SlideShare uma empresa Scribd logo
Cuidado, frágil: atenção ao suicídio de
crianças e adolescentes
Luciana França Cescon
Psicóloga – CRP 98202
- Psicóloga (UNIP 2009)
- Saúde Mental da
Prefeitura de Santos desde
2012
- Especialização em Saúde
Pública em 2013
- Mestrado Profissional de
2013 a 2015
Suicídio: ato iniciado e executado por uma pessoa que tem a
noção (ou forte expectativa) de que dele pode resultar a
morte.
 Ideação suicida
Plano suicida
Ato suicida - fatal (suicídio) ou não (tentativa de suicídio).
Tema muito
complexo, com
significados
diversos e que
sempre esteve
envolvido por tabus
= pacto de silêncio.
• A cada 40 segundos, há um suicídio no mundo (OMS).
• O suicídio está entre as dez causas mais comuns de morte na
população mundial, em todas as faixas etárias.
• Está entre as três principais causas de
morte (indivíduos de 15 a 44 anos); é a
segunda principal causa de morte entre
indivíduos de 10 a 24 anos.
• Idosos e adolescentes: os casos estão
aumentando.
• OMS: 90% dos casos de suicídio poderiam
ser evitados se houvesse uma rede
adequada de atendimento.
Dados do Brasil
67ª posição na classificação mundial em ocorrências, mas
em números absolutos encontra-se entre os dez países com
mais suicídios.
Cerca de vinte e cinco suicídios/dia.
Números subestimados: alguns suicídios são registrados
como acidentes ou morte de causa indeterminada.
Para cada suicídio, de cinco a dez pessoas (familiares,
amigos) são afetadas social, emocional e economicamente –
“sobreviventes”
= importante problema de saúde pública.
...
Serviço de Saúde Mental (Santos)
Triagem agendada
= Consulta com psiquiatra
= Medicação.
Maio a dezembro de 2012: 304 casos novos
50 com ideação suicida ou tentativa de suicídio.
Janeiro a dezembro de 2013: 524 casos novos
65 com ideação suicida ou tentativa de suicídio.
Destes 115 casos, 47 com tentativa de suicídio anterior.
Principal conduta: avaliação psiquiátrica e prescrição de
medicamentos.
Faltava oferecer mais escuta;
(C.V.V.)
Mais do que diagnosticar, compreender a história de vida
daquelas pessoas;
Oferecer psicoterapia e apoio.
Diferentes fases da vida ...
Assim como o sofrimento, o suicídio
acontece também na infância e na
adolescência.
O suicídio infantil é subnotificado.
Estimam-se 300 tentativas para cada suicídio infantil.
Mapa da Violência (Ministério da Saúde): de 2002 a 2012 houve um crescimento
de 40% da taxa de suicídio entre crianças e pré-adolescentes com idade entre 10
e 14 anos. Na faixa etária de 15 a 19 anos, o aumento foi de 33,5%.
“Crianças mais novas e pré-adolescentes tem uma impulsividade e não têm a
capacidade de avaliar que a morte é para sempre.”
http://saude.ig.com.br/minhasaude/2014-09-10/em-dez-anos-suicidio-de-criancas-e-pre-adolescentes-
cresceu-40-no-brasil.html
10% das TS de crianças e de adolescentes =
crianças menores de 12 anos. Quanto menor é a
criança, maior o problema da intencionalidade da
conduta suicida.
Significado variável: evitamento ou fuga de uma
situação desagradável, às vezes, incoerente aos
olhos do adulto (má nota, reprimenda banal);
apelo, quando a criança busca atrair para si uma
atenção ou um afeto que ela julga ter perdido
(encontra-se um grande número de antecedentes
de colocações familiares, de abandono, de
rupturas múltiplas); desejo de punição para
alguma culpa.
Mais próprio da criança parece ser o desejo de
união mágica, além da morte, com a pessoa que a
criança recém perdeu ou pensa ter perdido. Com
frequência, houve o falecimento de um dos pais
ou de um irmão, uma hospitalização por doença,
ou uma partida.
Tentativas de Suicídio (T.S.) na Criança
A ideação suicida é comum na idade escolar e na
adolescência; as tentativas, porém, são raras em
crianças pequenas. Tentativas de suicídio
consumado aumentam com a idade, tornando-se
comuns durante a adolescência.
Como as crianças compreendem a morte:
Dos 6 aos 7 anos: predomínio do pensamento
mágico. Nesta fase, a ideia de morte é limitada e não
envolve uma emoção em especial.
O pensamento mágico vai sendo substituído pelo
raciocínio lógico e a morte para de ser vista como
processo reversível e torna-se uma ideia de
processo de deterioração do corpo irreversível; sem
preocupação, porém com o que virá após a morte.
(Candiani; Conti)
De 11 a 12 anos, passagem do
pensamento concreto para o pensamento
abstrato e surge a preocupação com a
vida após a morte.
O jovem entra no mundo através de
profundas alterações no seu corpo,
deixando para trás a infância e e é
lançado num contexto desconhecido de
novas relações. Pode ser invadido por
forte angústia, confusão e sentimento de
que ninguém o entende, que está só e que
é incapaz de decidir corretamente seu
futuro.
Isso ocorre, principalmente, se o jovem
estiver num grupo familiar também em
crise, por separação dos pais, violência
doméstica (ou outras), alcoolismo ou
doença mental de um dos pais, doença
física ou morte. (Candiani)
O jovem que considera o suicídio como a solução para seus problemas
deve ser observado de perto, principalmente se estiver se sentindo só e
desesperado, sofrendo a pressão de estressores ambientais e
insinuando que é um fardo para os demais.
"Resumidamente, adolescentes meninos cometem suicídio mais
freqüentemente que meninas.
Todavia, a taxa de tentativas de suicídio é duas a três vezes maior entre
meninas. Elas têm mais depressão que os meninos, porém acham mais fácil
conversar sobre seus problemas e procurar ajuda, isso provavelmente ajuda a
prevenir atos fatais.
Os meninos frequentemente são mais agressivos e impulsivos, e não é raro
agirem sob o efeito de álcool e drogas ilícitas, o que provavelmente contribui
para atos fatais.”
(Manual de prevenção ao suicídio para professores e educadores)
FATORES DE RISCO
90% dos jovens apresentam algum transtorno mental no momento do
suicídio (50% já presente há pelo menos 2 anos).
Comportamentos de risco: envolvimento em esportes radicais sem
técnica e equipamentos adequados, dirigir embriagado, uso abusivo
de drogas ilícitas, atividade sexual promíscua, brigas constantes e
envolvimento com gangues.
Comportamentos impulsivos e a agressividade.
Baixa energia decorrente de estados depressivos leva à desesperança
e ao menor potencial para geração de soluções alternativas para
situações problemáticas interpessoais e menos flexibilidade para
enfrentar situações problemáticas.
Outro problema é considerar eventos negativos como de sua
responsabilidade.
(2009) Uma pesquisa realizada em oito Estados pela Childhood Brasil - ONG que trabalha
contra a violência sexual em crianças e adolescentes - fez um levantamento dos fatores de
risco e vulnerabilidade em vítimas de exploração sexual. Constatou-se alto nível de
intenção de suicídio nas crianças e adolescentes que sofreram exploração sexual.
http://cidadeverde.com/noticias/46002/pesquisa-cerca-de-60-das-vitimas-de-abuso-sexual-
tentaram-o-suicidio
Violência sexual: consequências em curto e
longo prazo.
60 a 80% das vítimas de violência sexual -
distúrbios em curto prazo (2 primeiros anos após
o abuso). Entre esses efeitos encontram-se
alterações nas esferas física, psicológica e
social, tais como: distúrbios do sono (17 a 20%),
medo (40 a 80%) e dificuldades escolares.
A longo prazo: fobias, pânico, personalidade
anti-social, depressão com ideias de suicídio,
tentativa ou suicídio levado a cabo, isolamento,
sentimentos de estigmatização, ansiedade,
dificuldades alimentares, tensão, dificuldades de
relacionamento com pessoas do sexo do
agressor, distúrbios sexuais, drogadição e
alcoolismo, além de reedição da violência.
(Romero)
(Cassorla): características presentes nestas crianças e adolescentes: “a
tristeza e a insegurança, provenientes de uma sensação de desamparo e
desesperança”.
Um modo de eles lidarem com estes sentimentos é sendo agressivos e
rebeldes, fazendo com que seus pais os rejeitem. Outro, é retraindo-se e
isolando-se, fazendo com que passem despercebidos.
Plunkett et. al. (2001): cinco variáveis que contribuem para tentativas de
suicídio e suicídio consumado em casos de abuso: A idade em que
começou o abuso; a idade em que ocorreu intervenção profissional;
história em que o perpetrador era conhecido da criança; história em que
o abuso aconteceu uma só vez; e história em que a violência foi cometida
pela pessoa jovem.
(Hildebrand, Zart e Leite. “A tentativa de suicídio na percepção de adolescentes: um estudo descritivo”)
“Quando o perpetrador da violência é
pessoa conhecida da criança ou
adolescente, aquela que deveria zelar por
seu bem-estar e suprir suas
necessidades, o risco de haver tentativas
de acabar com o sofrimento ou
conseguir tal feito, através do suicídio,
também é maior. Tal risco aumenta ainda
mais quando outro adulto que seja
referência para a criança e não cometeu
nenhum ato abusivo acaba
compactuando de algum modo com a
situação, tornando-se não protetora.
Quando o abuso acontece com
adolescentes, o risco de suicídio é maior
do que em crianças, pois estão em pleno
desenvolvimento de sua sexualidade e já
conseguem entender o significado do
ato, intensificando as consequências
negativas da violência.”
Kehdi: “Tentativa de Suicídio
associada à Violência Sexual
contra Crianças e Adolescentes”
"Os adolescentes não almejam a morte, o que desejam na verdade é livrar-se do
sofrimento, tendem a buscar incansavelmente uma vida nova, sem frustrações e
confrontos, a fim de encerrar o desgosto de uma existência que lhe parece
desprovida de sentido.
A tentativa de suicídio mostra-se como um momento de pedido de ajuda, em
situação de extremo desespero."
"A rede de apoio desempenha um papel preponderante na inclusão social de
pessoas que tentaram o suicídio e se constitui em instrumento de proteção.
Nela o adolescente pode encontrar ajuda por meio da discussão de problemas
inerentes a sua realidade individual.
Bom relacionamento com familiares, apoio familiar, relações sociais
satisfatórias, confiança em si mesmo, capacidade de procurar ajuda,
manutenção da integração social e bom relacionamento com colegas,
professores e amigos se constituem em fatores de proteção contra o
comportamento suicida.”
Hildebrandt LM, Zart F, Leite MT. A tentativa de suicídio na percepção de adolescentes: um
estudo descritivo. Rev. Eletr. Enf. [Internet]. 2011 abr/jun;13(2):219-26.
PREVENÇÃO DO SUICÍDIO: Manual para Professores e Educadores
Quando possível, a melhor abordagem para a prevenção do suicídio na escola é a
elaboração de um trabalho em grupo que inclui professores,
médicos, enfermeiros, psicólogos e assistentes sociais da própria escola,
trabalhando em conjunto com agentes da comunidade.
Identificação de risco: mudança súbita como: falta de interesse nas atividades
habituais; declínio geral nas notas; diminuição no esforço/interesse; má conduta
na sala de aula; faltas não explicadas e/ou repetidas, consumo excessivo de
cigarros (tabaco) ou de bebida alcoólica, ou abuso de drogas ...
Estratégias: Fortalecer a auto-estima: os adolescentes precisam estabelecer uma
independência definitiva da família e colegas; capacidade de se relacionar com o
sexo oposto; se preparar para uma ocupação que lhe sustente; e estabelecer uma
filosofia de vida significativa e praticável.
Promover a expressão emocional
Prevenir a violência escolar
Encaminhar para os profissionais
• Manual dirigido a profissionais das equipes de saúde mental e atenção básica
CASOS DE TENTATIVAS DE SUICÍDIO
COM GRANDE RISCO DE NOVA TENTATIVA
Ainda com ideação suicida
Sexo masculino
Idade Superior a 16 nos
Falta de suporte familiar
Humor deprimido ou estado misto
Ansiedade Extrema
Uso concomitante de álcool e drogas
Agitação Psicomotora
Episódios de Violência direcionada a outras pessoas
Presença de sintomas psicóticos (alucinações e delírios)
QUESTÕES QUE AJUDAM A
AVALIAR A INTENÇÃO SUICIDA
EM CRIANÇAS E
ADOLESCENTES
Você já se sentiu tão chateado
alguma vez, que desejou
morrer?
Alguma vez você fez algo que
sabia ser perigoso o bastante
para você se machucar ou até
mesmo morrer?
Alguma vez você tentou se
machucar?
Você, às vezes, pensa em se
matar?
Alguma vez você já tentou se
matar?
(Conti)
RECOMENDAÇÕES AO SE AVALIAR CRIANÇAS E
ADOLESCENTES QUE TENTARAM SUICÍDIO
(Conti; Candiani)
Todas as ameaças de suicídio devem ser consideradas, mesmo quando possam
parecer falsas ou manipulativas.
Ajudar a avaliar a situação, permitindo que ele descubra novas soluções para
seu sofrimento, explorar tais soluções e orientar em direção a uma ação concreta.
Procurar compreender as razões pela qual a criança ou adolescente optou pelo
suicídio como forma de lidar com seu sofrimento, não minimizando seus
problemas e sofrimento.
Transmitir esperança sem dar falsas garantias e não fazer promessas que não
possam ser cumpridas.
Romper o isolamento em que vive o jovem e abordá-lo diretamente.
Expressar disponibilidade de escutá-lo sem julgamento, evitar insultos,
culpabilização ou repreensões morais.
Reconhecer a legitimidade do problema e tratá-lo com respeito e cuidado.
Avaliar a urgência do caso, verificar se as ideias de suicídio são frequentes e
se o jovem apresenta meios para executá-lo.
Não deixá-lo sozinho até que as providências sejam tomadas.
Desmentir o mito de que os adultos não podem mais ajudá-lo.
Envolver a família.
(Conti)
Nos casos de violência sexual: Quanto mais tempo durar a relação de abuso,
maior será a possibilidade de danos para a criança ou adolescente.
Da mesma maneira, se houver
demora na intervenção
profissional ou esta não ocorrer
de modo eficaz, as
consequências negativas serão
muito mais difíceis de ser
amenizadas ou revertidas.
(Kehdi)
Importante lembrar também:
Transgeracionalidade: a violência é um padrão familiar aprendido,
passado de geração para geração e mantida em segredo. Por isso,
quando o profissional trabalha com violência sexual intrafamiliar, torna-
se importante conhecer a história familiar de pelo menos três gerações.
Se houve abuso sexual em uma geração este poderá se repetir na
próxima geração ou estar sendo um comportamento aprendido a
algumas gerações.
Esta ligação também ocorre
com o suicídio, pois se há
casos na família, este poderá
se repetir através da
imitação.
(Kehdi)
Referências
A tentativa de suicídio na percepção de adolescentes: um estudo descritivo. Hildebrandt LM,
Zart F, Leite MT. Rev. Eletr. Enf. [Internet]. 2011 abr/jun;13(2):219-26.
Crianças vítimas de abuso sexual: aspectos psicológicos da dinâmica familiar. Karen Richter
Pereira dos Santos Romero
Manual de Psicopatologia da Infância de Ajuriaguerra. Marcelli.
Prevenção do suicídio: Manual para Professores e Educadores.
http://www.who.int/mental_health/prevention/suicide/en/suicideprev_educ_port.pdf
Suicídio infantil. Josie Conti. Disponível em: http://www.contioutra.com/suicidio-infantil
Suicídio na infância e na adolescência. Márcio Candiani.
http://marciocandiani.site.med.br/index.asp?PageName=Suic-EDdio
Tentativa de Suicídio associada à Violência Sexual contra Crianças e Adolescentes. Roberta
Gonçalves Pereira Kehdi.
http://cidadeverde.com/noticias/46002/pesquisa-cerca-de-60-das-vitimas-de-abuso-sexual-
tentaram-o-suicidio
http://saude.ig.com.br/minhasaude/2014-09-10/em-dez-anos-suicidio-de-criancas-e-pre-
adolescentes-cresceu-40-no-brasil.html
“Não somos responsáveis
pela vida e pela morte uns
dos outros, a vida e a morte
de cada homem é dele
próprio. Somos, porém,
responsáveis por nossos
envolvimentos”.
HILLMAN, James. Suicídio e Alma.
Blog: falandosobresuicidio.blogspot.com.br
Email: lucianacescon@yahoo.com.br

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Setembro amarelo
Setembro amareloSetembro amarelo
Setembro amarelo
Helio Cruz
 
AESP01 EPA DM - SUICIDIO INFANTIL SETEMBRO AMARELO
AESP01 EPA DM - SUICIDIO INFANTIL SETEMBRO AMARELOAESP01 EPA DM - SUICIDIO INFANTIL SETEMBRO AMARELO
AESP01 EPA DM - SUICIDIO INFANTIL SETEMBRO AMARELO
Daniel de Melo
 
Setembro Amarelo.pptx
Setembro Amarelo.pptxSetembro Amarelo.pptx
Setembro Amarelo.pptx
sara jane matos bezerra
 
Mitos e verdades - setembro amarelo
Mitos e verdades  -  setembro amareloMitos e verdades  -  setembro amarelo
Mitos e verdades - setembro amarelo
Ministério Público de Santa Catarina
 
Como cuidar da minha saúde mental?
Como cuidar da minha saúde mental?Como cuidar da minha saúde mental?
Como cuidar da minha saúde mental?
Vida Mental Consultoria de Saúde Mental e Nutricional
 
Prevenção de suicídio
Prevenção de suicídioPrevenção de suicídio
Prevenção de suicídio
Instituto de Saúde Social - ISSO
 
Palestra Depressão e Ansiedade
Palestra Depressão e AnsiedadePalestra Depressão e Ansiedade
Palestra Depressão e Ansiedade
Renata Pimentel
 
Depressão e Suicício
Depressão e SuicícioDepressão e Suicício
Depressão e Suicício
Laís Maria da Cruz
 
Atenção ao suicídio setembro 2016
Atenção ao suicídio setembro 2016 Atenção ao suicídio setembro 2016
Atenção ao suicídio setembro 2016
Luciana França Cescon
 
Saúde Mental
Saúde MentalSaúde Mental
Saúde Mental
Rosemar Prota
 
Violência contra a mulher
Violência contra a mulherViolência contra a mulher
Violência contra a mulher
Mônica Alves Silva
 
Transtornos ansiosos
Transtornos ansiososTranstornos ansiosos
Transtornos ansiosos
Aroldo Gavioli
 
Não se mate você não morre
Não se mate você não morreNão se mate você não morre
Não se mate você não morre
Valter Luiz Matao Lemos
 
Aula Saúde Mental
Aula Saúde MentalAula Saúde Mental
Aula Saúde Mental
Simone Elisa Heitor
 
Ansiedade
AnsiedadeAnsiedade
Ansiedade
Cristiane Thiel
 
Saúde Mental
Saúde MentalSaúde Mental
Saúde Mental
Taianna Ribeiro
 
O que é violência sexual
O que é violência sexualO que é violência sexual
O que é violência sexual
Alinebrauna Brauna
 
2018-14-Setembro-Amarelo-Vamos-falar-sobre-suicídio.pptx
2018-14-Setembro-Amarelo-Vamos-falar-sobre-suicídio.pptx2018-14-Setembro-Amarelo-Vamos-falar-sobre-suicídio.pptx
2018-14-Setembro-Amarelo-Vamos-falar-sobre-suicídio.pptx
MariaClaraFernandes25
 
Depressão Infância e Adolescência
Depressão Infância e AdolescênciaDepressão Infância e Adolescência
Depressão Infância e Adolescência
Marcelo da Rocha Carvalho
 
Setembro-Amarelo-Vamos-falar-sobre-suicídio.pdf
Setembro-Amarelo-Vamos-falar-sobre-suicídio.pdfSetembro-Amarelo-Vamos-falar-sobre-suicídio.pdf
Setembro-Amarelo-Vamos-falar-sobre-suicídio.pdf
GabriellaDias35
 

Mais procurados (20)

Setembro amarelo
Setembro amareloSetembro amarelo
Setembro amarelo
 
AESP01 EPA DM - SUICIDIO INFANTIL SETEMBRO AMARELO
AESP01 EPA DM - SUICIDIO INFANTIL SETEMBRO AMARELOAESP01 EPA DM - SUICIDIO INFANTIL SETEMBRO AMARELO
AESP01 EPA DM - SUICIDIO INFANTIL SETEMBRO AMARELO
 
Setembro Amarelo.pptx
Setembro Amarelo.pptxSetembro Amarelo.pptx
Setembro Amarelo.pptx
 
Mitos e verdades - setembro amarelo
Mitos e verdades  -  setembro amareloMitos e verdades  -  setembro amarelo
Mitos e verdades - setembro amarelo
 
Como cuidar da minha saúde mental?
Como cuidar da minha saúde mental?Como cuidar da minha saúde mental?
Como cuidar da minha saúde mental?
 
Prevenção de suicídio
Prevenção de suicídioPrevenção de suicídio
Prevenção de suicídio
 
Palestra Depressão e Ansiedade
Palestra Depressão e AnsiedadePalestra Depressão e Ansiedade
Palestra Depressão e Ansiedade
 
Depressão e Suicício
Depressão e SuicícioDepressão e Suicício
Depressão e Suicício
 
Atenção ao suicídio setembro 2016
Atenção ao suicídio setembro 2016 Atenção ao suicídio setembro 2016
Atenção ao suicídio setembro 2016
 
Saúde Mental
Saúde MentalSaúde Mental
Saúde Mental
 
Violência contra a mulher
Violência contra a mulherViolência contra a mulher
Violência contra a mulher
 
Transtornos ansiosos
Transtornos ansiososTranstornos ansiosos
Transtornos ansiosos
 
Não se mate você não morre
Não se mate você não morreNão se mate você não morre
Não se mate você não morre
 
Aula Saúde Mental
Aula Saúde MentalAula Saúde Mental
Aula Saúde Mental
 
Ansiedade
AnsiedadeAnsiedade
Ansiedade
 
Saúde Mental
Saúde MentalSaúde Mental
Saúde Mental
 
O que é violência sexual
O que é violência sexualO que é violência sexual
O que é violência sexual
 
2018-14-Setembro-Amarelo-Vamos-falar-sobre-suicídio.pptx
2018-14-Setembro-Amarelo-Vamos-falar-sobre-suicídio.pptx2018-14-Setembro-Amarelo-Vamos-falar-sobre-suicídio.pptx
2018-14-Setembro-Amarelo-Vamos-falar-sobre-suicídio.pptx
 
Depressão Infância e Adolescência
Depressão Infância e AdolescênciaDepressão Infância e Adolescência
Depressão Infância e Adolescência
 
Setembro-Amarelo-Vamos-falar-sobre-suicídio.pdf
Setembro-Amarelo-Vamos-falar-sobre-suicídio.pdfSetembro-Amarelo-Vamos-falar-sobre-suicídio.pdf
Setembro-Amarelo-Vamos-falar-sobre-suicídio.pdf
 

Destaque

Suicídio
SuicídioSuicídio
Suicídio
igmateus
 
Suicídio e saúde mental
Suicídio e saúde mentalSuicídio e saúde mental
Suicídio e saúde mental
Luciana França Cescon
 
Apresentação sobre o suicídio
Apresentação   sobre o suicídioApresentação   sobre o suicídio
Apresentação sobre o suicídio
Tássia Oliveira
 
A adolescência
A adolescênciaA adolescência
A adolescência
Roberto Nobre
 
02 adolescência e suicídio
02 adolescência e suicídio02 adolescência e suicídio
02 adolescência e suicídio
Graça Martins
 
Suicídio na Adolescência uma compreesão psicológica
Suicídio  na  Adolescência uma compreesão psicológicaSuicídio  na  Adolescência uma compreesão psicológica
Suicídio na Adolescência uma compreesão psicológica
Flaviana Pena
 
Suicidio
SuicidioSuicidio
Suicidio
lamour1
 
Adolescentes e drogas
Adolescentes e drogasAdolescentes e drogas
Adolescentes e drogas
ariadnemonitoria
 
Chegou a adolescência
Chegou a adolescênciaChegou a adolescência
Chegou a adolescência
Camila Oliveira
 
Adolescência
AdolescênciaAdolescência
Adolescência
Moderadora
 
Suicidio Ppt
Suicidio PptSuicidio Ppt
Suicidio Ppt
kem.marin
 
Suicídio conhecer para prevenir
Suicídio conhecer para prevenirSuicídio conhecer para prevenir
Suicídio conhecer para prevenir
Abel Sidney Souza
 
Suicídio na adolescência
Suicídio na adolescência Suicídio na adolescência
Suicídio na adolescência
Duda Grabin
 
Apresentação Curso de Enfermagem
Apresentação Curso de EnfermagemApresentação Curso de Enfermagem
Apresentação Curso de Enfermagem
Luciana França Cescon
 
Psicopatologia do adolescente original
Psicopatologia do adolescente originalPsicopatologia do adolescente original
Psicopatologia do adolescente original
Catia Araujo
 
Distúrbios alimentares
Distúrbios alimentaresDistúrbios alimentares
Distúrbios alimentares
Gil Cunha
 
Suicidio en adolescentes
Suicidio en adolescentesSuicidio en adolescentes
Suicidio en adolescentes
sterronesw
 
adolescencia_fichastrabalho[1]
adolescencia_fichastrabalho[1]adolescencia_fichastrabalho[1]
adolescencia_fichastrabalho[1]
Tito Romeu Gomes de Sousa Maia Mendes
 
Comer bem e bem comer, dá saúde e faz crescer!
Comer bem e bem comer, dá saúde e faz crescer!Comer bem e bem comer, dá saúde e faz crescer!
Comer bem e bem comer, dá saúde e faz crescer!
Skills Gym
 
Comportamentos de risco_na_adolescencia[1]
Comportamentos de risco_na_adolescencia[1]Comportamentos de risco_na_adolescencia[1]
Comportamentos de risco_na_adolescencia[1]
Rita Murteira
 

Destaque (20)

Suicídio
SuicídioSuicídio
Suicídio
 
Suicídio e saúde mental
Suicídio e saúde mentalSuicídio e saúde mental
Suicídio e saúde mental
 
Apresentação sobre o suicídio
Apresentação   sobre o suicídioApresentação   sobre o suicídio
Apresentação sobre o suicídio
 
A adolescência
A adolescênciaA adolescência
A adolescência
 
02 adolescência e suicídio
02 adolescência e suicídio02 adolescência e suicídio
02 adolescência e suicídio
 
Suicídio na Adolescência uma compreesão psicológica
Suicídio  na  Adolescência uma compreesão psicológicaSuicídio  na  Adolescência uma compreesão psicológica
Suicídio na Adolescência uma compreesão psicológica
 
Suicidio
SuicidioSuicidio
Suicidio
 
Adolescentes e drogas
Adolescentes e drogasAdolescentes e drogas
Adolescentes e drogas
 
Chegou a adolescência
Chegou a adolescênciaChegou a adolescência
Chegou a adolescência
 
Adolescência
AdolescênciaAdolescência
Adolescência
 
Suicidio Ppt
Suicidio PptSuicidio Ppt
Suicidio Ppt
 
Suicídio conhecer para prevenir
Suicídio conhecer para prevenirSuicídio conhecer para prevenir
Suicídio conhecer para prevenir
 
Suicídio na adolescência
Suicídio na adolescência Suicídio na adolescência
Suicídio na adolescência
 
Apresentação Curso de Enfermagem
Apresentação Curso de EnfermagemApresentação Curso de Enfermagem
Apresentação Curso de Enfermagem
 
Psicopatologia do adolescente original
Psicopatologia do adolescente originalPsicopatologia do adolescente original
Psicopatologia do adolescente original
 
Distúrbios alimentares
Distúrbios alimentaresDistúrbios alimentares
Distúrbios alimentares
 
Suicidio en adolescentes
Suicidio en adolescentesSuicidio en adolescentes
Suicidio en adolescentes
 
adolescencia_fichastrabalho[1]
adolescencia_fichastrabalho[1]adolescencia_fichastrabalho[1]
adolescencia_fichastrabalho[1]
 
Comer bem e bem comer, dá saúde e faz crescer!
Comer bem e bem comer, dá saúde e faz crescer!Comer bem e bem comer, dá saúde e faz crescer!
Comer bem e bem comer, dá saúde e faz crescer!
 
Comportamentos de risco_na_adolescencia[1]
Comportamentos de risco_na_adolescencia[1]Comportamentos de risco_na_adolescencia[1]
Comportamentos de risco_na_adolescencia[1]
 

Semelhante a Prevenção ao suicídio - Infância e adolescência

Suicídio.pptx
Suicídio.pptxSuicídio.pptx
Suicídio.pptx
MarisaMoreiraCampos
 
Crise e Suicídio
Crise e SuicídioCrise e Suicídio
Crise e Suicídio
Espaço da Mente
 
AUTOMUTILAÇÃO.pptx
AUTOMUTILAÇÃO.pptxAUTOMUTILAÇÃO.pptx
AUTOMUTILAÇÃO.pptx
josefaveloso1
 
Suicídiocompatibilidade
SuicídiocompatibilidadeSuicídiocompatibilidade
Suicídiocompatibilidade
Renata Semann
 
Abordagem suicídio CA.pdf
Abordagem suicídio CA.pdfAbordagem suicídio CA.pdf
Abordagem suicídio CA.pdf
JooPauloBTom
 
2011 suicidio
2011 suicidio2011 suicidio
2011 suicidio
Cristina Tristacci
 
Suicídio - Uma Epidemia Silenciosa
Suicídio - Uma Epidemia SilenciosaSuicídio - Uma Epidemia Silenciosa
Suicídio - Uma Epidemia Silenciosa
CEENA_SS
 
1265454
12654541265454
1265454
Fabio Couto
 
Suicídio palestra cefa 7 dez 12
Suicídio   palestra cefa 7 dez 12Suicídio   palestra cefa 7 dez 12
Suicídio palestra cefa 7 dez 12
balsense
 
Cartilha de prevencao_ao_suicidio
Cartilha de prevencao_ao_suicidioCartilha de prevencao_ao_suicidio
Cartilha de prevencao_ao_suicidio
Kelly Pereira
 
Material-de-Apoio-ENEM-NÃO-TIRA-FÉRIAS-LIVE-JOÃO-SARAIVA-SOUSA-NUNES.pdf
Material-de-Apoio-ENEM-NÃO-TIRA-FÉRIAS-LIVE-JOÃO-SARAIVA-SOUSA-NUNES.pdfMaterial-de-Apoio-ENEM-NÃO-TIRA-FÉRIAS-LIVE-JOÃO-SARAIVA-SOUSA-NUNES.pdf
Material-de-Apoio-ENEM-NÃO-TIRA-FÉRIAS-LIVE-JOÃO-SARAIVA-SOUSA-NUNES.pdf
AnaCarol906587
 
PNAISARI PREVENÇAO AO SUICIDIO 13.07- CAROL.pdf
PNAISARI PREVENÇAO AO SUICIDIO 13.07- CAROL.pdfPNAISARI PREVENÇAO AO SUICIDIO 13.07- CAROL.pdf
PNAISARI PREVENÇAO AO SUICIDIO 13.07- CAROL.pdf
acondoricassocial
 
Apres. Suicidio e automutilaçao em Adolescentes.pdf
Apres. Suicidio e automutilaçao em Adolescentes.pdfApres. Suicidio e automutilaçao em Adolescentes.pdf
Apres. Suicidio e automutilaçao em Adolescentes.pdf
Telma Lima
 
PREVENÇÃO AO SUICÍDIO.pptx
PREVENÇÃO AO SUICÍDIO.pptxPREVENÇÃO AO SUICÍDIO.pptx
PREVENÇÃO AO SUICÍDIO.pptx
Hugo Silva
 
Campanha Setembro Amarelo - 190922 .pdf
Campanha Setembro Amarelo - 190922 .pdfCampanha Setembro Amarelo - 190922 .pdf
Campanha Setembro Amarelo - 190922 .pdf
JssicaRibeiroMarques2
 
SETEMBRO AMARELO.pptx
SETEMBRO AMARELO.pptxSETEMBRO AMARELO.pptx
SETEMBRO AMARELO.pptx
GabrielleAndrade42
 
Palestra sobre suicídio original
Palestra sobre suicídio originalPalestra sobre suicídio original
Palestra sobre suicídio original
Alinebrauna Brauna
 
Factos e mitos associados ao suicídio
Factos e mitos associados ao suicídioFactos e mitos associados ao suicídio
Factos e mitos associados ao suicídio
Oficina Psicologia
 
Perguntas e respostas sobre suicídio
Perguntas e respostas sobre suicídioPerguntas e respostas sobre suicídio
Perguntas e respostas sobre suicídio
MANOELJOSEDEARAUJONE
 
CARTILHA_Precisamos_falar_sobre_o_suicidio-_orientacao_a_populacao_roraimense...
CARTILHA_Precisamos_falar_sobre_o_suicidio-_orientacao_a_populacao_roraimense...CARTILHA_Precisamos_falar_sobre_o_suicidio-_orientacao_a_populacao_roraimense...
CARTILHA_Precisamos_falar_sobre_o_suicidio-_orientacao_a_populacao_roraimense...
Gssica17
 

Semelhante a Prevenção ao suicídio - Infância e adolescência (20)

Suicídio.pptx
Suicídio.pptxSuicídio.pptx
Suicídio.pptx
 
Crise e Suicídio
Crise e SuicídioCrise e Suicídio
Crise e Suicídio
 
AUTOMUTILAÇÃO.pptx
AUTOMUTILAÇÃO.pptxAUTOMUTILAÇÃO.pptx
AUTOMUTILAÇÃO.pptx
 
Suicídiocompatibilidade
SuicídiocompatibilidadeSuicídiocompatibilidade
Suicídiocompatibilidade
 
Abordagem suicídio CA.pdf
Abordagem suicídio CA.pdfAbordagem suicídio CA.pdf
Abordagem suicídio CA.pdf
 
2011 suicidio
2011 suicidio2011 suicidio
2011 suicidio
 
Suicídio - Uma Epidemia Silenciosa
Suicídio - Uma Epidemia SilenciosaSuicídio - Uma Epidemia Silenciosa
Suicídio - Uma Epidemia Silenciosa
 
1265454
12654541265454
1265454
 
Suicídio palestra cefa 7 dez 12
Suicídio   palestra cefa 7 dez 12Suicídio   palestra cefa 7 dez 12
Suicídio palestra cefa 7 dez 12
 
Cartilha de prevencao_ao_suicidio
Cartilha de prevencao_ao_suicidioCartilha de prevencao_ao_suicidio
Cartilha de prevencao_ao_suicidio
 
Material-de-Apoio-ENEM-NÃO-TIRA-FÉRIAS-LIVE-JOÃO-SARAIVA-SOUSA-NUNES.pdf
Material-de-Apoio-ENEM-NÃO-TIRA-FÉRIAS-LIVE-JOÃO-SARAIVA-SOUSA-NUNES.pdfMaterial-de-Apoio-ENEM-NÃO-TIRA-FÉRIAS-LIVE-JOÃO-SARAIVA-SOUSA-NUNES.pdf
Material-de-Apoio-ENEM-NÃO-TIRA-FÉRIAS-LIVE-JOÃO-SARAIVA-SOUSA-NUNES.pdf
 
PNAISARI PREVENÇAO AO SUICIDIO 13.07- CAROL.pdf
PNAISARI PREVENÇAO AO SUICIDIO 13.07- CAROL.pdfPNAISARI PREVENÇAO AO SUICIDIO 13.07- CAROL.pdf
PNAISARI PREVENÇAO AO SUICIDIO 13.07- CAROL.pdf
 
Apres. Suicidio e automutilaçao em Adolescentes.pdf
Apres. Suicidio e automutilaçao em Adolescentes.pdfApres. Suicidio e automutilaçao em Adolescentes.pdf
Apres. Suicidio e automutilaçao em Adolescentes.pdf
 
PREVENÇÃO AO SUICÍDIO.pptx
PREVENÇÃO AO SUICÍDIO.pptxPREVENÇÃO AO SUICÍDIO.pptx
PREVENÇÃO AO SUICÍDIO.pptx
 
Campanha Setembro Amarelo - 190922 .pdf
Campanha Setembro Amarelo - 190922 .pdfCampanha Setembro Amarelo - 190922 .pdf
Campanha Setembro Amarelo - 190922 .pdf
 
SETEMBRO AMARELO.pptx
SETEMBRO AMARELO.pptxSETEMBRO AMARELO.pptx
SETEMBRO AMARELO.pptx
 
Palestra sobre suicídio original
Palestra sobre suicídio originalPalestra sobre suicídio original
Palestra sobre suicídio original
 
Factos e mitos associados ao suicídio
Factos e mitos associados ao suicídioFactos e mitos associados ao suicídio
Factos e mitos associados ao suicídio
 
Perguntas e respostas sobre suicídio
Perguntas e respostas sobre suicídioPerguntas e respostas sobre suicídio
Perguntas e respostas sobre suicídio
 
CARTILHA_Precisamos_falar_sobre_o_suicidio-_orientacao_a_populacao_roraimense...
CARTILHA_Precisamos_falar_sobre_o_suicidio-_orientacao_a_populacao_roraimense...CARTILHA_Precisamos_falar_sobre_o_suicidio-_orientacao_a_populacao_roraimense...
CARTILHA_Precisamos_falar_sobre_o_suicidio-_orientacao_a_populacao_roraimense...
 

Último

VIAS+E+ADMINISTRAÇÃO+DE+MEDICAMENTOS-+AULA+03 (2).pdf
VIAS+E+ADMINISTRAÇÃO+DE+MEDICAMENTOS-+AULA+03 (2).pdfVIAS+E+ADMINISTRAÇÃO+DE+MEDICAMENTOS-+AULA+03 (2).pdf
VIAS+E+ADMINISTRAÇÃO+DE+MEDICAMENTOS-+AULA+03 (2).pdf
kailanejoyce4
 
Sistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagem
Sistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagemSistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagem
Sistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagem
BarbaraKelle
 
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptxA-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
walterjose20
 
higienização de espaços e equipamentos
higienização de    espaços e equipamentoshigienização de    espaços e equipamentos
higienização de espaços e equipamentos
Manuel Pacheco Vieira
 
Medicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdf
Medicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdfMedicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdf
Medicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdf
jhordana1
 
Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...
Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...
Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...
Lenilson Souza
 
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
jhordana1
 
AULA 04.06. BOTOX.pdfHarmonizaçao Facia
AULA 04.06. BOTOX.pdfHarmonizaçao  FaciaAULA 04.06. BOTOX.pdfHarmonizaçao  Facia
AULA 04.06. BOTOX.pdfHarmonizaçao Facia
AntonioXavier35
 
higienização de espaços e equipamentos
higienização de espaços    e equipamentoshigienização de espaços    e equipamentos
higienização de espaços e equipamentos
Manuel Pacheco Vieira
 

Último (9)

VIAS+E+ADMINISTRAÇÃO+DE+MEDICAMENTOS-+AULA+03 (2).pdf
VIAS+E+ADMINISTRAÇÃO+DE+MEDICAMENTOS-+AULA+03 (2).pdfVIAS+E+ADMINISTRAÇÃO+DE+MEDICAMENTOS-+AULA+03 (2).pdf
VIAS+E+ADMINISTRAÇÃO+DE+MEDICAMENTOS-+AULA+03 (2).pdf
 
Sistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagem
Sistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagemSistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagem
Sistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagem
 
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptxA-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
 
higienização de espaços e equipamentos
higienização de    espaços e equipamentoshigienização de    espaços e equipamentos
higienização de espaços e equipamentos
 
Medicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdf
Medicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdfMedicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdf
Medicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdf
 
Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...
Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...
Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...
 
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
 
AULA 04.06. BOTOX.pdfHarmonizaçao Facia
AULA 04.06. BOTOX.pdfHarmonizaçao  FaciaAULA 04.06. BOTOX.pdfHarmonizaçao  Facia
AULA 04.06. BOTOX.pdfHarmonizaçao Facia
 
higienização de espaços e equipamentos
higienização de espaços    e equipamentoshigienização de espaços    e equipamentos
higienização de espaços e equipamentos
 

Prevenção ao suicídio - Infância e adolescência

  • 1. Cuidado, frágil: atenção ao suicídio de crianças e adolescentes Luciana França Cescon Psicóloga – CRP 98202
  • 2. - Psicóloga (UNIP 2009) - Saúde Mental da Prefeitura de Santos desde 2012 - Especialização em Saúde Pública em 2013 - Mestrado Profissional de 2013 a 2015
  • 3. Suicídio: ato iniciado e executado por uma pessoa que tem a noção (ou forte expectativa) de que dele pode resultar a morte.  Ideação suicida Plano suicida Ato suicida - fatal (suicídio) ou não (tentativa de suicídio). Tema muito complexo, com significados diversos e que sempre esteve envolvido por tabus = pacto de silêncio.
  • 4. • A cada 40 segundos, há um suicídio no mundo (OMS). • O suicídio está entre as dez causas mais comuns de morte na população mundial, em todas as faixas etárias. • Está entre as três principais causas de morte (indivíduos de 15 a 44 anos); é a segunda principal causa de morte entre indivíduos de 10 a 24 anos. • Idosos e adolescentes: os casos estão aumentando. • OMS: 90% dos casos de suicídio poderiam ser evitados se houvesse uma rede adequada de atendimento.
  • 5. Dados do Brasil 67ª posição na classificação mundial em ocorrências, mas em números absolutos encontra-se entre os dez países com mais suicídios. Cerca de vinte e cinco suicídios/dia. Números subestimados: alguns suicídios são registrados como acidentes ou morte de causa indeterminada. Para cada suicídio, de cinco a dez pessoas (familiares, amigos) são afetadas social, emocional e economicamente – “sobreviventes” = importante problema de saúde pública.
  • 6. ...
  • 7. Serviço de Saúde Mental (Santos) Triagem agendada = Consulta com psiquiatra = Medicação. Maio a dezembro de 2012: 304 casos novos 50 com ideação suicida ou tentativa de suicídio. Janeiro a dezembro de 2013: 524 casos novos 65 com ideação suicida ou tentativa de suicídio. Destes 115 casos, 47 com tentativa de suicídio anterior.
  • 8. Principal conduta: avaliação psiquiátrica e prescrição de medicamentos. Faltava oferecer mais escuta; (C.V.V.) Mais do que diagnosticar, compreender a história de vida daquelas pessoas; Oferecer psicoterapia e apoio.
  • 9. Diferentes fases da vida ... Assim como o sofrimento, o suicídio acontece também na infância e na adolescência.
  • 10. O suicídio infantil é subnotificado. Estimam-se 300 tentativas para cada suicídio infantil. Mapa da Violência (Ministério da Saúde): de 2002 a 2012 houve um crescimento de 40% da taxa de suicídio entre crianças e pré-adolescentes com idade entre 10 e 14 anos. Na faixa etária de 15 a 19 anos, o aumento foi de 33,5%. “Crianças mais novas e pré-adolescentes tem uma impulsividade e não têm a capacidade de avaliar que a morte é para sempre.” http://saude.ig.com.br/minhasaude/2014-09-10/em-dez-anos-suicidio-de-criancas-e-pre-adolescentes- cresceu-40-no-brasil.html
  • 11. 10% das TS de crianças e de adolescentes = crianças menores de 12 anos. Quanto menor é a criança, maior o problema da intencionalidade da conduta suicida. Significado variável: evitamento ou fuga de uma situação desagradável, às vezes, incoerente aos olhos do adulto (má nota, reprimenda banal); apelo, quando a criança busca atrair para si uma atenção ou um afeto que ela julga ter perdido (encontra-se um grande número de antecedentes de colocações familiares, de abandono, de rupturas múltiplas); desejo de punição para alguma culpa. Mais próprio da criança parece ser o desejo de união mágica, além da morte, com a pessoa que a criança recém perdeu ou pensa ter perdido. Com frequência, houve o falecimento de um dos pais ou de um irmão, uma hospitalização por doença, ou uma partida. Tentativas de Suicídio (T.S.) na Criança
  • 12. A ideação suicida é comum na idade escolar e na adolescência; as tentativas, porém, são raras em crianças pequenas. Tentativas de suicídio consumado aumentam com a idade, tornando-se comuns durante a adolescência. Como as crianças compreendem a morte: Dos 6 aos 7 anos: predomínio do pensamento mágico. Nesta fase, a ideia de morte é limitada e não envolve uma emoção em especial. O pensamento mágico vai sendo substituído pelo raciocínio lógico e a morte para de ser vista como processo reversível e torna-se uma ideia de processo de deterioração do corpo irreversível; sem preocupação, porém com o que virá após a morte. (Candiani; Conti)
  • 13. De 11 a 12 anos, passagem do pensamento concreto para o pensamento abstrato e surge a preocupação com a vida após a morte. O jovem entra no mundo através de profundas alterações no seu corpo, deixando para trás a infância e e é lançado num contexto desconhecido de novas relações. Pode ser invadido por forte angústia, confusão e sentimento de que ninguém o entende, que está só e que é incapaz de decidir corretamente seu futuro. Isso ocorre, principalmente, se o jovem estiver num grupo familiar também em crise, por separação dos pais, violência doméstica (ou outras), alcoolismo ou doença mental de um dos pais, doença física ou morte. (Candiani)
  • 14. O jovem que considera o suicídio como a solução para seus problemas deve ser observado de perto, principalmente se estiver se sentindo só e desesperado, sofrendo a pressão de estressores ambientais e insinuando que é um fardo para os demais.
  • 15. "Resumidamente, adolescentes meninos cometem suicídio mais freqüentemente que meninas. Todavia, a taxa de tentativas de suicídio é duas a três vezes maior entre meninas. Elas têm mais depressão que os meninos, porém acham mais fácil conversar sobre seus problemas e procurar ajuda, isso provavelmente ajuda a prevenir atos fatais. Os meninos frequentemente são mais agressivos e impulsivos, e não é raro agirem sob o efeito de álcool e drogas ilícitas, o que provavelmente contribui para atos fatais.” (Manual de prevenção ao suicídio para professores e educadores)
  • 16. FATORES DE RISCO 90% dos jovens apresentam algum transtorno mental no momento do suicídio (50% já presente há pelo menos 2 anos). Comportamentos de risco: envolvimento em esportes radicais sem técnica e equipamentos adequados, dirigir embriagado, uso abusivo de drogas ilícitas, atividade sexual promíscua, brigas constantes e envolvimento com gangues. Comportamentos impulsivos e a agressividade. Baixa energia decorrente de estados depressivos leva à desesperança e ao menor potencial para geração de soluções alternativas para situações problemáticas interpessoais e menos flexibilidade para enfrentar situações problemáticas. Outro problema é considerar eventos negativos como de sua responsabilidade.
  • 17. (2009) Uma pesquisa realizada em oito Estados pela Childhood Brasil - ONG que trabalha contra a violência sexual em crianças e adolescentes - fez um levantamento dos fatores de risco e vulnerabilidade em vítimas de exploração sexual. Constatou-se alto nível de intenção de suicídio nas crianças e adolescentes que sofreram exploração sexual. http://cidadeverde.com/noticias/46002/pesquisa-cerca-de-60-das-vitimas-de-abuso-sexual- tentaram-o-suicidio
  • 18. Violência sexual: consequências em curto e longo prazo. 60 a 80% das vítimas de violência sexual - distúrbios em curto prazo (2 primeiros anos após o abuso). Entre esses efeitos encontram-se alterações nas esferas física, psicológica e social, tais como: distúrbios do sono (17 a 20%), medo (40 a 80%) e dificuldades escolares. A longo prazo: fobias, pânico, personalidade anti-social, depressão com ideias de suicídio, tentativa ou suicídio levado a cabo, isolamento, sentimentos de estigmatização, ansiedade, dificuldades alimentares, tensão, dificuldades de relacionamento com pessoas do sexo do agressor, distúrbios sexuais, drogadição e alcoolismo, além de reedição da violência. (Romero)
  • 19. (Cassorla): características presentes nestas crianças e adolescentes: “a tristeza e a insegurança, provenientes de uma sensação de desamparo e desesperança”. Um modo de eles lidarem com estes sentimentos é sendo agressivos e rebeldes, fazendo com que seus pais os rejeitem. Outro, é retraindo-se e isolando-se, fazendo com que passem despercebidos. Plunkett et. al. (2001): cinco variáveis que contribuem para tentativas de suicídio e suicídio consumado em casos de abuso: A idade em que começou o abuso; a idade em que ocorreu intervenção profissional; história em que o perpetrador era conhecido da criança; história em que o abuso aconteceu uma só vez; e história em que a violência foi cometida pela pessoa jovem. (Hildebrand, Zart e Leite. “A tentativa de suicídio na percepção de adolescentes: um estudo descritivo”)
  • 20. “Quando o perpetrador da violência é pessoa conhecida da criança ou adolescente, aquela que deveria zelar por seu bem-estar e suprir suas necessidades, o risco de haver tentativas de acabar com o sofrimento ou conseguir tal feito, através do suicídio, também é maior. Tal risco aumenta ainda mais quando outro adulto que seja referência para a criança e não cometeu nenhum ato abusivo acaba compactuando de algum modo com a situação, tornando-se não protetora. Quando o abuso acontece com adolescentes, o risco de suicídio é maior do que em crianças, pois estão em pleno desenvolvimento de sua sexualidade e já conseguem entender o significado do ato, intensificando as consequências negativas da violência.” Kehdi: “Tentativa de Suicídio associada à Violência Sexual contra Crianças e Adolescentes”
  • 21. "Os adolescentes não almejam a morte, o que desejam na verdade é livrar-se do sofrimento, tendem a buscar incansavelmente uma vida nova, sem frustrações e confrontos, a fim de encerrar o desgosto de uma existência que lhe parece desprovida de sentido. A tentativa de suicídio mostra-se como um momento de pedido de ajuda, em situação de extremo desespero." "A rede de apoio desempenha um papel preponderante na inclusão social de pessoas que tentaram o suicídio e se constitui em instrumento de proteção. Nela o adolescente pode encontrar ajuda por meio da discussão de problemas inerentes a sua realidade individual. Bom relacionamento com familiares, apoio familiar, relações sociais satisfatórias, confiança em si mesmo, capacidade de procurar ajuda, manutenção da integração social e bom relacionamento com colegas, professores e amigos se constituem em fatores de proteção contra o comportamento suicida.” Hildebrandt LM, Zart F, Leite MT. A tentativa de suicídio na percepção de adolescentes: um estudo descritivo. Rev. Eletr. Enf. [Internet]. 2011 abr/jun;13(2):219-26.
  • 22. PREVENÇÃO DO SUICÍDIO: Manual para Professores e Educadores Quando possível, a melhor abordagem para a prevenção do suicídio na escola é a elaboração de um trabalho em grupo que inclui professores, médicos, enfermeiros, psicólogos e assistentes sociais da própria escola, trabalhando em conjunto com agentes da comunidade. Identificação de risco: mudança súbita como: falta de interesse nas atividades habituais; declínio geral nas notas; diminuição no esforço/interesse; má conduta na sala de aula; faltas não explicadas e/ou repetidas, consumo excessivo de cigarros (tabaco) ou de bebida alcoólica, ou abuso de drogas ... Estratégias: Fortalecer a auto-estima: os adolescentes precisam estabelecer uma independência definitiva da família e colegas; capacidade de se relacionar com o sexo oposto; se preparar para uma ocupação que lhe sustente; e estabelecer uma filosofia de vida significativa e praticável. Promover a expressão emocional Prevenir a violência escolar Encaminhar para os profissionais • Manual dirigido a profissionais das equipes de saúde mental e atenção básica
  • 23. CASOS DE TENTATIVAS DE SUICÍDIO COM GRANDE RISCO DE NOVA TENTATIVA Ainda com ideação suicida Sexo masculino Idade Superior a 16 nos Falta de suporte familiar Humor deprimido ou estado misto Ansiedade Extrema Uso concomitante de álcool e drogas Agitação Psicomotora Episódios de Violência direcionada a outras pessoas Presença de sintomas psicóticos (alucinações e delírios)
  • 24. QUESTÕES QUE AJUDAM A AVALIAR A INTENÇÃO SUICIDA EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES Você já se sentiu tão chateado alguma vez, que desejou morrer? Alguma vez você fez algo que sabia ser perigoso o bastante para você se machucar ou até mesmo morrer? Alguma vez você tentou se machucar? Você, às vezes, pensa em se matar? Alguma vez você já tentou se matar? (Conti)
  • 25. RECOMENDAÇÕES AO SE AVALIAR CRIANÇAS E ADOLESCENTES QUE TENTARAM SUICÍDIO (Conti; Candiani) Todas as ameaças de suicídio devem ser consideradas, mesmo quando possam parecer falsas ou manipulativas. Ajudar a avaliar a situação, permitindo que ele descubra novas soluções para seu sofrimento, explorar tais soluções e orientar em direção a uma ação concreta. Procurar compreender as razões pela qual a criança ou adolescente optou pelo suicídio como forma de lidar com seu sofrimento, não minimizando seus problemas e sofrimento. Transmitir esperança sem dar falsas garantias e não fazer promessas que não possam ser cumpridas. Romper o isolamento em que vive o jovem e abordá-lo diretamente. Expressar disponibilidade de escutá-lo sem julgamento, evitar insultos, culpabilização ou repreensões morais. Reconhecer a legitimidade do problema e tratá-lo com respeito e cuidado.
  • 26. Avaliar a urgência do caso, verificar se as ideias de suicídio são frequentes e se o jovem apresenta meios para executá-lo. Não deixá-lo sozinho até que as providências sejam tomadas. Desmentir o mito de que os adultos não podem mais ajudá-lo. Envolver a família. (Conti) Nos casos de violência sexual: Quanto mais tempo durar a relação de abuso, maior será a possibilidade de danos para a criança ou adolescente. Da mesma maneira, se houver demora na intervenção profissional ou esta não ocorrer de modo eficaz, as consequências negativas serão muito mais difíceis de ser amenizadas ou revertidas. (Kehdi)
  • 27. Importante lembrar também: Transgeracionalidade: a violência é um padrão familiar aprendido, passado de geração para geração e mantida em segredo. Por isso, quando o profissional trabalha com violência sexual intrafamiliar, torna- se importante conhecer a história familiar de pelo menos três gerações. Se houve abuso sexual em uma geração este poderá se repetir na próxima geração ou estar sendo um comportamento aprendido a algumas gerações. Esta ligação também ocorre com o suicídio, pois se há casos na família, este poderá se repetir através da imitação. (Kehdi)
  • 28. Referências A tentativa de suicídio na percepção de adolescentes: um estudo descritivo. Hildebrandt LM, Zart F, Leite MT. Rev. Eletr. Enf. [Internet]. 2011 abr/jun;13(2):219-26. Crianças vítimas de abuso sexual: aspectos psicológicos da dinâmica familiar. Karen Richter Pereira dos Santos Romero Manual de Psicopatologia da Infância de Ajuriaguerra. Marcelli. Prevenção do suicídio: Manual para Professores e Educadores. http://www.who.int/mental_health/prevention/suicide/en/suicideprev_educ_port.pdf Suicídio infantil. Josie Conti. Disponível em: http://www.contioutra.com/suicidio-infantil Suicídio na infância e na adolescência. Márcio Candiani. http://marciocandiani.site.med.br/index.asp?PageName=Suic-EDdio Tentativa de Suicídio associada à Violência Sexual contra Crianças e Adolescentes. Roberta Gonçalves Pereira Kehdi. http://cidadeverde.com/noticias/46002/pesquisa-cerca-de-60-das-vitimas-de-abuso-sexual- tentaram-o-suicidio http://saude.ig.com.br/minhasaude/2014-09-10/em-dez-anos-suicidio-de-criancas-e-pre- adolescentes-cresceu-40-no-brasil.html
  • 29. “Não somos responsáveis pela vida e pela morte uns dos outros, a vida e a morte de cada homem é dele próprio. Somos, porém, responsáveis por nossos envolvimentos”. HILLMAN, James. Suicídio e Alma.