SlideShare uma empresa Scribd logo
ASSEMBLÉIA DE DEUS: GOVERNADOR DIX - SEPT ROSADO – RN
“Os que amam a Deus, devem conhecê-lo da maneira mais profunda que
seus esforços possam alcançar”
DIRETOR GERAL: Pr.: LUIS CARLOS
COORDENADOR: MARCIANNO TEÓFILO DANTAS
CENTRO EDUCACIONAL TEOLÓGICO
DAS ASSEMBLEIAS DE DEUS NO BRASIL
4ª Aula 15/11/2018
CURSO BÁSICO EM TEOLOGIA
ASSEMBLÉIA DE DEUS: GOVERNADOR DIX SEPT ROSADO – RN
LIÇÃO IV: A DOUTRINA DO PECADO:
HARMARTIOLOGIA
CENTRO EDUCACIONAL TEOLÓGICO DAS
ASSEMBLEIAS DE DEUS NO BRASIL
4ª Aula 15/11/2018
A DOUTRINA DO PECADO
HAMARTIOLOGIA
INTRODUÇÃO
O que é pecado? Como se manifesta? Como entrou no mundo? Nesta
aula vamos adentrar na discussão bíblica quanto a esse assunto, no
intuito de analisar, de certa forma, as questões levantada ao longo da
história sobre a Queda. Neste sentido vamos ver que o cristianismo é
uma religião de redenção. Dessa forma, não é possível tratar da
doutrina do pecado sem focalizar as três grandiosas doutrinas bíblicas
importantes: de Deus, do pecado e da redenção!
ETIMOLOGIA DOTERMO “HAMARTIOLOGIA”
• Deriva de dois vocábulos gregos: hamartia e logos, que significa,
estudo sobre o pecado, ou seja, “estudo dos desvios dos fins
estabelecidos pelo Criador”
A DOUTRINA DO PECADO
Este estudo deve preceder ao da graça de Deus (1 Jo. 1, 8; 2 ,2). Vemos na
epistola aos romanos que uma dos principais intentos da Lei é mostrar os
aspectos repulsivos do pecado (Rm. 7. 8, 13b). Por esse motivo, tendo
conhecimento do horror provocado pelo pecado, passamos a dar o devido
valor a graça de Deus em toda a sua extensão (Rm. 5. 20).
Ler (Rm. 3. 10; 1 Rs. 8. 46)
DEFINIÇÃO DO PECADO
Pecado é a causa da perdição do homem, denota tudo aquilo que não se
conforma com a lei de Deus. As escrituras citam 372 formas de pecado,
e há centenas de outras não mencionadas (Gl. 5. 21). A seguir
observaremos, de forma sucinta, seis termos utilizados para pecado:
“transgressão; iniquidade; desobediência; incredulidade; ilegalidade;
erro”.
TRANSGRESSÃO
• TRANSGRESSÃO: (hb. Pesha gr.
Hamartema): Significa quebra das
leis divinas; transpor a fronteira da
lei, do bem, da ordem, da decência
(Pv. 28. 13).
INIQUIDADE
Significa, segundo o dicionário Michaelis (2018):
• Falta de equidade;
• Caráter ou qualidade de iníquo;
• Ação ou dito contrário à justiça;
• Ação má e perversa.
No material referencial mostra iniquidade como: Fora do prumo; fora de
nível; do lado de fora; afastar-se do certo; errar o alvo. Contudo,
iniquidade (Gr.hamartano) refere-se principalmente ao pecado do crente.
DESOBEDIÊNCIA
• Consiste no ato de rebelar-se; não-
conformidade, Oposição, resistência,
Birra, teimosia, rebeldia, má vontade
para com Deus e sua lei.
INCREDULIDADE
• Falta de confiança e de
dependência de Deus.
ILEGALIDADE
• É subversão e oposição à lei e à ordem
divina
ERRO
• Afastamento das normas divinas
estabelecidas
PONTO DE REFLEXÃO
• O homem fora criado segundo a imagem de Deus, e não segundo a
sua própria espécie! Isso significa que, após a queda, no éden, do ser
humano jamais nascerá um filho seu salvo (Rm. 5. 12; Sl. 51. 5).
O ORIGEM DO PECADO
O pecado teve origem no mundo espiritual. A palavra de Deus
apresenta, em Ez. 28. 15, 16 esta afirmação.
HAMARTIOLOGIA
• O pecado é universal (Rm. 3. 23): Todos, sem exceção
foram atingidos pelo pecado
• A realidade do pecado: A bíblia, a História, a consciência, o
dia a dia mostra essa realidade (Hb. 12. 1; Sl. 51. 5)
• Evidencias da realidade: Muitas são as evidencia dessa dura
realidade!
• O pecado e sua Raiz (Jo. 16. 9; Hb. 3. 12): Incredulidade,
egoísmo e o egotismo;
PECADO COMO ATO E COMO ESTADO
• Existe um distinção entre ato e estado pecaminoso. O primeiro diz
respeito a um efeito; já o segundo a uma causa. Dizendo de outro modo,
o pecado como estado indica que todos os homens estão propensos a
pecar, ou seja é uma causa e não um efeito!
OBS.: Ler (Tg. 1. 14, 15; Rm. 6.6)
COMPLEXIDADE DO PECADO
• A natureza do pecado: (1 Jo. 1. 7, 9;
Lv. 4. 1-12; 5. 14-19);
• O pecado e sua prática: quanto a
prática há o pecado de comissão (Tg. 1.
15) e o de omissão (Tg. 4. 17).
ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE O
PECADO DE OMISSÃO
• É PECADO:
• Saber fazer o bem e não fazer (Tg. 4. 17);
• Deixar de orar pelos outros (1Sm. 12. 23);
• Não se preparar e não ter reserva (Mt. 25. 3);
• Ser omissos quanto o cuidado a Israel (Mt. 25. 42-45);
• Deixar de cumprir a lei de Deus (Jz. 5. 23).
Lembrando que todo o pecado praticado é , independentemente de qual for,
primeiramente contra Deus!
A ORIGEM DO PECADO DENTRO DO HOMEM
Na bíblia encontramos o pecado da carne (2 Co. 7. 1) e o pecado do espirito
(2 Co. 7. 1; Sl. 66. 18). Contudo somos tentados a achar que pecado são
apenas “aqueles” bem conhecidos! No entanto os pecados de espirito são às
vezes piores que os pecados “famosos”(2 Sm. 12. 13; Sl. 51; Mt. 23)
vejamos alguns exemplos dos pecados de espírito:
Orgulho;
amargura;
mau
humor;
ciúme
doentio;
hipocrisia;
soberba;
vangloria;
arrogânci
a; inveja;
cobiça;
ira;
leviandade;
Irreverência;
Mentira;
Egoísmo;
Roubar a Deus;
Quebra do dia
do Senhor;
Mau testemunho;
Desonestidade;
Negligencia na oração;
Negligencia na leitura da
bíblia;
Relaxamento quanto a obra
de Deus.
AS CONSEQUÊNCIAS DO PECADO (1 Jo. 5. 16)
Pecados para morte: Depende da gradação e resulta em:
Sofrimento;
Morte espiritual;
Morte física;
Perdição eterna.
Alguns levam a morte física prematura como o:
desobediência deliberada 1 Rs. 13. 26;
Incesto (1 Co. 5.5);
Murmuração (1 Co. 10. 5);
Profanação (1 Co. 11. 29-32);
Desvio (Jr. 16. 5, 6);
Tentar a Deus (Nm. 14. 29, 32, 35; 18.22...);
Falsidade (At. 5. 10);
Rebeldia como estado (Ef. 6.3).
AS CONSEQUÊNCIAS DO PECADO (1 Jo. 5. 16)
Pecados que não são para morte: Mesmo sabendo que todo pecado é transgressão
diante de Deus, é bom lembrar que nem todo pecado é “igual” aos olhos dEle! Parece
contraditório mas não é. Observe que a bíblia fala de gradação:
“Grande pecado” (Ex. 32. 30, 31; 1 Sm. 2. 17; Sl. 25. 11; Am. 5. 12);
“Maior pecado” (Jo. 19. 11);
“Muito grande pecado” ( 1 Sm 2. 17; 2 Sm. 24. 10 com 1 Cr. 21. 8. 17);
“Muitos pecados” (Lc. 7. 47);
“Multidão de pecados” (Ez. 16. 51; Os. 13. 2;Tg. 5. 20).
REFLETIR (Sl. 99. 8; Nm. 14. 19-23)
• Qualquer pecado, mesmo perdoado, não nos torna isento dos seus maus
efeitos aqui na terra. Devemos atentar para o fato de o perdão de Deus nos
exime da condenação como filhos de Deus. Contudo, o castigo, aqui, tem a
ver com o nosso aprendizado espiritual. Outra coisa importante é que o
tempo não apaga pecado!
• OBS.: Há pecado perdoável e o imperdoável (Mt. 12. 31, 32). Quanto a este
tipo, diz respeito a pecados contínuos e conscientes (1Tm. 1.13) não a atos
isolados.
CONSUMAÇÃO DO PECADO
Há pecados voluntários e os não voluntários. Apesar de ser involuntário o pecado terá sua
devida condenação. Quanto ao corpo humano a bíblia nos exorta:” fugi da prostituição”
(1Co. 6. 18). Vejamos:
O PECADO RELACIONADO AO CRENTE: cuidado com o pecado individual, conhecido e tolerado por
nós pois eles proporcionam:
 Perda Das Bênçãos;
Disciplina Divina;
Interrupção Da Comunhão Com Deus;
Cessação De Operação Divina Por Meio Do Crente;
Perda Do Galardão Futuro.
JULGAMENTO DO PECADO
LEMBRE-SE DISSO: DEUS NEM SEMPRE JULGA LOGO O
PECADO (SL. 103. 10):
• ELE dá tempo e oportunidade para que o pecador se arrependa;
• ELE sabe de tudo;
• Nada há encoberto que não venha a revelar-se.
COMOTRIUNFAR SOBRE O PECADO
• Amando e guardando a palavra de Deus no coração;
• Crer no poder do sangue de Cristo Jesus;
• Confiar no poder do Espirito Santo;
• Confiar no ministério sacerdotal de Jesus Cristo;
• Manter um fé viva;
• Submeter-se inteiramente a Cristo
• Evitar os pecados vindo de dentro e de fora (ler 1Tm. 5.22).
O HOMEM ANTES DA QUEDA
O homem, como imagem e semelhança de Deus possuía sua
natureza voltada naturalmente para Deus. Neste sentido o corpo não
a imagem de Deus, pois o corpo é formado do pó, a imagem e
semelhança ao Deus trino, consiste na imagem moral e a espiritual.
Não havia conflito entre os impulsos pessoais e os espirituais .
TEORIAS FILOSÓFICAS
• Ao longo da história a preocupação quanto ao mal. Filósofos,
sociólogos, psicólogos e teólogos, veem discutindo acerca da presença
do pecado no universo. Com isso foi-se criando vários conceitos
antiteístas e anticristãos, vejamos algumas:
• Teoria do principio da existência eterna do mal;
• Teoria do pecado como um mal necessário;
• Teoria do pecado ligado a natureza sensorial do homem;
• Teoria que atesta ser a essência do pecado o egoísmo.
DEFINIÇÕES CONCEITUAIS DO PECADO
• JOHN WESLEY assim definia pecado: “Transgressão voluntária de uma
lei conhecida”
• AUGUSTO HOOPKINS ESTRONG: “pecado é a falta de conformidade
com a lei moral de Deus quer em atos, disposição ou estado”.
• W.T. CONNER: “pecado é rebelião contra a vontade de Deus”...
• OBS.: No livro temos diversas outras definições para aprofundamento
PORMENORES DA ORIGEM DO PECADO NO
UNIVERSO
• Aprofundaremos nesse ponto apenas se surgir duvidas quanto ao
slide 13 desse estudo
O Pecado original e sua afetação em detalhes
• PECADO ORIGINAL: Herdado de nossos primeiros pais (Adão e Eva)
A CULPA DO PECADO
Culpa é o sentimento de haver transgredido uma lei mediante ao pecado
A culpa é o estado ou condição de quem transgrediu a lei;
A natureza da culpa;
A culpa legal;
A culpa não significa mera propensão ao castigo;
A manifestação da culpa na consciência humana;
A culpa tem uma relação com alei de Deus;
Graus de culpa.
REALIDADE DA AÇÃO DO PECADO
• Indiscutivelmente, o pecado trouxe graves consequências ao universo,
especialmente a vida humana. (1 Rs. 8. 46; Sl. 143. 2)
HEREDITARIEDADE DO PECADO
• Como um pecado individual afetou a todos?
O CASTIGO DO PECADO
• O pecado desfigurou a imagem de divina do homem;
• O pecado deu origem a um estado pecaminoso que afetou toda a raça humana;
• O pecado produziu punições naturais e físicas na vida do homem;
• O pecado gerou um continuo conflito moral e espiritual entre corpo e alma de
cada criatura humana;
• O pecado despertou a consciência do homem;
• O pecado trouxe ao homem a punição da morte física.
ATIVIDADE
1) C pág. 95
2) C pág. 96
3) C pág. 105
4) E pág. 108
5) C pág. 115
6) C pág. 128

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Escatologia_Parte1_IBADEP
Escatologia_Parte1_IBADEPEscatologia_Parte1_IBADEP
Escatologia_Parte1_IBADEP
Natalino das Neves Neves
 
Pecado [slides]
Pecado [slides]Pecado [slides]
Pecado [slides]
PIBJA
 
Lição 10 - Santificação: vontade e chamado de Deus para nós
Lição 10 - Santificação: vontade e chamado de Deus para nósLição 10 - Santificação: vontade e chamado de Deus para nós
Lição 10 - Santificação: vontade e chamado de Deus para nós
Éder Tomé
 
Uma vida cristã equilibrada
Uma vida cristã equilibradaUma vida cristã equilibrada
Uma vida cristã equilibrada
Moisés Sampaio
 
Doutrina do homem
Doutrina do homemDoutrina do homem
Doutrina do homem
Gcom digital factory
 
Soteriologia - Doutrina da Salvação
Soteriologia - Doutrina da SalvaçãoSoteriologia - Doutrina da Salvação
Soteriologia - Doutrina da Salvação
RODRIGO FERREIRA
 
Lição 18 Apostasia da Fé
Lição 18   Apostasia da FéLição 18   Apostasia da Fé
Lição 18 Apostasia da Fé
Wander Sousa
 
Lição 8 O perigo de ser enganado por falsos profetas
Lição 8 O perigo de ser enganado por falsos profetasLição 8 O perigo de ser enganado por falsos profetas
Lição 8 O perigo de ser enganado por falsos profetas
Éder Tomé
 
Lição 10 - O Processo da Salvação
Lição 10 - O Processo da SalvaçãoLição 10 - O Processo da Salvação
Lição 10 - O Processo da Salvação
Éder Tomé
 
A armadura de_deus_completa
A armadura de_deus_completaA armadura de_deus_completa
A armadura de_deus_completa
Anderson Silvério
 
Aula de pneumatologia
Aula de pneumatologiaAula de pneumatologia
Aula de pneumatologia
Alberto Nery
 
O pecado de Davi
O pecado de DaviO pecado de Davi
O pecado de Davi
Paulo Roberto
 
Filipenses (Estudo 1)
Filipenses (Estudo 1)Filipenses (Estudo 1)
Filipenses (Estudo 1)
Daniel Junior
 
A origem do pecado
A origem do pecadoA origem do pecado
A origem do pecado
WAGNER CARDOZO CORREIA
 
Estudo Sobre o Espírito Santo
Estudo Sobre o Espírito SantoEstudo Sobre o Espírito Santo
Estudo Sobre o Espírito Santo
Rodrigo Bomfim
 
Doutrinas Bíblicas - Soteriologia
Doutrinas Bíblicas - SoteriologiaDoutrinas Bíblicas - Soteriologia
Doutrinas Bíblicas - Soteriologia
Roberto Trindade
 
Teologia sistematica - Cristologia
Teologia sistematica - CristologiaTeologia sistematica - Cristologia
Teologia sistematica - Cristologia
Gcom digital factory
 
Lição 1 - A Pessoa do Espírito Santo
Lição 1 - A Pessoa do Espírito SantoLição 1 - A Pessoa do Espírito Santo
Lição 1 - A Pessoa do Espírito Santo
Éder Tomé
 
Curso de Bibliologia
Curso de BibliologiaCurso de Bibliologia
Curso de Bibliologia
Sergio Silva
 
Lição 15 - Novo céu e Nova Terra
Lição 15 - Novo céu e Nova TerraLição 15 - Novo céu e Nova Terra
Lição 15 - Novo céu e Nova Terra
Sergio Silva
 

Mais procurados (20)

Escatologia_Parte1_IBADEP
Escatologia_Parte1_IBADEPEscatologia_Parte1_IBADEP
Escatologia_Parte1_IBADEP
 
Pecado [slides]
Pecado [slides]Pecado [slides]
Pecado [slides]
 
Lição 10 - Santificação: vontade e chamado de Deus para nós
Lição 10 - Santificação: vontade e chamado de Deus para nósLição 10 - Santificação: vontade e chamado de Deus para nós
Lição 10 - Santificação: vontade e chamado de Deus para nós
 
Uma vida cristã equilibrada
Uma vida cristã equilibradaUma vida cristã equilibrada
Uma vida cristã equilibrada
 
Doutrina do homem
Doutrina do homemDoutrina do homem
Doutrina do homem
 
Soteriologia - Doutrina da Salvação
Soteriologia - Doutrina da SalvaçãoSoteriologia - Doutrina da Salvação
Soteriologia - Doutrina da Salvação
 
Lição 18 Apostasia da Fé
Lição 18   Apostasia da FéLição 18   Apostasia da Fé
Lição 18 Apostasia da Fé
 
Lição 8 O perigo de ser enganado por falsos profetas
Lição 8 O perigo de ser enganado por falsos profetasLição 8 O perigo de ser enganado por falsos profetas
Lição 8 O perigo de ser enganado por falsos profetas
 
Lição 10 - O Processo da Salvação
Lição 10 - O Processo da SalvaçãoLição 10 - O Processo da Salvação
Lição 10 - O Processo da Salvação
 
A armadura de_deus_completa
A armadura de_deus_completaA armadura de_deus_completa
A armadura de_deus_completa
 
Aula de pneumatologia
Aula de pneumatologiaAula de pneumatologia
Aula de pneumatologia
 
O pecado de Davi
O pecado de DaviO pecado de Davi
O pecado de Davi
 
Filipenses (Estudo 1)
Filipenses (Estudo 1)Filipenses (Estudo 1)
Filipenses (Estudo 1)
 
A origem do pecado
A origem do pecadoA origem do pecado
A origem do pecado
 
Estudo Sobre o Espírito Santo
Estudo Sobre o Espírito SantoEstudo Sobre o Espírito Santo
Estudo Sobre o Espírito Santo
 
Doutrinas Bíblicas - Soteriologia
Doutrinas Bíblicas - SoteriologiaDoutrinas Bíblicas - Soteriologia
Doutrinas Bíblicas - Soteriologia
 
Teologia sistematica - Cristologia
Teologia sistematica - CristologiaTeologia sistematica - Cristologia
Teologia sistematica - Cristologia
 
Lição 1 - A Pessoa do Espírito Santo
Lição 1 - A Pessoa do Espírito SantoLição 1 - A Pessoa do Espírito Santo
Lição 1 - A Pessoa do Espírito Santo
 
Curso de Bibliologia
Curso de BibliologiaCurso de Bibliologia
Curso de Bibliologia
 
Lição 15 - Novo céu e Nova Terra
Lição 15 - Novo céu e Nova TerraLição 15 - Novo céu e Nova Terra
Lição 15 - Novo céu e Nova Terra
 

Semelhante a A doutrina do pecado

Hamartiologia.pptx
Hamartiologia.pptxHamartiologia.pptx
Hamartiologia.pptx
antonio211075
 
Hamartiologia.pptx
Hamartiologia.pptxHamartiologia.pptx
Hamartiologia.pptx
AntonioDaCunhaBarboz1
 
TEOLOGIA_SISTEMATICA_II.pdf
TEOLOGIA_SISTEMATICA_II.pdfTEOLOGIA_SISTEMATICA_II.pdf
TEOLOGIA_SISTEMATICA_II.pdf
JorgeCousseiro1
 
A crise do pecado
A crise do pecadoA crise do pecado
A crise do pecado
Elias Vasconcelos
 
Santidade x pecado
Santidade x pecadoSantidade x pecado
Santidade x pecado
Edmilson Fernandes
 
Pecado
PecadoPecado
Pecado
UEPB
 
07 doutrina cristã do pecado
07   doutrina cristã do pecado07   doutrina cristã do pecado
07 doutrina cristã do pecado
Luiz Ferreira
 
Obras da Carne VS Fruto do Espírito
Obras da Carne VS Fruto do EspíritoObras da Carne VS Fruto do Espírito
Obras da Carne VS Fruto do Espírito
Hubner Braz
 
Teologia 27
Teologia 27Teologia 27
Teologia 27
marcelo olegario
 
Apostila 27
Apostila 27Apostila 27
Apostila 27
amaildo pereira
 
Apostila 27
Apostila 27Apostila 27
Apostila 27
Omar Gebara
 
Atire a primeira pedra! ( Leonardo Pereira).
Atire a primeira pedra! ( Leonardo Pereira). Atire a primeira pedra! ( Leonardo Pereira).
Atire a primeira pedra! ( Leonardo Pereira).
Leonardo Pereira
 
A doutrina do pecado
A doutrina do pecadoA doutrina do pecado
A doutrina do pecado
Antonio Ferreira
 
A doutrina do pecado
A doutrina do pecadoA doutrina do pecado
A doutrina do pecado
Antonio Ferreira
 
Pecado: Uma rota errada e suas consequências
Pecado: Uma rota errada e suas consequênciasPecado: Uma rota errada e suas consequências
Pecado: Uma rota errada e suas consequências
IsaacAmorim10
 
A doutrina do pecado
A doutrina do pecadoA doutrina do pecado
A doutrina do pecado
Wallace Souza
 
comentario da lição 12 da escola dominical lições sobre tiago
comentario da lição 12 da escola dominical lições sobre tiagocomentario da lição 12 da escola dominical lições sobre tiago
comentario da lição 12 da escola dominical lições sobre tiago
Marcelo Oliveira Moraes
 
Lição 4 - Quando a Criatura Vale mais que o Criador - Pr. Elso Rodrigues.pdf
Lição 4 - Quando a Criatura Vale mais que o Criador - Pr. Elso Rodrigues.pdfLição 4 - Quando a Criatura Vale mais que o Criador - Pr. Elso Rodrigues.pdf
Lição 4 - Quando a Criatura Vale mais que o Criador - Pr. Elso Rodrigues.pdf
DigenesSoares3
 
Lição 4 - Quando a Criatura Vale mais que o Criador - Pr. Elso Rodrigues.pdf
Lição 4 - Quando a Criatura Vale mais que o Criador - Pr. Elso Rodrigues.pdfLição 4 - Quando a Criatura Vale mais que o Criador - Pr. Elso Rodrigues.pdf
Lição 4 - Quando a Criatura Vale mais que o Criador - Pr. Elso Rodrigues.pdf
DigenesSoares3
 
02 - Pecado. doutrina ensinamento sobre como essa doutrina afeta a prática cr...
02 - Pecado. doutrina ensinamento sobre como essa doutrina afeta a prática cr...02 - Pecado. doutrina ensinamento sobre como essa doutrina afeta a prática cr...
02 - Pecado. doutrina ensinamento sobre como essa doutrina afeta a prática cr...
IvairCampos1
 

Semelhante a A doutrina do pecado (20)

Hamartiologia.pptx
Hamartiologia.pptxHamartiologia.pptx
Hamartiologia.pptx
 
Hamartiologia.pptx
Hamartiologia.pptxHamartiologia.pptx
Hamartiologia.pptx
 
TEOLOGIA_SISTEMATICA_II.pdf
TEOLOGIA_SISTEMATICA_II.pdfTEOLOGIA_SISTEMATICA_II.pdf
TEOLOGIA_SISTEMATICA_II.pdf
 
A crise do pecado
A crise do pecadoA crise do pecado
A crise do pecado
 
Santidade x pecado
Santidade x pecadoSantidade x pecado
Santidade x pecado
 
Pecado
PecadoPecado
Pecado
 
07 doutrina cristã do pecado
07   doutrina cristã do pecado07   doutrina cristã do pecado
07 doutrina cristã do pecado
 
Obras da Carne VS Fruto do Espírito
Obras da Carne VS Fruto do EspíritoObras da Carne VS Fruto do Espírito
Obras da Carne VS Fruto do Espírito
 
Teologia 27
Teologia 27Teologia 27
Teologia 27
 
Apostila 27
Apostila 27Apostila 27
Apostila 27
 
Apostila 27
Apostila 27Apostila 27
Apostila 27
 
Atire a primeira pedra! ( Leonardo Pereira).
Atire a primeira pedra! ( Leonardo Pereira). Atire a primeira pedra! ( Leonardo Pereira).
Atire a primeira pedra! ( Leonardo Pereira).
 
A doutrina do pecado
A doutrina do pecadoA doutrina do pecado
A doutrina do pecado
 
A doutrina do pecado
A doutrina do pecadoA doutrina do pecado
A doutrina do pecado
 
Pecado: Uma rota errada e suas consequências
Pecado: Uma rota errada e suas consequênciasPecado: Uma rota errada e suas consequências
Pecado: Uma rota errada e suas consequências
 
A doutrina do pecado
A doutrina do pecadoA doutrina do pecado
A doutrina do pecado
 
comentario da lição 12 da escola dominical lições sobre tiago
comentario da lição 12 da escola dominical lições sobre tiagocomentario da lição 12 da escola dominical lições sobre tiago
comentario da lição 12 da escola dominical lições sobre tiago
 
Lição 4 - Quando a Criatura Vale mais que o Criador - Pr. Elso Rodrigues.pdf
Lição 4 - Quando a Criatura Vale mais que o Criador - Pr. Elso Rodrigues.pdfLição 4 - Quando a Criatura Vale mais que o Criador - Pr. Elso Rodrigues.pdf
Lição 4 - Quando a Criatura Vale mais que o Criador - Pr. Elso Rodrigues.pdf
 
Lição 4 - Quando a Criatura Vale mais que o Criador - Pr. Elso Rodrigues.pdf
Lição 4 - Quando a Criatura Vale mais que o Criador - Pr. Elso Rodrigues.pdfLição 4 - Quando a Criatura Vale mais que o Criador - Pr. Elso Rodrigues.pdf
Lição 4 - Quando a Criatura Vale mais que o Criador - Pr. Elso Rodrigues.pdf
 
02 - Pecado. doutrina ensinamento sobre como essa doutrina afeta a prática cr...
02 - Pecado. doutrina ensinamento sobre como essa doutrina afeta a prática cr...02 - Pecado. doutrina ensinamento sobre como essa doutrina afeta a prática cr...
02 - Pecado. doutrina ensinamento sobre como essa doutrina afeta a prática cr...
 

Último

CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]
CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]
CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]
ESCRIBA DE CRISTO
 
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO [MUSEOLOGIA]
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO      [MUSEOLOGIA]MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO      [MUSEOLOGIA]
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO [MUSEOLOGIA]
ESCRIBA DE CRISTO
 
A CRUZ DE CRISTO- ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
A CRUZ DE CRISTO-  ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptxA CRUZ DE CRISTO-  ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
A CRUZ DE CRISTO- ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
JonasRibeiro61
 
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
ESCRIBA DE CRISTO
 
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptxBíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
Igreja Jesus é o Verbo
 
Escola de A E Aula 96 Evolução Animica
Escola de A E Aula 96 Evolução AnimicaEscola de A E Aula 96 Evolução Animica
Escola de A E Aula 96 Evolução Animica
AlessandroSanches8
 
Oração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Oração Para Pedir Bênçãos Aos AgricultoresOração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Oração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Nilson Almeida
 
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptxLição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Celso Napoleon
 
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
ESCRIBA DE CRISTO
 
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdfO-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
WELITONNOGUEIRA3
 
JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]
JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]
JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]
ESCRIBA DE CRISTO
 
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptxBíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Igreja Jesus é o Verbo
 
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxasMalleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Lourhana
 
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOSDIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
ESCRIBA DE CRISTO
 
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptxLição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Celso Napoleon
 
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimentoHabacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
ayronleonardo
 

Último (16)

CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]
CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]
CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]
 
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO [MUSEOLOGIA]
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO      [MUSEOLOGIA]MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO      [MUSEOLOGIA]
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO [MUSEOLOGIA]
 
A CRUZ DE CRISTO- ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
A CRUZ DE CRISTO-  ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptxA CRUZ DE CRISTO-  ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
A CRUZ DE CRISTO- ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
 
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
 
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptxBíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
 
Escola de A E Aula 96 Evolução Animica
Escola de A E Aula 96 Evolução AnimicaEscola de A E Aula 96 Evolução Animica
Escola de A E Aula 96 Evolução Animica
 
Oração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Oração Para Pedir Bênçãos Aos AgricultoresOração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Oração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
 
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptxLição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
 
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
 
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdfO-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
 
JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]
JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]
JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]
 
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptxBíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
 
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxasMalleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
 
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOSDIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
 
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptxLição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
 
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimentoHabacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
 

A doutrina do pecado

  • 1. ASSEMBLÉIA DE DEUS: GOVERNADOR DIX - SEPT ROSADO – RN “Os que amam a Deus, devem conhecê-lo da maneira mais profunda que seus esforços possam alcançar” DIRETOR GERAL: Pr.: LUIS CARLOS COORDENADOR: MARCIANNO TEÓFILO DANTAS CENTRO EDUCACIONAL TEOLÓGICO DAS ASSEMBLEIAS DE DEUS NO BRASIL 4ª Aula 15/11/2018 CURSO BÁSICO EM TEOLOGIA
  • 2. ASSEMBLÉIA DE DEUS: GOVERNADOR DIX SEPT ROSADO – RN LIÇÃO IV: A DOUTRINA DO PECADO: HARMARTIOLOGIA CENTRO EDUCACIONAL TEOLÓGICO DAS ASSEMBLEIAS DE DEUS NO BRASIL 4ª Aula 15/11/2018
  • 3. A DOUTRINA DO PECADO HAMARTIOLOGIA
  • 4. INTRODUÇÃO O que é pecado? Como se manifesta? Como entrou no mundo? Nesta aula vamos adentrar na discussão bíblica quanto a esse assunto, no intuito de analisar, de certa forma, as questões levantada ao longo da história sobre a Queda. Neste sentido vamos ver que o cristianismo é uma religião de redenção. Dessa forma, não é possível tratar da doutrina do pecado sem focalizar as três grandiosas doutrinas bíblicas importantes: de Deus, do pecado e da redenção!
  • 5. ETIMOLOGIA DOTERMO “HAMARTIOLOGIA” • Deriva de dois vocábulos gregos: hamartia e logos, que significa, estudo sobre o pecado, ou seja, “estudo dos desvios dos fins estabelecidos pelo Criador”
  • 6. A DOUTRINA DO PECADO Este estudo deve preceder ao da graça de Deus (1 Jo. 1, 8; 2 ,2). Vemos na epistola aos romanos que uma dos principais intentos da Lei é mostrar os aspectos repulsivos do pecado (Rm. 7. 8, 13b). Por esse motivo, tendo conhecimento do horror provocado pelo pecado, passamos a dar o devido valor a graça de Deus em toda a sua extensão (Rm. 5. 20). Ler (Rm. 3. 10; 1 Rs. 8. 46)
  • 7. DEFINIÇÃO DO PECADO Pecado é a causa da perdição do homem, denota tudo aquilo que não se conforma com a lei de Deus. As escrituras citam 372 formas de pecado, e há centenas de outras não mencionadas (Gl. 5. 21). A seguir observaremos, de forma sucinta, seis termos utilizados para pecado: “transgressão; iniquidade; desobediência; incredulidade; ilegalidade; erro”.
  • 8. TRANSGRESSÃO • TRANSGRESSÃO: (hb. Pesha gr. Hamartema): Significa quebra das leis divinas; transpor a fronteira da lei, do bem, da ordem, da decência (Pv. 28. 13).
  • 9. INIQUIDADE Significa, segundo o dicionário Michaelis (2018): • Falta de equidade; • Caráter ou qualidade de iníquo; • Ação ou dito contrário à justiça; • Ação má e perversa. No material referencial mostra iniquidade como: Fora do prumo; fora de nível; do lado de fora; afastar-se do certo; errar o alvo. Contudo, iniquidade (Gr.hamartano) refere-se principalmente ao pecado do crente.
  • 10. DESOBEDIÊNCIA • Consiste no ato de rebelar-se; não- conformidade, Oposição, resistência, Birra, teimosia, rebeldia, má vontade para com Deus e sua lei.
  • 11. INCREDULIDADE • Falta de confiança e de dependência de Deus.
  • 12. ILEGALIDADE • É subversão e oposição à lei e à ordem divina
  • 13. ERRO • Afastamento das normas divinas estabelecidas
  • 14. PONTO DE REFLEXÃO • O homem fora criado segundo a imagem de Deus, e não segundo a sua própria espécie! Isso significa que, após a queda, no éden, do ser humano jamais nascerá um filho seu salvo (Rm. 5. 12; Sl. 51. 5).
  • 15. O ORIGEM DO PECADO O pecado teve origem no mundo espiritual. A palavra de Deus apresenta, em Ez. 28. 15, 16 esta afirmação.
  • 16. HAMARTIOLOGIA • O pecado é universal (Rm. 3. 23): Todos, sem exceção foram atingidos pelo pecado • A realidade do pecado: A bíblia, a História, a consciência, o dia a dia mostra essa realidade (Hb. 12. 1; Sl. 51. 5) • Evidencias da realidade: Muitas são as evidencia dessa dura realidade! • O pecado e sua Raiz (Jo. 16. 9; Hb. 3. 12): Incredulidade, egoísmo e o egotismo;
  • 17. PECADO COMO ATO E COMO ESTADO • Existe um distinção entre ato e estado pecaminoso. O primeiro diz respeito a um efeito; já o segundo a uma causa. Dizendo de outro modo, o pecado como estado indica que todos os homens estão propensos a pecar, ou seja é uma causa e não um efeito! OBS.: Ler (Tg. 1. 14, 15; Rm. 6.6)
  • 18. COMPLEXIDADE DO PECADO • A natureza do pecado: (1 Jo. 1. 7, 9; Lv. 4. 1-12; 5. 14-19); • O pecado e sua prática: quanto a prática há o pecado de comissão (Tg. 1. 15) e o de omissão (Tg. 4. 17).
  • 19. ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE O PECADO DE OMISSÃO • É PECADO: • Saber fazer o bem e não fazer (Tg. 4. 17); • Deixar de orar pelos outros (1Sm. 12. 23); • Não se preparar e não ter reserva (Mt. 25. 3); • Ser omissos quanto o cuidado a Israel (Mt. 25. 42-45); • Deixar de cumprir a lei de Deus (Jz. 5. 23). Lembrando que todo o pecado praticado é , independentemente de qual for, primeiramente contra Deus!
  • 20. A ORIGEM DO PECADO DENTRO DO HOMEM Na bíblia encontramos o pecado da carne (2 Co. 7. 1) e o pecado do espirito (2 Co. 7. 1; Sl. 66. 18). Contudo somos tentados a achar que pecado são apenas “aqueles” bem conhecidos! No entanto os pecados de espirito são às vezes piores que os pecados “famosos”(2 Sm. 12. 13; Sl. 51; Mt. 23) vejamos alguns exemplos dos pecados de espírito: Orgulho; amargura; mau humor; ciúme doentio; hipocrisia; soberba; vangloria; arrogânci a; inveja; cobiça; ira; leviandade; Irreverência; Mentira; Egoísmo; Roubar a Deus; Quebra do dia do Senhor; Mau testemunho; Desonestidade; Negligencia na oração; Negligencia na leitura da bíblia; Relaxamento quanto a obra de Deus.
  • 21. AS CONSEQUÊNCIAS DO PECADO (1 Jo. 5. 16) Pecados para morte: Depende da gradação e resulta em: Sofrimento; Morte espiritual; Morte física; Perdição eterna. Alguns levam a morte física prematura como o: desobediência deliberada 1 Rs. 13. 26; Incesto (1 Co. 5.5); Murmuração (1 Co. 10. 5); Profanação (1 Co. 11. 29-32); Desvio (Jr. 16. 5, 6); Tentar a Deus (Nm. 14. 29, 32, 35; 18.22...); Falsidade (At. 5. 10); Rebeldia como estado (Ef. 6.3).
  • 22. AS CONSEQUÊNCIAS DO PECADO (1 Jo. 5. 16) Pecados que não são para morte: Mesmo sabendo que todo pecado é transgressão diante de Deus, é bom lembrar que nem todo pecado é “igual” aos olhos dEle! Parece contraditório mas não é. Observe que a bíblia fala de gradação: “Grande pecado” (Ex. 32. 30, 31; 1 Sm. 2. 17; Sl. 25. 11; Am. 5. 12); “Maior pecado” (Jo. 19. 11); “Muito grande pecado” ( 1 Sm 2. 17; 2 Sm. 24. 10 com 1 Cr. 21. 8. 17); “Muitos pecados” (Lc. 7. 47); “Multidão de pecados” (Ez. 16. 51; Os. 13. 2;Tg. 5. 20).
  • 23. REFLETIR (Sl. 99. 8; Nm. 14. 19-23) • Qualquer pecado, mesmo perdoado, não nos torna isento dos seus maus efeitos aqui na terra. Devemos atentar para o fato de o perdão de Deus nos exime da condenação como filhos de Deus. Contudo, o castigo, aqui, tem a ver com o nosso aprendizado espiritual. Outra coisa importante é que o tempo não apaga pecado! • OBS.: Há pecado perdoável e o imperdoável (Mt. 12. 31, 32). Quanto a este tipo, diz respeito a pecados contínuos e conscientes (1Tm. 1.13) não a atos isolados.
  • 24. CONSUMAÇÃO DO PECADO Há pecados voluntários e os não voluntários. Apesar de ser involuntário o pecado terá sua devida condenação. Quanto ao corpo humano a bíblia nos exorta:” fugi da prostituição” (1Co. 6. 18). Vejamos: O PECADO RELACIONADO AO CRENTE: cuidado com o pecado individual, conhecido e tolerado por nós pois eles proporcionam:  Perda Das Bênçãos; Disciplina Divina; Interrupção Da Comunhão Com Deus; Cessação De Operação Divina Por Meio Do Crente; Perda Do Galardão Futuro.
  • 25. JULGAMENTO DO PECADO LEMBRE-SE DISSO: DEUS NEM SEMPRE JULGA LOGO O PECADO (SL. 103. 10): • ELE dá tempo e oportunidade para que o pecador se arrependa; • ELE sabe de tudo; • Nada há encoberto que não venha a revelar-se.
  • 26. COMOTRIUNFAR SOBRE O PECADO • Amando e guardando a palavra de Deus no coração; • Crer no poder do sangue de Cristo Jesus; • Confiar no poder do Espirito Santo; • Confiar no ministério sacerdotal de Jesus Cristo; • Manter um fé viva; • Submeter-se inteiramente a Cristo • Evitar os pecados vindo de dentro e de fora (ler 1Tm. 5.22).
  • 27. O HOMEM ANTES DA QUEDA O homem, como imagem e semelhança de Deus possuía sua natureza voltada naturalmente para Deus. Neste sentido o corpo não a imagem de Deus, pois o corpo é formado do pó, a imagem e semelhança ao Deus trino, consiste na imagem moral e a espiritual. Não havia conflito entre os impulsos pessoais e os espirituais .
  • 28. TEORIAS FILOSÓFICAS • Ao longo da história a preocupação quanto ao mal. Filósofos, sociólogos, psicólogos e teólogos, veem discutindo acerca da presença do pecado no universo. Com isso foi-se criando vários conceitos antiteístas e anticristãos, vejamos algumas: • Teoria do principio da existência eterna do mal; • Teoria do pecado como um mal necessário; • Teoria do pecado ligado a natureza sensorial do homem; • Teoria que atesta ser a essência do pecado o egoísmo.
  • 29. DEFINIÇÕES CONCEITUAIS DO PECADO • JOHN WESLEY assim definia pecado: “Transgressão voluntária de uma lei conhecida” • AUGUSTO HOOPKINS ESTRONG: “pecado é a falta de conformidade com a lei moral de Deus quer em atos, disposição ou estado”. • W.T. CONNER: “pecado é rebelião contra a vontade de Deus”... • OBS.: No livro temos diversas outras definições para aprofundamento
  • 30. PORMENORES DA ORIGEM DO PECADO NO UNIVERSO • Aprofundaremos nesse ponto apenas se surgir duvidas quanto ao slide 13 desse estudo
  • 31. O Pecado original e sua afetação em detalhes • PECADO ORIGINAL: Herdado de nossos primeiros pais (Adão e Eva)
  • 32. A CULPA DO PECADO Culpa é o sentimento de haver transgredido uma lei mediante ao pecado A culpa é o estado ou condição de quem transgrediu a lei; A natureza da culpa; A culpa legal; A culpa não significa mera propensão ao castigo; A manifestação da culpa na consciência humana; A culpa tem uma relação com alei de Deus; Graus de culpa.
  • 33. REALIDADE DA AÇÃO DO PECADO • Indiscutivelmente, o pecado trouxe graves consequências ao universo, especialmente a vida humana. (1 Rs. 8. 46; Sl. 143. 2)
  • 34. HEREDITARIEDADE DO PECADO • Como um pecado individual afetou a todos?
  • 35. O CASTIGO DO PECADO • O pecado desfigurou a imagem de divina do homem; • O pecado deu origem a um estado pecaminoso que afetou toda a raça humana; • O pecado produziu punições naturais e físicas na vida do homem; • O pecado gerou um continuo conflito moral e espiritual entre corpo e alma de cada criatura humana; • O pecado despertou a consciência do homem; • O pecado trouxe ao homem a punição da morte física.
  • 36. ATIVIDADE 1) C pág. 95 2) C pág. 96 3) C pág. 105 4) E pág. 108 5) C pág. 115 6) C pág. 128