SlideShare uma empresa Scribd logo
“O Gato Malhado e a Andorinha Sinhá”, de Jorge Amado




                 Interpretação da obra (perguntais geral)

Sobre o autor (Jorge Amado)
  A história de amor do Gato Malhado e da Andorinha Sinhá foi escrita por Jorge Amado, em
Paris onde residia com a sua mulher e o seu filho, João Jorge. O objetivo deste livro era ser
oferecido ao filho quando este completasse um ano de idade para que o lê-se quando
conseguisse. Jorge Amado nunca pensou em publicá-lo, mas quando o livro foi encontrado, em
1976, tendo sido dado a ler a Carybé, um mestre baiano, este ilustrou o texto com as mais
belas ilustrações, sendo portanto a razão da publicação do livro. Palavras de Jorge Amado:
“…se o texto não paga a pena, em troca não tem preço que possa pagar as aguarelas de
Carybé…”, isto significa que mesmo que a leitura do livro não valesse a pena, não se
arrependeria de publicar o livro devido àquelas ilustrações.

  O texto não sofreu qualquer alteração antes de ser publicado, pois como diz o autor: “…o
livro perderia toda a qualidade: ter sido escrito por prazer sem nenhuma obrigação de público
e editor…”.



O livro foi dedicado a quem?
    Ao seu filho: João Jorge;

    Ao resto da família (mulher, afilhado, netos);

    Carybé;

    A um leitor anónimo.
Poema/ trova de Estêvão da Escuna
  Segundo a sua mensagem quando é que o mundo valerá a pena? E o que significa isso
para os humanos?

    Segundo a mensagem do poema de Estêvão da Escuna, o Mundo só valerá a pena quando
for possível ver um gato Maltês casar com uma andorinha, ou seja, quando for possível
ultrapassar todos os preconceitos e juntar, naturalmente, espécies e raças diferentes. É este o
cariz moralizante do conto.

Parêntesis
 Indica a intencionalidade deste capítulo.

  Este capítulo tem como objetivo dar aos leitores algumas informações: os narradores e os
narratários.

 Diz quais são os narradores e os narratários desta história.




A estação da primavera
 Indique o nome da primeira personagem que aparece neste capítulo.

A primeira personagem que aparece neste capítulo é o Gato Malhado.



 Faça a caracterização física e psicológica do Gato.

Caracterização física: um gato feio, gordo, forte, às riscas amarelas e negras, gato de meia-
idade, com olhos que transmitiam maldade e grandes bigodes.

Caracterização psicológica: solitário, egoísta, mau humorado, antipático, desagradável,
convencido e insensível.
Durante o diálogo entre o Gato Malhado e a Andorinha Sinhá

  Porque motivo se assustaram os animais do parque?

Os animais do parque assustaram-se porque pensavam que o Gato ia matar a Andorinha.

  A Andorinha não fugiu. Porquê?

A Andorinha não fugiu porque como não conseguia voar, não a podia alcançar.

 Na opinião da Andorinha, o Gato Malhado era:

        Tolo;
        Feíssimo;
        Convencido

 De que modo reagiu o Gato Malhado à critica da Andorinha?

O Gato Malhado, fez o inesperado: riu-se da crítica da Andorinha.

 O que significa a expressão: “riso espantoso de quem se havia desacostumado de rir”?

A expressão significa que o Gato já não se ria há muito tempo.

 Reações dos outros animais:

A Árvore Pau-brasil tremeu de medo, o Cão Dinamarquês pensou que o Gato se ia vingar da
Andorinha, o Reverendo Papagaio fechou os olhos e a Andorinha voou um galho mais alto.

  Sensações visuais, olfativas e auditivas presentes nesta estação.

Sensações visuais: “vestidas de luz e de cores”; “riscas amarelas e negras”;…

Sensações auditivas: “seguem o cacarejar da orgulhosa galinha”; “murmuravam”;…

Sensações olfativas: “olorosa de perfumes sutis”; “botões nasciam perfumados”;…

  Como se designam as expressões “Santo Deus!”; “Ui” e “Ai, Meu Deus!”? Quais os
sentimentos que exprimem?

  As expressões “Santo Deus!”, “Ui” e “Ai, Meu Deus!” são interjeições que exprimem medo,
susto e terror.

 A estação do verão
A estação do verão é curta, porquê?

A estação do verão é curta, passou rapidamente “com o seu sol ardente e noites cheias de
estrelas”, pois é sempre rápido o tempo de felicidade. “O tempo é um ser difícil”, isto é,
quando queremos que o tempo passe depressa (momentos de infelicidade) ele vai andando
devagar, pormenorizando cada momento. Quando há o desejo de viver para sempre um
capítulo de uma vida o tempo corre. Então, esta estação ser curta deve-se ao facto do tempo
em que a Andorinha e o Gato estiveram juntos passasse num ápice.

A Andorinha pergunta ao Gato o porquê da sua infelicidade

O que é que o Gato lhe responde?

O Gato diz-se que se ela não fosse uma Andorinha lhe pedia para casar com ele.

Qual a reação da Andorinha?

A Andorinha não ficou surpreendida pois já sabia o que se passava no coração do Gato; zanga
também não deveria ser pois aquelas palavras foram-lhe gratas, mas tinha medo, ele era um
Gato e os gatos são inimigos das andorinhas.

A estação do outono
Como se sente o Gato Malhado quando resolve ir conversas com a Coruja?

O Gato Malhado sente-se só, triste e confuso.

A Coruja sugere a única solução para vencer a lei das andorinhas. Qual?

A solução que a Coruja sugere é uma revolução de mentalidades e de comportamentos.

Na opinião da Coruja a lei das andorinhas impede o casamento entre o Gato e a Andorinha.
Transpondo para o plano humano, esta lei representa…

Representa um tipo de conduta social e racial interiorizada pela sociedade.

Tristes e em silêncio, o Gato e a Andorinha "tinham ambos o ar de quem quer evitar um
assunto que se impõe." Que assunto é esse?

O assunto que é evitado pelo Gato e a Andorinha é a separação inevitável deles, devido aos
rumores e à lei das andorinhas.

A estação do inverno
O que aconteceu durante o casamento da Andorinha e do Rouxinol?

Durante o casamento da Andorinha e do Rouxinol, onde estavam presentes todos os animais
do parque menos o Gato Malhado que permanecia solitário, caiu sobre o Gato uma pétala das
rosas vermelhas e este colocou-a no seu peito.

A andorinha deixou cair uma pétala de rosa com que intenção?

A Andorinha deixou cair uma pétala de rosa com a intenção de iluminar o caminho do gato que
estava só e triste.
Por que era este amor impossível?

Este amor era impossível porque a Andorinha e o Gato são seres de espécies diferentes e, até,
inimigos.

Moral da história:
  Todos nós temos preconceitos. Por muito que o mundo evolua, é quase impossível haver
alguém que não tenha um único preconceito. Muitas vezes nem nos apercebemos que certas
ideias ou gostos que manifestamos são preconceitos: aproximarmo-nos de pessoas mais
magras ou mais gordas, mais altas ou mais baixos, gostar de estar só com pessoas mais novas
ou mais velhas... Todos nós temos as nossas preferências e nem sempre nos apercebemos de
que se trata de preconceitos. Se estes não nos levarem a afastar ou discriminar pessoas
apenas por aquilo que aparentam ser, o problema não é grave. Mas ainda há quem
marginalize os outros, baseado em conceitos de raça, crença, poder…

  Esta história do Gato Malhado e da Andorinha Sinhá mostra como isso pode acontecer, como
a felicidade de dois animais é colocado em causa porque pertencem a mundos diferentes.




A Ação:
Qual é o acontecimento mais importante desta narrativa?

O acontecimento mais importante desta narrativa é o desenrolar da paixão entre o Gato
Malhado e a Andorinha Sinhá.




A história de amor é várias vezes interrompida pelo narrador, por isso a ordem temporal da
história é alterada. Indica os vários capítulos da história.

   I.   Madrugada
  II.   Parêntesis
 III.   A estação da primavera
IV.    Novo parêntesis, para apresentar a Andorinha Sinhá
   V.   Continuação da estação da primavera
 VI.    Capítulo inicial atrasado e fora do lugar
 VII.   Fim da estação da primavera
VIII.   A estação do verão
  IX.   Parêntesis das murmurações
   X.   A estação do outono
  XI.   Parêntesis poético
 XII.   Parêntesis crítico
XIII.   Continuação da estação do outono
XIV.    A estação do inverno
XV.     Noite de estrelas

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Estrutura Gato Malhado Andorinha Sinha
Estrutura Gato Malhado Andorinha SinhaEstrutura Gato Malhado Andorinha Sinha
Estrutura Gato Malhado Andorinha Sinha
armindaalmeida
 
A Saga de Sophia de Mello Breyner Andresen
A Saga de Sophia de Mello Breyner Andresen A Saga de Sophia de Mello Breyner Andresen
A Saga de Sophia de Mello Breyner Andresen
becre-palmeiras
 
Subclasses dos verbos exercícios
Subclasses dos verbos exercíciosSubclasses dos verbos exercícios
Subclasses dos verbos exercícios
quintaldasletras
 
Gato malhado e andorinha sinhã
Gato malhado e andorinha sinhãGato malhado e andorinha sinhã
Gato malhado e andorinha sinhã
Flavio Mendes
 
História de uma gaivota e do gato que a essinou a voar
História de uma gaivota e do gato que a essinou a voarHistória de uma gaivota e do gato que a essinou a voar
História de uma gaivota e do gato que a essinou a voar
Biblioteca Escolar Delfim Santos
 
10º testes leya
10º testes leya10º testes leya
10º testes leya
Graça Gomes
 
História de uma gaivota e do gato que a ensinou a voar
História de uma gaivota e do gato que a ensinou a voarHistória de uma gaivota e do gato que a ensinou a voar
História de uma gaivota e do gato que a ensinou a voar
Lara Morgado
 
Leandro, Rei da Helíria
Leandro, Rei da HelíriaLeandro, Rei da Helíria
Leandro, Rei da Helíria
António Pires
 
"Saga", de Sophia de Mello Breyner
"Saga", de Sophia de Mello Breyner "Saga", de Sophia de Mello Breyner
"Saga", de Sophia de Mello Breyner
inessalgado
 
Teste saga
Teste saga Teste saga
Teste saga
fatimamendonca64
 
O cavaleiro da dinamarca categorias da narrativa
O cavaleiro da dinamarca  categorias da narrativaO cavaleiro da dinamarca  categorias da narrativa
O cavaleiro da dinamarca categorias da narrativa
fercariagomes
 
Leandro rei da heliria caracterização das personagens2
Leandro rei da heliria   caracterização das personagens2Leandro rei da heliria   caracterização das personagens2
Leandro rei da heliria caracterização das personagens2
Belmira Baptista
 
O Gato Malhado Teste
O Gato Malhado Teste O Gato Malhado Teste
O Gato Malhado Teste
Cristina Seiça
 
O velho que lia romances de amor- resumo (breve)
O velho que lia romances de amor- resumo (breve)O velho que lia romances de amor- resumo (breve)
O velho que lia romances de amor- resumo (breve)
Vanessa Raquel
 
O gato-malhado-e-a-andorinha-sinha
O gato-malhado-e-a-andorinha-sinhaO gato-malhado-e-a-andorinha-sinha
O gato-malhado-e-a-andorinha-sinha
anarsantos8
 
Swoosh 9 evaluation tests
Swoosh 9   evaluation testsSwoosh 9   evaluation tests
Swoosh 9 evaluation tests
Liliana Rodrigues
 
Paratextos 8º ano teste 3 com soluções
Paratextos 8º ano teste 3 com soluçõesParatextos 8º ano teste 3 com soluções
Paratextos 8º ano teste 3 com soluções
Zélia fernandes
 
Recursos expressivos
Recursos expressivosRecursos expressivos
Recursos expressivos
Bárbara Minhoto
 
O principezinho - resumo
O principezinho - resumoO principezinho - resumo
O principezinho - resumo
sofiasimao
 
Teste 9º os lusíadas
Teste 9º os lusíadasTeste 9º os lusíadas
Teste 9º os lusíadas
Natália Carvalho
 

Mais procurados (20)

Estrutura Gato Malhado Andorinha Sinha
Estrutura Gato Malhado Andorinha SinhaEstrutura Gato Malhado Andorinha Sinha
Estrutura Gato Malhado Andorinha Sinha
 
A Saga de Sophia de Mello Breyner Andresen
A Saga de Sophia de Mello Breyner Andresen A Saga de Sophia de Mello Breyner Andresen
A Saga de Sophia de Mello Breyner Andresen
 
Subclasses dos verbos exercícios
Subclasses dos verbos exercíciosSubclasses dos verbos exercícios
Subclasses dos verbos exercícios
 
Gato malhado e andorinha sinhã
Gato malhado e andorinha sinhãGato malhado e andorinha sinhã
Gato malhado e andorinha sinhã
 
História de uma gaivota e do gato que a essinou a voar
História de uma gaivota e do gato que a essinou a voarHistória de uma gaivota e do gato que a essinou a voar
História de uma gaivota e do gato que a essinou a voar
 
10º testes leya
10º testes leya10º testes leya
10º testes leya
 
História de uma gaivota e do gato que a ensinou a voar
História de uma gaivota e do gato que a ensinou a voarHistória de uma gaivota e do gato que a ensinou a voar
História de uma gaivota e do gato que a ensinou a voar
 
Leandro, Rei da Helíria
Leandro, Rei da HelíriaLeandro, Rei da Helíria
Leandro, Rei da Helíria
 
"Saga", de Sophia de Mello Breyner
"Saga", de Sophia de Mello Breyner "Saga", de Sophia de Mello Breyner
"Saga", de Sophia de Mello Breyner
 
Teste saga
Teste saga Teste saga
Teste saga
 
O cavaleiro da dinamarca categorias da narrativa
O cavaleiro da dinamarca  categorias da narrativaO cavaleiro da dinamarca  categorias da narrativa
O cavaleiro da dinamarca categorias da narrativa
 
Leandro rei da heliria caracterização das personagens2
Leandro rei da heliria   caracterização das personagens2Leandro rei da heliria   caracterização das personagens2
Leandro rei da heliria caracterização das personagens2
 
O Gato Malhado Teste
O Gato Malhado Teste O Gato Malhado Teste
O Gato Malhado Teste
 
O velho que lia romances de amor- resumo (breve)
O velho que lia romances de amor- resumo (breve)O velho que lia romances de amor- resumo (breve)
O velho que lia romances de amor- resumo (breve)
 
O gato-malhado-e-a-andorinha-sinha
O gato-malhado-e-a-andorinha-sinhaO gato-malhado-e-a-andorinha-sinha
O gato-malhado-e-a-andorinha-sinha
 
Swoosh 9 evaluation tests
Swoosh 9   evaluation testsSwoosh 9   evaluation tests
Swoosh 9 evaluation tests
 
Paratextos 8º ano teste 3 com soluções
Paratextos 8º ano teste 3 com soluçõesParatextos 8º ano teste 3 com soluções
Paratextos 8º ano teste 3 com soluções
 
Recursos expressivos
Recursos expressivosRecursos expressivos
Recursos expressivos
 
O principezinho - resumo
O principezinho - resumoO principezinho - resumo
O principezinho - resumo
 
Teste 9º os lusíadas
Teste 9º os lusíadasTeste 9º os lusíadas
Teste 9º os lusíadas
 

Semelhante a "O gato Malhado e a Andorinha Sinhá"

«O Gato Malhado e a Andorinha Sinhá», de Jorge Amado.pptx
«O Gato Malhado e a Andorinha Sinhá», de Jorge Amado.pptx«O Gato Malhado e a Andorinha Sinhá», de Jorge Amado.pptx
«O Gato Malhado e a Andorinha Sinhá», de Jorge Amado.pptx
Elisabete Laginha
 
gato-malhado-sistematizacao-ppt
 gato-malhado-sistematizacao-ppt gato-malhado-sistematizacao-ppt
gato-malhado-sistematizacao-ppt
fatimamendonca64
 
«O Gato Malhado e a Andorinha Sinhá», de Jorge Amado.pptx
«O Gato Malhado e a Andorinha Sinhá», de Jorge Amado.pptx«O Gato Malhado e a Andorinha Sinhá», de Jorge Amado.pptx
«O Gato Malhado e a Andorinha Sinhá», de Jorge Amado.pptx
Susana911185
 
«O Gato Malhado e a Andorinha Sinhá», de Jorge Amado.pptx
«O Gato Malhado e a Andorinha Sinhá», de Jorge Amado.pptx«O Gato Malhado e a Andorinha Sinhá», de Jorge Amado.pptx
«O Gato Malhado e a Andorinha Sinhá», de Jorge Amado.pptx
kikinha26
 
«O Gato Malhado e a Andorinha Sinhá», de Jorge Amado (1).pptx
«O Gato Malhado e a Andorinha Sinhá», de Jorge Amado (1).pptx«O Gato Malhado e a Andorinha Sinhá», de Jorge Amado (1).pptx
«O Gato Malhado e a Andorinha Sinhá», de Jorge Amado (1).pptx
GiselaAlves15
 
Fi gato malhado
Fi gato malhadoFi gato malhado
Fi gato malhado
Cristina Fontes
 
Jorge Amado
Jorge AmadoJorge Amado
Jorge Amado
Maria Araújo
 
O Gato Malhado e a Andorinha Sinhá - A estação do verão
O Gato Malhado e a Andorinha Sinhá - A estação do verãoO Gato Malhado e a Andorinha Sinhá - A estação do verão
O Gato Malhado e a Andorinha Sinhá - A estação do verão
Margarida Santos
 
Capitulo primavera inicio
Capitulo primavera inicioCapitulo primavera inicio
Capitulo primavera inicio
Ofélia Franco
 
Guiões de leitura do projeto pinta o que lês
Guiões de leitura do projeto pinta o que lêsGuiões de leitura do projeto pinta o que lês
Guiões de leitura do projeto pinta o que lês
bibliotecaesla
 
Atividades fábulas
Atividades fábulasAtividades fábulas
Atividades fábulas
Atividades Diversas Cláudia
 
[ 1976 ] O Gato Malhado e a Andorinha Sinhá.pdf
[ 1976 ] O Gato Malhado e a Andorinha Sinhá.pdf[ 1976 ] O Gato Malhado e a Andorinha Sinhá.pdf
[ 1976 ] O Gato Malhado e a Andorinha Sinhá.pdf
AnaPaulaToratti1
 
O Gato Malhado e a Andorinha Sinhá
O Gato Malhado e a Andorinha SinháO Gato Malhado e a Andorinha Sinhá
O Gato Malhado e a Andorinha Sinhá
Maria Viegas
 
A estação do outono
A estação do outonoA estação do outono
A estação do outono
Margarida Santos
 
Animais muito mais_humanos
Animais muito mais_humanosAnimais muito mais_humanos
Animais muito mais_humanos
Pelo Siro
 
6 ano AS BELAS H patinho-musicos.pptx
6 ano  AS BELAS H patinho-musicos.pptx6 ano  AS BELAS H patinho-musicos.pptx
6 ano AS BELAS H patinho-musicos.pptx
Dior9
 
Gêneros textuais fábula, tira, História em Quadrinhos (HQ), textos expositivo...
Gêneros textuais fábula, tira, História em Quadrinhos (HQ), textos expositivo...Gêneros textuais fábula, tira, História em Quadrinhos (HQ), textos expositivo...
Gêneros textuais fábula, tira, História em Quadrinhos (HQ), textos expositivo...
Colgiopice
 
Animais muito mais humanos
Animais muito mais humanosAnimais muito mais humanos
Animais muito mais humanos
pietra bravo
 
Os animais e seus bons exemplos...
Os animais e seus bons exemplos...Os animais e seus bons exemplos...
Os animais e seus bons exemplos...
Lucio Borges
 
Animais mais que humanos
Animais mais que humanosAnimais mais que humanos
Animais mais que humanos
Marcia Oliveira
 

Semelhante a "O gato Malhado e a Andorinha Sinhá" (20)

«O Gato Malhado e a Andorinha Sinhá», de Jorge Amado.pptx
«O Gato Malhado e a Andorinha Sinhá», de Jorge Amado.pptx«O Gato Malhado e a Andorinha Sinhá», de Jorge Amado.pptx
«O Gato Malhado e a Andorinha Sinhá», de Jorge Amado.pptx
 
gato-malhado-sistematizacao-ppt
 gato-malhado-sistematizacao-ppt gato-malhado-sistematizacao-ppt
gato-malhado-sistematizacao-ppt
 
«O Gato Malhado e a Andorinha Sinhá», de Jorge Amado.pptx
«O Gato Malhado e a Andorinha Sinhá», de Jorge Amado.pptx«O Gato Malhado e a Andorinha Sinhá», de Jorge Amado.pptx
«O Gato Malhado e a Andorinha Sinhá», de Jorge Amado.pptx
 
«O Gato Malhado e a Andorinha Sinhá», de Jorge Amado.pptx
«O Gato Malhado e a Andorinha Sinhá», de Jorge Amado.pptx«O Gato Malhado e a Andorinha Sinhá», de Jorge Amado.pptx
«O Gato Malhado e a Andorinha Sinhá», de Jorge Amado.pptx
 
«O Gato Malhado e a Andorinha Sinhá», de Jorge Amado (1).pptx
«O Gato Malhado e a Andorinha Sinhá», de Jorge Amado (1).pptx«O Gato Malhado e a Andorinha Sinhá», de Jorge Amado (1).pptx
«O Gato Malhado e a Andorinha Sinhá», de Jorge Amado (1).pptx
 
Fi gato malhado
Fi gato malhadoFi gato malhado
Fi gato malhado
 
Jorge Amado
Jorge AmadoJorge Amado
Jorge Amado
 
O Gato Malhado e a Andorinha Sinhá - A estação do verão
O Gato Malhado e a Andorinha Sinhá - A estação do verãoO Gato Malhado e a Andorinha Sinhá - A estação do verão
O Gato Malhado e a Andorinha Sinhá - A estação do verão
 
Capitulo primavera inicio
Capitulo primavera inicioCapitulo primavera inicio
Capitulo primavera inicio
 
Guiões de leitura do projeto pinta o que lês
Guiões de leitura do projeto pinta o que lêsGuiões de leitura do projeto pinta o que lês
Guiões de leitura do projeto pinta o que lês
 
Atividades fábulas
Atividades fábulasAtividades fábulas
Atividades fábulas
 
[ 1976 ] O Gato Malhado e a Andorinha Sinhá.pdf
[ 1976 ] O Gato Malhado e a Andorinha Sinhá.pdf[ 1976 ] O Gato Malhado e a Andorinha Sinhá.pdf
[ 1976 ] O Gato Malhado e a Andorinha Sinhá.pdf
 
O Gato Malhado e a Andorinha Sinhá
O Gato Malhado e a Andorinha SinháO Gato Malhado e a Andorinha Sinhá
O Gato Malhado e a Andorinha Sinhá
 
A estação do outono
A estação do outonoA estação do outono
A estação do outono
 
Animais muito mais_humanos
Animais muito mais_humanosAnimais muito mais_humanos
Animais muito mais_humanos
 
6 ano AS BELAS H patinho-musicos.pptx
6 ano  AS BELAS H patinho-musicos.pptx6 ano  AS BELAS H patinho-musicos.pptx
6 ano AS BELAS H patinho-musicos.pptx
 
Gêneros textuais fábula, tira, História em Quadrinhos (HQ), textos expositivo...
Gêneros textuais fábula, tira, História em Quadrinhos (HQ), textos expositivo...Gêneros textuais fábula, tira, História em Quadrinhos (HQ), textos expositivo...
Gêneros textuais fábula, tira, História em Quadrinhos (HQ), textos expositivo...
 
Animais muito mais humanos
Animais muito mais humanosAnimais muito mais humanos
Animais muito mais humanos
 
Os animais e seus bons exemplos...
Os animais e seus bons exemplos...Os animais e seus bons exemplos...
Os animais e seus bons exemplos...
 
Animais mais que humanos
Animais mais que humanosAnimais mais que humanos
Animais mais que humanos
 

Mais de inessalgado

Lírica de Camões
Lírica de CamõesLírica de Camões
Lírica de Camões
inessalgado
 
Segurança e prevenção na estrada; Alguns movimentos e forças
Segurança e prevenção na estrada; Alguns movimentos e forçasSegurança e prevenção na estrada; Alguns movimentos e forças
Segurança e prevenção na estrada; Alguns movimentos e forças
inessalgado
 
Orações coordenadas e orações subordinadas
Orações coordenadas e orações subordinadasOrações coordenadas e orações subordinadas
Orações coordenadas e orações subordinadas
inessalgado
 
Texto poético: características
Texto poético: característicasTexto poético: características
Texto poético: características
inessalgado
 
Texto dramático: "Falar Verdade a mentir"
Texto dramático: "Falar Verdade a mentir"Texto dramático: "Falar Verdade a mentir"
Texto dramático: "Falar Verdade a mentir"
inessalgado
 
Gestão sustentável dos recursos
Gestão sustentável dos recursosGestão sustentável dos recursos
Gestão sustentável dos recursos
inessalgado
 
Revoluções: Agrícola, Industrial e Liberais
Revoluções: Agrícola, Industrial e LiberaisRevoluções: Agrícola, Industrial e Liberais
Revoluções: Agrícola, Industrial e Liberais
inessalgado
 
Evolução das populações: indicadores demográficos; estrutura etária das popul...
Evolução das populações: indicadores demográficos; estrutura etária das popul...Evolução das populações: indicadores demográficos; estrutura etária das popul...
Evolução das populações: indicadores demográficos; estrutura etária das popul...
inessalgado
 
"História da gata borralheira", de Sophia de Mello Breyner
"História da gata borralheira", de Sophia de Mello Breyner"História da gata borralheira", de Sophia de Mello Breyner
"História da gata borralheira", de Sophia de Mello Breyner
inessalgado
 
Antigo regime e iluminismo
Antigo regime e iluminismo Antigo regime e iluminismo
Antigo regime e iluminismo
inessalgado
 
Portugal no contexto europeu: século XVII a XVIII
Portugal no contexto europeu: século XVII a XVIIIPortugal no contexto europeu: século XVII a XVIII
Portugal no contexto europeu: século XVII a XVIII
inessalgado
 
Dinâmica dos ecossistemas
Dinâmica dos ecossistemasDinâmica dos ecossistemas
Dinâmica dos ecossistemas
inessalgado
 
Crises e revolução no século XIV e expansionismo europeu
Crises e revolução no século XIV e expansionismo europeu Crises e revolução no século XIV e expansionismo europeu
Crises e revolução no século XIV e expansionismo europeu inessalgado
 
Célula, unidade de vida
Célula, unidade de vidaCélula, unidade de vida
Célula, unidade de vida
inessalgado
 
A publicidade, a carta e a notícia
A publicidade, a carta e a notíciaA publicidade, a carta e a notícia
A publicidade, a carta e a notícia
inessalgado
 
Español: verbos en presente de indicativo y actividades de ocio
Español: verbos en presente de indicativo y actividades de ocioEspañol: verbos en presente de indicativo y actividades de ocio
Español: verbos en presente de indicativo y actividades de ocio
inessalgado
 
Español (repasando contenidos)
Español (repasando contenidos)Español (repasando contenidos)
Español (repasando contenidos)
inessalgado
 
Materiais
MateriaisMateriais
Materiais
inessalgado
 
Erosão fluvial
 Erosão fluvial Erosão fluvial
Erosão fluvial
inessalgado
 
Triângulos e quadriláteros
Triângulos e quadriláterosTriângulos e quadriláteros
Triângulos e quadriláteros
inessalgado
 

Mais de inessalgado (20)

Lírica de Camões
Lírica de CamõesLírica de Camões
Lírica de Camões
 
Segurança e prevenção na estrada; Alguns movimentos e forças
Segurança e prevenção na estrada; Alguns movimentos e forçasSegurança e prevenção na estrada; Alguns movimentos e forças
Segurança e prevenção na estrada; Alguns movimentos e forças
 
Orações coordenadas e orações subordinadas
Orações coordenadas e orações subordinadasOrações coordenadas e orações subordinadas
Orações coordenadas e orações subordinadas
 
Texto poético: características
Texto poético: característicasTexto poético: características
Texto poético: características
 
Texto dramático: "Falar Verdade a mentir"
Texto dramático: "Falar Verdade a mentir"Texto dramático: "Falar Verdade a mentir"
Texto dramático: "Falar Verdade a mentir"
 
Gestão sustentável dos recursos
Gestão sustentável dos recursosGestão sustentável dos recursos
Gestão sustentável dos recursos
 
Revoluções: Agrícola, Industrial e Liberais
Revoluções: Agrícola, Industrial e LiberaisRevoluções: Agrícola, Industrial e Liberais
Revoluções: Agrícola, Industrial e Liberais
 
Evolução das populações: indicadores demográficos; estrutura etária das popul...
Evolução das populações: indicadores demográficos; estrutura etária das popul...Evolução das populações: indicadores demográficos; estrutura etária das popul...
Evolução das populações: indicadores demográficos; estrutura etária das popul...
 
"História da gata borralheira", de Sophia de Mello Breyner
"História da gata borralheira", de Sophia de Mello Breyner"História da gata borralheira", de Sophia de Mello Breyner
"História da gata borralheira", de Sophia de Mello Breyner
 
Antigo regime e iluminismo
Antigo regime e iluminismo Antigo regime e iluminismo
Antigo regime e iluminismo
 
Portugal no contexto europeu: século XVII a XVIII
Portugal no contexto europeu: século XVII a XVIIIPortugal no contexto europeu: século XVII a XVIII
Portugal no contexto europeu: século XVII a XVIII
 
Dinâmica dos ecossistemas
Dinâmica dos ecossistemasDinâmica dos ecossistemas
Dinâmica dos ecossistemas
 
Crises e revolução no século XIV e expansionismo europeu
Crises e revolução no século XIV e expansionismo europeu Crises e revolução no século XIV e expansionismo europeu
Crises e revolução no século XIV e expansionismo europeu
 
Célula, unidade de vida
Célula, unidade de vidaCélula, unidade de vida
Célula, unidade de vida
 
A publicidade, a carta e a notícia
A publicidade, a carta e a notíciaA publicidade, a carta e a notícia
A publicidade, a carta e a notícia
 
Español: verbos en presente de indicativo y actividades de ocio
Español: verbos en presente de indicativo y actividades de ocioEspañol: verbos en presente de indicativo y actividades de ocio
Español: verbos en presente de indicativo y actividades de ocio
 
Español (repasando contenidos)
Español (repasando contenidos)Español (repasando contenidos)
Español (repasando contenidos)
 
Materiais
MateriaisMateriais
Materiais
 
Erosão fluvial
 Erosão fluvial Erosão fluvial
Erosão fluvial
 
Triângulos e quadriláteros
Triângulos e quadriláterosTriângulos e quadriláteros
Triângulos e quadriláteros
 

"O gato Malhado e a Andorinha Sinhá"

  • 1. “O Gato Malhado e a Andorinha Sinhá”, de Jorge Amado Interpretação da obra (perguntais geral) Sobre o autor (Jorge Amado) A história de amor do Gato Malhado e da Andorinha Sinhá foi escrita por Jorge Amado, em Paris onde residia com a sua mulher e o seu filho, João Jorge. O objetivo deste livro era ser oferecido ao filho quando este completasse um ano de idade para que o lê-se quando conseguisse. Jorge Amado nunca pensou em publicá-lo, mas quando o livro foi encontrado, em 1976, tendo sido dado a ler a Carybé, um mestre baiano, este ilustrou o texto com as mais belas ilustrações, sendo portanto a razão da publicação do livro. Palavras de Jorge Amado: “…se o texto não paga a pena, em troca não tem preço que possa pagar as aguarelas de Carybé…”, isto significa que mesmo que a leitura do livro não valesse a pena, não se arrependeria de publicar o livro devido àquelas ilustrações. O texto não sofreu qualquer alteração antes de ser publicado, pois como diz o autor: “…o livro perderia toda a qualidade: ter sido escrito por prazer sem nenhuma obrigação de público e editor…”. O livro foi dedicado a quem?  Ao seu filho: João Jorge;  Ao resto da família (mulher, afilhado, netos);  Carybé;  A um leitor anónimo.
  • 2. Poema/ trova de Estêvão da Escuna Segundo a sua mensagem quando é que o mundo valerá a pena? E o que significa isso para os humanos? Segundo a mensagem do poema de Estêvão da Escuna, o Mundo só valerá a pena quando for possível ver um gato Maltês casar com uma andorinha, ou seja, quando for possível ultrapassar todos os preconceitos e juntar, naturalmente, espécies e raças diferentes. É este o cariz moralizante do conto. Parêntesis Indica a intencionalidade deste capítulo. Este capítulo tem como objetivo dar aos leitores algumas informações: os narradores e os narratários. Diz quais são os narradores e os narratários desta história. A estação da primavera Indique o nome da primeira personagem que aparece neste capítulo. A primeira personagem que aparece neste capítulo é o Gato Malhado. Faça a caracterização física e psicológica do Gato. Caracterização física: um gato feio, gordo, forte, às riscas amarelas e negras, gato de meia- idade, com olhos que transmitiam maldade e grandes bigodes. Caracterização psicológica: solitário, egoísta, mau humorado, antipático, desagradável, convencido e insensível.
  • 3. Durante o diálogo entre o Gato Malhado e a Andorinha Sinhá Porque motivo se assustaram os animais do parque? Os animais do parque assustaram-se porque pensavam que o Gato ia matar a Andorinha. A Andorinha não fugiu. Porquê? A Andorinha não fugiu porque como não conseguia voar, não a podia alcançar. Na opinião da Andorinha, o Gato Malhado era: Tolo; Feíssimo; Convencido De que modo reagiu o Gato Malhado à critica da Andorinha? O Gato Malhado, fez o inesperado: riu-se da crítica da Andorinha. O que significa a expressão: “riso espantoso de quem se havia desacostumado de rir”? A expressão significa que o Gato já não se ria há muito tempo. Reações dos outros animais: A Árvore Pau-brasil tremeu de medo, o Cão Dinamarquês pensou que o Gato se ia vingar da Andorinha, o Reverendo Papagaio fechou os olhos e a Andorinha voou um galho mais alto. Sensações visuais, olfativas e auditivas presentes nesta estação. Sensações visuais: “vestidas de luz e de cores”; “riscas amarelas e negras”;… Sensações auditivas: “seguem o cacarejar da orgulhosa galinha”; “murmuravam”;… Sensações olfativas: “olorosa de perfumes sutis”; “botões nasciam perfumados”;… Como se designam as expressões “Santo Deus!”; “Ui” e “Ai, Meu Deus!”? Quais os sentimentos que exprimem? As expressões “Santo Deus!”, “Ui” e “Ai, Meu Deus!” são interjeições que exprimem medo, susto e terror. A estação do verão A estação do verão é curta, porquê? A estação do verão é curta, passou rapidamente “com o seu sol ardente e noites cheias de estrelas”, pois é sempre rápido o tempo de felicidade. “O tempo é um ser difícil”, isto é, quando queremos que o tempo passe depressa (momentos de infelicidade) ele vai andando
  • 4. devagar, pormenorizando cada momento. Quando há o desejo de viver para sempre um capítulo de uma vida o tempo corre. Então, esta estação ser curta deve-se ao facto do tempo em que a Andorinha e o Gato estiveram juntos passasse num ápice. A Andorinha pergunta ao Gato o porquê da sua infelicidade O que é que o Gato lhe responde? O Gato diz-se que se ela não fosse uma Andorinha lhe pedia para casar com ele. Qual a reação da Andorinha? A Andorinha não ficou surpreendida pois já sabia o que se passava no coração do Gato; zanga também não deveria ser pois aquelas palavras foram-lhe gratas, mas tinha medo, ele era um Gato e os gatos são inimigos das andorinhas. A estação do outono Como se sente o Gato Malhado quando resolve ir conversas com a Coruja? O Gato Malhado sente-se só, triste e confuso. A Coruja sugere a única solução para vencer a lei das andorinhas. Qual? A solução que a Coruja sugere é uma revolução de mentalidades e de comportamentos. Na opinião da Coruja a lei das andorinhas impede o casamento entre o Gato e a Andorinha. Transpondo para o plano humano, esta lei representa… Representa um tipo de conduta social e racial interiorizada pela sociedade. Tristes e em silêncio, o Gato e a Andorinha "tinham ambos o ar de quem quer evitar um assunto que se impõe." Que assunto é esse? O assunto que é evitado pelo Gato e a Andorinha é a separação inevitável deles, devido aos rumores e à lei das andorinhas. A estação do inverno O que aconteceu durante o casamento da Andorinha e do Rouxinol? Durante o casamento da Andorinha e do Rouxinol, onde estavam presentes todos os animais do parque menos o Gato Malhado que permanecia solitário, caiu sobre o Gato uma pétala das rosas vermelhas e este colocou-a no seu peito. A andorinha deixou cair uma pétala de rosa com que intenção? A Andorinha deixou cair uma pétala de rosa com a intenção de iluminar o caminho do gato que estava só e triste.
  • 5. Por que era este amor impossível? Este amor era impossível porque a Andorinha e o Gato são seres de espécies diferentes e, até, inimigos. Moral da história: Todos nós temos preconceitos. Por muito que o mundo evolua, é quase impossível haver alguém que não tenha um único preconceito. Muitas vezes nem nos apercebemos que certas ideias ou gostos que manifestamos são preconceitos: aproximarmo-nos de pessoas mais magras ou mais gordas, mais altas ou mais baixos, gostar de estar só com pessoas mais novas ou mais velhas... Todos nós temos as nossas preferências e nem sempre nos apercebemos de que se trata de preconceitos. Se estes não nos levarem a afastar ou discriminar pessoas apenas por aquilo que aparentam ser, o problema não é grave. Mas ainda há quem marginalize os outros, baseado em conceitos de raça, crença, poder… Esta história do Gato Malhado e da Andorinha Sinhá mostra como isso pode acontecer, como a felicidade de dois animais é colocado em causa porque pertencem a mundos diferentes. A Ação: Qual é o acontecimento mais importante desta narrativa? O acontecimento mais importante desta narrativa é o desenrolar da paixão entre o Gato Malhado e a Andorinha Sinhá. A história de amor é várias vezes interrompida pelo narrador, por isso a ordem temporal da história é alterada. Indica os vários capítulos da história. I. Madrugada II. Parêntesis III. A estação da primavera
  • 6. IV. Novo parêntesis, para apresentar a Andorinha Sinhá V. Continuação da estação da primavera VI. Capítulo inicial atrasado e fora do lugar VII. Fim da estação da primavera VIII. A estação do verão IX. Parêntesis das murmurações X. A estação do outono XI. Parêntesis poético XII. Parêntesis crítico XIII. Continuação da estação do outono XIV. A estação do inverno XV. Noite de estrelas