SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 5
Baixar para ler offline
NOTA PÚBLICA EM DEFESA DA LEI DA FICHA LIMPA
E DAS COMPETÊNCIAS DOS TRIBUNAIS DE CONTAS
As Associações representativas das categorias de Membros dos Tribunais de
Contas (Atricon, Abracom e Audicon), dos Membros do Ministério Público de
Contas (Ampcon), dos Auditores de Controle Externo (ANTC) e de Servidores
dos Tribunais de Contas do Brasil (Fenastc) representadas por seus
respectivos Presidentes, abaixo assinados, MANIFESTAM publicamente:
1. A Lei da Ficha Limpa corre sério risco de perder efetividade. Está em pauta
no STF, com votação já iniciada, o Recurso Extraordinário (RE) nº848826,
em que se discute a competência dos Tribunais de Contas para julgar as
contas de gestão dos Prefeitos que atuam como ordenadores de despesas.
2. O entendimento de todos os Tribunais de Contas do Brasil, do Tribunal
Superior Eleitoral e do Ministério Público Federal, especialmente após o
advento da Lei da Ficha Limpa, é de que os Prefeitos se submetem a duplo
julgamento. Suas contas de governo - que têm um conteúdo limitado a
aspectos contábeis, orçamentários, financeiros e fiscais - são julgadas pela
Câmara de Vereadores, cabendo ao Tribunal de Contas, neste caso, a emissão
de um Parecer Prévio, que somente pode ser rejeitado pelo Legislativo por
decisão de 2/3 dos Vereadores. Na hipótese, porém, em que o Prefeito decide
assumir a atribuição de ordenador de despesas, os seus atos relativos ao
processamento da despesa, integrarão, como as de quaisquer outros
administradores de recursos públicos, as chamadas contas de gestão, cabendo
o seu julgamento exclusivamente aos Tribunais de Contas, sem participação do
Legislativo, conforme estabelece o artigo 71, II c/c artigo 75 da Constituição
Federal.
3. A interpretação sistemática do artigo 31, 71, I e II, da Carta da República,
amparada no princípio da máxima efetividade da Constituição Federal, deixa
inconteste essa competência dos Tribunais de Contas. Tanto assim que por
meio do julgamento conjunto, em 2012, das ADI 4578, ADC 29 e ADC 30, o
STF declarou constitucional a Lei Complementar 135 (Lei da Ficha Limpa),
inclusive a atual redação da alínea "g", do artigo 1º, inciso I, da Lei
Complementar 64, que torna inelegíveis os que tiverem contas julgadas
irregulares (por falhas insanáveis caracterizadores de improbidade
dolosa) pelos Tribunais de Contas, inserindo-se nesta alínea
expressamente os detentores de mandato eletivo que atuarem como
ordenadores de despesas. Destaque-se que na discussão sobre a
constitucionalidade da referida "alínea g", restaram vencidos uma minoria de
Ministros que excluía os Prefeitos da incidência da norma por entenderem que
estes, em qualquer situação, deveriam ter contas julgadas pelas Câmaras de
Vereadores.
4. Neste momento, por meio do referido RE 848826, o Plenário do STF volta a
examinar a questão, tendo o Relator do Recurso, Ministro Luís Roberto
Barroso, votado pela manifesta competência dos Tribunais de Contas para
julgar as contas de gestão dos prefeitos que, por vontade própria, decidiram ser
ordenadores dos gastos, mantendo a decisão do TSE e seguindo parecer da
Procuradoria Geral da República.
5. Não se pode desconhecer a realidade dos pequenos municípios brasileiros,
nos quais os prefeitos efetivamente são os ordenadores de despesas,
realizando licitações, assinando contratos, empenhos, ordens de pagamento e
cheques. A estrutura da Presidência da República, dos governos estaduais,
das prefeituras de Capitais e demais grandes cidades, nas quais secretários
municipais são os ordenadores de despesas, não se repete na maioria dos
municípios, especialmente nas regiões mais pobres do País.
6. Prevalecendo o entendimento de que os Tribunais de Contas poderiam
apenas emitir Parecer Prévio sobre os atos de gestão e ordenações de
despesas na maioria dos Municípios, tem-se, sem sombra de dúvidas, o
enfraquecimento da efetividade do controle externo e de proteção do
patrimônio público, uma vez que às Casas Legislativas não foram conferidos os
meios constitucionais para assegurar o ressarcimento aos cofres públicos nos
casos de desvio de recursos e corrupção.
7. Tal interpretação - se vier a prevalecer – tornaria a Lei da Ficha Limpa
praticamente sem efeito, na medida em que, comprovadamente, a rejeição
de contas pelos Tribunais vem sendo a principal causa de impugnação de
candidaturas por parte do Ministério Público Eleitoral. Além disso, retira a
possibilidade de o Tribunal de Contas atuar tempestivamente para corrigir
desvios e assegurar o imediato ressarcimento do dano ao erário, já que as
prestações de contas anuais não são julgadas pelo Poder Legislativo em prazo
inferior a seis meses contado do encerramento do exercício em que o desvio
ocorrer.
8. Por outro lado, seguindo a tese contrária à do Relator, os Tribunais de
Contas não poderão aplicar sanções nem imputar débitos, quando o
prejuízo ao patrimônio público decorresse de ordenação de despesas
feitas pelo Chefe do Poder Executivo, apesar de a Constituição da
República, expressamente, conferir aos Tribunais de Contas - e não às Casas
Legislativas - a competência para proferirem decisões com eficácia de título
executivo contra quaisquer responsáveis por desvio de bens e dinheiros
públicos.
9. Outra consequência indesejável que pode advir de um retrocesso
jurisprudencial do STF é o de estimular que todos os prefeitos e até
Governadores e o Presidente da República possam, eventualmente, assumir a
ordenação de despesas, o que tornará letra morta as principais competências
conferidas aos Tribunais de Contas pela Constituição Federal, notadamente o
artigo 71, II, VIII, §3º: julgar contas de gestão, determinar ressarcimentos por
prejuízos causados ao erário e aplicar sanções a gestores que cometeram
graves irregularidades.
10. Caso seja retirada essa competência constitucional dos Tribunais de
Contas, mitiga-se, por conseguinte, a igualdade entre as pessoas federativas
da República. De fato, quando o prefeito é ordenador de despesas de verba
oriunda do Governo Federal, por meio de convênios ou acordos com órgãos
federais, não se questiona a competência do TCU para julgar diretamente as
contas dos prefeitos em relação aos convênios, inclusive impondo débito e
aplicando multas. Esta diferenciação entre verba federal, de um lado, e verbas
estaduais e municipais, de outro, não encontra lógica e consistência no texto
constitucional. Do contrário, equivaleria a dizer que, em uma mesma obra, com
contrapartida de recursos municipais, a verba federal teria um controle técnico,
enquanto a verba municipal se submeteria apenas a um controle político das
Câmaras Municipais, sem atuação do Ministério Público de Contas para
assegurar a observância das garantias constitucionais das partes, sujeita tão
somente ao jogo partidário, o que não é condizente para esse tipo de controle e
com o Estado Democrático.
11. Por todo o exposto, ao tempo em que compartilhamos essa importante
questão com a sociedade brasileira, ressaltamos nossa confiança e
exortamos o Egrégio Supremo Tribunal Federal, especialmente neste
contexto em que o cidadão exige efetividade, rigor técnico e imparcialidade na
fiscalização e no julgamento da aplicação dos recursos públicos, a manter o
entendimento já consagrado por todos os 34 Tribunais de Contas do Brasil,
Justiça Eleitoral, Ministério Público Federal e do próprio STF (ADC 29 e ADC
30), seguindo o voto já proferido pelo relator do processo. Em assim não
prevalecendo, estaremos testemunhando um dos maiores retrocessos
republicano e democrático e um ferimento de morte na Lei da Ficha
Limpa.
Brasília, 06 de agosto de 2016.
Valdecir Fernandes Pascoal
Presidente da Associação dos Membros dos Tribunais de Contas do
Brasil - Atricon
Thiers Vianna Montebello
Presidente da Abracom - Associação Brasileira dos Tribunais de Contas
dos Municípios
Marcos Bemquerer Costa
Presidente da Associação Nacional dos Ministros e Conselheiros-
Substitutos dos Tribunais de Contas - Audicon
Julio Marcelo de Oliveira
Presidente em exercício da Associação Nacional do Ministério Público de
Contas - Ampcon
Amauri Perusso
Presidente da Federação Nacional das Entidades dos Servidores dos
Tribunais de
Contas do Brasil – Fenastc
Lucieni Pereira
Presidente da Associação Nacional dos Auditores de Controle Externo
dos Tribunais de Contas do Brasil - ANTC

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A Contabilidade E O Direito Do 3º Setor
A Contabilidade E O Direito Do 3º SetorA Contabilidade E O Direito Do 3º Setor
A Contabilidade E O Direito Do 3º Setor
Valmir
 
Projeto de lei nº 46 2012 - ldo 2013
Projeto de lei nº 46 2012 - ldo 2013Projeto de lei nº 46 2012 - ldo 2013
Projeto de lei nº 46 2012 - ldo 2013
ivori12012
 
35381 texto integral
35381 texto integral35381 texto integral
35381 texto integral
Jamildo Melo
 
Relatório do TCM spo 2009-pro-ini0-01749210-c-0069952010
Relatório do TCM spo 2009-pro-ini0-01749210-c-0069952010 Relatório do TCM spo 2009-pro-ini0-01749210-c-0069952010
Relatório do TCM spo 2009-pro-ini0-01749210-c-0069952010
Eneas Torres
 
Controle aula 8
Controle aula 8Controle aula 8
Controle aula 8
J M
 

Mais procurados (20)

REJEIÇÃO DAS CONTAS DO PREFEITO JOÃO CAETANO (Parecer Prévio)
REJEIÇÃO DAS CONTAS DO PREFEITO JOÃO CAETANO (Parecer Prévio)REJEIÇÃO DAS CONTAS DO PREFEITO JOÃO CAETANO (Parecer Prévio)
REJEIÇÃO DAS CONTAS DO PREFEITO JOÃO CAETANO (Parecer Prévio)
 
A Contabilidade E O Direito Do 3º Setor
A Contabilidade E O Direito Do 3º SetorA Contabilidade E O Direito Do 3º Setor
A Contabilidade E O Direito Do 3º Setor
 
Projeto de lei nº 46 2012 - ldo 2013
Projeto de lei nº 46 2012 - ldo 2013Projeto de lei nº 46 2012 - ldo 2013
Projeto de lei nº 46 2012 - ldo 2013
 
Publicação DOE
Publicação DOEPublicação DOE
Publicação DOE
 
A atuação do Ministério Público e Tribunais de Contas no combate à corrupção
A atuação do Ministério Público e Tribunais de Contas no combate à corrupçãoA atuação do Ministério Público e Tribunais de Contas no combate à corrupção
A atuação do Ministério Público e Tribunais de Contas no combate à corrupção
 
acordao_TCE_PE_Pernambuco_2013_contas_Araripina_2009
acordao_TCE_PE_Pernambuco_2013_contas_Araripina_2009acordao_TCE_PE_Pernambuco_2013_contas_Araripina_2009
acordao_TCE_PE_Pernambuco_2013_contas_Araripina_2009
 
TCE julga irregulares as contas da Câmara Municipal de Cacoal do exercício de...
TCE julga irregulares as contas da Câmara Municipal de Cacoal do exercício de...TCE julga irregulares as contas da Câmara Municipal de Cacoal do exercício de...
TCE julga irregulares as contas da Câmara Municipal de Cacoal do exercício de...
 
Apostilado cejuris amostra
Apostilado cejuris amostraApostilado cejuris amostra
Apostilado cejuris amostra
 
parecer_TCE_PB_paraiba_Fagundes_2009
parecer_TCE_PB_paraiba_Fagundes_2009parecer_TCE_PB_paraiba_Fagundes_2009
parecer_TCE_PB_paraiba_Fagundes_2009
 
Bernardo_Vidal_resposta_TCE_BlogDeJamildo
Bernardo_Vidal_resposta_TCE_BlogDeJamildoBernardo_Vidal_resposta_TCE_BlogDeJamildo
Bernardo_Vidal_resposta_TCE_BlogDeJamildo
 
Trabalho ISSQN ''parte escrita''
Trabalho ISSQN ''parte escrita''Trabalho ISSQN ''parte escrita''
Trabalho ISSQN ''parte escrita''
 
Ação Nova Taxa de Lixo Recife
Ação Nova Taxa de Lixo RecifeAção Nova Taxa de Lixo Recife
Ação Nova Taxa de Lixo Recife
 
35381 texto integral
35381 texto integral35381 texto integral
35381 texto integral
 
Aula 2.2 segunda parte
Aula 2.2   segunda parteAula 2.2   segunda parte
Aula 2.2 segunda parte
 
Relatório do TCM spo 2009-pro-ini0-01749210-c-0069952010
Relatório do TCM spo 2009-pro-ini0-01749210-c-0069952010 Relatório do TCM spo 2009-pro-ini0-01749210-c-0069952010
Relatório do TCM spo 2009-pro-ini0-01749210-c-0069952010
 
Parecer de Finanças, Constituição e Justiça ao Projeto de Lei No 27-2009 Bols...
Parecer de Finanças, Constituição e Justiça ao Projeto de Lei No 27-2009 Bols...Parecer de Finanças, Constituição e Justiça ao Projeto de Lei No 27-2009 Bols...
Parecer de Finanças, Constituição e Justiça ao Projeto de Lei No 27-2009 Bols...
 
Apostila de direito tributario
Apostila de direito tributarioApostila de direito tributario
Apostila de direito tributario
 
Controle aula 8
Controle aula 8Controle aula 8
Controle aula 8
 
Aula 03
Aula 03Aula 03
Aula 03
 
Issqn-icms-ipi-iof
Issqn-icms-ipi-iofIssqn-icms-ipi-iof
Issqn-icms-ipi-iof
 

Destaque

Prof. Steve Furber, University of Manchester, Principal Designer of the BBC M...
Prof. Steve Furber, University of Manchester, Principal Designer of the BBC M...Prof. Steve Furber, University of Manchester, Principal Designer of the BBC M...
Prof. Steve Furber, University of Manchester, Principal Designer of the BBC M...
chiportal
 
Исследование Viber Атакуем пользователя через популярный мессенджер (Игорь al...
Исследование Viber Атакуем пользователя через популярный мессенджер (Игорь al...Исследование Viber Атакуем пользователя через популярный мессенджер (Игорь al...
Исследование Viber Атакуем пользователя через популярный мессенджер (Игорь al...
Kristina Pomozova
 
Взлом Wi-Fi, теперь это мое! Теория и практические примеры по взлому Wi-Fi се...
Взлом Wi-Fi, теперь это мое! Теория и практические примеры по взлому Wi-Fi се...Взлом Wi-Fi, теперь это мое! Теория и практические примеры по взлому Wi-Fi се...
Взлом Wi-Fi, теперь это мое! Теория и практические примеры по взлому Wi-Fi се...
Kristina Pomozova
 
Benefits of web application firewalls
Benefits of web application firewallsBenefits of web application firewalls
Benefits of web application firewalls
EnclaveSecurity
 

Destaque (18)

Williamsburg Project
Williamsburg ProjectWilliamsburg Project
Williamsburg Project
 
Why vulners? Short story about reinventing a wheel
Why vulners? Short story about reinventing a wheelWhy vulners? Short story about reinventing a wheel
Why vulners? Short story about reinventing a wheel
 
Prof. Steve Furber, University of Manchester, Principal Designer of the BBC M...
Prof. Steve Furber, University of Manchester, Principal Designer of the BBC M...Prof. Steve Furber, University of Manchester, Principal Designer of the BBC M...
Prof. Steve Furber, University of Manchester, Principal Designer of the BBC M...
 
Sagar Kadam, Lead Software Engineer, Open-Silicon
Sagar Kadam, Lead Software Engineer, Open-SiliconSagar Kadam, Lead Software Engineer, Open-Silicon
Sagar Kadam, Lead Software Engineer, Open-Silicon
 
InfoWatch. Олег Коробейников. "Защита от внутренних угроз и таргетированных а...
InfoWatch. Олег Коробейников. "Защита от внутренних угроз и таргетированных а...InfoWatch. Олег Коробейников. "Защита от внутренних угроз и таргетированных а...
InfoWatch. Олег Коробейников. "Защита от внутренних угроз и таргетированных а...
 
Plano de distribuição - Um ensaio
Plano de distribuição - Um ensaioPlano de distribuição - Um ensaio
Plano de distribuição - Um ensaio
 
presentation_sas2016_V3
presentation_sas2016_V3presentation_sas2016_V3
presentation_sas2016_V3
 
Why every developer should read Plato
Why every developer should read PlatoWhy every developer should read Plato
Why every developer should read Plato
 
Исследование Viber Атакуем пользователя через популярный мессенджер (Игорь al...
Исследование Viber Атакуем пользователя через популярный мессенджер (Игорь al...Исследование Viber Атакуем пользователя через популярный мессенджер (Игорь al...
Исследование Viber Атакуем пользователя через популярный мессенджер (Игорь al...
 
Взлом Wi-Fi, теперь это мое! Теория и практические примеры по взлому Wi-Fi се...
Взлом Wi-Fi, теперь это мое! Теория и практические примеры по взлому Wi-Fi се...Взлом Wi-Fi, теперь это мое! Теория и практические примеры по взлому Wi-Fi се...
Взлом Wi-Fi, теперь это мое! Теория и практические примеры по взлому Wi-Fi се...
 
Generate a Living Style Guide from CSS - CSSDevConf 2016
Generate a Living Style Guide from CSS - CSSDevConf 2016Generate a Living Style Guide from CSS - CSSDevConf 2016
Generate a Living Style Guide from CSS - CSSDevConf 2016
 
Proposta Renault Dialogue
Proposta Renault DialogueProposta Renault Dialogue
Proposta Renault Dialogue
 
Security in embedded systems
Security in embedded systemsSecurity in embedded systems
Security in embedded systems
 
Benefits of web application firewalls
Benefits of web application firewallsBenefits of web application firewalls
Benefits of web application firewalls
 
PNAIC 2015 - Currículo na perspectiva da inclusão e da diversidade
PNAIC 2015 - Currículo na perspectiva da inclusão e da diversidadePNAIC 2015 - Currículo na perspectiva da inclusão e da diversidade
PNAIC 2015 - Currículo na perspectiva da inclusão e da diversidade
 
Dr. John Bainbridge, Principal Application Architect, NetSpeed
 Dr. John Bainbridge, Principal Application Architect, NetSpeed  Dr. John Bainbridge, Principal Application Architect, NetSpeed
Dr. John Bainbridge, Principal Application Architect, NetSpeed
 
The Segment Routing Architecture (IEEE Globecom 2015)
The Segment Routing Architecture (IEEE Globecom 2015)The Segment Routing Architecture (IEEE Globecom 2015)
The Segment Routing Architecture (IEEE Globecom 2015)
 
Miért fontos, hogy következetes legyen a felhasználói felületed?
Miért fontos, hogy következetes legyen a felhasználói felületed?Miért fontos, hogy következetes legyen a felhasználói felületed?
Miért fontos, hogy következetes legyen a felhasználói felületed?
 

Semelhante a Nota pública em defesa da lei da ficha limpa

Aia silvio costa filho
Aia silvio costa filhoAia silvio costa filho
Aia silvio costa filho
chlima
 
Recurso especial eleitoral nº 143
Recurso especial eleitoral nº 143Recurso especial eleitoral nº 143
Recurso especial eleitoral nº 143
Itapé Point
 
Opantanalonline.com tcemt julga-irregulares_as_contas_da_prefeitura_de_colniz...
Opantanalonline.com tcemt julga-irregulares_as_contas_da_prefeitura_de_colniz...Opantanalonline.com tcemt julga-irregulares_as_contas_da_prefeitura_de_colniz...
Opantanalonline.com tcemt julga-irregulares_as_contas_da_prefeitura_de_colniz...
Renato Pantanal
 
Malu constitucional-cespe-054
Malu constitucional-cespe-054Malu constitucional-cespe-054
Malu constitucional-cespe-054
videoaulas
 

Semelhante a Nota pública em defesa da lei da ficha limpa (20)

Defesa tce
Defesa tceDefesa tce
Defesa tce
 
O pedido
O pedidoO pedido
O pedido
 
lei n.º 6-92 de 6 de março - SNE.pdf
lei n.º 6-92 de 6 de março - SNE.pdflei n.º 6-92 de 6 de março - SNE.pdf
lei n.º 6-92 de 6 de março - SNE.pdf
 
Pedido de impeachment de dilma formulado pela oab
Pedido de impeachment de dilma formulado pela oabPedido de impeachment de dilma formulado pela oab
Pedido de impeachment de dilma formulado pela oab
 
01 10-2016 TRE-CE indefere recurso de impugnação contra candidatos a prefeito...
01 10-2016 TRE-CE indefere recurso de impugnação contra candidatos a prefeito...01 10-2016 TRE-CE indefere recurso de impugnação contra candidatos a prefeito...
01 10-2016 TRE-CE indefere recurso de impugnação contra candidatos a prefeito...
 
Recomendação - TCE, MPCO e MPPE.
Recomendação - TCE, MPCO e MPPE.Recomendação - TCE, MPCO e MPPE.
Recomendação - TCE, MPCO e MPPE.
 
Aia silvio costa filho
Aia silvio costa filhoAia silvio costa filho
Aia silvio costa filho
 
Prot. 3087 17 mensagem de veto 024 - integral ao autógrafo de lei nº 3658-17
Prot. 3087 17   mensagem de veto 024 - integral ao autógrafo de lei nº 3658-17Prot. 3087 17   mensagem de veto 024 - integral ao autógrafo de lei nº 3658-17
Prot. 3087 17 mensagem de veto 024 - integral ao autógrafo de lei nº 3658-17
 
Tribunal de-contas-lavajatismo
Tribunal de-contas-lavajatismoTribunal de-contas-lavajatismo
Tribunal de-contas-lavajatismo
 
AGU contra Pernambuco
AGU contra PernambucoAGU contra Pernambuco
AGU contra Pernambuco
 
Pdc 831 2017
Pdc 831 2017Pdc 831 2017
Pdc 831 2017
 
Prot. 2736 15 mensagem-veto_028_2015 autógrafo 3.446_15
Prot. 2736 15 mensagem-veto_028_2015 autógrafo 3.446_15Prot. 2736 15 mensagem-veto_028_2015 autógrafo 3.446_15
Prot. 2736 15 mensagem-veto_028_2015 autógrafo 3.446_15
 
Decisao(2)
Decisao(2)Decisao(2)
Decisao(2)
 
Recurso especial eleitoral nº 143
Recurso especial eleitoral nº 143Recurso especial eleitoral nº 143
Recurso especial eleitoral nº 143
 
Opantanalonline.com tcemt julga-irregulares_as_contas_da_prefeitura_de_colniz...
Opantanalonline.com tcemt julga-irregulares_as_contas_da_prefeitura_de_colniz...Opantanalonline.com tcemt julga-irregulares_as_contas_da_prefeitura_de_colniz...
Opantanalonline.com tcemt julga-irregulares_as_contas_da_prefeitura_de_colniz...
 
Mediação com Administração Pública
Mediação com Administração PúblicaMediação com Administração Pública
Mediação com Administração Pública
 
2391 texto integral
2391 texto integral2391 texto integral
2391 texto integral
 
Improbidade administrativa - Recurso Especial com Agravo em Recurso Especial ...
Improbidade administrativa - Recurso Especial com Agravo em Recurso Especial ...Improbidade administrativa - Recurso Especial com Agravo em Recurso Especial ...
Improbidade administrativa - Recurso Especial com Agravo em Recurso Especial ...
 
Informativo STF 855
Informativo STF 855Informativo STF 855
Informativo STF 855
 
Malu constitucional-cespe-054
Malu constitucional-cespe-054Malu constitucional-cespe-054
Malu constitucional-cespe-054
 

Mais de Francisco Luz

Mais de Francisco Luz (20)

03x-Gestores públicos do Ceará-BR com processos de contas desaprovadas, trans...
03x-Gestores públicos do Ceará-BR com processos de contas desaprovadas, trans...03x-Gestores públicos do Ceará-BR com processos de contas desaprovadas, trans...
03x-Gestores públicos do Ceará-BR com processos de contas desaprovadas, trans...
 
02-Gestores públicos do Ceará-BR com processos de contas desaprovadas, transi...
02-Gestores públicos do Ceará-BR com processos de contas desaprovadas, transi...02-Gestores públicos do Ceará-BR com processos de contas desaprovadas, transi...
02-Gestores públicos do Ceará-BR com processos de contas desaprovadas, transi...
 
01-Gestores públicos do Ceará-BR com processos de contas desaprovadas, transi...
01-Gestores públicos do Ceará-BR com processos de contas desaprovadas, transi...01-Gestores públicos do Ceará-BR com processos de contas desaprovadas, transi...
01-Gestores públicos do Ceará-BR com processos de contas desaprovadas, transi...
 
Normas de acessibilidade para observância em projetos financiados pela união
Normas de acessibilidade para observância em projetos financiados pela uniãoNormas de acessibilidade para observância em projetos financiados pela união
Normas de acessibilidade para observância em projetos financiados pela união
 
Mandado de segurança coletivo da Federação dos Trabalhadores no Serviço Públi...
Mandado de segurança coletivo da Federação dos Trabalhadores no Serviço Públi...Mandado de segurança coletivo da Federação dos Trabalhadores no Serviço Públi...
Mandado de segurança coletivo da Federação dos Trabalhadores no Serviço Públi...
 
Mandado de segurança do sindicato dos profissionais de Educação e Cultura de ...
Mandado de segurança do sindicato dos profissionais de Educação e Cultura de ...Mandado de segurança do sindicato dos profissionais de Educação e Cultura de ...
Mandado de segurança do sindicato dos profissionais de Educação e Cultura de ...
 
BR-Ceará, Paracuru--Justiça cassa mandato e diploma do vereador-presidente da...
BR-Ceará, Paracuru--Justiça cassa mandato e diploma do vereador-presidente da...BR-Ceará, Paracuru--Justiça cassa mandato e diploma do vereador-presidente da...
BR-Ceará, Paracuru--Justiça cassa mandato e diploma do vereador-presidente da...
 
Protocolo para viabilização e construção de empreendimento turístico em Parac...
Protocolo para viabilização e construção de empreendimento turístico em Parac...Protocolo para viabilização e construção de empreendimento turístico em Parac...
Protocolo para viabilização e construção de empreendimento turístico em Parac...
 
JUSTIÇA ELEITORAL CASSA VEREADORA ELEITA EM FORTALEZA QUE PRATICOU CRIMES DEN...
JUSTIÇA ELEITORAL CASSA VEREADORA ELEITA EM FORTALEZA QUE PRATICOU CRIMES DEN...JUSTIÇA ELEITORAL CASSA VEREADORA ELEITA EM FORTALEZA QUE PRATICOU CRIMES DEN...
JUSTIÇA ELEITORAL CASSA VEREADORA ELEITA EM FORTALEZA QUE PRATICOU CRIMES DEN...
 
ADI sobre Emenda à Constituição do Ceará 87, que extinguiu o TCM
ADI sobre Emenda à Constituição do Ceará 87, que extinguiu o TCMADI sobre Emenda à Constituição do Ceará 87, que extinguiu o TCM
ADI sobre Emenda à Constituição do Ceará 87, que extinguiu o TCM
 
EMENDA À CONSTITUIÇÃO DO ESTADO DO CEARÁ 87, de 21/12/2016
EMENDA À CONSTITUIÇÃO DO ESTADO DO CEARÁ 87, de 21/12/2016EMENDA À CONSTITUIÇÃO DO ESTADO DO CEARÁ 87, de 21/12/2016
EMENDA À CONSTITUIÇÃO DO ESTADO DO CEARÁ 87, de 21/12/2016
 
Concurso Público IFCE 2016 para a carreira técnico-administrativa
Concurso Público IFCE 2016 para a carreira técnico-administrativaConcurso Público IFCE 2016 para a carreira técnico-administrativa
Concurso Público IFCE 2016 para a carreira técnico-administrativa
 
Dilma Rousseff no STF: negada cautelar em mandado de segurança
Dilma Rousseff no STF: negada cautelar em mandado de segurançaDilma Rousseff no STF: negada cautelar em mandado de segurança
Dilma Rousseff no STF: negada cautelar em mandado de segurança
 
EDITAL IFCE 01/2016 CURSOS DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA-2016.2
EDITAL IFCE  01/2016 CURSOS DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA-2016.2EDITAL IFCE  01/2016 CURSOS DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA-2016.2
EDITAL IFCE 01/2016 CURSOS DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA-2016.2
 
Resultado edital de seleção 01.2016 IFCE Paracuru-CE
Resultado edital de seleção 01.2016   IFCE Paracuru-CEResultado edital de seleção 01.2016   IFCE Paracuru-CE
Resultado edital de seleção 01.2016 IFCE Paracuru-CE
 
Leilão da Prefeitura Municipal de Paracuru, Ceará-BR
Leilão da Prefeitura Municipal de Paracuru, Ceará-BRLeilão da Prefeitura Municipal de Paracuru, Ceará-BR
Leilão da Prefeitura Municipal de Paracuru, Ceará-BR
 
Lotes do leilão de bens inservíveis da Prefeitura Municipal de Paracuru-CE pa...
Lotes do leilão de bens inservíveis da Prefeitura Municipal de Paracuru-CE pa...Lotes do leilão de bens inservíveis da Prefeitura Municipal de Paracuru-CE pa...
Lotes do leilão de bens inservíveis da Prefeitura Municipal de Paracuru-CE pa...
 
2016 03-22 Decisão judicial que determina centralização no STF de investigaçõ...
2016 03-22 Decisão judicial que determina centralização no STF de investigaçõ...2016 03-22 Decisão judicial que determina centralização no STF de investigaçõ...
2016 03-22 Decisão judicial que determina centralização no STF de investigaçõ...
 
TCM-CE INTIMA GESTOR DA DESPESA DO PARACURU--2011 PARA JUSTIFICAR OMISSÕES AP...
TCM-CE INTIMA GESTOR DA DESPESA DO PARACURU--2011 PARA JUSTIFICAR OMISSÕES AP...TCM-CE INTIMA GESTOR DA DESPESA DO PARACURU--2011 PARA JUSTIFICAR OMISSÕES AP...
TCM-CE INTIMA GESTOR DA DESPESA DO PARACURU--2011 PARA JUSTIFICAR OMISSÕES AP...
 
Parecer da Comissão de Finanças e Orçamento de Paracuru, CE-BR sobre contas d...
Parecer da Comissão de Finanças e Orçamento de Paracuru, CE-BR sobre contas d...Parecer da Comissão de Finanças e Orçamento de Paracuru, CE-BR sobre contas d...
Parecer da Comissão de Finanças e Orçamento de Paracuru, CE-BR sobre contas d...
 

Último (6)

Novos trechos são liberados para banho após operação 'Praia Limpa', em João P...
Novos trechos são liberados para banho após operação 'Praia Limpa', em João P...Novos trechos são liberados para banho após operação 'Praia Limpa', em João P...
Novos trechos são liberados para banho após operação 'Praia Limpa', em João P...
 
Anteprojeto de Lei------------------.pdf
Anteprojeto de Lei------------------.pdfAnteprojeto de Lei------------------.pdf
Anteprojeto de Lei------------------.pdf
 
Ação popular de Requião sobre Eletrobras
Ação popular de Requião sobre EletrobrasAção popular de Requião sobre Eletrobras
Ação popular de Requião sobre Eletrobras
 
Diário Oficial publica convocação de 85 aprovados no concurso da Saúde e Cíce...
Diário Oficial publica convocação de 85 aprovados no concurso da Saúde e Cíce...Diário Oficial publica convocação de 85 aprovados no concurso da Saúde e Cíce...
Diário Oficial publica convocação de 85 aprovados no concurso da Saúde e Cíce...
 
Perspectiva Durango: Eleições Manaus 2024
Perspectiva Durango: Eleições Manaus 2024Perspectiva Durango: Eleições Manaus 2024
Perspectiva Durango: Eleições Manaus 2024
 
Invest Minas - Paper Excellence.. -.pdf
Invest Minas  - Paper Excellence.. -.pdfInvest Minas  - Paper Excellence.. -.pdf
Invest Minas - Paper Excellence.. -.pdf
 

Nota pública em defesa da lei da ficha limpa

  • 1. NOTA PÚBLICA EM DEFESA DA LEI DA FICHA LIMPA E DAS COMPETÊNCIAS DOS TRIBUNAIS DE CONTAS As Associações representativas das categorias de Membros dos Tribunais de Contas (Atricon, Abracom e Audicon), dos Membros do Ministério Público de Contas (Ampcon), dos Auditores de Controle Externo (ANTC) e de Servidores dos Tribunais de Contas do Brasil (Fenastc) representadas por seus respectivos Presidentes, abaixo assinados, MANIFESTAM publicamente: 1. A Lei da Ficha Limpa corre sério risco de perder efetividade. Está em pauta no STF, com votação já iniciada, o Recurso Extraordinário (RE) nº848826, em que se discute a competência dos Tribunais de Contas para julgar as contas de gestão dos Prefeitos que atuam como ordenadores de despesas. 2. O entendimento de todos os Tribunais de Contas do Brasil, do Tribunal Superior Eleitoral e do Ministério Público Federal, especialmente após o advento da Lei da Ficha Limpa, é de que os Prefeitos se submetem a duplo julgamento. Suas contas de governo - que têm um conteúdo limitado a aspectos contábeis, orçamentários, financeiros e fiscais - são julgadas pela Câmara de Vereadores, cabendo ao Tribunal de Contas, neste caso, a emissão de um Parecer Prévio, que somente pode ser rejeitado pelo Legislativo por decisão de 2/3 dos Vereadores. Na hipótese, porém, em que o Prefeito decide assumir a atribuição de ordenador de despesas, os seus atos relativos ao processamento da despesa, integrarão, como as de quaisquer outros administradores de recursos públicos, as chamadas contas de gestão, cabendo o seu julgamento exclusivamente aos Tribunais de Contas, sem participação do Legislativo, conforme estabelece o artigo 71, II c/c artigo 75 da Constituição Federal. 3. A interpretação sistemática do artigo 31, 71, I e II, da Carta da República, amparada no princípio da máxima efetividade da Constituição Federal, deixa inconteste essa competência dos Tribunais de Contas. Tanto assim que por meio do julgamento conjunto, em 2012, das ADI 4578, ADC 29 e ADC 30, o STF declarou constitucional a Lei Complementar 135 (Lei da Ficha Limpa), inclusive a atual redação da alínea "g", do artigo 1º, inciso I, da Lei Complementar 64, que torna inelegíveis os que tiverem contas julgadas irregulares (por falhas insanáveis caracterizadores de improbidade
  • 2. dolosa) pelos Tribunais de Contas, inserindo-se nesta alínea expressamente os detentores de mandato eletivo que atuarem como ordenadores de despesas. Destaque-se que na discussão sobre a constitucionalidade da referida "alínea g", restaram vencidos uma minoria de Ministros que excluía os Prefeitos da incidência da norma por entenderem que estes, em qualquer situação, deveriam ter contas julgadas pelas Câmaras de Vereadores. 4. Neste momento, por meio do referido RE 848826, o Plenário do STF volta a examinar a questão, tendo o Relator do Recurso, Ministro Luís Roberto Barroso, votado pela manifesta competência dos Tribunais de Contas para julgar as contas de gestão dos prefeitos que, por vontade própria, decidiram ser ordenadores dos gastos, mantendo a decisão do TSE e seguindo parecer da Procuradoria Geral da República. 5. Não se pode desconhecer a realidade dos pequenos municípios brasileiros, nos quais os prefeitos efetivamente são os ordenadores de despesas, realizando licitações, assinando contratos, empenhos, ordens de pagamento e cheques. A estrutura da Presidência da República, dos governos estaduais, das prefeituras de Capitais e demais grandes cidades, nas quais secretários municipais são os ordenadores de despesas, não se repete na maioria dos municípios, especialmente nas regiões mais pobres do País. 6. Prevalecendo o entendimento de que os Tribunais de Contas poderiam apenas emitir Parecer Prévio sobre os atos de gestão e ordenações de despesas na maioria dos Municípios, tem-se, sem sombra de dúvidas, o enfraquecimento da efetividade do controle externo e de proteção do patrimônio público, uma vez que às Casas Legislativas não foram conferidos os meios constitucionais para assegurar o ressarcimento aos cofres públicos nos casos de desvio de recursos e corrupção. 7. Tal interpretação - se vier a prevalecer – tornaria a Lei da Ficha Limpa praticamente sem efeito, na medida em que, comprovadamente, a rejeição de contas pelos Tribunais vem sendo a principal causa de impugnação de candidaturas por parte do Ministério Público Eleitoral. Além disso, retira a possibilidade de o Tribunal de Contas atuar tempestivamente para corrigir desvios e assegurar o imediato ressarcimento do dano ao erário, já que as prestações de contas anuais não são julgadas pelo Poder Legislativo em prazo
  • 3. inferior a seis meses contado do encerramento do exercício em que o desvio ocorrer. 8. Por outro lado, seguindo a tese contrária à do Relator, os Tribunais de Contas não poderão aplicar sanções nem imputar débitos, quando o prejuízo ao patrimônio público decorresse de ordenação de despesas feitas pelo Chefe do Poder Executivo, apesar de a Constituição da República, expressamente, conferir aos Tribunais de Contas - e não às Casas Legislativas - a competência para proferirem decisões com eficácia de título executivo contra quaisquer responsáveis por desvio de bens e dinheiros públicos. 9. Outra consequência indesejável que pode advir de um retrocesso jurisprudencial do STF é o de estimular que todos os prefeitos e até Governadores e o Presidente da República possam, eventualmente, assumir a ordenação de despesas, o que tornará letra morta as principais competências conferidas aos Tribunais de Contas pela Constituição Federal, notadamente o artigo 71, II, VIII, §3º: julgar contas de gestão, determinar ressarcimentos por prejuízos causados ao erário e aplicar sanções a gestores que cometeram graves irregularidades. 10. Caso seja retirada essa competência constitucional dos Tribunais de Contas, mitiga-se, por conseguinte, a igualdade entre as pessoas federativas da República. De fato, quando o prefeito é ordenador de despesas de verba oriunda do Governo Federal, por meio de convênios ou acordos com órgãos federais, não se questiona a competência do TCU para julgar diretamente as contas dos prefeitos em relação aos convênios, inclusive impondo débito e aplicando multas. Esta diferenciação entre verba federal, de um lado, e verbas estaduais e municipais, de outro, não encontra lógica e consistência no texto constitucional. Do contrário, equivaleria a dizer que, em uma mesma obra, com contrapartida de recursos municipais, a verba federal teria um controle técnico, enquanto a verba municipal se submeteria apenas a um controle político das Câmaras Municipais, sem atuação do Ministério Público de Contas para assegurar a observância das garantias constitucionais das partes, sujeita tão somente ao jogo partidário, o que não é condizente para esse tipo de controle e com o Estado Democrático.
  • 4. 11. Por todo o exposto, ao tempo em que compartilhamos essa importante questão com a sociedade brasileira, ressaltamos nossa confiança e exortamos o Egrégio Supremo Tribunal Federal, especialmente neste contexto em que o cidadão exige efetividade, rigor técnico e imparcialidade na fiscalização e no julgamento da aplicação dos recursos públicos, a manter o entendimento já consagrado por todos os 34 Tribunais de Contas do Brasil, Justiça Eleitoral, Ministério Público Federal e do próprio STF (ADC 29 e ADC 30), seguindo o voto já proferido pelo relator do processo. Em assim não prevalecendo, estaremos testemunhando um dos maiores retrocessos republicano e democrático e um ferimento de morte na Lei da Ficha Limpa. Brasília, 06 de agosto de 2016. Valdecir Fernandes Pascoal Presidente da Associação dos Membros dos Tribunais de Contas do Brasil - Atricon Thiers Vianna Montebello Presidente da Abracom - Associação Brasileira dos Tribunais de Contas dos Municípios Marcos Bemquerer Costa Presidente da Associação Nacional dos Ministros e Conselheiros- Substitutos dos Tribunais de Contas - Audicon Julio Marcelo de Oliveira Presidente em exercício da Associação Nacional do Ministério Público de Contas - Ampcon Amauri Perusso Presidente da Federação Nacional das Entidades dos Servidores dos Tribunais de Contas do Brasil – Fenastc Lucieni Pereira
  • 5. Presidente da Associação Nacional dos Auditores de Controle Externo dos Tribunais de Contas do Brasil - ANTC