SlideShare uma empresa Scribd logo
01/52
Introdução
     O intuito desse trabalho é denotar a importância de materiais
        quem vem sendo pesquisados desde o século XIX a fim de
        explorar suas propriedades e melhorar o avanço no campo
        científico.

     Para entendermos a estrutura macroscópica de um
        material devemos estudá–la em nível atômico e molecular.




02/52
Tópicos
     Cristais-líquidos
     Polímeros
     Biomateriais
     Cerâmica
     Fenômeno da Supercondutividade
     Filmes finos




03/52
Cristais-Líquidos
     O que são?
     Cristal-líquido é um material cuja estrutura apresenta ordenação
      intermediária entre o sólido e o líquido e assim também se comportam
      as forças intermoleculares.
     Características:
     O cristal-líquido apresenta propriedades tanto de sólido (ordem)
      quanto de líquido (fluidez ).

     Exemplo: o benzoato de colesterila acima de 179C é transparente.
        Entre 145C e 179C é leitoso e possui comportamento líquido-
        cristalino.



04/52
Cristais-Líquidos



        Benzoato de             Benzoato de colesterila entre
        colesterila acima de    145°C e 179°C (aspecto leitoso,
        179°C (fase líquida )   fase líquida-cristalina )




05/52
Cristais-Líquidos
        Tipos de fases líquidas-cristalinas

    • Líquido normal: Apresenta suas moléculas orientadas aleatoriamente.
    • As moléculas de cristal-líquido normalmente são longas na forma de
      tubos.
    • Há três tipos de fase cristalina líquida dependendo da ordenação:

          – cristais-líquidos nemáticos (os menos ordenados): ordenados apenas
            na direção do eixo longo da molécula;

          – cristais-líquidos esméticos: ordenados na direção do eixo longo da
            molécula e em uma outra dimensão;

          – cristais-líquidos colestéricos: ordenados em camadas, conforme
            uma espiral (os mais ordenados).


06/52
Cristais-Líquidos




07/52
Cristais-Líquidos
     Cristais-líquidos esméticos: normalmente contêm ligações
        C=N ou N=N e anéis de benzeno.




08/52
Cristais-Líquidos
     Cristais-líquidos colestéricos: baseados na estrutura do
        colesterol:
                                            As moléculas em camadas
                                            são orientadas em ângulo
                                            característico em relação ao
                                            das camadas adjacentes para
                                            evitar interações repulsivas.




09/52
Cristais-Líquidos
     Utilidade :
     Os cristais-líquidos são utilizados como sensores de pressão e
      temperatura, e como visores de televisão, notebooks, palm tops,
      celulares, calculadoras etc...

     São utilizados em tais dispositivos pois as fracas interações
        intermoleculares características dos cristais-líquidos os tornam
        sensíveis a variações de temperatura, pressão e campos
        magnéticos.




10/52
Cristais-Líquidos




11/52
Polímeros
     O que são ?
    • Os polímeros são moléculas gigantescas, constituídas de muitas
      moléculas menores.
    • As unidades constituintes dos polímeros são denominadas
      monômeros.

    • Exemplos: plásticos, DNA, proteínas, borracha etc.

    • Características:
    • Existem inúmeros polímeros e cada um apresenta propriedades e
        estruturas que são importantes para a utilização no dia a dia.


12/52
Polímeros




13/52
Polímeros
     Formação:
     Polímeros por adição:
     Um dieno conjugado é somado inúmeras vezes até formar uma
      estrutura de tamanho maior.
     Exemplo: polietileno, formado a partir da junção de várias moléculas
      de etileno.




14/52
Polímeros
     Podemos escrever a equação da reação de polimerização
        por adição como segue:




15/52
Polímeros
     Polímeros por condensação:
     Quando dois monômeros se unem formando uma molécula
        maior e eliminando uma molécula menor, como por exemplo a
        água.

             H               O                  H O
             N H + H O C                        N C      + H O H

     Exemplo de polimerização por condensação: a formação do
        náilon.

     Obs: Polímeros formados a partir de monômeros diferentes são
      denominados copolímeros

16/52
Polímeros
     Tipos:
     Elastômero: material que é de alguma forma elástico. Se
        uma quantidade moderada de força deformante é
        adicionada, o elastômero retornará à sua forma original.
        Útil para fibras.

     Plástico: Materiais que podem ser fabricados em vários
        formatos, geralmente por aplicação de calor e pressão.
        - Termoplástico: materiais que podem ser moldados mais de
          uma vez.
        - Termocurado: materiais que podem ser moldados apenas uma
          vez.

17/52
Polímeros
     Curiosidade:
     Plásticos reciclados: Observando a base de um recipiente de
        plástico reciclado, notaremos o número e a abreviatura
        correspondente ao polímero formador do material.




18/52
Polímeros
     Estruturas e propriedades físicas dos polímeros
                       A cadeia não está em linha reta (geometria tetraédrica)

                       Liberdade dos átomos para realizar “giro” (C-C)

                       A flexibilidade nas cadeias poliméricas fazem com que os
                      materiais poliméricos sejam muito flexíveis.

                       Grau de cristalinidade é a quantificação da ordenação em
                      um polímero.

                     O estiramento ou o encolhimento de um polímero pode
        Segmento de aumentar sua cristalinidade.
        cadeia do
        polietileno
19/52
Polímeros




20/52
Biomateriais
     O que são?
     Os biomateriais são quaisquer materiais que têm aplicações biomédicas.
     Exemplo: materiais utilizados na obturação de dentes e lentes de contato.


     Características:
        -Biocompatibilidade: Deve ser capaz de se integrar facilmente ao
         organismo sem reações inflamatórias.

        Exigências físicas:

        -Os biomateriais devem ser criados para um ambiente específico.
        -Os materiais devem ser flexíveis e resistentes ao desgaste. As válvulas
         cardíacas artificiais devem abrir e fechar de 70 a 80 vezes por minuto.

21/52
Biomateriais
    Exigências químicas:
       • Os biomateriais devem ser de grau médico.
       • Os polímeros são biomateriais muito importantes.




22/52
Biomateriais
    • Biomateriais poliméricos:

    • Biomateriais naturais são os polímeros de açúcares e
        nucleotídeos.

    • Esses polímeros são poliaminoácidos.




23/52
Biomateriais
     Exemplos de aplicações dos biomateriais:
        - Substituição e reparos cardíacos;




                           Válvula cardíaca bifolicular.




24/52
Biomateriais
        - Implantes vasculares;




                                  Implante vascular de
                                  DraconTM


25/52
Biomateriais
    - Tecido artificial;




                           • A pele artificial, que cresce em laboratório,
                             é utilizada para o tratamento de pacientes
                             com extensa perda de pele.




26/52
Biomateriais
     Substituições de bacia;
                                • Uma bola metálica, feita com uma liga
                                  de cobalto e cromo, é normalmente
                                  utilizada nas substituições de bacias.
                                • Esta liga é fixada a uma liga de titânio e
                                  cimentada com a utilização de um
                                  polímero termocurado resistente.
                                • O acetábulo, que acomoda o fêmur, é
                                  revestido com uma camada de
                                  polietileno.




27/52
Cerâmicas
     O que são?

     Cerâmicas são materiais inorgânicos, sólidos e não
        metálicos processados em altas temperaturas.


        ( Keramus, ou seja, coisa queimada )




28/52
Cerâmicas
     Tipos:
     Cristalinas (formas definidas)
     Não cristalinas (estruturas amorfas)


     Apresentam estruturas com ligações covalentes, iônicas ou
        combinação de ambas (caráter misto: iônico-covalente )




29/52
Cerâmicas




30/52
Cerâmicas
    Características Gerais:

    Propriedades Térmicas: Estáveis em altas temperaturas e
      condições severas

    Propriedades Elétricas: Podem ser isolantes elétricos (alumina,
      vidro de sílica (SiO2), semicondutores: SiC, B4C e
      supercondutores ((La, Sr)2CuO4, TiBa2Ca3Cu4O11 )

    Propriedades Mecânicas: duros, resistentes ao desgaste,
      resistentes a corrosões e frágeis, ou seja, não sofrem deformações
      plásticas.

31/52
Cerâmicas
    Exemplos de Materiais Cerâmicos:
     Cerâmicas Tradicionais: materiais de origem argilosa
        (louça, tijolos refratários, telhas)
       Abrasivos
       Cimentos
       Vidros
       Cerâmicas Avançadas: utilizadas em aplicações eletro-
        eletrônicos, térmicas, mecânicas, ópticas, químicas e
        biomédicas


32/52
Cerâmicas
     Utilização:


     Por terem tais propriedades, são utilizadas largamente na
        ciência. Os materiais cerâmicos são utilizados em componentes
        eletroeletrônicos, em aeronaves, mísseis e espaçonaves.




33/52
Cerâmicas
     Ex:
     Indústria aeroespacial: revestimento exterior de fibras amorfas
        de sílica de alta pureza (isolante térmico)




34/52
Cerâmicas
     Indústria de Corte: utilizadas em máquinas criadas para
      modelar e cortar ferro e ligas mais duras (alumina reforçada)
     Principais materiais: Al2O3, TiC, TiN




35/52
Cerâmicas
     Indústria Eletrônica: circuitos dos componentes criados à
    partir de substratos cerâmicos devido à semicondução
    .
     Alguns materiais
     cerâmicos são
     piezoelétricos, ou seja,
     criam um potencial
     elétrico a partir de um
     esforço mecânico e com
     isso, são utilizados para
     controlar frequências
     em componentes
     eletroeletrônicos,
     relógios, geradores de
     ultrassom.



36/52
Cerâmicas
     Por quê não são utilizadas em larga escala?


     Frágeis e quebradiças
     Difíceis de fabricar sem defeito
     Alto custo de fabricação e confiabilidade do material




37/52
Cerâmicas
    Processamento da Cerâmica:

    Materiais cerâmicos, geram, aleatoriamente microfissuras
        (lacunas) não detectáveis durante o processamento. Tais
        microfissuras são origens de rachaduras e quebras.

    Processos:

    Sinterização: aquecimento até altas temperaturas e em
        determinadas pressões a fim de que as partículas finas se unam.

    Processo Sol-Gel: obtenção de uma rede de óxidos a partir de
        polimerizações inorgânicas. As partículas obtidas apresentam
        alta pureza e homogeneidade.

38/52
Cerâmicas
         Compósitos Cerâmicos:
         Mistura de dois ou mais materiais para a formação de um
          material mais resistente devido a uma melhor interação físico-
          química.




            Método eficiente: adição de fibras (estrutura
            cujo raio é um no mínimo cem vezes menor
            que seu comprimento) cerâmicas ao material
            cerâmico.


39/52
Supercondutividade
     O que é?


     É a perda da resistência ao fluxo de uma corrente elétrica
        causada pelo abaixamento da temperatura específica. (Tc
        K)




40/52
Supercondutividade




41/52
Supercondutividade
     Enorme potencial econômico:


     Economia de energia
     Maior viabilidade em construções de aparatos tecnológicos
      que requerem grande quantidade de energia.
     Efeito Meissner




42/52
Supercondutividade




43/52
Supercondutores
     Por que não são utilizados em larga escala?
     Pois a supercondutividade é encontrada a partir de temperaturas baixíssimas,
      limitando seu uso.

    Curiosidade:

    Em 1986, dois
    pesquisadores em um
    laboratório da IBM em
    Zurique descobriram
    um material
    supercondutor cuja
    temperatura crítica era
    acima de 90 K. A
    vantagem de ter
    material de tal
    temperatura é que o
    N2 se liquefaz a 77 K.
44/52
Filmes Finos
     O que são?


     São materiais de pequena espessura (0,1 µm a 300 µm) que
        cobrem determinados substratos.




45/52
Filmes Finos
     Características:

         Ser quimicamente estável,
         Aderir bem à superfície,
         Ser uniforme,
         Ser puro,
         Ter baixa densidade de imperfeições.




46/52
Filmes Finos
     Uso de filmes finos:


     Microeletrônica: condutores, resistores, capacitores




47/52
Filmes Finos
     Óptica: revestimento de lentes a fim de reduzir a quantidade de
        luz refletida a partir das superfícies das lentes.




48/52
Filmes Finos
     Metais: revestimento em metais




               Painéis solares de filmes finos


49/52
Filmes Finos
     Processos de Fabricação:


     Deposição a vácuo: o material é vaporizado ou evaporado em certa
        superfície,

     Emissão: na qual uma alta voltagem gera átomos energéticos do
        material a ser depositado,

     Deposição por vapor químico: ocorre uma reação química com a
        substância na fase de vapor em uma superfície, formando um
        revestimento estável e aderente.



50/52
Filmes Finos




        Camadas finas de
        diamante em um     Emissão   Nanofitas
        material




51/52
Referências Bibliográficas
     Química - A Ciência Central - 9ª Edição , Autor: Brown / Lemay / Bursten
      Editora: Pearson Education

     http://74.125.47.132/search?q=cache:Cj_tDZk3mOsJ:matmec.files.wordpress.co
      m/2008/08/cap13.ppt+Cer%C3%A2mica+Cristalina&cd=11&hl=pt-
      BR&ct=clnk&gl=br

     http://www.quimica.ufpr.br/gqm/processo%20sol-gel.htm


     www.abmaco.org.br/compositos.cfm


     http://www.seara.ufc.br/especiais/fisica/supercondutividade/supercondutivid
      ade2.htm


52/52

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Biomateriais
BiomateriaisBiomateriais
Biomateriais
Larissa Ferreira
 
Nanomateriais
NanomateriaisNanomateriais
Cerâmicas
CerâmicasCerâmicas
Cerâmicas
CaioCasteloBranco1
 
Tecnologia dos Materiais
Tecnologia dos Materiais Tecnologia dos Materiais
Tecnologia dos Materiais
suzanoleao
 
Polímeros termoplasticas
Polímeros termoplasticasPolímeros termoplasticas
Polímeros termoplasticas
Alessandra Villar
 
Polímeros(1)
Polímeros(1)Polímeros(1)
Polímeros(1)
Daniel Carvalho
 
Estruturas cristalinas
Estruturas cristalinasEstruturas cristalinas
Estruturas cristalinas
elizethalves
 
Cerâmica avançada: perspectivas de aplicação e desafios tecnológicos atuais e...
Cerâmica avançada: perspectivas de aplicação e desafios tecnológicos atuais e...Cerâmica avançada: perspectivas de aplicação e desafios tecnológicos atuais e...
Cerâmica avançada: perspectivas de aplicação e desafios tecnológicos atuais e...
senaimais
 
Polimeros
PolimerosPolimeros
Materiais cerâmicos
Materiais cerâmicosMateriais cerâmicos
Materiais cerâmicos
Lívio Bruno
 
Apresentação
ApresentaçãoApresentação
Apresentação
Valteson da Silva Santos
 
Ciências dos Materiais - Aula 13 - Propriedades Mecânicas dos Materiais
Ciências dos Materiais - Aula 13 - Propriedades Mecânicas dos MateriaisCiências dos Materiais - Aula 13 - Propriedades Mecânicas dos Materiais
Ciências dos Materiais - Aula 13 - Propriedades Mecânicas dos Materiais
Felipe Machado
 
Extrusao turma 3 d3a
Extrusao  turma  3 d3aExtrusao  turma  3 d3a
Extrusao turma 3 d3a
LucasMatos1999
 
Polímeros
PolímerosPolímeros
Polímeros
Carlos Kramer
 
Lista 1 2 e 3 gabarito
Lista 1 2 e 3 gabaritoLista 1 2 e 3 gabarito
Lista 1 2 e 3 gabarito
Anyzete Galdino
 
Aula 8 materiais de construção - aço
Aula 8   materiais de construção - açoAula 8   materiais de construção - aço
Aula 8 materiais de construção - aço
profNICODEMOS
 
Aula8 materiais
Aula8 materiaisAula8 materiais
Aula8 materiais
Tiago Cruz
 
Estrutura cristalina
Estrutura cristalinaEstrutura cristalina
Estrutura cristalina
Guilherme Cuzzuol
 
Ceramica
CeramicaCeramica
Ceramica
Mayara Marques
 
proc mat ceramicos
 proc mat ceramicos proc mat ceramicos
proc mat ceramicos
Junior Fernandes
 

Mais procurados (20)

Biomateriais
BiomateriaisBiomateriais
Biomateriais
 
Nanomateriais
NanomateriaisNanomateriais
Nanomateriais
 
Cerâmicas
CerâmicasCerâmicas
Cerâmicas
 
Tecnologia dos Materiais
Tecnologia dos Materiais Tecnologia dos Materiais
Tecnologia dos Materiais
 
Polímeros termoplasticas
Polímeros termoplasticasPolímeros termoplasticas
Polímeros termoplasticas
 
Polímeros(1)
Polímeros(1)Polímeros(1)
Polímeros(1)
 
Estruturas cristalinas
Estruturas cristalinasEstruturas cristalinas
Estruturas cristalinas
 
Cerâmica avançada: perspectivas de aplicação e desafios tecnológicos atuais e...
Cerâmica avançada: perspectivas de aplicação e desafios tecnológicos atuais e...Cerâmica avançada: perspectivas de aplicação e desafios tecnológicos atuais e...
Cerâmica avançada: perspectivas de aplicação e desafios tecnológicos atuais e...
 
Polimeros
PolimerosPolimeros
Polimeros
 
Materiais cerâmicos
Materiais cerâmicosMateriais cerâmicos
Materiais cerâmicos
 
Apresentação
ApresentaçãoApresentação
Apresentação
 
Ciências dos Materiais - Aula 13 - Propriedades Mecânicas dos Materiais
Ciências dos Materiais - Aula 13 - Propriedades Mecânicas dos MateriaisCiências dos Materiais - Aula 13 - Propriedades Mecânicas dos Materiais
Ciências dos Materiais - Aula 13 - Propriedades Mecânicas dos Materiais
 
Extrusao turma 3 d3a
Extrusao  turma  3 d3aExtrusao  turma  3 d3a
Extrusao turma 3 d3a
 
Polímeros
PolímerosPolímeros
Polímeros
 
Lista 1 2 e 3 gabarito
Lista 1 2 e 3 gabaritoLista 1 2 e 3 gabarito
Lista 1 2 e 3 gabarito
 
Aula 8 materiais de construção - aço
Aula 8   materiais de construção - açoAula 8   materiais de construção - aço
Aula 8 materiais de construção - aço
 
Aula8 materiais
Aula8 materiaisAula8 materiais
Aula8 materiais
 
Estrutura cristalina
Estrutura cristalinaEstrutura cristalina
Estrutura cristalina
 
Ceramica
CeramicaCeramica
Ceramica
 
proc mat ceramicos
 proc mat ceramicos proc mat ceramicos
proc mat ceramicos
 

Destaque

Ceramica
CeramicaCeramica
Ceramica
Marco Correia
 
Slide 1 aplicação – filmes finos
Slide 1   aplicação – filmes finosSlide 1   aplicação – filmes finos
Slide 1 aplicação – filmes finos
Jeová Farias
 
Polímeros,chemas.ppt
Polímeros,chemas.pptPolímeros,chemas.ppt
Polímeros,chemas.ppt
Escuela técnica (ETP)
 
manual_madeira_uso_sustentavel
manual_madeira_uso_sustentavelmanual_madeira_uso_sustentavel
manual_madeira_uso_sustentavel
Márcio Antônio Moraes Reyes
 
Apresentação refratários e isolantes
Apresentação refratários e isolantesApresentação refratários e isolantes
Apresentação refratários e isolantes
Ronald Vasconcelos
 
Senac 2012
Senac 2012Senac 2012
1.3. modulo a1.3 compostos quimicos.ppt
1.3. modulo a1.3 compostos quimicos.ppt1.3. modulo a1.3 compostos quimicos.ppt
1.3. modulo a1.3 compostos quimicos.ppt
Leonor Vaz Pereira
 
Tipos de reações quimicas
Tipos de reações quimicasTipos de reações quimicas
Tipos de reações quimicas
grupev
 
Biomateriais
BiomateriaisBiomateriais
Biomateriais
Inês Lucas
 
Diagnóstico cerâmicas do rn sebrae_ctgas-er final_21.08.2012 divulgação
Diagnóstico cerâmicas do rn sebrae_ctgas-er final_21.08.2012 divulgaçãoDiagnóstico cerâmicas do rn sebrae_ctgas-er final_21.08.2012 divulgação
Diagnóstico cerâmicas do rn sebrae_ctgas-er final_21.08.2012 divulgação
Rivaldo Junior Nobrega
 
Quimica das ceramicas
Quimica das ceramicasQuimica das ceramicas
Quimica das ceramicas
Fernando Nogueira Rocha
 
Madeira - Uso Sustentável na Construção Civil
Madeira - Uso Sustentável na Construção CivilMadeira - Uso Sustentável na Construção Civil
Madeira - Uso Sustentável na Construção Civil
guest6ea8913
 
Trabalho sobre porcelanato e cerâmica
Trabalho sobre porcelanato e cerâmicaTrabalho sobre porcelanato e cerâmica
Trabalho sobre porcelanato e cerâmica
Rosa Karina Carvalho Cavalcante
 
6. materiais ceramicos gradryr
6. materiais ceramicos gradryr6. materiais ceramicos gradryr
6. materiais ceramicos gradryr
Renatu Vivas
 
Resistência mecânica em materiais cerâmicos
Resistência mecânica em materiais cerâmicosResistência mecânica em materiais cerâmicos
Resistência mecânica em materiais cerâmicos
Suellen Rigatto
 
Dna, rna e síntese proteíca
Dna, rna e síntese proteícaDna, rna e síntese proteíca
Dna, rna e síntese proteíca
LarissaComparini
 
Iuspositivismo
IuspositivismoIuspositivismo
Iuspositivismo
JOE ORIOL OLAYA MEDINA
 
04 neolítico
04    neolítico04    neolítico
04 neolítico
Carla Freitas
 
Administração de operações
Administração de operaçõesAdministração de operações
Administração de operações
PMY TECNOLOGIA LTDA
 
PPT 1 - polímeros naturales
PPT 1 - polímeros naturalesPPT 1 - polímeros naturales
PPT 1 - polímeros naturales
Profe Cristian Navarro
 

Destaque (20)

Ceramica
CeramicaCeramica
Ceramica
 
Slide 1 aplicação – filmes finos
Slide 1   aplicação – filmes finosSlide 1   aplicação – filmes finos
Slide 1 aplicação – filmes finos
 
Polímeros,chemas.ppt
Polímeros,chemas.pptPolímeros,chemas.ppt
Polímeros,chemas.ppt
 
manual_madeira_uso_sustentavel
manual_madeira_uso_sustentavelmanual_madeira_uso_sustentavel
manual_madeira_uso_sustentavel
 
Apresentação refratários e isolantes
Apresentação refratários e isolantesApresentação refratários e isolantes
Apresentação refratários e isolantes
 
Senac 2012
Senac 2012Senac 2012
Senac 2012
 
1.3. modulo a1.3 compostos quimicos.ppt
1.3. modulo a1.3 compostos quimicos.ppt1.3. modulo a1.3 compostos quimicos.ppt
1.3. modulo a1.3 compostos quimicos.ppt
 
Tipos de reações quimicas
Tipos de reações quimicasTipos de reações quimicas
Tipos de reações quimicas
 
Biomateriais
BiomateriaisBiomateriais
Biomateriais
 
Diagnóstico cerâmicas do rn sebrae_ctgas-er final_21.08.2012 divulgação
Diagnóstico cerâmicas do rn sebrae_ctgas-er final_21.08.2012 divulgaçãoDiagnóstico cerâmicas do rn sebrae_ctgas-er final_21.08.2012 divulgação
Diagnóstico cerâmicas do rn sebrae_ctgas-er final_21.08.2012 divulgação
 
Quimica das ceramicas
Quimica das ceramicasQuimica das ceramicas
Quimica das ceramicas
 
Madeira - Uso Sustentável na Construção Civil
Madeira - Uso Sustentável na Construção CivilMadeira - Uso Sustentável na Construção Civil
Madeira - Uso Sustentável na Construção Civil
 
Trabalho sobre porcelanato e cerâmica
Trabalho sobre porcelanato e cerâmicaTrabalho sobre porcelanato e cerâmica
Trabalho sobre porcelanato e cerâmica
 
6. materiais ceramicos gradryr
6. materiais ceramicos gradryr6. materiais ceramicos gradryr
6. materiais ceramicos gradryr
 
Resistência mecânica em materiais cerâmicos
Resistência mecânica em materiais cerâmicosResistência mecânica em materiais cerâmicos
Resistência mecânica em materiais cerâmicos
 
Dna, rna e síntese proteíca
Dna, rna e síntese proteícaDna, rna e síntese proteíca
Dna, rna e síntese proteíca
 
Iuspositivismo
IuspositivismoIuspositivismo
Iuspositivismo
 
04 neolítico
04    neolítico04    neolítico
04 neolítico
 
Administração de operações
Administração de operaçõesAdministração de operações
Administração de operações
 
PPT 1 - polímeros naturales
PPT 1 - polímeros naturalesPPT 1 - polímeros naturales
PPT 1 - polímeros naturales
 

Semelhante a Materiais modernos

polímeros
polímerospolímeros
polímeros
Nelikim
 
Polimeros
PolimerosPolimeros
Polimeros
Jefferson Robert
 
Resumo _ Planejativo.pdf
Resumo _ Planejativo.pdfResumo _ Planejativo.pdf
Resumo _ Planejativo.pdf
TulyhanderNascimento
 
Cap 7 resumo (1)
Cap 7   resumo (1)Cap 7   resumo (1)
Cap 7 resumo (1)
Manuel Carvalho
 
Materiais poliméricos noções
Materiais poliméricos   noçõesMateriais poliméricos   noções
Materiais poliméricos noções
Manuel Bouzas
 
Curso de Tecnologia da Borracha
Curso de Tecnologia da BorrachaCurso de Tecnologia da Borracha
Curso de Tecnologia da Borracha
CENNE
 
Polímeros
PolímerosPolímeros
Polímeros
Marco Tulio
 
Polímeros
PolímerosPolímeros
Química 12º - "Polimeros e reciclagem dos plásticos"
Química 12º - "Polimeros e reciclagem dos plásticos"Química 12º - "Polimeros e reciclagem dos plásticos"
Química 12º - "Polimeros e reciclagem dos plásticos"
João Pereira
 
Polimeros Principais Propriedades
Polimeros Principais PropriedadesPolimeros Principais Propriedades
Polimeros Principais Propriedades
Carlos Eduardo Polatschek Kopperschmidt
 
2 - Polímeros.pdf
2 - Polímeros.pdf2 - Polímeros.pdf
2 - Polímeros.pdf
mauriciolcar
 
2-Introdução geral de polímeros_ 20_05_2014.pdf
2-Introdução geral de polímeros_ 20_05_2014.pdf2-Introdução geral de polímeros_ 20_05_2014.pdf
2-Introdução geral de polímeros_ 20_05_2014.pdf
TulyhanderNascimento
 
Polímeros
PolímerosPolímeros
Polímeros
1997antonio
 
Polímeros.pdf
Polímeros.pdfPolímeros.pdf
Polímeros.pdf
TulyhanderNascimento
 
Química tele aula polímeros
Química tele aula polímerosQuímica tele aula polímeros
Química tele aula polímeros
Guido Beck
 
versão final MATERIAIS POLIMERICOS.pptx
versão final MATERIAIS POLIMERICOS.pptxversão final MATERIAIS POLIMERICOS.pptx
versão final MATERIAIS POLIMERICOS.pptx
Vinciusdaniel6
 
Ana nery polímeros
Ana nery   polímerosAna nery   polímeros
Ana nery polímeros
Escola Técnica Ana Nery
 
Polímeros - Compósitos Orgânicos
Polímeros - Compósitos OrgânicosPolímeros - Compósitos Orgânicos
Polímeros - Compósitos Orgânicos
Bruno Pinto
 
Polimeros 3
Polimeros 3Polimeros 3
Polimeros 3
Sydney Dias
 
Seminário 1 daniel paiva
Seminário 1   daniel paivaSeminário 1   daniel paiva
Seminário 1 daniel paiva
Daniel Paiva
 

Semelhante a Materiais modernos (20)

polímeros
polímerospolímeros
polímeros
 
Polimeros
PolimerosPolimeros
Polimeros
 
Resumo _ Planejativo.pdf
Resumo _ Planejativo.pdfResumo _ Planejativo.pdf
Resumo _ Planejativo.pdf
 
Cap 7 resumo (1)
Cap 7   resumo (1)Cap 7   resumo (1)
Cap 7 resumo (1)
 
Materiais poliméricos noções
Materiais poliméricos   noçõesMateriais poliméricos   noções
Materiais poliméricos noções
 
Curso de Tecnologia da Borracha
Curso de Tecnologia da BorrachaCurso de Tecnologia da Borracha
Curso de Tecnologia da Borracha
 
Polímeros
PolímerosPolímeros
Polímeros
 
Polímeros
PolímerosPolímeros
Polímeros
 
Química 12º - "Polimeros e reciclagem dos plásticos"
Química 12º - "Polimeros e reciclagem dos plásticos"Química 12º - "Polimeros e reciclagem dos plásticos"
Química 12º - "Polimeros e reciclagem dos plásticos"
 
Polimeros Principais Propriedades
Polimeros Principais PropriedadesPolimeros Principais Propriedades
Polimeros Principais Propriedades
 
2 - Polímeros.pdf
2 - Polímeros.pdf2 - Polímeros.pdf
2 - Polímeros.pdf
 
2-Introdução geral de polímeros_ 20_05_2014.pdf
2-Introdução geral de polímeros_ 20_05_2014.pdf2-Introdução geral de polímeros_ 20_05_2014.pdf
2-Introdução geral de polímeros_ 20_05_2014.pdf
 
Polímeros
PolímerosPolímeros
Polímeros
 
Polímeros.pdf
Polímeros.pdfPolímeros.pdf
Polímeros.pdf
 
Química tele aula polímeros
Química tele aula polímerosQuímica tele aula polímeros
Química tele aula polímeros
 
versão final MATERIAIS POLIMERICOS.pptx
versão final MATERIAIS POLIMERICOS.pptxversão final MATERIAIS POLIMERICOS.pptx
versão final MATERIAIS POLIMERICOS.pptx
 
Ana nery polímeros
Ana nery   polímerosAna nery   polímeros
Ana nery polímeros
 
Polímeros - Compósitos Orgânicos
Polímeros - Compósitos OrgânicosPolímeros - Compósitos Orgânicos
Polímeros - Compósitos Orgânicos
 
Polimeros 3
Polimeros 3Polimeros 3
Polimeros 3
 
Seminário 1 daniel paiva
Seminário 1   daniel paivaSeminário 1   daniel paiva
Seminário 1 daniel paiva
 

Mais de Fernando Lucas

Termoquímica
TermoquímicaTermoquímica
Termoquímica
Fernando Lucas
 
Forca e movimento_-_prof._wagner_roberto_batista
Forca e movimento_-_prof._wagner_roberto_batistaForca e movimento_-_prof._wagner_roberto_batista
Forca e movimento_-_prof._wagner_roberto_batista
Fernando Lucas
 
Momento linear e impulso
Momento linear e impulsoMomento linear e impulso
Momento linear e impulso
Fernando Lucas
 
Aula4 introbusto
Aula4 introbustoAula4 introbusto
Aula4 introbusto
Fernando Lucas
 
Teoria ácido base
Teoria ácido baseTeoria ácido base
Teoria ácido base
Fernando Lucas
 
A equação de bernoulli
A equação de bernoulliA equação de bernoulli
A equação de bernoulli
Fernando Lucas
 
As regras da cadeia
As regras da cadeiaAs regras da cadeia
As regras da cadeia
Fernando Lucas
 
Hipérbole
HipérboleHipérbole
Hipérbole
Fernando Lucas
 
Elipse
ElipseElipse
Parábola
ParábolaParábola
Parábola
Fernando Lucas
 
Movimento em 1_dimensao_-_prof_romero_tavares
Movimento em 1_dimensao_-_prof_romero_tavaresMovimento em 1_dimensao_-_prof_romero_tavares
Movimento em 1_dimensao_-_prof_romero_tavares
Fernando Lucas
 
Eletro relat - brett
Eletro relat - brettEletro relat - brett
Eletro relat - brett
Fernando Lucas
 
A equação de bernoulli
A equação de bernoulliA equação de bernoulli
A equação de bernoulli
Fernando Lucas
 
Polimeros
PolimerosPolimeros
Polimeros
Fernando Lucas
 
Petroleo3
Petroleo3Petroleo3
Petroleo3
Fernando Lucas
 
Petroleo2
Petroleo2Petroleo2
Petroleo2
Fernando Lucas
 
Petroleo
PetroleoPetroleo
Petroleo
Fernando Lucas
 
Organica completa
Organica completaOrganica completa
Organica completa
Fernando Lucas
 
Nitrilas acidos sulfonicos
Nitrilas acidos sulfonicosNitrilas acidos sulfonicos
Nitrilas acidos sulfonicos
Fernando Lucas
 
Lipidios
LipidiosLipidios
Lipidios
Fernando Lucas
 

Mais de Fernando Lucas (20)

Termoquímica
TermoquímicaTermoquímica
Termoquímica
 
Forca e movimento_-_prof._wagner_roberto_batista
Forca e movimento_-_prof._wagner_roberto_batistaForca e movimento_-_prof._wagner_roberto_batista
Forca e movimento_-_prof._wagner_roberto_batista
 
Momento linear e impulso
Momento linear e impulsoMomento linear e impulso
Momento linear e impulso
 
Aula4 introbusto
Aula4 introbustoAula4 introbusto
Aula4 introbusto
 
Teoria ácido base
Teoria ácido baseTeoria ácido base
Teoria ácido base
 
A equação de bernoulli
A equação de bernoulliA equação de bernoulli
A equação de bernoulli
 
As regras da cadeia
As regras da cadeiaAs regras da cadeia
As regras da cadeia
 
Hipérbole
HipérboleHipérbole
Hipérbole
 
Elipse
ElipseElipse
Elipse
 
Parábola
ParábolaParábola
Parábola
 
Movimento em 1_dimensao_-_prof_romero_tavares
Movimento em 1_dimensao_-_prof_romero_tavaresMovimento em 1_dimensao_-_prof_romero_tavares
Movimento em 1_dimensao_-_prof_romero_tavares
 
Eletro relat - brett
Eletro relat - brettEletro relat - brett
Eletro relat - brett
 
A equação de bernoulli
A equação de bernoulliA equação de bernoulli
A equação de bernoulli
 
Polimeros
PolimerosPolimeros
Polimeros
 
Petroleo3
Petroleo3Petroleo3
Petroleo3
 
Petroleo2
Petroleo2Petroleo2
Petroleo2
 
Petroleo
PetroleoPetroleo
Petroleo
 
Organica completa
Organica completaOrganica completa
Organica completa
 
Nitrilas acidos sulfonicos
Nitrilas acidos sulfonicosNitrilas acidos sulfonicos
Nitrilas acidos sulfonicos
 
Lipidios
LipidiosLipidios
Lipidios
 

Materiais modernos

  • 2. Introdução  O intuito desse trabalho é denotar a importância de materiais quem vem sendo pesquisados desde o século XIX a fim de explorar suas propriedades e melhorar o avanço no campo científico.  Para entendermos a estrutura macroscópica de um material devemos estudá–la em nível atômico e molecular. 02/52
  • 3. Tópicos  Cristais-líquidos  Polímeros  Biomateriais  Cerâmica  Fenômeno da Supercondutividade  Filmes finos 03/52
  • 4. Cristais-Líquidos  O que são?  Cristal-líquido é um material cuja estrutura apresenta ordenação intermediária entre o sólido e o líquido e assim também se comportam as forças intermoleculares.  Características:  O cristal-líquido apresenta propriedades tanto de sólido (ordem) quanto de líquido (fluidez ).  Exemplo: o benzoato de colesterila acima de 179C é transparente. Entre 145C e 179C é leitoso e possui comportamento líquido- cristalino. 04/52
  • 5. Cristais-Líquidos Benzoato de Benzoato de colesterila entre colesterila acima de 145°C e 179°C (aspecto leitoso, 179°C (fase líquida ) fase líquida-cristalina ) 05/52
  • 6. Cristais-Líquidos Tipos de fases líquidas-cristalinas • Líquido normal: Apresenta suas moléculas orientadas aleatoriamente. • As moléculas de cristal-líquido normalmente são longas na forma de tubos. • Há três tipos de fase cristalina líquida dependendo da ordenação: – cristais-líquidos nemáticos (os menos ordenados): ordenados apenas na direção do eixo longo da molécula; – cristais-líquidos esméticos: ordenados na direção do eixo longo da molécula e em uma outra dimensão; – cristais-líquidos colestéricos: ordenados em camadas, conforme uma espiral (os mais ordenados). 06/52
  • 8. Cristais-Líquidos  Cristais-líquidos esméticos: normalmente contêm ligações C=N ou N=N e anéis de benzeno. 08/52
  • 9. Cristais-Líquidos  Cristais-líquidos colestéricos: baseados na estrutura do colesterol: As moléculas em camadas são orientadas em ângulo característico em relação ao das camadas adjacentes para evitar interações repulsivas. 09/52
  • 10. Cristais-Líquidos  Utilidade :  Os cristais-líquidos são utilizados como sensores de pressão e temperatura, e como visores de televisão, notebooks, palm tops, celulares, calculadoras etc...  São utilizados em tais dispositivos pois as fracas interações intermoleculares características dos cristais-líquidos os tornam sensíveis a variações de temperatura, pressão e campos magnéticos. 10/52
  • 12. Polímeros  O que são ? • Os polímeros são moléculas gigantescas, constituídas de muitas moléculas menores. • As unidades constituintes dos polímeros são denominadas monômeros. • Exemplos: plásticos, DNA, proteínas, borracha etc. • Características: • Existem inúmeros polímeros e cada um apresenta propriedades e estruturas que são importantes para a utilização no dia a dia. 12/52
  • 14. Polímeros  Formação:  Polímeros por adição:  Um dieno conjugado é somado inúmeras vezes até formar uma estrutura de tamanho maior.  Exemplo: polietileno, formado a partir da junção de várias moléculas de etileno. 14/52
  • 15. Polímeros  Podemos escrever a equação da reação de polimerização por adição como segue: 15/52
  • 16. Polímeros  Polímeros por condensação:  Quando dois monômeros se unem formando uma molécula maior e eliminando uma molécula menor, como por exemplo a água. H O H O N H + H O C N C + H O H  Exemplo de polimerização por condensação: a formação do náilon.  Obs: Polímeros formados a partir de monômeros diferentes são denominados copolímeros 16/52
  • 17. Polímeros  Tipos:  Elastômero: material que é de alguma forma elástico. Se uma quantidade moderada de força deformante é adicionada, o elastômero retornará à sua forma original. Útil para fibras.  Plástico: Materiais que podem ser fabricados em vários formatos, geralmente por aplicação de calor e pressão. - Termoplástico: materiais que podem ser moldados mais de uma vez. - Termocurado: materiais que podem ser moldados apenas uma vez. 17/52
  • 18. Polímeros  Curiosidade:  Plásticos reciclados: Observando a base de um recipiente de plástico reciclado, notaremos o número e a abreviatura correspondente ao polímero formador do material. 18/52
  • 19. Polímeros  Estruturas e propriedades físicas dos polímeros A cadeia não está em linha reta (geometria tetraédrica) Liberdade dos átomos para realizar “giro” (C-C) A flexibilidade nas cadeias poliméricas fazem com que os materiais poliméricos sejam muito flexíveis. Grau de cristalinidade é a quantificação da ordenação em um polímero. O estiramento ou o encolhimento de um polímero pode Segmento de aumentar sua cristalinidade. cadeia do polietileno 19/52
  • 21. Biomateriais  O que são?  Os biomateriais são quaisquer materiais que têm aplicações biomédicas.  Exemplo: materiais utilizados na obturação de dentes e lentes de contato.  Características: -Biocompatibilidade: Deve ser capaz de se integrar facilmente ao organismo sem reações inflamatórias. Exigências físicas: -Os biomateriais devem ser criados para um ambiente específico. -Os materiais devem ser flexíveis e resistentes ao desgaste. As válvulas cardíacas artificiais devem abrir e fechar de 70 a 80 vezes por minuto. 21/52
  • 22. Biomateriais Exigências químicas: • Os biomateriais devem ser de grau médico. • Os polímeros são biomateriais muito importantes. 22/52
  • 23. Biomateriais • Biomateriais poliméricos: • Biomateriais naturais são os polímeros de açúcares e nucleotídeos. • Esses polímeros são poliaminoácidos. 23/52
  • 24. Biomateriais  Exemplos de aplicações dos biomateriais: - Substituição e reparos cardíacos; Válvula cardíaca bifolicular. 24/52
  • 25. Biomateriais - Implantes vasculares; Implante vascular de DraconTM 25/52
  • 26. Biomateriais - Tecido artificial; • A pele artificial, que cresce em laboratório, é utilizada para o tratamento de pacientes com extensa perda de pele. 26/52
  • 27. Biomateriais  Substituições de bacia; • Uma bola metálica, feita com uma liga de cobalto e cromo, é normalmente utilizada nas substituições de bacias. • Esta liga é fixada a uma liga de titânio e cimentada com a utilização de um polímero termocurado resistente. • O acetábulo, que acomoda o fêmur, é revestido com uma camada de polietileno. 27/52
  • 28. Cerâmicas  O que são?  Cerâmicas são materiais inorgânicos, sólidos e não metálicos processados em altas temperaturas. ( Keramus, ou seja, coisa queimada ) 28/52
  • 29. Cerâmicas  Tipos:  Cristalinas (formas definidas)  Não cristalinas (estruturas amorfas)  Apresentam estruturas com ligações covalentes, iônicas ou combinação de ambas (caráter misto: iônico-covalente ) 29/52
  • 31. Cerâmicas Características Gerais: Propriedades Térmicas: Estáveis em altas temperaturas e condições severas Propriedades Elétricas: Podem ser isolantes elétricos (alumina, vidro de sílica (SiO2), semicondutores: SiC, B4C e supercondutores ((La, Sr)2CuO4, TiBa2Ca3Cu4O11 ) Propriedades Mecânicas: duros, resistentes ao desgaste, resistentes a corrosões e frágeis, ou seja, não sofrem deformações plásticas. 31/52
  • 32. Cerâmicas Exemplos de Materiais Cerâmicos:  Cerâmicas Tradicionais: materiais de origem argilosa (louça, tijolos refratários, telhas)  Abrasivos  Cimentos  Vidros  Cerâmicas Avançadas: utilizadas em aplicações eletro- eletrônicos, térmicas, mecânicas, ópticas, químicas e biomédicas 32/52
  • 33. Cerâmicas  Utilização:  Por terem tais propriedades, são utilizadas largamente na ciência. Os materiais cerâmicos são utilizados em componentes eletroeletrônicos, em aeronaves, mísseis e espaçonaves. 33/52
  • 34. Cerâmicas  Ex:  Indústria aeroespacial: revestimento exterior de fibras amorfas de sílica de alta pureza (isolante térmico) 34/52
  • 35. Cerâmicas  Indústria de Corte: utilizadas em máquinas criadas para modelar e cortar ferro e ligas mais duras (alumina reforçada)  Principais materiais: Al2O3, TiC, TiN 35/52
  • 36. Cerâmicas  Indústria Eletrônica: circuitos dos componentes criados à partir de substratos cerâmicos devido à semicondução . Alguns materiais cerâmicos são piezoelétricos, ou seja, criam um potencial elétrico a partir de um esforço mecânico e com isso, são utilizados para controlar frequências em componentes eletroeletrônicos, relógios, geradores de ultrassom. 36/52
  • 37. Cerâmicas  Por quê não são utilizadas em larga escala?  Frágeis e quebradiças  Difíceis de fabricar sem defeito  Alto custo de fabricação e confiabilidade do material 37/52
  • 38. Cerâmicas  Processamento da Cerâmica:  Materiais cerâmicos, geram, aleatoriamente microfissuras (lacunas) não detectáveis durante o processamento. Tais microfissuras são origens de rachaduras e quebras.  Processos:  Sinterização: aquecimento até altas temperaturas e em determinadas pressões a fim de que as partículas finas se unam.  Processo Sol-Gel: obtenção de uma rede de óxidos a partir de polimerizações inorgânicas. As partículas obtidas apresentam alta pureza e homogeneidade. 38/52
  • 39. Cerâmicas  Compósitos Cerâmicos:  Mistura de dois ou mais materiais para a formação de um material mais resistente devido a uma melhor interação físico- química. Método eficiente: adição de fibras (estrutura cujo raio é um no mínimo cem vezes menor que seu comprimento) cerâmicas ao material cerâmico. 39/52
  • 40. Supercondutividade  O que é?  É a perda da resistência ao fluxo de uma corrente elétrica causada pelo abaixamento da temperatura específica. (Tc K) 40/52
  • 42. Supercondutividade  Enorme potencial econômico:  Economia de energia  Maior viabilidade em construções de aparatos tecnológicos que requerem grande quantidade de energia.  Efeito Meissner 42/52
  • 44. Supercondutores  Por que não são utilizados em larga escala?  Pois a supercondutividade é encontrada a partir de temperaturas baixíssimas, limitando seu uso. Curiosidade: Em 1986, dois pesquisadores em um laboratório da IBM em Zurique descobriram um material supercondutor cuja temperatura crítica era acima de 90 K. A vantagem de ter material de tal temperatura é que o N2 se liquefaz a 77 K. 44/52
  • 45. Filmes Finos  O que são?  São materiais de pequena espessura (0,1 µm a 300 µm) que cobrem determinados substratos. 45/52
  • 46. Filmes Finos  Características:  Ser quimicamente estável,  Aderir bem à superfície,  Ser uniforme,  Ser puro,  Ter baixa densidade de imperfeições. 46/52
  • 47. Filmes Finos  Uso de filmes finos:  Microeletrônica: condutores, resistores, capacitores 47/52
  • 48. Filmes Finos  Óptica: revestimento de lentes a fim de reduzir a quantidade de luz refletida a partir das superfícies das lentes. 48/52
  • 49. Filmes Finos  Metais: revestimento em metais Painéis solares de filmes finos 49/52
  • 50. Filmes Finos  Processos de Fabricação:  Deposição a vácuo: o material é vaporizado ou evaporado em certa superfície,  Emissão: na qual uma alta voltagem gera átomos energéticos do material a ser depositado,  Deposição por vapor químico: ocorre uma reação química com a substância na fase de vapor em uma superfície, formando um revestimento estável e aderente. 50/52
  • 51. Filmes Finos Camadas finas de diamante em um Emissão Nanofitas material 51/52
  • 52. Referências Bibliográficas  Química - A Ciência Central - 9ª Edição , Autor: Brown / Lemay / Bursten Editora: Pearson Education  http://74.125.47.132/search?q=cache:Cj_tDZk3mOsJ:matmec.files.wordpress.co m/2008/08/cap13.ppt+Cer%C3%A2mica+Cristalina&cd=11&hl=pt- BR&ct=clnk&gl=br  http://www.quimica.ufpr.br/gqm/processo%20sol-gel.htm  www.abmaco.org.br/compositos.cfm  http://www.seara.ufc.br/especiais/fisica/supercondutividade/supercondutivid ade2.htm 52/52