SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 9
Agrupamento de Escolas Brás Garcia de Mascarenhas
Biblioteca escolar/Centro de Recursos Educativos
Manual de Procedimentos
Manual de Procedimentos
da
Biblioteca Escolar
Agrupamento de Escolas Brás Garcia de Mascarenhas
Biblioteca escolar/Centro de Recursos Educativos
Manual de Procedimentos
Organização e Gestão
da
Biblioteca Escolar / Centro de Recursos
Manual de Procedimentos
Nota Explicativa:
Qualquer biblioteca deve ter registado e organizado um Manual de Procedimentos, que
garanta a normalização na organização e gestão e onde se indiquem as operações correntes
da biblioteca, procedimentos, serviços, funcionamento... Este documento está em constante
evolução, mas deve existir, em dossier próprio. Pode ser mais ou menos exaustivo, nos itens
que contenha.
Sumário do Manual de Procedimentos:
Introdução
1 - Selecção e aquisição do fundo documental
2- Avaliação do fundo existente
3 - Tratamento técnico documental
3.1 - Registo
3.2 - Carimbagem
3.3 - Catalogação
3.4 - Cotação
3.5 - Arrumação
3.6 - Arquivo / difusão de informação
Agrupamento de Escolas Brás Garcia de Mascarenhas
Biblioteca escolar/Centro de Recursos Educativos
Manual de Procedimentos
Introdução
O Manual de Procedimentos é um documento interno que contém um conjunto de
instruções relativas aos procedimentos aplicados na Biblioteca Escolar/ Centro e Recursos
Educativos do Agrupamento de Escolas Brás Garcia de Mascarenhas e na Biblioteca do Centro
Escolar de Oliveira do Hospital no que respeita ao circuito documental, com o objectivo de
constituir um referencial de todo o tratamento técnico realizado nas BE’s.
Trata-se de um documento interno da responsabilidade da Equipa da BE/CRE que deve
ser regularmente actualizado
Agrupamento de Escolas Brás Garcia de Mascarenhas
Biblioteca escolar/Centro de Recursos Educativos
Manual de Procedimentos
1 - Selecção e aquisição do fundo documental
Entendemos que a biblioteca escolar deve proporcionar acesso a um conjunto de
recursos que apoiem alunos, professores e pais nas actividades de ensino/ aprendizagem,
cumprindo objectivos curriculares e de suporte a actividades e a projectos de âmbito extra
curricular.
Deve ainda facultar recursos informativos e de lazer capazes de responder a
necessidades intelectuais e formativas dos utilizadores, cumprindo, desta forma, objectivos
lúdicos, recreativos e culturais.
Neste sentido a selecção e a aquisição do fundo documental pautam-se pelos
critérios estabelecidos pela equipa, de acordo com as orientações da RBE, as indicações
dos Departamentos e as necessidades do nosso público-alvo, estabelecidos em documento
autónomo: Política de Desenvolvimento da Colecção (PDC) – que se anexa.
A selecção dos fundos documentais deve ser feita, sob coordenação da equipa, do
órgão de gestão, dos professores e restante comunidade escolar.
Pode ser feita por auscultação, questionários e sugestões directas à coordenadora.
Esta selecção deve ser feita respeitando os seguintes aspectos:
a. Currículo Nacional;
b. Projecto Curricular da Escola;
c. Objectivos definidos no Projecto Educativo da Escola;
d. Equilíbrio entre os níveis de ensino existentes na escola;
e. Necessidades educativas especiais e as origens multiculturais dos alunos;
f. Equilíbrio entre as áreas curricular, extracurricular e lúdica;
g. Equilíbrio entre todos os suportes, que de uma maneira geral deve respeitar a
proporcionalidade de 3:1 relativamente ao material livro e não livro;
h. Equilíbrio entre todas as áreas do saber, respeitando essencialmente as
áreas disciplinares/temáticas e de referência e o número de alunos que as
frequentam;
i. Orientação do Plano Nacional de Leitura (PNL)
j. Objectivo de alcançar um fundo global equivalente a 10 vezes o nº de alunos.
Após a recolha das informações acima, a Equipa analisa as listagens de material e
selecciona, estabelecendo prioridades, tendo em consideração as áreas mais deficitárias e a
verba disponível.
São feitas várias consultas às diferentes editoras, sendo feita posterior selecção em
função dos preços e condições de aquisição apresentadas.
A encomenda é feita pela equipa, aprovada pelo Presidente do Órgão Directivo.
Agrupamento de Escolas Brás Garcia de Mascarenhas
Biblioteca escolar/Centro de Recursos Educativos
Manual de Procedimentos
2. Avaliação da colecção existente
Com o objectivo de responder às necessidades do nosso público alvo, procede-se à
avaliação do fundo documental da BE/CRE com o propósito de verificar a sua
actualização, pertinência, estado de conservação, interesse e valor para o nível de ensino
da nossa escola.
Esta tarefa permiti-nos fazer uma avaliação mais criteriosa da dimensão do fundo
documental e da sua diversidade e corrigir os pontos fracos.
3 - Tratamento técnico documental
Imediatamente após a chegada do material adquirido aos Serviços Administrativos
da Escola, os mesmos são entregues na BE/CRE onde são cuidadosamente conferidos
através da guia ou factura pró-forma. Depois deste procedimento, o documento está pronto
para o seu registo, carimbagem e procedimentos subsequentes.
Ao acervo documental já existente é feita uma análise para detecção de material
danificado ou com deficiente funcionamento, sendo abatido sempre que deixe de estar em
condições aceitáveis.
3.1 – Registo
Esta operação tem como objectivo a inventariação dos documentos que constituem o
fundo documental da BE/CRE.
Sempre que houver aquisições de fundo documental em qualquer suporte, este
deverá ser registado de imediato em suporte informático.
Em documento de suporte existente para o efeito, registam-se os jornais diários, e
todos os periódicos.
Em documento próprio, Livro de Registos, registam-se todas as obras (DI –
documentos impressos e DNI - documentos não impressos) seguindo os critérios: nº de
registo, data de entrada, autor, Edição (local, editor, data), nº de volumes, suporte, modo de
aquisição, cota e observações. As páginas serão todas numeradas.
Dada a rápida desactualização dos manuais escolares e o seu carácter efémero
enquanto publicações de referência da colecção da biblioteca, estes serão registados num
livro específico para o efeito.
Agrupamento de Escolas Brás Garcia de Mascarenhas
Biblioteca escolar/Centro de Recursos Educativos
Manual de Procedimentos
3.2 – Carimbagem
A carimbagem deverá ser feita tendo em consideração a salvaguarda da integridade
da mancha gráfica, das ilustrações e imagens. Todos os documentos têm de ser
carimbados, utilizando-se, para tal, duas espécies de carimbos: o de registo e o de logótipo.
 Documentos impressos: livros
o Os livros são carimbados no canto superior direito, na página com maior de
informação sobre o documento, com o logótipo da biblioteca e com o carimbo
de registo no canto inferior direito.
 Documentos impressos: publicações periódicas
As publicações periódicas são carimbadas, apenas, com o logótipo da biblioteca e da
seguinte de forma:
o Revistas – Na capa e na página do sumário;
o Jornais – Junto ao titulo.
o Este procedimento será, igualmente, utilizado em brochuras, desdobráveis
e folhetos.
 Material Não Livro: CD-Áudio; CD-rom; DVD; Cassetes Video;
Diapositivos.
o Os carimbos com o logótipo e de registo aplicam-se na contracapa.
o No próprio documento será colocada uma etiqueta com o carimbo do registo
ou escrita esta informação com caneta de acetato.
o Os originais são retirados das capas, guardados em segurança.
 Material Não livro: Suporte iconográfico (postal, fotografia, etc.) e mapas
o Aplicar o carimbo de registo no verso do documento.
3.3 Catalogação, classificação e indexação
o Na catalogação são seguidas as Regras Portuguesas de Catalogação.
o A classificação é feita segundo a CDU da BN, tendo sido preparada uma
tabela adaptada/simplificada para a realidade da BE/CRE. (em anexo).
o O número mínimo de exemplares para abrir uma subclasse é de quatro.
o O Software utilizado pela BE/CRE é o “BIBLIOBASE ”.
o O trabalho de catalogação é da responsabilidade da funcionária e da
coordenadora.
o O trabalho de indexação é da responsabilidade da coordenadora.
Agrupamento de Escolas Brás Garcia de Mascarenhas
Biblioteca escolar/Centro de Recursos Educativos
Manual de Procedimentos
o Serão campos de preenchimento obrigatório, os seguintes:
Identificação
 010 ISBN
^a número (ISBN)
 021 Número de depósito legal
^a código do país
^b número
 100 Dados gerais de processamento
^a data de entrada do documento e data de publicação
 101 Língua da publicação
^a língua do texto, banda sonora …
^c língua do documento no original
 102
^a país de publicação
 200 Título e menção de responsabilidade
^a título próprio
^e informação de outro título
^f primeira menção de responsabilidade
^g outras menções de responsabilidade
 205 Menção da edição
^a menção da edição
^g outra menções de responsabilidade relativas à edição
 210 Publicação, Distribuição
^a lugar de edição
^c nome do editor, distribuidor
^d data da publicação
^h data da impressão
 215 Descrição física
^a descrição física
^c outras indicações físicas
^d descrição física dimensões
 225 Colecção
^a título próprio da colecção
^v indicação de volume
Assuntos
 675 CDU
^a notação
^v edição
^z língua da edição
Responsabilidade Intelectual
 700 Responsabilidade Principal
^a nome de autor – Palavra de Ordem
^b Outra parte do nome
 701 Co-responsabilidade Principal
Agrupamento de Escolas Brás Garcia de Mascarenhas
Biblioteca escolar/Centro de Recursos Educativos
Manual de Procedimentos
^a nome de autor - Palavra de ordem
^b outra parte do nome
^4 Código da função
 702 Responsabilidade Secundária
^a Nome de autor – Palavra de ordem
^b Outra parte do nome
^4 Código de função
 966 Existências
^1 sigla
^a número de registo
^s cota
3.4 – Cotação
Após a catalogação, classificação e indexação, os documentos são cotados.
A cotação é a fase do tratamento documental em que a cada documento é atribuído
um código que permite a sua arrumação nas estantes. Desta forma, a posterior recuperação
do documento por parte do utilizador é mais fácil.
Cota – código que permite a fácil identificação de uma espécie dentro do fundo
documental; estabelece uma relação entre os dados relativos a um documento e a sua
posição na prateleira/estante.
A classificação utilizada foi a Classificação Decimal Universal (CDU) seguida das três
primeiras letras do apelido do autor.
Os livros são colocados na estante /prateleira/ por ordem alfabética, pelo apelido do autor.
Nota - a cota é registada a lápis.
3.5 – Arrumação
A arrumação dos documentos é efectuada com base na cota, utilizando a CDU.
Estão arrumados por assunto e, dentro deste, por ordem alfabética do apelido do
autor.
Uma vez que os documentos se encontram em livre acesso, é de particular
importância a sinalização das estantes/prateleiras.
Etapas inerentes à operacionalização da arrumação:
a) Identificar os temas dos documentos entrados, na Biblioteca, para a produção de títulos
que servirão para sinalizar as estantes/prateleiras com as classes da CDU;
c) As estantes devem ter a indicação das grandes classes da CDU, nos porta-títulos, mas,
dentro delas só se criarão subclasses, se o número de títulos existentes o justificar.
A colocação de fundo documental nas estantes obedece ainda ao seguinte critério:
da esquerda para a direita e de cima para baixo.
Agrupamento de Escolas Brás Garcia de Mascarenhas
Biblioteca escolar/Centro de Recursos Educativos
Manual de Procedimentos
3.6 – Arquivo/Difusão
1. O arquivo do acervo documental desbastado será feito contemplando:
o Ano lectivo de desbaste;
o Assunto/tema;
o Ordem alfabética por autor.
2. Mensalmente será feito o desbaste de publicações periódicas a abater:
o Serão organizados dossiers temáticos com recortes;
o Os restantes serão reciclados;
o As revistas cujo teor seja manifestamente importante para o tratamento/informação
pedagógica serão organizadas e arquivadas por ano lectivo.
3. As novidades serão divulgadas mediante informação interna (Conselho Pedagógico)
e expostas na biblioteca temporariamente em expositor criado para o efeito, pela
disponibilização do catálogo informatizado e actualizado e pela disponibilização da
informação através da Internet, na página/blogue (http://be23ceb.blogspot.com)
da BE/CRE

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Atividade reciclagem e reaproveitamento
Atividade   reciclagem e reaproveitamentoAtividade   reciclagem e reaproveitamento
Atividade reciclagem e reaproveitamentoTânia Silva
 
Dicionário de Termos Técnicos da Assistência Social [PMBH-MG]
Dicionário de Termos Técnicos da Assistência Social [PMBH-MG]Dicionário de Termos Técnicos da Assistência Social [PMBH-MG]
Dicionário de Termos Técnicos da Assistência Social [PMBH-MG]Henrique Manoel Carvalho Silva
 
Modelo de requerimento MODELO DE REQUERIMENTO Solicitação de acompanha...
Modelo de requerimento  MODELO DE REQUERIMENTO     Solicitação   de acompanha...Modelo de requerimento  MODELO DE REQUERIMENTO     Solicitação   de acompanha...
Modelo de requerimento MODELO DE REQUERIMENTO Solicitação de acompanha...Meri Sandra
 
Relatório de Visita Técnica: Centro Histórico de Curitiba
Relatório de Visita Técnica: Centro Histórico de CuritibaRelatório de Visita Técnica: Centro Histórico de Curitiba
Relatório de Visita Técnica: Centro Histórico de CuritibaIZIS PAIXÃO
 
Pauta reunião maternal I - 2º bi
Pauta reunião maternal I -   2º biPauta reunião maternal I -   2º bi
Pauta reunião maternal I - 2º biCRG
 
Jogos e Dinâmicas de Grupo - Pessoa com Deficiência
Jogos e Dinâmicas de Grupo - Pessoa com DeficiênciaJogos e Dinâmicas de Grupo - Pessoa com Deficiência
Jogos e Dinâmicas de Grupo - Pessoa com DeficiênciaRosane Domingues
 
Ficha inscrição atletas
Ficha inscrição atletasFicha inscrição atletas
Ficha inscrição atletasJean Vieira
 
Brincadeiras baby-chá
Brincadeiras baby-cháBrincadeiras baby-chá
Brincadeiras baby-cháClaudiandrea
 
28 atividades com o alfabeto para autistas 1.12
28 atividades com o alfabeto para autistas 1.1228 atividades com o alfabeto para autistas 1.12
28 atividades com o alfabeto para autistas 1.12SimoneHelenDrumond
 
Declaração de residencia
Declaração de residenciaDeclaração de residencia
Declaração de residenciaAnalOliveira
 
Oficio convite à comunidade escolar
Oficio convite à comunidade escolarOficio convite à comunidade escolar
Oficio convite à comunidade escolarcarlasp
 
Aula 02 radiologia - anatomia do esqueleto apendicular - carpo
Aula 02   radiologia - anatomia do esqueleto apendicular - carpoAula 02   radiologia - anatomia do esqueleto apendicular - carpo
Aula 02 radiologia - anatomia do esqueleto apendicular - carpoHamilton Nobrega
 
Ficha cadastro de aluno
Ficha cadastro de alunoFicha cadastro de aluno
Ficha cadastro de alunoMarlon Cezar
 
Plano de aula aprender em parceria 2
Plano de aula aprender em parceria 2Plano de aula aprender em parceria 2
Plano de aula aprender em parceria 2Giselapapa
 
Declaração de vínculo funcional em branco
Declaração de vínculo funcional em brancoDeclaração de vínculo funcional em branco
Declaração de vínculo funcional em brancoMauricio Moraes
 
Modelo de carta p solicitação de estagio
Modelo de carta p solicitação de estagioModelo de carta p solicitação de estagio
Modelo de carta p solicitação de estagioRosane Domingues
 
Carta convite para compor banca examinadora
Carta convite para compor banca examinadoraCarta convite para compor banca examinadora
Carta convite para compor banca examinadorareginaeduc
 

Mais procurados (20)

Atividade reciclagem e reaproveitamento
Atividade   reciclagem e reaproveitamentoAtividade   reciclagem e reaproveitamento
Atividade reciclagem e reaproveitamento
 
Dicionário de Termos Técnicos da Assistência Social [PMBH-MG]
Dicionário de Termos Técnicos da Assistência Social [PMBH-MG]Dicionário de Termos Técnicos da Assistência Social [PMBH-MG]
Dicionário de Termos Técnicos da Assistência Social [PMBH-MG]
 
Modelo de requerimento MODELO DE REQUERIMENTO Solicitação de acompanha...
Modelo de requerimento  MODELO DE REQUERIMENTO     Solicitação   de acompanha...Modelo de requerimento  MODELO DE REQUERIMENTO     Solicitação   de acompanha...
Modelo de requerimento MODELO DE REQUERIMENTO Solicitação de acompanha...
 
Relatório de Visita Técnica: Centro Histórico de Curitiba
Relatório de Visita Técnica: Centro Histórico de CuritibaRelatório de Visita Técnica: Centro Histórico de Curitiba
Relatório de Visita Técnica: Centro Histórico de Curitiba
 
Pauta reunião maternal I - 2º bi
Pauta reunião maternal I -   2º biPauta reunião maternal I -   2º bi
Pauta reunião maternal I - 2º bi
 
Jogos e Dinâmicas de Grupo - Pessoa com Deficiência
Jogos e Dinâmicas de Grupo - Pessoa com DeficiênciaJogos e Dinâmicas de Grupo - Pessoa com Deficiência
Jogos e Dinâmicas de Grupo - Pessoa com Deficiência
 
254 autismo com ziraldo
254 autismo com ziraldo254 autismo com ziraldo
254 autismo com ziraldo
 
Ficha inscrição atletas
Ficha inscrição atletasFicha inscrição atletas
Ficha inscrição atletas
 
Brincadeiras baby-chá
Brincadeiras baby-cháBrincadeiras baby-chá
Brincadeiras baby-chá
 
Caderno de-jogos
Caderno de-jogosCaderno de-jogos
Caderno de-jogos
 
28 atividades com o alfabeto para autistas 1.12
28 atividades com o alfabeto para autistas 1.1228 atividades com o alfabeto para autistas 1.12
28 atividades com o alfabeto para autistas 1.12
 
Grêmio modelos
Grêmio modelosGrêmio modelos
Grêmio modelos
 
Declaração de residencia
Declaração de residenciaDeclaração de residencia
Declaração de residencia
 
Oficio convite à comunidade escolar
Oficio convite à comunidade escolarOficio convite à comunidade escolar
Oficio convite à comunidade escolar
 
Aula 02 radiologia - anatomia do esqueleto apendicular - carpo
Aula 02   radiologia - anatomia do esqueleto apendicular - carpoAula 02   radiologia - anatomia do esqueleto apendicular - carpo
Aula 02 radiologia - anatomia do esqueleto apendicular - carpo
 
Ficha cadastro de aluno
Ficha cadastro de alunoFicha cadastro de aluno
Ficha cadastro de aluno
 
Plano de aula aprender em parceria 2
Plano de aula aprender em parceria 2Plano de aula aprender em parceria 2
Plano de aula aprender em parceria 2
 
Declaração de vínculo funcional em branco
Declaração de vínculo funcional em brancoDeclaração de vínculo funcional em branco
Declaração de vínculo funcional em branco
 
Modelo de carta p solicitação de estagio
Modelo de carta p solicitação de estagioModelo de carta p solicitação de estagio
Modelo de carta p solicitação de estagio
 
Carta convite para compor banca examinadora
Carta convite para compor banca examinadoraCarta convite para compor banca examinadora
Carta convite para compor banca examinadora
 

Destaque

Manuais administrativos
Manuais administrativosManuais administrativos
Manuais administrativosDiana Crys
 
Grelha Subdomínio D3 - Modelo de Auto-avaliação da Biblioteca Escolar
Grelha Subdomínio D3 - Modelo de Auto-avaliação da Biblioteca EscolarGrelha Subdomínio D3 - Modelo de Auto-avaliação da Biblioteca Escolar
Grelha Subdomínio D3 - Modelo de Auto-avaliação da Biblioteca Escolarflorafialho
 
Trabalho Projecto
Trabalho ProjectoTrabalho Projecto
Trabalho ProjectoJ. Martins
 
Iiunidade manuais administrativosii
Iiunidade manuais administrativosiiIiunidade manuais administrativosii
Iiunidade manuais administrativosiizeramento contabil
 
Manual comunicação em formação inicial e formadores
Manual comunicação em formação inicial e formadoresManual comunicação em formação inicial e formadores
Manual comunicação em formação inicial e formadoresPatrícia Ervilha
 
Exemplos 02-manual de exemplos passo a passo
Exemplos 02-manual de exemplos passo a passoExemplos 02-manual de exemplos passo a passo
Exemplos 02-manual de exemplos passo a passoAnderson Ricardo Cunha
 
Analise da distribuicao do trabalho o&m
Analise da distribuicao do trabalho o&mAnalise da distribuicao do trabalho o&m
Analise da distribuicao do trabalho o&mtembito
 
Formularios
FormulariosFormularios
FormulariosAAcioli
 
Formulário - Organização, Sistemas e Métodos
Formulário - Organização, Sistemas e MétodosFormulário - Organização, Sistemas e Métodos
Formulário - Organização, Sistemas e MétodosSabrina Machado
 
Qualidade no Atendimento
Qualidade no AtendimentoQualidade no Atendimento
Qualidade no AtendimentoNyedson Barbosa
 
Rotinas administrativas
Rotinas administrativasRotinas administrativas
Rotinas administrativasValéria Lins
 
Logística Empresarial Cadeia De Suprimentos
Logística Empresarial Cadeia De SuprimentosLogística Empresarial Cadeia De Suprimentos
Logística Empresarial Cadeia De SuprimentosWeNova Consulting
 

Destaque (18)

Manuais administrativos
Manuais administrativosManuais administrativos
Manuais administrativos
 
Manual de controles internos
Manual de controles internosManual de controles internos
Manual de controles internos
 
Manuais
ManuaisManuais
Manuais
 
Grelha Subdomínio D3 - Modelo de Auto-avaliação da Biblioteca Escolar
Grelha Subdomínio D3 - Modelo de Auto-avaliação da Biblioteca EscolarGrelha Subdomínio D3 - Modelo de Auto-avaliação da Biblioteca Escolar
Grelha Subdomínio D3 - Modelo de Auto-avaliação da Biblioteca Escolar
 
Trabalho Projecto
Trabalho ProjectoTrabalho Projecto
Trabalho Projecto
 
Iiunidade manuais administrativosii
Iiunidade manuais administrativosiiIiunidade manuais administrativosii
Iiunidade manuais administrativosii
 
Manual comunicação em formação inicial e formadores
Manual comunicação em formação inicial e formadoresManual comunicação em formação inicial e formadores
Manual comunicação em formação inicial e formadores
 
Exemplos 02-manual de exemplos passo a passo
Exemplos 02-manual de exemplos passo a passoExemplos 02-manual de exemplos passo a passo
Exemplos 02-manual de exemplos passo a passo
 
Analise da distribuicao do trabalho o&m
Analise da distribuicao do trabalho o&mAnalise da distribuicao do trabalho o&m
Analise da distribuicao do trabalho o&m
 
OSM : Formulários
OSM : FormuláriosOSM : Formulários
OSM : Formulários
 
Formularios
FormulariosFormularios
Formularios
 
Formulário - Organização, Sistemas e Métodos
Formulário - Organização, Sistemas e MétodosFormulário - Organização, Sistemas e Métodos
Formulário - Organização, Sistemas e Métodos
 
QDT - Quadro de Distribuição de Trabalho
QDT - Quadro de Distribuição de TrabalhoQDT - Quadro de Distribuição de Trabalho
QDT - Quadro de Distribuição de Trabalho
 
ORGANIZAÇÃO, SISTEMAS E MÉTODOS – OSM
ORGANIZAÇÃO, SISTEMAS E MÉTODOS – OSMORGANIZAÇÃO, SISTEMAS E MÉTODOS – OSM
ORGANIZAÇÃO, SISTEMAS E MÉTODOS – OSM
 
Arquivologia
ArquivologiaArquivologia
Arquivologia
 
Qualidade no Atendimento
Qualidade no AtendimentoQualidade no Atendimento
Qualidade no Atendimento
 
Rotinas administrativas
Rotinas administrativasRotinas administrativas
Rotinas administrativas
 
Logística Empresarial Cadeia De Suprimentos
Logística Empresarial Cadeia De SuprimentosLogística Empresarial Cadeia De Suprimentos
Logística Empresarial Cadeia De Suprimentos
 

Semelhante a Manual de procedimentos

Manual de procedimentos EBDJDS.pdf
Manual de procedimentos EBDJDS.pdfManual de procedimentos EBDJDS.pdf
Manual de procedimentos EBDJDS.pdfBibliotecaLavra
 
Be política de desenvolvimento da colecção
Be política de desenvolvimento da colecçãoBe política de desenvolvimento da colecção
Be política de desenvolvimento da colecçãobecastanheiradepera
 
Política e desenvolvimento de colecção
Política e desenvolvimento de colecçãoPolítica e desenvolvimento de colecção
Política e desenvolvimento de colecçãoDanielaSantos
 
Manual de procedimentos eb 2,3 de alexandre herculano
Manual de procedimentos   eb 2,3 de alexandre herculanoManual de procedimentos   eb 2,3 de alexandre herculano
Manual de procedimentos eb 2,3 de alexandre herculanoRisoleta Montez
 
Trabalho do koha
Trabalho do kohaTrabalho do koha
Trabalho do kohaAnaLima68
 
Manual procedimentos be_-_pdf
Manual procedimentos be_-_pdfManual procedimentos be_-_pdf
Manual procedimentos be_-_pdfBELidiaJorge
 
Manual de procedimentos da BE
Manual de procedimentos da BEManual de procedimentos da BE
Manual de procedimentos da BEBibliotecaLavra
 
Manual de Procedimentos BE/CRE
Manual de Procedimentos BE/CREManual de Procedimentos BE/CRE
Manual de Procedimentos BE/CREAntónio Sérgio
 
Apresentação final relatório curso técnico em Biblioteconomia
Apresentação final relatório curso técnico em BiblioteconomiaApresentação final relatório curso técnico em Biblioteconomia
Apresentação final relatório curso técnico em BiblioteconomiaVanessa Souza Pereira
 
Subdominio D.3 Tabela Isabel Trabucho
Subdominio D.3 Tabela Isabel TrabuchoSubdominio D.3 Tabela Isabel Trabucho
Subdominio D.3 Tabela Isabel Trabuchoisabelcristinavale
 

Semelhante a Manual de procedimentos (20)

Manual procedimentos
Manual procedimentosManual procedimentos
Manual procedimentos
 
Manual de procedimentos EBDJDS.pdf
Manual de procedimentos EBDJDS.pdfManual de procedimentos EBDJDS.pdf
Manual de procedimentos EBDJDS.pdf
 
Manual de
Manual de Manual de
Manual de
 
Be política de desenvolvimento da colecção
Be política de desenvolvimento da colecçãoBe política de desenvolvimento da colecção
Be política de desenvolvimento da colecção
 
Política e desenvolvimento de colecção
Política e desenvolvimento de colecçãoPolítica e desenvolvimento de colecção
Política e desenvolvimento de colecção
 
Manual Procedimentos
Manual ProcedimentosManual Procedimentos
Manual Procedimentos
 
Manual de procedimentos eb 2,3 de alexandre herculano
Manual de procedimentos   eb 2,3 de alexandre herculanoManual de procedimentos   eb 2,3 de alexandre herculano
Manual de procedimentos eb 2,3 de alexandre herculano
 
Trabalho do koha
Trabalho do kohaTrabalho do koha
Trabalho do koha
 
Manual procedimentos be_-_pdf
Manual procedimentos be_-_pdfManual procedimentos be_-_pdf
Manual procedimentos be_-_pdf
 
Manual procedimentos da BE
Manual procedimentos da BEManual procedimentos da BE
Manual procedimentos da BE
 
Manual de procedimentos da BE
Manual de procedimentos da BEManual de procedimentos da BE
Manual de procedimentos da BE
 
Regimento Biblioteca Escolar
Regimento Biblioteca EscolarRegimento Biblioteca Escolar
Regimento Biblioteca Escolar
 
Manual de Procedimentos BE/CRE
Manual de Procedimentos BE/CREManual de Procedimentos BE/CRE
Manual de Procedimentos BE/CRE
 
Regulamento das bibliotecas
Regulamento das bibliotecasRegulamento das bibliotecas
Regulamento das bibliotecas
 
Apresentação final relatório curso técnico em Biblioteconomia
Apresentação final relatório curso técnico em BiblioteconomiaApresentação final relatório curso técnico em Biblioteconomia
Apresentação final relatório curso técnico em Biblioteconomia
 
Subdominio D.3 Tabela Isabel Trabucho
Subdominio D.3 Tabela Isabel TrabuchoSubdominio D.3 Tabela Isabel Trabucho
Subdominio D.3 Tabela Isabel Trabucho
 
Pdc be pedrulha-final
Pdc be pedrulha-finalPdc be pedrulha-final
Pdc be pedrulha-final
 
Manual de Procedimentos Odivelas
Manual de Procedimentos OdivelasManual de Procedimentos Odivelas
Manual de Procedimentos Odivelas
 
Pl.act be 2012 13
Pl.act be 2012 13Pl.act be 2012 13
Pl.act be 2012 13
 
Pl.ats. 2013 2014
Pl.ats. 2013 2014Pl.ats. 2013 2014
Pl.ats. 2013 2014
 

Mais de be23ceb

O sistema solar mais louco do universo regulamento
O sistema solar mais louco do universo   regulamentoO sistema solar mais louco do universo   regulamento
O sistema solar mais louco do universo regulamentobe23ceb
 
Isabel alçada
Isabel alçadaIsabel alçada
Isabel alçadabe23ceb
 
Sophia m b
Sophia m bSophia m b
Sophia m bbe23ceb
 
Fernando pessoa
Fernando pessoaFernando pessoa
Fernando pessoabe23ceb
 
António Mota
António MotaAntónio Mota
António Motabe23ceb
 
Patrícia Reis
Patrícia ReisPatrícia Reis
Patrícia Reisbe23ceb
 
Aquilino Ribeiro
Aquilino RibeiroAquilino Ribeiro
Aquilino Ribeirobe23ceb
 
São Martinho
São MartinhoSão Martinho
São Martinhobe23ceb
 
Anne Frank
Anne Frank   Anne Frank
Anne Frank be23ceb
 
Acróstico..
Acróstico..Acróstico..
Acróstico..be23ceb
 
Poupar na escola
Poupar na escolaPoupar na escola
Poupar na escolabe23ceb
 
Educação Especial
Educação EspecialEducação Especial
Educação Especialbe23ceb
 
Jingle bells
Jingle bellsJingle bells
Jingle bellsbe23ceb
 
Receita saudável
Receita saudávelReceita saudável
Receita saudávelbe23ceb
 
Dia inter. be
Dia inter. beDia inter. be
Dia inter. bebe23ceb
 
Troca solidária
Troca solidáriaTroca solidária
Troca solidáriabe23ceb
 
Compositores
CompositoresCompositores
Compositoresbe23ceb
 

Mais de be23ceb (20)

O sistema solar mais louco do universo regulamento
O sistema solar mais louco do universo   regulamentoO sistema solar mais louco do universo   regulamento
O sistema solar mais louco do universo regulamento
 
Isabel alçada
Isabel alçadaIsabel alçada
Isabel alçada
 
Sophia m b
Sophia m bSophia m b
Sophia m b
 
Fernando pessoa
Fernando pessoaFernando pessoa
Fernando pessoa
 
António Mota
António MotaAntónio Mota
António Mota
 
Patrícia Reis
Patrícia ReisPatrícia Reis
Patrícia Reis
 
Aquilino Ribeiro
Aquilino RibeiroAquilino Ribeiro
Aquilino Ribeiro
 
São Martinho
São MartinhoSão Martinho
São Martinho
 
Anne Frank
Anne Frank   Anne Frank
Anne Frank
 
Acróstico..
Acróstico..Acróstico..
Acróstico..
 
Poupar na escola
Poupar na escolaPoupar na escola
Poupar na escola
 
Educação Especial
Educação EspecialEducação Especial
Educação Especial
 
Jingle bells
Jingle bellsJingle bells
Jingle bells
 
Receita saudável
Receita saudávelReceita saudável
Receita saudável
 
Dia inter. be
Dia inter. beDia inter. be
Dia inter. be
 
Troca solidária
Troca solidáriaTroca solidária
Troca solidária
 
4
44
4
 
2
22
2
 
3
33
3
 
Compositores
CompositoresCompositores
Compositores
 

Último

QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...azulassessoria9
 
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfUFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfManuais Formação
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaHenrique Santos
 
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxSequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxCarolineWaitman
 
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilPower Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilMariaHelena293800
 
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdfUFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdfManuais Formação
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisIlda Bicacro
 
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVASAPRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVASricardo644666
 
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfSQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfAndersonW5
 
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfGisellySobral
 
Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................mariagrave
 
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdfTema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdfAnaAugustaLagesZuqui
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoIlda Bicacro
 
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSFormação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSPedroMatos469278
 
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - materialFUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - materialDouglasVasconcelosMa
 
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxAspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxprofbrunogeo95
 
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...WelitaDiaz1
 
472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...
472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...
472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...GisellySobral
 

Último (20)

QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
 
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfUFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
 
662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 
Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.
 
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxSequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
 
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilPower Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
 
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdfUFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
 
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVASAPRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
 
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfSQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
 
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
 
Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................
 
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdfTema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
 
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSFormação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
 
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - materialFUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
 
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxAspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
 
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
 
472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...
472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...
472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...
 

Manual de procedimentos

  • 1. Agrupamento de Escolas Brás Garcia de Mascarenhas Biblioteca escolar/Centro de Recursos Educativos Manual de Procedimentos Manual de Procedimentos da Biblioteca Escolar
  • 2. Agrupamento de Escolas Brás Garcia de Mascarenhas Biblioteca escolar/Centro de Recursos Educativos Manual de Procedimentos Organização e Gestão da Biblioteca Escolar / Centro de Recursos Manual de Procedimentos Nota Explicativa: Qualquer biblioteca deve ter registado e organizado um Manual de Procedimentos, que garanta a normalização na organização e gestão e onde se indiquem as operações correntes da biblioteca, procedimentos, serviços, funcionamento... Este documento está em constante evolução, mas deve existir, em dossier próprio. Pode ser mais ou menos exaustivo, nos itens que contenha. Sumário do Manual de Procedimentos: Introdução 1 - Selecção e aquisição do fundo documental 2- Avaliação do fundo existente 3 - Tratamento técnico documental 3.1 - Registo 3.2 - Carimbagem 3.3 - Catalogação 3.4 - Cotação 3.5 - Arrumação 3.6 - Arquivo / difusão de informação
  • 3. Agrupamento de Escolas Brás Garcia de Mascarenhas Biblioteca escolar/Centro de Recursos Educativos Manual de Procedimentos Introdução O Manual de Procedimentos é um documento interno que contém um conjunto de instruções relativas aos procedimentos aplicados na Biblioteca Escolar/ Centro e Recursos Educativos do Agrupamento de Escolas Brás Garcia de Mascarenhas e na Biblioteca do Centro Escolar de Oliveira do Hospital no que respeita ao circuito documental, com o objectivo de constituir um referencial de todo o tratamento técnico realizado nas BE’s. Trata-se de um documento interno da responsabilidade da Equipa da BE/CRE que deve ser regularmente actualizado
  • 4. Agrupamento de Escolas Brás Garcia de Mascarenhas Biblioteca escolar/Centro de Recursos Educativos Manual de Procedimentos 1 - Selecção e aquisição do fundo documental Entendemos que a biblioteca escolar deve proporcionar acesso a um conjunto de recursos que apoiem alunos, professores e pais nas actividades de ensino/ aprendizagem, cumprindo objectivos curriculares e de suporte a actividades e a projectos de âmbito extra curricular. Deve ainda facultar recursos informativos e de lazer capazes de responder a necessidades intelectuais e formativas dos utilizadores, cumprindo, desta forma, objectivos lúdicos, recreativos e culturais. Neste sentido a selecção e a aquisição do fundo documental pautam-se pelos critérios estabelecidos pela equipa, de acordo com as orientações da RBE, as indicações dos Departamentos e as necessidades do nosso público-alvo, estabelecidos em documento autónomo: Política de Desenvolvimento da Colecção (PDC) – que se anexa. A selecção dos fundos documentais deve ser feita, sob coordenação da equipa, do órgão de gestão, dos professores e restante comunidade escolar. Pode ser feita por auscultação, questionários e sugestões directas à coordenadora. Esta selecção deve ser feita respeitando os seguintes aspectos: a. Currículo Nacional; b. Projecto Curricular da Escola; c. Objectivos definidos no Projecto Educativo da Escola; d. Equilíbrio entre os níveis de ensino existentes na escola; e. Necessidades educativas especiais e as origens multiculturais dos alunos; f. Equilíbrio entre as áreas curricular, extracurricular e lúdica; g. Equilíbrio entre todos os suportes, que de uma maneira geral deve respeitar a proporcionalidade de 3:1 relativamente ao material livro e não livro; h. Equilíbrio entre todas as áreas do saber, respeitando essencialmente as áreas disciplinares/temáticas e de referência e o número de alunos que as frequentam; i. Orientação do Plano Nacional de Leitura (PNL) j. Objectivo de alcançar um fundo global equivalente a 10 vezes o nº de alunos. Após a recolha das informações acima, a Equipa analisa as listagens de material e selecciona, estabelecendo prioridades, tendo em consideração as áreas mais deficitárias e a verba disponível. São feitas várias consultas às diferentes editoras, sendo feita posterior selecção em função dos preços e condições de aquisição apresentadas. A encomenda é feita pela equipa, aprovada pelo Presidente do Órgão Directivo.
  • 5. Agrupamento de Escolas Brás Garcia de Mascarenhas Biblioteca escolar/Centro de Recursos Educativos Manual de Procedimentos 2. Avaliação da colecção existente Com o objectivo de responder às necessidades do nosso público alvo, procede-se à avaliação do fundo documental da BE/CRE com o propósito de verificar a sua actualização, pertinência, estado de conservação, interesse e valor para o nível de ensino da nossa escola. Esta tarefa permiti-nos fazer uma avaliação mais criteriosa da dimensão do fundo documental e da sua diversidade e corrigir os pontos fracos. 3 - Tratamento técnico documental Imediatamente após a chegada do material adquirido aos Serviços Administrativos da Escola, os mesmos são entregues na BE/CRE onde são cuidadosamente conferidos através da guia ou factura pró-forma. Depois deste procedimento, o documento está pronto para o seu registo, carimbagem e procedimentos subsequentes. Ao acervo documental já existente é feita uma análise para detecção de material danificado ou com deficiente funcionamento, sendo abatido sempre que deixe de estar em condições aceitáveis. 3.1 – Registo Esta operação tem como objectivo a inventariação dos documentos que constituem o fundo documental da BE/CRE. Sempre que houver aquisições de fundo documental em qualquer suporte, este deverá ser registado de imediato em suporte informático. Em documento de suporte existente para o efeito, registam-se os jornais diários, e todos os periódicos. Em documento próprio, Livro de Registos, registam-se todas as obras (DI – documentos impressos e DNI - documentos não impressos) seguindo os critérios: nº de registo, data de entrada, autor, Edição (local, editor, data), nº de volumes, suporte, modo de aquisição, cota e observações. As páginas serão todas numeradas. Dada a rápida desactualização dos manuais escolares e o seu carácter efémero enquanto publicações de referência da colecção da biblioteca, estes serão registados num livro específico para o efeito.
  • 6. Agrupamento de Escolas Brás Garcia de Mascarenhas Biblioteca escolar/Centro de Recursos Educativos Manual de Procedimentos 3.2 – Carimbagem A carimbagem deverá ser feita tendo em consideração a salvaguarda da integridade da mancha gráfica, das ilustrações e imagens. Todos os documentos têm de ser carimbados, utilizando-se, para tal, duas espécies de carimbos: o de registo e o de logótipo.  Documentos impressos: livros o Os livros são carimbados no canto superior direito, na página com maior de informação sobre o documento, com o logótipo da biblioteca e com o carimbo de registo no canto inferior direito.  Documentos impressos: publicações periódicas As publicações periódicas são carimbadas, apenas, com o logótipo da biblioteca e da seguinte de forma: o Revistas – Na capa e na página do sumário; o Jornais – Junto ao titulo. o Este procedimento será, igualmente, utilizado em brochuras, desdobráveis e folhetos.  Material Não Livro: CD-Áudio; CD-rom; DVD; Cassetes Video; Diapositivos. o Os carimbos com o logótipo e de registo aplicam-se na contracapa. o No próprio documento será colocada uma etiqueta com o carimbo do registo ou escrita esta informação com caneta de acetato. o Os originais são retirados das capas, guardados em segurança.  Material Não livro: Suporte iconográfico (postal, fotografia, etc.) e mapas o Aplicar o carimbo de registo no verso do documento. 3.3 Catalogação, classificação e indexação o Na catalogação são seguidas as Regras Portuguesas de Catalogação. o A classificação é feita segundo a CDU da BN, tendo sido preparada uma tabela adaptada/simplificada para a realidade da BE/CRE. (em anexo). o O número mínimo de exemplares para abrir uma subclasse é de quatro. o O Software utilizado pela BE/CRE é o “BIBLIOBASE ”. o O trabalho de catalogação é da responsabilidade da funcionária e da coordenadora. o O trabalho de indexação é da responsabilidade da coordenadora.
  • 7. Agrupamento de Escolas Brás Garcia de Mascarenhas Biblioteca escolar/Centro de Recursos Educativos Manual de Procedimentos o Serão campos de preenchimento obrigatório, os seguintes: Identificação  010 ISBN ^a número (ISBN)  021 Número de depósito legal ^a código do país ^b número  100 Dados gerais de processamento ^a data de entrada do documento e data de publicação  101 Língua da publicação ^a língua do texto, banda sonora … ^c língua do documento no original  102 ^a país de publicação  200 Título e menção de responsabilidade ^a título próprio ^e informação de outro título ^f primeira menção de responsabilidade ^g outras menções de responsabilidade  205 Menção da edição ^a menção da edição ^g outra menções de responsabilidade relativas à edição  210 Publicação, Distribuição ^a lugar de edição ^c nome do editor, distribuidor ^d data da publicação ^h data da impressão  215 Descrição física ^a descrição física ^c outras indicações físicas ^d descrição física dimensões  225 Colecção ^a título próprio da colecção ^v indicação de volume Assuntos  675 CDU ^a notação ^v edição ^z língua da edição Responsabilidade Intelectual  700 Responsabilidade Principal ^a nome de autor – Palavra de Ordem ^b Outra parte do nome  701 Co-responsabilidade Principal
  • 8. Agrupamento de Escolas Brás Garcia de Mascarenhas Biblioteca escolar/Centro de Recursos Educativos Manual de Procedimentos ^a nome de autor - Palavra de ordem ^b outra parte do nome ^4 Código da função  702 Responsabilidade Secundária ^a Nome de autor – Palavra de ordem ^b Outra parte do nome ^4 Código de função  966 Existências ^1 sigla ^a número de registo ^s cota 3.4 – Cotação Após a catalogação, classificação e indexação, os documentos são cotados. A cotação é a fase do tratamento documental em que a cada documento é atribuído um código que permite a sua arrumação nas estantes. Desta forma, a posterior recuperação do documento por parte do utilizador é mais fácil. Cota – código que permite a fácil identificação de uma espécie dentro do fundo documental; estabelece uma relação entre os dados relativos a um documento e a sua posição na prateleira/estante. A classificação utilizada foi a Classificação Decimal Universal (CDU) seguida das três primeiras letras do apelido do autor. Os livros são colocados na estante /prateleira/ por ordem alfabética, pelo apelido do autor. Nota - a cota é registada a lápis. 3.5 – Arrumação A arrumação dos documentos é efectuada com base na cota, utilizando a CDU. Estão arrumados por assunto e, dentro deste, por ordem alfabética do apelido do autor. Uma vez que os documentos se encontram em livre acesso, é de particular importância a sinalização das estantes/prateleiras. Etapas inerentes à operacionalização da arrumação: a) Identificar os temas dos documentos entrados, na Biblioteca, para a produção de títulos que servirão para sinalizar as estantes/prateleiras com as classes da CDU; c) As estantes devem ter a indicação das grandes classes da CDU, nos porta-títulos, mas, dentro delas só se criarão subclasses, se o número de títulos existentes o justificar. A colocação de fundo documental nas estantes obedece ainda ao seguinte critério: da esquerda para a direita e de cima para baixo.
  • 9. Agrupamento de Escolas Brás Garcia de Mascarenhas Biblioteca escolar/Centro de Recursos Educativos Manual de Procedimentos 3.6 – Arquivo/Difusão 1. O arquivo do acervo documental desbastado será feito contemplando: o Ano lectivo de desbaste; o Assunto/tema; o Ordem alfabética por autor. 2. Mensalmente será feito o desbaste de publicações periódicas a abater: o Serão organizados dossiers temáticos com recortes; o Os restantes serão reciclados; o As revistas cujo teor seja manifestamente importante para o tratamento/informação pedagógica serão organizadas e arquivadas por ano lectivo. 3. As novidades serão divulgadas mediante informação interna (Conselho Pedagógico) e expostas na biblioteca temporariamente em expositor criado para o efeito, pela disponibilização do catálogo informatizado e actualizado e pela disponibilização da informação através da Internet, na página/blogue (http://be23ceb.blogspot.com) da BE/CRE