SlideShare uma empresa Scribd logo
PANCADA NA APLLE
MAPA CONCEITUAL
GUERRA DE
COMUNICAÇÃO:
Smartphones
Samsung
Líder em 2012
Expõe benefícios do
Galaxy S III
Inovação
Aplle
Referência em
tecnologia
Lançamento do
iPhone 5
antes
para retomar
a liderança
para se
manter
pouca
PERGUNTAS:
 Sendo que a Aplle encontra-se defasada em sua
atuação tecnológica. Como os sistemas de
informações gerenciais podem auxiliá-la para a
retomada da liderança?
 Estando uma empresa entrando na entropia
positiva, a mesma precisa se reestruturar para
reverter esse quadro. De que forma fazer a
reestruturação da Aplle?
OBJETIVOS
 Saber a forma que os sistemas de informações
gerenciais são utilizados para a retomada de
liderança de uma empresa.
 Analisar a maneira de reestruturação da Aplle.
TOMADA DE POSIÇÃO
Percebe-se que a Aplle, apesar de ter conquistado
milhões de fãs ao longo dos anos no mundo inteiro,
perdeu a liderança do mercado mundial de
smartphones para a coreana Samsung. O grande
desafio agora é redesenhar sua forma de gestão de
informações gerenciais, reestruturando-se enquanto
organização.
A Aplle precisa estabelecer de forma nítida, tendo
suporte dos sistemas de informações gerenciais, um
plano de ação inovador. Que harmonize e otimize os
gênios da organização, relacionado ao traçar de
novos desafios, objetivos e metas a serem atingidos.
Os recursos do tomador de decisão, que
normalmente são limitados, prejudicando a
correspondente ação. Essa é uma das razões da
necessidade de estabelecer planos de ação
inerentes às principais decisões da empresa. Isso
porque os cursos alternativos de que a empresa
dispõe competem entre si, apesar de,
hipoteticamente, estarem voltados para o mesmo
propósito, objetivo, meta ou desafio estabelecidos.
(OLIVEIRA, 2011, p. 35)
Ao elaborar o plano de ação “[...] a empresa deve ser
enfocada do ponto de vista de suas funções e
atividades, independentemente da estrutura
organizacional vigente.” (OLIVEIRA, 2011, p. 36-37)
Sendo, assim, é necessário à Aplle estabelecer um
plano sólido atentando-se a não perder o controle
dos acontecimentos internos e externos a ela.
De acordo com Djalma (2011) para uma eficaz
avaliação da estrutura organizacional é necessário
seguir etapas como: Levantamento (elenco dos
problemas que os usuários identificaram, e
questionar os profissionais estratégicos da empresa),
análise (mensuração do impacto dos dados
levantados, na estrutura organizacional da empresa)
e avaliação (definição das responsabilidades,
autoridades, comunicações e decisões, analisando
tais fatores relacionados ao lado humano,
tecnológico, tático e operacional). Nesse sentido a
Aplle deve avaliar o seu nível de amplitude da
estrutura empresarial para com base nas fragilidades
definir políticas que venham a sustentar o processo
decisório.
Como a empresa em questão perdeu a liderança
para a Samsung, a mesma precisa fortificar o lado
inovador, já que foi constatado que nos lançamentos
esperados por clientes e concorrentes, as novidades
são irrisórias. Perdendo destarte, clientes que antes
eram fieis, e sendo motivo de piadas para a
concorrência. Par mudar esse quadro, de acordo
com Djalma (2011) a organização deve reerguer-se
com base em características de inovação, como
implantar ou melhorar sua Unidade Estratégica de
Negócio. A UEN irá dar o suporte para incrementar o
faturamento, otimizar os recursos existentes,
melhorar as oportunidades no mercado, e otimizar a
sinergia da empresa.
Nesse prisma, para a Aplle retomar a liderança que
hoje pertence à Samsung, precisa mobilizar-se de
forma sistemática e organizada, porque no campo
tecnológico é mais do que necessário ser proativo
em sua atuação, principalmente quando se está
disputando o ponto mais alto a nível mundial.
COMPETÊNCIA PARA 100%
 Desenvolver metodologia de levantamento, análise,
desenvolvimento e implantação de métodos
administrativos;
FASE DO DESENVOLVIMENTO DO PROJETO
DE SISTEMAS
Fase 1: identificação, seleção e conhecimento do
sistema:
 Identificar o sistema ou método a ser analisado;
 Identificar as unidades organizacionais envolvidas;
e
 Obter uma ideia preliminar e genérica da
complexidade do sistema, visando determinar o
esforço necessário para seu adequado
desenvolvimento.
Pancada na aplle
FASE DO DESENVOLVIMENTO DO PROJETO
DE SISTEMAS
Fase 2: Estudo da viabilidade e de alternativas:
 A definição das características principais do
sistema;
 A determinação das principais necessidades de
saídas, incluindo os tempos de resposta;
 A análise do organograma da empresa e das
unidades organizacionais envolvidas;
 A determinação dos tipos de dados e informações,
bem como estimativa de volumes;
 A consideração das alternativas possíveis para
atender às necessidades semelhantes;
FASE DO DESENVOLVIMENTO DO PROJETO
DE SISTEMAS
 O preparo de estimativas aproximadas dos
prováveis custos de implantação e dos custos
operacionais gerais para cada alternativa
apresentada;
 A documentação do estudo de viabilidade em
relatório para o usuário e para a área de sistemas,
organização e métodos; e
 A verificação da adequação das exigências do
sistema aos objetivos da empresa.
FASE DO DESENVOLVIMENTO DO PROJETO
DE SISTEMAS
Fase 3: Levantamento e análise da situação atual:
 Entrevistas com vários usuários;
 Análise das políticas e diretrizes existentes;
 Análise da interação do sistema considerado com a
atual estrutura organizacional;
 Análise da documentação existente;
 Análise do tratamento da documentação; e
 Análise do arquivamento da documentação.
FASE DO DESENVOLVIMENTO DO PROJETO
DE SISTEMAS
Fase 4: Delineamento e estruturação do novo
sistema:
 Determinar os objetivos do sistema atual;
 Estudar o sistema atual, a fim de constatar até que
ponto corresponde a seus objetivos;
 Analisar as necessidades dos usuários e da
empresa, a fim de desenvolver novos objetivos;
 Analisar as restrições impostas pelas áreas dos
usuários;
 Definir as responsabilidades dos usuários em
relação às entradas e às saídas de dados
destinados a outros sistemas;
FASE DO DESENVOLVIMENTO DO PROJETO
DE SISTEMAS
 Examinar a interação do sistema proposto com
outros sistemas existentes ou a serem
desenvolvidos na empresa;
 Detalhar as necessidades dos usuários, em termos
de elementos, volume e tempo de resposta dos
dados e informações;
 Preparar as especificações do projeto do novo
sistema;
 Planejar as fases do projeto do novo sistema e de
sua implantação; e
 Elaborar um relatório para o usuário e para a área
de sistemas, organização e métodos.
FASE DO DESENVOLVIMENTO DO PROJETO
DE SISTEMAS
Fase 5: Detalhamento do novo sistema:
 Complementação dos fluxos geral e parciais;
 Identificação do volume total de dados e
informações tratados no sistema;
 Desenho de formulários;
 Definição da necessidade de relatórios e de seu
volume, frequência e distribuição;
 Desenvolvimento da lógica geral do sistema;
 Determinação dos procedimentos de controle,
avaliação e de auditoria do sistema;
 Definição dos dispositivos de arquivamento e
utilizar;
FASE DO DESENVOLVIMENTO DO PROJETO
DE SISTEMAS
 Revisão da estimativa do custo operacional;
 Elaboração de um plano detalhado para a
implementação do novo sistema.
FASE DO DESENVOLVIMENTO DO PROJETO
DE SISTEMAS
Fase 6: Treinamento, teste e implementação do novo
sistema:
 Treinamento dos usuários;
-Processo de treinamento conjunto com o usuário,
desde os primeiros passos do trabalho.
 Teste do novo sistema;
-Testar antes de implementar o sistema e/ou
trabalhar com o antigo em paralelo ao novo.
 Implementação do novo sistema.
-Utilização adequada e sistemática da técnica formal
de planejamento e controle da mudança efetuada,
estabelecendo objetivos e resultados para cada
profissional.
FASE DO DESENVOLVIMENTO DO PROJETO
DE SISTEMAS
Fase 7: Acompanhamento, avaliação e atualização:
 Fixar pontos de controle no sistema
 Especificar os critérios para avaliar a frequência do
controle nos pontos considerados;
 Entrevistar os usuários do sistema e investigar
quais problemas ou melhorias o sistema está
trazendo, efetuando os ajustes necessários.
 Preparar um programa de trabalho para as
atividades de auditoria;
 Fazer uma auditoria adequada;
 Entrevistar os usuários, anotando problemas e
soluções para preparação de um relatório
Pancada na aplle
COMPETÊNCIA PARA 100%
 Utilizar técnicas de reprodução gráfica.
FLUXOGRAMA É A REPRESENTAÇÃO GRÁFICA QUE APRESENTA A
SEQUÊNCIA DE UM TRABALHO DE FORMA ANALÍTICA,
CARACTERIZANDO AS OPERAÇÕES, OS RESPONSÁVEIS E/OU
UNIDADES ORGANIZACIONAIS ENVOLVIDOS NO PROCESSO.
Pancada na aplle
Pancada na aplle
Pancada na aplle
Pancada na aplle
MÉTODOS ADMINISTRATIVOS
São os meios manuais, mecânicos ou eletrônicos
pelos quais as operações administrativas individuais
e/ou coletivas das unidades organizacionais são
executadas.
VANTAGENS DO FLUXOGRAMA
 Apresentação real do funcionamento de todos os
componentes de um método administrativo. Esse
aspecto proporciona e facilita a análise da
eficiência do sistema;
 Possibilidade de apresentação de uma filosofia de
administração, atuando, principalmente, como fator
psicológico;
 Possibilidade de visualização integrada de um
método administrativo, que facilite o exame dos
vários componentes do sistema e de suas
possíveis repercussões, tanto positivas quanto
negativas.
TIPOS DE FLUXOGRAMAS
 Vertical;
 Parcial ou descritivo; e
 Global ou de coluna.
Pancada na aplle
Pancada na aplle
Pancada na aplle
Pancada na aplle
Pancada na aplle

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Analise essencial 2
Analise essencial 2Analise essencial 2
Analise essencial 2
Gabriela Serpa
 
Resumo Sobre Análise de Pontos de Função
Resumo Sobre Análise de Pontos de FunçãoResumo Sobre Análise de Pontos de Função
Resumo Sobre Análise de Pontos de Função
Gustavo Adolfo Alencar
 
O Modelo SCOR
O Modelo SCOR O Modelo SCOR
O Modelo SCOR
CLT Valuebased Services
 
04 fmea 2010
04 fmea 201004 fmea 2010
FEI - Modelagem de negocios - 2° semestre 2010
FEI - Modelagem de negocios - 2° semestre 2010FEI - Modelagem de negocios - 2° semestre 2010
FEI - Modelagem de negocios - 2° semestre 2010
nathan85
 
FMEA apostila
FMEA apostilaFMEA apostila
FMEA apostila
Ariadna Moreira
 
Benchmarking
BenchmarkingBenchmarking
Benchmarking
Ismar Garbazza
 
AUDITORIA DE SISTEMAS NAS ORGANIZAÇÕES
AUDITORIA DE SISTEMAS NAS ORGANIZAÇÕESAUDITORIA DE SISTEMAS NAS ORGANIZAÇÕES
AUDITORIA DE SISTEMAS NAS ORGANIZAÇÕES
Adriano Pereira
 
Fmea final
Fmea finalFmea final
Fmea final
emc5714
 
Mapeamento SIPOC
Mapeamento SIPOCMapeamento SIPOC
Mapeamento SIPOC
CLT Valuebased Services
 
Plano de Curso - Sistemas de Produção
Plano de Curso - Sistemas de ProduçãoPlano de Curso - Sistemas de Produção
Plano de Curso - Sistemas de Produção
Daniel Moura
 
Plano de curso sistemas de produção
Plano de curso   sistemas de produçãoPlano de curso   sistemas de produção
Plano de curso sistemas de produção
Daniel Moura
 
O Modelo SCOR
O Modelo SCORO Modelo SCOR
Supply chain management
Supply chain managementSupply chain management
Supply chain management
CLT Valuebased Services
 
Apresentacao fmea
Apresentacao fmeaApresentacao fmea
Apresentação modelagem de_negócio_rup
Apresentação modelagem de_negócio_rupApresentação modelagem de_negócio_rup
Apresentação modelagem de_negócio_rup
Jarbas Pereira
 
Gestão da produtividade nas empresas
Gestão da produtividade nas empresasGestão da produtividade nas empresas
Gestão da produtividade nas empresas
Carlos E. B. Santos
 
Fta
FtaFta
Unp mba - pmo - indicadores
Unp   mba - pmo - indicadoresUnp   mba - pmo - indicadores
Unp mba - pmo - indicadores
UNP
 

Mais procurados (19)

Analise essencial 2
Analise essencial 2Analise essencial 2
Analise essencial 2
 
Resumo Sobre Análise de Pontos de Função
Resumo Sobre Análise de Pontos de FunçãoResumo Sobre Análise de Pontos de Função
Resumo Sobre Análise de Pontos de Função
 
O Modelo SCOR
O Modelo SCOR O Modelo SCOR
O Modelo SCOR
 
04 fmea 2010
04 fmea 201004 fmea 2010
04 fmea 2010
 
FEI - Modelagem de negocios - 2° semestre 2010
FEI - Modelagem de negocios - 2° semestre 2010FEI - Modelagem de negocios - 2° semestre 2010
FEI - Modelagem de negocios - 2° semestre 2010
 
FMEA apostila
FMEA apostilaFMEA apostila
FMEA apostila
 
Benchmarking
BenchmarkingBenchmarking
Benchmarking
 
AUDITORIA DE SISTEMAS NAS ORGANIZAÇÕES
AUDITORIA DE SISTEMAS NAS ORGANIZAÇÕESAUDITORIA DE SISTEMAS NAS ORGANIZAÇÕES
AUDITORIA DE SISTEMAS NAS ORGANIZAÇÕES
 
Fmea final
Fmea finalFmea final
Fmea final
 
Mapeamento SIPOC
Mapeamento SIPOCMapeamento SIPOC
Mapeamento SIPOC
 
Plano de Curso - Sistemas de Produção
Plano de Curso - Sistemas de ProduçãoPlano de Curso - Sistemas de Produção
Plano de Curso - Sistemas de Produção
 
Plano de curso sistemas de produção
Plano de curso   sistemas de produçãoPlano de curso   sistemas de produção
Plano de curso sistemas de produção
 
O Modelo SCOR
O Modelo SCORO Modelo SCOR
O Modelo SCOR
 
Supply chain management
Supply chain managementSupply chain management
Supply chain management
 
Apresentacao fmea
Apresentacao fmeaApresentacao fmea
Apresentacao fmea
 
Apresentação modelagem de_negócio_rup
Apresentação modelagem de_negócio_rupApresentação modelagem de_negócio_rup
Apresentação modelagem de_negócio_rup
 
Gestão da produtividade nas empresas
Gestão da produtividade nas empresasGestão da produtividade nas empresas
Gestão da produtividade nas empresas
 
Fta
FtaFta
Fta
 
Unp mba - pmo - indicadores
Unp   mba - pmo - indicadoresUnp   mba - pmo - indicadores
Unp mba - pmo - indicadores
 

Destaque

Modelo de fichamento
Modelo de fichamentoModelo de fichamento
Modelo de fichamento
Lima987
 
A história em migalhas
A história em migalhasA história em migalhas
A história em migalhas
Lima987
 
Calendario academico 2014
Calendario academico 2014Calendario academico 2014
Calendario academico 2014
Lima987
 
Sexo, desvio e danacao (1)
Sexo, desvio e danacao (1)Sexo, desvio e danacao (1)
Sexo, desvio e danacao (1)
Lima987
 
Alves, r. o que é científico
Alves, r.   o que é científicoAlves, r.   o que é científico
Alves, r. o que é científico
Lima987
 
O que é historia vavy pacheco borges
O que é historia   vavy pacheco borgesO que é historia   vavy pacheco borges
O que é historia vavy pacheco borges
Lima987
 

Destaque (6)

Modelo de fichamento
Modelo de fichamentoModelo de fichamento
Modelo de fichamento
 
A história em migalhas
A história em migalhasA história em migalhas
A história em migalhas
 
Calendario academico 2014
Calendario academico 2014Calendario academico 2014
Calendario academico 2014
 
Sexo, desvio e danacao (1)
Sexo, desvio e danacao (1)Sexo, desvio e danacao (1)
Sexo, desvio e danacao (1)
 
Alves, r. o que é científico
Alves, r.   o que é científicoAlves, r.   o que é científico
Alves, r. o que é científico
 
O que é historia vavy pacheco borges
O que é historia   vavy pacheco borgesO que é historia   vavy pacheco borges
O que é historia vavy pacheco borges
 

Semelhante a Pancada na aplle

Engenharia de software i 3 - processos de engenharia de requisitos
Engenharia de software i   3 - processos de engenharia de requisitosEngenharia de software i   3 - processos de engenharia de requisitos
Engenharia de software i 3 - processos de engenharia de requisitos
Willian Moreira Figueiredo de Souza
 
Ciclo desenvolvimento de sistemas
Ciclo desenvolvimento de sistemasCiclo desenvolvimento de sistemas
Ciclo desenvolvimento de sistemas
Instituto Federal de Educação Ciencia e Tecnologia
 
Especificação requisitos
Especificação requisitosEspecificação requisitos
Especificação requisitos
Luis Fernandes
 
Apresentação Final
Apresentação FinalApresentação Final
Apresentação Final
betinho87
 
Técnicas de Análise Contextual - Livro de Walter Cybis
Técnicas de Análise Contextual - Livro de Walter CybisTécnicas de Análise Contextual - Livro de Walter Cybis
Técnicas de Análise Contextual - Livro de Walter Cybis
Luiz Agner
 
Processos Organizacionais
Processos Organizacionais Processos Organizacionais
Processos Organizacionais
Pedro Luis Moraes
 
Mini curso aula 01
Mini curso aula 01Mini curso aula 01
Mini curso aula 01
Victor Maia Senna Delgado
 
Six sigma
Six sigmaSix sigma
Six sigma
Manoel Sidnesio
 
Como implantar transformações organizacionais a partir de uma plataforma BPMS...
Como implantar transformações organizacionais a partir de uma plataforma BPMS...Como implantar transformações organizacionais a partir de uma plataforma BPMS...
Como implantar transformações organizacionais a partir de uma plataforma BPMS...
Lecom Tecnologia
 
[Café com BPM - Setor Privado] Como implantar transformações organizacionais ...
[Café com BPM - Setor Privado] Como implantar transformações organizacionais ...[Café com BPM - Setor Privado] Como implantar transformações organizacionais ...
[Café com BPM - Setor Privado] Como implantar transformações organizacionais ...
EloGroup
 
– Como implantar transformações organizacionais a partir de uma plataforma BP...
– Como implantar transformações organizacionais a partir de uma plataforma BP...– Como implantar transformações organizacionais a partir de uma plataforma BP...
– Como implantar transformações organizacionais a partir de uma plataforma BP...
EloGroup
 
Aula 01 - Sistemas Administrativos apresentada.pptx
Aula 01 - Sistemas Administrativos apresentada.pptxAula 01 - Sistemas Administrativos apresentada.pptx
Aula 01 - Sistemas Administrativos apresentada.pptx
allan2409
 
Ebook-Ferramentas para Gestão da qualidade.pdf
Ebook-Ferramentas para Gestão da qualidade.pdfEbook-Ferramentas para Gestão da qualidade.pdf
Ebook-Ferramentas para Gestão da qualidade.pdf
MichellePereira97
 
2. FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO - 22.06.22.pdf
2. FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO - 22.06.22.pdf2. FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO - 22.06.22.pdf
2. FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO - 22.06.22.pdf
Pedro Alcantara
 
Desenvolvimento ágil de software: análise sintética a partir de KANBAN
Desenvolvimento ágil de software: análise sintética a partir de KANBANDesenvolvimento ágil de software: análise sintética a partir de KANBAN
Desenvolvimento ágil de software: análise sintética a partir de KANBAN
Fernando Palma
 
Exercício de mapeamento
Exercício de mapeamentoExercício de mapeamento
Exercício de mapeamento
pscwep
 
PDCA.pdf
PDCA.pdfPDCA.pdf
AMSI.pptx
AMSI.pptxAMSI.pptx
AMSI.pptx
AndersonCunha61
 
Microsoft - Application Lifecycle Management - Visão Geral
Microsoft - Application Lifecycle Management - Visão GeralMicrosoft - Application Lifecycle Management - Visão Geral
Microsoft - Application Lifecycle Management - Visão Geral
Alan Carlos
 
sap-hr-recursos-humanos
  sap-hr-recursos-humanos  sap-hr-recursos-humanos
sap-hr-recursos-humanos
Denner Andrade
 

Semelhante a Pancada na aplle (20)

Engenharia de software i 3 - processos de engenharia de requisitos
Engenharia de software i   3 - processos de engenharia de requisitosEngenharia de software i   3 - processos de engenharia de requisitos
Engenharia de software i 3 - processos de engenharia de requisitos
 
Ciclo desenvolvimento de sistemas
Ciclo desenvolvimento de sistemasCiclo desenvolvimento de sistemas
Ciclo desenvolvimento de sistemas
 
Especificação requisitos
Especificação requisitosEspecificação requisitos
Especificação requisitos
 
Apresentação Final
Apresentação FinalApresentação Final
Apresentação Final
 
Técnicas de Análise Contextual - Livro de Walter Cybis
Técnicas de Análise Contextual - Livro de Walter CybisTécnicas de Análise Contextual - Livro de Walter Cybis
Técnicas de Análise Contextual - Livro de Walter Cybis
 
Processos Organizacionais
Processos Organizacionais Processos Organizacionais
Processos Organizacionais
 
Mini curso aula 01
Mini curso aula 01Mini curso aula 01
Mini curso aula 01
 
Six sigma
Six sigmaSix sigma
Six sigma
 
Como implantar transformações organizacionais a partir de uma plataforma BPMS...
Como implantar transformações organizacionais a partir de uma plataforma BPMS...Como implantar transformações organizacionais a partir de uma plataforma BPMS...
Como implantar transformações organizacionais a partir de uma plataforma BPMS...
 
[Café com BPM - Setor Privado] Como implantar transformações organizacionais ...
[Café com BPM - Setor Privado] Como implantar transformações organizacionais ...[Café com BPM - Setor Privado] Como implantar transformações organizacionais ...
[Café com BPM - Setor Privado] Como implantar transformações organizacionais ...
 
– Como implantar transformações organizacionais a partir de uma plataforma BP...
– Como implantar transformações organizacionais a partir de uma plataforma BP...– Como implantar transformações organizacionais a partir de uma plataforma BP...
– Como implantar transformações organizacionais a partir de uma plataforma BP...
 
Aula 01 - Sistemas Administrativos apresentada.pptx
Aula 01 - Sistemas Administrativos apresentada.pptxAula 01 - Sistemas Administrativos apresentada.pptx
Aula 01 - Sistemas Administrativos apresentada.pptx
 
Ebook-Ferramentas para Gestão da qualidade.pdf
Ebook-Ferramentas para Gestão da qualidade.pdfEbook-Ferramentas para Gestão da qualidade.pdf
Ebook-Ferramentas para Gestão da qualidade.pdf
 
2. FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO - 22.06.22.pdf
2. FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO - 22.06.22.pdf2. FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO - 22.06.22.pdf
2. FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO - 22.06.22.pdf
 
Desenvolvimento ágil de software: análise sintética a partir de KANBAN
Desenvolvimento ágil de software: análise sintética a partir de KANBANDesenvolvimento ágil de software: análise sintética a partir de KANBAN
Desenvolvimento ágil de software: análise sintética a partir de KANBAN
 
Exercício de mapeamento
Exercício de mapeamentoExercício de mapeamento
Exercício de mapeamento
 
PDCA.pdf
PDCA.pdfPDCA.pdf
PDCA.pdf
 
AMSI.pptx
AMSI.pptxAMSI.pptx
AMSI.pptx
 
Microsoft - Application Lifecycle Management - Visão Geral
Microsoft - Application Lifecycle Management - Visão GeralMicrosoft - Application Lifecycle Management - Visão Geral
Microsoft - Application Lifecycle Management - Visão Geral
 
sap-hr-recursos-humanos
  sap-hr-recursos-humanos  sap-hr-recursos-humanos
sap-hr-recursos-humanos
 

Último

Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdfSistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
Falcão Brasil
 
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdfAula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
ProfessoraSilmaraArg
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Falcão Brasil
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Falcão Brasil
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
Manuais Formação
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Bibliotecas Escolares AEIDH
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Falcão Brasil
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
principeandregalli
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Falcão Brasil
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Falcão Brasil
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Falcão Brasil
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Falcão Brasil
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Falcão Brasil
 
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Falcão Brasil
 
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
Manuais Formação
 
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsxQue Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Luzia Gabriele
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Falcão Brasil
 
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
Falcão Brasil
 

Último (20)

Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdfSistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
 
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdfAula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
 
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
 
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
 
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsxQue Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
 
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
 

Pancada na aplle

  • 2. MAPA CONCEITUAL GUERRA DE COMUNICAÇÃO: Smartphones Samsung Líder em 2012 Expõe benefícios do Galaxy S III Inovação Aplle Referência em tecnologia Lançamento do iPhone 5 antes para retomar a liderança para se manter pouca
  • 3. PERGUNTAS:  Sendo que a Aplle encontra-se defasada em sua atuação tecnológica. Como os sistemas de informações gerenciais podem auxiliá-la para a retomada da liderança?  Estando uma empresa entrando na entropia positiva, a mesma precisa se reestruturar para reverter esse quadro. De que forma fazer a reestruturação da Aplle?
  • 4. OBJETIVOS  Saber a forma que os sistemas de informações gerenciais são utilizados para a retomada de liderança de uma empresa.  Analisar a maneira de reestruturação da Aplle.
  • 5. TOMADA DE POSIÇÃO Percebe-se que a Aplle, apesar de ter conquistado milhões de fãs ao longo dos anos no mundo inteiro, perdeu a liderança do mercado mundial de smartphones para a coreana Samsung. O grande desafio agora é redesenhar sua forma de gestão de informações gerenciais, reestruturando-se enquanto organização.
  • 6. A Aplle precisa estabelecer de forma nítida, tendo suporte dos sistemas de informações gerenciais, um plano de ação inovador. Que harmonize e otimize os gênios da organização, relacionado ao traçar de novos desafios, objetivos e metas a serem atingidos. Os recursos do tomador de decisão, que normalmente são limitados, prejudicando a correspondente ação. Essa é uma das razões da necessidade de estabelecer planos de ação inerentes às principais decisões da empresa. Isso porque os cursos alternativos de que a empresa dispõe competem entre si, apesar de, hipoteticamente, estarem voltados para o mesmo propósito, objetivo, meta ou desafio estabelecidos. (OLIVEIRA, 2011, p. 35)
  • 7. Ao elaborar o plano de ação “[...] a empresa deve ser enfocada do ponto de vista de suas funções e atividades, independentemente da estrutura organizacional vigente.” (OLIVEIRA, 2011, p. 36-37) Sendo, assim, é necessário à Aplle estabelecer um plano sólido atentando-se a não perder o controle dos acontecimentos internos e externos a ela.
  • 8. De acordo com Djalma (2011) para uma eficaz avaliação da estrutura organizacional é necessário seguir etapas como: Levantamento (elenco dos problemas que os usuários identificaram, e questionar os profissionais estratégicos da empresa), análise (mensuração do impacto dos dados levantados, na estrutura organizacional da empresa) e avaliação (definição das responsabilidades, autoridades, comunicações e decisões, analisando tais fatores relacionados ao lado humano, tecnológico, tático e operacional). Nesse sentido a Aplle deve avaliar o seu nível de amplitude da estrutura empresarial para com base nas fragilidades definir políticas que venham a sustentar o processo decisório.
  • 9. Como a empresa em questão perdeu a liderança para a Samsung, a mesma precisa fortificar o lado inovador, já que foi constatado que nos lançamentos esperados por clientes e concorrentes, as novidades são irrisórias. Perdendo destarte, clientes que antes eram fieis, e sendo motivo de piadas para a concorrência. Par mudar esse quadro, de acordo com Djalma (2011) a organização deve reerguer-se com base em características de inovação, como implantar ou melhorar sua Unidade Estratégica de Negócio. A UEN irá dar o suporte para incrementar o faturamento, otimizar os recursos existentes, melhorar as oportunidades no mercado, e otimizar a sinergia da empresa.
  • 10. Nesse prisma, para a Aplle retomar a liderança que hoje pertence à Samsung, precisa mobilizar-se de forma sistemática e organizada, porque no campo tecnológico é mais do que necessário ser proativo em sua atuação, principalmente quando se está disputando o ponto mais alto a nível mundial.
  • 11. COMPETÊNCIA PARA 100%  Desenvolver metodologia de levantamento, análise, desenvolvimento e implantação de métodos administrativos;
  • 12. FASE DO DESENVOLVIMENTO DO PROJETO DE SISTEMAS Fase 1: identificação, seleção e conhecimento do sistema:  Identificar o sistema ou método a ser analisado;  Identificar as unidades organizacionais envolvidas; e  Obter uma ideia preliminar e genérica da complexidade do sistema, visando determinar o esforço necessário para seu adequado desenvolvimento.
  • 14. FASE DO DESENVOLVIMENTO DO PROJETO DE SISTEMAS Fase 2: Estudo da viabilidade e de alternativas:  A definição das características principais do sistema;  A determinação das principais necessidades de saídas, incluindo os tempos de resposta;  A análise do organograma da empresa e das unidades organizacionais envolvidas;  A determinação dos tipos de dados e informações, bem como estimativa de volumes;  A consideração das alternativas possíveis para atender às necessidades semelhantes;
  • 15. FASE DO DESENVOLVIMENTO DO PROJETO DE SISTEMAS  O preparo de estimativas aproximadas dos prováveis custos de implantação e dos custos operacionais gerais para cada alternativa apresentada;  A documentação do estudo de viabilidade em relatório para o usuário e para a área de sistemas, organização e métodos; e  A verificação da adequação das exigências do sistema aos objetivos da empresa.
  • 16. FASE DO DESENVOLVIMENTO DO PROJETO DE SISTEMAS Fase 3: Levantamento e análise da situação atual:  Entrevistas com vários usuários;  Análise das políticas e diretrizes existentes;  Análise da interação do sistema considerado com a atual estrutura organizacional;  Análise da documentação existente;  Análise do tratamento da documentação; e  Análise do arquivamento da documentação.
  • 17. FASE DO DESENVOLVIMENTO DO PROJETO DE SISTEMAS Fase 4: Delineamento e estruturação do novo sistema:  Determinar os objetivos do sistema atual;  Estudar o sistema atual, a fim de constatar até que ponto corresponde a seus objetivos;  Analisar as necessidades dos usuários e da empresa, a fim de desenvolver novos objetivos;  Analisar as restrições impostas pelas áreas dos usuários;  Definir as responsabilidades dos usuários em relação às entradas e às saídas de dados destinados a outros sistemas;
  • 18. FASE DO DESENVOLVIMENTO DO PROJETO DE SISTEMAS  Examinar a interação do sistema proposto com outros sistemas existentes ou a serem desenvolvidos na empresa;  Detalhar as necessidades dos usuários, em termos de elementos, volume e tempo de resposta dos dados e informações;  Preparar as especificações do projeto do novo sistema;  Planejar as fases do projeto do novo sistema e de sua implantação; e  Elaborar um relatório para o usuário e para a área de sistemas, organização e métodos.
  • 19. FASE DO DESENVOLVIMENTO DO PROJETO DE SISTEMAS Fase 5: Detalhamento do novo sistema:  Complementação dos fluxos geral e parciais;  Identificação do volume total de dados e informações tratados no sistema;  Desenho de formulários;  Definição da necessidade de relatórios e de seu volume, frequência e distribuição;  Desenvolvimento da lógica geral do sistema;  Determinação dos procedimentos de controle, avaliação e de auditoria do sistema;  Definição dos dispositivos de arquivamento e utilizar;
  • 20. FASE DO DESENVOLVIMENTO DO PROJETO DE SISTEMAS  Revisão da estimativa do custo operacional;  Elaboração de um plano detalhado para a implementação do novo sistema.
  • 21. FASE DO DESENVOLVIMENTO DO PROJETO DE SISTEMAS Fase 6: Treinamento, teste e implementação do novo sistema:  Treinamento dos usuários; -Processo de treinamento conjunto com o usuário, desde os primeiros passos do trabalho.  Teste do novo sistema; -Testar antes de implementar o sistema e/ou trabalhar com o antigo em paralelo ao novo.  Implementação do novo sistema. -Utilização adequada e sistemática da técnica formal de planejamento e controle da mudança efetuada, estabelecendo objetivos e resultados para cada profissional.
  • 22. FASE DO DESENVOLVIMENTO DO PROJETO DE SISTEMAS Fase 7: Acompanhamento, avaliação e atualização:  Fixar pontos de controle no sistema  Especificar os critérios para avaliar a frequência do controle nos pontos considerados;  Entrevistar os usuários do sistema e investigar quais problemas ou melhorias o sistema está trazendo, efetuando os ajustes necessários.  Preparar um programa de trabalho para as atividades de auditoria;  Fazer uma auditoria adequada;  Entrevistar os usuários, anotando problemas e soluções para preparação de um relatório
  • 24. COMPETÊNCIA PARA 100%  Utilizar técnicas de reprodução gráfica.
  • 25. FLUXOGRAMA É A REPRESENTAÇÃO GRÁFICA QUE APRESENTA A SEQUÊNCIA DE UM TRABALHO DE FORMA ANALÍTICA, CARACTERIZANDO AS OPERAÇÕES, OS RESPONSÁVEIS E/OU UNIDADES ORGANIZACIONAIS ENVOLVIDOS NO PROCESSO.
  • 30. MÉTODOS ADMINISTRATIVOS São os meios manuais, mecânicos ou eletrônicos pelos quais as operações administrativas individuais e/ou coletivas das unidades organizacionais são executadas.
  • 31. VANTAGENS DO FLUXOGRAMA  Apresentação real do funcionamento de todos os componentes de um método administrativo. Esse aspecto proporciona e facilita a análise da eficiência do sistema;  Possibilidade de apresentação de uma filosofia de administração, atuando, principalmente, como fator psicológico;  Possibilidade de visualização integrada de um método administrativo, que facilite o exame dos vários componentes do sistema e de suas possíveis repercussões, tanto positivas quanto negativas.
  • 32. TIPOS DE FLUXOGRAMAS  Vertical;  Parcial ou descritivo; e  Global ou de coluna.