SlideShare uma empresa Scribd logo
Enfermagem em Politrauma. 
Professor André Assis
Epidemiologia. 
O trauma representa, atualmente, a terceira causa 
morte mundial. 
Segundo as estatísticas, em um dia 
médio,170.000 homens, mulheres e crianças sofrem 
traumatismos, e aproximadamente 400 morrem como 
resultados de suas lesões. 
Lesão acidental é o maior assassino de pessoas 
entre as idades de 1 a 44 anos. 
Esses dados estão diretamente ligados a explosão 
demográfica juntamente com os altos índices de 
violência e a imprudência dos dias atuais.
Nos politraumatismos a mortalidade é classificada em 
três níveis subseqüentes: imediata, precoce e tardia. 
Imediata: as mortes são relativas às que acontecem 
logo após o acidente devido a Lesões cerebrais graves, 
traumatismos cervicais e Lesões em grandes vasos ou 
coração. 
Precoce: refere as mortes ocorridas dentro de duas 
horas após o trauma, causadas por traumatismos 
cranioencefálico, torácico, abdominal e hemorragia; 
Tardia: relacionam àocorrência de septicemia e 
falência múltiplas dos órgãos, podendo também estar 
ligada ao traumatismo cranioenfálico.
CONCEITO: São lesões múltiplas de diversas 
naturezas, determinadas por agentes mecânicos, 
podendo comprometer diversos sistemas ou até 
mesmo a vida. Uma vítima é considerada 
politraumatizada, sempre que apresenta lesões em 
dois ou mais sistemas. 
O TRAUMA: É uma lesão caracterizada por 
alterações estruturais ou desequilíbrio fisiológico, 
decorrente de exposição aguda a várias formas de 
energia: Mecânica, Térmica, Elétrica, Química, 
Irradiações.
Tem por objetivo identificar graves lesões e 
instituir medidas terapêuticas e emergenciais 
que controlem e restabeleçam a vida. 
Consiste em: 
Preparação 
Triagem 
Avaliação primária 
Reanimação 
Avaliação secundária 
Monitorização e reavaliação contínua 
Tratamento definitivo
Pré-hospitalar: Onde a equipe é preparada 
para atuar no local da ocorrência, 
estabilizando o paciente. 
Intra-hospitalar: Onde a equipe que recebe o 
caso esta ciente, preparada e de acordo com o 
que será encaminhado para atendimento. 
Regulação médica: serviço cuja função é 
equivalente à ponte entre as equipes do pré-hospitalar 
e do intra-hospitalar que despacha 
as viaturas para atendimento da ocorrência e 
de acordo com os informes da equipe pré-hospitalar 
verifica local para continuidade do 
atendimento emergencial e comunica ao 
intra-hospitalar o caso que será encaminhado.
É utilizado para classificar a gravidade dos 
problemas ou tipo de ocorrência. Existe um 
método de cores para definir: 
. VERMELHO (0 min) 
. LARANJA (10 min) 
. AMARELO ( 1h) 
. VERDE (2h) 
. AZUL (4h)
Tem por finalidade verificar o estado da vitima e suas 
condições físicas /emocionais/ neurológicas. 
Verifica-se: 
Obstrução das vias aéreas 
Insuficiência Respiratória 
Alterações Hemodinâmicas 
Déficit Neurológico 
Usam-se os métodos das seguintes formas: A, B, C, 
D e E (casos sem comprometimento circulatório). 
C, A, B, D e E (casos com comprometimentos circulatórios). 
Significados: 
A- Vias aéreas e proteção da coluna cervical 
B- Respiração e ventilação 
C- Circulação 
D- Incapacidade neurológica 
E- Exposição e controle da temperatura
Reanimação 
Ações para restabelecer as condições vitais do 
paciente. 
Avaliação secundária 
Exploração detalhada da cabeça aos pés, 
antecedentes pessoais se possível. Esta deverá 
ser completada no hospital com reavaliação e 
exames radiológicos pertinentes. 
Muito importante: Pesquisar e presumir lesão 
associada em função do mecanismo da lesão, ex. 
queda sobre calcâneo com fratura da coluna 
vertebral.
Tipos de trauma 
O trauma pode ser classificado de acordo 
com seu mecanismo, este pode ser contuso 
ou penetrante, mas a transferência de energia 
e a lesão produzida são semelhantes em 
ambos os tipos de trauma. A única diferença 
é a perfuração da pele. 
Trauma contuso (fechado): 
O trauma contuso ocorre quando há 
transferência de energia em uma superfície 
corporal extensa, não penetrando a pele.
Trauma penetrante (aberto): 
O trauma penetrante tem como característica a 
transferência de energia em uma área 
concentrada, com isso há pouca dispersão de 
energia provocando laceração da pele. 
Podemos encontrar objetos fixados no trauma 
penetrante, as lesões não incluem apenas os 
tecidos na trajetória do objeto, deve-se suspeitar 
de movimentos circulares do objeto penetrante. 
As lesões provocadas por transferência de alta 
energia, por exemplo, arma de fogo. 
Traumatismo craniano: 
É um tipo de contusão ou ainda lesão na cabeça, 
pode ocorrer imediatamente ou se desenvolver 
lentamente no decorrer de várias horas, podendo 
ainda constituir-se num traumatismo 
cranioencefálico.
Politraumas
Traumatismo Torácico 
São lesões torácicas decorrentes da ação de um 
agente traumático. Pode acometer órgãos vitais 
como o coração e pulmões, além de estruturas como 
traquéia, brônquios e grandes vasos (artéria aorta, 
veia cava ) . Dessa forma, os traumatismos que a 
atingem podem comprometer seriamente funções 
como a respiração e a circulação.
Traumatismo Abdominal 
Lesões abdominais 
resultantes da ação de um 
agente traumático. O trauma 
abdominal leva ás vitimas a 
óbito na fase inicial do 
atendimento devido 
hemorragias não 
controladas. Geralmente 
ocorre em associação com 
outras lesões, principalmente 
torácicas.
Atuação da enfermagem 
Fazer uma avaliação rápida do estado geral do paciente, estabelecendo 
prioridade e dando atenção imediata àquele traumatismo que interfere nas 
funções vitais. 
Permeabilidade das vias aéreas (retirada de prótese); 
Aspiração das secreções orofaríngeas; 
Avaliação das possíveis lesões intratorácicas; 
Colocação da cânula de guedell; 
Entubação e uso de respirador; 
Avaliação da função respiratória (ritmo, frequência e movimento torácico); 
Avaliação das funções cardio-circulatórias usando manobras de ressuscitação 
quando houver parada cardio-respiratória; 
Controle da hemorragia. Se for detectada hemorragia interna, preparar o 
paciente para cirurgia; 
Punção de veia para reposição das perdas sanguíneas e administração de 
medicamentos; 
Preparação do material para flebotomia e PVC; 
Sondagem vesical, se prescrita, para avaliação do débito urinário; 
Controle rigoroso da administração e perda de líquidos, PVC e sinais vitais; 
Avaliação de trauma crânio encefálico e outras lesões; 
Imobilização das fraturas, observando as extremidades (coloração, 
temperatura e pulso); 
Avaliação da ansiedade do paciente, orientando e esclarecendo sobre o seu 
estado, procedimentos e dúvidas.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Novas diretrizes na pcr
Novas diretrizes na pcrNovas diretrizes na pcr
Novas diretrizes na pcr
Barbara Oliveira
 
Choque hipovolemico aula1_2
Choque hipovolemico aula1_2Choque hipovolemico aula1_2
Choque hipovolemico aula1_2
Luciana Maria Nascimento
 
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
Will Nunes
 
Atendimento inicial ao politraumatizado
Atendimento inicial ao politraumatizadoAtendimento inicial ao politraumatizado
Atendimento inicial ao politraumatizado
rozenaisna
 
Primeiros Socorros - Atendimento de emergência a politraumatizados
Primeiros Socorros - Atendimento de emergência a politraumatizadosPrimeiros Socorros - Atendimento de emergência a politraumatizados
Primeiros Socorros - Atendimento de emergência a politraumatizados
Cleanto Santos Vieira
 
161731905 conceitos-basicos-em-enfermagem-perioperatoria-e-terminologia-cirur...
161731905 conceitos-basicos-em-enfermagem-perioperatoria-e-terminologia-cirur...161731905 conceitos-basicos-em-enfermagem-perioperatoria-e-terminologia-cirur...
161731905 conceitos-basicos-em-enfermagem-perioperatoria-e-terminologia-cirur...
Avelino Lopes
 
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Will Nunes
 
Urgência e Emergência
Urgência e EmergênciaUrgência e Emergência
Urgência e Emergência
Rosemeire Moreira Souza
 
Trauma torácico
Trauma torácicoTrauma torácico
Trauma torácico
Guilherme Sicuto
 
Hemorragias
HemorragiasHemorragias
Hemorragias
Luana Santos
 
Assistência de enfermagem em neonatologia
Assistência de enfermagem em neonatologiaAssistência de enfermagem em neonatologia
Assistência de enfermagem em neonatologia
Amanda Corrêa
 
RCP
RCPRCP
Punção venosa.
Punção venosa.Punção venosa.
Punção venosa.
Centro Universitário Ages
 
Aula feridas e curativos
Aula feridas e curativosAula feridas e curativos
Aula feridas e curativos
Viviane da Silva
 
Cicatrização de Feridas em Cirurgia
Cicatrização de Feridas em CirurgiaCicatrização de Feridas em Cirurgia
Cicatrização de Feridas em Cirurgia
Francisco Doria
 
Estudo de caso tce
Estudo de caso tceEstudo de caso tce
Estudo de caso tce
jessica sanielly
 
Hemorragias
HemorragiasHemorragias
Hemorragias
Stefanny Corrêa
 
Período Pós Operatório AULA 7
Período Pós Operatório AULA 7Período Pós Operatório AULA 7
Período Pós Operatório AULA 7
Aline Bandeira
 
Exercícios glasgow 2
Exercícios glasgow 2Exercícios glasgow 2
Exercícios glasgow 2
Eduardo Júnior
 
Aula de feridas e curativos - Completa
Aula de feridas e curativos -  CompletaAula de feridas e curativos -  Completa
Aula de feridas e curativos - Completa
SMS - Petrópolis
 

Mais procurados (20)

Novas diretrizes na pcr
Novas diretrizes na pcrNovas diretrizes na pcr
Novas diretrizes na pcr
 
Choque hipovolemico aula1_2
Choque hipovolemico aula1_2Choque hipovolemico aula1_2
Choque hipovolemico aula1_2
 
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
 
Atendimento inicial ao politraumatizado
Atendimento inicial ao politraumatizadoAtendimento inicial ao politraumatizado
Atendimento inicial ao politraumatizado
 
Primeiros Socorros - Atendimento de emergência a politraumatizados
Primeiros Socorros - Atendimento de emergência a politraumatizadosPrimeiros Socorros - Atendimento de emergência a politraumatizados
Primeiros Socorros - Atendimento de emergência a politraumatizados
 
161731905 conceitos-basicos-em-enfermagem-perioperatoria-e-terminologia-cirur...
161731905 conceitos-basicos-em-enfermagem-perioperatoria-e-terminologia-cirur...161731905 conceitos-basicos-em-enfermagem-perioperatoria-e-terminologia-cirur...
161731905 conceitos-basicos-em-enfermagem-perioperatoria-e-terminologia-cirur...
 
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
 
Urgência e Emergência
Urgência e EmergênciaUrgência e Emergência
Urgência e Emergência
 
Trauma torácico
Trauma torácicoTrauma torácico
Trauma torácico
 
Hemorragias
HemorragiasHemorragias
Hemorragias
 
Assistência de enfermagem em neonatologia
Assistência de enfermagem em neonatologiaAssistência de enfermagem em neonatologia
Assistência de enfermagem em neonatologia
 
RCP
RCPRCP
RCP
 
Punção venosa.
Punção venosa.Punção venosa.
Punção venosa.
 
Aula feridas e curativos
Aula feridas e curativosAula feridas e curativos
Aula feridas e curativos
 
Cicatrização de Feridas em Cirurgia
Cicatrização de Feridas em CirurgiaCicatrização de Feridas em Cirurgia
Cicatrização de Feridas em Cirurgia
 
Estudo de caso tce
Estudo de caso tceEstudo de caso tce
Estudo de caso tce
 
Hemorragias
HemorragiasHemorragias
Hemorragias
 
Período Pós Operatório AULA 7
Período Pós Operatório AULA 7Período Pós Operatório AULA 7
Período Pós Operatório AULA 7
 
Exercícios glasgow 2
Exercícios glasgow 2Exercícios glasgow 2
Exercícios glasgow 2
 
Aula de feridas e curativos - Completa
Aula de feridas e curativos -  CompletaAula de feridas e curativos -  Completa
Aula de feridas e curativos - Completa
 

Semelhante a Politraumas

Trabalho 2023.ppsx
Trabalho 2023.ppsxTrabalho 2023.ppsx
Trabalho 2023.ppsx
RobertoLima254956
 
Atendimento pré hospitalar
Atendimento pré hospitalarAtendimento pré hospitalar
Atendimento pré hospitalar
NailtonBelo
 
Trabalho.pdf
Trabalho.pdfTrabalho.pdf
Trabalho.pdf
RobertoLima254956
 
Assistência de Enfermagem em urgência e emergência 6.pptx
Assistência de Enfermagem em urgência e emergência 6.pptxAssistência de Enfermagem em urgência e emergência 6.pptx
Assistência de Enfermagem em urgência e emergência 6.pptx
bialoyfigura
 
Fratura Exposta 2011
Fratura Exposta 2011Fratura Exposta 2011
Fratura Exposta 2011
Carlos Andrade
 
0319 traumatismo em áreas específicas - Marion
0319 traumatismo em áreas específicas - Marion0319 traumatismo em áreas específicas - Marion
0319 traumatismo em áreas específicas - Marion
laiscarlini
 
Abordagem ao Politraumatizado CAOT IV.ppt
Abordagem ao Politraumatizado CAOT IV.pptAbordagem ao Politraumatizado CAOT IV.ppt
Abordagem ao Politraumatizado CAOT IV.ppt
HelderGarciaAfonsoQu
 
Medicina de urgência completa
Medicina de urgência   completaMedicina de urgência   completa
Medicina de urgência completa
Jucie Vasconcelos
 
Primeiros_Socorros.pdf.pdf
Primeiros_Socorros.pdf.pdfPrimeiros_Socorros.pdf.pdf
Primeiros_Socorros.pdf.pdf
Lilian Litiere
 
Traumatorax
TraumatoraxTraumatorax
Traumatorax
Daiana Pessoa
 
Aula 3 - Emergência, classificação de risco.pdf
Aula 3 - Emergência, classificação de risco.pdfAula 3 - Emergência, classificação de risco.pdf
Aula 3 - Emergência, classificação de risco.pdf
profalicebolelli
 
traumatorax.ppt
traumatorax.ppttraumatorax.ppt
traumatorax.ppt
Aguiarneto3
 
Traumatorax
TraumatoraxTraumatorax
Traumatorax
Renan Sodre
 
Traumatorax 140204060457-phpapp02.ppt-senac iraja trauma toracico
Traumatorax 140204060457-phpapp02.ppt-senac iraja trauma toracicoTraumatorax 140204060457-phpapp02.ppt-senac iraja trauma toracico
Traumatorax 140204060457-phpapp02.ppt-senac iraja trauma toracico
Edison Santos
 
Atendimento inicial ao politraumatizado
Atendimento inicial ao politraumatizadoAtendimento inicial ao politraumatizado
Atendimento inicial ao politraumatizado
Sylvania Paiva
 
Atendimento inicial-paulo-2011-2-150409140710-conversion-gate01
Atendimento inicial-paulo-2011-2-150409140710-conversion-gate01Atendimento inicial-paulo-2011-2-150409140710-conversion-gate01
Atendimento inicial-paulo-2011-2-150409140710-conversion-gate01
Dina Alves
 
Atendimento inicial ao politraumatizado
Atendimento inicial ao politraumatizadoAtendimento inicial ao politraumatizado
Atendimento inicial ao politraumatizado
rozenaisna
 
27 11 - apostila de-centro_cirurgico_e_recuperacao_anestesica_-_tec_de_enf
27 11 - apostila de-centro_cirurgico_e_recuperacao_anestesica_-_tec_de_enf27 11 - apostila de-centro_cirurgico_e_recuperacao_anestesica_-_tec_de_enf
27 11 - apostila de-centro_cirurgico_e_recuperacao_anestesica_-_tec_de_enf
Luiz Fernando Aquino
 
4 aula trauma.pdf
4 aula trauma.pdf4 aula trauma.pdf
4 aula trauma.pdf
PolianaPaiva9
 
Clinica Cirurgica_ Aula Cirurgia Ortopédica - Copia.pptx
Clinica Cirurgica_ Aula Cirurgia Ortopédica - Copia.pptxClinica Cirurgica_ Aula Cirurgia Ortopédica - Copia.pptx
Clinica Cirurgica_ Aula Cirurgia Ortopédica - Copia.pptx
EduardoMachado69756
 

Semelhante a Politraumas (20)

Trabalho 2023.ppsx
Trabalho 2023.ppsxTrabalho 2023.ppsx
Trabalho 2023.ppsx
 
Atendimento pré hospitalar
Atendimento pré hospitalarAtendimento pré hospitalar
Atendimento pré hospitalar
 
Trabalho.pdf
Trabalho.pdfTrabalho.pdf
Trabalho.pdf
 
Assistência de Enfermagem em urgência e emergência 6.pptx
Assistência de Enfermagem em urgência e emergência 6.pptxAssistência de Enfermagem em urgência e emergência 6.pptx
Assistência de Enfermagem em urgência e emergência 6.pptx
 
Fratura Exposta 2011
Fratura Exposta 2011Fratura Exposta 2011
Fratura Exposta 2011
 
0319 traumatismo em áreas específicas - Marion
0319 traumatismo em áreas específicas - Marion0319 traumatismo em áreas específicas - Marion
0319 traumatismo em áreas específicas - Marion
 
Abordagem ao Politraumatizado CAOT IV.ppt
Abordagem ao Politraumatizado CAOT IV.pptAbordagem ao Politraumatizado CAOT IV.ppt
Abordagem ao Politraumatizado CAOT IV.ppt
 
Medicina de urgência completa
Medicina de urgência   completaMedicina de urgência   completa
Medicina de urgência completa
 
Primeiros_Socorros.pdf.pdf
Primeiros_Socorros.pdf.pdfPrimeiros_Socorros.pdf.pdf
Primeiros_Socorros.pdf.pdf
 
Traumatorax
TraumatoraxTraumatorax
Traumatorax
 
Aula 3 - Emergência, classificação de risco.pdf
Aula 3 - Emergência, classificação de risco.pdfAula 3 - Emergência, classificação de risco.pdf
Aula 3 - Emergência, classificação de risco.pdf
 
traumatorax.ppt
traumatorax.ppttraumatorax.ppt
traumatorax.ppt
 
Traumatorax
TraumatoraxTraumatorax
Traumatorax
 
Traumatorax 140204060457-phpapp02.ppt-senac iraja trauma toracico
Traumatorax 140204060457-phpapp02.ppt-senac iraja trauma toracicoTraumatorax 140204060457-phpapp02.ppt-senac iraja trauma toracico
Traumatorax 140204060457-phpapp02.ppt-senac iraja trauma toracico
 
Atendimento inicial ao politraumatizado
Atendimento inicial ao politraumatizadoAtendimento inicial ao politraumatizado
Atendimento inicial ao politraumatizado
 
Atendimento inicial-paulo-2011-2-150409140710-conversion-gate01
Atendimento inicial-paulo-2011-2-150409140710-conversion-gate01Atendimento inicial-paulo-2011-2-150409140710-conversion-gate01
Atendimento inicial-paulo-2011-2-150409140710-conversion-gate01
 
Atendimento inicial ao politraumatizado
Atendimento inicial ao politraumatizadoAtendimento inicial ao politraumatizado
Atendimento inicial ao politraumatizado
 
27 11 - apostila de-centro_cirurgico_e_recuperacao_anestesica_-_tec_de_enf
27 11 - apostila de-centro_cirurgico_e_recuperacao_anestesica_-_tec_de_enf27 11 - apostila de-centro_cirurgico_e_recuperacao_anestesica_-_tec_de_enf
27 11 - apostila de-centro_cirurgico_e_recuperacao_anestesica_-_tec_de_enf
 
4 aula trauma.pdf
4 aula trauma.pdf4 aula trauma.pdf
4 aula trauma.pdf
 
Clinica Cirurgica_ Aula Cirurgia Ortopédica - Copia.pptx
Clinica Cirurgica_ Aula Cirurgia Ortopédica - Copia.pptxClinica Cirurgica_ Aula Cirurgia Ortopédica - Copia.pptx
Clinica Cirurgica_ Aula Cirurgia Ortopédica - Copia.pptx
 

Politraumas

  • 1. Enfermagem em Politrauma. Professor André Assis
  • 2. Epidemiologia. O trauma representa, atualmente, a terceira causa morte mundial. Segundo as estatísticas, em um dia médio,170.000 homens, mulheres e crianças sofrem traumatismos, e aproximadamente 400 morrem como resultados de suas lesões. Lesão acidental é o maior assassino de pessoas entre as idades de 1 a 44 anos. Esses dados estão diretamente ligados a explosão demográfica juntamente com os altos índices de violência e a imprudência dos dias atuais.
  • 3. Nos politraumatismos a mortalidade é classificada em três níveis subseqüentes: imediata, precoce e tardia. Imediata: as mortes são relativas às que acontecem logo após o acidente devido a Lesões cerebrais graves, traumatismos cervicais e Lesões em grandes vasos ou coração. Precoce: refere as mortes ocorridas dentro de duas horas após o trauma, causadas por traumatismos cranioencefálico, torácico, abdominal e hemorragia; Tardia: relacionam àocorrência de septicemia e falência múltiplas dos órgãos, podendo também estar ligada ao traumatismo cranioenfálico.
  • 4. CONCEITO: São lesões múltiplas de diversas naturezas, determinadas por agentes mecânicos, podendo comprometer diversos sistemas ou até mesmo a vida. Uma vítima é considerada politraumatizada, sempre que apresenta lesões em dois ou mais sistemas. O TRAUMA: É uma lesão caracterizada por alterações estruturais ou desequilíbrio fisiológico, decorrente de exposição aguda a várias formas de energia: Mecânica, Térmica, Elétrica, Química, Irradiações.
  • 5. Tem por objetivo identificar graves lesões e instituir medidas terapêuticas e emergenciais que controlem e restabeleçam a vida. Consiste em: Preparação Triagem Avaliação primária Reanimação Avaliação secundária Monitorização e reavaliação contínua Tratamento definitivo
  • 6. Pré-hospitalar: Onde a equipe é preparada para atuar no local da ocorrência, estabilizando o paciente. Intra-hospitalar: Onde a equipe que recebe o caso esta ciente, preparada e de acordo com o que será encaminhado para atendimento. Regulação médica: serviço cuja função é equivalente à ponte entre as equipes do pré-hospitalar e do intra-hospitalar que despacha as viaturas para atendimento da ocorrência e de acordo com os informes da equipe pré-hospitalar verifica local para continuidade do atendimento emergencial e comunica ao intra-hospitalar o caso que será encaminhado.
  • 7. É utilizado para classificar a gravidade dos problemas ou tipo de ocorrência. Existe um método de cores para definir: . VERMELHO (0 min) . LARANJA (10 min) . AMARELO ( 1h) . VERDE (2h) . AZUL (4h)
  • 8. Tem por finalidade verificar o estado da vitima e suas condições físicas /emocionais/ neurológicas. Verifica-se: Obstrução das vias aéreas Insuficiência Respiratória Alterações Hemodinâmicas Déficit Neurológico Usam-se os métodos das seguintes formas: A, B, C, D e E (casos sem comprometimento circulatório). C, A, B, D e E (casos com comprometimentos circulatórios). Significados: A- Vias aéreas e proteção da coluna cervical B- Respiração e ventilação C- Circulação D- Incapacidade neurológica E- Exposição e controle da temperatura
  • 9. Reanimação Ações para restabelecer as condições vitais do paciente. Avaliação secundária Exploração detalhada da cabeça aos pés, antecedentes pessoais se possível. Esta deverá ser completada no hospital com reavaliação e exames radiológicos pertinentes. Muito importante: Pesquisar e presumir lesão associada em função do mecanismo da lesão, ex. queda sobre calcâneo com fratura da coluna vertebral.
  • 10. Tipos de trauma O trauma pode ser classificado de acordo com seu mecanismo, este pode ser contuso ou penetrante, mas a transferência de energia e a lesão produzida são semelhantes em ambos os tipos de trauma. A única diferença é a perfuração da pele. Trauma contuso (fechado): O trauma contuso ocorre quando há transferência de energia em uma superfície corporal extensa, não penetrando a pele.
  • 11. Trauma penetrante (aberto): O trauma penetrante tem como característica a transferência de energia em uma área concentrada, com isso há pouca dispersão de energia provocando laceração da pele. Podemos encontrar objetos fixados no trauma penetrante, as lesões não incluem apenas os tecidos na trajetória do objeto, deve-se suspeitar de movimentos circulares do objeto penetrante. As lesões provocadas por transferência de alta energia, por exemplo, arma de fogo. Traumatismo craniano: É um tipo de contusão ou ainda lesão na cabeça, pode ocorrer imediatamente ou se desenvolver lentamente no decorrer de várias horas, podendo ainda constituir-se num traumatismo cranioencefálico.
  • 13. Traumatismo Torácico São lesões torácicas decorrentes da ação de um agente traumático. Pode acometer órgãos vitais como o coração e pulmões, além de estruturas como traquéia, brônquios e grandes vasos (artéria aorta, veia cava ) . Dessa forma, os traumatismos que a atingem podem comprometer seriamente funções como a respiração e a circulação.
  • 14. Traumatismo Abdominal Lesões abdominais resultantes da ação de um agente traumático. O trauma abdominal leva ás vitimas a óbito na fase inicial do atendimento devido hemorragias não controladas. Geralmente ocorre em associação com outras lesões, principalmente torácicas.
  • 15. Atuação da enfermagem Fazer uma avaliação rápida do estado geral do paciente, estabelecendo prioridade e dando atenção imediata àquele traumatismo que interfere nas funções vitais. Permeabilidade das vias aéreas (retirada de prótese); Aspiração das secreções orofaríngeas; Avaliação das possíveis lesões intratorácicas; Colocação da cânula de guedell; Entubação e uso de respirador; Avaliação da função respiratória (ritmo, frequência e movimento torácico); Avaliação das funções cardio-circulatórias usando manobras de ressuscitação quando houver parada cardio-respiratória; Controle da hemorragia. Se for detectada hemorragia interna, preparar o paciente para cirurgia; Punção de veia para reposição das perdas sanguíneas e administração de medicamentos; Preparação do material para flebotomia e PVC; Sondagem vesical, se prescrita, para avaliação do débito urinário; Controle rigoroso da administração e perda de líquidos, PVC e sinais vitais; Avaliação de trauma crânio encefálico e outras lesões; Imobilização das fraturas, observando as extremidades (coloração, temperatura e pulso); Avaliação da ansiedade do paciente, orientando e esclarecendo sobre o seu estado, procedimentos e dúvidas.