SlideShare uma empresa Scribd logo
PERGUNTAS SOBRE A APRESENTAÇÃO DOS TRABALHOS DE INTERVENÇÃO DE TERCEIROS FEITAS
PELA PROFESSORA EM SALA.
1)Existem formas de terceiros intervirem em um processo em curso. Aponte todas as espécies de
intervenções de terceiros previstas no Código Processual Civil.
As hipóteses de intervenção de terceiro previstas pelo CPC são as seguintes:
a) assistência (art.s 50 a 55);
b) oposição (art.s 56 s 61);
c) denunciação da lide (art.s 70 a 76);
d) o chamamento ao processo (art.s 77 a 80);
e) o recurso do terceiro prejudicado (art. 499).
2)Existem também outras formas de intervenção que não estão no código indique alguma delas.
As hipóteses de intervenção de terceiros, conforme classificação adotada por Humberto
Theodoro Junior[3], pode ser assim descritas:
a) ad coadjuvando: quando o terceiro procura prestar cooperação a uma das partes primitivas,
como na assistência;
b) ad excludendum: quando o terceiro procura excluir uma ou ambas as partes primitivas, como
na oposição e na nomeação à autoria;
c) espontânea: quando a iniciativa é do terceiro, como geralmente ocorre na oposiçãoe
na assistência;
d) provocada: quando, embora voluntária a medida adotada pelo terceiro, foi ela precedida por
citação promovida pela parte primitiva (nomeação à autoria, denunciação da lide, chamamento ao
processo).
3)Aponte quais das espécies de intervenção de terceiros são facultativas e quais são obrigatórias.
Intervenções voluntárias ou espontâneas são: assistência (art. 50 a 55) e a oposição (art. 56 a
61);
Intervenções obrigatórias ou forçadas são: nomeação à autoria (art. 62 a 69), denunciação da
lide (art. 70 a 76) e chamamento ao processo (art. 77 a 80).
4)Aponte quais das espécies de intervenções de terceiros formam litisconsórcio e classifique o
litisconsórcio formado.
5)As intervenções são consideradas incidentes processuais? O processo original se suspende?
o Código de Processo Civil determina modos procedimentais específicos para a admissão do
terceiro como parte no processo, seja que a haja requerido ele próprio, seja que a iniciativa tenha
vindo de uma das partes. Esses modos de proceder caracterizam-se
como incidentes processuais”
????
6) O que acontece com o processo original se o chamado ao processo, o denunciado à lide ou o
nomeado à autoria não comparecem aos autos? Explique um a um.
_______________________________________________________________________________________________
_______________________________________________________________________________________________
_______________________________________________________________________________________________
_______________________________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________________________
7)A assistência é obrigatória ou facultativa?
ASSISTÊNCIA - art. 50: é a modalidade voluntária de intervenção de terceiro (embora não
conste no Capitulo VI do CPC), que possuindo interesse jurídico numa causa, ingressa nos autos
para auxiliar a parte no polo ativo ou passivo.
8) O que é oposição?
É uma modalidade de intervenção voluntária e facultativa, na qual um terceiro ingressa em
processo alheio pretendendo, no todo ou em parte, a coisa ou direito sobre o qual discutem autor
e réu.
9)Qual das modalidades de intervenção de terceiros são admitidas no rito sumário?
Como visto anteriormente, ao procedimento sumário competem as causas enumeradas
nos incisos I e II do art. 275, CPC, ora em razão do valor, ora da matéria. Por seu um
procedimento que pende para a celeridade processual lhe são vedados alguns atos que
importariam em impedir-lhe atingisse os seus fins. Dentre as proibições legais encontra-se a
intervenção de terceiros pelo que se pode extrair da análise do art. 280, salvo exceções prescritas
no mesmo.
Art. 280. No procedimento sumário não são admissíveis a ação declaratória incidental e
a intervenção de terceiros, salvo a assistência, o recurso de terceiro prejudicado e a intervenção
fundada em contrato de seguro.
10) Os juizados especiais admitem as intervenções de terceiros? Justifique fundamentando.
No tocante ao Juizado Especial Cível, não se admite a intervenção de terceiros, nem a assistência
simples(art. 10 da lei 9.099/95).Também, não é admissível a nomeação à autoria e nem no procedimento
sumário (CPC, art. 280). 11)
Quais os atos processuais o assistente simples pode praticar no processo?
O assistente litisconsorcial tem os mesmos poderes e direitos que as partes, poderá agir contrário
ao desejado pelo assistido, exceto com relação a reconvenção e ação declaratória, porque tem
natureza de ação. O assistente simples pode praticar todos os atos do processo, desde que,
não contrarie a vontade do assistido.
12)Qual a diferença entre assistente litisconsorcial e assistente simples?
Na assistência simples o interesse do assistente não está diretamente ligado ao litígio, o
assistente é mero coadjuvante do assistido, sendo sua atuação meramente complementar, não
podendo ir de encontro à opção processual do assistido. Se o assistido, por exemplo, requereu
julgamento antecipado, não poderá requerer perícia, nem representar rol de testemunhas. Se o
assistido for revel, o assistente simples será considerado gestor de negócios, conforme o §único
do artigo 52, do CPC, cumprindo-lhe dirigir o processo segundo a vontade presumível do
assistido, artigo 861, do CC.
A assistência litisconsorcial tem como característica o interesse direto, por parte do assistente, no
litígio, ou seja, defende direito próprio. O assistente é considerado litigante distinto com a parte
adversa, segundo o artigo 48, do CPC, não ficando sujeito à atuação do assistido, caracterizando
o litisconsórcio facultativo.
13) O que é evicção?
Evicção é a perda total ou parcial de um bem adquirido em favor de um terceiro, que tem direito
anterior, por decisão judicial, relacionada a causas de um contrato.
14) O que é conexão?
Causas conexas são aquelas em que há o mesmo objeto ou a mesma causa de pedir, conforme
previsão do art. 103 do CPC:
15) O que é direito de regresso?
O direito de regresso é o direito de ressarcir um prejuízo causado por terceiro(s) em juízo. O
direito de regresso poderá ser exercido de duas formas: obrigatoriamente através da denunciação
da lide ou de ação regressiva nos casos em que a lei veda a intervenção de terceiros.
Art. 934. Aquele que ressarcir o dano causado por outrem pode reaver o que houver pago
daquele por quem pagou, salvo se o causador do dano for descendente seu, absoluta ou
relativamente incapaz.”
16) o que é credor e devedor pignoratício?
Credor pignoratício - É a pessoa a quem fica estabelecido o penhor de coisa móvel como
garantia, sendo portanto, quem conta com o benefício deste penhor.
Devedor pignoratício - É quem figura como devedor em contrato de penhor. É o sujeito passivo
da obrigação, ou seja, pessoa que deverá pagar o benefício estabelecido em garantia ao credor.
17)Qual o entendimento do STJ acerca da denunciação à lide?
_______________________________________________________________________________________________
_______________________________________________________________________________________________
_______________________________________________________________________________________________
_______________________________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________________________
18) quais os princípios que são aplicáveis às intervenções de terceiros?
_______________________________________________________________________________________________
_______________________________________________________________________________________________
_______________________________________________________________________________________________
_______________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________-_____
19)É possível assistência em grau de recurso?
A assistência simples é admissível tanto no juízo de origem como em grau de recurso (desde que
não se trate da hipótese do terceiro que somente está recorrendo, sem prestar qualquer auxílio
durante o processo em primeiro grau, pois aí teremos recurso de terceiro prejudicado e não
assistência simples)
20) A assistência é cabível em todo o tipo de procedimento? Inclusive nos Juizados Especiais?
A assistência tem lugar em qualquer tipo de procedimento e em todos os graus de jurisdição (art.
50, parágrafo único, do Código de Processo Civil, Porém no tocante ao Juizado Especial Cível,
não se admite a intervenção de terceiros, nem a assistência simples (art. 10 da lei 9.099/95)
21) Que tipo de interesse o assistente tem ao entrar em um processo?
Simples: assistente simples é aquele que tem interesse jurídico em que a sentença seja favorável
a uma das partes. O interesse jurídico ser caracteriza: o terceiro deve ter relação jurídica com
uma das partes e esta deve ser distinta da relação jurídica que está sendo discutida em juízo, e
ainda, o resultado da ação deve repercutir nesta segunda relação jurídica. (ex. sublocação, ação
de indenização por acidente de veículo – a seguradora pode ser assistente já que não cabe
denunciação no rito sumário)
Litisconsorcial: esta modalidade de assistência pressupõe a existência de uma legitimação
extraordinária ou substituição processual. Neste caso o assistente é o próprio titular do direito
material discutido na ação
22)Na oposição como é feita a citação dos opostos?
A citação dos opostos será feita na pessoa dos advogados das partes do processo originário
(CPC, art. 57).
23)diferencie Oposição de Embargos de Terceiros.
A diferença diz respeito ao objeto desses dois institutos jurídicos: nos embargos de terceiro não interessa
ao terceiro o direito material discutido na ação principal, porque para ele é irrelevante a determinação de
ter razão nessa demanda autor ou réu, bastando a demonstração de que a constrição foi realizada
indevidamente e que o bem constrito deve ser liberado; já na oposição, o terceiro terá que discutir o direito
material controvertido no processo entre autor e réu, porque será do convencimento do que o direito
material não é de um nem de outro, mas seu, que dependerá a vitória do opoente.
24) existe revelia na oposição?
Segundo previsão do art. 57, parágrafo único, CPC, caso o réu tenha sido revel na ação principal,
deverá ser citado pessoalmente na oposição, e não por meio de seu advogado, como determina a
regra geral (caput do artigo).
25) É permitido oposição de oposição?
_______________________________________________________________________________________________
_______________________________________________________________________________________________
_______________________________________________________________________________________________
_______________________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________________
26)É cabível chamamento sucessivo?
Nos termos do art. 78 do CPC, o réu deverá (poderá) promover o chamamento ao
processo no prazo em que tiver para contestar.
27)Como se cobra a perdas e danos em caso de intervenção de terceiros?
_______________________________________________________________________________________________
_______________________________________________________________________________________________
_______________________________________________________________________________________________
_______________________________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________________________
28)O que é sub rogação?
1. Quando o pagamento de uma dívida é feita por um terceiro, estranho à relação contratual
existente entre duas partes, dá-se a sub-rogação, o que permite ao terceiro, que assumiu a
dívida, cobrá-la posteriormente do devedor original.
2. "A sub-rogação transfere ao novo credor todos os direitos, ações, privilégios e garantias do
primitivo, em relação à dívida, contra o devedor principal e os fiadores.
29)Cite quais das espécies de intervenções de terceiros permite a intervenção em grau de recurso.
_______________________________________________________________________________________________
_______________________________________________________________________________________________
_______________________________________________________________________________________________
_______________________________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________________________
30)Cite a palavra chave de cada espécie de intervenção de terceiros:
a)Denunciação à lide_________________________________
b)chamamento ao Processo___________________________
c)Nomeação à autoria_______________________________
d)Oposição_______________________________________
e)Assistência_____________________________________
31) No chamamento ao processo o que acontece se o chamado admitir e entrar na ação?
_______________________________________________________________________________________________
_______________________________________________________________________________________________
_______________________________________________________________________________________________
_______________________________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________________________
32) Qual o objetivo fundamental do chamamento ao processo?
O chamamento ao processo está diretamente ligado às situações de garantia simples, isto é,
àquelas hipóteses em que alguém deve prestar ao credor, perante quem é pessoalmente
obrigado, o pagamento de um débito de que, afinal, não é ele o verdadeiro devedor, mas tão-
somente o garante.
EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO PARA CASO DE INTERVENÇÃO.
Aponte o tipo de intervenção de terceiro foi aplicável em cada caso concreto.
CASO I
Uma paciente estava internada na UTI, teve uma queda de energia no Hospital e o aparelho foi
queimado, vindo a paciente a falecer. A família ajuizou ação de indenização em face do médico e do
hospital. Estes, ao serem citados ___________________________a concessionária de energia elétrica.
CASO II
Ana e Paula ajuizaram Ação Reivindicatória brigando por um quarteirão de terras em Senador
Canedo/GO. Porém Humberto ao saber do litígio promoveu uma intervenção de terceiros sob forma
de ____________________________________________________________________________________afirmando ser a terra
dele.
CASO III
Três amigos foram fiadores de PAULO em uma casa para ele morar. Com PAULO deixou de pagar os
aluguéis o dono do imóvel ajuizou AÇÃO DE COBRANÇA colocando como réu apenas um dos amigos
fiadores. O amigo processado ______________________________________________________________lide os demais
fiadores para responderem juntamente com ele.
CASO IV
Um irmão mora na fazenda do outro. O fazendeiro vizinho processou o morador achando ser ele o
dono da propriedade. O irmão processado requereu a extinção da lide não ter legitimidade ativa. E
não envolveu o outro irmão na lide. Qual seria a atitude correta no caso acima se tratando de
intervenção de terceiros? E o possuidor ter sido demandado no lugar do proprietário?

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Descriminantes Putativas
Descriminantes PutativasDescriminantes Putativas
Descriminantes Putativas
Antonio Pereira
 
Capez estado necessidade
Capez estado necessidadeCapez estado necessidade
Capez estado necessidade
jhoubruno17
 
Extinção da Punibilidade (Teoria Geral da Pena - Direito Penal II)
Extinção da Punibilidade (Teoria Geral da Pena - Direito Penal II)Extinção da Punibilidade (Teoria Geral da Pena - Direito Penal II)
Extinção da Punibilidade (Teoria Geral da Pena - Direito Penal II)
Helíssia Coimbra
 
Curso Preparatório OAB completo
Curso Preparatório OAB completoCurso Preparatório OAB completo
Curso Preparatório OAB completo
apcapostilas
 
Apostila direito penal - parte geral - prof. fernando capez
Apostila   direito penal - parte geral - prof. fernando capezApostila   direito penal - parte geral - prof. fernando capez
Apostila direito penal - parte geral - prof. fernando capez
Jarlony Teles
 
GLOSSARIO.pdf
GLOSSARIO.pdfGLOSSARIO.pdf
GLOSSARIO.pdf
Felipe Resende
 
Aula 05. da intervencao de terceiros parte i
Aula 05. da intervencao de terceiros parte iAula 05. da intervencao de terceiros parte i
Aula 05. da intervencao de terceiros parte i
Mariana Campos
 
Intervenção de terceiros sabrina dourado
Intervenção de terceiros sabrina douradoIntervenção de terceiros sabrina dourado
Intervenção de terceiros sabrina dourado
Isabelly Sarmento
 
Direito processual civil aula 4 atualiz
Direito processual civil   aula 4 atualizDireito processual civil   aula 4 atualiz
Direito processual civil aula 4 atualiz
Fabiano Manquevich
 
Direito penal i ilicitude
Direito penal i   ilicitudeDireito penal i   ilicitude
Direito penal i ilicitude
Urbano Felix Pugliese
 
Trabalho de direito penal extinção da punabilidade nov 2015
Trabalho de direito penal  extinção da punabilidade   nov 2015Trabalho de direito penal  extinção da punabilidade   nov 2015
Trabalho de direito penal extinção da punabilidade nov 2015
Kleiton Barbosa
 
A responsabilidade do estado no stf e no stj
A responsabilidade do estado no stf e no stjA responsabilidade do estado no stf e no stj
A responsabilidade do estado no stf e no stj
Ana Carolina Riodades
 
Direito Civil Contratos
Direito Civil ContratosDireito Civil Contratos
Direito Civil Contratos
Tércio De Santana
 
Apontamentos Teoria do Processo FDUNL
Apontamentos Teoria do Processo FDUNLApontamentos Teoria do Processo FDUNL
Apontamentos Teoria do Processo FDUNL
Diogo Morgado Rebelo
 
Código penal aula 1
Código penal   aula 1Código penal   aula 1
Código penal aula 1
Erica Castro
 
Direito penal i teoria geral do delito
Direito penal i   teoria geral do delitoDireito penal i   teoria geral do delito
Direito penal i teoria geral do delito
Urbano Felix Pugliese
 
Culpabilidade - PROF. JURACY M. SANTANA
Culpabilidade - PROF. JURACY M. SANTANACulpabilidade - PROF. JURACY M. SANTANA
Culpabilidade - PROF. JURACY M. SANTANA
Vitor Carvalho
 
Estudos sobre a Extinção da punibilidade Título VIII Cod.Penal
Estudos sobre a Extinção da punibilidade Título VIII Cod.PenalEstudos sobre a Extinção da punibilidade Título VIII Cod.Penal
Estudos sobre a Extinção da punibilidade Título VIII Cod.Penal
Marcos Emerick
 
Resumão direito penal- parte geral
Resumão direito penal- parte geralResumão direito penal- parte geral
Resumão direito penal- parte geral
Fonseca Advocacia
 
Atc
AtcAtc

Mais procurados (20)

Descriminantes Putativas
Descriminantes PutativasDescriminantes Putativas
Descriminantes Putativas
 
Capez estado necessidade
Capez estado necessidadeCapez estado necessidade
Capez estado necessidade
 
Extinção da Punibilidade (Teoria Geral da Pena - Direito Penal II)
Extinção da Punibilidade (Teoria Geral da Pena - Direito Penal II)Extinção da Punibilidade (Teoria Geral da Pena - Direito Penal II)
Extinção da Punibilidade (Teoria Geral da Pena - Direito Penal II)
 
Curso Preparatório OAB completo
Curso Preparatório OAB completoCurso Preparatório OAB completo
Curso Preparatório OAB completo
 
Apostila direito penal - parte geral - prof. fernando capez
Apostila   direito penal - parte geral - prof. fernando capezApostila   direito penal - parte geral - prof. fernando capez
Apostila direito penal - parte geral - prof. fernando capez
 
GLOSSARIO.pdf
GLOSSARIO.pdfGLOSSARIO.pdf
GLOSSARIO.pdf
 
Aula 05. da intervencao de terceiros parte i
Aula 05. da intervencao de terceiros parte iAula 05. da intervencao de terceiros parte i
Aula 05. da intervencao de terceiros parte i
 
Intervenção de terceiros sabrina dourado
Intervenção de terceiros sabrina douradoIntervenção de terceiros sabrina dourado
Intervenção de terceiros sabrina dourado
 
Direito processual civil aula 4 atualiz
Direito processual civil   aula 4 atualizDireito processual civil   aula 4 atualiz
Direito processual civil aula 4 atualiz
 
Direito penal i ilicitude
Direito penal i   ilicitudeDireito penal i   ilicitude
Direito penal i ilicitude
 
Trabalho de direito penal extinção da punabilidade nov 2015
Trabalho de direito penal  extinção da punabilidade   nov 2015Trabalho de direito penal  extinção da punabilidade   nov 2015
Trabalho de direito penal extinção da punabilidade nov 2015
 
A responsabilidade do estado no stf e no stj
A responsabilidade do estado no stf e no stjA responsabilidade do estado no stf e no stj
A responsabilidade do estado no stf e no stj
 
Direito Civil Contratos
Direito Civil ContratosDireito Civil Contratos
Direito Civil Contratos
 
Apontamentos Teoria do Processo FDUNL
Apontamentos Teoria do Processo FDUNLApontamentos Teoria do Processo FDUNL
Apontamentos Teoria do Processo FDUNL
 
Código penal aula 1
Código penal   aula 1Código penal   aula 1
Código penal aula 1
 
Direito penal i teoria geral do delito
Direito penal i   teoria geral do delitoDireito penal i   teoria geral do delito
Direito penal i teoria geral do delito
 
Culpabilidade - PROF. JURACY M. SANTANA
Culpabilidade - PROF. JURACY M. SANTANACulpabilidade - PROF. JURACY M. SANTANA
Culpabilidade - PROF. JURACY M. SANTANA
 
Estudos sobre a Extinção da punibilidade Título VIII Cod.Penal
Estudos sobre a Extinção da punibilidade Título VIII Cod.PenalEstudos sobre a Extinção da punibilidade Título VIII Cod.Penal
Estudos sobre a Extinção da punibilidade Título VIII Cod.Penal
 
Resumão direito penal- parte geral
Resumão direito penal- parte geralResumão direito penal- parte geral
Resumão direito penal- parte geral
 
Atc
AtcAtc
Atc
 

Semelhante a Perguntas sobre a apresentação dos trabalhos de intervenção de terceiros feitas pela professora em sala

Foca no resumo intervencao de terceiros - ncpc
Foca no resumo   intervencao de terceiros - ncpcFoca no resumo   intervencao de terceiros - ncpc
Foca no resumo intervencao de terceiros - ncpc
EsdrasArthurPessoa
 
Intervenção de Terceiros
Intervenção de TerceirosIntervenção de Terceiros
Intervenção de Terceiros
Junior Ozono
 
Direito processual civil aula 3
Direito processual civil   aula 3Direito processual civil   aula 3
Direito processual civil aula 3
Fabiano Manquevich
 
Intervenção de Terceiros e Assistência
Intervenção de Terceiros e AssistênciaIntervenção de Terceiros e Assistência
Intervenção de Terceiros e Assistência
Junior Ozono
 
Direito processual civil aula 3
Direito processual civil   aula 3Direito processual civil   aula 3
Direito processual civil aula 3
Fabiano Manquevich
 
Processo Civil (Litisconsórcio, Assistência e Intervenção de Terceiros)
Processo Civil (Litisconsórcio, Assistência e  Intervenção de Terceiros)Processo Civil (Litisconsórcio, Assistência e  Intervenção de Terceiros)
Processo Civil (Litisconsórcio, Assistência e Intervenção de Terceiros)
Antonio Pereira
 
AULA 03 OAB XX PROCESSO CIVIL ESTRATÉGIA
AULA 03 OAB XX PROCESSO CIVIL ESTRATÉGIAAULA 03 OAB XX PROCESSO CIVIL ESTRATÉGIA
AULA 03 OAB XX PROCESSO CIVIL ESTRATÉGIA
Esdras Arthur Lopes Pessoa
 
1124- ASSISTENCIA II
1124- ASSISTENCIA II1124- ASSISTENCIA II
1124- ASSISTENCIA II
Consultor JRSantana
 
Revisao de direito_administrativo_2_para AV1
Revisao de direito_administrativo_2_para AV1 Revisao de direito_administrativo_2_para AV1
Revisao de direito_administrativo_2_para AV1
Esdras Arthur Lopes Pessoa
 
Princípio do contraditório e da ampla defesa
Princípio do contraditório e da ampla defesaPrincípio do contraditório e da ampla defesa
Princípio do contraditório e da ampla defesa
Sandra Portela
 
Dir civil oab xix aula04
Dir civil oab xix aula04Dir civil oab xix aula04
Dir civil oab xix aula04
Alexandre Ferreira
 
Substituição Processual
Substituição ProcessualSubstituição Processual
Substituição Processual
Advogadassqn
 
Aula ação civil pública atual
Aula ação civil pública atualAula ação civil pública atual
Aula ação civil pública atual
João Alfredo Telles Melo
 
Aula ação civil pública atual
Aula ação civil pública atualAula ação civil pública atual
Aula ação civil pública atual
João Alfredo Telles Melo
 
Aula ação civil pública atual
Aula ação civil pública atualAula ação civil pública atual
Aula ação civil pública atual
João Alfredo Telles Melo
 
Aula ação civil pública atual
Aula ação civil pública atualAula ação civil pública atual
Aula ação civil pública atual
João Alfredo Telles Melo
 
Aula ação civil pública atual
Aula ação civil pública atualAula ação civil pública atual
Aula ação civil pública atual
João Alfredo Telles Melo
 
Pc apostila processual-civil_ribeiro
Pc apostila processual-civil_ribeiroPc apostila processual-civil_ribeiro
Pc apostila processual-civil_ribeiro
Mauricio Vieira
 
Agente do ministério público. voz de prisão em audiência judicial.
Agente do ministério público. voz de prisão em audiência judicial.Agente do ministério público. voz de prisão em audiência judicial.
Agente do ministério público. voz de prisão em audiência judicial.
allaymer
 
Abuso de Direito
Abuso de DireitoAbuso de Direito
Abuso de Direito
Junior Ozono
 

Semelhante a Perguntas sobre a apresentação dos trabalhos de intervenção de terceiros feitas pela professora em sala (20)

Foca no resumo intervencao de terceiros - ncpc
Foca no resumo   intervencao de terceiros - ncpcFoca no resumo   intervencao de terceiros - ncpc
Foca no resumo intervencao de terceiros - ncpc
 
Intervenção de Terceiros
Intervenção de TerceirosIntervenção de Terceiros
Intervenção de Terceiros
 
Direito processual civil aula 3
Direito processual civil   aula 3Direito processual civil   aula 3
Direito processual civil aula 3
 
Intervenção de Terceiros e Assistência
Intervenção de Terceiros e AssistênciaIntervenção de Terceiros e Assistência
Intervenção de Terceiros e Assistência
 
Direito processual civil aula 3
Direito processual civil   aula 3Direito processual civil   aula 3
Direito processual civil aula 3
 
Processo Civil (Litisconsórcio, Assistência e Intervenção de Terceiros)
Processo Civil (Litisconsórcio, Assistência e  Intervenção de Terceiros)Processo Civil (Litisconsórcio, Assistência e  Intervenção de Terceiros)
Processo Civil (Litisconsórcio, Assistência e Intervenção de Terceiros)
 
AULA 03 OAB XX PROCESSO CIVIL ESTRATÉGIA
AULA 03 OAB XX PROCESSO CIVIL ESTRATÉGIAAULA 03 OAB XX PROCESSO CIVIL ESTRATÉGIA
AULA 03 OAB XX PROCESSO CIVIL ESTRATÉGIA
 
1124- ASSISTENCIA II
1124- ASSISTENCIA II1124- ASSISTENCIA II
1124- ASSISTENCIA II
 
Revisao de direito_administrativo_2_para AV1
Revisao de direito_administrativo_2_para AV1 Revisao de direito_administrativo_2_para AV1
Revisao de direito_administrativo_2_para AV1
 
Princípio do contraditório e da ampla defesa
Princípio do contraditório e da ampla defesaPrincípio do contraditório e da ampla defesa
Princípio do contraditório e da ampla defesa
 
Dir civil oab xix aula04
Dir civil oab xix aula04Dir civil oab xix aula04
Dir civil oab xix aula04
 
Substituição Processual
Substituição ProcessualSubstituição Processual
Substituição Processual
 
Aula ação civil pública atual
Aula ação civil pública atualAula ação civil pública atual
Aula ação civil pública atual
 
Aula ação civil pública atual
Aula ação civil pública atualAula ação civil pública atual
Aula ação civil pública atual
 
Aula ação civil pública atual
Aula ação civil pública atualAula ação civil pública atual
Aula ação civil pública atual
 
Aula ação civil pública atual
Aula ação civil pública atualAula ação civil pública atual
Aula ação civil pública atual
 
Aula ação civil pública atual
Aula ação civil pública atualAula ação civil pública atual
Aula ação civil pública atual
 
Pc apostila processual-civil_ribeiro
Pc apostila processual-civil_ribeiroPc apostila processual-civil_ribeiro
Pc apostila processual-civil_ribeiro
 
Agente do ministério público. voz de prisão em audiência judicial.
Agente do ministério público. voz de prisão em audiência judicial.Agente do ministério público. voz de prisão em audiência judicial.
Agente do ministério público. voz de prisão em audiência judicial.
 
Abuso de Direito
Abuso de DireitoAbuso de Direito
Abuso de Direito
 

Mais de Gislaine Ferreira Felisbino

Prova agente de-apoio
Prova   agente de-apoioProva   agente de-apoio
Prova agente de-apoio
Gislaine Ferreira Felisbino
 
Isadora cartaz agua
Isadora   cartaz aguaIsadora   cartaz agua
Isadora cartaz agua
Gislaine Ferreira Felisbino
 
Direito do consumidor
Direito do consumidorDireito do consumidor
Direito do consumidor
Gislaine Ferreira Felisbino
 
Direito do consumidor
Direito do consumidorDireito do consumidor
Direito do consumidor
Gislaine Ferreira Felisbino
 
1a. .vt exercicios bases bilogicas
1a. .vt exercicios  bases bilogicas1a. .vt exercicios  bases bilogicas
1a. .vt exercicios bases bilogicas
Gislaine Ferreira Felisbino
 
1a. .vt exercicios bases bilogicas
1a. .vt exercicios  bases bilogicas1a. .vt exercicios  bases bilogicas
1a. .vt exercicios bases bilogicas
Gislaine Ferreira Felisbino
 
A crise do judiciário análise à luz da ec 45-04
A crise do judiciário   análise à luz da ec 45-04A crise do judiciário   análise à luz da ec 45-04
A crise do judiciário análise à luz da ec 45-04
Gislaine Ferreira Felisbino
 

Mais de Gislaine Ferreira Felisbino (7)

Prova agente de-apoio
Prova   agente de-apoioProva   agente de-apoio
Prova agente de-apoio
 
Isadora cartaz agua
Isadora   cartaz aguaIsadora   cartaz agua
Isadora cartaz agua
 
Direito do consumidor
Direito do consumidorDireito do consumidor
Direito do consumidor
 
Direito do consumidor
Direito do consumidorDireito do consumidor
Direito do consumidor
 
1a. .vt exercicios bases bilogicas
1a. .vt exercicios  bases bilogicas1a. .vt exercicios  bases bilogicas
1a. .vt exercicios bases bilogicas
 
1a. .vt exercicios bases bilogicas
1a. .vt exercicios  bases bilogicas1a. .vt exercicios  bases bilogicas
1a. .vt exercicios bases bilogicas
 
A crise do judiciário análise à luz da ec 45-04
A crise do judiciário   análise à luz da ec 45-04A crise do judiciário   análise à luz da ec 45-04
A crise do judiciário análise à luz da ec 45-04
 

Último

Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
SupervisoEMAC
 
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONALEMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
JocelynNavarroBonta
 
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptxAPA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
orquestrasinfonicaam
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mary Alvarenga
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
Sandra Pratas
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
principeandregalli
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
felipescherner
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
deboracorrea21
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
arodatos81
 
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdfPERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
EsterGabriiela1
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Falcão Brasil
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Centro Jacques Delors
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Falcão Brasil
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Colaborar Educacional
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Luzia Gabriele
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
Sandra Pratas
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
Espanhol Online
 

Último (20)

Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
 
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONALEMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
 
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptxAPA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
 
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdfPERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
 

Perguntas sobre a apresentação dos trabalhos de intervenção de terceiros feitas pela professora em sala

  • 1. PERGUNTAS SOBRE A APRESENTAÇÃO DOS TRABALHOS DE INTERVENÇÃO DE TERCEIROS FEITAS PELA PROFESSORA EM SALA. 1)Existem formas de terceiros intervirem em um processo em curso. Aponte todas as espécies de intervenções de terceiros previstas no Código Processual Civil. As hipóteses de intervenção de terceiro previstas pelo CPC são as seguintes: a) assistência (art.s 50 a 55); b) oposição (art.s 56 s 61); c) denunciação da lide (art.s 70 a 76); d) o chamamento ao processo (art.s 77 a 80); e) o recurso do terceiro prejudicado (art. 499). 2)Existem também outras formas de intervenção que não estão no código indique alguma delas. As hipóteses de intervenção de terceiros, conforme classificação adotada por Humberto Theodoro Junior[3], pode ser assim descritas: a) ad coadjuvando: quando o terceiro procura prestar cooperação a uma das partes primitivas, como na assistência; b) ad excludendum: quando o terceiro procura excluir uma ou ambas as partes primitivas, como na oposição e na nomeação à autoria; c) espontânea: quando a iniciativa é do terceiro, como geralmente ocorre na oposiçãoe na assistência; d) provocada: quando, embora voluntária a medida adotada pelo terceiro, foi ela precedida por citação promovida pela parte primitiva (nomeação à autoria, denunciação da lide, chamamento ao processo). 3)Aponte quais das espécies de intervenção de terceiros são facultativas e quais são obrigatórias. Intervenções voluntárias ou espontâneas são: assistência (art. 50 a 55) e a oposição (art. 56 a 61); Intervenções obrigatórias ou forçadas são: nomeação à autoria (art. 62 a 69), denunciação da lide (art. 70 a 76) e chamamento ao processo (art. 77 a 80).
  • 2. 4)Aponte quais das espécies de intervenções de terceiros formam litisconsórcio e classifique o litisconsórcio formado. 5)As intervenções são consideradas incidentes processuais? O processo original se suspende? o Código de Processo Civil determina modos procedimentais específicos para a admissão do terceiro como parte no processo, seja que a haja requerido ele próprio, seja que a iniciativa tenha vindo de uma das partes. Esses modos de proceder caracterizam-se como incidentes processuais” ???? 6) O que acontece com o processo original se o chamado ao processo, o denunciado à lide ou o nomeado à autoria não comparecem aos autos? Explique um a um. _______________________________________________________________________________________________ _______________________________________________________________________________________________ _______________________________________________________________________________________________ _______________________________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________________________ 7)A assistência é obrigatória ou facultativa? ASSISTÊNCIA - art. 50: é a modalidade voluntária de intervenção de terceiro (embora não conste no Capitulo VI do CPC), que possuindo interesse jurídico numa causa, ingressa nos autos para auxiliar a parte no polo ativo ou passivo. 8) O que é oposição? É uma modalidade de intervenção voluntária e facultativa, na qual um terceiro ingressa em processo alheio pretendendo, no todo ou em parte, a coisa ou direito sobre o qual discutem autor e réu.
  • 3. 9)Qual das modalidades de intervenção de terceiros são admitidas no rito sumário? Como visto anteriormente, ao procedimento sumário competem as causas enumeradas nos incisos I e II do art. 275, CPC, ora em razão do valor, ora da matéria. Por seu um procedimento que pende para a celeridade processual lhe são vedados alguns atos que importariam em impedir-lhe atingisse os seus fins. Dentre as proibições legais encontra-se a intervenção de terceiros pelo que se pode extrair da análise do art. 280, salvo exceções prescritas no mesmo. Art. 280. No procedimento sumário não são admissíveis a ação declaratória incidental e a intervenção de terceiros, salvo a assistência, o recurso de terceiro prejudicado e a intervenção fundada em contrato de seguro. 10) Os juizados especiais admitem as intervenções de terceiros? Justifique fundamentando. No tocante ao Juizado Especial Cível, não se admite a intervenção de terceiros, nem a assistência simples(art. 10 da lei 9.099/95).Também, não é admissível a nomeação à autoria e nem no procedimento sumário (CPC, art. 280). 11) Quais os atos processuais o assistente simples pode praticar no processo? O assistente litisconsorcial tem os mesmos poderes e direitos que as partes, poderá agir contrário ao desejado pelo assistido, exceto com relação a reconvenção e ação declaratória, porque tem natureza de ação. O assistente simples pode praticar todos os atos do processo, desde que, não contrarie a vontade do assistido. 12)Qual a diferença entre assistente litisconsorcial e assistente simples? Na assistência simples o interesse do assistente não está diretamente ligado ao litígio, o assistente é mero coadjuvante do assistido, sendo sua atuação meramente complementar, não podendo ir de encontro à opção processual do assistido. Se o assistido, por exemplo, requereu julgamento antecipado, não poderá requerer perícia, nem representar rol de testemunhas. Se o assistido for revel, o assistente simples será considerado gestor de negócios, conforme o §único do artigo 52, do CPC, cumprindo-lhe dirigir o processo segundo a vontade presumível do assistido, artigo 861, do CC. A assistência litisconsorcial tem como característica o interesse direto, por parte do assistente, no litígio, ou seja, defende direito próprio. O assistente é considerado litigante distinto com a parte adversa, segundo o artigo 48, do CPC, não ficando sujeito à atuação do assistido, caracterizando o litisconsórcio facultativo.
  • 4. 13) O que é evicção? Evicção é a perda total ou parcial de um bem adquirido em favor de um terceiro, que tem direito anterior, por decisão judicial, relacionada a causas de um contrato. 14) O que é conexão? Causas conexas são aquelas em que há o mesmo objeto ou a mesma causa de pedir, conforme previsão do art. 103 do CPC: 15) O que é direito de regresso? O direito de regresso é o direito de ressarcir um prejuízo causado por terceiro(s) em juízo. O direito de regresso poderá ser exercido de duas formas: obrigatoriamente através da denunciação da lide ou de ação regressiva nos casos em que a lei veda a intervenção de terceiros. Art. 934. Aquele que ressarcir o dano causado por outrem pode reaver o que houver pago daquele por quem pagou, salvo se o causador do dano for descendente seu, absoluta ou relativamente incapaz.” 16) o que é credor e devedor pignoratício? Credor pignoratício - É a pessoa a quem fica estabelecido o penhor de coisa móvel como garantia, sendo portanto, quem conta com o benefício deste penhor. Devedor pignoratício - É quem figura como devedor em contrato de penhor. É o sujeito passivo da obrigação, ou seja, pessoa que deverá pagar o benefício estabelecido em garantia ao credor. 17)Qual o entendimento do STJ acerca da denunciação à lide? _______________________________________________________________________________________________ _______________________________________________________________________________________________ _______________________________________________________________________________________________ _______________________________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________________________ 18) quais os princípios que são aplicáveis às intervenções de terceiros? _______________________________________________________________________________________________ _______________________________________________________________________________________________ _______________________________________________________________________________________________ _______________________________________________________________________________________________ ______________________________________________________________________________________-_____
  • 5. 19)É possível assistência em grau de recurso? A assistência simples é admissível tanto no juízo de origem como em grau de recurso (desde que não se trate da hipótese do terceiro que somente está recorrendo, sem prestar qualquer auxílio durante o processo em primeiro grau, pois aí teremos recurso de terceiro prejudicado e não assistência simples) 20) A assistência é cabível em todo o tipo de procedimento? Inclusive nos Juizados Especiais? A assistência tem lugar em qualquer tipo de procedimento e em todos os graus de jurisdição (art. 50, parágrafo único, do Código de Processo Civil, Porém no tocante ao Juizado Especial Cível, não se admite a intervenção de terceiros, nem a assistência simples (art. 10 da lei 9.099/95) 21) Que tipo de interesse o assistente tem ao entrar em um processo? Simples: assistente simples é aquele que tem interesse jurídico em que a sentença seja favorável a uma das partes. O interesse jurídico ser caracteriza: o terceiro deve ter relação jurídica com uma das partes e esta deve ser distinta da relação jurídica que está sendo discutida em juízo, e ainda, o resultado da ação deve repercutir nesta segunda relação jurídica. (ex. sublocação, ação de indenização por acidente de veículo – a seguradora pode ser assistente já que não cabe denunciação no rito sumário) Litisconsorcial: esta modalidade de assistência pressupõe a existência de uma legitimação extraordinária ou substituição processual. Neste caso o assistente é o próprio titular do direito material discutido na ação 22)Na oposição como é feita a citação dos opostos? A citação dos opostos será feita na pessoa dos advogados das partes do processo originário (CPC, art. 57). 23)diferencie Oposição de Embargos de Terceiros. A diferença diz respeito ao objeto desses dois institutos jurídicos: nos embargos de terceiro não interessa ao terceiro o direito material discutido na ação principal, porque para ele é irrelevante a determinação de ter razão nessa demanda autor ou réu, bastando a demonstração de que a constrição foi realizada indevidamente e que o bem constrito deve ser liberado; já na oposição, o terceiro terá que discutir o direito material controvertido no processo entre autor e réu, porque será do convencimento do que o direito material não é de um nem de outro, mas seu, que dependerá a vitória do opoente.
  • 6. 24) existe revelia na oposição? Segundo previsão do art. 57, parágrafo único, CPC, caso o réu tenha sido revel na ação principal, deverá ser citado pessoalmente na oposição, e não por meio de seu advogado, como determina a regra geral (caput do artigo). 25) É permitido oposição de oposição? _______________________________________________________________________________________________ _______________________________________________________________________________________________ _______________________________________________________________________________________________ _______________________________________________________________________________________________ _____________________________________________________________________________________________ 26)É cabível chamamento sucessivo? Nos termos do art. 78 do CPC, o réu deverá (poderá) promover o chamamento ao processo no prazo em que tiver para contestar. 27)Como se cobra a perdas e danos em caso de intervenção de terceiros? _______________________________________________________________________________________________ _______________________________________________________________________________________________ _______________________________________________________________________________________________ _______________________________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________________________ 28)O que é sub rogação? 1. Quando o pagamento de uma dívida é feita por um terceiro, estranho à relação contratual existente entre duas partes, dá-se a sub-rogação, o que permite ao terceiro, que assumiu a dívida, cobrá-la posteriormente do devedor original. 2. "A sub-rogação transfere ao novo credor todos os direitos, ações, privilégios e garantias do primitivo, em relação à dívida, contra o devedor principal e os fiadores.
  • 7. 29)Cite quais das espécies de intervenções de terceiros permite a intervenção em grau de recurso. _______________________________________________________________________________________________ _______________________________________________________________________________________________ _______________________________________________________________________________________________ _______________________________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________________________ 30)Cite a palavra chave de cada espécie de intervenção de terceiros: a)Denunciação à lide_________________________________ b)chamamento ao Processo___________________________ c)Nomeação à autoria_______________________________ d)Oposição_______________________________________ e)Assistência_____________________________________ 31) No chamamento ao processo o que acontece se o chamado admitir e entrar na ação? _______________________________________________________________________________________________ _______________________________________________________________________________________________ _______________________________________________________________________________________________ _______________________________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________________________ 32) Qual o objetivo fundamental do chamamento ao processo? O chamamento ao processo está diretamente ligado às situações de garantia simples, isto é, àquelas hipóteses em que alguém deve prestar ao credor, perante quem é pessoalmente obrigado, o pagamento de um débito de que, afinal, não é ele o verdadeiro devedor, mas tão- somente o garante.
  • 8. EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO PARA CASO DE INTERVENÇÃO. Aponte o tipo de intervenção de terceiro foi aplicável em cada caso concreto. CASO I Uma paciente estava internada na UTI, teve uma queda de energia no Hospital e o aparelho foi queimado, vindo a paciente a falecer. A família ajuizou ação de indenização em face do médico e do hospital. Estes, ao serem citados ___________________________a concessionária de energia elétrica. CASO II Ana e Paula ajuizaram Ação Reivindicatória brigando por um quarteirão de terras em Senador Canedo/GO. Porém Humberto ao saber do litígio promoveu uma intervenção de terceiros sob forma de ____________________________________________________________________________________afirmando ser a terra dele. CASO III Três amigos foram fiadores de PAULO em uma casa para ele morar. Com PAULO deixou de pagar os aluguéis o dono do imóvel ajuizou AÇÃO DE COBRANÇA colocando como réu apenas um dos amigos fiadores. O amigo processado ______________________________________________________________lide os demais fiadores para responderem juntamente com ele. CASO IV Um irmão mora na fazenda do outro. O fazendeiro vizinho processou o morador achando ser ele o dono da propriedade. O irmão processado requereu a extinção da lide não ter legitimidade ativa. E não envolveu o outro irmão na lide. Qual seria a atitude correta no caso acima se tratando de intervenção de terceiros? E o possuidor ter sido demandado no lugar do proprietário?