SlideShare uma empresa Scribd logo
1
FACULDADE POLIS DAS ARTES
CRISTINA AKEMI MUNEHISA
PALAVRAS DA IMAGEM – A ESCRITA DA PINTURA
Embu das Artes
2015
2
FACULDADE POLIS DAS ARTES
CRISTINA AKEMI MUNEHISA
PALAVRAS DA IMAGEM – A ESCRITA DA PINTURA
Embu das Artes
2015
Trabalho final apresentado à disciplina
“Palavras da imagem – a escrita da pintura”
como exigência parcial para a obtenção do
curso de Pós (CURSO)– Turma “E-43”, sob
a supervisão do Professor (a) Ms Jane
Nogueira dos Santos. Pólo: São Bernardo do
Campo!
3
Sumário
1. Introdução.........................................................................................................4
2. Desenvolvimento...............................................................................................5
3. Conclusão.........................................................................................................9
4. Referências Bibliográficas................................................................................10
4
Introdução
A cultura do indivíduo e da sociedade é composta de inúmeras referências,
porém, sem dúvida, após a universalização da televisão e da internet, a cada dia
as informações imagéticas se tornam mais contundentes no processo de
construção do repertório cultural, inclusive modificando a relação que as crianças
tem com a imagem atualmente, já que o bombardeio de informações interfere
conceitualmente na assimilação do mundo, esta que certamente define o tipo de
ser humano que se tornará. No entanto, a produção visual difundida pelos meios
de comunicação citados acima, em sua maioria seguem, tem uma pauta
claramente comercial, ou seja, não tem a pretensão cabal de construir
conhecimento, muito embora possa esse ser um efeito colateral, o objetivo é
vender produtos ou estilos de vida. O presente trabalho busca elucidar quais as
consequências disso para a sociedade, no objetivo também de apresentar meios
efetivos da união entre a realidade cultural da criança e as práticas pedagógicas
em arte-educação, na contramão da alienação. Com base nas teorias de Paulo
Freire que tanto estudou o vínculo entre o ser e o saber, é possível vislumbrar
caminhos para um novo tipo de educação, que muito discutido em teoria, ainda
pouco se pratica na atualidade. Na busca de uma perspectiva mais libertária é
importante se desvencilhar das amarrar sociais e permitir-se tentativas inovadoras
e práticas que possam ser consideradas marginais, mas estão na vanguarda da
educação, já há muito tempo.
5
Desenvolvimento
O mundo contemporâneo tem como característica fundamental o
dinamismo conceitual, informativo, executivo. Todo esse movimento significa que
não mais as comunidades permanecem estáticas apenas na tradição oral, que
perdura de geração em geração, pelo contrário, o que antes era a composição
total de seu referencial de cultura, hoje é agregado, quando ainda sobrevive, a um
montante de conhecimento globalizado e acessível transformando muito
rapidamente as constituições culturais do sujeito.
Esse processo se intensificou principalmente com os avanços tecnológicos
dos meios de comunicação, a televisão que fundamentalmente tem como mote a
criação de uma concepção visual para atingir a massa e a internet que acelera e
universaliza o processamento das informações.
Em relação aos conceitos relacionados à imagem, segundo Sardelich,
(2006) a expressão “leitura de imagens” convenciona-se no final dos anos 70,
justamente pela expansão das mídias audiovisuais.
Na medida em que a imagem passa a ser
compreendida como signo que incorpora diversos
códigos, sua leitura requer o conhecimento e a
compreensão desses códigos. Essa ideia de “ensinar
a ver e ler” os dados visuais inspirou-se no trabalho
de Rudolf Arnheim, Art and visual perception, de
1957, que procura identificar as categorias visuais
básicas mediante as quais a percepção deduz
estruturas e o produtor de imagens elabora suas
configurações...
...Nesse modelo o espectador desvela nas imagens
esquemas básicos utilizando várias categorias até
descobrir a configuração que, por si mesma, possui
qualidades expressivas. (SARDELICH, 2006, p. 453)
6
Essa é uma proposta de leitura de imagens racional, expressiva, perceptiva
e comunicativa, aquela que coloca o produtor artístico como um formador de
opinião, capaz e parcialmente responsável pela educação dos indivíduos, moral,
intelectual e cognitiva, enquanto produtores de cultura.
Quando se ouve falar em Paulo Freire, grande pensador da educação, é
muito comum que ele venha associado à um dito método de alfabetização de
jovens e adultos, o que em partes tende a diminuir seu trabalho e a importância
dele para a pedagogia brasileira. Justamente por isso é que cabe aqui uma
análise sobre suas tantas teorias, dentre elas as explicitadas nos livros “A
importância do ato de ler” e “Educação como prática da liberdade”, por conta da
relação que seus escritos tem com a interpretação que o sujeito faz do mundo
determinada pelo repertório que construiu ao longo do tempo e que é fruto de sua
relação com o meio e suas exposições à cultura. Isto é, a natureza dessa relação
é que vai definir o tipo de indivíduo que se é, para o bem ou para o mal.
As teorias Freireanas estão intimamente ligadas à tendência formalista de
leitura de imagens, pois tratam-se ambas de empoderar o artista a um
compromisso social, porém libertário.
O que importa realmente, ao ajudar-se o homem é
ajudá-lo a ajudar-se. (E aos povos também). É fazê-
lo agente de sua própria recuperação. É, repitamos,
pô-lo numa postura conscientemente crítica diante de
seus problemas. (FREIRE, 1967, p.63)
Sob este aspecto da liberdade e da responsabilidade do artista é preciso que o
educador esteja disposto não só a inserir o educando nessa perspectiva do olhar crítico,
interpretativo, perspicaz, como voltar-se à possibilidade de com a arte empoderar seus
alunos enquanto produtores de sua própria mensagem e consequentemente de sua
própria manifestação cultural.
Na tentativa de promover esses ideais foi elaborada uma atividade interessante
que podem ser uma visão sobre o ensino da arte, não inovadora, pois já se vislumbram
algumas práticas parecidas, mas ainda um pouco marginal, pois dificilmente é
reconhecida como produtiva e pertinente.
7
“Meu quarto”
1ª etapa (sensibilização): cada educando traz de sua casa uma foto de seu
quarto para que haja uma socialização e uma explanação sobre os pontos
importantes, positivos e negativos, o desejo de promover alguma mudança, enfim
detalhes relevantes.
2ª etapa (comparação): apresenta-se ao grupo a obra “Quarto em Arles” de
Van Gogh, e promove-se uma discussão sobre as semelhanças e diferenças,
trazendo à tona informações histórias relativas a obra e a biografia do autor e
interpretações que podem aparecer subliminarmente.
3ª etapa (teoria): dando continuidade ao estudo sobre o autor e sua escola
de pintura busca-se o conhecimento e a sensibilização para outras obras do
pintor, tendo em vista as técnicas utilizadas por ele, principalmente no tocante a
representar sentimento, algo extremamente presente no impressionismo.
4ª etapa (produção): sugerir aos educandos que com base nas técnicas
estudadas produzam uma pintura de seus quartos, tentando destacar sensações
pela maneira de pintar e cores utilizadas, tal como Van Gogh.
Essa atividade pode ter um desdobramento bastante importante com
autorretratos também deveras pessoal e íntimo. Pode-se inclusive inserir outros
pintores famosos que produziram autorretratos, como Frida Kahlo. Outra
possibilidade é utilizar essa mesma estratégia para retratar um lugar ou momento
histórico, fazendo a transposição para a realidade do educando e produzindo as
modificações necessárias.
8
Conclusão
A reflexão e a pesquisa realizada para esse trabalho foi de suma
importância para a evolução e o desenvolvimento de novas estratégias, expostas
na atividade que foi elaborada por último.
Esse processo deve ser a rotina de todo educador, refletir sobre o que fez,
faz e fará da sua prática é o que move o crescimento profissional e pessoal para
alguém que se propõe a ajudar outros indivíduos a crescer.
Creio que a atividade atende ao propósito libertário e responsável das
teorias estudadas e ao propósito presente na LDB 9394/96 e nos
PCN’s de um ensino contextualizado e produtivo socialmente, desenvolvendo o
educando crítico, perceptivo, expressivo e ativo intelectualmente. Primeiro pelo
fato de partir de uma vivência bem pessoal, depois por exigir uma transposição e
uma comparação de sua realidade com a realidade de alguém tão distante em
tempo e lugar histórico, e por fim de sugerir que todo esse processo de
conhecimento fosse registrado, novamente em algo bastante pessoal.
Nas escolas, ao que parece, e é o que se ouve dos professores, é que
esses trabalhos demandam mais tempo e mais esforços do que alguns estão
disposto a gastar, inclusive financeiros, nem todas as escolas podem por exemplo
dispor de telas e tintas para pintura. Mas há pouco interesse em se adaptar
também, porque essa mesma atividade não pode ser feita com desenhos? Em
todo caso o que se observa é mesmo uma questão de força de vontade e de
trabalho, mas enquanto houver gente disposta, a caravana não para.
9
Referências bibliográficas
SARDELISH, Maria Emilia. Leitura de imagens, cultura visual e prática
educativa. Cadernos de Pesquisa, v.36, n. 128, p.451-472. 2006.
BRASIL, Ministério da secretaria de educação básica. Parâmetros curriculares
nacionais - arte . Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica:
Brasília (DF), 1997 v.l; il.
FOUCAULT, Michel. Vigiar e punir. 27ª Ed. Rio de Janeiro: Editora Vozes, 1987.
FREIRE, Roberto. Soma – uma terapia anarquista vol I - A alma é o corpo. Rio
de Janeiro: Editora Guanabara
NANNI, Dionísia. O ensino da dança na estrutura/expansão da consciência
corporal e da auto-estima do educando. Fitness & Performance, v. 04, n. 01.
Rio de Janeiro, 2005.
BRASIL, Senado Federal. Lei de diretrizes e bases da educação nacional: nº
9394/96. Brasília, 1996.
FREIRE, Paulo. Educação como prática da liberdade. Rio de Janeiro: Editora
Paz e Terra, 1967.
FREIRE, Paulo. A importância do ato de ler – em três artigos que se
completam. São Paulo: Cortez Editora, 1921.
9
Referências bibliográficas
SARDELISH, Maria Emilia. Leitura de imagens, cultura visual e prática
educativa. Cadernos de Pesquisa, v.36, n. 128, p.451-472. 2006.
BRASIL, Ministério da secretaria de educação básica. Parâmetros curriculares
nacionais - arte . Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica:
Brasília (DF), 1997 v.l; il.
FOUCAULT, Michel. Vigiar e punir. 27ª Ed. Rio de Janeiro: Editora Vozes, 1987.
FREIRE, Roberto. Soma – uma terapia anarquista vol I - A alma é o corpo. Rio
de Janeiro: Editora Guanabara
NANNI, Dionísia. O ensino da dança na estrutura/expansão da consciência
corporal e da auto-estima do educando. Fitness & Performance, v. 04, n. 01.
Rio de Janeiro, 2005.
BRASIL, Senado Federal. Lei de diretrizes e bases da educação nacional: nº
9394/96. Brasília, 1996.
FREIRE, Paulo. Educação como prática da liberdade. Rio de Janeiro: Editora
Paz e Terra, 1967.
FREIRE, Paulo. A importância do ato de ler – em três artigos que se
completam. São Paulo: Cortez Editora, 1921.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Ensino de arte outubro 2013
Ensino de arte   outubro 2013Ensino de arte   outubro 2013
Ensino de arte outubro 2013
Fabiola Oliveira
 
A Gravura no Ensino Fundamental em Sena Madureira-AC Modificando a visão em a...
A Gravura no Ensino Fundamental em Sena Madureira-AC Modificando a visão em a...A Gravura no Ensino Fundamental em Sena Madureira-AC Modificando a visão em a...
A Gravura no Ensino Fundamental em Sena Madureira-AC Modificando a visão em a...
Vis-UAB
 
Artes Visuais a Serviço da Escola.
Artes Visuais a Serviço da Escola.Artes Visuais a Serviço da Escola.
Artes Visuais a Serviço da Escola.
Vis-UAB
 
607 1554-2-pb
607 1554-2-pb607 1554-2-pb
607 1554-2-pb
Claudinei Assis
 
Leitura visual
Leitura visualLeitura visual
Leitura visual
cefaprodematupa
 
Monografia Bruna Pedagogia 2008
Monografia Bruna Pedagogia 2008Monografia Bruna Pedagogia 2008
Monografia Bruna Pedagogia 2008
Biblioteca Campus VII
 
ARTE CONTEMPORÂNEA, EXPERIÊNCIAS DE ACUMULAÇÃO NO 9° ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL
ARTE CONTEMPORÂNEA, EXPERIÊNCIAS DE ACUMULAÇÃO NO 9° ANO DO ENSINO FUNDAMENTALARTE CONTEMPORÂNEA, EXPERIÊNCIAS DE ACUMULAÇÃO NO 9° ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL
ARTE CONTEMPORÂNEA, EXPERIÊNCIAS DE ACUMULAÇÃO NO 9° ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL
ProfessorPrincipiante
 
IntroduçãO1
IntroduçãO1IntroduçãO1
IntroduçãO1
rogerio
 
A cultura visual como recurso educativo
A cultura visual como recurso educativoA cultura visual como recurso educativo
A cultura visual como recurso educativo
Marcela Rubert
 
O ENSINO DAS ARTES VISUAIS EM TARAUACÁ: REFLEXÕES E PROPOSIÇÕES.
O ENSINO DAS ARTES VISUAIS EM TARAUACÁ: REFLEXÕES E PROPOSIÇÕES.O ENSINO DAS ARTES VISUAIS EM TARAUACÁ: REFLEXÕES E PROPOSIÇÕES.
O ENSINO DAS ARTES VISUAIS EM TARAUACÁ: REFLEXÕES E PROPOSIÇÕES.
Vis-UAB
 
3347791 apostila-ensino-fundamental-vol3-artes
3347791 apostila-ensino-fundamental-vol3-artes3347791 apostila-ensino-fundamental-vol3-artes
3347791 apostila-ensino-fundamental-vol3-artes
Eduardo Lopes
 
Arte o elo de interação na interdisciplinaridade - plácido suares
Arte   o elo de interação na interdisciplinaridade - plácido suaresArte   o elo de interação na interdisciplinaridade - plácido suares
Arte o elo de interação na interdisciplinaridade - plácido suares
Plácido Suares
 
Aula de artes para o ensino médio
Aula de artes para o ensino médioAula de artes para o ensino médio
Aula de artes para o ensino médio
Wagna Ferreirra Soares Amancio
 
Resenha de orientações
Resenha de orientaçõesResenha de orientações
Resenha de orientações
isacsantos02
 
O ENSINO DA XILOGRAVURA PARA ALUNOS DO 7º ANO NA ESCOLA NÂNZIO MAGALHÃES EM F...
O ENSINO DA XILOGRAVURA PARA ALUNOS DO 7º ANO NA ESCOLA NÂNZIO MAGALHÃES EM F...O ENSINO DA XILOGRAVURA PARA ALUNOS DO 7º ANO NA ESCOLA NÂNZIO MAGALHÃES EM F...
O ENSINO DA XILOGRAVURA PARA ALUNOS DO 7º ANO NA ESCOLA NÂNZIO MAGALHÃES EM F...
Vis-UAB
 
Os benefícios do ensino de artes visuais para a educação especial do ensino f...
Os benefícios do ensino de artes visuais para a educação especial do ensino f...Os benefícios do ensino de artes visuais para a educação especial do ensino f...
Os benefícios do ensino de artes visuais para a educação especial do ensino f...
Vis-UAB
 
Ensino moda anelise_fonseca
Ensino moda anelise_fonsecaEnsino moda anelise_fonseca
Ensino moda anelise_fonseca
Thayani Moraes Damiani
 
História e Ensino Criativo Acção 3 - Braga
História e Ensino Criativo  Acção 3 - BragaHistória e Ensino Criativo  Acção 3 - Braga
História e Ensino Criativo Acção 3 - Braga
João Lima
 
Relato do evento do pibid
Relato do evento do pibidRelato do evento do pibid
Relato do evento do pibid
pibiduergsmontenegro
 
História e Ensino Criativo acção 5 - lisboa 2
História e Ensino Criativo acção 5 - lisboa 2História e Ensino Criativo acção 5 - lisboa 2
História e Ensino Criativo acção 5 - lisboa 2
João Lima
 

Mais procurados (20)

Ensino de arte outubro 2013
Ensino de arte   outubro 2013Ensino de arte   outubro 2013
Ensino de arte outubro 2013
 
A Gravura no Ensino Fundamental em Sena Madureira-AC Modificando a visão em a...
A Gravura no Ensino Fundamental em Sena Madureira-AC Modificando a visão em a...A Gravura no Ensino Fundamental em Sena Madureira-AC Modificando a visão em a...
A Gravura no Ensino Fundamental em Sena Madureira-AC Modificando a visão em a...
 
Artes Visuais a Serviço da Escola.
Artes Visuais a Serviço da Escola.Artes Visuais a Serviço da Escola.
Artes Visuais a Serviço da Escola.
 
607 1554-2-pb
607 1554-2-pb607 1554-2-pb
607 1554-2-pb
 
Leitura visual
Leitura visualLeitura visual
Leitura visual
 
Monografia Bruna Pedagogia 2008
Monografia Bruna Pedagogia 2008Monografia Bruna Pedagogia 2008
Monografia Bruna Pedagogia 2008
 
ARTE CONTEMPORÂNEA, EXPERIÊNCIAS DE ACUMULAÇÃO NO 9° ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL
ARTE CONTEMPORÂNEA, EXPERIÊNCIAS DE ACUMULAÇÃO NO 9° ANO DO ENSINO FUNDAMENTALARTE CONTEMPORÂNEA, EXPERIÊNCIAS DE ACUMULAÇÃO NO 9° ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL
ARTE CONTEMPORÂNEA, EXPERIÊNCIAS DE ACUMULAÇÃO NO 9° ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL
 
IntroduçãO1
IntroduçãO1IntroduçãO1
IntroduçãO1
 
A cultura visual como recurso educativo
A cultura visual como recurso educativoA cultura visual como recurso educativo
A cultura visual como recurso educativo
 
O ENSINO DAS ARTES VISUAIS EM TARAUACÁ: REFLEXÕES E PROPOSIÇÕES.
O ENSINO DAS ARTES VISUAIS EM TARAUACÁ: REFLEXÕES E PROPOSIÇÕES.O ENSINO DAS ARTES VISUAIS EM TARAUACÁ: REFLEXÕES E PROPOSIÇÕES.
O ENSINO DAS ARTES VISUAIS EM TARAUACÁ: REFLEXÕES E PROPOSIÇÕES.
 
3347791 apostila-ensino-fundamental-vol3-artes
3347791 apostila-ensino-fundamental-vol3-artes3347791 apostila-ensino-fundamental-vol3-artes
3347791 apostila-ensino-fundamental-vol3-artes
 
Arte o elo de interação na interdisciplinaridade - plácido suares
Arte   o elo de interação na interdisciplinaridade - plácido suaresArte   o elo de interação na interdisciplinaridade - plácido suares
Arte o elo de interação na interdisciplinaridade - plácido suares
 
Aula de artes para o ensino médio
Aula de artes para o ensino médioAula de artes para o ensino médio
Aula de artes para o ensino médio
 
Resenha de orientações
Resenha de orientaçõesResenha de orientações
Resenha de orientações
 
O ENSINO DA XILOGRAVURA PARA ALUNOS DO 7º ANO NA ESCOLA NÂNZIO MAGALHÃES EM F...
O ENSINO DA XILOGRAVURA PARA ALUNOS DO 7º ANO NA ESCOLA NÂNZIO MAGALHÃES EM F...O ENSINO DA XILOGRAVURA PARA ALUNOS DO 7º ANO NA ESCOLA NÂNZIO MAGALHÃES EM F...
O ENSINO DA XILOGRAVURA PARA ALUNOS DO 7º ANO NA ESCOLA NÂNZIO MAGALHÃES EM F...
 
Os benefícios do ensino de artes visuais para a educação especial do ensino f...
Os benefícios do ensino de artes visuais para a educação especial do ensino f...Os benefícios do ensino de artes visuais para a educação especial do ensino f...
Os benefícios do ensino de artes visuais para a educação especial do ensino f...
 
Ensino moda anelise_fonseca
Ensino moda anelise_fonsecaEnsino moda anelise_fonseca
Ensino moda anelise_fonseca
 
História e Ensino Criativo Acção 3 - Braga
História e Ensino Criativo  Acção 3 - BragaHistória e Ensino Criativo  Acção 3 - Braga
História e Ensino Criativo Acção 3 - Braga
 
Relato do evento do pibid
Relato do evento do pibidRelato do evento do pibid
Relato do evento do pibid
 
História e Ensino Criativo acção 5 - lisboa 2
História e Ensino Criativo acção 5 - lisboa 2História e Ensino Criativo acção 5 - lisboa 2
História e Ensino Criativo acção 5 - lisboa 2
 

Semelhante a Palavras na imagem

O uso de fontes em sala de aula
O uso de fontes em sala de aulaO uso de fontes em sala de aula
O uso de fontes em sala de aula
Adilour Souto
 
O ALUNO E SUA PRODUÇÃO INTERDISCIPLINAR NO PIBID HISTÓRIA
O ALUNO E SUA PRODUÇÃO INTERDISCIPLINAR NO PIBID HISTÓRIA O ALUNO E SUA PRODUÇÃO INTERDISCIPLINAR NO PIBID HISTÓRIA
O ALUNO E SUA PRODUÇÃO INTERDISCIPLINAR NO PIBID HISTÓRIA
pibidhistoriaraulcordula
 
A leitura de imagem na sala de aula
A leitura de imagem na sala de aulaA leitura de imagem na sala de aula
A leitura de imagem na sala de aula
Beth Kozikoski
 
Emancipação e construção do conhecimento
Emancipação e construção do conhecimentoEmancipação e construção do conhecimento
Emancipação e construção do conhecimento
Andréa Kochhann
 
DESENHO NA EDUCAÇÃO INFANTIL
DESENHO NA EDUCAÇÃO INFANTIL DESENHO NA EDUCAÇÃO INFANTIL
DESENHO NA EDUCAÇÃO INFANTIL
Vis-UAB
 
RELATO DE EXPERIÊNCIA: oficina de arte com jornal no desenvolvimento do traba...
RELATO DE EXPERIÊNCIA: oficina de arte com jornal no desenvolvimento do traba...RELATO DE EXPERIÊNCIA: oficina de arte com jornal no desenvolvimento do traba...
RELATO DE EXPERIÊNCIA: oficina de arte com jornal no desenvolvimento do traba...
Wecsley Oliveira
 
Metodologia do ensino das artes visuais
Metodologia do ensino das artes visuais   Metodologia do ensino das artes visuais
Metodologia do ensino das artes visuais
HENRIQUE GOMES DE LIMA
 
Projeto desenho completo
Projeto desenho completoProjeto desenho completo
Projeto desenho completo
Rose Silva
 
Resumodasleiturasprovaofaseefetivos 130818165310-phpapp01
Resumodasleiturasprovaofaseefetivos 130818165310-phpapp01Resumodasleiturasprovaofaseefetivos 130818165310-phpapp01
Resumodasleiturasprovaofaseefetivos 130818165310-phpapp01
Jhosyrene Oliveira
 
didatica-ensino-arte.pdf
didatica-ensino-arte.pdfdidatica-ensino-arte.pdf
didatica-ensino-arte.pdf
ssuser8a02aa
 
A Rede de Subjetividade Compartilhada e Inclusiva Expressa nos Discursos de D...
A Rede de Subjetividade Compartilhada e Inclusiva Expressa nos Discursos de D...A Rede de Subjetividade Compartilhada e Inclusiva Expressa nos Discursos de D...
A Rede de Subjetividade Compartilhada e Inclusiva Expressa nos Discursos de D...
Alex Sandro C. Sant'Ana
 
ARTES VISUAIS: LEITURA DE IMAGEM E A APURAÇÃO DO OLHAR PARA O ENSINO DA ARTE
ARTES VISUAIS: LEITURA DE IMAGEM E A APURAÇÃO DO OLHAR PARA O ENSINO DA ARTEARTES VISUAIS: LEITURA DE IMAGEM E A APURAÇÃO DO OLHAR PARA O ENSINO DA ARTE
ARTES VISUAIS: LEITURA DE IMAGEM E A APURAÇÃO DO OLHAR PARA O ENSINO DA ARTE
Vis-UAB
 
[CON]TATOS COM MEDIAÇÃO CULTURAL - Ana Maria Schultze et alli
[CON]TATOS COM MEDIAÇÃO CULTURAL - Ana Maria Schultze et alli[CON]TATOS COM MEDIAÇÃO CULTURAL - Ana Maria Schultze et alli
[CON]TATOS COM MEDIAÇÃO CULTURAL - Ana Maria Schultze et alli
Andréia De Bernardi
 
Arte e Ensino.
 Arte e Ensino. Arte e Ensino.
Arte e Ensino.
Vis-UAB
 
A arte como um direito da criança - o papel do professor na construção de um ...
A arte como um direito da criança - o papel do professor na construção de um ...A arte como um direito da criança - o papel do professor na construção de um ...
A arte como um direito da criança - o papel do professor na construção de um ...
Ateliê Giramundo
 
A arte como um direito da criança - o papel do professor na construção de um ...
A arte como um direito da criança - o papel do professor na construção de um ...A arte como um direito da criança - o papel do professor na construção de um ...
A arte como um direito da criança - o papel do professor na construção de um ...
Ateliê Giramundo
 
ATIVIDADES PRÁTICAS NA DISCIPLINA DE ARTES VISUAIS NO ENSINO MÉDIO Um modo de...
ATIVIDADES PRÁTICAS NA DISCIPLINA DE ARTES VISUAIS NO ENSINO MÉDIO Um modo de...ATIVIDADES PRÁTICAS NA DISCIPLINA DE ARTES VISUAIS NO ENSINO MÉDIO Um modo de...
ATIVIDADES PRÁTICAS NA DISCIPLINA DE ARTES VISUAIS NO ENSINO MÉDIO Um modo de...
Vis-UAB
 
Didatica i u1
Didatica i u1Didatica i u1
Didatica i u1
Cida Cerqueira
 
História, Arte e Criatividade 2012
História, Arte e Criatividade 2012História, Arte e Criatividade 2012
História, Arte e Criatividade 2012
João Lima
 
Artigo o desenho no desenvolvimento infantil
Artigo o desenho no desenvolvimento infantilArtigo o desenho no desenvolvimento infantil
Artigo o desenho no desenvolvimento infantil
ariana limonta
 

Semelhante a Palavras na imagem (20)

O uso de fontes em sala de aula
O uso de fontes em sala de aulaO uso de fontes em sala de aula
O uso de fontes em sala de aula
 
O ALUNO E SUA PRODUÇÃO INTERDISCIPLINAR NO PIBID HISTÓRIA
O ALUNO E SUA PRODUÇÃO INTERDISCIPLINAR NO PIBID HISTÓRIA O ALUNO E SUA PRODUÇÃO INTERDISCIPLINAR NO PIBID HISTÓRIA
O ALUNO E SUA PRODUÇÃO INTERDISCIPLINAR NO PIBID HISTÓRIA
 
A leitura de imagem na sala de aula
A leitura de imagem na sala de aulaA leitura de imagem na sala de aula
A leitura de imagem na sala de aula
 
Emancipação e construção do conhecimento
Emancipação e construção do conhecimentoEmancipação e construção do conhecimento
Emancipação e construção do conhecimento
 
DESENHO NA EDUCAÇÃO INFANTIL
DESENHO NA EDUCAÇÃO INFANTIL DESENHO NA EDUCAÇÃO INFANTIL
DESENHO NA EDUCAÇÃO INFANTIL
 
RELATO DE EXPERIÊNCIA: oficina de arte com jornal no desenvolvimento do traba...
RELATO DE EXPERIÊNCIA: oficina de arte com jornal no desenvolvimento do traba...RELATO DE EXPERIÊNCIA: oficina de arte com jornal no desenvolvimento do traba...
RELATO DE EXPERIÊNCIA: oficina de arte com jornal no desenvolvimento do traba...
 
Metodologia do ensino das artes visuais
Metodologia do ensino das artes visuais   Metodologia do ensino das artes visuais
Metodologia do ensino das artes visuais
 
Projeto desenho completo
Projeto desenho completoProjeto desenho completo
Projeto desenho completo
 
Resumodasleiturasprovaofaseefetivos 130818165310-phpapp01
Resumodasleiturasprovaofaseefetivos 130818165310-phpapp01Resumodasleiturasprovaofaseefetivos 130818165310-phpapp01
Resumodasleiturasprovaofaseefetivos 130818165310-phpapp01
 
didatica-ensino-arte.pdf
didatica-ensino-arte.pdfdidatica-ensino-arte.pdf
didatica-ensino-arte.pdf
 
A Rede de Subjetividade Compartilhada e Inclusiva Expressa nos Discursos de D...
A Rede de Subjetividade Compartilhada e Inclusiva Expressa nos Discursos de D...A Rede de Subjetividade Compartilhada e Inclusiva Expressa nos Discursos de D...
A Rede de Subjetividade Compartilhada e Inclusiva Expressa nos Discursos de D...
 
ARTES VISUAIS: LEITURA DE IMAGEM E A APURAÇÃO DO OLHAR PARA O ENSINO DA ARTE
ARTES VISUAIS: LEITURA DE IMAGEM E A APURAÇÃO DO OLHAR PARA O ENSINO DA ARTEARTES VISUAIS: LEITURA DE IMAGEM E A APURAÇÃO DO OLHAR PARA O ENSINO DA ARTE
ARTES VISUAIS: LEITURA DE IMAGEM E A APURAÇÃO DO OLHAR PARA O ENSINO DA ARTE
 
[CON]TATOS COM MEDIAÇÃO CULTURAL - Ana Maria Schultze et alli
[CON]TATOS COM MEDIAÇÃO CULTURAL - Ana Maria Schultze et alli[CON]TATOS COM MEDIAÇÃO CULTURAL - Ana Maria Schultze et alli
[CON]TATOS COM MEDIAÇÃO CULTURAL - Ana Maria Schultze et alli
 
Arte e Ensino.
 Arte e Ensino. Arte e Ensino.
Arte e Ensino.
 
A arte como um direito da criança - o papel do professor na construção de um ...
A arte como um direito da criança - o papel do professor na construção de um ...A arte como um direito da criança - o papel do professor na construção de um ...
A arte como um direito da criança - o papel do professor na construção de um ...
 
A arte como um direito da criança - o papel do professor na construção de um ...
A arte como um direito da criança - o papel do professor na construção de um ...A arte como um direito da criança - o papel do professor na construção de um ...
A arte como um direito da criança - o papel do professor na construção de um ...
 
ATIVIDADES PRÁTICAS NA DISCIPLINA DE ARTES VISUAIS NO ENSINO MÉDIO Um modo de...
ATIVIDADES PRÁTICAS NA DISCIPLINA DE ARTES VISUAIS NO ENSINO MÉDIO Um modo de...ATIVIDADES PRÁTICAS NA DISCIPLINA DE ARTES VISUAIS NO ENSINO MÉDIO Um modo de...
ATIVIDADES PRÁTICAS NA DISCIPLINA DE ARTES VISUAIS NO ENSINO MÉDIO Um modo de...
 
Didatica i u1
Didatica i u1Didatica i u1
Didatica i u1
 
História, Arte e Criatividade 2012
História, Arte e Criatividade 2012História, Arte e Criatividade 2012
História, Arte e Criatividade 2012
 
Artigo o desenho no desenvolvimento infantil
Artigo o desenho no desenvolvimento infantilArtigo o desenho no desenvolvimento infantil
Artigo o desenho no desenvolvimento infantil
 

Último

347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
AntnioManuelAgdoma
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
ValdineyRodriguesBez1
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
Funções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prismaFunções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prisma
djincognito
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
ReinaldoSouza57
 
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Centro Jacques Delors
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
TomasSousa7
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
lveiga112
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
Pastor Robson Colaço
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
PatriciaZanoli
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
LILIANPRESTESSCUDELE
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
AmiltonAparecido1
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
profesfrancleite
 

Último (20)

347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
Funções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prismaFunções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prisma
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
 
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
 

Palavras na imagem

  • 1. 1 FACULDADE POLIS DAS ARTES CRISTINA AKEMI MUNEHISA PALAVRAS DA IMAGEM – A ESCRITA DA PINTURA Embu das Artes 2015
  • 2. 2 FACULDADE POLIS DAS ARTES CRISTINA AKEMI MUNEHISA PALAVRAS DA IMAGEM – A ESCRITA DA PINTURA Embu das Artes 2015 Trabalho final apresentado à disciplina “Palavras da imagem – a escrita da pintura” como exigência parcial para a obtenção do curso de Pós (CURSO)– Turma “E-43”, sob a supervisão do Professor (a) Ms Jane Nogueira dos Santos. Pólo: São Bernardo do Campo!
  • 3. 3 Sumário 1. Introdução.........................................................................................................4 2. Desenvolvimento...............................................................................................5 3. Conclusão.........................................................................................................9 4. Referências Bibliográficas................................................................................10
  • 4. 4 Introdução A cultura do indivíduo e da sociedade é composta de inúmeras referências, porém, sem dúvida, após a universalização da televisão e da internet, a cada dia as informações imagéticas se tornam mais contundentes no processo de construção do repertório cultural, inclusive modificando a relação que as crianças tem com a imagem atualmente, já que o bombardeio de informações interfere conceitualmente na assimilação do mundo, esta que certamente define o tipo de ser humano que se tornará. No entanto, a produção visual difundida pelos meios de comunicação citados acima, em sua maioria seguem, tem uma pauta claramente comercial, ou seja, não tem a pretensão cabal de construir conhecimento, muito embora possa esse ser um efeito colateral, o objetivo é vender produtos ou estilos de vida. O presente trabalho busca elucidar quais as consequências disso para a sociedade, no objetivo também de apresentar meios efetivos da união entre a realidade cultural da criança e as práticas pedagógicas em arte-educação, na contramão da alienação. Com base nas teorias de Paulo Freire que tanto estudou o vínculo entre o ser e o saber, é possível vislumbrar caminhos para um novo tipo de educação, que muito discutido em teoria, ainda pouco se pratica na atualidade. Na busca de uma perspectiva mais libertária é importante se desvencilhar das amarrar sociais e permitir-se tentativas inovadoras e práticas que possam ser consideradas marginais, mas estão na vanguarda da educação, já há muito tempo.
  • 5. 5 Desenvolvimento O mundo contemporâneo tem como característica fundamental o dinamismo conceitual, informativo, executivo. Todo esse movimento significa que não mais as comunidades permanecem estáticas apenas na tradição oral, que perdura de geração em geração, pelo contrário, o que antes era a composição total de seu referencial de cultura, hoje é agregado, quando ainda sobrevive, a um montante de conhecimento globalizado e acessível transformando muito rapidamente as constituições culturais do sujeito. Esse processo se intensificou principalmente com os avanços tecnológicos dos meios de comunicação, a televisão que fundamentalmente tem como mote a criação de uma concepção visual para atingir a massa e a internet que acelera e universaliza o processamento das informações. Em relação aos conceitos relacionados à imagem, segundo Sardelich, (2006) a expressão “leitura de imagens” convenciona-se no final dos anos 70, justamente pela expansão das mídias audiovisuais. Na medida em que a imagem passa a ser compreendida como signo que incorpora diversos códigos, sua leitura requer o conhecimento e a compreensão desses códigos. Essa ideia de “ensinar a ver e ler” os dados visuais inspirou-se no trabalho de Rudolf Arnheim, Art and visual perception, de 1957, que procura identificar as categorias visuais básicas mediante as quais a percepção deduz estruturas e o produtor de imagens elabora suas configurações... ...Nesse modelo o espectador desvela nas imagens esquemas básicos utilizando várias categorias até descobrir a configuração que, por si mesma, possui qualidades expressivas. (SARDELICH, 2006, p. 453)
  • 6. 6 Essa é uma proposta de leitura de imagens racional, expressiva, perceptiva e comunicativa, aquela que coloca o produtor artístico como um formador de opinião, capaz e parcialmente responsável pela educação dos indivíduos, moral, intelectual e cognitiva, enquanto produtores de cultura. Quando se ouve falar em Paulo Freire, grande pensador da educação, é muito comum que ele venha associado à um dito método de alfabetização de jovens e adultos, o que em partes tende a diminuir seu trabalho e a importância dele para a pedagogia brasileira. Justamente por isso é que cabe aqui uma análise sobre suas tantas teorias, dentre elas as explicitadas nos livros “A importância do ato de ler” e “Educação como prática da liberdade”, por conta da relação que seus escritos tem com a interpretação que o sujeito faz do mundo determinada pelo repertório que construiu ao longo do tempo e que é fruto de sua relação com o meio e suas exposições à cultura. Isto é, a natureza dessa relação é que vai definir o tipo de indivíduo que se é, para o bem ou para o mal. As teorias Freireanas estão intimamente ligadas à tendência formalista de leitura de imagens, pois tratam-se ambas de empoderar o artista a um compromisso social, porém libertário. O que importa realmente, ao ajudar-se o homem é ajudá-lo a ajudar-se. (E aos povos também). É fazê- lo agente de sua própria recuperação. É, repitamos, pô-lo numa postura conscientemente crítica diante de seus problemas. (FREIRE, 1967, p.63) Sob este aspecto da liberdade e da responsabilidade do artista é preciso que o educador esteja disposto não só a inserir o educando nessa perspectiva do olhar crítico, interpretativo, perspicaz, como voltar-se à possibilidade de com a arte empoderar seus alunos enquanto produtores de sua própria mensagem e consequentemente de sua própria manifestação cultural. Na tentativa de promover esses ideais foi elaborada uma atividade interessante que podem ser uma visão sobre o ensino da arte, não inovadora, pois já se vislumbram algumas práticas parecidas, mas ainda um pouco marginal, pois dificilmente é reconhecida como produtiva e pertinente.
  • 7. 7 “Meu quarto” 1ª etapa (sensibilização): cada educando traz de sua casa uma foto de seu quarto para que haja uma socialização e uma explanação sobre os pontos importantes, positivos e negativos, o desejo de promover alguma mudança, enfim detalhes relevantes. 2ª etapa (comparação): apresenta-se ao grupo a obra “Quarto em Arles” de Van Gogh, e promove-se uma discussão sobre as semelhanças e diferenças, trazendo à tona informações histórias relativas a obra e a biografia do autor e interpretações que podem aparecer subliminarmente. 3ª etapa (teoria): dando continuidade ao estudo sobre o autor e sua escola de pintura busca-se o conhecimento e a sensibilização para outras obras do pintor, tendo em vista as técnicas utilizadas por ele, principalmente no tocante a representar sentimento, algo extremamente presente no impressionismo. 4ª etapa (produção): sugerir aos educandos que com base nas técnicas estudadas produzam uma pintura de seus quartos, tentando destacar sensações pela maneira de pintar e cores utilizadas, tal como Van Gogh. Essa atividade pode ter um desdobramento bastante importante com autorretratos também deveras pessoal e íntimo. Pode-se inclusive inserir outros pintores famosos que produziram autorretratos, como Frida Kahlo. Outra possibilidade é utilizar essa mesma estratégia para retratar um lugar ou momento histórico, fazendo a transposição para a realidade do educando e produzindo as modificações necessárias.
  • 8. 8 Conclusão A reflexão e a pesquisa realizada para esse trabalho foi de suma importância para a evolução e o desenvolvimento de novas estratégias, expostas na atividade que foi elaborada por último. Esse processo deve ser a rotina de todo educador, refletir sobre o que fez, faz e fará da sua prática é o que move o crescimento profissional e pessoal para alguém que se propõe a ajudar outros indivíduos a crescer. Creio que a atividade atende ao propósito libertário e responsável das teorias estudadas e ao propósito presente na LDB 9394/96 e nos PCN’s de um ensino contextualizado e produtivo socialmente, desenvolvendo o educando crítico, perceptivo, expressivo e ativo intelectualmente. Primeiro pelo fato de partir de uma vivência bem pessoal, depois por exigir uma transposição e uma comparação de sua realidade com a realidade de alguém tão distante em tempo e lugar histórico, e por fim de sugerir que todo esse processo de conhecimento fosse registrado, novamente em algo bastante pessoal. Nas escolas, ao que parece, e é o que se ouve dos professores, é que esses trabalhos demandam mais tempo e mais esforços do que alguns estão disposto a gastar, inclusive financeiros, nem todas as escolas podem por exemplo dispor de telas e tintas para pintura. Mas há pouco interesse em se adaptar também, porque essa mesma atividade não pode ser feita com desenhos? Em todo caso o que se observa é mesmo uma questão de força de vontade e de trabalho, mas enquanto houver gente disposta, a caravana não para.
  • 9. 9 Referências bibliográficas SARDELISH, Maria Emilia. Leitura de imagens, cultura visual e prática educativa. Cadernos de Pesquisa, v.36, n. 128, p.451-472. 2006. BRASIL, Ministério da secretaria de educação básica. Parâmetros curriculares nacionais - arte . Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica: Brasília (DF), 1997 v.l; il. FOUCAULT, Michel. Vigiar e punir. 27ª Ed. Rio de Janeiro: Editora Vozes, 1987. FREIRE, Roberto. Soma – uma terapia anarquista vol I - A alma é o corpo. Rio de Janeiro: Editora Guanabara NANNI, Dionísia. O ensino da dança na estrutura/expansão da consciência corporal e da auto-estima do educando. Fitness & Performance, v. 04, n. 01. Rio de Janeiro, 2005. BRASIL, Senado Federal. Lei de diretrizes e bases da educação nacional: nº 9394/96. Brasília, 1996. FREIRE, Paulo. Educação como prática da liberdade. Rio de Janeiro: Editora Paz e Terra, 1967. FREIRE, Paulo. A importância do ato de ler – em três artigos que se completam. São Paulo: Cortez Editora, 1921.
  • 10. 9 Referências bibliográficas SARDELISH, Maria Emilia. Leitura de imagens, cultura visual e prática educativa. Cadernos de Pesquisa, v.36, n. 128, p.451-472. 2006. BRASIL, Ministério da secretaria de educação básica. Parâmetros curriculares nacionais - arte . Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica: Brasília (DF), 1997 v.l; il. FOUCAULT, Michel. Vigiar e punir. 27ª Ed. Rio de Janeiro: Editora Vozes, 1987. FREIRE, Roberto. Soma – uma terapia anarquista vol I - A alma é o corpo. Rio de Janeiro: Editora Guanabara NANNI, Dionísia. O ensino da dança na estrutura/expansão da consciência corporal e da auto-estima do educando. Fitness & Performance, v. 04, n. 01. Rio de Janeiro, 2005. BRASIL, Senado Federal. Lei de diretrizes e bases da educação nacional: nº 9394/96. Brasília, 1996. FREIRE, Paulo. Educação como prática da liberdade. Rio de Janeiro: Editora Paz e Terra, 1967. FREIRE, Paulo. A importância do ato de ler – em três artigos que se completam. São Paulo: Cortez Editora, 1921.