SlideShare uma empresa Scribd logo
O senhor e salvador jesus cristo
"Disse-lhe Jesus: Eu sou o caminho,
e a verdade, e a vida. Ninguém vem
ao Pai senão por mim." (Jo 14.6).
Cremos no Senhor Jesus Cristo, o Filho
Unigênito de Deus, plenamente Deus,
plenamente Homem e o único
Salvador do mundo.
João 1.1-14.
1- NO princípio era o Verbo, e o Verbo estava com
Deus, e o Verbo era Deus.
2- Ele estava no princípio com Deus.
3- Todas as coisas foram feitas por ele, e sem ele nada
do que foi feito se fez.
4- Nele estava a vida, e a vida era a luz dos homens.
5- E a luz resplandece nas trevas, e as trevas não a
compreenderam.
6- Houve um homem enviado de Deus, cujo nome era
João.
7- Este veio para testemunho, para que testificasse da
luz, para que todos cressem por ele.
8- Não era ele a luz, mas para que testificasse da luz.
9- Ali estava a luz verdadeira, que ilumina a todo o
homem que vem ao mundo.
10- Estava no mundo, e o mundo foi feito por ele, e o
mundo não o conheceu.
11- Veio para o que era seu, e os seus não o
receberam.
12- Mas, a todos quantos o receberam, deu-lhes o
poder de serem feitos filhos de Deus, aos que creem no
seu nome;
13- Os quais não nasceram do sangue, nem da vontade
da carne, nem da vontade do homem, mas de Deus.
14- E o Verbo se fez carne, e habitou entre nós, e vimos
a sua glória, como a glória do unigênito do Pai, cheio de
graça e de verdade.
Há inúmeros pontos da cristologia dignos de ocupar a
mente e o coração de todos os seres humanos. O nosso
espaço aqui é exíguo para um estudo completo. Temos de
nos contentar com alguns pontos relevantes sobre a
verdadeira Identidade de Jesus.
A provisão do Antigo Testamento sobre a obra redentora de
Deus em Cristo é rica em detalhes. Os escritores do Novo
Testamento reconhecem a presença e a obra de Cristo na
história da redenção, nas suas instituições e festas.
O nosso enfoque aqui é a verdadeira identidade Jesus.
1. O Filho de Deus. O apóstolo João explica o motivo que o
levou a escrever o seu evangelho com as seguintes
palavras: "Estes, porém, foram escritos para que creiais
que Jesus é o Cristo, o Filho de Deus, e para que, crendo,
tenhais vida em seu nome" (Jo 20.31). Temos aqui dois
pontos importantes.
O primeiro é sobre a identidade de Jesus: Ele é o Cristo e o
Filho de Deus; o outro é o motivo dessa revelação, a
redenção de todo aquele que crê nessa verdade. É de toda
importância saber o significado do título "Filho de Deus". A
profecia de Isaías anuncia: "Porque um menino nos nasceu,
um filho se nos deu" (Is 9.6).
Note que o menino nasceu, mas o Filho, segundo a palavra
profética, não nasceu, mas "se nos deu". O nascimento
desse menino aconteceu em Belém, mas o Filho foi gerado
desde a eternidade (Jo 17.5,24), pois transcende a criação:
"E ele é antes de todas as coisas, e todas as coisas subsistem
por ele" (Cl 1.17). É como disse Atanásio, em resposta aos
arianistas, referindo-se à eternidade de Jesus:
"o Pai não seria Pai se não existisse o Filho".
2. Significado. O significado do termo "filho" nas
Escrituras é amplo, e uma das acepções diz respeito à
mesma natureza do pai (Jo 14.8,9). Quando Jesus se declarou
Filho de Deus, Ele estava reafirmado sua divindade, e os
judeus entenderam perfeitamente a mensagem (Jo
5.17,18). O Mestre disse: "Eu e o Pai somos um" (Jo 10.30).
E, mais adiante, no mesmo debate com os judeus, Jesus
esclareceu o que significa ser Filho de Deus: "àquele a quem
o Pai santificou e enviou ao mundo, vós dizeis: Blasfemas,
porque disse: Sou Filho de Deus?" (Jo 10.36). Alegar que
Jesus não é Deus, mas o Filho de Deus, como fazem alguns,
é uma contradição.
3. Significado de "unigênito" (v.14b).
A etimologia do termo "unigênito", monogenés, em
grego, indica a deidade do Filho. Essa palavra só aparece
nove vezes no Novo Testamento, sendo três em Lucas (7.12;
8.42; 9.38), uma em Hebreus (11.17) e as outras cinco em
referência a Jesus nos escritos joaninos (Jo 1.14,18; 3.16,18; 1Jo 4.9).
O vocábulo vem de monos, "único", e de genes, que nos
parece derivar de genós, "raça, tipo", e não
necessariamente do verbo gennao, "gerar.
Ele é o monogenes de
isto é, o único do Seu tipo.
Então, unigênito, quando empregado em relação a Jesus,
transmite a ideia de consubstancialidade. É exatamente o
que declara o Credo Niceno: "E [cremos] em um só Senhor
Jesus Cristo, Filho de Deus, o Unigênito do Pai, que é da
substância do Pai, Deus de Deus, Luz de Luz, verdadeiro
Deus de verdadeiro Deus, gerado, não feito, de uma só
substância com o Pai".
1. O Verbo de Deus (Jo 1.1). O "Verbo" é a Palavra, do grego
Logos. O termo "Deus" aparece duas vezes nessa passagem,
uma delas em referência ao Pai: "e o Verbo estava com
Deus". Aqui temos uma indicação do relacionamento
intratrinitariano, ou seja, entre a Trindade, antes mesmo da
fundação do mundo.
A preposição grega pros, usada para "com" nessa segunda
cláusula, diz respeito ao plano de igualdade e intimidade,
face a face, além de mostrar a distinção entre o Pai e o
Filho, um golpe mortal contra o sabelianismo.
A segunda referência, "e o Verbo era
Deus", aponta para o Filho. Não se trata
de acréscimo de mais um Deus aqui, posto
que ao apóstolo foi revelado, pelo Espírito
Santo, que o Verbo divino está incluído na
essência una e indivisível da Deidade,
embora seja Ele distinto do Pai (Jo 8.17,18; 2 Jo
3). Da mesma forma, o apóstolo Paulo
transmitiu essa verdade, ao dizer que
"para nós há um só Deus, o Pai, de quem
é tudo e para quem nós vivemos; e um só
Senhor, Jesus Cristo, pelo qual são todas
as coisas, e nós por ele" (1 Co 8.6). Trata-se
do monoteísmo cristão.
2. Reações à divindade de Jesus. É digno de nota que os
apóstolos João e Paulo, como os demais, eram judeus e
foram criados num contexto monoteístico. Portanto, não
admitiam em hipótese alguma outra divindade, senão só, e
somente só, o Deus Javé de Israel (Mc 12.28-30).
Observemos que, a cada fala do Senhor Jesus a respeito de
sua divindade, de sua igualdade com o Pai, o próprio
apóstolo João registra a reação dos judeus como protesto
(Jo 5.18;' 8.58,59; 10.30-33). Mesmo assim, esses apóstolos não
hesitaram em declarar, com ousadia e abertamente, a
deidade absoluta de Jesus (Jo 20.28; Rm 9.5; Cl 2.9; Tt 2.13; 1 Jo 5.20).
3. O relacionamento entre o Pai e o Filho.
Os pais da Igreja perceberam também que, além das
construções tripartidas, do relacionamento intratrinitariano
e histórico-salvífico revelado nas Escrituras Sagradas, havia
ainda as construções bipartidas que identificam a mesma
deidade no Pai e no Filho.
O Pai e o Filho aparecem no mesmo nível de divindade (Gl 1.1;
1Tm 6.13; 2 Tm 4.1). Essas expressões bipartidas provam que o
Pai e o Filho são o mesmo Deus, possuindo a mesma
substância, mas são diferentes na forma e na função, não
em poder e majestade. Veja o seguinte exemplo:
"Graça e paz de Deus, nosso Pai, e do Senhor Jesus Cristo"
(Rm 1.7). Os primeiros cristãos não precisavam de
explicações adicionais para compreender a divindade de
Jesus em declarações como essas (2 Pe 1.1).
1. "E o Verbo se fez carne" (Jo 1.14a).
O prólogo do Evangelho de João começa com a divindade de
Jesus e conclui com a sua humanidade. O Senhor Jesus
Cristo é o verdadeiro Deus e o verdadeiro homem. A sua
divindade está presente na Bíblia inteira, de maneira direta
e indireta, nos ensinos e nas obras de Jesus, com tal
abundância de detalhes que infelizmente não é possível
mencioná-los aqui por absoluta falta de espaço.
A encarnação do Verbo significa que Deus assumiu a forma
humana. A concepção e o nascimento virginal de Jesus (Is
7.14; Mt 1.123) são obra do Espírito Santo (Mt 1.20; Lc
1.35). Tal encarnação do Verbo é um mistério (1 Tm 3.16).
2. Características humanas.
Assim como as Escrituras revelam a
deidade absoluta de Jesus, da mesma
forma elas ensinam que Ele é
plenamente homem: "Jesus Cristo,
homem" (1Tm 2.5). Há abundantes e
incontestáveis provas de sua
humanidade, ou seja, de que Ele nasceu,
cresceu e viveu entre nós. Seu
nascimento é contado com detalhes nos
dois primeiros capítulos de Mateus e de
Lucas. Ele cresceu em estatura física e
intelectual (Lc 2.52); e sentiu fome, sede,
sono e cansaço (Mt 4.2; 8.24; Jo 4.6; 19.28).
3. Necessidade da encarnação do Verbo. Jesus foi revestido
do corpo humano porque o pecado entrou na humanidade
por meio do casal Adão e Eva, seres humanos, e pela justiça
de Deus o pecado tinha de ser vencido também por um ser
humano (Rm 5.12, 17-19). Jesus se fez carne. Fez-se homem
sujeito ao pecado, embora nunca houvesse pecado, e venceu
o pecado como homem (Rm 8.3).
A Bíblia mostra que todo o gênero humano está condenado;
que o homem está perdido e debaixo da maldição do pecado
(SI 14.2,3; Rm 3.23). Todos são devedores, por isso, ninguém pode
pagar a dívida do outro. A Bíblia afirma que somente Deus
pode salvar (Is 43.11). Então, esse mesmo Deus tornou-se
homem, trazendo-nos o perdão de nossos pecados e
cumprindo Ele mesmo a lei que promulgara (At 4.12; 1 Tm 3.16; Cl 2.14).
O Senhor Jesus Cristo é a mais controvertida de todas as
personagens da História porque é o único que é o
verdadeiro Deus e o verdadeiro homem, e a sua verdadeira
identidade só é possível pela revelação (Mt 16.17; 1Co
12.3). Isso revela a sua divindade.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Jesus o Filho Literal de Deus antes da Eternidade
Jesus o Filho Literal de Deus antes da EternidadeJesus o Filho Literal de Deus antes da Eternidade
Jesus o Filho Literal de Deus antes da Eternidade
ASD Remanescentes
 
Jesus criado ou gerado
Jesus criado ou geradoJesus criado ou gerado
Jesus criado ou gerado
ASD Remanescentes
 
20174 LBA 3 tri Lição 4 - O senhor e salvador jesus cristo
20174 LBA 3 tri Lição 4 - O senhor e salvador jesus cristo20174 LBA 3 tri Lição 4 - O senhor e salvador jesus cristo
20174 LBA 3 tri Lição 4 - O senhor e salvador jesus cristo
Natalino das Neves Neves
 
Lição 05 - A identidade do espirito santo
Lição 05 - A identidade do espirito santoLição 05 - A identidade do espirito santo
Lição 05 - A identidade do espirito santo
Daniel Felipe Kroth
 
Estudo biblico sobre as verdades
Estudo biblico sobre as verdadesEstudo biblico sobre as verdades
Estudo biblico sobre as verdades
ASD Remanescentes
 
Trabalho da mainha
Trabalho da mainhaTrabalho da mainha
Trabalho da mainha
Vitor Santos
 
LBA 2017 3 tri Lição 2 - O único deus verdadeiro e a criação
LBA 2017 3 tri Lição 2 - O único deus verdadeiro e a criaçãoLBA 2017 3 tri Lição 2 - O único deus verdadeiro e a criação
LBA 2017 3 tri Lição 2 - O único deus verdadeiro e a criação
Natalino das Neves Neves
 
INSPIRAÇÃO DIVINA E AUTORIDADE DA BÍBLIA
INSPIRAÇÃO DIVINA E AUTORIDADE DA BÍBLIAINSPIRAÇÃO DIVINA E AUTORIDADE DA BÍBLIA
INSPIRAÇÃO DIVINA E AUTORIDADE DA BÍBLIA
Pr Neto
 
O Único Deus Verdadeiro e a Criação.
O Único Deus Verdadeiro e a Criação.O Único Deus Verdadeiro e a Criação.
O Único Deus Verdadeiro e a Criação.
Márcio Martins
 
Licao 2 o único deus verdadeiro e a criação
Licao 2   o único deus verdadeiro e a criaçãoLicao 2   o único deus verdadeiro e a criação
Licao 2 o único deus verdadeiro e a criação
Francisco Barbosa
 
Lição 3: A Santíssima Trindade um só Deus em três Pessoas
Lição 3: A Santíssima Trindade um só Deus em três PessoasLição 3: A Santíssima Trindade um só Deus em três Pessoas
Lição 3: A Santíssima Trindade um só Deus em três Pessoas
Francisco Barbosa
 
Lição 8 - Jesus o missionário excelente
Lição 8 - Jesus o missionário excelenteLição 8 - Jesus o missionário excelente
Lição 8 - Jesus o missionário excelente
Erberson Pinheiro
 
Seria Jesus igual ao seu Pai? Ambos são Deus todo Poderoso?
Seria Jesus igual ao seu Pai? Ambos são Deus todo Poderoso?Seria Jesus igual ao seu Pai? Ambos são Deus todo Poderoso?
Seria Jesus igual ao seu Pai? Ambos são Deus todo Poderoso?
ASD Remanescentes
 
Apologética
ApologéticaApologética
Inspiração Divina e Autoridade da Bíblia
Inspiração Divina e Autoridade da BíbliaInspiração Divina e Autoridade da Bíblia
Inspiração Divina e Autoridade da Bíblia
Márcio Martins
 
A Santíssima Trindade um só Deus em três Pessoas.
A Santíssima Trindade um só Deus em três Pessoas.A Santíssima Trindade um só Deus em três Pessoas.
A Santíssima Trindade um só Deus em três Pessoas.
Márcio Martins
 
70 razões porque não cremos na doutrina da trindade
70 razões porque não cremos na doutrina da trindade70 razões porque não cremos na doutrina da trindade
70 razões porque não cremos na doutrina da trindade
ASD Remanescentes
 
O unico deus verdadeiro e a criaçao
O unico deus verdadeiro e a criaçaoO unico deus verdadeiro e a criaçao
O unico deus verdadeiro e a criaçao
Hamilton Souza
 
Lição 03 - a santíssima trindade, um só deus em três pessoas
Lição 03 - a santíssima trindade, um só deus em três pessoasLição 03 - a santíssima trindade, um só deus em três pessoas
Lição 03 - a santíssima trindade, um só deus em três pessoas
Daniel Felipe Kroth
 
Espírito santo
Espírito santoEspírito santo
Espírito santo
Pr Neto
 

Mais procurados (20)

Jesus o Filho Literal de Deus antes da Eternidade
Jesus o Filho Literal de Deus antes da EternidadeJesus o Filho Literal de Deus antes da Eternidade
Jesus o Filho Literal de Deus antes da Eternidade
 
Jesus criado ou gerado
Jesus criado ou geradoJesus criado ou gerado
Jesus criado ou gerado
 
20174 LBA 3 tri Lição 4 - O senhor e salvador jesus cristo
20174 LBA 3 tri Lição 4 - O senhor e salvador jesus cristo20174 LBA 3 tri Lição 4 - O senhor e salvador jesus cristo
20174 LBA 3 tri Lição 4 - O senhor e salvador jesus cristo
 
Lição 05 - A identidade do espirito santo
Lição 05 - A identidade do espirito santoLição 05 - A identidade do espirito santo
Lição 05 - A identidade do espirito santo
 
Estudo biblico sobre as verdades
Estudo biblico sobre as verdadesEstudo biblico sobre as verdades
Estudo biblico sobre as verdades
 
Trabalho da mainha
Trabalho da mainhaTrabalho da mainha
Trabalho da mainha
 
LBA 2017 3 tri Lição 2 - O único deus verdadeiro e a criação
LBA 2017 3 tri Lição 2 - O único deus verdadeiro e a criaçãoLBA 2017 3 tri Lição 2 - O único deus verdadeiro e a criação
LBA 2017 3 tri Lição 2 - O único deus verdadeiro e a criação
 
INSPIRAÇÃO DIVINA E AUTORIDADE DA BÍBLIA
INSPIRAÇÃO DIVINA E AUTORIDADE DA BÍBLIAINSPIRAÇÃO DIVINA E AUTORIDADE DA BÍBLIA
INSPIRAÇÃO DIVINA E AUTORIDADE DA BÍBLIA
 
O Único Deus Verdadeiro e a Criação.
O Único Deus Verdadeiro e a Criação.O Único Deus Verdadeiro e a Criação.
O Único Deus Verdadeiro e a Criação.
 
Licao 2 o único deus verdadeiro e a criação
Licao 2   o único deus verdadeiro e a criaçãoLicao 2   o único deus verdadeiro e a criação
Licao 2 o único deus verdadeiro e a criação
 
Lição 3: A Santíssima Trindade um só Deus em três Pessoas
Lição 3: A Santíssima Trindade um só Deus em três PessoasLição 3: A Santíssima Trindade um só Deus em três Pessoas
Lição 3: A Santíssima Trindade um só Deus em três Pessoas
 
Lição 8 - Jesus o missionário excelente
Lição 8 - Jesus o missionário excelenteLição 8 - Jesus o missionário excelente
Lição 8 - Jesus o missionário excelente
 
Seria Jesus igual ao seu Pai? Ambos são Deus todo Poderoso?
Seria Jesus igual ao seu Pai? Ambos são Deus todo Poderoso?Seria Jesus igual ao seu Pai? Ambos são Deus todo Poderoso?
Seria Jesus igual ao seu Pai? Ambos são Deus todo Poderoso?
 
Apologética
ApologéticaApologética
Apologética
 
Inspiração Divina e Autoridade da Bíblia
Inspiração Divina e Autoridade da BíbliaInspiração Divina e Autoridade da Bíblia
Inspiração Divina e Autoridade da Bíblia
 
A Santíssima Trindade um só Deus em três Pessoas.
A Santíssima Trindade um só Deus em três Pessoas.A Santíssima Trindade um só Deus em três Pessoas.
A Santíssima Trindade um só Deus em três Pessoas.
 
70 razões porque não cremos na doutrina da trindade
70 razões porque não cremos na doutrina da trindade70 razões porque não cremos na doutrina da trindade
70 razões porque não cremos na doutrina da trindade
 
O unico deus verdadeiro e a criaçao
O unico deus verdadeiro e a criaçaoO unico deus verdadeiro e a criaçao
O unico deus verdadeiro e a criaçao
 
Lição 03 - a santíssima trindade, um só deus em três pessoas
Lição 03 - a santíssima trindade, um só deus em três pessoasLição 03 - a santíssima trindade, um só deus em três pessoas
Lição 03 - a santíssima trindade, um só deus em três pessoas
 
Espírito santo
Espírito santoEspírito santo
Espírito santo
 

Semelhante a O senhor e salvador jesus cristo

Lição 4 - O Senhor e Salvador Jesus Cristo
Lição 4 - O Senhor e Salvador Jesus CristoLição 4 - O Senhor e Salvador Jesus Cristo
Lição 4 - O Senhor e Salvador Jesus Cristo
Erberson Pinheiro
 
Lição 4 - O Senhor e Salvador Jesus Cristo
Lição 4 - O Senhor e Salvador Jesus CristoLição 4 - O Senhor e Salvador Jesus Cristo
Lição 4 - O Senhor e Salvador Jesus Cristo
Éder Tomé
 
29 joão
29 joão29 joão
29 joão
PIB Penha
 
JESUS - O Homem Deus
JESUS - O Homem DeusJESUS - O Homem Deus
JESUS - O Homem Deus
Abdias Barreto
 
1 trindade - 08-09-2013 (1)
1   trindade - 08-09-2013 (1)1   trindade - 08-09-2013 (1)
1 trindade - 08-09-2013 (1)
judju
 
Documento
DocumentoDocumento
Documento
Adriano Ferreira
 
Jesus é Deus cr brasil
Jesus é Deus   cr brasilJesus é Deus   cr brasil
Jesus é Deus cr brasil
Celso do Rozário Brasil Gonçalves
 
E.b.d adultos 3ºtrimestre 2017 lição 04
E.b.d   adultos 3ºtrimestre 2017 lição 04E.b.d   adultos 3ºtrimestre 2017 lição 04
E.b.d adultos 3ºtrimestre 2017 lição 04
Joel Silva
 
Genesis ate levitico atualizado ate 15042010
Genesis ate levitico   atualizado ate 15042010Genesis ate levitico   atualizado ate 15042010
Genesis ate levitico atualizado ate 15042010
teologiadaaplicabilidade
 
Genesis ate levitico atualizado ate 15042010
Genesis ate levitico   atualizado ate 15042010Genesis ate levitico   atualizado ate 15042010
Genesis ate levitico atualizado ate 15042010
dalto
 
Genesis ate levitico atualizado ate 15042010
Genesis ate levitico   atualizado ate 15042010Genesis ate levitico   atualizado ate 15042010
Genesis ate levitico atualizado ate 15042010
teologiadaaplicabilidade
 
QUEM É JESUS CRISTO SEGUNDO AS TESTEMUNHAS DE JEOVÁ?
QUEM É JESUS CRISTO SEGUNDO AS TESTEMUNHAS DE JEOVÁ?QUEM É JESUS CRISTO SEGUNDO AS TESTEMUNHAS DE JEOVÁ?
QUEM É JESUS CRISTO SEGUNDO AS TESTEMUNHAS DE JEOVÁ?
JOSE ROBERTO ALVES DA SILVA
 
A pessoa de cristo
A pessoa de cristoA pessoa de cristo
A pessoa de cristo
Gilson Barbosa
 
Razões da nossa fé lição 2
Razões da nossa fé   lição 2Razões da nossa fé   lição 2
Razões da nossa fé lição 2
Mariângela Domeniche Perdomo
 
Abertamente Jesus é declarado Deus
Abertamente Jesus é declarado DeusAbertamente Jesus é declarado Deus
Abertamente Jesus é declarado Deus
jb1955
 
Sim, ele é o Cristo lição 01
Sim, ele é o Cristo  lição 01Sim, ele é o Cristo  lição 01
Sim, ele é o Cristo lição 01
Mariângela Domeniche Perdomo
 
Doutrinas biblicas
Doutrinas biblicasDoutrinas biblicas
Doutrinas biblicas
Lemuell Canario
 
Airton evangelista da_costa_-_150_perguntas_e_respostas
Airton evangelista da_costa_-_150_perguntas_e_respostasAirton evangelista da_costa_-_150_perguntas_e_respostas
Airton evangelista da_costa_-_150_perguntas_e_respostas
INOVAR CLUB
 
APOSTILA TEOLOGIA SISTEMATICA - Aula 10 - Trindade (1).pdf
APOSTILA TEOLOGIA SISTEMATICA - Aula 10 - Trindade (1).pdfAPOSTILA TEOLOGIA SISTEMATICA - Aula 10 - Trindade (1).pdf
APOSTILA TEOLOGIA SISTEMATICA - Aula 10 - Trindade (1).pdf
SEDUC-PA
 
aula4-cristologia-130618192303-phpapp02.pptx
aula4-cristologia-130618192303-phpapp02.pptxaula4-cristologia-130618192303-phpapp02.pptx
aula4-cristologia-130618192303-phpapp02.pptx
LucianoMachado52
 

Semelhante a O senhor e salvador jesus cristo (20)

Lição 4 - O Senhor e Salvador Jesus Cristo
Lição 4 - O Senhor e Salvador Jesus CristoLição 4 - O Senhor e Salvador Jesus Cristo
Lição 4 - O Senhor e Salvador Jesus Cristo
 
Lição 4 - O Senhor e Salvador Jesus Cristo
Lição 4 - O Senhor e Salvador Jesus CristoLição 4 - O Senhor e Salvador Jesus Cristo
Lição 4 - O Senhor e Salvador Jesus Cristo
 
29 joão
29 joão29 joão
29 joão
 
JESUS - O Homem Deus
JESUS - O Homem DeusJESUS - O Homem Deus
JESUS - O Homem Deus
 
1 trindade - 08-09-2013 (1)
1   trindade - 08-09-2013 (1)1   trindade - 08-09-2013 (1)
1 trindade - 08-09-2013 (1)
 
Documento
DocumentoDocumento
Documento
 
Jesus é Deus cr brasil
Jesus é Deus   cr brasilJesus é Deus   cr brasil
Jesus é Deus cr brasil
 
E.b.d adultos 3ºtrimestre 2017 lição 04
E.b.d   adultos 3ºtrimestre 2017 lição 04E.b.d   adultos 3ºtrimestre 2017 lição 04
E.b.d adultos 3ºtrimestre 2017 lição 04
 
Genesis ate levitico atualizado ate 15042010
Genesis ate levitico   atualizado ate 15042010Genesis ate levitico   atualizado ate 15042010
Genesis ate levitico atualizado ate 15042010
 
Genesis ate levitico atualizado ate 15042010
Genesis ate levitico   atualizado ate 15042010Genesis ate levitico   atualizado ate 15042010
Genesis ate levitico atualizado ate 15042010
 
Genesis ate levitico atualizado ate 15042010
Genesis ate levitico   atualizado ate 15042010Genesis ate levitico   atualizado ate 15042010
Genesis ate levitico atualizado ate 15042010
 
QUEM É JESUS CRISTO SEGUNDO AS TESTEMUNHAS DE JEOVÁ?
QUEM É JESUS CRISTO SEGUNDO AS TESTEMUNHAS DE JEOVÁ?QUEM É JESUS CRISTO SEGUNDO AS TESTEMUNHAS DE JEOVÁ?
QUEM É JESUS CRISTO SEGUNDO AS TESTEMUNHAS DE JEOVÁ?
 
A pessoa de cristo
A pessoa de cristoA pessoa de cristo
A pessoa de cristo
 
Razões da nossa fé lição 2
Razões da nossa fé   lição 2Razões da nossa fé   lição 2
Razões da nossa fé lição 2
 
Abertamente Jesus é declarado Deus
Abertamente Jesus é declarado DeusAbertamente Jesus é declarado Deus
Abertamente Jesus é declarado Deus
 
Sim, ele é o Cristo lição 01
Sim, ele é o Cristo  lição 01Sim, ele é o Cristo  lição 01
Sim, ele é o Cristo lição 01
 
Doutrinas biblicas
Doutrinas biblicasDoutrinas biblicas
Doutrinas biblicas
 
Airton evangelista da_costa_-_150_perguntas_e_respostas
Airton evangelista da_costa_-_150_perguntas_e_respostasAirton evangelista da_costa_-_150_perguntas_e_respostas
Airton evangelista da_costa_-_150_perguntas_e_respostas
 
APOSTILA TEOLOGIA SISTEMATICA - Aula 10 - Trindade (1).pdf
APOSTILA TEOLOGIA SISTEMATICA - Aula 10 - Trindade (1).pdfAPOSTILA TEOLOGIA SISTEMATICA - Aula 10 - Trindade (1).pdf
APOSTILA TEOLOGIA SISTEMATICA - Aula 10 - Trindade (1).pdf
 
aula4-cristologia-130618192303-phpapp02.pptx
aula4-cristologia-130618192303-phpapp02.pptxaula4-cristologia-130618192303-phpapp02.pptx
aula4-cristologia-130618192303-phpapp02.pptx
 

Mais de Hamilton Souza

jogos de estafetas.pdf
jogos de estafetas.pdfjogos de estafetas.pdf
jogos de estafetas.pdf
Hamilton Souza
 
saude em movimento.ppt
saude em movimento.pptsaude em movimento.ppt
saude em movimento.ppt
Hamilton Souza
 
Lição 11: O HOMEM DO PECADO
Lição 11: O HOMEM DO PECADOLição 11: O HOMEM DO PECADO
Lição 11: O HOMEM DO PECADO
Hamilton Souza
 
Lição 10: SÓ O EVANGELHO MUDA A CULTURA HUMANA
Lição 10: SÓ O EVANGELHO MUDA A CULTURA HUMANALição 10: SÓ O EVANGELHO MUDA A CULTURA HUMANA
Lição 10: SÓ O EVANGELHO MUDA A CULTURA HUMANA
Hamilton Souza
 
Lição 9 - O Primeiro Projeto de Globalismo
Lição 9 - O Primeiro Projeto de GlobalismoLição 9 - O Primeiro Projeto de Globalismo
Lição 9 - O Primeiro Projeto de Globalismo
Hamilton Souza
 
Lição 8 - O Inicio da Civilização Humana
 Lição 8 - O Inicio da Civilização Humana Lição 8 - O Inicio da Civilização Humana
Lição 8 - O Inicio da Civilização Humana
Hamilton Souza
 
Lição 7 - A Queda do Ser Humano
Lição 7 - A Queda do Ser HumanoLição 7 - A Queda do Ser Humano
Lição 7 - A Queda do Ser Humano
Hamilton Souza
 
Lição 4 - Atributos do Ser Humano
Lição 4 - Atributos do Ser HumanoLição 4 - Atributos do Ser Humano
Lição 4 - Atributos do Ser Humano
Hamilton Souza
 
Lição 3: A NATUREZA DO SER HUMANO
Lição 3: A NATUREZA DO SER HUMANOLição 3: A NATUREZA DO SER HUMANO
Lição 3: A NATUREZA DO SER HUMANO
Hamilton Souza
 
Lição 2: A Criação de Eva, a Primeira Mulher
Lição 2: A Criação de Eva, a Primeira MulherLição 2: A Criação de Eva, a Primeira Mulher
Lição 2: A Criação de Eva, a Primeira Mulher
Hamilton Souza
 
Lição 1: ADÃO, O PRIMEIRO HOMEM
Lição 1: ADÃO, O PRIMEIRO HOMEMLição 1: ADÃO, O PRIMEIRO HOMEM
Lição 1: ADÃO, O PRIMEIRO HOMEM
Hamilton Souza
 
Revista CPAD Lições Bíblicas Adultos - 1º Trimestre de 2020
Revista CPAD Lições Bíblicas Adultos - 1º Trimestre de 2020Revista CPAD Lições Bíblicas Adultos - 1º Trimestre de 2020
Revista CPAD Lições Bíblicas Adultos - 1º Trimestre de 2020
Hamilton Souza
 
Lição 13: A VELHICE DE DAVI
Lição 13: A VELHICE DE DAVI Lição 13: A VELHICE DE DAVI
Lição 13: A VELHICE DE DAVI
Hamilton Souza
 
Lição 12 - A Rebelião de Absalão
Lição 12 - A Rebelião de AbsalãoLição 12 - A Rebelião de Absalão
Lição 12 - A Rebelião de Absalão
Hamilton Souza
 
Lição 11 - As Consequências do Pecado de Davi
Lição 11 - As Consequências do Pecado de DaviLição 11 - As Consequências do Pecado de Davi
Lição 11 - As Consequências do Pecado de Davi
Hamilton Souza
 
Lição 10 - Pecado do Homem Segundo o Coração de Deus
Lição 10 - Pecado do Homem Segundo o Coração de DeusLição 10 - Pecado do Homem Segundo o Coração de Deus
Lição 10 - Pecado do Homem Segundo o Coração de Deus
Hamilton Souza
 
LIÇÃO 9: O REINADO DE DAVI
LIÇÃO 9: O REINADO DE DAVILIÇÃO 9: O REINADO DE DAVI
LIÇÃO 9: O REINADO DE DAVI
Hamilton Souza
 
Lição 8 - O Exílio de Davi
Lição 8 - O Exílio de DaviLição 8 - O Exílio de Davi
Lição 8 - O Exílio de Davi
Hamilton Souza
 
Lição 7: DAVI É UNGIDO REI
Lição 7: DAVI É UNGIDO REILição 7: DAVI É UNGIDO REI
Lição 7: DAVI É UNGIDO REI
Hamilton Souza
 
Lição 5 - A Instituição da Monarquia em Israel
Lição 5 - A Instituição da Monarquia em IsraelLição 5 - A Instituição da Monarquia em Israel
Lição 5 - A Instituição da Monarquia em Israel
Hamilton Souza
 

Mais de Hamilton Souza (20)

jogos de estafetas.pdf
jogos de estafetas.pdfjogos de estafetas.pdf
jogos de estafetas.pdf
 
saude em movimento.ppt
saude em movimento.pptsaude em movimento.ppt
saude em movimento.ppt
 
Lição 11: O HOMEM DO PECADO
Lição 11: O HOMEM DO PECADOLição 11: O HOMEM DO PECADO
Lição 11: O HOMEM DO PECADO
 
Lição 10: SÓ O EVANGELHO MUDA A CULTURA HUMANA
Lição 10: SÓ O EVANGELHO MUDA A CULTURA HUMANALição 10: SÓ O EVANGELHO MUDA A CULTURA HUMANA
Lição 10: SÓ O EVANGELHO MUDA A CULTURA HUMANA
 
Lição 9 - O Primeiro Projeto de Globalismo
Lição 9 - O Primeiro Projeto de GlobalismoLição 9 - O Primeiro Projeto de Globalismo
Lição 9 - O Primeiro Projeto de Globalismo
 
Lição 8 - O Inicio da Civilização Humana
 Lição 8 - O Inicio da Civilização Humana Lição 8 - O Inicio da Civilização Humana
Lição 8 - O Inicio da Civilização Humana
 
Lição 7 - A Queda do Ser Humano
Lição 7 - A Queda do Ser HumanoLição 7 - A Queda do Ser Humano
Lição 7 - A Queda do Ser Humano
 
Lição 4 - Atributos do Ser Humano
Lição 4 - Atributos do Ser HumanoLição 4 - Atributos do Ser Humano
Lição 4 - Atributos do Ser Humano
 
Lição 3: A NATUREZA DO SER HUMANO
Lição 3: A NATUREZA DO SER HUMANOLição 3: A NATUREZA DO SER HUMANO
Lição 3: A NATUREZA DO SER HUMANO
 
Lição 2: A Criação de Eva, a Primeira Mulher
Lição 2: A Criação de Eva, a Primeira MulherLição 2: A Criação de Eva, a Primeira Mulher
Lição 2: A Criação de Eva, a Primeira Mulher
 
Lição 1: ADÃO, O PRIMEIRO HOMEM
Lição 1: ADÃO, O PRIMEIRO HOMEMLição 1: ADÃO, O PRIMEIRO HOMEM
Lição 1: ADÃO, O PRIMEIRO HOMEM
 
Revista CPAD Lições Bíblicas Adultos - 1º Trimestre de 2020
Revista CPAD Lições Bíblicas Adultos - 1º Trimestre de 2020Revista CPAD Lições Bíblicas Adultos - 1º Trimestre de 2020
Revista CPAD Lições Bíblicas Adultos - 1º Trimestre de 2020
 
Lição 13: A VELHICE DE DAVI
Lição 13: A VELHICE DE DAVI Lição 13: A VELHICE DE DAVI
Lição 13: A VELHICE DE DAVI
 
Lição 12 - A Rebelião de Absalão
Lição 12 - A Rebelião de AbsalãoLição 12 - A Rebelião de Absalão
Lição 12 - A Rebelião de Absalão
 
Lição 11 - As Consequências do Pecado de Davi
Lição 11 - As Consequências do Pecado de DaviLição 11 - As Consequências do Pecado de Davi
Lição 11 - As Consequências do Pecado de Davi
 
Lição 10 - Pecado do Homem Segundo o Coração de Deus
Lição 10 - Pecado do Homem Segundo o Coração de DeusLição 10 - Pecado do Homem Segundo o Coração de Deus
Lição 10 - Pecado do Homem Segundo o Coração de Deus
 
LIÇÃO 9: O REINADO DE DAVI
LIÇÃO 9: O REINADO DE DAVILIÇÃO 9: O REINADO DE DAVI
LIÇÃO 9: O REINADO DE DAVI
 
Lição 8 - O Exílio de Davi
Lição 8 - O Exílio de DaviLição 8 - O Exílio de Davi
Lição 8 - O Exílio de Davi
 
Lição 7: DAVI É UNGIDO REI
Lição 7: DAVI É UNGIDO REILição 7: DAVI É UNGIDO REI
Lição 7: DAVI É UNGIDO REI
 
Lição 5 - A Instituição da Monarquia em Israel
Lição 5 - A Instituição da Monarquia em IsraelLição 5 - A Instituição da Monarquia em Israel
Lição 5 - A Instituição da Monarquia em Israel
 

Último

Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdfEscola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Falcão Brasil
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
Falcão Brasil
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Falcão Brasil
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Falcão Brasil
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Bibliotecas Escolares AEIDH
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Falcão Brasil
 
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
Manuais Formação
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Falcão Brasil
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Falcão Brasil
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
MariaJooSilva58
 
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
Marcelo Botura
 
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Falcão Brasil
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Bibliotecas Escolares AEIDH
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Falcão Brasil
 
reforma trabalhista - direto e deveresss
reforma trabalhista - direto e deveresssreforma trabalhista - direto e deveresss
reforma trabalhista - direto e deveresss
adequacaocontabil
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
Falcão Brasil
 
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdfA Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
Falcão Brasil
 

Último (20)

Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdfEscola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
 
VIAGEM AO PASSADO -
VIAGEM AO PASSADO                        -VIAGEM AO PASSADO                        -
VIAGEM AO PASSADO -
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
 
Festa dos Finalistas .
Festa dos Finalistas                    .Festa dos Finalistas                    .
Festa dos Finalistas .
 
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
 
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
 
Elogio da Saudade .
Elogio da Saudade                          .Elogio da Saudade                          .
Elogio da Saudade .
 
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
 
reforma trabalhista - direto e deveresss
reforma trabalhista - direto e deveresssreforma trabalhista - direto e deveresss
reforma trabalhista - direto e deveresss
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
 
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdfA Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
 

O senhor e salvador jesus cristo

  • 2. "Disse-lhe Jesus: Eu sou o caminho, e a verdade, e a vida. Ninguém vem ao Pai senão por mim." (Jo 14.6).
  • 3. Cremos no Senhor Jesus Cristo, o Filho Unigênito de Deus, plenamente Deus, plenamente Homem e o único Salvador do mundo.
  • 4. João 1.1-14. 1- NO princípio era o Verbo, e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus. 2- Ele estava no princípio com Deus. 3- Todas as coisas foram feitas por ele, e sem ele nada do que foi feito se fez. 4- Nele estava a vida, e a vida era a luz dos homens. 5- E a luz resplandece nas trevas, e as trevas não a compreenderam. 6- Houve um homem enviado de Deus, cujo nome era João. 7- Este veio para testemunho, para que testificasse da luz, para que todos cressem por ele. 8- Não era ele a luz, mas para que testificasse da luz.
  • 5. 9- Ali estava a luz verdadeira, que ilumina a todo o homem que vem ao mundo. 10- Estava no mundo, e o mundo foi feito por ele, e o mundo não o conheceu. 11- Veio para o que era seu, e os seus não o receberam. 12- Mas, a todos quantos o receberam, deu-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus, aos que creem no seu nome; 13- Os quais não nasceram do sangue, nem da vontade da carne, nem da vontade do homem, mas de Deus. 14- E o Verbo se fez carne, e habitou entre nós, e vimos a sua glória, como a glória do unigênito do Pai, cheio de graça e de verdade.
  • 6. Há inúmeros pontos da cristologia dignos de ocupar a mente e o coração de todos os seres humanos. O nosso espaço aqui é exíguo para um estudo completo. Temos de nos contentar com alguns pontos relevantes sobre a verdadeira Identidade de Jesus. A provisão do Antigo Testamento sobre a obra redentora de Deus em Cristo é rica em detalhes. Os escritores do Novo Testamento reconhecem a presença e a obra de Cristo na história da redenção, nas suas instituições e festas. O nosso enfoque aqui é a verdadeira identidade Jesus.
  • 7. 1. O Filho de Deus. O apóstolo João explica o motivo que o levou a escrever o seu evangelho com as seguintes palavras: "Estes, porém, foram escritos para que creiais que Jesus é o Cristo, o Filho de Deus, e para que, crendo, tenhais vida em seu nome" (Jo 20.31). Temos aqui dois pontos importantes.
  • 8. O primeiro é sobre a identidade de Jesus: Ele é o Cristo e o Filho de Deus; o outro é o motivo dessa revelação, a redenção de todo aquele que crê nessa verdade. É de toda importância saber o significado do título "Filho de Deus". A profecia de Isaías anuncia: "Porque um menino nos nasceu, um filho se nos deu" (Is 9.6).
  • 9. Note que o menino nasceu, mas o Filho, segundo a palavra profética, não nasceu, mas "se nos deu". O nascimento desse menino aconteceu em Belém, mas o Filho foi gerado desde a eternidade (Jo 17.5,24), pois transcende a criação: "E ele é antes de todas as coisas, e todas as coisas subsistem por ele" (Cl 1.17). É como disse Atanásio, em resposta aos arianistas, referindo-se à eternidade de Jesus: "o Pai não seria Pai se não existisse o Filho".
  • 10. 2. Significado. O significado do termo "filho" nas Escrituras é amplo, e uma das acepções diz respeito à mesma natureza do pai (Jo 14.8,9). Quando Jesus se declarou Filho de Deus, Ele estava reafirmado sua divindade, e os judeus entenderam perfeitamente a mensagem (Jo 5.17,18). O Mestre disse: "Eu e o Pai somos um" (Jo 10.30).
  • 11. E, mais adiante, no mesmo debate com os judeus, Jesus esclareceu o que significa ser Filho de Deus: "àquele a quem o Pai santificou e enviou ao mundo, vós dizeis: Blasfemas, porque disse: Sou Filho de Deus?" (Jo 10.36). Alegar que Jesus não é Deus, mas o Filho de Deus, como fazem alguns, é uma contradição.
  • 12. 3. Significado de "unigênito" (v.14b). A etimologia do termo "unigênito", monogenés, em grego, indica a deidade do Filho. Essa palavra só aparece nove vezes no Novo Testamento, sendo três em Lucas (7.12; 8.42; 9.38), uma em Hebreus (11.17) e as outras cinco em referência a Jesus nos escritos joaninos (Jo 1.14,18; 3.16,18; 1Jo 4.9). O vocábulo vem de monos, "único", e de genes, que nos parece derivar de genós, "raça, tipo", e não necessariamente do verbo gennao, "gerar. Ele é o monogenes de isto é, o único do Seu tipo.
  • 13. Então, unigênito, quando empregado em relação a Jesus, transmite a ideia de consubstancialidade. É exatamente o que declara o Credo Niceno: "E [cremos] em um só Senhor Jesus Cristo, Filho de Deus, o Unigênito do Pai, que é da substância do Pai, Deus de Deus, Luz de Luz, verdadeiro Deus de verdadeiro Deus, gerado, não feito, de uma só substância com o Pai".
  • 14. 1. O Verbo de Deus (Jo 1.1). O "Verbo" é a Palavra, do grego Logos. O termo "Deus" aparece duas vezes nessa passagem, uma delas em referência ao Pai: "e o Verbo estava com Deus". Aqui temos uma indicação do relacionamento intratrinitariano, ou seja, entre a Trindade, antes mesmo da fundação do mundo.
  • 15. A preposição grega pros, usada para "com" nessa segunda cláusula, diz respeito ao plano de igualdade e intimidade, face a face, além de mostrar a distinção entre o Pai e o Filho, um golpe mortal contra o sabelianismo.
  • 16. A segunda referência, "e o Verbo era Deus", aponta para o Filho. Não se trata de acréscimo de mais um Deus aqui, posto que ao apóstolo foi revelado, pelo Espírito Santo, que o Verbo divino está incluído na essência una e indivisível da Deidade, embora seja Ele distinto do Pai (Jo 8.17,18; 2 Jo 3). Da mesma forma, o apóstolo Paulo transmitiu essa verdade, ao dizer que "para nós há um só Deus, o Pai, de quem é tudo e para quem nós vivemos; e um só Senhor, Jesus Cristo, pelo qual são todas as coisas, e nós por ele" (1 Co 8.6). Trata-se do monoteísmo cristão.
  • 17. 2. Reações à divindade de Jesus. É digno de nota que os apóstolos João e Paulo, como os demais, eram judeus e foram criados num contexto monoteístico. Portanto, não admitiam em hipótese alguma outra divindade, senão só, e somente só, o Deus Javé de Israel (Mc 12.28-30).
  • 18. Observemos que, a cada fala do Senhor Jesus a respeito de sua divindade, de sua igualdade com o Pai, o próprio apóstolo João registra a reação dos judeus como protesto (Jo 5.18;' 8.58,59; 10.30-33). Mesmo assim, esses apóstolos não hesitaram em declarar, com ousadia e abertamente, a deidade absoluta de Jesus (Jo 20.28; Rm 9.5; Cl 2.9; Tt 2.13; 1 Jo 5.20).
  • 19. 3. O relacionamento entre o Pai e o Filho. Os pais da Igreja perceberam também que, além das construções tripartidas, do relacionamento intratrinitariano e histórico-salvífico revelado nas Escrituras Sagradas, havia ainda as construções bipartidas que identificam a mesma deidade no Pai e no Filho.
  • 20. O Pai e o Filho aparecem no mesmo nível de divindade (Gl 1.1; 1Tm 6.13; 2 Tm 4.1). Essas expressões bipartidas provam que o Pai e o Filho são o mesmo Deus, possuindo a mesma substância, mas são diferentes na forma e na função, não em poder e majestade. Veja o seguinte exemplo:
  • 21. "Graça e paz de Deus, nosso Pai, e do Senhor Jesus Cristo" (Rm 1.7). Os primeiros cristãos não precisavam de explicações adicionais para compreender a divindade de Jesus em declarações como essas (2 Pe 1.1).
  • 22. 1. "E o Verbo se fez carne" (Jo 1.14a). O prólogo do Evangelho de João começa com a divindade de Jesus e conclui com a sua humanidade. O Senhor Jesus Cristo é o verdadeiro Deus e o verdadeiro homem. A sua divindade está presente na Bíblia inteira, de maneira direta e indireta, nos ensinos e nas obras de Jesus, com tal abundância de detalhes que infelizmente não é possível mencioná-los aqui por absoluta falta de espaço.
  • 23. A encarnação do Verbo significa que Deus assumiu a forma humana. A concepção e o nascimento virginal de Jesus (Is 7.14; Mt 1.123) são obra do Espírito Santo (Mt 1.20; Lc 1.35). Tal encarnação do Verbo é um mistério (1 Tm 3.16).
  • 24. 2. Características humanas. Assim como as Escrituras revelam a deidade absoluta de Jesus, da mesma forma elas ensinam que Ele é plenamente homem: "Jesus Cristo, homem" (1Tm 2.5). Há abundantes e incontestáveis provas de sua humanidade, ou seja, de que Ele nasceu, cresceu e viveu entre nós. Seu nascimento é contado com detalhes nos dois primeiros capítulos de Mateus e de Lucas. Ele cresceu em estatura física e intelectual (Lc 2.52); e sentiu fome, sede, sono e cansaço (Mt 4.2; 8.24; Jo 4.6; 19.28).
  • 25. 3. Necessidade da encarnação do Verbo. Jesus foi revestido do corpo humano porque o pecado entrou na humanidade por meio do casal Adão e Eva, seres humanos, e pela justiça de Deus o pecado tinha de ser vencido também por um ser humano (Rm 5.12, 17-19). Jesus se fez carne. Fez-se homem sujeito ao pecado, embora nunca houvesse pecado, e venceu o pecado como homem (Rm 8.3).
  • 26. A Bíblia mostra que todo o gênero humano está condenado; que o homem está perdido e debaixo da maldição do pecado (SI 14.2,3; Rm 3.23). Todos são devedores, por isso, ninguém pode pagar a dívida do outro. A Bíblia afirma que somente Deus pode salvar (Is 43.11). Então, esse mesmo Deus tornou-se homem, trazendo-nos o perdão de nossos pecados e cumprindo Ele mesmo a lei que promulgara (At 4.12; 1 Tm 3.16; Cl 2.14).
  • 27. O Senhor Jesus Cristo é a mais controvertida de todas as personagens da História porque é o único que é o verdadeiro Deus e o verdadeiro homem, e a sua verdadeira identidade só é possível pela revelação (Mt 16.17; 1Co 12.3). Isso revela a sua divindade.