SlideShare uma empresa Scribd logo
E E PROFESSOR UACURY RIBEIRO DE ASSIS BASTOS

JUSTIFICATIVA
       A escola é a instituição vista como espaço, por excelência, da educação formal, pare-
ce inconteste, embora outros agentes possam dar uma contribuição complementar. Atender a
todos, indistintamente quanto ao gênero, etnia, credo, classe social e demais diversidades,
sob a ótica da educação como direito humano.

       Desenvolver competências e habilidades, onde os conteúdos deixam de ser um fim
em si mesmos; o professor passa de transmissor do conhecimento a facilitador da aprendiza-
gem a avaliação, de classificatória e excludente, se transforma em instrumento para guiar
intervenções pedagógicas; e o aluno, antes passivo, vira participante ativo na construção do
próprio conhecimento.

        ―Existe uma grande expectativa de transformação social por meio da transformação
pessoal que a Educação proporciona―, diz Nora Rut Krawczyk, professora de Sociologia da
Educação da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). ―Essa é a promessa da escola
como instituição.‖ Fernando Almeida, professor da Pontifícia Universidade Católica de São
Paulo e ex-secretário da Educação da capital paulista, afirma: ―O que se quer é formar vida
inteligente dentro do organismo escolar‖.

        É imprescindível o envolvimento dos gestores, professores e funcionários; no trabalho
em equipe, de aprender a ensinar, de construir e planejar, analisar, planejar e desenvolver
atividades que partem dos múltiplos olhares da criança, do jovem e adulto, dentro da realida-
de que encontramos aqui nesta escola. A escola não se limita mais a simples instrução, mas
coopera cada vez mais com outros setores da comunidade, com vistas preparação dos jo-
vens para a vida social, familiar e profissional, considerando ainda a grande carga que muitas
famílias depositam na escol, incumbindo-a da educação formal e da instituição de valores,
que deveriam ter sua base formada em casa. Esta consciência sobre a função social e a im-
portância das representações que permeia as relações no âmbito da escola, deve ser aliada
ao diagnóstico daquilo que pudemos observar freqüentemente, flexibilizando objetivos e re-
vendo constantemente procedimento e metas, interferindo no reforço de estímulos ou na mu-
dança da práxis. O desafio é o de proporcionarmos condições para a descoberta e desenvol-
vimento das potencialidades, competências e habilidades. Neste sentido este documento
permite conhecer, estabelecer, nortear, acompanhar, avaliar, refletir, envolver, interagir e sis-
tematizar conteúdos, ações e atividades que possam melhorar o processo de ensino e a-
prendizagem.




                                                                                              15
E E PROFESSOR UACURY RIBEIRO DE ASSIS BASTOS

OBJETIVOS
        A finalidade da escola hoje é formar alunos capazes de exercer a sua cidadania, com-
preendendo criticamente as realidades sociais e nelas agindo, efetivamente. Para tanto, colo-
ca-se como fundamental a construção da proficiência leitora e escritora desse aluno. A escola
é um espaço rico e apropriado para experimentar a desafiante aventura que é se propor co-
autor de um processo educativo. A co-autoria está vinculado ao auto-conhecimento do outro
e da realidade mais ampla, extrapolando a mera transmissão do saber. O professor não é
simplesmente um ―agente transmissor de cultura‖, sendo necessário repensar seu papel e
sua responsabilidade social frente as inúmeras demandas que a sociedade faz à escola, con-
siderando inclusive avaliações e críticas ao trabalho docente. Críticas que com freqüência
acabam por responsabilizá-lo pelos insucessos constatados nas avaliações; mas cientes que
muitas destas críticas não são relevantes e apresentam-se descontextualizadas, e desacom-
panhadas de sugestões e pontos de vista coerentes, o que as tornam menos credenciadas e
as limitam em termos de tratar alguma contribuição significativa.

    Quando falamos em qualidade, estamos nos referindo à uma escola que efetivamente
garanta acesso, aprendizagem de qualidade e permanência para todos os alunos. São prin-
cípios básicos, referentes à função social da escola para a ação educativa, centrados na con-
cepção de que dentro dos conteúdos que serão norteados pelo Currículo da Secretaria de
Estado da Educação ( que está disponível neste trabalho ), alicerçado nas características
próprias da unidade escolar. Dentro deste contexto a escola está orientada para preparar o
aluno a ser capaz de:

    Formar cidadãos conscientes, críticos, participativos e capazes de atuar na transfor-
     mação do meio em que vivemos;

    Permitir o resgate da historicidade, que devolve aos sujeitos o poder da palavra es-
     pontânea e consciente e promove auto-estima;

    O espaço da sala de aula transcende os limites da escola, atingindo a comunidade; O
     ensino precisa considerar os elementos culturais e valorativos, imbricados nas práti-
     cas sociais;

    As formas como os sujeitos produzem sua existência (trabalho e lazer) geram o saber
     popular que, articulado ao conteúdo escolar, promove o desenvolvimento da cultura;

    O desenvolvimento da cultura e do esporte permite aos sujeitos vislumbrarem melho-
     res condições de vida por intermédio da participação, exercitando sua cidadani-
     a.Compreender a cidadania como exercício de direitos e deveres políticos, civis e so-
     ciais, adotando, no dia a dia, atitudes de participação, solidariedade, cooperação e re-
     púdio às injustiças e a discriminações, respeitando o outro e exigindo para si o mesmo
     respeito.

    Posicionar-se de maneira crítica responsável e construtiva nas diferentes situações
     sociais, respeitando a opinião e o conhecimento produzido pelo outro, utilizando o diá-
     logo como forma de mediar conflitos e de tomar decisões coletivas; perceber-se inte-
     grante, dependente e agente transformador do ambiente, identificando seus elemen-
     tos e as interações entre eles, contribuindo ativamente para a melhoria do meio ambi-
     ente.

                                                                                          16
E E PROFESSOR UACURY RIBEIRO DE ASSIS BASTOS

    Conhecer e valorizar a pluralidade do patrimônio sócio-cultural brasileiro, posicionan-
     do-se contra qualquer discriminação baseada em diferenças culturais, de classes so-
     ciais, de crenças de sexo, etnia ou outras características individuais ou sociais.

    Conhecer características fundamentais do Brasil nas dimensões sociais, materiais e
     culturais como meio para construir progressivamente a noção de identidade nacional e
     pessoal e o sentimento de pertinência ao país.

    Utilizar diferentes linguagens – verbal, matemática, gráfica, plástica e corporal – como
     meio para expressar e comunicar suas idéias, interpretar e usufruir das produções da
     cultura.

    Utilizar a Língua Portuguesa para compreender e produzir, em contextos públicos e
     privados, mensagens orais e escritas, atendendo diferentes intenções e contextos de
     comunicação.

    Questionar a realidade formulando-se problemas e tratando de resolve-los, utilizando
     para si o pensamento lógico, a criatividade, a intuição, a capacidade de análise crítica,
     selecionando procedimentos e verificando sua adequação.

    Saber utilizar diferentes formas de informação e recursos tecnológicos para adquirir e
     construir conhecimentos.

    Conhecer e cuidar do próprio corpo, valorizando e adotando hábitos saudáveis como
     um dos aspectos básicos da qualidade de vida e agindo com responsabilidade em re-
     lação à sua saúde coletiva.

        É preciso ter em mente que a escola sozinha, isolada, não consegue desenvolver uma
proposta educativa mais ampla e que responda satisfatoriamente às novas demandas soci-
ais. O livro Gestão escolar e tecnologia, descreve que ―...Abrir-se para o exterior, conseguir
apoio e a participação da comunidade em geral faz parte de uma administração saudável e
promissora. Entretanto, isso somente poderá ser atingido quando existir uma proposta de
ação comum que dê significado e direção às atividades individuais dos agentes envolvidos”.
O trabalho do professor é a base de todo o processo. A Revista Páginas Abertas, Ano 35, nº
42, 2010 descreve: ―Motivação para o professor é a válvula mestra que irá regê-lo e colocá-lo
em ação diante de um grupo de pessoas diferentes entre si.‖,e, ―Os professores são os escul-
tores da emoção, porque é ela que determinará a qualidade dos registros que permanecerão
na memória do aluno‖. Augusto Cury diz que ―momentos educacionais são aqueles em que o
professor, ao ensinar, estimula a emoção do aprendiz por meio de brincadeiras e vivências,
tornando os conteúdos significativos para que ele se envolva, participe, se interesse e trans-
forme informação em conhecimento.‖

        Aliado ao trabalho em equipe, solidário e cooperativo permite que os objetivos globais
do ensino ministrado pela escola convergem para os fins mais amplos da educação nacional
e baseiam-se nos princípios da formação da cidadania, nos conceitos de respeito mú-
tuo, ética e conscientização de direitos e deveres, formando alunos íntegros; promover
a integração da escola-familia-comunidade, reconhecendo a liberdade de aprender, ensi-
nar, pesquisar e divulgar a cultura, o lazer, o esporte, o pensamento, a arte e o saber, garan-
tindo padrão de qualidade de ensino, a valorização do profissional da educação escolar.



                                                                                            17
E E PROFESSOR UACURY RIBEIRO DE ASSIS BASTOS

       Ainda, devemos estar atentos às novas realidades sociais , revendo conceitos e idéias
que até então nortearam os trabalhos; de forma a reinterpretar sua função e a redimensionar
seus esforços para uma ação mais efetiva; já que com o advento da revolução tecnológica
encontramos uma sociedade totalmente diversa, apresentando características que não se
assemelham às do passado. Podemos destacar:

 A competitividade é uma marca desta sociedade: a disputa é muito grande, vence o me-
  lhor, o mais preparado, o mais ágil, o mais criativo;

 Não basta ―saber‖ – o conhecimento no abstrato -, é necessário que ele esteja atrelado
  ao ―fazer‖, ou seja, o conhecimento só é importante se tiver utilidade e levar ao desenvol-
  vimento de habilidades que permitam resolver problemas concretos;

 O trabalho em equipe é importante, é fortalecedor em todos os níveis; deve, pois, ser a-
  prendido e incentivado;

 A educação é um trabalho cada vez mais complexo que envolve toda a sociedade; por-
  tanto é impossível imaginar a escola trabalhando sozinha, isolada.



ONDE QUEREMOS CHEGAR


a)     Promover a inclusão dentro das novas realidades sociais com ensino de qualidade;
garantir o acesso e permanência dos alunos e combater as causas da repetência.

b)     Formar alunos comprometidos com os problemas sociais para que sejam no futuro
adultos atuantes; e buscar a excelência no ensino e novas experiências pedagógicas.

c)    Buscar a competência leitora e escritora de todos os alunos, de forma que leiam,
compreendam e possam emitir opiniões próprias sobre diversos assuntos, temas e gêneros.

d)      Motivar e proporcionar situações para que os alunos comecem e terminem o Ensino
Médio; tenham perspectivas e conhecimentos para ingresso em universidades, conhecendo,
inclusive os programas federais (Pro Uni, Enem...) e que possam utilizar o acervo pré vestibu-
lar disponível na biblioteca.

e)       Trabalhar em ações voltadas à participação efetiva dos pais na vida escolar de seus
filhos; ter conhecimento do que e como lhe é ensinado; controlar sua freqüência e realização
das atividades propostas, sintonia e ênfase nos valores morais. Participação efetiva no Proje-
to de Recuperação Paralela, de forma a minimizar dificuldades educacionais dos alunos, con-
tando com a conscientização dos pais com alunos freqüentes.

f)    Conseguir alcançar as metas traçadas neste PPP, avaliando suas conquistas, dificul-
dades e pontos positivos, seguindo para uma reestruturação freqüente deste documento.




                                                                                           18
E E PROFESSOR UACURY RIBEIRO DE ASSIS BASTOS

COMO ATINGIR OS OBJETIVOS


      Chamar os pais para reuniões periódicas; intensificar o aprendizado de leitura e escri-
       ta e de resolução de problemas; criar novos espaços de ensino e aprendizagem; e in-
       cluir atividades extracurriculares.

      Trazer para a escola a contribuição de profissionais de diversas áreas (psicólogos, so-
       ciólogos, médicos etc.) para ajudar os professores a entender as necessidades dos
       alunos; avaliar regularmente as metodologias e as práticas docentes; e promover
       momentos de avaliação permanente.

      Trabalhar com projetos interdisciplinares e eixos temáticos, usando, inclusive, temas
       que são tratados pela mídia.

      Planejar aulas que contemplem o planejamento formal, mas que também se utilize de
       forma contextualizada os equipamentos, materiais e instalações que a escola possui.

      Buscar alternativas para otimizar a aprendizagem dos alunos de comprovadas neces-
       sidades pedagógicas especiais.

      Manter os aspectos positivos até aqui trabalhados, os trabalhos realizados, as avalia-
       ções definidas como positivas e demais registros contidos neste PPP; bem como re-
       fletir, discutir, avaliar e definir ações sistemáticas – com prazos e datas definidas para
       itens que julgarem-se necessários para o pleno desenvolvimento do processo de en-
       sino, aprendizagem e avaliação.

      Manter ótimos níveis de comprometimento e envolvimento com a educação.

ASPECTOS A SEREM REFORÇADOS (PONTOS POSITIVOS)
     Auto estima dos gestores, alunos e professores, quanto à escola, suas características
      e sua localização;

     Preservação da escola por parte de todos que nela atuam;

     Valorização da escola pela comunidade;

     Possibilidade de desenvolver projetos, e novas ações pela aceitação dos alunos;

     Instalações, estrutura física e equipamentos da escola;

     Participação ativa de voluntários;

     Bom número de professores efetivos, que assim como os gestores, atuam por vários
      anos, possibilitando a continuidade do trabalho;

     Profissionalismo de muitos funcionários, professores e gestores;

     Manter as características atuais, com intervenções pontuais nas resoluções de confli-
      tos, com ênfase nos valores morais, éticos e participativos, tendo a escola com institu-
      ição importante e prazerosa em sua vida;

                                                                                              19
E E PROFESSOR UACURY RIBEIRO DE ASSIS BASTOS

    Realizar ações, reflexões que permitam enxergar a realidade do cotidiano escolar e
     projetar sempre algo melhor;

    Continuar com a leitura como elemento essencial do processo de aprendizagem e
     como fonte de diversão e prazer;

    Os ―simulados‖, provas marcadas em período com a finalidade de: Criar a cultura de
     avaliações coletivas sistemáticas, dia específico, horários determinados para início e
     término da prova, gabaritos, provas com múltiplas opções,baseadas em competências
     e habilidades da matriz curricular que embasam SARESP e Prova Brasil.

    Produção de vídeos que resgatam o histórico e mostram o aluno como agente ativo

    Questionários para que os alunos respondam seus anseios e expectativas

    Antes o foco estava na liberdade do professor para ensinar. Desde 1996, passou para
     o direito do aluno de aprender."



ASPECTOS A SEREM CORRIGIDOS (DIFICULDADES)
Relacionamos alguns itens que julgamos seja imperativo discutir ações para solucioná-los:

    Maior participação da família em trabalhos em prol da escola; bem como a comunica-
     ção recíproca;

    Maior acompanhamento familiar em relação à vida escolar do aluno;

    Divulgação dos conteúdos ministrados, procedimentos adotados pela escola, dinâmi-
     cas dos professores e resultados de avaliações externas, bem como interpretação e
     análise destes resultados;

    Conhecimento, aplicabilidade do conteúdo e formas de avaliação nos casos de inclu-
     são – alta dificuldade de aprendizagem;

    Evasão escolar, com ações mais imediatas por parte dos Professores-Pcp-Gestores;
     com envio imediato ao Conselho tutelar em casos necessários;

    Utilização mais efetiva dos espaços, equipamentos e instalações da escola;

    Interesse do aluno e conscientização da importância do processo de ensino e apren-
     dizagem;

    Aviso antecipado de possíveis faltas dos professores; com material disponível para
     que professores substitutos possam dar continuidade ao conteúdo planejado;

    Falta de professores eventuais;

    Convênio da municipalização no ciclo I. Existe rotatividade de professores, ou o mes-
     mo professor que pela pontuação não consegue assumir a sala em que daria sequên-
     cia em seu trabalho;



                                                                                            20
E E PROFESSOR UACURY RIBEIRO DE ASSIS BASTOS

 Utilização de recursos diversificados nas aulas de forma que transmitam os resultados
  das avaliações de maneira individualizada e esclarecedora;

 Estabelecer planejamento com aulas diferenciadas, discutidas em HTPCs, as quais
  possam elevar a auto estima dos alunos, que possam desenvolver interesse em parti-
  cipar das aulas, sentindo-se um elemento inserido naquele contexto. Que tais aulas
  sejam prazerosas montadas a partir de temas que tragam curiosidade para os alunos.

 Maior número de apresentações culturais (Teatro, coral, gincana, dança, etc) como
  instrumentos de aprendizagem;

 Maior acompanhamento pedagógico por toda a equipe gestora;

 Agilidade, embora o módulo não contemple ainda 01 secretário, de situações funcio-
  nais;

 Utilizar a resolução de conflitos, como momento único para trabalho sobre valores e
  atitudes. Telma Vinha, Unicamp, diz que ― Os conflitos são inevitáveis em sala de aula
  em que a interação social e o trabalho em equipe são valorizados‖. Cabe ao educador
  intervir, vendo a situação como uma oportunidade para levar os alunos a resolver a
  questão e principalmente aprender com o ocorrido. Vale lembrar Paulo Freire que di-
  zia que neste universo fragmentário, conflituoso, onde coexistem desencantos e ex-
  pectativas, não existe profissional tão importante no presente e para o futuro de nos-
  sa sociedade como o professor que aparece como o profissional da esperança.

 Acabar de vez com a ―pedagogia da maçaneta‖, onde não existe integração pedagógi-
  ca e cada professor trabalha o que bem entende dentro da sala de aula;

 Garantir o registro dos trabalhos, especialmente nos diários de classe, que devem re-
  fletir a realidade pedagógica, e possibilidade de continuidade na troca de professores,
  na sequencia das séries;

 Resistência de professores a novas mudanças;

 Conectividade entre Ciclo I e Ciclo II para garantir umas boa ―transição‖, por exemplo:
  Tudo para combater a falta de interesse dos estudantes. A primeira modificação en-
  volveu o modo de ensinar História e Geografia. Da 1ª à 4ª série, os temas já eram a
  família, o entorno da escola, o bairro, a cidade e o estado (sempre tendo a criança
  como parte do mundo). Quando chegava à 5ª série, a gurizada começava a estudar o
  Descobrimento do Brasil. "Ninguém conseguia entender conteúdos tão distantes", re-
  lembra a vice-diretora, Marisa Aquino. "Agora o programa prevê aulas sobre o surgi-
  mento da Terra, a evolução do homem e sua organização em sociedade, sempre tra-
  çando paralelos com os dias atuais", explica Leda Miranda Andrade, professora de
  História. As atividades sobre pré-história criadas pela equipe da área também viraram
  febre. Os alunos constroem utensílios como os utilizados pelo homem da época e
  comparam com a tecnologia de hoje — e desenham com areia, barro e carvão, imi-
  tando as pinturas rupestres. Resultado: interesse cada vez maior. E uma escola me-
  lhor dia após dia. (Leda Miranda Andrade, Profª de História da EE Plácido de Castro,
  Porto Alegre)



                                                                                      21
E E PROFESSOR UACURY RIBEIRO DE ASSIS BASTOS



SISTEMAS DE AVALIAÇÃO INTERNA
        Nossa escola segue a normatização da SEE; onde após cada final de bimestre e con-
selho final as notas são digitadas no sistema Prodesp, onde pais podem ter acesso. O valor
numérico da nota é uma de suas funções. "Apesar da necessidade de tornar a avaliação con-
tínua e diversificada, a simples observação do professor nunca é suficientemente profunda e
individualizada em uma classe com dezenas de estudantes. A avaliação por escrito, portanto,
sempre terá sua importância", afirma Jussara Hoffmann, autora de livros sobre o tema e uma
das críticas dos testes feitos apenas para atribuir um conceito aos alunos. Jussara propõe o
uso de questões cujas respostas indiquem o que cada um aprendeu e, com isso, ajudem o
professor a melhorar as aulas. Cabe ao gestor responsável pela formação permanente fazer
reuniões para discutir os critérios de elaboração.

        Utilizamos nos Conselhos de Classe e Série, números que qualificam, justificam e a-
pontam necessidades das competências e habilidades projetadas no conteúdo de cada disci-
plina. O professor deve, com atenção, antecipadamente relacionar estes números. Agiliza o
processo e permite à todos, inclusive aos pais e alunos conscientizarem-se dos pontos positi-
vos e negativos. Por esta razão não adianta ―em cima da hora‖ recitar números de forma me-
cânica e irreal. Também é necessário, após o conselho, dar prosseguimento às ações pre-
tendidas; bem como analisar de um bimestre para o outro quais foram os avanços e as difi-
culdades. Após a realização do conselho, a equipe pedagógica da escola deve tomar provi-
dências acerca dos itens diagnosticados.

       Utilizar várias formas e instrumentos de avaliação, de forma à diagnosticar o aluno de
forma global, com objetivo formativo, base para futuras atividades e caráter não punitivo. É
imprescindível que todos estabeleçam determinado instrumento (por ex. prova descritiva)
dentro do mesmo critério. É necessário que cada professor analise : As atividades são pare-
cidas com as realizadas pelos alunos? As perguntas se justificam diante do que o professor
quer saber? As questões estão claras? Há espaço para as respostas? As orientações estão
adequadas?

       O correto é tomar como base não apenas o conteúdo ensinado em sala mas também
a forma como ele foi apresentado. Se uma turma trabalhou em duplas nas aulas e explorou
as possibilidades de respostas de forma colaborativa, por exemplo, o mesmo método pode
ser adotado no exame. "Não há motivo para fazer da prova uma surpresa para o grupo", afir-
ma Beatriz Cortese, formadora do Centro de Estudos e Pesquisas em Educação, Cultura e
Ação Comunitária (Cenpec), de São Paulo. Para ela, a melhor maneira de conferir se há a
ligação entre o cotidiano da classe e as solicitações da prova é compará-la com as anotações
nos cadernos.

        Além de ser parâmetro e referencial, as notas devem ser subsídios importantes para
que o professor também se autoavalie; algo não parece ir muito bem em uma sala que tenha
40 alunos e mais de 50% (exemplificando bem ―alto‖) ficou com notas abaixo da média. È
necessário rever conceitos, dinâmicas, procedimentos, conteúdos dentro de um todo; da dis-
ciplina, da área e da escola. A troca de informações e análise desprovida de qualquer caráter
punitivo é essencial. Abaixo relacionamos algumas formas e situações de instrumentos de
avaliação. Vale a pena lembrar que o assunto é exaustivamente tratado em reuniões de
HTPC’s, Planejamentos, entre outros momentos.
                                                                                          22
E E PROFESSOR UACURY RIBEIRO DE ASSIS BASTOS



Prova objetiva

                       Série de perguntas diretas, para respostas curtas, com apenas uma solu-
Definição
                       ção possível

                       Avaliar quanto o aluno apreendeu sobre dados singulares e específicos do
Função
                       conteúdo

                       É familiar às crianças, simples de preparar e de responder e pode abran-
Vantagens
                       ger grande parte do exposto em sala de aula

                       Pode ser respondida ao acaso ou de memória e sua análise não permite
Atenção
                       constatar quanto o aluno adquiriu de conhecimento

                       Selecione os conteúdos para elaborar as questões e faça as chaves de
Planejamento           correção; elabore as instruções sobre a maneira adequada de responder
                       às perguntas

                       Defina o valor de cada questão e multiplique-o pelo número de respostas
Análise
                       corretas

                 Liste os conteúdos que os alunos precisam memorizar; ensine estratégias
como utilizar as
                 que facilitem associações, como listas agrupadas por idéias, relações com
informações
                 elementos gráficos e ligações com conteúdos já assimilados

Prova dissertativa

                        Série de perguntas que exijam capacidade de estabelecer relações, re-
definição
                        sumir, analisar e julgar

                        Verificar a capacidade de analisar o problema central, abstrair fatos,
Função
                        formular idéias e redigi-las

                        O aluno tem liberdade para expor os pensamentos, mostrando habilida-
vantagens
                        des de organização, interpretação e expressão

                        Não mede o domínio do conhecimento, cobre amostra pequena do con-
atenção
                        teúdo e não permite amostragem

                        Elabore poucas questões e dê tempo suficiente para que os alunos pos-
planejamento
                        sam pensar e sistematizar seus pensamentos

                        Defina o valor de cada pergunta e atribua pesos a clareza das idéias,
Análise                 para a capacidade de argumentação e conclusão e a apresentação da
                        prova

como      utilizar    as Se o desempenho não for satisfatório, crie experiências e motivações
                                                                                            23
E E PROFESSOR UACURY RIBEIRO DE ASSIS BASTOS

informações         que permitam ao aluno chegar à formação dos conceitos mais importan-
                    tes

Seminário

                 Exposição oral para um público leigo, utilizando a fala e materiais de apoio
definição
                 adequados ao assunto

                 Possibilitar a transmissão verbal das informações pesquisadas de forma
Função
                 eficaz

                 Contribui para a aprendizagem do ouvinte e do expositor, exige pesquisa,
vantagens        planejamento e organização das informações; desenvolve a oralidade em
                 público

                 Conheça as características pessoais de cada aluno para evitar compara-
atenção
                 ções na apresentação de um tímido ou outro desinibido

                 Ajude na delimitação do tema, forneça bibliografia e fontes de pesquisa,
                 esclareça os procedimentos apropriados de apresentação; defina a dura-
planejamento
                 ção e a data da apresentação; solicite relatório individual de todos os alu-
                 nos

                 Atribua pesos à abertura, ao desenvolvimento do tema, aos materiais utili-
Análise
                 zados e à conclusão. Estimule a classe a fazer perguntas e emitir opiniões

                 Caso a apresentação não tenha sido satisfatória, planeje atividades espe-
como utilizar as
                 cíficas que possam auxiliar no desenvolvimento dos objetivos não atingi-
informações
                 dos

Trabalho em grupo

                  Atividades de natureza diversa (escrita, oral, gráfica, corporal etc) realiza-
definição
                  das coletivamente

Função            Desenvolver o espírito colaborativo e a socialização

                  Possibilita o trabalho organizado em classes numerosas e a abrangência
vantagens
                  de diversos conteúdos em caso de escassez de tempo

                  Conheça as características pessoais de cada aluno para evitar compara-
atenção
                  ções na apresentação de um tímido ou outro desinibido

                  Proponha uma série de atividades relacionadas ao conteúdo a ser traba-
planejamento      lhado, forneça fontes de pesquisa, ensine os procedimentos necessários e
                  indique os materiais básicos para a consecução dos objetivos

Análise           Observe se houve participação de todos e colaboração entre os colegas,

                                                                                             24
E E PROFESSOR UACURY RIBEIRO DE ASSIS BASTOS

                  atribua valores às diversas etapas do processo e ao produto final

como utilizar as Em caso de haver problemas de socialização, organize jogos e atividades
informações      em que a colaboração seja o elemento principal

Debate

                 Discussão em que os alunos expõem seus pontos de vista a respeito de
definição
                 assunto polêmico

                 Aprender a defender uma opinião fundamentando-a em argumentos con-
função
                 vincentes

                 Desenvolve a habilidade de argumentação e a oralidade; faz com que o
vantagens
                 aluno aprenda a escutar com um propósito

                 Como mediador, dê chance de participação a todos e não tente apontar
atenção          vencedores, pois em um debate deve-se priorizar o fluxo de informações
                 entre as pessoas

                 Defina o tema, oriente a pesquisa prévia, combine com os alunos o tempo,
                 as regras e os procedimentos; mostre exemplos de bons debates. No final,
planejamento
                 peça relatórios que contenham os pontos discutidos. Se possível, filme a
                 discussão para análise posterior

                 Estabeleça pesos para a pertinência da intervenção, a adequação do uso
análise
                 da palavra e a obediência às regras combinadas

como utilizar as Crie outros debates em grupos menores; analise o filme e aponte as defici-
informações      ências e os momentos positivos

Relatório individual

                 Texto produzido pelo aluno depois de atividades práticas ou projetos temá-
definição
                 ticos

                 Averiguar se o aluno adquiriu conhecimento e se conhece estruturas de
função
                 texto

                 É possível avaliar o real nível de apreensão de conteúdos depois de ativi-
vantagens
                 dades coletivas ou individuais

atenção          Evite julgar a opinião do aluno

                 Defina o tema e oriente a turma sobre a estrutura apropriada (introdução,
                 desenvolvimento, conclusão e outros itens que julgar necessários, depen-
planejamento
                 dendo da extensão do trabalho); o melhor modo de apresentação e o ta-
                 manho aproximado

                                                                                        25
E E PROFESSOR UACURY RIBEIRO DE ASSIS BASTOS

                  Estabeleça pesos para cada item que for avaliado (estrutura do texto, gra-
Análise
                  mática, apresentação)

                 Só se aprende a escrever escrevendo. Caso algum aluno apresente dificul-
como utilizar as
                 dade em itens essenciais, crie atividades específicas, indique bons livros e
informações
                 solicite mais trabalhos escritos

Auto-avaliação

                 Análise oral ou por escrito, em formato livre, que o aluno faz do próprio pro-
definição
                 cesso de aprendizagem

                 Fazer o aluno adquirir capacidade de analisar suas aptidões e atitudes,
função
                 pontos fortes e fracos

                 O aluno torna-se sujeito do processo de aprendizagem, adquire responsa-
vantagens        bilidade sobre ele, aprende a enfrentar limitações e a aperfeiçoar potencia-
                 lidades

                 O aluno só se abrirá se sentir que há um clima de confiança entre o profes-
atenção
                 sor e ele e que esse instrumento será usado para ajudá-lo a aprender

                 Forneça ao aluno um roteiro de auto-avaliação, definindo as áreas sobre as
                 quais você gostaria que ele discorresse; liste habilidades e comportamen-
planejamento
                 tos e peça para ele indicar aquelas em que se considera apto e aquelas em
                 que precisa de reforço

                 Use esse documento ou depoimento como uma das principais fontes para
análise
                 o planejamento dos próximos conteúdos

como utilizar as Ao tomar conhecimento das necessidades do aluno, sugira atividades indi-
informações      viduais ou em grupo para ajudá-lo a superar as dificuldades

Observação

                  Análise do desempenho do aluno em fatos do cotidiano escolar ou em si-
definição
                  tuações planejadas

                  Seguir o desenvolvimento do aluno e ter informações sobre as áreas afeti-
função
                  va, cognitiva e psicomotora

                  Perceber como o aluno constrói o conhecimento, seguindo de perto todos
vantagens
                  os passos desse processo

                  Faça anotações no momento em que ocorre o fato; evite generalizações e
atenção           julgamentos subjetivos; considere somente os dados fundamentais no pro-
                  cesso de aprendizagem



                                                                                            26
E E PROFESSOR UACURY RIBEIRO DE ASSIS BASTOS

                 Elabore uma ficha organizada (check-list, escalas de classificação) pre-
planejamento     vendo atitudes, habilidades e competências que serão observadas. Isso
                 vai auxiliar na percepção global da turma e na interpretação dos dados

                 Compare as anotações do início do ano com os dados mais recentes para
Análise          perceber o que o aluno já realiza com autonomia e o que ainda precisa de
                 acompanhamento

                 Esse instrumento serve como uma lupa sobre o processo de desenvolvi-
como utilizar as
                 mento do aluno e permite a elaboração de intervenções específicas para
informações
                 cada caso

Conselho de classe

definição        Reunião liderada pela equipe pedagógica de uma determinada turma

                 Compartilhar informações sobre a classe e sobre cada aluno para embasar
função
                 a tomada de decisões

                 Favorece a integração entre professores, a análise do curriculo e a eficácia
vantagens        dos métodos utilizados; facilita a compreensão dos fatos com a exposição
                 de diversos pontos de vista

                 Faça sempre observações concretas e não rotule o aluno; cuidado para
atenção          que a reunião não se torne apenas uma confirmação de aprovação ou de
                 reprovação

                 Conhecendo a pauta de discussão, liste os itens que pretende comentar.
planejamento     Todos os participantes devem ter direito à palavra para enriquecer o diag-
                 nóstico dos problemas, suas causas e soluções

                 O resultado final deve levar a um consenso da equipe em relação às inter-
análise          venções necessárias no processo de ensino-aprendizagem considerando
                 as áreas afetiva, cognitiva e psicomotora dos alunos

                 O professor deve usar essas reuniões como ferramenta de auto-análise. A
como utilizar as
                 equipe deve prever mudanças tanto na prática diária de cada docente co-
informações
                 mo também no currículo e na dinâmica escolar, sempre que necessário




                                                                                          27

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Gestão Democrática Da Educação
Gestão Democrática Da EducaçãoGestão Democrática Da Educação
Gestão Democrática Da Educação
regicenci
 
Projeto politico pedagogico i e ii
Projeto politico pedagogico i e iiProjeto politico pedagogico i e ii
Projeto politico pedagogico i e ii
vanessakiko
 
Etica protagonismo juvenil
Etica   protagonismo juvenilEtica   protagonismo juvenil
Etica protagonismo juvenil
tatyathaydes
 
Conceitos sobre PPP
Conceitos sobre PPPConceitos sobre PPP
Conceitos sobre PPP
gisianevieiraanana
 
Caderno ii
Caderno   iiCaderno   ii
Caderno ii
NTE RJ14/SEEDUC RJ
 
A orientação educacional nas escolas atualmente
A orientação educacional nas escolas atualmenteA orientação educacional nas escolas atualmente
A orientação educacional nas escolas atualmente
Kualo Kala
 
Convivencia democratica protagonismo juvenil
Convivencia democratica   protagonismo juvenilConvivencia democratica   protagonismo juvenil
Convivencia democratica protagonismo juvenil
tatyathaydes
 
Diretiros humanos protagonismo juvenil
Diretiros humanos protagonismo juvenilDiretiros humanos protagonismo juvenil
Diretiros humanos protagonismo juvenil
tatyathaydes
 
CONSIDERAÇÕES ENTRE INDISCIPLINA E PRÁTICA PEDAGÓGICA NO COTIDIANO ESCOLAR ...
CONSIDERAÇÕES ENTRE INDISCIPLINA  E PRÁTICA PEDAGÓGICA NO COTIDIANO ESCOLAR  ...CONSIDERAÇÕES ENTRE INDISCIPLINA  E PRÁTICA PEDAGÓGICA NO COTIDIANO ESCOLAR  ...
CONSIDERAÇÕES ENTRE INDISCIPLINA E PRÁTICA PEDAGÓGICA NO COTIDIANO ESCOLAR ...
christianceapcursos
 
Artigo4
Artigo4Artigo4
10.Autonomia, ética e gestão escolar - Prof. Dr. Paulo Gomes Lima
10.Autonomia, ética e gestão escolar - Prof. Dr. Paulo Gomes Lima10.Autonomia, ética e gestão escolar - Prof. Dr. Paulo Gomes Lima
10.Autonomia, ética e gestão escolar - Prof. Dr. Paulo Gomes Lima
Paulo Lima
 
ConstruçãO Ppp[1]
ConstruçãO Ppp[1]ConstruçãO Ppp[1]
ConstruçãO Ppp[1]
guestaa7fd
 
FUNÇÃO SOCIAL DA ESCOLA
FUNÇÃO SOCIAL DA ESCOLAFUNÇÃO SOCIAL DA ESCOLA
FUNÇÃO SOCIAL DA ESCOLA
Maria Isaltina Santana
 
Projeto Vida, Valores e Cidadania/.slides vilma
Projeto Vida, Valores e Cidadania/.slides vilmaProjeto Vida, Valores e Cidadania/.slides vilma
Projeto Vida, Valores e Cidadania/.slides vilma
Vilma Orlando
 
Apresentaçãoç jornada de educ. 13
Apresentaçãoç  jornada de educ. 13Apresentaçãoç  jornada de educ. 13
Apresentaçãoç jornada de educ. 13
Kássia Quadros Ferreira
 
Proposta de Educação de Parauapebas
Proposta de Educação de Parauapebas Proposta de Educação de Parauapebas
Proposta de Educação de Parauapebas
Adilson P Motta Motta
 
Ppp Apae
Ppp ApaePpp Apae
Ppp Apae
ntelivramento
 
Escola e sociedade
Escola e sociedadeEscola e sociedade
Escola e sociedade
cefaprodematupa
 
A diversidade cultural e a educação.art.
A diversidade cultural e a educação.art.A diversidade cultural e a educação.art.
A diversidade cultural e a educação.art.
Valéria Cristina Ruiz Felix
 

Mais procurados (19)

Gestão Democrática Da Educação
Gestão Democrática Da EducaçãoGestão Democrática Da Educação
Gestão Democrática Da Educação
 
Projeto politico pedagogico i e ii
Projeto politico pedagogico i e iiProjeto politico pedagogico i e ii
Projeto politico pedagogico i e ii
 
Etica protagonismo juvenil
Etica   protagonismo juvenilEtica   protagonismo juvenil
Etica protagonismo juvenil
 
Conceitos sobre PPP
Conceitos sobre PPPConceitos sobre PPP
Conceitos sobre PPP
 
Caderno ii
Caderno   iiCaderno   ii
Caderno ii
 
A orientação educacional nas escolas atualmente
A orientação educacional nas escolas atualmenteA orientação educacional nas escolas atualmente
A orientação educacional nas escolas atualmente
 
Convivencia democratica protagonismo juvenil
Convivencia democratica   protagonismo juvenilConvivencia democratica   protagonismo juvenil
Convivencia democratica protagonismo juvenil
 
Diretiros humanos protagonismo juvenil
Diretiros humanos protagonismo juvenilDiretiros humanos protagonismo juvenil
Diretiros humanos protagonismo juvenil
 
CONSIDERAÇÕES ENTRE INDISCIPLINA E PRÁTICA PEDAGÓGICA NO COTIDIANO ESCOLAR ...
CONSIDERAÇÕES ENTRE INDISCIPLINA  E PRÁTICA PEDAGÓGICA NO COTIDIANO ESCOLAR  ...CONSIDERAÇÕES ENTRE INDISCIPLINA  E PRÁTICA PEDAGÓGICA NO COTIDIANO ESCOLAR  ...
CONSIDERAÇÕES ENTRE INDISCIPLINA E PRÁTICA PEDAGÓGICA NO COTIDIANO ESCOLAR ...
 
Artigo4
Artigo4Artigo4
Artigo4
 
10.Autonomia, ética e gestão escolar - Prof. Dr. Paulo Gomes Lima
10.Autonomia, ética e gestão escolar - Prof. Dr. Paulo Gomes Lima10.Autonomia, ética e gestão escolar - Prof. Dr. Paulo Gomes Lima
10.Autonomia, ética e gestão escolar - Prof. Dr. Paulo Gomes Lima
 
ConstruçãO Ppp[1]
ConstruçãO Ppp[1]ConstruçãO Ppp[1]
ConstruçãO Ppp[1]
 
FUNÇÃO SOCIAL DA ESCOLA
FUNÇÃO SOCIAL DA ESCOLAFUNÇÃO SOCIAL DA ESCOLA
FUNÇÃO SOCIAL DA ESCOLA
 
Projeto Vida, Valores e Cidadania/.slides vilma
Projeto Vida, Valores e Cidadania/.slides vilmaProjeto Vida, Valores e Cidadania/.slides vilma
Projeto Vida, Valores e Cidadania/.slides vilma
 
Apresentaçãoç jornada de educ. 13
Apresentaçãoç  jornada de educ. 13Apresentaçãoç  jornada de educ. 13
Apresentaçãoç jornada de educ. 13
 
Proposta de Educação de Parauapebas
Proposta de Educação de Parauapebas Proposta de Educação de Parauapebas
Proposta de Educação de Parauapebas
 
Ppp Apae
Ppp ApaePpp Apae
Ppp Apae
 
Escola e sociedade
Escola e sociedadeEscola e sociedade
Escola e sociedade
 
A diversidade cultural e a educação.art.
A diversidade cultural e a educação.art.A diversidade cultural e a educação.art.
A diversidade cultural e a educação.art.
 

Semelhante a P ua 03_just_ob

Planejamento cad 2016
Planejamento cad 2016Planejamento cad 2016
Metodologia de ensino Colegio Nossa senhora de Osasco
Metodologia de ensino Colegio Nossa senhora de OsascoMetodologia de ensino Colegio Nossa senhora de Osasco
Metodologia de ensino Colegio Nossa senhora de Osasco
lourivalcaburite
 
6. Coll. CéSar. Aprender ConteúDos. Paulo Deloroso
6. Coll. CéSar. Aprender ConteúDos. Paulo Deloroso6. Coll. CéSar. Aprender ConteúDos. Paulo Deloroso
6. Coll. CéSar. Aprender ConteúDos. Paulo Deloroso
Andrea Cortelazzi
 
29 dezembro a relatório de investigação
29 dezembro a relatório de investigação29 dezembro a relatório de investigação
29 dezembro a relatório de investigação
SimoneHelenDrumond
 
Trabalho 2 ok natureza e cultura conhecimentos e saberes
Trabalho 2 ok natureza e cultura conhecimentos e saberesTrabalho 2 ok natureza e cultura conhecimentos e saberes
Trabalho 2 ok natureza e cultura conhecimentos e saberes
SimoneHelenDrumond
 
Plano de acao_escola_mundo_de_alice
Plano de acao_escola_mundo_de_alicePlano de acao_escola_mundo_de_alice
Plano de acao_escola_mundo_de_alice
Jesica Hencke
 
Plano de acao_escola_mundo_de_alice
Plano de acao_escola_mundo_de_alicePlano de acao_escola_mundo_de_alice
Plano de acao_escola_mundo_de_alice
Jesica Hencke
 
Projeto
ProjetoProjeto
RCNEI.pdf
RCNEI.pdfRCNEI.pdf
RCNEI.pdf
karlliny martins
 
Educação infantil
Educação infantilEducação infantil
Educação infantil
angelamesfreire2015
 
Diretrizes curriculares nacionais para educação infantil
Diretrizes curriculares nacionais para educação infantilDiretrizes curriculares nacionais para educação infantil
Diretrizes curriculares nacionais para educação infantil
EMEI Julio Alves Pereira
 
áreas de conteúdo - Orientações Curriculares
áreas de conteúdo - Orientações Curricularesáreas de conteúdo - Orientações Curriculares
áreas de conteúdo - Orientações Curriculares
Ana Manuel Pires Martins
 
Educação intercultural
Educação interculturalEducação intercultural
Educação intercultural
Carla Mónica Pires
 
A ESCOLA E SUA CONTRIBUIÇÃO NA FORMAÇÃO DE SUJEITOS: UM OLHAR A PARTIR DA NOV...
A ESCOLA E SUA CONTRIBUIÇÃO NA FORMAÇÃO DE SUJEITOS: UM OLHAR A PARTIR DA NOV...A ESCOLA E SUA CONTRIBUIÇÃO NA FORMAÇÃO DE SUJEITOS: UM OLHAR A PARTIR DA NOV...
A ESCOLA E SUA CONTRIBUIÇÃO NA FORMAÇÃO DE SUJEITOS: UM OLHAR A PARTIR DA NOV...
Claudinei Gonçalves de Lima
 
O currículo e práticas pedagógicas do cmei madre elísia simone helen drumond ...
O currículo e práticas pedagógicas do cmei madre elísia simone helen drumond ...O currículo e práticas pedagógicas do cmei madre elísia simone helen drumond ...
O currículo e práticas pedagógicas do cmei madre elísia simone helen drumond ...
SimoneHelenDrumond
 
Por uma educação humanizadora
Por uma educação humanizadoraPor uma educação humanizadora
Por uma educação humanizadora
Caminhos do Autismo
 
Modelo de-projeto-politico-pedagogico
Modelo de-projeto-politico-pedagogicoModelo de-projeto-politico-pedagogico
Modelo de-projeto-politico-pedagogico
gioguima
 
Educação Física e Inclusão na Escola_relação com a diversidade.ppt
Educação Física e Inclusão na Escola_relação com a diversidade.pptEducação Física e Inclusão na Escola_relação com a diversidade.ppt
Educação Física e Inclusão na Escola_relação com a diversidade.ppt
Igor Sampaio Pinho
 
didatica ensino superior 2
didatica ensino superior 2didatica ensino superior 2
didatica ensino superior 2
jairdeoliveirajunior
 
São vários os problemas que se perpetuam e se intensificam nesse novo milênio
São vários os problemas que se perpetuam e se intensificam nesse novo milênioSão vários os problemas que se perpetuam e se intensificam nesse novo milênio
São vários os problemas que se perpetuam e se intensificam nesse novo milênio
Tania Braga
 

Semelhante a P ua 03_just_ob (20)

Planejamento cad 2016
Planejamento cad 2016Planejamento cad 2016
Planejamento cad 2016
 
Metodologia de ensino Colegio Nossa senhora de Osasco
Metodologia de ensino Colegio Nossa senhora de OsascoMetodologia de ensino Colegio Nossa senhora de Osasco
Metodologia de ensino Colegio Nossa senhora de Osasco
 
6. Coll. CéSar. Aprender ConteúDos. Paulo Deloroso
6. Coll. CéSar. Aprender ConteúDos. Paulo Deloroso6. Coll. CéSar. Aprender ConteúDos. Paulo Deloroso
6. Coll. CéSar. Aprender ConteúDos. Paulo Deloroso
 
29 dezembro a relatório de investigação
29 dezembro a relatório de investigação29 dezembro a relatório de investigação
29 dezembro a relatório de investigação
 
Trabalho 2 ok natureza e cultura conhecimentos e saberes
Trabalho 2 ok natureza e cultura conhecimentos e saberesTrabalho 2 ok natureza e cultura conhecimentos e saberes
Trabalho 2 ok natureza e cultura conhecimentos e saberes
 
Plano de acao_escola_mundo_de_alice
Plano de acao_escola_mundo_de_alicePlano de acao_escola_mundo_de_alice
Plano de acao_escola_mundo_de_alice
 
Plano de acao_escola_mundo_de_alice
Plano de acao_escola_mundo_de_alicePlano de acao_escola_mundo_de_alice
Plano de acao_escola_mundo_de_alice
 
Projeto
ProjetoProjeto
Projeto
 
RCNEI.pdf
RCNEI.pdfRCNEI.pdf
RCNEI.pdf
 
Educação infantil
Educação infantilEducação infantil
Educação infantil
 
Diretrizes curriculares nacionais para educação infantil
Diretrizes curriculares nacionais para educação infantilDiretrizes curriculares nacionais para educação infantil
Diretrizes curriculares nacionais para educação infantil
 
áreas de conteúdo - Orientações Curriculares
áreas de conteúdo - Orientações Curricularesáreas de conteúdo - Orientações Curriculares
áreas de conteúdo - Orientações Curriculares
 
Educação intercultural
Educação interculturalEducação intercultural
Educação intercultural
 
A ESCOLA E SUA CONTRIBUIÇÃO NA FORMAÇÃO DE SUJEITOS: UM OLHAR A PARTIR DA NOV...
A ESCOLA E SUA CONTRIBUIÇÃO NA FORMAÇÃO DE SUJEITOS: UM OLHAR A PARTIR DA NOV...A ESCOLA E SUA CONTRIBUIÇÃO NA FORMAÇÃO DE SUJEITOS: UM OLHAR A PARTIR DA NOV...
A ESCOLA E SUA CONTRIBUIÇÃO NA FORMAÇÃO DE SUJEITOS: UM OLHAR A PARTIR DA NOV...
 
O currículo e práticas pedagógicas do cmei madre elísia simone helen drumond ...
O currículo e práticas pedagógicas do cmei madre elísia simone helen drumond ...O currículo e práticas pedagógicas do cmei madre elísia simone helen drumond ...
O currículo e práticas pedagógicas do cmei madre elísia simone helen drumond ...
 
Por uma educação humanizadora
Por uma educação humanizadoraPor uma educação humanizadora
Por uma educação humanizadora
 
Modelo de-projeto-politico-pedagogico
Modelo de-projeto-politico-pedagogicoModelo de-projeto-politico-pedagogico
Modelo de-projeto-politico-pedagogico
 
Educação Física e Inclusão na Escola_relação com a diversidade.ppt
Educação Física e Inclusão na Escola_relação com a diversidade.pptEducação Física e Inclusão na Escola_relação com a diversidade.ppt
Educação Física e Inclusão na Escola_relação com a diversidade.ppt
 
didatica ensino superior 2
didatica ensino superior 2didatica ensino superior 2
didatica ensino superior 2
 
São vários os problemas que se perpetuam e se intensificam nesse novo milênio
São vários os problemas que se perpetuam e se intensificam nesse novo milênioSão vários os problemas que se perpetuam e se intensificam nesse novo milênio
São vários os problemas que se perpetuam e se intensificam nesse novo milênio
 

Mais de Edson Mamprin

Ppp 2014
Ppp 2014Ppp 2014
Ppp 2014
Edson Mamprin
 
Boletim da escola 2012
Boletim da escola 2012Boletim da escola 2012
Boletim da escola 2012
Edson Mamprin
 
Boletim 3 5 7 9 ano e 3em
Boletim 3 5 7 9 ano e 3emBoletim 3 5 7 9 ano e 3em
Boletim 3 5 7 9 ano e 3emEdson Mamprin
 
Acervo jogos sala 08
Acervo jogos sala 08 Acervo jogos sala 08
Acervo jogos sala 08
Edson Mamprin
 
Mapas para imprimir
Mapas para imprimirMapas para imprimir
Mapas para imprimir
Edson Mamprin
 
Lista de DVD's
Lista de DVD's Lista de DVD's
Lista de DVD's
Edson Mamprin
 
Acervo da sala de leitura_Agosto_2013
Acervo da sala de leitura_Agosto_2013Acervo da sala de leitura_Agosto_2013
Acervo da sala de leitura_Agosto_2013
Edson Mamprin
 
Mapas 26 02 2013
Mapas 26 02 2013Mapas 26 02 2013
Mapas 26 02 2013
Edson Mamprin
 
Acervo de livros 27 02_2013
Acervo de livros 27 02_2013Acervo de livros 27 02_2013
Acervo de livros 27 02_2013
Edson Mamprin
 
Acervo dvd uacury em 26 02 2013
Acervo dvd uacury em 26 02 2013Acervo dvd uacury em 26 02 2013
Acervo dvd uacury em 26 02 2013
Edson Mamprin
 
Mapas 26 02 2013
Mapas 26 02 2013Mapas 26 02 2013
Mapas 26 02 2013
Edson Mamprin
 
Luz camera educação 4
Luz camera educação 4Luz camera educação 4
Luz camera educação 4
Edson Mamprin
 
Luz camera educação 3
Luz camera educação 3Luz camera educação 3
Luz camera educação 3
Edson Mamprin
 
Luz camera educação 2
Luz camera educação 2Luz camera educação 2
Luz camera educação 2
Edson Mamprin
 
Luz camera educação 1
Luz camera educação 1Luz camera educação 1
Luz camera educação 1
Edson Mamprin
 
ORIENTAÇÃO DE ATIVIDADES
ORIENTAÇÃO DE ATIVIDADES ORIENTAÇÃO DE ATIVIDADES
ORIENTAÇÃO DE ATIVIDADES
Edson Mamprin
 
MADAME BOVARY - Gustave Flaubert
MADAME BOVARY - Gustave FlaubertMADAME BOVARY - Gustave Flaubert
MADAME BOVARY - Gustave Flaubert
Edson Mamprin
 
FAUSTIO- Goethe
FAUSTIO- GoetheFAUSTIO- Goethe
FAUSTIO- Goethe
Edson Mamprin
 
AS VIAGENS DE GULIVER - Jonathan Swift
AS VIAGENS DE GULIVER - Jonathan SwiftAS VIAGENS DE GULIVER - Jonathan Swift
AS VIAGENS DE GULIVER - Jonathan SwiftEdson Mamprin
 
Boas práticas de matemática
Boas práticas de matemáticaBoas práticas de matemática
Boas práticas de matemática
Edson Mamprin
 

Mais de Edson Mamprin (20)

Ppp 2014
Ppp 2014Ppp 2014
Ppp 2014
 
Boletim da escola 2012
Boletim da escola 2012Boletim da escola 2012
Boletim da escola 2012
 
Boletim 3 5 7 9 ano e 3em
Boletim 3 5 7 9 ano e 3emBoletim 3 5 7 9 ano e 3em
Boletim 3 5 7 9 ano e 3em
 
Acervo jogos sala 08
Acervo jogos sala 08 Acervo jogos sala 08
Acervo jogos sala 08
 
Mapas para imprimir
Mapas para imprimirMapas para imprimir
Mapas para imprimir
 
Lista de DVD's
Lista de DVD's Lista de DVD's
Lista de DVD's
 
Acervo da sala de leitura_Agosto_2013
Acervo da sala de leitura_Agosto_2013Acervo da sala de leitura_Agosto_2013
Acervo da sala de leitura_Agosto_2013
 
Mapas 26 02 2013
Mapas 26 02 2013Mapas 26 02 2013
Mapas 26 02 2013
 
Acervo de livros 27 02_2013
Acervo de livros 27 02_2013Acervo de livros 27 02_2013
Acervo de livros 27 02_2013
 
Acervo dvd uacury em 26 02 2013
Acervo dvd uacury em 26 02 2013Acervo dvd uacury em 26 02 2013
Acervo dvd uacury em 26 02 2013
 
Mapas 26 02 2013
Mapas 26 02 2013Mapas 26 02 2013
Mapas 26 02 2013
 
Luz camera educação 4
Luz camera educação 4Luz camera educação 4
Luz camera educação 4
 
Luz camera educação 3
Luz camera educação 3Luz camera educação 3
Luz camera educação 3
 
Luz camera educação 2
Luz camera educação 2Luz camera educação 2
Luz camera educação 2
 
Luz camera educação 1
Luz camera educação 1Luz camera educação 1
Luz camera educação 1
 
ORIENTAÇÃO DE ATIVIDADES
ORIENTAÇÃO DE ATIVIDADES ORIENTAÇÃO DE ATIVIDADES
ORIENTAÇÃO DE ATIVIDADES
 
MADAME BOVARY - Gustave Flaubert
MADAME BOVARY - Gustave FlaubertMADAME BOVARY - Gustave Flaubert
MADAME BOVARY - Gustave Flaubert
 
FAUSTIO- Goethe
FAUSTIO- GoetheFAUSTIO- Goethe
FAUSTIO- Goethe
 
AS VIAGENS DE GULIVER - Jonathan Swift
AS VIAGENS DE GULIVER - Jonathan SwiftAS VIAGENS DE GULIVER - Jonathan Swift
AS VIAGENS DE GULIVER - Jonathan Swift
 
Boas práticas de matemática
Boas práticas de matemáticaBoas práticas de matemática
Boas práticas de matemática
 

Último

UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃOAUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
FernandaOliveira758273
 
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
TiagoLouro8
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
Crisnaiara
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
AdrianoMontagna1
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
fagnerlopes11
 
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTALPlanejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
katbrochier1
 
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdfMAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
GracinhaSantos6
 
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
Gênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9ºGênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9º
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
sjcelsorocha
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
AntonioAngeloNeves
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
rloureiro1
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
fran0410
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de GeografiaAula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
WELTONROBERTOFREITAS
 
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdfConcurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
TathyLopes1
 
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdfAula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Marília Pacheco
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
pamellaaraujo10
 
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidadeAula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
AlessandraRibas7
 

Último (20)

UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃOAUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
 
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
 
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTALPlanejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
 
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdfMAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
 
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
Gênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9ºGênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9º
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de GeografiaAula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
 
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdfConcurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
 
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdfAula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
 
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidadeAula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
 

P ua 03_just_ob

  • 1. E E PROFESSOR UACURY RIBEIRO DE ASSIS BASTOS JUSTIFICATIVA A escola é a instituição vista como espaço, por excelência, da educação formal, pare- ce inconteste, embora outros agentes possam dar uma contribuição complementar. Atender a todos, indistintamente quanto ao gênero, etnia, credo, classe social e demais diversidades, sob a ótica da educação como direito humano. Desenvolver competências e habilidades, onde os conteúdos deixam de ser um fim em si mesmos; o professor passa de transmissor do conhecimento a facilitador da aprendiza- gem a avaliação, de classificatória e excludente, se transforma em instrumento para guiar intervenções pedagógicas; e o aluno, antes passivo, vira participante ativo na construção do próprio conhecimento. ―Existe uma grande expectativa de transformação social por meio da transformação pessoal que a Educação proporciona―, diz Nora Rut Krawczyk, professora de Sociologia da Educação da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). ―Essa é a promessa da escola como instituição.‖ Fernando Almeida, professor da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo e ex-secretário da Educação da capital paulista, afirma: ―O que se quer é formar vida inteligente dentro do organismo escolar‖. É imprescindível o envolvimento dos gestores, professores e funcionários; no trabalho em equipe, de aprender a ensinar, de construir e planejar, analisar, planejar e desenvolver atividades que partem dos múltiplos olhares da criança, do jovem e adulto, dentro da realida- de que encontramos aqui nesta escola. A escola não se limita mais a simples instrução, mas coopera cada vez mais com outros setores da comunidade, com vistas preparação dos jo- vens para a vida social, familiar e profissional, considerando ainda a grande carga que muitas famílias depositam na escol, incumbindo-a da educação formal e da instituição de valores, que deveriam ter sua base formada em casa. Esta consciência sobre a função social e a im- portância das representações que permeia as relações no âmbito da escola, deve ser aliada ao diagnóstico daquilo que pudemos observar freqüentemente, flexibilizando objetivos e re- vendo constantemente procedimento e metas, interferindo no reforço de estímulos ou na mu- dança da práxis. O desafio é o de proporcionarmos condições para a descoberta e desenvol- vimento das potencialidades, competências e habilidades. Neste sentido este documento permite conhecer, estabelecer, nortear, acompanhar, avaliar, refletir, envolver, interagir e sis- tematizar conteúdos, ações e atividades que possam melhorar o processo de ensino e a- prendizagem. 15
  • 2. E E PROFESSOR UACURY RIBEIRO DE ASSIS BASTOS OBJETIVOS A finalidade da escola hoje é formar alunos capazes de exercer a sua cidadania, com- preendendo criticamente as realidades sociais e nelas agindo, efetivamente. Para tanto, colo- ca-se como fundamental a construção da proficiência leitora e escritora desse aluno. A escola é um espaço rico e apropriado para experimentar a desafiante aventura que é se propor co- autor de um processo educativo. A co-autoria está vinculado ao auto-conhecimento do outro e da realidade mais ampla, extrapolando a mera transmissão do saber. O professor não é simplesmente um ―agente transmissor de cultura‖, sendo necessário repensar seu papel e sua responsabilidade social frente as inúmeras demandas que a sociedade faz à escola, con- siderando inclusive avaliações e críticas ao trabalho docente. Críticas que com freqüência acabam por responsabilizá-lo pelos insucessos constatados nas avaliações; mas cientes que muitas destas críticas não são relevantes e apresentam-se descontextualizadas, e desacom- panhadas de sugestões e pontos de vista coerentes, o que as tornam menos credenciadas e as limitam em termos de tratar alguma contribuição significativa. Quando falamos em qualidade, estamos nos referindo à uma escola que efetivamente garanta acesso, aprendizagem de qualidade e permanência para todos os alunos. São prin- cípios básicos, referentes à função social da escola para a ação educativa, centrados na con- cepção de que dentro dos conteúdos que serão norteados pelo Currículo da Secretaria de Estado da Educação ( que está disponível neste trabalho ), alicerçado nas características próprias da unidade escolar. Dentro deste contexto a escola está orientada para preparar o aluno a ser capaz de:  Formar cidadãos conscientes, críticos, participativos e capazes de atuar na transfor- mação do meio em que vivemos;  Permitir o resgate da historicidade, que devolve aos sujeitos o poder da palavra es- pontânea e consciente e promove auto-estima;  O espaço da sala de aula transcende os limites da escola, atingindo a comunidade; O ensino precisa considerar os elementos culturais e valorativos, imbricados nas práti- cas sociais;  As formas como os sujeitos produzem sua existência (trabalho e lazer) geram o saber popular que, articulado ao conteúdo escolar, promove o desenvolvimento da cultura;  O desenvolvimento da cultura e do esporte permite aos sujeitos vislumbrarem melho- res condições de vida por intermédio da participação, exercitando sua cidadani- a.Compreender a cidadania como exercício de direitos e deveres políticos, civis e so- ciais, adotando, no dia a dia, atitudes de participação, solidariedade, cooperação e re- púdio às injustiças e a discriminações, respeitando o outro e exigindo para si o mesmo respeito.  Posicionar-se de maneira crítica responsável e construtiva nas diferentes situações sociais, respeitando a opinião e o conhecimento produzido pelo outro, utilizando o diá- logo como forma de mediar conflitos e de tomar decisões coletivas; perceber-se inte- grante, dependente e agente transformador do ambiente, identificando seus elemen- tos e as interações entre eles, contribuindo ativamente para a melhoria do meio ambi- ente. 16
  • 3. E E PROFESSOR UACURY RIBEIRO DE ASSIS BASTOS  Conhecer e valorizar a pluralidade do patrimônio sócio-cultural brasileiro, posicionan- do-se contra qualquer discriminação baseada em diferenças culturais, de classes so- ciais, de crenças de sexo, etnia ou outras características individuais ou sociais.  Conhecer características fundamentais do Brasil nas dimensões sociais, materiais e culturais como meio para construir progressivamente a noção de identidade nacional e pessoal e o sentimento de pertinência ao país.  Utilizar diferentes linguagens – verbal, matemática, gráfica, plástica e corporal – como meio para expressar e comunicar suas idéias, interpretar e usufruir das produções da cultura.  Utilizar a Língua Portuguesa para compreender e produzir, em contextos públicos e privados, mensagens orais e escritas, atendendo diferentes intenções e contextos de comunicação.  Questionar a realidade formulando-se problemas e tratando de resolve-los, utilizando para si o pensamento lógico, a criatividade, a intuição, a capacidade de análise crítica, selecionando procedimentos e verificando sua adequação.  Saber utilizar diferentes formas de informação e recursos tecnológicos para adquirir e construir conhecimentos.  Conhecer e cuidar do próprio corpo, valorizando e adotando hábitos saudáveis como um dos aspectos básicos da qualidade de vida e agindo com responsabilidade em re- lação à sua saúde coletiva. É preciso ter em mente que a escola sozinha, isolada, não consegue desenvolver uma proposta educativa mais ampla e que responda satisfatoriamente às novas demandas soci- ais. O livro Gestão escolar e tecnologia, descreve que ―...Abrir-se para o exterior, conseguir apoio e a participação da comunidade em geral faz parte de uma administração saudável e promissora. Entretanto, isso somente poderá ser atingido quando existir uma proposta de ação comum que dê significado e direção às atividades individuais dos agentes envolvidos”. O trabalho do professor é a base de todo o processo. A Revista Páginas Abertas, Ano 35, nº 42, 2010 descreve: ―Motivação para o professor é a válvula mestra que irá regê-lo e colocá-lo em ação diante de um grupo de pessoas diferentes entre si.‖,e, ―Os professores são os escul- tores da emoção, porque é ela que determinará a qualidade dos registros que permanecerão na memória do aluno‖. Augusto Cury diz que ―momentos educacionais são aqueles em que o professor, ao ensinar, estimula a emoção do aprendiz por meio de brincadeiras e vivências, tornando os conteúdos significativos para que ele se envolva, participe, se interesse e trans- forme informação em conhecimento.‖ Aliado ao trabalho em equipe, solidário e cooperativo permite que os objetivos globais do ensino ministrado pela escola convergem para os fins mais amplos da educação nacional e baseiam-se nos princípios da formação da cidadania, nos conceitos de respeito mú- tuo, ética e conscientização de direitos e deveres, formando alunos íntegros; promover a integração da escola-familia-comunidade, reconhecendo a liberdade de aprender, ensi- nar, pesquisar e divulgar a cultura, o lazer, o esporte, o pensamento, a arte e o saber, garan- tindo padrão de qualidade de ensino, a valorização do profissional da educação escolar. 17
  • 4. E E PROFESSOR UACURY RIBEIRO DE ASSIS BASTOS Ainda, devemos estar atentos às novas realidades sociais , revendo conceitos e idéias que até então nortearam os trabalhos; de forma a reinterpretar sua função e a redimensionar seus esforços para uma ação mais efetiva; já que com o advento da revolução tecnológica encontramos uma sociedade totalmente diversa, apresentando características que não se assemelham às do passado. Podemos destacar:  A competitividade é uma marca desta sociedade: a disputa é muito grande, vence o me- lhor, o mais preparado, o mais ágil, o mais criativo;  Não basta ―saber‖ – o conhecimento no abstrato -, é necessário que ele esteja atrelado ao ―fazer‖, ou seja, o conhecimento só é importante se tiver utilidade e levar ao desenvol- vimento de habilidades que permitam resolver problemas concretos;  O trabalho em equipe é importante, é fortalecedor em todos os níveis; deve, pois, ser a- prendido e incentivado;  A educação é um trabalho cada vez mais complexo que envolve toda a sociedade; por- tanto é impossível imaginar a escola trabalhando sozinha, isolada. ONDE QUEREMOS CHEGAR a) Promover a inclusão dentro das novas realidades sociais com ensino de qualidade; garantir o acesso e permanência dos alunos e combater as causas da repetência. b) Formar alunos comprometidos com os problemas sociais para que sejam no futuro adultos atuantes; e buscar a excelência no ensino e novas experiências pedagógicas. c) Buscar a competência leitora e escritora de todos os alunos, de forma que leiam, compreendam e possam emitir opiniões próprias sobre diversos assuntos, temas e gêneros. d) Motivar e proporcionar situações para que os alunos comecem e terminem o Ensino Médio; tenham perspectivas e conhecimentos para ingresso em universidades, conhecendo, inclusive os programas federais (Pro Uni, Enem...) e que possam utilizar o acervo pré vestibu- lar disponível na biblioteca. e) Trabalhar em ações voltadas à participação efetiva dos pais na vida escolar de seus filhos; ter conhecimento do que e como lhe é ensinado; controlar sua freqüência e realização das atividades propostas, sintonia e ênfase nos valores morais. Participação efetiva no Proje- to de Recuperação Paralela, de forma a minimizar dificuldades educacionais dos alunos, con- tando com a conscientização dos pais com alunos freqüentes. f) Conseguir alcançar as metas traçadas neste PPP, avaliando suas conquistas, dificul- dades e pontos positivos, seguindo para uma reestruturação freqüente deste documento. 18
  • 5. E E PROFESSOR UACURY RIBEIRO DE ASSIS BASTOS COMO ATINGIR OS OBJETIVOS  Chamar os pais para reuniões periódicas; intensificar o aprendizado de leitura e escri- ta e de resolução de problemas; criar novos espaços de ensino e aprendizagem; e in- cluir atividades extracurriculares.  Trazer para a escola a contribuição de profissionais de diversas áreas (psicólogos, so- ciólogos, médicos etc.) para ajudar os professores a entender as necessidades dos alunos; avaliar regularmente as metodologias e as práticas docentes; e promover momentos de avaliação permanente.  Trabalhar com projetos interdisciplinares e eixos temáticos, usando, inclusive, temas que são tratados pela mídia.  Planejar aulas que contemplem o planejamento formal, mas que também se utilize de forma contextualizada os equipamentos, materiais e instalações que a escola possui.  Buscar alternativas para otimizar a aprendizagem dos alunos de comprovadas neces- sidades pedagógicas especiais.  Manter os aspectos positivos até aqui trabalhados, os trabalhos realizados, as avalia- ções definidas como positivas e demais registros contidos neste PPP; bem como re- fletir, discutir, avaliar e definir ações sistemáticas – com prazos e datas definidas para itens que julgarem-se necessários para o pleno desenvolvimento do processo de en- sino, aprendizagem e avaliação.  Manter ótimos níveis de comprometimento e envolvimento com a educação. ASPECTOS A SEREM REFORÇADOS (PONTOS POSITIVOS)  Auto estima dos gestores, alunos e professores, quanto à escola, suas características e sua localização;  Preservação da escola por parte de todos que nela atuam;  Valorização da escola pela comunidade;  Possibilidade de desenvolver projetos, e novas ações pela aceitação dos alunos;  Instalações, estrutura física e equipamentos da escola;  Participação ativa de voluntários;  Bom número de professores efetivos, que assim como os gestores, atuam por vários anos, possibilitando a continuidade do trabalho;  Profissionalismo de muitos funcionários, professores e gestores;  Manter as características atuais, com intervenções pontuais nas resoluções de confli- tos, com ênfase nos valores morais, éticos e participativos, tendo a escola com institu- ição importante e prazerosa em sua vida; 19
  • 6. E E PROFESSOR UACURY RIBEIRO DE ASSIS BASTOS  Realizar ações, reflexões que permitam enxergar a realidade do cotidiano escolar e projetar sempre algo melhor;  Continuar com a leitura como elemento essencial do processo de aprendizagem e como fonte de diversão e prazer;  Os ―simulados‖, provas marcadas em período com a finalidade de: Criar a cultura de avaliações coletivas sistemáticas, dia específico, horários determinados para início e término da prova, gabaritos, provas com múltiplas opções,baseadas em competências e habilidades da matriz curricular que embasam SARESP e Prova Brasil.  Produção de vídeos que resgatam o histórico e mostram o aluno como agente ativo  Questionários para que os alunos respondam seus anseios e expectativas  Antes o foco estava na liberdade do professor para ensinar. Desde 1996, passou para o direito do aluno de aprender." ASPECTOS A SEREM CORRIGIDOS (DIFICULDADES) Relacionamos alguns itens que julgamos seja imperativo discutir ações para solucioná-los:  Maior participação da família em trabalhos em prol da escola; bem como a comunica- ção recíproca;  Maior acompanhamento familiar em relação à vida escolar do aluno;  Divulgação dos conteúdos ministrados, procedimentos adotados pela escola, dinâmi- cas dos professores e resultados de avaliações externas, bem como interpretação e análise destes resultados;  Conhecimento, aplicabilidade do conteúdo e formas de avaliação nos casos de inclu- são – alta dificuldade de aprendizagem;  Evasão escolar, com ações mais imediatas por parte dos Professores-Pcp-Gestores; com envio imediato ao Conselho tutelar em casos necessários;  Utilização mais efetiva dos espaços, equipamentos e instalações da escola;  Interesse do aluno e conscientização da importância do processo de ensino e apren- dizagem;  Aviso antecipado de possíveis faltas dos professores; com material disponível para que professores substitutos possam dar continuidade ao conteúdo planejado;  Falta de professores eventuais;  Convênio da municipalização no ciclo I. Existe rotatividade de professores, ou o mes- mo professor que pela pontuação não consegue assumir a sala em que daria sequên- cia em seu trabalho; 20
  • 7. E E PROFESSOR UACURY RIBEIRO DE ASSIS BASTOS  Utilização de recursos diversificados nas aulas de forma que transmitam os resultados das avaliações de maneira individualizada e esclarecedora;  Estabelecer planejamento com aulas diferenciadas, discutidas em HTPCs, as quais possam elevar a auto estima dos alunos, que possam desenvolver interesse em parti- cipar das aulas, sentindo-se um elemento inserido naquele contexto. Que tais aulas sejam prazerosas montadas a partir de temas que tragam curiosidade para os alunos.  Maior número de apresentações culturais (Teatro, coral, gincana, dança, etc) como instrumentos de aprendizagem;  Maior acompanhamento pedagógico por toda a equipe gestora;  Agilidade, embora o módulo não contemple ainda 01 secretário, de situações funcio- nais;  Utilizar a resolução de conflitos, como momento único para trabalho sobre valores e atitudes. Telma Vinha, Unicamp, diz que ― Os conflitos são inevitáveis em sala de aula em que a interação social e o trabalho em equipe são valorizados‖. Cabe ao educador intervir, vendo a situação como uma oportunidade para levar os alunos a resolver a questão e principalmente aprender com o ocorrido. Vale lembrar Paulo Freire que di- zia que neste universo fragmentário, conflituoso, onde coexistem desencantos e ex- pectativas, não existe profissional tão importante no presente e para o futuro de nos- sa sociedade como o professor que aparece como o profissional da esperança.  Acabar de vez com a ―pedagogia da maçaneta‖, onde não existe integração pedagógi- ca e cada professor trabalha o que bem entende dentro da sala de aula;  Garantir o registro dos trabalhos, especialmente nos diários de classe, que devem re- fletir a realidade pedagógica, e possibilidade de continuidade na troca de professores, na sequencia das séries;  Resistência de professores a novas mudanças;  Conectividade entre Ciclo I e Ciclo II para garantir umas boa ―transição‖, por exemplo: Tudo para combater a falta de interesse dos estudantes. A primeira modificação en- volveu o modo de ensinar História e Geografia. Da 1ª à 4ª série, os temas já eram a família, o entorno da escola, o bairro, a cidade e o estado (sempre tendo a criança como parte do mundo). Quando chegava à 5ª série, a gurizada começava a estudar o Descobrimento do Brasil. "Ninguém conseguia entender conteúdos tão distantes", re- lembra a vice-diretora, Marisa Aquino. "Agora o programa prevê aulas sobre o surgi- mento da Terra, a evolução do homem e sua organização em sociedade, sempre tra- çando paralelos com os dias atuais", explica Leda Miranda Andrade, professora de História. As atividades sobre pré-história criadas pela equipe da área também viraram febre. Os alunos constroem utensílios como os utilizados pelo homem da época e comparam com a tecnologia de hoje — e desenham com areia, barro e carvão, imi- tando as pinturas rupestres. Resultado: interesse cada vez maior. E uma escola me- lhor dia após dia. (Leda Miranda Andrade, Profª de História da EE Plácido de Castro, Porto Alegre) 21
  • 8. E E PROFESSOR UACURY RIBEIRO DE ASSIS BASTOS SISTEMAS DE AVALIAÇÃO INTERNA Nossa escola segue a normatização da SEE; onde após cada final de bimestre e con- selho final as notas são digitadas no sistema Prodesp, onde pais podem ter acesso. O valor numérico da nota é uma de suas funções. "Apesar da necessidade de tornar a avaliação con- tínua e diversificada, a simples observação do professor nunca é suficientemente profunda e individualizada em uma classe com dezenas de estudantes. A avaliação por escrito, portanto, sempre terá sua importância", afirma Jussara Hoffmann, autora de livros sobre o tema e uma das críticas dos testes feitos apenas para atribuir um conceito aos alunos. Jussara propõe o uso de questões cujas respostas indiquem o que cada um aprendeu e, com isso, ajudem o professor a melhorar as aulas. Cabe ao gestor responsável pela formação permanente fazer reuniões para discutir os critérios de elaboração. Utilizamos nos Conselhos de Classe e Série, números que qualificam, justificam e a- pontam necessidades das competências e habilidades projetadas no conteúdo de cada disci- plina. O professor deve, com atenção, antecipadamente relacionar estes números. Agiliza o processo e permite à todos, inclusive aos pais e alunos conscientizarem-se dos pontos positi- vos e negativos. Por esta razão não adianta ―em cima da hora‖ recitar números de forma me- cânica e irreal. Também é necessário, após o conselho, dar prosseguimento às ações pre- tendidas; bem como analisar de um bimestre para o outro quais foram os avanços e as difi- culdades. Após a realização do conselho, a equipe pedagógica da escola deve tomar provi- dências acerca dos itens diagnosticados. Utilizar várias formas e instrumentos de avaliação, de forma à diagnosticar o aluno de forma global, com objetivo formativo, base para futuras atividades e caráter não punitivo. É imprescindível que todos estabeleçam determinado instrumento (por ex. prova descritiva) dentro do mesmo critério. É necessário que cada professor analise : As atividades são pare- cidas com as realizadas pelos alunos? As perguntas se justificam diante do que o professor quer saber? As questões estão claras? Há espaço para as respostas? As orientações estão adequadas? O correto é tomar como base não apenas o conteúdo ensinado em sala mas também a forma como ele foi apresentado. Se uma turma trabalhou em duplas nas aulas e explorou as possibilidades de respostas de forma colaborativa, por exemplo, o mesmo método pode ser adotado no exame. "Não há motivo para fazer da prova uma surpresa para o grupo", afir- ma Beatriz Cortese, formadora do Centro de Estudos e Pesquisas em Educação, Cultura e Ação Comunitária (Cenpec), de São Paulo. Para ela, a melhor maneira de conferir se há a ligação entre o cotidiano da classe e as solicitações da prova é compará-la com as anotações nos cadernos. Além de ser parâmetro e referencial, as notas devem ser subsídios importantes para que o professor também se autoavalie; algo não parece ir muito bem em uma sala que tenha 40 alunos e mais de 50% (exemplificando bem ―alto‖) ficou com notas abaixo da média. È necessário rever conceitos, dinâmicas, procedimentos, conteúdos dentro de um todo; da dis- ciplina, da área e da escola. A troca de informações e análise desprovida de qualquer caráter punitivo é essencial. Abaixo relacionamos algumas formas e situações de instrumentos de avaliação. Vale a pena lembrar que o assunto é exaustivamente tratado em reuniões de HTPC’s, Planejamentos, entre outros momentos. 22
  • 9. E E PROFESSOR UACURY RIBEIRO DE ASSIS BASTOS Prova objetiva Série de perguntas diretas, para respostas curtas, com apenas uma solu- Definição ção possível Avaliar quanto o aluno apreendeu sobre dados singulares e específicos do Função conteúdo É familiar às crianças, simples de preparar e de responder e pode abran- Vantagens ger grande parte do exposto em sala de aula Pode ser respondida ao acaso ou de memória e sua análise não permite Atenção constatar quanto o aluno adquiriu de conhecimento Selecione os conteúdos para elaborar as questões e faça as chaves de Planejamento correção; elabore as instruções sobre a maneira adequada de responder às perguntas Defina o valor de cada questão e multiplique-o pelo número de respostas Análise corretas Liste os conteúdos que os alunos precisam memorizar; ensine estratégias como utilizar as que facilitem associações, como listas agrupadas por idéias, relações com informações elementos gráficos e ligações com conteúdos já assimilados Prova dissertativa Série de perguntas que exijam capacidade de estabelecer relações, re- definição sumir, analisar e julgar Verificar a capacidade de analisar o problema central, abstrair fatos, Função formular idéias e redigi-las O aluno tem liberdade para expor os pensamentos, mostrando habilida- vantagens des de organização, interpretação e expressão Não mede o domínio do conhecimento, cobre amostra pequena do con- atenção teúdo e não permite amostragem Elabore poucas questões e dê tempo suficiente para que os alunos pos- planejamento sam pensar e sistematizar seus pensamentos Defina o valor de cada pergunta e atribua pesos a clareza das idéias, Análise para a capacidade de argumentação e conclusão e a apresentação da prova como utilizar as Se o desempenho não for satisfatório, crie experiências e motivações 23
  • 10. E E PROFESSOR UACURY RIBEIRO DE ASSIS BASTOS informações que permitam ao aluno chegar à formação dos conceitos mais importan- tes Seminário Exposição oral para um público leigo, utilizando a fala e materiais de apoio definição adequados ao assunto Possibilitar a transmissão verbal das informações pesquisadas de forma Função eficaz Contribui para a aprendizagem do ouvinte e do expositor, exige pesquisa, vantagens planejamento e organização das informações; desenvolve a oralidade em público Conheça as características pessoais de cada aluno para evitar compara- atenção ções na apresentação de um tímido ou outro desinibido Ajude na delimitação do tema, forneça bibliografia e fontes de pesquisa, esclareça os procedimentos apropriados de apresentação; defina a dura- planejamento ção e a data da apresentação; solicite relatório individual de todos os alu- nos Atribua pesos à abertura, ao desenvolvimento do tema, aos materiais utili- Análise zados e à conclusão. Estimule a classe a fazer perguntas e emitir opiniões Caso a apresentação não tenha sido satisfatória, planeje atividades espe- como utilizar as cíficas que possam auxiliar no desenvolvimento dos objetivos não atingi- informações dos Trabalho em grupo Atividades de natureza diversa (escrita, oral, gráfica, corporal etc) realiza- definição das coletivamente Função Desenvolver o espírito colaborativo e a socialização Possibilita o trabalho organizado em classes numerosas e a abrangência vantagens de diversos conteúdos em caso de escassez de tempo Conheça as características pessoais de cada aluno para evitar compara- atenção ções na apresentação de um tímido ou outro desinibido Proponha uma série de atividades relacionadas ao conteúdo a ser traba- planejamento lhado, forneça fontes de pesquisa, ensine os procedimentos necessários e indique os materiais básicos para a consecução dos objetivos Análise Observe se houve participação de todos e colaboração entre os colegas, 24
  • 11. E E PROFESSOR UACURY RIBEIRO DE ASSIS BASTOS atribua valores às diversas etapas do processo e ao produto final como utilizar as Em caso de haver problemas de socialização, organize jogos e atividades informações em que a colaboração seja o elemento principal Debate Discussão em que os alunos expõem seus pontos de vista a respeito de definição assunto polêmico Aprender a defender uma opinião fundamentando-a em argumentos con- função vincentes Desenvolve a habilidade de argumentação e a oralidade; faz com que o vantagens aluno aprenda a escutar com um propósito Como mediador, dê chance de participação a todos e não tente apontar atenção vencedores, pois em um debate deve-se priorizar o fluxo de informações entre as pessoas Defina o tema, oriente a pesquisa prévia, combine com os alunos o tempo, as regras e os procedimentos; mostre exemplos de bons debates. No final, planejamento peça relatórios que contenham os pontos discutidos. Se possível, filme a discussão para análise posterior Estabeleça pesos para a pertinência da intervenção, a adequação do uso análise da palavra e a obediência às regras combinadas como utilizar as Crie outros debates em grupos menores; analise o filme e aponte as defici- informações ências e os momentos positivos Relatório individual Texto produzido pelo aluno depois de atividades práticas ou projetos temá- definição ticos Averiguar se o aluno adquiriu conhecimento e se conhece estruturas de função texto É possível avaliar o real nível de apreensão de conteúdos depois de ativi- vantagens dades coletivas ou individuais atenção Evite julgar a opinião do aluno Defina o tema e oriente a turma sobre a estrutura apropriada (introdução, desenvolvimento, conclusão e outros itens que julgar necessários, depen- planejamento dendo da extensão do trabalho); o melhor modo de apresentação e o ta- manho aproximado 25
  • 12. E E PROFESSOR UACURY RIBEIRO DE ASSIS BASTOS Estabeleça pesos para cada item que for avaliado (estrutura do texto, gra- Análise mática, apresentação) Só se aprende a escrever escrevendo. Caso algum aluno apresente dificul- como utilizar as dade em itens essenciais, crie atividades específicas, indique bons livros e informações solicite mais trabalhos escritos Auto-avaliação Análise oral ou por escrito, em formato livre, que o aluno faz do próprio pro- definição cesso de aprendizagem Fazer o aluno adquirir capacidade de analisar suas aptidões e atitudes, função pontos fortes e fracos O aluno torna-se sujeito do processo de aprendizagem, adquire responsa- vantagens bilidade sobre ele, aprende a enfrentar limitações e a aperfeiçoar potencia- lidades O aluno só se abrirá se sentir que há um clima de confiança entre o profes- atenção sor e ele e que esse instrumento será usado para ajudá-lo a aprender Forneça ao aluno um roteiro de auto-avaliação, definindo as áreas sobre as quais você gostaria que ele discorresse; liste habilidades e comportamen- planejamento tos e peça para ele indicar aquelas em que se considera apto e aquelas em que precisa de reforço Use esse documento ou depoimento como uma das principais fontes para análise o planejamento dos próximos conteúdos como utilizar as Ao tomar conhecimento das necessidades do aluno, sugira atividades indi- informações viduais ou em grupo para ajudá-lo a superar as dificuldades Observação Análise do desempenho do aluno em fatos do cotidiano escolar ou em si- definição tuações planejadas Seguir o desenvolvimento do aluno e ter informações sobre as áreas afeti- função va, cognitiva e psicomotora Perceber como o aluno constrói o conhecimento, seguindo de perto todos vantagens os passos desse processo Faça anotações no momento em que ocorre o fato; evite generalizações e atenção julgamentos subjetivos; considere somente os dados fundamentais no pro- cesso de aprendizagem 26
  • 13. E E PROFESSOR UACURY RIBEIRO DE ASSIS BASTOS Elabore uma ficha organizada (check-list, escalas de classificação) pre- planejamento vendo atitudes, habilidades e competências que serão observadas. Isso vai auxiliar na percepção global da turma e na interpretação dos dados Compare as anotações do início do ano com os dados mais recentes para Análise perceber o que o aluno já realiza com autonomia e o que ainda precisa de acompanhamento Esse instrumento serve como uma lupa sobre o processo de desenvolvi- como utilizar as mento do aluno e permite a elaboração de intervenções específicas para informações cada caso Conselho de classe definição Reunião liderada pela equipe pedagógica de uma determinada turma Compartilhar informações sobre a classe e sobre cada aluno para embasar função a tomada de decisões Favorece a integração entre professores, a análise do curriculo e a eficácia vantagens dos métodos utilizados; facilita a compreensão dos fatos com a exposição de diversos pontos de vista Faça sempre observações concretas e não rotule o aluno; cuidado para atenção que a reunião não se torne apenas uma confirmação de aprovação ou de reprovação Conhecendo a pauta de discussão, liste os itens que pretende comentar. planejamento Todos os participantes devem ter direito à palavra para enriquecer o diag- nóstico dos problemas, suas causas e soluções O resultado final deve levar a um consenso da equipe em relação às inter- análise venções necessárias no processo de ensino-aprendizagem considerando as áreas afetiva, cognitiva e psicomotora dos alunos O professor deve usar essas reuniões como ferramenta de auto-análise. A como utilizar as equipe deve prever mudanças tanto na prática diária de cada docente co- informações mo também no currículo e na dinâmica escolar, sempre que necessário 27