SlideShare uma empresa Scribd logo
UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA
PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO
PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA
PIBID/LETRAS
PROJETO: CLIC
CULTURA, LITERATURA E CRIATIVIDADE: DO ERUDITO AO POPULAR
PROFESSORES:
ELOÍZA OLIVEIRA CHAVES
FABIANA MARIA DOS SANTOS SOUZA
JHONATHAN ANTONNY DE S. S. MACHADO
LÍGIA ALBUQUERQUE QUEIROZ
MONALISA BARBOZA SANTOS
MÓDULO 14:
AS VÁRIAS FACES DO AMOR
ALUNO(A):________________________________________________
www.clicletras.blogspot.com
1
ATIVANDO A MENTE
TEXTO BÍBLICO: I COR. 13
1
Ainda que eu fale a língua dos homens e dos anjos, se não tiver amor, serei como o sino que ressoa ou
como o prato que retine.
2
Ainda que eu tenha o dom de profecia e saiba todos os mistérios e todo o conhecimento, e tenha uma
fé capaz de mover montanhas, mas não tiver amor, nada serei.
3
Ainda que eu dê aos pobres tudo o que possuo e entregue o meu corpo para ser queimado, mas não
tiver amor, nada disso me valerá.
4
O amor é paciente, o amor é bondoso. Não inveja, não se vangloria, não se orgulha.
5
Não maltrata, não procura seus interesses, não se ira facilmente, não guarda rancor.
6
O amor não se alegra com a injustiça, mas se alegra com a verdade.
7
Tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta.
8
O amor nunca perece; mas as profecias desaparecerão, as línguas cessarão, o conhecimento passará.
9
Pois em parte conhecemos e em parte profetizamos;
10
quando, porém, vier o que é perfeito, o que é imperfeito desaparecerá.
11
Quando eu era menino, falava como menino, pensava como menino e raciocinava como menino.
Quando me tornei homem, deixei para trás as coisas de menino.
12
Agora, pois, vemos apenas um reflexo obscuro, como em espelho; mas, então, veremos face a face.
Agora conheço em parte; então, conhecerei plenamente, da mesma forma como sou plenamente
conhecido.
13
Assim, permanecem agora estas três: a fé, a esperança e o amor. O maior deles, porém, é o amor.
Disponível em: https://www.bibliaonline.com.br/acf/1co/13. Acesso em: 03/04/15, às 17h53min.
MÚSICA:
2
♪♪PALPITE♪♪
(Vanessa Rangel)
Tô com saudade de você
Debaixo do meu cobertor
E te arrancar suspiros
Fazer amor
Tô com saudade de você
Na varanda em noite quente
E o arrepio frio
Que dá na gente
Truque do desejo
Guardo na boca
O gosto do beijo
Eu sinto a falta de você
Me sinto só
E aí! Será que você volta?
Tudo à minha volta é triste
E aí! O amor pode acontecer
De novo pra você
Palpite!
Tô com saudade de você
Do nosso banho de chuva
Do calor na minha pele
Da língua tua
Tô com saudade de você
Censurando o meu vestido
As juras de amor
Ao pé do ouvido
Truque do desejo
Guardo na boca
O gosto do beijo
Eu sinto a falta de você
Me sinto só
E aí! Será que você volta?
Tudo à minha volta
É triste
E aí! O amor pode acontecer
De novo pra você
Palpite!
E aí! Será que você volta?
Tudo à minha volta
É triste
E aí! O amor pode acontecer
De novo pra você
Palpite!
Disponível em: http://letras.mus.br/vanessa-rangel/6640/. Acesso em: 03/04/15, às 17h59min.
SONETO DO AMIGO
3
(Vinícius de Moraes)
Enfim, depois de tanto erro passado
Tantas retaliações, tanto perigo
Eis que ressurge noutro o velho amigo
Nunca perdido, sempre reencontrado.
É bom sentá-lo novamente ao lado
Com olhos que contêm o olhar antigo
Sempre comigo um pouco atribulado
E como sempre singular comigo.
Um bicho igual a mim, simples e humano
Sabendo se mover e comover
E a disfarçar com o meu próprio engano.
O amigo: um ser que a vida não explica
Que só se vai ao ver outro nascer
E o espelho de minha alma multiplica...
4
Disponível em: http://pensador.uol.com.br/frase/NTQ1OTg/. Acesso em: 03/04/15, às
18h01min.
MÚSICA:
♪♪AMOR VIRTUAL♪♪
(Sampa Crew)
Como é que eu pude assim gostar de
alguém
Que só vejo de longe e nunca beijei
Foi como uma luz forte e atração
Foi como ver o sol em plena escuridão
Me deixa ver você, liga o computador
Me diz onde te encontrar que eu já vou
Me deixa ver você, dançar de novo pra
mim
Vem cá, quero te conhecer
Deixa eu abraçar você, deixa eu beijar
você
Meu amor virtual
Quero sentir teu prazer, de um jeito
natural
Meu amor virtual
Abra sua cam, o seu coração, me
mostre todo o seu
poder de sedução
Só te conheço assim, por computador,
me apaixonei e
agora vivo essa dor
5
Queria te tocar, te acariciar, chega de tc,
quero
conversar
Quem sabe te convencer, ao dizer, que
não é virtual o
que eu sinto por você
O mundo hoje em dia até que tá legal
Ciberneticamente tudo natural
Mas namorar assim sem poder te tocar
Ai já é querer demais não da pra
agüentar
Me deixa ver você, liga o computador
Me diz onde te encontrar que eu já vou
Me deixa ver você, dançar de novo pra
mim
Vem cá, quero te conhecer
Deixa eu beijar você, deixa eu abraçar
você
Meu amor virtual
Quero sentir teu prazer, de um jeito
natural
Meu amor virtual
Essa história de amor, por computador,
que era de
prazer, hoje é de dor
Posso sentir o perfume de sua pele,
6
cada vez que pela
cam você se mexe
Dançando e exibindo, toda
sensualidade até parece que
te tenho de verdade
Me manda um e-mail, vem fazer
contato, me faz sentir
que realmente sou amado
Deixa eu abraçar você, deixa eu beijar
você
Quero sentir teu prazer, de um jeito
natural
Meu amor virtual, meu amor virtual
Meu amor virtual
Disponível em: http://www.vagalume.com.br/sampa-crew/amor-virtual.html. Acesso em: 03/04/15,
às 17h28min.
QUANDO O AMOR “VIRTUAL” NÃO SE TORNA
“REAL”...
(Rosana Braga)
Já recebi várias mensagens de leitores me pedindo para escrever sobre “amor
virtual”, desses que um número cada vez maior de pessoas vive pela Internet, seja em
salas de bate-papo, seja através de trocas de mensagens.
7
Mas somente agora, nem sei dizer porquê, senti-me realmente inspirada a
escrever sobre este “admirável mundo novo”...
Os meios estão cada vez mais sofisticados e práticos. Os perfis permitem cada
vez mais dados. Além dos antigos – e quase ultrapassados (?) e-mails – agora tem
também Orkut, MSN, Skype, câmera, entre outras ferramentas que nos dão a nítida
sensação de estar cada vez mais perto do outro, seja este outro quem for e esteja ele
onde estiver...
Não quero cair na tentação de dizer que tudo isso é ótimo somente quando se
trata de relações profissionais e até de amizades; talvez eu realmente esteja sendo
teimosa em não querer acreditar que o amor possa mesmo invadir a virtualidade,
ultrapassar tempo e espaço e inundar corações que não se sabem onde, nem quem,
nem quando... talvez amanhã, talvez nunca... talvez sempre, sem nunca ter sido...
Então, para não radicalizar, tentarei explicar minhas razões, até porque –
confesso! – eu mesma, numa outra época, já experimentei o feitiço desta rede virtual
que consegue render corações por intermináveis esperas de uma simples e absoluta
mensagem...
Hoje, realmente tenho os dois pés atrás. Eu sei, você pode alegar: “mas eu
conheço casais que se conheceram pela Internet e estão juntos até hoje...”. Muito bem!
Eu também conheço, de verdade!
Entretanto, conto-os nos dedos de uma única mão, enquanto não me são
suficientes os 20 que tenho para falar dos casos que já ouvi sobre dor, lágrimas,
decepção, ressentimentos, ansiedade, insegurança, reforço de baixa auto-estima, entre
outros sentimentos que me fazem considerar arriscado e inconsistente demais tal
caminho para o amor...
Sem contar que, definitivamente, aposto muito mais em tudo o que não é
possível através da tela do computador. Creio na sutileza do encontro, olhos nos olhos,
sorrisos se abraçando, palavras se buscando, um palpitar que tem força para indicar
uma direção, coisa que pela Internet fica vago demais, vulnerável demais, perdido
demais.
8
A meu ver, toda a fragilidade das relações virtuais, ainda que cheias de
declarações e juras de amor, se deve à facilidade que as pessoas têm de ser quem não
são, ou quem gostariam de ser, mas não têm coragem nem se consideram capazes para
tanto...
Daí, as palavras são digitadas, mas não têm alma. Os sentimentos são descritos,
mas não têm profundidade. Os encontros são idealizados, mas não têm força de
realização, não têm disponibilidade suficiente para acontecerem... porque estão,
sobretudo, impossibilitados pelo medo da rejeição, pelos exageros cometidos sem
noção, pelas condições reais ignoradas em nome de desejos fugazes e proibidos...
E assim, quem está do outro lado, mergulhado até o pescoço nesta fantasia, fica
sem entender... Perguntando-se o que foi que houve, o que deu errado, o que poderia
ter sido, vivido, sentido, compartilhado... sem nunca realmente ter ouvido sequer a
respiração ofegante do outro em busca de um amor que pudesse ser real.
E se eu pudesse dar um conselho, diria que os encontros virtuais podem ser
ótimos começos, mas que não ocupem um lugar que não existe. É preciso torná-los
reais o quanto antes, para que não se tornem repletos de expectativas quem nem um e
nem outro podem suportar.
O amor no singular é platônico, presente que se guarda no coração como jóia
que se guarda na gaveta mais segura, trancada, onde ninguém vê. Se é amor no singular
que você procura, talvez a Internet seja o lugar ideal.
Porém, se é amor no plural, vivido entre dois corações que você deseja, este só
é possível quando há o encontro. Que não seja hoje, mas tem de ser com dia e hora
marcados... para que não se perca na ilusão da mente, tão desvairada num constante ir
e vir de pensamentos contraditórios e suspeitos, vazios e, ao mesmo tempo, tão
repletos de suas próprias dúvidas, tão sem mapas quando se trata de reconhecer os
sentimentos.
O amor segue pelo caminho real do coração e não da virtualidade inexistente.
Disponível em: http://www.usinadeletras.com.br/exibelotexto.php?cod=34942&cat=Artigos&vinda=S. Acesso
em: 04/04/15, às 10h53min.
9
CHARGE:
“AMORES VIRTUAIS”
PAUSA
(Moacyr Scliar)
Às sete horas o despertador tocou. Samuel saltou da cama, correu para o banheiro, fez a
barba e lavou-se. Vestiu-se rapidamente e sem ruído. Estava na cozinha, preparando sanduíches,
quando a mulher apareceu, bocejando:
—Vais sair de novo, Samuel?
Fez que sim com a cabeça. Embora jovem, tinha a fronte calva; mas as sobrancelhas eram
espessas, a barba, embora recém- feita, deixava ainda no rosto uma sombra azulada. O conjunto era
uma máscara escura.
— Todos os domingos tu sais cedo — observou a mulher com azedume na voz.
— Temos muito trabalho no escritório — disse o marido, secamente.
10
Ela olhou os sanduíches:
—Por que não vens almoçar?
— Já te disse: muito trabalho. Não há tempo. Levo um lanche.
A mulher coçava a axila esquerda. Antes que voltasse à carga, Samuel pegou o chapéu:
—Volto de noite.
As ruas ainda estavam úmidas de cerração. Samuel tirou o carro da garagem. Guiava
vagarosamente, ao longo do cais, olhando os guindastes, as barcaças atracadas. Estacionou o carro
numa travessa quieta. Com o pacote de sanduíches debaixo do braço, caminhou apressadamente
duas quadras. Detevese ao chegar a um hotel pequeno e sujo. Olhou para os lados e entrou
furtivamente. Bateu com as chaves do carro no balcão, acordando um homenzinho que dormia
sentado numa poltrona rasgada. Era o gerente. Esfregando os olhos, pôs-se de pé.
—Ah! Seu Isidoro! Chegou mais cedo hoje. Friozinho bom este, não é? A gente..
—Estou com pressa, seu Raul!—atalhou Samuel.
— Está bem, não vou atrapalhar. O de sempre. — Estendeu a chave.
Samuel subiu quatro lanços de uma escada vacilante.
Ao chegar ao último andar, duas mulheres gordas, de chambre floreado, olharam-no com
curiosidade:
—Aqui, meu bem!—uma gritou, e riu: um cacarejo curto.
Ofegante, Samuel entrou no quarto e fechou a porta à chave.
Era um aposento pequeno: uma cama de casal, um guarda roupa de pinho; a um canto, uma
bacia cheia d'água, sobre um tripé. Samuel correu as cortinas esfarrapadas, tirou do bolso um
despertador de viagem, deu corda e colocou-o na mesinha de cabeceira.
Puxou a colcha e examinou os lençóis com o cenho franzido; com um suspiro, tirou o casaco
e os sapatos, afrouxou a gravata. Sentadona cama, comeu vorazmente quatro sanduíches. Limpou os
dedos no papel de embrulho, deitou-se e fechou os olhos. Dormiu.
Em pouco, dormia. Lá embaixo, a cidade começava a mover-se: os automóveis buzinando, os
jornaleiros gritando, os sons longínquos.
Um raio de sol filtrou-se pela cortina, estampou um círculo luminoso no chão carcomido.
Samuel dormia; sonhava. Nu, corria por uma planície imensa, perseguido por índio montado a
cavalo. No quarto abafado ressoava o galope. No planalto da testa, nas colinas do ventre, no vale
entre as pernas, corriam.
Samuel mexia-se e resmungava. Às duas e meia da tarde sentiu uma dor lancinante nas costas.
Sentou-se na cama, os olhos esbugalhados: o índio acabava de trespassá-lo com a lança. Esvaindo-se
em sangue, molhado de suor, Samuel tombou lentamente; ouviu o apito soturno de um vapor.
Depois, silêncio.
11
Às sete horas o despertador tocou. Samuel saltou da cama,correu para a bacia, lavou-se.
Vestiu-se rapidamente e saiu.
Sentado numa poltrona,o gerente lia uma revista.
—Já vai, seu Isidoro?
— Já — disse Samuel, entregando a chave. Pagou, conferiu o troco em silêncio.
—Até domingo que vem, seu Isidoro — disse o gerente.
—Não sei se virei—respondeu Samuel, olhando pela porta; a noite caía.
— O senhor diz isto, mas volta sempre — observou o homem, rindo.
Samuel saiu.
Ao longo do cais, guiava lentamente. Parou, um instante, ficou olhando os guindastes
recortados contra o céu avermelhado. Depois, seguiu para casa."
Disponível em: http://materiaprimadosaber.blogspot.com.br/2013/06/v-behaviorurldefaultvmlo_16.html. Acesso em:
03/04/15, às 18h19min.
HORA DA ATIVIDADE
A PARTIR DA LEITURA DO TEXTO “PAUSA”, DÊ CONTINUADE AO
MESMO CRIANDO UMA POSSÍVEL FINALIZAÇÃO:
________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________
12
________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________
AMOR PLATÔNICO
(Chico Garcia)
Amor platônico é juvenil, não importa a idade. É uma vulnerabilidade constante,
insegurança para qualquer passo em direção à pessoa desejada. É uma certeza de que tudo pode
e vai dar errado no momento em que tentarmos quebrar essa fria distância entre os corpos.
Amor platônico é amor só no nome. Sentimento indecifrável, mais parecido com encantamento
e ilusão. Ocorre pela vontade de se apaixonar. É a idealização da paixão num biotipo específico,
a necessidade de projetar em alguém o desejo por ser feliz. Amor platônico sonha ser
correspondido, e então desperta para uma realidade distante.
Ele não me olha. Ela nem sabe meu nome. Sofremos com isso na escola, na adolescência,
com o vizinho gato, com a prima impossível, mais velha e atraente. Mal conhecemos e já
amamos. Amor na forma de falar, um amor totalmente condicional, que sobrevive apenas na
fantasia da realidade.
Platônico de Platão, que idealizava um amor sem cunho sexual. Da história, dos livros e
da poesia para os dias de hoje. Um amor amador, que ainda tenta amadurecer, mas que vive uma
efêmera eternidade. Sem sexo. Sem nexo. Ama-se pelo olhar, pelo jeito de passar a mão no
cabelo, pelo barulho do salto alto no corredor. Ama-se pela calça jeans desbotada, pelo boné
virado pra trás, pelo perfume que ficou na pele durante um abraço inesquecível quando fomos
apresentados. Ama-se pela forma e não pelo conteúdo. Não conhecemos a história, tampouco os
defeitos, porém amamos as qualidades que inventamos para aquela pessoa.
13
Um amor platônico será sempre platônico. Inalcançável. E é isso que o torna poético. A
ilusão não conhece a dor. Enquanto sonharmos que podemos estar com aquela pessoa, existirá
uma rasa felicidade - muito melhor do que uma profunda tristeza.
Amor platônico é a certeza da dúvida. Descobrimos ali o quanto podemos nos entregar. É
a nossa iniciação emocional. Amor platônico parece frio, mas não é. Aquece a nossa alma
infante, revela como um sentimento pode ser tão puro e como podemos nos descobrir sempre
um pouco mais.
Amor platônico faz parte da vida. Ensina e alimenta o sonho de um dia sermos felizes no
amor. Amor platônico faz a gente ter esperança, faz a gente amar antes mesmo do amor
acontecer.
Disponível em: http://chicogarcia.blogspot.com.br/2013/12/amor-platonico.html. Acesso em: 03/04/15, às 18h31min.
MÚSICA:
♪♪APAIXONADO♪♪
(Luan Santana)
Moreninha linda
Se tu soubesses
O quanto padece
Quem tem amor
Talvez não faria
O que faz agora
Quem te adora
Não tem valor
Não vivo sem ti
Sem ti não sei viver
Se eu perder seus beijos.
Juro, querida, que vou morrer
Vou sofrer por ti
Por ti vou sofrer
Se for meu destino
Apaixonado quero morrer.
Viajando solitário mergulhado na
tristeza
Numa curva da estrada eu tive uma
surpresa
Uma loira encantadora bonita por
natureza
Me pediu uma carona eu atendi com
destreza
Sentou bem pertinho de mim com
muita delicadeza
O meu carro foi o trono, eu passei a ser
o dono da rainha da beleza.
Foi o dia mais feliz que o meu coração
sentiu
Mas meu mundo encantado de repente
destruiu
14
Ao ver a loura tremendo, gemendo e
suando frio.
Parei o carro depressa na travessia de
um rio
Enquanto eu fui buscar a água, que tão
triste ela pediu
Ouvi cantar os pneus e me dizendo
adeus com meu carro ela sumiu.
Somente um bilhetinho na estrada eu
encontrei
E quando acabei de ler emocionado eu
fiquei
No bilhete ela dizia por você me
apaixonei.
Só peço que me perdoe, o golpe que eu
lhe dei
Para alimentar a esperança o seu carro
eu levarei
Me perdoe por favor, quando me der
seu amor o carro eu entregarei
Quem estiver me ouvindo preste muita
atenção
O meu carro não tem placa mas vou
dar a descrição
É branco e tem uma loura charmosa na
direção
Dou o carro de presente a quem fizer a
prisão
Por ela ter roubado o carro já tem
absolvição
Mas vou lhe dar um castigo vai ter que
viver comigo,
Por roubar meu coração.
Disponível em: http://letras.mus.br/luan-santana/1483635/. Acesso em: 03/04/15, às 18h38min.
CONHEÇO CERTO HOMEM
(Autor desconhecido)
Conheço certo homem, ai formosa,
Que por vossa causa vê chegada a sua morte;
Vede quem é e lembrai-vos disso;
Eu, minha senhora.
Conheço certo homem que perto sente
De si a morte chegada certamente;
15
Vede quem é e tende-o em mente;
Eu, minha senhora.
Conheço certo homem, escutai isto:
Que por vós morre e vós desejais que ele parta;
Vede quem é e não vos esqueçais dele;
Eu, minha senhora.
Disponível em: http://www.recantodasletras.com.br/poesias/3839090. Acesso em: 04/04/15, às 09h09min.
ONDAS DO MAR DE VIGO
(Autor desconhecido)
Ondas do mar de Vigo,
se vistes meu amigo?
e ai Deus, se verrá cedo?
Ondas do mar levado,
se vistes meu amado?
e ai Deus, se verrá cedo?
Se vistes meu amigo,
o por que eu sospiro?
e ai Deus, se verrá cedo?
Se vistes meu amado,
o por que hei gram coidado?
e ai Deus, se verrá cedo?
Disponível em: http://cantigas.fcsh.unl.pt/cantiga.asp?cdcant=1308&pv=sim. Acesso em: 04/04/15, às 09h00min.
DONA FEIA
16
(Autor desconhecido)
Ai dona fea! Foste-vos queixar
Que vos nunca louv'en meu trobar
Mais ora quero fazer un cantar
En que vos loarei toda via;
E vedes como vos quero loar:
Dona fea, velha e sandia!
Ai dona fea! Se Deus mi pardon!
E pois havedes tan gran coraçon
Que vos eu loe en esta razon,
Vos quero já loar toda via;
E vedes qual será a loaçon:
Dona fea, velha e sandia!
Dona fea, nunca vos eu loei
En meu trobar, pero muito trobei;
Mais ora já en bom cantar farei
En que vos loarei toda via;
E direi-vos como vos loarei:
Dona fea, velha e sandia!
Disponível em: http://www.graudez.com.br/literatura/obras/jgguilhade.htm. Acesso em:
04/04/15, às 09h03min.
A BELA ADORMECIDA
17
ERA UMA VEZ num reino distante, um rei e uma rainha que tiveram uma
linda princesinha, a quem chamaram de Aurora.
Para celebrar o seu nascimento, todas as fadas foram convidadas para
madrinhas. Cada uma das fadas, como prenda, concedeu à princesinha um dom
especial. Todas exceto uma, a fada má, que não foi convidada.
Esta, sabendo que todas as outras fadas tinham sido convidadas para celebrar o
nascimento da princesa Aurora, decidiu aparecer na mesma à festa e, em vez de lhe
conceder um dom à pequena princesa, lançou-lhe uma maldição:
- Princesa Aurora, no dia em que fizeres 15 anos irás picar-te num fuso e
morrerás!
Todos no castelo ficaram muito aflitos. Por sorte, havia uma fada boa que ainda
não tinha concedido o seu desejo e, não podendo evitar que Aurora se viesse a picar
num fuso, alterou o feitiço da fada má, de modo que a princesinha em vez de morrer,
caísse num sono profundo. Este feitiço só poderia ser quebrado ao fim de cem anos,
quando um príncipe que por lá passasse se apaixonasse pela princesa e a beijasse.
Mesmo assim, o rei mandou destruir imediatamente todos os fusos e rocas que
existiam no reino, para impedir que a sua filha se picasse.
Os anos passaram e a vida continuou sem nenhuma agitação, tornando-se a
maldição apenas uma má lembrança.
18
No dia do seu décimo quinto aniversário a princesa, que brincava no jardim, é
estranhamente atraída para a floresta. Lá encontra uma casa abandonada e decide
entrar…
Dentro da casa ela encontrou um objeto pontiagudo que não reconhecia.
- Que objeto tão estranho… que será?
Não resistindo à curiosidade pegou nele e acidentalmente picou-se!
Imediatamente a princesinha cai num sono profundo.
A fada boa encontra a princesinha adormecida e leva-a para o castelo, deitando-a
na sua cama real. A fada decide também adormecer todos os habitantes do castelo,
num sono profundo durante cem anos.
Entretanto no reino corre a lenda de uma bela princesa adormecida…
Um belo dia, um jovem e corajoso príncipe consegue atravessar a densa floresta
que envolvia o castelo e encontra todos os seus habitantes adormecidos. Sabendo da
lenda, dirige-se ao quarto da princesa e descobre a jovem mais bela que alguma vez
vira, e não resiste a beijá-la.
Nesse momento, a princesa acorda, assim como todos os seus habitantes. A vida
tinha voltado ao castelo!
Nesse mesmo dia celebrou-se o casamento entre a bela princesa Aurora e o
corajoso príncipe, que viveram felizes para sempre.
Disponível em: http://bebeatual.com/historias-bela-adormecida_59. Acesso em: 03/04/15, às 18h54
A BELA QUE DESPERTOU
(Adaptação no texto de: Luís Fernando Veríssimo)
19
Era uma vez uma linda moça que perguntou a um lindo rapaz:
- Você quer casar comigo?
Ele respondeu:
- Não!
E a moça viveu feliz para sempre, foi viajar, fez compras, conheceu muitos
outros rapazes, visitou muitos lugares, foi morar na praia, comprou outro carro,
mobiliou sua casa, sempre estava sorrindo e de bom humor, nunca lhe faltava nada, ia
ao shopping com as amigas sempre que dava vontade, ninguém mandava nela.
O rapaz ficou barrigudo, careca, corcunda, banguela, ficou sozinho e pobre,
pois não se constrói nada sem uma mulher.
Disponível em: http://angelagg-sombrio.blogspot.com.br/2012/10/contos-de-fadas-na-escola.html. Acesso em: 06 abril
2015.
MÚSICA:
♪♪AMOR LÍQUIDO♪♪
20
(Caos Restrito)
Amor líquido: descartável amor.
"melhor assim", ela disse,
Termina sem rancor.
Amor líquido: é a mais nova moda
Dizer que ama dez segundos antes de ir
embora.
Amor líquido: com prazo de validade
Com garantia em defeitos de fábrica
Amor fácil, sem saudade.
Amor líquido: descompromisso... tanto
faz...
Amor líquido: customize sua paixão
agora
Escolha os olhos, cor e cabelo
Programe a hora de jogar fora.
Amor líquido: saliva, sexo, suor.
Vista suas roupas logo.
Dê o fora, me deixe só.
Amor líquido: diga seu nome se quiser.
Troque carícias comigo
Mas esconda teu rosto se puder.
Amor líquido: queda, precipício.
Belo novo mundo...
Amor líquido: fogo sem calor.
Tudo menos... tudo menos... tudo
menos amor.
Disponível em: http://letras.mus.br/caos-restrito/1820994/. Acesso em: 03/04/15, às 18h45min.
SONETO DE FIDELIDADE
(Vinicius de Moraes)
21
De tudo ao meu amor serei atento
Antes, e com tal zelo, e sempre, e tanto
Que mesmo em face do maior encanto
Dele se encante mais meu pensamento.
Quero vivê-lo em cada vão momento
E em seu louvor hei de espalhar meu canto
E rir meu riso e derramar meu pranto
Ao seu pesar ou seu contentamento
E assim, quando mais tarde me procure
Quem sabe a morte, angústia de quem vive
Quem sabe a solidão, fim de quem ama
Eu possa me dizer do amor (que tive):
Que não seja imortal, posto que é chama
Mas que seja infinito enquanto dure.
Disponível em: http://www.releituras.com/viniciusm_fidelidade.asp. Acesso em: 04/04/15, às 09h23min.
HOMEM PERFEITO
(Arnaldo Jabor)
22
Não existe homem fiel. Você já pode ter ouvido isso algumas vezes, mas afirmo com
propriedade. Não é desabafo. É palavra de homem que conhece muitos homens e que conhecem,
por sua vez, muitos homens. Nenhum homem é fiel, mas pode estar fiel (ou porque está apaixonado
(algo que não dura muito tempo - no máximo alguns meses - nem se iluda) ou porque está cercado
por todos os lados (veremos adiante que não adianta cercá-lo (isso vai se voltar contra você). A única
exceção é o crente extremamente convicto.Se você quer um homem que seja fiel, procure um crente
daqueles bitolados, mas aguente as outras consequências.
Não desanime. O homem é capaz de te trair e de te amar ao mesmo tempo. A traição do homem
é hormonal, efêmera, para satisfazer a lascívia. Não é como a da mulher. Mulher tem que admirar
para trair; ter algum envolvimento. O homem só precisa de uma banda. A mulher precisa de um
motivo para trair, o homem precisa de uma mulher.
Não fique desencantada com a vida por isso. A traição tem seu lado positivo. Até digo, é um mal
necessário. O cara que fica cercado, sem trair, é infeliz no casamento, seu desempenho sexual
diminui (isso mesmo, o desempenho com a esposa diminui), ele fica mal da cabeça. Entenda de uma
vez por todas: homens e mulheres são diferentes. Se quiser alguém que pense como você, vire lésbica
(várias já fizeram isso e deu certo), ou case com um gay enrustido que precisa de uma mulher para se
enquadrar no modelo social. Todo ser humano busca a felicidade, a realização. E a realização nada
mais é do que a sensação de prazer (isso é química, está tudo no cérebro).
A mulher se realiza satisfazendo o desejo maternal, com a segurança de ter uma família
estruturada e saudável, com um bom homem ao lado que a proteja e lhe dê carinho. O homem é
mais voltado para a profissão e para a realização pessoal e a realização pessoal dele vem de diversas
formas: pode vir com o sentimento de paternidade, com uma família estruturada etc. Mas nunca vai
vir se não puder ter acesso a outras fêmeas e se não puder ter relativo sucesso na profissão.
Se você cercar seu homem (tipo, mulher que é sócia do marido na empresa), o cara não dá um
passo no dia-a-dia (sem ela) você vai sufocá-lo de tal forma que ele pode até não ter espaço para lhe
23
trair, mas ou seu casamento vai durar pouco, ele vai ser gordo (vai buscar a fuga na comida) e vai ser
pobre (por que não vai ter a cabeça tranquila para se desenvolver profissionalmente (vai ser um cara
sem ambição e sem futuro).
Não tente mudar para seu homem ser fiel. Não adianta. Silicone, curso de dança sensual, se vestir
de enfermeira etc... Nada disso vai adiantar. É lógico que quanto mais largada você for, menor a
vontade do homem de ficar com você e maior as chances do divórcio. Se perfeição adiantasse, Julia
Roberts não tinha casado três vezes. Até Gisele Bündchen foi largada por Di Caprio. Não é você que
vai ser diferente (mas é bom não desanimar e sempre dar aquela malhadinha).
O segredo é dar espaço para o homem viajar nos seus desejos (na maioria das vezes, quando ele
não está sufocado pela mulher, ele nem chega a trair, fica só nas paqueras, (troca de olhares). Finja
que não sabe que ele dá umas pegadas por fora. Isso é o segredo para um bom casamento. Deixe ele
se distrair, todos precisam de lazer.
Se você busca o homem perfeito, pode continuar vendo novela das seis. Eles não existem nesse
conceito que você imagina. Os homens perfeitos de hoje são aqueles bem desenvolvidos
profissionalmente, que traem esporadicamente (uma vez a cada dois meses, por exemplo), mas que
respeitam a mulher, ou seja, não gastam o dinheiro da família com amantes, não constituem outra
família, não traem muitas vezes, não mantêm relações várias vezes com a mesma mulher (para não
criar vínculos) e, sobretudo, são “muuuuuito” discretos: não deixam a esposa e nem ninguém da sua
relação, como amigas, familiares saberem.
Só, e somente só, um amigo ou outro dele deve saber, faz parte do prazer do homem contar
vantagem sexual. Pegar e não falar para os amigos é pior do que não pegar. As traições do homem
perfeito geralmente são numa escapolida numa noite, ou com uma garota de programa (usando
camisinha e sem fazer sexo oral nela), ou mesmo com uma mulher casada de passagem por sua
cidade. O homem perfeito nunca trai com mulheres solteiras. Elas são causadoras de problemas. Isso
remete ao próximo tópico.
Esse tópico não é para as esposas, é só para as solteiras e amantes.
Esqueçam de uma vez por todas esse negócio de que homem não gosta de mulher fácil.
Homem adora mulher fácil. Se 'der' de primeira então, é o máximo.Todo homem sabe que não
existe mulher santa. Se ela está se fazendo de difícil ele parte para outra. A oferta é muito maior do
que a procura. O mercado está cheio de mulher gostosa. O que homem não gosta é de mulher que
liga no dia seguinte. Isso não é ser fácil, é ser problemática (mulher problema). Ou, como se diz na
gíria, é pepino puro. O fato de você não ligar para o homem e ele gostar de você não quer dizer que
foi por você se fazer de difícil, mas sim por você não representar ameaça para ele. Ele vai ficar com
tanta simpatia por você que você pode até conseguir fisgá-lo e roubá-lo da mulher. Ele vai começar a
se envolver sem perceber. Vai começar a te procurar. Se ele não te procurar, era porque ele só queria
24
aquilo mesmo. Parta para outro e deixe esse de stand by. Não vá vingar-se, você só piora a situação e
não lucra nada com isso. Não se sinta usada, você também fez uso do corpo dele – faz parte do jogo;
guarde como um momento bom de sua vida.
90% dos homens não querem nada sério. Os 10% restantes estão momentaneamente
cansados da vida de balada ou estão ficando com má fama por não estarem casados ou enamorados;
por isso procuram casamento. Portanto, são máximas as chances do homem mentir em quase tudo
que te fala no primeiro encontro (ele só quer te comer, sempre). Não seja idiota, aproveite o
momento, finja que acredita que ele está apaixonado, dê logo para ele (e corra o risco de fisgá-lo) ou
então nem saia com ele. Fazer doce só agrava a situação. Estamos em 2007 e não em 1957. Esqueça
os conselhos da sua avó, os tempos são outros.
Para ser uma boa esposa e para ter um casamento pelo resto da vida faça o seguinte: Tente
achar o homem perfeito, dê espaço para ele. Não o sufoque. Ele precisa de um tempo para sua
satisfação. Seja uma boa esposa, mantenha-se bonita, malhe, tenha uma profissão (não seja dona-de-
casa), seja independente e mantenha o clima legal em casa. Nada de sufocos, de 'conversar sobre a
relação', de ficar mexendo no celular dele, de ficar apertando o cerco etc. Você pode até criar 'muros'
para ele, mas crie muros invisíveis e não muito altos. Se ele perceber ou ficar sem saída, vai se sentir
ameaçado e o casamento vai começar a ruir.
Se você está revoltada por este texto, aqui vai um conselho: vá tomar uma água e volte para ler
com o espírito desarmado. Se revoltar com o que está escrito não vai resolver nada em sua vida.
Acreditar que o que está aqui é mentira ou exagero pode ser uma boa técnica (iludir-se faz parte da
vida, se você é dessas, boa sorte!). Mas tudo é a pura verdade. Seu marido/noivo/namorado te ama,
tenha certeza, senão não estaria com você, mas trair é como um remédio; um lubrificante para o
motor do carro. Isso é científico. O homem que você deve buscar para ser feliz é o homem perfeito.
Diferente disso, ou é crente, ou gay ou tem algum trauma (e na maioria dos casos vão ser pobres). O
que você procura pode ser impossível de achar, então, procure algo que você pode achar e seja feliz
ao invés de passar a vida inteira procurando algo indefectível que você nunca vai encontrar. Espero
ter ajudado em alguma coisa.
Disponível em: http://pensador.uol.com.br/frase/MzUwMzk5/. Acesso em: 04/04/15, às 09h30min.
SONETO DE INFIDELIDADE
25
(Roseane Freitas)
De tudo ao meu amor serei relapso.
Desta vez com tal desprezo e sempre e muito.
Que mesmo em face do maior desencanto,
Ele se desencante mais do meu destrato.
Quero revê-lo em cada triste momento.
E em louvor a seu pesar hei de espalhar meu canto,
E rir meu riso e não mais derramar meu pranto.
À sua dor ou seu descontentamento.
E assim quando vier a mim
Quem sabe a morte, único escape de quem sofre,
Quem sabe a desilusão, fim de quem ama.
Eu possa dizer do infeliz (que tive),
Que sejas triste, posto que me traíste.
E que essa dor te dilacere enquanto dure.
Disponível em: http://rodolfopamplonafilho.blogspot.com.br/2012/06/soneto-de-infidelidade.html. Acesso em:
04/04/15, às 09h39min.
MÚSICA:
♪♪AMOR E SEXO♪♪
26
(Rita Lee)
Amor é um livro
Sexo é esporte
Sexo é escolha
Amor é sorte
Amor é pensamento
Teorema
Amor é novela
Sexo é cinema
Sexo é imaginação
Fantasia
Amor é prosa
Sexo é poesia
O amor nos torna
Patéticos
Sexo é uma selva
De epiléticos
Amor é cristão
Sexo é pagão
Amor é latifúndio
Sexo é invasão
27
Amor é divino
Sexo é animal
Amor é bossa nova
Sexo é carnaval
Oh! Oh! Uh!
Amor é para sempre
Sexo também
Sexo é do bom
Amor é do bem
Amor sem sexo
É amizade
Sexo sem amor
É vontade
Amor é um
Sexo é dois
Sexo antes
Amor depois
Sexo vem dos outros
E vai embora
Amor vem de nós
E demora
Amor é cristão
Sexo é pagão
Amor é latifúndio
Sexo é invasão
Amor é divino
Sexo é animal
Amor é bossa nova
Sexo é carnaval
Oh! Oh! Oh!
Amor é isso
Sexo é aquilo
E coisa e tal
E tal e coisa
Uh! Uh! Uh!
Ai o amor
Hum! O sexo
28
Disponível em: http://letras.mus.br/rita-lee/74440/. Acesso em: 04/04/15, às 09h47min.
AMOR, ATRAÇÃO CARNAL
(Jairo Nunes Bezerra)
Amando-te gostaria de sugar os teus lábios,
Seria o momento de beijo prolongado...
Infelizmente são sonhos... São desvarios...
De um corpo febril e excitado!
Tal desejo me faz sofrer tendo-te à distância,
De ti desejando aproximação...
De possuístes há relutância,
Seria de teu santuário a invasão!
Quedo-me pensativo cheio de sensualidade,
Desejando abraçar-te com versatilidade
Unindo-nos num único corpo!
Fico concentrado em minhas fantasias,
Desejava os teus afagos e muito mais queria,
Embora já vítima de sufoco!
29
Disponível em: http://www.luso-poemas.net/modules/news/article.php?storyid=268590.
Acesso em: 04/04/15, às 09h54min.
MÚSICA:
♪♪EU SEI QUE VOU TE AMAR♪♪
(Maria Creuza/ Vinícius de Moraes)
Eu sei que vou te amar
Por toda a minha vida eu vou te amar
Em cada despedida eu vou te amar
Desesperadamente eu sei que vou te amar
E cada verso meu será pra te dizer
Que eu sei que vou te amar
Por toda a minha vida
Eu sei que vou chorar
A cada ausência tua eu vou chorar
Mas cada volta tua há de apagar
O que essa ausência tua me causou
Eu sei que vou sofrer
A eterna desventura de viver
A espera de viver ao lado teu
Por toda a minha vida
Disponível em: http://letras.mus.br/maria-creuza/777077/. Acesso em: 04/04/15, às 10h01min.
30
O MITO DO AMOR ROMÂNTICO
(Morgan Scott Peck)
Para servir assim tão bem para nos apanhar no casamento, a experiência de se
apaixonar tem provavelmente como uma das suas características a ilusão de que a
experiência irá durar sempre. Esta ilusão é fomentada na nossa cultura pelo mito
vulgarmente cultivado do amor romântico, que tem as suas origens nas nossas histórias
infantis favoritas, em que o príncipe e a princesa, uma vez unidos, vivem felizes para
sempre. O mito do amor romântico diz-nos, com efeito, que para cada rapaz no
mundo há uma rapariga que “foi feita para ele” e vice-versa. Além disso, o mito implica
que há um só homem destinado a uma mulher e uma só mulher para um homem e
que isso foi predeterminado “nas estrelas”.
Quando conhecemos a pessoa a quem estamos destinados, o reconhecimento
advém do facto de nos apaixonarmos. Encontramos a pessoa a quem os céus nos
tinham destinado, e uma vez que a união é perfeita, seremos capazes de satisfazer as
necessidades um do outro para sempre, e, portanto viver felizes para sempre em
perfeita união e harmonia. Se acontecer, no entanto, não satisfazermos ou não irmos
de encontro a todas as necessidades um do outro surgem atritos e desapaixonamo-nos.
Está claro que cometemos um erro terrível, interpretamos as estrelas erradamente, não
nos entendemos com o nosso único par perfeito, o que pensámos ser amor não era
31
amor real ou “verdadeiro”, e não há nada a fazer quanto à situação a não ser viver
infelizes para sempre ou obter o divórcio.
Embora eu pense que, de um modo geral, os grandes mitos são grandes
precisamente porque representam e incorporam grandes verdades universais (serão
explorados vários destes mitos mais adiante neste livro), o mito do amor romântico é
uma terrível mentira. Talvez seja uma mentira necessária por assegurar a sobrevivência
da espécie, por estimular e validar convenientemente a experiência de nos
apaixonarmos que nos leva ao casamento. Mas, como psiquiatra, o meu coração chora
quase todos os dias pela horrível confusão e sofrimento que este mito gera. Milhões de
pessoas desperdiçam enormes quantidades de energia tentando desesperada e
futilmente fazer com que a realidade das suas vidas se ajuste à irrealidade do mito.
A Sra. A submete-se absurdamente ao marido devido a um sentimento de culpa.
“Eu não amava verdadeiramente o meu marido quando nos casamos,” diz ela. “Fingia
que sim. Acho que o enganei para se casar comigo, portanto não tenho o direito de me
queixar dele, e devo-lhe fazer tudo o que ele quiser.” O Sr. B lamenta: “Estou
arrependido de não me ter casado com a Menina C. Penso que poderíamos ter tido
um bom casamento. Mas não me sentia perdidamente apaixonado por ela, portanto
parti do princípio que ela não era a pessoa certa para mim.” A Sra. D, casada há dois
anos, fica gravemente deprimida sem causa aparente e começa a fazer terapia,
afirmando: “Não sei o que se passa de errado. Tenho tudo o que preciso, incluindo
um bom casamento.” Só meses mais tarde consegue aceitar o fato de se ter
desapaixonado do marido, mas que isso não significa que tenha cometido um horrível
erro. O Sr. E, também casado há dois anos, começa a sofrer de dores de cabeça
intensas à noite e não acredita que sejam psicossomáticas. “A minha vida doméstica
corre bem. Amo tanto a minha mulher como no dia em que casei com ela. Ela é tudo
o que eu sempre quis.” Mas as dores de cabeça continuaram até que, um ano mais
tarde, conseguiu admitir, “Ela dá-me cabo da cabeça porque está sempre a querer,
querer, querer coisas sem se preocupar com o meu ordenado,” e foi então capaz de à
confrontar com a sua extravagância. O Sr. e a Sra. F reconhecem que deixaram de
estar apaixonados e passam a fazer-se infelizes um ao outro por mútua infidelidade
32
galopante à medida que procuram o “verdadeiro amor”, sem se aperceberem que o
seu próprio reconhecimento podia marcar o início da obra do seu casamento em vez
do fim.
Mesmo quando os casais reconhecem que a lua-de-mel terminou, que já não estão
romanticamente apaixonados um pelo outro e ainda conseguem empenhar-se na sua
relação, continuam a agarrar-se ao mito e tentam adaptar-lhe às suas vidas. “Apesar de
já não estarmos apaixonados, se agirmos por força de vontade como se estivéssemos
apaixonados, pode ser que o amor romântico regresse às nossas vidas,” segundo o seu
raciocínio. Estes casais privilegiam o estar juntos. Quando iniciam a terapia de grupo
para casais (que é o cenário em que a minha mulher e eu e os nossos colegas mais
próximos exercemos o aconselhamento matrimonial mais crítico), sentam-se juntos,
falam um pelo outro, defendem os defeitos um do outro e tentam apresentar ao resto
do grupo uma frente unida, acreditando que esta unidade seja um sinal de saúde
relativa do seu casamento e um pré-requisito para a sua melhoria.
Mais cedo ou mais tarde, normalmente mais cedo, temos que dizer à maior parte
dos casais que estão demasiado casados, demasiado próximos, e que têm de
estabelecer alguma distância psicológica entre si antes de começarem a tratar
construtivamente os seus problemas. Por vezes, é mesmo necessário separá-los
fisicamente, dando-lhes instruções para se sentarem longe um do outro no círculo do
grupo. Repetidamente, temos que dizer, “Deixe a Mary falar por si própria, John” e
“O John é capaz de se defender, Mary, é suficientemente forte.”
Por fim, se continuam na terapia, todos os casais aprendem que a verdadeira
aceitação da sua própria individualidade e da do outro e a independência são as únicas
fundações sobre as quais se pode basear um casamento adulto e o verdadeiro amor
pode crescer.”
Disponível em: http://www.libertas.com.br/libertas/o-mito-do-amor-romantico/. Acesso em:
04/04/15, às 10h13min.
BLOCO DE ANOTAÇÕES:
33
____________________________________________________________
____________________________________________________________
____________________________________________________________
____________________________________________________________
____________________________________________________________
____________________________________________________________
____________________________________________________________
____________________________________________________________
____________________________________________________________
____________________________________________________________
____________________________________________________________
____________________________________________________________
____________________________________________________________
____________________________________________________________
____________________________________________________________
____________________________________________________________
____________________________________________________________
____________________________________________________________
____________________________________________________________
____________________________________________________________
____________________________________________________________
____________________________________________________________

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Vinícius+de+moraes
Vinícius+de+moraesVinícius+de+moraes
Vinícius+de+moraes
Lílian Alves
 
Suplemento Acre 1ª edição janeiro março 2012
 Suplemento Acre 1ª edição janeiro março 2012 Suplemento Acre 1ª edição janeiro março 2012
Suplemento Acre 1ª edição janeiro março 2012
AMEOPOEMA Editora
 
Mensagem power-point-slides-mensagens-de-amor
Mensagem power-point-slides-mensagens-de-amorMensagem power-point-slides-mensagens-de-amor
Mensagem power-point-slides-mensagens-de-amor
willianbahia
 
Livro de poemas dos alunos do 8º Ano C e D, do Bartolomeu
Livro de poemas  dos alunos do 8º Ano C e D, do BartolomeuLivro de poemas  dos alunos do 8º Ano C e D, do Bartolomeu
Livro de poemas dos alunos do 8º Ano C e D, do Bartolomeu
Paulo Sérgio
 
Vida por detrás dos conflitos
Vida por detrás dos conflitosVida por detrás dos conflitos
Vida por detrás dos conflitos
MARCELINO SANTOS
 
1minutocomdeus
1minutocomdeus1minutocomdeus
1minutocomdeus
miqueletti
 
Iv. emma b day
Iv. emma b dayIv. emma b day
Iv. emma b day
barbbessa
 
Revista Gente De Palavra nº 33 * Antonio Cabral Filho - RJ
Revista Gente De Palavra nº 33 * Antonio Cabral Filho - RJRevista Gente De Palavra nº 33 * Antonio Cabral Filho - RJ
Revista Gente De Palavra nº 33 * Antonio Cabral Filho - RJ
ANTONIO CABRAL FILHO
 
Acre e-book nº 023 (outubro, novembro, dezembro 2021)
Acre e-book nº 023 (outubro, novembro, dezembro 2021)Acre e-book nº 023 (outubro, novembro, dezembro 2021)
Acre e-book nº 023 (outubro, novembro, dezembro 2021)
AMEOPOEMA Editora
 
Carlos drummond de andrade
Carlos drummond de andradeCarlos drummond de andrade
Carlos drummond de andrade
Fabi
 
Artur azevedo a dívida
Artur azevedo   a dívidaArtur azevedo   a dívida
Artur azevedo a dívida
Tulipa Zoá
 
Romantismo 2 fase
Romantismo 2 faseRomantismo 2 fase
Romantismo 2 fase
Eltonconceio3
 
AFETOS DE AMOR
AFETOS DE AMORAFETOS DE AMOR
AFETOS DE AMOR
Andreruiz Ruiz
 
Os dilemas de vinil
Os dilemas de vinilOs dilemas de vinil
Os dilemas de vinil
Eduardo Rogério de Oliveira
 
O jornalista-assassino-lous-rondon-arial12-letter-margin1
O jornalista-assassino-lous-rondon-arial12-letter-margin1O jornalista-assassino-lous-rondon-arial12-letter-margin1
O jornalista-assassino-lous-rondon-arial12-letter-margin1
lousrondon
 
Portifolio Carolina Oliveira
Portifolio Carolina OliveiraPortifolio Carolina Oliveira
Portifolio Carolina Oliveira
Gusmachado
 
Amor
AmorAmor

Mais procurados (17)

Vinícius+de+moraes
Vinícius+de+moraesVinícius+de+moraes
Vinícius+de+moraes
 
Suplemento Acre 1ª edição janeiro março 2012
 Suplemento Acre 1ª edição janeiro março 2012 Suplemento Acre 1ª edição janeiro março 2012
Suplemento Acre 1ª edição janeiro março 2012
 
Mensagem power-point-slides-mensagens-de-amor
Mensagem power-point-slides-mensagens-de-amorMensagem power-point-slides-mensagens-de-amor
Mensagem power-point-slides-mensagens-de-amor
 
Livro de poemas dos alunos do 8º Ano C e D, do Bartolomeu
Livro de poemas  dos alunos do 8º Ano C e D, do BartolomeuLivro de poemas  dos alunos do 8º Ano C e D, do Bartolomeu
Livro de poemas dos alunos do 8º Ano C e D, do Bartolomeu
 
Vida por detrás dos conflitos
Vida por detrás dos conflitosVida por detrás dos conflitos
Vida por detrás dos conflitos
 
1minutocomdeus
1minutocomdeus1minutocomdeus
1minutocomdeus
 
Iv. emma b day
Iv. emma b dayIv. emma b day
Iv. emma b day
 
Revista Gente De Palavra nº 33 * Antonio Cabral Filho - RJ
Revista Gente De Palavra nº 33 * Antonio Cabral Filho - RJRevista Gente De Palavra nº 33 * Antonio Cabral Filho - RJ
Revista Gente De Palavra nº 33 * Antonio Cabral Filho - RJ
 
Acre e-book nº 023 (outubro, novembro, dezembro 2021)
Acre e-book nº 023 (outubro, novembro, dezembro 2021)Acre e-book nº 023 (outubro, novembro, dezembro 2021)
Acre e-book nº 023 (outubro, novembro, dezembro 2021)
 
Carlos drummond de andrade
Carlos drummond de andradeCarlos drummond de andrade
Carlos drummond de andrade
 
Artur azevedo a dívida
Artur azevedo   a dívidaArtur azevedo   a dívida
Artur azevedo a dívida
 
Romantismo 2 fase
Romantismo 2 faseRomantismo 2 fase
Romantismo 2 fase
 
AFETOS DE AMOR
AFETOS DE AMORAFETOS DE AMOR
AFETOS DE AMOR
 
Os dilemas de vinil
Os dilemas de vinilOs dilemas de vinil
Os dilemas de vinil
 
O jornalista-assassino-lous-rondon-arial12-letter-margin1
O jornalista-assassino-lous-rondon-arial12-letter-margin1O jornalista-assassino-lous-rondon-arial12-letter-margin1
O jornalista-assassino-lous-rondon-arial12-letter-margin1
 
Portifolio Carolina Oliveira
Portifolio Carolina OliveiraPortifolio Carolina Oliveira
Portifolio Carolina Oliveira
 
Amor
AmorAmor
Amor
 

Destaque

Módulo 17: A arte de Adultecer
Módulo 17: A arte de AdultecerMódulo 17: A arte de Adultecer
Módulo 17: A arte de Adultecer
Pibid-Letras Córdula
 
Módulo avulso - A arte de Adultecer
Módulo avulso - A arte de AdultecerMódulo avulso - A arte de Adultecer
Módulo avulso - A arte de Adultecer
Pibid-Letras Córdula
 
Módulo - Literatura marginal
Módulo - Literatura marginalMódulo - Literatura marginal
Módulo - Literatura marginal
Pibid-Letras Córdula
 
Sequência - Literatura marginal
Sequência - Literatura marginalSequência - Literatura marginal
Sequência - Literatura marginal
Pibid-Letras Córdula
 
Sequência - As várias faces do amor
Sequência - As várias faces do amorSequência - As várias faces do amor
Sequência - As várias faces do amor
Pibid-Letras Córdula
 
Módulo avulso - Literatura marginal
Módulo avulso - Literatura marginalMódulo avulso - Literatura marginal
Módulo avulso - Literatura marginal
Pibid-Letras Córdula
 
Módulo 19 - IDENTIDADE FEMININA: ATUAÇÃO E REPRESENTAÇÃO DA MULHER
Módulo 19 - IDENTIDADE FEMININA: ATUAÇÃO E REPRESENTAÇÃO DA MULHERMódulo 19 - IDENTIDADE FEMININA: ATUAÇÃO E REPRESENTAÇÃO DA MULHER
Módulo 19 - IDENTIDADE FEMININA: ATUAÇÃO E REPRESENTAÇÃO DA MULHER
Pibid-Letras Córdula
 
Módulo 16 as fases da vida: relação entre família e sociedade
Módulo 16   as fases da vida: relação entre família e sociedadeMódulo 16   as fases da vida: relação entre família e sociedade
Módulo 16 as fases da vida: relação entre família e sociedade
Pibid-Letras Córdula
 
Sequência 16 as fases da vida - relação entre família e sociedade
Sequência 16   as fases da vida - relação entre família e sociedadeSequência 16   as fases da vida - relação entre família e sociedade
Sequência 16 as fases da vida - relação entre família e sociedade
Pibid-Letras Córdula
 
Sequência Didática - A arte de Adultecer 2016.1
Sequência Didática - A arte de Adultecer 2016.1Sequência Didática - A arte de Adultecer 2016.1
Sequência Didática - A arte de Adultecer 2016.1
Pibid-Letras Córdula
 

Destaque (10)

Módulo 17: A arte de Adultecer
Módulo 17: A arte de AdultecerMódulo 17: A arte de Adultecer
Módulo 17: A arte de Adultecer
 
Módulo avulso - A arte de Adultecer
Módulo avulso - A arte de AdultecerMódulo avulso - A arte de Adultecer
Módulo avulso - A arte de Adultecer
 
Módulo - Literatura marginal
Módulo - Literatura marginalMódulo - Literatura marginal
Módulo - Literatura marginal
 
Sequência - Literatura marginal
Sequência - Literatura marginalSequência - Literatura marginal
Sequência - Literatura marginal
 
Sequência - As várias faces do amor
Sequência - As várias faces do amorSequência - As várias faces do amor
Sequência - As várias faces do amor
 
Módulo avulso - Literatura marginal
Módulo avulso - Literatura marginalMódulo avulso - Literatura marginal
Módulo avulso - Literatura marginal
 
Módulo 19 - IDENTIDADE FEMININA: ATUAÇÃO E REPRESENTAÇÃO DA MULHER
Módulo 19 - IDENTIDADE FEMININA: ATUAÇÃO E REPRESENTAÇÃO DA MULHERMódulo 19 - IDENTIDADE FEMININA: ATUAÇÃO E REPRESENTAÇÃO DA MULHER
Módulo 19 - IDENTIDADE FEMININA: ATUAÇÃO E REPRESENTAÇÃO DA MULHER
 
Módulo 16 as fases da vida: relação entre família e sociedade
Módulo 16   as fases da vida: relação entre família e sociedadeMódulo 16   as fases da vida: relação entre família e sociedade
Módulo 16 as fases da vida: relação entre família e sociedade
 
Sequência 16 as fases da vida - relação entre família e sociedade
Sequência 16   as fases da vida - relação entre família e sociedadeSequência 16   as fases da vida - relação entre família e sociedade
Sequência 16 as fases da vida - relação entre família e sociedade
 
Sequência Didática - A arte de Adultecer 2016.1
Sequência Didática - A arte de Adultecer 2016.1Sequência Didática - A arte de Adultecer 2016.1
Sequência Didática - A arte de Adultecer 2016.1
 

Semelhante a Módulo: As várias faces do amor

Amor Virtual
Amor VirtualAmor Virtual
Amor Virtual
Claudiaverone
 
Amar pode dar_certo_-_roberto_shinyashiki
Amar pode dar_certo_-_roberto_shinyashikiAmar pode dar_certo_-_roberto_shinyashiki
Amar pode dar_certo_-_roberto_shinyashiki
Flávia oliveira
 
513539763-Amar-Desamar-Amar-de-Novo-Marcos-Lacerda.pdf
513539763-Amar-Desamar-Amar-de-Novo-Marcos-Lacerda.pdf513539763-Amar-Desamar-Amar-de-Novo-Marcos-Lacerda.pdf
513539763-Amar-Desamar-Amar-de-Novo-Marcos-Lacerda.pdf
AnaMariaVasconcelos3
 
Declaracao de vida
Declaracao de vidaDeclaracao de vida
Declaracao de vida
Mensagens Virtuais
 
Declaracao de vida
Declaracao de vidaDeclaracao de vida
Declaracao de vida
Mensagens Virtuais
 
Mil beijos em frases
Mil beijos em frasesMil beijos em frases
Mil beijos em frases
Paulo César Félix Cassiano
 
á Descoberta Da Sexualidade
á Descoberta Da Sexualidadeá Descoberta Da Sexualidade
á Descoberta Da Sexualidade
veronicasilva
 
Eu te amo e não sei ate quando te amarei
Eu te amo e não sei ate quando te amareiEu te amo e não sei ate quando te amarei
Eu te amo e não sei ate quando te amarei
55443
 
Como vai voce
Como vai voceComo vai voce
Como vai voce
Fer Nanda
 
Amor na internet
Amor na internetAmor na internet
Amor na internet
Mensagens Virtuais
 
A alegria de ouvir eu te amo
A alegria de ouvir eu te amoA alegria de ouvir eu te amo
A alegria de ouvir eu te amo
Mensagens Virtuais
 
Alegria De Ouvir Eu Te Amo
Alegria De Ouvir Eu Te AmoAlegria De Ouvir Eu Te Amo
Alegria De Ouvir Eu Te Amo
Ivone Lage
 
Alegriadeouvirteamo
AlegriadeouvirteamoAlegriadeouvirteamo
Alegriadeouvirteamo
Rosa Silva
 
TEXTOS CRIATIVOS DA EJA - 2009
TEXTOS CRIATIVOS DA EJA - 2009TEXTOS CRIATIVOS DA EJA - 2009
TEXTOS CRIATIVOS DA EJA - 2009
Iva Pavan
 
Recanto das letras carol
Recanto das letras   carolRecanto das letras   carol
Recanto das letras carol
Rui da Silveira Cruz Ventura
 
Esse cara sou eu...
Esse cara sou eu...  Esse cara sou eu...
Esse cara sou eu...
Adailton Teixeira
 
Beijar, transar e largar
Beijar, transar e largarBeijar, transar e largar
Beijar, transar e largar
Jean Francesco
 
Eiii gostosoo
Eiii gostosooEiii gostosoo
Eiii gostosoo
guestc928b02
 
Sindrome Da Solidao
Sindrome Da SolidaoSindrome Da Solidao
Sindrome Da Solidao
LF Martins
 
Poemas e versos 2014
Poemas e versos   2014Poemas e versos   2014
Poemas e versos 2014
Dalva Santos
 

Semelhante a Módulo: As várias faces do amor (20)

Amor Virtual
Amor VirtualAmor Virtual
Amor Virtual
 
Amar pode dar_certo_-_roberto_shinyashiki
Amar pode dar_certo_-_roberto_shinyashikiAmar pode dar_certo_-_roberto_shinyashiki
Amar pode dar_certo_-_roberto_shinyashiki
 
513539763-Amar-Desamar-Amar-de-Novo-Marcos-Lacerda.pdf
513539763-Amar-Desamar-Amar-de-Novo-Marcos-Lacerda.pdf513539763-Amar-Desamar-Amar-de-Novo-Marcos-Lacerda.pdf
513539763-Amar-Desamar-Amar-de-Novo-Marcos-Lacerda.pdf
 
Declaracao de vida
Declaracao de vidaDeclaracao de vida
Declaracao de vida
 
Declaracao de vida
Declaracao de vidaDeclaracao de vida
Declaracao de vida
 
Mil beijos em frases
Mil beijos em frasesMil beijos em frases
Mil beijos em frases
 
á Descoberta Da Sexualidade
á Descoberta Da Sexualidadeá Descoberta Da Sexualidade
á Descoberta Da Sexualidade
 
Eu te amo e não sei ate quando te amarei
Eu te amo e não sei ate quando te amareiEu te amo e não sei ate quando te amarei
Eu te amo e não sei ate quando te amarei
 
Como vai voce
Como vai voceComo vai voce
Como vai voce
 
Amor na internet
Amor na internetAmor na internet
Amor na internet
 
A alegria de ouvir eu te amo
A alegria de ouvir eu te amoA alegria de ouvir eu te amo
A alegria de ouvir eu te amo
 
Alegria De Ouvir Eu Te Amo
Alegria De Ouvir Eu Te AmoAlegria De Ouvir Eu Te Amo
Alegria De Ouvir Eu Te Amo
 
Alegriadeouvirteamo
AlegriadeouvirteamoAlegriadeouvirteamo
Alegriadeouvirteamo
 
TEXTOS CRIATIVOS DA EJA - 2009
TEXTOS CRIATIVOS DA EJA - 2009TEXTOS CRIATIVOS DA EJA - 2009
TEXTOS CRIATIVOS DA EJA - 2009
 
Recanto das letras carol
Recanto das letras   carolRecanto das letras   carol
Recanto das letras carol
 
Esse cara sou eu...
Esse cara sou eu...  Esse cara sou eu...
Esse cara sou eu...
 
Beijar, transar e largar
Beijar, transar e largarBeijar, transar e largar
Beijar, transar e largar
 
Eiii gostosoo
Eiii gostosooEiii gostosoo
Eiii gostosoo
 
Sindrome Da Solidao
Sindrome Da SolidaoSindrome Da Solidao
Sindrome Da Solidao
 
Poemas e versos 2014
Poemas e versos   2014Poemas e versos   2014
Poemas e versos 2014
 

Mais de Pibid-Letras Córdula

Clic cordel
Clic cordelClic cordel
Slide entre a espada e a rosa
Slide entre a espada e a rosaSlide entre a espada e a rosa
Slide entre a espada e a rosa
Pibid-Letras Córdula
 
Paisagens do Nordeste brasileiro
Paisagens do Nordeste brasileiroPaisagens do Nordeste brasileiro
Paisagens do Nordeste brasileiro
Pibid-Letras Córdula
 
Características gerais do texto dramático
Características gerais do texto dramáticoCaracterísticas gerais do texto dramático
Características gerais do texto dramático
Pibid-Letras Córdula
 
Módulo Didático: Luz, CLIC e Ação: A Reciprocidade Cultural entre a Literatur...
Módulo Didático: Luz, CLIC e Ação: A Reciprocidade Cultural entre a Literatur...Módulo Didático: Luz, CLIC e Ação: A Reciprocidade Cultural entre a Literatur...
Módulo Didático: Luz, CLIC e Ação: A Reciprocidade Cultural entre a Literatur...
Pibid-Letras Córdula
 
Módulo Didático: Ôxente! Isso aqui é Nordeste: Um passeio entre a Literatura ...
Módulo Didático: Ôxente! Isso aqui é Nordeste: Um passeio entre a Literatura ...Módulo Didático: Ôxente! Isso aqui é Nordeste: Um passeio entre a Literatura ...
Módulo Didático: Ôxente! Isso aqui é Nordeste: Um passeio entre a Literatura ...
Pibid-Letras Córdula
 
Sequência Didática: Luz, CLIC e Ação: a reciprocidade cultural entre a Litera...
Sequência Didática: Luz, CLIC e Ação: a reciprocidade cultural entre a Litera...Sequência Didática: Luz, CLIC e Ação: a reciprocidade cultural entre a Litera...
Sequência Didática: Luz, CLIC e Ação: a reciprocidade cultural entre a Litera...
Pibid-Letras Córdula
 
Sequência Didática: Ôxente! Isso Aqui é Nordeste: Um passeio entre a Literatu...
Sequência Didática: Ôxente! Isso Aqui é Nordeste: Um passeio entre a Literatu...Sequência Didática: Ôxente! Isso Aqui é Nordeste: Um passeio entre a Literatu...
Sequência Didática: Ôxente! Isso Aqui é Nordeste: Um passeio entre a Literatu...
Pibid-Letras Córdula
 
Sequência didática Identidade feminina (versão final)
Sequência didática   Identidade feminina (versão final)Sequência didática   Identidade feminina (versão final)
Sequência didática Identidade feminina (versão final)
Pibid-Letras Córdula
 
Florbela Espanca (DADOS BIOGRÁFICOS)
Florbela Espanca  (DADOS BIOGRÁFICOS)Florbela Espanca  (DADOS BIOGRÁFICOS)
Florbela Espanca (DADOS BIOGRÁFICOS)
Pibid-Letras Córdula
 
SLIDES CONTOS ATUALIZADOS
SLIDES CONTOS ATUALIZADOSSLIDES CONTOS ATUALIZADOS
SLIDES CONTOS ATUALIZADOS
Pibid-Letras Córdula
 
Elementos da narrativa 2016.2
Elementos da narrativa 2016.2Elementos da narrativa 2016.2
Elementos da narrativa 2016.2
Pibid-Letras Córdula
 
Dramatização clic entrevista a algumas personagens dos contos maravilhosos-
Dramatização clic   entrevista a algumas personagens dos contos maravilhosos-Dramatização clic   entrevista a algumas personagens dos contos maravilhosos-
Dramatização clic entrevista a algumas personagens dos contos maravilhosos-
Pibid-Letras Córdula
 
Artigo de opinião - Aspectos gerais
Artigo de opinião - Aspectos geraisArtigo de opinião - Aspectos gerais
Artigo de opinião - Aspectos gerais
Pibid-Letras Córdula
 
Slide - Profissões antigas
Slide - Profissões antigas Slide - Profissões antigas
Slide - Profissões antigas
Pibid-Letras Córdula
 
Artigo de opinião - SLIDE
Artigo de opinião - SLIDEArtigo de opinião - SLIDE
Artigo de opinião - SLIDE
Pibid-Letras Córdula
 
AS FASES DA VIDA - TIPOS DE VIOLÊNCIA
AS FASES DA VIDA - TIPOS DE VIOLÊNCIAAS FASES DA VIDA - TIPOS DE VIOLÊNCIA
AS FASES DA VIDA - TIPOS DE VIOLÊNCIA
Pibid-Letras Córdula
 
FASES DA VIDA - TIPOS DE FAMÍLIA
FASES DA VIDA - TIPOS DE FAMÍLIAFASES DA VIDA - TIPOS DE FAMÍLIA
FASES DA VIDA - TIPOS DE FAMÍLIA
Pibid-Letras Córdula
 
FASES - CHARGE
FASES - CHARGEFASES - CHARGE
FASES - CHARGE
Pibid-Letras Córdula
 
FASES DA VIDA - CASAMENTO
FASES DA VIDA - CASAMENTOFASES DA VIDA - CASAMENTO
FASES DA VIDA - CASAMENTO
Pibid-Letras Córdula
 

Mais de Pibid-Letras Córdula (20)

Clic cordel
Clic cordelClic cordel
Clic cordel
 
Slide entre a espada e a rosa
Slide entre a espada e a rosaSlide entre a espada e a rosa
Slide entre a espada e a rosa
 
Paisagens do Nordeste brasileiro
Paisagens do Nordeste brasileiroPaisagens do Nordeste brasileiro
Paisagens do Nordeste brasileiro
 
Características gerais do texto dramático
Características gerais do texto dramáticoCaracterísticas gerais do texto dramático
Características gerais do texto dramático
 
Módulo Didático: Luz, CLIC e Ação: A Reciprocidade Cultural entre a Literatur...
Módulo Didático: Luz, CLIC e Ação: A Reciprocidade Cultural entre a Literatur...Módulo Didático: Luz, CLIC e Ação: A Reciprocidade Cultural entre a Literatur...
Módulo Didático: Luz, CLIC e Ação: A Reciprocidade Cultural entre a Literatur...
 
Módulo Didático: Ôxente! Isso aqui é Nordeste: Um passeio entre a Literatura ...
Módulo Didático: Ôxente! Isso aqui é Nordeste: Um passeio entre a Literatura ...Módulo Didático: Ôxente! Isso aqui é Nordeste: Um passeio entre a Literatura ...
Módulo Didático: Ôxente! Isso aqui é Nordeste: Um passeio entre a Literatura ...
 
Sequência Didática: Luz, CLIC e Ação: a reciprocidade cultural entre a Litera...
Sequência Didática: Luz, CLIC e Ação: a reciprocidade cultural entre a Litera...Sequência Didática: Luz, CLIC e Ação: a reciprocidade cultural entre a Litera...
Sequência Didática: Luz, CLIC e Ação: a reciprocidade cultural entre a Litera...
 
Sequência Didática: Ôxente! Isso Aqui é Nordeste: Um passeio entre a Literatu...
Sequência Didática: Ôxente! Isso Aqui é Nordeste: Um passeio entre a Literatu...Sequência Didática: Ôxente! Isso Aqui é Nordeste: Um passeio entre a Literatu...
Sequência Didática: Ôxente! Isso Aqui é Nordeste: Um passeio entre a Literatu...
 
Sequência didática Identidade feminina (versão final)
Sequência didática   Identidade feminina (versão final)Sequência didática   Identidade feminina (versão final)
Sequência didática Identidade feminina (versão final)
 
Florbela Espanca (DADOS BIOGRÁFICOS)
Florbela Espanca  (DADOS BIOGRÁFICOS)Florbela Espanca  (DADOS BIOGRÁFICOS)
Florbela Espanca (DADOS BIOGRÁFICOS)
 
SLIDES CONTOS ATUALIZADOS
SLIDES CONTOS ATUALIZADOSSLIDES CONTOS ATUALIZADOS
SLIDES CONTOS ATUALIZADOS
 
Elementos da narrativa 2016.2
Elementos da narrativa 2016.2Elementos da narrativa 2016.2
Elementos da narrativa 2016.2
 
Dramatização clic entrevista a algumas personagens dos contos maravilhosos-
Dramatização clic   entrevista a algumas personagens dos contos maravilhosos-Dramatização clic   entrevista a algumas personagens dos contos maravilhosos-
Dramatização clic entrevista a algumas personagens dos contos maravilhosos-
 
Artigo de opinião - Aspectos gerais
Artigo de opinião - Aspectos geraisArtigo de opinião - Aspectos gerais
Artigo de opinião - Aspectos gerais
 
Slide - Profissões antigas
Slide - Profissões antigas Slide - Profissões antigas
Slide - Profissões antigas
 
Artigo de opinião - SLIDE
Artigo de opinião - SLIDEArtigo de opinião - SLIDE
Artigo de opinião - SLIDE
 
AS FASES DA VIDA - TIPOS DE VIOLÊNCIA
AS FASES DA VIDA - TIPOS DE VIOLÊNCIAAS FASES DA VIDA - TIPOS DE VIOLÊNCIA
AS FASES DA VIDA - TIPOS DE VIOLÊNCIA
 
FASES DA VIDA - TIPOS DE FAMÍLIA
FASES DA VIDA - TIPOS DE FAMÍLIAFASES DA VIDA - TIPOS DE FAMÍLIA
FASES DA VIDA - TIPOS DE FAMÍLIA
 
FASES - CHARGE
FASES - CHARGEFASES - CHARGE
FASES - CHARGE
 
FASES DA VIDA - CASAMENTO
FASES DA VIDA - CASAMENTOFASES DA VIDA - CASAMENTO
FASES DA VIDA - CASAMENTO
 

Último

Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
YeniferGarcia36
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
PatriciaZanoli
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 
Funções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prismaFunções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prisma
djincognito
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
AmiltonAparecido1
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
LILIANPRESTESSCUDELE
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Biblioteca UCS
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptxAVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AntonioVieira539017
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
todorokillmepls
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
profesfrancleite
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
lveiga112
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptxAula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
edivirgesribeiro1
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
Manuais Formação
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
Pastor Robson Colaço
 

Último (20)

Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 
Funções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prismaFunções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prisma
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptxAVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptxAula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
 

Módulo: As várias faces do amor

  • 1. UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID/LETRAS PROJETO: CLIC CULTURA, LITERATURA E CRIATIVIDADE: DO ERUDITO AO POPULAR PROFESSORES: ELOÍZA OLIVEIRA CHAVES FABIANA MARIA DOS SANTOS SOUZA JHONATHAN ANTONNY DE S. S. MACHADO LÍGIA ALBUQUERQUE QUEIROZ MONALISA BARBOZA SANTOS MÓDULO 14: AS VÁRIAS FACES DO AMOR ALUNO(A):________________________________________________ www.clicletras.blogspot.com
  • 2. 1 ATIVANDO A MENTE TEXTO BÍBLICO: I COR. 13 1 Ainda que eu fale a língua dos homens e dos anjos, se não tiver amor, serei como o sino que ressoa ou como o prato que retine. 2 Ainda que eu tenha o dom de profecia e saiba todos os mistérios e todo o conhecimento, e tenha uma fé capaz de mover montanhas, mas não tiver amor, nada serei. 3 Ainda que eu dê aos pobres tudo o que possuo e entregue o meu corpo para ser queimado, mas não tiver amor, nada disso me valerá. 4 O amor é paciente, o amor é bondoso. Não inveja, não se vangloria, não se orgulha. 5 Não maltrata, não procura seus interesses, não se ira facilmente, não guarda rancor. 6 O amor não se alegra com a injustiça, mas se alegra com a verdade. 7 Tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta. 8 O amor nunca perece; mas as profecias desaparecerão, as línguas cessarão, o conhecimento passará. 9 Pois em parte conhecemos e em parte profetizamos; 10 quando, porém, vier o que é perfeito, o que é imperfeito desaparecerá. 11 Quando eu era menino, falava como menino, pensava como menino e raciocinava como menino. Quando me tornei homem, deixei para trás as coisas de menino. 12 Agora, pois, vemos apenas um reflexo obscuro, como em espelho; mas, então, veremos face a face. Agora conheço em parte; então, conhecerei plenamente, da mesma forma como sou plenamente conhecido. 13 Assim, permanecem agora estas três: a fé, a esperança e o amor. O maior deles, porém, é o amor. Disponível em: https://www.bibliaonline.com.br/acf/1co/13. Acesso em: 03/04/15, às 17h53min. MÚSICA:
  • 3. 2 ♪♪PALPITE♪♪ (Vanessa Rangel) Tô com saudade de você Debaixo do meu cobertor E te arrancar suspiros Fazer amor Tô com saudade de você Na varanda em noite quente E o arrepio frio Que dá na gente Truque do desejo Guardo na boca O gosto do beijo Eu sinto a falta de você Me sinto só E aí! Será que você volta? Tudo à minha volta é triste E aí! O amor pode acontecer De novo pra você Palpite! Tô com saudade de você Do nosso banho de chuva Do calor na minha pele Da língua tua Tô com saudade de você Censurando o meu vestido As juras de amor Ao pé do ouvido Truque do desejo Guardo na boca O gosto do beijo Eu sinto a falta de você Me sinto só E aí! Será que você volta? Tudo à minha volta É triste E aí! O amor pode acontecer De novo pra você Palpite! E aí! Será que você volta? Tudo à minha volta É triste E aí! O amor pode acontecer De novo pra você Palpite! Disponível em: http://letras.mus.br/vanessa-rangel/6640/. Acesso em: 03/04/15, às 17h59min. SONETO DO AMIGO
  • 4. 3 (Vinícius de Moraes) Enfim, depois de tanto erro passado Tantas retaliações, tanto perigo Eis que ressurge noutro o velho amigo Nunca perdido, sempre reencontrado. É bom sentá-lo novamente ao lado Com olhos que contêm o olhar antigo Sempre comigo um pouco atribulado E como sempre singular comigo. Um bicho igual a mim, simples e humano Sabendo se mover e comover E a disfarçar com o meu próprio engano. O amigo: um ser que a vida não explica Que só se vai ao ver outro nascer E o espelho de minha alma multiplica...
  • 5. 4 Disponível em: http://pensador.uol.com.br/frase/NTQ1OTg/. Acesso em: 03/04/15, às 18h01min. MÚSICA: ♪♪AMOR VIRTUAL♪♪ (Sampa Crew) Como é que eu pude assim gostar de alguém Que só vejo de longe e nunca beijei Foi como uma luz forte e atração Foi como ver o sol em plena escuridão Me deixa ver você, liga o computador Me diz onde te encontrar que eu já vou Me deixa ver você, dançar de novo pra mim Vem cá, quero te conhecer Deixa eu abraçar você, deixa eu beijar você Meu amor virtual Quero sentir teu prazer, de um jeito natural Meu amor virtual Abra sua cam, o seu coração, me mostre todo o seu poder de sedução Só te conheço assim, por computador, me apaixonei e agora vivo essa dor
  • 6. 5 Queria te tocar, te acariciar, chega de tc, quero conversar Quem sabe te convencer, ao dizer, que não é virtual o que eu sinto por você O mundo hoje em dia até que tá legal Ciberneticamente tudo natural Mas namorar assim sem poder te tocar Ai já é querer demais não da pra agüentar Me deixa ver você, liga o computador Me diz onde te encontrar que eu já vou Me deixa ver você, dançar de novo pra mim Vem cá, quero te conhecer Deixa eu beijar você, deixa eu abraçar você Meu amor virtual Quero sentir teu prazer, de um jeito natural Meu amor virtual Essa história de amor, por computador, que era de prazer, hoje é de dor Posso sentir o perfume de sua pele,
  • 7. 6 cada vez que pela cam você se mexe Dançando e exibindo, toda sensualidade até parece que te tenho de verdade Me manda um e-mail, vem fazer contato, me faz sentir que realmente sou amado Deixa eu abraçar você, deixa eu beijar você Quero sentir teu prazer, de um jeito natural Meu amor virtual, meu amor virtual Meu amor virtual Disponível em: http://www.vagalume.com.br/sampa-crew/amor-virtual.html. Acesso em: 03/04/15, às 17h28min. QUANDO O AMOR “VIRTUAL” NÃO SE TORNA “REAL”... (Rosana Braga) Já recebi várias mensagens de leitores me pedindo para escrever sobre “amor virtual”, desses que um número cada vez maior de pessoas vive pela Internet, seja em salas de bate-papo, seja através de trocas de mensagens.
  • 8. 7 Mas somente agora, nem sei dizer porquê, senti-me realmente inspirada a escrever sobre este “admirável mundo novo”... Os meios estão cada vez mais sofisticados e práticos. Os perfis permitem cada vez mais dados. Além dos antigos – e quase ultrapassados (?) e-mails – agora tem também Orkut, MSN, Skype, câmera, entre outras ferramentas que nos dão a nítida sensação de estar cada vez mais perto do outro, seja este outro quem for e esteja ele onde estiver... Não quero cair na tentação de dizer que tudo isso é ótimo somente quando se trata de relações profissionais e até de amizades; talvez eu realmente esteja sendo teimosa em não querer acreditar que o amor possa mesmo invadir a virtualidade, ultrapassar tempo e espaço e inundar corações que não se sabem onde, nem quem, nem quando... talvez amanhã, talvez nunca... talvez sempre, sem nunca ter sido... Então, para não radicalizar, tentarei explicar minhas razões, até porque – confesso! – eu mesma, numa outra época, já experimentei o feitiço desta rede virtual que consegue render corações por intermináveis esperas de uma simples e absoluta mensagem... Hoje, realmente tenho os dois pés atrás. Eu sei, você pode alegar: “mas eu conheço casais que se conheceram pela Internet e estão juntos até hoje...”. Muito bem! Eu também conheço, de verdade! Entretanto, conto-os nos dedos de uma única mão, enquanto não me são suficientes os 20 que tenho para falar dos casos que já ouvi sobre dor, lágrimas, decepção, ressentimentos, ansiedade, insegurança, reforço de baixa auto-estima, entre outros sentimentos que me fazem considerar arriscado e inconsistente demais tal caminho para o amor... Sem contar que, definitivamente, aposto muito mais em tudo o que não é possível através da tela do computador. Creio na sutileza do encontro, olhos nos olhos, sorrisos se abraçando, palavras se buscando, um palpitar que tem força para indicar uma direção, coisa que pela Internet fica vago demais, vulnerável demais, perdido demais.
  • 9. 8 A meu ver, toda a fragilidade das relações virtuais, ainda que cheias de declarações e juras de amor, se deve à facilidade que as pessoas têm de ser quem não são, ou quem gostariam de ser, mas não têm coragem nem se consideram capazes para tanto... Daí, as palavras são digitadas, mas não têm alma. Os sentimentos são descritos, mas não têm profundidade. Os encontros são idealizados, mas não têm força de realização, não têm disponibilidade suficiente para acontecerem... porque estão, sobretudo, impossibilitados pelo medo da rejeição, pelos exageros cometidos sem noção, pelas condições reais ignoradas em nome de desejos fugazes e proibidos... E assim, quem está do outro lado, mergulhado até o pescoço nesta fantasia, fica sem entender... Perguntando-se o que foi que houve, o que deu errado, o que poderia ter sido, vivido, sentido, compartilhado... sem nunca realmente ter ouvido sequer a respiração ofegante do outro em busca de um amor que pudesse ser real. E se eu pudesse dar um conselho, diria que os encontros virtuais podem ser ótimos começos, mas que não ocupem um lugar que não existe. É preciso torná-los reais o quanto antes, para que não se tornem repletos de expectativas quem nem um e nem outro podem suportar. O amor no singular é platônico, presente que se guarda no coração como jóia que se guarda na gaveta mais segura, trancada, onde ninguém vê. Se é amor no singular que você procura, talvez a Internet seja o lugar ideal. Porém, se é amor no plural, vivido entre dois corações que você deseja, este só é possível quando há o encontro. Que não seja hoje, mas tem de ser com dia e hora marcados... para que não se perca na ilusão da mente, tão desvairada num constante ir e vir de pensamentos contraditórios e suspeitos, vazios e, ao mesmo tempo, tão repletos de suas próprias dúvidas, tão sem mapas quando se trata de reconhecer os sentimentos. O amor segue pelo caminho real do coração e não da virtualidade inexistente. Disponível em: http://www.usinadeletras.com.br/exibelotexto.php?cod=34942&cat=Artigos&vinda=S. Acesso em: 04/04/15, às 10h53min.
  • 10. 9 CHARGE: “AMORES VIRTUAIS” PAUSA (Moacyr Scliar) Às sete horas o despertador tocou. Samuel saltou da cama, correu para o banheiro, fez a barba e lavou-se. Vestiu-se rapidamente e sem ruído. Estava na cozinha, preparando sanduíches, quando a mulher apareceu, bocejando: —Vais sair de novo, Samuel? Fez que sim com a cabeça. Embora jovem, tinha a fronte calva; mas as sobrancelhas eram espessas, a barba, embora recém- feita, deixava ainda no rosto uma sombra azulada. O conjunto era uma máscara escura. — Todos os domingos tu sais cedo — observou a mulher com azedume na voz. — Temos muito trabalho no escritório — disse o marido, secamente.
  • 11. 10 Ela olhou os sanduíches: —Por que não vens almoçar? — Já te disse: muito trabalho. Não há tempo. Levo um lanche. A mulher coçava a axila esquerda. Antes que voltasse à carga, Samuel pegou o chapéu: —Volto de noite. As ruas ainda estavam úmidas de cerração. Samuel tirou o carro da garagem. Guiava vagarosamente, ao longo do cais, olhando os guindastes, as barcaças atracadas. Estacionou o carro numa travessa quieta. Com o pacote de sanduíches debaixo do braço, caminhou apressadamente duas quadras. Detevese ao chegar a um hotel pequeno e sujo. Olhou para os lados e entrou furtivamente. Bateu com as chaves do carro no balcão, acordando um homenzinho que dormia sentado numa poltrona rasgada. Era o gerente. Esfregando os olhos, pôs-se de pé. —Ah! Seu Isidoro! Chegou mais cedo hoje. Friozinho bom este, não é? A gente.. —Estou com pressa, seu Raul!—atalhou Samuel. — Está bem, não vou atrapalhar. O de sempre. — Estendeu a chave. Samuel subiu quatro lanços de uma escada vacilante. Ao chegar ao último andar, duas mulheres gordas, de chambre floreado, olharam-no com curiosidade: —Aqui, meu bem!—uma gritou, e riu: um cacarejo curto. Ofegante, Samuel entrou no quarto e fechou a porta à chave. Era um aposento pequeno: uma cama de casal, um guarda roupa de pinho; a um canto, uma bacia cheia d'água, sobre um tripé. Samuel correu as cortinas esfarrapadas, tirou do bolso um despertador de viagem, deu corda e colocou-o na mesinha de cabeceira. Puxou a colcha e examinou os lençóis com o cenho franzido; com um suspiro, tirou o casaco e os sapatos, afrouxou a gravata. Sentadona cama, comeu vorazmente quatro sanduíches. Limpou os dedos no papel de embrulho, deitou-se e fechou os olhos. Dormiu. Em pouco, dormia. Lá embaixo, a cidade começava a mover-se: os automóveis buzinando, os jornaleiros gritando, os sons longínquos. Um raio de sol filtrou-se pela cortina, estampou um círculo luminoso no chão carcomido. Samuel dormia; sonhava. Nu, corria por uma planície imensa, perseguido por índio montado a cavalo. No quarto abafado ressoava o galope. No planalto da testa, nas colinas do ventre, no vale entre as pernas, corriam. Samuel mexia-se e resmungava. Às duas e meia da tarde sentiu uma dor lancinante nas costas. Sentou-se na cama, os olhos esbugalhados: o índio acabava de trespassá-lo com a lança. Esvaindo-se em sangue, molhado de suor, Samuel tombou lentamente; ouviu o apito soturno de um vapor. Depois, silêncio.
  • 12. 11 Às sete horas o despertador tocou. Samuel saltou da cama,correu para a bacia, lavou-se. Vestiu-se rapidamente e saiu. Sentado numa poltrona,o gerente lia uma revista. —Já vai, seu Isidoro? — Já — disse Samuel, entregando a chave. Pagou, conferiu o troco em silêncio. —Até domingo que vem, seu Isidoro — disse o gerente. —Não sei se virei—respondeu Samuel, olhando pela porta; a noite caía. — O senhor diz isto, mas volta sempre — observou o homem, rindo. Samuel saiu. Ao longo do cais, guiava lentamente. Parou, um instante, ficou olhando os guindastes recortados contra o céu avermelhado. Depois, seguiu para casa." Disponível em: http://materiaprimadosaber.blogspot.com.br/2013/06/v-behaviorurldefaultvmlo_16.html. Acesso em: 03/04/15, às 18h19min. HORA DA ATIVIDADE A PARTIR DA LEITURA DO TEXTO “PAUSA”, DÊ CONTINUADE AO MESMO CRIANDO UMA POSSÍVEL FINALIZAÇÃO: ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________
  • 13. 12 ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ AMOR PLATÔNICO (Chico Garcia) Amor platônico é juvenil, não importa a idade. É uma vulnerabilidade constante, insegurança para qualquer passo em direção à pessoa desejada. É uma certeza de que tudo pode e vai dar errado no momento em que tentarmos quebrar essa fria distância entre os corpos. Amor platônico é amor só no nome. Sentimento indecifrável, mais parecido com encantamento e ilusão. Ocorre pela vontade de se apaixonar. É a idealização da paixão num biotipo específico, a necessidade de projetar em alguém o desejo por ser feliz. Amor platônico sonha ser correspondido, e então desperta para uma realidade distante. Ele não me olha. Ela nem sabe meu nome. Sofremos com isso na escola, na adolescência, com o vizinho gato, com a prima impossível, mais velha e atraente. Mal conhecemos e já amamos. Amor na forma de falar, um amor totalmente condicional, que sobrevive apenas na fantasia da realidade. Platônico de Platão, que idealizava um amor sem cunho sexual. Da história, dos livros e da poesia para os dias de hoje. Um amor amador, que ainda tenta amadurecer, mas que vive uma efêmera eternidade. Sem sexo. Sem nexo. Ama-se pelo olhar, pelo jeito de passar a mão no cabelo, pelo barulho do salto alto no corredor. Ama-se pela calça jeans desbotada, pelo boné virado pra trás, pelo perfume que ficou na pele durante um abraço inesquecível quando fomos apresentados. Ama-se pela forma e não pelo conteúdo. Não conhecemos a história, tampouco os defeitos, porém amamos as qualidades que inventamos para aquela pessoa.
  • 14. 13 Um amor platônico será sempre platônico. Inalcançável. E é isso que o torna poético. A ilusão não conhece a dor. Enquanto sonharmos que podemos estar com aquela pessoa, existirá uma rasa felicidade - muito melhor do que uma profunda tristeza. Amor platônico é a certeza da dúvida. Descobrimos ali o quanto podemos nos entregar. É a nossa iniciação emocional. Amor platônico parece frio, mas não é. Aquece a nossa alma infante, revela como um sentimento pode ser tão puro e como podemos nos descobrir sempre um pouco mais. Amor platônico faz parte da vida. Ensina e alimenta o sonho de um dia sermos felizes no amor. Amor platônico faz a gente ter esperança, faz a gente amar antes mesmo do amor acontecer. Disponível em: http://chicogarcia.blogspot.com.br/2013/12/amor-platonico.html. Acesso em: 03/04/15, às 18h31min. MÚSICA: ♪♪APAIXONADO♪♪ (Luan Santana) Moreninha linda Se tu soubesses O quanto padece Quem tem amor Talvez não faria O que faz agora Quem te adora Não tem valor Não vivo sem ti Sem ti não sei viver Se eu perder seus beijos. Juro, querida, que vou morrer Vou sofrer por ti Por ti vou sofrer Se for meu destino Apaixonado quero morrer. Viajando solitário mergulhado na tristeza Numa curva da estrada eu tive uma surpresa Uma loira encantadora bonita por natureza Me pediu uma carona eu atendi com destreza Sentou bem pertinho de mim com muita delicadeza O meu carro foi o trono, eu passei a ser o dono da rainha da beleza. Foi o dia mais feliz que o meu coração sentiu Mas meu mundo encantado de repente destruiu
  • 15. 14 Ao ver a loura tremendo, gemendo e suando frio. Parei o carro depressa na travessia de um rio Enquanto eu fui buscar a água, que tão triste ela pediu Ouvi cantar os pneus e me dizendo adeus com meu carro ela sumiu. Somente um bilhetinho na estrada eu encontrei E quando acabei de ler emocionado eu fiquei No bilhete ela dizia por você me apaixonei. Só peço que me perdoe, o golpe que eu lhe dei Para alimentar a esperança o seu carro eu levarei Me perdoe por favor, quando me der seu amor o carro eu entregarei Quem estiver me ouvindo preste muita atenção O meu carro não tem placa mas vou dar a descrição É branco e tem uma loura charmosa na direção Dou o carro de presente a quem fizer a prisão Por ela ter roubado o carro já tem absolvição Mas vou lhe dar um castigo vai ter que viver comigo, Por roubar meu coração. Disponível em: http://letras.mus.br/luan-santana/1483635/. Acesso em: 03/04/15, às 18h38min. CONHEÇO CERTO HOMEM (Autor desconhecido) Conheço certo homem, ai formosa, Que por vossa causa vê chegada a sua morte; Vede quem é e lembrai-vos disso; Eu, minha senhora. Conheço certo homem que perto sente De si a morte chegada certamente;
  • 16. 15 Vede quem é e tende-o em mente; Eu, minha senhora. Conheço certo homem, escutai isto: Que por vós morre e vós desejais que ele parta; Vede quem é e não vos esqueçais dele; Eu, minha senhora. Disponível em: http://www.recantodasletras.com.br/poesias/3839090. Acesso em: 04/04/15, às 09h09min. ONDAS DO MAR DE VIGO (Autor desconhecido) Ondas do mar de Vigo, se vistes meu amigo? e ai Deus, se verrá cedo? Ondas do mar levado, se vistes meu amado? e ai Deus, se verrá cedo? Se vistes meu amigo, o por que eu sospiro? e ai Deus, se verrá cedo? Se vistes meu amado, o por que hei gram coidado? e ai Deus, se verrá cedo? Disponível em: http://cantigas.fcsh.unl.pt/cantiga.asp?cdcant=1308&pv=sim. Acesso em: 04/04/15, às 09h00min. DONA FEIA
  • 17. 16 (Autor desconhecido) Ai dona fea! Foste-vos queixar Que vos nunca louv'en meu trobar Mais ora quero fazer un cantar En que vos loarei toda via; E vedes como vos quero loar: Dona fea, velha e sandia! Ai dona fea! Se Deus mi pardon! E pois havedes tan gran coraçon Que vos eu loe en esta razon, Vos quero já loar toda via; E vedes qual será a loaçon: Dona fea, velha e sandia! Dona fea, nunca vos eu loei En meu trobar, pero muito trobei; Mais ora já en bom cantar farei En que vos loarei toda via; E direi-vos como vos loarei: Dona fea, velha e sandia! Disponível em: http://www.graudez.com.br/literatura/obras/jgguilhade.htm. Acesso em: 04/04/15, às 09h03min. A BELA ADORMECIDA
  • 18. 17 ERA UMA VEZ num reino distante, um rei e uma rainha que tiveram uma linda princesinha, a quem chamaram de Aurora. Para celebrar o seu nascimento, todas as fadas foram convidadas para madrinhas. Cada uma das fadas, como prenda, concedeu à princesinha um dom especial. Todas exceto uma, a fada má, que não foi convidada. Esta, sabendo que todas as outras fadas tinham sido convidadas para celebrar o nascimento da princesa Aurora, decidiu aparecer na mesma à festa e, em vez de lhe conceder um dom à pequena princesa, lançou-lhe uma maldição: - Princesa Aurora, no dia em que fizeres 15 anos irás picar-te num fuso e morrerás! Todos no castelo ficaram muito aflitos. Por sorte, havia uma fada boa que ainda não tinha concedido o seu desejo e, não podendo evitar que Aurora se viesse a picar num fuso, alterou o feitiço da fada má, de modo que a princesinha em vez de morrer, caísse num sono profundo. Este feitiço só poderia ser quebrado ao fim de cem anos, quando um príncipe que por lá passasse se apaixonasse pela princesa e a beijasse. Mesmo assim, o rei mandou destruir imediatamente todos os fusos e rocas que existiam no reino, para impedir que a sua filha se picasse. Os anos passaram e a vida continuou sem nenhuma agitação, tornando-se a maldição apenas uma má lembrança.
  • 19. 18 No dia do seu décimo quinto aniversário a princesa, que brincava no jardim, é estranhamente atraída para a floresta. Lá encontra uma casa abandonada e decide entrar… Dentro da casa ela encontrou um objeto pontiagudo que não reconhecia. - Que objeto tão estranho… que será? Não resistindo à curiosidade pegou nele e acidentalmente picou-se! Imediatamente a princesinha cai num sono profundo. A fada boa encontra a princesinha adormecida e leva-a para o castelo, deitando-a na sua cama real. A fada decide também adormecer todos os habitantes do castelo, num sono profundo durante cem anos. Entretanto no reino corre a lenda de uma bela princesa adormecida… Um belo dia, um jovem e corajoso príncipe consegue atravessar a densa floresta que envolvia o castelo e encontra todos os seus habitantes adormecidos. Sabendo da lenda, dirige-se ao quarto da princesa e descobre a jovem mais bela que alguma vez vira, e não resiste a beijá-la. Nesse momento, a princesa acorda, assim como todos os seus habitantes. A vida tinha voltado ao castelo! Nesse mesmo dia celebrou-se o casamento entre a bela princesa Aurora e o corajoso príncipe, que viveram felizes para sempre. Disponível em: http://bebeatual.com/historias-bela-adormecida_59. Acesso em: 03/04/15, às 18h54 A BELA QUE DESPERTOU (Adaptação no texto de: Luís Fernando Veríssimo)
  • 20. 19 Era uma vez uma linda moça que perguntou a um lindo rapaz: - Você quer casar comigo? Ele respondeu: - Não! E a moça viveu feliz para sempre, foi viajar, fez compras, conheceu muitos outros rapazes, visitou muitos lugares, foi morar na praia, comprou outro carro, mobiliou sua casa, sempre estava sorrindo e de bom humor, nunca lhe faltava nada, ia ao shopping com as amigas sempre que dava vontade, ninguém mandava nela. O rapaz ficou barrigudo, careca, corcunda, banguela, ficou sozinho e pobre, pois não se constrói nada sem uma mulher. Disponível em: http://angelagg-sombrio.blogspot.com.br/2012/10/contos-de-fadas-na-escola.html. Acesso em: 06 abril 2015. MÚSICA: ♪♪AMOR LÍQUIDO♪♪
  • 21. 20 (Caos Restrito) Amor líquido: descartável amor. "melhor assim", ela disse, Termina sem rancor. Amor líquido: é a mais nova moda Dizer que ama dez segundos antes de ir embora. Amor líquido: com prazo de validade Com garantia em defeitos de fábrica Amor fácil, sem saudade. Amor líquido: descompromisso... tanto faz... Amor líquido: customize sua paixão agora Escolha os olhos, cor e cabelo Programe a hora de jogar fora. Amor líquido: saliva, sexo, suor. Vista suas roupas logo. Dê o fora, me deixe só. Amor líquido: diga seu nome se quiser. Troque carícias comigo Mas esconda teu rosto se puder. Amor líquido: queda, precipício. Belo novo mundo... Amor líquido: fogo sem calor. Tudo menos... tudo menos... tudo menos amor. Disponível em: http://letras.mus.br/caos-restrito/1820994/. Acesso em: 03/04/15, às 18h45min. SONETO DE FIDELIDADE (Vinicius de Moraes)
  • 22. 21 De tudo ao meu amor serei atento Antes, e com tal zelo, e sempre, e tanto Que mesmo em face do maior encanto Dele se encante mais meu pensamento. Quero vivê-lo em cada vão momento E em seu louvor hei de espalhar meu canto E rir meu riso e derramar meu pranto Ao seu pesar ou seu contentamento E assim, quando mais tarde me procure Quem sabe a morte, angústia de quem vive Quem sabe a solidão, fim de quem ama Eu possa me dizer do amor (que tive): Que não seja imortal, posto que é chama Mas que seja infinito enquanto dure. Disponível em: http://www.releituras.com/viniciusm_fidelidade.asp. Acesso em: 04/04/15, às 09h23min. HOMEM PERFEITO (Arnaldo Jabor)
  • 23. 22 Não existe homem fiel. Você já pode ter ouvido isso algumas vezes, mas afirmo com propriedade. Não é desabafo. É palavra de homem que conhece muitos homens e que conhecem, por sua vez, muitos homens. Nenhum homem é fiel, mas pode estar fiel (ou porque está apaixonado (algo que não dura muito tempo - no máximo alguns meses - nem se iluda) ou porque está cercado por todos os lados (veremos adiante que não adianta cercá-lo (isso vai se voltar contra você). A única exceção é o crente extremamente convicto.Se você quer um homem que seja fiel, procure um crente daqueles bitolados, mas aguente as outras consequências. Não desanime. O homem é capaz de te trair e de te amar ao mesmo tempo. A traição do homem é hormonal, efêmera, para satisfazer a lascívia. Não é como a da mulher. Mulher tem que admirar para trair; ter algum envolvimento. O homem só precisa de uma banda. A mulher precisa de um motivo para trair, o homem precisa de uma mulher. Não fique desencantada com a vida por isso. A traição tem seu lado positivo. Até digo, é um mal necessário. O cara que fica cercado, sem trair, é infeliz no casamento, seu desempenho sexual diminui (isso mesmo, o desempenho com a esposa diminui), ele fica mal da cabeça. Entenda de uma vez por todas: homens e mulheres são diferentes. Se quiser alguém que pense como você, vire lésbica (várias já fizeram isso e deu certo), ou case com um gay enrustido que precisa de uma mulher para se enquadrar no modelo social. Todo ser humano busca a felicidade, a realização. E a realização nada mais é do que a sensação de prazer (isso é química, está tudo no cérebro). A mulher se realiza satisfazendo o desejo maternal, com a segurança de ter uma família estruturada e saudável, com um bom homem ao lado que a proteja e lhe dê carinho. O homem é mais voltado para a profissão e para a realização pessoal e a realização pessoal dele vem de diversas formas: pode vir com o sentimento de paternidade, com uma família estruturada etc. Mas nunca vai vir se não puder ter acesso a outras fêmeas e se não puder ter relativo sucesso na profissão. Se você cercar seu homem (tipo, mulher que é sócia do marido na empresa), o cara não dá um passo no dia-a-dia (sem ela) você vai sufocá-lo de tal forma que ele pode até não ter espaço para lhe
  • 24. 23 trair, mas ou seu casamento vai durar pouco, ele vai ser gordo (vai buscar a fuga na comida) e vai ser pobre (por que não vai ter a cabeça tranquila para se desenvolver profissionalmente (vai ser um cara sem ambição e sem futuro). Não tente mudar para seu homem ser fiel. Não adianta. Silicone, curso de dança sensual, se vestir de enfermeira etc... Nada disso vai adiantar. É lógico que quanto mais largada você for, menor a vontade do homem de ficar com você e maior as chances do divórcio. Se perfeição adiantasse, Julia Roberts não tinha casado três vezes. Até Gisele Bündchen foi largada por Di Caprio. Não é você que vai ser diferente (mas é bom não desanimar e sempre dar aquela malhadinha). O segredo é dar espaço para o homem viajar nos seus desejos (na maioria das vezes, quando ele não está sufocado pela mulher, ele nem chega a trair, fica só nas paqueras, (troca de olhares). Finja que não sabe que ele dá umas pegadas por fora. Isso é o segredo para um bom casamento. Deixe ele se distrair, todos precisam de lazer. Se você busca o homem perfeito, pode continuar vendo novela das seis. Eles não existem nesse conceito que você imagina. Os homens perfeitos de hoje são aqueles bem desenvolvidos profissionalmente, que traem esporadicamente (uma vez a cada dois meses, por exemplo), mas que respeitam a mulher, ou seja, não gastam o dinheiro da família com amantes, não constituem outra família, não traem muitas vezes, não mantêm relações várias vezes com a mesma mulher (para não criar vínculos) e, sobretudo, são “muuuuuito” discretos: não deixam a esposa e nem ninguém da sua relação, como amigas, familiares saberem. Só, e somente só, um amigo ou outro dele deve saber, faz parte do prazer do homem contar vantagem sexual. Pegar e não falar para os amigos é pior do que não pegar. As traições do homem perfeito geralmente são numa escapolida numa noite, ou com uma garota de programa (usando camisinha e sem fazer sexo oral nela), ou mesmo com uma mulher casada de passagem por sua cidade. O homem perfeito nunca trai com mulheres solteiras. Elas são causadoras de problemas. Isso remete ao próximo tópico. Esse tópico não é para as esposas, é só para as solteiras e amantes. Esqueçam de uma vez por todas esse negócio de que homem não gosta de mulher fácil. Homem adora mulher fácil. Se 'der' de primeira então, é o máximo.Todo homem sabe que não existe mulher santa. Se ela está se fazendo de difícil ele parte para outra. A oferta é muito maior do que a procura. O mercado está cheio de mulher gostosa. O que homem não gosta é de mulher que liga no dia seguinte. Isso não é ser fácil, é ser problemática (mulher problema). Ou, como se diz na gíria, é pepino puro. O fato de você não ligar para o homem e ele gostar de você não quer dizer que foi por você se fazer de difícil, mas sim por você não representar ameaça para ele. Ele vai ficar com tanta simpatia por você que você pode até conseguir fisgá-lo e roubá-lo da mulher. Ele vai começar a se envolver sem perceber. Vai começar a te procurar. Se ele não te procurar, era porque ele só queria
  • 25. 24 aquilo mesmo. Parta para outro e deixe esse de stand by. Não vá vingar-se, você só piora a situação e não lucra nada com isso. Não se sinta usada, você também fez uso do corpo dele – faz parte do jogo; guarde como um momento bom de sua vida. 90% dos homens não querem nada sério. Os 10% restantes estão momentaneamente cansados da vida de balada ou estão ficando com má fama por não estarem casados ou enamorados; por isso procuram casamento. Portanto, são máximas as chances do homem mentir em quase tudo que te fala no primeiro encontro (ele só quer te comer, sempre). Não seja idiota, aproveite o momento, finja que acredita que ele está apaixonado, dê logo para ele (e corra o risco de fisgá-lo) ou então nem saia com ele. Fazer doce só agrava a situação. Estamos em 2007 e não em 1957. Esqueça os conselhos da sua avó, os tempos são outros. Para ser uma boa esposa e para ter um casamento pelo resto da vida faça o seguinte: Tente achar o homem perfeito, dê espaço para ele. Não o sufoque. Ele precisa de um tempo para sua satisfação. Seja uma boa esposa, mantenha-se bonita, malhe, tenha uma profissão (não seja dona-de- casa), seja independente e mantenha o clima legal em casa. Nada de sufocos, de 'conversar sobre a relação', de ficar mexendo no celular dele, de ficar apertando o cerco etc. Você pode até criar 'muros' para ele, mas crie muros invisíveis e não muito altos. Se ele perceber ou ficar sem saída, vai se sentir ameaçado e o casamento vai começar a ruir. Se você está revoltada por este texto, aqui vai um conselho: vá tomar uma água e volte para ler com o espírito desarmado. Se revoltar com o que está escrito não vai resolver nada em sua vida. Acreditar que o que está aqui é mentira ou exagero pode ser uma boa técnica (iludir-se faz parte da vida, se você é dessas, boa sorte!). Mas tudo é a pura verdade. Seu marido/noivo/namorado te ama, tenha certeza, senão não estaria com você, mas trair é como um remédio; um lubrificante para o motor do carro. Isso é científico. O homem que você deve buscar para ser feliz é o homem perfeito. Diferente disso, ou é crente, ou gay ou tem algum trauma (e na maioria dos casos vão ser pobres). O que você procura pode ser impossível de achar, então, procure algo que você pode achar e seja feliz ao invés de passar a vida inteira procurando algo indefectível que você nunca vai encontrar. Espero ter ajudado em alguma coisa. Disponível em: http://pensador.uol.com.br/frase/MzUwMzk5/. Acesso em: 04/04/15, às 09h30min. SONETO DE INFIDELIDADE
  • 26. 25 (Roseane Freitas) De tudo ao meu amor serei relapso. Desta vez com tal desprezo e sempre e muito. Que mesmo em face do maior desencanto, Ele se desencante mais do meu destrato. Quero revê-lo em cada triste momento. E em louvor a seu pesar hei de espalhar meu canto, E rir meu riso e não mais derramar meu pranto. À sua dor ou seu descontentamento. E assim quando vier a mim Quem sabe a morte, único escape de quem sofre, Quem sabe a desilusão, fim de quem ama. Eu possa dizer do infeliz (que tive), Que sejas triste, posto que me traíste. E que essa dor te dilacere enquanto dure. Disponível em: http://rodolfopamplonafilho.blogspot.com.br/2012/06/soneto-de-infidelidade.html. Acesso em: 04/04/15, às 09h39min. MÚSICA: ♪♪AMOR E SEXO♪♪
  • 27. 26 (Rita Lee) Amor é um livro Sexo é esporte Sexo é escolha Amor é sorte Amor é pensamento Teorema Amor é novela Sexo é cinema Sexo é imaginação Fantasia Amor é prosa Sexo é poesia O amor nos torna Patéticos Sexo é uma selva De epiléticos Amor é cristão Sexo é pagão Amor é latifúndio Sexo é invasão
  • 28. 27 Amor é divino Sexo é animal Amor é bossa nova Sexo é carnaval Oh! Oh! Uh! Amor é para sempre Sexo também Sexo é do bom Amor é do bem Amor sem sexo É amizade Sexo sem amor É vontade Amor é um Sexo é dois Sexo antes Amor depois Sexo vem dos outros E vai embora Amor vem de nós E demora Amor é cristão Sexo é pagão Amor é latifúndio Sexo é invasão Amor é divino Sexo é animal Amor é bossa nova Sexo é carnaval Oh! Oh! Oh! Amor é isso Sexo é aquilo E coisa e tal E tal e coisa Uh! Uh! Uh! Ai o amor Hum! O sexo
  • 29. 28 Disponível em: http://letras.mus.br/rita-lee/74440/. Acesso em: 04/04/15, às 09h47min. AMOR, ATRAÇÃO CARNAL (Jairo Nunes Bezerra) Amando-te gostaria de sugar os teus lábios, Seria o momento de beijo prolongado... Infelizmente são sonhos... São desvarios... De um corpo febril e excitado! Tal desejo me faz sofrer tendo-te à distância, De ti desejando aproximação... De possuístes há relutância, Seria de teu santuário a invasão! Quedo-me pensativo cheio de sensualidade, Desejando abraçar-te com versatilidade Unindo-nos num único corpo! Fico concentrado em minhas fantasias, Desejava os teus afagos e muito mais queria, Embora já vítima de sufoco!
  • 30. 29 Disponível em: http://www.luso-poemas.net/modules/news/article.php?storyid=268590. Acesso em: 04/04/15, às 09h54min. MÚSICA: ♪♪EU SEI QUE VOU TE AMAR♪♪ (Maria Creuza/ Vinícius de Moraes) Eu sei que vou te amar Por toda a minha vida eu vou te amar Em cada despedida eu vou te amar Desesperadamente eu sei que vou te amar E cada verso meu será pra te dizer Que eu sei que vou te amar Por toda a minha vida Eu sei que vou chorar A cada ausência tua eu vou chorar Mas cada volta tua há de apagar O que essa ausência tua me causou Eu sei que vou sofrer A eterna desventura de viver A espera de viver ao lado teu Por toda a minha vida Disponível em: http://letras.mus.br/maria-creuza/777077/. Acesso em: 04/04/15, às 10h01min.
  • 31. 30 O MITO DO AMOR ROMÂNTICO (Morgan Scott Peck) Para servir assim tão bem para nos apanhar no casamento, a experiência de se apaixonar tem provavelmente como uma das suas características a ilusão de que a experiência irá durar sempre. Esta ilusão é fomentada na nossa cultura pelo mito vulgarmente cultivado do amor romântico, que tem as suas origens nas nossas histórias infantis favoritas, em que o príncipe e a princesa, uma vez unidos, vivem felizes para sempre. O mito do amor romântico diz-nos, com efeito, que para cada rapaz no mundo há uma rapariga que “foi feita para ele” e vice-versa. Além disso, o mito implica que há um só homem destinado a uma mulher e uma só mulher para um homem e que isso foi predeterminado “nas estrelas”. Quando conhecemos a pessoa a quem estamos destinados, o reconhecimento advém do facto de nos apaixonarmos. Encontramos a pessoa a quem os céus nos tinham destinado, e uma vez que a união é perfeita, seremos capazes de satisfazer as necessidades um do outro para sempre, e, portanto viver felizes para sempre em perfeita união e harmonia. Se acontecer, no entanto, não satisfazermos ou não irmos de encontro a todas as necessidades um do outro surgem atritos e desapaixonamo-nos. Está claro que cometemos um erro terrível, interpretamos as estrelas erradamente, não nos entendemos com o nosso único par perfeito, o que pensámos ser amor não era
  • 32. 31 amor real ou “verdadeiro”, e não há nada a fazer quanto à situação a não ser viver infelizes para sempre ou obter o divórcio. Embora eu pense que, de um modo geral, os grandes mitos são grandes precisamente porque representam e incorporam grandes verdades universais (serão explorados vários destes mitos mais adiante neste livro), o mito do amor romântico é uma terrível mentira. Talvez seja uma mentira necessária por assegurar a sobrevivência da espécie, por estimular e validar convenientemente a experiência de nos apaixonarmos que nos leva ao casamento. Mas, como psiquiatra, o meu coração chora quase todos os dias pela horrível confusão e sofrimento que este mito gera. Milhões de pessoas desperdiçam enormes quantidades de energia tentando desesperada e futilmente fazer com que a realidade das suas vidas se ajuste à irrealidade do mito. A Sra. A submete-se absurdamente ao marido devido a um sentimento de culpa. “Eu não amava verdadeiramente o meu marido quando nos casamos,” diz ela. “Fingia que sim. Acho que o enganei para se casar comigo, portanto não tenho o direito de me queixar dele, e devo-lhe fazer tudo o que ele quiser.” O Sr. B lamenta: “Estou arrependido de não me ter casado com a Menina C. Penso que poderíamos ter tido um bom casamento. Mas não me sentia perdidamente apaixonado por ela, portanto parti do princípio que ela não era a pessoa certa para mim.” A Sra. D, casada há dois anos, fica gravemente deprimida sem causa aparente e começa a fazer terapia, afirmando: “Não sei o que se passa de errado. Tenho tudo o que preciso, incluindo um bom casamento.” Só meses mais tarde consegue aceitar o fato de se ter desapaixonado do marido, mas que isso não significa que tenha cometido um horrível erro. O Sr. E, também casado há dois anos, começa a sofrer de dores de cabeça intensas à noite e não acredita que sejam psicossomáticas. “A minha vida doméstica corre bem. Amo tanto a minha mulher como no dia em que casei com ela. Ela é tudo o que eu sempre quis.” Mas as dores de cabeça continuaram até que, um ano mais tarde, conseguiu admitir, “Ela dá-me cabo da cabeça porque está sempre a querer, querer, querer coisas sem se preocupar com o meu ordenado,” e foi então capaz de à confrontar com a sua extravagância. O Sr. e a Sra. F reconhecem que deixaram de estar apaixonados e passam a fazer-se infelizes um ao outro por mútua infidelidade
  • 33. 32 galopante à medida que procuram o “verdadeiro amor”, sem se aperceberem que o seu próprio reconhecimento podia marcar o início da obra do seu casamento em vez do fim. Mesmo quando os casais reconhecem que a lua-de-mel terminou, que já não estão romanticamente apaixonados um pelo outro e ainda conseguem empenhar-se na sua relação, continuam a agarrar-se ao mito e tentam adaptar-lhe às suas vidas. “Apesar de já não estarmos apaixonados, se agirmos por força de vontade como se estivéssemos apaixonados, pode ser que o amor romântico regresse às nossas vidas,” segundo o seu raciocínio. Estes casais privilegiam o estar juntos. Quando iniciam a terapia de grupo para casais (que é o cenário em que a minha mulher e eu e os nossos colegas mais próximos exercemos o aconselhamento matrimonial mais crítico), sentam-se juntos, falam um pelo outro, defendem os defeitos um do outro e tentam apresentar ao resto do grupo uma frente unida, acreditando que esta unidade seja um sinal de saúde relativa do seu casamento e um pré-requisito para a sua melhoria. Mais cedo ou mais tarde, normalmente mais cedo, temos que dizer à maior parte dos casais que estão demasiado casados, demasiado próximos, e que têm de estabelecer alguma distância psicológica entre si antes de começarem a tratar construtivamente os seus problemas. Por vezes, é mesmo necessário separá-los fisicamente, dando-lhes instruções para se sentarem longe um do outro no círculo do grupo. Repetidamente, temos que dizer, “Deixe a Mary falar por si própria, John” e “O John é capaz de se defender, Mary, é suficientemente forte.” Por fim, se continuam na terapia, todos os casais aprendem que a verdadeira aceitação da sua própria individualidade e da do outro e a independência são as únicas fundações sobre as quais se pode basear um casamento adulto e o verdadeiro amor pode crescer.” Disponível em: http://www.libertas.com.br/libertas/o-mito-do-amor-romantico/. Acesso em: 04/04/15, às 10h13min. BLOCO DE ANOTAÇÕES:
  • 34. 33 ____________________________________________________________ ____________________________________________________________ ____________________________________________________________ ____________________________________________________________ ____________________________________________________________ ____________________________________________________________ ____________________________________________________________ ____________________________________________________________ ____________________________________________________________ ____________________________________________________________ ____________________________________________________________ ____________________________________________________________ ____________________________________________________________ ____________________________________________________________ ____________________________________________________________ ____________________________________________________________ ____________________________________________________________ ____________________________________________________________ ____________________________________________________________ ____________________________________________________________ ____________________________________________________________ ____________________________________________________________