SlideShare uma empresa Scribd logo
MECÂNICA AVANÇADA DA BICICLETA
Apresentação da Bicicleta e seus componentes
A apresentamos uma bicicleta e todos as partes e acessórios que todo mecânico e ciclista deve conhecer
bem, pois ele vai ter um contato direto com a bicicleta.
A terminologia usada para alguns componentes pode diferir de uma região para a outra, portanto,
usaremos uma forma bem simples para descrevê-las.
CUBOS E BLOCAGEM
Cubo dianteiro
Os cubos trabalham em cima de esferas que devem ser devidamente lubrificados com graxa, no cubo é
onde os raios são inseridos, para a sustentação dos aros.A figura mostra um cubo equipado com
blocagem, que permitem um a troca rápida da roda.
Visualização das esferas dentro do cubo
Cubo traseiro
Visualização das esferas dentro do cubo e da parte de fora, onde se encaixa o pinhão do tipo
cassete.
A blocagem agiliza a troca de rodas, usado em competições. Com o parafuso no lado esquerdo faz-se o
ajuste encostando no garfo, depois empurra a blocagem para fechar
Blocagem fechada. O sistema bem travado é muito seguro.
Os diferentes tipos de freios
Existem vários tipos de freios e certamente diferentes
aplicações:
Sidepull
Na figura aicma, vemos o sidepull, freio lateral mais usado em bicicletas de competição de estradas.
Esse tipo de freio tem como característica, uma resposta rápida a ação da manete, por isso é o mais
usado em bicicleta de competição de estrada.
O Cantilever
O Cantilever, devido a sua geometria mecânica, tem um grande poder de travar a roda, pois exerce
grande pressão nas bordas dos aros, o que o torna mais apropriado para o montain bike, mesmo nos dias
de chuva e lama tem uma boa eficiência.
Hoje pelo custo-benefício, pois emprega pouco material na construção, tem sido usado em grande escala
nas bicicletas de passeio.
V-Brake
V-Brake
Os cantilever (acima) depende de uma peça, geralmente presa junto com a caixa de direção, para que os
conduítes que saem das manetes se fixem; e daí em diante, o cabo se divide para os dois lados e vez
acionada a manete do freio os dois lados são puxados para cima e fecham um conta o outro para fazer a
pressão no aro.
O V-Brake, foi um aperfeiçoamento do sistema acima, pois o conduíte tem a sua "trava" no próprio corpo
do freio.
Podemos também analisar que ele não é puxado por cima e sim de forma lateral, na direção do
movimento de fechar o que torna a sua ação mais eficaz.
Freios a disco
Os freios a disco são os mais utilizados nas bikes de downhill para segurar as máquinas nas descidas.
São apresentados em dois modelos: Mecânicos e hidráulicos.
Quando acionada a manete duas pastilhas fazem pressão contra o disco, forçando a roda a parar.
A escolha do quadro correto
O tamanho A – Determina o tamanho da bicicleta. Ex. Quando se fala que um quadro é “56”, isto está
ligado diretamente ao tamanho A.
O tamanho B - Top-Tub, pode ser igual ou maior que o tamanho de A, não excedendo 3 cm., no caso de
A = B o quadro é denominado “quadrado”.
O tamanho C - Em geral é proporcional ao tubo vertical ( A ), isto em bicicletas de padrão normal com
exceção nas bicicletas de contra relógio. E algumas fábricas como a Giant, tem apresentado um modelo
de bicicletas em que o tubo vertical (A) é muito inferior ao padrão, sendo compensado na altura do canote
do selim.
O tamanho de D - Pode variar entre 39.5 e 42 cm. para todas as bicicletas. Quanto mais curta for a
medida, mais “escaladora” (boa para montanhas) é a bicicleta, mas também mais nervosa (de reação
rápida) é a bicicleta, na hora de fazer curvas em alta velocidade.Quanto maior for o tamanho de D, maior
é a estabilidade.
O tamanho de E, ou distancia entre as roda, oscila entre 96 e 100 cm. Acontece o mesmo como no
tamanho D, se E é curta, a bicicleta fica com a direção nervosa e pelo contrário, se o tamanho E for
maior, a máquina torna-se mais estável, porém mais lenta para responder nossas ações.
Ângulo F Oscila entre 73: e 78, chegando até mesmo aos 80: nas bicicletas de triatlon. Quanto maior o
ângulo, mais vertical é a força exercida nos pedais, conseqüentemente aumentando o ângulo mais o tubo
central (do selim) ficará vertical em relação ao solo e como resultado o ciclista estará mais em cima do
guidão da bicicleta o que irá caracterizar a máquina como uma bicicleta para uso de triatlon ou contra-
relógio.
Ângulo G, varia entre 72: e 76. Quanto maior o ângulo à distância E diminui e o comportando para guiar
a bicicleta é mais rápidas nas manobras.
Medida H - Tomando como medida de referência um eixo imaginário da “cabeça do quadro” e o centro da
ponteira do garfo. Quanto menor for H (H pequeno), mais nervosa e rápida se torna a bicicleta, no caso
de um maior tamanho na medida H (H grande), a bicicleta terá maior estabilidade, mas a direção se torna
mais pesada e pouco sensível.
Tamanho de quadros em relação à estatura do Ciclista de Estrada
A estatura do
ciclista
Altura do
quadro
Tamanho do tubo
horizontal
160 at 165 47 at 51 49 at 52
165 at 170 51 at 53 51 at 54
170 at 175 53 at 55 54 at 57
175 at 180 55 at 57 55 at 58
180 at 185 57 at 59 57 at 60
185 at 190 59 at 60 59 at 60
MONTAIN BIKE
de 1.50 a 1.60 20.9 a 21.4
de 1.55 a 1.70 21.5 a 21.9
de 1.65 a 1.75 22.0 a 22.5
De 1.75 a 1.85 22.6 a 22.9
de 1.75 a 1.90 23.0 a 23.4
de 1.85 a 2.00 2.35 a 2.40
As alturas dos quadros para Mountain-bike variam muito em função de inovações constante dos
fabricantes e dos diferentes tipos de uso.
Se você já experimentou arriscar a dar uma “voltinha” um pouco mais longa e a bicicleta tornou-se um
objeto totalmente desconfortável, indesejável, e ainda na sua mente os constantes pensamentos como:
Ainda falta muito?, o que estou fazendo aqui ?, Isso não é para mim..., Basta, vamos colocar um ponto
final nos argumentos e AJUSTAR a sua bike
Rotação e transmissão
Rotação é a terminologia usada. O nome de prato se aplica para a parte que engata a corrente.
A haste que se estende até o pedal, se chama Pedivela. O tamanho do pedivela varia de acordo com a
aplicação e também com as características dos ciclistas. Os tamanhos são de 165mm a 180mm, o mais
comum usado em estrada é o de 170mm e nas Mountain Bikes o de 175mm Os números de prato usado
varia em geral de 1 até 3 e há até as de 4 pratos pouco usado (desnecessário) e o tamanho dos pratos
usados nos conjuntos, também variam em função do terreno a ser usado, quanto maior for o aclive menor
deverá ser o prato.
Mecânica avançada da bicicleta

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Space Studio Chennai - Architects and Interior Designers
Space Studio Chennai -  Architects and Interior DesignersSpace Studio Chennai -  Architects and Interior Designers
Space Studio Chennai - Architects and Interior Designers
Shashi Rekha
 
assotech business cresterra
assotech business cresterraassotech business cresterra
assotech business cresterra
CRC Advisor
 
Museum Design for Gandhi Research Foundation
Museum Design for Gandhi Research FoundationMuseum Design for Gandhi Research Foundation
Museum Design for Gandhi Research Foundation
Lokusdesign
 
Retail design protfolio by bharat jeswani
Retail design protfolio by bharat jeswaniRetail design protfolio by bharat jeswani
Retail design protfolio by bharat jeswani
dezyneecole
 
Architecture Portfolio 2017
Architecture Portfolio 2017Architecture Portfolio 2017
Architecture Portfolio 2017
mufaddalhussain
 
urban design project 3
urban design project 3urban design project 3
urban design project 3
Salman Altuwariki
 
case study of Elante mall, chandigarh,
case study of Elante mall, chandigarh, case study of Elante mall, chandigarh,
case study of Elante mall, chandigarh,
Sumit Jha
 
Building morphology ::Analysis of Contemporary Shopping complexes/Retail shops
Building morphology ::Analysis of Contemporary Shopping complexes/Retail shopsBuilding morphology ::Analysis of Contemporary Shopping complexes/Retail shops
Building morphology ::Analysis of Contemporary Shopping complexes/Retail shops
Sadiqul Islam Shehab
 
Green buildings- PAHARPUR BUSINESS CENTRE
Green buildings- PAHARPUR BUSINESS CENTREGreen buildings- PAHARPUR BUSINESS CENTRE
Green buildings- PAHARPUR BUSINESS CENTRE
Akash Gupta
 
Case Study On Parametric architecture
Case Study On Parametric architecture Case Study On Parametric architecture
Case Study On Parametric architecture
ShraddhaGholap2
 
case study of Entertainment city, Noida, delhi
case study of Entertainment city, Noida, delhicase study of Entertainment city, Noida, delhi
case study of Entertainment city, Noida, delhi
Sumit Jha
 
Elante shopping mall_chandigarh_l&t
Elante shopping mall_chandigarh_l&tElante shopping mall_chandigarh_l&t
Elante shopping mall_chandigarh_l&t
RAAJESH SHETH
 
Landscape architecture in lines alaa albarmawi
Landscape architecture in lines  alaa albarmawiLandscape architecture in lines  alaa albarmawi
Landscape architecture in lines alaa albarmawi
Alaa Albarmawi
 
Creative Corporate Office Interior and Fitout Design
Creative Corporate Office Interior and Fitout DesignCreative Corporate Office Interior and Fitout Design
Creative Corporate Office Interior and Fitout Design
Realfinity Realty
 
RE developement of Bhindhi baazar
RE developement of Bhindhi baazarRE developement of Bhindhi baazar
RE developement of Bhindhi baazar
Yash Agrawal
 
Catchment analysis for Reliance Trends, Elante Mall, Chandigarh
Catchment analysis for Reliance Trends, Elante Mall, ChandigarhCatchment analysis for Reliance Trends, Elante Mall, Chandigarh
Catchment analysis for Reliance Trends, Elante Mall, Chandigarh
Mehak Mehta
 
Bamboo house india
Bamboo house indiaBamboo house india
Bamboo house india
Sai Mahesh
 
Shopping mall case study
Shopping mall case studyShopping mall case study
Shopping mall case study
ankita20111994
 
How to make open air theatre
How to make open air theatreHow to make open air theatre
How to make open air theatre
DestinyDenayae
 
O Futuro do Marketing com Jornadas Personalizadas: Salesforce Digital Breakfast
O Futuro do Marketing com Jornadas Personalizadas: Salesforce Digital BreakfastO Futuro do Marketing com Jornadas Personalizadas: Salesforce Digital Breakfast
O Futuro do Marketing com Jornadas Personalizadas: Salesforce Digital Breakfast
Salesforce Brasil
 

Mais procurados (20)

Space Studio Chennai - Architects and Interior Designers
Space Studio Chennai -  Architects and Interior DesignersSpace Studio Chennai -  Architects and Interior Designers
Space Studio Chennai - Architects and Interior Designers
 
assotech business cresterra
assotech business cresterraassotech business cresterra
assotech business cresterra
 
Museum Design for Gandhi Research Foundation
Museum Design for Gandhi Research FoundationMuseum Design for Gandhi Research Foundation
Museum Design for Gandhi Research Foundation
 
Retail design protfolio by bharat jeswani
Retail design protfolio by bharat jeswaniRetail design protfolio by bharat jeswani
Retail design protfolio by bharat jeswani
 
Architecture Portfolio 2017
Architecture Portfolio 2017Architecture Portfolio 2017
Architecture Portfolio 2017
 
urban design project 3
urban design project 3urban design project 3
urban design project 3
 
case study of Elante mall, chandigarh,
case study of Elante mall, chandigarh, case study of Elante mall, chandigarh,
case study of Elante mall, chandigarh,
 
Building morphology ::Analysis of Contemporary Shopping complexes/Retail shops
Building morphology ::Analysis of Contemporary Shopping complexes/Retail shopsBuilding morphology ::Analysis of Contemporary Shopping complexes/Retail shops
Building morphology ::Analysis of Contemporary Shopping complexes/Retail shops
 
Green buildings- PAHARPUR BUSINESS CENTRE
Green buildings- PAHARPUR BUSINESS CENTREGreen buildings- PAHARPUR BUSINESS CENTRE
Green buildings- PAHARPUR BUSINESS CENTRE
 
Case Study On Parametric architecture
Case Study On Parametric architecture Case Study On Parametric architecture
Case Study On Parametric architecture
 
case study of Entertainment city, Noida, delhi
case study of Entertainment city, Noida, delhicase study of Entertainment city, Noida, delhi
case study of Entertainment city, Noida, delhi
 
Elante shopping mall_chandigarh_l&t
Elante shopping mall_chandigarh_l&tElante shopping mall_chandigarh_l&t
Elante shopping mall_chandigarh_l&t
 
Landscape architecture in lines alaa albarmawi
Landscape architecture in lines  alaa albarmawiLandscape architecture in lines  alaa albarmawi
Landscape architecture in lines alaa albarmawi
 
Creative Corporate Office Interior and Fitout Design
Creative Corporate Office Interior and Fitout DesignCreative Corporate Office Interior and Fitout Design
Creative Corporate Office Interior and Fitout Design
 
RE developement of Bhindhi baazar
RE developement of Bhindhi baazarRE developement of Bhindhi baazar
RE developement of Bhindhi baazar
 
Catchment analysis for Reliance Trends, Elante Mall, Chandigarh
Catchment analysis for Reliance Trends, Elante Mall, ChandigarhCatchment analysis for Reliance Trends, Elante Mall, Chandigarh
Catchment analysis for Reliance Trends, Elante Mall, Chandigarh
 
Bamboo house india
Bamboo house indiaBamboo house india
Bamboo house india
 
Shopping mall case study
Shopping mall case studyShopping mall case study
Shopping mall case study
 
How to make open air theatre
How to make open air theatreHow to make open air theatre
How to make open air theatre
 
O Futuro do Marketing com Jornadas Personalizadas: Salesforce Digital Breakfast
O Futuro do Marketing com Jornadas Personalizadas: Salesforce Digital BreakfastO Futuro do Marketing com Jornadas Personalizadas: Salesforce Digital Breakfast
O Futuro do Marketing com Jornadas Personalizadas: Salesforce Digital Breakfast
 

Destaque

Curso Mão na Roda - Mecânica Básica de Bicicletas
Curso Mão na Roda - Mecânica Básica de BicicletasCurso Mão na Roda - Mecânica Básica de Bicicletas
Curso Mão na Roda - Mecânica Básica de Bicicletas
Arthur Dambros
 
Mecanica avancada de_bicicletas4
Mecanica avancada de_bicicletas4Mecanica avancada de_bicicletas4
Mecanica avancada de_bicicletas4
Valucio Camilo
 
Como funcionam as_bicicletas1.
Como funcionam as_bicicletas1.Como funcionam as_bicicletas1.
Como funcionam as_bicicletas1.
Valucio Camilo
 
Bicicletas - guia definitivo
Bicicletas - guia definitivoBicicletas - guia definitivo
Bicicletas - guia definitivo
Dorielson Martins Veras
 
Componentes de Bicicletas e associados produzidos em Materiais Poliméricos e ...
Componentes de Bicicletas e associados produzidos em Materiais Poliméricos e ...Componentes de Bicicletas e associados produzidos em Materiais Poliméricos e ...
Componentes de Bicicletas e associados produzidos em Materiais Poliméricos e ...
Filipe Giesteira
 
Apresentação bike slide
Apresentação bike slideApresentação bike slide
Apresentação bike slide
Bruno Godoi
 
Apresentação Shopping Recife - Le Fil Day
Apresentação Shopping Recife - Le Fil DayApresentação Shopping Recife - Le Fil Day
Apresentação Shopping Recife - Le Fil Day
Le Fil
 
Estudo sobre Bicicletas
Estudo sobre BicicletasEstudo sobre Bicicletas
Estudo sobre Bicicletas
Le Fil
 
Cycling ergonomics
Cycling ergonomicsCycling ergonomics
Cycling ergonomics
Ricardo Linhares
 
História da bicicleta
História da bicicletaHistória da bicicleta
História da bicicleta
maelyps
 

Destaque (10)

Curso Mão na Roda - Mecânica Básica de Bicicletas
Curso Mão na Roda - Mecânica Básica de BicicletasCurso Mão na Roda - Mecânica Básica de Bicicletas
Curso Mão na Roda - Mecânica Básica de Bicicletas
 
Mecanica avancada de_bicicletas4
Mecanica avancada de_bicicletas4Mecanica avancada de_bicicletas4
Mecanica avancada de_bicicletas4
 
Como funcionam as_bicicletas1.
Como funcionam as_bicicletas1.Como funcionam as_bicicletas1.
Como funcionam as_bicicletas1.
 
Bicicletas - guia definitivo
Bicicletas - guia definitivoBicicletas - guia definitivo
Bicicletas - guia definitivo
 
Componentes de Bicicletas e associados produzidos em Materiais Poliméricos e ...
Componentes de Bicicletas e associados produzidos em Materiais Poliméricos e ...Componentes de Bicicletas e associados produzidos em Materiais Poliméricos e ...
Componentes de Bicicletas e associados produzidos em Materiais Poliméricos e ...
 
Apresentação bike slide
Apresentação bike slideApresentação bike slide
Apresentação bike slide
 
Apresentação Shopping Recife - Le Fil Day
Apresentação Shopping Recife - Le Fil DayApresentação Shopping Recife - Le Fil Day
Apresentação Shopping Recife - Le Fil Day
 
Estudo sobre Bicicletas
Estudo sobre BicicletasEstudo sobre Bicicletas
Estudo sobre Bicicletas
 
Cycling ergonomics
Cycling ergonomicsCycling ergonomics
Cycling ergonomics
 
História da bicicleta
História da bicicletaHistória da bicicleta
História da bicicleta
 

Semelhante a Mecânica avançada da bicicleta

Como funcionam as_mountain_bikes2
Como funcionam as_mountain_bikes2Como funcionam as_mountain_bikes2
Como funcionam as_mountain_bikes2
Valucio Camilo
 
Manutencao freios suspensao_guidao5
Manutencao freios suspensao_guidao5Manutencao freios suspensao_guidao5
Manutencao freios suspensao_guidao5
Valucio Camilo
 
engrenagens geral1
engrenagens geral1engrenagens geral1
engrenagens geral1
Lucas Santana
 
Suspenção direção e freios Lar Luiz fabiano
Suspenção direção e freios Lar Luiz fabianoSuspenção direção e freios Lar Luiz fabiano
Suspenção direção e freios Lar Luiz fabiano
Fernando Mattos
 
Suspenção direção e freios
Suspenção direção e freiosSuspenção direção e freios
Suspenção direção e freios
Fernando Mattos
 
Sistemas de direção.pptx
Sistemas de direção.pptxSistemas de direção.pptx
Sistemas de direção.pptx
PauloCecFigueredo1
 
Suspensão.pptx
Suspensão.pptxSuspensão.pptx
Suspensão.pptx
Ortzadar1
 
Apostila - Mecanismos - Capítulo 3.pdf
Apostila - Mecanismos - Capítulo 3.pdfApostila - Mecanismos - Capítulo 3.pdf
Apostila - Mecanismos - Capítulo 3.pdf
Drive One
 
Suspensão
SuspensãoSuspensão
Suspensão
Alexsander Nocelli
 
Sdf saeb
Sdf saebSdf saeb
Sdf saeb
Fernando Mattos
 
Pneus blog
Pneus blogPneus blog
Pneus blog
v8cicloturismo
 
Mecanica automotiva basica
Mecanica automotiva basicaMecanica automotiva basica
Mecanica automotiva basica
Diego Weber Aita
 
Engrenagens
EngrenagensEngrenagens
Engrenagens
Marcio projetos
 
Manual de serviço cr250 99 rodadian
Manual de serviço cr250 99 rodadianManual de serviço cr250 99 rodadian
Manual de serviço cr250 99 rodadian
Thiago Huari
 
1---GSX-R1000 (1).pdf
1---GSX-R1000 (1).pdf1---GSX-R1000 (1).pdf
1---GSX-R1000 (1).pdf
FernandoMascarenhas10
 
Manual de serviço cg150 titan ks es esd rodadiant
Manual de serviço cg150 titan ks es esd rodadiantManual de serviço cg150 titan ks es esd rodadiant
Manual de serviço cg150 titan ks es esd rodadiant
Thiago Huari
 
Manual de serviço cg125 titan ks es kse cg125 cargo (2002) rodadiant
Manual de serviço cg125 titan  ks es kse cg125 cargo (2002) rodadiantManual de serviço cg125 titan  ks es kse cg125 cargo (2002) rodadiant
Manual de serviço cg125 titan ks es kse cg125 cargo (2002) rodadiant
Thiago Huari
 
Mountain Bike
Mountain BikeMountain Bike
Mountain Bike
Natália Araripe
 
Manual serviço c 100 biz c-100 biz es c-100 biz+ (2002) - 00 x6b-gce-763 roda...
Manual serviço c 100 biz c-100 biz es c-100 biz+ (2002) - 00 x6b-gce-763 roda...Manual serviço c 100 biz c-100 biz es c-100 biz+ (2002) - 00 x6b-gce-763 roda...
Manual serviço c 100 biz c-100 biz es c-100 biz+ (2002) - 00 x6b-gce-763 roda...
Thiago Huari
 
Mecânica
MecânicaMecânica

Semelhante a Mecânica avançada da bicicleta (20)

Como funcionam as_mountain_bikes2
Como funcionam as_mountain_bikes2Como funcionam as_mountain_bikes2
Como funcionam as_mountain_bikes2
 
Manutencao freios suspensao_guidao5
Manutencao freios suspensao_guidao5Manutencao freios suspensao_guidao5
Manutencao freios suspensao_guidao5
 
engrenagens geral1
engrenagens geral1engrenagens geral1
engrenagens geral1
 
Suspenção direção e freios Lar Luiz fabiano
Suspenção direção e freios Lar Luiz fabianoSuspenção direção e freios Lar Luiz fabiano
Suspenção direção e freios Lar Luiz fabiano
 
Suspenção direção e freios
Suspenção direção e freiosSuspenção direção e freios
Suspenção direção e freios
 
Sistemas de direção.pptx
Sistemas de direção.pptxSistemas de direção.pptx
Sistemas de direção.pptx
 
Suspensão.pptx
Suspensão.pptxSuspensão.pptx
Suspensão.pptx
 
Apostila - Mecanismos - Capítulo 3.pdf
Apostila - Mecanismos - Capítulo 3.pdfApostila - Mecanismos - Capítulo 3.pdf
Apostila - Mecanismos - Capítulo 3.pdf
 
Suspensão
SuspensãoSuspensão
Suspensão
 
Sdf saeb
Sdf saebSdf saeb
Sdf saeb
 
Pneus blog
Pneus blogPneus blog
Pneus blog
 
Mecanica automotiva basica
Mecanica automotiva basicaMecanica automotiva basica
Mecanica automotiva basica
 
Engrenagens
EngrenagensEngrenagens
Engrenagens
 
Manual de serviço cr250 99 rodadian
Manual de serviço cr250 99 rodadianManual de serviço cr250 99 rodadian
Manual de serviço cr250 99 rodadian
 
1---GSX-R1000 (1).pdf
1---GSX-R1000 (1).pdf1---GSX-R1000 (1).pdf
1---GSX-R1000 (1).pdf
 
Manual de serviço cg150 titan ks es esd rodadiant
Manual de serviço cg150 titan ks es esd rodadiantManual de serviço cg150 titan ks es esd rodadiant
Manual de serviço cg150 titan ks es esd rodadiant
 
Manual de serviço cg125 titan ks es kse cg125 cargo (2002) rodadiant
Manual de serviço cg125 titan  ks es kse cg125 cargo (2002) rodadiantManual de serviço cg125 titan  ks es kse cg125 cargo (2002) rodadiant
Manual de serviço cg125 titan ks es kse cg125 cargo (2002) rodadiant
 
Mountain Bike
Mountain BikeMountain Bike
Mountain Bike
 
Manual serviço c 100 biz c-100 biz es c-100 biz+ (2002) - 00 x6b-gce-763 roda...
Manual serviço c 100 biz c-100 biz es c-100 biz+ (2002) - 00 x6b-gce-763 roda...Manual serviço c 100 biz c-100 biz es c-100 biz+ (2002) - 00 x6b-gce-763 roda...
Manual serviço c 100 biz c-100 biz es c-100 biz+ (2002) - 00 x6b-gce-763 roda...
 
Mecânica
MecânicaMecânica
Mecânica
 

Mais de Edson Lopes

Manutenção e reparos de bicicletas
Manutenção e reparos de bicicletasManutenção e reparos de bicicletas
Manutenção e reparos de bicicletas
Edson Lopes
 
Instalação de motores de indução
Instalação de motores de induçãoInstalação de motores de indução
Instalação de motores de indução
Edson Lopes
 
E book 10-partidas-de-motores-revisão_1.0
E book 10-partidas-de-motores-revisão_1.0E book 10-partidas-de-motores-revisão_1.0
E book 10-partidas-de-motores-revisão_1.0
Edson Lopes
 
Comandos elétricos 2002
Comandos elétricos 2002Comandos elétricos 2002
Comandos elétricos 2002
Edson Lopes
 
Catalogo de motores weg
Catalogo de motores wegCatalogo de motores weg
Catalogo de motores weg
Edson Lopes
 
Apostila comandos eletricos
Apostila comandos eletricosApostila comandos eletricos
Apostila comandos eletricos
Edson Lopes
 
Como pintar uma bicicleta
Como pintar uma bicicletaComo pintar uma bicicleta
Como pintar uma bicicleta
Edson Lopes
 
Partida de motores elétricos kit anzo
Partida de motores elétricos kit anzoPartida de motores elétricos kit anzo
Partida de motores elétricos kit anzo
Edson Lopes
 
Comandos Elétricos ex08
Comandos Elétricos ex08Comandos Elétricos ex08
Comandos Elétricos ex08
Edson Lopes
 
Catalogo Anzo Controles Elétricos
Catalogo Anzo Controles ElétricosCatalogo Anzo Controles Elétricos
Catalogo Anzo Controles Elétricos
Edson Lopes
 

Mais de Edson Lopes (10)

Manutenção e reparos de bicicletas
Manutenção e reparos de bicicletasManutenção e reparos de bicicletas
Manutenção e reparos de bicicletas
 
Instalação de motores de indução
Instalação de motores de induçãoInstalação de motores de indução
Instalação de motores de indução
 
E book 10-partidas-de-motores-revisão_1.0
E book 10-partidas-de-motores-revisão_1.0E book 10-partidas-de-motores-revisão_1.0
E book 10-partidas-de-motores-revisão_1.0
 
Comandos elétricos 2002
Comandos elétricos 2002Comandos elétricos 2002
Comandos elétricos 2002
 
Catalogo de motores weg
Catalogo de motores wegCatalogo de motores weg
Catalogo de motores weg
 
Apostila comandos eletricos
Apostila comandos eletricosApostila comandos eletricos
Apostila comandos eletricos
 
Como pintar uma bicicleta
Como pintar uma bicicletaComo pintar uma bicicleta
Como pintar uma bicicleta
 
Partida de motores elétricos kit anzo
Partida de motores elétricos kit anzoPartida de motores elétricos kit anzo
Partida de motores elétricos kit anzo
 
Comandos Elétricos ex08
Comandos Elétricos ex08Comandos Elétricos ex08
Comandos Elétricos ex08
 
Catalogo Anzo Controles Elétricos
Catalogo Anzo Controles ElétricosCatalogo Anzo Controles Elétricos
Catalogo Anzo Controles Elétricos
 

Último

TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
ProfessoraTatianaT
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
HisrelBlog
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
pamellaaraujo10
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
joaresmonte3
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
JoeteCarvalho
 
12072423052012Critica_Literaria_-_Aula_07.pdf
12072423052012Critica_Literaria_-_Aula_07.pdf12072423052012Critica_Literaria_-_Aula_07.pdf
12072423052012Critica_Literaria_-_Aula_07.pdf
JohnnyLima16
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
beatrizsilva525654
 
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdfAula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Pedro Luis Moraes
 
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....pptA Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
WilianeBarbosa2
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Mary Alvarenga
 
Trabalho de Geografia industrialização.pdf
Trabalho de Geografia industrialização.pdfTrabalho de Geografia industrialização.pdf
Trabalho de Geografia industrialização.pdf
erico paulo rocha guedes
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
rloureiro1
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
ANDRÉA FERREIRA
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 

Último (20)

TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
 
12072423052012Critica_Literaria_-_Aula_07.pdf
12072423052012Critica_Literaria_-_Aula_07.pdf12072423052012Critica_Literaria_-_Aula_07.pdf
12072423052012Critica_Literaria_-_Aula_07.pdf
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
 
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdfAula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
 
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....pptA Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
 
Trabalho de Geografia industrialização.pdf
Trabalho de Geografia industrialização.pdfTrabalho de Geografia industrialização.pdf
Trabalho de Geografia industrialização.pdf
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 

Mecânica avançada da bicicleta

  • 1. MECÂNICA AVANÇADA DA BICICLETA Apresentação da Bicicleta e seus componentes A apresentamos uma bicicleta e todos as partes e acessórios que todo mecânico e ciclista deve conhecer bem, pois ele vai ter um contato direto com a bicicleta. A terminologia usada para alguns componentes pode diferir de uma região para a outra, portanto, usaremos uma forma bem simples para descrevê-las. CUBOS E BLOCAGEM Cubo dianteiro Os cubos trabalham em cima de esferas que devem ser devidamente lubrificados com graxa, no cubo é onde os raios são inseridos, para a sustentação dos aros.A figura mostra um cubo equipado com blocagem, que permitem um a troca rápida da roda. Visualização das esferas dentro do cubo Cubo traseiro
  • 2. Visualização das esferas dentro do cubo e da parte de fora, onde se encaixa o pinhão do tipo cassete. A blocagem agiliza a troca de rodas, usado em competições. Com o parafuso no lado esquerdo faz-se o ajuste encostando no garfo, depois empurra a blocagem para fechar Blocagem fechada. O sistema bem travado é muito seguro. Os diferentes tipos de freios Existem vários tipos de freios e certamente diferentes aplicações: Sidepull Na figura aicma, vemos o sidepull, freio lateral mais usado em bicicletas de competição de estradas. Esse tipo de freio tem como característica, uma resposta rápida a ação da manete, por isso é o mais usado em bicicleta de competição de estrada.
  • 3. O Cantilever O Cantilever, devido a sua geometria mecânica, tem um grande poder de travar a roda, pois exerce grande pressão nas bordas dos aros, o que o torna mais apropriado para o montain bike, mesmo nos dias de chuva e lama tem uma boa eficiência. Hoje pelo custo-benefício, pois emprega pouco material na construção, tem sido usado em grande escala nas bicicletas de passeio. V-Brake V-Brake Os cantilever (acima) depende de uma peça, geralmente presa junto com a caixa de direção, para que os conduítes que saem das manetes se fixem; e daí em diante, o cabo se divide para os dois lados e vez acionada a manete do freio os dois lados são puxados para cima e fecham um conta o outro para fazer a pressão no aro. O V-Brake, foi um aperfeiçoamento do sistema acima, pois o conduíte tem a sua "trava" no próprio corpo do freio. Podemos também analisar que ele não é puxado por cima e sim de forma lateral, na direção do movimento de fechar o que torna a sua ação mais eficaz.
  • 4. Freios a disco Os freios a disco são os mais utilizados nas bikes de downhill para segurar as máquinas nas descidas. São apresentados em dois modelos: Mecânicos e hidráulicos. Quando acionada a manete duas pastilhas fazem pressão contra o disco, forçando a roda a parar. A escolha do quadro correto O tamanho A – Determina o tamanho da bicicleta. Ex. Quando se fala que um quadro é “56”, isto está ligado diretamente ao tamanho A. O tamanho B - Top-Tub, pode ser igual ou maior que o tamanho de A, não excedendo 3 cm., no caso de A = B o quadro é denominado “quadrado”. O tamanho C - Em geral é proporcional ao tubo vertical ( A ), isto em bicicletas de padrão normal com exceção nas bicicletas de contra relógio. E algumas fábricas como a Giant, tem apresentado um modelo de bicicletas em que o tubo vertical (A) é muito inferior ao padrão, sendo compensado na altura do canote do selim. O tamanho de D - Pode variar entre 39.5 e 42 cm. para todas as bicicletas. Quanto mais curta for a medida, mais “escaladora” (boa para montanhas) é a bicicleta, mas também mais nervosa (de reação rápida) é a bicicleta, na hora de fazer curvas em alta velocidade.Quanto maior for o tamanho de D, maior é a estabilidade. O tamanho de E, ou distancia entre as roda, oscila entre 96 e 100 cm. Acontece o mesmo como no tamanho D, se E é curta, a bicicleta fica com a direção nervosa e pelo contrário, se o tamanho E for maior, a máquina torna-se mais estável, porém mais lenta para responder nossas ações.
  • 5. Ângulo F Oscila entre 73: e 78, chegando até mesmo aos 80: nas bicicletas de triatlon. Quanto maior o ângulo, mais vertical é a força exercida nos pedais, conseqüentemente aumentando o ângulo mais o tubo central (do selim) ficará vertical em relação ao solo e como resultado o ciclista estará mais em cima do guidão da bicicleta o que irá caracterizar a máquina como uma bicicleta para uso de triatlon ou contra- relógio. Ângulo G, varia entre 72: e 76. Quanto maior o ângulo à distância E diminui e o comportando para guiar a bicicleta é mais rápidas nas manobras. Medida H - Tomando como medida de referência um eixo imaginário da “cabeça do quadro” e o centro da ponteira do garfo. Quanto menor for H (H pequeno), mais nervosa e rápida se torna a bicicleta, no caso de um maior tamanho na medida H (H grande), a bicicleta terá maior estabilidade, mas a direção se torna mais pesada e pouco sensível. Tamanho de quadros em relação à estatura do Ciclista de Estrada A estatura do ciclista Altura do quadro Tamanho do tubo horizontal 160 at 165 47 at 51 49 at 52 165 at 170 51 at 53 51 at 54 170 at 175 53 at 55 54 at 57 175 at 180 55 at 57 55 at 58 180 at 185 57 at 59 57 at 60 185 at 190 59 at 60 59 at 60 MONTAIN BIKE de 1.50 a 1.60 20.9 a 21.4 de 1.55 a 1.70 21.5 a 21.9 de 1.65 a 1.75 22.0 a 22.5 De 1.75 a 1.85 22.6 a 22.9 de 1.75 a 1.90 23.0 a 23.4 de 1.85 a 2.00 2.35 a 2.40
  • 6. As alturas dos quadros para Mountain-bike variam muito em função de inovações constante dos fabricantes e dos diferentes tipos de uso. Se você já experimentou arriscar a dar uma “voltinha” um pouco mais longa e a bicicleta tornou-se um objeto totalmente desconfortável, indesejável, e ainda na sua mente os constantes pensamentos como: Ainda falta muito?, o que estou fazendo aqui ?, Isso não é para mim..., Basta, vamos colocar um ponto final nos argumentos e AJUSTAR a sua bike Rotação e transmissão Rotação é a terminologia usada. O nome de prato se aplica para a parte que engata a corrente. A haste que se estende até o pedal, se chama Pedivela. O tamanho do pedivela varia de acordo com a aplicação e também com as características dos ciclistas. Os tamanhos são de 165mm a 180mm, o mais comum usado em estrada é o de 170mm e nas Mountain Bikes o de 175mm Os números de prato usado varia em geral de 1 até 3 e há até as de 4 pratos pouco usado (desnecessário) e o tamanho dos pratos usados nos conjuntos, também variam em função do terreno a ser usado, quanto maior for o aclive menor deverá ser o prato.