SlideShare uma empresa Scribd logo
ESCOLA SECUNDÁRIA SEBASTIÃO DA GAMA
Portugal, um retrato social
“Nós e os outros”
1
Por Albertina Maria Seroido Branco Lima – N.º 1 – TAV – 1º Ano - Disciplina CLC.7 (2)
Durante o período salazarista, os portugueses viviam
numa sociedade fechada, conhecia-se muito pouco do que
se passava nos outros países e raramente se viajava.
Praticava-se uma só religião – a católica – e os partidos
políticos eram proibidos pelo governo.
Os livros, filmes, teatro e música eram submetidos à
censura. A imprensa e a televisão eram controladas. A
polícia podia escutar os telefones e abrir a correspondência,
sendo o povo controlado ao ponto de se sentir sufocado.
Existiam preconceitos terríveis, nomeadamente a nível dos
afetos, não sendo permitidas quaisquer manifestações
públicas.
Vivia-se num clima de medo!
Nos anos 60, a sociedade portuguesa sofreu diversas mudanças, nomeadamente um
acentuado crescimento económico, começando os portugueses a desejar mais do que
conheciam até então.
Começou-se a conhecer mais dos outros países, através dos turistas estrangeiros que
começaram a vir para Portugal, trazendo novas ideias, novos costumes e comportamentos,
nomeadamente o uso de biquínis e a demonstração de afetos em público, sendo estes
procedimentos um modo de ver o mundo lá fora.
Os portugueses começaram também
a emigrar para o estrangeiro (mais de
um milhão e meio), sendo que
muitos deles emigravam
clandestinamente.
Os trabalhos que iam desempenhar,
na grande maioria, eram de baixo
prestígio social, pouco exigentes em
termos de qualificação profissional,
de grande esforço físico e mal
remunerados, embora superiores aos salários portugueses.
Da emigração resultou uma vida melhor para as famílias mais pobres e quando vinham de
férias já não eram as mesmas pessoas, pois tinham vivido outras vivências.
ESCOLA SECUNDÁRIA SEBASTIÃO DA GAMA
Portugal, um retrato social
“Nós e os outros”
2
A guerra no ultramar também originou uma grande mudança na sociedade portuguesa, onde
cerca de um milhão de homens passaram pelo serviço militar, abrindo-se perspetivas a
milhares de jovens que aprenderam ofícios e a conduzir, colocando-os ainda em contacto com
outras sociedades mais evoluídas, como Luanda e Lourenço Marques.
No período pós-revolução de
Abril, a imigração tornou a
sociedade portuguesa uma
sociedade plural, aberta às
ideias que chegaram do mundo
inteiro.
Com a descolonização em 1975,
cerca de 600 mil portugueses
(muitos já nascidos em Africa)
vêm para Portugal que, depois
de algumas dificuldades,
conseguem integrar-se na
sociedade sem conflitos.
Nos anos 80, brasileiros e africanos dos novos países de língua portuguesa, começam a vir para
Portugal, para trabalhar.
Nos anos 90, devido ao fim da União Soviética, começam a chegar pessoas dos países de leste
(russos ucranianos e romenos), também para trabalhar em Portugal, sendo mais qualificados
que os portugueses, sujeitando-se a fazer qualquer trabalho.
Também milhares de asiáticos chegam ao nosso país, sendo notável através do comércio
chinês, visível um pouco por toda a parte.
Outros europeus, principalmente espanhóis, ligados a empresas estrangeiras, também se
encontram hoje em Portugal, sendo hoje o nosso país composto por muitas pessoas oriundas
de outras partes do mundo.
Centenas de milhares de estrangeiros vivem e trabalham no meio dos portugueses, os quais
trouxeram ao nosso país novas culturas, religiões, maneiras de ser, pensar e de estar.
A chegada dos imigrantes a Portugal foi positiva para a economia portuguesa, tendo este
fenómeno aumentado a produção. Os imigrantes substituíram os portugueses nos trabalhos
mais duros, contudo devido à crise começa a surgir o preconceito.
Outro problema é a questão dos imigrantes que não se encontram legalizados, que apenas
conseguem trabalhos ilegais, trabalhos esses que não fazem crescer a economia.
ESCOLA SECUNDÁRIA SEBASTIÃO DA GAMA
Portugal, um retrato social
“Nós e os outros”
3
Estando ilegais, vivem normalmente em casas clandestinas, e se estas comunidades vivem
agrupadas, pode este facto constituir uma fonte de problemas e conflitos, uma vez que se
sentem marginalizadas, perdendo as novas gerações a sua identidade.
Na minha opinião, a imigração em Portugal poderá passar por duas vertentes: uma positiva,
outra menos positiva, pois não lhe quero chamar negativa…
A positiva é permitir a possibilidade de uma sociedade aberta, com diversas culturas e
costumes, através da convivência com povos estrangeiros, onde a aprendizagem é uma
constante!
A menos positiva, e porque o país se encontra a viver numa crise profunda, é a ocupação dos
postos de trabalho pelos imigrantes, que poderiam pertencer aos portugueses que se
encontram desempregados…
Contudo, na minha opinião, a imigração é uma mais-valia para a sociedade portuguesa!
Bibliografia/Webgrafia
http://www.youtube.com/watch?v=hF-ykNnJg2M

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

C.L.C. 6 Imigração em Portugal
C.L.C.  6   Imigração em PortugalC.L.C.  6   Imigração em Portugal
C.L.C. 6 Imigração em Portugal
I.Braz Slideshares
 
Ruralidade e urbanismo
Ruralidade e urbanismoRuralidade e urbanismo
Ruralidade e urbanismo
Marina
 
Clc Uc6 Dr4
Clc Uc6 Dr4Clc Uc6 Dr4
Clc Uc6 Dr4
Patuxa
 
Comentário a "Portugal,um retrato social-ep.1"
Comentário a "Portugal,um retrato social-ep.1"Comentário a "Portugal,um retrato social-ep.1"
Comentário a "Portugal,um retrato social-ep.1"
Arita155
 
CLC Urbanismo e Mobilidade DR 4 Migrações
CLC Urbanismo e Mobilidade DR 4 MigraçõesCLC Urbanismo e Mobilidade DR 4 Migrações
CLC Urbanismo e Mobilidade DR 4 Migrações
Fernando de Sá
 
comunidade ética global
comunidade ética globalcomunidade ética global
comunidade ética global
danikj
 
Tipos de migrações
Tipos de migraçõesTipos de migrações
Tipos de migrações
8ºC
 
Palestra pelo Arquitecto Paulo Fonseca
Palestra pelo Arquitecto Paulo FonsecaPalestra pelo Arquitecto Paulo Fonseca
Palestra pelo Arquitecto Paulo Fonseca
efam1
 
Globalização dos estilos de vida
Globalização dos estilos de vidaGlobalização dos estilos de vida
Globalização dos estilos de vida
Alcina Barbosa
 
Ai 1 2_pessoa e cultura
Ai 1 2_pessoa e culturaAi 1 2_pessoa e cultura
Ai 1 2_pessoa e cultura
Carlos Henrique Tavares
 
Portefolio Área De Integração - Módulo 1
Portefolio Área De Integração - Módulo 1Portefolio Área De Integração - Módulo 1
Portefolio Área De Integração - Módulo 1
Patricia Martins
 
Ng1 dr1 (cp)
Ng1 dr1 (cp)Ng1 dr1 (cp)
Ng1 dr1 (cp)
cattonia
 
Migrações
MigraçõesMigrações
Migrações
abarros
 
Cultura de massas .
Cultura de massas .Cultura de massas .
Cultura de massas .
TavaresJoana
 
Identidade Regional - AI
Identidade Regional  - AI Identidade Regional  - AI
Identidade Regional - AI
Ruben Marinho
 
Processos Identitários
Processos IdentitáriosProcessos Identitários
Processos Identitários
arturferreira007
 
Envelhecimento em Portugal
Envelhecimento em PortugalEnvelhecimento em Portugal
Envelhecimento em Portugal
Idalina Leite
 
Pessoa E Cultura MóDulo 1
Pessoa E Cultura   MóDulo 1Pessoa E Cultura   MóDulo 1
Pessoa E Cultura MóDulo 1
abarros
 
Evolução da população
Evolução da populaçãoEvolução da população
Evolução da população
elisabarbosa
 
Emigração
EmigraçãoEmigração
Emigração
grandegruposendim
 

Mais procurados (20)

C.L.C. 6 Imigração em Portugal
C.L.C.  6   Imigração em PortugalC.L.C.  6   Imigração em Portugal
C.L.C. 6 Imigração em Portugal
 
Ruralidade e urbanismo
Ruralidade e urbanismoRuralidade e urbanismo
Ruralidade e urbanismo
 
Clc Uc6 Dr4
Clc Uc6 Dr4Clc Uc6 Dr4
Clc Uc6 Dr4
 
Comentário a "Portugal,um retrato social-ep.1"
Comentário a "Portugal,um retrato social-ep.1"Comentário a "Portugal,um retrato social-ep.1"
Comentário a "Portugal,um retrato social-ep.1"
 
CLC Urbanismo e Mobilidade DR 4 Migrações
CLC Urbanismo e Mobilidade DR 4 MigraçõesCLC Urbanismo e Mobilidade DR 4 Migrações
CLC Urbanismo e Mobilidade DR 4 Migrações
 
comunidade ética global
comunidade ética globalcomunidade ética global
comunidade ética global
 
Tipos de migrações
Tipos de migraçõesTipos de migrações
Tipos de migrações
 
Palestra pelo Arquitecto Paulo Fonseca
Palestra pelo Arquitecto Paulo FonsecaPalestra pelo Arquitecto Paulo Fonseca
Palestra pelo Arquitecto Paulo Fonseca
 
Globalização dos estilos de vida
Globalização dos estilos de vidaGlobalização dos estilos de vida
Globalização dos estilos de vida
 
Ai 1 2_pessoa e cultura
Ai 1 2_pessoa e culturaAi 1 2_pessoa e cultura
Ai 1 2_pessoa e cultura
 
Portefolio Área De Integração - Módulo 1
Portefolio Área De Integração - Módulo 1Portefolio Área De Integração - Módulo 1
Portefolio Área De Integração - Módulo 1
 
Ng1 dr1 (cp)
Ng1 dr1 (cp)Ng1 dr1 (cp)
Ng1 dr1 (cp)
 
Migrações
MigraçõesMigrações
Migrações
 
Cultura de massas .
Cultura de massas .Cultura de massas .
Cultura de massas .
 
Identidade Regional - AI
Identidade Regional  - AI Identidade Regional  - AI
Identidade Regional - AI
 
Processos Identitários
Processos IdentitáriosProcessos Identitários
Processos Identitários
 
Envelhecimento em Portugal
Envelhecimento em PortugalEnvelhecimento em Portugal
Envelhecimento em Portugal
 
Pessoa E Cultura MóDulo 1
Pessoa E Cultura   MóDulo 1Pessoa E Cultura   MóDulo 1
Pessoa E Cultura MóDulo 1
 
Evolução da população
Evolução da populaçãoEvolução da população
Evolução da população
 
Emigração
EmigraçãoEmigração
Emigração
 

Destaque

Actividade Portugal Um Retrato Social Episodio 5 Luis Costa
Actividade   Portugal Um Retrato Social Episodio 5 Luis CostaActividade   Portugal Um Retrato Social Episodio 5 Luis Costa
Actividade Portugal Um Retrato Social Episodio 5 Luis Costa
Luís Costa
 
Clc 6 10_12
Clc 6 10_12Clc 6 10_12
Clc 6 10_12
SILVIA G. FERNANDES
 
Clc 6 cultura_de_ urbanismo_e_mobilidade_reflexão_sílvia_fernandes
Clc 6 cultura_de_ urbanismo_e_mobilidade_reflexão_sílvia_fernandesClc 6 cultura_de_ urbanismo_e_mobilidade_reflexão_sílvia_fernandes
Clc 6 cultura_de_ urbanismo_e_mobilidade_reflexão_sílvia_fernandes
SILVIA G. FERNANDES
 
Culturas De Urbanismo E Mobilidade Luis Costa
Culturas De Urbanismo E Mobilidade Luis CostaCulturas De Urbanismo E Mobilidade Luis Costa
Culturas De Urbanismo E Mobilidade Luis Costa
Luís Costa
 
CP Processos Identitários - Imigração, Multiculturalidade e Direitos das Mino...
CP Processos Identitários - Imigração, Multiculturalidade e Direitos das Mino...CP Processos Identitários - Imigração, Multiculturalidade e Direitos das Mino...
CP Processos Identitários - Imigração, Multiculturalidade e Direitos das Mino...
Fernando de Sá
 
CLC_6_TRABALHOS APRESENTADOS
CLC_6_TRABALHOS APRESENTADOSCLC_6_TRABALHOS APRESENTADOS
CLC_6_TRABALHOS APRESENTADOS
SILVIA G. FERNANDES
 
Fluxos migratórios
Fluxos migratórios Fluxos migratórios
Fluxos migratórios
mariajoao500
 
Trabalho grupo clc certificado
Trabalho grupo clc certificadoTrabalho grupo clc certificado
Trabalho grupo clc certificadoTina Lima
 
CIÊNCIAS DA NATUREZA - SEGUNDO ANO
CIÊNCIAS DA NATUREZA - SEGUNDO ANOCIÊNCIAS DA NATUREZA - SEGUNDO ANO
CIÊNCIAS DA NATUREZA - SEGUNDO ANO
Paulo Alexandre
 
Lendas síntese
Lendas sínteseLendas síntese
Lendas síntese
Tina Lima
 
Co incineração na arrábida
Co incineração na arrábidaCo incineração na arrábida
Co incineração na arrábida
Tina Lima
 
Castelo de marialva cartolina
Castelo de marialva cartolinaCastelo de marialva cartolina
Castelo de marialva cartolina
Tina Lima
 
CLC_ 5_TRABALHOS APRESENTADOS
CLC_ 5_TRABALHOS APRESENTADOSCLC_ 5_TRABALHOS APRESENTADOS
CLC_ 5_TRABALHOS APRESENTADOS
SILVIA G. FERNANDES
 
Formação profissional
Formação profissionalFormação profissional
Formação profissional
Tina Lima
 
Diário
DiárioDiário
Diário
Tina Lima
 
áBaco
áBacoáBaco
áBaco
Tina Lima
 
Expressão de vivências para entregar
Expressão de vivências para entregarExpressão de vivências para entregar
Expressão de vivências para entregar
Tina Lima
 
O realismo na literatura oitocentista
O realismo na literatura oitocentistaO realismo na literatura oitocentista
O realismo na literatura oitocentista
Tina Lima
 
Meios de comunicação no trabalho
Meios de comunicação no trabalhoMeios de comunicação no trabalho
Meios de comunicação no trabalho
Tina Lima
 
Má arquitetura
Má arquiteturaMá arquitetura
Má arquitetura
Tina Lima
 

Destaque (20)

Actividade Portugal Um Retrato Social Episodio 5 Luis Costa
Actividade   Portugal Um Retrato Social Episodio 5 Luis CostaActividade   Portugal Um Retrato Social Episodio 5 Luis Costa
Actividade Portugal Um Retrato Social Episodio 5 Luis Costa
 
Clc 6 10_12
Clc 6 10_12Clc 6 10_12
Clc 6 10_12
 
Clc 6 cultura_de_ urbanismo_e_mobilidade_reflexão_sílvia_fernandes
Clc 6 cultura_de_ urbanismo_e_mobilidade_reflexão_sílvia_fernandesClc 6 cultura_de_ urbanismo_e_mobilidade_reflexão_sílvia_fernandes
Clc 6 cultura_de_ urbanismo_e_mobilidade_reflexão_sílvia_fernandes
 
Culturas De Urbanismo E Mobilidade Luis Costa
Culturas De Urbanismo E Mobilidade Luis CostaCulturas De Urbanismo E Mobilidade Luis Costa
Culturas De Urbanismo E Mobilidade Luis Costa
 
CP Processos Identitários - Imigração, Multiculturalidade e Direitos das Mino...
CP Processos Identitários - Imigração, Multiculturalidade e Direitos das Mino...CP Processos Identitários - Imigração, Multiculturalidade e Direitos das Mino...
CP Processos Identitários - Imigração, Multiculturalidade e Direitos das Mino...
 
CLC_6_TRABALHOS APRESENTADOS
CLC_6_TRABALHOS APRESENTADOSCLC_6_TRABALHOS APRESENTADOS
CLC_6_TRABALHOS APRESENTADOS
 
Fluxos migratórios
Fluxos migratórios Fluxos migratórios
Fluxos migratórios
 
Trabalho grupo clc certificado
Trabalho grupo clc certificadoTrabalho grupo clc certificado
Trabalho grupo clc certificado
 
CIÊNCIAS DA NATUREZA - SEGUNDO ANO
CIÊNCIAS DA NATUREZA - SEGUNDO ANOCIÊNCIAS DA NATUREZA - SEGUNDO ANO
CIÊNCIAS DA NATUREZA - SEGUNDO ANO
 
Lendas síntese
Lendas sínteseLendas síntese
Lendas síntese
 
Co incineração na arrábida
Co incineração na arrábidaCo incineração na arrábida
Co incineração na arrábida
 
Castelo de marialva cartolina
Castelo de marialva cartolinaCastelo de marialva cartolina
Castelo de marialva cartolina
 
CLC_ 5_TRABALHOS APRESENTADOS
CLC_ 5_TRABALHOS APRESENTADOSCLC_ 5_TRABALHOS APRESENTADOS
CLC_ 5_TRABALHOS APRESENTADOS
 
Formação profissional
Formação profissionalFormação profissional
Formação profissional
 
Diário
DiárioDiário
Diário
 
áBaco
áBacoáBaco
áBaco
 
Expressão de vivências para entregar
Expressão de vivências para entregarExpressão de vivências para entregar
Expressão de vivências para entregar
 
O realismo na literatura oitocentista
O realismo na literatura oitocentistaO realismo na literatura oitocentista
O realismo na literatura oitocentista
 
Meios de comunicação no trabalho
Meios de comunicação no trabalhoMeios de comunicação no trabalho
Meios de comunicação no trabalho
 
Má arquitetura
Má arquiteturaMá arquitetura
Má arquitetura
 

Semelhante a Portugal um retrato social nós e os outros

C.L.C. 7 - Portugal antes e depois do 25 de Abril
C.L.C. 7 - Portugal antes e depois do 25 de AbrilC.L.C. 7 - Portugal antes e depois do 25 de Abril
C.L.C. 7 - Portugal antes e depois do 25 de Abril
I.Braz Slideshares
 
História do Brasil
História do BrasilHistória do Brasil
História do Brasil
Jorge Miklos
 
Do autoritarismo à democracia
Do autoritarismo à democraciaDo autoritarismo à democracia
Do autoritarismo à democracia
Arlindo Rodrigues Vieira
 
capitulo-18.pptx
capitulo-18.pptxcapitulo-18.pptx
capitulo-18.pptx
LetciaAlmeida99
 
IntroduçãO6
IntroduçãO6IntroduçãO6
IntroduçãO6
rogerio
 
Cp
CpCp
Identidades Brasileiras
Identidades BrasileirasIdentidades Brasileiras
Identidades Brasileiras
Helio Fagundes
 
Teste de história
Teste de históriaTeste de história
Teste de história
Ana Martins
 
Imigração portuguesa no brasil
Imigração portuguesa no brasilImigração portuguesa no brasil
Imigração portuguesa no brasil
Lorrany Viana
 
Sociedade e Cultura
Sociedade e CulturaSociedade e Cultura
Sociedade e Cultura
Luis Mello Reis
 
Caderno 8 Estado Novo
Caderno 8   Estado NovoCaderno 8   Estado Novo
Caderno 8 Estado Novo
Mafalda Teixeira
 
Caderno 01 estado novo
Caderno 01   estado novoCaderno 01   estado novo
Caderno 01 estado novo
Mafalda Teixeira
 
Cp dr3-micaela-angelina-carla
Cp dr3-micaela-angelina-carlaCp dr3-micaela-angelina-carla
Cp dr3-micaela-angelina-carla
estreitoformaefas
 
CP DR3
CP DR3CP DR3
CP DR3
CP DR3CP DR3
Blog abril
Blog abrilBlog abril
Blog abril
betepa
 
[NITRO] FAQ - DH - Navios-em-mar-de-tormenta (1).pdf
[NITRO] FAQ - DH - Navios-em-mar-de-tormenta (1).pdf[NITRO] FAQ - DH - Navios-em-mar-de-tormenta (1).pdf
[NITRO] FAQ - DH - Navios-em-mar-de-tormenta (1).pdf
BrunoCosta364836
 
Dr3 Id Al marco 2
Dr3 Id Al marco 2Dr3 Id Al marco 2
Dr3 Id Al marco 2
mega
 
CP-Dr3-idal
CP-Dr3-idalCP-Dr3-idal
CP-Dr3-idal
mega
 
Biografia de antónio salazar
Biografia de antónio salazarBiografia de antónio salazar
Biografia de antónio salazar
Anabela Sobral
 

Semelhante a Portugal um retrato social nós e os outros (20)

C.L.C. 7 - Portugal antes e depois do 25 de Abril
C.L.C. 7 - Portugal antes e depois do 25 de AbrilC.L.C. 7 - Portugal antes e depois do 25 de Abril
C.L.C. 7 - Portugal antes e depois do 25 de Abril
 
História do Brasil
História do BrasilHistória do Brasil
História do Brasil
 
Do autoritarismo à democracia
Do autoritarismo à democraciaDo autoritarismo à democracia
Do autoritarismo à democracia
 
capitulo-18.pptx
capitulo-18.pptxcapitulo-18.pptx
capitulo-18.pptx
 
IntroduçãO6
IntroduçãO6IntroduçãO6
IntroduçãO6
 
Cp
CpCp
Cp
 
Identidades Brasileiras
Identidades BrasileirasIdentidades Brasileiras
Identidades Brasileiras
 
Teste de história
Teste de históriaTeste de história
Teste de história
 
Imigração portuguesa no brasil
Imigração portuguesa no brasilImigração portuguesa no brasil
Imigração portuguesa no brasil
 
Sociedade e Cultura
Sociedade e CulturaSociedade e Cultura
Sociedade e Cultura
 
Caderno 8 Estado Novo
Caderno 8   Estado NovoCaderno 8   Estado Novo
Caderno 8 Estado Novo
 
Caderno 01 estado novo
Caderno 01   estado novoCaderno 01   estado novo
Caderno 01 estado novo
 
Cp dr3-micaela-angelina-carla
Cp dr3-micaela-angelina-carlaCp dr3-micaela-angelina-carla
Cp dr3-micaela-angelina-carla
 
CP DR3
CP DR3CP DR3
CP DR3
 
CP DR3
CP DR3CP DR3
CP DR3
 
Blog abril
Blog abrilBlog abril
Blog abril
 
[NITRO] FAQ - DH - Navios-em-mar-de-tormenta (1).pdf
[NITRO] FAQ - DH - Navios-em-mar-de-tormenta (1).pdf[NITRO] FAQ - DH - Navios-em-mar-de-tormenta (1).pdf
[NITRO] FAQ - DH - Navios-em-mar-de-tormenta (1).pdf
 
Dr3 Id Al marco 2
Dr3 Id Al marco 2Dr3 Id Al marco 2
Dr3 Id Al marco 2
 
CP-Dr3-idal
CP-Dr3-idalCP-Dr3-idal
CP-Dr3-idal
 
Biografia de antónio salazar
Biografia de antónio salazarBiografia de antónio salazar
Biografia de antónio salazar
 

Mais de Tina Lima

Mass média manipulação
Mass média manipulaçãoMass média manipulação
Mass média manipulação
Tina Lima
 
Elementos do processo de comunicação texto
Elementos do processo de comunicação textoElementos do processo de comunicação texto
Elementos do processo de comunicação texto
Tina Lima
 
Memórias e diário opinião sobre anne frank
Memórias e diário opinião sobre anne frankMemórias e diário opinião sobre anne frank
Memórias e diário opinião sobre anne frank
Tina Lima
 
Definições de arte pergunta resposta
Definições de arte pergunta respostaDefinições de arte pergunta resposta
Definições de arte pergunta resposta
Tina Lima
 
Batalha de estalinegrado
Batalha de estalinegradoBatalha de estalinegrado
Batalha de estalinegrado
Tina Lima
 
Arte tendências literárias pergunta resposta
Arte tendências literárias pergunta respostaArte tendências literárias pergunta resposta
Arte tendências literárias pergunta resposta
Tina Lima
 
Progresso ciêntifico no séc. xix
Progresso ciêntifico no séc. xixProgresso ciêntifico no séc. xix
Progresso ciêntifico no séc. xix
Tina Lima
 
Preferências portugueses nas férias
Preferências portugueses nas fériasPreferências portugueses nas férias
Preferências portugueses nas férias
Tina Lima
 
Preferências estrangeiros nas férias em portugal
Preferências estrangeiros nas férias em portugalPreferências estrangeiros nas férias em portugal
Preferências estrangeiros nas férias em portugal
Tina Lima
 
Natur gâmbia
Natur gâmbiaNatur gâmbia
Natur gâmbia
Tina Lima
 
Marketing 2º trabalho individual
Marketing 2º trabalho individualMarketing 2º trabalho individual
Marketing 2º trabalho individual
Tina Lima
 
Relatório da visita de estudo_BTL
Relatório da visita de estudo_BTLRelatório da visita de estudo_BTL
Relatório da visita de estudo_BTL
Tina Lima
 
Trabalho individual 10 produtos turisticos
Trabalho individual 10 produtos turisticosTrabalho individual 10 produtos turisticos
Trabalho individual 10 produtos turisticos
Tina Lima
 
Proposta para atividade de team building
Proposta para atividade de team buildingProposta para atividade de team building
Proposta para atividade de team building
Tina Lima
 
Programa 12 dias croácia
Programa 12 dias croáciaPrograma 12 dias croácia
Programa 12 dias croácia
Tina Lima
 
Turismo fluvial
Turismo fluvialTurismo fluvial
Turismo fluvial
Tina Lima
 
Turismo fluvial em portugal
Turismo fluvial em portugalTurismo fluvial em portugal
Turismo fluvial em portugal
Tina Lima
 
Turismo cultural motivo e complemento
Turismo cultural motivo e complementoTurismo cultural motivo e complemento
Turismo cultural motivo e complemento
Tina Lima
 
1º trabalho uma viagem de sonho
1º trabalho uma viagem de sonho1º trabalho uma viagem de sonho
1º trabalho uma viagem de sonho
Tina Lima
 

Mais de Tina Lima (19)

Mass média manipulação
Mass média manipulaçãoMass média manipulação
Mass média manipulação
 
Elementos do processo de comunicação texto
Elementos do processo de comunicação textoElementos do processo de comunicação texto
Elementos do processo de comunicação texto
 
Memórias e diário opinião sobre anne frank
Memórias e diário opinião sobre anne frankMemórias e diário opinião sobre anne frank
Memórias e diário opinião sobre anne frank
 
Definições de arte pergunta resposta
Definições de arte pergunta respostaDefinições de arte pergunta resposta
Definições de arte pergunta resposta
 
Batalha de estalinegrado
Batalha de estalinegradoBatalha de estalinegrado
Batalha de estalinegrado
 
Arte tendências literárias pergunta resposta
Arte tendências literárias pergunta respostaArte tendências literárias pergunta resposta
Arte tendências literárias pergunta resposta
 
Progresso ciêntifico no séc. xix
Progresso ciêntifico no séc. xixProgresso ciêntifico no séc. xix
Progresso ciêntifico no séc. xix
 
Preferências portugueses nas férias
Preferências portugueses nas fériasPreferências portugueses nas férias
Preferências portugueses nas férias
 
Preferências estrangeiros nas férias em portugal
Preferências estrangeiros nas férias em portugalPreferências estrangeiros nas férias em portugal
Preferências estrangeiros nas férias em portugal
 
Natur gâmbia
Natur gâmbiaNatur gâmbia
Natur gâmbia
 
Marketing 2º trabalho individual
Marketing 2º trabalho individualMarketing 2º trabalho individual
Marketing 2º trabalho individual
 
Relatório da visita de estudo_BTL
Relatório da visita de estudo_BTLRelatório da visita de estudo_BTL
Relatório da visita de estudo_BTL
 
Trabalho individual 10 produtos turisticos
Trabalho individual 10 produtos turisticosTrabalho individual 10 produtos turisticos
Trabalho individual 10 produtos turisticos
 
Proposta para atividade de team building
Proposta para atividade de team buildingProposta para atividade de team building
Proposta para atividade de team building
 
Programa 12 dias croácia
Programa 12 dias croáciaPrograma 12 dias croácia
Programa 12 dias croácia
 
Turismo fluvial
Turismo fluvialTurismo fluvial
Turismo fluvial
 
Turismo fluvial em portugal
Turismo fluvial em portugalTurismo fluvial em portugal
Turismo fluvial em portugal
 
Turismo cultural motivo e complemento
Turismo cultural motivo e complementoTurismo cultural motivo e complemento
Turismo cultural motivo e complemento
 
1º trabalho uma viagem de sonho
1º trabalho uma viagem de sonho1º trabalho uma viagem de sonho
1º trabalho uma viagem de sonho
 

Portugal um retrato social nós e os outros

  • 1. ESCOLA SECUNDÁRIA SEBASTIÃO DA GAMA Portugal, um retrato social “Nós e os outros” 1 Por Albertina Maria Seroido Branco Lima – N.º 1 – TAV – 1º Ano - Disciplina CLC.7 (2) Durante o período salazarista, os portugueses viviam numa sociedade fechada, conhecia-se muito pouco do que se passava nos outros países e raramente se viajava. Praticava-se uma só religião – a católica – e os partidos políticos eram proibidos pelo governo. Os livros, filmes, teatro e música eram submetidos à censura. A imprensa e a televisão eram controladas. A polícia podia escutar os telefones e abrir a correspondência, sendo o povo controlado ao ponto de se sentir sufocado. Existiam preconceitos terríveis, nomeadamente a nível dos afetos, não sendo permitidas quaisquer manifestações públicas. Vivia-se num clima de medo! Nos anos 60, a sociedade portuguesa sofreu diversas mudanças, nomeadamente um acentuado crescimento económico, começando os portugueses a desejar mais do que conheciam até então. Começou-se a conhecer mais dos outros países, através dos turistas estrangeiros que começaram a vir para Portugal, trazendo novas ideias, novos costumes e comportamentos, nomeadamente o uso de biquínis e a demonstração de afetos em público, sendo estes procedimentos um modo de ver o mundo lá fora. Os portugueses começaram também a emigrar para o estrangeiro (mais de um milhão e meio), sendo que muitos deles emigravam clandestinamente. Os trabalhos que iam desempenhar, na grande maioria, eram de baixo prestígio social, pouco exigentes em termos de qualificação profissional, de grande esforço físico e mal remunerados, embora superiores aos salários portugueses. Da emigração resultou uma vida melhor para as famílias mais pobres e quando vinham de férias já não eram as mesmas pessoas, pois tinham vivido outras vivências.
  • 2. ESCOLA SECUNDÁRIA SEBASTIÃO DA GAMA Portugal, um retrato social “Nós e os outros” 2 A guerra no ultramar também originou uma grande mudança na sociedade portuguesa, onde cerca de um milhão de homens passaram pelo serviço militar, abrindo-se perspetivas a milhares de jovens que aprenderam ofícios e a conduzir, colocando-os ainda em contacto com outras sociedades mais evoluídas, como Luanda e Lourenço Marques. No período pós-revolução de Abril, a imigração tornou a sociedade portuguesa uma sociedade plural, aberta às ideias que chegaram do mundo inteiro. Com a descolonização em 1975, cerca de 600 mil portugueses (muitos já nascidos em Africa) vêm para Portugal que, depois de algumas dificuldades, conseguem integrar-se na sociedade sem conflitos. Nos anos 80, brasileiros e africanos dos novos países de língua portuguesa, começam a vir para Portugal, para trabalhar. Nos anos 90, devido ao fim da União Soviética, começam a chegar pessoas dos países de leste (russos ucranianos e romenos), também para trabalhar em Portugal, sendo mais qualificados que os portugueses, sujeitando-se a fazer qualquer trabalho. Também milhares de asiáticos chegam ao nosso país, sendo notável através do comércio chinês, visível um pouco por toda a parte. Outros europeus, principalmente espanhóis, ligados a empresas estrangeiras, também se encontram hoje em Portugal, sendo hoje o nosso país composto por muitas pessoas oriundas de outras partes do mundo. Centenas de milhares de estrangeiros vivem e trabalham no meio dos portugueses, os quais trouxeram ao nosso país novas culturas, religiões, maneiras de ser, pensar e de estar. A chegada dos imigrantes a Portugal foi positiva para a economia portuguesa, tendo este fenómeno aumentado a produção. Os imigrantes substituíram os portugueses nos trabalhos mais duros, contudo devido à crise começa a surgir o preconceito. Outro problema é a questão dos imigrantes que não se encontram legalizados, que apenas conseguem trabalhos ilegais, trabalhos esses que não fazem crescer a economia.
  • 3. ESCOLA SECUNDÁRIA SEBASTIÃO DA GAMA Portugal, um retrato social “Nós e os outros” 3 Estando ilegais, vivem normalmente em casas clandestinas, e se estas comunidades vivem agrupadas, pode este facto constituir uma fonte de problemas e conflitos, uma vez que se sentem marginalizadas, perdendo as novas gerações a sua identidade. Na minha opinião, a imigração em Portugal poderá passar por duas vertentes: uma positiva, outra menos positiva, pois não lhe quero chamar negativa… A positiva é permitir a possibilidade de uma sociedade aberta, com diversas culturas e costumes, através da convivência com povos estrangeiros, onde a aprendizagem é uma constante! A menos positiva, e porque o país se encontra a viver numa crise profunda, é a ocupação dos postos de trabalho pelos imigrantes, que poderiam pertencer aos portugueses que se encontram desempregados… Contudo, na minha opinião, a imigração é uma mais-valia para a sociedade portuguesa! Bibliografia/Webgrafia http://www.youtube.com/watch?v=hF-ykNnJg2M