORAMA HISTÓRICO DA TRAJETÓRIA DE JESUS NA TERRA: O AUTOR DE UMA NOVA ÉTICAPANORAMA HISTÓRICO DA TRAJETÓRIA DE JESUS NA TERRA: O AUTOR DE UMA NOVA ÉTICA
PANORAMA HISTÓRICO DA TRAJETÓRIA DE JESUS NA TERRA: O AUTOR DE UMA NOVA ÉTICAJocilaine Moreira
 
Trabalhando imagens com o gimp
Trabalhando imagens com o gimpTrabalhando imagens com o gimp
Trabalhando imagens com o gimpJocilaine Moreira
 
Proposta pedagógica para o laboratório de informática educativa
Proposta pedagógica para o laboratório de informática educativaProposta pedagógica para o laboratório de informática educativa
Proposta pedagógica para o laboratório de informática educativaJocilaine Moreira
 

Mais de Jocilaine Moreira (20)

Pensando com o Guido: quando o belo se define no amor
Pensando com o Guido: quando o belo se define no amorPensando com o Guido: quando o belo se define no amor
Pensando com o Guido: quando o belo se define no amor
 
Projeto de dissertação de mestrado em filosofia jocilaine.doc
Projeto de dissertação de mestrado em filosofia jocilaine.docProjeto de dissertação de mestrado em filosofia jocilaine.doc
Projeto de dissertação de mestrado em filosofia jocilaine.doc
 
Projeto de Dissertação de Mestrado em Filosofia
Projeto de Dissertação de Mestrado em Filosofia Projeto de Dissertação de Mestrado em Filosofia
Projeto de Dissertação de Mestrado em Filosofia
 
Retrospectiva 2016 Escola Crispiana de Albuquerque
Retrospectiva 2016 Escola Crispiana de AlbuquerqueRetrospectiva 2016 Escola Crispiana de Albuquerque
Retrospectiva 2016 Escola Crispiana de Albuquerque
 
Funesdocuidadoremercadodetrabalho 130820160047-phpapp02
Funesdocuidadoremercadodetrabalho 130820160047-phpapp02Funesdocuidadoremercadodetrabalho 130820160047-phpapp02
Funesdocuidadoremercadodetrabalho 130820160047-phpapp02
 
Integrada 2 de maio
Integrada 2 de maioIntegrada 2 de maio
Integrada 2 de maio
 
ÉTICA PARA O CUIDADOR DE IDOSOS
ÉTICA PARA O CUIDADOR DE IDOSOSÉTICA PARA O CUIDADOR DE IDOSOS
ÉTICA PARA O CUIDADOR DE IDOSOS
 
GESTÃO DEMOCRÁTICA: RESGATANDO OS VALORES HUMANOS DO ENSINO RELIGIOSO NAS ESC...
GESTÃO DEMOCRÁTICA: RESGATANDO OS VALORES HUMANOS DO ENSINO RELIGIOSO NAS ESC...GESTÃO DEMOCRÁTICA: RESGATANDO OS VALORES HUMANOS DO ENSINO RELIGIOSO NAS ESC...
GESTÃO DEMOCRÁTICA: RESGATANDO OS VALORES HUMANOS DO ENSINO RELIGIOSO NAS ESC...
 
GESTÃO DEMOCRÁTICA: RESGATANDO OS VALORES HUMANOS DO ENSINO RELIGIOSO NAS ESC...
GESTÃO DEMOCRÁTICA: RESGATANDO OS VALORES HUMANOS DO ENSINO RELIGIOSO NAS ESC...GESTÃO DEMOCRÁTICA: RESGATANDO OS VALORES HUMANOS DO ENSINO RELIGIOSO NAS ESC...
GESTÃO DEMOCRÁTICA: RESGATANDO OS VALORES HUMANOS DO ENSINO RELIGIOSO NAS ESC...
 
PANORAMA HISTÓRICO DA TRAJETÓRIA DE JESUS NA TERRA: O AUTOR DE UMA NOVA ÉTICA
PANORAMA HISTÓRICO DA TRAJETÓRIA DE JESUS NA TERRA: O AUTOR DE UMA NOVA ÉTICAPANORAMA HISTÓRICO DA TRAJETÓRIA DE JESUS NA TERRA: O AUTOR DE UMA NOVA ÉTICA
PANORAMA HISTÓRICO DA TRAJETÓRIA DE JESUS NA TERRA: O AUTOR DE UMA NOVA ÉTICA
 
Dia dos professores
Dia dos professoresDia dos professores
Dia dos professores
 
Valorize sua especialidade
Valorize sua especialidadeValorize sua especialidade
Valorize sua especialidade
 
Estrela Natureza
Estrela NaturezaEstrela Natureza
Estrela Natureza
 
Pela Paz
Pela PazPela Paz
Pela Paz
 
Carta 2070
Carta  2070Carta  2070
Carta 2070
 
Eca em HQ
Eca em HQEca em HQ
Eca em HQ
 
Diversidade Cultural
Diversidade CulturalDiversidade Cultural
Diversidade Cultural
 
Mito da Caverna
Mito da CavernaMito da Caverna
Mito da Caverna
 
Trabalhando imagens com o gimp
Trabalhando imagens com o gimpTrabalhando imagens com o gimp
Trabalhando imagens com o gimp
 
Proposta pedagógica para o laboratório de informática educativa
Proposta pedagógica para o laboratório de informática educativaProposta pedagógica para o laboratório de informática educativa
Proposta pedagógica para o laboratório de informática educativa
 

Último

livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorialNeuroppIsnayaLciaMar
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfmaria794949
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfPastor Robson Colaço
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoVALMIRARIBEIRO1
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxIlda Bicacro
 
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAHISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAElianeAlves383563
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Mary Alvarenga
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.HandersonFabio
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"Ilda Bicacro
 
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdfanálise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdfMaiteFerreira4
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteLeonel Morgado
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...LuizHenriquedeAlmeid6
 
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdfPlanejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdfdanielagracia9
 
Conteúdo sobre a formação e expansão persa
Conteúdo sobre a formação e expansão persaConteúdo sobre a formação e expansão persa
Conteúdo sobre a formação e expansão persafelipescherner
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroBrenda Fritz
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptxlucioalmeida2702
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é precisoMary Alvarenga
 
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfMarcianaClaudioClaud
 

Último (20)

livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorial
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
 
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAHISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
 
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdfanálise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
 
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdfPlanejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
 
Conteúdo sobre a formação e expansão persa
Conteúdo sobre a formação e expansão persaConteúdo sobre a formação e expansão persa
Conteúdo sobre a formação e expansão persa
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é preciso
 
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
 

Proposta Pedagógica para o Laboratório de informática educativa

  • 1. Educação Digital de Olho nas Novas Tecnologias “A principal meta da educação é criar homens que sejam capazes de fazer coisas novas, não simplesmente repetir o que outras gerações já fizeram. Homens que sejam criadores, inovadores, descobridores. A segunda metade da educação é formar mentes que estejam em condições de criticar, verificar e não aceitar tudo que a elas se propõe.” Jean Piaget
  • 2. Informática Aplicada à Educativa Laboratórios de Informática Educativa S U M Á R I O • Plano de Informática Educativa • O que é Informática Educativa • Laboratório de Informática Educativa - LIE • Funções do LIE/LEI • Atribuições do professor de LIE • Pontos Positivos e Negativos • Desafios e perspectivas
  • 3. PLANO DE INFORMÁTICA EDUCATIVA O Plano de Informática Educativa nas escolas da rede pública foi implantado no ano de 2000 e está vinculado ao PROINFO INTEGRADO, cujo objetivo é: Promover o uso pedagógico das tecnologias de informação e comunicação nas escolas das Redes Municipal e Estadual de Ensino de Fortaleza AS AÇÕES SE DÃO NA PERSPECTIVA DE: Equipar as Escolas com Laboratórios e conexão com Internet; Formar professores para o uso das TIC no contexto escolar; Organizar um sistema manutenção e suporte; Organizar um sistema de gestão e acompanhamento pedagógico.
  • 4. O uso do com pu tad or na esc ola com o rec urs o pe da góg ico “No ssa men te é a mel hor tecn olog ia, infin itam ente supe rior em com plex idad e ao mel hor com puta dor, porq ue pen sa, rela cion a, sent e, intu i e pod e surp reen der. ” (Mo ran, 1997)
  • 5. O QUE É INFORMÁTICA EDUCATIVA? Se caracteriza pelo uso da informática como suporte ao professor, como um instrumento a mais à sua disposição. Computador como uma ferramenta auxiliar no processo de construção do conhecimento. Computador como meio e nunca como fim. Utilização do Computador considerando os componentes curriculares.
  • 6. A uti liza ção do s Re cur sos de Tec no log ia Ed uca cio na l em no ssa s esc ola s de ve aco nte cer na açã o pe da gó gic a, de for ma con tex tua liza da no de sen vol vim en to de Pro jet os
  • 7. LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA EDUCATIVA “O Laboratório de Informática Educativa, se constitui em um lugar de encontro do docente e seus alunos com a tecnologia.” É um espaço pedagógico, que deve ser chamado de Sala de Aula. O que difere o LIE das outras salas de aula é o fato de possuir os recursos tecnológicos, como computadores, DVD, impressora, TV e outros. O LIE só é útil para Escola se estiver vinculado ao seu Projeto Pedagógico. Se todos que fazem a Escola tiverem clareza de sua finalidade; O horário de funcionamento será o mesmo da escola, sempre com um professor responsável pelo ambiente. O LIE deve estar disponível para toda comunidade escolar, com prioridade para alunos e professores.
  • 8. LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA EDUCATIVA As atividades realizadas deverão ser planejadas com antecedência, sempre relacionadas com os conteúdos curriculares. O atendimento em Laboratório de Informática Educativa depende de prévio agendamento. O LIE poderá atender à comunidade, em horário extra-escolar, devendo ser disponibilizado um professor, agente administrativo, secretário ou gestor para acompanhar o projeto, tornando-se co-responsável. Proporcionar aos professores e alunos infra-estrutura e suporte de recursos computacionais; Servir como suporte pedagógico facilitador da aprendizagem;
  • 9. LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA EDUCATIVA Inclusão digital de alunos e professores; Inserção das Tecnologias da Informação e Comunicação no contexto da escola; Todas as atividades dos LIEs são extensivas aos anexos e creches correspondentes, nas mesmas dondições das escolas patrimoniais. “Os computadores encontram-se auxiliando e influenciando o dia-a-dia de cada um, sendo assim as escolas devem acompanhar e inserir as tecnologias dentro do seu programa educacional, ou senão corre o risco de cair no atraso funcional do ensino obsoleto.”
  • 10. FUNÇÕES DO LIE/LEI Agendamento das aulas Contínuo, estabelecido no planejamento; Não há um cronograma fixo por turma ou professor; O agendamento é criado necessariamente pelo professor regente; É passível de negociação. “Não basta introduzir os recursos na escola, mas faz-se necessário discutir e orientar sobre os métodos e técnicas de sua utilização, do ponto de vista pedagógico.”
  • 11. ATRIBUIÇÕES DO PROFESSOR DO LIE Elaborar o Projeto Pedagógico para o LIE; Definir junto à comunidade escolar o funcionamento do LIE, considerando as diretrizes e orientações (SME/ NTE/SEFOR); Planejar, juntamente com o professor regente da disciplina as atividades pedagógicas a serem desenvolvidas no LIE; Registrar e arquivar todas as atividades planejadas e executadas nas aulas; Assessorar o professor-regente em suas aulas realizadas no LIE; Contribuir com a formação de todos os professores na área de Informática Educativa; Realizar mensalmente relatórios sobre os trabalhos desenvolvidos no LIE e encaminhá-los ao SME/NTE/SEFOR.
  • 12. O uso da internet na educação: pontos positivos e negativos. O Lab ora tóri o de Info rmá tica Edu cat iva , se con stit ui em um lug ar de enc ont ro do doc ent e e seu s alu nos com a tec nol ogi a.
  • 13. PONTOS POSITIVOS Acessibilidade a fontes inesgotáveis de assuntos para pesquisas; Páginas educacionais específicas para a pesquisa escolar; Páginas para busca de software; Comunicação e interação com outras escolas; Estímulo para pesquisar a partir de temas previamente definidos ou a partir da curiosidade dos próprios alunos; Desenvolvimento de uma nova forma de comunicação e socialização;
  • 14. PONTOS POSITIVOS  Estímulo à escrita e à leitura;  Estímulo à curiosidade; Estímulo ao raciocínio lógico; Desenvolvimento da autonomia; Possibilidade do aprendizado individualizado; Troca de experiências entre professores/professores, aluno/aluno e professor/aluno.
  • 15. PONTOS NEGATIVOS Muitas informações sem fidedignidade. Lentidão de acesso quando o serviço da empresa que possibilita a conexão à rede é de baixa qualidade. Facilidade de dispersão. Muitos alunos perdem-se no emaranhado de possibilidades de navegação e não procuram o que deveriam. Confusão entre informação e conhecimento. O conhecimento não se passa, mas cria-se e constrói-se Resistência às mudanças. Alguns alunos e professores não aceitam facilmente a mudança na forma de ensinar e aprender. Facilidade no acesso a inadequados para o público infanto-juvenil.
  • 16. As nos sas cria nça s des de mu ito peq uen as, sab em usa r a inf orm áti ca, e ess e ace ler ado cre sci me nto che gou até nos sas esc ola s. Trata-se de um maravilhoso recurso didático para as aulas.
  • 17. Cab e a nós , Pro fiss ion ais da Edu caç ão con hec er nos sa fer ram ent a de tra bal ho e ter con tro le sob re ela , não só par a enr iqu ece r o apr end iza do, ma s tam bém par a evi tar que a inf orm áti ca sej a usa da de for ma neg ati va ou crim ino sa.
  • 18. A escola precisa exercer seu papel de educar o jovem para a responsabilidade e critério no uso dos recursos tecnológicos.
  • 19. EEFM Michelson Nobre da Silva Proposta Pedagógica para o Laboratório de Informática Educativa Profª Jocilaine Moreira Educação Digital