SlideShare uma empresa Scribd logo
Metodologia do Trabalho Científico II
         Aula 2: 4 horas



         Curso de Enfermagem
    Prof. Leandro Lourenção Duarte
Aula 2
• Conversa sobre a INTRODUÇÃO de um trabalho
• Apresentação de Resenha pelo professor
• Atividade (conexão de parágrafos da introdução)
• Divisão da sala em grupos
• Marcação de datas e rotina das apresentações de
  resenhas
• Ambiente de Aprendizagem Virtual (AVA)
Qual o papel da Introdução?
Rumo/Direcionamento/Apresentação
             do tema
INTRODUÇÃO
•   Apresentação do assunto
•   Informações que já existem a respeito
•   Informações que não existem
•   Pergunta do estudo
•   É necessário ter uma hipótese?
Esquema


CENÁRIO                       ANTECEDENTES

  LACUNA
                 A PERGUNTA




           ADICIONAL (Objetivo de forma geral)
Apresentação do assunto
“Enfermeiras de campo hospitalar têm mostrado dificuldades para participar de
investigações científicas devido a questões próprias da formação, bem como das
condições de trabalho. No entanto, reconhecem que a prática de cuidar deve estar
embasada na prática de pesquisar, estimulando e auxiliando na aproximação de
ambas em benefício da assistência”

“El uso de drogas en el ámbito mundial y en poblaciones de países con serios
problemas socio políticos y económicos como El Salvador, constituye un problema
que afecta a la sociedad en todas su complejidad, tanto estructural como funcional.
Son afectados directamente como indirectamente el individuo, la familia y la
sociedad, teniendo repercusiones de variable magnitud en las áreas económica,
social, salud, educacional y afectivo, de los usuarios y de los que con ellos conviven
a diario, eventualmente”

“Mycobacterium tuberculosis is the causative organism of tuberculosis (TB) and
produces 8 million new cases of TB annually.”
Informações que já existem
“Estudo, objetivando identificar a síndrome de Burnout em enfermeiros de unidade de terapia
intensiva, evidenciou alta prevalência de sintomas depressivos naquela população, sugerindo
que análises qualitativas dos sintomas depressivos em enfermeiros de unidade de terapia
intensiva deveriam ser melhor estudados(9). Em pesquisa realizada com 130 trabalhadores de
enfermagem de um hospital geral, encontrou-se que 27% dessa amostra preencheu critérios
para depressão(5). No Brasil, são escassos os estudos publicados sobre a temática, dos poucos
disponíveis encontra-se a pesquisa que objetivou avaliar a qualidade de vida e a prevalência
de disforia/depressão nos residentes de enfermagem de um hospital universitário, da capital
paulista. O referido estudo evidenciou que 27,9% dos residentes apresentaram prevalência de
disforia/depressão(7).”




       Sempre quem mostra, evidencia, propõe são os AUTORES e não os estudos!
Revisão da Literatura
• Qual o papel da revisão da literatura?
• A) coletar informações que podem ajudar na
  construção de novas ideias
• B) testar o grau de originalidade da pesquisa
  proposta
• C) construir conhecimento original
  (artigo/trabalho de revisão)
Revisão da Literatura
  Onde fazer?




   www.periodicos.capes.gov.br                 www.scielo.br




Como selecionar artigos?         DAR PREFERÊNCIA AS REVISTAS DE MAIOR VISIBILIDADE
Revistas e Fator de Impacto

Journal of Perinatal & Neonatal Nursing 1.000

                                                   International Journal of Nursing Studies 2.103
Journal of Advanced Nursing 1.540

                                           Journal of Human Lactation 1.329
American Journal of Critical Care 2.167
                                                       Cancer Nursing 2.065

European Journal of Cardiovascular Nursing 1.348
                                                       Nursing Research 1.785


Archives of Psychiatric Nursing 1.221           Advances in Nursing Science 1.407

                                           Applied Nursing Research 1.453
American Journal of Nursing 1.171
                                                  Clinical Journal of Oncology Nursing 1.208
Lacunas/Justificativa

“Our institution performs approximately 550 cardiac catheterizations per month, 193
angioplasties and 26 primary angioplasties, but there is no systematic pre-procedure
methodology to guide the patients, which can result in doubt and anxiety in patients as well as
in their family members. Guidance through an audiovisual presentation, clarifying doubts
regarding the CTA procedure technique, with language appropriate for the public, was an
alternative found in order to decrease anxiety among patients undergoing hemodynamic
examination”
Pergunta
“Considering the scarcity of published Brazilian studies that investigate the HRQoL of patients
receiving oral anticoagulation(12), this study proposed to answer the following questions:
- What is the health related quality of life of patients using oral anticoagulants, in outpatient
monitoring?
- Is there a difference between the health related quality of life of patients using oral
anticoagulants according to the variables gender and age?
- Is there a difference between the health related quality of life of patients using oral
anticoagulants according to the variables indication for the use of oral anticoagulants and
duration of the therapy?
Objetivo
In this population-based study of Finnish residents we aimed to estimate the
association between living alone and mortality from different alcohol-related
causes of death.


Este estudo populacional dos residentes finlandeses teve como objetivo estimar a
associação entre viver sozinho e a mortalidade por diferentes causas de mortes
relacionadas ao álcool.
INTRODUÇÃO

         CENÁRIO
        ANTECEDENTES
         LACUNA
        A PERGUNTA
        ADICIONAL
        (Objetivos)
“Zoom in”
             A cafeína (1,3,7-trimetilxantina) é a substância
             psicoativa mais
             consumida no mundo. Cerca de 90% dos
             adultos relatam consumo
             regular de bebidas e alimentos contendo
             cafeína.




Nosso objetivo foi examinar a influência das variações genéticas comuns
no comportamento de consumo habitual da cafeína através de uma metaanálise
das associações do genoma (GWAS) de estudos de coorte.
Observações
 • Históricos só são válidos se a evolução histórica
   apresentada for parte da argumentação.
 • Desnecessário incluir item “Revisão da Literatura”
 • Definição de termos não usuais
 • “operacionalização” de variáveis. EX:
Sucesso Profissional: conseguir emprego em menos de 2 anos, valor do salário mensal,
congruência entre emprego obtido e emprego desejado

Condição Sócio-econômica: salário mensal, escolaridade, bens materiais, hábitos de lazer

Estresse: níveis de cortisol plasmático, glicemia, hematócrito, etc
Analisando a Introdução
 Rev. Latino-Am. Enfermagem vol.19 no.5 Ribeirão Preto Sept./Oct. 2011
 Viviane de Araújo GouveiaI; Edgar Guimarães VictorII; Sandro Gonçalves de LimaIII
 IEnfermeira, Mestre em Ciências da Saúde, Professor Assistente, Centro Acadêmico de

 Vitória,      Universidade      Federal       de        Pernambuco,       PE,       Brasil.
 IIMédico, Doutor em Medicina, Professor Titular, Universidade Federal de Pernambuco, PE,
 IIIMédico, Doutor em Saúde Pública, Unidade de Terapia Intensiva, Hospital das Clínicas de

 Pernambuco, Universidade Federal de Pernambuco, PE, Brasil.


                 Atitudes pré-hospitalares adotadas por pacientes frente aos
                 sintomas de infarto agudo do miocárdio1

A fase pré-hospitalar, no atendimento do infarto agudo do miocárdio (IAM), compreende o
início da dor e o reconhecimento da sintomatologia pelo paciente, até a procura pelos primeiros
socorros, incluindo o deslocamento ao serviço hospitalar mais próximo(1-2). Segundo dados da
American Heart Association (AHA), o transporte para o hospital é a fase onde se perde mais
tempo. Estima-se que o intervalo de tempo, entre o aparecimento dos sintomas até a chegada à
emergência, varia de uma hora e meia a seis horas(2-3). Para garantir bom prognóstico, é ideal
que os pacientes não excedam mais de 45 minutos entre a interpretação dos sintomas e a busca
pela assistência em saúde.
A apresentação do IAM abrange desde sintomas clássicos até os inespecíficos, o que pode
interferir na escolha por condutas adequadas para o tratamento(4). A correta interpretação dos
sintomas resulta em diminuição do tempo de chegada à emergência. Entretanto, a falta de
autonomia e a incapacidade progressiva, gerada pela instalação e evolução dos sintomas,
podem colaborar para que o indivíduo torne-se cada vez mais passivo diante da situação,
reduzindo as chances de sobrevida(4-5).
A importância que o paciente atribui aos sintomas também influencia na escolha das condutas(6-
7). Em estudo realizado pela AHA, foi observado que a maioria dos pacientes não atribuiu grande

importância aos sintomas de IAM, classificando-os como "sem relevância" e a conduta
relacionada a essa interpretação foi a de ficar esperando o término dos mesmos(8). Algumas
características socioculturais como religião, gênero, nível de escolaridade, número de pessoas
por domicílio também podem influenciar na escolha das condutas(9-10). O objetivo deste estudo
foi avaliar as atitudes pré-hospitalares frente aos sintomas sugestivos de IAM, em pacientes
atendidos numa emergência cardiológica.



                                                                        Discussão em grupos
Referências da aula
• Volpato, Gilson Luiz (2008) Publicação
  Científica/3ª Edição. Ed. Cultura Acadêmica,
  125p.
• http://www.publicase.com.br

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Análise da produção bibliográfica sobre qualidade de vida
Análise da produção bibliográfica sobre qualidade de vidaAnálise da produção bibliográfica sobre qualidade de vida
Análise da produção bibliográfica sobre qualidade de vida
Universidade Estadual de Maringá
 
E-Books 06 - Revolução do Cuidar
E-Books 06 - Revolução do CuidarE-Books 06 - Revolução do Cuidar
E-Books 06 - Revolução do Cuidar
Revolucao do Cuidar
 
Geriatria completa
Geriatria   completaGeriatria   completa
Geriatria completa
Jucie Vasconcelos
 
Tipos de Estudos Epidemiológicos
Tipos de Estudos EpidemiológicosTipos de Estudos Epidemiológicos
Tipos de Estudos Epidemiológicos
Daniela Vicentini Albring
 
Aula 9 ferramentas da epidemiologia clínica para um diagnóstico
Aula 9   ferramentas da epidemiologia clínica para um diagnósticoAula 9   ferramentas da epidemiologia clínica para um diagnóstico
Aula 9 ferramentas da epidemiologia clínica para um diagnóstico
Ricardo Alexandre
 
Ulcera-de-pressao-e-estado-nutricional-revisao-da-literatura
Ulcera-de-pressao-e-estado-nutricional-revisao-da-literaturaUlcera-de-pressao-e-estado-nutricional-revisao-da-literatura
Ulcera-de-pressao-e-estado-nutricional-revisao-da-literatura
Marina3112
 
01 a pesquisa clínica no brasil 2004
01   a pesquisa clínica no brasil 200401   a pesquisa clínica no brasil 2004
01 a pesquisa clínica no brasil 2004
gisa_legal
 
Dissertação thais teles de souza
Dissertação thais teles de souzaDissertação thais teles de souza
Dissertação thais teles de souza
LASCES UFPR
 
Avaliação de dor crônica
Avaliação de dor crônicaAvaliação de dor crônica
Avaliação de dor crônica
Dra. Welker Fisioterapeuta
 
Relato de caso clínico
Relato de caso clínicoRelato de caso clínico
2011 para além do transplante hepático explorando adesão ao tratamento-rafae...
2011 para além do transplante hepático  explorando adesão ao tratamento-rafae...2011 para além do transplante hepático  explorando adesão ao tratamento-rafae...
2011 para além do transplante hepático explorando adesão ao tratamento-rafae...
Nádia Elizabeth Barbosa Villas Bôas
 
Apresentação Oral - Trabalho 45 (19/09/2012 - Tarde)
Apresentação Oral - Trabalho 45 (19/09/2012 - Tarde)Apresentação Oral - Trabalho 45 (19/09/2012 - Tarde)
Apresentação Oral - Trabalho 45 (19/09/2012 - Tarde)
Anais IV CBED
 
Aula31 07 2014
Aula31 07 2014Aula31 07 2014
Aula31 07 2014
Inaiara Bragante
 
De
DeDe
Nutrição na sepse
Nutrição na sepseNutrição na sepse
Nutrição na sepse
Lidiane de Farias
 
Aula 8 prevenção, chance e causalidade
Aula 8   prevenção, chance e causalidadeAula 8   prevenção, chance e causalidade
Aula 8 prevenção, chance e causalidade
Ricardo Alexandre
 
Semiologia 13 ginecologia e obstetrícia - semiologia da mulher pdf
Semiologia 13   ginecologia e obstetrícia - semiologia da mulher pdfSemiologia 13   ginecologia e obstetrícia - semiologia da mulher pdf
Semiologia 13 ginecologia e obstetrícia - semiologia da mulher pdf
Jucie Vasconcelos
 
Epidemiologia: Estudos de coorte
Epidemiologia: Estudos de coorteEpidemiologia: Estudos de coorte
Epidemiologia: Estudos de coorte
Luis Dantas
 
Cap 01anamnese
Cap 01anamneseCap 01anamnese
Cap 01anamnese
Amanda Berçam
 
Prognóstico, diagnóstico e tratamento
Prognóstico, diagnóstico e tratamentoPrognóstico, diagnóstico e tratamento
Prognóstico, diagnóstico e tratamento
Ricardo Alexandre
 

Mais procurados (20)

Análise da produção bibliográfica sobre qualidade de vida
Análise da produção bibliográfica sobre qualidade de vidaAnálise da produção bibliográfica sobre qualidade de vida
Análise da produção bibliográfica sobre qualidade de vida
 
E-Books 06 - Revolução do Cuidar
E-Books 06 - Revolução do CuidarE-Books 06 - Revolução do Cuidar
E-Books 06 - Revolução do Cuidar
 
Geriatria completa
Geriatria   completaGeriatria   completa
Geriatria completa
 
Tipos de Estudos Epidemiológicos
Tipos de Estudos EpidemiológicosTipos de Estudos Epidemiológicos
Tipos de Estudos Epidemiológicos
 
Aula 9 ferramentas da epidemiologia clínica para um diagnóstico
Aula 9   ferramentas da epidemiologia clínica para um diagnósticoAula 9   ferramentas da epidemiologia clínica para um diagnóstico
Aula 9 ferramentas da epidemiologia clínica para um diagnóstico
 
Ulcera-de-pressao-e-estado-nutricional-revisao-da-literatura
Ulcera-de-pressao-e-estado-nutricional-revisao-da-literaturaUlcera-de-pressao-e-estado-nutricional-revisao-da-literatura
Ulcera-de-pressao-e-estado-nutricional-revisao-da-literatura
 
01 a pesquisa clínica no brasil 2004
01   a pesquisa clínica no brasil 200401   a pesquisa clínica no brasil 2004
01 a pesquisa clínica no brasil 2004
 
Dissertação thais teles de souza
Dissertação thais teles de souzaDissertação thais teles de souza
Dissertação thais teles de souza
 
Avaliação de dor crônica
Avaliação de dor crônicaAvaliação de dor crônica
Avaliação de dor crônica
 
Relato de caso clínico
Relato de caso clínicoRelato de caso clínico
Relato de caso clínico
 
2011 para além do transplante hepático explorando adesão ao tratamento-rafae...
2011 para além do transplante hepático  explorando adesão ao tratamento-rafae...2011 para além do transplante hepático  explorando adesão ao tratamento-rafae...
2011 para além do transplante hepático explorando adesão ao tratamento-rafae...
 
Apresentação Oral - Trabalho 45 (19/09/2012 - Tarde)
Apresentação Oral - Trabalho 45 (19/09/2012 - Tarde)Apresentação Oral - Trabalho 45 (19/09/2012 - Tarde)
Apresentação Oral - Trabalho 45 (19/09/2012 - Tarde)
 
Aula31 07 2014
Aula31 07 2014Aula31 07 2014
Aula31 07 2014
 
De
DeDe
De
 
Nutrição na sepse
Nutrição na sepseNutrição na sepse
Nutrição na sepse
 
Aula 8 prevenção, chance e causalidade
Aula 8   prevenção, chance e causalidadeAula 8   prevenção, chance e causalidade
Aula 8 prevenção, chance e causalidade
 
Semiologia 13 ginecologia e obstetrícia - semiologia da mulher pdf
Semiologia 13   ginecologia e obstetrícia - semiologia da mulher pdfSemiologia 13   ginecologia e obstetrícia - semiologia da mulher pdf
Semiologia 13 ginecologia e obstetrícia - semiologia da mulher pdf
 
Epidemiologia: Estudos de coorte
Epidemiologia: Estudos de coorteEpidemiologia: Estudos de coorte
Epidemiologia: Estudos de coorte
 
Cap 01anamnese
Cap 01anamneseCap 01anamnese
Cap 01anamnese
 
Prognóstico, diagnóstico e tratamento
Prognóstico, diagnóstico e tratamentoPrognóstico, diagnóstico e tratamento
Prognóstico, diagnóstico e tratamento
 

Semelhante a metodologia do trabalho científico 2

Aula evidências prm 2012
Aula evidências prm 2012Aula evidências prm 2012
Aula evidências prm 2012
enofilho
 
03 delianeamento de estudos científicos
03   delianeamento de estudos científicos03   delianeamento de estudos científicos
03 delianeamento de estudos científicos
gisa_legal
 
terapia de infusão no paciente idoso
terapia de infusão no paciente idosoterapia de infusão no paciente idoso
terapia de infusão no paciente idoso
ERALDO DOS SANTOS
 
Medicina baseada em evidências cmmfc
Medicina baseada em evidências   cmmfcMedicina baseada em evidências   cmmfc
Medicina baseada em evidências cmmfc
Ricardo Alexandre
 
Desenhos de pesquisa
Desenhos de pesquisaDesenhos de pesquisa
Desenhos de pesquisa
Karla Vivianne
 
Tese de Doutorado sobre Cuidado Espiritual (Prof. Michell Ângelo)
Tese de Doutorado sobre Cuidado Espiritual (Prof. Michell Ângelo)Tese de Doutorado sobre Cuidado Espiritual (Prof. Michell Ângelo)
Tese de Doutorado sobre Cuidado Espiritual (Prof. Michell Ângelo)
LACES1
 
Tese de Doutorado sobre Cuidado Espiritual (Prof. Michell Ângelo)
Tese de Doutorado sobre Cuidado Espiritual (Prof. Michell Ângelo)Tese de Doutorado sobre Cuidado Espiritual (Prof. Michell Ângelo)
Tese de Doutorado sobre Cuidado Espiritual (Prof. Michell Ângelo)
LACES1
 
ANQUILOGLOSSIA e ALEITAMENTO - parecer técnico
ANQUILOGLOSSIA e ALEITAMENTO - parecer técnicoANQUILOGLOSSIA e ALEITAMENTO - parecer técnico
ANQUILOGLOSSIA e ALEITAMENTO - parecer técnico
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
Introdução a urologia clínica para o médico geral
Introdução a urologia clínica para o médico geralIntrodução a urologia clínica para o médico geral
Introdução a urologia clínica para o médico geral
Liga Acadêmica de Urologia e Saúde do Homem - UFT
 
Anais.jornada norteriograndense ped intesiva.texto do artigo 5682-1-10-20160921
Anais.jornada norteriograndense ped intesiva.texto do artigo 5682-1-10-20160921Anais.jornada norteriograndense ped intesiva.texto do artigo 5682-1-10-20160921
Anais.jornada norteriograndense ped intesiva.texto do artigo 5682-1-10-20160921
gisa_legal
 
tratado de enfermagem médico-cirúrgica lewis
tratado de enfermagem médico-cirúrgica lewistratado de enfermagem médico-cirúrgica lewis
tratado de enfermagem médico-cirúrgica lewis
Juninho Spina
 
Aula evidências prm_SSC_MFC 2013
Aula evidências prm_SSC_MFC 2013Aula evidências prm_SSC_MFC 2013
Aula evidências prm_SSC_MFC 2013
Eno Filho
 
Método Clínico Centrado na Pessoa Registro Clínico – RCOP SOAP - CIAP
Método Clínico Centrado na Pessoa Registro Clínico – RCOP SOAP - CIAPMétodo Clínico Centrado na Pessoa Registro Clínico – RCOP SOAP - CIAP
Método Clínico Centrado na Pessoa Registro Clínico – RCOP SOAP - CIAP
Centro de Desenvolvimento, Ensino e Pesquisa em Saúde - CEDEPS
 
Tipos de estudo
Tipos de estudoTipos de estudo
Tipos de estudo
Thiago Freitas
 
SLIDE PADRÃO CURSO PARECERISTA-FINAL (1).pptx
SLIDE PADRÃO CURSO PARECERISTA-FINAL (1).pptxSLIDE PADRÃO CURSO PARECERISTA-FINAL (1).pptx
SLIDE PADRÃO CURSO PARECERISTA-FINAL (1).pptx
MrcioFlvioArajo
 
1673534962217.pptxn,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,
1673534962217.pptxn,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,1673534962217.pptxn,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,
1673534962217.pptxn,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,
pamelacastro71
 
Plano de Ensino do Módulo Saúde do Adulto- I UC-III - 2011 - 1
Plano de Ensino do Módulo Saúde do Adulto- I  UC-III -  2011 - 1Plano de Ensino do Módulo Saúde do Adulto- I  UC-III -  2011 - 1
Plano de Ensino do Módulo Saúde do Adulto- I UC-III - 2011 - 1
Dr. João Félix Dias
 
Exame físico texto didático 1
Exame físico texto didático 1Exame físico texto didático 1
Exame físico texto didático 1
marcelaenf
 
Tese ana c. melchiors
Tese ana c. melchiorsTese ana c. melchiors
Tese ana c. melchiors
LASCES UFPR
 
Caso controle
Caso controleCaso controle
Caso controle
Carmen Gamarra
 

Semelhante a metodologia do trabalho científico 2 (20)

Aula evidências prm 2012
Aula evidências prm 2012Aula evidências prm 2012
Aula evidências prm 2012
 
03 delianeamento de estudos científicos
03   delianeamento de estudos científicos03   delianeamento de estudos científicos
03 delianeamento de estudos científicos
 
terapia de infusão no paciente idoso
terapia de infusão no paciente idosoterapia de infusão no paciente idoso
terapia de infusão no paciente idoso
 
Medicina baseada em evidências cmmfc
Medicina baseada em evidências   cmmfcMedicina baseada em evidências   cmmfc
Medicina baseada em evidências cmmfc
 
Desenhos de pesquisa
Desenhos de pesquisaDesenhos de pesquisa
Desenhos de pesquisa
 
Tese de Doutorado sobre Cuidado Espiritual (Prof. Michell Ângelo)
Tese de Doutorado sobre Cuidado Espiritual (Prof. Michell Ângelo)Tese de Doutorado sobre Cuidado Espiritual (Prof. Michell Ângelo)
Tese de Doutorado sobre Cuidado Espiritual (Prof. Michell Ângelo)
 
Tese de Doutorado sobre Cuidado Espiritual (Prof. Michell Ângelo)
Tese de Doutorado sobre Cuidado Espiritual (Prof. Michell Ângelo)Tese de Doutorado sobre Cuidado Espiritual (Prof. Michell Ângelo)
Tese de Doutorado sobre Cuidado Espiritual (Prof. Michell Ângelo)
 
ANQUILOGLOSSIA e ALEITAMENTO - parecer técnico
ANQUILOGLOSSIA e ALEITAMENTO - parecer técnicoANQUILOGLOSSIA e ALEITAMENTO - parecer técnico
ANQUILOGLOSSIA e ALEITAMENTO - parecer técnico
 
Introdução a urologia clínica para o médico geral
Introdução a urologia clínica para o médico geralIntrodução a urologia clínica para o médico geral
Introdução a urologia clínica para o médico geral
 
Anais.jornada norteriograndense ped intesiva.texto do artigo 5682-1-10-20160921
Anais.jornada norteriograndense ped intesiva.texto do artigo 5682-1-10-20160921Anais.jornada norteriograndense ped intesiva.texto do artigo 5682-1-10-20160921
Anais.jornada norteriograndense ped intesiva.texto do artigo 5682-1-10-20160921
 
tratado de enfermagem médico-cirúrgica lewis
tratado de enfermagem médico-cirúrgica lewistratado de enfermagem médico-cirúrgica lewis
tratado de enfermagem médico-cirúrgica lewis
 
Aula evidências prm_SSC_MFC 2013
Aula evidências prm_SSC_MFC 2013Aula evidências prm_SSC_MFC 2013
Aula evidências prm_SSC_MFC 2013
 
Método Clínico Centrado na Pessoa Registro Clínico – RCOP SOAP - CIAP
Método Clínico Centrado na Pessoa Registro Clínico – RCOP SOAP - CIAPMétodo Clínico Centrado na Pessoa Registro Clínico – RCOP SOAP - CIAP
Método Clínico Centrado na Pessoa Registro Clínico – RCOP SOAP - CIAP
 
Tipos de estudo
Tipos de estudoTipos de estudo
Tipos de estudo
 
SLIDE PADRÃO CURSO PARECERISTA-FINAL (1).pptx
SLIDE PADRÃO CURSO PARECERISTA-FINAL (1).pptxSLIDE PADRÃO CURSO PARECERISTA-FINAL (1).pptx
SLIDE PADRÃO CURSO PARECERISTA-FINAL (1).pptx
 
1673534962217.pptxn,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,
1673534962217.pptxn,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,1673534962217.pptxn,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,
1673534962217.pptxn,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,
 
Plano de Ensino do Módulo Saúde do Adulto- I UC-III - 2011 - 1
Plano de Ensino do Módulo Saúde do Adulto- I  UC-III -  2011 - 1Plano de Ensino do Módulo Saúde do Adulto- I  UC-III -  2011 - 1
Plano de Ensino do Módulo Saúde do Adulto- I UC-III - 2011 - 1
 
Exame físico texto didático 1
Exame físico texto didático 1Exame físico texto didático 1
Exame físico texto didático 1
 
Tese ana c. melchiors
Tese ana c. melchiorsTese ana c. melchiors
Tese ana c. melchiors
 
Caso controle
Caso controleCaso controle
Caso controle
 

Mais de Leandro Lourenção Duarte

Cronobiologia 1
Cronobiologia 1Cronobiologia 1
metodologia do trabalho cientifico 5
metodologia do trabalho cientifico 5metodologia do trabalho cientifico 5
metodologia do trabalho cientifico 5
Leandro Lourenção Duarte
 
metodologia do trabalho científico 4
metodologia do trabalho científico 4metodologia do trabalho científico 4
metodologia do trabalho científico 4
Leandro Lourenção Duarte
 
metodologia do trabalho científico 3
metodologia do trabalho científico 3metodologia do trabalho científico 3
metodologia do trabalho científico 3
Leandro Lourenção Duarte
 
Deus ajuda quem cedo madruga
Deus ajuda quem cedo madrugaDeus ajuda quem cedo madruga
Deus ajuda quem cedo madruga
Leandro Lourenção Duarte
 
Dia do Biomédico
Dia do BiomédicoDia do Biomédico
Dia do Biomédico
Leandro Lourenção Duarte
 
Metodologia trab científico
Metodologia trab científicoMetodologia trab científico
Metodologia trab científico
Leandro Lourenção Duarte
 
Neurofisiologia 2
Neurofisiologia 2Neurofisiologia 2
Neurofisiologia 2
Leandro Lourenção Duarte
 
Neurofisiologia 1
Neurofisiologia 1Neurofisiologia 1
Neurofisiologia 1
Leandro Lourenção Duarte
 
Introdução à Fisiologia Humana
Introdução à Fisiologia HumanaIntrodução à Fisiologia Humana
Introdução à Fisiologia Humana
Leandro Lourenção Duarte
 

Mais de Leandro Lourenção Duarte (10)

Cronobiologia 1
Cronobiologia 1Cronobiologia 1
Cronobiologia 1
 
metodologia do trabalho cientifico 5
metodologia do trabalho cientifico 5metodologia do trabalho cientifico 5
metodologia do trabalho cientifico 5
 
metodologia do trabalho científico 4
metodologia do trabalho científico 4metodologia do trabalho científico 4
metodologia do trabalho científico 4
 
metodologia do trabalho científico 3
metodologia do trabalho científico 3metodologia do trabalho científico 3
metodologia do trabalho científico 3
 
Deus ajuda quem cedo madruga
Deus ajuda quem cedo madrugaDeus ajuda quem cedo madruga
Deus ajuda quem cedo madruga
 
Dia do Biomédico
Dia do BiomédicoDia do Biomédico
Dia do Biomédico
 
Metodologia trab científico
Metodologia trab científicoMetodologia trab científico
Metodologia trab científico
 
Neurofisiologia 2
Neurofisiologia 2Neurofisiologia 2
Neurofisiologia 2
 
Neurofisiologia 1
Neurofisiologia 1Neurofisiologia 1
Neurofisiologia 1
 
Introdução à Fisiologia Humana
Introdução à Fisiologia HumanaIntrodução à Fisiologia Humana
Introdução à Fisiologia Humana
 

metodologia do trabalho científico 2

  • 1. Metodologia do Trabalho Científico II Aula 2: 4 horas Curso de Enfermagem Prof. Leandro Lourenção Duarte
  • 2. Aula 2 • Conversa sobre a INTRODUÇÃO de um trabalho • Apresentação de Resenha pelo professor • Atividade (conexão de parágrafos da introdução) • Divisão da sala em grupos • Marcação de datas e rotina das apresentações de resenhas • Ambiente de Aprendizagem Virtual (AVA)
  • 3. Qual o papel da Introdução?
  • 5. INTRODUÇÃO • Apresentação do assunto • Informações que já existem a respeito • Informações que não existem • Pergunta do estudo • É necessário ter uma hipótese?
  • 6. Esquema CENÁRIO ANTECEDENTES LACUNA A PERGUNTA ADICIONAL (Objetivo de forma geral)
  • 7. Apresentação do assunto “Enfermeiras de campo hospitalar têm mostrado dificuldades para participar de investigações científicas devido a questões próprias da formação, bem como das condições de trabalho. No entanto, reconhecem que a prática de cuidar deve estar embasada na prática de pesquisar, estimulando e auxiliando na aproximação de ambas em benefício da assistência” “El uso de drogas en el ámbito mundial y en poblaciones de países con serios problemas socio políticos y económicos como El Salvador, constituye un problema que afecta a la sociedad en todas su complejidad, tanto estructural como funcional. Son afectados directamente como indirectamente el individuo, la familia y la sociedad, teniendo repercusiones de variable magnitud en las áreas económica, social, salud, educacional y afectivo, de los usuarios y de los que con ellos conviven a diario, eventualmente” “Mycobacterium tuberculosis is the causative organism of tuberculosis (TB) and produces 8 million new cases of TB annually.”
  • 8. Informações que já existem “Estudo, objetivando identificar a síndrome de Burnout em enfermeiros de unidade de terapia intensiva, evidenciou alta prevalência de sintomas depressivos naquela população, sugerindo que análises qualitativas dos sintomas depressivos em enfermeiros de unidade de terapia intensiva deveriam ser melhor estudados(9). Em pesquisa realizada com 130 trabalhadores de enfermagem de um hospital geral, encontrou-se que 27% dessa amostra preencheu critérios para depressão(5). No Brasil, são escassos os estudos publicados sobre a temática, dos poucos disponíveis encontra-se a pesquisa que objetivou avaliar a qualidade de vida e a prevalência de disforia/depressão nos residentes de enfermagem de um hospital universitário, da capital paulista. O referido estudo evidenciou que 27,9% dos residentes apresentaram prevalência de disforia/depressão(7).” Sempre quem mostra, evidencia, propõe são os AUTORES e não os estudos!
  • 9. Revisão da Literatura • Qual o papel da revisão da literatura? • A) coletar informações que podem ajudar na construção de novas ideias • B) testar o grau de originalidade da pesquisa proposta • C) construir conhecimento original (artigo/trabalho de revisão)
  • 10. Revisão da Literatura Onde fazer? www.periodicos.capes.gov.br www.scielo.br Como selecionar artigos? DAR PREFERÊNCIA AS REVISTAS DE MAIOR VISIBILIDADE
  • 11. Revistas e Fator de Impacto Journal of Perinatal & Neonatal Nursing 1.000 International Journal of Nursing Studies 2.103 Journal of Advanced Nursing 1.540 Journal of Human Lactation 1.329 American Journal of Critical Care 2.167 Cancer Nursing 2.065 European Journal of Cardiovascular Nursing 1.348 Nursing Research 1.785 Archives of Psychiatric Nursing 1.221 Advances in Nursing Science 1.407 Applied Nursing Research 1.453 American Journal of Nursing 1.171 Clinical Journal of Oncology Nursing 1.208
  • 12. Lacunas/Justificativa “Our institution performs approximately 550 cardiac catheterizations per month, 193 angioplasties and 26 primary angioplasties, but there is no systematic pre-procedure methodology to guide the patients, which can result in doubt and anxiety in patients as well as in their family members. Guidance through an audiovisual presentation, clarifying doubts regarding the CTA procedure technique, with language appropriate for the public, was an alternative found in order to decrease anxiety among patients undergoing hemodynamic examination”
  • 13. Pergunta “Considering the scarcity of published Brazilian studies that investigate the HRQoL of patients receiving oral anticoagulation(12), this study proposed to answer the following questions: - What is the health related quality of life of patients using oral anticoagulants, in outpatient monitoring? - Is there a difference between the health related quality of life of patients using oral anticoagulants according to the variables gender and age? - Is there a difference between the health related quality of life of patients using oral anticoagulants according to the variables indication for the use of oral anticoagulants and duration of the therapy?
  • 14. Objetivo In this population-based study of Finnish residents we aimed to estimate the association between living alone and mortality from different alcohol-related causes of death. Este estudo populacional dos residentes finlandeses teve como objetivo estimar a associação entre viver sozinho e a mortalidade por diferentes causas de mortes relacionadas ao álcool.
  • 15. INTRODUÇÃO CENÁRIO ANTECEDENTES LACUNA A PERGUNTA ADICIONAL (Objetivos)
  • 16. “Zoom in” A cafeína (1,3,7-trimetilxantina) é a substância psicoativa mais consumida no mundo. Cerca de 90% dos adultos relatam consumo regular de bebidas e alimentos contendo cafeína. Nosso objetivo foi examinar a influência das variações genéticas comuns no comportamento de consumo habitual da cafeína através de uma metaanálise das associações do genoma (GWAS) de estudos de coorte.
  • 17. Observações • Históricos só são válidos se a evolução histórica apresentada for parte da argumentação. • Desnecessário incluir item “Revisão da Literatura” • Definição de termos não usuais • “operacionalização” de variáveis. EX: Sucesso Profissional: conseguir emprego em menos de 2 anos, valor do salário mensal, congruência entre emprego obtido e emprego desejado Condição Sócio-econômica: salário mensal, escolaridade, bens materiais, hábitos de lazer Estresse: níveis de cortisol plasmático, glicemia, hematócrito, etc
  • 18. Analisando a Introdução Rev. Latino-Am. Enfermagem vol.19 no.5 Ribeirão Preto Sept./Oct. 2011 Viviane de Araújo GouveiaI; Edgar Guimarães VictorII; Sandro Gonçalves de LimaIII IEnfermeira, Mestre em Ciências da Saúde, Professor Assistente, Centro Acadêmico de Vitória, Universidade Federal de Pernambuco, PE, Brasil. IIMédico, Doutor em Medicina, Professor Titular, Universidade Federal de Pernambuco, PE, IIIMédico, Doutor em Saúde Pública, Unidade de Terapia Intensiva, Hospital das Clínicas de Pernambuco, Universidade Federal de Pernambuco, PE, Brasil. Atitudes pré-hospitalares adotadas por pacientes frente aos sintomas de infarto agudo do miocárdio1 A fase pré-hospitalar, no atendimento do infarto agudo do miocárdio (IAM), compreende o início da dor e o reconhecimento da sintomatologia pelo paciente, até a procura pelos primeiros socorros, incluindo o deslocamento ao serviço hospitalar mais próximo(1-2). Segundo dados da American Heart Association (AHA), o transporte para o hospital é a fase onde se perde mais tempo. Estima-se que o intervalo de tempo, entre o aparecimento dos sintomas até a chegada à emergência, varia de uma hora e meia a seis horas(2-3). Para garantir bom prognóstico, é ideal que os pacientes não excedam mais de 45 minutos entre a interpretação dos sintomas e a busca pela assistência em saúde.
  • 19. A apresentação do IAM abrange desde sintomas clássicos até os inespecíficos, o que pode interferir na escolha por condutas adequadas para o tratamento(4). A correta interpretação dos sintomas resulta em diminuição do tempo de chegada à emergência. Entretanto, a falta de autonomia e a incapacidade progressiva, gerada pela instalação e evolução dos sintomas, podem colaborar para que o indivíduo torne-se cada vez mais passivo diante da situação, reduzindo as chances de sobrevida(4-5). A importância que o paciente atribui aos sintomas também influencia na escolha das condutas(6- 7). Em estudo realizado pela AHA, foi observado que a maioria dos pacientes não atribuiu grande importância aos sintomas de IAM, classificando-os como "sem relevância" e a conduta relacionada a essa interpretação foi a de ficar esperando o término dos mesmos(8). Algumas características socioculturais como religião, gênero, nível de escolaridade, número de pessoas por domicílio também podem influenciar na escolha das condutas(9-10). O objetivo deste estudo foi avaliar as atitudes pré-hospitalares frente aos sintomas sugestivos de IAM, em pacientes atendidos numa emergência cardiológica. Discussão em grupos
  • 20. Referências da aula • Volpato, Gilson Luiz (2008) Publicação Científica/3ª Edição. Ed. Cultura Acadêmica, 125p. • http://www.publicase.com.br