SlideShare uma empresa Scribd logo
FACULDADE DOM ALBERTO
ARTES VISUAIS
Ariana Limonta Soares
As etapas do desenho infantil e sua contribuição para a criatividade e
aprendizagem
Ribeirão Preto
2020
AS ETAPAS DO DESENHO INFANTIL E SUA CONTRIBUIÇÃO PARA A
CRIATIVIDADE E APRENDIZAGEM.
RESUMO
O tema de investigação da pesquisa se refere ao desenvolvimento do grafismo infantil, sua categoria
conforme autores que pesquisaram o tema, e como o desenho na fase da infância contribui para uma
melhor aprendizagem e formas de expressão e criatividade.
A pesquisa é bibliográfica e explicativa através da análise dos desenhos obtidos em campo e de
referências e dos autores que abordaram o tema. Através dos desenhos, de suas criações e
desenvolvimento de cada etapa esta sugerida conforme a abordagem de autores da área despertam a
imaginação e expressividade conforme as práticas artísticas aproximando assim os processos de ensino.
Conforme demonstrado nas análises percebe-se que o desenho favorece a contribuição para o
desenvolvimento da criatividade, ludicidade, cognição, autonomia e desenvoltura do aluno para a
expressão, a liberdade de criação entre outros.
PALAVRAS-CHAVE: Desenho, etapas, criatividade, desenvolvimento e aprendizagem.
1 INTRODUÇÃO
Através desta pesquisa será verificado a importância do desenho para o
desenvolvimento infantil, para a criatividade, a fruição e construção de pensamentos, na
desenvoltura escolar e também para a vida em sociedade, demostrando como as
expressões artísticas e a liberdade de criação podem influenciar para um
desenvolvimento sádio e contextualizado para o aprendizado. Assim através das
análises realizadas no decorrer do trabalho poderemos observar as características e
classificações de cada etapa do desenho infantil e como essas etapas contribuem para
a ampliação da criatividade, do raciocínio lógico e para uma melhoria no
desenvolvimento cognitivo. As artes na vida desde a etapa infantil, logo nos primeiros
rabiscos e grafismos instigam a imaginação, o florescer do pensamento investigativo e
autônomo para maior crescimento crítico e melhor desenvolvimento das crianças.
A investigação da pesquisa identificará como os desenhos e sua evolução, o
poder da imagem e sua importância, mediados pelo professor, caracterizando a
liberdade de criação, a imaginação infantil que enriquecem o desenvolvimento da
criatividade, ludicidade, cognição, autonomia e desenvoltura para expressão e
segurança em falar em público, favorece a aprendizagem da criança e sua desenvoltura
na vida. As hipóteses levantadas ao longo da pesquisa serão feitas através da seleção
dos meios mais adequados para obter indicações ou conclusões acerca da indagação
proposta. Os métodos a serem aplicados basearam-se na pesquisa bibliográfica, como
o poder da imagem, Arte como experiência, John Dewey e o ensino da Arte no Brasil, a
interpretação da imagem, Arte na sala de aula, entre outras referências, como também
baseará em coleta de dados no campo de atuação, através de análise documental,
observações entre outros.
Segundo Dewey, a emoção é a força motriz e consolidante, seleciona o que é
congruente e pinta com suas cores o que é escolhido, com isso, confere uma unidade
qualitativa a materiais externamente dispares e dessemelhantes. Assim como o
gravador, o pintor e o escritor encontram-se no processo de contemplar algo a cada
etapa de seu trabalho. A cada momento tem de preservar e resumir o que se deu antes
como um todo e com referência ao que virá, caso contrário, não há coerência, nem
segurança em seus atos sucessivos. A sucessão de feituras no ritmo da experiência
confere variedade e movimento e protege o trabalho da monotonia, e conforme
descrito, pode-se perceber que a realização de desenhos em Artes farão parte de um
processo contínuo das crianças contemplando cada etapa.
As representações sobre o objeto desenho, que guiarão a ação do desenhista,
dependem por um lado, de oportunidades de interação no meio sócio cultural e, por
outro lado, da sua ação sobre desenhos. As representações constroem-se nas ações
inter e intrasubjetivas e transformam- se ao longo do crescimento da criança, sofrendo
tanto limites impostos pelo estágio cognitivo do sujeito como a influência dos modelos
presentes no meio sócio cultural. Os meios de comunicação também aceleram as
trocas imagéticas entre povos distintos, aproximando seus repertórios. As
representações sobre o desenho estão relacionadas às oportunidades de fazer e
pensar sobre o desenho no meio ambiente (sócio interação) e o trabalho pessoal
individual com as próprias representações, evolução do próprio pensamento, que
garantem a construção do conhecimento. O convívio com as imagens enriquece o
imaginário e estimula a produção.
O objetivo do artigo é caracterizar e analisar como a Arte e sua representação
nos desenhos e suas etapas de evolução, estudadas por autores e psicólogos
abordando o universo mundo infantil, contribuem e desenvolvem de maneira a ampliar
a desenvoltura e expressão comunicativa dos alunos
Investigar com base na pesquisa exploratória, descritiva e explicativa dos
processos de conhecimento, por meio da criatividade e imaginação atribuídas na
infância, identificando e descobrindo os mecanismos a partir da Arte, como desenhos e
ilustrações da literatura infantil, que podem impulsionar maior esclarecimento,
conhecimento e ampliação no desenvolvimento gerando uma produtividade vantajosa
na qual poderão usufruir para um maior desempenho pessoal.
2 AS FASES DOS DESENHOS E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A
APRENDIZAGEM
Vamos abordar através de pesquisas bibliográficas de autores e análise de
imagens coletadas nas aulas remotas como a evolução do desenho acontece, o que
caracteriza cada etapa e a sua importância ao longo do percurso de aprendizado.
Segundo Dewey, antigamente na época da arte clássica na Grécia, a arte fazia
parte da vida significativa da comunidade organizada. Não tinham então nenhuma
ligação peculiar com teatros, galerias e museus, essas artes do drama, da música, da
pintura e do teatro era parte da vida coletiva. Percebe-se atualmente uma segregação e
compartimentalização da arte, esta segregação apresenta-se como que da vida comum
reflete o fato de que elas não fazem parte de uma cultura inata e espontânea. Para
John Dewey as teorias que isolaram a arte e sua apreciação, colocando-as em um
campo próprio, desvincula as outras modalidades do experimentar. O experimentar é
peça fundamental na aquisição de conhecimentos, reflexões e desenvolvimentos.
A história da separação e da oposição nítida e final entre o útil e o belo é a
história do desenvolvimento industrial, mediante o qual grande parte da produção se
tornou uma forma de vida adiada e grande parte do consumo tornou-se um prazer
superposto aos frutos do trabalho alheio. Não há limite para a capacidade de a
experiência sensorial imediata absorver em si significados e valores que em si e por si,
isto é, em termos abstratos seriam designados como ideais ou espirituais. Toda obra de
arte segue o plano e o padrão de uma experiência completa, fazendo que ela seja
sentida de maneira mais intensa e concentrada.
Assim como Dewey aborda que a arte faz parte da própria vida, em seu
percurso, em cada etapa do processo, em cada reflexão, podemos retirar que essa
separação da arte como obra de arte e produto final como ele diz exposto em galerias e
museus em pedestais criou-se uma separação da arte como esse conceito de arte e a
experiência na prática, antes do produto final, antes de separar o que é ou não arte
esse processo, essa forma sensorial de consolidar e expressar de forma ampla cada
etapa é que necessita ser mais valorizada , estudada e vivida.
Em cada etapa e evolução do aprendizado precisamos valorizar e interpretar
cada uma dessas etapas e as suas vantagens, sentindo o processo como um todo,
percorrendo a experiência adquirida e valorizando-a para cada fase.
No ensino de arte para maior estimulação as crianças é aconselhável o acesso
as expressões artísticas, que se dá tanto dentro como fora da escola, onde o fazer é
realizado através do conhecimento também de outros produtores.
O desenho cultivado aproxima os processos de criação de todas as áreas do
conhecimento. Situa a arte como conhecimento, expressão e técnica cuja realização
depende de busca ativa da criança frente a natureza e a outros indivíduos desde seus
estágios iniciais ( Cf. Bosi,1986)
O sujeito vai construindo progressivamente suas teorias sobre desenho a partir
da interação com outras produções que observa, incluindo também as suas próprias
produções. Acontece mudanças dessas teorias seguindo uma ordem de sucessão em
direção a níveis de desenvolvimento cada vez mais avançados. A concretização dessas
transformações realiza-se porque existe uma tendência de busca de explicações cada
vez mais complexas, que provocam conflitos e desiquilíbrio em suas teorias, gerando
teorias novas e mais avançadas que englobam as anteriores. Suas representações vão
sendo assim, paulatinamente, substituídas por novas concepções resultantes da
pressão exercida pelo próprio objeto de conhecimento. As representações sobre o
desenho estão relacionadas às oportunidades de fazer e pensar sobre o desenho no
meio ambiente (sócio-interação). E aprendizagem também ocorre nas situações em que
o sujeito age sobre suas próprias representações, transformando-as. (trabalho pessoal).
Ao longo do desenvolvimento das produções gráficas o desenho vai passando
por processos de maturação. A forma como a criança é estimulada a se expressar nos
primeiros anos é fundamental para o seu desenvolvimento físico, cognitivo e emocional.
Para as crianças no estágio da educação infantil, o desenho pode servir como
uma linguagem da expressão dos sentimentos. O desenho como forma de expressão
subjetiva faz parte do crescimento físico, do desenvolvimento cognitivo e emocional da
criança. Através do desenho a criança desenvolve o senso de observação, a
diversidade de cores, formas, texturas, e entrar em contanto com os diversos materiais.
O desenho pode ser considerado uma das maneiras mais eficientes de
comunicação, uma forma de expressão pessoal enquanto ainda não há o domínio da
linguagem escrita e oral.
Derdick (1989) relata que o desenho assumiu para o homem das cavernas, seja
no desenvolvimento para a construção de maquinários no início da era industrial , seja
na aplicação mais elaborada para o desenho industrial e a arquitetura, seja na função
da comunicação que o desenho exerce na ilustração, na história em quadrinhos, o
desenho reclama a sua autonomia a sua capacidade de abrangência como um meio de
comunicação, expressão e conhecimento. Desse modo a produção gráfica de uma
criança pode ser o momento dela deixar o seu inconsciente falar e através dele poder
desvendar aspectos de sua personalidade.
Através dos estudos de Lowenfeld e Piaget apresentaremos as classificações
segundo esses autores sobre as fases evolutivas para o desenho infantil.
Fase das garatujas
Se divide em garatuja desordenada, ordenada e nomeada:
1-Garatuja desordenada:
Nesta fase a não tem consciência do traço-gesto, não olha o que faz e o seu
prazer está em riscar e explorar o material. Os movimento são de vai e vem, e em
muitos casos o corpo acompanha o movimento. Nesta fase está em desenvolvimento a
coordenação motora, é a fase sensorial motora, os movimentos são grandes e
desordenados, não existe uma preocupação com a preservação dos traços que são
cobertos por rabiscos várias vezes. É uma atividade prazerosa sem representação. Na
fase da garatuja a criança rabisca pelo prazer de rabiscar, de gesticular, o grafismo que
daí surge é essencialmente motor, orgânico, biológico e rítmico. Oferecer papéis de
preferência brancos, folhas grandes, lápis de cera, canetas hidrográficas, pincéis
grossos e tintas espessas são melhores nesta fase de caráter sinestésico. São rabiscos
que expressam movimentos aleatórios e espontâneos.
Figura 1:Garatuja desordenada
Fonte: https://projectobrincareaprender.wordpress.com/2015/06/24/o-desenho-infantil-garatuja/
Figura 2: Garatuja desordenada
Fonte:http://educarnocliquedomouse.blogspot.com/2012/02/desenho-infantil-um-simples-rabisco.html
2-Garatuja Ordenada
Nesta fase a criança descobre que há uma relação do seu gesto com os traços
que faz no papel. Assim, passa a olhar o que faz, controlando o tamanho, a forma e a
localização no papel. Começa também a fechar suas figuras em forma de círculos ou
espiral. Os movimentos surgem de forma imaginária, começando a surgir o interesse
pelas formas. Nesta fase a criança começa a contar histórias no seu desenho, ela diz o
que vai desenhar mas ainda não existe uma relação fixa entre o objeto e sua
representação. Passa do traçado contínuo ao descontinuo tentando controlar os
movimentos vai e vem.
Figura 3: Garatuja Ordenada
Fonte: https://www.historiadasartes.com/sala-dos-professores/vamos-garatujar/
Figura 4: Garatuja Ordenada
Fonte: http://educarnocliquedomouse.blogspot.com/2012/02/desenho-infantil-um-simples-rabisco.html
3- Garatuja Nomeada
A criança distribui melhor os traços no papel, anuncia o que vai fazer, descreve o
que fez, relaciona o desenho com o que vê ou viu, começa a dar forma a figura do ser
humano. Acontece geralmente no terceiro ano de vida. A criança passa a fazer ligação
entre seus movimentos e o mundo que a rodeia, por isso a atribuição de nomes as
garatujas. Ela muda do pensamento sinestésico para o imaginativo, pondo intenção no
que desenha.
Figura 5: Garatuja Nomeada
Fonte: http://educarnocliquedomouse.blogspot.com/2012/02/desenho-infantil-um-simples-rabisco.html
Figura 6: Garatuja nomeada
Fonte: http://educarnocliquedomouse.blogspot.com/2012/02/desenho-infantil-um-simples-rabisco.html
4- Fase Pré- Esquemática
De 4 a 7 anos os movimentos circulares evoluem para formas reconhecíveis,
passando para uma configuração representativa definida. Os desenhos apresentam
formas mais elaboradas, podendo chegar a desenhar uma figura humana bem formada.
Descobre a relação entre desenho, pensamento e realidade, os objetos ficam dispersos
no desenho e não são relacionados entre si. É uma etapa egocêntrica.
Figura 7: Fase Pré - esquemática Figura 8:
Fonte: arquivos jpg de desenhos de alunos enviados no grupo whatzap das aulas remotas no município
de Serrana- SP.
Figura 9:Fase Pré - esquemática
Fonte: arquivo jpg de desenho de aluno enviado no grupo whatzap das aulas remotas no município de
Serrana- SP.
5- Fase Esquemática
De 7 a 9 anos a representação gráfica das figuras humanas evolui em
complexidade e organização. Desenha uma linha de base e a relação de cor do objeto.
Faz parte da fase das operações concretas. Mudança da atitude egocêntrica para a
cooperação. Seus desenhos e realizações expressivas apresentam seus conceitos,
percepções e sentimentos em relação ao meio, como também possibilita ao adulto
compreender melhor a criança.
Figura 10: Fase esquemática
Fonte: arquivo jpg de desenho de aluna enviado no grupo whatzap das aulas remotas no município de
Serrana- SP.
Figura 11 e 12: Fase esquemática
Fonte: arquivos jpg de desenhos de alunos enviados no grupo whatzap das aulas remotas no município
de Serrana- SP.
Figura 13,14 e 15: Fase esquemática
Fonte: arquivos jpg de desenhos de alunos enviados no grupo whatzap das aulas remotas no município
de Serrana- SP.
6- Fase do Realismo
Dos 9 aos 12 anos ela desenvolve maior conscientização e interesse pelos
detalhes e maior consciência visual. Torna-se crítica nos seus desenhos e nos
desenhos dos colegas. Os traços são mais firmes e conseguem demonstrar mais
informações. Desenham com formas mais geométricas e proporcional. Inicia a
investigação da sua própria personalidade, aparecem muito o realismo, a objetividade e
o uso consciente da cor.
Figura 16: Fase do Realismo
Fonte: arquivo jpg de desenho de aluno enviado no grupo whatzap das aulas remotas no município de
Serrana- SP.
Figura 17: Fase do Realismo
Fonte: arquivo jpg de desenho de aluno enviado no grupo whatzap das aulas remotas no município de
Serrana-SP.
Figura 18: Fase do Realismo
Fonte: arquivo jpg de desenho de aluno enviado no grupo whatzap das aulas remotas no município de
Serrana - SP.
Figura 19: Fase do Realismo
Fonte: arquivo jpg de desenho de aluno enviado no grupo whatzap das aulas remotas no município de
Serrana- SP.
Para Gardner (1994) as crianças adquirem gradativamente uma competência
simbólica.
É importante considerar a criança a intérprete do seu próprio desenho, deixar ela
falar sobre sua produção para que possa ter melhor compreensão do seu significado. O
ato de desenhar envolve a atividade criadora e é através dessas atividades que a
criança desenvolve sua própria liberdade e iniciativa, podendo expressar-se como
indivíduo. As linguagens artísticas proporcionam oportunidades possibilitando a
ampliação de conhecimentos, imaginação e melhor desenvolvimento.
CONCLUSÃO
São várias as contribuições dos desenhos para o desenvolvimento da criança
como expressão das emoções, a comunicação, ficar mais observadora, desenvolve o
autoconhecimento, melhora a coordenação motora, tem função terapêutica, construção
mental.
Na esfera infantil, segundo Vygotsky, o desenho pode demostrar uma forma de
percepção e internalização de significados da sociedade pela criança. Desenhar é uma
atividade que trabalha com a linguagem, atitude, conhecimento e apropriação de idéias
e incita a imaginação elementos importantes para a subjetividade infantil. Quando a
criança desenha ela brinca, canta e se sente livre para expressar suas ideias.
O desenho também é primordial para a aquisição da linguagem escrita. Podemos
afirmar que o desenho, o pensamento e o sentimento caminham juntos.
Neste contexto devemos priorizar a criatividade e liberdade de criação da criança
e sua evolução e através do desenho que é uma linguagem e a intenção dessa
linguagem no ensino infantil é que cada criança tenha a liberdade de se expressar
como sabe, obtendo o seu espaço lúdico e se afirmando como ser humano.
Percebe-se também que com o passar do tempo e com os estímulos oferecidos
a criança que o desenho evolui, passa a ter formas mais precisas até que enfim
apresente figuras mais nítidas e bem definidas. A forma que a criança desenha
expressa o seu nível emocional, intelectual e perspectivo que são representações
inseridas num dado contexto cultural informando suas experiências individuais. Quanto
mais a criança desenha, mais ela vai formulando suas ideias e expressando seus
sentimentos através de riscos e rabiscos.
Este tema da importância do desenho e a análise e pesquisa sobre essa
linguagem são feitas inicialmente pelos psicólogos no final do sec. XIX que descobrem
a originalidade dos desenhos infantis e publicam as primeiras notas e observações
sobre o assunto do desenho infantil, esses pesquisadores distinguiram diversas
concepções pedagógicas para desvendar o que ocorre quando elas desenham.
Então quanto maior a diversidade e riqueza de experiências que lhe são
oferecidas, maior o grau de progressão da criança dentro dos estágios evolutivos do
desenho, pois aprende a lidar de modo cada vez mais ordenado com seus sistema
psíquico motor que segue um percurso individual de acordo com sua capacidade.
As concepções relativas a infância modificaram-se progressivamente. A
descoberta de leis próprias da psique infantil a demonstração da originalidade de seu
desenvolvimento, levaram a admitir a especificidade desse universo. Modo de
expressão próprio da criança o desenho constitui uma língua que possui vocabulário e
sua sintaxe.
O desenvolvimento progressivo do desenho implica mudanças significativas que,
no início, dizem respeito a passagem dos rabiscos iniciais da garatuja, para a
construção cada vez mais ordenada fazendo surgir os primeiros símbolos. Essa
passagem é possível graças as interações da criança com o ato de desenhar e com os
desenhos de outras crianças. Na garatuja a criança tem como hipótese que o desenho
é simplesmente uma ação sobre uma superfície e ela sente prazer ao constatar os
efeitos visuais que essa ação produziu. No decorrer do tempo, as garatujas que
refletiam sobretudo o prolongamento de movimentos rítmicos de ir e vir, transformam-se
em formas definidas que apresentam maior ordenação, e podem estar se referindo a
objetos naturais, objetos imaginários ou outros desenhos.
A linguagem do desenho e a arte em geral contribui para que o educando
estabeleça relações, desenvolva estratégias conheça a arte de outras culturas,
reconheça objetos e formas presentes no ambiente em que está inserido, compreenda
o mundo em um foco poético, percebendo a possibilidade de transformação e
flexibilidade. A arte solicita a visão, a escuta e os demais sentidos como portas de
entrada para a compreensão mais significativa das questões sociais.
Então podemos concluir que como professores de artes devemos disponibilizar
vasta gama de experiência em expressões artísticas favorecendo o desenvolvimento e
aprendizagem de uma forma mais ampla, aumentando a criatividade e ajudando de
diversas maneiras nos processos evolutivos da criança.
REFERÊNCIAS:
CAVALCANTI, Zélia. Arte na sala de aula. Porto Alegre: Artes Médicas, 1995.
DEWEY, J. Teruma experiência. In: DEWEY, J. Arte como experiência. p. 109-141.
São Paulo: Martins Fontes, 2010.
HUYGHE, René. Os poderes da imagem. Editora Difel, 1965.
SANTOS, V. T. ; BATISTA, F. C. R. M.; O desenvolvimento da criança na educação
infantil por meio do desenho. R. Eletr. Cient. Inov. Tecnol, Medianeira, v.8 n.17 2017.
E – 4794.
Disponível em: <https://periodicos.utfpr.edu.br/recit>. Acesso em: 2020.
LOWENFELD, V. Desenvolvimento da capacidade criadora. São Paulo: Mestra Jou,
1977.
GUTH, C. O desenho da criança: Valorizações da expressão Gráfica na educação
Infantil. Universidade Regional do Noroeste do estado do Rio Grande do sul-Campus
IJUÍ, RS.2013
Disponível em: <https://bibliodigital.unijui.edu.br:8443/xmlui/bitstream/handle/123456789
/1756/Camila%20Korb%20Guth.pdf?sequence=1&isAllowed=y>. Acesso em: 2020.
Bombonato, G.; Farago,A. As etapas do desenho infantil segundo autores
contemporâneos.Centro Universitário UNIFAFIBE – Bebedouro SP .2016
Disponível em: < http://unifafibe.com.br/revistasonline/arquivos/cadernodeeducacao/
sumario/40/ /30042016104546.pdf>. Acesso em: 2020.

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Artigo o desenho no desenvolvimento infantil

A INVESTIGAÇÃO DA CULTURA VISUAL E SUA INFLUÊNCIA NA FORMAÇÃO DE POÉTICAS IND...
A INVESTIGAÇÃO DA CULTURA VISUAL E SUA INFLUÊNCIA NA FORMAÇÃO DE POÉTICAS IND...A INVESTIGAÇÃO DA CULTURA VISUAL E SUA INFLUÊNCIA NA FORMAÇÃO DE POÉTICAS IND...
A INVESTIGAÇÃO DA CULTURA VISUAL E SUA INFLUÊNCIA NA FORMAÇÃO DE POÉTICAS IND...
Vis-UAB
 
Projeto desenho completo
Projeto desenho completoProjeto desenho completo
Projeto desenho completo
Rose Silva
 
Meu tcc
Meu tccMeu tcc
35 127-1-pb
35 127-1-pb35 127-1-pb
35 127-1-pb
marleneevang
 
Apresentação do projeto de maria de jesus 07.02
Apresentação  do projeto de maria de jesus 07.02Apresentação  do projeto de maria de jesus 07.02
Apresentação do projeto de maria de jesus 07.02
Dani Barbosa
 
Aline eliane
Aline elianeAline eliane
Aline eliane
Fernando Pissuto
 
Artigo 1 desenho.pdf
Artigo 1 desenho.pdfArtigo 1 desenho.pdf
Artigo 1 desenho.pdf
Andrea Nogueira
 
Spe 2013 novo_ef71_arte_programacao
Spe 2013 novo_ef71_arte_programacaoSpe 2013 novo_ef71_arte_programacao
Spe 2013 novo_ef71_arte_programacao
Simoni Santos
 
Artes visuais: desenho e pintura
Artes visuais: desenho e pinturaArtes visuais: desenho e pintura
Artes visuais: desenho e pintura
lechemi
 
Artigo - A utilização das pinturas renascentistas em sala de aula através do ...
Artigo - A utilização das pinturas renascentistas em sala de aula através do ...Artigo - A utilização das pinturas renascentistas em sala de aula através do ...
Artigo - A utilização das pinturas renascentistas em sala de aula através do ...
PIBID HISTÓRIA
 
-Textos-de-Apoio-DesenhoInfantil.pdf
-Textos-de-Apoio-DesenhoInfantil.pdf-Textos-de-Apoio-DesenhoInfantil.pdf
-Textos-de-Apoio-DesenhoInfantil.pdf
Vanessa Gontscharow
 
A arte como um direito da criança - o papel do professor na construção de um ...
A arte como um direito da criança - o papel do professor na construção de um ...A arte como um direito da criança - o papel do professor na construção de um ...
A arte como um direito da criança - o papel do professor na construção de um ...
Ateliê Giramundo
 
A arte como um direito da criança - o papel do professor na construção de um ...
A arte como um direito da criança - o papel do professor na construção de um ...A arte como um direito da criança - o papel do professor na construção de um ...
A arte como um direito da criança - o papel do professor na construção de um ...
Ateliê Giramundo
 
Projeto.doc teatro na ed. infantil
Projeto.doc teatro na ed. infantilProjeto.doc teatro na ed. infantil
Projeto.doc teatro na ed. infantil
Cecília Alcântara
 
Ensino moda anelise_fonseca
Ensino moda anelise_fonsecaEnsino moda anelise_fonseca
Ensino moda anelise_fonseca
Thayani Moraes Damiani
 
PCN Ensino Fundamental - 1a a 4a serie
PCN Ensino Fundamental - 1a a 4a seriePCN Ensino Fundamental - 1a a 4a serie
PCN Ensino Fundamental - 1a a 4a serie
corescolar
 
Projeto de desenho apresentação
Projeto de desenho apresentaçãoProjeto de desenho apresentação
Projeto de desenho apresentação
Rose Silva
 
CompreensãO Dos Interesses E Necessidades Das Crianca E A Diversidade, A Incl...
CompreensãO Dos Interesses E Necessidades Das Crianca E A Diversidade, A Incl...CompreensãO Dos Interesses E Necessidades Das Crianca E A Diversidade, A Incl...
CompreensãO Dos Interesses E Necessidades Das Crianca E A Diversidade, A Incl...
infoedu
 
Arte, infância e formação de professores
Arte, infância e formação de professoresArte, infância e formação de professores
Arte, infância e formação de professores
Convenção Cimadeba
 
Curadoria educativa inventando conversas - Mirian Celeste Martins
Curadoria educativa inventando conversas - Mirian Celeste MartinsCuradoria educativa inventando conversas - Mirian Celeste Martins
Curadoria educativa inventando conversas - Mirian Celeste Martins
Andréia De Bernardi
 

Semelhante a Artigo o desenho no desenvolvimento infantil (20)

A INVESTIGAÇÃO DA CULTURA VISUAL E SUA INFLUÊNCIA NA FORMAÇÃO DE POÉTICAS IND...
A INVESTIGAÇÃO DA CULTURA VISUAL E SUA INFLUÊNCIA NA FORMAÇÃO DE POÉTICAS IND...A INVESTIGAÇÃO DA CULTURA VISUAL E SUA INFLUÊNCIA NA FORMAÇÃO DE POÉTICAS IND...
A INVESTIGAÇÃO DA CULTURA VISUAL E SUA INFLUÊNCIA NA FORMAÇÃO DE POÉTICAS IND...
 
Projeto desenho completo
Projeto desenho completoProjeto desenho completo
Projeto desenho completo
 
Meu tcc
Meu tccMeu tcc
Meu tcc
 
35 127-1-pb
35 127-1-pb35 127-1-pb
35 127-1-pb
 
Apresentação do projeto de maria de jesus 07.02
Apresentação  do projeto de maria de jesus 07.02Apresentação  do projeto de maria de jesus 07.02
Apresentação do projeto de maria de jesus 07.02
 
Aline eliane
Aline elianeAline eliane
Aline eliane
 
Artigo 1 desenho.pdf
Artigo 1 desenho.pdfArtigo 1 desenho.pdf
Artigo 1 desenho.pdf
 
Spe 2013 novo_ef71_arte_programacao
Spe 2013 novo_ef71_arte_programacaoSpe 2013 novo_ef71_arte_programacao
Spe 2013 novo_ef71_arte_programacao
 
Artes visuais: desenho e pintura
Artes visuais: desenho e pinturaArtes visuais: desenho e pintura
Artes visuais: desenho e pintura
 
Artigo - A utilização das pinturas renascentistas em sala de aula através do ...
Artigo - A utilização das pinturas renascentistas em sala de aula através do ...Artigo - A utilização das pinturas renascentistas em sala de aula através do ...
Artigo - A utilização das pinturas renascentistas em sala de aula através do ...
 
-Textos-de-Apoio-DesenhoInfantil.pdf
-Textos-de-Apoio-DesenhoInfantil.pdf-Textos-de-Apoio-DesenhoInfantil.pdf
-Textos-de-Apoio-DesenhoInfantil.pdf
 
A arte como um direito da criança - o papel do professor na construção de um ...
A arte como um direito da criança - o papel do professor na construção de um ...A arte como um direito da criança - o papel do professor na construção de um ...
A arte como um direito da criança - o papel do professor na construção de um ...
 
A arte como um direito da criança - o papel do professor na construção de um ...
A arte como um direito da criança - o papel do professor na construção de um ...A arte como um direito da criança - o papel do professor na construção de um ...
A arte como um direito da criança - o papel do professor na construção de um ...
 
Projeto.doc teatro na ed. infantil
Projeto.doc teatro na ed. infantilProjeto.doc teatro na ed. infantil
Projeto.doc teatro na ed. infantil
 
Ensino moda anelise_fonseca
Ensino moda anelise_fonsecaEnsino moda anelise_fonseca
Ensino moda anelise_fonseca
 
PCN Ensino Fundamental - 1a a 4a serie
PCN Ensino Fundamental - 1a a 4a seriePCN Ensino Fundamental - 1a a 4a serie
PCN Ensino Fundamental - 1a a 4a serie
 
Projeto de desenho apresentação
Projeto de desenho apresentaçãoProjeto de desenho apresentação
Projeto de desenho apresentação
 
CompreensãO Dos Interesses E Necessidades Das Crianca E A Diversidade, A Incl...
CompreensãO Dos Interesses E Necessidades Das Crianca E A Diversidade, A Incl...CompreensãO Dos Interesses E Necessidades Das Crianca E A Diversidade, A Incl...
CompreensãO Dos Interesses E Necessidades Das Crianca E A Diversidade, A Incl...
 
Arte, infância e formação de professores
Arte, infância e formação de professoresArte, infância e formação de professores
Arte, infância e formação de professores
 
Curadoria educativa inventando conversas - Mirian Celeste Martins
Curadoria educativa inventando conversas - Mirian Celeste MartinsCuradoria educativa inventando conversas - Mirian Celeste Martins
Curadoria educativa inventando conversas - Mirian Celeste Martins
 

Último

347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
AntnioManuelAgdoma
 
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdfCADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
NatySousa3
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
Pastor Robson Colaço
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
LucianaCristina58
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinhaatividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
Suzy De Abreu Santana
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
livrosjovert
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
Funções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prismaFunções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prisma
djincognito
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
QUIZ - HISTÓRIA 9º ANO - PRIMEIRA REPÚBLICA_ERA VARGAS.pptx
QUIZ - HISTÓRIA  9º ANO - PRIMEIRA REPÚBLICA_ERA VARGAS.pptxQUIZ - HISTÓRIA  9º ANO - PRIMEIRA REPÚBLICA_ERA VARGAS.pptx
QUIZ - HISTÓRIA 9º ANO - PRIMEIRA REPÚBLICA_ERA VARGAS.pptx
AntonioVieira539017
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
ValdineyRodriguesBez1
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
MessiasMarianoG
 
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
sthefanydesr
 

Último (20)

347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
 
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdfCADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
 
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinhaatividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
Funções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prismaFunções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prisma
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
QUIZ - HISTÓRIA 9º ANO - PRIMEIRA REPÚBLICA_ERA VARGAS.pptx
QUIZ - HISTÓRIA  9º ANO - PRIMEIRA REPÚBLICA_ERA VARGAS.pptxQUIZ - HISTÓRIA  9º ANO - PRIMEIRA REPÚBLICA_ERA VARGAS.pptx
QUIZ - HISTÓRIA 9º ANO - PRIMEIRA REPÚBLICA_ERA VARGAS.pptx
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
 
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
 

Artigo o desenho no desenvolvimento infantil

  • 1. FACULDADE DOM ALBERTO ARTES VISUAIS Ariana Limonta Soares As etapas do desenho infantil e sua contribuição para a criatividade e aprendizagem Ribeirão Preto 2020
  • 2. AS ETAPAS DO DESENHO INFANTIL E SUA CONTRIBUIÇÃO PARA A CRIATIVIDADE E APRENDIZAGEM. RESUMO O tema de investigação da pesquisa se refere ao desenvolvimento do grafismo infantil, sua categoria conforme autores que pesquisaram o tema, e como o desenho na fase da infância contribui para uma melhor aprendizagem e formas de expressão e criatividade. A pesquisa é bibliográfica e explicativa através da análise dos desenhos obtidos em campo e de referências e dos autores que abordaram o tema. Através dos desenhos, de suas criações e desenvolvimento de cada etapa esta sugerida conforme a abordagem de autores da área despertam a imaginação e expressividade conforme as práticas artísticas aproximando assim os processos de ensino. Conforme demonstrado nas análises percebe-se que o desenho favorece a contribuição para o desenvolvimento da criatividade, ludicidade, cognição, autonomia e desenvoltura do aluno para a expressão, a liberdade de criação entre outros. PALAVRAS-CHAVE: Desenho, etapas, criatividade, desenvolvimento e aprendizagem.
  • 3. 1 INTRODUÇÃO Através desta pesquisa será verificado a importância do desenho para o desenvolvimento infantil, para a criatividade, a fruição e construção de pensamentos, na desenvoltura escolar e também para a vida em sociedade, demostrando como as expressões artísticas e a liberdade de criação podem influenciar para um desenvolvimento sádio e contextualizado para o aprendizado. Assim através das análises realizadas no decorrer do trabalho poderemos observar as características e classificações de cada etapa do desenho infantil e como essas etapas contribuem para a ampliação da criatividade, do raciocínio lógico e para uma melhoria no desenvolvimento cognitivo. As artes na vida desde a etapa infantil, logo nos primeiros rabiscos e grafismos instigam a imaginação, o florescer do pensamento investigativo e autônomo para maior crescimento crítico e melhor desenvolvimento das crianças. A investigação da pesquisa identificará como os desenhos e sua evolução, o poder da imagem e sua importância, mediados pelo professor, caracterizando a liberdade de criação, a imaginação infantil que enriquecem o desenvolvimento da criatividade, ludicidade, cognição, autonomia e desenvoltura para expressão e segurança em falar em público, favorece a aprendizagem da criança e sua desenvoltura na vida. As hipóteses levantadas ao longo da pesquisa serão feitas através da seleção dos meios mais adequados para obter indicações ou conclusões acerca da indagação proposta. Os métodos a serem aplicados basearam-se na pesquisa bibliográfica, como o poder da imagem, Arte como experiência, John Dewey e o ensino da Arte no Brasil, a interpretação da imagem, Arte na sala de aula, entre outras referências, como também baseará em coleta de dados no campo de atuação, através de análise documental, observações entre outros. Segundo Dewey, a emoção é a força motriz e consolidante, seleciona o que é congruente e pinta com suas cores o que é escolhido, com isso, confere uma unidade qualitativa a materiais externamente dispares e dessemelhantes. Assim como o gravador, o pintor e o escritor encontram-se no processo de contemplar algo a cada
  • 4. etapa de seu trabalho. A cada momento tem de preservar e resumir o que se deu antes como um todo e com referência ao que virá, caso contrário, não há coerência, nem segurança em seus atos sucessivos. A sucessão de feituras no ritmo da experiência confere variedade e movimento e protege o trabalho da monotonia, e conforme descrito, pode-se perceber que a realização de desenhos em Artes farão parte de um processo contínuo das crianças contemplando cada etapa. As representações sobre o objeto desenho, que guiarão a ação do desenhista, dependem por um lado, de oportunidades de interação no meio sócio cultural e, por outro lado, da sua ação sobre desenhos. As representações constroem-se nas ações inter e intrasubjetivas e transformam- se ao longo do crescimento da criança, sofrendo tanto limites impostos pelo estágio cognitivo do sujeito como a influência dos modelos presentes no meio sócio cultural. Os meios de comunicação também aceleram as trocas imagéticas entre povos distintos, aproximando seus repertórios. As representações sobre o desenho estão relacionadas às oportunidades de fazer e pensar sobre o desenho no meio ambiente (sócio interação) e o trabalho pessoal individual com as próprias representações, evolução do próprio pensamento, que garantem a construção do conhecimento. O convívio com as imagens enriquece o imaginário e estimula a produção. O objetivo do artigo é caracterizar e analisar como a Arte e sua representação nos desenhos e suas etapas de evolução, estudadas por autores e psicólogos abordando o universo mundo infantil, contribuem e desenvolvem de maneira a ampliar a desenvoltura e expressão comunicativa dos alunos Investigar com base na pesquisa exploratória, descritiva e explicativa dos processos de conhecimento, por meio da criatividade e imaginação atribuídas na infância, identificando e descobrindo os mecanismos a partir da Arte, como desenhos e ilustrações da literatura infantil, que podem impulsionar maior esclarecimento, conhecimento e ampliação no desenvolvimento gerando uma produtividade vantajosa na qual poderão usufruir para um maior desempenho pessoal.
  • 5. 2 AS FASES DOS DESENHOS E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A APRENDIZAGEM Vamos abordar através de pesquisas bibliográficas de autores e análise de imagens coletadas nas aulas remotas como a evolução do desenho acontece, o que caracteriza cada etapa e a sua importância ao longo do percurso de aprendizado. Segundo Dewey, antigamente na época da arte clássica na Grécia, a arte fazia parte da vida significativa da comunidade organizada. Não tinham então nenhuma ligação peculiar com teatros, galerias e museus, essas artes do drama, da música, da pintura e do teatro era parte da vida coletiva. Percebe-se atualmente uma segregação e compartimentalização da arte, esta segregação apresenta-se como que da vida comum reflete o fato de que elas não fazem parte de uma cultura inata e espontânea. Para John Dewey as teorias que isolaram a arte e sua apreciação, colocando-as em um campo próprio, desvincula as outras modalidades do experimentar. O experimentar é peça fundamental na aquisição de conhecimentos, reflexões e desenvolvimentos. A história da separação e da oposição nítida e final entre o útil e o belo é a história do desenvolvimento industrial, mediante o qual grande parte da produção se tornou uma forma de vida adiada e grande parte do consumo tornou-se um prazer superposto aos frutos do trabalho alheio. Não há limite para a capacidade de a experiência sensorial imediata absorver em si significados e valores que em si e por si, isto é, em termos abstratos seriam designados como ideais ou espirituais. Toda obra de arte segue o plano e o padrão de uma experiência completa, fazendo que ela seja sentida de maneira mais intensa e concentrada. Assim como Dewey aborda que a arte faz parte da própria vida, em seu percurso, em cada etapa do processo, em cada reflexão, podemos retirar que essa separação da arte como obra de arte e produto final como ele diz exposto em galerias e museus em pedestais criou-se uma separação da arte como esse conceito de arte e a experiência na prática, antes do produto final, antes de separar o que é ou não arte esse processo, essa forma sensorial de consolidar e expressar de forma ampla cada etapa é que necessita ser mais valorizada , estudada e vivida.
  • 6. Em cada etapa e evolução do aprendizado precisamos valorizar e interpretar cada uma dessas etapas e as suas vantagens, sentindo o processo como um todo, percorrendo a experiência adquirida e valorizando-a para cada fase. No ensino de arte para maior estimulação as crianças é aconselhável o acesso as expressões artísticas, que se dá tanto dentro como fora da escola, onde o fazer é realizado através do conhecimento também de outros produtores. O desenho cultivado aproxima os processos de criação de todas as áreas do conhecimento. Situa a arte como conhecimento, expressão e técnica cuja realização depende de busca ativa da criança frente a natureza e a outros indivíduos desde seus estágios iniciais ( Cf. Bosi,1986) O sujeito vai construindo progressivamente suas teorias sobre desenho a partir da interação com outras produções que observa, incluindo também as suas próprias produções. Acontece mudanças dessas teorias seguindo uma ordem de sucessão em direção a níveis de desenvolvimento cada vez mais avançados. A concretização dessas transformações realiza-se porque existe uma tendência de busca de explicações cada vez mais complexas, que provocam conflitos e desiquilíbrio em suas teorias, gerando teorias novas e mais avançadas que englobam as anteriores. Suas representações vão sendo assim, paulatinamente, substituídas por novas concepções resultantes da pressão exercida pelo próprio objeto de conhecimento. As representações sobre o desenho estão relacionadas às oportunidades de fazer e pensar sobre o desenho no meio ambiente (sócio-interação). E aprendizagem também ocorre nas situações em que o sujeito age sobre suas próprias representações, transformando-as. (trabalho pessoal). Ao longo do desenvolvimento das produções gráficas o desenho vai passando por processos de maturação. A forma como a criança é estimulada a se expressar nos primeiros anos é fundamental para o seu desenvolvimento físico, cognitivo e emocional. Para as crianças no estágio da educação infantil, o desenho pode servir como uma linguagem da expressão dos sentimentos. O desenho como forma de expressão subjetiva faz parte do crescimento físico, do desenvolvimento cognitivo e emocional da criança. Através do desenho a criança desenvolve o senso de observação, a diversidade de cores, formas, texturas, e entrar em contanto com os diversos materiais.
  • 7. O desenho pode ser considerado uma das maneiras mais eficientes de comunicação, uma forma de expressão pessoal enquanto ainda não há o domínio da linguagem escrita e oral. Derdick (1989) relata que o desenho assumiu para o homem das cavernas, seja no desenvolvimento para a construção de maquinários no início da era industrial , seja na aplicação mais elaborada para o desenho industrial e a arquitetura, seja na função da comunicação que o desenho exerce na ilustração, na história em quadrinhos, o desenho reclama a sua autonomia a sua capacidade de abrangência como um meio de comunicação, expressão e conhecimento. Desse modo a produção gráfica de uma criança pode ser o momento dela deixar o seu inconsciente falar e através dele poder desvendar aspectos de sua personalidade. Através dos estudos de Lowenfeld e Piaget apresentaremos as classificações segundo esses autores sobre as fases evolutivas para o desenho infantil. Fase das garatujas Se divide em garatuja desordenada, ordenada e nomeada: 1-Garatuja desordenada: Nesta fase a não tem consciência do traço-gesto, não olha o que faz e o seu prazer está em riscar e explorar o material. Os movimento são de vai e vem, e em muitos casos o corpo acompanha o movimento. Nesta fase está em desenvolvimento a coordenação motora, é a fase sensorial motora, os movimentos são grandes e desordenados, não existe uma preocupação com a preservação dos traços que são cobertos por rabiscos várias vezes. É uma atividade prazerosa sem representação. Na fase da garatuja a criança rabisca pelo prazer de rabiscar, de gesticular, o grafismo que daí surge é essencialmente motor, orgânico, biológico e rítmico. Oferecer papéis de preferência brancos, folhas grandes, lápis de cera, canetas hidrográficas, pincéis grossos e tintas espessas são melhores nesta fase de caráter sinestésico. São rabiscos que expressam movimentos aleatórios e espontâneos.
  • 8. Figura 1:Garatuja desordenada Fonte: https://projectobrincareaprender.wordpress.com/2015/06/24/o-desenho-infantil-garatuja/ Figura 2: Garatuja desordenada Fonte:http://educarnocliquedomouse.blogspot.com/2012/02/desenho-infantil-um-simples-rabisco.html 2-Garatuja Ordenada Nesta fase a criança descobre que há uma relação do seu gesto com os traços que faz no papel. Assim, passa a olhar o que faz, controlando o tamanho, a forma e a localização no papel. Começa também a fechar suas figuras em forma de círculos ou espiral. Os movimentos surgem de forma imaginária, começando a surgir o interesse pelas formas. Nesta fase a criança começa a contar histórias no seu desenho, ela diz o que vai desenhar mas ainda não existe uma relação fixa entre o objeto e sua representação. Passa do traçado contínuo ao descontinuo tentando controlar os movimentos vai e vem.
  • 9. Figura 3: Garatuja Ordenada Fonte: https://www.historiadasartes.com/sala-dos-professores/vamos-garatujar/ Figura 4: Garatuja Ordenada Fonte: http://educarnocliquedomouse.blogspot.com/2012/02/desenho-infantil-um-simples-rabisco.html 3- Garatuja Nomeada A criança distribui melhor os traços no papel, anuncia o que vai fazer, descreve o que fez, relaciona o desenho com o que vê ou viu, começa a dar forma a figura do ser humano. Acontece geralmente no terceiro ano de vida. A criança passa a fazer ligação entre seus movimentos e o mundo que a rodeia, por isso a atribuição de nomes as garatujas. Ela muda do pensamento sinestésico para o imaginativo, pondo intenção no que desenha.
  • 10. Figura 5: Garatuja Nomeada Fonte: http://educarnocliquedomouse.blogspot.com/2012/02/desenho-infantil-um-simples-rabisco.html Figura 6: Garatuja nomeada Fonte: http://educarnocliquedomouse.blogspot.com/2012/02/desenho-infantil-um-simples-rabisco.html 4- Fase Pré- Esquemática De 4 a 7 anos os movimentos circulares evoluem para formas reconhecíveis, passando para uma configuração representativa definida. Os desenhos apresentam formas mais elaboradas, podendo chegar a desenhar uma figura humana bem formada.
  • 11. Descobre a relação entre desenho, pensamento e realidade, os objetos ficam dispersos no desenho e não são relacionados entre si. É uma etapa egocêntrica. Figura 7: Fase Pré - esquemática Figura 8: Fonte: arquivos jpg de desenhos de alunos enviados no grupo whatzap das aulas remotas no município de Serrana- SP. Figura 9:Fase Pré - esquemática Fonte: arquivo jpg de desenho de aluno enviado no grupo whatzap das aulas remotas no município de Serrana- SP.
  • 12. 5- Fase Esquemática De 7 a 9 anos a representação gráfica das figuras humanas evolui em complexidade e organização. Desenha uma linha de base e a relação de cor do objeto. Faz parte da fase das operações concretas. Mudança da atitude egocêntrica para a cooperação. Seus desenhos e realizações expressivas apresentam seus conceitos, percepções e sentimentos em relação ao meio, como também possibilita ao adulto compreender melhor a criança. Figura 10: Fase esquemática Fonte: arquivo jpg de desenho de aluna enviado no grupo whatzap das aulas remotas no município de Serrana- SP.
  • 13. Figura 11 e 12: Fase esquemática Fonte: arquivos jpg de desenhos de alunos enviados no grupo whatzap das aulas remotas no município de Serrana- SP. Figura 13,14 e 15: Fase esquemática Fonte: arquivos jpg de desenhos de alunos enviados no grupo whatzap das aulas remotas no município de Serrana- SP.
  • 14. 6- Fase do Realismo Dos 9 aos 12 anos ela desenvolve maior conscientização e interesse pelos detalhes e maior consciência visual. Torna-se crítica nos seus desenhos e nos desenhos dos colegas. Os traços são mais firmes e conseguem demonstrar mais informações. Desenham com formas mais geométricas e proporcional. Inicia a investigação da sua própria personalidade, aparecem muito o realismo, a objetividade e o uso consciente da cor. Figura 16: Fase do Realismo Fonte: arquivo jpg de desenho de aluno enviado no grupo whatzap das aulas remotas no município de Serrana- SP.
  • 15. Figura 17: Fase do Realismo Fonte: arquivo jpg de desenho de aluno enviado no grupo whatzap das aulas remotas no município de Serrana-SP. Figura 18: Fase do Realismo Fonte: arquivo jpg de desenho de aluno enviado no grupo whatzap das aulas remotas no município de Serrana - SP.
  • 16. Figura 19: Fase do Realismo Fonte: arquivo jpg de desenho de aluno enviado no grupo whatzap das aulas remotas no município de Serrana- SP. Para Gardner (1994) as crianças adquirem gradativamente uma competência simbólica. É importante considerar a criança a intérprete do seu próprio desenho, deixar ela falar sobre sua produção para que possa ter melhor compreensão do seu significado. O ato de desenhar envolve a atividade criadora e é através dessas atividades que a criança desenvolve sua própria liberdade e iniciativa, podendo expressar-se como indivíduo. As linguagens artísticas proporcionam oportunidades possibilitando a ampliação de conhecimentos, imaginação e melhor desenvolvimento. CONCLUSÃO São várias as contribuições dos desenhos para o desenvolvimento da criança como expressão das emoções, a comunicação, ficar mais observadora, desenvolve o autoconhecimento, melhora a coordenação motora, tem função terapêutica, construção mental.
  • 17. Na esfera infantil, segundo Vygotsky, o desenho pode demostrar uma forma de percepção e internalização de significados da sociedade pela criança. Desenhar é uma atividade que trabalha com a linguagem, atitude, conhecimento e apropriação de idéias e incita a imaginação elementos importantes para a subjetividade infantil. Quando a criança desenha ela brinca, canta e se sente livre para expressar suas ideias. O desenho também é primordial para a aquisição da linguagem escrita. Podemos afirmar que o desenho, o pensamento e o sentimento caminham juntos. Neste contexto devemos priorizar a criatividade e liberdade de criação da criança e sua evolução e através do desenho que é uma linguagem e a intenção dessa linguagem no ensino infantil é que cada criança tenha a liberdade de se expressar como sabe, obtendo o seu espaço lúdico e se afirmando como ser humano. Percebe-se também que com o passar do tempo e com os estímulos oferecidos a criança que o desenho evolui, passa a ter formas mais precisas até que enfim apresente figuras mais nítidas e bem definidas. A forma que a criança desenha expressa o seu nível emocional, intelectual e perspectivo que são representações inseridas num dado contexto cultural informando suas experiências individuais. Quanto mais a criança desenha, mais ela vai formulando suas ideias e expressando seus sentimentos através de riscos e rabiscos. Este tema da importância do desenho e a análise e pesquisa sobre essa linguagem são feitas inicialmente pelos psicólogos no final do sec. XIX que descobrem a originalidade dos desenhos infantis e publicam as primeiras notas e observações sobre o assunto do desenho infantil, esses pesquisadores distinguiram diversas concepções pedagógicas para desvendar o que ocorre quando elas desenham. Então quanto maior a diversidade e riqueza de experiências que lhe são oferecidas, maior o grau de progressão da criança dentro dos estágios evolutivos do desenho, pois aprende a lidar de modo cada vez mais ordenado com seus sistema psíquico motor que segue um percurso individual de acordo com sua capacidade. As concepções relativas a infância modificaram-se progressivamente. A descoberta de leis próprias da psique infantil a demonstração da originalidade de seu desenvolvimento, levaram a admitir a especificidade desse universo. Modo de expressão próprio da criança o desenho constitui uma língua que possui vocabulário e sua sintaxe.
  • 18. O desenvolvimento progressivo do desenho implica mudanças significativas que, no início, dizem respeito a passagem dos rabiscos iniciais da garatuja, para a construção cada vez mais ordenada fazendo surgir os primeiros símbolos. Essa passagem é possível graças as interações da criança com o ato de desenhar e com os desenhos de outras crianças. Na garatuja a criança tem como hipótese que o desenho é simplesmente uma ação sobre uma superfície e ela sente prazer ao constatar os efeitos visuais que essa ação produziu. No decorrer do tempo, as garatujas que refletiam sobretudo o prolongamento de movimentos rítmicos de ir e vir, transformam-se em formas definidas que apresentam maior ordenação, e podem estar se referindo a objetos naturais, objetos imaginários ou outros desenhos. A linguagem do desenho e a arte em geral contribui para que o educando estabeleça relações, desenvolva estratégias conheça a arte de outras culturas, reconheça objetos e formas presentes no ambiente em que está inserido, compreenda o mundo em um foco poético, percebendo a possibilidade de transformação e flexibilidade. A arte solicita a visão, a escuta e os demais sentidos como portas de entrada para a compreensão mais significativa das questões sociais. Então podemos concluir que como professores de artes devemos disponibilizar vasta gama de experiência em expressões artísticas favorecendo o desenvolvimento e aprendizagem de uma forma mais ampla, aumentando a criatividade e ajudando de diversas maneiras nos processos evolutivos da criança. REFERÊNCIAS: CAVALCANTI, Zélia. Arte na sala de aula. Porto Alegre: Artes Médicas, 1995. DEWEY, J. Teruma experiência. In: DEWEY, J. Arte como experiência. p. 109-141. São Paulo: Martins Fontes, 2010. HUYGHE, René. Os poderes da imagem. Editora Difel, 1965. SANTOS, V. T. ; BATISTA, F. C. R. M.; O desenvolvimento da criança na educação infantil por meio do desenho. R. Eletr. Cient. Inov. Tecnol, Medianeira, v.8 n.17 2017. E – 4794. Disponível em: <https://periodicos.utfpr.edu.br/recit>. Acesso em: 2020.
  • 19. LOWENFELD, V. Desenvolvimento da capacidade criadora. São Paulo: Mestra Jou, 1977. GUTH, C. O desenho da criança: Valorizações da expressão Gráfica na educação Infantil. Universidade Regional do Noroeste do estado do Rio Grande do sul-Campus IJUÍ, RS.2013 Disponível em: <https://bibliodigital.unijui.edu.br:8443/xmlui/bitstream/handle/123456789 /1756/Camila%20Korb%20Guth.pdf?sequence=1&isAllowed=y>. Acesso em: 2020. Bombonato, G.; Farago,A. As etapas do desenho infantil segundo autores contemporâneos.Centro Universitário UNIFAFIBE – Bebedouro SP .2016 Disponível em: < http://unifafibe.com.br/revistasonline/arquivos/cadernodeeducacao/ sumario/40/ /30042016104546.pdf>. Acesso em: 2020.